Você está na página 1de 17

®

Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415


LISTA 01 – ESCALAS TERMOMÉTRICAS: (h(mm)) do líquido termométrico de determinado termômetro. A relação
entre as temperaturas nas duas escalas, sendo tRio2016 = f(tC), é:
01) (MACK/2010) Um termômetro graduado na escala Celsius (ºC) é co-
locado juntamente com dois outros, graduados nas escalas arbitrárias A a) tRio2016 = 1,4tC – 10; b) tRio2016 = 1,4tC + 20; c) tRio2016 = 1,4tC – 20;
(ºA) e B (ºB), em uma vasilha contendo gelo (água no estado sólido) em d) tRio2016 = 1,2tC – 20; e) tRio2016 = 1,2tC + 20.
ponto de fusão, ao nível do mar. Em seguida, ainda ao nível do mar, os
mesmos termômetros são colocados em uma outra vasilha, contendo 06) (UFTM/2010) Um casal de norte-americanos visitou a Bahia e expe-
água em ebulição, até atingirem o equilíbrio térmico. As medidas das rimentou o tradicional acarajé, aprendendo que lá, quente, além do que
temperaturas, em cada uma das experiências, estão indicadas nas figu- se espera para essa palavra, pode ser traduzido como muuuuito apimen-
ras 1 e 2, respectivamente. Para uma outra situação, na qual o termôme- tado! De qualquer modo, gostaram dessa comida, gostaram tanto, que
tro graduado na escala A indica 17ºA, o termômetro graduado na escala pediram a receita. Para a versão apimentada da palavra “quente”, não ti-
B e o graduado na escala Celsius indicarão, respectivamente, veram dificuldades para a tradução, entretanto, para expressar a tempe-
ratura de 200ºC na qual os bolinhos eram fritos, tiveram que realizar uma
conversão, encontrando o valor em Fahrenheit, correspondente

a) 93 ºF. b) 168 ºF. c) 302 ºF. d) 392 ºF. e) 414 ºF.

07) (PUC/2010) No LHC (Grande Colisor de Hádrons), as partículas vão


correr umas contra as outras em um túnel de 27km de extensão, que tem
algumas partes resfriadas a –271,25ºC. Os resultados oriundos dessas
colisões, entretanto, vão seguir pelo mundo todo. A grade do LHC terá
60 mil computadores. O objetivo da construção do complexo franco-
suíço, que custou US$ 10 bilhões e é administrado pelo Cern (Organiza-
ção Europeia de Pesquisa Nuclear, na sigla em Francês), é revolucionar
a) 0ºB e 7ºC; b) 0ºB e 10ºC; c) 10ºB e 17ºC; a forma de se enxergar o Universo. A temperatura citada no texto, ex-
d) 10ºB e 27ºC; e) 17ºB e 10ºC. pressa nas escalas fahrenheit e kelvin, equivale, respectivamente, aos
valores aproximados de:
02) (PUC/2010) Temperaturas podem ser medidas em graus Celsius (ºC)
ou Fahrenheit (ºF). Elas têm uma proporção linear entre si. Temos: 32ºF a) –456 e 544 b) –456 e 2 c) 520 e 544 d) 520 e 2 e) – 456 e –2
= 0ºC; 20ºC = 68ºF. Qual a temperatura em que ambos os valores são
iguais? 08) (UCS/2010) Se determinada substância em estado gasoso expande
ou contrai seu volume em 1 unidade de medida cada vez que sua tempe-
a) 40; b) –20; c) 100; d) –40; e) 0. ratura aumenta ou diminui, também em 1 unidade de medida, pode-se,
baseado apenas nessa informação, utilizar essa substância para constru-
03) (UEPG/2010) A temperatura é uma das grandezas físicas mais co- ir um(a)
nhecidas dos leigos. Todos os dias boletins meteorológicos são divulga-
dos anunciando as prováveis temperaturas máxima e mínima do período. a) termômetro. b) balança. c) paquímetro.
A grande maioria da população conhece o termômetro e tem o seu pró- d) macaco hidráulico. e) bússola.
prio conceito sobre temperatura. Sobre temperatura e termômetros, assi-
nale o que for correto. 09) (UEG/2010) A contracepção é a prevenção deliberada da gravidez.
Uma das formas usadas para impedir a gravidez é absterse de relações
01. A fixação de uma escala de temperatura deve estar associada a uma sexuais apenas durante o período fértil do ciclo menstrual. Esse método
propriedade física que, em geral, varia arbitrariamente com a temperatu- é conhecido como método do timo ovulatório ou da “tabelinha”. O gráfico
ra. abaixo apresenta as variações em ºC da temperatura corpórea em fun-
02. Grau arbitrário é a variação de temperatura que provoca na proprie- ção dos dias do ciclo menstrual de uma mulher. Qual é a variação apro-
dade termométrica uma variação correspondente a uma unidade da vari- ximada da temperatura corpórea, em graus centígrados no gráfico, que
ação que esta mesma propriedade sofre quando o termômetro é levado ocorre no período seguro e que corresponde ao menor risco de gravi-
do ponto de fusão até o ponto de ebulição da água. dez? AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia. 2.
04. Temperatura é uma medida da quantidade de calor de um corpo. ed. São Paulo: Moderna, 2004. p. 367. (Adaptado).
08. A água é uma excelente substância termométrica, dada a sua abun-
dância no meio ambiente.
16. Dois ou mais sistemas físicos, colocados em contato e isolados de in-
fluências externas, tendem para um estado de equilíbrio térmico, que é
caracterizado por uma uniformidade na temperatura dos sistemas.

04) (UNESP/2010) Um termoscópio é um


dispositivo experimental, como o mostrado
na figura, capaz de indicar a temperatura
a partir da variação da altura da coluna de
um líquido que existe dentro dele. Um alu-
no verificou que, quando a temperatura na
qual o termoscópio estava submetido era
de 10ºC, ele indicava uma altura de 5mm.
Percebeu ainda que, quando a altura ha- a) 0,0; b) 0,3; c) 0,6; d) 1,1.
via aumentado para 25mm, a temperatura
era de 15ºC. Quando a temperatura for de 10) (UFPB/2010) Durante uma temporada de férias na casa de praia, em
20ºC, a altura da coluna de líquido, em mm, será de certa noite, o filho caçula começa a apresentar um quadro febril preocu-
pante. A mãe, para saber, com exatidão, a temperatura dele, usa um ve-
a) 25. b) 30. c) 35. d) 40. e) 45. lho termômetro de mercúrio, que não mais apresenta com nitidez os nú-
meros referentes à escala de temperatura em graus Celsius. Para resol-
05) (FEPECS/2010) Observe a tabela: ver esse problema e aferir com precisão a temperatura do filho, a mãe
decide graduar novamente a escala do termômetro usando como pontos
fixos as temperaturas do gelo e do vapor da água. Os valores que ela ob-
tém são: 5cm para o gelo e 25cm para o vapor. Com essas aferições em
mãos, a mãe coloca o termômetro no filho e observa que a coluna de
mercúrio para de crescer quando atinge a marca de 13cm. Com base
nesse dado, a mãe conclui que a temperatura do filho é de:

Não satisfeito com as escalas termométricas existentes, um estudante a) 40,0ºC; b) 39,5ºC; c) 39,0ºC d) 38,5ºC; e) 38,0ºC.
resolveu adotar uma chamada denominada Rio2016 para medir tempera-
tura, obtendo a tabela acima. Nessa tabela estão representados os pon- LISTA 01 – GABARITO:
tos de gelo e de vapor, os valores adotados para a escala Rio2016 (tRi-
01) B; 02) D; 03) 18; 04) E; 05) C; 06) D; 07) B; 08) A; 09) B; 10) A.
o2016), os valores conhecidos da escala Celsius (tC) e as alturas da coluna

Professor Caçu 1 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
LISTA 02 – DILATAÇÕES: foi reformulado para o evento, com um sistema de climatização ambien-
tal para assegurar que a temperatura se mantivesse constante em 20°C.
2
01) (MACK/2010) Uma chapa metálica de área 1m , ao sofrer certo a- A plateia, era majoritariamente composta por torcedores do time local,
2
quecimento, dilata de 0,36mm . Com a mesma variação de temperatura, entre os quais foram reconhecidos cientistas premiados e representantes
3
um cubo de mesmo material, com volume inicial de 1dm , dilatará de empresas de alta tecnologia. O jogo estava nos cinco minutos finais e
empatado. Aconteceu, então, um grande movimento na plateia. De um
3 3 3 3 3
a) 0,72mm ; b) 0,54mm ; c) 0,36mm ; d) 0,27mm ; e) 0,18mm . lado, os torcedores pedem alimentos e bebidas quentes e iluminam a
cesta com lanternas infravermelhas. Do outro, da cesta do time local, to-
02) (UDESC/2010) A ta- dos querem sorvetes e bebidas geladas. Usou-se de todos os meios
bela apresenta uma re- possíveis, inclusive alterando o sistema de climatização, para aquecer a
lação de substâncias e região em torno da cesta do time visitante e esfriar a do time local. Dois
os seus respectivos valo- torcedores, representantes da tecnociência, colocados atrás das cestas
res de coeficiente de di- conversavam ao telefone: – Aqui está 19°C e aí? – Aqui está 21°C, ven-
latação linear e conduti- cemos! Terminado o jogo, o técnico do time visitante desabafou: — Suja-
vidade térmica, ambos ram um bom jogo e mataram uma boa ideia. Explique, qualitativa e quan-
medidos à temperatura titativamente, por que os dois torcedores tinham certeza de ter vencido e
de 20°C. Assinale a al- comente as opiniões do técnico visitante, considerando que o diâmetro
ternativa correta, to- da bola e dos aros são iguais, respectivamente, a 230,0mm e a 230,1mm
−4 −1
mando como base as in- e que o coeficiente de dilatação linear dos aros é 4,8.10 ºC .
formações acima.
07) (UFC/2010) Um triângulo retângulo isósceles é montado com arames
a) Barras do mesmo comprimento dos metais listados na tabela sofrerão de materiais distintos, de modo que nos catetos o material possui coefi-
dilatações iguais, quando submetidas a uma variação de temperatura de ciente de dilatação térmica linear A 2 º C −1 , enquanto na hipotenusa o
20°C.
b) A condutividade térmica das substâncias permanece constante, inde- material possui coeficiente de dilatação térmica linear A/ 2 º C−1 . Deter-
pendentemente da temperatura em que estas se encontram. mine a variação de temperatura para que o triângulo torne-se equilátero.
c) Substâncias que possuem maior condutividade térmica também apre-
sentam maiores coeficientes de dilatação. 08) (ITA/2010) Um quadro quadrado de
d) Dentre as substâncias listadas na tabela, o cobre é a melhor opção lado l e massa m, feito de um material de
para fazer isolamentos térmicos. coeficiente de dilatação superficial β, é
e) Duas chapas de dimensões iguais, uma de alumínio e outra de con- pendurado no pino O por uma corda inex-
creto, são submetidas à mesma variação de temperatura. Constata-se tensível, de massa desprezível, com as
então que a variação de dilatação superficial da chapa de alumínio é du- extremidades fixadas no meio das arestas
as vezes maior que a da chapa de concreto. laterais do quadro, conforme a figura. A
força de tração máxima que a corda pode
03) (UEG/2010) Considere uma molécula de água e outra de dióxido de suportar é F. A seguir, o quadro é subme-
enxofre, ambas a uma mesma altura na atmosfera terrestre. Sobre essas tido a uma variação de temperatura ΔT, di-
moléculas e a situação descrita, é CORRETO afirmar: latando. Considerando desprezível a variação no comprimento da corda
devida à dilatação, podemos afirmar que o comprimento mínimo da cor-
a) dentre as moléculas, a força gravitacional entre a água e a Terra é da para que o quadro possa ser pendurado com segurança é dado por
maior.
b) a água no estado líquido a 4ºC tem a maximização do seu volume.
c) o dióxido de enxofre é um dos responsáveis pela chuva ácida.
a)2lF β ΔT /mg; b) 2lF (1 + βΔT) /mg; c) 2lF (1 + βΔT ) / (4F 2
− m 2g 2 )
d) no dióxido de enxofre, o ângulo de ligação é de 120º.
d) 2lF (1 + βΔT ) /(2F – mg) e) 2lF (1 + βΔT ) /( 4F − m g )
2 2 2

04) (UERJ/2010) A figura repre-


senta um retângulo formado por 09) (UFG/2010) Deseja-se acoplar um eixo cilíndrico a uma roda com um
quatro hastes fixas. Considere orifício circular. Entretanto, como a área da seção transversal do eixo é
as seguintes informações sobre 2,0% maior que a do orifício, decide-se resfriar o eixo e aquecer a roda.
esse retângulo: sua área é de O eixo e a roda estão inicialmente à temperatura de 30ºC. Resfriando-se
2
75cm à temperatura de 20ºC; a o eixo para –20ºC, calcule o acréscimo mínimo de temperatura da roda
razão entre os comprimentos de l0A e l0B é igual a 3; as hastes de com- para que seja possível fazer o acoplamento. O eixo e a roda são de alu-
–5 –1
primento l0A são constituídas de um mesmo material, e as hastes de mínio, que tem coeficiente de dilatação superficial de 5,0.10 ºC .
comprimento l0B de outro; a relação entre os coeficientes de dilatação
desses dois materiais equivale a 9. Admitindo que o retângulo se trans- 10) (UFG/2010) Têm-se atribuído o avanço dos oceanos sobre a costa
–1
forma em um quadrado à temperatura de 320ºC, calcule, em ºC , o valor terrestre ao aquecimento global. Um modelo para estimar a contribuição
do coeficiente de dilatação linear do material que constitui as hastes me- da dilatação térmica é considerar apenas a dilatação superficial da água
nores. dos oceanos, onde toda superfície terrestre está agrupada numa calota
de área igual a 25% da superfície do planeta e o restante é ocupada pe-
05) (UESPI/2010) Uma fenda los oceanos, conforme ilustra a figura. De acordo com o exposto, calcule
de largura 2,002cm precisa a variação de temperatura dos oceanos responsável por um avanço mé-
ser perfeitamente vedada por dio de L = 6,4m sobre superfície terrestre.
uma pequena barra quando a
temperatura no local atingir
130ºC. A barra possui comprimento de 2cm à temperatura de 30ºC, co-
mo ilustra a figura (os comprimentos mostrados não estão em escala).
Considerando desprezível a alteração na largura da fenda com a tempe-
ratura, a barra apropriada para este fim deve ser feita de:
–5 –1
a) chumbo, com coeficiente de dilatação linear α = 3.10 ºC .
–5 –1
b) latão, com coeficiente de dilatação linear α = 2.10 ºC .
–5 –1
c) aço, com coeficiente de dilatação linear α = 10 ºC .
–6 –1
d) vidro pirex, com coeficiente de dilatação linear α = 3.10 ºC .
–7 –1
e) invar, com coeficiente de dilatação linear α = 7.10 ºC .

