Você está na página 1de 12

´

´

UNIVERSIDADE TECNOL OGICA FEDERAL DO PARAN A

˜

ENGENHARIA DE COMPUTA¸C AO

ANTONIO LAZARO DE REZENDE NETO

ˆ

ELETR ONICA GERAL 2

´

RELAT ORIO 3

Curitiba, 2012

´

SUM ARIO

1 Introdu¸c˜ao

3

2 Objetivos Gerais

 

3

3 Experimento 1

 

4

3.1 Objetivo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4

3.2 Projeto

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4

3.2.1

Componentes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4

3.2.2

Esquem´aticos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4

3.3 Resultados Obtidos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4

3.4 Descri¸c˜ao do Projeto

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5

3.5 Descri¸c˜ao do Ensaio

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

6

3.6 Conclus˜ao

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

6

4 Experimento 2

 

7

4.1 Objetivo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

4.2 Projeto

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

4.2.1

Componentes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

8

4.2.2

Esquem´aticos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

8

4.3 Resultados Obtidos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

9

4.4 Descri¸c˜ao do Projeto

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

4.5 Descri¸c˜ao do Ensaio

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

4.6 Conclus˜ao

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

1

Introdu¸c˜ao

Nenhum amplificador ´e ideal, ou seja, nenhum amplificador ´e perfeitamente li- near, o que vale dizer que a forma de sa´ıda nunca ´e uma exata reprodu¸c˜ao em escala da forma de onda da tens˜ao de entrada. Por mais que fosse totalmente linear, uma de- terminada varia¸c˜ao nas caracter´ısticas do transistor como o ponto de opera¸c˜ao C.C e a temperatura reflete em uma varia¸c˜ao no ganho de tens˜ao. Essa e outras limita¸c˜oes de um amplificador podem ser reduzidas a um m´ınimo pela aplica¸c˜ao de realimenta¸c˜ao negativa ao amplificador. (Searle, Princ´ıpios de Eletrˆonica, vol3, 1974). Algumas propriedades b´asicas da realimenta¸c˜ao negativa:

Redu¸c˜ao do ganho;

Estabiliza¸c˜ao do ganho;

Efeito sobre os ru´ıdos;

Efeito sobre a distor¸c˜ao;

Amplia¸c˜ao da faixa de resposta do sistema;

Altera¸c˜ao das impedˆancias de entrada e sa´ıda.

As 4 topologias poss´ıveis s˜ao:

Realimenta¸c˜ao S´erie de Tens˜ao;

Realimenta¸c˜ao S´erie de Corrente;

Realimenta¸c˜ao Paralelo de Tens˜ao;

Realimenta¸c˜ao Paralelo de Corrente;

2 Objetivos Gerais

Nessa pr´atica o objetivo foi a an´alise das propriedades b´asicas dos amplificadores realimentados, verificando como um sistema realimentado negativamente reage a certo sinal de entrada.

3

Experimento 1

3.1 Objetivo

Nessa experiˆencia, o objetivo foi analise de um sistema composto por um ampli- ficador operacional 741 em s´erie com uma conex˜ao par complementar de transistores.

3.2 Projeto

Para esse sistema, uma chave com duas posi¸c˜oes alterna entre dois pontos, vari- ando a realimenta¸c˜ao ligada na entrada do AmpOp. A realimenta¸c˜ao pode vir do ponto 2, que ´e a pr´opria sa´ıda do AmpOp ou do ponto 1, que ´e ligado a sa´ıda do par complementar de transistores.

3.2.1 Componentes

Resistores;

AmpOp 741;

Potenciˆometro;

Transistor bipolar BC546;

Transistor bipolar BC556.

3.2.2 Esquem´aticos

3.3 Resultados Obtidos

Vp-p

pot=1k

pot=100ohms

 

Ponto 2

3,12

25,2

RL

2,56

22

Vp-p

pot=1k

pot = 750ohms

pot=500ohms

pot=300ohms

pot=100ohms

Ponto 2

3

5,12

7,88

14

26,8

RL

2,8

3,96

6,2

10,8

26

A forma de onda obtida nesses dois ensaios podem ser comparadas com as duas figuras seguintes. Para a tens˜ao na sa´ıda do ampOp veja canal 1 e para a tens˜ao no RL canal 2 do oscilosc´opio.

