ADRIANO JOSÉ DA SILVA SANTOS

APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS - EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE BUCAL PARA ALUNOS DO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA MUNICIPAL DEODATO DE OLIVEIRA EM GOIANÉSIA - GO

GOIÂNIA 2010
1

GOIÂNIA 2010 2 .GO Plano de Trabalho apresentado como requisito para execução e elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso junto à Especialização em Tecnologias Aplicadas ao Ensino de Biologia modalidade a Distância do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Goiás. Orientador: Prof. Ms.ADRIANO JOSÉ DA SILVA SANTOS APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS .EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE BUCAL PARA ALUNOS DO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA MUNICIPAL DEODATO DE OLIVEIRA EM GOIANÉSIA . Marcus Vinícius Paiva de Oliveira.

LINHA DE PESQUISA E ORIENTAÇÃO ÁREA: AÇÕES EDUCACIONAIS NA PROMOÇÃO DA SAÚDE LINHA DE PESQUISA: USO DE METODOLOGIAS ATIVAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS (PROGRAMA DE SAÚDE). Ms. ESPECIFICAÇÕES DE ÁREA. EM SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADOR (A) DE ÁREA: PROF. DADOS CADASTRAIS ALUNO (A): ADRIANO JOSÉ DA SILVA SANTOS GRADUAÇÃO: PEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO: TÉCNOLOGIAS APLICADAS AO ENSINO DA BIOLOGIA PÓLO: GOIANÉSIA ENDEREÇO: RUA 37. IES: PUC CEL: ------ 3 . nº 354.COM 62 8487-3759 2. BAIRRO SANTA LUZIA CIDADE: UF: GOIANÉSIA GO e-mail: TEL: AJHUSS@MSN.ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS APLICADAS AO ENSINO DE BIOLOGIA MÓDULO II TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE TRABALHO 1. MARCUS VINÍCIUS PAIVA DE OLIVEIRA ORIENTADOR (A): MARCUS VINÍCIUS PAIVA DE OLIVEIRA OUTROS PARTICIPANTES: TÍTULO: Ms.

Será feita ainda a sistematização da aprendizagem pelo Método de Charles Maguerez. com os quais os alunos reunidos em grupos de até 4 participantes vão discutir e propor soluções para os problemas analisados no estudo. relatos e esquemas visuais.3. 4 . dessa forma elevar o conhecimento acerca da saúde bucal através das cinco etapas da Teoria da Problematização. Para compreender o problema e propor solução foi escolhida a metodologia de Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) e estudo de caso. e. tais como: o bem-estar físico e o equilíbrio emocional (Maya. EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE BUCAL PARA ALUNOS DO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA MUNICIPAL DEODATO DE OLIVEIRA EM GOIANÉSIA RESUMO: Saúde e Educação foram asseguradas na Declaração Universal do Direitos Humanos. esta compreende variáveis. Constatou-se alta frequência de queixas quanto a saúde bucal “Cárie”. 1984. com fotos. A finalização desse processo será com a construção coletiva de um painel que demonstre todos os conhecimentos socializados entre os alunos sobre a temática higienização bucal. Palavras – Chave: ABP. por ela ser centrada no aluno e possibilitar a valorização dos saberes individuais e construções coletivas de conhecimento o que faz do aluno o protagonista da própria aprendizagem. p. Elenca pontos-chaves em relação a saúde bucal e promove a exposição do problema “Cárie”. Educação. DESCRIÇÕES DO PROJETO Título provisório: APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS. Cárie. Qualidade de Vida. Saúde. Essa compreensão instigou a análise do cotidiano escolar a procura de fatos que prejudicassem diretamente a qualidade de vida do aluno. As duas temáticas reunidas garantem ao sujeito qualidade de vida. 2).

