Você está na página 1de 39

física

termofísica

QUESTÕES DE VESTIBULARES

2012.1 (1 o semestre)

2012.2 (2 o semestre)

sumário

termômetros e escalas termométricas

VESTIBULARES

2012.1

2

VESTIBULARES

2012.2

3

calor sensível

VESTIBULARES 2012.1

4

VESTIBULARES

2012.2

6

calor latente

VESTIBULARES

2012.1

8

VESTIBULARES 2012.2

10

sistema termicamente isolado

VESTIBULARES

2012.1

13

VESTIBULARES

2012.2

15

transmissão de calor

VESTIBULARES

2012.1

16

VESTIBULARES

2012.2

18

dilatação térmica

VESTIBULARES

2012.1

20

VESTIBULARES

2012.2

23

transformações gasosas

VESTIBULARES

2012.1

25

VESTIBULARES

2012.2

27

trabalho da força de pressão

VESTIBULARES

2012.1

29

VESTIBULARES

2012.2

29

primeira lei da termodinâmica

VESTIBULARES

2012.1

30

VESTIBULARES

2012.2

35

segunda lei da termodinâmica

VESTIBULARES

2012.1

37

VESTIBULARES

2012.2

38

japizzirani@gmail.com

TERMOFÍSICA

termômetros e escalas termométricas

VESTIBULARES 2012.1

(VUNESP/CEFSA-2012.1) - ALTERNATIVA: D Em um laboratório, foram realizados dois experimentos:

1.º experimento: o professor solicitou que um aluno segurasse um

copo de leite quente (temperatura suportável). Após alguns minutos,

o aluno deveria relatar o que percebeu.

alguns minutos, o aluno deveria relatar o que percebeu. 2.º experimento : o professor solicitou que

2.º experimento: o professor solicitou que fosse adicionado leite frio em uma xícara de café quente. Após alguns minutos, o aluno deveria relatar o que percebeu.

alguns minutos, o aluno deveria relatar o que percebeu. O professor espera que os alunos percebam

O professor espera que os alunos percebam que ocorreu equilíbrio

térmico

a) apenas no 1.º experimento, porque houve mistura de substân-

cias.

b) apenas no 2.º experimento, porque houve mistura de substân-

cias.

c) em nenhuma das situações apresentadas, pois não houve trans-

ferência de calor. *d) nas duas situações, porque houve transferência de calor.

(CEFET/MG-2012.1) - ALTERNATIVA: B Um termômetro de mercúrio apresenta no ponto de fusão da água

uma coluna de 20 mm de altura e, no ponto de ebulição, 80 mm. A uma temperatura de 92 °F, a coluna de mercúrio desse termômetro, em mm, é igual a

a)

30.

*b) 40.

c)

50.

d) 60.

(SENAI/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: A Em 1966, foi lançado o filme Fahrenheit 451, do diretor francês Fran- çois Truffaut. O foco da ação do filme é um grupo de bombeiros,

o grupo Fahrenheit 451, responsável por queimar todos os livros

que encontrassem, em uma temperatura de 451 graus Fahrenheit (451°F). No Brasil e na maior parte dos países do mundo, a escala

de medida de temperaturas mais usual é a Celsius. No entanto, a escala de temperaturas oficial do Sistema Internacional de Unidades (SI) é o Kelvin. A temperatura que dá nome ao filme é equivalente, aproximadamente, a

*a)

233°C.

d) 451°C.

b)

178 K.

e) 724 K.

c) 724°C.

(UFJF/MG-2012.1) - ALTERNATIVA: C Durante uma aula no laboratório de Física, o professor colocou dois termômetros em um forno cuja temperatura pode atingir até 500 ºC.

O primeiro termômetro tinha graduação em Celsius e o segundo, em

Fahrenheit. O professor esperou o equilíbrio térmico e notou que o

termômetro graduado na escala em Celsius indicava um valor que correspondia exatamente à metade do valor indicado no termômetro graduado na escala Fahrenheit. A temperatura medida pelo profes- sor, em graus Celsius, é:

a)

130 ºC.

d) 174 ºC.

b)

142 ºC.

e) 180 ºC.

*c) 160 ºC.

japizzirani@gmail.com

(IF/CE-2012.1) - ALTERNATIVA: B Os instrumentos destinados a medir a temperatura de um corpo são denominados termômetros, que utilizam certos efeitos produzidos pela energia térmica para avaliar a temperatura. O termômetro de

mercúrio consiste num tubo muito fino (tubo capilar), onde na base (bulbo ou reservatório) há mercúrio, um metal líquido.

O efeito produzido pela energia térmica para avaliar a temperatura

de um corpo neste termômetro é:

a) pressão dos líquidos nos gases

*b) dilatação térmica

c) resistência elétrica

d) efeitos ópticos

e) efeito fisiológico dos líquidos

(UNICENTRO/PR-2012.1) - ALTERNATIVA: E

Efeitos quânticos não estão limitados a partículas subatômicas. Eles também aparecem em experimentos com sistemas macros e mais quentes. Cientistas descobriram, em 2010, que efeitos quânticos,

à temperatura de 294,0 K, aumentam a eficiência fotossintética em

duas espécies de algas marinhas. Com base nas informações, a experiência que revelou aumento da eficiência fotossintética em espécies de algas marinhas, devido a

efeitos quânticos, foi realizada a uma temperatura, em ºF, aproxima- damente, igual a

a) 60

b) 63

c) 65

d) 68

*e) 70

(PUC/PR-2012.1) - ALTERNATIVA: B

O clima em Curitiba é caracterizado pelas altas variações de tempe-

ratura em um mesmo dia. Segundo dados do Simepar (www.simepar.br), ao final do inverno de 2011, os termômetros chegaram a marcar 8,00ºC e 25,0ºC em um período de 24h. Determine essa variação de temperatura na escala Fahrenheit. Dados:

● ponto de fusão do gelo: 32ºF,

● ponto de ebulição da água: 212ºF.

a) 17,0º F

*b) 30,6º F

c) 62,6º F

d) 20,0º F

e) 16,5º F

(VUNESP/UEA-2012.1) - ALTERNATIVA: B Um aluno utilizou um termômetro para medir a temperatura de um

determinado líquido e obteve o valor de 50 ºC. Resolvendo verificar

a precisão do termômetro utilizado, observou que, para água conge-

lando, a temperatura indicada era de −5 ºC e, para água fervendo, a temperatura indicada era de 105 ºC. Sendo assim, o aluno concluiu, que o valor correto da temperatura do líquido, em ºC, era igual a

a) 45.

*b) 50.

c) 55.

d) 60.

e) 65.

(VUNESP/FAMECA-2012.1) - ALTERNATIVA: C

Para calibrar um termômetro, um estudante o mergulhou em água a

25 °C e, depois, a 80 °C. Quando em equilíbrio térmico com a água

nessas situações, a altura h da coluna de mercúrio, em relação ao centro do bulbo do termômetro, mediu 3 cm e

18 cm, respectivamente. Depois disso, utilizando

esse mesmo termômetro, registrou que a dife- rença entre a mínima e a máxima temperatura

num determinado dia foi de 15 °C. Pode-se afir- mar que, nesse dia, o deslocamento da extre- midade da coluna de mercúrio do termômetro, em cm, entre a mínima e a máxima temperatura indicada por ele, foi de, aproximadamente,

a) 3,2.

b) 3,8.

*c) 4,1.

d) 4,5.

e) 5,4.

ºC

h
h

bulbo

2

VESTIBULARES 2012.2

(UFPR-2012.2) - ALTERNATIVA: D Um menino do País de Gales (Reino Unido) não se sente bem e pede para sua mãe medir sua temperatura corpórea.

Após 2 minutos, o termômetro utilizado registra 99,8 °F. Com base nos conhecimentos de termometria, é correto afirmar que o menino:

a) tem hipotermia, com T = 34 °C.

b) está normal, com T = 36 °C.

c) está normal, com T = 37 °C.

*d) tem febre, com T = 38 °C.

e) tem febre, com T = 39 °C.

(UNIFENAS/MG-2012.2) - ALTERNATIVA: C

Princípio zero da termodinâmica

“O princípio básico sobre o qual a termodinâmica se assenta é no

sistema isolado, envolto por uma fronteira completamente restriti- va em relação à troca de energia ou matéria - haverá um estado em particular, caracterizado pela constância de todas as grande- zas termodinâmicas mensuráveis (temperatura, pressões, volume, etc.), que, uma vez dado tempo suficiente para as transformações necessárias ocorrerem, sempre será atingido. Os valores a serem assumidos pelas grandezas no estado de equilíbrio encontram-se univocamente determinados desde o estabelecimento da fronteira

e do sistema, dependendo estes, em sistemas simples, apenas do

número e natureza das partículas, do volume e da energia interna

encerrados no sistema.” Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Qual é a ideia básica de tal princípio?

a) Irreversibilidade dos processos físicos.

b) Conservação da energia.

*c) Equilíbrio térmico.

d) Entropia.

e) Entalpia.

(PUC/GO-2012.2) - ALTERNATIVA: D

A energia da radiação cósmica de fundo possui um equivalente em

temperatura de 2,7 kelvins. Indique, entre as alternativas seguintes,

qual é o valor dessa temperatura na escala Celsius:

a) 275,3 ºC

b) −275,3 ºC

c) 270,3 ºC

*d) −270,3 ºC

(MACKENZIE/SP-2012.2) - ALTERNATIVA: D

A diferença entre as temperaturas de ebulição do álcool etílico e

do éter etílico, sob pressão de 1,0 atm, é 78,0 ºF. Sabendo-se que

a temperatura de ebulição desse éter é 35,0 ºC, conclui-se que a temperatura de ebulição desse álcool é

a) 8,3 ºC

b) 35,3 ºC

c) 43,3 ºC

*d) 78,3 ºC

e) 105,4 ºC

japizzirani@gmail.com

3

TERMOFÍSICA (UEL/PR-2012.1) - ALTERNATIVA: D O homem utiliza o fogo para moldar os mais diversos
TERMOFÍSICA
(UEL/PR-2012.1) - ALTERNATIVA: D
O homem utiliza o fogo para moldar os mais diversos utensílios. Por
calor sensível
exemplo, um forno é essencial para o trabalho do ferreiro na con-
fecção de ferraduras. Para isso, o ferro é aquecido até que se torne
VESTIBULARES 2012.1
(UERJ-2012.1) - RESPOSTA: C x = 10 cal.K −1 e C y = 4 cal.K −1 ;
c x = 0,5 cal.g −1 .K −1 e c y = 0,4 cal.g −1 .K −1
Considere X e Y dois corpos homogêneos, constituídos por subs-
tâncias distintas, cujas massas correspondem, respectivamente, a
moldável. Considerando que a massa de ferro empregada na con-
fecção de uma ferradura é de 0,5 kg, que a temperatura em que o
ferro se torna moldável é de 520 ºC e que o calor específico do ferro
vale 0,1 cal/g.ºC, assinale a alternativa que fornece a quantidade
de calor, em calorias, a ser cedida a essa massa de ferro para que
possa ser trabalhada pelo ferreiro.
Dado: temperatura inicial da ferradura: 20 ºC.
20
g e 10 g.
a) 25
O
gráfico abaixo mostra as variações da temperatura desses cor-
b) 250
pos em função do calor absorvido por eles durante um processo de
aquecimento.
c) 2 500
*d) 25 000
e) 250 000
T (K)
Y
(PUC/GO-2012.1) - QUESTÃO ANULADA - RESPOSTA: 1 m 3
283
X
281
Em uma casa ecológica, a energia dos raios solares poderia ser
conservada em reservatórios cheios de água. Em uma semana de
279
277
inverno foram necessários 10 7 cal para manter a temperatura interna
da casa em 20 ºC. Se a temperatura da água que estava no reser-
vatório era de 30 ºC, o volume de água necessário é de (marque a
alternativa que contenha a proposição correta:)
Dados:
275
273
calor específico da água = 1 cal/(g.ºC);
densidade volumétrica da água = 1000 kg/m 3
Q (cal)
0
20
40
60
80
a) 1 000 m 3 .
b) 10 m 3 .
Determine as capacidades térmicas de X e Y e, também, os calores
específicos das substâncias que os constituem.
c) m 3 .
10 000
d) 100 m 3 .
(UERJ-2012.1) - RESPOSTA: ∆θ = 36ºC
Um copo contendo 200 g de água é colocado no interior de um forno
de microondas.
Quando o aparelho é ligado, a energia é absorvida pela água a uma
taxa de 120 cal/s.
Sabendo que o calor específico da água é igual a 1 cal • g −1 • ºC −1 ,
calcule a variação de temperatura da água após 1 minuto de funcio-
namento do forno.
(UNITAU-TAUBATÉ/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: C
Considere um aquecedor elétrico de imersão constituído por um re-
sistor do tipo linear de 15 ohms e que funciona sob uma tensão
especial de 100 V. Esse aparelho é usado para aquecer 1,5 kg
de água, sendo a temperatura inicial da água de 12 ºC. Conside-
re
que todo o calor gerado pelo aparelho seja absorvido pela água
e
que o calor específico da água seja igual, aproximadamente, a
4 × 10 3 J/(kg.ºC) . Determine o tempo necessário para que toda a
massa de água atinja a temperatura de 100 ºC.
(UEG/GO-2012.1) - ALTERNATIVA: D
Atualmente, os carros estão mais econômicos, comparativamente
aos de algumas décadas atrás. O fato é que os motores estão mais
leves, por causa das descobertas de novas ligas metálicas.
a)
5,9 minutos
b)
9,5 minutos
*c)
13,2 minutos
O gráfico da esquerda ilustra a potência em função dos ciclos do
d)
12,1 minutos
motor. O segundo gráfico apresenta a temperatura do motor em um
intervalo de tempo, com o giro em 2 000 rpm.
e)
8,9 minutos
Dado: 1 HP = 750 W
(UFV/MG-2012.1) - ALTERNATIVA: A
Um pequeno bloco escorrega para baixo sobre uma superfície, par-
100
75
tindo do repouso no ponto A, como mostra a figura abaixo. O bloco
atinge novamente o repouso depois de percorrer uma certa distância
75
50
50
horizontal H. O bloco é feito de material de calor específico c. Su-
ponha que metade da energia mecânica dissipada pelo atrito seja
25
25
absorvida pelo bloco, aumentando a sua temperatura, e que este
não dissipe calor para o ambiente.
D
H
0,5
1,0
1,5
2,0
2
4
6
8
A
ciclos (10 3 rpm)
tempo (min)
R
Considerando-se estas informações, qual é a capacidade térmica
desse motor após oito minutos de funcionamento, em 10 4 J/K?
a) 0,8
c) 24,0
b) 8,0
*d) 72,0
Sendo g o módulo da aceleração da gravidade, a variação de tem-
peratura do bloco, desde o instante inicial até o instante em que ele
atinge o repouso, é:
(PUC/RJ-2012.1) - ALTERNATIVA: D
Um copo com 300 ml de água é colocado ao sol. Após algumas
horas, verifica-se que a temperatura da água subiu de 10 °C para
gR
*a)
2c
40 °C.
Considerando-se que a água não evapora, calcule em calorias a
πgR
b)
quantidade de calor absorvida pela água.
4c
Dados: d água = 1 g/cm 3 e c água = 1 cal/g.ºC
gH
c)
a) 1,5 × 10 5
*d) 9,0 × 10 3
2c
b) 2,0 × 10 5
e) 1,2 × 10 2
g √ R 2 + D 2
d)
c) 3,0 × 10 3
2c
Potência (HP)
Temperatura (ºC)

