Você está na página 1de 44

física

termofísica

QUESTÕES DE VESTIBULARES

2013.1 (1 o semestre)

2013.2 (2 o semestre)

sumário

termômetros e escalas termométricas

VESTIBULARES

2013.1

2

VESTIBULARES

2013.2

3

calor sensível

VESTIBULARES

2013.1

4

VESTIBULARES 2013.2

7

calor latente

VESTIBULARES 2013.1

 

8

VESTIBULARES 2013.2

12

sistema termicamente isolado

VESTIBULARES 2013.1

14

VESTIBULARES

2013.2

15

transmissão de calor

VESTIBULARES 2013.1

 

17

VESTIBULARES 2013.2

20

dilatação térmica

VESTIBULARES

2013.1

24

VESTIBULARES 2013.2

26

transformações gasosas

VESTIBULARES 2013.1

28

VESTIBULARES

2013.2

32

trabalho da força de pressão

VESTIBULARES

2013.1

34

VESTIBULARES 2013.2

35

primeira lei da termodinâmica

VESTIBULARES 2013.1

36

VESTIBULARES

2013.2

40

segunda lei da termodinâmica

VESTIBULARES 2013.1

41

VESTIBULARES

2013.2

43

japizzirani@gmail.com

TERMOFÍSICA

termômetros e escalas termométricas

VESTIBULARES 2013.1

(UEG/GO-2013.1) - ALTERNATIVA: B Dois estudantes de física, em uma aula de termologia, resolvem

construir duas escalas para medidas de temperatura. Na escala A,

o primeiro estudante escolhe os valores 20º e 180º para os pontos

de fusão e ebulição da água, respectivamente. Na escala B, o outro estudante escolhe os valores 15º e 95º para estes mesmos pontos. Os alunos comparam as suas escalas e percebem que a equação que converte as temperaturas da escala A nas temperaturas da es- cala B é:

a)

*b)

c)

d)

T B = 2T A + 10.

T B = T A

2

T B = T A

+

+

5.

10.

2

T B = 2T A + 5.

(CEFET/MG-2013.1) - ALTERNATIVA: D

O gráfico seguinte estabelece a relação entre uma escala de tempe-

ratura X e a escala de temperatura Celsius.

T (ºX) 40 −50 0 T (ºC)
T (ºX)
40
−50
0
T (ºC)

Nessa nova escala, a temperatura de 30 ºC corresponde, em °X, a

a) −50

b) −30

c) +24

*d) +64

e) +80

(FEI/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: B Um engenheiro construiu um termômetro de mercúrio. Para a tem-

peratura de 0 ºC a altura da coluna de mercúrio é de 10 cm e para

a temperatura de 100 ºC a altura da coluna de mercúrio é de 15

cm. Qual é a temperatura quando a altura da coluna de mercúrio é

13 cm ?

a) 50 ºC

*b) 60 ºC

c) 70 ºC

d) 80 ºC

e) 90 ºC

(UNITAU/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: C Os termômetros são aparelhos usados para medir a temperatura. Há grande variedade de tipos de termômetros, devido ao uso e tam- bém ao mecanismo do instrumento. Um dos tipos mais comuns é o termômetro digital, vendido em farmácias, para medir a temperatura do corpo das pessoas. Sobre o processo de medir a temperatura de uma pessoa, é COR- RETO afirmar que:

a) é necessário apenas colocar o termômetro em contato com o cor-

po por alguns segundos para medir a temperatura.

b) o termômetro não necessita ser colocado em contato com o cor-

po, mas apenas ficar a alguns milímetros dele.

*c) o termômetro deve ser colocado em contato com o corpo até que

seja estabelecido o equilíbrio térmico entre o corpo e o termômetro.

Somente assim será possível medir a temperatura do corpo.

d) os termômetros digitais não são adequados para medir a tempe-

ratura corporal das pessoas.

e) o termômetro não precisa ser colocado diretamente em contato

com o corpo, para se estabelecer o equilíbrio térmico entre o corpo

e o termômetro.

japizzirani@gmail.com

(UNICISAL-2013.1) - ALTERNATIVA: C

O Brasil possui tecnologia pioneira na produção de vacinas que abas-

tecem o sistema público de saúde e são exportadas para mais de 70 países. Segundo o Manual de Normas de Vacinação da FUNASA

– Ministério da Saúde, a vacina contra tuberculose (BCG) deve ser

conservada entre 2 °C e 8 °C. No caso de exportação dessa vacina

para países de origem inglesa, como os Estados Unidos ou Belize, que adotam a escala Fahrenheit, as temperaturas de acondiciona- mento são, respectivamente, iguais a

a) 275 °F e 281 °F.

b) 33,1 °F e 36,4 °F.

*c) 35,6 °F e 46,4 °F.

d) 32 ºF e 212 ºF.

e) 3,6 °F e 14,4 °F.

(IF/CE-2013.1) - ALTERNATIVA: E Três termômetros, A, B e C, calibrados nas escalas Celsius, Fahre- nheit e Kelvin, respectivamente, funcionam corretamente e são usa- dos para medir a temperatura de um sistema termodinâmico. Se a leitura do termômetro B é 77, é correto afirmar-se que os termôme- tros A e C assinalam, respectivamente,

a) 248 e 28.

b) 298 e 25.

c) 27 e 298.

d) 27 e 300.

*e) 25 e 298.

(IF/CE-2013.1) - ALTERNATIVA: C Numa região bastante fria, o termômetro indica −67 ºF. O valor des- sa temperatura na escala Celsius é de

a) −206 ºC.

b) −67 ºC.

*c) −55 ºC.

d) −60 ºC.

e) 0 ºC.

(UFPB-2013.1) - ALTERNATIVA: C Ao visitar uma feira de tecnologia, um homem adquiriu um termô- metro digital bastante moderno. Ao chegar em casa, guardou o ter- mômetro na caixa de primeiro socorros e jogou fora a embalagem aonde estava o manual de uso do termômetro. Um certo dia, o seu filho apresentou um quadro febril. Ele, então, usou o termômetro para aferir a temperatura da criança. Para sua surpresa, o visor di- gital do termômetro indicou que a criança estava com a temperatura de 312. Nesse contexto, a explicação mais provável para essa medida de temperatura é que o termômetro esteja graduado na

a) escala Celsius e, quando convertido para a escala Fahrenheit, a

temperatura da criança corresponderá a 79 ºF.

b) escala Fahrenheit e, quando convertido para a escala Celsius, a

temperatura da criança corresponderá a 39 ºC.

*c) escala Kelvin e, quando convertido para a escala Celsius, a tem- peratura da criança corresponderá a 39 ºC.

d) escala Celsius e, quando convertido para escala Kelvin, a tempe-

ratura da criança corresponderá a 273 K.

e) escala Fahrenheit e, quando convertido para a escala Kelvin, a

temperatura da criança corresponderá a 0 K.

(VUNESP/FACISB-2013.1) - ALTERNATIVA: B

A temperatura de 40 ºC no ser humano é considerada como aquela

que anuncia o início da hipertermia ou excesso de calor. Conside- rando uma escala termométrica arbitrária E, cujos pontos fixos são −10 ºE para o ponto do gelo e 80 ºE para o ponto de vapor, sua indicação numérica para o estado inicial de hipertermia é

a) 62.

*b) 26.

c) −13.

d) 32.

e) 40.

(UEPB-2013.1) - ALTERNATIVA: E

A previsão do tempo indicou que, em Campina Grande, no dia 12

de julho do corrente ano, as temperaturas variaram de 18,0 ºC para 31,0 ºC. Na escala Fahrenheit, essa variação corresponde a:

a) 55,4 ºF

b) 13,0 ºF

c) 117,0 ºF

d) 33,4 ºF

*e) 23,4 ºF

2

(VUNESP/UEA-2013.1) - ALTERNATIVA: D Para saber se a temperatura do leite estava entre 40 ºC e 45 ºC, um fabricante de queijo utilizou um termômetro velho, cujos números de escala estavam apagados. Com o auxílio de um termômetro em boas condições fez duas marcas indicativas dessa região de tempe- ratura no termômetro velho e, mantendo os dois termômetros sob mesma condição térmica, fez as seguintes medições:

Termômetro sem escala

Termômetro em boas condições

0 mm

0 ºC

80 mm

40 ºC

200 mm

100 ºC

De acordo com essas medições, a região de temperatura que o queijeiro desejava tinha uma extensão, em mm, de

a) 20.

b) 16.

c) 12.

*d) 10.

e) 8.

(UEM/PR-2013.1) - RESPOSTA: SOMA = 14 (02+04+08) Sabe-se que entre as escalas termométricas Celsius (ºC), Fahre- nheit (ºF) e Kelvin (K) há as seguintes igualdades:

0 ºC = 32 ºF = 273 K; 100 ºC = 212 ºF = 373 K.

Com relação ao exposto acima e seus conhecimentos sobre o as- sunto, assinale o que for correto. 01) O valor numérico da temperatura na escala Fahrenheit é sempre maior do que o valor numérico da temperatura na escala Celsius. 02) Uma temperatura de 27 ºC corresponde a 300 K. 04) O gráfico da função que relaciona a temperatura na escala Cel- sius (abscissa) e a temperatura na escala Kelvin (ordenada) é uma reta com coeficiente angular igual a 1. 08) Existe um único valor numérico para o qual a temperatura na escala Celsius é a mesma na escala Fahrenheit. 16) Uma variação de x graus na escala Celsius corresponde a uma variação de x + 273 na escala Kelvin.

japizzirani@gmail.com

VESTIBULARES 2013.2

(UFPR-2013.2) - ALTERNATIVA: C Luís construiu um termômetro rudimentar para uso em uma zona ru- ral no litoral do Paraná. A escala construída apresenta valores para o ponto do gelo PG = 0 ºL e para o ponto do vapor PV = 200 ºL. Durante um dia comum de uso, em que a temperatura ambiente medida com um termômetro Celsius seja de 20 ºC, a marcação no termômetro de Luís será de:

a) 50 ºL.

b) 46 ºL.

*c) 40 ºL.

d) 39 ºL.

e) 20 ºL.

(IF/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: A Um aluno desenvolvendo um projeto de pesquisa construiu uma es- cala de temperatura (X) cuja relação com a escala Celsius é expres- sa no gráfico representado abaixo.

ºX 100 0 30 50
ºX
100
0 30
50

ºC

Uma temperatura foi marcada como 40 °X. Na escala Celsius quanto corresponde este valor? *a) 38 °C.

b) 28 °C.

c) 18 °C.

d) 8 °C.

(UCS/RS-2013.2) - ALTERNATIVA: B O livro Fahrenheit 451, do escritor Ray Bradbury, é considerado uma obra clássica da literatura de ficção científica. Fala sobre um regime de governo autoritário que não permite o acesso da população aos livros, que costumam ser queimados quando encontrados pela po- lícia. O título refere-se exatamente à temperatura em que o papel entra em combustão. A relação entre a escala em Fahrenheit e a

escala Celsius é dada pela fórmula T F = 9 T C + 32ºF. Logo, essa temperatura em graus Kelvin deve ser, aproximadamente,

a) 273 K

*b) 506 K

c) 601 K

d) 724 K

e) 971 K

5

(UFSJ/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: A

Quando Fahrenheit criou a escala termométrica que depois veio a ter o seu nome, o primeiro ponto fixo definido por ele, o 0 ºF, corres- pondia à temperatura obtida ao se misturar uma porção de cloreto de amônia com três porções de neve, à pressão de 1 atm. Essa temperatura, na escala Celsius, é de *a) −17,7 ºC.

b) 32 ºC.

c) 212 ºC.

d) 273 ºC.

(UNIFENAS/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: A Uma parede, de 10 m de comprimento, 3 m de altura e espessu- ra 20 cm, separa duas regiões de temperaturas que variam de 180º Fahrenheits. Obtenha as variações de temperatura em Kelvin, Reamur e Celsius, respectivamente, que correspondam à variação dada no texto. *a) 100, 80 e 100;

b) 180, 100 e 100;

c) 80, 100 e100;

d) 100, 90 e 100;

e) 80, 80 e 100.