06) (UFBA/2010) Houve apenas um jogo do basquetebol de alta tecno-


logia. A ideia, que parecia promissora e que exigiu enormes investimen-
tos, foi logo bandonada. Superatletas foram criados utilizando técnicas
de melhoramentos genéticos em células embrionárias dos melhores jo-
gadores e jogadoras de todos os tempos. A bola, confeccionada com um 11) (UFRR/2010) Na construção civil para evitar rachaduras nas arma-
material isolante térmico de altíssima qualidade, era uma esfera perfeita. ções longas de concreto, como por exemplo, pontes, usa-se a constru-
Os aros das cestas, círculos perfeitos, foram feitos de uma liga metálica, ção em blocos separados por pequenas distâncias preenchidas com ma-
resultado de longa pesquisa de novos materiais. O ginásio de esportes terial de grande dilatação térmica em relação ao concreto, como o piche

Professor Caçu 2 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
-5 -3 -4 -3 -4 -5
betuminoso. Uma barra de concreto, de coeficiente linear 1,9.10 /ºC e a) 1,2.10 . b) 1,2.10 . c) 8,3.10 . d) 8,3.10 . e) 8,3.10 .
comprimento 100m a 30ºC, sofrerá uma dilatação linear a 40ºC de:
17) (UNIRG/2010) Quando se constrói uma estrada de ferro, deve-se dis-
-2 -3 -5 -1 -2
a) 1,9.10 m; b) 1,5.10 m; c) 1,9.10 m; d) 1,7.10 m; e) 2,1.10 m. tanciar um trilho do outro para que a dilatação térmica não produza o e-
feito indesejado, apresentado na figura a seguir. Na construção de uma
12) (FAMECA/2010) Sabe-se que a dilatação (ΔV) de um corpo sólido é ferrovia, com trilhos de ferro de 8m de comprimento, a distância mínima
função das medidas iniciais desse corpo (Vo), da variação de temperatu- que deve ser deixada entre dois trilhos consecutivos, para uma variação
ra (Δt) a que ele é submetido e do material de que ele é constituído. O máxima de temperatura de +50ºC em relação à temperatura ambiente do
gráfico que melhor representa essa dilatação em função da variação de dia de instalação dos trilhos é, em mm, de: Coeficiente de dilatação do
–5 –1
temperatura é ferro = 1,2.10 ºC

a) 1,2; b) 2,4; c) 3,6; d) 4,8.

18) (UECE/2010) Um ferreiro


deseja colocar um anel de aço
a) b) c) ao redor de uma roda de madei-
ra de 1,200m de diâmetro. O di-
âmetro interno do anel de aço é
1,198m. Sem o anel ambos es-
tão inicialmente à temperatura
ambiente de 28 ºC. A que tem-
peratura é necessário aquecer o
anel de aço para que ele encai-
d) e) xe exatamente na roda de ma-

deira? (OBS.: Use α = 1,1.10
5 –1
ºC para o aço).

a) 180ºC. b) 190ºC. c) 290ºC. d) 480ºC.

19) (UFRN/2010) A figura 1, abaixo, mostra o esquema de um termostato


13) (FMJ/2010) Um bloco de ferro homogêneo recebeu 2.10 J de calor e,
6 que utiliza uma lâmina bimetálica composta por dois metais diferentes –
como consequência, sofreu dilatação volumétrica. Considere as seguin- ferro e cobre – soldados um sobre o outro. Quando uma corrente elétrica
tes informações sobre o ferro: coeficiente de dilatação volumétrica = aquece a lâmina acima de uma determinada temperatura, os metais so-
5 1 3
3,6.10− ºC− ; calor específico = 0,5.10 J/(kg.K); massa específica = frem deformações, que os encurvam, desfazendo o contato do termosta-
3 3
8.10 kg/m . A variação de volume sofrida por esse bloco, em múltiplos de to e interrompendo a corrente elétrica, conforme mostra a figura 2.
5 3
10− m , foi de

a) 0,3. b) 0,6. c) 0,9. d) 1,8. e) 3,6.

14) (MACK/2010) Uma placa de alumínio (coeficiente de dilatação linear


–5 –1 2
do alumínio = 2.10 ºC ), com 2,4m de área à temperatura de – 20ºC,
foi aquecido à 176ºF. O aumento de área da placa foi de
2 2 2 2 2
a) 24cm ; b) 48cm ; c) 96cm ; d) 120cm ; e) 144cm .

15) (PUC/2010) As vari-


ações de volume de cer- A partir dessas informações, é correto afirmar que a lâmina bimetálica
ta quantidade de água e encurva-se para cima devido ao fato de
do volume interno de um
recipiente em função da a) o coeficiente de dilatação térmica do cobre ser maior que o do ferro.
temperatura foram medi- b) o coeficiente de dilatação térmica do cobre ser menor que o do ferro.
das separadamente e c) a condutividade térmica do cobre ser maior que a do ferro.
estão representadas no d) a condutividade térmica do cobre ser menor que a do ferro.
gráfico abaixo, respecti-
vamente, pela linha con- LISTA 02 – GABARITO:
tínua (água) e pela linha tracejada (recipiente). Estudantes, analisando –2 –1
os dados apresentados no gráfico, e supondo que a água seja colocada 01) B; 02) E; 03) C; 04) αB= 1.10 ºC ; 05) C; 06) Os dois
dentro do recipiente, fizeram as seguintes previsões: torcedores que conversam ao telefone têm conhecimentos científi-
cos e sabem que os materiais, principalmente os metais, sofrem di-
I. O recipiente estará completamente cheio de água, sem haver derra- latação ao serem aquecidos. Eles sabem que o diâmetro do aro das
mamento, apenas quando a temperatura for 4ºC. cestas de basquetebol, com diâmetro original d0, coeficiente de di-
II. A água transbordará apenas se sua temperatura e a do recipiente as- latação linear α e submetido a uma variação de temperatura ΔT é
sumirem simultaneamente valores acima de 4ºC. dado por d = d0(1+α.ΔT) Ao aquecer de 1ºC o aro da rede no lado do
III. A água transbordará se sua temperatura e a do recipiente assumirem time visitante eles provocaram uma dilatação em seu diâmetro mo-
−4
simultaneamente valores acima de 4ºC ou se assumirem simultanea- dificando-o para d = 230,1(1+4,8.10 .(21–20)) = 230,21mm o que faci-
mente valores abaixo de 4ºC. lita a marcação de pontos pelo time local, já que o diâmetro do aro
foi aumentado. Por outro lado ao resfriar o aro da cesta em seu lado
A(s) afirmativa(s) correta(s) é/são apenas: eles provocaram uma contração deste, reduzindo-o para d =
−4
230,1(1+4,8.10 .(19 – 20)) = 229,99mm Com isto o time visitante não
a) I. b) I e II. c) I e III. d) II e III. e) I, II e III. conseguirá marcar pontos, uma vez que o aro tem diâmetro menor
do que o da bola.As atitudes dos torcedores facilitaram as realiza-
16) (UNCISAL/2010) A cidade do Rio de Janeiro foi escolhida para sedi- ções de pontos para o time local e impossibilitaram a marcação de
ar os jogos olímpicos de 2016. Dentre os esportes que compõem os jo- pontos pelo time adversário. O técnico do time visitante está recla-
gos, a natação sempre se destaca, sendo praticada em piscinas de 50m mando dessas atitudes dos anfitriões em utilizar conhecimentos ci-
de extensão. Há, porém, piscinas de 25m usadas para treinamento e, às entíficos para fraudar o resultado da partida. A ciência, na opinião
vezes, também em competições. Considere uma piscina semiolímpica, do técnico, deve ser utilizada de modo ético; 07) 1 ; 08)
ΔT = º C
de 25m de comprimento por 10m de largura e 2m de profundidade, cheia A
o
de água a temperatura ambiente de 18 C. Deseja-se aquecê-la até 30C, E; 09) ΔTr = 349,0ºC; 10) ΔT = 0,0043ºC; 11) A; 12) B; 13)
temperatura considerada ideal para a prática da natação. Para evitar dis- D; 14) C; 15) C; 16) D; 17) D; 18) A; 19) A.
sipação para o ar, a piscina é coberta por uma grande lona isolante du-
rante o aquecimento. Nesse aquecimento, observa-se que o volume de
água aumenta em cerca de 1%. Pode-se concluir que o coeficiente de di-
o -1
latação volumétrica da água vale, em C , aproximadamente.

Professor Caçu 3 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
LISTA 03 – CALORIMETRIA: a) A empresa Darkness de telefonia opera a uma frequência de 850MHz.
Calcule o comprimento de onda λ utilizado pela operadora de telefonia,
01) (UEPG/2010) Quanto à transferência de energia térmica, assinale o sabendo que as ondas eletromagnéticas se propagam com a velocidade
8
que for correto. da luz (c = 3,0.10 m/s).

01. Corpos diferentes apresentarão temperaturas diferentes após rece- b) Considere um aparelho celular que emite 1W de potência quando em
bimento de calor num determinado tempo. funcionamento. Um grupo de pesquisadores deseja estudar o quanto es-
02. A energia cinética média das partículas individuais está diretamente se aparelho celular provoca de aquecimento na cabeça dos seus usuá-
relacionada com a temperatura de uma substância. rios. Para tanto, realizam uma simulação num laboratório: enchem uma
04. Quanto maior o calor específico de uma substância, maior será a difi- bexiga de festa, de massa desprezível, com um dado líquido, tal que o
culdade em fazer variar a sua temperatura. conjunto (bexiga+líquido) tenha massa de 2kg. Em seguida, ligam o tele-
08. O calor específico é de maior valor nas substâncias sólidas do que fone celular, encostado no conjunto, pelo tempo total de 9min. Faça uma
nas substâncias líquidas. estimativa da elevação da temperatura do conjunto, após esse intervalo
de tempo, considerando que a potência emitida pelo aparelho celular se-
02) (UERJ/2010) O gráfico a seguir assinala a média das temperaturas ja absorvida pelo conjunto.
mínimas e máximas nas capitais de alguns países europeus, medidas
em graus Celsius. Considere a necessidade de aquecer 500g de água de 06) (FEPECS/10) Um corpo metálico, cujo calor específico é 0,1cal/gºC,
0ºC até a temperatura média máxima de cada uma das capitais. Deter- e massa de 1kg, é abandonado de uma altura de 42m acima do solo. A
mine em quantas dessas capitais são necessárias mais de 12kcal para colisão entre o corpo e o solo é inelástica, e toda a energia dissipada é
2
esse aquecimento. absorvida somente pelo corpo. Considere g=10m/s e 1cal=4,2J. A varia-
ção de temperatura do corpo medida em graus Celsius é de:

a) 1; b) 2; c) 3; d) 4; e) 5.

07) (FGV/2010) A primeira coisa que o vendedor de churros providencia


é o aquecimento dos 4 litros de óleo de fritura que cabem em sua frita-
deira. A partir de 20 ºC, levam-se 12 minutos para que a temperatura do
óleo chegue a 200 ºC, aquecimento obtido por um único queimador (bo-
ca de fogão), de fluxo constante, instalado em seu carrinho. Admitindo
que 80% do calor proveniente do queimador seja efetivamente utilizado
no aquecimento do óleo, pode-se determinar que o fluxo de energia tér-
mica proveniente desse pequeno fogão, em kcal/h, é, aproximadamente,
densidade do óleo = 0,9kg/L, calor específico do óleo = 0,5cal/(g.ºC)

a) 4000. b) 3500. c) 3000. d) 2500. e) 2000.


03) (UERJ/2010) A tabela mostra apenas alguns valores, omitindo ou-
08)- (UFFRJ/2010) Uma bola de ferro
tros, para três grandezas associadas a cinco diferentes objetos sólidos:
e uma bola de madeira, ambas com a
massa; calor específico; energia recebida ao sofrer um aumento de tem-
mesma massa e a mesma temperatu-
peratura de 10ºC. A alternativa que indica, respectivamente, o objeto de
ra, são retiradas de um forno quente
maior massa, o de maior calor específico e o que recebeu maior quanti-
e colocadas sobre blocos de gelo.
dade de calor é:
Marque a opção que descreve o que
acontece a seguir.

a) A bola de metal esfria mais rápido e derrete mais gelo.


b) A bola de madeira esfria mais rápido e derrete menos gelo.
c) A bola de metal esfria mais rápido e derrete menos gelo.
d) A bola de metal esfria mais rápido e ambas derretem a mesma quan-
tidade de gelo.
e) Ambas levam o mesmo tempo para esfriar e derretem a mesma quan-
tidade de gelo.

09) (UFRJ/2010) Um calorímetro ideal contém uma certa massa de um


líquido A a 300K de temperatura. Um outro calorímetro, idêntico ao pri-
meiro, contém a mesma massa de um líquido B à mesma temperatura.
Duas esferas metálicas idênticas, ambas a 400K de temperatura, são in-
a) I, III e IV; b) I, II e IV; c) II, IV e V; d) II, V e IV. troduzidas nos calorímetros, uma no líquido A, outra no líquido B. Atingi-
do o equilíbrio térmico em ambos os calorímetros, observa-se que a
04) (UFG/2010) Um automóvel possui uma mistura aquosa em seu sis- temperatura do líquido A aumentou para 360K e a do líquido B, para
tema de arrefecimento. Essa mistura é bombeada fazendo circular o ca- 320K. Sabendo que as trocas de calor ocorrem a pressão constante, cal-
lor do motor até o radiador, onde o calor é dissipado para o meio ambien- cule a razão cA/cB entre o calor específico cA do líquido A e o calor espe-
te. Um motorista liga o motor desse automóvel e parte para sua viagem. cífico cB do líquido B.
Decorridos 10min, ele observa, no indicador de temperatura do painel,
que a mistura chega ao radiador com 90ºC e permanece em torno desse 10) (UFTM/2010) Se o leite em um copo está muito quente, é uma práti-
valor durante a viagem. Isso ocorre porque ca comum derramá-lo para outro copo e deste para o primeiro, em uma
sucessão de movimentos semelhantes, que fazem o leite ficar mais frio,
a) o radiador dissipa mais calor do que o motor produz. sobretudo devido às trocas de calor com o ar. Se pudéssemos garantir
b) o radiador dissipa mais calor quanto maior a temperatura da mistura que não houvesse trocas de calor com o meio e com os copos, realizan-
aquosa. do o mesmo procedimento com 200mL de água, inicialmente a 20,0ºC,
c) motor libera menos calor quando aquecido acima dessa temperatura. passando de um copo para outro, distantes verticalmente a 0,5m, numa
d) o motor para de produzir calor acima dessa temperatura. sucessão de movimentos tal qual os realizados com o leite, a temperatu-
e) o radiador dissipa menos calor acima dessa temperatura. ra da água aumentaria para 20,1ºC, após um número de trocas de um
copo a outro, mais próximo de? densidade da água = 1g/mL; aceleração
2
05) (UFSCar/2010) Estima-se que da gravidade = 10m/s ; calor específico da água = 1cal/g.ºC; 1cal = 4J
hoje em dia o Brasil tenha cerca de
160 milhões de telefones celulares a) 100. b) 80. c) 60. d) 50. e) 40.
em operação. Esses aparelhos tão
populares utilizam a radiação na fre- 11) (UNIFOR/10) Um pai, ao sair de sua piscina (Largura 4m – Compri-
quência das micro-ondas para enviar mento 10,0m – Profundidade 1,2m) para brincar com seu filho na piscina
e receber as informações das cha- conjugada (Largura 2,0 – Comprimento 3,0m – Profundidade 0,50m), no-
madas telefônicas. Dado: O calor es- tou que a temperatura da água na piscina infantil era maior do que a
pecífico do líquido utilizado na simu- temperatura na sua piscina, muito embora as duas piscinas estivessem
lação é de 3,6J/g°C. expostas ao mesmo sol. Esta situação é possível ou impossível porque

Professor Caçu 4 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
a) impossível, visto que ambas as piscinas estão sob o mesmo sol; 16) (ACAFE/2010) Os comportamentos da temperatura (T) medida em
b) possível, visto que os comprimentos das piscinas são diferentes; °C em função do tempo (t), medido em minutos, de massas (mA), (mB),
c) possível, visto que as profundidades das piscinas são diferentes; (mC) e (mD) de um líquido, supostamente água pura, foram estudados
d) possível, visto que as larguras das piscinas são diferentes; por quatro grupos de alunos - A, B, C e D. Para tanto, o professor dispo-
e) possível, visto que uma piscina é maior que a outra. nibilizou aos alunos fontes de calor de potência térmica (PA), (PB), (PC) e
(PD), recipientes de vidro (idênticos), termômetros digitais (idênticos) e
12) (UNIMONTES/2010) No interior de um calorímetro ideal, encontram- volumes de líquidos. As medidas efetuadas pelos grupos estão apresen-
se 250g de água em equilíbrio térmico a 10ºC. São colocados dentro do tadas na tabela a seguir. Assim, é correto afirmar que:
calorímetro dois blocos de metal, um de cobre de massa 50g, a 80ºC, e
outro com massa 50g, feito de material sem identificação, a 100ºC. O sis-
tema estabiliza-se a uma temperatura final de 20ºC. O calor específico
do bloco feito do material sem identificação, em cal/gºC, é igual, aproxi-
madamente, a? Dados: Calor específico da água = 1,000cal/gºC; Calor
específico do cobre = 0,0924cal/gºC

a) 0,65. b) 0,43. c) 0,56. d) 0,34.