japizzirani@gmail.com

4

(FGV/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: A Sabe-se que a capacidade térmica (C) é uma propriedade de cada corpo e está relacionada com o poder desse corpo de variar sua temperatura ao trocar calor. O gráfico que melhor expressa a ca- pacidade térmica de um corpo ao receber calor com a respectiva variação de temperatura (t), sem mudar de estado físico, é

*a)

*a) C

C

   
   

b)

b)

C

t

 
   
 
   
∆t c) C
∆t
c)
C

t

d) C ∆t e) C ∆t
d)
C
∆t
e)
C
∆t

(FATEC/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: A Em um sistema isolado, dois objetos, um de alumínio e outro de co- bre, estão à mesma temperatura. Os dois são colocados simultanea- mente sobre uma chapa quente e recebem a mesma quantidade de

calor por segundo. Após certo tempo, verifica-se que a temperatura do objeto de alumínio é igual à do objeto de cobre, e ambos não mu- daram de estado. Se o calor específico do alumínio e do cobre valem respectivamente 0,22 cal/g°C e 0,09 cal/g°C, pode-se afirmar que *a) a capacidade térmica do objeto de alumínio é igual à do objeto de cobre.

b) a capacidade térmica do objeto de alumínio é maior que a do

objeto de cobre.

c) a capacidade térmica do objeto de alumínio é menor que a do

objeto de cobre.

d) a massa do objeto de alumínio é igual à massa do objeto de co-

bre.

e) a massa do objeto de alumínio é maior que a massa do objeto

de cobre.

(UNITAU-TAUBATÉ/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: A A quantidade de calor necessária para alterar de a temperatura de uma massa m de uma substância cujo calor específico é c pode ser calculada como Q = m.c.∆θ , quando não há mudança de estado físi- co da massa m. A massa de líquido contida nas latas de uma bebida muito popular no Brasil é aproximadamente igual a 350 g. Sabendo que o calor específico da bebida é igual a 1 cal/(g.ºC), calcule a

potência necessária para resfriar o líquido contido em uma lata da bebida, de uma temperatura ambiente de 32 ºC até a temperatura de 2 ºC, em um intervalo de 7 minutos. Considere 1 cal = 4,2 joules

*a) 105 watt

d) 115 watt

b) 150 watt

e) 155 watt

c) 151 watt

(UESPI-2012.1) - ALTERNATIVA: A Um refrigerante sem açúcar indica nas informações nutricionais do seu rótulo que contém 1 Cal = 1000 cal.

Uma pessoa

de calorias ingeri-

da seja

refrigerante. Suponha

para aumentar a temperatura da

pessoa. Considerando o calor específico do corpo humano igual a 0,8 cal/(gºC), a variação de temperatura da pessoa será igual a:

*a) 0,025 ºC

b) 0,05 ºC

c) 0,25 ºC

d) 5 ºC

de

massa 50

kg ingere

o conteúdo completo desse

que toda

a quantidade

utilizada exclusivamente

e) 25 ºC

japizzirani@gmail.com

(FMABC/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: B Um jovem lança um bloco de alumínio de massa 80 g, cuja tempera-

tura inicial é de 20 ºC, sobre uma superfície áspera. O coeficiente de atrito dinâmico entre a base do bloco e a superfície vale 0,3. O bloco, no momento que se separou da mão do garoto, tinha velocidade inicial de 10 m/s e deslizou por 3,33 s até parar. Suponha que toda a

energia desse movimento tenha sido convertida em energia térmica e que 20% dela tenha sido absorvida pela superfície de deslizamen- to. A variação de temperatura do bloco, na escala Fahrenheit, será de

a) 0,05 ºF.

*b) 0,09 ºF.

Para simplificação dos cálculos, adote:

c) g = 10m/s 2 , 1 cal = 4 J e o calor especí-

d) fico do alumínio = 0,2 cal/gºC.
e)

4 ºF.

7,2 ºF.

16 ºF.

(MACKENZIE/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: B Certo estudante, em um laboratório de Física, na Inglaterra, realizou uma experiência que envolvia trocas de calor. Durante uma parte do

1,00 kg, constituído

trabalho, teve de aquecer um corpo de massa

de uma liga de alumínio, cujo calor específico é c = 0,215 cal/(g.ºC).

A temperatura do corpo variou de 212 ºF até 392 ºF. Considerando que 1 caloria = 4,2 J, a energia térmica recebida por esse corpo foi aproximadamente

a) 160 kJ

*b) 90 kJ

c) 40 kJ

d) 16 kJ

e) 9 kJ

(UFC/CE-2012.1) - ALTERNATIVA: D

Ao

um aumento linear da sua temperatura, passando de 0 a 100 °C. O

cobre sólido, observa-se

se fornecer calor a

uma amostra de

ponto de fusão do cobre é do fato de que:

a) a massa da amostra de cobre é constante.

b) o calor específico do cobre depende de sua massa.

c) o calor específico do cobre é constante nesse intervalo de tem-

peratura.

*d)

são constantes nesse

intervalo de temperatura.

e) durante uma mudança de fase,

Esse comportamento decorre

1 085 °C.

a massa e o

calor específico

do cobre

a mudança de temperatura não

depende do calor fornecido.

(UNICAMP/SP-2012.1) - RESPOSTA: a) 3,6×10

Em 2015, estima-se que o câncer será responsável por uma dezena de milhões de mortes em todo o mundo, sendo o tabagismo a prin- cipal causa evitável da doença. Além das inúmeras substâncias tó- xicas e cancerígenas contidas no cigarro, a cada tragada, o fumante

aspira fumaça a altas temperaturas, o que leva à morte células da boca e da garganta, aumentando ainda mais o risco de câncer.

células hu-

a) Para avaliar o efeito nocivo da fumaça,

manas foram expostas, em laboratório, à fumaça de cigarro à tem- peratura de 72 ºC, valor típico para a fumaça tragada pelos fuman-

tes. Nos primeiros instantes, o número de células que permanecem

vivas em função do tempo t é dado por N(t) = N

é o tempo necessário para que 90% das células morram. O gráfico

Quantas células

morrem por segundo nos instantes iniciais?

abaixo mostra como

4 cel./s b) Q = 1,4 J

N

0

= 9,0×10

0

1 −

2t

τ

4

, onde

τ

τ

varia com a temperatura

θ.

0 1 − 2t τ 4 , onde τ τ varia com a temperatura θ .

o fumante aspira aproximadamente 35 mililitros

b) A cada tragada,

de fumaça. A fumaça possui

32 J/K.mol e

fumaça entra no corpo humano a 72 ºC e sai a 37 ºC, calcule o calor

transferido ao fumante numa tragada.

molar de 28 litros/mol. Assumindo que a

molar C =

uma capacidade calorífica

um volume

5

(UFRGS/RS-2012.1) - ALTERNATIVA: A

O gráfico abaixo representa o calor absorvido por unidade de mas-

sa, Q/m, em função das variações de temperatura T para as subs- tâncias ar, água e álcool, que recebem calor em processos em que

a pressão é mantida constante.

Q/m

(kJ/kg)

40

30

20

10

0

Z Y X
Z
Y
X

2

4

6

8

10

T (ºC)

(Considere que os valores de calor específico do ar, do álco-

ol e da água são, respectivamente, 1,0 kJ/kg.ºC, 2,5 kJ/kg.ºC e

4,2 kJ/kg.ºC.)

Com base nesses dados, é correto afirmar que as linhas do gráfico identificadas pelas letras X, Y e Z, representam, respectivamente,

*a) o ar, o álcool e a água.

b) o ar, a água e o álcool.

c) a água, o ar e o álcool.

d) a água, o álcool e o ar.

e) o álcool, a água e o ar.

japizzirani@gmail.com

VESTIBULARES 2012.2

(UFPR-2012.2) - ALTERNATIVA: C Uma piscina retangular de 3 m por 5 m, com água a 1 m de altura,

absorve (num dia de verão) a potência de 1 000 W/m 2 . Admitindo-se que o sistema não tem perdas de calor, que 1 cal = 4,18 J e que a densidade da água é de 1 g/cm 3 , o tempo de exposição ao Sol ne- cessário para que a temperatura da água varie de 20 °C para 22 °C será de, aproximadamente:

a) 4 h.

b) 3 h e 20 min.

*c) 2 h e 20 min.

d) 1 h e 30 min.

e) 30 min.

(UNEMAT/MT-2012.2) - ALTERNATIVA: A Uma modelo está permanentemente fazendo regime da Somália,

em que a média alimentar diária é de 1580 Calorias. Participou de uma festa em que foram servidos irresistíveis canapés de cama-

rão. Consultando a tabela de valores calóricos de cada alimento, ela estimou que ingeriu 600 kcal a mais do que devia. Então ela teve

a seguinte ideia: “Se eu tomar água gelada a 6 ºC, meu corpo vai

consumir as 600 kcal, elevando a temperatura da água até 36 ºC, e

o excesso de água será naturalmente eliminado”.

Considere que a densidade da água é 1 g/ml e que o calor específico da água é 1 cal/gºC. Quantos litros de água ela deverá tomar? *a) 20 litros.

b) 16,6 litros.

c) 9,8 litros.

d) 2 litros.

e) 1,6 litros.

(FEI/SP-2012.2) - ALTERNATIVA: E

Um corpo sólido de massa m = 100 g possui calor específico 0,2 cal/gºC. Para elevarmos a temperatura do corpo em 20 ºC, deve- mos fornecer ao corpo uma quantidade de calor igual a:

a) 100 cal

b) 200 cal

c) 50 cal

d) 500 cal

*e) 400 cal

(VUNESP/UNICID-2012.2) - ALTERNATIVA: E Em um laboratório de física, pesquisadores analisaram a variação da temperatura de certa quantidade de água pura, que é aquecida por meio de um resistor de resistência ôhmica R, imerso num recipiente de capacidade térmica desprezível e que contém essa substância. Dessa análise foi construída a seguinte tabela:

t (s)

U (V)

I (A)

T (ºC)

0

12

2

17,0

60

12

2

18,2

120

12

2

19,4

180

12

2

20,5

12 V R
12 V
R

Considerando a massa da água utilizada igual a 140 g e o calor específico da água 4,2 J/g.ºC, pode-se afirmar que a energia elétrica fornecida ao resistor e a energia recebida pela água são, em joule, nesse intervalo de tempo, iguais a, respectivamente,

a) 2 160 e 1 166.

b) 2 160 e 2 058.

c) 3 240 e 1 680.

d) 4 320 e 1 166.

*e) 4 320 e 2 058.