3

TERMOFÍSICA

calor sensível

VESTIBULARES 2013.1

(UNIOESTE/PR-2013.1) - ALTERNATIVA: D Os fornos de micro-ondas caseiros fornecem, em geral, uma po- tência de 420 W aos alimentos. Considerando 1 cal = 4,2 J, a massa específica da água 1 g.cm 3 , o calor específico da água

1 cal.g 1 .K 1 e supondo que todo o calor fornecido seja absorvido pela água, o tempo necessário e suficiente para aquecer um copo com 200 mL de água, inicialmente a 25ºC, até a ebulição (100ºC) é:

a) 50 s.

b) 1 min e 50 s.

c) 2 min.

*d) 2 min e 30 s.

e) 2 min e 50 s.

(UERJ-2013.1) - ALTERNATIVA: B Considere duas amostras, X e Y, de materiais distintos, sendo a massa de X igual a quatro vezes a massa de Y. As amostras foram colocadas em um calorímetro e, após o sistema atingir o equilíbrio térmico, determinou-se que a capacidade térmica de X corresponde ao dobro da capacidade térmica de Y. Admita que c X e c Y sejam os calores específicos, respectivamente, de X e Y.

A razão é c X / c Y dada por:

a)

*b) 1/2

c)

d) 2

(PUC/RJ-2013.1) - ALTERNATIVA: B Um líquido é aquecido através de uma fonte térmica que provê 50,0 cal por minuto. Observa-se que 200 g deste líquido se aquecem de 20,0 oC em 20,0 min. Qual é o calor específico do líquido, medido em cal/(gºC)?

a) 0,0125

*b) 0,25

c) 5,0

d) 2,5

e) 4,0

(VUNESP/UFSCar-2013.1) - ALTERNATIVA: A Em um segundo, uma pessoa em repouso é capaz de transferir ao ambiente energia térmica de, aproximadamente, 200 J. Suponha que cinco pessoas em repouso permaneçam presas den- tro de um elevador durante 5 minutos.

1/4

1

presas den- tro de um elevador durante 5 minutos. 1/4 1 (http://bem-interessante.blogspot.com.br) Sabendo que o

(http://bem-interessante.blogspot.com.br)

Sabendo que o calor específico do ar é igual a 1 × 10 3 J/kg·°C e a densidade do ar igual a 1,2 g/dm 3 , pode-se afirmar que, se toda a

energia transferida por essas pessoas for absorvida pelos 5,0 m 3 de

ar

ar

*a) 50.

b) 40.

c) 30.

d) 20.

e) 10.

japizzirani@gmail.com

contidos no interior do elevador, o aumento da temperatura desse

será, em °C, próximo de

(FGV/RJ-2013.1) - ALTERNATIVA: B Um grupo de estudantes, em aula de laboratório de Física, mergu-

lhou o resistor de um aquecedor elétrico, ligado a uma fonte de ten- são de 120 V, em um recipiente, termicamente isolado, contendo água. Mediram a temperatura da água em função do tempo e ve- rificaram que, em 2 minutos, a temperatura variou de 20°C a 80°C.

A partir dos resultados obtidos, construíram o gráfico apresentado

na figura abaixo, da quantidade de calor Q, em calorias, fornecida

à água em função do instante t, a partir do mergulho do resistor na água, em minutos.

24 20 16 12 8 4 0 Q (10 3 cal)
24
20
16
12
8
4
0
Q (10 3 cal)

0,0

0,5

1,0

1,5

2,0

t (minutos)

Os valores da resistência elétrica do aquecedor e da massa de água aquecida são, respectivamente, iguais a:

a)

*b)

c)

d)

e)

72 e 400 g 18 e 400 g 72 e 200 g 18 e 200 g 750 me 16,7 g

Dados

• 1 cal = 4 J

• calor específico da água = 1 cal/g °C

(UFJF/MG-2013.1) - ALTERNATIVA: C Desde a descoberta do laser em 1953, esse dispositivo tem se tor- nado cada vez mais comum no nosso dia a dia. Um estudante de ensino médio, que possui um laser verde com potência 200 mW, escuta de um amigo que, se um laser for focalizado na retina do olho humano, a pessoa atingida pode ficar cega. Estudos recentes mostram que a retina do olho humano apresenta um calor específico

c = 3590 J/kg·K e uma densidade ρ = 1 000 kg/m 3 .

Considerando que o laser tenha um comprimento de penetração no tecido do olho humano d =1,0 mm e que a área efetiva atingida no

fundo do olho seja A = 25,0 mm 2 , qual será a variação de temperatu-

ra

ra

tempo de t = 5 s ? Despreze qualquer tipo de perda de energia.

abaixo, caso alguém focalize esse laser durante um intervalo de

local aproximada T ocorrida no fundo do olho, mostrado na figu-

a)

b)

*c)

d)

e)

Córnea Cristalino Área A Retina
Córnea
Cristalino
Área A
Retina

Nervo Óptico

23,89 K

15,32 K

11,14 K

9,14 K

7,91 K

(VUNESP/UEA-2013.1) - ALTERNATIVA: C

O aquecimento solar de água para banho é uma solução energéti-

ca ecológica e econômica. Sistemas como esses, em dias de baixa insolação, devem compensar a falta de irradiação solar com o acio- namento de resistores elétricos dentro dos boilers, recipientes nos quais a água é mantida aquecida. Um desses boilers, de capacidade 100 L, reteve a água a 24 ºC e,

por isso, um termostato teve que acionar o resistor elétrico para que

a temperatura fosse elevada para 32 ºC. Sendo o calor específico

da água 1 cal/(g·ºC), 1 cal igual 4,2 J e a densidade da água igual

a 10 3 g/L, a energia elétrica, em J, que teve de ser empregada para promover esse aquecimento foi, aproximadamente,

a)

b)

*c)

d)

e)

420 000.

860 000.

3 400 000.

3 800 000.

5 300 000.

4

(UEM/PR-2013.1) - RESPOSTA: SOMA = 03 (01+02)

Considerando dois blocos de massas m 1 e m 2 e capacidades térmi- cas C 1 e C 2 , assinale o que for correto. 01) Se os dois blocos são feitos do mesmo material, então C 1 e

C 2 são diretamente proporcionais aos números m 1 e m 2 , nessa or-

dem. 02) O calor específico do ferro é 0,11 cal/gºC. Portanto são necessá- rios 55 cal de calor para elevar em 1 ºC a temperatura de um bloco de ferro de massa m 1 = 500 g . 04) Suponhamos que os dois blocos, o primeiro de cobre e o segun- do de prata, tenham massas iguais m 1 = m 2 . Sabendo que o calor específico do cobre é 0,037 cal/gºC maior do que o da prata, se fornecermos a mesma quantidade de calor aos dois blocos, o cobre sofrerá maior elevação de temperatura. 08) Um bloco de ferro com m 1 = 700 g libera calor e diminui sua tem- peratura de 100 ºC para 30 ºC. Sabendo-se que o calor específico do ferro é 0,11 cal/gºC , então a quantidade de calor liberada pelo bloco é 539 cal. 16) Se a capacidade térmica do bloco é 10 cal/ºC e sua temperatura aumenta de 50 ºC para 80 ºC, então esse bloco recebeu uma quan- tidade de calor menor do que 100 cal.

(ACAFE/SC-2013.1) - QUESTÃO ANULADA Em clínicas de reabilitação realiza-se tratamento com pacientes em piscinas aquecidas. Uma determinada piscina contém 60 m 3 de água, a uma temperatura de 10ºC, cuja densidade é 1,0 g/cm 3 . Desprezando as perdas de calor para o meio ambiente, deseja-se aquecer a água da piscina até atingir uma temperatura de 25ºC. A alternativa correta que apresenta a quantidade de calor, em cal, para realizar tal intento é:

a) 1,5 ×10 6

b) 2,0 × 10 5

c) 1,0 × 10 7

d) 3,0 × 10 6

Obs.: A resposta é 9,0 × 10 8 cal. Não é fornecido o calor específico da água, para se chegar na resposta dada usou-se 1,0 cal/g.ºC.

(UFRN-2013.1) - RESPOSTA NO FINAL DA QUESTÃO Atualmente, principalmente em pequenas cidades do interior do Bra- sil, dispõe-se de duas opções de fogões residenciais: o fogão a gás (GLP) e o fogão a lenha. Desconsiderando problemas ambientais que envolvem o consumo de cada um desses combustíveis, existe

diferença entre esses fogões quanto à eficiência energética, ou seja,

o quanto é consumido de GLP ou de lenha para fornecer a mesma

quantidade de calor ao alimento que se quer aquecer. Por exemplo, as quantidades de GLP e de lenha necessárias para elevar a tempe- ratura de 10 kg de água, de 25 ºC para 100 ºC, em um fogão a gás e em um a lenha, são, respectivamente, 0,125 kg e 3,0 kg.

Dados:

→ Calor de combustão da lenha, C L = 2 500 kcal/kg

→ Calor específico da água, c A = 1,0 kcal/kg.ºC

→ Calor de combustão do GLP, C GLP = 12 000 kcal/kg

→ Quantidade de calor sensível, Q = m.c.T

→ Quantidade de calor de combustão Q C = m.C

Considerando que a eficiência energética de um fogão é dada pela razão entre a quantidade de calor absorvida pelo alimento a ser aquecido, Q A , e a quantidade de calor gerada pela queima de certa

quantidade de combustível, Q C , isto é, ε = Q A , determine

Q

C

a) a quantidade de calor necessária para elevar a temperatura de

10 kg de água, de 25 ºC para 100 ºC.

b) a quantidade de calor gerada pela queima de 0,125 kg de GLP e

por 3,0 kg de lenha.

c) qual dos dois tipos de fogão possui a maior eficiência energética.

Justifique sua resposta.

RESPOSTA UFRN-2013.1:

a) Q = 750 kcal

b) Q GLP = 1 500 kcal e Q LENHA = 7 500 kcal

c) ε GLP = 0,5 (50%) e ε LENHA = 0,1 (10%). Logo, o fogão a GPL é 5

vezes mais eficiente que o fogão a lenha.

japizzirani@gmail.com

(VUNESP/UNICID-2013.1) - ALTERNATIVA: B Pelo fato de serem práticos, aquecedores elétricos de imersão são muito utilizados nos mais diversos laboratórios. Um desses aquece- dores, cuja potência útil é de 250 W, é imerso num recipiente adia- bático contendo 500 ml (500 g) de água a 25 ºC e ligado durante 7,0 min. O calor específico da água vale 1,0 cal/(g ·ºC) e o equivalente mecânico do calor vale 4,2 J/cal. A temperatura final atingida pela água, em ºC, é

a) 85.

*b) 75.

c) 98.

d) 50.

e) 95.

(VUNESP/UNIFEV-2013.1) - RESPOSTA NO FINAL DA QUESTÃO

Um bisturi metálico de 100g de massa e calor específico igual a

1,2 J/(g·ºC) foi introduzido na câmara interna de uma autoclave (apa-

relho destinado a esterilizar materiais). Inicialmente a autoclave e o bisturi encontravam-se em equilíbrio térmico, com temperatura de 27 ºC e sujeitos a uma pressão de 1 atm. Em seguida, a autoclave

foi hermeticamente fechada e aquecida em um processo isocórico,

não havendo perda de calor com o meio externo. Ao atingir a tempe-

ratura de equilíbrio térmico de 147 ºC, o processo de aquecimento

da câmara interna da autoclave e do bisturi foi interrompido.

câmara interna da autoclave e do bisturi foi interrompido. autoclave Nas condições descritas, determine: a) a

autoclave

Nas condições descritas, determine:

a) a capacidade térmica e o calor absorvido pelo bisturi durante o

processo de aquecimento de 27 ºC para 147 ºC.

b) a pressão no interior da câmara interna da autoclave quando a

temperatura atingiu 147 ºC (420 K).

RESPOSTA VUNESP/UNIFEV-2013.1:

a) C = 120 J/ºC

b) p = 1,4 atm

(FGV/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: E Em um recipiente adiabático, contendo 2,0 L de água há uma bar- ra metálica imersa, de capacidade térmica 1 000 cal/ºC, que mede inicialmente 40,00 cm. O sistema recebe 150 kcal de uma fonte de calor e, ao fim do processo, a barra acusa uma dilatação linear de 0,01 cm.

e

Q = 14,4 kJ

água
água

barra

metálica

O

coeficiente

de

dilatação

linear

do

material

da

barra

vale,

em

10 6 ·ºC 1 ,

a) 1,0.

b) 2,0.

c) d) calor específico = 1,0 cal/(g.ºC)

*e) 5,0.

