P. 1
Teoria Geral Dos Contratos - Resumos

Teoria Geral Dos Contratos - Resumos

|Views: 4.220|Likes:
Publicado porbrunogirao

More info:

Published by: brunogirao on Apr 30, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as ODT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/24/2013

pdf

text

original

TEORIA GERAL DOS CONTRATOS: O contrato nada mais é do que um ACORDO DE VONTADES de natureza patrimonial.

Não necessita ser feito em papel. Podendo ser firmado verbalmente, por exemplo. É um negócio jurídico. Não tem forma especial, exceto quando a LEI exigir. Natureza Jurídica do contrato: É um NEGÓCIO JURÍDICO e não um ato jurídico. E qual a diferença de Negócio Jurídico para Ato Jurídico? No negócio Jurídico eu escolho os efeitos. No Ato Jurídico, não se escolhem os efeitos que serão produzidos. O contrato é um negócio jurídico bilateral. Pressupoe um acordo de vontades. Em regra, o negócio jurídico é bilateral (contratos), mas pode haver negócio jurídico unilateral (ex. Testamento.) Casamento é um ato jurídico ou um negócio jurídico? Há uma divergência doutrinária. O entendimento majoritário é ATO JURÍDICO estritu sensu. Pois, embora se possam escolher algumas coisas (regime de comunhão de bem, por exemplo), essa é uma escolha muito reduzida. Algumas pessoas vêem o casamento como um CONTRATO. Contrato é um negócio jurídico bilateral. Classificação: Unilateral: prestação para uma das partes. Exemplo: doação de um bem. Bilateral: Contrato de compra e venda. Plurilateral: Contrato Sinalagmatico: a prestação de uma das partes é causa da prestação de outra parte. Causalidade das prestações. Exemplo, contrato de compra e venda. Um tem a obrigação de entregar um bem e o outro, entregar o preço. Todo contrato bilateral é sinalagmático. Contrato de Doação com Encargo (prestação, um ônus colocado é Unilateral ou Bilateral? É um contrato Unilateral Imperfeito. Repare que a DOAÇÃO é algo unilateral (depende de liberalidade) Exceção de Contrato não Cumprido (Exceptio non adimpleti contractus) Exceção é uma defesa. É eu alegar em minha defesa que não vou cumprir minha parte no contrato, porque a outra parte não foi cumprida. Isso ocorre nos contratos BILATERAIS ou seja, que ambas as partes possuem algum tipo de prestação. Art 476 do CC: “Nos contratos BILATERAIS nenhum dos contratantes, antes de cumprir a sua obrigação, pode exigir o implemento da do outro”. Primeiro Efeito: Em que tipo de contrato cabe alegação de Exceção de Contrato não Cumprido? No contrato Bilateral ou Sinalagmático. Em um contrato UNILATERAL cabe Exceção de Contrato não cumprido? NÃO! Por força do Art. 476 do CC. Segundo Efeito: O contrato bilateral tem uma cláusula resolutória tácita (implícita) Significa que, se uma das partes não cumpre a sua obrigação, o contrato encontra-se resolvido. (termino do contrato.)

se as partes estiverem em conluio). Entretanto. recebendo algo em troca.00. Contrato aleatório é um contrato de risco. No contrato oneroso. Se 3 sócios se comprometem. Uma prestação não é causa da outra. Se for um negócio gratuito. RESUMO: Definição: Contrato é um acordo de vontades de natureza patrimonial. o alienante não responde. adotar uma interpretação extensiva. Irresponsabilidade pela evicção e vício rebiditório nos negócios gratuitos: Quando um alienante aliena um bem. anula-se mesmo se o adquirente estiver de boa-fé. podem os outros sócios se recusarem a integralizar as suas partes? A resposta é NÃO. Aula 2 CONTRATO COMUTATIVO E ALEATÓRIO Contrato Comutativo: é aquele em que as partes podem ANTEVER os seus efeitos. Já o contrato comutativo. não se pode alegar.Terceiro Efeito: Equivalência Econômica : Deve haver o mínimo de equivalência entre as prestações. portanto não é sinalagmático. pois não há um risco . cada um a integralizar 50. Não há como antever os efeitos pois há um risco inerente ao contrato (ex: aposta junto à Caixa Econômica Federal) Contrato de Seguro é um contrato aleatório. Quando o negócio é gratuito. forma livre. Não sabemos se haverá sinistro ou não. pois não se sabe o que se vai acontecer. Se o negócio jurídico é oneroso (prestação para ambas as partes) anula-se apenas se comprovada a má-fé do adquirente (ou seja. se o negócio for gratuito. Com efeito. Natureza Jurídica do Contrato: É um negócio jurídico bilateral. ele responderá implicitamente por evicção e vícios rebiditórios. exceção de contrato não cumprido. Não são só os negócios gratuitos (doações)que podem ser anulados por fraude contra credores. buscando a FINALIDADE daquele contrato. Classificações do Contrato: Primeira Classificação: Unilateral. O contrato plurilateral não é sinalagmático. No Contrato Aleatório: as partes não conseguem antever os seus efeitos que serão produzidos.000. pois o contrato plurinateral NÃO É SINALAGMÁTICO. Bilateral e Plurilateral. a interpretação deve ser mais restrita. no contrato plurilateral. Em regra. as partes CONSEGUEM ANTEVER OS EFEITOS. esse ato poderá ser anulado pelos credores (Ação Pauliana) Ação Pauliana: Se o negócio jurídico é gratuito. deve ser feita uma interpretação mais literal. Contrato Social não é bilateral e sim plurilateral. Mesmo que eu venda os bens. Fraude contra credores: vício social inserida como defeito do negócio jurídico que torna o ato anulável. ao abrir uma firma. pois a seguradora não sabe o que vai acontecer. Se um dos sócios não integraliza essa quantia. Só tem forma especial quando a lei exigir.

Compra e venda de coisa EXPOSTA A RISCO Se eu compro. Nesse caso. um contrato aleatório (pois pode vir mais do que eu espero que venha. o contrato de compra e venda será aleatório: 1. Para responder por VÍCIO REBIDITÓRIO E POR EVICÇÃO. embora seja um contrato de COMPRA E VENDA. Compra e venda de COISA FUTURA 2. sim.intríseco. O quarto. Temos 3 tipos de contrato real. O contrato aleatório ele pode ter dois tipos: naturalmente aleatório ou acidentalmente aleatório. se tornou aleatório. no caso das laranjas. podemos assumir um RISCO TOTAL ou RISCO PARCIAL: Podemos assumir um risco na EXISTÊNCIA (mesmo que não exista. Quando se compra uma COISA FUTURA.) ou risco na QUANTIDADE (fica protegido contra o total insucesso). naquele caso. portanto de um contrato aleatório. há divergência doutrinária: Contrato de mútuo: emprestimo de bem fungível Contrato de Comodato: empréstimo de bem infungível. (Seguro. de compra e venda de coisa FUTURA. jogo e aposta) Acidentalmente aleatório: atipicamente aleatório. Nos contratos aleatórios há irresponsabilidade por evicção e vícios rebibitórios. este não fará juz ao preço. pode vir menos. pode dar uma praga e não vir nada. Naturalmente aleatório: tipicamente aleatório. o contratante está protegido contra o total insucesso. por exemplo uma safra de laranjas que ainda será colhida. risco total. O contrato também deve ser comutativo. estou comprado uma “coisa futura”. É um contrato que naturalmente é comutativo mas. (Art 458) Emptio Rei Esperatae (Venda de coisa esperada) Risco de quantidade. etc. E duas circunstâncias específicas. eu tenho que pagar o produtor. Contrato de Depósito: Contrato Estimatório (divergência doutrinária): Venda em consignação. Empitio Spei (Venda de Esperança) – Contrato de coisa futura. No RISCO TOTAL.) Trata-se. assumimos um risco. . pois assumi um risco de existência – risco total. No contrato aleatório assume-se o risco. (Art. mesmo que a safra não de sequer nenhuma laranja. se houver dolo ou culpa do contratato pelo insucesso.ou seja. 459) CONTRATO CONSENSUAL É formado pelo acordo de vontade das partes ( é a regra dos contratos) CONTRATO REAL É aquele que se forma com a tradição (entrega) do bem. por uma circunstância acidental específica. Agora. não basta o contrato ser oneroso. No RISCO PARCIAL. Exemplo: Compra e Venda. não será um contrato comutativo e. Está se assumindo o risco. por exemplo.

.Parei na aula 2. parte 3 Nem sempre o contrato é formado por um ACORDO entre as partes.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->