13) (UNIOESTE/2010) Se misturarmos, num recipiente de capacidade


térmica desprezível, 150g de água a 80ºC com 50g de gelo a 0ºC, consi-
derando o calor específico da água igual a 1cal/gºC e o calor de fusão do
gelo como 80cal/g, a temperatura de equilíbrio da mistura será de

a) 20ºC. b) 25ºC. c) 30ºC. d) 35ºC. e) 40ºC.

14)(UEPB/2010) Um forno de microondas produz ondas eletromagnéti- a) se mA > mB > mC > mD, então, PA = PB = PC = PD e o líquido é água pura
9
cas de frequência aproximadamente a 2500MHz (2,5.10 Hz) que é gera- em A, B, C e D.
da por um magnétron e irradiada por um ventilador de metal, que fica lo- b) se mA = mB = mC = mD, então, PA < PB e o líquido é água pura em A e
calizado na parte superior do aparelho, para o interior do mesmo. Atra- em B.
vés do processo de ressonância, as moléculas de água existentes nos a- c) se mA = mB = mC = mD, então, PA = PB = PC = PD e o líquido é água pura
limentos absorvem essas ondas, as quais fazem aumentar a agitação em A, B, C e D.
das mesmas, provocando assim o aquecimento dos alimentos de fora d) se mA = mB = mC = mD, então, PC < PD e o líquido é água pura em C e
para dentro. Veja o esquema. Acerca do assunto tratado no texto, resol- em D.
va a seguinte situação problema: Em um forno de microondas é colocado
meio litro de água (500g) a uma temperatura de 30°C. Suponha que as 17) (UCS/2010) Uma pessoa está parada na areia, de pés descalços,
microondas produzem 10000cal/min na água e despreze a capacidade assistindo a uma partida de vôlei de praia. Como a areia foi esquentan-
térmica do copo. Sabendo-se que o calor específico da água é de do, essa pessoa calçou um par de chinelos de borracha com 300g de
1,0cal/g°C, o tempo necessário para aquecer meio litro de água, em mi- massa. Ao ser colocado em contato com a areia, o par de chinelos sofreu
nutos, a uma temperatura de 80°C, é um aumento de temperatura. Supondo o calor específico da borracha do
chinelo como 0,8cal/gºC, e desconsiderando o calor transferido pela pes-
soa, qual foi a quantidade de calor total transferida pelo chão quente ao
par de chinelos (lembrando que 1cal = 4,18J), se o aumento de tempera-
tura que ele sofreu foi de 10ºC?

a) 11818J; b) 10300J; c) 10032J; d) 9300J; e) 6318J.

18) (UCS/2010) Se encostarmos um cubo de gelo a –5ºC em um materi-


al supercondutor a 77K, no qual há uma corrente elétrica circulando, o
que irá acontecer?

a) O gelo resfriará o supercondutor, mas não chegará a valores negati-


vos na escala Kelvin.
b) O gelo resfriará o supercondutor, chegando a valores negativos na
escala Kelvin.
c) O supercondutor extrairá calor do gelo.
a) 4,0. b) 2,5. c) 6,0. d) 8,0. e) 5,0. d) O supercondutor e o gelo entrarão em equilíbrio térmico sem mudar
suas temperaturas iniciais.
15) (UEPG/2010) Três amostras de diferentes materiais são sujeitas a e) O supercondutor derreterá o gelo por causa da corrente elétrica que
um experimento que consiste em, com auxílio de uma fonte térmica, passa por ele.
transferir calor para as amostras. Os calores específicos e as massas
das amostras são indicados no quadro abaixo e durante o experimento 2
19) (UFG/2010) Uma sala de aula de 200m e 3m de altura acomoda 60
não há mudança de estado físico. Sobre as conclusões desse experi- pessoas, que iniciam as atividades pela manhã a uma temperatura de
mento, assinale o que for correto. 25ºC. A taxa de dissipação de calor produzida por um ser humano adulto
sentado é, em média, 120W. Para que o corpo humano permaneça à
temperatura de 37ºC é adequado que o ambiente seja mantido a 25ºC,
assim a dissipação do calor por irradiação compensa a produção de ca-
lor do corpo. A capacidade térmica por unidade de volume do ar é
3
1300J/m ºC. Considerando o exposto, e tratando a sala de aula como um
sistema termicamente isolado, calcule:

a) a potência, em watts, do aparelho de ar-condicionado necessário para


manter a sala a 25ºC;

01. Se a mesma quantidade de calor, ΔQ, for cedida para as amostras a b) o intervalo de tempo, em minutos, para a sala atingir 37ºC, na ausên-
e b, então Δθb = 2Δθa. cia do equipamento de ar-condicionado.
02. Se as amostras b e c sofrem a mesma variação de temperatura, en-
tão ΔQb = 1,2ΔQc. 20) (UFSM/2010) Diz a lenda que o imperador Shen Nang descansava
04. Se as três amostras receberem a mesma quantidade de calor, a sob uma árvore, quando algumas folhas caíram no recipiente em que
temperatura final da amostra a será maior do que as temperaturas finais seus servos ferviam água para beber. Atraído pelo aroma, o imperador
das amostras b e c. provou o líquido e gostou. Nascia, assim, a tecnologia do preparo do chá.
08. As capacidades térmicas das amostras a e b valem, respectivamen- Num dia de inverno, a temperatura ambiente está em 9°C. Faz-se, então,
te, 30cal/g e 60cal/g. um chá, colocando-se 150g de água a 100°C numa xícara de porcelana,
16. Se as amostras a e c receberem, respectivamente, quantidades de à temperatura ambiente. Sabe-se que a porcelana tem calor específico
calor iguais a ΔQa e ΔQc = ΔQa/3, então Δθa = 5Δθc. cinco vezes menor do que o da água. Se não houver perdas de energia

Professor Caçu 5 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
para a vizinhança e a xícara tiver massa de 125g, a temperatura da á- a) 48; b) 63; c) 96; d) 126.
gua, quando o equilíbrio térmico com a xícara se estabelece, é de,
26) (FUVEST/2010) Energia térmica, obtida a partir da conversão de e-
a) 54,5°C. b) 72°C. c) 87°C. d) 89,4°C. e) 118,2°C. nergia solar, pode ser armazenada em grandes recipientes isolados, con-
tendo sais fundidos em altas temperaturas. Para isso, pode-se utilizar o
21) (UFTM/2010) Após sal nitrato de sódio (NaNO3), aumentando sua temperatura de 300ºC pa-
um carpinteiro enterrar ra 550ºC, fazendo-se assim uma reserva para períodos sem insolação.
um enorme prego de fer- Essa energia armazenada poderá ser recuperada, com a temperatura do
ro em uma viga de pero- sal retornando a 300ºC. Para armazenar a mesma quantidade de energia
ba, verifica-se que a que seria obtida com a queima de 1L de gasolina, necessita-se de uma
temperatura do mesmo massa de NaNO3 igual a
elevou-se em 10ºC. Da-
dos: • calor específico
do ferro = 0,1cal/gºC; • massa do prego = 50g; • 1cal = 4,2J. Admitindo
que 60% da energia transferida pelo martelo tenha acarretado a eleva-
ção da temperatura do prego e, considerando que o carpinteiro tenha
desferido 50 golpes com seu martelo sobre o prego, a energia média, em
joules, transferida em cada martelada é: a) 4,32kg. b) 120kg. c) 240kg.
4
d) 3.10 kg.
4
e) 3,6.10 kg.
a) 10. b) 9. c) 8. d) 7. e) 6. 27) (UFPB/2010) Uma maneira bastante prática e rápida de aquecer á-
gua é através de um aquecedor elétrico de nome popular “mergulhão”.
22) (UNESP/2010) Nos últimos anos temos sido alertados sobre o aque- Uma dona de casa costuma usar um mergulhão que fornece 25kcal de
cimento global. Estima-se que, mantendo-se as atuais taxas de aqueci- energia por minuto, para aquecer água. Desprezando o calor absorvido
mento do planeta, haverá uma elevação do nível do mar causada, inclu- pelo recipiente que contém a água e o calor perdido para a atmosfera,
sive, pela expansão térmica, causando inundação em algumas regiões identifique as afirmativas corretas:
costeiras. Supondo, hipoteticamente, os oceanos como sistemas fecha-
dos e considerando que o coeficiente de dilatação volumétrica da água é I. O mergulhão gasta 3min para elevar, de 25ºC até 100ºC, a temperatu-
–4 –1
aproximadamente 2.10 ºC e que a profundidade média dos oceanos é ra de um litro de água.
de 4km, um aquecimento global de 1ºC elevaria o nível do mar, devido à II. O mergulhão gasta 3min para elevar, de 25ºC até 50ºC, a temperatura
expansão térmica, em, aproximadamente, de três litros de água.
III. O mergulhão gasta 6min para elevar, de 25ºC até 100ºC, a tempera-
a) 0,3m. b) 0,5m. c) 0,8m. d) 1,1m. e) 1,7m. tura de um litro de uma determinada substância líquida, cujo calor espe-
23) (UNESP/2010) As pontes de hidrogênio entre moléculas de água são cífico é igual à metade do calor específico da água, porém de igual den-
mais fracas que a ligação covalente entre o átomo de oxigênio e os áto- sidade.
mos de hidrogênio. No entanto, o número de ligações de hidrogênio é tão IV. O mergulhão gasta meio minuto para elevar, de 20ºC até 45ºC, a
grande (bilhões de moléculas em uma única gota de água) que estas e- temperatura de um litro de água.
xercem grande influência sobre as propriedades da água, como, por e- V. O mergulhão leva um minuto para elevar em 50ºC a temperatura de
xemplo, os altos valores do calor específico, do calor de vaporização e -1
uma determinada substância de capacidade térmica 5.10 kcal/ºC.
de solidificação da água. Os altos valores do calor específico e do calor
de vaporização da água são fundamentais no processo de regulação de 28) (UNICAMP/2010) Em determinados meses do ano observa-se signi-
temperatura do corpo humano. O corpo humano dissipa energia, sob ati- ficativo aumento do número de estrelas cadentes em certas regiões do
vidade normal por meio do metabolismo, equivalente a uma lâmpada de céu, número que chega a ser da ordem de uma centena de estrelas ca-
100W. Se em uma pessoa de massa 60kg todos os mecanismos de re- dentes por hora. Esse fenômeno é chamado de chuva de meteoros ou
gulação de temperatura parassem de funcionar, haveria um aumento de chuva de estrelas cadentes, e as mais importantes são as chuvas de
temperatura de seu corpo. Supondo que todo o corpo é feito de água, em Perseidas e de Leônidas. Isso ocorre quando a Terra cruza a órbita de
quanto tempo, aproximadamente, essa pessoa teria a temperatura de algum cometa que deixou uma nuvem de partículas no seu caminho. Na
3
seu corpo elevada em 5ºC? calor específico da água ≅ 4,2.10 J/kgºC. sua maioria, essas partículas são pequenas como grãos de poeira, e, ao
penetrarem na atmosfera da Terra, são aquecidas pelo atrito com o ar e
a) 1,5h. b) 2,0h. c) 3,5h. d) 4,0h. e) 5,5h. produzem os rastros de luz observados.

24) (UEG/2010) A habilidade de uma pessoa em exercer uma atividade a) Uma partícula entra na atmosfera terrestre e é completamente freada
física depende de sua capacidade de consumir oxigênio. A forma física pela força de atrito com o ar após se deslocar por uma distância de
de uma pessoa é dada pela absorção máxima de oxigênio por períodos 4
1,5km. Se sua energia cinética inicial é igual a Ec = 4,5.10 J, qual é o
relativamente longos. Considere que uma pessoa, em boa forma física, módulo da força de atrito média? Despreze o trabalho do peso nesse
consiga, por longos períodos, absorver até cerca de 50ml de O2 por mi- deslocamento.
nuto e por quilograma de sua massa, liberando 4,9kcal por litro de O2.
Qual é a potência (em watts) de uma pessoa absorvendo 50ml de O2? b) Considere que uma partícula de massa m = 0,1g sofre um aumento de
temperatura de Δθ = 2400ºC após entrar na atmosfera. Calcule a quanti-
a) 20,25; b) 18,45; c) 15,75; d) 17,15. dade de calor necessária para produzir essa elevação de temperatura se
o calor específico do material que compõe a partícula é c = 0,90cal/g°C.
25) (UERJ/2010) A tabela mostra a quantidade de alguns dispositivos e-
létricos de uma casa, a potência consumida por cada um deles e o tem- LISTA 03 – GABARITO:
po efetivo de uso diário no verão. Considere os seguintes valores: densi-
3
dade absoluta da água: 1,0g/cm ; calor específico da água: 1,0cal/gºC; 01) 06; 02) 5 capitais; 03) D; 04) B; 05) a) λ ≈ 0,35m;
1cal = 4,2J; custo de 1kWh = R$ 0,50. No inverno, diariamente, um a- b) Δθ = 0,075°C; 06) A; 07) E; 08) C; 09) cA/cB = 1/6; 10) B;
quecedor elétrico é utilizado para elevar a temperatura de 120litros de 11) C; 12) C; 13) E; 14) B; 15) 30; 16) B; 17) C; 18) C;
água em 30ºC. Durante 30dias do inverno, o gasto total com este dispo-
19) a) 7200W; b) Δt ≈ 21,7min; 20) C; 21) D; 22) C; 23) C;
sitivo, em reais, é cerca de:
24) D; 25) B; 26) B; 27) I, II, V; 28) a) 30N; b) 216J.

Professor Caçu 6 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
LISTA 04 – PROPAGAÇÃO DE CALOR: 04. Fluxo de calor corresponde à quantidade de calor que atravessa uma
seção reta do corpo que o conduz, na unidade de tempo.
01) (UDESC/2010) Um sistema para aquecer água, usando energia so- 08. O calor, espontaneamente, se propaga do corpo de maior temperatu-
lar, é instalado em uma casa para fornecer 400L de água quente a 60°C ra para o corpo de menor temperatura.
durante um dia. A água é fornecida para casa a 15°C e a potência média 16. Quando dois corpos, em contato, estão em equilíbrio térmico, pode-
2
por unidade de área dos raios solares é 130W/m . A área da superfície se afirmar que o fluxo de calor entre eles é constante.
dos painéis solares necessários é:
05) (UESPI/2010) Constituem mecanismos de transmissão de calor os
2 2 2 2 2
a) 9,50m ; b) 7,56m ; c) 2,00m ; d) 25,0m ; e) 6,73m . seguintes processos:

02) (IME/2010) A figura composta por dois materiais sólidos diferentes A a) expansão, rarefação e contração.
e B, apresenta um processo de condução de calor, cujas temperaturas b) dilatação, condução e contração.
não variam com o tempo. É correto afirmar que a temperatura T2 da inter- c) convecção, rarefação e condução.
face desses materiais, em kelvins, é: Observações: T1: Temperatura da d) rarefação, radiação e dilatação.
interface do material A com o meio externo; T3: Temperatura da interface e) condução, radiação e convecção.
do material B com o meio externo; KA: Coeficiente de condutividade tér-
mica do material A; KB: Coeficiente de condutividade térmica de B. 06) (UFRN/2010) Os óculos de visão noturna detectam a radiação infra-
vermelha emitida ou refletida pelos corpos. Esses equipamentos são
bastante utilizados em aplicações militares, em navegação, e também
por pesquisadores, que, com o auxílio deles, podem detectar animais na
mata durante a noite, entre outras aplicações. Um desses tipos de ócu-
los, que utiliza a técnica da imagem térmica, opera por meio da captura
do espectro luminoso infravermelho, emitido, na forma de calor, pelos ob-
jetos. A teoria física que explica a emissão de radiação pelos corpos, e
na qual se baseia o funcionamento dos óculos de visão noturna, a teoria

a) do efeito fotoelétrico, de Einstein.


b) do átomo, de Bohr.
c) da dualidade onda-partícula, de De Broglie.
d) da radiação do corpo negro, de Planck.

a) 400; b) 500; c) 600; d) 700; e) 800. 07) (UFTM/2010) A respeito dos processos de transmissão de calor,
considere:
03) (UDESC/2010) A mostra o gráfico da intensidade de radiação por
comprimento de onda emitida por um corpo negro para diferentes tempe- I. na convecção, o calor é transferido de um lugar para outro tendo como
raturas. Com base nas informações do gráfico, analise as afirmativas a- agentes os próprios fluidos;
baixo. II. na condução, ocorre a transferência de energia cinética entre as partí-
culas;
III. na irradiação, o calor é transmitido sob a forma de ondas eletromag-
néticas.