6

(UERJ-2012.2) - ALTERNATIVA: A Em um laboratório, as amostras X e Y, compostas do mesmo mate - rial, foram aquecidas a partir da mesma temperatura inicial até de- terminada temperatura final. Durante o processo de aquecimento, a amostra X absorveu uma quantidade de calor maior que a amostra Y. Considerando essas amostras, as relações entre os calores especí-

ficos c X e c Y , as capacidades térmicas C X e C Y e as massas m X e

m Y são descritas por:

*a)

b)

c)

d)

c

X = c Y

C X > C Y

m X > m Y

c

X > c Y

C X = C Y

m X = m Y

c

X = c Y

C X > C Y

m X = m Y

c

X > c Y

C X = C Y

m X > m Y

(PUC/SP-2012.2) - ALTERNATIVA: A Qual o valor do calor específico de uma substância de massa 270 g que, ao receber 10,8 kJ de calor de uma fonte térmica de potência constante, tem sua temperatura aumentada de 18º F, em um local cuja pressão é de 1atm?

Adote 1 cal = 4 J

*a) 1,00 cal/gºC

b) 0,005 cal/gºC

c) 1,287 cal/gºC

d) 0,002 cal/gºC

e) 0,20 cal/gºC

(ACAFE/SC-2012.2) - ALTERNATIVA: A

Sejam dois corpos de massas m A e m B feitos de diferente materiais,

A e B. Ao absorver quantidades iguais de energia térmica, ambos

os corpos têm suas temperatura aumentadas na mesma proporção. Assinale a alternativa correta que mostra a relação entre os calores específicos dos dois materiais A e B.

*a) c A = (m B /m A )c B

b) c A = c B

c) c A = (m A /m B )c B

d) c A = (m A .m B )c B

(UECE-2012.2) - ALTERNATIVA: C Um projétil de chumbo é disparado de uma arma de fogo contra um alvo de madeira, onde fica encravado. A velocidade de saída da bala é de 820 km/h e o calor específico do chumbo 128 J/(kg·K).

Caso toda a energia cinética inicial do projétil permaneça nele após

o repouso, sob forma de energia térmica, o aumento aproximado de temperatura da bala é

a) 75 K.

b) 128 K.

*c) 203 K.

d) 338 K.

japizzirani@gmail.com

7

TERMOFÍSICA

calor latente

VESTIBULARES 2012.1

(UNICENTRO/PR-2012.1) - ALTERNATIVA: A

A temperatura de um bloco sólido homogêneo, que recebeu calor de

uma fonte térmica com potência constante, variou de acordo com o

gráfico.

θ (ºC) 75 25 0 8 16 24 t (min)
θ (ºC)
75
25
0
8
16
24
t (min)

Com base nas informações e sabendo-se que o calor específico do bloco, na fase sólida, é de 0,60 cal/gºC, o calor latente de fusão do bloco, em cal/g, é igual a *a) 60,0

b) 50,0

c) 36,0

d) 24,0

e) 20,0

(VUNESP/UNISA-2012.1) - ALTERNATIVA: E Luísa, uma garota muito esperta e prestativa, tem, entre suas tarefas em casa, encher as forminhas de gelo com água e colocá-las no congelador. Em determinado dia, a menina usou 250 g de água, à temperatura de 20 ºC para congelar. Seu congelador utiliza potência constante de 5,0 cal/s para formar

o gelo, cujo calor latente de solidificação é igual a 80 cal/g. Sendo o calor específico da água igual a 1,0 cal/g.ºC, para encontrar a água colocada totalmente convertida em gelo, Luísa deverá abrir o conge- lador em, no mínimo,

a) 1 000

s.

d) 4 000 s.

b) 2 000

s.

*e) 5 000 s.

c) 3 000

s.

(IF/CE-2012.1) - ALTERNATIVA: C Um aluno, durante a última aula de laboratório, realizou o seguinte experimento: colocou diferentes quantidades de água pura em dois béqueres semelhantes e os aqueceu, simultaneamente, com fontes de calor idênticas (mesma temperatura e mesma quantidade de ca- lor entregue), conforme mostra a figura abaixo.

de ca- lor entregue), conforme mostra a figura abaixo. água pura fonte de calor O aluno
de ca- lor entregue), conforme mostra a figura abaixo. água pura fonte de calor O aluno

água pura

lor entregue), conforme mostra a figura abaixo. água pura fonte de calor O aluno fez anotações

fonte de calor

O aluno fez anotações sobre o tempo em que iniciou a ebulição em cada béquer, assim como a temperatura em que a ebulição ocorreu.

Complete

temperatura de

, à

a afirmativa: a

ºC.

água ferveu, primeiro,

no béquer

Preenchem as lacunas as informações da alternativa

a) B e 100.

b) A e 110.

*c)

d)

e)

A e 100. B e 110. A e 105.

japizzirani@gmail.com

(IF/CE-2012.1) - ALTERNATIVA: C Os estados físicos da matéria indicam em que fase uma substância pode estar. E essa substância pode sofrer mudança entre essas fa- ses. Com relação a isso, observe a figura a seguir:

I

sólido
sólido

II

vapor
vapor
líquido
líquido

As curvas I e II podem ser, respectivamente:

a) solidificação e fusão.

b) fusão e sublimação.

*c) solidificação e condensação.

d) sublimação e ebulição.

e) ebulição e fusão.

(PUC/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: B No reservatório de um vaporizador elétrico são colocados 300 g de água, cuja temperatura inicial é 20 ºC. No interior desse reservatório

encontra-se um resistor de 12

elétrica de intensidade 10 A quando o aparelho está em funciona-

mento.

que é percorrido por uma corrente

em funciona- mento. Ω que é percorrido por uma corrente Adote: 1 cal = 4,2 J

Adote:

1 cal = 4,2 J Calor específico da água = 1,0 cal/g.ºC Calor latente de vaporização da água = 540 cal/g P = 1 atm

Considerando que toda energia elétrica é convertida em energia tér- mica e é integralmente absorvida pela água, o tempo que o aparelho deve permanecer ligado para vaporizar 1/3 da massa de água colo- cada no reservatório deve ser de

a) 3 min 37s

*b) 4 min 33s

c) 4 min 07s

d) 36 min 10s

e) 45 min 30s

(UFPB-2012.1) - AFIRMATIVAS CORRETAS: I, II, III e IV

larga escala o processo de fundi-

ção, no qual uma peça de aço em estado sólido é aquecida a partir

Para a

realização desse processo, é preciso fornecer calor à peça. Sabendo que o calor latente de fusão do aço é 300 J/g, identifique as afirmativas corretas relacionadas ao processo de fundição:

de uma temperatura inicial até atingir o seu estado líquido.

As usinas siderúrgicas usam em

I. A quantidade de calor fornecida à peça depende da sua tempera- tura inicial.

II. A quantidade de calor fornecida à peça é proporcional à sua mas-

sa.

III.

A quantidade de

calor fornecida para

a fusão de

uma peça de

20 g é 6 000 J.

IV. A quantidade de calor fornecida a uma peça diminui se a tempe-

ratura de fusão do aço também diminuir, mantendo os outros parâ- metros fixos.

V. A temperatura da fase líquida é, durante a fusão do aço, maior do

que a temperatura da fase sólida.

8

(CEFET/MG-2012.1) - ALTERNATIVA: E Uma massa de 20 g de substância pura, acondicionada em um re- cipiente bem isolado termicamente, é aquecida com o fornecimento de calor a uma taxa constante de 30 cal/min. Esse processo está representado pelo gráfico seguinte.

T (ºC) D 120 90 B C 60 30 A 0 10 20 30 40
T (ºC)
D
120
90
B
C
60
30
A
0 10
20
30
40
t (min)

Analisando esses dados, é correto concluir que o

a) calor específico no trecho AB é 1,0 cal/g°C.

b) calor específico no trecho BC é 1,5 cal/g°C.

c) calor específico no trecho CD é 2,0 cal/g°C.

d) calor total fornecido à substância é 600 cal.

*e) calor latente na transição de fase é 22,5 cal/g.

(UFPE-2012.1) - RESPOSTA: t T = 92 segundos

O gálio (Ga) é um metal cuja temperatura de fusão, à pressão at-

mosférica, é aproximadamente igual a 30 ºC. O calor específico médio do Ga na fase sólida é em torno de 0,4 kJ/(kg.ºC) e o calor latente de fusão é 80 kJ/kg. Utilizando uma fonte térmica de 100 W, um estudante determina a energia necessária para fundir comple-

tamente 100 g de Ga, a partir de 0 ºC. O gráfico mostra a variação
tamente 100 g de Ga, a partir de 0 ºC. O gráfico mostra a variação
da temperatura em função do tempo das medições realizadas pelo
estudante.
T (ºC)
30
0
0
t T
t (s)

Determine o tempo total t T , em segundos, que o estudante levou para realizar o experimento. Suponha que todo o calor fornecido pela fonte é absorvido pela amostra de Ga.

(SENAI/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: B

O gráfico a seguir mostra os fenômenos de aquecimento e de mu-

dança de estado de uma substância X, submetida a uma fonte de calor constante, durante um intervalo de tempo de 10 s.

16 14 12 Gasoso 10 8 Líquido 6 4 2 Sólido 0 0 2 4
16
14
12
Gasoso
10
8
Líquido
6
4
2
Sólido
0
0
2
4
6
8
10
Temperatura

Tempo

De acordo com as informações contidas no gráfico, a substância X

é

a)

uma substância pura, já que seu aquecimento se dá de forma

constante. *b) uma mistura, já que sua mudança de estado físico não se dá à temperatura constante.

c) uma substância pura, já que suas retas de aquecimento apresen-

tam o mesmo coeficiente angular.

d) uma mistura, já que suas retas de aquecimento apresentam o

mesmo coeficiente angular.

e) uma substância pura, pois misturas não passam pelos três esta-

dos físicos (sólido, líquido e gasoso) quando são aquecidas.

japizzirani@gmail.com

(UFSC-2012.1) - RESPOSTA: SOMA = 35 (01+02+32) Pedrinho, ao chegar da escola, explica para sua avó o que apren- deu sobre o funcionamento de uma panela de pressão. Ela ficou surpresa em saber como um utensílio doméstico comum serve para exemplificar e explicar muitos princípios físicos. Independentemente de marca e modelo, além de cabos e tampa, toda panela de pressão é constituída basicamente de uma válvula com pino, que serve para controlar a pressão dentro da panela, e de

uma válvula de segurança que se rompe, caso a válvula com pino não seja acionada.

válvula de

válvula com pino
válvula com pino

segurança

p (atm) T (K)
p (atm)
T (K)

Com base no funcionamento da panela, nos princípios e fenôme- nos físicos envolvidos e no diagrama de fase acima, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).

01. Na panela de pressão em contato com a chama, ocorre uma

transformação isobárica quando a válvula com pino é acionada.

02. O diagrama de fase (curva de vaporização), acima, representa a

relação entre temperatura e pressão de vaporização da água.

04. A pressão dentro da panela depende unicamente da massa de

água que está passando para a fase gasosa.

08. A panela de pressão cozinha os alimentos em um tempo menor, porque ela atinge a temperatura de vaporização (100º C) mais rapi- damente do que as panelas comuns.

16. A água na fase gasosa é denominada vapor, pois sua tempe-

ratura se encontra abaixo da temperatura crítica, não podendo ser

liquefeita simplesmente por compressão isotérmica. 32. A panela de pressão cozinha os alimentos em um tempo menor, porque ela atinge a temperatura de vaporização acima da tempera- tura de ebulição da água na pressão de 1,0 atm.

(UFLA/MG-2012.1) - ALTERNATIVA: A Quando um corpo absorve ou cede energia térmica de modo que

ocorra variação na sua temperatura, denominamos essa energia

térmica de “calor sensível”. A denominação “calor latente” é dada

à energia térmica absorvida ou cedida por um corpo durante sua mudança de estado.

Um corpo de grande dimensão é colocado em contato térmico com 10,00 gramas de água e 10,00 gramas de vapor d’água, ambos

a 100 °C. As interações ocorreram à pressão de uma atmosfera e

a temperatura do corpo manteve-se constante em 33 °C devido a

sua grande dimensão. Sendo o calor específico da água igual a 4 200 J/kgK e, o calor latente de vaporização da água igual a 2 200 kJ/kg, a quantidade de energia térmica cedida pela água e pelo vapor são, respectivamente:

*a) 2,814 kJ e 24,814 kJ b) 2,814 MJ e 24,814 MJ c) 2,814 kJ e 22,000 kJ d) 2,814 MJ e 22,000 MJ

(UEPG/PR-2012.1) - RESPOSTA OFICIAL: SOMA = 11 (01+02+08)

A mudança de estado de uma substância pode ser caracterizada

pelo diagrama abaixo. Com relação à mudança de estado de uma substância, assinale o que for correto.

D B C 0 Q (cal) A temp (ºC)
D
B
C
0
Q (cal)
A
temp (ºC)

01) As leis que norteiam a construção do diagrama são válidas ape- nas para substâncias cristalinas. 02) A energia doada pela fonte de calor representada no espaço BC

é suficiente para desfazer a rede cristalina do sólido.

04) A fusão de uma substância amorfa ocorre na superfície. Pode- se dizer que, sob pressão constante, a fusão se processa a uma temperatura definida.