Dados para a água:

densidade = 1,0 g/cm 3

3,0.

4,0.

(UNIMONTES/MG-2013.1) - ALTERNATIVA: A

As

paredes de uma casa foram projetadas para absorver o calor

do

Sol durante o dia e transferir parte desse calor para o interior da

casa, durante a noite. As paredes possuem massa de 1,0 × 10 6 kg

e calor específico médio de 2,0 kJ/kg.K. Quanto calor, em módulo,

é transferido para o interior da casa à noite, quando as paredes res- friam de 27,0 ºC para 15,0 ºC?

*a) 2,4 × 10 7 kJ.

b) 12 × 10 7 kJ.

c) 24 × 10 7 kJ.

d) 1,2 × 10 7 kJ.

5

(UFPR-2013.1) - RESPOSTA: V = 12,85 L

É

cada

vez mais

frequente encontrar

residências equipadas com

painéis

coletores

de

energia solar.

Em

uma residência foram ins-

talados

10 m

2 de painéis com eficiência de 50%. Supondo que em

determinado dia

água seja de 18 ºC, que

se queira aquecê-la até a temperatura de 58 ºC e que nesse local a

energia solar média incidente seja de 120 W/m água que pode ser aquecido em uma hora.

Dados:

a temperatura inicial da

3

kg/m

3

e

2 , calcule o volume de

ρ

H

2

O

= 1,0 × 10

1 cal = 4,20 J

(UEM/PR-2013.1) - RESPOSTA: SOMA = 07 (01+02+04)

Uma barra homogênea de 50 cm de comprimento e 1

a 20 ºC, é constituída por uma substância de coeficiente de dilatação

e calor específico de 0,5 cal/(g.ºC). Uma certa

quantidade de calor é fornecida à barra, e sua temperatura é eleva- da a 50 ºC. Desprezando as perdas de calor para o meio, analise as alternativas abaixo e assinale o que for correto.

01) A quantidade de calor fornecida à barra é de aproximadamente

1,5 × 10

é de aproximadamente

3 × 10

04)

500 cal/ºC.

a

08) Se o

quantidade de calor necessário para variar a temperatura da barra

de 20 ºC até 50 ºC seria de aproximadamente 3,0 × 10

16) A densidade linear de massa da barra permanece perfeitamente inalterada quando a barra é aquecida de 20 ºC até 50 ºC.

kg de massa,

linear de 2 × 10

−6

ºC

−1

4

cal.

02) A variação do

−3

A

cm.

capacidade

coeficiente

comprimento

térmica

da

da barra

barra

é

de

aproximadamente

de dilatação linear da

barra fosse o dobro,

4

cal.

(UFSC-2013.1) - RESPOSTA NO FINAL DA QUESTÃO

Em uma aula experimental de física sobre calorimetria, o professor pede para que os alunos aqueçam duas substâncias diferentes, com

Desprezando

400

eventuais perdas de calor para o meio ambiente, o professor consi-

dera a potência efetiva do aquecedor em 400 cal/min.

uma ta-

bela e construam um gráfico. Abaixo é apresentado um dos gráficos construídos pelos alunos.

pede que os alunos registrem os dados experimentais em

O professor

g

cada, fazendo uso de um

aquecedor elétrico.

31 30 Sub. A Sub. B 29 28 27 26 25 24 23 22 21
31
30
Sub. A
Sub. B
29
28
27
26
25
24
23
22
21
20
19
T (ºC)

0,0

0,2

0,4

0,6

0,8

1,0

1,2

Q (kcal)

1,4

1,6

1,8

2,0

2,2

Considere o gráfico acima e responda às perguntas abaixo.

a)

O experimento realizado pelos alunos permite encontrar, através

da

inclinação da

reta, uma

grandeza física característica

de cada

substância. Qual é esta grandeza física?

b) Com base em princípios físicos, explicitando o raciocínio físico e

matemático, qual das substâncias possui o maior valor para a gran- deza física apontada no item anterior?

c) Admitindo que a substância A seja uma enzima e que ela possua

a enzima após mencionado?

30

temperatura

inicial de

20º

C, o

que

acontece com

minutos

de aquecimento

pelo aquecedor elétrico

Justifique sua resposta com base nos princípios da física e da biolo- gia. Apresente os cálculos necessários.

RESPOSTA UFSC-2013.1:

a) Calor específico

b) Substância A (c

c)

dos 42

30 minutos de aquecimento a enzima fica inativa, ou seja, ciona mais.

não fun-

de

a partir

A

= 1,0 cal/g.ºC e c

B

final

da enzima:

T =

enzimas começam

= 0,5 cal/g.ºC)

50 ºC.

Temperatura

ºC as

É sabido que

a desnaturar.

Então, depois

japizzirani@gmail.com

(UERJ-2013.1) - RESPOSTA: Q = 10 850 cal

Uma pessoa, com temperatura corporal igual a 36,7 ºC, bebe 2 litro de água a 15 ºC. Admitindo que a temperatura do corpo não se altere até que o siste- ma atinja o equilíbrio térmico, determine a quantidade de calor, em calorias, que a água ingerida absorve do corpo dessa pessoa.

Dados:

1

•Calor específico da água: 1,0 cal/g.ºC •Massa específica da água: 1 g/cm 3

(UNIMONTES/MG-2013.1) - ALTERNATIVA: D Um bloco de chumbo desliza por um plano inclinado com atrito que forma um ângulo θ = 60° com a horizontal (veja a figura).

θ
θ

Adote:

g = 10 m/s sen 60º = 0,87 cos60º = 0,50

2

O deslocamento do bloco ao longo do plano é de 10 metros. Nesse deslocamento, é observado que o bloco se aquece de 0,1 °C. Se o

calor específico do chumbo é de 130 J/kg.K, pode-se concluir que o

coeficiente de atrito entre o bloco e o plano é

a) 0,15.

b)

c) 0,20.

*d) 0,26. Obs.: A resposta correta é alternativa D se considerarmos que toda energia mecânica perdida foi integrallmente transformada em ener- gia térmica.

0,23.

(VUNESP/UNICASTELO-2013.1) - ALTERNATIVA: A Um aquecedor solar transfere calor para uma massa de 100 kg de

água, no interior de um reservatório termicamente isolado, na razão de 840 joules por segundo. Considerando o calor específico da água igual a 4 200 J/kg ·ºC, a variação de temperatura da água no reser- vatório, em ºC, em uma hora, será igual a *a) 7,2.

b) 9,0.

c) 5,0.

d) 12.

e) 2,4.

6

VESTIBULARES 2013.2

(VUNESP/UNICID-2013.2) - ALTERNATIVA: A A variação de temperatura de um bloco de cobre é diretamente pro- porcional à quantidade de calor recebida e inversamente proporcio- nal à sua massa. Assim, se um bloco de cobre com massa m recebe uma quantidade de calor Q e sofre uma variação de temperatura T, outro bloco de

cobre com massa 1 2 m, ao receber uma quantidade de calor igual a

2Q, sofre uma variação de temperatura de

*a)

4T.

d) T.

b)

c)

T .

2

T

4

.

e) 2T.

(UFU/MG-2013.2) - RESPOSTA NO FINAL DA QUESTÃO James Prescott Joule realizou um experimento no qual deixava cair, de uma determinada altura, um peso que, conectado a pás imersas em água, fazia com que o líquido fosse agitado, aumentando sua temperatura. Inspirado neste experimento, uma pessoa, localizada

ao nível do mar, está disposta a fazer com que 100 cm 3 de água pura

chegue à temperatura de ebulição. Para isso, ela coloca o referido líquido, inicialmente a 20 ºC, numa garrafa térmica, na qual suposta- mente não haverá perdas de calor. Após isso, ela passa a agitá-la 20 vezes a cada minuto. A cada vez que ela agita a água da garrafa, é como se o referido líquido caísse de uma altura de 30 cm. Considere 1 cal = 4 J e calor específico da água = 1cal/(g.ºC).

A partir das afirmações acima, responda:

a) Mesmo não tendo sido usado o calor como fonte de energia para

aquecer a água, ela se aqueceu. Qual o tipo de energia que permitiu que o líquido atingisse a temperatura de ebulição ?

b) Por quanto tempo a garrafa teve de ser agitada para que a água

chegasse à temperatura desejada ?

RESPOSTA OFICIAL UFU/MG-2013.2:

a) A energia térmica é oriunda da transformação da energia potencial

da queda da água dentro da garrafa, a cada vez que ela for agitada.

Poder-se-ia, também, afirmar que tal energia vem dos alimentos que

a

pessoa ingeriu para poder realizar a referida tarefa.

b)

t 3 dias e 16 horas

(UNIMONTES/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: C Em um recipiente termicamente isolado e de capacidade térmica desprezível, são colocados 2,0 litros de água. Um resistor R = 1,8 é imerso na água e conectado, durante 21 segundos, diretamente a uma bateria de 6,0 V e de resistência interna nula (veja a figura).

6,0 V R = 1,8 Ω
6,0 V
R = 1,8 Ω

Dados:

calor específico da água = 1 cal/g.ºC densidade da água = 1 kg/litro

1 cal = 4,2 J

Considerando o sistema água-resistor, a variação de temperatura e da energia interna da água valem,respectivamente:

a) 0,10 ºC e 200 cal.

*c) 0,05 ºC e 100 cal.

b) 0,30 ºC e 250 cal.

d) 0,15 ºC e 150 cal.

(UECE-2013.2) - ALTERNATIVA: B Calor intenso e permanência de temperaturas elevadas por vários dias refletem-se necessariamente na expansão do consumo resi- dencial de energia elétrica. Considere um consumo médio residen- cial de 160 kWh por mês. No Rio de Janeiro, onde o consumo cresceu aproximadamente 16%,

a temperatura máxima na capital chegou a ficar, em média, no início

do verão, 7 ºC acima da esperada. Considere que o calor específico da água é 4,2 J/(g.ºC). Os 16% de energia a mais consumida no período de um mês em um domicílio seriam suficientes para aquecer de 7 ºC aproximadamente quantos quilogramas de água?

a)

0,87 × 10 3 .

c) 3,7 × 10 3 .

*b) 3,1 × 10 3 .

d) 23 × 10 3 .

japizzirani@gmail.com

(FATEC/SP-2013.2) - ALTERNATIVA: D Uma determinada pesquisa teve como objetivo principal analisar

a utilização de chuveiros elétricos e o conforto que ofereciam aos

seus usuários. Para isso, anotaram-se os seguintes valores médios

aproximados:

• Número de banhos observados: 1 625;

• Temperatura média da água que entra no chuveiro: 18 °C;

• Temperatura média da água que sai do chuveiro: 38 °C;

• Tempo médio de cada banho: 10 min;

• Vazão média do chuveiro: 0,06 L/s.

(sites.unifra.br/Portals/35/Artigos/2004/41/parametros.pdf Acesso em:

01.02.2013. Adaptado)

A relação entre a quantidade de energia transferida para que uma

porção de água mude a sua temperatura é dada por Q = m ·c ·Δθ. Sendo assim, baseando-se nos dados apresentados, podemos con- cluir que a quantidade de energia total dissipada pelo chuveiro du- rante um banho será, em kcal,

a)

b) Dados:

0,360.

7,20.

72,0.

um banho será, em kcal, a) b) Dados: 0,360. 7,20. 72,0. c) O calor específico da

c) O calor específico da água: 1,0 cal/(g.°C); Densidade da água: 1,0 kg/L.

e) 3 600.

*d) 720.

(VUNESP/UNIVAG-2013.2) - ALTERNATIVA: B Um corpo de massa m é abandonado de uma altura h. Após per- correr essa distância, ele é freado até parar por um dispositivo que transforma toda energia mecânica do corpo em calor, sendo este imediatamente transferido a um material, também de massa m e capaz de armazenar calor sem perdê-lo. Considerando a aceleração da gravidade igual a g e o calor específico do material igual a c, é correto afirmar que a elevação de temperatura desse material é

a) mgh .

*b) gh .

c

c)

ghc

.

m

d) ghc .

e) h .