É correto o contido em apenas

a) I; b) II; c) I e II; d) II e III; e) I, II e III.

08) (UNIMONTES/2010) Um radiômetro (veja a


figura) é um dispositivo constituído por um bul-
bo transparente, em cujo interior, isolado do
meio externo, encontra-se uma hélice constitu-
ída por quatro placas muito leves. Cada placa
possui uma face preta, de um lado, e branca,
do outro. A hélice pode girar livremente (prati-
camente sem atrito). O radiômetro é usado pa-
ra demonstrações de como a radiação térmica
I. A temperatura T1 é maior que a temperatura T3. é absorvida diferentemente por objetos escuros
II. A intensidade total de radiação emitida é maior para temperatura T3. e claros. Quando a radiação térmica incide so-
III. O comprimento de onda para o qual a radiação é máxima é maior pa- bre as placas, por causa da diferença de ab-
ra temperatura T3. sorção, as faces pretas se aquecem mais que as brancas, o que gera
IV. As temperaturas T1, T2 e T3 são iguais. uma corrente de convecção fazendo com que o ar circule no interior do
V. As intensidades totais de radiação emitida são iguais para T1, T2 e dispositivo e coloque a hélice para girar. O efeito visual do radiômetro em
T3. funcionamento é surpreendente, fato que o torna um ótimo dispositivo
para fins didáticos. Se um radiômetro for iluminado inicialmente com uma
Assinale a alternativa correta. lâmpada incandescente (luz amarela) e, posteriormente, com uma lâm-
pada de vapor de mercúrio (luz branca), é CORRETO afirmar que
a) Somente as afirmativas I, II e V são verdadeiras.
b) Somente as afirmativas II e IV são verdadeiras. a) a hélice irá se mover mais rapidamente ao ser iluminada pela lâmpada
c) Somente a afirmativa I é verdadeira. de vapor de mercúrio, pois a luz branca possui mais energia térmica.
d) Somente as afirmativas III e IV são verdadeiras. b) a hélice irá se mover mais rapidamente ao ser iluminada pela lâmpada
e) Somente a afirmativa II é verdadeira. de vapor de mercúrio, pois esta também emite radiação ultravioleta, cujo
comprimento de onda é maior que o da luz amarela.
04) (UEPG/2010) Calor pode ser conceituado como sendo uma forma de c) a hélice irá se mover mais rapidamente ao ser iluminada pela lâmpada
energia que é transferida de um sistema físico para outro sistema físico incandescente, pois esta gera bastante radiação em faixas de frequência
devido, exclusivamente, à diferença de temperatura existente entre os superiores às geradas pela lâmpada de vapor de mercúrio.
dois sistemas. Sobre o fenômeno da transferência de calor, assinale o d) a hélice irá se mover mais rapidamente ao ser iluminada pela lâmpada
que for correto. incandescente, pois esta gera bastante radiação infravermelha, além de
luz visível.
01. A transmissão do calor por convecção, em um meio, consiste essen-
cialmente no deslocamento de moléculas de diferentes densidades, de 09) (UNIOESTE/2010) Num dia de inverno a temperatura no interior de
uma região para outra desse meio. uma casa é 25ºC e no exterior é 5ºC. A perda de calor, através de uma
2
02. A condução do calor pode ser atribuída à transmissão da energia a- janela (kvidro = 0,2cal/s.m.ºC) de espessura 2mm e área 0,5m , em uma
través de colisões entre as moléculas constituintes de um corpo. Por is- hora é
so, os sólidos são melhores condutores de calor do que os líquidos e do
que os gases. a) 3600cal. b) 3600kcal. c) 36kcal. d) 360J. e) 3600J.

Professor Caçu 7 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
10) (UPE/2010) Dois cilindros feitos de materiais A e B têm os mesmos zem uso de um difusor de calor, geralmente de alumínio, cujo objetivo é
comprimentos; os respectivos diâmetros estão relacionados por dA = 2dB. melhorar a condutividade e homogeneizar a transferência de calor no
Quando se mantém a mesma diferença de temperatura entre suas ex- fundo da panela. condutividade térmica do alumínio = 60cal/sm°C; calor
tremidades, eles conduzem calor à mesma taxa. As condutividades tér- latente de vaporização da água = 540cal/g; calor latente de fusão do gelo
micas dos materiais estão relacionadas por: = 80cal/g; calor específico da água = 1cal/g°C; calor específico do gelo =
0,5cal/g°C. Em relação ao exposto, assinale a(s) proposição(ões) COR-
a) kA = kB/4; b) kA = kB/2; c) kA = kB; d) kA = 2kB; e) kA = 4kB. RETA(S).

11) (UPE/2010) Uma das extremidades de uma barra metálica isolada é


mantida a 100 ºC, e a outra extremidade é mantida a 0ºC por uma mistu-
ra de gelo e água. A barra tem 60,0cm de comprimento e uma seção reta
2
com área igual a 1,5cm . O calor conduzido pela barra produz a fusão de
9,0g de gelo em 10min. A condutividade térmica do metal vale em W/mK.
5
Dado: calor latente de fusão da água = 3,5.10 J/kg

a) 100 b) 180 c) 240 d) Zero e) 210

12) (FATEC/2010) Atualmente, muitas residências estão fazendo o uso


de energia solar, através de coletores instalados no telhado, para aque-
cer a água e, assim, contribuir para um menor gasto em energia elétrica
em relação aos chuveiros elétricos convencionais. Sobre esses coletores
solares são feitas as seguintes afirmativas:
I. As chapas de alumínio e as tubulações de água devem ser pintadas de
preto, pois a cor preta aumenta a absorção da energia radiante do sol in-
cidente, aquecendo mais rapidamente a água.
II. O processo de transmissão de calor, que ocorre das placas quentes
para a água, é chamado de convecção, ocorrendo devido ao desloca-
mento de matéria.
III. As placas de vidro colocadas sobre as tubulações são transparentes
à luz, mas boas refletoras de radiação infravermelha e por isso ajudam
no aquecimento da água no interior da tubulação.
01. O fluxo de calor através do difusor depende da sua geometria, do
É correto o que se afirma em apenas material e da diferença de temperatura entre as faces inferior e superior.
02. Supondo que a face inferior do difusor está a 105°C e a face superior
a) I, b) II, c) I e III, d) II e III, e) I, II e III. está a 100°C, o fluxo de calor através do difusor é 1,8cal/s.
04. O calor recebido por uma substância dentro da panela pode causar
13) (FMABC/2010) Segundo informações am- mudança de temperatura, mudança de fase ou ambas.
plamente divulgadas pelos diversos meios de 08. O fundo da panela aquece a água colocada no seu interior unicamen-
comunicação, a Groenlândia, segunda maior te por convecção, que envolve o transporte de matéria de uma região
calota de gelo da Terra, armazena 10% do gelo quente para uma região fria e vice-versa.
do planeta, ficando atrás apenas da Antártida. 16. Supondo um fluxo de calor através do fundo da panela de 2,0kcal/s,
Segundo dados obtidos pelos satélites, o derre- e que dentro dela foi colocado 150g de gelo a –10°C, serão necessários
timento (fusão) desse gelo vem acelerando aproximadamente 6,4s para fundir 2/3 do gelo.
desde o verão de 2004 e os resultados mostram 32. O difusor de alumínio é aquecido por radiação proveniente da chama
3
uma redução anual de 240km da calota de ge- da boca do fogão.
lo. De acordo com as estimativas dos cientistas,
esses dados indicam uma contribuição anual da 16) (UNICAMP/2010) Em 1948 Casimir propôs que, quando duas placas
Groenlândia de 0,54mm na elevação do nível metálicas, no vácuo, são colocadas muito próximas, surge uma força a-
do mar. Um dos vilões apontados para esse fenômeno é o aquecimento trativa entre elas, de natureza eletromagnética, mesmo que as placas es-
global causado pelo lançamento diário de diversos gases na atmosfera. tejam descarregadas. Essa força é muitas vezes relevante no desenvol-
Esses gases, que são liberados principalmente por veículos e indústrias, vimento de mecanismos nanométricos.
dificultam a troca de calor entre a Terra e o espaço, aumentando assim a
temperatura média do planeta. A energia térmica produzida pelo Sol é
transmitida até a Terra por ____ através da propagação de ondas ele-
tromagnéticas na faixa do ____. Os espaços acima ficarão corretamente
preenchidos utilizando, respectivamente, as palavras:

a) condução, ultravioleta. d) convecção, ultravioleta.


b) convecção, infravermelho. e) radiação, ultravioleta.
c) radiação, infravermelho.
a) A força de Casimir é inversamente proporcional à quarta potência da
14) (PUC/2010) Ainda nos dias atuais, povos que vivem no deserto usam distância entre as placas. Essa força pode ser medida utilizando-se mi-
roupas de lã branca como parte de seu vestuário para se protegerem do croscopia de força atômica através da deflexão de uma alavanca, como
intenso calor, já que a temperatura ambiente pode chegar a 50ºC duran- mostra a figura no espaço de resposta. A força de deflexão da alavanca
te o dia. Para nós, brasileiros, que utilizamos a lã principalmente no in- se comporta como a força elástica de uma mola. No experimento ilustra-
verno, a atitude dos povos do deserto pode parecer estranha ou equivo- do na figura, o equilíbrio entre a força elástica e a força atrativa de Casi-
cada, contudo ela pode ser explicada pelo fato de que: mir ocorre quando a alavanca sofre uma deflexão de Δx = 6,4nm. Deter-
mine a constante elástica da alavanca, sabendo que neste caso o módu-
a) a lã é um excelente isolante térmico, impedindo que o calor externo 4 −39
lo da força de Casimir é dado por FC = b/d , em que b = 9,6.10 Nm e d
4

chegue aos corpos das pessoas e a cor branca absorve toda a luz evi- é a distância entre as placas. Despreze o peso da placa.
tando que ela aqueça ainda mais as pessoas.
b) a lã é naturalmente quente e, num ambiente a 50ºC, ela contribui para b) Um dos limites da medida da deflexão da alavanca decorre de sua vi-
resfriar um pouco os corpos das pessoas. bração natural em razão da energia térmica fornecida pelo ambiente. Es-
c) a lã é um excelente isolante térmico, impedindo que o calor externo -23
sa energia é dada por ET = kBT, em que kB = 1,4.10 J/K, é a temperatu-
chegue aos corpos das pessoas e a cor branca reflete toda a luz diminu- ra do ambiente na escala Kelvin. Considerando que toda a energia ET é
indo assim o aquecimento da própria lã. convertida em energia elástica, determine a deflexão Δx produzida na a-
d) a lã é naturalmente quente, e o branco é uma “cor fria.” Esses fatos lavanca a T = 300K se a constante elástica vale kB = 0,21N/m.
combinados contribuem para o resfriamento dos corpos daquelas pesso-
as. LISTA 04 – GABARITO:
15) (UFSC/2010) O tipo de panela mais recomendado, por questões de 01) E; 02) B; 03) E; 04) 15; 05) E; 06) D; 07) E; 08) D;
saúde, é a panela de aço inox. Entretanto, o aço inox tem uma baixa 09) B; 10) A; 11) E; 12) C; 13) C; 14) C; 15) 05;
condutividade térmica. Para solucionar este problema, os fabricantes fa- 16) a) 0,015N/m; b) 0,2nm.

Professor Caçu 8 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
3 3 3 3 3
LISTA 05 – MUDANÇAS DE ESTADO: a) 22,57.10 J; b) 52,07.10 J; c) 42,18.10 J; d) 30,09.10 J; e) 35,05.10 J.

01) (PUC/2010) Uma quantidade de água líquida de massa m = 200g, a 09) (UNESP/2010) No campo da metalurgia é crescente o interesse nos
uma temperatura de 30ºC, é colocada em uma calorímetro junto a 150g processos de recuperação de metais, pois é considerável a economia de
de gelo a 0ºC. Após atingir o equilíbrio, dado que o calor específico da energia entre os processos de produção e de reciclagem, além da redu-
água é ca = 1,0cal/gºC e o calor latente de fusão do gelo é L = 80cal/g, ção significativa do lixo metálico. E este é o caso de uma microempresa
calcule a temperatura final da mistura gelo + água. de reciclagem, na qual desejava-se desenvolver um método para separar
os metais de uma sucata, composta de aproximadamente 63% de esta-
a) 10ºC; b) 15ºC; c) 0ºC; d) 30ºC; e) 60ºC. nho e 37% de chumbo, usando aquecimento. Entretanto, não se obteve
êxito nesse procedimento de separação. Para investigar o problema, fo-
02) (PUC/2010) Um cubo de gelo dentro de um copo com água resfria o ram comparadas as curvas de aquecimento para cada um dos metais i-
seu conteúdo. Se o cubo tem 10g e o copo com água tem 200ml e suas soladamente com aquela da mistura, todas obtidas sob as mesmas con-
respectivas temperaturas iniciais são 0Cº e 24Cº, quantos cubos de gelo dições de trabalho. Considerando as informações das figuras, é correto
devem ser colocados para baixar a temperatura da água para 20Cº? afirmar que a sucata é constituída por uma
(Considere que o calor específico da água é ca = 1,0cal/gCº, o calor la-
tente de fusão do gelo L = 80cal/g, e ρ = 1g/ml)

a) 1; b) 2; c) 3; d) 4; e) 5.

03) (UECE/2010) Considerando que os calores específico e latente de


vaporização da água são respectivamente c = 4190J/kgK e L =
2256kJ/kg, a energia mínima necessária para vaporizar 0,5kg de água
que se encontra a 30ºC, em kJ, e aproximadamente:

a) 645; b) 1275; c) 1940; d) 3820.

04) (UESPI/2010) Num calorímetro ideal, uma massa Ma de água líquida


a uma temperatura T é misturada com uma massa Mg de gelo a 0ºC. De- a) mistura eutética, pois funde a temperatura constante.
notam-se respectivamente por c e L o calor específico da água líquida e b) mistura azeotrópica, pois funde a temperatura constante.
o calor de fusão do gelo no sistema internacional de unidades. Quando o c) substância pura, pois funde a temperatura constante.
equilíbrio térmico é atingido à temperatura de 0ºC, não há mais gelo no d) suspensão coloidal que se decompõe pelo aquecimento.
calorímetro. Pode-se concluir que a temperatura T, expressa em ºC,vale: e) substância contendo impurezas e com temperatura de ebulição cons-
tante.
2
a) MgL/(Mac); b) Mac/(MgL); c) cL/(MaMg); d) MaMg/(cL); e) MaMg/(cL) .
10) (UNIFESP/2010) Em uma experiência de Termologia, analisou-se a
05) (UFAC/2010) Em geral, a temperatura do ser humano é constante e variação da temperatura, medida em graus Celsius, de 100g de uma
igual a 37°C. A hipotermia é caracterizada pela redução da temperatura substância, em função da quantidade de calor fornecido, medida em ca-
padrão de nosso corpo. A Medicina faz o uso controlado da hipotermia, lorias. Durante o experimento, observou-se que, em uma determinada
em determinadas cirurgias cerebrais e cardíacas. Esse procedimento di- etapa do processo, a substância analisada apresentou mudança de fase
minui o consumo de oxigênio do cérebro e do coração, bem como reduz sólida para líquida. Para visualizar o experimento, os dados obtidos fo-
a chance de danos ocasionados pela falta de circulação do sangue. Su- ram apresentados em um gráfico da temperatura da substância como
ponha que um paciente, de massa 60kg, seja submetido a uma cirurgia função da quantidade de calor fornecido. Determine:
de coração. A temperatura inicial de seu corpo é 37°C e pretende-se di-
minuí-la para 30°C. Considere o calor específico do corpo humano igual
a 1,0cal/g°C e o calor latente de fusão do gelo igual a 80cal/g. A massa
mínima de gelo necessária para diminuir a temperatura do paciente até
30°C é:

a) 10g; b) 4,25g; c) 4,25kg; d) 5,25g; e) 5,25kg.