08) Chama-se de condensação o processo pelo qual o vapor de água libera energia equivalente à recebida na evaporação.

9

(UFJF-2012.1) - ALTERNATIVA: A Durante um experimento no laboratório de Física, o professor co- locou no fogo uma barra de ferro e mostrou aos alunos que o ferro se aqueceu, ou seja, sofreu uma elevação em sua temperatura. Em seguida, o professor fez o mesmo com um bloco de gelo a 0 ºC e mostrou que o gelo derrete, isto é, transforma-se em líquido, mas sua temperatura não se modifica. Com esse experimento, o profes- sor demonstrou que, quando um corpo recebe calor, este pode pro- duzir variação de temperatura ou mudança de estado. Sobre esses

efeitos, é CORRETO dizer que:

*a) o ferro recebeu calor sensível e o gelo recebeu calor latente.

b) o ferro recebeu calor específico e o gelo recebeu calor sensível.

c) o ferro recebeu calor latente e o gelo recebeu calor latente.

d) o ferro recebeu calor sensível e o gelo recebeu calor sensível.

e) o ferro recebeu calor latente e o gelo recebeu calor específico.

(MACKENZIE/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: B Um estudante, no laboratório de Física de sua escola, forneceu calor a um corpo de massa 50 g, utilizando uma fonte térmica de potência constante. Com as medidas obtidas, construiu o gráfico abaixo, que representa a quantidade de calor Q recebida pelo corpo em função de sua temperatura t.

∆Q 2 700 2 400 2 100 1 800 1 500 1 200 900 600
∆Q
2
700
2
400
2
100
1
800
1
500
1
200
900
600
300
0

50

Analisando o gráfico, pode-se afirmar que o calor específico, no es- tado sólido e o calor latente de vaporização da substância que cons- titui o corpo, valem, respectivamente,

a) 0,6 cal/(g.ºC) e 12 cal/g.

*b) 0,4 cal/(g.ºC) e 12 cal/g.

c) 0,4 cal/(g.ºC) e 6 cal/g.

d) 0,3 cal/(g.ºC) e 12 cal/g.

e) 0,3 cal/(g.ºC) e 6 cal/g.

10

20

30

40

60

70

80

t (ºC)

(ITA/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: E Conforme a figura, um circuito elétrico dispõe de uma fonte de ten- são de 100 V e de dois resistores, cada qual de 0,50 . Um resistor encontra-se imerso no recipiente contendo 2,0 kg de água com tem- peratura inicial de 20°C, calor específico 4,18 kJ/kg.°C e calor laten- te de vaporização 2 230 kJ/kg. Com a chave S fechada, a corrente elétrica do circuito faz com que o resistor imerso dissipe calor, que é integralmente absorvido pela água. Durante o processo, o sistema é isolado termicamente e a temperatura da água permanece sempre homogênea.

S 100 V 0,50 Ω 0,50 Ω
S
100 V
0,50 Ω
0,50 Ω

Mantido o resistor imerso durante todo o processo, o tempo neces- sário para vaporizar 1,0 kg de água é

a)

b)

c)

d)

*e) 580 s.

japizzirani@gmail.com

67,0 s.

223 s.

256 s.

446 s.

VESTIBULARES 2012.2

(UNEMAT/MT-2012.2) - ALTERNATIVA: B

O

Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), o qual se denomina gás

de

cozinha, encontra-se nos botijões de gás na forma liquefeito

a partir de uma compressão isotérmica. A pressão de vaporiza- ção de um gás é uma função exclusiva da temperatura. Assim,

o ponto de liquefação se dá numa pressão crítica, correspon- dente a uma temperatura crítica específica para o gás.

O GLP que se encontra liquefeito no interior dos botijões de gás

possui uma temperatura crítica que é:

a) igual à temperatura ambiente.

*b) maior que a temperatura ambiente.

c) menor que a temperatura ambiente.

d) dependente da temperatura ambiente.

e) extremamente alta; consequentemente, o engarrafamento do

GLP é executado em laboratórios de alta tecnologia.

(UNESP-2012.2) - ALTERNATIVA: C Na indústria farmacêutica, substâncias específicas são utilizadas

para revestir pílulas e comprimidos. Em um experimento, uma das substâncias sólidas foi retirada de uma formulação e purificada. Para verificar a eficiência da purificação, um termômetro foi colocado em um tubo de ensaio contendo uma amostra da substância derretida,

a 1 atm. Durante o resfriamento e até que a amostra tenha se soli-

dificado completamente, foram lidas as temperaturas em intervalos regulares. Com esses dados, foi traçada a curva de resfriamento, um gráfico que mostra a variação de temperatura em função do tem- po, a 1 atm.

O gráfico que corresponde à curva de resfriamento da substância

pura está representado por

a)

b)

da substância pura está representado por a) b) d) e) *c) (UNIMONTES/MG-2012.2) - ALTERNATIVA: A A
da substância pura está representado por a) b) d) e) *c) (UNIMONTES/MG-2012.2) - ALTERNATIVA: A A

d)

e)

da substância pura está representado por a) b) d) e) *c) (UNIMONTES/MG-2012.2) - ALTERNATIVA: A A
da substância pura está representado por a) b) d) e) *c) (UNIMONTES/MG-2012.2) - ALTERNATIVA: A A

*c)

da substância pura está representado por a) b) d) e) *c) (UNIMONTES/MG-2012.2) - ALTERNATIVA: A A

(UNIMONTES/MG-2012.2) - ALTERNATIVA: A

A seguir é mostrado um gráfico do aquecimento de uma massa m de

água. Inicialmente, a água encontrava-se no estado sólido. A massa

de

*a) 11.

b)

c)

d)

água, em gramas, é igual a

10.

9,0.

8,0.

5

T ºC)11. b) c) d) água, em gramas, é igual a 10. 9,0. 8,0. 5 962,5 −5

b) c) d) água, em gramas, é igual a 10. 9,0. 8,0. 5 T ºC) 962,5

962,5b) c) d) água, em gramas, é igual a 10. 9,0. 8,0. 5 T ºC) −5

−5

em gramas, é igual a 10. 9,0. 8,0. 5 T ºC) 962,5 −5 Q (cal) Dados:

Q (cal)

Dados:

calor específico do gelo = 0,5 cal/gºC calor latente do gelo = 80 cal/g calor específico da água = 1 cal/gºC

10

(PUC/RS-2012.2) - ALTERNATIVA: E Um recipiente contém inicialmente uma quantidade desconhecida

de água na fase sólida e 900 g de água na fase líquida em equilí- brio térmico a 0 ºC. A mistura é lentamente aquecida absorvendo

200 cal/min, e sua temperatura é medida em diversos instantes. Os

dados registrados são mostrados no gráfico a seguir. O calor de fu-

são da água é 80,0 cal/g e seu calor específico é 1,00 cal/g.ºC.

5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 temperatura (ºC)
5,00
4,00
3,00
2,00
1,00
0,00
temperatura (ºC)

0,0

20,0

40,0

60,0

80,0

 

tempo (min)

Com base nas informações do gráfico e do texto acima, afirma-se:

I. O calor recebido pela mistura nos 40 min iniciais do aquecimento

é 8,00 × 10 3 cal.

II. A massa de água congelada inicialmente presente na mistura é

100 g.

III. Nos 10 min finais do aquecimento, a temperatura da mistura au-

menta 2,00 ºC.

Está/Estão correta(s) a(s) afirmativa(s)

a) I, apenas.

b) II, apenas.

c) I e III, apenas.

d) II e III, apenas.

*e) I, II e III.

(UECE-2012.2) - ALTERNATIVA: D

O gráfico abaixo ilustra a temperatura de certa quantidade de água

em função da energia fornecida.

90 60 30 62,7 0 −30 396 815 T (ºC)
90
60
30
62,7
0
−30
396
815
T (ºC)

energia adicionada (J)

Considerando o calor específico do gelo 2090 J/(kg·ºC) e

3,33 × 10 5 J/kg seu calor latente de fusão, a massa de água gerada após fundir todo o gelo é, aproximadamente,

a) 159 kg.

b) 1 kg.

c) 159 g.

*d) 1 g.

(VUNESP/UNIVOVE-2012.2) - RESPOSTA NO FINAL DA QUESTÃO Em 1891, Herman Frasch criou o primeiro processo economicamen-

te viável para a extração de enxofre presente em jazidas subterrâne-

as. O processo consiste em injetar nos poços, sob forte pressão, va-

por de água a 160 ºC, que provoca a fusão do enxofre, inicialmente

a 40 ºC, até que este atinja temperatura de 115 ºC, desprendendo-se

da rocha onde se encontra afixado. Depois de liberado, o enxofre líquido é levado à superfície por meio de um bombeamento com ar comprimido. Considere o calor específico do enxofre (sólido) igual a 0,75 kJ/kg·ºC

e o calor latente de fusão do enxofre a 115 ºC igual a 41,8 kJ/kg. Determine, nessas condições,

a) a quantidade de calor que se deve fornecer a 1 tonelada de enxo-

fre no estado sólido, à temperatura de 40 ºC, para se obter enxofre no estado líquido, a 115 ºC.

b) o tempo de permanência individual, em horas, de 90 lâmpadas de

100 W acesas, admitindo-se que toda a energia térmica fornecida

a 1 tonelada de enxofre, nessa transformação, seja convertida em energia elétrica.

RESPOSTA VUNESP/UNINOVE-2012.2:

a) Q = 98050 kJ

japizzirani@gmail.com

b) t 3 horas

(VUNESP/FASM-2012.2) - ALTERNATIVA: A Em cozinhas industriais, os trabalhadores ficam submetidos a fontes

de calor intenso chegando a perder cerca de 2,0 litros de água du-

rante um dia de trabalho. Considerando o calor específico latente de vaporização da água

320 J/g e a densidade da água 1,0 g/cm 3 , se a energia utilizada na evaporação do suor de um cozinheiro fosse integralmente fornecida

a uma lâmpada de 100 W, ela ficaria acesa por *a) pouco menos de 2 horas.

b) cerca de 1 hora.

c) pouco mais de 100 horas.

d) cerca de 1 minuto.

e) quase 1 dia.

(IF/SC-2012.2) - ALTERNATIVA: D Uma das maneiras de se definir calor é “calor é uma forma de ener- gia em trânsito, motivada por uma diferença de temperatura”. Assim, um corpo pode receber ou ceder energia na forma de calor, mas nunca armazená-la.

O que pode acontecer quando fornecemos calor a um corpo?

Assinale a alternativa CORRETA.

a)

Ocorre necessariamente um aumento na temperatura, que pode

ou

não ser acompanhado de mudança no estado físico.

b)

A temperatura do corpo pode diminuir e ele pode mudar de estado

físico.

c) Só pode ocorrer uma diminuição na temperatura, uma vez que a

energia térmica flui em sentido contrário ao do calor.

*d) Pode ocorrer aumento da temperatura ou mudança de estado físico.

e) Ocorre sempre uma mudança no estado físico, porque a cada

temperatura corresponde um determinado estado físico.

(UEM/PR-2012.2) - RESPOSTA: SOMA = 13 (01+04+08) Uma preocupação com o aquecimento global é o processo de der- retimento dos glaciares, que tem como consequência o aumento gradual do nível do mar. Considere que a densidade do gelo é 920 kg/m 3 e que esse valor corresponde, aproximadamente, a 90% da densidade da água do mar; além disso, o calor latente de fusão do gelo é de aproximada- mente 334 kJ/kg. Levando em conta essas informações, assinale o que for correto.

01) 90% do volume de um iceberg (geleira flutuante) ficam imersos em águas marinhas.

02) O aumento do nível do mar com o derretimento das geleiras

ocorre porque a água ocupa um volume maior do que uma quantida-

de de gelo com a mesma massa.

04) A quantidade de calor que uma geleira de 5×107 m 3 precisa ab- sorver para derreter completamente é superior a 10 13 kJ.

08) Se um bloco de gelo é submetido a uma potência constante de aquecimento, em intervalos de tempo de mesma duração, massas iguais de gelo são derretidas.

16) A massa de gelo presente em uma camada cilíndrica de 2 m de raio com 2 cm de espessura é superior a 270 kg.

(UEM/PR-2012.2) - RESPOSTA: SOMA = 24 (08+16)

O calor latente de fusão da prata (Ag) é 21 cal/g e seu ponto de

fusão é 961 ºC, quando esse metal é submetido a uma pressão de uma atmosfera. Considerando essa informação e o dado abaixo, as- sinale o que for correto.

Dado: c Ag = 0,056 cal/g.ºC.

01) Para elevar a temperatura de 1g de prata, de 0 ºC até 961 ºC, necessitamos fornecer 21 cal.

02) Em 961ºC, a prata sempre estará totalmente em sua fase líqui- da.

04) Ao transferir 21 cal a 1 g de prata, em sua fase sólida, a 961 ºC, sua temperatura aumenta de 1 ºC.

08) 1 g de prata, em sua fase sólida, à temperatura de 961 ºC, ne- cessita de 21 cal para que se converta totalmente em prata na sua fase líquida.

16) Na escala Kelvin, o ponto de fusão da prata é aproximadamente 1 234 K.