8 nas crianças de 12 anos. como uma das medidas de controle tem por objetivo reduzir a produção de ácidos. a incidência de cárie. que inclui a colonização de bactérias cariogênicas dos dentes. A cárie dentária em pré-escolares é uma combinação de fatores. A educação em saúde na escola não visa a manipulação do comportamento das crianças desvinculadas dos conhecimentos de Ciências Naturais.2 nos adolescentes. frequência de exposição a esses alimentos e a susceptibilidade da criança. 1997). 2000. perdidos ou obturados por indivíduos .a proporção chega a 60% das crianças de cinco anos de idade. assim como o controle da placa bacteriana. revelou que o Brasil é o campeão mundial de cárie.8 nos idosos. tipo de alimento. A média é de 4.Introdução O Ministério da Saúde – Projeto Sorria Brasil (2005-2006). 8.tem rápido avanço conforme a faixa etária. medida pelo índice CPO número médio de dentes cariados. 24. que nos dentes permanentes. Segundo Piaget (1977) a infância corresponde a faixa etária ideal para desenvolver hábitos saudáveis e para participação em programas educativo/preventivos de saúde bucal. com cárie dentária . NACAO et al. Fonte: Ministério da Saúde – Programa de Saúde Bucal (2006). Uma vez que em parte o aprendizado da criança se dá também por meio da observação do comportamento. VARVERI e BELLAGAMBA. e isso ajuda que o aluno 5 . 2001. que se desprende precocemente.1 nos adultos e 37. Todo programa de controle da dieta deve estar unido ao ensino de higiene bucal. E. 1986). O risco de cárie é maior se os açucares forem consumidos em alta frequência (TINANOFF e PALMER. aplicação de fluoretos e reforço permanente da tarefa educativa (LOVEREN e DUGGAL. Quase 38% das crianças de 18 a 36 meses apresentam pelo menos um dente decíduo. mantendo os níveis de pH mais altos da placa e favorecendo a inibição do fenômeno de desmineralização e ativação a remineralização (FIGUEIREDO e FALSTER. A redução de cárie (“infecção”) é efetiva através do flúor que.

Os dados do Programa indicam que aos 12 anos. em média. mais de 6 dentes. sendo 80 deles distribuídos em duas turmas do 4º ano do ensino fundamental.prática. Proposta A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera como “aceitável” até 3 dentes atingidos por cárie nesta idade e considera que o fator “Cárie” está associada. tendo como ponto de partida a realidade social.teoria . a cárie dentária é um problema de saúde pública que atinge praticamente toda a população brasileira. Segundo o relatório do Programa Brasil Sorridente (2003). (PCN. 1 Sistema Único de Saúde – SUS é um dos maiores sistemas públicos de saúde do mundo. integra o sistema básico de ensino do município de Goianésia.ação. Para facilitar o processo de ensino e aprendizagem em educação em saúde será utilizado o método do Arco de Charles Maguerez que possibilita que os alunos exercitem a cadeia dialética de ação . Criado em 1988 pela Constituição Federal Brasileira para ser o sistema de saúde do Brasil. ou seja. O restante dos alunos (20) moram na zona rural. Os alunos do 4º ano em sua maioria residem na área urbana correspondendo a 75%.reflexão . que atualmente possui 200 (duzentos) alunos matriculados e frequentes. a relação prática . e/ou extração). a fluoretação da água (alta relevância). Ciências Naturais – 1996). A saúde bucal no município de Goianésia vive a realidade caracterizada pelo SUS 1. estão atingidos pela doença. Discussão e Resultados esperados A Escola Municipal Deodato de Oliveira. uso de medicamentos antibióticos. obturação de dentes com cárie. e higienização bucal (escovação e uso de creme dental com flúor). ao tipo de alimentação. 6 .compreenda a si próprio como um ser físico. mental e social. que abrange o atendimento odontológico com procedimento curativos (limpeza com remoção de tártaro.

S. M. e que amarga o suco e a comida. Relato registrado dia 15 de novembro de 2010. M.O.O. são mais presentes nos alunos oriundos da zona rural.. Ele. M. que não usa pasta de dente porque o gosto é ruim. Disse que sua mãe manda que o M. demonstram que os casos de “Cárie”.M. porque sua mãe não tem dinheiro para comprar remédio e como dói muito ele não consegue estudar. M. Verificou-se também que a incidência de problemas dentários são presentes em 80% dos alunos da escola pesquisada.S. Após a aplicação da metodologia. Na escola ele disse que a professora falou para escovar na hora que acorda. Verificação de hipóteses.S. no diz que sempre sente dores de dente e por isso falta às aulas. Formulação de hipótese. Como por exemplo: questionários e produção coletivas entre os alunos. 2 PSF – PROGRAMA DE SAÚDE FAMILIAR. 3. escove os dentes na hora que ele acorda. Coleta. 3 7 .O.. disse também que seus pais não compram fio dental porque é caro. Plano de Ação Será realizada a pesquisa na Escola Municipal Deodato de Oliveira seguindo o processo metodológico do PBL conforme o modelo do arco de Charles Maguerez.Os dados fornecidos pelo Programa de Saúde Familiar (PSF)2. (SMS – Goianésia/GO – 20103). 5.O. predominantemente.S.S. SMS – SECRATARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIANÉSIA – GOIÁS. disse também. Definição e eliminação do problema. disse que não gosta de escovar porque dói e sua boca sangra muito. Seleção de hipóteses. e até bate nele se não escovar. 4. será verificado a aprendizado por meio de instrumentos avaliativos.O. RELATÓRIO PSF 2010. disse ainda que seu pai usa dentadura (banguela).” Ao observar os dados obtidos é preciso definir etapas para a análise 1.O. classificação e análise crítica dos dados.S. depois do almoço e antes de ir dormir. “. 2.