(VUNESP/UFTM-2013.2) - ALTERNATIVA: E

Um cilindro de cobre de massa igual a 3 kg é aquecido ao ponto de ter sua temperatura aumentada em 4 ºC. Sem que haja mudança de fase, o aumento da quantidade de calor necessário para elevar em 4 ºC a temperatura de um cilindro de cobre de massa igual a 9 kg, em comparação ao calor envolvido no aquecimento do cilindro de massa 3 kg é de

a) doze vezes.

b) nove vezes.

c) sete vezes.

d) quatro vezes.

*e) três vezes.

7

TERMOFÍSICA

calor latente

VESTIBULARES 2013.1

(PUC/RJ-2013.1) - ALTERNATIVA: E Três cubos de gelo de 10,0 g, todos eles a 0,0 ºC, são colocados dentro de um copo vazio e expostos ao sol até derreterem comple- tamente, ainda a 0,0 ºC. Calcule a quantidade total de calor requerida para isto ocorrer, em calorias.

Considere o calor latente de fusão do gelo L F = 80 cal/g

a) 3,7 × 10 1

b) 2,7 × 10 1

c) 1,1 × 10 2

d) 8,0 × 10 2

*e) 2,4 × 10 3

(VUNESP/UFSCar-2013.1) - ALTERNATIVA: D

O gráfico apresenta a chamada curva de aquecimento de uma subs-

tância pura, isto é, mostra como a temperatura T de uma substância

de massa m varia em função do tempo de seu aquecimento t.

T F D E B C 0 t A
T
F
D
E
B
C
0
t
A

Analisando as diferentes partes do gráfico, é correto afirmar que, na transformação

a) B – C, toda a substância se encontra em estado sólido e sua tem-

peratura está aumentando.

b)

B – C e na D – E, a substância não está sendo aquecida, ocorren-

do

mudança de estado físico.

c)

C – D, está ocorrendo mudança de estado físico e sua temperatu-

ra

permanece constante.

*d) E – F, toda a substância se encontra em estado gasoso e sua temperatura está aumentando.

e) A – F, toda a substância recebe calor do meio sem que haja mu -

dança de estado físico.

(UFPR-2013.1) - ALTERNATIVA: C

O gráfico abaixo, obtido experimentalmente, mostra a curva de

aquecimento que relaciona a temperatura de uma certa massa de um líquido em função da quantidade de calor a ele fornecido.

F D E 0 B C Q (kJ)
F
D
E
0
B
C
Q (kJ)

T (ºC)

120

100

−10 A

Sabemos que, por meio de gráficos desse tipo, é possível obter os valores do calor específico e do calor latente das substâncias estu- dadas. Assinale a alternativa que fornece corretamente o intervalo em que se pode obter o valor do calor latente de vaporização desse líquido.

a) AB.

b) BD.

*c) DE.

d) CD.

e)

japizzirani@gmail.com

EF.

FPS/PE-2013.1) - ALTERNATIVA: D Uma barra de gelo com massa igual a 5 Kg está a uma temperatura

igual a 0 ºC. Considere que o calor latente de fusão do gelo vale L F

= 333 000 J/Kg. A quantidade de calor necessária para derreter com- pletamente a barra de gelo será de aproximadamente:

a) 3,33 × 10 +5 Joules

b) 1,50 × 10 +4 Joules

c) 2,50 × 10 +7 Joules

*d) 1,67 × 10 +6 Joules

e) 5,00 × 10 +4 Joules

(FPS/PE-2013.1) - ALTERNATIVA: A Qual a quantidade de calor necessária para derreter totalmente uma barra de gelo de massa m = 0,8 Kg, inicialmente na temperatura −10 ºC, e manter o líquido resultante na temperatura final 0 ºC? Con-

sidere que o calor específico do gelo vale c gelo = 2 220 J/Kg·K e que

o calor latente de fusão do gelo é igual a L F = 333 000 J/Kg. *a) 284 160 Joules d) 71 040 Joules

b)

c)

142 080

568 320

Joules

Joules

e) 852 480 Joules

(UNESP-2013.1) - ALTERNATIVA: C

A liofilização é um processo de desidratação de alimentos que, além

de evitar que seus nutrientes saiam junto com a água, diminui bas- tante sua massa e seu volume, facilitando o armazenamento e o

transporte. Alimentos liofilizados também têm seus prazos de valida-

de aumentados, sem perder características como aroma e sabor.

cenoura liofilizada

características como aroma e sabor. cenoura liofilizada (www.sublimar.com.br) kiwi liofilizado

(www.sublimar.com.br)

kiwi liofilizado

cenoura liofilizada (www.sublimar.com.br) kiwi liofilizado (www.brasilescola.com) O processo de liofilização segue

(www.brasilescola.com)

O processo de liofilização segue as seguintes etapas:

I. O alimento é resfriado até temperaturas abaixo de 0 ºC, para que

a água contida nele seja solidificada.

II. Em câmaras especiais, sob baixíssima pressão (menores do que

0,006 atm), a temperatura do alimento é elevada, fazendo com que

a água sólida seja sublimada. Dessa forma, a água sai do alimento

sem romper suas estruturas moleculares, evitando perdas de prote- ínas e vitaminas. O gráfico mostra parte do diagrama de fases da água e cinco pro- cessos de mudança de fase, representados pelas setas numeradas de 1 a 5.

de fase, representados pelas setas numeradas de 1 a 5. A alternativa que melhor representa as

A alternativa que melhor representa as etapas do processo de liofili-

zação, na ordem descrita, é

a) 4 e 1.

d) 1 e 3.

b) 2 e 1.

e) 5 e 3.

*c) 2 e 3.

8

(FUVEST/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: A Em um recipiente termicamente isolado e mantido a pressão cons- tante, são colocados 138 g de etanol líquido. A seguir, o etanol é aquecido e sua temperatura T é medida como função da quantidade de calor Q a ele transferida. A partir do gráfico de T×Q, apresentado na figura abaixo, pode-se determinar o calor específico molar para o estado líquido e o calor latente molar de vaporização do etanol como sendo, respectivamente, próximos de

*a) 0,12 kJ/(mol ºC) e 36 kJ/mol.

b) 0,12 kJ/(mol ºC) e 48 kJ/mol.

c) 0,21 kJ/(mol ºC) e 36 kJ/mol.

d) 0,21 kJ/(mol ºC) e 48 kJ/mol.

e) 0,35 kJ/(mo lºC) e 110 kJ/mol.

140 120 100 80 60 40 20 0 −20 T (ºC)
140
120
100
80
60
40
20
0
−20
T (ºC)

0

50

Q (kJ)

100

150

Note e adote:

Fórmula do etanol: C 2 H 5 OH Massas molares: C (12 g/mol), H (1 g/mol), O(16 g/mol)

(UEPG/PR-2013.1) - RESPOSTA OFICIAL: SOMA = 05 (01+04)

A temperatura de uma substância evolui de acordo com a quanti-

dade de calor que a ela se dá; a evolução é mostrada pelo gráfico abaixo.

50 40 30 20 10 0 Temperatura (ºC)
50
40
30
20
10
0
Temperatura (ºC)

0

1000

2000

3000

4000

5000

6000

Quantidade de Calor (cal)

7000

Nesse contexto, assinale o que for correto. 01) O gráfico apresenta uma evolução na temperatura de uma subs-

tância estabilizando a seguir; durante a evolução o calor recebido

é conhecido como calor sensível e a parte estabilizada de calor la- tente. 02) O gráfico mostra uma estabilização da temperatura quando essa atinge os 50 ºC, podendo-se então afirmar que a substância em es- tudo chegou ao limite de sua temperatura. 04) Se a massa da substância em questão for conhecida será possí-

vel identificá-la por meio do calor específico da substância. 08) O coeficiente angular da reta é numericamente igual à capacida- de térmica da substância. Obs.: Para a afirmação 04 estar correta é necessário se conhecer

o estado físico da substância enquanto sua temperatura está au- mentado.

japizzirani@gmail.com

(UEM/PR-2013.1) - RESPOSTA: SOMA = 05 (01+04)

A

tabela abaixo apresenta os valores de temperatura de fusão (TF)

e

temperatura de ebulição (TE) para algumas substâncias quími-

cas puras. Assinale o que for correto. (Os dados da tabela estão a

1,0 atm.)

 

Substância

TF (ºC)

TE (ºC)

etanol

−117

78

éter etílico

−116

34

pentano

−130

36

fenol

43

182

01) Na temperatura de 20 ºC e pressão de 1,0 atm, o éter etílico encontra-se no estado líquido. 02) Em temperaturas inferiores a 43 ºC, o fenol se encontra no esta- do líquido, à pressão de 1,0 atm. 04) Durante a ebulição do etanol, a temperatura permanece cons- tante em 78 ºC, à pressão de 1,0 atm. 08) As interações entre as moléculas de pentano são mais intensas acima de 36 ºC, à pressão de 1,0 atm. 16) Dentre as substâncias mostradas na tabela, a que apresenta a menor temperatura de fusão, à pressão de 1,0 atm, é o etanol.

(PUC-CAMPINAS/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: D

A radiação solar incidente na superfície da Terra provoca a evapo-

ração da água, formando as nuvens. Esse processo ocorre rapida- mente com a água contida em uma panela, aberta à pressão atmos- férica normal, ao receber o calor produzido pela combustão do gás de cozinha. Considere uma porção de 0,50 kg de água, inicialmente a 20 ºC, sendo totalmente vaporizada a 100 ºC.

Seja: c água = 4,2 × 10 3 J/(kgºC) e L vaporização = 2,26 × 10 6 J/kg.

A energia recebida por essa porção de água até a sua vaporização

total é, em joules, de

a) 1,68 × 10 3 .

b) 2,81 × 10 3 .

c) 1,13 × 10 6 .

*d) 1,30 × 10 6 .

e) 2,60 × 10 6 .

(PUC/MG-2013.1) - ALTERNATIVA: B

O gás de cozinha é constituído principalmente de butano e é comer-

cializado basicamente nos botijões de 13 Kg. Se se agitar um desses botijões, nota-se que em seu interior existe uma grande quantidade de líquido. Por outro lado, quando os queimadores estão abertos,

o que chega aos bicos é material em estado gasoso. Sobre essa situação, é CORRETO afirmar:

a) Quando o butano vai do botijão até os queimadores, ele se aque-

ce e passa do estado líquido para o estado gasoso.

*b) Quando o butano está no interior, a pressão sobre ele é suficien-

te

para que a maioria do material se apresente na forma líquida.

c)

Na realidade o butano chega aos queimadores no estado líquido e

só toma a forma gasosa devido ao calor vindo da queima.

d) O butano só se torna gasoso ao chegar aos queimadores, porque

ele é um produto inflamável.

(MACKENZIE/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: D Uma das características meteorológicas da cidade de São Paulo é

a grande diferença de temperatura registrada em um mesmo instan-

te entre diversos pontos do município. Segundo dados do Instituto

Nacional de Meteorologia, a menor temperatura registrada nessa

cidade foi −2 ºC, no dia 2 de agosto de 1955, embora haja algumas indicações, não oficiais, de que, no dia 24 de agosto de 1898, regis- trou-se a temperatura de −4 ºC. Em contrapartida, a maior tempera- tura teria sido 37 ºC, medida em 20 de janeiro de 1999. Consideran- do-se 100 g de água, sob pressão atmosférica normal, incialmente

a −4 ºC, para chegar a 37 ºC, a quantidade de Energia Térmica que esta massa deverá receber é

a) 11,3 kcal

b) 11,5 kcal

c) 11,7 kcal

*d) 11,9 kcal

e) 12,1 kcal

 

DADOS:

 

ÁGUA

Calor

Calor especí-

Calor especí- fico no estado líquido (c)

Latente de Fusão (L f )

fico no estado sólido (c)

80 cal/g

0,50 cal/(gºC)

1,0 cal/(gºC)

9

(SENAI/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: D e E estão corretas Analise o gráfico a seguir.

T (ºC)

Estado I Estado II
Estado I
Estado II
Analise o gráfico a seguir. T (ºC) Estado I Estado II t Para uma substância pura,
Analise o gráfico a seguir. T (ºC) Estado I Estado II t Para uma substância pura,

t

Para uma substância pura, os trechos paralelos ao eixo do tempo (patamares) mostram mudanças de estado físico da substância, já que a temperatura permanece constante. Indique a alternativa que relaciona corretamente, no gráfico, as mu- danças de estados I e II.

a) Ebulição e fusão.

b) Fusão e condensação.

c) Vaporização e liquefação.

d) Liquefação e solidificação.

e) Condensação e solidificação.