11

(UEPG/PR-2012.2) - RESPOSTA: SOMA = 15 (01+02+04+08)

O gráfico abaixo mostra a evolução da temperatura de um corpo

de massa m, constituído por uma substância pura, em função da quantidade de calor que lhe é fornecida. Com base nas informações desse gráfico, assinale o que for correto.

T (ºC)

120 80 20 0 100 300 600 1 000
120
80
20
0
100
300
600
1 000

Q (cal)

01) Em T = 20 ºC e T = 80 ºC o corpo sofre mudanças de fases. 02) A quantidade de calor cedido ao corpo enquanto a sua tempera- tura variou entre 20 ºC e 80 ºC é denominado calor sensível. 04) Em T = 0 ºC o corpo se encontra na fase sólida. 08) O calor cedido ao corpo durante as mudanças de fase é deno- minado calor latente.

(UFU/MG-2012.2) - ALTERNATIVA: C

O gráfico abaixo representa a pressão em função da temperatura

para uma amostra de um determinado gás. Nas condições indica- das pelo ponto A, tal amostra coexiste em estado sólido, líquido e

gasoso.

p (cmHg) A 10 0 −209
p (cmHg)
A
10
0
−209

T (Celsius)

Considere que esta mesma amostra seja submetida a três situa-

ções:

Situação A: temperatura de −209 ºC e pressão de 12 cmHg. Situação B: temperatura de −100 ºC e pressão de 10 cmHg. Situação C: temperatura de −240 ºC e pressão de 5 cmHg.

Nas situações A, B e C, os estados físicos em que se encontra a amostra são, respectivamente,

a) líquido, gasoso e líquido.

b) sólido, líquido e sólido.

*c) sólido, gasoso e gasoso.

d) líquido, sólido e gasoso.

(UFU/MG-2012.2) - RESPOSTA: a) c = 0,12 cal/g.ºC b) aumentaria

Um corpo em estado sólido possui massa de 500 g e recebe ca- lor de um aquecedor, cuja potência é de 20 W. Nesse processo, a temperatura do corpo varia em função do tempo, conforme indica o gráfico a seguir.

θ (ºC)

75 α 25 0 10 40
75
α
25
0
10
40

t (min)

Considere 1 cal = 4 J.

a) Qual o calor específico do corpo sólido submetido a esse aque-

cimento?

b)

Caso a mesma situação se repetisse, porém o material sólido fos-

se

substituído por outro similar, com calor específico menor, o que

ocorreria com o valor do ângulo α indicado no gráfico?

japizzirani@gmail.com

12

TERMOFÍSICA

sistema termicamente isolado

VESTIBULARES 2012.1

(VUNESP/UFSCar-2012.1) - ALTERNATIVA: C Como sempre tomavam café com leite, os vigias decidiram manter apenas uma das garrafas térmicas cheia dessa mistura. Na garrafa que continha 360 mL de café a 70 ºC derramaram o con- teúdo da outra garrafa que continha 480 mL de leite a 80 ºC.

CAFÉ LEITE
CAFÉ
LEITE

Considerando que os calores específicos e as densidades do café e do leite são iguais, de valores respectivamente 1 cal/(g ·ºC) e 1 g/mL, e que as garrafas, por serem idênticas, tinham capacidades térmicas de 120 cal/ºC, desconsiderando-se perdas de calor, a temperatura do equilíbrio térmico do café com leite, em ºC, é,

a) 72.

b) 73.

*c) 75.

d) 76.

e) 78.

(PUC/RJ-2012.1) - ALTERNATIVA: E Uma barra metálica, que está sendo trabalhada por um ferreiro, tem uma massa M = 2,0 kg e está a uma temperatura T i . O calor especí- fico do metal é c M = 0,10 cal/g.°C . Suponha que o ferreiro mergulhe a barra em um balde contendo 10 litros de água a 20 °C. A temperatura da água do balde sobe 10 °C com relação à sua temperatura inicial ao chegar ao equilíbrio. Calcule a temperatura inicial T i da barra metálica.

Dado: c água = 1,0 cal/g.°C e d água = 1,0 g/cm 3

a) 500 °C

b) 220 °C

c) 200 °C

d) 730 °C

*e) 530 °C

(UNESP-2012.1) - ALTERNATIVA: C Clarice colocou em uma xícara 50 mL de café a 80 °C, 100 mL de leite a 50 °C e, para cuidar de sua forma física, adoçou com 2 mL de adoçante líquido a 20 °C. Sabe-se que o calor específico do café vale 1 cal/(g.°C), do leite vale 0,9 cal/(g.°C), do adoçante vale 2 cal/(g.°C) e que a capacidade térmica da xícara é desprezível.

e que a capacidade térmica da xícara é desprezível. Considerando que as densidades do leite, do

Considerando que as densidades do leite, do café e do adoçante sejam iguais e que a perda de calor para a atmosfera é desprezível, depois de atingido o equilíbrio térmico, a temperatura final da bebida de Clarice, em °C, estava entre

a) 75,0 e 85,0.

b) 65,0 e 74,9.

*c) 55,0 e 64,9.

d) 45,0 e 54,9.

e) 35,0 e 44,9.

japizzirani@gmail.com

(IF/CE-2012.1) - ALTERNATIVA: B Uma peça de ferro de 2,0 kg é retirada de um forno, onde sua tem-

peratura era de 650 ºC, e é colocada sobre um grande bloco de gelo

a 0 ºC. Supondo-se que todo calor cedido pelo ferro é usado, para

fundir o gelo, a quantidade de gelo fundido pelo calor fornecido pelo ferro é de

Dados:

c ferro = 0,1 cal/gºC L fusão = 80 cal/g

a) 1325 g.

*b) 1625 g.

c) 1300 g.

(UNIMONTES/MG-2012.1) - ALTERNATIVA: D Uma barra metálica de massa 300 gramas, cujo calor específico é igual 0,11 cal/g°C, inicialmente a 80 °C, é colocada em contato com gelo a 0 °C, dentro de um recipiente. Considere que só acontecerão trocas de calor entre o gelo e a barra metálica. Supondo-se que o equilíbrio térmico é alcançado à temperatura de 0 °C, a massa de gelo que irá liquefazer-se, em gramas, será

d) 2600 g. e) 2625 g.

a) Dados:

31,0.

em gramas, será d) 2600 g. e) 2625 g. a) Dados: 31,0. b) Calor latente de

b) Calor latente de fusão do gelo = 80 cal/g

32,5.

c) Calor específico do gelo = 0,5 cal/g°C Calor específico da água = 1 cal/g°C

32,8.

*d) 33,0.

(UTFPR-2012.1) - ALTERNATIVA: C

Um pouco de água à 20 ºC foi colocado em um copo contendo uma pedra de gelo. Pode-se afirmar que:

a) com o tempo o gelo resfria a água a 0 ºC, e ele não derrete no

processo.

b) a água aquece o gelo a 20 ºC derretendo-o no processo, sem que

a água se resfrie.

*c) enquanto a água e o gelo estão juntos no copo, o gelo derrete e

a

água se resfria em uma temperatura de 0 ºC.

d)

o contato da água com o gelo força a água a se congelar a

20

ºC.

e)

o contato da água com o gelo força o gelo a se congelar a 0 ºC.

(FUVEST/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: C Em uma sala fechada e isolada termicamente, uma geladeira, em funcionamento, tem, num dado instante, sua porta completamente aberta. Antes da abertura dessa porta, a temperatura da sala é maior que a do interior da geladeira. Após a abertura da porta, a tempera- tura da sala,

a) diminui até que o equilíbrio térmico seja estabelecido.

b) diminui continuamente enquanto a porta permanecer aberta.

*c) diminui inicialmente, mas, posteriormente, será maior do que

quando a porta foi aberta.

d) aumenta inicialmente, mas, posteriormente, será menor do que

quando a porta foi aberta.

e) não se altera, pois se trata de um sistema fechado e termicamente

isolado.

(SENAC/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: B Com o intuito de esfriar um ovo cozido bem quente (77 ºC) ele é introduzido em um copo contendo 120 g de água à temperatura de

21 ºC. Considerando a capacidade térmica do ovo igual a 40 cal/ºC,

pode-se estimar a temperatura de equilíbrio térmico entre o ovo e a

água, em ºC, (Dado: c água = 1,0 cal/gºC)

a)

26

d) 50

*b) 35

e) 58

c)

42

(FEI/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: C

Um sistema de resfriamento de água utilizado para pasteurização é composto de um reservatório onde são colocados 3 000 kg de gelo

a 0 °C. Neste reservatório são despejados 5 000 L de água a 80 °C

que foi utilizada no processo de pasteurização. Desprezando-se as perdas de calor para o reservatório e para o ambiente, qual é a tem-

peratura da água após atingido o equilíbrio térmico?

Dados:

calor latente de fusão do gelo L = 80 cal/g; calor específico da água c = 1,00 cal/g°C;

densidade da água ρ = 1kg/L.

a)

10 °C

d) 25 °C

b)

15 °C

e) 30 °C

*c) 20 °C

13

(PUC/RS-2012.1) - ALTERNATIVA: A Dois blocos A e B, constituídos de materiais diferentes, têm massas iguais. Esses blocos apresentam temperaturas de 0 ºC e 100 ºC, res- pectivamente, quando são colocados em contato térmico entre si. Mantendo-se os blocos perfeitamente isolados do meio externo, é correto afi rmar que a temperatura dos mesmos no equilíbrio térmico

é

*a) maior que 50 ºC se a capacidade térmica de B for maior que a de A.

b) maior que 50 ºC se a quantidade de calor absorvida por B for

maior que a absorvida por A.

c) igual a 50 ºC se a quantidade de calor absorvida por B for igual à

perdida por A.

d) menor que 50 ºC se a quantidade de calor absorvida por B for

maior que a absorvida por A.

e) menor que 50 ºC se a capacidade térmica de B for maior que a

de A.

(VUNESP/UEA-2012.1) - ALTERNATIVA: D

A energia solar é ecologicamente correta, limpa e gratuita. Em um

sistema de aquecimento de água para banho, por exemplo, a água aquecida nos coletores solares é armazenada em reservatórios tér-

micos, muitas vezes chamados de boilers. Quando utilizamos aque- cimento solar, a água aquecida pode atingir até 70 ºC, o que exige a mistura da água quente do sistema com a água fria da caixa de água da casa. Para tomar banho, um rapaz precisa misturar 70 litros de água fria (a 15 ºC) com certa quantidade de água quente (a 70 ºC). Admitindo que a densidade da água seja igual a 1,0 kg/L e despre- zando perdas de calor para o meio externo, a quantidade de água quente, em litros, necessária para o rapaz tomar seu banho a uma temperatura de 35 ºC é

a) 10.

b) 15.

c) 25.

*d) 40.

e) 55.

(VUNESP/FMJ-2012.1) - ALTERNATIVA: E Para que a prata pura possa ser vendida em quantidades diferentes, ela é derretida, é jogada em água. Como resultado, solidificam-se filetes e gotas de diversos tamanhos, facilitando a pesagem, que é feita tal qual se faz na venda de cereais a granel. Quando 100 g de prata passam por esse processo, a quantidade de água que a esfria atinge a temperatura de 62 ºC que, no caso, é a temperatura do

equilíbrio térmico. Se a prata que foi jogada na água encontrava-se completamente líquida e em seu ponto de fusão, admitindo que todo

o calor perdido pela prata é absorvido pela água, o valor absoluto da

quantidade de calor transferida pela prata para a água é, em joules,

aproximadamente,

Dados:

calor específico da prata no estado sólido = 230 J/(kg·ºC) calor latente de fusão da prata = 100 × 10 3 J/kg ponto de fusão da prata = 962 ºC

a) 18 000.

b) 21 000.

c) 26 000.

d) 29 000.

*e) 31 000.

(UFRGS/RS-2012.1) - ALTERNATIVA: E

Em um calorímetro são colocados 2,0 kg de água, no estado líquido,

a uma temperatura de 0 ºC. A seguir, são adiciondados 2,0 kg de

gelo, a uma temperatura não especificada. Após algum tempo, tendo sido atingido o equilíbrio térmico, verifica-se que a temperatura da mistura é 0 ºC e que a massa de gelo aumentou 100 g.

Considere que o calor específico do gelo (c = 2,1 kJ/kg.ºC) é a meta-

de do calor específico da água e que o calor latente de fusão do gelo

é

de 330 kJ/kg; e desconsidere a capacidade térmica do calorímetro

e

a troca de calor com o exterior.

Nessas condições, a temperatura do gelo que foi inicialmente adicio- nado à água era, aproximadamente,

a) 0 ºC.

b) −2,6 ºC.

c) −3,9 ºC.

d) −6,1 ºC.

*e) −7,9 ºC.

japizzirani@gmail.com

(UFPR-2012.1) - RESPOSTA: T 0 = −28,5 ºC Em um dia de muito calor, o freguês de um restaurante pediu uma garrafa de água mineral e um copo com gelo. No copo vieram três cubos de gelo, cada um com massa de 20 g. Nesse copo, o fre- guês colocou 300 ml de água mineral, cuja temperatura inicial era de 20 ºC. Após o gelo fundir-se completamente, verificou-se que a água estava a uma temperatura de 1 ºC. Desprezando a capacidade tér- mica do copo, calcule a temperatura inicial dos cubos de gelo.

Dados:

c água = 4 190 J/kg.K; c gelo = 2,1×10 3 J/kg.K; L = 3,34×10 5 J/kg

(UNIFESP-2012.1) - RESPOSTA NO FINAL DA QUESTÃO Um calorímetro de capacidade térmica 10 cal/ºC, contendo 500 g de água a 20 ºC, é utilizado para determinação do calor específico de uma barra de liga metálica de 200 g, a ser utilizada como fundo de

panelas para cozimento. A barra é inicialmente aquecida a 80 ºC e imediatamente colocada dentro do calorímetro, isolado termicamen- te. Considerando o calor específico da água 1,0 cal/(g·ºC) e que a temperatura de equilíbrio térmico atingida no calorímetro foi 30 ºC, determine:

a) a quantidade de calor absorvido pelo calorímetro e a quantidade

de calor absorvido pela água.

b) a temperatura final e o calor específico da barra.

RESPOSTA UNIFESP-2012.1:

a) Q Cal = 100 cal e Q ág = 5000 cal

b) θ = 30 ºC e c = 0,51 cal/(g . ºC)

14

VESTIBULARES 2012.2

(UFG/GO-2012.2) - RESPOSTA: a) m = 3 kg b) C= 56 kcal/ºC Em um dia de verão, o asfalto encontrava-se a uma temperatura de

60 ºC, e uma chuva de 3 mm foi suficiente para resfriá-lo até a tem- peratura de 30 ºC. A água da chuva estava inicialmente a 20 ºC. Considerando-se que a água é completamente evaporada a uma temperatura média de 40 ºC, calcule para cada metro quadrado de

asfalto:

Dados:

c água = 1,0 cal/gºC

L = 540 cal/g ρ água = 1,0 g/cm 3 = 10 3 kg/m 3

a) a massa de água da chuva que caiu no solo;

b) a capacidade térmica do asfalto.

(VUNESP/UFTM-2012.2) - ALTERNATIVA: B

Foram colocadas em uma caixa térmica, que contém gelo a 0 ºC, 180 latinhas de refrigerante, de 350 mL cada, que se encontravam inicialmente a 20 ºC.

de 350 mL cada, que se encontravam inicialmente a 20 ºC. Considere que 180 latinhas equivalem

Considere que 180 latinhas equivalem a 3 kg de alumínio, que a densidade do refrigerante é 1 g/mL, que o calor específico do alumí-

nio é 0,2 cal/(g·ºC), o calor específico do refrigerante é 1,0 cal/(g·ºC)

e que o calor latente de fusão do gelo vale 80 cal/g. Despreze ainda

a capacidade térmica da caixa e suponha que não haja troca de

calor com o meio ambiente. Para que o líquido no interior das latinhas de alumínio atinja a tem- peratura de 0 ºC ainda em estado líquido, a massa aproximada de gelo em fusão, em kg, que deverá ser convertida em água a 0 ºC

será

a)

18.

d) 10.

*b) 16.

e) 8.

c)

14.

(IF/CE-2012.2) - ALTERNATIVA: D Uma estudante de Física deseja medir a capacidade térmica de uma garrafa térmica (Vaso de Dewar), usada como calorímetro. Para isso, segue os seguintes passos:

1. Coloca na garrafa 100 mL de água à temperatura ambiente e

aguarda o equilíbrio térmico que ocorre em 20ºC.

2. Em seguida, coloca, na mesma garrafa, 200 mL de água em ebu-

lição à pressão normal de 1 atm. Aguarda o novo equilíbrio térmico

e encontra 60ºC.

Desprezando-se as perdas de energia térmica para o meio exterior,

é correto afirmar-se que a capacidade térmica da garrafa, em cal/ºC,

vale

Dado: calor específico da água c = 1 cal/gºC

a) 50.

*d) 100.

b) 60.

e) 160.

c) 80.

(UECE-2012.2) - ALTERNATIVA: C Considere um sistema constituído por dois corpos de temperaturas diferentes. Este sistema está isolado termicamente do ambiente. Ao longo de um intervalo de tempo, o corpo quente aquece o frio. Pode- mos afirmar corretamente que no final deste intervalo

a) suas respectivas variações de temperatura sempre são as mes-

mas.

b) o aumento de temperatura do corpo frio é sempre maior, em mó-

dulo, que a queda de temperatura do corpo quente.

*c) a quantidade de energia perdida pelo corpo quente é igual à quantidade de energia ganha pelo corpo frio.

d) a quantidade de energia ganha pelo corpo frio é maior que a

quantidade de energia perdida pelo corpo quente.

japizzirani@gmail.com

15

TERMOFÍSICA

transmissão de calor

VESTIBULARES 2012.1

(UFSC-2012.1) - RESPOSTA: SOMA = 40 (08+32)

A estação central de trens de Estocolmo, na Suécia, criou um siste-

ma para reduzir o consumo de energia elétrica em até 25 %, usando

o calor gerado pelo corpo das pessoas que lá passam todos os dias.

São 250 mil passageiros que passam por dia na estação, que possui temperatura média de 25,0 ºC na área de circulação. A companhia que administra a rede ferroviária da Suécia fez os cálculos e des- cobriu que esses passageiros produzem, juntos, 130 metros cúbi- cos de ar quente a cada respirada. O sistema funciona com tubos instalados no forro da estação que levam o ar aquecido pelos pul- mões dos passageiros até a central de calefação, na qual radiadores transferem o calor do ar captado para a água. Considere que a temperatura do corpo humano é 37,0 ºC e que o ser humano realiza 15 movimentos respiratórios por minuto. Densidade

do ar 1,3 kg/m 3 , e calor específico do ar 1000 J/kg°C.

Com base nestas informações, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).

01. A única forma de o corpo humano liberar calor é pela respira-

ção.

02. A maior parte da energia liberada pelo corpo humano na forma

de radiação está na faixa do ultravioleta.

04. A quantidade de calor liberada a cada respirada pelo número

médio de passageiros que circulam diariamente na estação central

de Estocolmo é de 2,0 × 10 7 J.

08. A potência gerada durante uma respirada pelo total de passagei-

ros que circulam diariamente pela estação é próxima a 0,5 MW.

16. O corpo humano é capaz de liberar mais energia do que con-

some ou possui armazenada, por isso é importante utilizar o calor humano como fonte de energia.

32. A maior parte da energia liberada pelo corpo humano na forma

de radiação está na faixa do infravermelho.

(UFRN-2012.1) - ALTERNATIVA: C Recentemente, tem-se falado muito sobre os possíveis danos que o uso contínuo de aparelhos celulares pode trazer ao ser humano. Por

sua vez, muitas pessoas que já utilizaram o celular encostado à ore- lha, por um tempo suficientemente longo, perceberam que a região em torno desta se aqueceu. Isso se explica pelo fato de que

a) o celular absorve ondas eletromagnéticas, que são transformadas

em radiação ultravioleta e aquecem os tecidos da região da orelha.

b) o celular emite ondas sonoras, as quais são absorvidas pelos

tecidos da região da orelha, aquecendo-a. *c) o celular emite ondas eletromagnéticas, as quais são absorvidas

pelos tecidos da região da orelha, aquecendo-a.

d) o celular absorve ondas sonoras, que são transformadas em ra-

diação infravermelha que aquecem os tecidos da região da orelha.

(VUNESP/UFTM-2012.1) - ALTERNATIVA: E Com o intuito de preservar o meio ambiente e, também, fazer econo- mia, em edificações de algumas regiões do país, têm sido utilizadas caixas de leite longa vida ou de sucos, que são aluminizadas em

seu interior, para fazer a forração de telhados e, com isso, conse- guir temperaturas mais agradáveis. Essa utilização se justifica por

causa

a) das correntes de convecção.

b) da refração dos raios solares.

c) da difusão do calor por toda a superfície.

d) da troca de calor do interior com o meio exterior.

*e) do fenômeno da reflexão da radiação solar.

(PUC/MG-2012.1) - ALTERNATIVA: C Num dia “frio”, em sua casa, uma pessoa desloca-se descalça da sala para a cozinha. Trata-se na verdade de um mesmo ambiente, com pisos diferentes. O piso da sala é de madeira, enquanto o da cozinha é de cerâmica lisa. Quando ela pisa no chão da cozinha,

sente um “frio” intenso em seus pés. Essa sensação ocorre porque:

a)

a temperatura da sala é maior do que a da cozinha, uma vez que

a

cerâmica é mais densa que a madeira.

b)

a cerâmica tem uma temperatura menor que a madeira, devido à

sua condutividade térmica ser menor. *c) a cerâmica tem maior condutividade térmica e, portanto, parece mais fria, embora os dois pisos estejam à mesma temperatura.

d) a madeira tem maior condutividade térmica e, portanto, parece

mais quente, embora os dois pisos estejam à mesma temperatura.

japizzirani@gmail.com

(UEG/GO-2012.1) - ALTERNATIVA: D Uma garrafa térmica tem suas partes apresentadas na figura abai- xo.

Vidro duplo Paredes espelhadas Ar rarefeito Na utilização do recipiente, o vidro
Vidro duplo
Paredes
espelhadas
Ar rarefeito
Na utilização do recipiente, o vidro

a) favorece a transmissão de calor sob a forma de radiação, por ter

paredes espelhadas.

b) evita a transmissão de calor, por dilatação e convecção, porque

ele é um isolante térmico.

c) favorece a transmissão de calor, por condução e convecção, por

ele ser um condutor térmico. *d) evita a propagação de calor, por convecção e condução, por ter ar rarefeito entre as paredes.

(UFU/MG-2012.1) - RESPOSTA: F; V; V; F São Paulo teve hoje piora na qualidade do ar devido à inversão tér- mica (fenômeno que dificulta a dispersão de poluentes) no nível da superfície. Segundo a Cetesb (Companhia de Tecnologia de Sane- amento Ambiental), quanto mais baixa a inversão, pior a qualidade do ar.

Fonte: Folha Online, de 21/08/2003.

Fenômenos que acarretam mudanças no clima local ou global são cada vez mais constantes, sendo um deles a “inversão térmica”. O esquema abaixo indica as condições térmicas de duas camadas da atmosfera em uma situação de dia normal (A), e em outro em que ocorre a “inversão térmica” (B).

A
A
B
B

Marque, para as afirmativas abaixo, (V) Verdadeira, (F) Falsa ou (SO) Sem Opção.

1 ( ) Na inversão térmica, os gases poluentes não se dispersam,

porque se tornam menos densos que os gases das mais altas cama- das da atmosfera, o que faz com que fiquem aprisionados próximos ao solo.

2 ( ) Em dias em que ocorre inversão térmica, o gases poluentes

que estão mais próximos ao solo se tornam frios, assim como os das camadas superiores, o que não favorece a formação das correntes de convecção.

3 ( ) Em dias sem inversão térmica, os gases poluentes se disper-

sam por meio de correntes de convecção no sentido do solo para as mais altas camadas da atmosfera.

4 ( ) Em dias em que ocorre inversão térmica, o regime de trocas

de calor entre as camadas da atmosfera funciona do mesmo modo que no interior de uma geladeira, que possui o congelador em sua

parte superior.

16

(UFRN-2012.1) - ALTERNATIVA: C

O uso de tecnologias associadas às energias renováveis tem feito

ressurgir, em Zonas Rurais, técnicas mais eficientes e adequadas

ao manejo de biomassa para produção de energia. Entre essas tec-

nologias, está o uso do fogão a lenha, de forma sustentável, para o aquecimento de água residencial. Tal processo é feito por meio de uma serpentina instalada no fogão e conectada, através de tubula- ção, à caixa d’água, conforme o esquema mostrado na Figura ao abaixo.

CAIXA D’ÁGUA ÁGUA FRIA
CAIXA D’ÁGUA
ÁGUA FRIA

SERPENTINA

ÁGUA QUENTE

FOGÃO A LENHA

Na serpentina, a água aquecida pelo fogão sobe para a caixa d’água

ao mesmo tempo em que a água fria desce através da tubulação em

direção à serpentina, onde novamente é realizada a troca de calor. Considerando o processo de aquecimento da água contida na caixa d’água, é correto afirmar que este se dá, principalmente, devido ao processo de

a) condução causada pela diminuição da densidade da água na ser-

pentina.

b) convecção causada pelo aumento da densidade da água na ser-

pentina.

*c) convecção causada pela diminuição da densidade da água na serpentina.

d) condução causada pelo aumento da densidade da água na ser-

pentina.

(UEPG/PR-2012.1) - RESPOSTA: SOMA = 22 (02+04+16) Em regiões litorâneas, as variações de temperatura (máxima e mí- nima) não são grandes quando comparadas com outras regiões. Observa-se, também, nessas regiões que, durante o dia, uma brisa sopra em um sentido e à noite sopra no sentido contrário. Esses fenômenos podem ser explicados pela presença de grandes massas

de água nessas regiões. Com relação a esses fenômenos, assinale

o que for correto.

01) Ao anoitecer, a água do mar resfria-se mais rapidamente do que

a terra, porque o calor específico da água é maior do que o da ter-

ra. 02) Ao anoitecer, a terra resfria-se mais rapidamente do que a água

do mar, porque o calor específico da água é maior do que o da ter- ra. 04) Durante o dia, observa-se uma brisa soprando do mar para a terra. Uma justificativa pode ser o fato de a massa de ar próxima à superfície da terra estar mais aquecida do que a massa de ar junto à superfície da água do mar. 08) Durante a noite, observa-se uma brisa soprando da terra para o mar. Uma justificativa pode ser o fato de a massa de ar próxima à superfície da terra estar mais aquecida do que a massa de ar junto à superfície da água do mar. 16) Durante o dia, a temperatura da água do mar é menor do que

a da terra, porque o calor específico da água é maior do que o da terra.

(UEPG/PR-2012.1) - RESPOSTA: SOMA = 05 (01+04)

O calor é uma forma de energia, portanto se propaga de uma região

para outra, de um corpo para outro, quando entre esses existe uma

diferença de temperatura. Com relação à propagação de calor, assi- nale o que for correto. 01) A transferência de calor por convecção se deve ao fato de a densidade de partículas, que constituem o meio onde ocorre o fenô- meno, ter valores diferentes. 02) Nos sólidos, os processos de condução e a convecção de calor podem ocorrer simultaneamente. 04) Uma garrafa térmica é construída com duplas paredes, sendo que uma delas é espelhada para evitar a transferência por irradia- ção. Entre elas existe vácuo, o que impede a transferência de calor por condução e por convecção para o meio ambiente. 08) A irradiação provoca alteração na temperatura do meio através

do qual se propaga.

japizzirani@gmail.com

(VUNESP/UNICID-2012.1) - ALTERNATIVA: C Algumas pessoas não gostam de tomar remédios para baixar uma

febre. Enrolam-se em um cobertor de lã e, após transpirarem, di- zem sentirem-se melhor. Sob o ponto de vista das leis da física, tal

sensação

a) é contraditória, pois a transpiração provocada pelo cobertor man-

tém constante a temperatura do corpo, um banho quente seria mais

eficiente.

b) é contraditória, pois a transpiração faz a temperatura do corpo

subir ainda mais e o cobertor facilita a troca de calor com o corpo. *c) é contraditória, pois o cobertor impede a troca de calor do corpo com o ambiente, um banho de água fria ou morna seria mais efi- ciente.

d) faz sentido, uma vez que a transpiração provocada pelo cobertor

faz com que o corpo interaja termicamente com o mesmo.

e) faz sentido, uma vez que a transpiração provocada pelo cober-

tor libera toxinas e com esse mecanismo a temperatura do corpo

diminui.

(UESPI-2012.1) - ALTERNATIVA: B

Uma pizza de calabresa e queijo mussarela encontra-se inicialmen-

te congelada, com todas as suas partes à mesma temperatura. A

pizza é levada ao forno, e a mesma quantidade de calor é absorvida

por massas iguais de calabresa e queijo. Ao ser retirada do forno, a parte de queijo encontra-se mais quente que a parte de calabresa. Isso ocorre porque:

a) a parte de queijo possui condutividade térmica menor que a de

calabresa.

*b) a parte de queijo possui calor específico menor que a de cala- bresa.

c) a parte de queijo possui calor de fusão menor que a de calabre-

sa.

d) a parte de queijo possui calor específico maior que a de calabre-

sa.

e)

a parte de queijo possui condutividade térmica maior que a de

calabresa.

(UEM/PR-2012.1) - RESPOSTA: SOMA = 15 (01+02+04+08) Sobre os conceitos de termodinâmica, assinale o que for correto. 01) Se dois corpos com diferentes temperaturas forem colocados

em contato, uma certa quantidade de energia térmica será transfe- rida de um corpo ao outro, devido, exclusivamente, à diferença de temperatura entre eles. 02) A quantidade de calor necessária para elevar em 1ºC a tempe- ratura de 1 g de uma substância é denominada de calor específico dessa substância. 04) Quando uma quantidade de calor se transfere de um corpo a outro pelo processo de condução, essa energia se propaga devido à agitação atômica no material. 08) Nos líquidos, a transferência de calor ocorre, sobretudo, por meio das correntes de convecção, as quais são formadas devido

à diferença entre as densidades das regiões mais quentes e mais

frias do líquido. 16) A transferência de calor por radiação é realizada por meio de

ondas eletromagnéticas, que se propagam somente na presença de um meio material.

(IF/SC-2012.1) - ALTERNATIVA: C

O frasco de Dewar é um recipiente construído com o propósito de

conservar a temperatura das substâncias que ali forem colocadas,

sejam elas quentes ou frias. O frasco consiste em um recipiente de paredes duplas espelhadas, com vácuo entre elas e de uma tampa feita de material isolan- te. A garrafa térmica que temos em casa é um frasco de Dewar.

O objetivo da garrafa térmica é

evitar ao máximo qualquer pro- cesso de transmissão de calor entre a substância e o meio ex- terno. É CORRETO afirmar que

os processos de transmissão de calor são:

a) indução, condução e emissão.

b) indução, convecção e irradiação.

*c) condução, convecção e irradiação.

d) condução, emissão e irradiação.

e) emissão, convecção e indução.

d) condução, emissão e irradiação. e) emissão, convecção e indução. Vácuo Paredes Tampa Espelhadas 1 7

Vácuo

Paredes

Tampa

Espelhadas

17

(UNICENTRO/PR-2012.1) - ALTERNATIVA: D Um copo plástico e um de alumínio estão dentro de uma geladei- ra. Eles possuem o mesmo volume e a mesma forma. Uma pessoa pega cada copo com uma das mãos e tem a sensação de que o copo de alumínio está mais frio que o de plástico. Isso acontece porque

a) o copo de alumínio está mais frio, pois a capacidade térmica do

plástico é maior que a do alumínio.

b) o copo de plástico está realmente mais quente, pois a capacidade

térmica do plástico é maior que a do alumínio.

c) os dois estão à mesma temperatura, possuem a mesma conduti-

vidade térmica e a sensação diferente deve-se aos calores especí-

ficos de ambos. *d) os dois estão à mesma temperatura, e a sensação diferente que ocorre é porque a condutividade térmica do alumínio ser maior que

a

do plástico.

e)

os dois estão à mesma temperatura, e a sensação diferente que

ocorre é devido ao fato de a condutividade térmica do alumínio ser menor que a do plástico.

(IME/RJ-2012.1) - ALTERNATIVA: B Em problemas relacionados ao aproveitamento de energia térmica,

é comum encontrar expressões com o seguinte formato: V = k.α.β,

onde:

• V : variável de interesse com dimensão de razão entre a potência e

o produto área × temperatura;

α: representa a taxa de variação de temperatura com relação a

uma posição;

β: é a viscosidade dinâmica de um fluido, cuja dimensão é a razão

(força × tempo) / área. Sabendo-se que as dimensões básicas para temperatura, compri- mento e tempo são designadas pelos símbolos θ , L, e T, a dimensão de k é dada por

a) L −2 θ −2 T −1

*b) L 2 θ 2 T 2

c) L 2 θ 2 T

d) L 2 θ 2 T 2

e) L 2 θ 2 T 1

japizzirani@gmail.com

VESTIBULARES 2012.2

(SENAI/SP-2012.2) - ALTERNATIVA: E

A foto a seguir mostra uma usina termonuclear situada no município

de Angra dos Reis, no Estado do Rio de Janeiro.

município de Angra dos Reis, no Estado do Rio de Janeiro. Fonte: Disponível em

Fonte: Disponível em <http://www.eletronuclear.gov.br/empresa/index.php>. Acesso em: 20/07/2011.

A instalação de usinas termonucleares próximas a rios, lagos ou mar

se justifica pelo fato de que é necessário utilizar água desses locais

para

a) girar as turbinas.

b) limpar as usinas.

c) aquecer a água das turbinas.

d) evitar que vaze radiação do reator.

*e) condensar o vapor de água das turbinas.

(UNIFOR/CE-2012.2) - ALTERNATIVA: B Em um projeto de engenharia, o técnico desenhou uma sala com um aparelho condicionador de ar próximo ao chão como se vê na figura. O condicionador de ar tinha como objetivo o resfriamento do ambiente. Um engenheiro, analisando o desenho, condenou a insta- lação do aparelho na forma projetada.

condenou a insta- lação do aparelho na forma projetada. Assinale a opção abaixo que melhor justifica

Assinale a opção abaixo que melhor justifica a atitude do engenhei- ro.

a) Neste caso, o ar é aquecido por radiação por isto o aparelho deve

ficar na parte mais alta da parede. *b) O aparelho deve ser colocado na parte superior por força do Princípio da Convecção, onde a energia térmica se transmite com o deslocamento para cima do ar aquecido.

c) O aparelho de ar condicionado irradia calor para dentro da sala

então deve ser instalado na parte alta da parede.

d) O ar, neste caso, é resfriado por condução então o aparelho deve

ficar mais alto para otimizar o conforto térmico.

e) O aparelho deve ficar mais alto porque o calor é energia térmica

em trânsito por causa de uma diferença de temperatura.

(UFU/MG-2012.2) - ALTERNATIVA: A

Ilhas e penínsulas não têm extremos de temperatura, quando as comparamos com os extremos registrados em localidades no inte- rior do continente. Isso ocorre porque, quando o ar está quente nos meses de verão, a água o esfria; quando ele está frio nos meses do inverno, ela o aquece.

A água possui o papel de moderar a temperatura, porque

*a) seu calor específico é maior que o do ar; logo, ela perde e ganha

calor mais lentamente.

b) seu calor latente é inferior ao do ar; logo, ela mantém a tempera-

tura do ambiente estável.

c)

sua energia interna varia mais rápido que a do ar, o que favorece

a

intensa troca de calor.

d)

sua dilatação térmica ocorre do mesmo modo que a do ar, equili-

brando a troca de calor. Obs.: Essa questão pertence a uma prova que foi anulada por que- bra de sigilo.

18

(FEI/SP-2012.2) - ALTERNATIVA: B

O sistema de aquecimento solar é composto de placas coletoras,

um reservatório de água quente e um reservatório de água fria. Para que o sistema funcione corretamente sem o auxílio de nenhuma válvula ou bomba, os equipamentos devem ser instalados de qual

maneira?

a) O reservatório de água fria deve ficar acima do reservatório de

água quente e abaixo das placas coletoras. *b) O reservatório de água quente deve ficar acima das placas cole- toras e abaixo do reservatório de água fria.

c) O reservatório de água quente deve ficar acima do reservatório de

água fria e acima das placas coletoras.

d) O reservatório de água fria deve ficar abaixo do reservatório de

água quente e acima das placas coletoras.

e) O reservatório de água quente deve ficar no mesmo nível das

placas coletoras e acima do reservatório de água fria.

(PUC/PR-2012.2) - ALTERNATIVA: B Durante uma longa noite de estudos, Pedro resolve aquecer uma empada de frango, que estava parcialmente congelada, no seu forno

de microondas. Após 1min30s de aquecimento, ele tira a empada do

forno, toca a parte de cima, que é composta por uma camada bem sequinha de massa, e percebe que está a uma boa temperatura, isto

é, que não irá queimar sua boca. Confiante, pega a empada em um

guardanapo de papel e lança-lhe uma mordida voraz, queimando

completamente a boca por dentro com o recheio quentíssimo.

A

partir do exposto acima, qual é a explicação mais provável para

o

ocorrido?

a)

O forno de micro-ondas opera basicamente com ondas de infra-

vermelho, que aquecem o alimento de dentro para fora, o que propi-

cia uma falsa sensação da temperatura interna.

*b) As ondas eletromagnéticas geradas pelo forno interagem com as

moléculas de água por ressonância. Dessa forma, partes com me-

nor concentração de água precisam de mais tempo para esquentar. c) As ondas produzidas pelo forno em questão são ondas mecânicas de ultrassom. Essas ondas são muito eficientes no aquecimento de alimentos.

d) Dentro do forno de micro-ondas, o dispositivo responsável por

aquecer os alimentos é a lâmpada, que sempre acende quando está em funcionamento.

e) As ondas que o forno de micro-ondas utiliza são os conhecidos

raios gama. Esse é o motivo de nunca aproximar-nos dele durante seu funcionamento.

(UFU/MG-2012.2) - ALTERNATIVA: A As placas tectônicas são movimentadas em função do grande calor

e do magma do interior da Terra. O transporte deste calor se dá das camadas mais profundas de nosso planeta até as fendas em sua superfície, como ilustra a figura abaixo.

Magma Fenda
Magma Fenda

COMINS, N.F.; KAUFMANN III, W.J. Descobrindo o universo. Porto Alegre: Bookman, 2010. p. 180.

Do ponto de vista físico, o transporte deste calor ocorre devido *a) às correntes de convecção que se formam porque o magma

aquecido por baixo se expande, tendo sua densidade diminuída. Isso cria correntes ascendentes, que liberam o calor para a super- fície.

b) ao fluxo de radiação de calor do interior do planeta para a super-

fície, decorrente da diferença entre a pressão interna e externa. Isso

cria correntes ascendentes, que liberam o calor para superfície.

c) às correntes de convecção, que se formam porque o magma

aquecido por baixo se comprime, fazendo variar a pressão no inte- rior do planeta. Isso cria correntes ascendentes cuja função é aliviar

a

pressão interna.

d)

ao campo magnético da Terra, que age sobre o magma aquecido

por baixo, fazendo com que a força magnética o carregue para as

fendas, liberando assim, o excesso de calor para a supefície.

japizzirani@gmail.com

(VUNESP/UNICID-2012.2) - ALTERNATIVA: C Nos hospitais, é comum médicos e enfermeiros fazerem a assepsia das mãos utilizando álcool em gel. Ao colocarmos um pouco desse álcool nas mãos temos uma sensação de frio porque o álcool,

a) em forma de gel, encontra-se a uma temperatura inferior à da

pele.

b) por ser volátil, encontra-se a uma temperatura superior à da

pele.

*c)

por meio do fenômeno da evaporação, absorve energia da pele.

d)

por ser desinfetante, fornece energia na forma de calor à pele.

e)

em forma de gel, fornece energia na forma de radiação à pele.

(UEPG/PR-2012.2) - RESPOSTA: SOMA = 27 (01+02+08+16) Calor é energia que pode ser transferida de um ponto para outro. Sobre a transferência de calor, assinale o que for correto. 01) É impossível ocorrer transferência de calor se não houver dife- renças de temperatura. 02) Temperatura elevada não indica existência de calor. 04) O sol transfere energia térmica para terra por irradiação. 08) O calor pode ser transferido sem o arraste de matéria. 16) Determinados tipos de aeronaves e mesmo alguns pássaros fa- zem uso da transferência de calor para se elevar na atmosfera.

19

TERMOFÍSICA

dilatação térmica

VESTIBULARES 2012.1

DILATAÇÃO DOS SÓLIDOS

(FGV/RJ-2012.1) - ALTERNATIVA: A Em uma aula de laboratório, para executar um projeto de construção de um termostato que controle a temperatura de um ferro elétrico de passar roupa, os estudantes dispunham de lâminas de cobre e de alumínio de dimensões idênticas. O termostato em questão é forma- do por duas lâminas metálicas soldadas e, quando a temperatura do ferro aumenta e atinge determinado valor, o par de lâminas se curva como ilustra a figura, abrindo o circuito e interrompendo a passagem da corrente elétrica.

Circuito fechado

a passagem da corrente elétrica. Circuito fechado Circuito aberto Dados Coeficiente de dilatação linear do
a passagem da corrente elétrica. Circuito fechado Circuito aberto Dados Coeficiente de dilatação linear do
a passagem da corrente elétrica. Circuito fechado Circuito aberto Dados Coeficiente de dilatação linear do
Circuito aberto
Circuito aberto

Dados Coeficiente de dilatação linear do cobre = 1,7 × 10 5 ºC 1 Coeficiente de dilatação linear do alumínio = 2,4 × 10 5 ºC 1

Para que o termostato possa funcionar adequadamente,

*a) a lâmina de cima deve ser de cobre e a de baixo de alumínio.

b) a lâmina de cima deve ser de alumínio e a de baixo de cobre.

c) ambas as lâminas devem ser de cobre.

d) ambas as lâminas devem ser de alumínio.

e) as lâminas não podem ser do mesmo material e é indiferente qual

delas está em cima.

(UFT/TO-2012.1) - ALTERNATIVA: C Uma chapa metálica quadrada possui um furo circular de raio r 0 em seu centro. Deseja-se encaixar uma chapa metálica circular de raio r = r 0 + x no orifício da chapa quadrada, que é do mesmo material metálico. Sabe-se que um cubo com volume inicial V 0 deste material

metálico sofreu uma variação volumétrica ∆V = V 0 / 10 após o aque- cimento
metálico sofreu uma variação volumétrica ∆V = V 0 / 10 após o aque-
cimento de um grau celsius (1°C). Qual a variação de temperatura
(∆θ) necessária para que a chapa circular caiba exatamente no ori-
fício da chapa quadrada?
r
0
r
0 + x

Considere o material

chapa circular sofre variação de temperatura.

puro, homogêneo, isótropo e que somente a

15r 0 a) ∆θ = ºC 2 (r + x) 0 10r 0 b) ∆θ
15r
0
a)
∆θ
= ºC
2
(r
+
x)
0
10r
0
b)
∆θ
ºC
= 10 −
2
(r
+ x)
0
2
15r
0
*c)
∆θ
ºC
= − 15
2
(r
+
x)
0
d)
∆θ
= −10 ºC
e)
∆θ
Obs.:
tação
= 10 ºC
Encontra-se
superficial
a alternativa C
como resposta
usando
dila-
[A
=
A (1
+
β∆θ)].
Se utilizar
dilatação linear
0
30r
0
ºC
[L = L
0 (1 +
α∆θ)]
a resposta será
∆θ
=
− 30
(r
0 + x)

japizzirani@gmail.com

(IME/RJ-2012.1) - RESPOSTA: V = 3,0 × 10 9 m 3 Um corpo com velocidade v parte do ponto A, sobe a rampa AB e atinge o repouso no ponto B.

→ g B corpo A 10 m 10 m
g
B
corpo
A
10 m
10 m

Sabe-se que existe atrito entre o corpo e a rampa e que a metade da energia dissipada pelo atrito é transferida ao corpo sob a forma de calor. Determine a variação volumétrica do corpo devido à sua dilatação.

Dados:

● aceleração da gravidade: g = 10 m.s 2 ;

● volume inicial do corpo: v i = 0,001 m 3 ;

● coeficiente de dilatação térmica linear do corpo: α = 0,00001 K 1 ;

● calor específico do corpo: c = 400 J.kg 1 .K 1 .

Observações:

● o coeficiente de atrito cinético é igual a 80% do coeficiente de atrito estático;

● o coeficiente de atrito estático é o menor valor para o qual o corpo permanece em repouso sobre a rampa no ponto B.

(IF/CE-2012.1) - ALTERNATIVA: E

Um bloco em forma

400,6 cm

constitui o bloco, em unidades ºC

a)

b)

c)

d)

*e) 5 × 10

de cubo

possui

volume

de 400 cm

3

a

0 ºC e

3 a 100 ºC. O coeficiente de dilatação linear do material que

−5

−6

−6

.

.

.

−5

−6

.

.

−1

, vale

4 × 10 3 × 10

2 × 10 1,5 × 10

(UFPB-2012.1) - ALTERNATIVA: B Ultimamente, o gás natural tem se tornado uma importante e estra-

dos modos mais eco-

tégica fonte

nômicos de se fazer o transporte do gás natural de sua origem até

um

dos metaneiros. Nestes, o gás é liquefeito a uma temperatura muito

liquefeito é

baixa,

transportado são revestidas por um material de baixo coeficiente de

dilatação térmica, denominado invar, para evitar tensões devido às variações de temperatura.

Em

as propriedades térmicas do invar foram testa-

uma barra de

invar para diferentes temperaturas (T). O resultado da experiência é

das, verificando

de energia

para

indústrias. Um

mercado

consumidor distante

é através de

navios, denomina-

para facilitar o transporte. As cubas onde o gás

um laboratório,

a

variação

do

comprimento (L)

de

mostrado, a seguir, na forma de um gráfico: L (m) 1,0001 1 T (ºC) 0
mostrado, a seguir, na forma de um gráfico:
L (m)
1,0001
1
T (ºC)
0
50 100
Com
base nesse gráfico, conclui-se que o coeficiente de dilatação

térmica linear da barra de invar é:

a)

*b) 2 × 10

c) 5 × 10

1

× 10

−6

−6

/

−6

/

°C

/ °C

°C

d) 10 × 10

e) 20 × 10

−6

−6

/

/

°C

°C

20

(UNITAU-TAUBATÉ-2012.1) - ALTERNATIVA: A Uma chapa metálica de formato retangular está a uma temperatura θ 0 , e seus lados têm comprimentos a 0 e b 0 , sendo a área inicial

da chapa igual a S 0 = a 0 .b 0 . A chapa metálica é aquecida até uma temperatura θ 0 + ∆θ e, como consequência, seus lados se dilatam. Os lados da chapa passam a ter comprimentos a = a 0 (1 + α.∆θ) e

b = b 0 (1 + α.∆θ), onde α é o coeficiente de dilatação linear e ∆θ é

a diferença de temperatura que causou a dilatação. É CORRETO afirmar que a área dilatada S, sem qualquer tipo de aproximação,

será:

*a) S = S 0 (1 + 2α.∆θ + α 2 .∆θ 2 ).

b) S = S 0 (1 + 2α.∆θ).

c) S = S 0 (1 + α 2 .∆θ 2 ).

d) S = S 0 (2α.θ + α 2 .∆θ 2 ).

e) S = S 0 (1 + 2α + α 2 .∆θ 2 ).

(UECE-2012.1) - ALTERNATIVA: A Uma haste metálica é composta de dois segmentos de mesmo ta- manho e materiais diferentes, com coeficientes de dilatação lineares α 1 e α 2 . Uma segunda haste, feita de um único material, tem o mes- mo comprimento da primeira e coeficiente de dilatação α . Considere que ambas sofram o mesmo aumento de temperatura e tenham a mesma dilatação. Assim, é correto afirmar-se que

*a) α = (α 1 + α 2 ) / 2.

b) α = (α 1 ּα 2 ) / (α 1 + α 2 ).

c) α = (α 1 + α 2 ) / (α 1 ּα 2 ).

d) α = α 1 + α 1 .

(UNIMONTES/MG-2012.1) - ALTERNATIVA: B Duas barras metálicas possuem comprimentos 1 e 2 e coeficientes de dilatação linear α 1 e α 2 , respectivamente. Partindo da mesma temperatura e sofrendo a mesma variação de temperatura, os tama- nhos finais das barras serão L 1 e L 2 , respectivamente. Sabendo-se que 1 = 22 e α 2 = 2α 1 , afirma-se corretamente que

a)

*b)

c)

L 1 = L 2 + 2 2

.

L 1 = L 2 + 2 1

L 2 = L 1 + 2 1

.

.

d) L 1 = L 2 .

(FUVEST/SP-2012.1) - ALTERNATIVA: C Para ilustrar a dilatação dos corpos, um grupo de estudantes apre- senta, em uma feira de ciências, o instrumento esquematizado na figura abaixo.

de ciências, o instrumento esquematizado na figura abaixo. Nessa montagem, uma barra de alumínio com 30

Nessa montagem, uma barra de alumínio com 30 cm de comprimen- to está apoiada sobre dois suportes, tendo uma extremidade presa ao ponto inferior do ponteiro indicador e a outra encostada num an- teparo fixo. O ponteiro pode girar livremente em torno do ponto O, sendo que o comprimento de sua parte superior é 10 cm e, o da inferior, 2 cm. Se a barra de alumínio, inicialmente à temperatura de 25 ºC, for aquecida a 225 ºC, o deslocamento da extremidade supe- rior do ponteiro será, aproximadamente, de

a)

b)

*c) 6 mm.

d)

e) 30 mm.

japizzirani@gmail.com

1 mm.

3 mm.

12 mm.

NOTE E ADOTE

Coeficiente de dilatação linear do alumínio: 2×10 5 ºC 1 .

(UDESC-2012.1) - ALTERNATIVA: A Em um dia típico de verão utiliza-se uma régua metálica para medir

o comprimento de um lápis. Após medir esse comprimento, coloca-

se a régua metálica no congelador a uma temperatura de −10 ºC e

esperam-se cerca de 15 min para, novamente, medir o comprimento do mesmo lápis. O comprimento medido nesta situação, com rela- ção ao medido anteriormente, será:

*a) maior, porque a régua sofreu uma contração.

b) menor, porque a régua sofreu uma dilatação.

c) maior, porque a régua se expandiu.

d) menor, porque a régua se contraiu.

e) o mesmo, porque o comprimento do lápis não se alterou.

(UEG/GO-2012.1) - RESOLUÇÃO OFIC. NO FINAL DA QUESTÃO Uma esfera maciça, feita de alumínio, possui um raio R 0 e está den- tro de uma caixa na forma de um paralelepípedo de ferro, com pa-

redes de espessura fina e arestas internas dadas por a 0 > c 0 > b 0 .

O coeficiente de dilatação do alumínio é maior que o do ferro. Por

meio de um fio condutor, pode-se fornecer calor à esfera e à caixa,

simultaneamente. Cosiderando a situação apresentada, deduza uma equação para a

variação de temperatura que se pode fornecer ao sistema para que

a esfera não afete a integridade da caixa.

RESOLUÇÃO OFICIAL UEG/GO-2012.1:

A

esfera tem diâmetro D 0 = 2R 0 .

 

O

cubo tem arestas a 0 > c 0 > b 0 .

O

encontro ocorrerá com o lado menor do paralelepído. Neste caso,

tem-se:

 

D

nal = b nal

D + D 0 = b + b 0

D 0 α Al T + D 0 = b 0 α Fe T + b