P. 1
Caderno de Leitura - Textos 2º C

Caderno de Leitura - Textos 2º C

|Views: 4.530|Likes:
Publicado porFilipa Albuquerque
caderno de leitura com os textos trabalhados na aula do 2º ano C da EB1 Frei Luís de Sousa - Actualizado a 31 de Janeiro de 2011
caderno de leitura com os textos trabalhados na aula do 2º ano C da EB1 Frei Luís de Sousa - Actualizado a 31 de Janeiro de 2011

More info:

Published by: Filipa Albuquerque on Jan 30, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/24/2013

pdf

text

original

Caderno de Leitura

Livro de leitura do 2º C

Textos da Turma

Índice
N.º do N.º do Texto Texto Texto 1 Texto 2 Texto 3 Texto 4 Texto 5 Texto 6 Texto 7 Texto 8 Texto 9 Texto 10 Nome do Texto Nome do Texto Data 14 Setembro 16 de Setembro 28 de Setembro 29 de Setembro 06 de Outubro 18 de Outubro 06 de Novembro 17 de Novembro 07 de Janeiro 18 de Janeiro

As Férias do Tiago (Tiago) As Férias no Parque Verde (Margarida) As Regras de Funcionamento da Sala de Aula A escola Ucraniana da Vlada (Vladyslava) A visita ao Oceanário de Lisboa (Francisco) A Aventura dos Piratas (Pedro) Gigões e Anantes (Texto de Autor) A Leonor Nasceu ( Bruna) O Ano Novo na Benedita(Carolina) A minha manhã (Frederico)

Índice
N.º do Texto Texto 11 Texto 12 Texto 13 Texto 14 Texto 15 Texto 16 Texto 17 Texto 18 Texto 19 Texto 20 Nome do Texto Data

Texto n.º 1

As Férias do Tiago
Nas férias eu fui à serra. Eu brinquei com a minha amiga Maria e com o meu amigo Francisco. Diverti-me muito e gostei de brincar com a minha prima. Também fui para Castelo Branco à piscina-praia.

Tiago Mateus 14 / 09 / 2010

Texto n.º 2

As Férias no Parque Verde
Eu fui ao parque Verde com a minha mana e gostei muito de ir à piscina. Também fui à praia da Junta da Sé e também gostei muito de ir a Sintra, no Domingo, com os meus pais e com a minha irmã.
Margarida Coelho 16 / 09 / 2010

Texto n.º 3

As Regras de funcionamento da nossa Sala de Aula
•Não balançar as cadeiras porque
podemos cair. • Ser amigo dos colegas e brincar com todos. • Nunca desistir do trabalho. •Não deitar lixo para o chão e manter a escola limpa. •Não distrair os colegas. •Pedir autorização para ir à casa de banho. • Não tirar o material aos colegas. •Tentar fazer sempre melhor. •Brincar só no intervalo. •Pôr a mão aberta no ar quando precisamos de mais silêncio.

•Não bater nos colegas. •Ajudar os colegas. •Respeitar todas as pessoas da

escola. •Não mentir a ninguém. Devemos dizer sempre a verdade. •Pôr o dedo no ar para pedir a palavra. •Respeitar os horários da escola. •Estar sempre atento nas aulas. •Não gritar na sala de aula. •Não chamar nomes a ninguém. •Não interromper quando alguém está a falar.
Trabalho colectivo 20 / 09 / 10

Texto n.º 4

A Escola Ucraniana da Vlada
Eu fui à escola da Ucrânia e a professora deu-me 4 livros. Vou à escola ucraniana todos os sábados. A minha escola é enorme, mas ainda está em construção. A sala é grande, bonita e gira. Na minha sala existem 17 colegas. Na nossa turma somos todos amigos. A minha professora de ucraniano chama-se Vera. Ela é querida e gira. Na primeira aula a professora levou um coelho pintado numa folha. Eu gosto muito da minha professora e da minha escola nova.
Vladyslava Tkachuk
(Texto melhorado colectivamente)

28 / 09 / 2010

Texto n.º 5

A Visita ao Oceanário de Lisboa
Em Agosto, num dia fantástico de sol, fui com os meus pais e com o meu amigo Ricardo ao Oceanário de Lisboa. Eu fui de carro, porque o Oceanário fica na zona da Expo98, longe de casa. Eu gostei de toda a visita. À entrada vi os tubarões. Eram todos de tamanho médio. Vi o tubarão martelo e vi os mergulhadores que estavam a dar de comer aos tubarões. Os tubarões comeram lulas. Também vi outros animais marinhos. Vi os pinguins, vi alforrecas e vi peixes palhaço num aquário sozinhos. Gostei especialmente de ver os tubarões, as mantas e o Eusébio - a lontra. A parceira do Eusébio era uma lontra chamada Amália, mas já tinha morrido. As mantas eram espalmadas e da cor da terra. Eram muito bonitas. Foi um dia muito divertido que de certeza vou repetir.
João Francisco Texto melhorado colectivamento 06/ 10 / 2010