Obs.: O gabarito oficial mostra como correta a alternativa A. Não pode ser esta a correta porque com o passar do tempo a temperatu- ra da amostra da substância pura está diminuindo.

(VUNESP/ANHEMBI MORUMBI-2013.1) - ALTERNATIVA: E Um fragmento de gelo com 100 gramas, na temperatura de fusão, é utilizado para o tratamento de uma contusão em uma pessoa. Sabe-

se que o fluxo de calor recebido pelo gelo é de 10 cal/s e o calor latente de fusão do gelo é 80 cal/g. Após 2,0 minutos de tratamento contínuo, a massa de gelo, em gramas, que ainda resta é

a) 75.

d) 70.

b) 65.

*e) 85.

c) 80.

(UNIOESTE/PR-2013.1) - ALTERNATIVA: B Abaixo temos um gráfico que expressa o aquecimento de uma amostra de 100 g de um determinado material que se encontra ini- cialmente no estado sólido. A fonte térmica que proporciona este aquecimento tem uma potência constante de 500 cal.min 1 .

300 200 100 0 0 3 7 10 Temperatura (ºC)
300
200
100
0
0
3
7
10
Temperatura (ºC)

Tempo (min)

Utilizando as informações fornecidas pelo gráfico, analise as afirma- ções abaixo e assinale a alternativa que contenha apenas afirma- ções corretas.

I. A temperatura de fusão do material é de 200 °C.

de

0,15 cal.g 1 .°C 1 .

II. O

calor

específico

da

substância

no

estado

sólido

é

III. O calor latente de fusão da substância vale 30,0 cal.g 1 .

IV. O calor necessário para aquecer o corpo de 100 °C a 200 °C foi

de 1,50 kcal. V. A temperatura de ebulição do material é de 230 °C.

a) II, III e IV.

*b) I, II e IV.

c) I, II e III.

d) II, III e V. e) I, II, III, IV e V.

(SENAI/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: C

Uma pedra de gelo de 20 g é retirada do freezer, onde estava a uma temperatura de −8 °C e é colocada sobre uma mesa até virar água à temperatura ambiente de 20 °C. A quantidade de calor absorvida pela água durante todo o processo é de

a) 1 640 cal.

b) 1 930 cal.

*c) 2 080 cal.

d) 2 610 cal.

e)

japizzirani@gmail.com

Dados:

Q

= m.c.T

c água = 1,0 cal/g°C

Q

= m.L

c água = 0,5 cal/g°C

L água = 80 cal/g

2 970 cal.

(SENAI/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: E

A figura a seguir representa a variação de temperatura em função do

tempo das substâncias A, B e C que sofreram mudanças de estados físicos. 30 A
tempo das substâncias A, B e C que sofreram mudanças de estados
físicos.
30
A
25
20
B
15
10
C
5
0
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13

Após análise, conclui-se que

a) A, B e C representam misturas.

b) A, B e C representam substâncias puras.

c) A e B representam misturas e C, uma substância pura.

d) A e C representam substâncias puras e B, uma mistura.

*e) A representa uma mistura e B e C representam substâncias pu-

ras.

(FATEC/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: A Leia o texto para responder à questão de número 36.

No anúncio promocional de um ferro de passar roupas a vapor, é ex- plicado que, em funcionamento, o aparelho borrifa constantemente 20 g de vapor de água a cada minuto, o que torna mais fácil o ato de passar roupas. Além dessa explicação, o anúncio informa que a potência do aparelho é de 1 440 W e que sua tensão de funciona- mento é de 110 V.

QUESTÃO 36 Da energia utilizada pelo ferro de passar roupas, uma parte é empre- gada na transformação constante de água líquida em vapor de água.

A potência dissipada pelo ferro para essa finalidade é, em watts,

*a) 861.

Adote:

temperatura de mudança da fase líquida para o vapor: 100 ºC

calor específico da água: 1 cal/(g.ºC)

b) temperatura inicial da água: 25 ºC

463.

c) temperatura do vapor de água obtido: 100 ºC

205.

d) calor latente de vaporização da água: 540 cal/g

180.

e) 1 cal = 4,2 J

105.

(UNICISAL-2013.1) - ALTERNATIVA: D Abundante na natureza, a água tem sido objeto de estudo de vá- rios trabalhos científicos devido às suas propriedades interessantes como, por exemplo, contrair-se quando aquecida de 0 ºC a 4 ºC. Re-

centemente, a física brasileira, profª. Márcia Barbosa, da UFRGS, foi umas das vencedoras do prêmio L’Oréal – UNESCO, por descobrir

uma das peculiaridades da água que podem levar a um melhor en- tendimento de como os terremotos ocorrem e como as proteínas se dobram, o que é importante para o tratamento de doenças. A figura

a seguir mostra o diagrama de fases da água.

p (atm) 217,5 1,00 0,006 0,01 100 374
p (atm)
217,5
1,00
0,006
0,01
100 374

T (ºC)

Com base nesse diagrama, assinale a opção correta.

a) Para a água, se a pressão aumenta, a temperatura de fusão tam-

bém aumenta.

b) O ponto A representa o ponto crítico da água que corresponde ao

equilíbrio entre as três fases da substância.

c) Sob pressão de 0,003 atm e temperatura de 80 ºC, a água se

encontra no estado líquido.

*d) Partindo do ponto D, se a pressão for aumentada isotermicamen-

te, ocorrerá mudança da fase vapor para fase líquida. Essa transfor-

mação é denominada de liquefação ou condensação.

e) A temperatura correspondente ao ponto tríplice da água é

374 °C.

10

(UEM/PR-2013.1) - RESPOSTA: SOMA = 15 (01+02+04+08) Analise as alternativas abaixo e assinale o que for correto.

01) O ponto de ebulição de uma substância é a temperatura em que ela, no aquecimento, sofre ebulição ou, no resfriamento, sofre condensação. 02) O calor latente específico de uma mudança de fase de uma substância pura é a quantidade de calor que essa substância recebe ou cede, por unidade de massa, durante a transformação, que ocor-

re à temperatura constante.

04) Em uma dada condição de temperatura e pressão, uma substân- cia pura pode subsistir em diferentes fases. 08) O calor absorvido por unidade de massa, enquanto uma certa substância pura se funde, é denominado calor latente de fusão e é igual, em módulo, ao calor latente de solidificação dessa substân- cia. 16) A fase em que uma substância pura se apresenta depende uni- camente da temperatura dessa substância.

(UNIFESP-2013.1) - RESPOSTA NO FINAL DA QUESTÃO

O gráfico representa o processo de aquecimento e mudança de fase

de um corpo inicialmente na fase sólida, de massa igual a 100 g.

1 400 1 200 1 000 800 600 400 200 0 0 10 20 30
1 400
1 200
1 000
800
600
400
200
0
0
10
20
30
40
50
60
Q (cal)

T (ºC)

Sendo Q a quantidade de calor absorvida pelo corpo, em calorias, e

T a temperatura do corpo, em graus Celsius, determine:

a) o calor específico do corpo, em cal/(g ºC), na fase sólida e na

fase líquida.

b) a temperatura de fusão, em ºC, e o calor latente de fusão, em

calorias, do corpo.

RESPOSTA UNIFESP-2013.1:

a) c S = 0,10 cal/(g.ºC) e c L = 0,20 cal/(g.ºC)

b) T fusão = 40 ºC e L f = 4,0 cal/g

Obs.: No enunciado (item b) a unidade do calor latente de fusão está errada, no lugar de calorias, o correto é calorias por grama. Se

a pergunta for a quantidade de calor absorvida na fusão, então, a resposta é Q = 400 calorias.

(VUNESP/UNICASTELO-2013.1) - ALTERNATIVA: D Para obter água líquida no alto de uma montanha, um grupo de al- pinistas fundiu 6,0 kg de gelo inicialmente na temperatura de fusão. Sabendo que o calor latente de fusão do gelo vale 3,34 × 10 5 J/kg,

a quantidade aproximada de calor, em joules, necessária para fundir todo o gelo foi

a) 9,34 × 10 5 .

b) 1,78 × 10 5 .

c) 1,78 × 10 4 .

*d) 2,00 × 10 6 .

e) 5,57 × 10 4 .

(UEPG/PR-2013.1) - RESPOSTA: SOMA = 13 (01+04+08)

A matéria em nosso meio ambiente existe em, basicamente, três

estados: sólido, líquido e gasoso (gás ou vapor). O estado em que se encontra a matéria depende da sua temperatura e da pressão que é exercida sobre ela. Sobre os estados físicos da matéria e suas

mudanças de fase, assinale o que for correto.

01) Fusão e vaporização são transformações endotérmicas.

02) Regelo é o fenômeno no qual o gelo funde com a redução da pressão, congelando novamente quando a pressão é restaurada.

04) A temperatura de mudança de fase de uma dada substância de- pende da pressão externa à qual a substância está submetida.

08) Para temperaturas e pressões acima do ponto crítico, uma subs- tância passa para o estado gasoso não podendo mais ser levada ao estado líquido sem redução da temperatura.

japizzirani@gmail.com

(IF/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: A

A mudança de fase denominada sublimação ocorre quando

*a) o gelo seco é exposto ao ar ambiente.

b) o gelo comum é retirado do congelador.

c) um prego se enferruja com a exposição ao ar úmido.

d) uma porção de açúcar comum é aquecida até carbonizar-se.

e) uma estátua de mármore é corroída pela chuva ácida.

(UFPE-2013.1) - RESPOSTA: L f/ c = 75 K

O calor necessário para fundir uma certa massa de uma substância

é igual ao calor necessário para aumentar em 30 K a temperatura da mesma massa da substância multiplicado por uma constante A. Se

A = 2,5 , quanto vale a razão L f/ c, em K, entre o calor de fusão L f e o

calor específico c desta substância?

11

VESTIBULARES 2013.2

(UFU/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: D O esquema abaixo representa um envoltório transparente, hermeti- camente fechado, dentro do qual há um recipiente com um pouco de água pura, à temperatura ambiente. A este envoltório é conectada uma bomba de vácuo, de modo a retirar o ar do interior do envol- tório.

vácuo, de modo a retirar o ar do interior do envol- tório. bomba de vácuo Quando

bomba

de vácuo

Quando o vácuo for criado, a água do recipiente

a) irá se congelar, por se tratar de uma transformação isotérmica.

b) não sofrerá nenhuma mudança de estado físico.

c) sofrerá calefação, devido ao aumento da pressão no envoltório.

*d) irá ferver, em temperatura próxima à que se encontra.

(UNIFENAS/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: A Um corpo de gelo fundente, gasta 10 minutos para se derreter completamente, quando sujeito a uma fonte de potência constante. Quanto tempo gastará para que a água, obtida do gelo, atinja 80 °C, ao nível do mar, utilizando a mesma fonte térmica?

*a) 10 minutos;

b) Calor específico sensível da água: 4000 J/(Kg.ºC);

c) Calor latente de fusão do gelo: 80 cal/g;
d)

e) 4 minutos.

(PUC/RS-2013.2) - ALTERNATIVA: E Nuvens são constituídas por gotículas de água (portanto em fase líquida) que se originam da condensação do vapor de água, o qual

é invisível, pois é formado por moléculas de água isoladas e distan- ciadas umas das outras. Com base nessas informações, considere a seguinte situação:

Uma massa de ar ascendente quente e úmido, ao encontrar o ar frio

e seco numa altitude superior, permite a formação de uma pequena nuvem com 10,0 kg de água em 226 s (aproximadamente 3,8 min).

Sendo −2,26 × 10 6 J/kg o calor de condensação da água, a potência em módulo desenvolvida na formação da nuvem é de

Dados:

1 caloria = 4 Joules.

9 minutos;

7 minutos;

6 minutos;

a) 2,26 kW

d) 10,0 kW

b) 22,6 kW

*e) 100 kW

c) 1,00 kW

(UNESP-2013.2) - RESPOSTA: Q = 900 cal e t = 118 s Determinada substância pura encontra-se inicialmente, quando

t = 0 s, no estado sólido, a 20 ºC, e recebe calor a uma taxa cons-

tante. O gráfico representa apenas parte da curva de aquecimento dessa substância, pois, devido a um defeito de impressão, ele foi interrompido no instante 40 s, durante a fusão da substância, e vol- tou a ser desenhado a partir de certo instante posterior ao término da fusão, quando a substância encontrava-se totalmente no estado

líquido.