06) (UFMG/2010) Considere estas informações: • a temperaturas muito


baixas, a água está sempre na fase sólida; • aumentando-se a pressão, a
temperatura de fusão da água diminui. Assinale a alternativa em que o
diagrama de fases pressão versus temperatura para a água está de a-
cordo com essas informações.
a) O calor específico da substância na fase líquida e seu calor latente
a) b) c) d) específico de fusão. Dados: Calor latente de fusão do gelo: L = 80cal/g;
Calor específico da água: c = 1,0cal/gºC

b) Após a substância atingir a temperatura de 80ºC, cessou-se o forne-


cimento de calor e adicionou-se à ela 50g de gelo a 0ºC. Supondo que a
troca de calor ocorra apenas entre o gelo e a substância, determine a
massa de água, fase líquida, em equilíbrio térmico.
07) (UFJF/2010) Com a finalidade de se fazer café, um recipiente com
0,5L de água é aquecido em um fogão. A temperatura da água aumenta 11) (UNIMONTES/2010) O calor latente de vaporização da água é
desde 25°C até 100ºC. Considere para a água: densidade ρ = 1,0kg/L; 540cal/g. Para vaporizar uma massa m de água ao nível do mar e à tem-
calor latente de vaporização Lv = 540cal/g; calor específico 1,0cal/gºC. peratura de 373,15K, necessitamos de 33858J de calor latente. A massa
da água, em gramas, é igual a: Dado: 1 cal = 4,18J
a) Calcule a quantidade de calor cedida à água, para que sua temperatu-
ra aumente desde 25ºC até 100°C. a) 15. b) 20. c) 45. d) 30.

b) Supondo que a quantidade de calor total cedida à água, até o momen- 12) (UFOP/2010) No gráfico, onde é
to em que se apaga a chama do fogão, foi de 145500cal, calcule o volu- mostrada a temperatura T em função do
me de água, em litros, que ficou no recipiente para ser utilizada no pre- tempo, são representados os processos
paro do café. de resfriamento de três materiais dife-
rentes de massas iguais. Os materiais
08) (UFT/2010) Considere que os calores específicos do gelo e da água foram colocados em um congelador que
3 3
são constantes e valem 2,05.10 J/(kgK) e 4,18.10 J/(kgK) respectiva- pode extrair suas energias a uma certa taxa constante. Analisando o grá-
mente. O calor latente de fusão e o calor latente de vaporização da água fico e sabendo que o resfriamento de cada material começou no estado
3 3
são 333,5.10 J/kg e 2257.10 J/kg respectivamente. Baseado nestas in- líquido e terminou no estado sólido, é CORRETO afirmar que
formações, pode-se dizer que o valor que melhor representa a quantida-
de mínima de calor necessária para transformar 10g de gelo a zero °C, a) a temperatura do ponto de fusão do material 2 é menor do que a tem-
sujeito a uma pressão de 1atm, em vapor é de: peratura do ponto de fusão do material 3.

Professor Caçu 9 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
b) o calor latente de fusão do material 1 é maior do que o calor latente de 18) (PUC/2010) Quando aquecemos água em nossas casas utilizando
fusão do material 2. um recipiente aberto, sua temperatura nunca ultrapassa os 100ºC. Isso
c) o calor específico no estado sólido do material 2 é maior do que o ca- ocorre porque:
lor específico no estado sólido do material 1.
d) o calor específico no estado líquido do material 3 é maior do que o ca- a) ao atingir essa temperatura, a água perde sua capacidade de absorver
lor específico no estado líquido do material 1. calor.
b) ao atingir essa temperatura, a água passa a perder exatamente a
13) (PUC/2010) Um cubo de gelo de massa mesma quantidade de calor que está recebendo, mantendo assim sua
100g e temperatura inicial -10ºC é colocado temperatura constante.
no interior de um microondas. Após 5 minu- c) as mudanças de fase ocorrem à temperatura constante.
tos de funcionamento, restava apenas vapor d) ao atingir essa temperatura, a água começa a expelir o oxigênio e ou-
d' água. Considerando que toda a energia foi tros gases nela dissolvidos.
totalmente absorvida pela massa de gelo
(desconsidere qualquer tipo de perda) e que o fornecimento de energia 19) (UNEMAT/2010) Analise as afirmativas.
foi constante, determine a potência utilizada, em W. São dados: Pressão
local = 1atm; Calor especifico do gelo = 0,5cal/gºC; Calor especifico da I. Calor Sensível é o calor trocado por um sistema e que provoca nesse
água líquida = 1,0cal/gºC; Calor latente de fusão da água = 80cal/g; Ca- sistema apenas variação de temperatura.
lor de vaporização da água = 540cal/g; 1cal = 4,2J. II. Calor latente é o calor trocado por um sistema e que provoca nesse
sistema apenas uma mudança de estado físico.
a) 1008; b) 896; c) 1015; d) 903; e) 1512. III. A capacidade térmica de um corpo é a relação constante entre a
quantidade de calor recebida e a correspondente variação de temperatu-
14) (PUCCAMP/2010) Um forno aquecido a carvão atinge a temperatura ra, sendo a equação matemática escrita na forma Q = mc(Tf – Ti).
θ. Uma peça de aço de massa 400g é retirada do forno a essa tempera- IV. O calor latente de uma mudança de estado de uma substância pura,
tura e introduzida, juntamente com 40g de gelo a −20ºC, em um calorí- mede numericamente a quantidade de calor trocada por uma unidade de
metro de cobre de capacidade térmica 40cal/ºC que está à temperatura massa da substância durante aquela mudança de estado, enquanto sua
de 20ºC. O equilíbrio térmico é estabelecido a 80ºC. Nestas condições, a temperatura permanece constante.
temperatura θ do forno, em ºC vale: Dados: Calor específico da água =
1,0cal/gºC; Calor específico do gelo = 0,50cal/gºC; Calor específico do Assinale a alternativa correta.
aço = 0,10cal/gºC; Calor latente de fusão do gelo = 80cal/g.
a) Somente I é verdadeira. d) Somente II e III são verdadeiras.
a) 270; b) 290; c) 310; d) 330; e) 350. b) Somente II e IV são verdadeiras. e) Somente I, II e III são verdadeiras.
c) Somente I, II e IV são verdadeiras.
15) (UCS/2010) Por que a temperatura em que a água passa do estado
líquido para o estado gasoso vai ficando menor à medida que aumenta a 20) (UFCG/2010) A pressão de vapor d’água diminui à medida que a
altitude? temperatura diminui. Caso o teor de vapor d’água no ar seja mantido
constante à medida que o ar se esfria, atinge-se uma temperatura cha-
a) Porque o Sol vai ficando mais próximo. mada de temperatura de ponto de orvalho, para a qual a pressão parcial
b) Porque há diminuição da pressão atmosférica. se torna igual a pressão de vapor e o vapor fica saturado. Se o ar for res-
c) Por causa da influência elétrica das nuvens. friado ainda mais, o vapor se condensa e passa para a fase líquida até
d) Porque a primeira lei da termodinâmica só vale para regiões ao nível que a nova pressão fique novamente igual a pressão de vapor na nova
do mar. temperatura. Para determinar a umidade relativa do ar numa sala cuja
e) Porque há aumento da influência do campo magnético da Terra. temperatura ambiente é igual a 30°C, um estudante resfria gradualmente
uma lata metálica colocando água fria. Quando a temperatura da lata a-
16) (UDESC/2010) Coloca-se 1,50kg de gelo, à temperatura de 0ºC, no tinge 14° C, gotículas se formam em sua superfície. Nessas condições
interior de um forno de micro-ondas de potência 1,0kW. O tempo de fun- ambientais (se necessário, consulte a tabela abaixo), pode-se afirmar
2
cionamento a que se deve programar o forno de micro-ondas para que que a umidade relativa do ar é: Informações: g = 10m/s ; Densidade da
3 3 5
toda a energia fornecida seja absorvida pelo gelo apenas para fundi-lo é: água: 1,0.10 kg/m ; Calor latente de fusão do gelo: 10 cal/kg. π = 3

a) 5,0min; b) 3,0min; c) 1,5min; d) 8,0min; e) 10min.

17) (UEG/2010) O Brasil é hoje o principal produtor de cana-de-açúcar,


uma monocotiledônea largamente utilizada na produção de açúcar e ál-
cool combustível (o etanol). O quadro apresenta algumas informações
sobre a cana-de-açúcar e seu produto, o etanol: De acordo com as in-
formações do quadro acima e com as características das monocotiledô-
neas, é CORRETO afirmar que a cana-de-açúcar e seu produto o etanol
podem

a) 40%. b) 20%. c) 30%. d) 10%. e) 50%.

21) (UFPE/2010) Uma massa m de água,


inicialmente a 19ºC, é aquecida durante
10min numa boca de fogão que emite ca-
lor a uma taxa constante. A variação da
temperatura da água com o tempo de a-
quecimento é mostrada na figura. Deter-
mine a porcentagem de água que evapo-
rou durante o processo. Dados: Calor es-
a) apresentar o caule do tipo aéreo colmo e necessitar de 204 cal/g para
pecífico da água: 1,0cal/gºC; Calor latente
a mudança de estado líquido para o de vapor, no ponto de ebulição.
de evaporação da água: 540cal/g
b) pertencer ao reino protoctista com folhas do tipo paralelinérvea e pos-
suir uma variação de quase 193 ºC do ponto de fusão para o de vapori-
LISTA 05 – GABARITO:
zação.
c) apresentar caule que realiza a fotossíntese, do mesmo modo como ela
01) C. 02) A; 03) B; 04) A; 05) E; 06) D; 07) a) 37500cal;
é realizada nos cactos e possuir a característica de ter a temperatura de
ebulição mais baixa que a da água. b) 0,300L; 08) D; 09) A; 10) a) cal ; cal ;
C L = 0,1 Lf = 4
d) produzir sacarose, que é carboidrato classificado como monossacarí- gº C g
deo de alto teor calórico e necessitar de 2,5 cal/g para a mudança de es- b) m = 12,5g; 11) A; 12) C; 13) C; 14) C; 15) B; 16) D;
tado sólido para líquido, no ponto de fusão. 17) A; 18) C; 19) C; 20) A; 21) 15%.

Professor Caçu 10 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
04. igual ao coeficiente de dilatação linear do metal, quando o eixo y for a
LISTA 06 – GASES: variação do comprimento de uma barra metálica e o eixo x for a tempera-
tura em Kelvin.
01) (UERJ/2010) Um recipiente indeformável, de volume V igual a 15L, 08. igual à variação de energia interna do gás, quando o eixo y for a
contém 3g de hidrogênio submetidos a uma pressão inicial de 2,46atm. quantidade de calor fornecida isotermicamente a um gás ideal, e o eixo x
Considerando que o hidrogênio possa ser tratado como um gás ideal, de- for o trabalho realizado pelo gás.
termine, em calorias, a quantidade de calor necessária para que sua 16. igual à capacidade térmica (ou calorífica), quando o eixo y for o calor
pressão triplique. Dados: mH = 2g/mol; CH = 2,42cal/gºC. fornecido ao corpo, e o eixo x for sua temperatura em Kelvin.

02) (UFC/2010) Um cilindro de área de seção reta S e comprimento L, 08) (UEM/2010) A temperatura de um gás ideal é alterada por meio de
completamente isolado, é dividido em partições A e B, ambas de volu- uma mudança de estado. Neste caso, o gás pode ter sofrido
mes iguais, por uma parede diatérmica, móvel e impermeável. Cada par-
tição é preenchida com um gás ideal, de modo que a partição A possui o 01. uma expansão isobárica.
dobro do número de mols da partição B. Ambas as partições encontram- 02. uma transformação isovolumétrica.
se em uma mesma temperatura T durante o processo. Despreze quais- 04. uma transformação qualquer em que não houve realização de traba-
quer efeitos de atrito e, quando o sistema estiver em equilíbrio, determine lho.
08. uma transformação qualquer em que não houve troca de calor com o
a) os volumes das partições A e B em função de S e L. meio ambiente.
16. uma transformação qualquer cuja energia interna não se alterou.
b) o módulo do deslocamento da parede em função de L.
09) (UFAL/2010) Um gás ideal possui, inicialmente, volume V0 e encon-
03) (UFF/2010) Um cilindro de volume V, inicialmente aberto, é colocado tra-se sob uma pressão p0. O gás passa por uma transformação isotér-
sobre uma balança. A tara da balança é então ajustada para que a leitura mica, ao final da qual o seu volume torna-se igual a V0/2. Em seguida, o
seja zero. O cilindro é fechado e ligado a uma bomba com um manôme- gás passa por uma transformação isobárica, após a qual seu volume é
tro acoplado para medir a pressão do ar no seu interior. É, então, bom- 2V0. Denotando a temperatura absoluta inicial do gás por T0, a sua tem-
beado ar para o interior desse cilindro e a pressão (P) como função da peratura absoluta ao final das duas transformações é igual a:
variação da massa Δm registrada através da leitura da balança é ilustra-
da no gráfico. Considere o ar, durante toda a experiência, como um gás a) T0/4; b) T0/2; c) T0; d) 2T0; e) 4T0.
ideal cuja massa molecular é M. O volume V e a temperatura T do cilin-
dro são mantidos constantes durante toda a experiência, e a pressão at- 10) (UFRN/2010) A transformação termodinâ-
mosférica é P0. mica b→c, ilustrada no diagrama PV da figura
ao lado, constitui um dos processos do ciclo Ot-
to, utilizado em motores de combustão interna
de automóveis a gasolina. No diagrama, P re-
presenta a pressão na câmara de combustão, e
V o volume da câmara. Esse processo ocorre
quando, no instante da queima da mistura ar-gasolina contida na câmara
de combustão, fornece-se calor ao sistema, produzindo-se

a) aumento da pressão interna, com variação do volume da câmara.


b) diminuição da pressão interna, sem variação do volume da câmara.
a) Determine a massa inicial de ar (m0) no interior do cilindro em termos c) diminuição da pressão interna, com variação do volume da câmara.
de P0, M, V, T e da constante universal dos gases R. d) aumento da pressão interna, sem variação do volume da câmara.

b) Determine o valor de Δm, correspondente a P = 0, onde a reta ilustra- 11) (FEPECS/2010) Um balão cheio do gás hélio apresenta, na superfí-
3
da na figura corta o eixo horizontal. cie, volume de 50m , temperatura de 54ºC e pressão de 80cmHg. Quan-
do esse balão atinge uma determinada altura, admite-se que a tempera-
3
c) Mostre como ficaria o gráfico P × Δm, se a experiência fosse realizada tura permaneça constante, e que seu volume seja de 1000m . A nova
a uma temperatura T1< T, aproveitando a figura do enunciado para esbo- pressão em cmHg será de:
çar o novo resultado.
a) 7,0; b) 6,0; c) 5,0; d) 4,0; e) 3,0.
04) (UDESC/2010) A constante universal dos gases, R, cujo valor de-
pende das unidades de pressão, volume e temperatura, não pode ser 12) (FUVEST/2010) Um balão de ar quente é constituído de um envelope
medida em uma das unidades representadas abaixo. Assinale-a. (parte inflável), cesta para três passageiros, queimador e tanque de gás.
A massa total do balão, com três passageiros e com o envelope vazio, é
–2 –1 –1 3 –1 –1 –1 –1 3
a) N⋅m ⋅mol ⋅K ⋅m ; b) atm⋅litro⋅mol ⋅K ; c) J⋅mol ⋅K ; de 400kg. O envelope totalmente inflado tem um volume de 1500m .
–1 –1 –1
d) atm⋅litro⋅mol⋅K ; e) N⋅m⋅mol ⋅K . NOTE E ADOTE: Densidade do ar a 27°C e à pressão atmosférica local
3 2
= 1,2kg/m . Aceleração da gravidade na Terra, g = 10m/s . Considere to-
05) (UNIMONTES/2010) Um quarto de dimensões 3m×4m×3m está pre- das as operações realizadas ao nível do mar. Despreze o empuxo acar-
5
enchido com ar a uma pressão de 1 atm ≈ 1,0.10 Pa e à temperatura de retado pelas partes sólidas do balão. T (K) = T (ºC) + 273
16ºC. Considere a massa molar equivalente do ar igual a 28,9g/mol. A
massa de ar no quarto é igual a, aproximadamente, Dado: R=8,31J/molK a) Que massa de ar M1 caberia no interior do envelope, se totalmente in-
flado, com pressão igual à pressão atmosférica local (Patm) e temperatura
a) 43kg; b) 23g; c) 43g; d) 23kg. T = 27ºC?