Figura 1: Esquem´atico do circuito Figura 2: Chave no ponto 2 3.4 Descri¸c˜ao do Projeto

Figura 1: Esquem´atico do circuito

Figura 1: Esquem´atico do circuito Figura 2: Chave no ponto 2 3.4 Descri¸c˜ao do Projeto Esse

Figura 2: Chave no ponto 2

3.4 Descri¸c˜ao do Projeto

Esse experimento consta na folha do relat´orio 3. Nesse esquem´atico tem-se um ampOp 741 em s´erie com um par complementar de transistores (BC546, BC556). Para se fazer a an´alise com duas formas de realimenta¸c˜ao negativas foi utilizado uma chave que alterna entre os pontos 1 e 2, sendo esses pontos representados por:

PONTO 1: A realimenta¸c˜ao do ampOp ´e feita a partir da tens˜ao de sa´ıda do sistema, ou seja a tens˜ao sobre RL (sa´ıda do par complementar). PONTO 2: A realimenta¸c˜ao do ampOp ´e feita a partir da sua pr´opria sa´ıda.

Figura 3: Chave no ponto 1 3.5 Descri¸c˜ao do Ensaio Para o ensaio 1 analisou-se

Figura 3: Chave no ponto 1

3.5 Descri¸c˜ao do Ensaio

Para o ensaio 1 analisou-se a tens˜ao sobre o ponto 2 e sobre RL com dois valores para o potenciˆometro (1Kohm e 100ohms ) disposto na entrada inversora do 741. Para o ensaio 2 analisou-se, tamb´em, a tens˜ao sobre o ponto 2 e sobre RL com valores para o potenciˆometro variando de 100ohms – 1Kohm.

3.6 Conclus˜ao

Para esse experimento pode-se comprovar que a medida que a resistˆencia do potenciˆometro aumenta o ganho do ampOp e consecutivamente sobre a sa´ıda do sistema diminuem, obedecendo a formula do ganho do ampOp para realimenta¸c˜ao negativa G= Vo/Vi = 1 + R2(10Kohm)/R1(potenciˆometro). Portanto, mais importante que isso foi poder observar, a partir das Figuras 2 e 3 a diferen¸ca significativa do sinal de sa´ıda sobre RL. Para o caso do ponto 2 o sinal sobre RL aparece bastante distorcido. Observando o canal 2 na Figura 4 observa-se uma sen´oide distorcida, representando a n˜ao linearidade dos transistores para tens˜oes pr´oximas a tens˜ao de jun¸c˜ao base-emissor dos mesmos. Na Figura 3 observou-se que mudando a chave para a posi¸c˜ao 1 e assim realimentando o amplificador foi not´oria a melhora na qualidade de resposta do circuito, mostrando os efeitos da realimenta¸c˜ao sobre a distor¸c˜ao.

Figura 4: Amplia¸c˜ao da Figura 2 4 Experimento 2 4.1 Objetivo Para esse experimento o

Figura 4: Amplia¸c˜ao da Figura 2

4 Experimento 2

4.1 Objetivo

Para esse experimento o objetivo ´e analisar a impedˆancia de entrada, sa´ıda, ganho

de tens˜ao e resposta em frequˆencia de um amplificador em cascata com dois transistores.

Comparar os dados obtidos com a realimenta¸c˜ao e sem a realimenta¸c˜ao (sem alterar a

carga que o elo de realimenta¸c˜ao oferece ao sistema).

4.2 Projeto

Esse projeto consiste de dois transistores bipolares associados na configura¸c˜ao

emissor-comum. Trata-se de um TBJnpn e outro pnp. Esse circuito ´e realimentado sob

uma topologia de s´erie de tens˜ao cujo ganho ´e 10.

Polariza¸c˜ao:

Pr´aticos

Te´oricos

Erro

Vce1

2,23

2,09

6,698

Ic1

2,99

2,92

2,397

Vbe1

0,66

 

0,7

5,714

Vbe2

3,45

1,52

126,9737

Ic2

3,92

4,18

6,22

Vbe2

0,62

˜

0,7

11,42857

S/ REALIMENTA¸C AO (com carga equivalente):

Impedˆancia de sa´ıda: 1,22Kohms

˜

C/ REALIMENTA¸C AO: Impedˆancia de entrada: 13Kohms Impedˆancia de sa´ıda:

1,3 Kohms

4.2.1 Componentes

Resistores;

Capacitores;

Transistor BC546;

Transistor BC556;

4.2.2 Esquem´aticos

Capacitores; • Transistor BC546; • Transistor BC556; 4.2.2 Esquem´aticos Figura 5: Circuito com realimenta¸c˜ao

Figura 5: Circuito com realimenta¸c˜ao

Figura 6: Circuito sem realimenta¸c˜ao, mas, sem alterar a carga que o elo de realimenta¸c˜ao

Figura 6: Circuito sem realimenta¸c˜ao, mas, sem alterar a carga que o elo de realimenta¸c˜ao oferece ao sistema

4.3 Resultados Obtidos

˜

S/ REALIMENTA¸C AO, mas com carga de realimenta¸c˜ao equivalente.

freq Hz

Vi

Vo

Av

15

21,90

92,64

4,23

22

32,00

226,33

7,07

30

32,00

252,64

7,89

corte inf.

50

32,84

294,75

8,97

100

32,84

345,28

10,51

300

32,00

320,01

10

500

32,00

311,59

9,74

1000

32,00

378,96

11,84

10000

32,00

370,54

11,58

30000

32,74

370,54

11,28

100000

32,74

370,54

11,28

300000

32,74

353,7

10,5

500000

37,05

353,7

9,55

700000

38,74

303,17

7,83

1000000

38,74

286,33

7,39

1100000

38,74

277,91

7,1939

corte sup.

1200000

38,74

269,49

6,96

C/ Realimenta¸c˜ao

freq Hz

Vi

Vo

Av

10

26,4

64

2,42

25

30,4

148

4,87

42

30,4

208

6,84

corte inf

45

30,4

211

6,94

100

30,4

280

9,21

300

30,4

304

10

500

30,4

296

9,74

1000

30,4

304

10

10000

31,2

304

9,74

30000

30,4

304

10

100000

32

304

9,5

300000

33,6

304

9,05

500000

33,6

296

8,81

700000

36,8

288

7,83

850000

36,8

280

7,61

1000000

36,8

264

7,17

corte sup.

1100000

36,8

260

7,07

4.4 Descri¸c˜ao do Projeto

Esse projeto se baseia em um amplificador em cascata com realimenta¸c˜ao na topo- logia s´erie de tens˜ao. A realimenta¸c˜ao constitui-se de um resistor somente (R12=10Kohms) que conecta a sa´ıda do BC556 no emissor do BC546. Como a amostra de sa´ıda ´e uma tens˜ao e est´a “ligando” essa tens˜ao em s´erie com a entrada a topologia ´e chamada de S´erie de Tens˜ao. Um circuito “derivado” desse da Figura 5, ilustrado na FIgura 6, ´e um circuito no qual ´e retirada a realimenta¸c˜ao, por´em o R12 (resistor de realimenta¸c˜ao) ´e colocado em s´erie com o resistor do emissor do primeiro transistor e em paralelo com o resistor de coletor do segundo, afim de manter a carga que o elo de realimenta¸c˜ao oferece ao sistema.

4.5

Descri¸c˜ao do Ensaio

Para a primeira parte do experimento, realizou-se a montagem do circuito sem a realiment¸c˜ao, por´em com a carga equivalente conectada ao circuito. Para o mesmo, obteve-se o ganho de tens˜ao equivalente com a varia¸c˜ao da frequˆencia e a resistˆencia de entrada e de sa´ıda do circuito.

Para a segunda parte do experimento realizou-se a montagem do circuito com a reali- menta¸c˜ao, e assim como na primeira parte obteve-se o ganho de tens˜ao, a resistˆencia de entrada e a resistˆencia de sa´ıda.

4.6 Conclus˜ao

Com esses dois experimentos pode-se entender melhor como funciona a realimen- ta¸c˜ao em amplificadores. No primeiro circuito, atrav´es de uma chave, pode-se simular duas situa¸c˜oes diferentes: circuito COM e SEM realimenta¸c˜ao. No segundo experimento calculou-se a resposta obtida com um circuito amplificador de dois est´agios, com transis- tores bipolares realimentado e tamb´em sem realimenta¸c˜ao, por´em com a carga equivalente gerada pela realimenta¸c˜ao.