θ (ºC) 800 480 fora de escala 320 20 0 18 40 128 148 t
θ (ºC)
800
480
fora de escala
320
20
0 18
40
128
148
t (s)

Sabendo-se que a massa da substância é de 100 g e que seu calor específico na fase sólida é igual a 0,03 cal/(g·°C), calcule a quanti- dade de calor necessária para aquecê-la desde 20 °C até a tempe- ratura em que se inicia sua fusão, e determine o instante em que se encerra a fusão da substância.

japizzirani@gmail.com

(UTFPR-2013.2) - ALTERNATIVA: A Considere os seguintes fenômenos físicos:

1)

diminuição de um volume de álcool colocado num recipiente aber-

to.

2)

derretimento da neve no alto de uma montanha nos Alpes.

3)

formação de orvalho.

Estes três fenômenos estão relacionados a três mudanças de esta- do físico das substâncias. Na ordem em que aparecem, estas mu- danças são, respectivamente:

*a) vaporização – fusão – condensação.

b) vaporização – liquefação – sublimação.

c) sublimação – fusão – liquefação.

d) fusão – liquefação – vaporização.

e) sublimação – liquefação – condensação.

(IF/GO-2013.2) - ALTERNATIVA: C As substâncias podem ser divididas em dois grandes grupos: o das substâncias que, ao se fundirem, diminuem de volume; e o daquelas que aumentam de volume. Abaixo estão, respectivamente, repre- sentados esses dois grupos.

estão, respectivamente, repre- sentados esses dois grupos. Figura 01 Figura 02 Disponível em:

Figura 01

repre- sentados esses dois grupos. Figura 01 Figura 02 Disponível em:

Figura 02

Disponível em: <http://fisikanarede.blogspot.com.br/2012/08/diagramade-fases. html>. Acesso em: 28 jun. 2013. [Adaptado]

Sobre esse assunto, é correto afirmar:

a) A água, o ferro, o bismuto e o antimônio são exemplos de substân-

cias representadas pela Figura 02.

b) Se em um auto forno de uma siderúrgica, onde preexiste ferro

fundido, for colocada uma grande barra de ferro sobre a superfície

do ferro fundido, ela imergirá, pois sua densidade é maior no estado sólido do que no estado líquido. *c) As substâncias representadas pela Figura 01, ao se solidifica- rem, diminuem sua densidade e, por isso, boiam em seus respecti- vos líquidos.

d) O aumento da pressão ocasiona uma redução na temperatura de

ebulição em ambos os grupos.

e) Sabendo que o ponto T é o ponto de coexistência da substância

nos três estados de agregação, somente conseguiremos que uma substância sublime para valores de pressão superiores ao do ponto triplo.

12

(UFU/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: D Um experimento frequentemente divulgado é o que mostra um fio que transpassa um bloco de gelo sem, no entanto, dividi-lo em duas partes, o que ocorre quando as duas extremidades do fio estão su- jeitas a forças, como mostra a figura a seguir.

F F
F
F

Isso ocorre, porque

a) o calor do fio funde o gelo, que volta a congelar assim que o fio

não tiver mais calor para ceder.

b) a pressão exercida pelo fio aquece o gelo, que volta a congelar

assim que o calor é dissipado para o meio.

c) a força exercida nas extremidades do fio faz com que o gelo derre-

ta à temperatura ambiente, mas volte a congelar a zero grau, assim que a força deixa de atuar. *d) a pressão exercida pelo fio diminui o ponto de fusão do gelo, que volta a congelar quando a pressão deixa de atuar.

(UFSC/EaD-2013.2) - ALTERNATIVA: C Um bloco de material sólido e homogêneo está a uma temperatura inicial de 10 ºC quando passa a receber calor a uma taxa constante com o tempo. Sabendo que sua temperatura se eleva de 10 ºC em cinco minutos e que após isso a temperatura do bloco permanece constante durante 10 minutos mas ainda recebendo calor (ver figu- ra), calcule o calor latente de fusão desse material em cal/g supondo que todo o bloco mudou de estado físico. Suponha que seu calor específico no estado sólido seja de 0,8 cal/g.ºC.

∆T (ºC) 10 5 15 t (min) Assinale a alternativa CORRETA.
∆T (ºC)
10
5 15
t (min)
Assinale a alternativa CORRETA.

a) 20 cal/g.

b) 8 cal/g.

*c) 16 cal/g.

d) 15 cal/g.

e) 10 cal/g.

(PUC/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: D Assinale a afirmativa CORRETA.

a) O calor liberado pela queima de massas iguais de diferentes com-

bustíveis é o mesmo.

b) As quantidades de calor necessárias para fundir massas iguais

de ferro e de chumbo são as mesmas, porque o ferro e o chumbo

são metais.

c) Na panela de pressão, a água entra em ebulição antes de sua

temperatura atingir 100 ºC. *d) A fusão e a evaporação de uma substância pura ocorrem em temperaturas bem determinadas para uma certa pressão .

(PUC/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: B

Leia com atenção as seguintes afirmativas sobre a água colocando nos parênteses ( V ) para afirmativa Verdadeira e ( F ) para Falsa.

(

) É possível fazer a água ferver à temperatura de 80 ºC.

(

) O calor específico da água no estado líquido tem o mesmo valor

quando a água estiver em seu estado sólido nas mesmas condições

de pressão.

( ) Em uma mudança de fase, a substância sempre absorve calor da vizinhança. Assinale a ordem CORRETA encontrada.

a) V – V – F

*b) V – F – F

c) F – F – F

d) V – V – V

japizzirani@gmail.com

(PUC/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: C Para se cozer um determinado alimento, ele deve ser mergulhado

em certa quantidade de água e ser submetido, por algum tempo, à temperatura de 120ºC. Assinale o procedimento que vai cozinhá-lo.

a) Utilizar uma panela comum e deixá-lo ao fogo até que a água

atinja 120ºC e mantê-la a essa temperatura durante o tempo reco-

mendado.

b) Colocar o alimento dentro de uma panela hermeticamente fecha-

da, diminuir a pressão em seu interior o suficiente para que a água

atinja a temperatura desejada e, assim, mantê-la pelo tempo espe- cificado. *c) Colocar o alimento dentro de uma panela hermeticamente fe- chada, aumentar a pressão em seu interior o suficiente para que a água atinja a temperatura desejada e, assim, mantê-la pelo tempo

especificado.

d) Não é possível cozinhar esse alimento, já que em nível do mar a

água entra em ebulição à temperatura de 100°C.

(PUC/MG-2013.2) - ALTERNATIVA: C Considere três fenômenos descritos a seguir.

I. A água de um lago congelando-se.

II. O vapor de água condensando-se no vidro de uma janela.

III. Uma bolinha de naftalina sublimando-se na gaveta de um armário com roupas.

Assinale a opção que indica CORRETAMENTE se cada sistema está recebendo ou cedendo calor para o meio ambiente.

 

ÁGUA

VAPOR DE ÁGUA

NAFTALINA

a)

cede

cede

cede

b)

recebe

recebe

recebe

*c)

cede

cede

recebe

d)

cede

recebe

cede

(IF/SC-2013.2) - ALTERNATIVA: C

A panela de pressão é um utensílio doméstico muito utilizado para

cozinhar. A grande vantagem da panela de pressão é cozinhar os alimentos rapidamente. Assinale a alternativa CORRETA. Qual é a

grande contribuição da panela de pressão para este rápido cozimen-

to dos alimentos?

a) Como a panela dificulta a saída do vapor de água, a água começa

a ferver a 80 ºC. Como ela ferve a uma temperatura menor, o alimen-

to

é cozido mais rapidamente.

b)

A pressão no interior da panela é maior que a atmosférica. Dessa

forma a água atinge a temperatura de 100 ºC mais rapidamente o

que resulta em um cozimento em menos tempo.

*c) A pressão no interior da panela é maior que a atmosférica. Dessa

forma a água ferve a uma temperatura maior que 100 ºC, o que re- sulta em um cozimento mais rápido.

d) Como ela é hermeticamente fechada retém mais calor e acaba

cozinhando os alimentos mais rapidamente.

e) O formato da panela permite que as trocas de calor sejam mais

eficientes e, dessa forma, cozinha os alimentos em menos tempo.

13

TERMOFÍSICA

sistema termicamente isolado

VESTIBULARES 2013.1

(IME/RJ-2013.1) - ALTERNATIVA: B Em um experimento existem três recipientes E 1 , E 2 e E 3 . Um termô- metro graduado numa escala Xassinala 10 ºX quando imerso no re- cipiente E 1 , contendo uma massa M 1 de água a 41 ºF. O termômetro, quando imerso no recipiente E 2 contendo uma massa M 2 de água a 293 K, assinala 19 ºX. No recipiente E 3 existe inicialmente uma massa de água M 3 a 10 ºC. As massas de água M 1 e M 2 , dos recipientes E 1 e E 2 , são transferi- das para o recipiente E 3 e, no equilíbrio, a temperatura assinalada pelo termômetro é de 13 ºX. Considerando que existe somente troca

de calor entre as massas de água, a razão M 1 é:

a)

2 + 0,2 M 3

M

2

M

2

*b)

c)

2

1 +

M 3

M 2

d)

e)

0,5

0,5 − 2 M 3

M

2

(VUNESP/UEA-2013.1) - ALTERNATIVA: A Um calorímetro de capacidade térmica desprezível contém determi- nada massa de água a 20 °C. Uma esfera metálica homogênea, de massa quatro vezes menor do que a massa de água no calorímetro,

foi colocada dentro dele a uma temperatura de 440 °C e, depois de

atingido o equilíbrio térmico, a temperatura do sistema se estabilizou em 40 °C.

Substância

platina

prata

cobre

ferro

alumínio

água

Calor específico

(cal/g ·ºC)

0,03

0,05

0,09

0,10

0,20

1,00

Considerando o sistema termicamente isolado e os valores mostra- dos na tabela, pode-se afirmar corretamente que a esfera metálica é constituída de

*a) alumínio.

b) prata.

c) platina.

d) cobre.

e) ferro.

(UDESC-2013.1) - ALTERNATIVA: C Assinale a alternativa que corresponde à temperatura final de equilí- brio quando 10,0 g de gelo à temperatura de −10,0 ºC são adiciona- dos a 90,0 g de água à temperatura de 50,0 ºC.

a) 34,2 ºC

b) 40,3 ºC

*c) 36,5 ºC

d) 42,0 ºC

e) 35,1 ºC

Dados:

c gelo = 0,5 cal/(g.ºC) c H 2 O = 1,0 cal/(g.ºC) L H 2 O = 80 cal/g

(UFLA/MG-2013.1) - ALTERNATIVA: C Qual a quantidade mínima de água líquida inicialmente a 25°C seria necessária para derreter completamente 50 gramas de gelo a 0°C ?

O calor específico da água líquida é 1 cal/g°C e o calor latente de

fusão do gelo é 80 cal/g.

a)

b)

*c)

d)

japizzirani@gmail.com

25 g

15,6 g

160 g

6,25 g

(UNIMONTES/MG-2013.1) - ALTERNATIVA: C Em uma banheira, a temperatura ideal da água para o banho é de 30°C. A banheira está inicialmente com 25 litros de água a 45°C. Uma torneira que abastece a banheira tem vazão de 10 litros por minuto. A água da torneira está a 18°C. As trocas de calor aconte- cem apenas entre a água da torneira e a água da banheira. O tempo mínimo para que a água da banheira esteja boa para o banho, em

segundos, e o volume de água na banheira, em litros, decorrido esse tempo, são, respectivamente:

a) 178,5 e 56,25.

b) 187,5 e 56,52.

*c) 187,5 e 56,25.

d) 187,52 e 56,25.

Obs.: Os valores do calor específico e da densidade da água não

são fornecidos.