capazes de provocar intencionalmente algum tipo de transformação nessa mesma realidade. Por sua vez. 1995). − Desenvolver um painel contendo todas as informações referentes ao estudo sobre higienização bucal. desta vez com mais informações. de modo que saibam sobre a importância dos cuidados com a boca e com os dentes. ultrapassa os limites do exercício intelectual. pais e professores. − Conhecer as formas de prevenção da cárie. Para o desenvolvimento dessa metodologia. por parte alunos do 4º ano. pontos chaves. Objetivos Específicos (está fora do local) − Realizar o estudo sobre a temática saúde bucal. retorna à realidade. − Favorecer o aprendizado pela metodologia ativa do PBL sobre a saúde bucal. baseada nos processos de Problematização (Berbel. Arco de Maguerez e Teoria da Problematização Bordenave e Pereira (1989) propõem um esquema chamado de Arco de Maguerez. na medida 8 .Objetivo Geral (está fora do local) Favorecer a compreensão do conceito de saúde bucal. − Conhecer quais são os agentes causadores da cárie. Tal arco parte da realidade social e após análise. teorização. levantamento de hipóteses e possíveis soluções. a Metodologia dos Desafios. As consequências deverão ser traduzidas em novas ações. hipóteses de solução e a aplicação à realidade (prática). Bordenave e Pereira (1989). no que tange a alimentação. na busca pelo máximo em saúde bucal. higienização e visitas ao odontólogo. − Conhecer sobre o assunto “Cárie” como um agente infeccioso. é necessário seguir alguns passos: observação da realidade (levantamento do problema).

3ª Etapa . III . orientado pela escolha dos aspectos característicos mais importantes para a solução do problema: os pontos-chave. I .Observação da realidade social: Nesta primeira etapa do Método da Problematização a temática sobre a higienização bucal foi apresentada aos alunos em forma de questionário. internet. 9 . jornais. 4ª Etapa .redução no consumo de alimentos pobres em açúcares. com o intuito de ampliarem seus conhecimentos sobre o assunto. 1ª Etapa . 2ª etapa . entre outros. − Confecção de Panfletos. em revistas.ingestão de alimentos saudáveis. na aula de Artes. − Análise do ambiente escolar quanto as condições ideias para a prática da higiene bucal.Teorização: Considerando que nessa etapa é introduzida a discussão teórica do assunto na qual os alunos realizaram uma grande pesquisa.Pontos-Chave: Consisti na elaboração de ponto reduzido da realidade. − Organização de uma palestra onde um odontólogo passasse todas as informações necessárias para que os pais soubessem como proceder com a correta higienização bucal. no campo de atuação de cada aluno. o que na verdade constitui em hipótese de solução ao problema observado. assim sendo: − Confecção de cartazes instrutivos a respeito das saúde bucal e higienização dos dentes.em que as decisões tomadas deverão ser executadas ou encaminhadas considerando sempre sua possível aplicação à realidade. IV . II . para serem distribuídos na escola. Nesta etapa os alunos farão atividades que eles próprios possam realizar e propor a resolução do problema.a aquisição de bons hábitos de higienização bucal.o uso de fio dental após as principais refeições.Hipóteses e Solução: aqui denominados de EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE BUCAL PARA ALUNOS DO 4º ANO.