06) (PUC/2010) Seja um mol de um gás ideal a uma temperatura de b) Qual a massa total de ar M2, no interior do envelope, após este ser to-
400K e à pressão atmosférica po. Esse gás passa por uma expansão i- talmente inflado com ar quente a uma temperatura de 127ºC e pressão
sobárica até dobrar seu volume. Em seguida, esse gás passa por uma Patm?
compressão isotérmica até voltar a seu volume original. Qual a pressão
ao final dos dois processos? c) Qual a aceleração do balão, com os passageiros, ao ser lançado nas
condições dadas no item b) quando a temperatura externa é T = 27ºC?
a) 0,5po b) 1,0po c) 2,0po d) 5,0po; e) 10,0po
13) (UEL/2010) Um recipiente cilíndrico, de
07) (UEM/2010) Quando de um paredes termicamente isoladas, com tampa
experimento qualquer obtiver-se o móvel sem atrito e de peso desprezível (êm-
gráfico é correto afirmar que o co- bolo) contêm o volume V0 de gás ideal, em
5 2
eficiente angular do gráfico é equilíbrio à pressão atmosférica P0 = 10 N/m
e temperatura T0 = 27ºC. O recipiente é colo-
01. igual à unidade, quando o eixo y for a temperatura de uma substân- cado no fundo de um tanque que contêm á-
3 3
cia em Kelvin e o eixo x for a temperatura em graus Celsius. gua com densidade ρ = 10 kg/m . Após de-
02. igual à constante universal dos gases ideais, quando o eixo y for a terminado tempo, o sistema atinge uma con-
pressão de um gás ideal, alterada a volume constante, e o eixo x for a figuração de equilíbrio com o gás ocupando o
temperatura em Kelvin. volume de V1 = 3V0/10 e o êmbolo a uma

Professor Caçu 11 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
profundidade y = 40m da superfície d’água, como esquematizado na fi- 18) (UFU/2010) Uma barra de 10kg de um determinado metal a 600ºC é
gura a seguir. A temperatura do gás no interior do cilindro submerso: colocada dentro de um recipiente com paredes adiabáticas de volume
273ℓ. Inicialmente, dentro do recipiente, há 1000g de certo gás perfeito à
a) aumentará atingindo o valor T1 = 3T0/2. pressão de 1atm e à temperatura de 0ºC. Nessas condições, determine:
b) permanecerá a mesma, já que o recipiente é termicamente isolado,
portanto T0 = T1. a) A temperatura final da barra de metal, sabendo-se que o calor especí-
c) diminuirá devido o peso da coluna d’água acima do êmbolo, portanto fico do metal e do gás são dados, respectivamente, por CM = 0,1cal/gºC
T1 < T0. e Cgás = 0,2cal/gºC.
d) diminuirá atingindo o valor T1 = 10T0/3. O gás no interior do recipiente
é submetido a uma transformação isobárica; a diminuição do volume é b) A variação de volume da barra de metal, dado que o seu coeficiente
causada pelo deslocamento do êmbolo devido ao peso da coluna d’água. de dilatação linear e a sua densidade inicial são, respectivamente, aM =
–4 –1 2 3
e) aumentará atingindo o valor T1 = 5T0/2. (10/3).10 ºC e ρM = 1.10 Kg/m .

14) (UEL/2010) Os diagramas PV a seguir representam o comportamen- c) A pressão final do gás (aproximada até a primeira casa decimal), ad-
to de um gás: mitindo que o volume do recipiente não se altera.

19) (UNICAMP/2010) A Lua não tem atmosfera, diferentemente de cor-


pos celestes de maior massa. Na Terra, as condições propícias para a
vida ocorrem na troposfera, a camada atmosférica mais quente e densa
que se estende da superfície até cerca de 12km de altitude.

a) A pressão atmosférica na superfície terrestre é o resultado do peso


exercido pela coluna de ar atmosférico por unidade de área, e ao nível
do mar ela vale P0 = 100kPa. Na cidade de Campinas, que está a 700m
acima do nível do mar, a pressão atmosférica vale P1 = 94kPa. Encontre
a densidade do ar entre o nível do mar e a altitude de Campinas, consi-
derando-a uniforme entre essas altitudes.

b) Numa viagem intercontinental um avião a jato atinge uma altitude de


É correto afirmar:
cruzeiro de cerca de 10km. Os gráficos no espaço de resposta mostram
as curvas da pressão (P) e da temperatura (T) médias do ar atmosférico
a) O diagrama (a) representa um processo isotérmico com a temperatura
em função da altitude para as camadas inferiores da atmosfera. Usando
inicial maior que a temperatura final.
os valores de pressão e temperatura desses gráficos e considerando que
b) Os diagramas (a) e (b) resultam no mesmo trabalho realizado pelo sis-
o ar atmosférico se comporta como um gás ideal, encontre o volume de
tema após a expansão.
um mol de ar a 10km de altitude. A constante universal dos gases é
c) O diagrama (b) representa um processo adiabático.
d) O diagrama (c) representa um processo isobárico. J
R = 8, 3 .
e) O diagrama (c) representa um processo de expansão. mol K

15) (UNIR/2010) Dois gases ideais submetidos às pressões p1 = 1atm e


p2 = 2atm, em equilíbrio térmico, estão confinados em recipientes de vo-
3 3
lumes V1 = 2m e V2 = 3m , respectivamente, ligados por uma válvula ini-
cialmente fechada. Ao se abrir a válvula, os dois gases fluem livremente,
sem alterar sua temperatura, ocupando os dois recipientes com a mesma
pressão que será:

a) 2,5atm; b) 3,0atm; c) 1,5atm; d) 0,6atm; e) 1,6atm.

16) (UEPB/2010) No dia 07/08/2004 os alpinistas Rodrigo Raineri, 35, e


Vitor Negrete, 36 se tornaram os primeiros brasileiros a alcançar o cume
do Monte Aconcágua na Argentina, a maior montanha das Américas com
6962m de altura na estação mais fria do ano. (...) As tempestades de ne-
ve e as baixas temperaturas, que beiram os 25°C negativos são as difi-
culdades da escalada, já que a subida é feita pela face noroeste, a mais LISTA 06 – GABARITO:
usual e que não possui muita dificuldade técnica. (...) Acerca do assunto
tratado no texto, em relação à explicação para o fato de ser muito frio no 2 B: V = 1 SL ;
cume das montanhas, podemos afirmar que
01) Q = 4356cal; 02) a) A: VA = SL ; B
3 3
I. o ar quente da superfície da terra, ao subir pela encosta de uma mon- b) Δx = L − L = L ; 03) a) m =
MPoV ; b) Para tornar a pres-
tanha, sua pressão diminui, o que permite que ele se expanda e se res- 2 3 6
o
RT
frie adiabaticamente. Essa expansão adiabática acontece em função da
são nula no interior do cilindro é necessário retirar toda a massa de
energia interna do gás, que leva a uma diminuição de sua temperatura.
ar contida nele. Quando P = 0 ⇒ Δm = -mo; c) Se T1 < T, com a
II. quanto mais próximo do solo, mais quente é o ar, pois é aquecido pelo
mesma pressão Po e o mesmo volume V, a massa inicial de ar no ci-
calor do sol que a terra absorve e propaga por condução. Por isso, no
lindro seria m o > m o . Nessa situação, o gráfico P × Δm também é
1
cume das grandes montanhas, sem o aquecimento, o ar fica sempre
muito frio, pois está mais distante do solo. uma reta que passa pelo ponto (Δm = 0, P = O0) e corta o eixo Δm em
III. o ar quente da superfície da terra, com o aumento da altitude, fica
menos rarefeito, as moléculas ficam mais distantes umas das outras, di- − m10 . Sendo assim, essa reta, terá uma inclinação menor que a reta
minuindo a condução de calor e fazendo com que o ar tenda a ficar mais original ilustrada na figura;
frio no cume das grandes montanhas.

Após a análise feita, conclui-se que é(são) correta(s) apena(s) a(s) pro-
posição(ões)

a) I e II. b) II. c) III. d) I. e) II e III.

17) (PUC/2010) Uma quantidade de ar sofre uma compressão adiabáti-


7/5
ca, ou seja pV = constante, onde p é a pressão e V o volume do gás. O
volume diminui por um fator de 1/32 durante essa compressão. De quan-
to variou a pressão? 04) D; 05) A; 06) C; 07) 17; 08) 15; 09) E; 10) D; 11)
2
D; 12) a) M1 = 1800kg; b) M2 = 1350kg; c) a ≈ 0,29m/s ; 13)
a) Diminuiu 16 vezes. b) Aumentou 32 vezes. c) Aumentou 64 vezes. A; 14) E; 15) E; 16) D; 17) D; 18) a) θF = 500ºC; b) ΔVM =
d) Aumentou 128 vezes. e) Diminuiu 32 vezes. –2 3
–10 m = –10ℓ; c) pF = 4,2atm; 19) a) 61,7; b) 0,86kg/m .
3

Professor Caçu 12 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
LISTA 07 – TERMODINÂMICA: que transforme integralmente em trabalho o calor absorvido de uma fonte
a uma dada temperatura.
01) (UFMS/2010) A fi- ( ) Cientista 3 – A afirmação do Cientista 1 é inadmissível, porque viola a
gura da esquerda primeira lei da Termodinâmica. Marque a sequência correta.
mostra um êmbolo no
interior de um cilindro a) F, F, V b) F, V, V c) F, V, F d) V, F, F e) F, F, F
que está contido no in-
terior de uma câmara. 06) (UEPG/2010) Sobre a teoria cinética dos gases, assinale o que for
O cilindro está imerso correto.
em água com gelo, e a câmara isola termicamente todo o sistema das vi-
zinhanças. O ar contido no interior do cilindro está em equilíbrio térmico 01. Quando a energia cinética média das moléculas de um gás aumenta
com todo o sistema a 0°C e sua pressão é igual à pressão atmosférica e o seu volume permanece constante, a pressão e a temperatura do gás
externa. O cilindro pode trocar calor apenas com a água, o ar e o gelo. aumentam.
Em seguida, é colocado um tijolo bruscamente sobre o êmbolo, compri- 02. As variáveis de estado de um gás ideal (P,V,T) estão relacionadas
mindo rapidamente o ar no interior do cilindro. Após um certo tempo, to- com a quantidade de moléculas do gás.
do o sistema água e gelo volta novamente ao equilíbrio térmico de 0°C, 04. A energia cinética média por molécula de um gás independe da natu-
mas a pressão do ar, no interior do cilindro, fica maior que a pressão at- reza do gás.
mosférica. Com fundamentos na termodinâmica e considerando que o ar 08. Gás ideal é aquele cujas moléculas não interagem entre si.
é um gás ideal e que não há vazamentos, é correto afirmar: 16. Quando um gás sofre uma transformação adiabática ele não troca
calor com a sua vizinhança.
01. O produto da pressão do ar pelo volume que ele ocupa é igual nas
duas situações de equilíbrio. 07) (UEM/2010) Para os gases ideais, a primeira lei da termodinâmica
02. Na situação representada pela figura da direita, existe menos massa pode ser representada pela equação: Q = CVΔT + PΔV, onde CV é uma
de gelo que na situação representada pela figura da esquerda. constante. Com base nessa equação, assinale a(s) alternativa(s) corre-
04. A partir da situação representada pela figura da esquerda, até a situ- ta(s).
ação representada pela figura da direita, a transformação sofrida pelo ar
pode ser compreendida por dois processos termodinâmicos, o primeiro 01. Uma mudança de estado adiabática é acompanhada de uma altera-
adiabático e o segundo isobárico. ção na temperatura do gás.
08. A partir da situação representada pela figura da esquerda até a situa- 02. Uma mudança de estado isotérmica é acompanhada de uma trans-
ção representada pela figura da direita, a temperatura do ar permaneceu formação adiabática do gás.
sempre constante. 04. Uma mudança de estado isovolumétrica é acompanhada de uma al-
16. Não haverá troca de calor entre o cilindro e a água, mesmo depois de teração na temperatura do gás.
jogar o tijolo e esperar atingir o novo equilíbrio. 08. Em uma mudança de estado em que ΔV > zero, o trabalho foi reali-
zado pelo gás sobre o meio exterior.
02) (UFPel/2010) De acordo a Termodinâmica considere as seguintes a- 16. Em uma mudança de estado em que ΔV = zero, o trabalho foi reali-
firmações. zado pelo meio exterior sobre o gás.

I. A equação de estado de um gás ideal, pV = nRT, determina que a 08) (UESPI/2010) A figura ilustra um
pressão, o volume, a massa e a temperatura podem assumir, simultane- recipiente isolado termicamente do
amente, quaisquer valores arbitrários. meio exterior contendo um gás. Du-
II. A pressão que um gás exerce sobre as paredes do recipiente que o rante um processo termodinâmico,
contém pode ser descrita pelas colisões contínuas das moléculas desse um êmbolo comprime o gás. Ao final do processo, a energia interna do
gás contra as paredes do recipiente. gás aumenta em 4J. Pode-se afirmar que, nesse processo,
III. A energia cinética média das moléculas de um gás depende do qua-
drado da temperatura absoluta. a) 4J de trabalho são realizados pelo gás.
IV. As unidades da constante universal dos gases, R, no Sistema Inter- b) 4J de trabalho são realizados sobre o gás.
nacional de Unidades (S.I.) é dada em J/(mol K). c) 2J de trabalho são realizados pelo gás.
d) 2J de trabalho são realizados sobre o gás.
São falsas apenas as afirmações e) não há realização de trabalho.

a) I e III. b) I, II e IV. c) II e III. d) I, III e IV. e) II e IV. f) I.R. 09) (UESPI/2010) A pressão e o volume de um gás são denotados res-
pectivamente por p e V. O gás passa por uma transformação termodinâ-
03) (UEG/2010) Foi realizado o seguinte experimento em uma aula de mica ilustrada num diagrama p versus V. Assinale o único diagrama a
Laboratório de Física: Uma jarra de vidro aberta foi aquecida até que a seguir que representa uma transformação em que trabalho é realizado
água no seu interior fervesse. Cessando-se o aquecimento, a água parou sobre o gás.
de ferver. Posteriormente, a jarra foi tampada e em cima dela despejou-
se água à temperatura ambiente. Então, observou-se que a água voltou
a ferver. Sobre esse experimento, responda ao que se pede.

a) Justifique o motivo que levou a água a voltar a ferver.


a) b) c) d) e)
b) Se esse mesmo experimento fosse realizado a uma altitude superior
em relação ao anterior, a temperatura de ebulição da água aumentaria, 10) (UFRN/2010) As transformações ter-
diminuiria ou permaneceria constante? Justifique. modinâmicas ilustradas no diagrama PV
da figura constituem o modelo idealizado
do ciclo Otto, utilizado em motores de
04) (UFV/2010) Com relação à variação de entropia ΔS de um sistema
combustão interna de automóveis a gaso-
isolado, é CORRETO afirmar que:
lina. No diagrama, P representa a pressão
na câmara de combustão, e V o volume da
a) se o processo for irreversível, então, ΔS = 0.
câmara. Suponha que, na transformação
b) se o processo for reversível, então, ΔS = 0.
b→c, 200J de calor sejam fornecidos a partir da queima da mistura ar-
c) se o processo for reversível, então, ΔS > 0. gasolina contida na câmara de combustão e que 80 J de calor tenham
d) se o processo for irreversível, então, ΔS < 0. sido liberados, durante a exaustão, na transformação d→a. Dados: ⇒
No ciclo Oto, é possível ocorrerem os seguintes tipos de transformações:
05) (UNIR/2010) Em uma mesa redonda, três cientistas debatem a res- transformações isovolumétricas, expansão adiabática e compressão adi-
peito de um ecossistema. De acordo com as leis da Termodinâmica,
abática. ⇒ Primeira lei da Termodinâmica: ΔU = Q – W, onde ΔU é a va-
marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas.
riação da energia interna do sistema, Q é o calor total trocado pelo sis-
tema, e W é o trabalho total realizado. A partir dessas informações,
( ) Cientista 1 – A energia absorvida e armazenada pelas espécies pro-
dutoras é completamente aproveitada por toda a rede alimentar compos-
a) identifique as transformações que ocorrem entre os estados (a→b),
ta pelos produtores, consumidores primários, secundários e terciários, e
pelos decompositores. (b→c), (c→d) e (d→a).
( ) Cientista 2 – A afirmação do Cientista 1 é inadmissível, pois, de acor-
do com a segunda lei da Termodinâmica, é impossível existir um sistema b) determine o trabalho realizado no ciclo Otto completo.

Professor Caçu 13 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
11) (UFRJ/2010) Um gás ideal em equilíbrio termodinâmico tem pressão a atmosfera. Como esse processo é muito rápido, podemos considerá-lo
5 2 −3 3
de 1,0.10 N/m , volume de 2,0.10 m e temperatura de 300K. O gás é como um processo adiabático. Considerando que a primeira lei da ter-
aquecido lentamente a pressão constante recebendo uma quantidade de modinâmica é dada por ΔU = Q – W, onde ΔU é a variação da energia in-
−3 3
375J de calor até atingir um volume de 3,5.10 m , no qual permanece terna do gás, Q é a energia transferida na forma de calor e W é o traba-
em equilíbrio termodinâmico. lho realizado pelo gás, é correto afirmar que:

a) Calcule a temperatura do gás em seu estado final de equilíbrio. a) A pressão do gás aumentou e a temperatura diminuiu.
b) O trabalho realizado pelo gás foi positivo e a temperatura do gás não
b) Calcule a variação da energia interna do gás entre os estados inicial e variou.
final. c) O trabalho realizado pelo gás foi positivo e a temperatura do gás dimi-
nuiu.
12) (UNESP/2010) Considere o gráfi- d) A pressão do gás aumentou e o trabalho realizado foi negativo.
co da Pressão em função do Volume
de certa massa de gás perfeito que 18) (UFOP/2010) Na figura seguinte, é
sofre uma transformação do estado A indicado um sistema termodinâmico
para o estado B. Admitindo que não com processo cíclico. O ciclo é constitu-
haja variação da massa do gás du- ído por duas curvas fechadas, a malha I
rante a transformação, determine a e a malha II. É CORRETO afirmar:
razão entre as energias internas do
gás nos estados A e B. a) Durante um ciclo completo, o sistema não realiza trabalho.
b) O sistema realiza trabalho positivo na malha I.
13) (UFMG/2010) Uma máquina térmica c) O sistema libera calor na malha II.
é constituída de um cilindro, cheio de d) Durante um ciclo completo, a variação da energia interna é nula.
gás, que tem um êmbolo móvel. Duran-
te o funcionamento dessa máquina, o 19) (FAMECA/2010) Um gás perfeito
gás é submetido a um processo cíclico, passa pela transformação cíclica
que o leva de um estado K a outro es- A→B→C→A, cujo gráfico da pressão
tado L e, depois, de volta ao estado K e versus volume está representado a
assim sucessivamente, como represen- seguir. São feitas as afirmações:
tado no diagrama pressão versus volu-
me, mostrado na figura. Considerando essas informações, RESPONDA: I. O trabalho realizado durante o ciclo é positivo.
II. A transformação A→B é isotérmica e o gás recebe calor da fonte
a) Em qual dos dois estados – K ou L – a temperatura do gás é maior? quente durante essa transformação.
JUSTIFIQUE sua resposta. III. A transformação C→A é isovolumétrica e o gás diminui sua energia
interna durante essa transformação.
b) Em um ciclo completo, em que o gás sai do estado K e volta ao mes-
mo estado, essa máquina realiza trabalho líquido? Está correto o que se afirma, apenas, em
JUSTIFIQUE sua resposta.
a) I. b) II. c) I e II. d) II e III. e) I e III.
c) Tendo-se em vista que se trata de um sistema ideal, é possível con-
verter em trabalho todo o calor fornecido a essa máquina? 20) (IFSP/2010) Leia com atenção as afirmativas a seguir.
JUSTIFIQUE sua resposta.
I. Condutividade térmica equivale a quantidade de calor Q transmitida a-
14) (UPE/2010) O diagrama PV para uma través de uma espessura L, numa direção normal à superfície de área A,
determinada amostra de gás está represen- devido a uma variação de temperatura ΔT, sob condições de estado fixo
tado na figura a seguir. Se o sistema é leva- e quando a transferência de calor é dependente apenas da variação de
do do estado a para o estado b, ao longo do temperatura.
percurso acb, fornece-se a ele uma quanti- II. A energia interna de um gás não é função exclusiva da temperatura e
dade de calor igual a 100cal, e ele realiza um sim da soma da Energia Cinética com a Energia Potencial.
trabalho de 40cal. Se, por meio do percurso III. É necessário que um gás receba calor para poder realizar trabalho.
adb, o calor fornecido é de 72cal, então o IV. Se um gás é aquecido de 650ºC para 1300ºC, sua energia interna
trabalho realizado vale em cal: duplica.
a) 28; b) 60; c) 12; d) 40; e) 24. Das afirmativas anteriores, estão CORRETAS
15) (PUC/2010) Uma quantidade de gás passa da temperatura de 27ºC = a) apenas I e III. b) apenas a III. c) apenas a IV.
300K a 227ºC = 500K, por um processo a pressão constante (isobárico) d) apenas a I e a II. e) apenas a I e a IV.
5
igual a 1 atm = 1,0.10 Pa.
21) (UFSM/2010) Heron de Alexandria,
a) Calcule o volume inicial, sabendo que a massa de gás afetada foi de em seu livro Pneumática, do século I
3
60kg e a densidade do gás é de 1,2kg/m . a.C., descreve máquinas que utilizavam
a expansão térmica do ar para movi-
b) Calcule o volume final e indique se o gás sofreu expansão ou contra- mentar brinquedos, abrir portas ou su-
ção. gar água. Somente no século XIX, surge
o conceito de gás ideal e de temperatu-
c) Calcule o trabalho realizado pelo gás. ra absoluta. Numa máquina térmica,
uma amostra de gás ideal realiza, em
16) (UEPG/2010) A figura a seguir representa um sistema um ciclo, as transformações indicadas
termodinâmico constituído por uma determinada quantida- no diagrama PV. É possível, então, afirmar:
de de gás, preso por um êmbolo no interior de um cilindro.
Sobre esse sistema termodinâmico, assinale o que for correto. I. Na transformação de A para B, existe passagem de energia da vizi-
nhança para a amostra de gás por trabalho.
01. As variáveis (P,V,T) descrevem o estado de equilíbrio do sistema. II. Na transformação de B para C, não existe troca de energia entre a vi-
02. O calor trocado e o trabalho realizado pelo sistema descrevem as zinhança e a amostra de gás por calor.
transformações sofridas pelo sistema. III. Na transformação de C para A, existe passagem de energia da vizi-
04. Quanto maior a energia interna do sistema maior é sua temperatura. nhança para a amostra de gás por trabalho.
08. Se o gás for rapidamente comprimido, seu volume diminui e a sua
energia interna aumenta. Está(ão) correta(s)
16. Numa transformação isobárica, o trabalho pode ser realizado pelo
gás ou sobre o gás. a) apenas I. b) apenas II. c) apenas III. d) apenas I e II. e) apenas II e III.
17) (UFU/2010) Um botijão de cozinha contém gás sob alta pressão. Ao 22) (UNIMONTES/2010) Um estudante enche rapidamente o pneu de
abrirmos esse botijão, percebemos que o gás escapa rapidamente para sua bicicleta. O processo pode ser considerado adiabático, ou seja, não

Professor Caçu 14 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
há troca de calor entre o sistema (ar dentro do pneu) e o meio externo. A b) luz, penumbra e sombra. e) penumbra, penumbra e penumbra.
respeito do trabalho, W, realizado no processo e da variação da energia c) luz, penumbra e penumbra.
interna do sistema, ΔU, é CORRETO afirmar que
29) (ITA/2010) Uma máquina tér-
a)W < 0 e ΔU < 0.b)W > 0 e ΔU > 0. c)W > 0 e ΔU < 0. d)W < 0 e ΔU > 0. mica opera segundo o ciclo JKLMJ
mostrado no diagrama T-S da figu-
23) (IME/2010) Um soldado em pé sobre um lago congelado (sem atrito) ra. Pode-se afirmar que
atira horizontalmente com uma bazuca. A massa total do soldado e da
bazuca é 100kg e a massa do projétil é 1kg. Considerando que a bazuca a) o processo JK corresponde a uma compressão isotérmica.
seja uma máquina térmica com rendimento de 5% e que o calor forneci- b) o trabalho realizado pela máquina em um ciclo é W = (T2– T1)(S2 – S1).
do a ela no instante do disparo é 100kJ, a velocidade de recuo do solda- T
do é, em m/s, c) o rendimento da máquina é dado por η = 1− 2 .
T1
a) 0,1; b) 0,5; c) 1,0; d) 10,0; e) 100,0. d) durante o processo LM uma quantidade de calor QLM = T1(S2 – S1) é
absorvida pelo sistema.
24) (PUC/2010) Um motor contendo e) outra máquina térmica que opere entre T2 e T1 poderia eventualmente
0,5mol de um gás ideal com p0 = possuir um rendimento maior que a desta.
150kPa e V0 = 8,3litros funciona de
acordo com o ciclo mostrado na figu- 30) (UFV/2010) A figura abaixo ilustra um
ra abaixo. O percurso de A a B é iso- processo termodinâmico em um gás. Sa-
córico. Entre os pontos B e C a pres- bendo que durante o processo ABC a va-
são diminui linearmente com o volu- riação da energia interna do gás foi igual a
me. Entre C e A o percurso é isobári- U e que o trabalho realizado pelo gás no
co. Considerando que as capacidades de calor molar do gás são cv = processo BC foi igual a W, então a quanti-
10,0J/molK (a volume constante); cp = 15,0J/molK (a pressão constante), dade de calor transferida ao gás no processo ABC foi:
e a constante dos gases R = 8,3J/molK. Determine:
a) U + VA (PA – PC) + W b) U + PA (VB – VA) − W
a) o trabalho realizado pelo motor durante a etapa AB do processo; c) U + VC (PA – PC) + W d) U + PA (VB – VA) + W

b) as temperaturas nos pontos A, B e C; 31) (UNIMONTES/2010) Um gás ide-


3
al, com um volume inicial de 0,50 dm
5 2
c) o calor absorvido durante as etapas AB e CA. e sob pressão inicial de 1,0.10 N/m ,
sofre a transformação cíclica repre-
25) (UEPG/2010) A termodinâmica pode ser definida como uma ciência sentada no diagrama PV. O trabalho
experimental baseada em um pequeno número de princípios (leis da realizado, a variação de energia in-
termodinâmica), que são generalizações feitas a partir da experiência. terna e o calor absorvido no ciclo, em
Sobre as leis da termodinâmica, assinale o que for correto. Joules, valem, respectivamente,

01. Nenhuma máquina térmica pode apresentar um rendimento superior a) zero, 600, 400. b) 600, zero, 600. c) 400, 400, 600. d) 400, 600, zero.
ao de uma máquina de Carnot operando entre as mesmas temperaturas.
a
02. A 1 lei da termodinâmica é uma afirmação do princípio geral da con- 32) (UNIOESTE/2010) Um máquina térmi-
servação da energia. ca opera segundo o ciclo abca represen-
a
04. A 2 lei da termodinâmica afirma que é indiferente transformar inte- tado na figura. Analisando as afirmações
gralmente calor em trabalho ou trabalho em calor. seguintes e considerando que a energia
08. Parcela da energia envolvida em um processo irreversível torna-se interna é função exclusiva da temperatura,
indisponível para a realização de trabalho. assinale a alternativa correta.
16. Em um processo cíclico a energia interna do sistema apresenta vari-
ação nula. I. A transformação bc é, com certeza, isotérmica.
II. O trabalho realizado na transformação ab é 24 J.
26) (UFAL/2010) A cada ciclo de funcionamento, o motor de um certo III. Na transformação ca a energia interna diminui.
automóvel retira 40kJ do compartimento da fonte quente, onde se dá a IV. Em um ciclo a máquina retira 24 J de calor da fonte fria.
queima do combustível, e realiza 10kJ de trabalho. Sabendo que parte V. Na transformação bc a máquina rejeita 48 J de calor na fonte quente.
do calor retirado da fonte quente é dispensado para o ambiente (fonte
fria) a uma temperatura de 27ºC, qual seria a temperatura no comparti- a) As afirmativas I, II, III e IV são verdadeiras. b) A afirmativa III é falsa.
mento da fonte quente se esse motor operasse segundo o ciclo de Car- c) A afirmativa IV é falsa. d) A afirmativa V é falsa.
not? Dado: considere que as temperaturas em graus centígrados, TC, e e) Apenas a afirmativa I é falsa.
Kelvin, TK, se relacionam através da expressão TC = TK – 273.
33) (UPE/2010) No diagrama PV, a
a) 127ºC; b) 177ºC; c) 227ºC; d) 277ºC; e) 377ºC. seguir, está representada uma sé-
rie de processos termodinâmicos.
27) (FGV/2010) Ao realizar um trabalho de 80 mil calorias, um sistema No processo ab, 250J de calor são
termodinâmico recebeu 60 mil calorias. Pode-se afirmar que, nesse pro- fornecidos ao sistema, e, no pro-
cesso, a energia interna desse sistema cesso bd, 600J de calor são forne-
cidos ao sistema. Analise as afir-
a) se conservou. b) aumentou 60 mil calorias. c) diminuiu 80 mil calorias. mações que se seguem.
d) aumentou 20 mil calorias. e) diminuiu 20 mil calorias.
I. O trabalho realizado no processo ab é nulo.
28) (FGV/2010) O vendedor de churros II. A variação de energia interna no processo ab é 320J.
havia escolhido um local muito próximo a III. A variação de energia interna no processo abd é 610J.
um poste de iluminação. Pendurado no IV. A variação de energia interna no processo acd é 560J.
interior do carrinho, um lampião aceso
melhorava as condições de iluminação. É CORRETO afirmar que apenas as(a) afirmações(ão)
Admitindo que o centro de todos os ele-
mentos da figura, exceto as finas colunas a) II e IV estão corretas. b) IV está correta. c) I e III estão corretas.
que suportam o telhado do carrinho, es- d) III e IV estão corretas. e) II e III estão corretas.
tão no mesmo plano vertical, consideran-
do apenas as luzes emitidas diretamente 34) (UFU/2010) Em relação à Primeira e à Segunda Lei da Termodinâ-
do poste e do lampião e, tratando-os co- mica, é correto afirmar que:
mo os extremos de uma única fonte ex-
tensa de luz, a base do poste, a lixeira e o banquinho, nessa ordem, es- a) Na expansão isotérmica de um gás ideal monoatômico, a temperatura
tariam inseridos em regiões classificáveis como permanece constante e, de acordo com a primeira lei da termodinâmica,
a variação da energia é nula. Desse modo, o calor absorvido é converti-
a) luz, sombra e sombra. d) penumbra, sombra e sombra. do completamente em trabalho. Entretanto, pode-se afirmar que a se-

Professor Caçu 15 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
gunda lei da termodinâmica não é violada porque o sistema não está iso- de uma pessoa é dada pela absorção máxima de oxigênio por períodos
lado. relativamente longos. Considere que uma pessoa, em boa forma física,
b) Na expansão isotérmica de um gás ideal monoatômico, a temperatura consiga, por longos períodos, absorver até cerca de 50ml de O2 por mi-
permanece constante e, de acordo com a primeira lei da termodinâmica, nuto e por quilograma de sua massa, liberando 4,9kcal por litro de O2. A
a variação da energia é nula. Desse modo, o calor absorvido é converti- energia liberada por uma pessoa que utiliza 2,5litros de O2 em sua respi-
do completamente em trabalho e pode-se afirmar que a segunda lei da ração seria o suficiente para elevar um bloco de 400kg a uma altura de,
termodinâmica é violada, uma vez que esse é um sistema isolado. aproximadamente:
c) Na expansão adiabática de um gás ideal monoatômico, a temperatura
permanece constante e, de acordo com a primeira lei da termodinâmica, a) 13,2m; b) 12,9m; c) 11,5m; d) 11,0m.
a variação da energia é nula. Desse modo, o calor absorvido é converti-
do completamente em trabalho e, considerando que esse não é um sis- 39) (UFCG/2010) A vida na Terra começou com seres vivos unicelulares
tema isolado, pode-se afirmar que a segunda lei da termodinâmica é vio- e, com o passar do tempo, foi se complexificando, tornando-se mais or-
lada. ganizada. Considerando o ambiente em que a vida se desenvolveu na
d) Na expansão isotérmica de um gás ideal monoatômico, a temperatura Terra como um sistema aberto, foram feitas algumas afirmativas no âm-
permanece constante e, de acordo com a segunda lei da termodinâmica, bito da Termodinâmica:
a variação da energia é nula. Desse modo, o calor absorvido é converti-
do completamente em trabalho. Entretanto, pode-se afirmar que a primei- I. O desenvolvimento da vida na Terra exige uma revisão do Segundo
ra lei da termodinâmica não é violada, porque o sistema não está isola- Princípio da Termodinâmica, pois em qualquer sistema aberto a entropia
do. sempre aumenta.
II. O desenvolvimento da vida na Terra está de acordo com o Segundo
35) (PUC/2010) Considerando a des- Princípio da Termodinâmica, pois em qualquer sistema aberto a entropia
crição do ciclo Otto e o respectivo sempre diminui.
gráfico. O ciclo Otto é um ciclo ter- III. A auto-organização dos seres vivos contribui necessariamente para o
modinâmico constituído por dois pro- aumento da entropia do resto do universo.
cessos adiabáticos e dois processos
isovolumétricos, como mostra o gráfi- Em relação ao valor de verdade das afirmativas, é correto afirmar que
co que segue. Num motor que opera
segundo este ciclo, um pistão inicialmente na posição correspondente ao a) todas as afirmativas são verdadeiras.
máximo volume, estado 1, comprime o ar até que atinja o volume míni- b) somente as afirmativas I e III são falsas.
mo, estado 2. Então ocorre a combustão, resultando em um súbito au- c) as afirmativas I e II são verdadeiras.
mento da pressão enquanto o volume permanece constante, levando o d) apenas a afirmativa II é falsa.
ar ao estado 3. O processo que segue é a ejeção de potência quando o e) apenas a afirmativa III é verdadeira.
ar expande adiabaticamente para o estado 4. No processo final, calor é
transferido para a vizinhança e o ciclo é completado. A partir das infor- 40) (UFCG/2010) As informações seguintes referem-se aos agrocombus-
mações obtidas pela análise do gráfico representativo do ciclo Otto e de tíveis e, de seus dados, foi mantida apenas a ordem de grandeza. IN-
acordo com as leis da termodinâmica, é correto afirmar que: FORMAÇÃO I: “Dados do IBGE, entre 1990 e 2006, revelam a redução
da produção dos alimentos imposta pela expansão da área plantada de
5
a) o calor líquido trocado no ciclo é nulo, visto que a temperatura final é cana-de-açúcar. Verifica-se que ocorreu a redução de 10 hectares de
5
igual à temperatura inicial. feijão. Essa área reduzida poderia produzir 10 toneladas de feijão, ou
b) o sistema realiza um trabalho líquido nulo durante o ciclo, pois o volu- seja, 12% da produção nacional.” INFORMAÇÃO II: [...] mantida a ex-
me final é igual ao volume inicial. pectativa de expansão da demanda mundial de álcool até 2015/17, a
7
c) o trabalho realizado no processo de compressão adiabática é maior do previsão de uma área requerida para cana-de-açúcar será de 10 hecta-
que o realizado no processo de expansão adiabática. res. INFORMAÇÃO III: Considerando o rendimento da fotossíntese, da
d) o sistema absorve calor durante a compressão adiabática e rejeita ca- qualidade do solo e outros condicionantes, a produtividade dos canaviais
2
lor durante a expansão adiabática. brasileiros pode ir a 10 toneladas de cana, por hectare, por ano. De ca-
2
e) a variação da energia interna no ciclo é zero, porque o estado final é da tonelada de cana extraem-se 10 litros de álcool etílico com poder ca-
7
igual ao estado inicial. lorífico de 10 cal/L. Construindo-se relações entre as informações dos
textos pode-se afirmar que
36) (UDESC/2010) No diagrama p × V
11
abaixo, está representado o ciclo ter- a) a área reduzida da produção de feijão proporciona armazenar 10 ca-
modinâmico da máquina de Carnot, lorias no etanol.
considerada ideal porque tem o maior b) para máquinas térmicas de rendimento 20%, a massa de cana corres-
rendimento entre as máquinas térmicas. pondente a um hectare que produzirá energia rejeitada para o meio am-
O sistema recebe calor da fonte quente biente é da ordem de 1 tonelada .
–4
à temperatura T1 e transfere calor para c) se na dieta das pessoas, utilizam-se, em média, 10 tonelada de fei-
15
a fonte fria à temperatura T2. Com rela- jão, 10 pessoas prejudicam-se com a redução da área de plantio.
ção às transformações termodinâmicas que constituem esse ciclo, é cor- d) a energia liberada pela queima de etanol oriundo de uma tonelada ca-
10
reto afirmar que o sistema passa por uma: na pode fundir 10 kg de gelo a uma pressão atmosférica.
e) para converter a energia correspondente ao acréscimo da demanda
a) expansão adiabática entre os estados b e d (b → d). mundial de álcool citada, uma represa de 100m de altura deve ter, no
10
b) expansão isovolumétrica entre os estados b e c (b → c). mínimo, 10 kg de água disponível.
c) compressão isobárica entre os estados c e d (c → d).
d) expansão isotérmica entre os estados a e b (a → b). 41) (UFSC/2010) Admita uma máqui-
e) compressão isotérmica entre os estados d e a (d → a). na térmica hipotética e ideal que fun-
cione de acordo com o ciclo repre-
37) (UFG/2010) A máquina térmica é sentado no gráfico de pressão versus
um dispositivo que pode tanto fornecer volume (p × V). Sabendo que a trans-
energia para um sistema quanto retirar. formação CD é adiabática, com base
Considere que a máquina térmica opera na primeira Lei da Termodinâmica e
com um gás ideal em um sistema fe- no gráfico acima, assinale a(s) propo-
chado, conforme o ciclo ilustrado na fi- sição(ões) CORRETA(S).
gura acima. De acordo com o exposto.
01. A transformação BC é isotérmica. A energia absorvida pelo gás na
a) calcule o trabalho total em um ciclo; forma de calor é transformada parcialmente em trabalho.
02. Na transformação AB o gás sofre uma expansão isobárica, realizan-
b) explique como ela opera, ou seja, qual é a sua função? Justifique sua do um trabalho de 1,6 kJ sobre a vizinhança.
resposta; 04. Sabendo que a temperatura T2 vale 900 K, podemos afirmar que a
temperatura T1 vale 1260 K e a pressão no estado C vale aproximada-
5
c) calcule a temperatura no ponto C, considerando que a temperatura no mente 6,22.10 Pa.
ponto A é de 300k. 08. Na transformação cíclica – ABCDEA – apresentada, a variação da
energia interna é zero, ou seja, a temperatura não varia durante todo o
38) (UEG/2010) A habilidade de uma pessoa em exercer uma atividade ciclo.
física depende de sua capacidade de consumir oxigênio. A forma física

Professor Caçu 16 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php
®
Colégio Lúcia Vasconcelos - Concursos Públicos e Vestibulares – Fone: (62) 3093-1415
16. A transformação CD é uma compressão adiabática, onde a tempera- 05) C
tura do gás diminui devido ao trabalho realizado sobre a vizinhança. 06) 23
32. A transformação EA é isocórica. O aumento da temperatura do sis- 07) 13
tema, e consequentemente o aumento da energia interna, se deve ao ca- 08) B
lor recebido da vizinhança. 09) D
10) a) O ciclo se inicia com a compressão adiabática a→b seguida,
42) (UFPB/2010) Certa quantidade respectivamente, das transformações isovolumétrica b→c, expan-
de gás ideal monoatômico é levada são adiabática c→d e isovolumétrica d→a .
do estado A para o estado C através b) 120 J
de uma transformação isotérmica AB, 11)a) Tf = 525K
seguida de uma transformação isobá- b) ΔU=225J
rica BC, como indicado no gráfico. No
UA 4
processo completo ABC, o gás rece- 12) =
be 2J de calor do meio ambiente. Sabemos, também, que a variação da UB 3
energia interna no processo BC é de 0,6J. Com relação às transforma- 13) a) Considerando que o gás se comporta como um gás ideal, a
ções realizadas nesse processo, identifique as afirmativas corretas: sua temperatura T, para um número constante de mols, é diretamen-
te proporcional ao produto da pressão P pelo volume V. Logo, T α
I. A variação da energia interna no processo AB é nula. P.V. O ponto L possui maior pressão e volume que o K, logo, possui
II. O trabalho realizado pelo gás no processo BC é de 0,4J. maior temperatura.
III. O trabalho realizado pelo gás no processo AB é de 1,0J. b) Ao longo do ciclo, há realização de trabalho positivo – aumento
IV. A variação da energia interna no processo ABC é de 0,8J. no volume – e negativo – redução no volume. O trabalho líquido –
V. O calor absorvido no processo BC é de 1J. soma do trabalho positivo e do negativo – corresponde a área inter-
na do ciclo e é positivo.
43) (UEPB/2010) A Revolução Industrial consistiu em um conjunto de c) Não é possível. Durante a realização do ciclo, é necessária a libe-
mudanças tecnológicas com profundo impacto no processo produtivo em ração de energia na forma do fluxo de calor do gás para o meio. Es-
nível econômico e social. Iniciada na Inglaterra em meados do século sa energia liberada não pode ser nula – 2ª Lei da Termodinâmica – e
XVIII, expandiu-se pelo mundo a partir do século XIX. James Hargrea- corresponde à diferença entre o calor fornecido e o trabalho líquido
ves, 1764, na Grã-Bretanha, inventa a fiadora “spinning Jenny”, uma má- ao longo de um ciclo.
quina de fiar rotativa que permitia a um único artesão fiar oito fios de uma 14) C
só vez.; James Watt, 1768, inventa a máquina a vapor; Gottlieb Daimler, 15) a) V = 50 m .
3

1885, inventou um motor a explosão etc. Acerca do assunto tratado no b) o gás sofreu uma expansão Vf = 83 m .
3

texto I, em relação às máquinas térmicas, de acordo com a segunda lei c) 3,3 MJ.
da Termodinâmica, podemos afirmar: 16) 31
17) C
I. Nenhuma máquina térmica operando em ciclos pode retirar calor de 18) D
uma fonte e transformá-lo integralmente em trabalho. 19) E
II. A segunda lei da Termodinâmica se aplica aos refrigeradores, porque 20) D
esses transferem calor da fonte fria para a fonte quente. 21) C
III. O rendimento de uma máquina térmica que opera em ciclos pode ser 22) D
de 100%. 23) C
24) a) WAB = 0 pois p processo é isocórico
Após a análise feita, verifica-se que é(são) correta(s) apena(s) a(s) pro- b) TA = 300K, TB = 900K e TC = 600K
posição(ões) c) QAB = 3000J e QCA = –2250J
25) 27
a) II e III. b) II. c) III. d) I. e) I e II. 26) A
27) E
44) (UEPB/2010) Uma criança que gostava muito de brigadeiro decidiu 28) A
fazer este doce, e para isso começou a separar os ingredientes e utensí- 29) B
lios. Inicialmente pegou a lata de leite condensado, o chocolate em pó e 30) D
a margarina, depois uma panela e colher de aço e um abridor de latas. A 31) B
criança fez um furo na lata, a fim de fazer escoar para a panela o leite 32) E
condensado. Sua mãe, ao ver aquela atitude, sugeriu que o filho fizesse 33) C
outro furo, na lata, pois assim ele conseguiria retirar aquele líquido com 34) A
mais facilidade. Ao levar a panela ao fogo para mexer o brigadeiro, a cri- 35) E
ança sentiu que, depois de alguns minutos, o cabo da colher tinha se a- 36) D
quecido e reclamou: “Mãe, a colher está queimando a minha mão”. En- 37) a) W = −Área = −125 kJ
tão, sua mãe pediu que ele fizesse uso de uma colher de pau, para evitar b) Opera como um refrigerador porque está sendo realizado traba-
uma queimadura. Sobre o aquecimento da colher evidenciado na recla- lho sobre o sistema (trabalho negativo).
mação da criança de que sua mão estava queimando, podemos afirmar c) TC = 1500 K
que 38) B
39) E
a) com a colher de pau, que é um excelente isolante térmico, esta aque- 40) B
ce-se mais rápido que a colher de aço. 41) 38
b) acontece porque as partículas que constituem a colher criam corren- 42) I, II, III, V
tes de convecção, aquecendo-a por inteiro, de uma extremidade à outra. 43) E
c) devido a irradiação a colher se aquece por inteiro, de uma extremida- 44) E
de à outra.
d) com a colher de pau, que é um excelente condutor térmico, esta a-
quece-se mais rápido que a colher de aço.
e) acontece porque as partículas que constituem a colher passam a con-
duzir de uma extremidade a outra o calor ali absorvido.

LISTA 07 – GABARITO:

01) 07
02) A
03) a) Quando despejou-se a água com temperatura ambiente, na
jarra fechada, fez-se a pressão interna do recipiente diminuir e, as-
sim, abaixou-se o ponto de ebulição da água em alguns graus, fa-
zendo-a ferver novamente.
b) A uma altitude superior, a pressão atmosférica seria menor; as-
sim, a temperatura de ebulição da água iria diminuir.
04) B

Professor Caçu 17 Acesse os materiais extras no site:


www.luciavasconcelos.com.br/novo/aluno.php