Texto n.º 6

A Aventura dos Piratas
Era uma vez dois piratas mal dispostos e gordos como a lua cheia, que andavam a navegar numa jangada ao largo do mar das Caraíbas, quando viram, através do seu monóculo, um tesouro a boiar no belo mar azul. Quando iam deitar mãos ao tesouro apareceu um polvo gigante que também queria ficar com ele. Os piratas atiraram-se ao polvo com todas as suas espadas e o polvo respondeu com os seus 8 tentáculos. Eles lutaram, e lutaram até que um dos piratas atirou uma escada para a cabeça do polvo. O polvo ficou preso na escada e começou a deitar tinta preta por todos os lados, para tentar fugir. Finalmente, conseguiu libertar-se e os piratas ficaram com o tesouro. Ao abrirem o tesouro descobriram dois diamantes, um rubi, uma esmeralda e melhor que tudo, uma garrafa de rum.
Pedro Lima de Carvalho Texto melhorado colectivamento 18/ 10 / 2010

Texto n.º 7

Gigões e Anantes
Gigões são anantes muito grandes. Anantes são gigões muito pequenos. Os gigões diferem dos anantes porque uns são um bocado mais, outros são um bocado menos. Só havia uma maneira de os distinguir: era chegar ao pé deles e perguntar: Mas eram tão grandes que não se podia lá chegar!

E nunca se sabia se estavam a mentir! Era uma vez um gigão tão grande, tão Então a Ana como não podia resolver o problema arranjou uma teoria: grande, que não cabia. – Em quê? – O gigão era xixanava com eles e o que ficava xubiante ou ximbimpante era o gigão, tão grande que nem se sabia em que é que ele não e o anante fingia que não. cabia! Mas havia um anante ainda maior que o A teoria nunca falhava porque era toda com palavras que só a Ana sabia. gigão, e esse nem se sabia se ele cabia ou não. E como eram palavras de toda a confiança só queriam dizer o que a Ana queria.
MANUEL ANTÓNIO PINA in O Telepuqê e outras histórias

Texto n.º 8

A Leonor Nasceu
No hospital nasceu a minha irmã chamada Leonor. Nasceu no dia 10 de Novembro às 10 horas da manhã. Ela é bonita e gira. É muito fofinha e rebola. A Leonor tem os olhos castanhos, mede aproximadamente 25 cm e tem pouco cabelo castanho. A mãe diz que ela tem um buraquinho na cabeça e que é mole. Eu fui visitá-la todos os dias. Num dos dias apareceu uma doença que lhe pôs a pele amarela! Ela estava no quarto 204, cama 3. Esteve numa máquina muito grande que tinha luzes azuis e que se chamava incubadora. felizmente ficou boa e no dia 15 de Novembro foi para casa. Agora dorme no meu quarto na cama-gaveta, mesmo ao meu lado. Ela parece um ratinho a dormir. Adoro a minha mana Leonor!
Bruna Costa (Texto trabalhado colectivamente) 17 / 11 / 10

Texto n.º 9

O Ano Novo na Benedita
Eu passei o Ano Novo em casa dos meus avós, na Benedita, com os meus pais, os meus avós paternos, a tia, o tio, a minha prima e a minha mana Raquel. Também brinquei com a minha prima e a mana na tenda “Joaninha”. A tenda é vermelha com bolinhas brancas. Estivemos lá dentro a pintar bonecas no papel. À noite, fui para o jardim e toquei pratos. Desejei feliz ano novo à minha família. Vimos as horas na televisão e os adultos beberam champanhe. Eu não gostei de estar na Benedita porque havia moscas no candeeiro que estavam sempre a voar por cima de mim. Também estava frio, por isso tive que dormir de meias!
Carolina Carreira
(Texto trabalhado colectivamente) 07 / 01 / 11

Texto n.º 10
Eu acordo às 8 horas da manhã e é a mãe que me acorda. Eu lavo os dentes, vou à casa de banho e depois visto-me e vou para a escola. Eu bebo leite de manhã e é o pai que arranja o pequeno almoço. Depois, é a mãe que me leva o leite. De manhã também vejo televisão. Habitualmente vejo a “Sic K”. Hoje estive a ver o “Hot Wheels” e o “Stuart Little”. Eu vou de carro para a escola com os meus pais e com o meu amigo Tomás. A marca do carro dos meus pais é um Opel. Quando chego à porta da escola, fico à espera que toque dentro do carro. Aí vejo árvores e muitas pessoas. Costumo ver o David, a Nádia, a Alice e, às vezes, vejo a professora Filipa chegar. Eu gosto da minha manhã. Fredrico
(Texto original) 18 / 01 / 11

A minha manhã

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->