(UNIOESTE/PR-2013.1) - ALTERNATIVA: C Em um recipiente de capacidade térmica desprezível são colocados dois líquidos de calores específicos c 1 e c 2 a temperaturas iniciais t 1 e t 2 , respectivamente. Após algum tempo os líquidos, que possuem massas iguais, atingem o equilíbrio térmico. Considerando a situa- ção descrita, pode-se expressar a temperatura final, t f , da mistura por meio da equação

a)

b)

*c)

d)

e)

t f = c 1 t 1 + c 2 t 2

c

1 − c 2

.

t f =

t f =

(c 1 + c 2 )

t 1 + t 2

c 1 − c 2

c 1 t 1 + c 2 t 2

.

c 1 + c 2

t f = (c 1 − c 2 )

t f =

t 1 + t 2

2

.

t 1 + t 2

c 1 + c 2

.

.

(MACKENZIE/SP-2013.1) - ALTERNATIVA: B Um estudante no laboratório de física, por descuido, colocou 200 g

de água liquida (calor específico 1 cal/(g.ºC)) a 100 ºC no interior de um calorímetro de capacidade térmica 5 cal/ºC, que contém 100 g de água a 20 ºC. A massa de água líquida a 0 ºC, que esse aluno de- verá adicionar no calorímetro, para que a temperatura de equilíbrio térmico volte a ser 20 ºC, é

a) 900 g

*b) 800 g

c) 700 g

d) 600 g e) 500 g

(VUNESP/SÃO CAMILO-2013.1) - ALTERNATIVA: E Dois fragmentos de mesmo material, A e B, são colocados em um recipiente isolado termicamente, de modo que apenas entre eles ocorre troca de calor. A massa de B é três vezes maior que a de A e as temperaturas iniciais são −10 ºC para A e 20 ºC para B. Sabendo que não haverá mudança de estado físico nesses dois fragmentos, a temperatura de equilíbrio térmico, em ºC, que ambos atingirão será

(a) 10,5.

b) −12,5.

c) −10,5.

d) 0.

*e) 12,5.

(VUNESP/FMJ-2013.1) - RESPOSTA NO FINAL DA QUESTÃO Em um calorímetro, de capacidade térmica desprezível e termica- mente isolado, são misturadas três substâncias cujos valores de massa, temperatura inicial e calor específico estão dispostos na ta- bela.

inicial e calor específico estão dispostos na ta- bela. Substância Massa (g) Temp. inicial (ºC) Calor

Substância

Massa (g)

Temp. inicial (ºC)

Calor especifico cal/(g ºC)

Chumbo

800

50

0,03

Vidro

500

40

0,20

Água

1 000

90

1,00

a) Calcule a temperatura final da mistura.

b) Explique por que o vidro necessariamente receberá calor nesse

processo.

RESPOSTA VUNESP/FMJ-2013.1:

a) θ ≅ 84,7 ºC

b) O vidro receberá calor porque sua temperatura aumentou de

40 ºC para 84,7 ºC.

14

(UFPB-2013.1) - ALTERNATIVA: E Considere três corpos condutores térmicos X, Y e Z, de mesmas massas e mesmo material, contidos em um recipiente isolado ter- micamente. Inicialmente, os três corpos estão separados entre si. Sabe-se que o corpo X está a uma temperatura inicial de 80 ºC. Para a realização de um experimento, coloca-se, em primeiro lugar, o corpo X em contato com o corpo Y, e verifica-se que ambos atin - gem o equilíbrio termodinâmico a uma temperatura de 60 ºC. Eles são, então, separados. Em segundo lugar, coloca-se o corpo Y em contato com o corpo Z, e verifica-se que ambos atingem o equilíbrio termodinâmico a uma temperatura de 20 ºC. Nesse momento, eles são separados. Com relação a essa sequência de experimentos, podemos afirmar:

I. Antes do primeiro contato com o corpo X, o corpo Y estava a uma temperatura de 40 ºC. II. Antes do contato com o corpo Y, o corpo Z estava a uma tempe - ratura de −20 ºC.

III. Se, depois do segundo contato, os três corpos forem colocados

novamente em contato, o equilíbrio termodinâmico acontecerá a

40

ºC.

IV.

Se a massa do corpo X fosse duplicada, o equilíbrio termodinâ-

mico com o corpo Y, no primeiro contato, continuaria ocorrendo a

60 ºC.

Estão corretas apenas as afirmativas:

a) I, II e IV

b) I, III e IV

c) II e III

d) III e IV

*e) I e II

(UEPG/PR-2013.1) - RESPOSTA: SOMA = 03 (01+02) Um vaso adiabático de capacidade térmica C contém no seu interior uma determinada massa m de água quente. A ela é misturada uma massa M de água fria. Conside-rando que as temperaturas quente e fria são θ 1 e θ 2 respectivamente, assinale o que for correto. 01) O somatório das quantidades de calor trocadas entre a água quente e fria e o vaso adiabático é zero (nula). 02) Sendo o sistema ideal, a temperatura de equilíbrio térmico é dada por θ = θ 1 (mc + C) + Mcθ 2 (mc + C + Mc) 04) Se M for igual a m, a temperatura de equilíbrio térmico é dada pela média aritmética de θ 1 e θ 2 . 08) A capacidade térmica das massas de água m e M quando essas forem iguais serão diferentes, porque o valor do calor específico nas respectivas temperaturas são diferentes. 16) O vaso adiabático e a massa de água quente fornecem, cada uma delas, à massa de água fria, a mesma quantidade de calor, porque sofrem a mesma variação de temperatura.

.

(UFJF/MG-2013.1) - QUESTÃO ANULADA Um bloco de cobre, tendo 75 g de massa, é retirado de um forno e imediatamente mergulhado em um recipiente que contém 20 g de água. A temperatura da água varia de 12°C para 27°C. Sabendo-se que a capacidade térmica do cobre e da água são respectivamente

C c = 0,093 cal/g°C e C a = 1 cal/g°C, determine a temperatura do forno, considerando que não há perdas de calor para o ambiente e marque a alternativa CORRETA.

a) 27 °C

b) 70 °C

c) 90 °C

d) 115 °C

e) 213 °C

Obs.: A questão foi anulada porque onde está escrito, no enunciado, capacidade térmica deveria ser calor específico. Se a trocarmos ca- pacidade térmica por calor específico a resposta é alternativa B.

japizzirani@gmail.com

VESTIBULARES 2013.2

(VUNESP/UNICID-2013.2) - ALTERNATIVA: D Willian é uma pessoa metódica e sempre prepara seu chá com água

a 85 ºC. Certo dia, ao preparar o chá, percebeu que a água estava a

95 ºC e, para atingir a temperatura desejada, adicionou no bule certa

quantidade de água a 25 ºC. Considere que a troca de calor se deu apenas entre a água que

estava no bule e a que foi adicionada. Sabendo que inicialmente

o bule continha 600 g de água, a quantidade de água, em gramas, colocada no bule para atingir a temperatura de 85 ºC foi

a) 240.

b) 180.

c) 300.

*d) 100.

e) 60.

(VUNESP/UNIFEV-2013.2) - RESPOSTA NO FINAL DA QUESTÃO Considere um calorímetro feito com um material isolante térmico, contendo 10 g de água, ambos em equilíbrio térmico à tempera- tura de 20 ºC. Um fragmento metálico de massa igual a 200 g e à temperatura de 90 ºC foi jogado no interior desse calorímetro e, em seguida, isolou-se o sistema do meio exterior. Com um termômetro acoplado ao calorímetro, verificou-se que, após certo tempo, a tem- peratura de equilíbrio térmico do sistema calorímetro-água-fragmen-

to era 60 ºC. Sabendo que o calor específico da água é 1,0 cal/(g.ºC)

e

o do metal é 0,1 cal/(g.ºC), calcule:

a)

a quantidade de calor, em cal, cedida pelo fragmento metálico até

o

equilíbrio térmico ser atingido.

b)

o calor específico, em cal/(g ºC), do material isolante térmico que

constitui o calorímetro, sabendo que sua massa é igual a 4,0 gra-

mas.

RESPOSTA VUNESP/UNIFEV-2013.2:

a) Q = −800 cal

b) c = 1,25 cal/(g.ºC)

(UERJ-2013.2) - ALTERNATIVA: B Um sistema é constituído por uma pequena esfera metálica e pela água contida em um reservatório. Na tabela, estão apresentados dados das partes do sistema, antes de a esfera ser inteiramente

submersa na água.

Partes do

sistema

Temperatura

inicial

(ºC)

Capacidade

térmica

(cal/ºC)

esfera

metálica

50

2

água do

reservatório

30

2 000

A temperatura final da esfera, em graus Celsius, após o equilíbrio

térmico com a água do reservatório, é cerca de:

a) 20

*b) 30

c) 40

d) 50

(IF/CE-2013.2) - ALTERNATIVA: A Misturando-se, em um calorímetro ideal, 200 g de água em ebulição com 100 g de gelo em fusão, obtêm-se 300 g de água a

(Dados: calor específico da água c água = 1 cal/g.ºC; e calor latente de fusão do gelo L = 80 cal/g) *a) 40 ºC.

b) 48 ºC.

c) 52 ºC.

d) 59 ºC.

e) 60 ºC.

(FEI/SP-2013.2) - ALTERNATIVA: A Dois corpos A e B com temperaturas diferentes são colocados em contato e após certo tempo entram em equilíbrio térmico. Sobre esta situação final, é correto afirmar que:

*a) Os dois corpos estão à mesma temperatura.

b) Os dois corpos estão à mesma pressão.

c) O corpo mais frio cedeu calor para o corpo mais quente.

d) Os dois corpos possuem o mesmo calor específico.

e) Os dois corpos têm a mesma massa.

15

(VUNESP/UFTM-2013.2) - ALTERNATIVA: E Uma barra de alumínio e uma barra de cobre, ambas inicialmente a

0 ºC, são colocadas simultaneamente em um recipiente térmico, iso- lante, que possui no seu interior uma certa quantidade de água pura a 60 ºC. No momento em que o sistema entra em equilíbrio,

a) a água apresenta temperatura maior do que a temperatura das

barras de cobre e de alumínio.

b) a água apresenta temperatura menor do que a temperatura das

barras de cobre e de alumínio.

c) a barra de cobre apresenta temperatura maior do que a tempera-

tura da água e da barra de alumínio.

d) a barra de alumínio apresenta temperatura maior do que a tempe-

ratura da água e da barra de cobre. *e) a barra de cobre, a barra de alumínio e a água apresentam a mesma temperatura.

(UFPE/EaD-2013.2) - RESPOSTA: T = 53 ºC Sabe-se que a densidade e o calor específico da água no estado líquido são respectivamente iguais a 1,0 kg/L e 4200 J/(kg.ºC). Des- peja-se um litro de água à temperatura T em um recipiente de capa- cidade térmica 1 680 J/ºC, inicialmente a 73 ºC. Considerando que as trocas de calor só ocorrem entre a água e o recipiente, qual o va- lor de T, em ºC, se a temperatura da água, após o equilíbrio térmico ser atingido, é de 63 ºC ?

(SENAC/SP-2013.2) - ALTERNATIVA: D Em um calorímetro, de capacidade térmica 50 cal/°C, inicialmente à temperatura de 20 ºC, são colocados 230 g de água à 40 ºC e 20 g de gelo à −20 ºC. Desprezando as perdas de calor para o ambiente, ao se estabelecer o equilíbrio térmico, a temperatura final do siste- ma, em ºC, é

a) b) Calor específico do gelo = 0,50 cal/gºC c) Calor específico da água = 1,0 cal/gºC Calor latente de fusão do gelo = 80 cal/g Temperatura de fusão do gelo = 0 ºC

e) 8.

*d) 28.

Dados:

0.

32.

16.

japizzirani@gmail.com

16

TERMOFÍSICA

transmissão de calor

VESTIBULARES 2013.1

(IME/RJ-2013.1) - ALTERNATIVA: D Em certos problemas relacionados ao escoamento de fluidos no in- terior de dutos, encontram-se expressões do tipo:

γ =

kal 3

v 2

A grandeza γ possui a mesma dimensão da razão entre potência e

temperatura. O termo k é a condutividade térmica, conforme descrito pela Lei de Fourier. As dimensões dos parâmetros a e l são, respec- tivamente, as mesmas de aceleração e comprimento. A dimensão de v para que a equação acima seja dimensionalmente correta é igual a:

a) raiz quadrada da aceleração.

b) quadrado da velocidade.

c) produto do comprimento pela raiz quadrada da velocidade.

*d) produto da velocidade pela raiz quadrada do comprimento.

e) produto do comprimento pelo quadrado da velocidade.

(UEL/PR-2013.1) - ALTERNATIVA: C O cooler, encontrado em computadores e em aparelhos eletroele- trônicos, é responsável pelo resfriamento do microprocessador e de outros componentes. Ele contém um ventilador que faz circular ar entre placas difusoras de calor. No caso de computadores, as placas difusoras ficam em contato direto com o processador, conforme a figura a seguir.

direto com o processador, conforme a figura a seguir. ventilador Cooler placas difusoras processador Vista lateral

ventilador

Cooler

placas difusoras

processador

Vista lateral do cooler e do processador

Sobre o processo de resfriamento desse processador, assinale a alternativa correta.

a) O calor é transmitido das placas difusoras para o processador e

para o ar através do fenômeno de radiação.

b) O calor é transmitido do ar para as placas difusoras e das placas

para o processador através do fenômeno de convecção.

*c) O calor é transmitido do processador para as placas difusoras através do fenômeno de condução.

d) O frio é transmitido do processador para as placas difusoras e das

placas para o ar através do fenômeno de radiação.

e) O frio é transmitido das placas difusoras para o ar através do

fenômeno de radiação.

(VUNESP/UEA-2013.1) - ALTERNATIVA: E Improvisando uma churrasqueira com blocos de construção, uma pessoa posiciona os espetos feitos de bambu com os quais atraves- sou algumas linguiças.

de bambu com os quais atraves- sou algumas linguiças. Considerando os processos de transmissão de calor,

Considerando os processos de transmissão de calor, o churrasco

improvisado contará com a troca de calor proveniente do carvão em brasa e do ar aquecido, realizada por

a) convecção, somente.

b) irradiação, somente.

c) condução e irradiação, somente.

d) condução e convecção, somente.

*e) condução, convecção e irradiação.

japizzirani@gmail.com

(VUNESP/FSM-2013.1) - ALTERNATIVA: B Nos ambientes climatizados artificialmente, os aparelhos de ar con- dicionado são colocados na parte superior do ambiente, assim como os aquecedores são colocados na parte inferior. Esses posicionamentos são explicados porque, dessa forma,

a) a condução do calor é mais rápida.

*b) há formação das correntes de convecção.

c) a condução do calor é facilitada para todos os lados.

d) as correntes de convecção ficam mais rápidas.

e) a radiação do calor se faz uniformemente.

(UNESP-2013.1) - ALTERNATIVA: C

Cor da chama depende do elemento queimado Por que a cor do fogo varia de um material para outro?

A cor depende basicamente do elemento químico em maior abun-

dância no material que está sendo queimado. A mais comum, vista em incêndios e em simples velas, é a chama amarelada, resultado

da combustão do sódio, que emite luz amarela quando aquecido

a altas temperaturas. Quando, durante a combustão, são liberados

átomos de cobre ou bário, como em incêndio de fiação elétrica, a cor da chama fica esverdeada.

(Superinteressante, março de 1996. Adaptado.)

A luz é uma onda eletromagnética. Dependendo da frequência des-

sa onda, ela terá uma coloração diferente. O valor do comprimento de onda da luz é relacionado com a sua frequência e com a energia que ela transporta: quanto mais energia, menor é o comprimento de onda e mais quente é a chama que emite a luz. Luz com coloração azulada tem menor comprimento de onda do que luz com coloração alaranjada.

I II José Lopes
I
II
José Lopes

(http://papofisico.tumblr.com. Adaptado.)

Baseando-se nas informações e analisando a imagem, é correto afirmar que, na região I, em relação à região II,

a) a luz emitida pela chama se propaga pelo ar com maior veloci-

dade.

b) a chama emite mais energia.

*c) a chama é mais fria.

d) a luz emitida pela chama tem maior frequência.

e) a luz emitida pela chama tem menor comprimento de onda.

(UFLA/MG-2013.1) - ALTERNATIVA: D

A alça utilizada para abrir um refrigerador é mantida a uma tempe-

ratura superior à temperatura ambiente. Uma pessoa segura essa

alça por alguns segundos; em seguida, abre o refrigerador e, com

a mesma mão, apanha uma lata de refrigerante em seu interior, ela terá a percepção ou a sensação térmica de que

a) a lata pareceria estar a uma temperatura mais elevada do que sua

temperatura real, devido ao processo de condução do calor.

b) a lata pareceria estar com a sua temperatura real.

c) a lata pareceria estar a uma temperatura mais baixa do que sua

temperatura real, devido às correntes de convecção.

*d) a lata pareceria estar a uma temperatura mais baixa do que sua temperatura real, devido ao processo de condução do calor.

17

(UFLA/MG-2013.1) - ALTERNATIVA: A Considere a seguinte definição para a geração de energia limpa:

A energia limpa possui como principal diferencial o fato de que du-

rante seu processo de produção, a emissão de gases poluentes,

contribuintes para o efeito estufa, é mínima, ou mesmo, em alguns casos, nula”. De acordo com essa definição, a alternativa que apresenta SOMEN- TE usinas que produzem energia limpa é:

*a) nuclear, solar e eólica.

b) de biodiesel, solar e hidrelétrica.

c) eólica, termelétrica e hidrelétrica.

d) nuclear, termelétrica e de biodiesel.

(PUC/GO-2013.1) - ALTERNATIVA: A Observe o seguinte fragmento do texto 07: “No verão da Groenlân- dia, é normal que suas camadas de gelo se derretam. Em julho de

2012, no entanto, em apenas quatro dias (de 9 a 12) a superfície gelada sofreu um derretimento nunca observado: a área desconge- lada passou de 40% para 97%”. Sobre esse tema, analise os itens

abaixo:

I - Gases de “efeito estufa” contribuem para o aquecimento global por absorver radiação mais infravermelha que visível.

II - A principal fonte de energia da Terra é a radiação.

III - A Superfície do Planeta Terra perde energia para o espaço exte-

rior devido, principalmente, à convecção.

De acordo com os itens analisados, marque a alternativa

correta:

*a) Apenas I e II são verdadeiros.

b) Apenas I e III são verdadeiros.

c) Apenas II e III são verdadeiros.

d) I, II e III são verdadeiros.

(UFRN-2013.1) - ALTERNATIVA: D

O Sol irradia energia para o espaço sideral. Essa energia tem ori-

gem na sua autocontração gravitacional. Nesse processo, os íons de hidrogênio (prótons) contidos no seu interior adquirem velocida-

des muito altas, o que os leva a atingirem temperaturas da ordem

de milhões de graus. Com isso, têm início reações exotérmicas de fusão nuclear, nas quais núcleos de hidrogênio são fundidos, geran- do núcleos de He (Hélio) e propiciando a produção da radiação, que

é emitida para o espaço. Parte dessa radiação atinge a Terra e é a principal fonte de toda a energia que utilizamos. Nesse contexto, a sequência de formas de energias que culmina com a emissão da radiação solar que atinge a terra é

a) Térmica → Potencial Gravitacional → Energia de Massa → Ciné-

tica → Eletromagnética.

b) Cinética →Térmica → Energia de Massa → Potencial Gravitacio-

nal → Eletromagnética.

c)

Energia de Massa → Potencial Gravitacional → Cinética →Térmi-

ca

→ Eletromagnética.

*d) Potencial Gravitacional → Cinética →Térmica → Energia de

Massa → Eletromagnética.

(UEPB-2013.1) - ALTERNATIVA: D Sabemos que no nosso dia a dia, muito se utiliza de expressões, cujo emprego comum contradiz a ciência, como exemplo: “Estou morrendo de calor”. Atentando-se ao uso correto de expressões científicas no que se refere à transmissão de calor, analise as falas de três senhoras que dialogavam numa noite de inverno.

Maria: “Vou preparar um café para esquentar. Agora preciso ter cui- dado pra ele não derramar no fogão, pois a água que se aquece por radiação logo ferverá”.

Tereza: “Enquanto você prepara o café, eu vou aquecer uns pães no tabuleiro de alumínio, que em contato com o fogo transfere o calor por condução para os pães”.

Socorro: “E para completar, pego lençóis de lã no armário, para nos enrolarmos, já que estes se aquecem mais rápido que os lençóis de algodão”.

Das falas das senhoras acima descritas está(ão) correta(s):

a) As de Maria e Tereza

b) As de Maria e Socorro

c) As de Tereza e Socorro

*d) Apenas a de Tereza

e) Apenas a de Maria

japizzirani@gmail.com

(UCS/RS-2013.1) - ALTERNATIVA: B

A operação de uma lâmpada incandescente baseia-se no aqueci-

mento, por corrente elétrica, de um filamento metálico, até que esse atinja uma determinada temperatura e, por transmissão de energia, seja capaz de sensibilizar sistemas óticos, como um olho ou uma câmera fotográfica. Essa transmissão de energia acontece por

a) convecção.

*b) radiação.

c) condução.

d) compressão adiabática.

e) fusão.

(IF/SC-2013.1) - RESPOSTA: SOMA = 09 (01+08)

O Sol é uma das fontes de energias alternativas mais baratas de

que dispomos, e a forma mais comum de se usar a energia solar é

para o aquecimento da água usada em nossas residências. O aque- cimento é feito através de coletores solares. A figura abaixo mostra de maneira esquemática um sistema de aquecimento solar de uma casa, onde temos: o reservatório 1, que fornece água fria para o coletor e para a casa; o coletor solar, que recebe a energia do Sol;

e

o reservatório 2, que armazena a água aquecida, que serve para

o

consumo da casa.

a água aquecida, que serve para o consumo da casa. Coletor Reservatório 1 Solar Reservatório 2
Coletor Reservatório 1 Solar Reservatório 2 Água 2 para consumo
Coletor
Reservatório 1
Solar
Reservatório 2
Água 2
para consumo

Água 1

para consumo

Com

respondente à proposição correta ou à soma das proposições cor- retas. 01) O Sol aquece por irradiação o coletor solar, que aquecido, acaba

número cor-

base

no exposto, assinale

no cartão-resposta o

por esquentar a água que passa por ele antes de ser conduzida para

o reservatório 2.

02) A água quente se desloca para o reservatório 2 devido às corren- tes de condução térmica. 04) O coletor solar deve ser pintado com cores claras, para melhorar

a eficiência do aquecimento da água.

baixa

08) O reservatório 2 deve ser composto de um material com

condutividade térmica,

para manter a temperatura da água contida

nele.

16) A principal

radiação responsável pelo

aquecimento do coletor

solar é a radiação ultra-violeta. 32) O reservatório 2, para manter a água aquecida, deve ser capaz

de armazenar uma grande quantidade de calor.

(UNIMONTES/MG-2013.1) - ALTERNATIVA: A

A intensidade da energia solar que chega à Terra diminui significati-

vamente, à medida que nos afastamos do equador em direção aos

polos.

Raios de sol Polo Norte Equador Polo Sul
Raios de sol
Polo Norte
Equador
Polo Sul

Considerando o modelo de propagação da luz em que os raios de

sol chegam à Terra retilíneos e paralelos (veja a figura), marque a

alternativa que

esse fato, de acordo com o modelo considerado. *a) A densidade de raios solares que chegam à Terra (raios por uni-

explicar

apresenta

um argumento CORRETO para

dade de área) é maior na região do Equador que nos Polos.

b)

energéticos) na região do Equador que nos Polos.

c) Não há diferença entre quantidade ou intensidade dos raios que

a Terra é mais fria na

(mais

Os raios

solares

que chegam à Terra

Equador ou

são

mais intensos

chegam

região dos Polos porque a maior parte da energia do interior do pla-

neta flui para a região do Equador.

uma distância

maior para chegar aos Polos.

d)

à região do

raios solares

aos Polos;

Os

que chegam à Terra percorrem

18

(VUNESP/FMJ-2013.1) - ALTERNATIVA: B

A tabela informa o valor da condutibilidade térmica de alguns ma-

teriais.

material

condutibilidade térmica (W/m ·K)

cobre

398

aluminio

237

ferro

80,3

vidro

0,86

madeira

0,14

ar

0,026

De acordo com a tabela, o material que melhor evita a condução de calor é

a)

*b) o ar.

c)

d)

e)

o alumínio.

a madeira.

o ferro.

o cobre.