N. D. S. N. v. Fortaleza: Expressão Gráfica. p. A.9-19. 2. jul. 1996. n. J. 1. DIMBARRE. 3. A./jun. M. FALSTER. BLEICHER. .. C. Na qual os alunos colocarão em prático o que foi proposto na 4ª etapa “Hipóteses e Solução”. esp. 10. BORDENAVE. 1989. já!. ed. 16. jan. FIGUEIREDO. n. Estratégias de ensino aprendizagem.. sinalizando sobre a correta higienização com o objetivo de que os alunos aprendam a escovar de modo eficaz sem causar lesões a gengiva pelo uso de fio dental Será aplicação real da metodologia a fim de alcançar os seguinte objetivos: Referências Bibliográficas: Apolinário. Metologia da Ciência: Filosofia e Prática da Pesquisa. Rev Odontol Univ São Paulo. Metodologia da Problematização no Ensino Superior e sua contribuição para o plano da práxis Semina: v. p. 1995.17.com.− O registro fotográfico do ambiente escolar para a prática da higiene bucal. T. 10 . São Paulo: Editora. p. Semina: Londrina. C.. 4. Metodologia da Problematização: uma alternativa metodológica apropriada para o Ensino Superior. A..1997. Lana.23-32. WAMBIER. 2. A cárie dentária como uma doença infecciosa transmissível.169173. n. Saúde para todos. Quando o professor irá acompanhar os alunos./set. p. A influência da motivação e supervisão profissional na redução de placa bacteriana em escolares. 5ª Etapa . PEREIRA. (2006). D.br/e-livros/2172890> Acesso em: 09 outubro 2009). Rev Fac odontol Univ Passo Fundo. BERBEL. n esp.. v. ed. 2004. 2.7-17. v.Execução Efetiva: representa a adoção de uma solução e sua aplicação prática junto à realidade. Disponível em: <http://recantodasletras. n.uol. Thomson. 1996.

/ago. cap 13. GUEDES PINTO.. A Tomada de Consciência. Acesso em: 29 de novembro de 2010. J Public Health Dent. Piaget. N. 53. Educação em saúde bucal para adolescentes: inadequação de uma metodologia tradicional. et al. p... TOLEDO. Arq Odontol. Controle da dieta alimentar em pacientes de odontopediatria com alta incidência e cárie. V.econews. n. The role of diet in caries prevention. (1978). In: PINTO. C. DUGGAL.353-401. 38. S. v. L. p. P.8-20. Brasileiros comem cada vez mais e com pior qualidade. 12. n. 34. ed. Governador Alkmin recebe plano para fluoretar as águas de todos os municípios do Estado. Cárie e estado nutricional: prevalência da cárie dentária relaciona com o estado nutricional em população infantil de baixa renda. v. jul. C. 51. A. 1986. Dietary determinants of dental caries and dietary recommendations for preschools children. PAIXÃO. Análise dos hábitos de dieta em crianças por meio da utilização de diários alimentares. 4. A. abr. 60. LOVEREN. 4. P. Programa personalizado para controle de dieta. 399-406. p. M. R. L. Rev Assoc Paul Cir Dent. H.thm./fev. p. NACAO. G.. Rev Assoc Paul Cir Dent. RGO. A. 1989. 4. 34. 4. CASTILHO. J. M. jan. C. São Paulo: Ed./mar. Fazer e Compreender. – Disponível em:http://www. Campinas. Saúde bucal coletiva. C. 2003. p. RGO. H. n. jul. G. 1. n. v. n. TINANOFF. 3. 10. C. BELLAGAMBA. 1984. M. C. 6 Suppl.. PINTO. J CROSP.FONSECA. 295298. 1996. 333-338. jan. V./jun.. A. Maguerez. v.Y. São Paulo: Edições Melhoramentos e Editora da Universidade de São Paulo. Elementos para uma pedagogia de massa na assistência técnica agrícola. R. B. Prevenção da cárie dentária. n. Summer.com. (1977). O. v. v./ago. 1970. F. MAYA. 2000.br/dicionarioambiental/conceitos-q. 1. 3345. 2001. L. n. v. n. v. 93. 275-280. 37. 289301. Rev Odontol Univ São Paulo. et al. Santos. L. TAMIETTI. RODRIGUES. 4. Int Dent J. jul. 2000. S. M. RAZUK. p. p. P. /Relatório apresentado à Coordenadoria de Assistência Técnica Integral da Secretaria da Agricultora do Estado de São Paulo. Piaget./ago. CHUAN. J. M. VARVERI. R. 1999. p. E. D. H. PALMER. São Paulo: Edições Melhoramentos e Editora da Universidade de São Paulo. out. p. 1998./dez.. p. 11 . NAVARRO.. 197-209. n.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful