Você está na página 1de 202

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA


DEPARTAMENTO DE PROJETO MECÂNICO

INTRODUÇÃO AO MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS


APLICADO À ANÁLISE ESTRUTURAL - EXEMPLOS COM O
PROGRAMA ANSYS

Prof. Dr. Marco Lúcio Bittencourt

CAMPINAS/SP
2007
PREFÁCIO

O objetivo deste texto é apresentar conceitos do Método de Elementos Finitos (MEF)


aplicado à análise linear de estruturas. Não se adota uma abordagem variacional do MEF
e sua aplicação a problemas de valores de contorno. Os aspectos teóricos se limitam a
um conjunto de conceitos mı́nimos para a aplicação do método. Uma breve introdução ao
software ANSYS e exemplos são apresentados para motivar o leitor no uso de um programa
de elementos finitos.
Esse material foi preparado e revisado desde 1991 e usado em cursos de graduação e ex-
tensão na UNICAMP e em outras universidades. Ao longo desse tempo, a minha visão do
MEF mudou no sentido de adotar uma abordagem variacional. Esse texto apresenta aspec-
tos nessa direção ao formular o problema de elasticidade linear usando o Princı́pio dos Tra-
balhos Virtuais. No entanto, o texto apresenta vários aspectos positivos como a introdução
das funções de interpolação através de produto tensorial. A construção das funções para
triângulos e tetraedros aqui apresentada é totalmente original. O texto também procura
separar a formulação dos problemas da sua aproximação pelo MEF. O uso de exemplos
do ANSYS permite ao leitor associar os conceitos apresentados com o uso de um pacote
comercial.
O Capı́tulo 1 apresenta uma breve introdução ao MEF procurando dar uma noção in-
tuitiva sobre aspectos do método. No Capı́tulo 2, considera-se o conceito de coeficientes de
influência para a construção das matrizes de rigidez de barras e vigas. Apresenta ainda
o processo de superposição dessas matrizes para construir a matriz de rigidez global e
a solução do sistema de equações resultante através de um método numérico. Os coefi-
cientes de influência são baseados em noções de equilı́brio e permitem introduzir aspectos
importantes do MEF de forma simples.
No Capı́tulo 3, apresenta-se uma revisão de conceitos básicos de elasticidade. Conside-
ram-se os estados de deformação e tensão para um corpo sólido, a lei de Hooke generalizada
e as equações diferenciais de equilı́brio.
No Capı́tulo 4, introduzem-se os conceitos de energia de deformação, trabalho de forças
e o PTV. Usando as equações básicas de elasticidade linear e aproximação pelo MEF,
deduz-se a equação discreta de movimento obtendo-se as expressões gerais das matrizes de
massa e rigidez e dos vetores de carregamento.
O Capı́tulo 5 apresenta o conceito de elementos finitos isoparamétricos, sistemas de
coordenadas, funções de interpolação e jacobiano. Consideram-se ainda as funções de
interpolação para elementos finitos unidimensionais. Nos Capı́tulos 6 a 7, considera-
se a construção de funções de interpolação para elementos bidimensionais (quadrados e
triângulos) e tridimensionais (cubos e tetraedros). No Capı́tulo 8, discute-se a integração
numérica para o cálculos dos coeficientes das matrizes e vetores de carregamento dos
elementos. No Capı́tulo 9, discute-se a aproximação de problemas de estado plano de
tensão e deformação e sólidos axissimétricos.
Os Apêndices apresentam uma revisão de Álgebra Linear, uma introdução ao programa
ANSYS e exemplos.
Um conjunto pequeno de referências foi empregado na preparação desse texto. O ob-
jetivo não foi apresentar uma revisão geral sobre o MEF e suas aplicações, mas procurar
introduzir de forma simples e objetiva vários conceitos fundamentais do método.

Marco L. Bittencourt (DPM/FEM/UNICAMP, e-mail: mlb@fem.unicamp.br)


Sumário

1 Introdução 1
1.1 Conceitos Básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1

2 Elementos de Barra e Viga 5


2.1 Barra submetida à Força Axial de Tração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.2 Viga em Flexão Pura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
2.3 Coeficientes de Influência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.4 Elemento de Barra Plana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.4.1 Deformação Especı́fica e Tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.4.2 Matriz de Rigidez no Sistema Global . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.5 Determinação da Equação Global . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.5.1 Decomposição de Cholesky . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
2.5.2 Aplicação do Método de Cholesky . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.5.3 Cálculo das Deformações e Tensões nos Elementos de Barra . . . . . 22
2.6 Elemento de Viga Plana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.7 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

3 Equações Básicas de Elasticidade 27


3.1 Estado Geral de Solicitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
3.2 Estado Geral de Deformação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
3.3 Deformações Térmicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
3.4 Lei de Hooke . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
3.5 Estado de Tensão num Ponto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
3.6 Equações Diferenciais de Equilı́brio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.7 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

4 Equação de Movimento 45
4.1 Trabalho e Energia de Deformação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
4.2 Identidade de Green . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
4.3 Princı́pio dos Trabalhos Virtuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
4.4 Discretização de um Sistema Contı́nuo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

i
4.5 Equação de Movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
4.6 Elemento de Barra Plana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
4.7 Elemento de Viga Plana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
4.8 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

5 Elementos Finitos Isoparamétricos 61


5.1 Sistemas de Referência Global e Local . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
5.2 Funções de Forma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
5.3 Elementos Unidimensionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
5.3.1 Elemento Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
5.3.2 Elemento Quadrático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
5.3.3 Elemento Cúbico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
5.3.4 Elemento Quártico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
5.4 Elemento Bidimensional Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
5.5 Elementos Isoparamétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
5.6 Jacobiano e Cálculo das Derivadas Globais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
5.7 Dedução da Matriz de Rigidez de Barra Plana . . . . . . . . . . . . . . . . 74
5.8 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

6 Funções de Forma para os Elementos Quadrangulares 77


6.1 Elementos Planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
6.1.1 Elemento Quadrático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
6.1.2 Elemento Cúbico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
6.1.3 Elemento Quártico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
6.2 Elementos Espaciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
6.2.1 Elemento Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
6.2.2 Elemento Quadrático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
6.2.3 Elemento Cúbico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

7 Funções de Forma para Elementos Triangulares 91


7.1 Coordenadas de Área . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
7.2 Cálculo do Jacobiano e das Derivadas Globais . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
7.3 Elementos Planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
7.3.1 Elemento Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
7.3.2 Elemento Quadrático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
7.3.3 Elemento Cúbico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
7.3.4 Elemento Quártico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
7.4 Coordenadas de Volume . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
7.5 Cálculo do Jacobiano e das Derivadas Globais . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
7.6 Elementos Espaciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
7.6.1 Tetraedro Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
7.6.2 Tetraedro Quadrático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107

ii
7.6.3 Tetraedro Cúbico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
7.7 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

8 Integração Numérica 113


8.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
8.2 Integração de Newton-Cotes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
8.3 Quadratura de Gauss-Legendre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
8.4 Exemplo de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
8.5 Integração Numérica Bidimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
8.6 Integração Numérica Tridimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
8.7 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

9 Estudo de Casos 125


9.1 Estado Plano de Tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
9.2 Estado Plano de Deformação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
9.3 Estruturas Axissimétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
9.4 Considerações sobre Elementos Finitos Isoparamétricos . . . . . . . . . . . . 137
9.4.1 Integração Numérica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
9.4.2 Cálculo de Tensões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
9.4.3 Considerações sobre o Modelamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

A Vetores e Matrizes 143


A.1 Vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
A.2 Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
A.2.1 Matriz Nula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
A.2.2 Matriz Quadrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
A.2.3 Matriz Diagonal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
A.2.4 Matriz Unitária ou Identidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
A.2.5 Matrizes Diagonais Superior e Inferior . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
A.2.6 Matriz Banda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
A.2.7 Matrizes Simétrica e Anti-simétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
A.2.8 Particionamento de uma Matriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
A.2.9 Matriz Transposta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
A.3 Operações Matriciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
A.3.1 Igualdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
A.3.2 Adição e Subtração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
A.3.3 Multiplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
A.4 Sistema de Equações Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
A.5 Problema de Autovalor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150

iii
B Introdução ao Programa ANSYS 151
B.1 Comandos do ANSYS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
B.1.1 Nós . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
B.1.2 Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
B.1.3 Tipo de Elemento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
B.1.4 Constantes Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
B.1.5 Carregamentos e Condições de Contorno . . . . . . . . . . . . . . . . 155
B.1.6 Casos de Carregamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
B.1.7 Material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
B.1.8 Sistemas de Coordenadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
B.1.9 Reordenamento dos Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
B.1.10 Tipo de Análise . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
B.1.11 Pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
B.1.12 Linhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
B.1.13 Áreas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
B.1.14 Volumes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
B.1.15 Geração de Malha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
B.2 Aplicação de Condições de Contorno ao Modelo Sólido . . . . . . . . . . . . 159
B.2.1 Seleção de Entidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
B.2.2 Comandos / . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
B.2.3 Graus de Liberdade Masters . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
B.2.4 Comandos de Visualização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
B.2.5 Pós-processador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
B.2.6 Outros Comandos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

C Exemplos Analisados pelo ANSYS 163


C.1 Estrutura Reticulada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
C.2 Deformação em Vigas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
C.3 Pórtico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
C.4 Estudo de um Eixo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
C.5 Viga - Problema de Estado Plano de Tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
C.6 Problema com Simetria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
C.7 Múltiplos Carregamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
C.8 Geração Automática de Malhas em Áreas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
C.9 Geração Automática de Malha em Volumes . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
C.10 Simetria em Volumes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
C.11 Estrutura modelada por Elementos de Placa . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186

iv
Lista de Figuras

1.1 Corpo considerado como meio contı́nuo e sua discretização em elementos


finitos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2 Superposição das matrizes dos elementos na matriz global. . . . . . . . . . . 3

2.1 Barra submetida a uma força de tração P . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6


2.2 Deformação em viga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.3 Estrutura elástica sob ação de forças F1 , . . . , Fn . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.4 Mola elástica de rigidez k. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.5 Elemento de barra plana segundo o sistema de referência local X̄. . . . . . . 11
2.6 Elemento da barra em relação ao sistema global XY . . . . . . . . . . . . . . 12
2.7 Treliça analisada estaticamente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.8 Numeração dos nós, graus de liberdade e elementos. . . . . . . . . . . . . . 15
2.9 Elemento de viga plana segundo o sistema de referência local X̄ Ȳ . . . . . . 23
2.10 Treliça do exercı́cio 2.1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.11 Treliça do exercı́cio 2.2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.12 Viga do exercı́cio 2.3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

3.1 Corpo submetido à ação de um sistema de forças externas. . . . . . . . . . . 28


3.2 Distribuição de tensão na seção transversal do corpo. . . . . . . . . . . . . . 28
3.3 Componentes de um estado geral de tensão num ponto O do corpo sólido. . 30
3.4 Elemento infinitesimal de um corpo elástico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
3.5 Plano xy do elemento infinitesimal utilizado para a determinação das de-
formações especı́ficas xx , yy e distorção γxy . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
3.6 Elemento infinitesimal submetido a um gradiente de temperatura T. . . . . 34
3.7 Corpo sólido submetido a um sistema de forças externas. . . . . . . . . . . . 38
3.8 Partes inferiores do corpo sólido obtidas pelos cortes através dos planos mm
e nn. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
3.9 Componentes de tensão no ponto O do corpo sólido. . . . . . . . . . . . . . 40
3.10 Tetraedro elementar no ponto O e suas componentes médias de tensão. . . . 40
3.11 Paralelepı́pedo elementar com suas componentes médias de tensão. . . . . . 43

4.1 Diagrama força × deslocamento para a deformação de um corpo. . . . . . . 46


4.2 Diagrama de tensão × deformação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

v
4.3 Projeção da área elementar dS sobre o plano yz. . . . . . . . . . . . . . . . 48
4.4 Meio contı́nuo discretizado por elementos finitos. . . . . . . . . . . . . . . . 52

5.1 Mapeamento entre os sistemas de referência X e ξ. . . . . . . . . . . . . . . 61


5.2 Transformação entre os sistemas de referência global e local. . . . . . . . . . 62
5.3 Transformação entre os sistemas de referência global e local utilizando
funções de forma. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
5.4 Elemento unidimensional linear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
5.5 Elemento unidimensional quadrático. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
5.6 Elemento unidimensional cúbico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
5.7 Elemento unidimensional quártico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
5.8 Elemento quadrangular linear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
5.9 Elemento lagrangeanos quadrangulares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
5.10 Elemento finitos subparamétricos, isoparamétricos e superparamétricos . . . 70
5.11 Exemplo de transformação entre os sistemas de referência local e global
utilizando as funções de forma. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
5.12 Condição para que os elementos quadrangulares linear e quadrático não
apresentem distorção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
5.13 Exercı́cio 5.2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

6.1 Elementos planos da famı́lia Serendipity. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78


6.2 Função de forma tı́pica para os nós do elementos linear. . . . . . . . . . . . 78
6.3 Elemento quadrático da famı́lia Serendipity. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
6.4 Função de forma tı́pica para os nós 5 a 8 do elemento quadrático. . . . . . . 81
6.5 Elemento quadrangular cúbico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
6.6 Função de forma tı́pica para os nós (5, 6, 9, 10) e (7, 8, 11, 12) do elemento
cúbico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
6.7 Elemento quadrangular quártico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
6.8 Função de forma tı́pica para os nós 1 a 4 e (5, 7, 11 e 13) do elemento quártico. 85
6.9 Função de forma para os nós (8, 10, 14, 16) e 17 do elemento quártico. . . . 85
6.10 Elementos espaciais linear, quadrático e cúbico. . . . . . . . . . . . . . . . . 86
6.11 Elemento espacial linear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
6.12 Elemento espacial quadrático. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
6.13 Elemento espacial de terceiro grau. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

7.1 Coordenadas de área para triângulos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92


7.2 Elementos triangulares planos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
7.3 Elemento triangular plano linear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
7.4 Funções de interpolação para o triângulo linear lagrangiano. . . . . . . . . . 96
7.5 Elemento triangular plano quadrático. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
7.6 Funções de interpolação para o triângulo quadrático lagrangiano. . . . . . . 99
7.7 Elemento triangular plano cúbico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

vi
7.8 Funções de interpolação para o triângulo cúbico lagrangiano. . . . . . . . . 101
7.9 Elemento triangular plano quártico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
7.10 Coordenadas de volume: componente L1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
7.11 Tetraedros linear, quadrático e cúbico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
7.12 Tetraedro linear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
7.13 Tetraedro quadrático. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
7.14 Tetraedro cúbico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
7.15 Exercı́cio 7.1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

8.1 Pontos igualmente espaçados para a técnica de integração de Newton-Cotes. 114


8.2 Pontos de integração para os elementos unidimensionais. . . . . . . . . . . . 115
8.3 Pontos de integração para os elementos quadrangulares planos. . . . . . . . 119
8.4 Pontos de integração para os elementos triangulares planos. . . . . . . . . . 121

9.1 Chapa sob estado plano de tensão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125


9.2 Muro de arrimo sob pressão lateral e um rolamento sob compressão. . . . . 130
9.3 Sólido axissimétrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
9.4 Componentes de deformação em coordenadas cilı́ndricas. . . . . . . . . . . . 132
9.5 Elemento infinitesimal no plano rθ. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
9.6 Plano rz para um elemento infinitesimal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
9.7 Elemento de volume infinitesimal para um sólido de revolução. . . . . . . . 137
9.8 Problema de estado plano de tensão calculado com esquemas de integração
consistente e reduzida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

A.1 Sistema cartesiano de referência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144

B.1 Módulos do programa ANSYS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

C.1 Treliça analisada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164


C.2 Viga em estudo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
C.3 Pórtico analisado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
C.4 Eixo analisado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
C.5 Sistema equivalente ao eixo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
C.6 Viga analisada com elementos de estado plano de tensão. . . . . . . . . . . 173
C.7 Chapa com furo submetida a um pressão interna uniforme. . . . . . . . . . 175
C.8 Geração automática de malha em problema plano. . . . . . . . . . . . . . . 179
C.9 Viga analisada como problema espacial utilizando cubos de oito nós. . . . . 182
C.10 Disco gerado utilizando a simetria do problema. . . . . . . . . . . . . . . . . 184
C.11 Estrututa modelada por elementos de placa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

vii
viii
Lista de Tabelas

2.1 Coordenadas nodais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16


2.2 Incidência, comprimento, área e co-senos diretores dos elementos de barra. . 16
2.3 Graus de liberdade correspondentes às linhas e colunas nas quais devem ser
superpostas as matrizes dos elementos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.4 Deformação especı́fica e tensão nos elementos da treliça analisada. . . . . . 22

5.1 Relação entre os ı́ndices a, b e c para o elemento quadrangular linear. . . . . 68

6.1 Relação entre os ı́ndices a, b e c para o elemento quadrático. . . . . . . . . . 79


6.2 Relação entre os ı́ndices a, b e c para o elemento cúbico. . . . . . . . . . . . 82
6.3 Relação entre os ı́ndices a, b e c para o elemento quártico. . . . . . . . . . . 83
6.4 Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento espacial linear. . . . . . 87
6.5 Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento espacial quadrático. . . 88
6.6 Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento espacial de terceiro grau. 89

7.1 Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento linear. . . . . . . . . . . 95


7.2 Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento quadrático. . . . . . . . 98
7.3 Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento cúbico. . . . . . . . . . . 101
7.4 Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento quártico. . . . . . . . . . 102
7.5 Relação entre os ı́ndices a, b, c, d e e para o tetraedro linear. . . . . . . . . 106
7.6 Relação entre os ı́ndices a, b, c, d e e para o tetraedro quadrático. . . . . . . 108
7.7 Relação entre os ı́ndices a, b, c, d e e para o tetraedro cúbico. . . . . . . . . 110

8.1 Coeficientes de ponderação para as fórmulas de quadratura de Newton-Cotes.114


8.2 Pontos de integração e coeficientes de ponderação para a quadratura de
Gauss-Legendre supondo um intervalo (−1, 1). . . . . . . . . . . . . . . . . 115
8.3 Ordem de integração para os elementos unidimensionais. . . . . . . . . . . . 118
8.4 Pontos de integração e coeficientes de ponderação para elementos quadran-
gulares planos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
8.5 Ordem de integração para os elementos quadrangulares planos. . . . . . . . 121
8.6 Pontos de integração e coeficientes de ponderação para elementos triangu-
lares planos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
8.7 Pontos de integração para os tetraedros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

ix
x

9.1 Ordem de integração consistente e reduzida para o cálculo da matriz de


rigidez dos elementos quadrangulares planos. . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
Capı́tulo 1

Introdução

O Método de Elementos Finitos (MEF) foi desenvolvido na década de 40 para aplicações


de Engenharia Civil. Com o trabalho de matemáticos, desenvolveu-se uma sólida base
teórica para o método. Desta forma, pode-se considerar o MEF, basicamente, como um
método numérico para a resolução de Problemas de Valor de Contorno envolvendo equações
diferenciais ordinárias e parciais e respectivas condições de contorno.
Como grande parte dos fenômenos fı́sicos de Engenharia Mecânica podem ser de-
scritos por equações diferenciais, tem-se aplicado o MEF principalmente para problemas
de Mecânica dos Fluidos, Transferência de Calor e Mecânica dos Sólidos. Ao longo deste
texto, pretende-se apresentar conceitos básicos do MEF considerando a análise linear de
estruturas mecânicas.
A partir do final da década de 60 e inı́cio da década de 70, vários programas computa-
cionais implementaram a técnica de elementos finitos. No entanto, a baixa performance
e o alto custo dos computadores não permitiu o estudo de problemas mais complexos e a
disseminação do método para um maior número de indústrias e centros de pesquisa.
No entanto, com os progressos da indústria eletrônica, tem-se diminuı́do, de forma
sensı́vel, os custos dos computadores, aumentando-se, numa proporção exponencial, a
performance das máquinas. Desta forma, tem-se verificado um aumento expressivo na
aplicação do MEF aos mais variados tipos de problemas. O ambiente ideal para a uti-
lização do MEF são as estações de trabalho, devido a elevada capacidade de processamento
numérico e recursos gráficos.
Pode-se simular o comportamento de um componente mecânico no computador, orig-
inando o conceito de protótipo eletrônico. Desta forma, pode-se otimizar o projeto deste
componente permitindo a redução de custos.

1.1 Conceitos Básicos


Para introduzir alguns conceitos básicos, considere o corpo genérico ilustrado na Figura
1.1a). Suponha que este corpo seja um meio contı́nuo. Devido a aplicação do sistema

1
2 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

F1 F1
Fn Fn

F2 F2

F3 F5 F3 F5
F4 F4

(a) (b)

Figura 1.1: Corpo considerado como meio contı́nuo e sua discretização em elementos
finitos.

de forças externas F1 , . . . , Fn , o corpo vai apresentar uma deformação caracterizada pelos


deslocamentos de seus pontos. Em geral, para determinar estes deslocamentos deve-se
resolver uma equação diferencial.
Em alguns casos, devido a geometria do corpo, não-linearidades do material e condições
de contorno, a resolução analı́tica do problema não é possı́vel. Assim, pode-se utilizar
técnicas numéricas para a obtenção de uma solução aproximada.
A idéia básica do MEF é dividir o corpo em vários subdomı́nios ou elementos finitos
e determinar a solução aproximada considerando-se apenas alguns pontos ou nós. O
conjunto nós e elementos finitos constitui a rede ou malha de elementos finitos. Obtém-se,
então, um sistema discreto como ilustrado na Figura 1.1b).
Para uma análise estática, cada elemento finito representa parte da rigidez do corpo.
Através de uma formulação adequada, é possı́vel determinar uma matriz de rigidez do
elemento [Ke ]. Esta matriz é função das propriedades geométricas e do material do corpo,
assim como das coordenadas nodais do elemento especificadas segundo um sistema de
referência adotado.
Supondo uma malha com m elementos finitos e n nós, determina-se a rigidez do corpo
(i)
pela superposição ou soma das matrizes de rigidez de cada elemento finito [Ke ] (i =
1, . . . , m) na matriz de rigidez global [K]. Esta superposição é efetuada nas linhas e colunas
de [K] correspondentes a numeração dos nós de cada elemento finito. Este processo está
ilustrado na Figura 1.2. De maneira análoga, obtém-se um vetor de carregamento externo
{f }.
1.1. CONCEITOS BÁSICOS 3

1 2
1 2 3 4 5 6 ... n

[ K(1)
e ]
1
(1)
2 [K e ]
3
4 3
4 (2)
[K e ]
3
[ K] = 5
4
6
.
(2) .
.
[K e ]
n

6 5

Figura 1.2: Superposição das matrizes dos elementos na matriz global.

Ao final, chega-se a um sistema de equações na seguinte forma,

[K]{u} = {f }

sendo {u} o vetor de incógnitas contendo os deslocamentos dos nós da malha considerada.
Aplicando-se métodos numéricos apropriados, determinam-se os deslocamentos nodais e a
partir daı́, as deformações e as tensões.
Verifica-se, então, que o MEF implica em duas aproximações, ou seja,

1. a geometria do corpo é representada pelas arestas dos elementos finitos situados no


contorno. Para geometrias mais complexas, torna-se necessário utilizar uma malha
mais refinada ao longo do contorno ou elementos com maior número de nós.

2. as grandezas de interesse, como por exemplo os deslocamentos, são obtidos apenas


para os nós. Para os demais pontos do corpo, aplicam-se funções de interpolação
a partir dos valores determinados para os nós. Assim, o MEF é tal que a solução
aproximada tende à solução analı́tica do problema quando se aumenta o número de
nós e/ou elementos finitos.

Nos próximos capı́tulos serão abordados vários conceitos do MEF. Inicialmente, es-
tudam-se estruturas reticuladas e vigas, ilustrando a obtenção da matriz de rigidez para
uma treliça. Apresentam-se as matrizes de rigidez para os elementos finitos de barra e
viga planos.
A partir daı́, discutem-se as equações básicas de elasticidade linear, os Princı́pios dos
Trabalhos Virtuais e de D’Alambert. Desta forma, torna-se possı́vel obter a equação de
movimento de um sistema mecânico, caracterizando, de forma geral, as matrizes de massa
e rigidez, assim como os vetores de carregamentos, dos elementos finitos.
4 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

Aborda-se, então, os elementos finitos isoparamétricos, funções de forma para elemen-


tos quadrangulares e triangulares e métodos para integração numérica. Discutem-se algu-
mas aplicações, tais como, estado plano de tensão, estado plano de deformação e sólidos
axissimétricos.
Nos apêndices são feitas revisões de conceitos de derivadas e álgebra linear, assim
como uma breve apresentação de algumas caracterı́sticas do programa ANSYS. Ao final
apresentam-se tópicos especiais, tais como geração automática de malhas, problemas com
simetria, integração MEF com programas de CAD (Computer Aided Design), problemas
simples de análise dinâmica através do ANSYS.
Capı́tulo 2

Elementos de Barra e Viga

Nesse capı́tulo, apresenta-se um resumo sobre os problemas de barra em tração e viga


em flexão pura. Emprega-se o conceito de coeficientes de influência de deflexão para in-
troduzir as matrizes de rigidez e flexibilidade dos elementos de mola, barra e viga. A
transformação de um elemento de barra do sistema de referência local para o global é
apresentada. Resolve-se um exemplo de uma treliça para ilustrar o processo de super-
posição dos elementos para a obtenção da matriz de rigidez e do vetor de carregamento
globais. O sistema de equações resultante é resolvido pelo método de Cholesky. Posteri-
ormente, calculam-se as deformações e tensões normais em cada elemento e discute-se o
dimensionamento das barras.

2.1 Barra submetida à Força Axial de Tração


Considere a barra da Figura 2.1 submetida à ação de uma força de tração P . A barra vai
apresentar um alongamento δ dado por

Pl
δ= (2.1)
AE
sendo

• P : força externa aplicada;

• l: comprimento da barra;

• A: área da seção transversal da barra;

• E: módulo de elasticidade longitudinal do material da barra.

A equação (2.1) pode ser escrita na forma da lei de Hooke

σ = E (2.2)

5
6 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

P
A,E

Figura 2.1: Barra submetida a uma força de tração P .

Neste caso, tem-se que tensão normal presente na barra σ é dada por

P
σ= (2.3)
A
enquanto a deformação especı́fica longitudinal  é definida por

δ
= (2.4)
l
Para efeitos de dimensionamento, impõe-se a condição que a tensão atuante na barra
seja igual a tensão admissı́vel do material. Logo,

P P
σ= = σ̄ → A = (2.5)
A σ̄
Tomando-se uma treliça qualquer, as forças nas barras podem ser determinadas através
dos métodos dos nós ou das seções. Para treliças com um grande número de barras, esta
tarefa é árdua e origina imprecisões. Este problema pode ser resolvido de forma numérica
através, por exemplo, do programa ANSYS como apresentado na Seção C.1 do Apêndice
C. Como resultados, obtém-se para cada elemento as forças atuantes nos dois nós do
elemento e a tensão.

2.2 Viga em Flexão Pura


Considere a viga ilustrada na Figura 2.2 submetida ao carregamento indicado. Devido
a ação deste carregamento, a viga vai se deformar, sendo a curva em que se transforma
o eixo inicialmente reto da viga denominada linha elástica. Assim, a cada ponto x vai
2.2. VIGA EM FLEXÃO PURA 7

P P
x

Z y
X

Figura 2.2: Deformação em viga.

corresponder uma deflexão y denominada flecha. A deformação da viga é determinada a


partir da equação da linha elástica.
A deformação causada pelo momento fletor é dada pela equação diferencial da linha
elástica

d2 y Mz
2
=− (2.6)
dx EJz

sendo

• Mz : momento fletor presente nas seções da viga;

• E: módulo de elasticidade longitudinal do material da viga;

• Jz : momento de inércia da seção transversal da viga com relação ao eixo z do sistema


de referência.

Para se determinar a linha elástica, deve-se integrar duas vezes a equação (2.6). A
primeira integral fornece a equação das rotações da seção transversal da viga com relação
ao eixo z, ou seja,

dy 0
= f (x)
dx
A segunda integral fornece a equação da linha elástica, isto é,

y = f (x)

Observa-se que a expressão do momento fletor pode ser obtida utilizando-se a notação
de Macaulay.
Para exemplificar, considere a viga ilustrada na Figura C.2 do Apêndice C. Neste caso,
as equações das rotações e da linha elástica são dadas, respectivamente, por

dy 5x2 10x x3
= − − (2.7)
dx 2EJz EJz 6EJz
8 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

5x3 5x2 x4
y= − − (2.8)
6EJz EJz 24EJz

O momento de inércia Jz e a área da seção transversal da viga são dados, respectiva-


mente, por

bh3 (15)(25)3
Jz = = = 19.531, 25 cm4 = 1, 953 × 10−4 m4
12 12

A = bh = (15)(25) = 375 cm2 = 3, 75 × 10−2 m2

Tomando-se o módulo de elasticidade do aço (E = 21 × 106 t/m2 ), tem-se que a flecha


máxima ocorre em x = 2 m e y = −0, 3414 cm.
Este mesmo problema pode ser resolvido utilizando-se o programa ANSYS como ap-
resentado na Seção C.2 do Apêndice C.

2.3 Coeficientes de Influência


Considere a estrutura elástica da Figura 2.3a) submetida à ação das forças F1 , F2 , . . . , Fn
aplicadas nos pontos 1, 2, . . . , n. Sejam δ1 , δ2 , . . . , δn os deslocamentos correspondentes.

F1 F2 ... Fi ... Fn F1 = 1

1 2 i n 1
δ1 δ2
δi δ i = ci1
δn

a) b)

Figura 2.3: Estrutura elástica sob ação de forças F1 , . . . , Fn .

O deslocamento δi apresentado do ponto i é afetado por todas as forças aplicadas.


Para uma estrutura elástica, a influência de cada força no deslocamento do ponto i pode
ser expressa pela seguinte equação

δi = ci1 F1 + ci2 F2 + . . . + cin Fn (2.9)

Por definição, ci1 é a deflexão do ponto i devido a ação de um carregamento unitário


F1 = 1 aplicado em 1, como mostrado na Figura 2.3b). Se no entanto, a força em 1 for F1 ,
então a contribuição para a deflexão δi será ci1 F1 . Analogamente, ci2 , . . . , cin especificam
como um carregamento unitário em qualquer um dos pontos influencia o deslocamento em
i. Estas constantes são denominadas coeficientes de influência de deflexão.
2.4. ELEMENTO DE BARRA PLANA 9

Tomando-se δi para todos os nós, ou seja, variando-se i (i = 1, . . . , n) na equação (2.9),


determinam-se n equações, as quais podem ser expressas na seguinte forma matricial

    



δ1 


c11 c12 . . . c1n 
 F1 

 δ2  
 
 
 c21 c22 . . . c2n 

F2 

..  =  .. .. .  .. (2.10)
.  . . . . . .. .
   

    


 δ   
n
 cn1 cn2 . . . cnn  Fn 

ou em forma compacta,

{δ} = [C]{F } (2.11)

A matriz [C] é denominada matriz de coeficientes de influência de deflexão ou matriz


de flexibilidade.
A partir de (2.11), pode-se expressar as forças em termos das deflexões, ou seja,

{F } = [C]−1 {δ} → {F } = [K]{δ} (2.12)

A matriz de rigidez [K] é a inversa da matriz dos coeficientes de influência [C]. Logo,
tem-se que,
    

 F1 
 k11 k12 . . . k1n 
 δ1 

   
 F2
 
 
 k21 k22 . . . k2n 

δ2 

..  =  .. .. ..  .. (2.13)
.  . . ... . .
   

    


 F   
n
 kn1 kn2 . . . knn  δn 

Considere o conjunto de deslocamentos δ1 = 1, δ2 = . . . = δn = 0. Substituindo em


(2.13), verifica-se que

F1 = k11 F2 = k21 ... Fn = kn1

ou seja, obtém-se a primeira coluna da matriz [K].


Estes elementos constituem-se no conjunto de forças nodais necessárias para manter o
estado de deslocamento considerado. Da mesma forma, a segunda coluna de [K] representa
as forças necessárias para manter um deslocamento unitário em 2, isto é δ2 = 1, enquanto
δ1 = δ3 = . . . = δn = 0.
Verifica-se que as matrizes [C] e [K] são simétricas. Logo,

cij = cji e kij = kji


10 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

k
F1 , u 1 F2 , u 2
X
1 2

Figura 2.4: Mola elástica de rigidez k.

2.4 Elemento de Barra Plana


A mola elástica de constante k, ilustrada na Figura 2.4, está submetida à ação das forças
F1 e F2 . Os respectivos deslocamentos nodais são u1 e u2 .
A matriz de rigidez para a mola relaciona as forças com os deslocamentos nodais.
Como são dois deslocamentos nodais, a matriz é de ordem 2. Assim, a partir da equação
(2.13), tem-se que
( ) " #( )
F1 k11 k12 u1
= (2.14)
F2 k21 k22 u2

Para obter os elementos kij , considere os seguintes estados de deslocamentos:

1. u2 = 0:
Neste caso, a força F2 torna-se uma reação ao carregamento externo F1 . Para uma
mola de rigidez k, a relação entre a força F e o deslocamento u é dada por F = ku.
Logo, para o estado de deslocamento considerado, tem-se que

F1
k= → F1 = ku1
u1

Pelo equilı́brio de forças na direção X, tem-se que


X
FX = 0 : F1 + F2 = 0 → F1 = −F2

Portanto,

F1 = −F2 = ku1 (2.15)

2. u1 = 0:
Este caso é semelhante ao anterior, sendo F2 a força aplicada e F1 a reação de apoio.
Obtém-se então

F2 = −F1 = ku2 (2.16)


2.4. ELEMENTO DE BARRA PLANA 11

Superpondo os dois estados de deslocamentos anteriores, determinam-se as seguintes


expressões
(
F1 = ku1 − ku2
F2 = −ku1 + ku2

ou em forma matricial,
( ) " #( ) ( ) " #( )
F1 k −k u1 F1 1 −1 u1
= → =k (2.17)
F2 −k k u2 F2 −1 1 u2

O elemento de barra plana, ilustrado na Figura 2.5 segundo um sistema de referência


local, possui 2 nós. Supõe-se que a área da seção transversal A e o módulo de elasticidade
longitudinal E são constantes. A relação entre força e deslocamento para uma barra é
dada por (2.1).

P1 , u 1 1 E,A 2
P2 , u
2
X
l

Figura 2.5: Elemento de barra plana segundo o sistema de referência local X̄.

Supondo que o nó 2 esteja fixo e a força P̄1 seja aplicada, vem que,

P̄1 l
ū1 =
AE

EA
Assim, a constante elástica k da mola é análoga, neste caso, ao termo l . Portanto,
a partir de (2.17) tem-se que,

( ) " #( )
P̄1 EA 1 −1 ū1
= → {P̄e } = [K̄e ]{ū} (2.18)
P̄2 l −1 1 ū2

sendo,
" #
EA 1 −1
[K̄e ] = (2.19)
l −1 1

a matriz de rigidez do elemento de barra plana segundo o sistema de referência local X̄.
12 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

2.4.1 Deformação Especı́fica e Tensão


A deformação especı́fica pode ser calculada a partir dos deslocamentos nodais do elemento
de barra. Assim, utilizando-se (2.6) vem que

δ 1
¯ = = (ū2 − ū1 )
l l

ou em forma matricial,
( )
1h i ū1
¯ = −1 1 (2.20)
l ū2

Por sua vez, a tensão no elemento de barra é dada por (2.2) e substituindo (2.20),
chega-se a seguinte expressão
( )
Eh i ū1
σ̄ = −1 1 (2.21)
l ū2

2.4.2 Matriz de Rigidez no Sistema Global


No caso geral, o sistema de referência global adotado faz com que o elemento de barra esteja
inclinado como ilustrado na Figura 2.6. Portanto, deve-se efetuar uma transformação de
coordenadas entre os sistemas local e global. Observa-se que no sistema global, cada nó
tem dois graus de liberdade indicados por ui e vi (i = 1, 2).

Y v2 X
u2

y 2
2
u2

v1
u1

y 1 θ
1
u1
X
x1 x2

Figura 2.6: Elemento da barra em relação ao sistema global XY .


2.4. ELEMENTO DE BARRA PLANA 13

O comprimento l da barra pode ser obtido a partir das coordenadas dos nós 1 e 2, ou
seja, (x1 , y1 ) e (x2 , y2 ), respectivamente. Logo,
q
l= (x2 − x1 )2 + (y2 − y1 )2

A partir da Figura 2.6, tem-se as seguintes relações trigonométricas

x2 − x1 y2 − y1
cos θ = sin θ = (2.22)
l l

Além disso, verifica-se que

ū1 = u1 cos θ + v1 sin θ


ū2 = u2 cos θ + v2 sin θ

ou em forma matricial,
 
( ) " #
 u1 


 v 
ū1 cos θ sin θ 0 0 
1
= → {ū} = [T ]{u} (2.23)
ū2 0 0 cos θ sin θ 
 u2 

 

v2 

Substituindo a relação (2.23) em (2.18), e multiplicando-se por [T ]T para manter a


simetria da matriz de rigidez, obtém-se

[T ]T [K̄e ][T ]{u} = [T ]T {P̄e } → [Ke ]{u} = {Pe }

Portanto, a matriz de rigidez [Ke ] do elemento de barra no sistema global, é expressa


por
 
cos θ 0 " #" #
 sin θ 0  EA 1 −1 cos θ sin θ 0 0
T
[Ke ] = [T ] [K̄e ][T ] = 
 
0 cos θ  l −1 1 0 0 cos θ sin θ


0 sin θ

ou seja,

c2 cs −c2 −cs
 

EA  cs s2 −cs −s2 
[Ke ] = (2.24)
 
l  −c2 −cs c2 cs 
 

−cs −s2 cs s2

sendo c = cos θ e s = sin θ dados em (2.22).


14 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

Analogamente, tem se que o vetor de carregamento {Pe }, a deformação especı́fica {}


e a tensão {σ} no sistema global são dados, respectivamente, por:
 

 cP1 

 
 sP1 
{Pe } = (2.25)



cP2 



sP2 
 

 u1 

1h  v 
i 
1
= −c −s c s (2.26)
l 


u2 



v2
 

 u1 

Eh i
 v 
1
σ= −c −s c s (2.27)
l 
 u2 

 

v2

2.5 Determinação da Equação Global


As expressões (2.24) a (2.27) permitem calcular algumas propriedades do elemento de
barra plana. Em geral, uma treliça é constituı́da de várias barras. Assim, no estudo
numérico de uma treliça, obtém-se as matrizes e vetores de carregamentos globais pela
superposição das grandezas calculadas para cada um dos elementos de barra.
Para ilustrar o processo de obtenção da equação de equilı́brio global, considere a es-
trutura reticulada mostrada na Figura 2.7. Deseja-se analisar esta treliça estaticamente
sob a ação de uma força concentrada de 1000 kgf. As barras 1 a 4 possuem área √ da seção
transversal igual a 1 cm2 , enquanto para as barras 5 e 6 têm-se uma área de 2 cm2 . O
módulo de elasticidade longitudinal do material é 21 × 105 kgf /cm2 .
Os seguintes passos devem ser adotados para a solução do problema proposto:

1. Adota-se um sistema de referência e numeram-se os nós, especificando-se as co-


ordenadas nodais indicadas na Tabela 2.1. Deve-se, então, numerar os graus de
liberdades dos nós. Observa-se, neste caso, que cada nó possui duas variáveis u e v
correspondentes aos deslocamentos nas direções globais X e Y . Este procedimento
está ilustrado na Figura 2.8.
2. Os nós de um elemento definem a sua incidência nodal. Assim, deve-se numerar
os elementos, indicando para cada um deles a sua incidência nodal. A partir daı́,
calculam-se os comprimentos das barras e os co-senos diretores definindo a orientação
de cada elemento. A Tabela 2.2 resume estas grandezas.
3. Utilizando-se a expressão (2.24) e as informações contidas na Tabela 2.2, calculam-se
as matrizes de rigidez de cada elemento como apresentado a seguir.
2.5. DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO GLOBAL 15

1000 Kgf

21 cm

21 cm

Figura 2.7: Treliça analisada estaticamente.

4 8
i
4 = grau de liberdade i
2 3 4 7

5 i = elemento i

1 3

i = no i

2 6
6
1 1 3 5
X
2

Figura 2.8: Numeração dos nós, graus de liberdade e elementos.


16 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

Numero do nó x [cm] y [cm]


1 0 0
2 0 21
3 21 0
4 21 21

Tabela 2.1: Coordenadas nodais.

Elemento Incidência l [cm] Área (cm2 ) c s


1 1-2 21 1 0 1
2 1-3 21 1 1 0
3 3-4 21 1 0 1
4 2-4 21
√ √1 √1 √0
5 2-3 21√2 √2 −√ 2/2 √2/2
6 1-4 21 2 2 2/2 2/2

Tabela 2.2: Incidência, comprimento, área e co-senos diretores dos elementos de barra.

Elementos 1 e 2 :
   
0 0 0 0 1 0 −1 0
 0 1 0 −1   0 0 0 0 
[K1 ] =   × 105 [K2 ] =   × 105
   
 0 0 0 0   −1 0 1 0 
0 −1 0 1 0 0 0 0

Elementos 3 e 4 :
   
0 0 0 0 1 0 −1 0
 0 1 0 −1   0 0 0 0 
[K3 ] =   × 105 [K4 ] =   × 105
   
 0 0 0 0   −1 0 1 0 
0 −1 0 1 0 0 0 0

Elementos 5 e 6 :
   
1 −1 −1 1 1 1 −1 −1
−1 1 1
1 −1  1 1
1 −1 −1 
 
[K5 ] =   × 105 [K6 ] =   × 105
 
 −1 1 1 −1  2  −1 −1 1 1 2
1 −1 −1 1 −1 −1 1 1

4. Para se obter a matriz de rigidez global [Kg ] da treliça basta superpor as matrizes
dos elementos de barra nas linhas e colunas correspondentes a numeração dos graus
de liberdade dos nós compartilhados pelos elementos. Assim, a Tabela 2.3 indica
2.5. DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO GLOBAL 17

Elemento Incidência Graus de Liberdade


1 1-2 1234
2 1-3 1256
3 3-4 5678
4 2-4 3478
5 2-3 3456
6 1-4 1278

Tabela 2.3: Graus de liberdade correspondentes às linhas e colunas nas quais devem ser
superpostas as matrizes dos elementos.

para cada elemento as linhas e colunas nas quais devem ser somadas as matrizes dos
elementos.
Como o número total de graus de liberdade é 8, tem-se que a matriz de rigidez global
é de ordem 8. Para exemplificar, considere a superposição da matriz do elemento 6.
As linhas e colunas da matriz de rigidez do elemento 6 são somadas aos coeficientes
da matriz global das linhas 1, 2, 7 e 8.

 
1 1 0 0 0 0 −1 −1

 1 1 0 0 0 0 −1 −1 

0 0 0 0 0 0 0 0 
 

1
 
0 0 0 0 0 0 0 0 
[Kg ] = × 105 


2 
 0 0 0 0 0 0 0 0 


 0 0 0 0 0 0 0 0 

−1 −1 0 0 0 0 1 1 
 

−1 −1 0 0 0 0 1 1

Realizando o mesmo procedimento para os demais elementos, obtém-se a seguinte


matriz de rigidez global para a estrutura da Figura 2.7.

 
3 1 0 0 −2 0 −1 −1

 1 3 0 −2 0 0 −1 −1 

0 0 3 −1 −1 1 −2 0 
 

1
 
5
 0 −2 −1 3 1 −1 0 0 
[Kg ] = × 10  
2  −2 0 −1 1 3 −1 0 0 


 0 0 1 −1 −1 3 0 −2 

−1 −1 −2 0 0 0 3 1 
 

−1 −1 0 0 0 −2 1 3

Observa-se que a matriz [Kg ] é simétrica.


18 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

5. A treliça considerada está submetida a uma força concentrada de −1000 kgf aplicada
ao grau de liberdade 8. Assim, tem-se o seguinte vetor global de forças concentradas

{Pg } = { 0 0 0 0 0 0 0 −1000 }T

6. A partir da matriz de rigidez e do vetor de carregamento globais, deve-se aplicar


as condições de contorno para os nós 1 e 2. Isto equivale a eliminação das linhas e
colunas da matriz global, assim como das linhas do vetor de carregamento, corre-
spondentes a numeração dos graus de liberdade dos nós 1 e 2, ou seja 1, 2, 3 e 4,
pois estes deslocamentos são nulos. Assim,
 
3 −1 0 0
1  −1 3 0 −2 
[Kg ] = × 105 
 
2 0 0 3 1 


0 −2 1 3

{Pg } = { 0 0 0 −1000 }T

7. Deve-se, então, resolver um sistema de equações para a obtenção dos deslocamentos


dos nós 3 e 4. Portanto,

[Kg ]{U } = {Pg }

ou em forma expandida
    
3 −1 0 0   U5 
 
 0 

1
   
 −1 3 0 −2  U6
    0 
× 105  =

2 0 0 3 1  U 0

 7
  
 
 

 
 
0 −2 1 3  U8 
−1000 

Para a solução deste sistema de equações, pode-se aplicar o método de Cholesky de-
scrito a seguir.

2.5.1 Decomposição de Cholesky


Considere o sistema de equações lineares

[A]{x} = {b}

sendo [A] uma matriz simétrica e positiva-definida de ordem n. Deseja-se encontrar a


solução {x} para este sistema, ou seja,

{x} = [A]−1 {b}


2.5. DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO GLOBAL 19

Observa-se, então, que deve-se inverter a matriz [A]. No entanto, este procedimento
apresenta, geralmente, algumas dificuldades numéricas. Assim, aplicam-se outras técnicas
de solução, tais como o método de Cholesky.
Neste caso, a matriz [A] é decomposta como o produto de uma matriz triangular
inferior [L] pela sua transposta [L]T triangular superior, ambas de ordem n. Logo,

[A]n×n = [L]n×n [L]Tn×n (2.28)

Assim,

[A]{x} = {b} → [L][L]T {x} = {b} (2.29)

Denotando-se,

{y} = [L]T {x} (2.30)

vem que

[L]{y} = {b} (2.31)

Assim, resolve-se o sistema triangular inferior (2.31) e obtém-se a solução {y} a qual
deve ser substituı́da em (2.30) para se determinar o vetor de incógnitas {x}, através da
resolução de um sistema de equações triangular inferior.
No entanto, deve-se decompor a matriz [A] na forma (2.28) para se determinar os
elementos lij . Logo,
    
a11 a12 a13 . . . a1n l11 0 0 ... 0 l11 l12 l13 . . . l1n

 a21 a22 a23 . . . a2n  
  l21 l22 0 ... 0 
 0 l22 l23 . . . l2n 

a31 a32 a33 . . . a3n l31 l32 l33 ... 0 0 0 l33 . . . l3n
    
 =  

.. .. .. ..  
.. .. .. .. 
.. .. .. . 
. . . ... . . . .
... . . . . . . . ..
    
    
an1 an2 an3 . . . ann l1n l2n l3n . . . lnn 0 0 0 . . . lnn

onde lij = lji (i, j = 1, . . . , n).


Efetuando-se o produto indicado, determinam-se os elementos lij para cada uma das
linhas da matriz [L]. Logo,

Linha 1 :
 2 √
 a11 = l11 → l11 = a11
l12 = al11

 a =l l

→ 12
12 11 12

 a13 = l11 l13 → l13 = al11
13

a1n

a1n = l11 l1n → l1n = l11

20 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

Linha 2 :
 q
2 2 2
 a22 = l12 + l22 → l22 = a22 − l12


a23 −l12 l13
 a23 = l12 l13 + l22 l23 → l23 = l22
 a =l l +l l a2n −l12 l1n
→ l2n =

2n 12 1n 22 2n l22

Linha 3 :
 q
 a33 = l2 + l2 + l2 → l33 = 2 − l2
a33 − l23
13 23 33 13
P2
a3n −l13 l1n −l23 l2n a3n − l l
r=1 r3 rn

a3n = l13 l1n + l23 l2n + l33 l3n → l3n = l33 = l33

Resumindo as expressões anteriores vem que


 h i1/2
 lii = aii − Pi−1 l2

(i = 1, . . . , n)
Pi−1r=1 ri (2.32)
 l = aij − l l
r=1 ri rj
(j = i + 1, . . . , n)

ij lii

2.5.2 Aplicação do Método de Cholesky

Para ilustrar a decomposição de Cholesky, considere o sistema de equações obtido


na Seção 2.5 reescrito da seguinte maneira
    
3 −1 0 0   U5 
 
 0 

   
 −1 3 0 −2   U
6
  0 
1, 0 × 105  =
 
0 0 3 1  U 0

 7
  
 
 

  
0 −2 1 3  U8  
−2000 

Os elementos da matriz triangular inferior [L] são determinados como


√ p
l11 = a11 = 3 × 105 = 547, 723
a12 −1, 0 × 105
l12 = = = −182, 574
l11 547, 723
q q
l22 = 2 =
a22 − l12 3 × 105 − (−182.574)2 = 516, 398
a13
l13 = =0
l11
a14
l14 = =0
l11
a23 − l12 l13 0 − (−182, 574)0
l23 = = =0
l22 516, 398
a24 − l12 l14 −2 × 105 − (−182, 574)0
l24 = = =0
l22 516, 398
2.5. DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO GLOBAL 21
q
l33 = 2 − l2 = 547, 723
a33 − l23 13
a34 − l13 l14 − l23 l24 1 × 105 − 00 − 0(−397, 298)0
l34 = = = 182, 574
l33 547, 723
q
l44 = 2 − l2 − l2 = 341, 566
a44 − l14 24 34

Resolve-se, então, o seguinte sistema de equações triangular inferior


    
547, 723 0 0 0 
 y5 
   0 

 −182, 574 516, 398 0 0  y 
    0


6
=
 
0 0 547, 723 0 y7  0
 
   
 

 
  
0 −387, 298 182, 574 341, 565 
y8 
−2000 

cuja solução é obtida por substituição a frente, ou seja,




 547, 723y5 = 0 → y5 =0

 −182, 574y5 + 516, 398y6 = 0 → y6 =0

 574, 723y 7 = 0 → y7 =0


−387, 298y6 + 182, 574y7 + 341, 565y8 = −2000 → y8 = −5, 8554

{y} = { 0 0 0 −5, 855 }T

A partir daı́, considera-se o sistema de equações triangular superior, determinando-se


{U } da seguinte forma
    
547, 723 −182, 574 0 0 
 U5 
   0 

 0 516, 398 0 −387, 298  U    0


6
=
 
0 0 547, 723 182, 574 U7  0
 
   
 

 
  
0 0 0 341, 565 
U8 
−5, 855 

ou seja,

= −17, 143 × 10−3 cm




 341, 565U8 = −5, 855 → U8
= 5, 714 × 10−3 cm

 547, 723U + 182, 574U = 0 →
7 8 U7

 516, 398U6 − 387, 298U8 = 0 → U6 = −12, 857 × 10−3 cm
= −4, 286 × 10−3 cm


547, 723U5 − 182, 574U6 = 0 → U5

Portanto, os deslocamentos do nós da treliça são dados por

{U } = 1 × 10−3 { 0 0 0 0 −4, 286 −12, 857 5, 714 −17, 143 }T


22 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

2.5.3 Cálculo das Deformações e Tensões nos Elementos de Barra

Conhecidos os deslocamentos nodais, utilizam-se as expressões (2.26) e (2.27) para


o cálculo das deformações especı́ficas e tensões nos elementos. Os valores obtidos
estão apresentados na Tabela 2.4.

Elemento Deformação Tensão


( × 10−4 ) (σ [Kgf /cm2 ])
1 0 0
2 −2, 04 −428, 57
3 −2, 04 −428, 57
4 −2, 72 −571, 43
5 2, 72 428, 57
6 −2, 72 −571, 43

Tabela 2.4: Deformação especı́fica e tensão nos elementos da treliça analisada.

Tomando-se uma tensão normal admissı́vel de σ̄ = 500 Kgf /cm2 para o aço, verifica-
se que as barras 1, 2, 3 e 5 permanecem na fase elástica, enquanto que as barras 4
e 6 necessitam de redimensionamento. As novas áreas mı́nimas para as barras 4 e 6
são determinadas calculando-se inicialmente as forças em cada barra como P = σA
e dividindo-se os valores obtidos por σ̄. Logo,

(571, 43)(1)
A4 = = 1, 14 cm2 ,
500, 00

(571, 43)( 2)
A6 = = 1, 61 cm2 .
500, 00

Como as tensões nas barras 1, 2, 3 e 5 são inferiores à tensão admissı́vel dada, as


áreas das mesmas poderiam ser diminuı́das de forma análoga. Em geral, quando se
deseja dimensionar uma treliça utilizando o MEF, emprega-se inicialmente uma área
unitária para as barras e determinam-se as áreas mı́nimas das barras utilizando o
procedimento dado pela equação anterior.

2.6 Elemento de Viga Plana

O elemento de viga, mostrado na Figura 2.9 segundo um sistema local, pode estar
submetido a esforços de flexão ao contrário do elemento de barra, no qual aplicam-se
apenas forças axiais. Neste caso, assume-se que a seção transversal é uniforme, o
eixo da viga está ao longo de uma linha reta e a rigidez de flexão é EJz .
2.6. ELEMENTO DE VIGA PLANA 23

M1 ,θ1 M2 ,θ2

1 2
X

l
F1 , v 1 F2 , v 2

Figura 2.9: Elemento de viga plana segundo o sistema de referência local X̄ Ȳ .

As forças transversais F1 , F2 e os momentos de flexão M1 , M2 estão aplicados sobre


os nós 1 e 2, originando os deslocamentos v1 e v2 e rotações θ1 e θ2 , respectivamente.
Desta forma, a matriz de rigidez da viga será de ordem 4. Logo, tem-se que
      

 F1 
 k11 k12 k13 k14 
 v1 
 " #
 v1 

     
 M1   k21 k22 k23 k24  θ 
1 [K11 ] [K12 ]  θ1 
= = (2.33)
 
 F2  k31 k32 k33 k34 v2  [K21 ] [K22 ]  v2 

      
     

M2  k41 k42 k43 k44 
θ2  
θ2

onde as submatrizes [Kij ] são de ordem 2.


Para determinar estas submatrizes, considere os seguintes estados cinemáticos:

1. v2 = θ2 = 0:
Assim, tem-se que a viga está engastada em 2. A partir da teoria de viga,
determinam-se a flecha v1 e a rotação θ1 . Logo,
F1 L3 M1 L2
v1 = −
3EJz 2EJz
F1 L2 M1 L
θ1 = − +
2EJz EJz
Pode-se expressar as forças em termos dos deslocamentos, obtendo-se a seguinte
equação matricial,
( ) " #( ) ( )
F1 EJz 12 6L v1 v1
= 3 = [K11 ] (2.34)
M1 L 6L 4L2 θ1 θ1

onde [K11 ] é uma das submatrizes da equação (2.33).


As reações de apoio em 2 são determinadas a partir das seguintes condições de
equilı́brio
24 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

(a) FY = 0 : F1 + F2 = 0
P

(b) M2 = 0 : −F1 L + M1 + M2 = 0
P

Em forma matricial,
( ) " #( )
F2 −1 0 F1
= (2.35)
M2 L −1 M1

Substituindo (2.34) em (2.35), vem que


( ) " #( ) ( )
F2 EJz −12 −6L v1 v1
= 3 = [K21 ] (2.36)
M2 L 6L 2L2 θ1 θ1

sendo [K21 ] a submatriz indicada em (2.33).


2. v1 = θ1 = 0:
Esta condição corresponde ao caso em que a viga está engastada em 1. De
forma análoga ao caso anterior, obtém-se as seguintes expressões
( ) " #( ) ( )
F2 EJz 12 −6L v2 v2
= 3 = [K22 ] (2.37)
M2 L −6L 4L2 θ2 θ2
e
( ) " #( ) ( )
F1 EJz −12 6L v2 v2
= 3 = [K12 ] (2.38)
M1 L −6L 2L2 θ2 θ2

Superpondo os dois casos de deslocamentos, determina-se a matriz de rigidez de viga


no sistema local de referência, ou seja,
 
12 6L −12 6L
EIz  6L 4L2 −6L 2L2 
[Ke ] = (2.39)
 
L3 −12 −6L 12 −6L
 
 
6L 2L2 −6L 4L2

2.7 Exercı́cios Propostos


Exercı́cio 2.1 Dimensionar a treliça ilustrada na Figura 2.10 sabendo-se que as barras
são de aço.

Exercı́cio 2.2 Considere a treliça ilustrada na Figura 2.11. Pede-se determinar as forças
em cada uma das barras usando os métodos dos nós e/ou das seções. Calcular as forças e
deslocamentos nodais usando o ANSYS. Adotar módulo de elasticidade longitudinal E =
21 × 105 Kgf /cm2 e área da seção transversal A = 1, 2 cm2 .
2.7. EXERCÍCIOS PROPOSTOS 25

100 Kgf

150 Kgf

20 cm

20 cm

Figura 2.10: Treliça do exercı́cio 2.1.

0,9m 0,9m 1,8m

1,8m

500N 900N

4000N

2,4m

Figura 2.11: Treliça do exercı́cio 2.2.


26 CAPÍTULO 2. ELEMENTOS DE BARRA E VIGA

8t 2 t/m 3t

4 t.m 2 t.m

2m 2m 4m 2m

Figura 2.12: Viga do exercı́cio 2.3.

Exercı́cio 2.3 Considere a viga da Figura 2.12 submetida ao carregamento indicado.


Pede-se traçar os diagramas da força cortante e momento fletor, assim como determinar
a linha elástica da viga. Analisar a viga no programa ANSYS e comparar os resultados
nas coordenadas nodais empregadas.
Capı́tulo 3

Equações Básicas de Elasticidade

Nesse capı́tulo, apresentam-se os estados de tensão e deformação para um meio contı́nuo


tridimensional. Considera-se ainda a lei de Hooke para materiais elásticos, lineares e
isotrópicos. As forças internas são caracterizadas pelo conceito de tensão e o estado de
tensão em cada ponto de um corpo sólido é dado pelo tensor de tensões de Cauchy, escrito
através das componentes de tensão normal e de cisalhamento. O estado de deformação
em cada ponto do corpo é também caracterizado por um tensor de deformação infinitesi-
mal, contendo as componentes de deformação normal e angular. Ao final, deduzem-se as
equações diferenciais de equilı́brio em termos de tensão para um corpo submetido a forças
de corpo e de superfı́cie.

3.1 Estado Geral de Solicitação


Considere um corpo qualquer submetido à ação de um sistema de forças externas, como
mostrado na Figura 3.1. Verifica-se que este corpo apresentará uma mudança de forma
a qual é caracterizada por uma deformação. Se as forças externas não excederem um
certo limite, que depende do material do corpo, a deformação desaparece quando as forças
deixam de atuar. Admite-se então que os corpos são perfeitamente elásticos, ou seja, que
os mesmos retornam a sua forma inicial quando deixam de se aplicar as forças externas.
Supõe-se, ainda, que o material de um corpo elástico é homogêneo e distribuı́do con-
tinuamente ao longo de seu volume. Além disso, admite-se que o material é isotrópico, ou
seja, que as propriedades elásticas são as mesmas em todas as direções.
Submetendo-se o corpo ilustrado na Figura 3.1 ao sistema de forças indicado, verifica-
se que o mesmo se deforma até que haja o equilı́brio entre as forças externas aplicadas e as
forças internas resistentes presentes no interior do corpo. Torna-se interessante determinar
a grandeza destas forças internas.
Para isso, suponha que o corpo seja dividido em duas partes através de um corte
imaginário ao longo de um plano genérico mm, e considere a parte inferior, como ilustrado
na Figura 3.2.

27
28 CAPÍTULO 3. EQUAÇÕES BÁSICAS DE ELASTICIDADE

P1 P2

P3

m m

P4

P6
P5

Figura 3.1: Corpo submetido à ação de um sistema de forças externas.

δP
δΑ

m
m n
O Z
σn T T
σzz

P4 τ zy
O O Y

τ zx
τn t

X
P6
P5

Figura 3.2: Distribuição de tensão na seção transversal do corpo.


3.1. ESTADO GERAL DE SOLICITAÇÃO 29

Sobre a parte isolada atuam as forças externas P~4 , P~5 , P~6 e uma distribuição de forças
internas, admitida contı́nua e não-uniforme, responsável pelo equilı́brio da parte isolada.
A grandeza destas forças internas é dada pelo conceito de tensão, ou seja, a força interna
resultante por unidade de área da superfı́cie considerada.
Tomando-se um ponto O pertencente à seção transversal de corte, seja δA a área da
superfı́cie elementar contendo o ponto O. Denotando-se por δP~ a resultante das forças
internas na vizinhança de O, a tensão média atuante na superfı́cie elementar δA é dada
por

δP~
T̃ =
δA
Diminuindo-se continuamente a área elementar δA, a tensão atuando no ponto O será

δP~
T~ = lim (3.1)
δA→0 δA

A tensão T~ tem a mesma direção da resultante δP~ e como mostrado na Figura 3.2
pode ser decomposta em duas componentes

• uma componente normal à superfı́cie: σn = tensão normal;

• uma componente tangente à superfı́cie: τn = tensão de cisalhamento.

Associando-se ao ponto O um sistema cartesiano de referência pode-se decompor a


tensão T~ em três componentes, ou seja,

• σzz = tensão normal atuante no plano z na direção do eixo z;

• τzx = tensão de cisalhamento atuante no plano z na direção do eixo x;

• τzy = tensão de cisalhamento atuante no plano z na direção do eixo y.

No caso mais geral de solicitação, têm-se 9 componentes de tensão presente em cada


ponto do corpo, sendo 3 em cada plano coordenado, como ilustrado na Figura 3.3.
O teorema de Cauchy estabelece que as componentes de tensão cisalhante atuantes em
planos perpendiculares entre si são iguais. Assim, em relação à Figura 3.3, tem-se que

τxy = τyx
τxz = τzx (3.2)
τyz = τzy

Portanto, necessitam-se apenas de seis componentes para descrever as tensões atuantes


num ponto de um corpo elástico solicitado por um sistema de esforços externos.
30 CAPÍTULO 3. EQUAÇÕES BÁSICAS DE ELASTICIDADE

σzz

τ zy
τ zx
τyz
τxz
σyy
τxy τyx
σxx

Y
O

Figura 3.3: Componentes de um estado geral de tensão num ponto O do corpo sólido.

3.2 Estado Geral de Deformação


No estudo da deformação de um corpo elástico, supõe-se a existência de um número
suficiente de restrições para impedir seu deslocamento como corpo rı́gido e consideram-se,
em geral, apenas pequenas deformações.
Estes pequenos deslocamentos das partı́culas de um corpo deformado serão denota-
dos pelas componentes u, v, w nas direções dos eixos cartesianos x, y, z, respectivamente.
Verifica-se que estes deslocamentos dependem da posição da partı́cula, ou seja,

u = u(x, y, z)
v = v(x, y, z) (3.3)
w = w(x, y, z)

Além disso, observa-se que estas componentes são grandezas muito pequenas variando
continuamente ao longo do volume do corpo.
Considere o corpo elástico da Figura 3.1 submetido ao sistema de forças externas indi-
cado. Toma-se, então, um elemento infinitesimal de volume ∆x ∆y ∆z, como ilustrado na
Figura 3.4, e sejam u, v, w as componentes de deslocamento do ponto P. Deseja-se deter-
minar as deformações especı́ficas  do ponto P e as distorções γ dos 3 planos cartesianos.
A Figura 3.5 apresenta o plano xy do elemento infinitesimal da Figura 3.4, juntamente
com a sua configuração deformada. A deformação especı́fica em P na direção x é dada
3.2. ESTADO GERAL DE DEFORMAÇÃO 31

∆y

∆x
∆z

Y
P Q

S R

Figura 3.4: Elemento infinitesimal de um corpo elástico.

pela seguinte expressão,

∆x0 − ∆x
xx = lim (3.4)
∆x→0 ∆x
A partir da Figura 3.5, verifica-se que

∆x0 = ∆x + u + ∆u − u = ∆x + ∆u

A variação de deslocamento ∆u é dada por

∂u
∆u = ∆x
∂x
Substituindo estas relações em (3.4) vem que
∂u
∆x + ∆u − ∆x ∆u ∆x ∂u ∂u
xx = lim = lim = lim∆x→0 ∂x = lim =
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x ∆x ∆x→0 ∂x ∂x
Analogamente, para a deformação especı́fica no ponto P na direção y

∆y 0 − ∆y
yy = lim
∆y→0 ∆y
∂v
sendo ∆y 0 = ∆y + ∆v e ∆v = ∂y ∆y. Assim,

∂v
∆y + ∆v − ∆y ∆v ∂y ∆y ∂v ∂v
yy = lim = lim = lim = lim =
∆y→0 ∆y ∆y→0 ∆y ∆y→0 ∆y ∆v→0 ∂y ∂y
32 CAPÍTULO 3. EQUAÇÕES BÁSICAS DE ELASTICIDADE

du y
Y
R’

γ S’
2
dv x
∆y’ Q’

v+ ∆ v P’ γ
1

∆ x’

S R
v
∆y

P Q

∆x

u+ ∆ u
X

Figura 3.5: Plano xy do elemento infinitesimal utilizado para a determinação das de-
formações especı́ficas xx , yy e distorção γxy .

As mesmas deduções anteriores podem ser aplicadas para se obter a deformação es-
pecı́fica zz na direção z. De forma geral, determinam-se as componentes de deformação
especı́fica no ponto P como
∂u
xx =
∂x
∂v
yy = (3.5)
∂y
∂w
zz =
∂z
Para a determinação das distorções apresentadas no plano xy, considere novamente a
Figura 3.5. Neste caso, a distorção será dada pela soma dos ângulos γ1 e γ2 indicando
respectivamente, o quanto os ângulos SP̂Q e PŜR deixaram de ser retos. Assim,

γxy = γ1 + γ2 (3.6)

Os diferenciais de u e v nas direções y e x são dados, respectivamente, por,


∂u ∂v
du = ∆y dv = ∆x
∂y ∂x
Por sua vez, as tangentes dos ângulos γ1 e γ2 são determinados a partir das expressões
∂v ∂v ∂v
∂x ∆x ∂x ∆x ∂x
tan γ1 = = = (3.7)
∆x0 ∆x + ∂u
∂x ∆x
1 + xx
3.2. ESTADO GERAL DE DEFORMAÇÃO 33

∂u ∂u ∂u
∂y ∆y ∂y ∆y ∂y
tan γ2 = = = (3.8)
∆y 0 ∆y + ∂v
∂y ∆y
1 + yy

Como as deformações são pequenas, pode-se aproximar as tangentes de γ1 e γ2 pelos


próprios ângulos, ou seja,

γ1 ≈ tan γ1 γ2 ≈ tan γ2 (3.9)

Além disso, observa-se que as deformações especı́ficas xx e yy são muito pequenas
quando comparadas com a unidade podendo ser desprezadas. Logo, a partir de (3.8) e
(3.9) vem que
∂v
γ1 = (3.10)
∂x
∂u
γ2 = (3.11)
∂y
Substituindo em (3.6) as relações (3.10) e (3.11), obtém-se a distorção total γxy
∂v ∂u
γxy = +
∂x ∂y
A mesma demonstração pode ser aplicada, de maneira análoga, para os planos xz e
yz. Portanto, de maneira geral,
∂u ∂v
γxy = +
∂y ∂x
∂u ∂w
γxz = + (3.12)
∂z ∂x
∂v ∂w
γyz = +
∂z ∂y
As seis grandezas dadas em (3.5) e (3.12) são denominadas componentes de deformação.
Pode-se escrever estas relações em forma matricial como

0 0
 
xx
 
  ∂x
 0 ∂
0 
 
yy
 
∂y
   
u

 
 
 0 ∂
0
    
 zz 
∂z
  
= ∂ ∂
 v (3.13)

 γxy  
  ∂y ∂x 0  w 

∂ ∂ 
 



 γxz 




 ∂z 0 ∂x 

γyz
 ∂ ∂
0 ∂z ∂y

ou ainda,

{} = [L]{u} (3.14)

sendo
34 CAPÍTULO 3. EQUAÇÕES BÁSICAS DE ELASTICIDADE

• {} = vetor com as componentes de deformação do ponto;

• [L] = operador diferencial;


• {u} = vetor com as componentes de deslocamento do ponto.

3.3 Deformações Térmicas


Em alguns casos, o corpo em estudo está submetido à elevadas temperaturas fazendo
surgir no seu interior tensões provenientes de efeitos térmicos. Tomando-se um elemento
infinitesimal de comprimento ∆l de um corpo elástico, sob a ação de uma variação de
temperatura T, tem-se que este elemento apresentará uma expansão caracterizada por um
novo comprimento ∆l0 tal que

∆l0 = ∆l(1 + αT )

sendo α o coeficiente de expansão térmica. Para materiais homogêneos e isotrópicos,


este coeficiente é independente da direção e posição do elemento, dependendo apenas da
temperatura.
Portanto, a deformação térmica T será dada por
∆l0 − ∆l
T = = αT (3.15)
∆l

∆l

∆ l’

Figura 3.6: Elemento infinitesimal submetido a um gradiente de temperatura T.

Assim, tomando-se um elemento infinitesimal de um corpo isotrópico sujeito a uma


variação de temperatura T , verifica-se uma expansão uniforme não ocorrendo distorções
angulares. O elemento continuará retangular surgindo apenas tensões normais, sendo nulas
as tensões de cisalhamento.
Pode-se generalizar a equação (3.15) segundo as direções x, y e z, ou seja,

Txx = αT
3.4. LEI DE HOOKE 35

Tyy = αT (3.16)

Tzz = αT

3.4 Lei de Hooke


Considere um corpo elástico submetido a um sistema de forças e uma distribuição de
temperaturas. As componentes de deformação e tensão presentes nos pontos deste corpo
podem ser relacionadas através da lei de Hooke, ou seja,
1
xx = [σxx − µ(σyy + σzz )] + αT
E
1
yy = [σyy − µ(σxx + σzz )] + αT
E
1
zz = [σzz − µ(σxx + σyy )] + αT (3.17)
E
τxy
γxy =
G
τxz
γxz =
G
τyz
γyz =
G
sendo

• µ = coeficiente de Poisson;

• E = módulo de elasticidade longitudinal do material;

• G = módulo de elasticidade transversal do material.

Observa-se que os módulos de elasticidade E e G estão relacionados da seguinte maneira

E
G= (3.18)
2(1 + µ)

As relações em (3.18) podem ser escritas na seguinte forma matricial


     
xx 1 −µ −µ 0 0 0 σxx 1 


 
 
 
 
 
yy −µ 1 −µ 0 0 0 σyy 1 

 
   
 
 

 
   
 
 

1 

     
 1 
zz
 −µ −µ 1 0 0 0  σzz  
=  +αT (3.19)
 
γxy E 0 0 0 2(1 + µ) 0 0 τxy 0 


 
    
    
 
 




 γxz 



 0 0 0 0 2(1 + µ) 0 

 τxz 






 0 



γyz 0 0 0 0 0 2(1 + µ) τyz 0
     
36 CAPÍTULO 3. EQUAÇÕES BÁSICAS DE ELASTICIDADE

Em alguns casos, torna-se interessante expressar as componentes de tensão em função


das componentes de deformação. Neste caso, obtém se a seguinte relação matricial
 
σxx 1−µ µ µ 0 0 0 xx
  

 
 
 

σyy µ 1−µ µ 0 0 0 yy

 
   

 
   

 
E µ µ 1−µ 0 0 0
    
 σzz    zz 
=  1−2µ


 τxy 
 (1 + µ)(1 − 2µ) 
 0 0 0 2 0 0 
 γxy 

  1−2µ  



 τxz 




 0 0 0 0 2 0 


 γxz 



1−2µ
τyz 0 0 0 0 0 γyz
   
2
1 
 

 
1 

 

 

EαT  1 
 
− (3.20)
1 − 2µ 


0 





 0 



0
 

Pode-se expressar a relação anterior na forma resumida

{σ} = [D]{} − αT [DT ] (3.21)

com

• {σ} = vetor com as componentes de tensão;

• {} = vetor com as componentes de deformação;

• [D] = matriz de elasticidade


 
1−µ µ µ 0 0 0
µ 1−µ µ 0 0 0
 
 
E µ µ 1−µ 0 0 0
 
 
[D] =  1−2µ

(1 + µ)(1 − 2µ) 
 0 0 0 2 0 0 

1−2µ

 0 0 0 0 2 0 

1−2µ
0 0 0 0 0 2

• [DT ] = matriz de elasticidade térmica

1 
 

 
1 

 

 

E

 1 

[DT ] =
1 − 2µ 


0 





 0 



0
 
3.5. ESTADO DE TENSÃO NUM PONTO 37

Pré-multiplicando (3.21) por [D]−1 e isolando {} obtém-se,

{} = [D]−1 {σ} + αT [D]−1 [DT ] (3.22)

sendo,

1 −µ −µ 0 0 0
 

 −µ 1 −µ 0 0 0 

1  −µ −µ 1 0 0 0 
[D]−1 = 
 
E 0 0 0 2(1 + µ) 0 0


 
 0 0 0 0 2(1 + µ) 0 
0 0 0 0 0 2(1 + µ)

Observa-se que
[D]−1 [DT ] = {IT }
sendo {IT } = { 1 1 1 0 0 0 }T . Logo, a equação (3.22) pode ser simplificada como

{} = [D]−1 {σ} + αT {IT } (3.23)

Esta relação é a expressão matricial reduzida da equação (3.19).

3.5 Estado de Tensão num Ponto


Dois tipos de forças externas podem atuar sobre um corpo:

forças de superfı́cie : são as forças distribuı́das sobre a superfı́cie do corpo, tais como
a pressão de um corpo sobre outro. Serão denotadas por Φx , Φy , Φz as componentes
das forças de superfı́cie nas direções x, y, z, respectivamente.

forças de massa ou volume : são as forças distribuı́das ao longo do volume do corpo,


tais como as forças gravitacionais e magnéticas ou de inércia caso o corpo esteja
em movimento. As componentes de forças de massa serão designadas por χx , χy ,
χz segundo os eixos coordenados x, y, z, respectivamente. Observa-se que o peso
especı́fico do corpo é uma força de massa.

Considere o corpo sólido mostrado na Figura 3.7 submetido ao sistema de forças indi-
cado. Pretende-se determinar a tensão atuante num ponto O do seu interior. Verifica-se
que esta tensão depende não apenas do ponto, mas também do plano passando pelo ponto
O.
Tomam-se os seguintes planos passando pelo ponto O:
~ dada em relação ao sistema de referência pelos
Plano mm : definido pela sua normal M
co-senos diretores,
38 CAPÍTULO 3. EQUAÇÕES BÁSICAS DE ELASTICIDADE

P1 P
2
Y

P3

X N
M
n
m
Z m
O

n
P4

P6
P5

Figura 3.7: Corpo sólido submetido a um sistema de forças externas.

lM = cos M x mM = cos M y nM = cos M z

~ dada em relação ao sistema de referência pelos


Plano nn : definido pela sua normal N
co-senos diretores,

lN = cos N x mN = cos N y nN = cos N z

A Figura 3.8 apresenta a parte inferior do corpo sólido da Figura 3.7 quando se faz
um corte imaginário pelo planos mm e nn. As tensões médias T̃m e T̃n atuantes no ponto
O segundo os dois planos são as seguintes

δF~m
T̃m = (3.24)
δA

δF~n
T̃n = (3.25)
δA
sendo

• δF~m = resultante das forças internas na vizinhança do ponto O quando se passa o


plano mm.

• δF~n = resultante das forças internas na vizinhança do ponto O quando se passa o


plano nn.

• δA = área elementar na vizinhança do ponto O.


3.5. ESTADO DE TENSÃO NUM PONTO 39

δ Fm δΑ
δ Fn
δΑ n

m m
O O

P4
P4

P6
P6 P5
P5

Figura 3.8: Partes inferiores do corpo sólido obtidas pelos cortes através dos planos mm
e nn.

Para os dois casos, a tensão atuante no ponto O é determinada tomando-se os limites


para as relações (3.24) e (3.25). Logo,

δF~m
T~m = lim (3.26)
δ→0 δA

δF~n
T~n = lim (3.27)
δ→0 δA

Portanto, no ponto O atuam tantas tensões quantos são os planos que podem ser
passados através de O. Denomina-se de estado de tensão no ponto ao conjunto de todas as
tensões atuantes em O. No entanto, necessitam-se determinar apenas as tensões atuantes
segundo 3 planos coordenados para caracterizar o estado de tensão num ponto.
No caso mais geral de solicitação de um corpo elástico, têm-se seis componentes de
tensão atuantes nos pontos deste corpo. Suponha que sejam conhecidas as componentes
de tensão no ponto O, segundo um sistema de referência cartesiano, como indicado na
Figura 3.9.
Considera-se, então, no ponto O um tetraedro formado por 3 planos ortogonais e um
plano p, como ilustrado na Figura 3.10. A normal P~ é dada pelos co-senos diretores l, m
e n em relação aos eixos coordenados x, y, z,

l = cos P x m = cos P y n = cos P z (3.28)

Sendo A a área da face BCD do tetraedro, tem-se que as áreas das demais faces são
obtidas pela projeção sobre os três planos coordenados x, y, z. Portanto,

• Área da face OCD: Al;


40 CAPÍTULO 3. EQUAÇÕES BÁSICAS DE ELASTICIDADE

Z
P1 P
2

σ zz
Z P3
τ zy
τ zx
σyy
τ xz
τ yz
O
τ xy τ yx
Y σ xx
Y
P4
O

X
P6
P5

Figura 3.9: Componentes de tensão no ponto O do corpo sólido.

C
N


σ xx


∼ τ xy
τ yx ∼
τ xz
∼ h
σ yy

τ yz
∼ Y
O τ zx D

τ zy

σ zz
B

Figura 3.10: Tetraedro elementar no ponto O e suas componentes médias de tensão.


3.5. ESTADO DE TENSÃO NUM PONTO 41

• Área da face OBC: An;

• Área da face OBD: Am.

Uma vez que as tensões variam continuamente ao longo do volume do corpo, tem-se
que as tensões médias atuando nas faces do tetraedro tendem as componentes de tensão
no plano O quando a altura h se aproxima de zero.
As componentes de tensão média nas faces do tetraedro, segundo os eixos x,y,z são
denotadas por,

• Face ABC: T̃x , T̃y , T̃z ;

• Face OCD: σ̃xx , τ̃xy , τ̃xz ;

• Face OBC: τ̃yz , σ̃yy , τ̃yz ;

• Face OBD: τ̃zx , τ̃zy , σ̃zz .

Da mesma forma, χx , χy , χz indicam as forças de volume nas direções x, y, z, respec-


tivamente. Por sua vez, o volume do tetraedro é 13 Ah.
Logo, as condições de equilı́brio do tetraedro são as seguintes
X 1
1) Fx = 0 : T̃x A − σ̃xx Al − τ̃xy Am − τ̃xz An − χx Ah = 0
3
X 1
2) Fy = 0 : T̃y A − τ̃yx Al − σ̃yy Am − τ̃yz An − χy Ah = 0 (3.29)
3
X 1
3) Fz = 0 : T̃z A − τ̃zx Al − τ̃zy Am − σ̃zz An − χz Ah = 0
3

Fazendo a altura h do tetraedro tender a zero, o plano P~ passará pelo ponto O e as


tensões médias em cada face tendem às tensões neste ponto, ou seja,
(
σ̃ii → σii i = x, y, z
h→0 →
τ̃ij → τij i, j = x, y, z

Simplificando as equações (3.29) e tomando-se o limite quando h → 0 tem-se que

lim [T̃x − σ̃xx l − τ̃xy m − τ̃xz n − χx h] = 0


h→0
lim [T̃y − τ̃xy l − σ̃yy m − τ̃yz n − χy h] = 0
h→0
lim [T̃z − τ̃xz l − τ̃yz m − σ̃zz n − χz h] = 0
h→0
42 CAPÍTULO 3. EQUAÇÕES BÁSICAS DE ELASTICIDADE

Obtém-se então

Tx = σxx l + τxy m + τxz n


Ty = τxy l + σyy m + τyz n
Tz = τxz l + τyz m + σzz n

As expressões anteriores podem ser expressas na seguinte forma matricial,


    
 Tx 
  σxx τxy τxz   l 

Ty =  τxy σyy τyz  m (3.30)
 
 T 
  τxz τyz σzz  n 
 
z

ou ainda,

{T } = [Tσ ]O {p} (3.31)

sendo

• {T } = vetor com as componentes de tensão no ponto O nas direções x,y,z segundo


o plano p;

• [Tσ ]O = matriz com as componentes de tensão no ponto O segundo os 3 planos


coordenados x,y,z, sendo denominada tensor de tensão no ponto O ;

• {p} = vetor com os co-senos diretores da normal P~ do plano genérico p.

3.6 Equações Diferenciais de Equilı́brio


Na seção anterior, apresentou-se o estado de tensão num ponto O de um corpo elástico.
Deseja-se agora estudar a variação de tensão na vizinhança do ponto O. Para isso, considere
o pequeno paralelepı́pedo de arestas ∆x, ∆y, ∆z, ilustrado na Figura 3.11, representando
pequenos incrementos nas coordenadas do ponto O, juntamente com as componentes de
tensão média atuantes em cada uma das faces.
Designam-se por 1, 2, 3, 4, 5, 6 os pontos médios das faces do elemento da Figura 3.11.
A partir daı́, as tensões normais médias nas faces 1 e 2 são denotadas por (σ̃xx )1 e (σ̃xx )2 .
Para as demais componentes utiliza-se uma notação similar.
Como o paralelepı́pedo é pequeno, as forças presentes nas faces do mesmo são obtidas
pela multiplicação da tensão pela área da face. As forças de volume são indicadas por χx ,
χy e χz segundo os três eixos coordenados.
As condições de equilı́brio do paralelepı́pedo elementar são dadas por
X
1) Fx = 0 : [(σ̃xx )1 − (σ̃xx )2 ]∆y∆z + [(τ̃xy )3 − (τ̃xy )4 ]∆x∆z +
[(τ̃xz )5 − (τ̃xz )6 ]∆x∆y + χx ∆x∆y∆z = 0
3.6. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE EQUILÍBRIO 43

σ zz

τ zy
∆x 5
τ zx
τ yz
2 σ yy
4
3
τ yx
∆z τ xz
O Y
τ xy 6
σxx 1

∆y

Figura 3.11: Paralelepı́pedo elementar com suas componentes médias de tensão.

X
2) Fy = 0 : [(τ̃yx )1 − (τ̃yx )2 ]∆y∆z + [(σ̃yy )3 − (σ̃yy )4 ]∆x∆z +
[(τ̃yz )5 − (τ̃yz )6 ]∆x∆y + χy ∆x∆y∆z = 0

X
3) Fz = 0 : [(τ̃zx )1 − (τ̃zx )2 ]∆y∆z + [(τ̃zy )3 − (τ̃zy )4 ]∆x∆z +
[(σ̃zz )5 − (σ̃zz )6 ]∆x∆y + χz ∆x∆y∆z = 0

Dividindo-se as relações anteriores pelo volume do paralelepı́pedo ∆x ∆y ∆z e passando-


se ao limite pela contração do elemento vem que

[(σ̃xx )1 − (σ̃xx )2 ] [(τ̃xy )3 − (τ̃xy )4 ] [(τ̃xz )5 − (τ̃xz )6 ]


 
lim + + + χx =0
∆x,∆y,∆z→0 ∆x ∆y ∆z

[(τ̃yx )1 − (τ̃yx )2 ] [(σ̃yy )3 − (σ̃yy )4 ] [(τ̃yz )5 − (τ̃yz )6 ]


 
lim + + + χy =0
∆x,∆y,∆z→0 ∆x ∆y ∆z

[(τ̃zx )1 − (τ̃zx )2 ] [(τ̃zy )3 − (τ̃zy )4 ] [(σ̃zz )5 − (σ̃zz )6 ]


 
lim + + + χz =0
∆x,∆y,∆z→0 ∆x ∆y ∆z

As frações presentes nas relações anteriores, representam derivadas parciais. Portanto,


∂σxx ∂τxy ∂τxz
+ + + χx = 0
∂x ∂y ∂z
44 CAPÍTULO 3. EQUAÇÕES BÁSICAS DE ELASTICIDADE

∂τyx ∂σyy ∂τyz


+ + + χy = 0 (3.32)
∂x ∂y ∂z
∂τzx ∂τzy ∂σzz
+ + + χz = 0
∂x ∂y ∂z
As relações (3.32) devem ser satisfeitas em todos os pontos ao longo do volume do
corpo elástico. No contorno do corpo estas tensões devem estar em equilı́brio com as forças
externas na superfı́cie do sólido. Estas condições de equilı́brio podem ser determinadas
utilizando as relações (3.30), bastando substituir Tx , Ty , Tz pelas componentes Φx , Φy , Φz
das forças de superfı́cie. Logo,
Φx = σxx l + σxy m + σxz n
Φy = σxy l + σyy m + σyz n (3.33)
Φz = σxz l + σyz m + σzz n
Assim, para se determinar o estado de tensão em um corpo sólido submetido à ação de
forças externas, deve-se resolver as equações (3.32) de tal forma que a solução satisfaça as
condições de contorno (3.33). No entanto, o problema é estaticamente indeterminado, pois
têm-se 3 expressões em (3.32) para a determinação de seis componentes de tensão. Para
se obter a solução do problema, deve-se considerar, portanto, as deformações elásticas do
corpo, representadas pelas equações de compatibilidade.

3.7 Exercı́cios Propostos


Exercı́cio 3.1 A cinemática de uma barra em tração/compressão simples é dada em
forma de vetor como
n oT
u(x, y, z) = u(x) 0 0
Determinar as componentes de deformação correspondentes, a equação constitutiva e a
equação diferencial de equilı́brio em termos das tensões e da cinemática.
Exercı́cio 3.2 A cinemática de um eixo em torção simples é dada em forma de vetor
como
n oT
u(x, y, z) = 0 −yθ(x) zθ(x)
sendo θ(x) o ângulo de torção. Determinar as componentes de deformação correspon-
dentes, a equação constitutiva e a equação diferencial de equilı́brio em termos das tensões
e da cinemática.
Exercı́cio 3.3 A cinemática de uma viga em flexão pura é dada em forma de vetor como
n oT
u(x, y, z) = u(x) −y dv(x)
dx 0
Determinar as componentes de deformação correspondentes, a equação constitutiva e a
equação diferencial de equilı́brio em termos das tensões e da cinemática.
Capı́tulo 4

Equação de Movimento

Nesse capı́tulo, aplica-se o Princı́pio do Trabalho Virtual (PTV) para determinar a forma
integral de equilı́brio de um corpo sólido submetidos à forças de superfı́cie, volume e
concentradas. A forma integral é geralmente denominada forma fraca no contexto do
Método de Elementos Finitos. Inicialmente, introduzem-se os conceitos de trabalho e
energia de deformação. Posteriormente, apresentam-se o Princı́pio de D’alambert e o
PTV. Considera-se então a discretização de um meio contı́nuo através de um processo de
interpolação usando as funções de forma. Aplica-se a forma discreta do vetor deslocamento
no PTV e determina-se a forma discreta das equações de equilı́brio de um corpo em
movimento. Com isso, as expressões gerais das matrizes de massa e rigidez e vetores
de forças equivalentes são deduzidas. Ao final, determinam-se essas grandezas para os
elementos de barra e viga.

4.1 Trabalho e Energia de Deformação


Submetendo-se um corpo elástico a um sistema de forças externas, verifica-se que o mesmo
se deforma até que haja o equilı́brio entre as forças externas e as internas resistentes. A
Figura 4.1 apresenta um diagrama força-deslocamento para a deformação de um corpo,
considerado não-linear para efeito de generalidade. A área W indicada no diagrama é
igual ao trabalho realizado pela força externa P devido a um deslocamento u do corpo.
Para um sistema linear, tem-se que

1
W = Pu
2

Se o deslocamento u é elevado para u + δu, o incremento correspondente no trabalho


W para um sistema linear é dado pela área do trapézio indicado na Figura 4.1. Logo,

δu 1
∆W = (P + P + δP ) = P δu + δP δu
2 2

45
46 CAPÍTULO 4. EQUAÇÃO DE MOVIMENTO

P
δP

∆W

δu
W

Figura 4.1: Diagrama força × deslocamento para a deformação de um corpo.

Suponha que seja aplicado ao corpo sólido um sistema de forças de superfı́cie {Φ} e de
volume {χ}. Variando-se os deslocamentos de u para u + δu, verifica-se que os trabalhos
realizados pelas forças de superfı́cie e de volume são dados, respectivamente, por
Z
δWΦi = {Φ}T {δu} dS (4.1)
S
Z
δWχi = {χ}T {δu} dV (4.2)
V

Neste caso,

{δu} = { δux δuy δuz }T


{χ} = { χx χy χz }T
{Φ} = { Φx Φy Φz }T

são as componentes, segundo um sistema de referência cartesiano, da variação dos deslo-


camentos, das forças de superfı́cie e de corpo, respectivamente. Os ı́ndices S e V denotam
a superfı́cie e o volume do sólido.
Neste caso, o incremento de trabalho δW será dado por
Z Z
δW = δWΦi + δWχi = {Φ}T {δu} dS + {χ}T {δu} dV (4.3)
S V

Caso se apliquem forças concentradas sobre o corpo sólido, a integral de superfı́cie em


(4.1) deve incluir a soma de produtos das forças pelas variações de deslocamentos corre-
spondentes. Portanto, aplicando-se apenas forças concentradas {P } = { P1 . . . Pn }T
sobre o corpo, tem-se que,

δW = {P }T {δU } = P1 δU1 + . . . + Pn δUn (4.4)


4.1. TRABALHO E ENERGIA DE DEFORMAÇÃO 47

onde {δU } = { δU1 . . . δUn }T são as variações dos deslocamentos nas direções das
forças indicadas em {P }.
Da mesma forma, considera-se uma relação tensão-deformação não-linear como pode
ser observado na Figura 4.2. A área sob a curva indicada representa a densidade de energia
de deformação Ūi , expressa em unidades como kgf · m/m3 . A energia de deformação Ui
armazenada no corpo é obtida integrando-se Ūi ao longo do volume do corpo, ou seja,
Z
Ui = Ūi dV (4.5)
V

σ
δσ

∆U i

δε
Ui

Figura 4.2: Diagrama de tensão × deformação.

Variando-se os deslocamentos de u para u + δu, ocorrerão incrementos correspondentes


nas deformações normais  e angulares γ para  + δ e γ + δγ, respectivamente. Como as
componentes de deformação são independentes, para se obter a variação δŪi da densidade
de energia de deformação, basta multiplicar as componentes de tensão pelas respectivas
componentes de deformação, e somar todas as parcelas. Portanto,

δŪi = σxx δxx + σyy δyy + σzz δzz + τxy δγxy + τyz δγyz + τxz δγxz = {σ}T {δ}

sendo

{σ} = { σxx σyy σzz τxy τyz τxz }T


{δ} = { δxx δyy δzz δγxy δγyz δγxz }T

Portanto, a variação na energia de deformação pode ser obtida a partir de (4.5), ou


seja,
Z Z
δUi = δŪi dV = {σ}T {δ} dV (4.6)
V V
48 CAPÍTULO 4. EQUAÇÃO DE MOVIMENTO

4.2 Identidade de Green


Considere a seguinte integral de volume
∂f ∂g
Z
I= dV i = x, y, z (4.7)
V ∂i ∂i
sendo f e g funções contı́nuas de x, y, z ao longo do volume de integração.
A Figura 4.3 ilustra uma superfı́cie elementar de área dS cujas projeções nos planos co-
ordenados podem ser obtidas a partir dos co-senos diretores l, m, n da normal à superfı́cie
N~ . Logo,

dydz = ldS
dzdx = mdS (4.8)
dxdy = ndS

Y
N

dS
dz

dy
X
V

Figura 4.3: Projeção da área elementar dS sobre o plano yz.

Substituindo i = x em (4.7) e tomando-se a primeira relação em (4.8), determina-se


por integração por partes, a seguinte expressão

∂f ∂g ∂f ∂g ∂g ∂2g
Z Z Z Z Z Z Z
dx dy dz = ldx dS = f l dS − f dV (4.9)
∂x ∂x S x ∂x ∂x S ∂x V ∂x2
Analogamente, tomando-se i = y e i = z na expressão (4.7), obtém-se

∂f ∂g ∂f ∂g ∂g ∂2g
Z Z Z Z Z Z Z
dx dy dz = mdy dS = f m dS − f dV (4.10)
∂y ∂y S y ∂y ∂y S ∂y V ∂y 2

∂f ∂g ∂f ∂g ∂g ∂2g
Z Z Z Z Z Z Z
dx dy dz = ndz dS = f n dS − f dV (4.11)
∂z ∂z S z ∂z ∂z S ∂z V ∂z 2
Somando-se as relações (4.9) a (4.11), chega-se a forma padrão da primeira identidade
de Green.
4.3. PRINCÍPIO DOS TRABALHOS VIRTUAIS 49

4.3 Princı́pio dos Trabalhos Virtuais


Considere um corpo elástico submetido a um sistema de forças externas. Como se sabe
este corpo vai se deformar até que exista o equilı́brio entre as forças externas aplicadas e
as forças internas resistentes. Esta condição de equilı́brio pode ser expressa fazendo-se a
resultante das forças nas direções x, y, z iguais a zero. Portanto,
F =0
P
P x
F =0 (4.12)
P y
Fz = 0
Pode-se multiplicar as relações (4.12) por constantes arbitrárias δu, δv, δw sem alterar a
condição de equilı́brio do corpo. Assim, as forças externas e o estado de tensão permanecem
os mesmos. Logo,
δu Fx = 0
P

δv Fy = 0 (4.13)
P

δw Fz = 0
P

Os multiplicadores δu, δv, δw são denominados deslocamentos virtuais e representam


variações dos deslocamentos dos pontos de um corpo elástico a partir da condição de
equilı́brio. Estes deslocamentos devem ser compatı́veis com as condições de continuidade
do material e de contorno na superfı́cie do corpo, como por exemplo a extremidade engas-
tada de uma viga.
Designando por u, v, w as componentes do deslocamento real de um ponto devido às
cargas aplicadas e por δu, δv, δw as componentes de um deslocamento virtual, tem-se que
estes são funções contı́nuas de x, y, z, ou seja,
δu = δu(x, y, z)
δv = δv(x, yz)
δw = δw(x, y, z)
Correspondentes aos deslocamentos virtuais δu, δv, δw tem-se os incrementos nas 6
componentes de deformação, ou seja,

δxx = δu
∂x

δyy = δv
∂y

δzz = δw (4.14)
∂z
∂ ∂
δγxy = δv + δu
∂x ∂y
∂ ∂
δγyz = δw + δv
∂y ∂z
∂ ∂
δγzx = δw + δu
∂x ∂z
50 CAPÍTULO 4. EQUAÇÃO DE MOVIMENTO

Toma-se, então, um elemento de volume dV = dx dy dz do corpo elástico considerado,


submetido às forças de superfı́cie

Φx dS Φy dS Φz dS

para cada elemento de superfı́cie dS; e às forças de corpo

χx dV χy dV χz dV

nas direções x, y, z, respectivamente.


Substituindo as condições de equilı́brio (3.32), as quais estão expressas em componentes
de tensão, em (4.13) tem-se para o elemento de volume infinitesimal

∂σxx ∂τxy ∂τxz


δu + δu + δu + χx δu = 0
∂x ∂y ∂z

∂τyx ∂σyy ∂τyz


δv + δv + δv + χy δv = 0 (4.15)
∂x ∂y ∂z

∂τzx ∂τzy ∂σzz


δw + δw + δw + χz δw = 0
∂x ∂y ∂z

Para considerar todo o corpo sólido, integram-se as relações (4.15) ao longo do volume
do corpo. Logo,

∂σxx ∂τxy ∂τxz


Z Z Z Z
δudV + δudV + δudV + χx δudV = 0 (4.16)
V ∂x V ∂y V ∂z V

∂τxy ∂σyy ∂τyz


Z Z Z Z
δvdV + δvdV + δvdV + χy δvdV = 0 (4.17)
V ∂x V ∂y V ∂z V

∂τxz ∂τyz ∂σzz


Z Z Z Z
δwdV + δwdV + δwdV + χz δwdV = 0 (4.18)
V ∂x V ∂y V ∂z V

Pode-se aplicar as equações (4.9) a (4.11) para os três primeiros termos das relações
em (4.16). Assim,

∂σxx ∂δu
Z Z Z
δudV = σxx lδu dS − σxx dV
V ∂x S V ∂x

∂τxy ∂δu
Z Z Z
δudV = τxy mδu dS − τxy dV
V ∂y S V ∂y

∂τxz ∂δu
Z Z Z
δudV = τxz nδu dS − τxz dV
V ∂z S V ∂z
4.3. PRINCÍPIO DOS TRABALHOS VIRTUAIS 51

Substituindo-se as relações acima em (4.16), obtém-se


δu δu δu
Z Z Z       
(σxx l + τxy m + τxz n)δudS + χx δudV = σxx δ + τxy δ + τxz δ dV
S V V δx δy δz
Analogamente, para as expressões (4.17) e (4.18)
δv δv δv
Z Z Z       
(τyx l + σyy m + τyz n)δvdS + χy δvdV = τyx δ + σyy δ + τyz δ dV
S V V δx δy δz
δw δw δw
Z Z Z       
(τzx l + τzy m + σzz n)δwdS + χz δwdV = τzx δ + τzy δ + σzz δ dV
S V V δx δy δz
Somando-se as 3 expressões anteriores, chega-se à seguinte equação
Z
[(σxx l + τxy m + τxz n)δu + (τyx l + σyy m + τyz n)δv + (τzx l + τzy m + σzz n)δw]dS+
S
∂u ∂v ∂w
Z Z       
(χx δu + χy δv + χz δw)dV = σxx δ + σyy δ + σzz δ +
V V ∂x ∂y ∂y
∂u ∂v ∂v ∂w ∂w ∂u
     
τxy δ + + τyz δ + + τxz δ + dV (4.19)
∂y ∂x ∂z ∂y ∂x ∂z
Como os deslocamentos virtuais δu, δv, δw são contı́nuos, tem-se que
∂δu ∂u
 

∂x ∂x
Substituindo as relações em (4.15) e as condições de contorno dadas em (3.33) vem
que
Z Z
(Φx δu + Φy δv + Φz δw)dS + (χx δu + χy δv + χz δw)dV =
S V
Z
(σxx δxx + σyy δyy + σzz δzz + τxy δγxy + τyz δγyz + τxz δγxz )dV (4.20)
V
Observa-se que os termos do lado esquerdo da equação (4.20) representam, respecti-
vamente, os trabalhos das forças de superfı́cie e de corpo. Já o termo do lado direito
constitui-se na energia de deformação armazenada no corpo. Substituindo (4.3) e (4.6) na
equação (4.20), tem-se a seguinte relação matricial
Z Z Z
{Φ}T {δu}dS + {χ}T {δu}dV = {σ}T {δ}dV (4.21)
S V V
ou na forma reduzida,
δW = δUi (4.22)
A equação (4.22) representa o Princı́pio do Trabalho Virtual. Esse princı́pio estabelece
que para uma estrutura elástica em equilı́brio, sob a ação de um sistema de forças externas
e uma distribuição de temperatura, o trabalho virtual δW é igual a energia de deformação
virtual δUi , considerando-se um deslocamento virtual {δu} da estrutura em estudo.
52 CAPÍTULO 4. EQUAÇÃO DE MOVIMENTO

4.4 Discretização de um Sistema Contı́nuo


Na maioria dos problemas estruturais em engenharia, verifica-se que a aplicação direta
das equações de elasticidade apresenta algumas dificuldades, devido, por exemplo, a ge-
ometria do corpo considerado, as condições de carregamento e de contorno, assim como
as propriedades do material do corpo. Nestes casos, como não é possı́vel obter a solução
analı́tica do problema em estudo, recorre-se a algum tipo de aproximação para a solução
do problema. Pode-se por exemplo, considerar a solução para apenas alguns pontos do
corpo, sendo estes usualmente, denominados nós. O sistema assim obtido é denominado
discreto e a solução para os demais pontos, não considerados no sistema discreto, pode ser
determinada pela interpolação dos resultados calculados para os nós.
Algumas estruturas em engenharia são constituı́das de elementos discretos conectados
em alguns pontos, sendo a interação entre os elementos expressas em função da compat-
ibilidade de deslocamentos ou equilı́brio de forças. Como exemplo, têm-se as estruturas
reticuladas, as quais são constituı́das pela união de elementos de barra e/ou viga.
No entanto, para os casos gerais, a estrutura possui infinitos pontos, constituindo-
se um meio contı́nuo. Nestes casos, pode-se aproximar este meio através de elementos
inter-conectados em um número finitos de pontos nodais. A Figura 4.4 ilustra um modelo
discreto de um corpo contı́nuo. Desta forma, definem-se vários subdomı́nios denominados
elementos discretos ou elementos finitos. Observa-se que a solução obtida para o modelo
discreto deve convergir para a solução analı́tica ou real do meio contı́nuo. Para que isso
seja possı́vel, deve-se deduzir algumas propriedades para os elementos finitos.

Nos

Elementos

Figura 4.4: Meio contı́nuo discretizado por elementos finitos.

A relação entre os deslocamentos dos sistemas contı́nuo {u} e discreto {U } pode ser
escrita como

{u} = [N ]{U } (4.23)

onde [N ] é uma matriz cujos elementos são funções Nij (x, y, z) que realizam o mapeamento
entre o modelo contı́nuo e discreto. Os elementos Nij são denominados funções de forma,
sendo usualmente polinômios.
4.5. EQUAÇÃO DE MOVIMENTO 53

As deformações do modelo discreto podem ser obtidas substituindo (4.23) em (3.13).


Logo,

{} = [L][N ]{U } = [B]{U } (4.24)

onde [B] é a matriz de deformação contendo as derivadas parciais das funções de forma.
Da mesma maneira, determinam-se as tensões substituindo (4.23) em (3.21), ou seja,

{σ} = [D][B]{U } + αT [DT ] (4.25)

Assim, conhecendo-se os deslocamentos dos nós, pode-se determinar as deformações e


as distribuições de tensão bastando, para isso, aplicar as equações (4.24) e (4.25).

4.5 Equação de Movimento


Considere um corpo sólido contı́nuo de massa m submetido a ação de um sistema de
forças e se movimentando com uma aceleração ~a. A segunda lei de Newton estabelece que
~ é igual ao produto da massa pela aceleração do corpo,
a resultante das forças externas F
ou seja,

F ¨
~ = m~a = m~u (4.26)
¨ dos deslocamentos ~u dos pontos do
onde a aceleração ~a é dada pela derivada segunda ~u
corpo considerado.
A equação (4.26) pode ser escrita da seguinte forma

F ¨=0
~ − m~u (4.27)

onde −m~u ¨ é a força de inércia do corpo. A relação (4.27) é denominada Princı́pio de


D’Alambert.
Para isso, toma-se um elemento infinitesimal de volume dV e superfı́cie dS de um corpo
elástico. A massa dm deste elemento é expressa como

dm = ρ dV (4.28)

sendo ρ a densidade do material do corpo. Assume-se que sobre este corpo atuam forças
de corpo χ ~ de tal forma que as forças externas são dadas nesse caso por
~ e de superfı́cie Φ,

~ =χ
F ~ dS
~ dV + Φ (4.29)

Assim, pode-se escrever o Princı́pio de D’Alambert para o elemento infinitesimal, ou


seja,

χ
~ dV + Φ ¨ dV = 0
~ dS − ρ~u
54 CAPÍTULO 4. EQUAÇÃO DE MOVIMENTO

Denotando os vetores em forma matricial, tem-se

{χ} dV + {Φ} dS − ρ{ü}dV = 0 (4.30)

Submete-se, então, este elemento a um deslocamento virtual {δu}. Aplicando-se este


deslocamento a equação (4.30) e integrando-se ao longo do volume e da superfı́cie do corpo
sólido, vem através de (4.21)
Z Z Z Z
{χ}T {δu}dV + {Φ}T {δu}dS − ρ{ü}T {δu}dV = {σ}T {δ}dV (4.31)
V S V V

Este sistema contı́nuo pode, então, ser discretizado utilizando-se (4.23), ou seja,

{δu} = [N ]{δU } {ü} = [N ]{Ü } (4.32)

Da mesma forma, aplicando-se (4.24) vem que

{δ} = [B]{δU } (4.33)

Substituindo (4.25), (4.32) e (4.33) em (4.31), tem-se a formulação para o sistema


discreto. Logo,
Z Z Z
{P }{δU } + {χ}T [N ]{δU }dV + {Φ}T [N ]{δU } dS − ρ{Ü }T [N ]T [N ]{δU }dV =
V S V
Z
({U }T [B]T [D] − αT [DT ])T [B]{δU }dV
V

onde {P } representa as cargas concentradas aplicadas aos pontos discretos do corpo cor-
respondentes aos deslocamentos {δU }.
Como {U }, {Ü }, {δU } e {δÜ } são vetores constantes, podem ser retirados para fora
dos integrandos. Assim,
Z  Z  Z 
T T T T
{P }{δU } + {χ} [N ]dV {δU } + {Φ} [N ] dS {δU } − {Ü} ρ[N ] [N ]dV {δU } =
V S V

Z  Z 
{U }T [B]T [D][B] dV {δU } − αT [DT ]T [B] dV {δU }
V V

e cancelando {δU } em ambos os lados da equação, vem que


Z Z Z 
{P } + {χ}T [N ]dV + {Φ}T [N ] dS − {Ü }T ρ[N ]T [N ]dV =
V S V
Z  Z
T
[B] [D] dV {U } − αT [DT ]T [B] dV (4.34)
V V
4.5. EQUAÇÃO DE MOVIMENTO 55

A equação (4.34) pode ser rearranjada da seguinte maneira


Z  Z 
ρ[N ]T [N ]dV {Ü } + [B]T [D] dV {U } =
V V
Z Z Z
{P } − αT [DT ]T [B] dV {χ}T [N ]dV + {Φ}T [N ] dS
V V S

Em forma reduzida,

[M̄ ]{Ü } + [K̄]{U } = {P̄ } − {Q̄} + {F̄χ } + {F̄Φ } (4.35)

sendo

• [M̄ ] = matriz de massa do corpo


Z
[M̄ ] = ρ[N ]T [N ]dV (4.36)
V

• [K̄] = matriz de rigidez do corpo


Z
[K̄] = [B]T [D][B] dV (4.37)
V

• {Q̄} = vetor de carregamento nodal térmico equivalente


Z
{Q̄} = αT [DT ]T [B] dV (4.38)
V

• {F̄χ } = vetor de forças nodais equivalentes devido a {χ}


Z
{F̄χ } = {χ}T [N ]dV (4.39)
V

• {F̄Φ } = vetor de forças nodais equivalentes devido a {Φ}


Z
{F̄Φ } = {Φ}T [N ] dS (4.40)
S

• {P̄ } = vetor de forças concentradas.

Para o caso de análise estática, o vetor de aceleração é nulo, ou seja, {Ü } = {0}.
Substituindo em (4.35) vem que

[K̄]{U } = {F̄ } (4.41)


56 CAPÍTULO 4. EQUAÇÃO DE MOVIMENTO

onde {F̄ } = {P̄ } − {Q̄} + {F̄χ } + {F̄Φ }.


Um outro tipo de análise que pode ser efetuada é o estudo de vibração livre do corpo.
Neste caso, não são aplicadas forças externas, isto é,

[M̄ ]{Ü } + [K̄]{U } = {0} (4.42)

Supondo uma solução para o sistema de equações diferenciais (4.42) do tipo periódica

{U } = {X}eiλt (4.43)

onde i = −1 e {X} é a amplitude de movimento dos pontos discretos, tem-se que
{U̇ } = iλ{X}eiλt {Ü } = −λ2 {X}eiλt (4.44)
Substituindo (4.43) e (4.44) em (4.42), tem-se que

([K] − λ2 [M ]){X} = {0} (4.45)

definindo-se assim,
√ um problema de autovalor, cuja solução constituem-se nas frequências
naturais ωi = λi e modos de vibração {Xi } do corpo em estudo.

4.6 Elemento de Barra Plana


Para ilustrar a aplicação das equações apresentadas nas seções anteriores, considere o
elemento de barra plana ilustrado na Figura 2.3. Este elemento resiste apenas a cargas
axiais sendo desprezı́vel o peso próprio da barra. Desta forma, as forças de superfı́cie e de
volume são nulas e a equação (4.35) se reduz a expressão

[M̄ ]{Ü } + [K̄]{U } = {P̄ } − {Q̄} (4.46)

Através da equação (3.20), verifica-se que a tensão normal σxx presente na barra está
relacionada à deformação especı́fica xx de maneira linear, ou seja,

σxx = Exx → {σxx } = [D]{xx } (4.47)

onde a matriz [D] se reduz, neste caso, apenas ao módulo de elasticidade longitudinal E.
A partir da equação (2.1), verifica-se que os deslocamentos u ao longo da barra variam
linearmente. Portanto,

u(x) = ax + b (4.48)

As constantes a e b são determinadas aplicando-se (4.48) aos deslocamentos ū1 e ū2


nas extremidades do elemento. Logo,
(
ū1 = a0 + b → b = ū1
ū2 = al + b → a = 1l (ū2 − ū1 )
4.6. ELEMENTO DE BARRA PLANA 57

Portanto,
1
u = (ū2 − ū1 )x + ū1 (4.49)
l
Em forma matricial,
( )
h
x x
i ū1
{u} = 1− l l = [N ]{U } (4.50)
ū2

sendo [N ] a matriz das funções de interpolação.


A deformação especı́fica xx pode ser obtida a partir de (3.13). Assim,
( )
1h i ū1
{xx } = −1 1 = [B]{U } (4.51)
l ū2

verificando-se que as componentes da matriz [B] constituem-se nas derivadas das funções
de forma com relação às variável global x.
Para se obter a matriz de rigidez [K̄e ] do elemento de barra, segundo o sistema de
referência local, basta substituir as matrizes [D] e [B], deduzidas em (4.47) e (4.51), na
expressão (4.37)
" # " #
1 −1 1h EA l 1 −1
Z Z i Z
T
[K̄e ] = [B] [D][B] dV = E −1 1 A dx = 2 dx
V V l 1 l l 0 −1 1

onde dV = A dx, pois a área da seção transversal é constante. Portanto,


" #
EA 1 −1
[K̄e ] = (4.52)
l −1 1

No caso da matriz de massa, substitui-se [N ] na equação (4.36), ou seja,


" # Z l" #
1− x
(1 − xl )2 (1 − xl ) xl
Z h i
x x l
[M̄e ] = ρ 1− x A dx = ρA x2 dx
V
l l
l 0 (1 − xl ) xl l

Neste caso, realiza-se a seguinte mudança de variável


(
x x=0 : ξ=0 1
ξ= → → dξ = dx
l x=l : ξ=1 l

Logo,
" #
1 (1 − ξ)2 (1 − ξ)ξ
Z
[M̄e ] = ρAl dξ
0 (1 − ξ)ξ ξ2

sendo
58 CAPÍTULO 4. EQUAÇÃO DE MOVIMENTO

R1 R1 1
• (1 − ξ)2 dξ = (1 − 2ξ + ξ 2 ) dξ = ξ − ξ 2 + ξ3 = 1

0 0 0 3

ξ2 ξ 3 1
R1 R1
1
• 0 (1 − ξ)ξ dξ = 0 (ξ − ξ 2 ) dξ = 2 − 3 0 = 3

ξ 3 1
R1
1
• 0 ξ 2 dξ = 3 0 = 3

Finalmente, a matriz de massa é expressa como


" #
ρAl 2 1
[M̄ ] = (4.53)
6 1 2

Da mesma forma, determina-se vetor de carregamento térmico equivalente, isto é,


" #
Z Z 1 1 −1
T
{Q̄} = αT [DT ] [B]dV = αT E dx
V 0 l 1

onde αT é constante e [DT ] = E. Assim,


" #
−1
{Q̄e } = EAαT (4.54)
1

O vetor de forças concentradas contém as cargas axiais aplicadas nas extremidades 1


e 2 da barra
( )
P̄1
{P̄e } = (4.55)
P̄2

No caso geral, o sistema de referência global adotado faz com que o elemento de barra
esteja inclinado como ilustrado, na Seção 2.4. Portanto, deve-se efetuar uma transformação
de coordenadas entre os sistemas local e global aplicando-se a matriz [T ] dada em (2.23).
Substituindo esta relação na equação de movimento (4.46), tem-se que

[T ]T [M̄e ][T ]{Ü } + [T ]T [K̄e ][T ]{Ü } = [T ]T {P̄e } − [T ]T {Q̄e }

onde se multiplicou por [T ]T para manter a simetria das matrizes de massa e rigidez.
Assim, a matriz de rigidez [Ke ] do elemento de barra no sistema global é dada por

c2 cs −c2 −cs
 

EA  cs s2 −cs −s2 
[Ke ] = [T ]T [K̄e ][T ] = (4.56)
 
l  −c2 −cs c2 cs 
 

−cs −s2 cs s2

sendo c = cos θ e s = sin θ dados em (2.22). Verifica-se que esta expressão é a mesma
obtida no Capı́tulo 2 utilizando-se coeficientes de influência.
4.7. ELEMENTO DE VIGA PLANA 59

Analogamente, tem se que a matriz de massa e os vetores de carregamento concentrado


e térmico são dados, respectivamente, por

2c2 2cs c2 cs
 

ρAl  2cs 2s2 cs s2 


[Me ] = [T ]T [M̄e ][T ] = (4.57)
 
6  c2 cs 2c2 2cs
 

cs s2 2cs 2s2
 
c
 s 
{Qe } = [T ]T {Q̄e } = EAαT  (4.58)
 
−c

 
−s
 

 cP1 


 sP 
1
{Pe } = [T ]T {P̄e } = (4.59)



cP2 



sP2

4.7 Elemento de Viga Plana


Considere agora o elemento de viga plana ilustrado na Figura 2.9. Este elemento resiste
apenas a esforços de flexão e forças transversais. Analogamente ao caso da barra, as forças
de superfı́cie e de volume são consideradas nulas e a equação de movimento se reduz à
expressão (4.46).
Através da equação (3.20), verifica-se que a tensão normal σxx presente na barra está
relacionada à deformação especı́fica xx como

σxx = Exx → {σxx } = [D]{xx } (4.60)

onde a matriz [D] se reduz, neste caso, apenas ao módulo de elasticidade longitudinal E.
Os deslocamentos transversais v ao longo da viga são aproximados através dos polinômios
de Hermite φi (x) (i = 1, 2, 3, 4) da seguinte forma

v(x) = v1 φ1 (x) + θ1 φ2 (x) + v3 φ3 (x) + θ2 φ4 (x) (4.61)

As expressões dos polinômios de Hermite são


 3  2
x x
φ1 (x) = 2 −3 +1
L L
"  #
3  2
x x x
φ2 (x) = L −2 +
L L L
 3  2
x x
φ3 (x) = −2 +3
L L
60 CAPÍTULO 4. EQUAÇÃO DE MOVIMENTO
"   2 #
3
x x
φ4 (x) = L −
L L
(4.62)
Em forma matricial,
 

 v1 

h i
 θ 
1
{v} = φ1 (x) φ2 (x) φ3 (x) φ4 (x) = [N ]{U } (4.63)

 v2 

 

θ2

sendo [N ] a matriz das funções de interpolação.


A deformação especı́fica xx pode ser obtida a partir de (3.13). Assim,
 

 v1 

h i
 θ 
1
{xx } = φ01 (x) φ02 (x) φ03 (x) φ04 (x) = [B]{U } (4.64)



v2 



θ2 

verificando-se que as componentes da matriz [B] constituem-se nas derivadas das funções
de forma com relação às variável global x.
Para se obter a matriz de rigidez [Ke ] do elemento de barra, segundo o sistema de
referência local, basta substituir as matrizes [D] e [B], deduzidas em (4.60) e (4.64), na
expressão (4.37) e assumir dV = A dx. Portanto,
 
12 6L −12 6L
EIz  6L 4L2 −6L 2L2 
[Ke ] = (4.65)
 
L3 −12 −6L 12 −6L
 
 
6L 2L2 −6L 4L2

No caso da matriz de massa, substitui-se [N ] na equação (4.36), obtendo-se


13 11 9 13
 
35 210 L 70 − 420 L
11 1 2 13 1

210 105 L 420 L − 140 L2 
[Me ] = ρAL  (4.66)
 
9 13 13 11
420 L − 210 L

 70 35 
13 13 11 1
− 420 L 420 L − 210 L − 105 L2

4.8 Exercı́cios Propostos


Exercı́cio 4.1 Escrever o Princı́pio dos Trabalhos Virtuais para os problemas de barra,
viga em flexão pura e torção simples.

Exercı́cio 4.2 Determinar as matrizes de massa e rigidez para um elemento de eixo com
dois nós submetido à torção simples.
Capı́tulo 5

Elementos Finitos Isoparamétricos

Nesse capı́tulo, considera-se o importante conceito de elementos finitos isoparamétricos.


Inicialmente, introduzem-se as noções de sistemas de coordenadas local e global. Poste-
riormente, considera-se a definição das funções de interpolação baseadas em polinômios
de Lagrange e a sua construção para elementos uni, bi e tridimensionais. Funções de
forma para vários elementos unidimensionais e o quadrado linear são apresentadas. Com
base nesses conceitos, introduzem-se os elementos isoparamétricos, o jacobiano da trans-
formação local-global e o cálculo de derivadas globais. Ao final, considera-se a dedução da
matriz de rigidez local do elemento de barra usando o conceito de elemento isoparamétrico.

5.1 Sistemas de Referência Global e Local


Considere o elemento linear, ilustrado na Figura 5.1, com nós i e j, cujas coordenadas são
xi e xj em relação ao sistema de referência X adotado. Deseja-se encontrar uma função
F (t) que transforme um ponto xi ≤ x̄ ≤ xj para um ponto −1 ≤ ξ¯ ≤ 1, pertencente ao
sistema de referência ξ. Como o elemento tomado possui 2 nós, a transformação F (t) é
dada pela equação de uma reta, ou seja,

F (t) = αt + β (5.1)

F(t)

x ξ
X ξ
xi xj -1 1

Figura 5.1: Mapeamento entre os sistemas de referência X e ξ.

61
62 CAPÍTULO 5. ELEMENTOS FINITOS ISOPARAMÉTRICOS

Aplicando-se a equação (5.1) aos pontos xi e xj vem que


(
F (xi ) = αxi + β = −1
F (xj ) = αxj + β = 1

Resolvendo-se o sistema de equações anterior, obtém-se as constantes α e β. Logo,

2 xj + xi
α= β=−
xj − xi xj − xi

e substituindo em (5.1), tem-se que

2 xj + xi
F (t) = t− (5.2)
xj − xi xj − xi

Por exemplo, tomando-se xi = −10, xj = 10 e x̄ = 5, verifica-se que

2 (10 − 10)
ξ̄ = F (x̄) = 5− = 0, 5
10 − (−10) 10 − (−10)

No caso geral de um elemento sólido, tem-se 3 coordenadas cartesianas x, y, z as quais


devem ser transformadas para as componentes ξ, η, ζ, respectivamente, como mostrado
na Figura 5.2.

Y
ξ (x), η (y), ζ (z) η

P(x,y,z)

k (1,1,1)

i
ξ
X

j
Z ζ

Figura 5.2: Transformação entre os sistemas de referência global e local.

O sistema cartesiano xyz é denominado sistema global de referência, enquanto ξηζ


define o sistema local. A vantagem de se utilizar um sistema local está relacionada à
mudança dos limites de integração nas expressões para o cálculo das matrizes de massa e
rigidez dos elementos finitos, assim como para os vetores de carregamento. Neste caso, os
limites inferior e superior de integração passam para −1 e 1, respectivamente.
5.2. FUNÇÕES DE FORMA 63

Dado um ponto P de coordenadas (x, y, z) segundo o sistema global, verifica-se que


para se obter este ponto no sistema local, basta aplicar a equação (5.2) para cada uma
das componentes, ou seja,

2 xj + xi
ξ(x) = t−
xj − xi xj − xi

2 yk + yj
η(y) = t−
yk − yj yk − yj

2 zj + zi
ζ(z) = t−
zj − zi zj − zi

sendo (xi , yi , zi ), (xj , yj , zj ) e (xk , yk , zk ) as coordenadas dos nós i,j,k, respectivamente,


como pode ser visto na Figura 5.2.
No entanto, geralmente, o elemento finito possui uma forma distorcida no sistema
global e deseja-se obter uma transformação para um sistema local onde os lados do el-
emento permaneçam retos, como apresentado na Figura 5.3. Esta transformação está
baseada nas funções de forma, discutidas a seguir.

Y
η

4 (-1,1) 3 (1,1)
4
3

1 (-1,-1) 2 (1,-1)
1

Figura 5.3: Transformação entre os sistemas de referência global e local utilizando funções
de forma.

5.2 Funções de Forma


Considere o conjunto de pontos (ξ1 , ξ2 , . . . , ξa , . . . , ξb , . . . , ξn ) definidos no sistema local de
referência ξ. O polinômio de Lagrange de ordem n − 1 associado ao ponto ξa é definido
64 CAPÍTULO 5. ELEMENTOS FINITOS ISOPARAMÉTRICOS

por
Qn
b=1(b6=a) (ξ − ξb )
la(n−1) (ξ) = Qn (5.3)
b=1(b6=a) (ξa − ξb )
(ξ − ξ1 )(ξ − ξ2 ) . . . (ξ − ξa−1 )(ξ − ξa+1 ) . . . (ξ − ξn )
=
(ξa − ξ1 )(ξa − ξ2 ) . . . (ξa − ξa−1 )(ξa − ξa+1 ) . . . (ξa − ξn )

Observa-se que o polinômio la (ξ) apresenta a seguinte propriedade de colocação


(
la (ξa ) = 1 a = b
la (ξb ) = 0 a =
6 b

Logo,

la (ξb ) = δab (5.4)

onde δab é o delta de Kronecker e


(
1 se a = b
δab =
0 se a 6= b

Deve-se associar uma função de forma para cada um dos nós de um elemento finito.
Estas funções são tomadas como polinômios de Lagrange, cuja ordem depende do número
de nós do elemento considerado. Para um elemento unidimensional com m nós, tem-se m
funções de forma de ordem m − 1. Logo,

Na(m−1) (ξ) = la(m−1) (ξ) a = 1, . . . , m (5.5)

Para elementos bidimensionais, basta tomar o produto tensorial dos polinômios de


Lagrange. Portanto, para um elemento com m e n nós nas direções ξ e η, tem-se um total
de mn funções dadas por

(m−1)
Na (ξ, η) = lb (ξ)lc(n−1) (η) a = 1, . . . , mn (5.6)

Analogamente, para o caso tridimensional com m, n, p nós nas direções ξ, η, ζ, definem-


se mnp funções da seguinte maneira

Na (ξ, η, ζ) = lbn−1 (ξ)lcm−1 (η)ldp−1 (ζ) a = 1, . . . , mnp (5.7)

Nas expressões anteriores, os ı́ndices a, b, c, d são escolhidos de maneira conveniente


como será mostrado nas seções seguintes.
5.3. ELEMENTOS UNIDIMENSIONAIS 65

5.3 Elementos Unidimensionais


5.3.1 Elemento Linear
Para ilustrar o processo de obtenção das funções de forma considere o elemento linear
mostrado na Figura 5.4. Como neste caso, o elemento possui apenas dois nós, as funções
são polinômios de primeiro grau, ou seja, equações de retas em ξ. Assim, a partir de (5.4)
e (5.5) vem que

(1) (1) ξ − ξ2 ξ −1 1
N1 (ξ) = l1 (ξ) = = = (1 − ξ)
ξ1 − ξ2 −1 − (−1) 2

(1) (1) ξ − ξ1 ξ +1 1
N2 (ξ) = l2 (ξ) = = = (1 + ξ)
ξ2 − ξ1 −1 − (−1) 2

N1( ξ ) N2( ξ )

1 2
ξ
-1 1

Figura 5.4: Elemento unidimensional linear.

De forma reduzida, tem-se que


1
Na(1) = (1 + ξa ξ) a = 1, 2 (5.8)
2
onde ξa = ±1.

5.3.2 Elemento Quadrático


Da mesma forma, determinam-se as funções de forma para o elemento unidimensional
quadrático da Figura 5.5. Como são três nós, tem-se três funções de ordem 2 e aplicando-
se (5.4) e (5.5) vem que
(2) (ξ − ξ2 )(ξ − ξ3 )
(2) (ξ − 0)(ξ − 1) 1
N1 (ξ) = l1 (ξ) = = = − ξ(1 − ξ)
(ξ1 − ξ2 )(ξ1 − ξ3 ) (−1 − 0)(−1 − 1) 2
(2) (2) (ξ − ξ1 )(ξ − ξ3 ) (ξ − 1)(ξ + 1)
N2 (ξ) = l2 (ξ) = = = (1 − ξ 2 )
(ξ2 − ξ1 )(ξ2 − ξ3 ) (0 + 1)(0 − 1)
66 CAPÍTULO 5. ELEMENTOS FINITOS ISOPARAMÉTRICOS

(2) (2) (ξ − ξ1 )(ξ − ξ2 ) (ξ + 1)(ξ − 0) 1


N3 (ξ) = l3 (ξ) = = = ξ(1 + ξ)
(ξ3 − ξ1 )(ξ3 − ξ2 ) (1 + 1)(1 − 0) 2

ou ainda,
(2)
(
N1 (ξ) = 12 ξa (1 + ξa ) a = 1, 3
(2) (5.9)
N2 (ξ) = (1 − ξ 2 ) a=2

Figura 5.5: Elemento unidimensional quadrático.

5.3.3 Elemento Cúbico


Seguindo o mesmo procedimento, determinam-se as funções de forma para o elemento de
terceiro grau, ilustrado na Figura 5.6. Portanto,
(3) (3) (ξ − ξ2 )(ξ − ξ3 )(ξ − ξ4 )
N1 (ξ) = l1 (ξ) =
(ξ1 − ξ2 )(ξ1 − ξ3 )(ξ1 − ξ4 )
(ξ + 1/3)(ξ − 1/3)(ξ − 1) 1
= = (9ξ 2 − 1)(1 − ξ)
(−1 + 1/3)(−1 − 1/3)(−1 − 1) 16

(3) (3) (ξ − ξ1 )(ξ − ξ3 )(ξ − ξ4 )


N2 (ξ) = l2 (ξ) =
(ξ2 − ξ1 )(ξ2 − ξ3 )(ξ2 − ξ4 )
(ξ + 1)(ξ − 1/3)(ξ − 1) 9
= = (1 − ξ 2 )(1 − 3ξ)
(−1/3 + 1)(−1/3 − 1/3)(−1/3 − 1) 16

(3) (3) (ξ − ξ1 )(ξ − ξ2 )(ξ − ξ4 )


N3 (ξ) = l3 (ξ) =
(ξ3 − ξ1 )(ξ3 − ξ2 )(ξ3 − ξ4 )
(ξ + 1)(ξ + 1/3)(ξ − 1) 9
= = (1 − ξ 2 )(1 + 3ξ)
(1/3 + 1)(1/3 + 1/3)(1/3 − 1) 16
5.3. ELEMENTOS UNIDIMENSIONAIS 67

(3) (3) (ξ − ξ1 )(ξ − ξ2 )(ξ − ξ3 )


N4 (ξ) = l4 (ξ) =
(ξ4 − ξ1 )(ξ4 − ξ2 )(ξ4 − ξ3 )
(ξ + 1)(ξ + 1/3)(ξ − 1/3) 1
= = (9ξ 2 − 1)(1 + ξ)
(1 + 1)(1 + 1/3)(1 − 1/3) 16
Logo,
(3)
(
9 2
Na (ξ) = 16 (1 − ξ )(1 + 3ξ) a = 2, 3
(3) 1 2
(5.10)
Na (ξ) = 16 (9ξ − 1)(1 + ξ) a = 1, 4

5.3.4 Elemento Quártico


Para o elemento quártico, mostrado na Figura 5.7, as funções de forma são determinadas
de maneira análoga aos elementos anteriores. Assim,
(4) (4) (ξ − ξ2 )(ξ − ξ3 )(ξ − ξ4 )(ξ − ξ5 )
N1 (ξ) = l1 (ξ) =
(ξ1 − ξ2 )(ξ1 − ξ3 )(ξ1 − ξ4 )(ξ1 − ξ5 )
(ξ + 1/2)(ξ − 0)(ξ − 1/2)(ξ − 1) 1
= = − ξ(4ξ 2 − 1)(1 − ξ)
(−1 + 1/2)(−1 + 0)(−1 − 1/2)(−1 − 1) 6

(4) (4) (ξ − ξ1 )(ξ − ξ3 )(ξ − ξ4 )(ξ − ξ5 )


N2 (ξ) = l2 (ξ) =
(ξ2 − ξ1 )(ξ2 − ξ3 )(ξ2 − ξ4 )(ξ2 − ξ5 )
(ξ + 1)(ξ + 0)(ξ − 1/2)(ξ − 1) 4
= = ξ(ξ 2 − 1)(1 − 2ξ)
(−1/2 + 1)(−1/2 − 0)(−1/2 − 1/2)(−1/2 − 1) 3

(4) (4) (ξ − ξ1 )(ξ − ξ2 )(ξ − ξ4 )(ξ − ξ5 )


N3 (ξ) = l3 (ξ) =
(ξ3 − ξ1 )(ξ3 − ξ2 )(ξ3 − ξ4 )(ξ3 − ξ5 )
(ξ + 1)(ξ + 1/2)(ξ − 1/2)(ξ − 1)
= = (1 − ξ 2 )(1 − 4ξ 2 )
(0 + 1)(0 + 1/2)(0 − 1/2)(0 − 1)

(4) (4) (ξ − ξ1 )(ξ − ξ2 )(ξ − ξ3 )(ξ − ξ5 )


N4 (ξ) = l4 (ξ) =
(ξ4 − ξ1 )(ξ4 − ξ2 )(ξ4 − ξ3 )(ξ4 − ξ5 )
(ξ + 1)(ξ + 1/2)(ξ − 0)(ξ − 1) 4
= = − ξ(1 − ξ 2 )(1 + 2ξ)
(1/2 + 1)(1/2 + 1/2)(1/2 − 0)(1/2 − 1) 3

(4) (4) (ξ − ξ1 )(ξ − ξ2 )(ξ − ξ3 )(ξ − ξ4 )


N5 (ξ) = l5 (ξ) =
(ξ5 − ξ1 )(ξ5 − ξ2 )(ξ5 − ξ3 )(ξ5 − ξ4 )
(ξ + 1)(ξ + 1/2)(ξ − 0)(ξ − 1/2) 1
= = ξ(4ξ 2 − 1)(1 + ξ)
(1 + 1)(1 + 1/2)(1 − 0)(1 − 1/2) 6
Portanto,

(4) 1 2
 Na (ξ) = 6 ξa ξ(4ξ − 1)(1 + ξa ξ) a = 1, 5


(4) 4 2
Na (ξ) = 3 ξa ξ(ξ − 1)(1 + 2ξa ξ) a = 2, 4 (5.11)
(4)

Na (ξ) = (1 − ξ 2 )(1 − 4ξ 2 ) a=3


68 CAPÍTULO 5. ELEMENTOS FINITOS ISOPARAMÉTRICOS

1 2 3 4
x
-1 -1/3 1/3 1

Figura 5.6: Elemento unidimensional cúbico.


1 2 3 4 5

-1 -1/2 0 1/2 1 x

Figura 5.7: Elemento unidimensional quártico.

5.4 Elemento Bidimensional Linear


Considere o elemento quadrangular ilustrado na Figura 5.8. As funções de forma deste
elemento são obtidas a partir de (5.6) e dos polinômios dados em (5.8), onde a relação
entre os ı́ndices a, b, c está apresentada na Tabela 5.1 e pode ser observada na Figura 5.8.
Portanto,
(1) (1) (1) 1
N1 (ξ, η) = l1 (ξ)l1 (η) = (1 − ξ)(1 − η)
4
(1) (1) (1) 1
N2 (ξ, η) = l2 (ξ)l1 (η) = (1 + ξ)(1 − η)
4
(1) (1) (1) 1
N3 (ξ, η) = l2 (ξ)l2 (η) = (1 + ξ)(1 + η)
4
(1) (1) (1) 1
N4 (ξ, η) = l1 (ξ)l2 (η) = (1 − ξ)(1 − η)
4

Estas relações podem ser resumidas na seguinte expressão


1
Na (ξ, η) = (1 + ξa ξ)(1 + ηa η) a = 1, 2, 3, 4 (5.12)
4
onde ξa = ±1 e ηa = ±1.

a 1 2 3 4
b 1 2 2 1
c 1 1 2 2

Tabela 5.1: Relação entre os ı́ndices a, b e c para o elemento quadrangular linear.

Outros elementos planos podem ser obtidos aumentando-se, progressivamente, um nó


para cada lado do quadrado, como ilustrado na Figura 5.9. Neste caso, verifica-se a
presença de nós interiores, aumentando-se assim o número de variáveis do elemento. Este
conjunto de elementos assim obtidos pertence à famı́lia lagrangeana. Pode-se evitar a
5.5. ELEMENTOS ISOPARAMÉTRICOS 69

η
4 3 η
2 1

1 2
= X
ξ -1 1 ξ

1 -1
1 2

Figura 5.8: Elemento quadrangular linear.

presença destes nós interiores. Define-se, assim, os elementos finitos da famı́lia Serendipity
discutidos nos capı́tulos seguintes.

η η η

ξ ξ ξ

Figura 5.9: Elemento lagrangeanos quadrangulares.

5.5 Elementos Isoparamétricos


Ao se aplicar o MEF na análise de uma estrutura, deve-se interpolar a sua geometria,
ou seja, as coordenadas dos pontos, assim como a grandeza a ser calculada, como por
exemplo os deslocamentos nodais. Pode-se aplicar as funções de forma para efetuar estas
interpolações. Neste caso, as três possibilidades ilustradas na Figura 5.10 podem ser
adotadas, ou seja,

• o número de nós usados para definir a forma do elemento é menor que aquele aplicado
para a interpolação da grandeza de interesse;

• utiliza-se o mesmo número de nós para interpolar a geometria e a grandeza;

• adota-se um número de nós maior para a interpolação da geometria.


70 CAPÍTULO 5. ELEMENTOS FINITOS ISOPARAMÉTRICOS

= coordenadas

= grandeza

a) b) c)

Figura 5.10: Elemento finitos subparamétricos, isoparamétricos e superparamétricos .

Estas três alternativas definem as classes dos elementos finitos subparamétricos, iso-
paramétricos e superparamétricos. Observa-se que os elementos subparamétricos são mais
utilizados, pois em geral deseja-se interpolar com maior precisão o campo da grandeza
a ser calculada, tais como deslocamentos, temperaturas, dentre outras. Neste texto, o
interesse está no estudo dos elementos finitos isoparamétricos.
Denotando por x, y e z as coordenadas dos pontos em relação a um sistema global de
referência, pode-se escrever as seguintes relações
n
Na (ξ, η, ζ)Xae
X
x(ξ, η, ζ) =
a=1
n
Na (ξ, η, ζ)Yae
X
y(ξ, η, ζ) = (5.13)
a=1
n
Na (ξ, η, ζ)Zae
X
z(ξ, η, ζ) =
a=1

onde n é o número de nós do elemento e Xea , Yea , Zea são as coordenadas cartesianas globais
dos nós do elemento e.
Analogamente, os deslocamentos {u}, {v} e {w} dos pontos são dados por
n
Na (ξ, η, ζ)Uae
X
u(ξ, η, ζ) =
a=1
n
Na (ξ, η, ζ)Vae
X
v(ξ, η, ζ) = (5.14)
a=1
n
Na (ξ, η, ζ)Wae
X
w(ξ, η, ζ) =
a=1

sendo Uea , Vea , Wea os deslocamentos nodais nas direções x,y,z, respectivamente, em relação
ao sistema global de referência.
As transformações indicadas em (5.14) e (5.15) são baseadas nas funções de forma dos
elementos e podem ser utilizadas para efetuar o mapeamento de um elemento distorcido
5.5. ELEMENTOS ISOPARAMÉTRICOS 71

no sistema global para uma forma regular no sistema local. Para exemplificar, considere
o elemento quadrangular ilustrado na Figura 5.11.
Aplicando-se (5.14), obtém-se as coordenadas x e y dos pontos do elemento no sistema
global, ou seja,

x(ξ, η) = N1 (ξ, η)X1e + N2 (ξ, η)X2e + N3 (ξ, η)X3e + N4 (ξ, η)X4e

y(ξ, η) = N1 (ξ, η)Y1e + N2 (ξ, η)Y2e + N3 (ξ, η)Y3e + N4 (ξ, η)Y4e

Substituindo as expressões das funções de forma dadas em (5.12) e as coordenadas do


ponto i (ξ = −1; η = 0) vem que

1 1
   
xi = x(−1, 0) = (5) + (0)(30) + (0)(20) + (10) = 7, 5
2 2

1 1
   
yi = y(−1, 0) = (15) + (0)(10) + (0)(30) + (25) = 20
2 2

Observa-se que as coordenadas do ponto i assim calculadas estão de acordo com a


Figura 5.11. Portanto, identificam-se no sistema global as linhas de ξ e η constantes.

Y η η =1
η 3
30
4 3
4
25
i
Yi
i ξ
1
ξ 15

10
2
η =-1
1 2

ξ =-1 ξ =1

5 10 20 30 X

Xi

Figura 5.11: Exemplo de transformação entre os sistemas de referência local e global


utilizando as funções de forma.

Assim, as funções de forma podem ser utilizadas não apenas para a interpolação da
geometria e das grandezas de interesse em estudo, mas também para definir uma trans-
formação entre os sistemas de referência global e local, facilitando o cálculo das matrizes
dos elementos finitos.
72 CAPÍTULO 5. ELEMENTOS FINITOS ISOPARAMÉTRICOS

5.6 Jacobiano e Cálculo das Derivadas Globais


A expressão geral para o cálculo da matriz de rigidez dos elementos finitos, dada em
(4.37) envolve derivadas das funções de forma em relação às coordenadas globais x,y e z,
através da matriz de deformação [B]. Como as funções de interpolação estão expressas
em coordenadas locais ξ,η e ζ, deve-se aplicar a regra da cadeia para se obter as derivadas
globais. Considerando, então, o nó a de um elemento vem que
∂Na ∂Na ∂x ∂Na ∂y ∂Na ∂z
= + +
∂ξ ∂x ∂ξ ∂y ∂ξ ∂z ∂ξ
∂Na ∂Na ∂x ∂Na ∂y ∂Na ∂z
= + +
∂η ∂x ∂η ∂y ∂η ∂z ∂η
∂Na ∂Na ∂x ∂Na ∂y ∂Na ∂z
= + +
∂ζ ∂x ∂ζ ∂y ∂ζ ∂z ∂ζ

ou em forma matricial,
∂y
 
 ∂Na  ∂x ∂z ∂Na
  ∂Na


 ∂ξ 
 ∂ξ ∂ξ ∂ξ 
 ∂x

 
 ∂x


∂Na  ∂x ∂y ∂z ∂Na ∂Na
∂η =
 ∂η ∂η ∂η

 ∂y = [J] ∂y (5.15)
∂Na ∂x ∂y ∂z ∂Na ∂Na

 
  
 
 

∂ζ ∂ζ ∂ζ ∂ζ ∂z ∂z

A matriz [J] é denominada Jacobiano da transformação. Assim, para se obter as


derivadas das funções de forma em relação às coordenadas globais x,y e z deve-se inverter
a matriz do Jacobiano. Logo,

∂Na
  ∂Na 

 ∂x

 
 ∂ξ 

∂Na ∂Na
∂y = [J]−1 ∂η (5.16)
∂Na ∂Na

 
 
 

∂z ∂ζ

Utilizando-se as relações (5.14) chega-se a seguinte expressão para a matriz do Jaco-


biano
 Pn ∂Na Pn ∂Na Pn ∂Na
a=1 ∂ξ Xa ∂ξ Ya ∂ξ Za

Pa=1 Pa=1
[J] =  na=1 ∂N n ∂Na n ∂Na
P
 a
X a ∂η Ya ∂η Za

∂η Pa=1 Pa=1

Pn ∂N n ∂Na n ∂Na
a=1 ∂ζ Xa a=1 ∂ζ Ya a=1 ∂ζ Za
a

 
∂N1 ∂N2 ∂Nn X1 Y1 Z1
...
 
∂ξ ∂ξ ∂ξ 
X2 Y2 Z2 
∂N1 ∂N2 ∂Nn  
=

 ∂η ∂η ... ∂η  .. .. ..  (5.17)
. . .
 
∂N1 ∂N2 ∂Nn
∂ζ ∂ζ ... ∂ζ
 
Xn Yn Zn
Demonstra-se ainda que o diferencial de volume dV , presente nas expressões para o
cálculo das matrizes e vetores de carregamentos dos elementos finitos, pode ser escrito nas
coordenadas locais ξ, η e ζ a partir do determinante do jacobiano da seguinte maneira
dV = dξdη dζ | det[J]| (5.18)
5.6. JACOBIANO E CÁLCULO DAS DERIVADAS GLOBAIS 73

Logo, as integrais de volume presentes nas relações para o cálculo das matrizes e dos
vetores de carregamento dos elementos finitos podem ser expressas em função das variáveis
locais. Tomando-se, por exemplo, a matriz de rigidez, observa-se que

Z Z 1 Z 1 Z 1
[K̄e ] = [B]T [D][B] dV = [B]T [D][B]| det[J]| dξdη dζ (5.19)
V −1 −1 −1

Em geral, a integração indicada em (5.19) não pode ser efetuada analiticamente. Desta
forma, deve-se empregar técnicas de integração numérica, as quais serão discutidas poste-
riormente.
Observa-se que o mapeamento entre coordenadas locais e globais pode não ser único
nos casos onde o elemento finito apresentar-se muito distorcido. Para que o mapeamento
seja único, o sinal do determinante do jacobiano deve permanecer inalterado para todos
os pontos do domı́nio considerado.
Para o elemento quadrangular linear, os ângulos internos não devem ser superiorres a
180o para evitar a distorção excessiva do elemento. Para o elemento quadrático, deve-se
garantir ainda que a posição dos nós intermediários esteja no 1/3 central de cada uma das
faces. Este casos estão ilustrados na Figura 5.12. Para as funções de forma de maior grau,
não é possı́vel obter regras semelhantes, devendo-se, então, checar o sinal do determinante
do jacobiano.

η α < 180 η

ξ ξ

1/3L

η η
1/3L

ξ
ξ
1/3L

Figura 5.12: Condição para que os elementos quadrangulares linear e quadrático não
apresentem distorção.
74 CAPÍTULO 5. ELEMENTOS FINITOS ISOPARAMÉTRICOS

5.7 Dedução da Matriz de Rigidez de Barra Plana


A matriz de rigidez do elemento de barra plana, ilustrado na Figura 2.5, foi obtida nos
capı́tulos anteriores considerando coeficientes de influência e aplicando-se a expressão
(4.37). Neste último caso, as funções de interpolação dependiam da variável global x,
como indicado em (4.50). Pretende-se agora deduzir esta mesma matriz, considerando, no
entanto, as funções de forma segundo o sistema local de referência ξ.
A partir de (4.48), observa-se que o campo de deslocamentos u do elemento de barra
possui variação linear. Como o elemento possui dois nós, a geometria pode ser interpolada
por funções lineares. Assim, este elemento é isoparamétrico, podendo-se empregar então,
as funções de forma do elemento linear dadas em (5.8). A partir das expressões (5.14) e
(5.15), a geometria e os deslocamentos são interpolados como
2
1 1
Na (ξ)Xae = N1 (ξ)X̄1 + N2 (ξ)X̄2 = (1 − ξ)X̄1 + (1 + ξ)X̄2
X
x(ξ) = (5.20)
a=1
2 2

2
1 1
Na (ξ)Uae = N1 (ξ)Ū1 + N2 (ξ)Ū2 = (1 − ξ)Ū1 + (1 + ξ)Ū2
X
u(ξ) = (5.21)
a=1
2 2

onde X̄1 , X̄2 e Ū1 ,Ū2 denotam, respectivamente, as coordenadas e os deslocamentos dos
nós 1 e 2 do elemento de barra.
A matriz de rigidez, segundo o sistema de referência local, pode ser calculada a partir
de (4.37). Neste caso, tem-se que
Z Z 1
T
[K̄e ] = [B] [D][B] dV = [B]T [D][B] | det[J]| A dξ (5.22)
V −1

sendo A a área da seção transversal.


A matriz de deformação será dada por
h i
∂N1 ∂N2
[B] = ∂x ∂x
(5.23)

Para a determinação das derivadas globais na expressão anterior aplica-se (5.16). Logo,

∂Na ∂Na ∂x ∂Na


 
= [J]−1 = a = 1, 2 (5.24)
∂x ∂ξ ∂ξ ∂ξ

Assim, através de (5.20) obtém-se

∂ 1 1 1 l
 

[J] = (1 − ξ)X̄1 + (1 + ξ)X̄2 = X̄2 − X̄1 = (5.25)
∂x 2 2 2 2
5.8. EXERCÍCIOS PROPOSTOS 75

Substituindo (5.25) em (5.24), chega-se às derivadas globais indicadas na matriz [B]
∂N1 2 ∂N1 1
= =−
∂x l ∂ξ l
∂N2 2 ∂N2 1
= =
∂x l ∂ξ l

Portanto, obtém-se a mesma expressão para a matriz [B] dada em (4.51), ou seja,

1h i
−1 1
l

A matriz de elasticidade [D] consiste apenas do módulo de elasticidade E, como pode


ser verificado em (4.47). Assim, retornando-se a (5.22) vem que
Z 1
[K̄e ] = [B]T [D][B] | det[J]| A dξ
−1
Z 1 " # " #
1 −1 1h i l EA 1 −1
= E −1 1 A dξ = (5.26)
−1 l 1 l 2 l −1 1

Desta maneira, determina-se a mesma expressão anterior. No entanto, este procedi-


mento é geral podendo ser estendido a vários tipos de elementos finitos, como será mostrado
nos próximos capı́tulos.

5.8 Exercı́cios Propostos


Exercı́cio 5.1 Determinar as funções de interpolação do elemento quadrático de 9 nós
da famı́lia lagrangeana.

Exercı́cio 5.2 Calcular a matriz do Jacobiano e seu determinante para o elemento quad-
rangular ilustrado na Figura 5.13.

4 3

x
2

1 2

4 4

Figura 5.13: Exercı́cio 5.2.


76 CAPÍTULO 5. ELEMENTOS FINITOS ISOPARAMÉTRICOS

Exercı́cio 5.3 Considere uma barra bi-apoiada de comprimento L submetida a uma carga
distribuı́da axial linear de intensidade q(x) = q0 (L − x). Determinar a solução analı́tica
e comparar a solução na metade da barra as aproximações obtidas pelo MEF usando dois
elementos lineares e um elemento quadrático.
Capı́tulo 6

Funções de Forma para os


Elementos Quadrangulares

Nesse capı́tulo, apresenta-se a construção das funções de interpolação para quadrados e


cubos da famı́lia Serendipty até a quarta e terceira ordens, respectivamente. A construção
é baseada no produto tensorial de polinômios de Lagrange unidimensionais, conforme
indicado no capı́tulo anterior.

6.1 Elementos Planos

Os elementos da famı́lia Serendipity não possuem nós internos, como pode ser visto na
Figura 6.1, onde se apresentam os elementos linear, quadrático, cúbico e quártico.
Tomando-se o nó 5 do elemento quadrático, verifica-se a existência de três nós na
direção ξ, ou seja, (1,5,2) e apenas dois nós na direção η, isto é, (5,7). Assim, a função de
forma associada ao nó 5 será quadrática em ξ e linear em η. Analogamente, a função de
interpolação do nó 8 será quadrática em η e linear em ξ. Considerando o elemento cúbico,
observa-se que para os nós (5,6,9,10) as funções de forma são de terceiro grau em ξ e linear
em η. Já para os nós (7,8,11,12) tem-se funções cúbicas em η e lineares em ξ. Esta análise
pode ser efetuada para o elemento quártico, assim como para os elementos espaciais. Este
fato é uma das propriedades dos elementos da famı́lia Serendipity. Assim, enquanto os
elementos lagrangeanos possuem funções de forma com os mesmo graus em ξ e η, como
pode ser verificado na Figura 5.9, os elementos de Serendipty apresentam variação linear
numa das direções.
Observa-se que o elemento linear é o mesmo já apresentado para a famı́lia lagrangeana.
As funções de forma são dadas pela expressão (5.12), estando por sua vez apresentada na
Figura 6.2. A seguir apresentam-se as funções de forma de segundo ao quarto graus para
os elementos quadrangulares da famı́lia Serendipity.

77
78CAPÍTULO 6. FUNÇÕES DE FORMA PARA OS ELEMENTOS QUADRANGULARES

η η

4 3 4 7 3

8 6
ξ ξ

1 2 1 5 2

η η

4 10 9 3 4 13 12 11 3

14 10
11 8

15 9
ξ 17 ξ
12 7 16 8

1 5 6 2 1 5 6 7 2

Figura 6.1: Elementos planos da famı́lia Serendipity.

0
1

-1 0
0
1 -1

Figura 6.2: Função de forma tı́pica para os nós do elementos linear.


6.1. ELEMENTOS PLANOS 79

η η

4 7 3
3 1

1 2 3
8 6 = X 2 0
ξ ξ
-1 0 1

1 -1
1 5 2

Figura 6.3: Elemento quadrático da famı́lia Serendipity.

6.1.1 Elemento Quadrático


Neste caso, verifica-se que as funções de forma para o segundo elemento da famı́lia Serendip-
ity possuem variação quadrática ao longo dos lados, como ilustrado na Figura 6.3. Pode-se
aplicar a expressão (5.6) para a determinação das funções de interpolação, onde a relação
entre os ı́ndices a, b e c está apresentada na Tabela 6.1.

a 1 2 3 4 5 6 7 8
b 1 3 3 1 2 3 2 1
c 1 1 3 3 1 2 3 2

Tabela 6.1: Relação entre os ı́ndices a, b e c para o elemento quadrático.

Assim, tomando-se as expressões (5.6), (5.8) e (5.9) determinam-se as seguintes funções


para o elemento quadrático
(2) (2) (2) 1
N1 (ξ, η) = l1 (ξ)l1 (η) = ξη(1 − ξ)(1 − η)
4
(2) (2) (2) 1
N2 (ξ, η) = l3 (ξ)l1 (η) = − ξη(1 + ξ)(1 − η)
4
(2) (2) (2) 1
N3 (ξ, η) = l3 (ξ)l3 (η) = ξη(1 + ξ)(1 + η)
4
(2) (2) (2) 1
N4 (ξ, η) = l1 (ξ)l3 (η) = − ξη(1 − ξ)(1 + η) (6.1)
4
(2) (2) (1) 1
N5 (ξ, η) = l2 (ξ)l1 (η) = (1 − ξ 2 )(1 − η)
2
(2) (1) (2) 1
N6 (ξ, η) = l3 (ξ)l2 (η) = (1 + ξ)(1 − η 2 )
2
(2) (2) (1) 1
N7 (ξ, η) = l2 (ξ)l3 (η) = (1 − ξ 2 )(1 + η)
2
(2) (1) (2) 1
N8 (ξ, η) = l1 (ξ)l2 (η) = (1 − ξ)(1 − η 2 )
2
80CAPÍTULO 6. FUNÇÕES DE FORMA PARA OS ELEMENTOS QUADRANGULARES

De forma reduzida,

(2) 1
 N1 (ξ, η) = 4 ξa ξηa η(1 − ξ)(1 − η) a = 1, . . . , 4


(2) 1
Na (ξ, η) = 2 (1 − ξ 2 )(1
+ ηa η) a = 5, 7 (6.2)
(2)

1 2
Na (ξ, η) = 2 (1 − η )(1 + ξa ξ) a = 6, 8

As funções de forma dos nós 1 a 4 podem ainda serem determinadas a partir daquelas
(1)
do elemento linear. Para isso, tomando-se por exemplo N1 (ξ, η) dada em (5.12) e as
coordenadas dos nós 5 (ξ5 = 0; η5 = −1) e 8 (ξ8 = −1; η8 = 0) do elemento quadrático,
tem-se que

(1) 1 1
N1 (0, −1) = (1 − 0)(1 + 1) =
4 2

(1) 1 1
N1 (−1, 0) = (1 − 0)(1 + 1) =
4 2
(1)
Assim, N1 (·) não pode ser utilizada para o elemento quadrático pois não satisfaz a
(2) (2)
propriedade (5.4). Como N5 (ξ5 , η5 ) = 1 e N8 (ξ8 , η8 ) = 1, pode-se utilizá-las para obter
(2)
a função N1 do nó 1 da seguinte maneira

(2) (1) 1 (2) (2)


N1 (ξ, η) = N1 (ξ, η) − [N5 (ξ, η) + N8 (ξ, η)]
2
Tomando-se a expressão anterior para as coordenadas dos nós 1, 5 e 8, verifica-se que
(2) 1 h (2)
(1) (2)
i 1
N1 (−1, −1) = N1 (−1, −1) − N5 (−1, −1) + N8 (−1, −1) = 1 − [0 + 0] = 1
2 2
(2) (1) 1 h (2) (2)
i 1 1
N5 (0, −1) = N1 (0, −1) − N5 (0, −1) + N8 (0, −1) = − [1 + 0] = 0
2 2 2
(2) (1) 1 h (2) (2)
i 1 1
N8 (−1, 0) = N1 (−1, 0) − N5 (−1, 0) + N8 (−1, 0) = − [0 + 1] = 0
2 2 2
satisfazendo a equação (5.4).
Para os demais nós o procedimento é análogo, bastando subtrair das funções de forma
do elemento linear 12 vezes a soma das respectivas funções de interpolação dos nós adja-
centes. Portanto, estas relações são resumidas como
 (2) (1) (2) (2)

 N1 (ξ, η) = N1 (ξ, η) − 12 [N5 (ξ, η) + N8 (ξ, η)]
 N (2) (ξ, η) = N (1) (ξ, η) − 1 [N (2) (ξ, η) + N (2) (ξ, η)]


2 2 2 5 6 (6.3)
 N (2) (ξ, η) = N (1) (ξ, η) − 1 [N (2) (ξ, η) + N (2) (ξ, η)]

 3 3 2 6 7
 (2)
 (1) 1 (2) (2)
N4 (ξ, η) = N4 (ξ, η) − 2 [N7 (ξ, η) + N8 (ξ, η)]

As funções tı́picas para os nós 5 a 8 deste elemento estão ilustradas na Figura 6.4.
6.1. ELEMENTOS PLANOS 81

0
1

-1 0
0
1 -1

Figura 6.4: Função de forma tı́pica para os nós 5 a 8 do elemento quadrático.

6.1.2 Elemento Cúbico


O procedimento anterior pode ser estendido para os elementos quadrangulares de maior
grau. Tomando-se o elemento cúbico ilustrado na Figura 6.5, pode-se aplicar a expressão
(5.6) para se determinar as funções de forma, estando a relação entre os ı́ndices a, b e c
dada na Tabela 6.2.
A partir das equações (5.6), (5.8), (5.10) e da Tabela 6.2 determinam-se as funções de
forma para este elemento

(3) (3) (3) 1


N1 (ξ, η) = l1 (ξ)l1 (η) = (9ξ 2 − 1)(1 − ξ)(9η 2 − 1)(1 − η)
256

η
4 10 9 3

4 1

11 8 1 2 3 4 3 1/3
= X
ξ -1 -1/3 1/3 1 ξ
12 7 2 -1/3

1 -1
1 5 6 2

Figura 6.5: Elemento quadrangular cúbico.


82CAPÍTULO 6. FUNÇÕES DE FORMA PARA OS ELEMENTOS QUADRANGULARES

a 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
b 1 4 4 1 2 3 4 4 3 2 1 1
c 1 1 4 4 1 1 2 3 4 4 3 2

Tabela 6.2: Relação entre os ı́ndices a, b e c para o elemento cúbico.

(3) (3) (3) 1


N2 (ξ, η) = l4 (ξ)l1 (η) = (9ξ 2 − 1)(1 + ξ)(9η 2 − 1)(1 − η)
256
(3) (3) (3) 1
N3 (ξ, η) = l4 (ξ)l4 (η) = (9ξ 2 − 1)(1 + ξ)(9η 2 − 1)(1 + η)
256
(3) (3) (3) 1
N4 (ξ, η) = l1 (ξ)l4 (η) = (9ξ 2 − 1)(1 − ξ)(9η 2 − 1)(1 + η)
256
(3) (3) (1) 9
N5 (ξ, η) = l2 (ξ)l1 (η) = (1 − ξ 2 )(1 − 3ξ)(1 − η)
32
(3) (3) (1) 9
N6 (ξ, η) = l3 (ξ)l1 (η) = (1 − ξ 2 )(1 + 3ξ)(1 − η)
32
(3) (1) (3) 9
N7 (ξ, η) = l4 (ξ)l2 (η) = (1 + ξ)(1 − η 2 )(1 − 3η)
32
(3) (1) (3) 9
N8 (ξ, η) = l4 (ξ)l3 (η) = (1 + ξ)(1 − η 2 )(1 + 3η)
32
(3) (3) (1) 9
N9 (ξ, η) = l3 (ξ)l4 (η) = (1 − ξ 2 )(1 + 3ξ)(1 + η)
32
(3) (3) (1) 9
N10 (ξ, η) = l2 (ξ)l4 (η) = (1 − ξ 2 )(1 − 3ξ)(1 + η)
32
(3) (1) (3) 9
N11 (ξ, η) = l1 (ξ)l3 (η) = (1 − ξ)(1 − η 2 )(1 + 3η)
32
(3) (1) (3) 9
N12 (ξ, η) = l1 (ξ)l2 (η) = (1 − ξ)(1 − η 2 )(1 − 3η)
32
ou de forma reduzida,

(3) (3) (3) 1 2
 Na (ξ, η) = l1 (ξ)l1 (η) =

 − 1)(1 − ξ)(9η 2 − 1)(1 − η) a = 1, 2, 3, 4
256 (9ξ
(3) 9
Na (ξ, η) = 32 (1 − ξ 2 )(1 + 3ξa ξ)(1 + ηa η) a = 5, 6, 9, 10 (6.4)
(3)

9 2
Na (ξ, η) = 32 (1 + ξa ξ)(1 + 3ηa η)(1 − η ) a = 7, 8, 11, 12

Da mesma maneira, as funções de interpolação dos nós 1 a 4 podem ser determinadas


a partir da modificação das funções obtidas para o elemento linear. Portanto,
 (3) (1) (3) (3) (3) (3)

 N1 (ξ, η) = N1 (ξ, η) − 23 [N5 (ξ, η) + N12 (ξ, η)] − 13 [N6 (ξ, η) + N11 (ξ, η)]
 N (3) (ξ, η) = N (1) (ξ, η) − 2 [N (3) (ξ, η) + N (3) (ξ, η)] − 1 [N (3) (ξ, η) + N (3) (ξ, η)]


2 2 3 6 7 3 5 8 (6.5)
 N (3) (ξ, η) = N (1) (ξ, η) − 2 [N (3) (ξ, η) + N (3) (ξ, η)] − 1 [N (3) (ξ, η) + N (3) (ξ, η)]

 3 3 3 8 9 3 7 10
 (3)
 (1) 2 (3) (3) 1 (3) (3)
N4 (ξ, η) = N4 (ξ, η) − 3 [N10 (ξ, η) + N11 (ξ, η)] − 3 [N9 (ξ, η) + N12 (ξ, η)]
As funções de forma tı́picas para os nós 5 a 12 deste elemento estão ilustradas na
Figura 6.6.
6.1. ELEMENTOS PLANOS 83

1 1

0 0

1 1

-1 0 -1 0
0 0
1 -1 1 -1

Figura 6.6: Função de forma tı́pica para os nós (5, 6, 9, 10) e (7, 8, 11, 12) do elemento
cúbico.

6.1.3 Elemento Quártico


Para o elemento de quarto grau, mostrado na Figura 6.7, as funções de forma são obtidas
a partir das expressões (5.6), (5.8) e (5.11). Os ı́ndices a, b e c estão apresentados na
Tabela 6.3. Assim, de forma resumida
 (4)
1

 Na (ξ, η) = 36 ξa ξηa η(4ξ 2 − 1)(1 + ξa ξ)(4η 2 − 1)(1 + ηa η) a = 1, 2, 3, 4
(4)

 N (ξ, η) = 2 (ξ ξ)(ξ 2 − 1)(1 + 2ξ ξ)(1 + η η)

a = 5, 7, 11, 13
a 3 a a a
(4) 2 2
(6.6)


 Na (ξ, η) = 3 (ηa η)(1 − η )(1 + ξa ξ)(1 + 2ηa η) a = 8, 10, 14, 16
 (4)

2 2
Na (ξ, η) = (1 − ξ )(1 − η ) a = 17

Expressando-se as funções de interpolação dos nós 1 a 4 em termos das funções do


elemento linear, obtém-se
 (4) (1) (4) (4) (4) (4) (4) (4)
N (ξ, η) = N1 (·) − 43 [N5 (·) + N16 (·)] − 12 [N6 (·) + N15 (·)] − 14 [N7 (·) + N14 (·)]
 1(4)

 (1) 3 (4) (4) 1 (4) (4) 1 (4) (4)
N2 (ξ, η) = N2 (·) − 4 [N7 (·) + N8 (·)] − 2 [N9 (·) + N12 (·)] − 4 [N8 (·) + N13 (·)]
(4) (1) (4) (4) (4) (4) (4) (4) (6.7)
N (ξ, η) = N3 (·) − 34 [N10 (·) + N11 (·)] − 12 [N9 (·) + N12 (·)] − 14 [N8 (·) + N13 (·)]
 3(4)

 (1) 3 (4) (4) 1 (4) (4) 1 (4) (4)
N4 (ξ, η) = N4 (·) − 4 [N13 (·) + N14 (·)] − 2 [N12 (·) + N15 (·)] − 4 [N11 (·) + N16 (·)]

a 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17
b 1 5 5 1 2 3 4 5 5 5 4 3 2 1 1 1 3
c 1 1 5 5 1 1 1 2 3 4 5 5 5 4 3 2 3

Tabela 6.3: Relação entre os ı́ndices a, b e c para o elemento quártico.


84CAPÍTULO 6. FUNÇÕES DE FORMA PARA OS ELEMENTOS QUADRANGULARES

η
4 13 12 11 3
5 1

14 10 4 1/2
1 2 3 4 5
= X 3 0
15 9
17 ξ -1 -1/2 0 1/2 1 ξ
2 -1/2
16 8

1 -1
1 5 6 7 2

Figura 6.7: Elemento quadrangular quártico.

As funções de forma tı́picas para os nós deste elemento estão ilustradas nas Figuras
6.8 e 6.9.

6.2 Elementos Espaciais


Pode-se estender a formulação apresentada anteriormente para se obter as funções de forma
dos elementos quadrangulares planos para os elementos espaciais. Neste caso, consideram-
se os cubos ilustrados na Figura 6.10.

6.2.1 Elemento Linear


Inicialmente, toma-se o elemento linear ilustrado na Figura 6.11. Para deduzir as suas
funções de forma, aplica-se a equação (5.7), onde a correspondência entre os ı́ndices a, b, c
e d está dada na Tabela 6.4, juntamente com as relações em (5.8). Assim, determinam-se
as seguintes funções
(1) (1) (1) (1) 1
N1 (ξ, η, ζ) = l1 (ξ)l1 (η)l1 (ζ) = (1 − ξ)(1 − η)(1 − ζ)
8
(1) (1) (1) (1) 1
N2 (ξ, η, ζ) = l2 (ξ)l1 (η)l1 (ζ) = (1 + ξ)(1 − η)(1 − ζ)
8
(1) (1) (1) (1) 1
N3 (ξ, η, ζ) = l2 (ξ)l2 (η)l1 (ζ) = (1 + ξ)(1 + η)(1 − ζ)
8
(1) (1) (1) (1) 1
N4 (ξ, η, ζ) = l1 (ξ)l2 (η)l1 (ζ) = (1 − ξ)(1 + η)(1 − ζ)
8
(1) (1) (1) (1) 1
N5 (ξ, η, ζ) = l1 (ξ)l1 (η)l2 (ζ) = (1 − ξ)(1 − η)(1 + ζ)
8
(1) (1) (1) (1) 1
N6 (ξ, η, ζ) = l2 (ξ)l1 (η)l2 (ζ) = (1 + ξ)(1 − η)(1 + ζ)
8
(1) (1) (1) (1) 1
N7 (ξ, η, ζ) = l2 (ξ)l2 (η)l2 (ζ) = (1 + ξ)(1 + η)(1 + ζ)
8
6.2. ELEMENTOS ESPACIAIS 85

1
1

1 1
0.5
-1 0 -1 0
-0.5
0 -0.5 0
0.5
1 -1 1 -1

Figura 6.8: Função de forma tı́pica para os nós 1 a 4 e (5, 7, 11 e 13) do elemento quártico.

0
0
1 1

-1 0 -1 0
0 0
1 -1 1 -1

Figura 6.9: Função de forma para os nós (8, 10, 14, 16) e 17 do elemento quártico.
86CAPÍTULO 6. FUNÇÕES DE FORMA PARA OS ELEMENTOS QUADRANGULARES

η η
5
η 5 16 8 5 24 23 8
8
17 22
13
18 29 21 32
15
6
6 7 6 20
14 7 7
17 19
20 28
30 25 31

18 1 19 4 ξ 1 4 ξ
ξ
4
1 9
9 12 26 16 15
11 10 27
14
ζ ζ
ζ 13

2 10 3 2 11 12 3
2
3

Figura 6.10: Elementos espaciais linear, quadrático e cúbico.

η
5
8

η
6
7 2 1 1
1 2 -1
= X X
1
4
ξ ξ
-1 1
2

1 -1 1
ζ
2
3
ζ

Figura 6.11: Elemento espacial linear.

(1) (1) (1) (2) 1


N8 (ξ, η, ζ) = l1 (ξ)l2 (η)l2 (ζ) = (1 − ξ)(1 + η)(1 + ζ)
8

Resumido as relações anteriores, tem-se

1
Na(1) (ξ, η, ζ) = (1 + ξa ξ)(1 + ηa η)(1 + ζa ζ) a = 1, . . . , 8 (6.8)
8

onde ξa = ±1, ηa = ±1 e ζa = ±1.

6.2.2 Elemento Quadrático


Tomando-se agora o elemento quadrático, como mostrado na Figura 6.12, e os ı́ndices a, b,
c e d dados na Tabela 6.5, pode-se aplicar as expressões (5.7), (5.8) e (5.9) para a obtenção
6.2. ELEMENTOS ESPACIAIS 87

a 1 2 3 4 5 6 7 8
b 1 2 2 1 1 2 2 1
c 1 1 2 2 1 1 2 2
d 1 1 1 1 2 2 2 2

Tabela 6.4: Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento espacial linear.

das funções de forma. Portanto, de forma reduzida


 (2)
1

 Na (ξ, η, ζ) = 8 (1 + ξa ξ)(1 + ηa η)(1 + ζa ζ)(ξa ξ + ηa η + ζa ζ − 2) a = 1, 2, 3, 4
 (2) 1
− ξ 2 )(1 + ηa η)(1 + ζa ζ)

Na (ξ, η, ζ) = 4 (1 a = 9, 11, 13, 15
(2) 1
(6.9)

 Na (ξ, η, ζ) = 4 (1 + ξa ξ)(1 − η 2 )(1 + ζa ζ) a = 10, 12, 14, 16
 (2)

1
Na (ξ, η, ζ) = 4 (1 + ξa ξ)(1 + ηa η)(1 − ζ 2 ) a = 17, 18, 19, 20

Para os nós 1 a 8, as funções de forma podem ser determinadas modificando-se àquelas


(1)
obtidas para o elemento linear. Por exemplo, calculando-se N1 para os nós 9 (ξ = 0; η =
−1; ζ = −1), 12 (ξ = −1; η = 0; ζ = −1), e 17 (ξ = −1; η = −1; ζ = 0), vem que

(1) 1 1
N1 (0, −1, −1) = (1 − 0)(1 + 1)(1 + 1) =
8 2
(1) 1 1
N1 (−1, 0, −1) = (1 + 1)(1 − 0)(1 + 1) =
8 2
(1) 1 1
N1 (−1, −1, 0) = (1 + 1)(1 + 1)(1 − 0) =
8 2
1
Portanto, deve-se subtrair das funções de forma lineares o múltiplo de 2 vezes a soma
das funções dos quadráticas dos nós adjacentes. Assim,

(2) (1) (2) (2) (2)


 N1 (ξ, η, ζ) = N1 (ξ, η, ζ) − 12 [N9 (ξ, η, ζ) + N12 (ξ, η, ζ) + N17 (ξ, η, ζ)]
(2) (1) (2) (2) (2)
N2 (ξ, η, ζ) = N2 (ξ, η, ζ) − 12 [N9 (ξ, η, ζ) + N10 (ξ, η, ζ) + N18 (ξ, η, ζ)]





(2) (1) (2) (2) (2)

N3 (ξ, η, ζ) = N3 (ξ, η, ζ) − 12 [N10 (ξ, η, ζ) + N11 (ξ, η, ζ) + N19 (ξ, η, ζ)]




 (2) (1) (2) (2) (2)

 1
N4 (ξ, η, ζ) = N4 (ξ, η, ζ) − 2 [N11 (ξ, η, ζ) + N12 (ξ, η, ζ) + N20 (ξ, η, ζ)]
(2) (1) (2) (2) (2) (6.10)


 N5 (ξ, η, ζ) = N5 (ξ, η, ζ) − 12 [N13 (ξ, η, ζ) + N16 (ξ, η, ζ) + N17 (ξ, η, ζ)]
(2) (1) (2) (2) (2)
N6 (ξ, η, ζ) = N6 (ξ, η, ζ) − 12 [N13 (ξ, η, ζ) + N14 (ξ, η, ζ) + N18 (ξ, η, ζ)]





(2) (1) (2) (2) (2)

N7 (ξ, η, ζ) = N7 (ξ, η, ζ) − 12 [N14 (ξ, η, ζ) + N15 (ξ, η, ζ) + N19 (ξ, η, ζ)]




 (2) (1) (2) (2) (2)

 1
N8 (ξ, η, ζ) = N8 (ξ, η, ζ) − 2 [N15 (ξ, η, ζ) + N16 (ξ, η, ζ) + N20 (ξ, η, ζ)]

6.2.3 Elemento Cúbico


O elemento de terceiro grau possui 32 nós e está apresentado na Figura 6.13. A relação
entre os ı́ndices a, b, c e d está dada na Tabela 6.6. Aplicando-se o mesmo procedimento,
chegam-se às seguintes funções de interpolação, respectivamente, para os nós a = 1, . . . , 8,
88CAPÍTULO 6. FUNÇÕES DE FORMA PARA OS ELEMENTOS QUADRANGULARES

η
5 16 8

13 η
15
6 14
7 20 3 1 1
17
1 2 3 -1
= X 2
2 0 X
18 1 19
4
ξ ξ 0
-1 0 1
12 2
9
ζ 11 1 -1 1
10
2
3 ζ

Figura 6.12: Elemento espacial quadrático.

a 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
b 1 3 3 1 1 3 3 1 2 3 2 1 2 3 2 1 1 3 3 1
c 1 1 3 3 1 1 3 3 1 2 3 2 1 2 3 2 1 1 3 3
d 1 1 1 1 3 3 3 3 1 1 1 1 3 3 3 3 2 2 2 2

Tabela 6.5: Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento espacial quadrático.

a = (9, 10, 13, 14, 17, 18, 21, 22), a = (11, 12, 15, 16, 19, 20, 23, 24) e a = 25, . . . , 32 deste
elemento
1
Na(3) (ξ, η, ζ) = (1 + ξa ξ)(1 + ηa η)(1 + ζa ζ)[9(ξ 2 + η 2 ζ 2 ) − 19]
64
9
Na(3) (ξ, η, ζ) = (1 − ξ 2 )(1 + 3ξa ξ)(1 + 3ηa η)(1 + ζa ζ) (6.11)
64
9
Na(3) (ξ, η, ζ) = (1 + 3ξa ξ)(1 − η 2 )(1 + 3ηa η)(1 + ζa ζ)
64
9
Na(3) (ξ, η, ζ) = (1 + 3ξa ξ)(1 − η 2 )(1 + 3ηa η)(1 − η 2 )(1 + ζa ζ)
64
Novamente, as funções de forma dos nós 1 a 8 podem ser obtidas a partir das relações
do elemento linear. Logo,
(3) (1) 2 (3) (3) (3) 1 (3) (3) (3)
N1 (ξ, η, ζ) = N1 (·) − [N (·) + N16 (·) + N25 (·)] − [N (·) + N15 (·) + N29 (·)]
3 9 3 10
(3) (1) 2 (3) (3) (3) 1 (3) (3) (3)
N2 (ξ, η, ζ) = N2 (·) − [N (·) + N11 (·) + N26 (·)] − [N (·) + N12 (·) + N30 (·)]
3 10 3 9
(3) (1) 2 (3) (3) (3) 1 (3) (3) (3)
N3 (ξ, η, ζ) = N3 (·) − [N (·) + N13 (·) + N27 (·)] − [N (·) + N14 (·) + N31 (·)]
3 12 3 11
(3) (1) 2 (3) (3) (3) 1 (3) (3) (3)
N4 (ξ, η, ζ) = N4 (·) − [N (·) + N15 (·) + N28 (·)] − [N (·) + N16 (·) + N32 (·)] (6.12)
3 14 3 13
(3) (1) 2 (3) (3) (3) 1 (3) (3) (3)
N5 (ξ, η, ζ) = N5 (·) − [N (·) + N24 (·) + N29 (·)] − [N (·) + N23 (·) + N25 (·)]
3 17 3 18
(3) (1) 2 (3) (3) (3) 1 (3) (3) (3)
N6 (ξ, η, ζ) = N6 (·) − [N (·) + N19 (·) + N30 (·)] − [N (·) + N20 (·) + N26 (·)]
3 18 3 17
6.2. ELEMENTOS ESPACIAIS 89

η
5 24 23 8
17
22
18 29 η
21 32
6 19 20
7 4 1 1
25 28 1 2 3 4 2 -1
31 3 1/3
30 = X X -1/3
1 16 15
4
ξ ξ 3
9 -1 -1/3 1/3 1 2 -1/3 1/3
4
26 10 27 14
ζ 1 -1 1
13
2
3 ζ
11 12

Figura 6.13: Elemento espacial de terceiro grau.

(3) (1) 2 (3) (3) (3) 1 (3) (3) (3)


N7 (ξ, η, ζ) = N7 (·) − [N (·) + N21 (·) + N31 (·)] − [N (·) + N22 (·) + N27 (·)]
3 20 3 19
(3) (1) 2 (3) (3) (3) 1 (3) (3) (3)
N8 (ξ, η, ζ) = N8 (·) − [N22 (·) + N23 (·) + N32 (·)] − [N (·) + N24 (·) + N28 (·)]
3 3 21

a b c d a b c d
1 1 1 1 17 2 1 4
2 4 1 1 18 3 1 4
3 4 4 1 19 4 2 4
4 1 4 1 20 4 3 4
5 1 1 4 21 3 4 4
6 4 1 4 22 2 4 4
7 4 4 4 23 1 3 4
8 1 4 4 24 1 2 4
9 2 1 1 25 1 1 2
10 3 1 1 26 4 1 2
11 4 2 1 27 4 4 2
12 4 3 1 28 1 4 2
13 3 4 1 29 1 1 3
14 2 4 1 30 4 1 3
15 1 3 1 31 4 4 3
16 1 2 1 32 1 4 3

Tabela 6.6: Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento espacial de terceiro grau.
90CAPÍTULO 6. FUNÇÕES DE FORMA PARA OS ELEMENTOS QUADRANGULARES
Capı́tulo 7

Funções de Forma para Elementos


Triangulares

Nesse capı́tulo, apresenta-se a construção das funções de interpolação para triângulos e


tetraedros baseada no produto tensorial de funções unidimensionais. A abordagem aqui
discutida é totalmente original. Inicialmente, considera-se o conceito de coordenadas de
área, as quais são naturalmente apropriadas para o caso de triângulos. Apresenta-se o
conceito de jacobiano de transformação e o cálculo de derivadas globais. Posteriormente,
discute-se o processo de tensorização, o qual é aplicado para se obter as funções de inter-
polação de elementos até o quarto grau. Posteriomente, consideram-se as coordenadas de
volume para tetraedros, o jacobiano local-global, cálculo de derivadas globais e aplicação
do produto tensorial para a construção de funções dos elementos até o terceiro grau.

7.1 Coordenadas de Área


Dado um ponto P no interior de um triângulo de área A, definem-se 3 subtriângulos com
áreas A1 , A2 e A3 , como mostrado na Figura 7.1. Pode-se, então, escrever as seguintes
relações

A1 A2 A3
L1 = L2 = L3 = (7.1)
A A A

Verifica-se que estas coordenadas variam de 0 a 1, ou seja, 0 ≤ Li ≤ 1 (i = 1, 2, 3).


Assim, supondo que o ponto P esteja sobre o vértice 1, tem-se que a área A1 será igual a
área A e L1 assume o valor 1. No entanto, se o ponto P está sobre a aresta 2-3, a área
A1 será nula e portanto L1 = 0. De forma análoga para L2 e L3 . Pode-se traçar linhas
de Li constante, observando-se que as mesmas são paralelas ao lado a partir do qual a
coordenada Li é medida. Estas linhas estão mostradas na Figura 7.1, considerando-se a
coordenada L1 .

91
92 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES

3 3 3

A1
A2
L1 L1
L2
P
2
L3
A3 2 2

1
L1 = 0
1 1 1
L 1 = 1/2
2
L1 =1
3

Figura 7.1: Coordenadas de área para triângulos.

As componentes L1 , L2 e L3 são denominadas coordenadas de área, sendo utilizadas


para a definição das funções de forma dos elementos triangulares.
A partir da Figura 7.1, verifica-se que

A = A1 + A2 + A3

Dividindo-se a relação anterior por A vem que

A1 A2 A3
+ + =1
A A A
Aplicando (7.1), tem-se

L1 + L2 + L3 = 1 → L3 = 1 − L1 − L2 (7.2)

Assim, a expressão (7.2) pode ser utilizada para denotar a variável L3 em função das
componentes independentes L1 e L2 .

7.2 Cálculo do Jacobiano e das Derivadas Globais


Considerando-se os elementos triangulares como isoparamétricos, tem-se que as coorde-
nadas globais x e y dos pontos de um elemento são dadas por
n
Na (L1 , L2 )Xae
X
x(L1 , L2 ) = (7.3)
a=1

n
Na (L1 , L2 )Yae
X
y(L1 , L2 ) = (7.4)
a=1
7.2. CÁLCULO DO JACOBIANO E DAS DERIVADAS GLOBAIS 93

onde n é o número de nós do elemento; Xae e Yae são as coordenadas globais dos nós do
elemento e.
Observa-se que expressões análogas podem ser escritas para os deslocamentos u e v de
pontos do elemento. Logo,
n
Na (L1 , L2 )Uae
X
u(L1 , L2 ) = (7.5)
a=1

n
Na (L1 , L2 )Vae
X
v(L1 , L2 ) = (7.6)
a=1

sendo Uae e Vae os deslocamentos dos graus de liberdade do elemento e.


Para o cálculo da matriz de rigidez dos elementos, deve-se calcular a matriz de de-
formação [B] contendo as derivadas parciais das funções de forma em relação às variáveis
globais x e y. No entanto, têm-se 3 coordenadas de área para o caso plano. Considerando,
inicialmente, L1 e L2 como variáveis independentes, pode-se escrever para o nó a de um
elemento
∂Na ∂Na ∂x ∂Na ∂y
= +
∂L1i ∂x ∂L1 ∂y ∂L1
∂Na ∂Na ∂x ∂Na ∂y
= +
∂L2i ∂x ∂L2 ∂y ∂L2
onde o subı́ndice i reflete a independência das variáveis L1 e L2 . Estas relações podem ser
denotadas matricialmente como
( ) " #( ) ( )
NaL1 xL1 yL1 Nax Nax
i = = [J] (7.7)
NaL2 xL2 yL2 Nay Nay
i

sendo [J] a matriz do Jacobiano.


Invertendo-se a matriz do Jacobiano, determinam-se as coordenadas em relação as
derivadas globais x e y. Logo,
( ) ( )
Nax −1
NaL1
= [J] i (7.8)
Nay NaL2
i

Deve-se, no entanto, considerar a variável L3 . Observa-se que


∂Na ∂Na ∂L1 ∂Na ∂L1 ∂Na ∂L1
= + +
∂L1i ∂L1 ∂L1 ∂L1 ∂L2 ∂L1 ∂L3

Aplicando (7.2), verifica-se que


∂L1 ∂L2 ∂L3
=1 =0 = −1
∂L1 ∂L1 ∂L1
94 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES

3 3 3 3

10 9
8 7
6 5 11 15 8

9 10 6 12 13 14 7

4 4 5 1 4 5 6 2
1 2 1 2 1 2

a) b) c) d)

Figura 7.2: Elementos triangulares planos.

∂Na ∂Na ∂Na


= − (7.9)
∂L1i ∂L1 ∂L3

Obtém-se uma expressão análoga para L2i , ou seja,

∂Na ∂Na ∂Na


= − (7.10)
∂L2i ∂L2 ∂L3

Uma maneira mais simples para se calcular as derivadas globais é utilizar a relação
(7.2). Desta forma, elimina-se a dependência das funções de forma da variável L3 e as
derivadas globais podem ser calculadas através de uma expressão análoga a (7.8), ou seja,
( ) ( )
Nax −1 NaL1
= [J] (7.11)
Nay NaL2

7.3 Elementos Planos


A seguir serão deduzidas as funções de forma para os elementos triangulares planos linear,
quadrático, cúbico e quártico. Estes elementos, ilustrados na Figura 7.2, possuem 3, 6, 10
e 15 nós, respectivamente.
As funções de forma destes elementos serão dadas pelos produtos tensoriais dos polinômios
de Lagrange nas coordenadas L1 , L2 e L3 . Logo,

(b−1) (d−1)
Na (L1 , L2 , L3 ) = lb (L1 )lc(c−1) (L2 )ld (L3 ) (7.12)

onde os ı́ndices a, b, c e d são escolhidos de maneira análoga ao realizado para os elementos


quadrangulares.
7.3. ELEMENTOS PLANOS 95

L1 L2
1 1
3 3 1
3 L3
2

L1 L2
2 L1 L2
2
L3
L3
1 2 1
1 2 1 2 0

1 0 0 1

Figura 7.3: Elemento triangular plano linear.

Os polinômios presentes na expressão anterior são dados na seguinte forma geral

(b−1) (L1 − L11 )(L1 − L12 ) . . . (L1 − L1b−1 )


lb (L1 ) =
(L1b − L11 )(L1b − L12 ) . . . (L1b − L1b−1 )
(L2 − L21 )(L2 − L22 ) . . . (L2 − L2c−1 )
lc(c−1) (L2 ) = (7.13)
(L2c − L21 )(L2c − L22 ) . . . (L2c − L2c−1 )
(d−1) (L3 − L31 )(L3 − L32 ) . . . (L3 − L3d−1 )
ld (L3 ) =
(L3d − L31 )(L3d − L32 ) . . . (L3d − L3d−1 )

A seguir serão deduzidas as funções de forma para os elementos ilustrados na Figura


7.2.

7.3.1 Elemento Linear


Como há dois pontos em cada aresta do triângulo, as funções de forma variam linearmente
ao longo dos lados do elemento. As coordenadas de área destes pontos são indicadas pelos
subı́ndices 1 e 2. Assim, por exemplo, na direção L1 têm-se as coordenadas L11 = 0 e
L12 = 1, correspondendo às duas linhas de valores constantes para L1 , como indicado na
Figura 7.3. De forma análoga, nas direções L2 e L3 , tem-se L21 = 0, L22 = 1 e L31 = 0,
L32 = 1.

a 1 2 3
b 2 1 1
c 1 2 1
d 1 1 2

Tabela 7.1: Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento linear.

Para determinar as funções de forma Na (a = 1, 2, 3) associada a cada um dos três


nós, deve-se aplicar a expressão (7.12). Os ı́ndices b, c, d indicam os pontos passando pelo
96 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES

nó considerado segundo as direções L1 , L2 , L3 . Tomando-se, por exemplo, o primeiro nó


(a = 1), tem-se os pontos 2, 1 e 1 nas direções L1 , L2 e L3 , correspondendo a L12 = 1,
L21 = 0 e L31 = 0. Neste caso, a = 1, b = 2, c = 1 e d = 1. A Tabela 7.1 resume a relação
entre estes ı́ndices. Aplicando-se (7.12) e (7.14), tem-se que

(1) (1) L1 − L11


(0) (0) L1 − 0
N1 (L1 , L2 , L3 ) = l2 (L1 )l1 (L2 )l1 (L3 ) = = = L1
L12 − L11 1−0
(1) (0) (1) (0) L2 − L21 L2 − 0
N2 (L1 , L2 , L3 ) = l1 (L1 )l2 (L2 )l1 (L3 ) = = = L2
L22 − L21 1−0
(1) (0) (0) (1) (L3 − L31 ) L3 − 0
N3 (L1 , L2 , L3 ) = l1 (L1 )l1 (L2 )l2 (L3 ) = = = L3
(L32 − L31 ) 1−0

onde os polinômios de Lagrange de ordem 0 são iguais a unidade.


Substituindo (7.2), as funções de forma do elemento linear podem ser expressas em
termos de L1 e L2 . Logo,

(1)
 N1 (L1 , L2 ) = L1


(1)
N
2 1 (L , L ) = L
2 2 (7.14)
 N (1) (L , L ) = 1 − L − L


3 1 2 1 2

As funções de forma dos nós deste elemento estão ilustradas na Figura 7.4.

−1
1
1
0.5
0.5
0 0

1
1
0.5

0 0.5

−0.5 0

−1 −0.5
1
1
0.5 −1
0 0.5
0.5 0 0.5
0 1 1 0

Figura 7.4: Funções de interpolação para o triângulo linear lagrangiano.


7.3. ELEMENTOS PLANOS 97

7.3.2 Elemento Quadrático


O elemento quadrático está ilustrado na Figura 7.5 e a relação entre os ı́ndices a, b, c e d
na Tabela 7.2. As funções de forma são determinadas a partir de (7.12). Logo,
(2) (2) (0) (0)
N1 (L1 , L2 , L3 ) = l3 (L1 )l1 (L2 )l1 (L3 )
(L1 − L11 )(L2 − L12 ) (L1 − 0)(L1 − 12 )
= = = L1 (2L1 − 1)
(L13 − L11 (L13 − L12 ) (1 − 0)(1 − 12 )
(2) (0) (2) (0)
N2 (L1 , L2 , L3 ) = l1 (L1 )l3 (L2 )l1 (L3 ) = L2 (2L2 − 1)
(2) (0) (0) (2)
N3 (L1 , L2 , L3 ) = l1 (L1 )l1 (L2 )l3 (L3 ) = L3 (2L3 − 1)
(2) (1) (1) (0)
N4 (L1 , L2 , L3 ) = l2 (L1 )l2 (L2 )l1 (L3 ) = 4L1 L2
(2) (0) (1) (1)
N5 (L1 , L2 , L3 ) = l1 (L1 )l2 (L2 )l2 (L3 ) = 4L2 L3
(2) (1) (0) (1)
N6 (L1 , L2 , L3 ) = l1 (L1 )l1 (L2 )l2 (L3 ) = 4L1 L3

Analogamente aos elementos quadrangulares, as funções de interpolação dos nós 1 a 3


(1)
podem ser obtidas a partir daquelas do elemento linear. Calculando-se N1 (L1 , L2 ), dada
em (7.14), para as coordenadas dos nós 4 (L1 = L2 = 12 ) e 6 (L1 = 1, L2 = 0), tem-se que
(1) 1 1 1
N1 ( , ) =
2 2 2
(1) 1 1
N1 ( , 0) =
2 2

(2) (2)
Assim, utilizam-se as funções N4 (L1 , L2 ) e N6 (L1 , L2 ) para se obter a função refer-
ente ao nó 1 do elemento quadrático, ou seja,
(2) (1) 1 h (2) (2)
i
N1 (L1 , L2 ) = N1 (L1 , L2 ) − N4 (L1 , L2 ) + N6 (L1 , L2 ) (7.15)
2
Tomando-se a relação anterior para as coordenadas dos nós 1, 4 e 6, tem-se que
(2) 1
N1 (1, 0) = 1 − [0 + 0] = 1
2
(2) 1 1 1 1
N1 ( , ) = − [1 + 0] = 1
2 2 2 2
(2) 1 1 1
N1 ( , 0) = − [0 + 1] = 1
2 2 2

O mesmo procedimento pode ser efetuado para os nós 2 e 3. Portanto,



 N (2) (L1 , L2 ) = N (1) (L1 , L2 ) − (2) (2)
h i
1
2 2 2 N4 (L1 , L2 ) + N5 (L1 , L2 )
(7.16)
 N (2) (L1 , L2 ) = N (1) (L1 , L2 ) − (2) (2)
h i
1
3 3 2 N5 (L1 , L2 ) + N6 (L1 , L2 )
98 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES

L1
1
L2
1
3 3 1
3 L3
3

L1 L2
2
2
6 5
6 5 6 5
1/2 L3
2
L1 L L2 L2
3 1
3 L3
4 4 1 4 2
1 2 1 2 0 L3
1
1 1/2 0 0 1/2 1

Figura 7.5: Elemento triangular plano quadrático.

Novamente, pode-se utilizar (7.2) para eliminar L3 das expressões das funções de forma.
Logo,


(2)


 N1 (L1 , L2 ) = L1 (2L1 − 1)
(2)

N2 (L1 , L2 ) = L2 (2L2 − 1)




 N (2) (L , L ) = (1 − L − L )(1 − 2L − 2L )


3 1 2 1 2 1 2
(2) (7.17)


 N4 (L1 , L2 ) = 4L1 L2
 (2)
 N5 (L1 , L2 ) = 4L2 (1 − L2 − L1 )



 (2)

N6 (L1 , L2 ) = 4L1 (1 − L2 − L1 )

As funções de forma deste elemento estão apresentadas na Figura 7.6.

a 1 2 3 4 5 6
b 3 1 1 2 1 2
c 1 3 1 2 2 1
d 1 1 3 1 2 2

Tabela 7.2: Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento quadrático.

7.3.3 Elemento Cúbico

A Tabela 7.3 apresenta os ı́ndices a,b,c,d para o elemento triangular cúbico ilustrado na
Figura 7.7. Aplicando-se (7.12), obtém-se as funções de interpolação para este elemento,
7.3. ELEMENTOS PLANOS 99

−1
1
1
0.5 0.5
0 0

1 1

0 0

−1 −1
1 1
1 1
0.5 0.5 0.5 0.5
0 0 0 0

1 1 1

0 0 0

−1 −1 −1
1 1 1
1 1 1
0.5 0.5 0.5 0.5 0.5 0.5
0 0 0 0 0 0

Figura 7.6: Funções de interpolação para o triângulo quadrático lagrangiano.


100 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES

L1 L2
4 3 1 3
3 1 L3
4
L1 L2
3 2
8 7 8 7 8 7
2/3 L3
L2 3
L1 L1
3
2 9 10 6
9 10 6 9 L2 10 6 1/3 L3
2
L1 L2
4 L3
1
1 4 5 2 1 4 5 2
0
1 4 5 2 L3
1

1 2/3 1/3 0 0 2/3 1/3 1

Figura 7.7: Elemento triangular plano cúbico.

ou seja,

(3)


 N1 (L1 , L2 ) = 12 (3L1 − 1)(3L1 − 2)
(3)

N2 (L1 , L2 ) = 12 (3L2 − 1)(3L2 − 2)





(3)
N3 (L1 , L2 ) = 12 (2 − 3L1 − 3L2 )(1 − 3L1 − 3L2 )





(3)

N4 (L1 , L2 ) = 92 L1 L2 (3L1 − 1)




(3)

N5 (L1 , L2 ) = 92 L1 L2 (3L2 − 1)


(3) (7.18)


 N6 (L1 , L2 ) = 92 L2 (1 − L1 − L2 )(3L2 − 1)
(3)
N7 (L1 , L2 ) = 92 L2 (1 − L1 − L2 )(2 − 3(L1 + L2 ))





(3)

N8 (L1 , L2 ) = 92 L1 (1 − L1 − L2 )(2 − 3(L1 + L2 ))




(3)

N9 (L1 , L2 ) = 92 L1 (1 − L1 − L2 )(3L1 − 1)





 (3)
N10 (L1 , L2 ) = 27L1 L2 (1 − L1 − L2 )

observando-se que (7.2) foi utilizada para eliminar L3 das expressões. A Figura 7.8 apre-
senta as funções de forma deste elemento.
Analogamente, pode-se expressar as funções de interpolação dos nós 1 a 3 a partir
daquelas do elemento linear. Logo,

(3) (1) (3) (3) (3) (3)
h i h i
2 1
 N (L1 , L2 ) = N1 (·) − N4 (·) + N9 (·) − N5 (·) + N8 (·)
 1 3 3


(3) (1) (3) (3) (3) (3)
h i h i
2 1
N2 (L1 , L2 ) = N2 (·) − 3 N5 (·) + N6 (·) − 3 N4 (·) + N7 (·) (7.19)

 N (3) (L1 , L2 ) = N (1) (·) − (3) (3) (3) (3)
h i h i
2 1

N5 (·) + N6 (·) − N6 (·) + N9 (·)

3 3 3 3

7.3.4 Elemento Quártico


Finalmente, para o elemento quártico ilustrado na Figura 7.9, obtém-se de maneira análoga
as suas funções de interpolação, observando-se que a relação entre os ı́ndices a, b, c e d
7.3. ELEMENTOS PLANOS 101

a 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
b 4 1 1 3 2 1 1 2 3 2
c 1 4 1 2 3 3 2 1 1 2
d 1 1 4 1 1 2 3 3 2 2

Tabela 7.3: Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento cúbico.

1
0
−1
1 1
0.5 0.5
0 0

1 1
0 0
−1 −1
1 1 1 0.5 1
0.5 0.5 0.5
0 0 0 0

1 1 1
0 0 0
−1 −1 −1
1 1 1 0.5 1 1 0.5 1
0.5 0.5 0.5 0.5
0 0 0 0 0 0

1 1 1 1
0 0 0 0
−1 −1 −1 −1
1 1 1 0.5 1 1 0.5 1 1 0.5 1
0.5 0.5 0.5 0.5 0.5
0 0 0 0 0 0 0 0

Figura 7.8: Funções de interpolação para o triângulo cúbico lagrangiano.


102 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES

está dada na Tabela 7.4. Portanto,

(4)
N1 (L1 , L2 ) = 13 L1 (4L1 − 1)(4L1 − 3)



(4)

N2 (L1 , L2 ) = 13 L2 (4L2 − 1)(4L2 − 3)





(4)
N3 (L1 , L2 ) = 13 (1 − L1 − L2 )(3 − 4(L2 + L3 ))(1 − 4(L2 + L3 ))





(4)
N4 (L1 , L2 ) = 16

3 L1 L2 (4L1 − 1)(2L1 − 1)




(4)

N5 (L1 , L2 ) = 4L1 L2 (4L1 − 1)(4L2 − 1)




(4)

N6 (L1 , L2 ) = 16

3 L1 L2 (4L2 − 1)(2L2 − 1)




 (4) 16
N7 (L1 , L2 ) = 3 L2 (1 − L1 − L2 )(4L2 − 1)(2L2 − 1)




(4)
N8 (L1 , L2 ) = 4L2 (1 − L1 − L2 )(4L2 − 1)(3 − 4(L1 + L2 )) (7.20)
(4)

N9 (L1 , L2 ) = 163 L2 (1 − L1 − L2 )(3 − 4(L1 + L2 ))(1 − 2(L1 + L2 ))





 (4) 16
N10 (L1 , L2 ) = 3 L1 (1 − L1 − L2 )(3 − 4(L1 + L2 ))(1 − 2(L1 + L2 ))




 (4)
N11 (L1 , L2 ) = 4L1 (1 − L1 − L2 )(4L1 − 1)(3 − 4(L1 + L2 ))




(4)

N12 (L1 , L2 ) = 16
3 L1 (1 − L1 − L2 )(4L1 − 1)(2L1 − 1)




(4)





 N13 (L1 , L2 ) = 32L1 L2 (1 − L1 − L2 )(4L1 − 1)
 (4)
N14 (L1 , L2 ) = 32L1 L2 (1 − L1 − L2 )(4L2 − 1)




 (4)
N15 (L1 , L2 ) = 32L1 L2 (1 − L1 − L2 )(3 − 4(L1 + L2 ))

Para os nós 1 a 3, determinam-se as seguintes expressões pela modificação das funções


do elemento linear
(4) (1) 3 h (4) (3)
i 1h
(4) (3) (4)
i
N1 (L1 , L2 ) = N1 (·) − N4 (·) + N12 (·) − N5 (·) + N11 (·) + N13 (·) −
4 2
1 h (4) (3) (4) (4)
i
N6 (·) + N10 (·) + N14 (·) + N15 (·)
4
(4) (1) 3 h (4) (3)
i 1h
(4) (3) (4)
i
N2 (L1 , L2 ) = N2 (·) − N6 (·) + N7 (·) − N5 (·) + N8 (·) + N14 (·) −
4 2
1 h (4) (3) (4) (4)
i
N4 (·) + N9 (·) + N13 (·) + N14 (·) (7.21)
4
(4) (1) 3 h
(4) (3)
i 1 h
(4) (3) (4)
i
N3 (L1 , L2 ) = N3 (·) − N9 (·) + N10 (·) − N8 (·) + N11 (·) + N15 (·) −
4 2
1 h (4) (3) (4) (4)
i
N7 (·) + N12 (·) + N13 (·) + N14 (·)
4

a 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15
b 5 1 1 4 3 2 1 1 1 2 3 4 3 2 2
c 1 5 1 2 3 4 4 3 2 1 1 1 2 3 2
d 1 1 5 1 1 1 2 3 4 4 3 2 2 2 3

Tabela 7.4: Relação entre os ı́ndices a, b, c e d para o elemento quártico.


7.4. COORDENADAS DE VOLUME 103

L1 L2
5 5
3 3
L1 3 L2 1 L3
4 4 5

L1 10 9 10 9 L2 3/4
10 9 L3
3 3 4
11 15 8
L1 11 15 8 11 15 8 L2 1/2
L3
2 2 3
L1 L2
12 13 14 7 12 13 14 7 12 13 14 7
1/4 L3
L1 L2 2
1 1 L3
1 4 5 6 2 1 4 5 6 2 1 4 5 6 2
0 L3
1

1 1/4 1/2 3/4 0 0 1/4 1/2 3/4 1

Figura 7.9: Elemento triangular plano quártico.

7.4 Coordenadas de Volume


Para o caso de elementos espaciais, torna-se conveniente expandir as coordenadas de área
L1 , L2 e L3 introduzindo-se uma quarta componente L4 , definindo-se assim as coordenadas
de volume.
Dado um ponto P no interior de um tetraedro de volume V , definem-se 4 tetraedros
internos 1, 2, 3 e 4 com volumes V1 , V2 , V3 e V4 , respectivamente. As coordenadas de
volume L1 , L2 , L3 e L4 são definidas pela razão de volumes destes tetraedros, como
ilustrado na Figura 7.10. Logo,

V1 V2 V3 V4
L1 = L2 = L3 = L4 =
V V V V

Verifica-se que o volume V é a soma dos volumes V1 , V2 , V3 e V4 dos tetraedros internos.


Portanto,

V = V1 + V2 + V3 + V4

Dividindo-se a expressão anterior pelo volume V , verifica-se que

V1 V2 V3 V4
+ + + = 1 → L1 + L2 + L3 + L4 = 1
V V V V

Utilizando-se a equação anterior, pode-se escrever L4 em função das coordenadas in-


dependentes L1 , L2 e L3 . Logo,

L4 = 1 − L1 − L2 − L3 (7.22)

Observa-se que estas coordenadas variam de 0 a 1 de maneira análoga às coordenadas de


área apresentadas anteriormente.
104 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES

V1

4
3

Figura 7.10: Coordenadas de volume: componente L1 .

7.5 Cálculo do Jacobiano e das Derivadas Globais


Considerando L1 , L2 e L3 como coordenadas independentes e tomando-se o nó a de um
elemento finito, obtém-se através da regra da cadeia
∂Na ∂Na ∂x ∂Na ∂y ∂Na ∂z
= + +
∂L1 ∂x ∂L1 ∂y ∂L1 ∂z ∂L1
∂Na ∂Na ∂x ∂Na ∂y ∂Na ∂z
= + +
∂L2 ∂x ∂L2 ∂y ∂L2 ∂z ∂L2
∂Na ∂Na ∂x ∂Na ∂y ∂Na ∂z
= + +
∂L3 ∂x ∂L3 ∂y ∂L3 ∂z ∂L3

ou em forma matricial,
      
 NaL1 
  xL1 yL1 zL1   Nax 
  Nax 
 
NaL =  xL2

yL2 zL2  Nay

= [J] Nay (7.23)
 N 2
 
 xL3 yL3 zL3  Naz 
   N 
 
aL3 az

Logo,
   
 Nax 
   NaL1 
 
Nay = [J]−1 NaL (7.24)
 N 
   N 2 
 
az aL3
7.6. ELEMENTOS ESPACIAIS 105

1 1 1

9
7

6 7
5
19 10
8
18
5 17
4 10 4 4
3 3 3
13 14

12 6
20 16
8 9

11
15

2 2 2

Figura 7.11: Tetraedros linear, quadrático e cúbico.

7.6 Elementos Espaciais


Neste caso, serão deduzidas as funções de interpolação para os elementos linear, quadrático
e cúbico, ilustrados na Figura 7.11, os quais possuem 4, 10 e 20 nós, respectivamente. Estas
funções são dadas pelo produto tensorial de polinômios nas direções L1 , L2 , L3 e L4 , ou
seja,

Na (L1 , L2 , L3 L4 ) = Nbb−1 (L1 )Ncc−1 (L2 )Ndd−1 (L3 )Nee−1 (L4 ) a = 1, . . . , n (7.25)

onde n é o número de nós e os ı́ndices a,b,c,d,e são escolhidos de maneira conveniente.

7.6.1 Tetraedro Linear


Tomando-se o elemento linear, ilustrado na Figura 7.12, e a relação de ı́ndices dada na
Tabela 7.5, aplica-se a expressão (7.25) para a obtenção das funções de interpolação.
Portanto,

(1) (0) (0) (0) L1 − L11 L1 − 0


N1 (L1 , L2 , L3 , L4 ) = l2 (L1 )l1 (L2 )l1 (L3 )l1 (L4 ) = = = L1
L12 − L11 1−0
(0) (1) (0) (0)
N2 (L1 , L2 , L3 L4 ) = l1 (L1 )l2 (L2 )l1 (L3 )l1 (L4 ) = L2
(0) (0) (1) (0)
N3 (L1 , L2 , L3 L4 ) = l1 (L1 )l1 (L2 )l2 (L3 )l1 (L4 ) = L3
(0) (0) (0) (1)
N4 (L1 , L2 , L3 L4 ) = l1 (L1 )l1 (L2 )l1 (L3 )l2 (L4 ) = L4
106 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES

1 1 1
L1 =1
2

L2 =0
1
L3 =1 L3 =0
1
2

4 4 4
3 3

L1 =0
1

L2 =1
2
2 2 2

Figura 7.12: Tetraedro linear.

a 1 2 3 4
b 2 1 1 1
c 1 2 1 1
d 1 1 2 1
e 1 1 1 2

Tabela 7.5: Relação entre os ı́ndices a, b, c, d e e para o tetraedro linear.


7.6. ELEMENTOS ESPACIAIS 107

Substituindo (7.22) nas expressões anteriores, têm-se as seguintes funções de forma


para o tetraedro linear



 N1 (L1 , L2 , L3 ) = L1

 N2 (L1 , L2 , L3 ) = L2
(7.26)



N3 (L1 , L2 , L3 ) = L3

N4 (L1 , L2 , L3 ) = 1 − L1 − L2 − L3

7.6.2 Tetraedro Quadrático


Segue-se o mesmo procedimento para o elemento quadrático dado na Figura 7.13. A
Tabela 7.6 apresenta a relação entre os ı́ndices a, b, c, d e e. Portanto, eliminando-se L4
a partir de (7.22), tem-se que

(2)


 N1 (L1 , L2 , L3 ) = (2L1 − 1)L1
(2)





 N2 (L1 , L2 , L3 ) = (2L2 − 1)L2
 (2)
N3 (L1 , L2 , L3 ) = (2L3 − 1)L3




(2)

N4 (L1 , L2 , L3 ) = ((1 − 2(L1 + L2 + L3 ))(1 − L1 − L2 − L3 )




(2)


 N5 (L1 , L2 , L3 ) = 4L1 L2
(2) (7.27)


 N6 (L1 , L2 , L3 ) = 4L1 L3
 (2)
N7 (L1 , L2 , L3 ) = 4L1 (1 − L1 − L2 − L3 )




(2)

N8 (L1 , L2 , L3 ) = 4L2 L3




(2)





 N9 (L1 , L2 , L3 ) = 4L3 (1 − L1 − L2 − L3 )
 (2)
N10 (L1 , L2 , L3 ) = 4L2 (1 − L1 − L2 − L3 )

Expressando-se as funções dos nós 1 a 4 a partir das relações do elemento linear,


obtém-se

(2) (1) (2) (2) (2)
h i
1


 N1 (L1 , L2 , L3 ) = N1 (·) − 2 N5 (·) + N6 (·) + N7 (·)

 N (2) (L1 , L2 , L3 ) = N (1) (·) − (2) (2) (2)
h i
1

N5 (·) + N8 (·) + N10 (·)

2 2 2
(2) (1) 1
h
(2) (2) (2)
i (7.28)


 N3 (L1 , L2 , L3 ) = N3 (·) − 2 N6 (·) + N8 (·) + N9 (·)

 N (2) (L1 , L2 , L3 ) = N (1) (·) − (2) (2) (2)
h i
1

N7 (·) + N9 (·) + N10 (·)

4 4 2

7.6.3 Tetraedro Cúbico


Finalmente, pode-se obter as funções de forma para o elemento cúbico ilustrado na Figura
7.14, onde a relação entre os ı́ndices está dada na Tabela 7.7. Portanto, determinam-se as
108 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES

1 1 1
L2= 0
L1 = 1
L 3 = 1/2

6
L3= 1 L 3= 0
7
6 L 1 = 1/2
5

4 4 9 4
3 3
5
3
L 2 = 1/2
8 10
8

L 2= 1
L1= 0
2 2 2

Figura 7.13: Tetraedro quadrático.

a 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
b 3 1 1 1 2 2 2 1 1 1
c 1 3 1 1 2 1 1 2 1 2
d 1 1 3 1 1 2 1 2 2 1
e 1 1 1 3 1 1 2 1 2 2

Tabela 7.6: Relação entre os ı́ndices a, b, c, d e e para o tetraedro quadrático.


7.6. ELEMENTOS ESPACIAIS 109

1 1 1
L1 = 1 L2= 0
7
7 9 L 1 = 2/3

5
L3= 1
5 L 1 = 1/3 8
8
10
14
4 13 4
3
3 4
3
L 2 = 2/3 12
6
6 16 L 3 = 2/3
L1= 0 12
L 2 = 1/3
11
11 15
L 3 = 1/3
L 2= 1 L 3= 0 2
2 2

Figura 7.14: Tetraedro cúbico.

seguintes expressões em função de L1 , L2 e L3



(3)


 N1 (L1 , L2 , L3 ) = 12 (3L1 − 1)(3L1 − 2)L1
(3)

N2 (L1 , L2 , L3 ) = 12 (3L2 − 1)(3L2 − 2)L2




(3)

N3 (L1 , L2 , L3 ) = 12 (3L3 − 1)(3L3 − 2)L3





(4)
N4 (L1 , L2 , L3 ) = 12 (2 − 3(L1 + L2 + L3 ))(1 − 3(L1 + L2 + L3 ))(1 − L1 − L2 − L3 )





(3)
N5 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L1 L2 (3L1 − 1)





(3)

N6 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L1 L2 (3L2 − 1)




(3)

N7 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L1 L3 (3L1 − 1)





(3)
N8 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L1 L3 (3L3 − 1)





(3)

N9 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L1 L4 (3L1 − 1)




(3)

N10 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L1 (1 − L1 − L2 − L3 )(2 − 3(L1 + L2 + L3 ))


(3) (7.29)


 N11 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L2 L3 (3L2 − 1)
(3)
N12 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L2 L3 (3L3 − 1)





(3)

N13 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L3 (1 − L1 − L2 − L3 )(3L3 − 1)




(3)

N14 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L3 (1 − L1 − L2 − L3 )(2 − 3(L1 + L2 + L3 ))





(3)
N15 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L2 (1 − L1 − L2 − L3 )(3L2 − 1)





(3)

N16 (L1 , L2 , L3 ) = 92 L2 (1 − L1 − L2 − L3 )(2 − 3(L1 + L2 + L3 ))




(3)





 N17 (L1 , L2 , L3 ) = 27L1 L2 L3
 (3)
N18 (L1 , L2 , L3 ) = 27L1 L2 (1 − L1 − L2 − L3 )




 (3)
N19 (L1 , L2 , L3 ) = 27L1 L3 (1 − L1 − L2 − L3 )




(3)

N20 (L1 , L2 , L3 ) = 27L2 L3 (1 − L1 − L2 − L3 )


110 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES

a 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
b 4 1 1 1 3 2 3 2 3 2 1 1 1 1 1 1 2 2 2 1
c 1 4 1 1 2 3 1 1 1 1 3 2 1 1 3 2 2 2 1 2
d 1 1 4 1 1 1 2 3 1 1 2 3 3 2 1 1 2 1 2 2
e 1 1 1 4 1 1 1 1 2 3 1 1 2 3 2 3 1 2 2 2

Tabela 7.7: Relação entre os ı́ndices a, b, c, d e e para o tetraedro cúbico.

As funções de forma para os nós 1 a 4 podem ser determinadas modificando-se aquelas


do elemento linear. Assim,
(3) (1) 2 h (3) (3) (3)
i
N1 (L1 , L2 , L3 ) = N1 (·) − N5 (·) + N7 (·) + N9 (·) −
3
1 h (3) (3) (3) (3) (3) (3)
i
N5 (·) + N8 (·) + N10 (·) + N17 (·) + N18 (·) + N19 (·)
3
(3) (1) 2 h (3) (3) (3)
i
N2 (L1 , L2 , L3 ) = N2 (·) − N6 (·) + N11 (·) + N15 (·) −
3
1 h (3) (3) (3) (3) (3) (3)
i
N5 (·) + N12 (·) + N17 (·) + N16 (·) + N18 (·) + N20 (·) (7.30)
3
(3) (1) 2 h (3) (3) (3)
i
N3 (L1 , L2 , L3 ) = N3 (·) − N8 (·) + N12 (·) + N13 (·) −
3
1 h (3) (3) (3) (3) (3) (3)
i
N7 (·) + N11 (·) + N14 (·) + N17 (·) + N19 (·) + N20 (·)
3
(3) (1) 2 h (3) (3) (3)
i
N4 (L1 , L2 , L3 ) = N4 (·) − N10 (·) + N14 (·) + N16 (·) −
3
1 h (3) (3) (3) (3) (3) (3)
i
N9 (·) + N13 (·) + N15 (·) + N18 (·) + N19 (·) + N20 (·)
3

7.7 Exercı́cios Propostos


Exercı́cio 7.1 Calcular a matriz do Jacobiano e seu determinante para o elemento tri-
angular ilustrado na Figura 7.15.

x
2
2

Figura 7.15: Exercı́cio 7.1.


7.7. EXERCÍCIOS PROPOSTOS 111

Exercı́cio 7.2 Determinar a matriz de massa local para um elemento triangular linear.
112 CAPÍTULO 7. FUNÇÕES DE FORMA PARA ELEMENTOS TRIANGULARES
Capı́tulo 8

Integração Numérica

Nesse capı́tulo, discutem-se procedimentos para a integração numérica dos coeficientes das
matrizes de massa e rigidez e vetores de carregamento dos elementos finitos. Inicialmente,
estuda-se a integração de Newton-Cotes e Gauss-Legendre para elementos unidimensionais.
Posteriormente, consideram-se elementos planos e espaciais.

8.1 Introdução
A utilização de coordenadas locais permite simplificar os limites de integração no cálculo
das matrizes e vetores de carregamento dos elementos finitos. No entanto, nos casos gerais,
não é possı́vel obter uma expressão analı́tica para estas expressões. Desta forma, torna-se
necessário aplicar técnicas de integração numérica.
Considerando o caso unidimensional, a integração numérica de ab f (ξ) dξ é efetuada
R

tomando-se um polinômio ϕ(ξ) através de alguns valores de f (ξ) e usar ab ϕ(ξ) dξ como
R

uma aproximação para ab f (ξ) dξ. A posição dos pontos de amostragem e o número de
R

valores para f (ξ) determina a qualidade da aproximação de ϕ(ξ) para f (ξ) e, portanto, o
erro da integração numérica. Observa-se que para os elementos isoparamétricos, adota-se
a = −1 e b = 1.
A seguir apresentam-se as duas técnicas comumente utilizadas para calcular numeri-
camente uma integral.

8.2 Integração de Newton-Cotes


Neste primeiro procedimento, toma-se a função calculada em pontos igualmente espaçados
em seu domı́nio. Assim, para n pontos, pode-se ajustar um polinômio de grau n − 1 e a
função pode ser assim integrada exatamente como ilustrado na Figura 8.1. Esta técnica é
conhecida como Newton-Cotes.

113
114 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

f( ξ 1 ) f( ξ n )

ξ
-1 1

Figura 8.1: Pontos igualmente espaçados para a técnica de integração de Newton-Cotes.

O valor da integral de uma função, definida no intervalo [−1, 1], é obtida pelo somatório
de valores da função multiplicadas por um coeficiente de ponderação. Portanto,

Z 1 n
X
I= f (ξ)dξ = Hl f (ξl ) (8.1)
−1 l=1

Os coeficientes de ponderação Hl , para até 5 pontos de integração, estão dados na


Tabela 8.1. Para n = 2, tem-se a regra do trapézio, ou seja,

2
X 1
I= Hl f (ξl ) = [f (−1) + f (1)]
l=1
2

Para n = 3, tem-se a regra de Simpson

3 2
X X 1
I= Hl f (ξl ) = I = Hl f (ξl ) = [f (−1) + 4f (0) + f (1)]
l=1 l=1
3

n H1 H2 H3 H4 H5
2 1 1 - - -
3 1/3 4/3 1/3 - -
4 1/4 3/4 3/4 1/4 -
5 7/45 32/45 12/45 32/45 7/45

Tabela 8.1: Coeficientes de ponderação para as fórmulas de quadratura de Newton-Cotes.


8.3. QUADRATURA DE GAUSS-LEGENDRE 115

8.3 Quadratura de Gauss-Legendre


Uma segunda técnica para integrar numericamente uma função é posicionar os pontos de
amostragem, de tal forma a obter uma melhor precisão. Assim, tomando-se n pontos,
tem-se 2n incógnitas, ou seja, ξl e f (ξl ), podendo-se ajustar um polinômio de grau 2n − 1
para que a função seja integrada exatamente. Esta técnica é conhecida por quadratura de
Gauss-Legendre.
Aplica-se, então, a equação (8.1) com os pontos de integração e os respectivos co-
eficientes de ponderação apresentados na Tabela 8.2. A disposição destes pontos está
ilustrada na Figura 8.2.

n ξl Hl
1 0, 0 2, 00
2 ±0, 57735 02691 1, 00
3 0, 00000 00000 8/9
±0, 77459 66692 5/9
4 ±0, 86113 63115 0, 34785 48451
±0, 33998 10435 0, 65214 51548
5 0, 00000 00000 0, 56888 88888
±0, 53846 93101 0, 47862 86704
±0, 90618 98459 0, 23692 68850

Tabela 8.2: Pontos de integração e coeficientes de ponderação para a quadratura de Gauss-


Legendre supondo um intervalo (−1, 1).

f f f

ξ ξ ξ
ξ1 ξ1 ξ2 ξ1 ξ2 ξ
3

f f

ξ ξ
ξ1 ξ2 ξ ξ ξ1 ξ2 ξ ξ ξ5
3 4 3 4

Figura 8.2: Pontos de integração para os elementos unidimensionais.

A quadratura de Gauss é comumente utilizada para o cálculo das matrizes dos ele-
116 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

mentos finitos, pois obtém-se uma melhor precisão com um número menor de pontos de
integração, comparando-se com a técnica de Newton-Cotes.

8.4 Exemplo de Aplicação


Para exemplificar o procedimento de integração numérica por Gauss-Legendre, seja X1 =
1 3
2 , X2 = 1 e X3 = 2 as coordenadas globais do elemento quadrático ilustrado na Figura
5.5. Através de (5.17), a matriz do jacobiano é dada por
 
h  X1 
i 
[J] = N1ξ N2ξ N3ξ 2 X
 X 
 
3

ou seja,
3
X dNi (ξ) dN1 (ξ) dN2 (ξ) dN3 (ξ)
[J] = Xi = X1 + X2 + X3
i=1
dξ dξ dξ dξ

As funções de forma deste elemento estão dadas em (5.8). Assim,


dN1 (ξ) d 1 1
 
= ξ(ξ − 1) = ξ −
dξ dξ 2 2
dN2 (ξ) d
= [1 − ξ 2 ] = −2ξ
dξ dξ
dN3 (ξ) d 1 1
 
= ξ(ξ + 1) = ξ +
dξ dξ 2 2

Portanto, det[J] = 1/2. A partir daı́ vem que

1 1 1 3 1
   
[J] = ξ − + (−2ξ)1 + ξ + =
2 2 2 2 2

Neste caso, tem-se que a função f (ξ) = [B]T [D][B]| det[J]| para a matriz de rigidez
e f (ξ) = [N ]T [N ]| det[J]| para a matriz de massa. O número de pontos de integração
depende do grau do polinômio que ocorre nestes produtos. Verifica-se que para o termo
[N ]T [N ]| det[J]| utiliza-se um número maior de pontos que para o termo [B]T [D][B]| det[J]|,
pois a matriz [B] contém as derivadas das funções de forma.
(2)
Verifica-se que a função N2 (ξ) contém um termo em ξ 2 . Portanto, neste caso o termo
[N ]T [N ] originará um polinômio em ξ 4 e a ordem de integração necessária é determinada
fazendo-se

2n − 1 = 4 → n = 2, 5
8.4. EXEMPLO DE APLICAÇÃO 117

Como n deve ser um inteiro, tomam-se 3 pontos de integração para o produto [N ]T [N ]. No


entanto, consideram-se 2 pontos para o termo [B]T [D][B], onde se encontram polinômios
em ξ 2 .
A matriz de massa deste elemento no sistema local de referência é determinada pela
seguinte expressão
Z Z 1
[M ] = ρ[N ]T [N ] dx = ρ[N ]T [N ]| det[J]| dξ
x −1

Como devem ser usados 3 pontos de integração, vem que


Z 1 3
ρ[N ]T [N ]| det[J]| dξ = ρ Hi [N (ξi )]T [N (ξi )] | det[J]|
X
[M ] =
−1 i=1

Assim, para um valor unitário de ρ, tem-se


1 
[M ] = H1 [N (ξ1 )]T [N (ξ1 )] + H2 [N (ξ2 )]T [N (ξ2 )] + H3 [N (ξ3 )]T [N (ξ3 )] (8.2)
2
Os pontos de integração e os coeficientes de ponderação estão dados na Tabela 8.2.
Assim, para ξ1 = −0, 774597, verifica-se que
1
N1 (ξ1 ) = ξ1 (ξ1 − 1) = 0, 687299
2
N2 (ξ1 ) = 1 − ξ12 = 0, 40
1
N3 (ξ1 ) = ξ1 (ξ1 + 1) = −0, 087298
2

e
 
0, 687299 h i
f (ξ1 ) =  0, 40  0, 687299 0, 40 −0, 087298
 
−0, 087298
 
0, 472299 0, 274896 −0, 059995
=  0, 274896 0, 160000 −0, 034919 
 
−0, 059995 −0, 034919 0, 007621
Efetuando o mesmo procedimento para ξ2 = 0, 0 e ξ3 = 0, 774597, obtém-se
 
0 0 0
f (ξ2 ) =  0 1 0 
 
0 0 0
 
0, 007621 −0, 034919 −0, 059995
f (ξ3 ) =  −0, 034919 0, 16 0, 274896 
 
−0, 059995 0, 274896 0, 472299
118 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

Substituindo f (ξ1 ), f (ξ2 ) e f (ξ3 ) em (8.2), multiplicando-se pelos coeficientes corre-


spondentes e observando-se que H1 = H3 , chega-se a seguinte expressão
    
1 0, 48 0, 24 −0, 12 0 0 0 
1 5   8
Z  
f (ξ) dξ =  0, 24 0, 32 0, 24  +  0 1 0 

−1 2 9 −0, 12 9
0, 24 0, 48 0 0 0 

Portanto,
 
Z 1 0, 1333 0, 0667 −0, 0333
[M ] = f (ξ) dξ =  0, 0667 0, 5333 0, 0667 
 
−1
−0, 0333 0, 0667 0, 1333
A Tabela 8.3 apresenta o número de pontos de integração necessário para os elementos
unidimensionais até o quarto grau, para cada um dos termos presentes nas expressões das
matrizes e vetores de carregamento dos elementos.

Elemento [N ]T [N ] [B]T [B] [B] [N ]T


Linear 2 1 1 2
Quadrático 3 2 1 2
Cúbico 4 3 1 2
Quártico 5 4 1 2

Tabela 8.3: Ordem de integração para os elementos unidimensionais.

8.5 Integração Numérica Bidimensional


A quadratura de Gauss-Legendre pode ser estendida para integrar funções de duas variáveis
f (ξ, η), ou seja,
Z 1 Z 1
I= f (ξ, η) dξ dη (8.3)
−1 −1

Esta integral pode ser calculada numericamente, considerando inicialmente apenas a


integral em η e mantendo ξ constante. Tomando-se n2 pontos na direção η e aplicando
(8.1) vem que
Z 1 n2
X
I= f (ξ, η) dη = Hj f (ξ, ηj ) = g(ξ) (8.4)
−1 j=1

onde g(ξ) é uma função de ξ. Desta forma, para n1 pontos de integração na direção ξ, a
integral de g(ξ) é dada por
Z 1 n1
X
I= g(ξ) dξ = Hi g(ξi ) (8.5)
−1 i=1
8.5. INTEGRAÇÃO NUMÉRICA BIDIMENSIONAL 119

Substituindo (8.4) em (8.5) vem que


 
Z 1 Z 1 n1
X n2
X
I= g(ξ) dξ = Hi  Hj f (ξi , ηj )
−1 −1 i=1 j=1

ou ainda,
n1 X
X n2
I= Hi Hj f (ξi , ηj ) (8.6)
i=1 j=1

O somatório duplo em (8.6) pode ser escrito como uma somatório simples da seguinte
forma
N
X int
I= Hl f (ξl , ηl ) (8.7)
l=1

onde Nint = n1 n2 e Hl = Hi Hj (i = 1, . . . , n1 ; j = 1, . . . , n2 )
Para os elementos finitos quadrangulares planos, os pontos de integração e os coefi-
cientes de ponderação são obtidos pela composição, nas direções ξ e η, daqueles determina-
dos para o caso unidimensional e ilustrados na Figura 8.2. Assim, a Tabela 8.4 apresenta
estes valores para a ordem de integração até 4. Já a Tabela 8.5 contém o número de
pontos de integração para os termos das matrizes e vetores dos elementos quadrangulares.
A disposição destes pontos está ilustrada na Figura 8.3.

η η η η

ξ ξ ξ ξ

Figura 8.3: Pontos de integração para os elementos quadrangulares planos.

No caso dos triângulos, verifica-se que o processo de integração numérica é análogo,


devendo-se observar que a função a ser integrada está especificada nas variáveis L1 e L2 .
Portanto,

Z 1 Z 1−L2 N int
Hl g(Ll1 , Ll2 )
X
f (L1 , L2 )| det[J]| dL1 dL2 = (8.8)
0 0 l=1
120 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

(n1 × n2 ) Grau de (ξl , ηl ) Hl


precisão
(1 × 1) 1 (0.000, 0.000) 4, 0
(2 × 2) 3 (−0.577..., −0, 577...) 1, 0
(0.577..., −0, 577...) 1, 0
(0.577..., 0, 577...) 1, 0
(−0.577..., 0, 577...) 1, 0
(3 × 3) 5 (−0.774..., −0.774...) 25/81
(0.000..., −0.774...) 40/81
(0.774..., −0.774...) 25/81
(−0.774..., 0.000...) 40/81
(0.000..., 0.000...) 40/81
(0.774..., 0.000...) 40/81
(−0.774..., 0.774...) 25/81
(0.000..., 0.774...) 40/81
(0.774..., 0.774...) 25/81
(4 × 4) 7 (−0.861..., −0.861...) 0, 121...
(0.339..., −0.861...) 0, 226...
(0.339..., −0.861...) 0, 226...
(0.861..., −0.861...) 0, 121...
(−0.861..., −0.339...) 0, 226...
(−0.339..., −0.339...) 0, 425...
(0.339..., −0.339...) 0, 425...
(0.861..., −0.339...) 0, 226...
(−0.861..., 0.339...) 0, 226...
(−0.339..., 0.339...) 0, 425...
(0.339..., 0.339...) 0, 425...
(0.861..., 0.339...) 0, 226...
(−0.861..., 0.861...) 0, 121...
(−0.339..., 0.861...) 0, 226...
(0.339..., 0.861...) 0, 226...
(0.861..., 0.861...) 0, 121...

Tabela 8.4: Pontos de integração e coeficientes de ponderação para elementos quadrangu-


lares planos.
8.6. INTEGRAÇÃO NUMÉRICA TRIDIMENSIONAL 121

Elemento [N ]T [N ] [B]T [B] [N ]T


n1 ,n2 n1 ,n2 n1 ,n2
Linear 2,2 1,1 1,1
Quadrático 3,3 2,2 2,2
Cúbico 4,4 3,3 2,2
Quártico 5,5 4,4 3,3

Tabela 8.5: Ordem de integração para os elementos quadrangulares planos.

Figura 8.4: Pontos de integração para os elementos triangulares planos.

onde g(·) inclui o determinante do Jacobiano. A ordem de integração a ser empregada


depende das potências presentes nas coordenadas L1 e L2 Por exemplo, tomando-se o
produto L1 L22 , verifica-se que a soma dos expoentes é 3, devendo-se tomar uma integração
de ordem 3. A Tabela 8.6 resume os pontos de integração e a respectiva ponderação . A
Figura 8.4 ilustra a disposição deste pontos de integração.

8.6 Integração Numérica Tridimensional


No caso tridimensional, deseja-se calcular a seguinte integral
Z 1 Z 1 Z 1
I= f (ξ, η, ζ) dξ dη ζ (8.9)
−1 −1 −1

O procedimento é análogo ao caso anterior. Assim, tomando-se n1 , n2 e n3 pontos nas


direções ξ, η, ζ, respectivamente, pode-se integrar (8.9) como
n1 X
X n2 X
n3
I= Hi Hj Hk f (ξi , ηj , ζk ) (8.10)
i=1 j=1 k=1

A expressão anterior pode ser escrita como um somatório simples da seguinte forma
N
X int
I= Hl f (ξl , ηl , ζl ) (8.11)
l=1

onde Nint = n1 n2 n3 e Hl = Hi Hj Hk (i = 1, . . . , n1 ; j = 1, . . . , n2 ; k = 1, . . . , n3 ).
122 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

n Hl L1 L2
1 0.5 1/3 1/3
3 4/6 1/6 1/6
1/6 4/6 1/6
1/6 1/6 4/6
7 0.0629 0.1012 0.1012
0.0629 0.7974 0.1012
0.0629 0.1012 0.7974
0.0662 0.4701 0.0597
0.0662 0.4701 0.4701
0.0662 0.0597 0.4701
0.1125 0.3333 0.3333
13 0.0533 0.0651 0.0651
0.0533 0.8697 0.0651
0.0533 0.0651 0.8697
0.0771 0.3128 0.0486
0.0771 0.6384 0.3128
0.0771 0.0486 0.6384
0.0771 0.6384 0.0486
0.0771 0.3128 0.6384
0.0771 0.0486 0.3128
0.1756 0.2603 0.2603
0.1756 0.4793 0.2603
0.1756 0.2603 0.4793
-0.149 0.3333 0.3333

Tabela 8.6: Pontos de integração e coeficientes de ponderação para elementos triangulares


planos.
8.7. EXERCÍCIOS PROPOSTOS 123

A Tabela 8.7 apresenta os pontos de integração (L1 , L2 , L3 ) e as respectivas pon-


derações para tetraedros.

n Hl L1 L2 L3
1 1/6 1/4 1/4 1/4
√ √ √
4 1/24 (5 − √5)/20 (5 − √5)/20 (5 − √5)/20
1/24 (5 − √5)/20 (5 − √5)/20 (5 + 3√ 5)/20
1/24 (5 − √5)/20 (5 + 3√ 5)/20 (5 − √5)/20
1/24 (5 + 3 5)/20 (5 − 5)/20 (5 − 5)/20
5 -2/15 1/4 1/4 1/4
3/40 1/6 1/6 1/6
3/40 1/6 1/6 1/2
3/40 1/6 1/2 1/6
3/40 1/2 1/6 1/6

Tabela 8.7: Pontos de integração para os tetraedros.

8.7 Exercı́cios Propostos


Exercı́cio 8.1 Determine a matriz de rigidez para um elemento de barra linear de 3 nós,
de comprimento L, pelo uso da regra de quadratura de Gauss.

Exercı́cio 8.2 Determinar o coeficiente local K15 da matriz de rigidez de um quadrado


com funções de interpolação da famı́lia Serendipty para um problema de condução de calor
usando integração numérica. Nesse caso, tem-se
Z 1 Z 1
K15 = N1,ξ N5,ξ + N1,η N5,η dξdη
−1 −1
124 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO NUMÉRICA
Capı́tulo 9

Estudo de Casos

Nesse capı́tulo, consideram-se três modelos estruturais planos comumente usados, ou seja,
estado plano de tensão, estado plano de deformação e sólido axissimétrico. Consideram-se
aspectos da formulação de cada problema e a respectiva aproximação através de quadrados
e triângulos.

9.1 Estado Plano de Tensão


Seja a chapa de espessura constante t submetida à ação de uma carga distribuı́da uni-
formemente ao longo da espessura e paralela ao plano da chapa, como pode ser visto na
Figura 9.1. Assume-se que os componentes de tensão σzz , σzx e τzy são nulas nos pontos
da chapa. Desta forma, o estado de tensão nos pontos da chapa é especificado somente
por σxx , σyy e τxy , sendo denominado estado plano de tensão.

Figura 9.1: Chapa sob estado plano de tensão.

125
126 CAPÍTULO 9. ESTUDO DE CASOS

Para problemas planos, a matriz de deformação [Ba ] para um nó a de um elemento


finito quadrangular ou triangular é dada por
 
Nax 0
[Ba ] =  0 Nay  (9.1)
 
Nay Nax

Já a matriz de elasticidade pode ser obtida a partir de (3.20), reduzindo-se a


 
1 µ 0
E 
[D] =  µ 1 0 (9.2)

1 − µ2

1−µ
0 0 2

Os elementos quadrangulares planos podem ser aplicados para o tratamento de pro-


blemas de estado plano de tensão. A matriz do Jacobiano contém derivadas em relação a
ξ e η. Logo,
" # " P #
n Pn
xξ yξ N X Naξ Ya
[J] = = Pna=1 aξ a a=1
Pn
xη yη a=1 Naη Xa a=1 Naη Ya

O determinante do Jacobiano é dado por

det[J] = xξ (ξl , ηl ) yη (ξl , ηl ) − yξ (ξl , ηl ) xη (ξl , ηl )


n n
! !
X X
= Naξ (ξl , ηl )Xa Nbη (ξl , ηl )Yb
a=1 b=1
n n
! !
X X
− Naη (ξl , ηl )Xa Nbξ (ξl , ηl )Yb (9.3)
a=1 b=1

onde (ξl , ηl ) representa as coordenadas dos pontos de integração.


Neste caso, a inversa da matriz do Jacobiano [J]−1 é escrita como
" #
1 xξ −yξ
[J]−1 = (9.4)
det[J] −xη yη

Assim, as derivadas das funções de forma em relação às variáveis globais x e y são
calculadas como
∂Na 1 ∂x ∂y ∂x ∂y
 
= − (9.5)
∂x det[J] ∂ξ ∂η ∂η ∂ξ
∂Na 1 ∂x ∂y ∂x ∂y
 
= − − (9.6)
∂y det[J] ∂ξ ∂η ∂η ∂ξ
9.1. ESTADO PLANO DE TENSÃO 127

Conhecidas as matrizes de deformação [B] e de elasticidade [D], determina-se a matriz


de rigidez dos elementos quadrangulares como
Z 1 Z 1 Z 1
[Ke ] = [B]T [D][B]| det[J]| dξ dη dζ
−1 −1 −1
n
Hl [B(ξl , ηl )]T [D][B(ξl , ηl )]| det[J(ξl , ηl )]|
X
= t (9.7)
l=1

onde a integral em ζ se constitui na espessura t do elemento.


Considerando o elemento linear de 4 nós, mostrado na Figura 5.8, a matriz [B] para
cada ponto de integração (ξl , ηl ) é dada por
 
N1x 0 N2x 0 N3x 0 N4x 0
[B] =  0 N1y 0 N2y 0 N3y 0 N4y 
 
N1y N1x N2y N2x N3y N3x N4y N4x

Ao invés de se calcular a matriz [B] como indicado na expressão anterior, pode-se


efetuar o produto [B]T [D][B] para cada nó do elemento da seguinte forma
 
[B1 ]
N int N int
X
T
X h iT  [B2 ] 
[K̄e ] = Hl [B] [D][B] | det[J]| = [B1 ] [B2 ] [B3 ] [B4 ] [D̃] 
 
[B3 ]

 
l=1 l=1
[B4 ]
[B1 ]T [B1 ]T [B1 ]T [B1 ]T
 
[D̃] [B1 ] [D̃] [B2 ] [D̃] [B3 ] [D̃] [B4 ]
N
X int  [B2 ]T [D̃] [B1 ] [B2 ]T [D̃] [B2 ] [B2 ]T [D̃] [B3 ] [B2 ]T [D̃] [B4 ] 
=  (9.8)
 
[B3 ]T [D̃] [B1 ] [B3 ]T [D̃] [B2 ] [B3 ]T [D̃] [B3 ] [B3 ]T [D̃] [B4 ]

 
l=1
[B4 ]T [D̃] [B1 ] [B4 ]T [D̃] [B2 ] [B4 ]T [D̃] [B3 ] [B4 ]T [D̃] [B4 ]

onde [D̃] = Hl | det[J]| [D] e Nint é o número de pontos de integração. A expressão,


no entanto, deve ser calculada para cada ponto de integração. Assim, a matriz [K̄e ] é
composta por submatrizes [Kab ] tal que

[Kab ] = [Ba ]T [D̃][Bb ] a, b = 1, . . . , 4 (9.9)

Logo,
 
[K11 ] [K12 ] [K13 ] [K14 ]
 [K21 ] [K22 ] [K23 ] [K24 ] 
[K̄e ] =  (9.10)
 
[K31 ] [K32 ] [K33 ] [K34 ]

 
[K41 ] [K42 ] [K43 ] [K44 ]
O mesmo procedimento pode ser estendido para os demais elementos quadrangulares
planos. Assim, o seguinte algoritmo pode ser aplicado para o cálculo da matriz de rigidez
destes elementos
for l=1:NúmeroPontosIntegraç~ ao
128 CAPÍTULO 9. ESTUDO DE CASOS

Calcular [D̃]
for b=1:NumeroNós
Calcular Nbx , Nby e a matriz [Bb ]
Determinar o produto [D̃][Bb ]
for a=1:NumeroNós
Calcular Nax , Nay e a matriz [Ba ]
Determinar [Kab ] = [Ba ]T [D̃][Bb ]
Superpor [Kab ] em [Ke ]:
" # " #
Ke (2a − 1, 2b − 1) Ke (2a − 1, 2b) Ke (2a − 1, 2b − 1) Ke (2a − 1, 2b)
← +
Ke (2a, 2b − 1) Ke (2a, 2b) Ke (2a, 2b − 1) Ke (2a, 2b)
" #
Kab (1, 1) Kab (1, 2)
Kab (2, 1) Kab (2, 2)

end
end
end

No caso da matriz de massa, a expressão é análoga a (9.7). Assim,


Z 1 Z 1 Z 1
[Me ] = ρ[N ]T [N ]| det[J]| dξ dη dζ
−1 −1 −1
n
Hl ρ[N (ξl , ηl )]T [N (ξl , ηl )]| det[J(ξl , ηl )]|
X
= t (9.11)
l=1

Para exemplificar, considera-se o elemento quadrangular de 4 nós. A partir de (5.14),


observa-se para cada ponto de integração

x(ξl , ηl ) = N1 (ξl , ηl )X1e + N2 (ξl , ηl )X2e + N3 (ξl , ηl )X3e + N4 (ξl , ηl )X4e

y(ξl , ηl ) = N1 (ξl , ηl )Y1e + N2 (ξl , ηl )Y2e + N3 (ξl , ηl )Y3e + N4 (ξl , ηl )Y4e

Em forma matricial,

X1e
 

 

Y1e

 


 

X2e

 

 
( ) " #
 

Y2e
 
x N1 0 N2 0 N3 0 N4 0  
= = [N ]{X} (9.12)
y 0 N2 0 N2 0 N3 0 N4 
 X3e 

Y3e

 


 

 
X4e

 


 

Y4e

 

9.1. ESTADO PLANO DE TENSÃO 129

Substituindo a matriz [N (ξl , ηl )] dada em (9.12) na equação (9.11) obtém-se a matriz


de massa para o elemento linear, ou seja,
 
N1 N1 0 N1 N2 0 N1 N3 0 N1 N4 0

 0 N1 N1 0 N1 N2 0 N1 N3 0 N1 N4 

 N1 N2 0 N2 N2 0 N2 N3 0 N2 N4 0 
4  
X 0 N1 N2 0 N2 N2 0 N2 N3 0 N2 N4
[M e ] = ρt
 
Hl | det[J(ξl , ηl )]|  (9.13)
 N1 N3 0 N2 N3 0 N3 N3 0 N3 N4 0 
l=1  

 0 N1 N3 0 N2 N3 0 N3 N3 0 N3 N4 

 N1 N4 0 N2 N4 0 N3 N4 0 N4 N4 0 
0 N1 N4 0 N2 N4 0 N3 N4 0 N4 N4

As matrizes de massa para os demais elementos são determinadas de maneira análoga.


Portanto, o seguinte algoritmo pode ser utilizado para o cálculo das matrizes de massa
dos elementos quadrangulares,

for l=1:NúmeroPontosIntegraç~ ao
for b=1:NumeroNos
Calcular NT = Nb (ξl , ηl )
for a=1:NúmeroNos
Calcular N = Na (ξl , ηl )
Determinar Me (2a − 1, 2b − 1) = NT N
Determinar Me (2a, 2b) = NT N
end
end
[Me ] ← [Me ]Hl | det[J(ξl , ηl )]|
end
[Me ] ← [Me ]ρt

Os elementos triangulares também podem ser aplicados para problemas de estado plano
de tensão. O procedimento é análogo àquele efetuado para os elementos quadrangulares.
Neste caso as matrizes de rigidez e de massa são obtidas por integração numérica de acordo
com a expressão (8.8). Assim,
Z 1 Z 1−L2
[Ke ] = t [B]T [D][B]| det[J]| dL1 dL2
0 0
n
Hl [B(Ll1 , Ll2 )]T [D][B(Ll1 , Ll2 )]| det[J(Ll1 , Ll2 )]|
X
= t (9.14)
l=1

Z 1 Z 1−L2
[Me ] = t ρ[N ]T [N ]| det[J]| dL1 dL2
0 0
n
Hl [N (Ll1 , Ll2 )]T [N (Ll1 , Ll2 )]| det[J(Ll1 , Ll2 )]|
X
= tρ (9.15)
l=1
130 CAPÍTULO 9. ESTUDO DE CASOS

A matriz do Jacobiano é dada por (7.7) e seu determinante expresso como

det[J] = xL1 (L1 , L2 ) yL2 (L1 , L2 ) − yL1 (L1 , L2 ) xL2 (L1 , L2 ) (9.16)

ou aplicando as relações (7.4) vem que


N N N N
! ! ! !
NaL1 Xae NbL2 Ybe NaL2 Xae NbL1 Ybe
X X X X
det[J] = − (9.17)
a=1 b=1 a=1 b=1

Para a determinação da matriz de deformação [B], deve-se efetuar as derivadas das


funções de forma em relação às variáveis globais x e y como indicado em (7.8). Desta
maneira, as derivadas das funções de forma em relação a x e y serão dadas por
∂Na 1 ∂Na ∂Na ∂y ∂Na ∂Na ∂y
    
= − − − (9.18)
∂x det[J] ∂L1 ∂L3 ∂L2 ∂L2 ∂L3 ∂L1
∂Na 1 ∂Na ∂Na ∂x ∂Na ∂Na ∂x
    
= − − + − (9.19)
∂y det[J] ∂L1 ∂L3 ∂L2 ∂L2 ∂L3 ∂L1
Assim, os mesmos algoritmos anteriores podem ser aplicados para a implementação
computacional das matrizes destes elementos.

9.2 Estado Plano de Deformação


O problema de estado plano de deformação ocorre, por exemplo, no caso de um muro
de arrimo submetido a uma pressão lateral ou num rolamento comprimido por forças no
plano diametral como ilustrado na Figura 9.2. Nestes casos, supõe-se que a dimensão do
corpo na direção z é muito grande e que as forças não variam ao longo do corpo. Uma
vez que as condições são as mesmas em todas as seções transversais, basta considerar uma
fatia entre duas seções que distam uma unidade entre si.
Y Y
X

X Z

Figura 9.2: Muro de arrimo sob pressão lateral e um rolamento sob compressão.

As componentes de deslocamento u e v são funções de x e y, mas independem da


coordenada longitudinal z. Supondo que o deslocamento w seja nulo, observa-se que
9.3. ESTRUTURAS AXISSIMÉTRICAS 131

as componentes de deformação γzy , γzx , zz são nulas para o caso de estado plano de
deformação.
A matriz de deformação [B] é dada pela equação (9.1). Já a matriz de elasticidade [D]
é obtida a partir da lei de Hooke (3.20), ou seja,
 
1−µ µ 0
E
[D] =  µ 1−µ 0 (9.20)
 
(1 + µ)(1 − 2µ)

0 0 1 − 2µ

As matrizes de rigidez para os elementos retangulares e triangulares são obtidas de


maneira análoga para o caso de estado plano de tensão, bastando substituir a matriz [D]
dada em (9.20) e tomar uma espessura unitária. Como as funções de forma são as mesmas,
as matrizes de massa são determinadas tomando-se t = 1 na equação (9.11).

9.3 Estruturas Axissimétricas


Várias estruturas, tais como vasos de pressão, possuem a propriedade de axissimetria,
ou seja, são obtidas pela revolução de uma geratriz em torno de um eixo de simetria ao
longo da estrutura, como pode ser visto na Figura 9.3. Este tipo de problema pode ser
tratado de maneira similar aos casos de estado plano de tensão e deformação. Observa-se
que o carregamento aplicado na estrutura deve também ser axissimétrico. O sistema de
referência cilı́ndrico (r, θ, z) é o mais adequado para formular este tipo de problema.
Z(v)

Geratriz

R(u)

Figura 9.3: Sólido axissimétrico.

Pela simetria, verifica-se que as componentes de deslocamento u (na direção radial r)


e v (na direção axial z) presentes numa seção plana do corpo definem completamente, os
132 CAPÍTULO 9. ESTUDO DE CASOS

estados de deformação e tensão. Assim, as mesmas funções de forma anteriores podem ser
utilizadas para o tratamento de sólidos de revolução.
As componentes de deformação num sistema de coordenadas cilı́ndricas estão ilustradas
na Figura 9.4 para um elemento infinitesimal do sólido da Figura 9.3. Logo, têm-se 4
componentes de deformação especı́fica rr , θθ , zz e γrz .
Qualquer deslocamento u na direção radial r faz surgir uma deformação circunferencial
θθ , como apresentado na Figura 9.5 para um elemento infinitesimal ∆r∆θ no plano r.

γ rz

ε rr
γ rz
ε zz
ε θθ

θ r

Figura 9.4: Componentes de deformação em coordenadas cilı́ndricas.

D’
u+du
∆ r’
A’

D ∆ l’
C’
∆r
A B’
∆l
C
u
∆θ B

Figura 9.5: Elemento infinitesimal no plano rθ.


9.3. ESTRUTURAS AXISSIMÉTRICAS 133

A deformação especı́fica na direção radial r é dada por

∆r 0 − ∆r
rr = lim
∆r→0 ∆r

onde ∆r 0 = u + du + ∆r − u = du + ∆r. Portanto,


∂u
du ∆r ∂u
rr = lim = ∂r = (9.21)
∆r→0 ∆r ∆r ∂r

O arco ∆l após o deslocamento radial u apresenta um novo comprimento ∆l0 e a


deformação circunferencial no ponto A é a seguinte,

∆l0 − ∆l (r + u)∆θ − r∆θ u


θθ = lim = = (9.22)
∆θ→0 ∆l r∆θ r
As demais componentes de deformação zz e γrz são obtidas a partir da Figura 9.6 e
de modo análogo ao realizado na Secção 1.3. A deformação zz é dada por
∂v
∆z 0 − ∆z v + dv + ∆z − v − ∆z dv ∆z ∂v
zz = lim = = = ∂z = (9.23)
∆z→0 ∆z ∆z ∆z ∆z ∂z
A distorção no plano rz é a soma dos ângulos γ1 e γ2 , ou seja,

γrz = γ1 + γ2

com
∂v ∂v ∂v
∂r ∆z ∂r ∆r ∂r ∂v
γ1 ≈ tan γ1 = = = =
∆r 0 ∆r + ∂v
∂z ∆r
1 + zz ∂r

∂u ∂u ∂u
∂z ∆z ∂z ∆z ∂z ∂u
γ2 ≈ tan γ2 = = = =
∆z 0 ∆z + ∂u
∂r ∆z
1 + rr ∂z

Logo,

∂u ∂v
γrz = + (9.24)
∂z ∂r
As relações em (9.21) a (9.24) podem ser escritas matricialmente como

   

 zz 
 0 ∂z ( )
  ∂
 rr  
∂r 0  u
= (9.25)
 
1
θθ 0 v

r

 
  
∂ ∂
 

γzr 
∂z ∂r
134 CAPÍTULO 9. ESTUDO DE CASOS

Z
R’

γ S’
2

∆z’ Q’

v+dv P’ γ1

∆ r’

S R
v
∆z

P Q

∆r

u+du
r

Figura 9.6: Plano rz para um elemento infinitesimal.

ou ainda,

{} = [L]{u} (9.26)

Substituindo a relação (4.23) em (9.26) vem que

{} = [L][N ]{U } = [B]{U } (9.27)

Neste caso, a matriz de deformação [Ba ] para um nó a de um elemento axissimétrico


é dada por
 
0 Naz
 N 0 
 ar
[B] =  (9.28)

Na
0

r
 
Naz Nar

Para cada uma das componentes de deformação zz , rr , θθ e γrz correspondem as
componentes de tensão σzz , σrr , σθθ e τrz , as quais estão relacionadas pela lei de Hooke,
ou seja,
1
zz = [σzz − µ(σθθ + σrr )]
E
9.3. ESTRUTURAS AXISSIMÉTRICAS 135

1
rr = [σrr − µ(σθθ + σzz )]
E
1
θθ = [σθθ − µ(σrr + σzz )]
E
τzr 2(1 + µ)
γzr = = τzr
G E

A relação anterior pode ser escrita na seguinte forma matricial como


    

 zz 
 1 −µ −µ 0  σzz
 

1 
   
 rr  −µ 1 −µ 0  σ
rr

=  (9.29)
 
 E −µ −µ 1 0 σ



 θθ 


 
 θθ 



γzr 
0 0 0 2(1 + µ) 
τzr 

Expressando as componentes de tensão em função das componentes de deformação


vem que
    
σzz 1−µ µ µ 0 
 zz

 
 
 

E µ 1−µ µ 0
  
 σrr    rr 
= (9.30)
 
σ (1 + µ)(1 − 2µ) µ µ 1−µ 0 
 

 θθ 
   θθ 

  1−2µ  

τzr  0 0 0 2

γzr 

ou seja,

{σ} = [D]{} (9.31)

Para os elementos finitos isoparamétricos quadrangulares, podem-se escrever relações


análogas a (5.14), ou seja,
n
Na (ξ, η)Rae
X
r(ξ, η) =
a=1
n
Na (ξ, η)Zae
X
z(ξ, η) = (9.32)
a=1

sendo n o número de nós do elemento; Ra e Za são coordenadas nodais do elemento e.


A partir daı́, estabelecem-se as seguintes relações
∂Na ∂Na ∂r ∂Na ∂z
= + (9.33)
∂ξ ∂r ∂ξ ∂z ∂ξ
∂Na ∂Na ∂r ∂Na ∂z
= + (9.34)
∂η ∂r ∂η ∂z ∂η
ou ainda,
( ) " #( ) ( )
Naξ rξ zξ Nar Nar
= = [J] (9.35)
Naη rη zη Naz Naz
136 CAPÍTULO 9. ESTUDO DE CASOS

Invertendo-se a matriz do Jacobiano, obtém-se as derivadas das funções de forma em


relação as variáveis globais r e z, ou seja,
( ) ( )
Nar Naξ
= [J]−1 (9.36)
Naz Naη
onde
" #
1 zη −zξ
[J]−1 = (9.37)
det[J] −rη rξ
Por sua vez, o determinante da matriz do Jacobiano é obtido por
det[J] = rξ zη − rη zξ
n n n n
! ! ! !
X ∂Na X ∂Nb X ∂Na X ∂Nb
= Ra Zb − Ra Zb (9.38)
a=1
∂ξ b=1
∂η a=1
∂η b=1
∂ξ
Substituindo (9.36) e (9.37) em (9.35), obtém-se
∂Na ∂Na ∂z ∂Na ∂z
= + (9.39)
∂r ∂ξ ∂η ∂η ∂ξ
∂Na ∂Na ∂r ∂Na ∂r
= + (9.40)
∂z ∂ξ ∂η ∂η ∂ξ
Seja dV o elemento infinitesimal de volume ilustrado na Figura 9.7. Neste caso, tem-se
que
dV = 2πrdA = 2πrdrdz
ou no sistema local
dV = 2πr det[J]dξdη
Assim, a matriz de rigidez dos elementos quadrangulares é obtida pela seguinte ex-
pressão
Z 1 Z 1
[Ke ] = 2π [B]T [D][B] r | det[J]|dξdη (9.41)
−1 −1

Integrando numericamente e aplicando-se (9.32) para a interpolação de r, obtém-se


N n
!
int
T
X X
[Ke ] = 2π [B(ξl , ηl )] [D̃][B(ξl , ηl )] Na (ξl , ηl )Ra (9.42)
l=1 a=1

onde [D̃] = Hl | det[J(ξl , ηl )]|[D].


Analogamente, a matriz de massa é determinada por
N n
!
T
X X
[Me ] = 2πρ Hl | det[J(ξl , ηl )]|[N (ξl , ηl )] [N (ξl , ηl )] Na (ξl , ηl )Ra (9.43)
l=1 a=1

Para o caso de elementos triangulares planos, obtém-se expressões semelhantes a (9.42)


e (9.43) para as matrizes de rigidez e de massa.
9.4. CONSIDERAÇÕES SOBRE ELEMENTOS FINITOS ISOPARAMÉTRICOS 137

dr

dz

Figura 9.7: Elemento de volume infinitesimal para um sólido de revolução.

9.4 Considerações sobre Elementos Finitos Isoparamétricos


9.4.1 Integração Numérica
A quadratura de Gauss-Legendre permite integrar exatamente um polinômio de ordem
(2n − 1) tomando-se apenas n valores da função considerada. Já a técnica de Newton-
Cotes integra sem erro um polinômio de ordem n, amostrando n + 1 valores da função.
Numa análise por elementos finitos, a aplicação da quadratura de Gauss reduz o custo
da análise no que se refere ao cálculo das matrizes e dos vetores de carregamento dos
elementos finitos. No entanto, torna-se importante selecionar a ordem de integração, não
apenas para reduzir o tempo de análise, mas também devido ao fato que os resultados
obtidos podem ser bastante afetados utilizando-se diferentes ordens de integração, princi-
palmente em problemas tridimensionais.
A Tabela 8.4 apresenta o número de pontos necessário para integrar exatamente os
termos presentes nas expressões das matrizes e vetores de carregamentos dos elementos
quadrangulares planos. Utilizando uma ordem de integração muito reduzida, a solução
do problema pode ser imprecisa ou até mesmo não existir devido ao mal-condicionamento
das matrizes globais envolvidas.
A formulação abordada ao longo deste texto está baseada no método de deslocamentos.
Observa-se que esta metodologia implica em superestimar a matriz de rigidez do sistema.
Assim, verifica-se que a utilização de integração reduzida permite obter em muitos casos
melhores resultados. Isto se deve ao fato que o erro induzido na integração numérica
reduzida é compensado na estimativa superior da matriz de rigidez.
Pode-se adotar, ainda, a integração seletiva, onde os termos na matriz de deformação
são integrados com ordens diferentes. No entanto, observa-se que a utilização destes
mecanismos de integração numérica deve garantir a solução do problema, evitando ma-
trizes singulares ou mal-condicionadas, e a convergência dos resultados obtidos. Assim,
no estudo de um problema prático, o emprego destes tipos de integração para o cálculo
de um elemento, deve ser feita com critério e cuidado, pois nestes casos a confiabilidade
138 CAPÍTULO 9. ESTUDO DE CASOS

dos resultados é o aspecto fundamental.


Desta forma, o emprego dos esquemas de integração reduzida ou seletiva depende,
principalmente, da experiência adquirida na análise de problemas similares com ordem de
integração mais alta, ou o conhecimento de uma solução numérica confiável, ou ainda a
disponibilidade de resultados experimentais.
A Tabela 9.1 apresenta as ordens de integração, consistente e reduzida, necessárias
para efetuar o cálculo da matriz de rigidez de alguns elementos quadrangulares planos,
considerando problemas de estado plano e sólidos axissimétricos.
A integração consistente permite calcular exatamente a matriz dos elementos quad-
rangulares com lados retos, pois neste caso a matriz do jacobiano é constante. Já para
os elementos distorcidos, as matrizes são geralmente aproximadas. No entanto, as ordens
especificadas são eficientes.

Elemento Consistente Reduzida


Linear (2 × 2) –
Linear distorcido (2 × 2) –
Quadrático (3 × 3) (2 × 2)
Quadrático distorcido (3 × 3) (2 × 2)
Cúbico (4 × 4) (3 × 3)
Cúbico distorcido (4 × 4) (3 × 3)

Tabela 9.1: Ordem de integração consistente e reduzida para o cálculo da matriz de rigidez
dos elementos quadrangulares planos.

Como exemplo, considere o problema de estado plano de tensão, modelado com o


elemento quadrático, ilustrado na Figura 9.8. Considerando-se integração reduzida (2 ×
2), a solução é instável, verificando-se valores excessivos para os deslocamentos nodais.
Observa-se que a integração reduzida induz, em muitos casos, à instabilidade ou imprecisão
dos resultados devido ao surgimento de movimentos de corpo rı́gido.
Entretanto, ao se aplicar integração consistente com (3 × 3) pontos, a solução exata é
determinada, consistindo numa rotação rı́gida em torno do ponto A.

9.4.2 Cálculo de Tensões


Conhecidos os deslocamentos dos nós, as tensões no interior do elemento podem ser cal-
culadas utilizando-se a expressão (4.25). Pode-se obter as tensões em qualquer ponto do
elemento, mas em geral, selecionam-se alguns pontos especı́ficos, tais como o centro do
elemento, as coordenadas nodais ou os pontos de integração.
A formulação até aqui apresentada garante a compatibilidade dos deslocamentos no
contorno dos elementos finitos. No entanto, não se pode garantir a continuidade das
tensões. Observa-se que esta descontinuidade diminui a medida que a malha de elementos
é refinada. Logo, a magnitude destas descontinuidades podem ser empregadas na prática
9.4. CONSIDERAÇÕES SOBRE ELEMENTOS FINITOS ISOPARAMÉTRICOS 139

A B

Figura 9.8: Problema de estado plano de tensão calculado com esquemas de integração
consistente e reduzida.

para determinar as regiões onde se deve refinar a malha. Em geral, ao mostrar as tensões
nodais, os programas de elementos finitos utilizam um processo de suavização das tensões
nos elementos de tal forma a obter uma distirbuição contı́nua de tensões.
Uma outra observação no cálculo das tensões está relacionada ao fato que os valores
obtidos em alguns pontos do elemento são significativamente mais precisos quando com-
parados com a solução exata. Em particular, verifica-se que as tensões determinadas nos
pontos de integração são mais precisas que aqueles determinadas considerando as coorde-
nadas nodais do elemento.

9.4.3 Considerações sobre o Modelamento


A aplicação do MEF para o estudo de um problema prático depende em grande parte dos
seguintes fatores:

• conhecimento do problema fı́sico;

• noção qualitativa do resultado esperado da análise;

• domı́nio das ferramentas disponı́veis para efetuar a análise (hardware+software);

• conhecimento básico dos princı́pios de mecânica.

Uma primeira consideração está relacionada à escolha do tipo de elemento a ser em-
pregado. Para isso, deve-se considerar as caracterı́sticas do problema e simplificações
adotadas para o modelo. No que se refere aos elementos isoparamétricos, recomenda-se,
em geral, a utilização dos elementos quadráticos, pois a relação entre o tempo de cálculo
da análise e os resultados esperados é satisfatória. Observa-se, por exemplo, numa análise
estática, a variação linear de deformações e tensões no interior do elemento, enquanto que
para os elementos lineares estas grandezas são constantes nos elementos.
140 CAPÍTULO 9. ESTUDO DE CASOS

Uma vez selecionado o elemento, deve-se gerar a malha, adotando-se o tamanho e o


número de elementos. Dependendo do problema, deve-se refinar a malha em algumas
regiões. Pode-se utilizar a descontinuidade de tensões entre os elementos como indicador
dos pontos a serem refinados. Assim, nas regiões onde se deseja uma solução mais precisa,
as descontinuidades das tensões devem ser pequenas, enquanto para as demais áreas não
há necessidade de refinamento. Esta decisões dependem do nı́vel de precisão requerido na
análise.
A performance dos elementos isoparamétricos é geralmente superior quando são usados
sem distorção. No entanto, em casos práticos, a distorção de elementos é difı́cil de ser
evitada. A influência deste fato na precisão da análise depende novamente do problema
em estudo e do elemento empregado. No entanto, se os resultados devem ser mais precisos
em regiões onde se encontram elementos distorcidos, deve-se refinar a malha nestes pontos.
Quando não se conhece a solução exata do problema, torna-se necessário efetuar a
análise considerando malhas progressivamente mais finas nas regiões de interesse, até se
verificar pequenas alterações nos resultados obtidos entre duas análises consecutivas.
Referências Bibliográficas

[1] Bathe, K.J.Finite Element Procedures in Engineering Analysis. Prentice-Hall, 1982.

[2] Hughes, T.J.R. The Finite Element Method - Linear Static and Dynamic Analysis.
Prentice-Hall, 1987.

[3] Moreira, L.A. Notas dos cursos EM421 (Resistência dos Materiais I) e EM525
(Resistência dos Materiais II). DPM/FEM/UNICAMP.

[4] Przemieniecki, T.S. Theory of Matrix Analysis. Dover Publications, 1968.

[5] Segerlind, L.J. Applied Finite Element Analysis. John Wiley, 1976.

[6] Timonshenko, S.P., Goodier, J.N. Teoria de Elasticidade. Guanabara Dois, 1980.

[7] Zienkiewicz, O.C. The Finite Element Method in Engineering Science. McGraw-
Hill, 1980.

141
142 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Apêndice A

Vetores e Matrizes

A.1 Vetores
O espaço euclideano <n é definido pelos pontos x = (x1 , x2 , . . . , xn ) de n componentes,
onde xi ∈ < (i = 1, . . . , n), ou seja, xi é número real. Um caso particular é o espaço carte-
siano R3 , como mostrado na Figura A.1, no qual os pontos são dados por 3 componentes,
ou seja, x = (x1 , x2 , x3 ).
Os elementos x ∈ <n são denominados vetores, sendo denotados da seguinte maneira
 



x1 


 x2
 

{x} = .. (A.1)


 . 


 
 xn 

Por sua vez, define-se o vetor transposto {x}T como


 T

 x1 

 
 x2
 
 n o
{x}T = .. = x1 x2 . . . xn (A.2)


 . 


 
 xn 

Dados os vetores a, b ∈ <n , definidos pelas suas componentes a = (a1 , a2 , . . . , an ) e


b = (b1 , b2 , . . . , bn ), o produto escalar entre a e b é dado por
n
ai bi = {a}T {b}
X
< a, b >= a1 b1 + a2 b2 + . . . + an bn = (A.3)
i=1

Por sua vez, a norma Euclidiana de um vetor x ∈ <n é expressa como



||x|| = < x, x > (A.4)

143
144 APÊNDICE A. VETORES E MATRIZES

P( x 1 , x 2 , x 3 )

Figura A.1: Sistema cartesiano de referência.

A.2 Matrizes
Uma matriz [A] de m linhas e n colunas é definida como um vetor retangular de mn
elementos arranjados da seguinte maneira
a11 a12 ... a1j ... a1n
 

 a21 a22 ... a2j ... a2n 

 .. .. .. .. .. 
 . . ... . . . 
[A] =  (A.5)
 
 ai1 ai2 ... aij ... ain


 .. .. .. .. ..
 

 . . ... . . . 
am1 am2 . . . amj . . . amn
onde o elemento aij é um número real e os ı́ndices i e j denotam a i-ésima linha e j-ésima
coluna, respectivamente. Neste caso, diz-se que a matriz [A] possui ordem m×n, indicando
[A]m×n .
Se m = 1, tem-se uma matriz linha ou um vetor linha, isto é,

[A] = {A}T = [a11 a12 . . . a1j . . . a1n ] (A.6)

Analogamente, para n = 1 obtém-se uma matriz coluna ou um vetor. Logo,


a11
 

 a21 

 .. 
 . 
[A] = {A} =  (A.7)
 
 ai1


 ..
 
 .


am1
A.2. MATRIZES 145

No entanto, outros tipos especiais de matrizes podem ser definidas.

A.2.1 Matriz Nula


Uma matriz nula de ordem m × n é aquela onde todos os elementos aij (i = 1, . . . , m; j =
1, . . . , n) são nulos.

0 0 ... 0 ... 0
 

 0 0 ... 0 ... 0 

.. .. . . ..
. . . . . .. ..
 
 . 
[A] =  (A.8)
 
0 0 ... 0 ... 0

 
.. .. . . ..
 
. . . . . .. .. .
 
 
0 0 ... 0 ... 0

A.2.2 Matriz Quadrada


Para m = n, tem-se uma matriz quadrada. Logo,
 
a11 a12 . . . a1n

 a21 a22 . . . a2n 

[A] =  .. .. ..  (A.9)
. . ... .
 
 
an1 an2 . . . ann

Neste caso, a ordem de [A] é n × n, ou simplesmente n.

A.2.3 Matriz Diagonal


Uma matriz diagonal de ordem n é uma matriz quadrada onde os elementos não perten-
centes à diagonal principal são nulos, ou seja,
(
aij = 0 se i 6= j
aij 6= 0 se i = j (i, j = 1, . . . , n)

Representa-se uma matriz diagonal da seguinte maneira


 
a11 0 ... 0

 0 a22 ... 0 

[A] =  .. .. ..  (A.10)
. . ... .
 
 
0 0 . . . ann
146 APÊNDICE A. VETORES E MATRIZES

A.2.4 Matriz Unitária ou Identidade


Uma matriz identidade de ordem n, denotada por [I], é uma caso particular de matriz
diagonal, onde todos os elementos são iguais a 1, ou seja aii = 1 (i = 1, . . . , n). Portanto,

 
1 0 ... 0

 0 1 ... 0  
[I] =  .. .. ..  (A.11)
. . ... . 
 

0 0 ... 1

A.2.5 Matrizes Diagonais Superior e Inferior


Diz-se que uma matriz quadrada [A] de ordem n é diagonal superior quando todos os
elementos abaixo da diagonal principal de [A] são nulos. Assim,

(
aij =
6 0 se i ≤ j
aij = 0 se i > j

e
 
a11 a12 . . . a1n

 0 a22 . . . a2n 

[A] =  .. .. ..  (A.12)
. . ... .
 
 
0 0 . . . ann

Analogamente, uma matriz diagonal inferior [B] de ordem n é aquela onde todos os
coeficientes acima da diagonal principal são nulos, ou seja,

(
bij =
6 0 se i ≥ j
bij = 0 se i < j

Logo,

 
b11 0 ... 0

 b21 b22 . . . 0 

[B] =  .. .. .  (A.13)
. . . . . ..
 
 
bn1 0 . . . bnn
A.2. MATRIZES 147

A.2.6 Matriz Banda


Em alguns casos, os elementos não-nulos de uma matriz quadrada estão agrupados ao redor
da diagonal principal, formando, assim, uma banda de elementos. Uma matriz banda [A]
de ordem n é representada da seguinte forma

a11 a12 0 0 ... 0 0 0


 

 a21 a22 a23 0 ... 0 0 0 


 0 a32 a33 a34 ... 0 0 0 

0 0 a43 a44 ... 0 0 0
 
[A] =   (A.14)

.. .. .. .. .. .. .. 
. . . . ... . . .
 
 
 
 0 0 0 0 . . . an−1,n−2 an−1,n−1 an−1,n 
0 0 0 0 ... 0 an,n−1 an,n

A largura de banda é definida como o número de diagonais ocupadas pela matriz.


Assim, a matriz [A] em (A.14) possui largura de banda igual a 3.

A.2.7 Matrizes Simétrica e Anti-simétrica


Uma matriz simétrica [A] de ordem n é uma matriz quadrada cujos elementos são simétricos
em relação à diagonal principal, ou seja,

aij = aji (i, j = 1, . . . , n)

Assim,
 
a11 a12 a13 . . . a1n

 a12 a22 a23 . . . a2n 

a13 a23 a33 . . . a3n
 
[A] =   (A.15)

.. .. .. .. 
. . . ... .
 
 
a1n a2n a3n . . . ann

Analogamente, uma matriz quadrada [B] é anti-simétrica se

bij = −bji (i, j = 1, . . . , n)

Portanto,
 
b11 b12 b13 . . . b1n

 −b12 b22 b23 . . . b2n 

−b13 −b23 b33 . . . b3n
 
[B] =   (A.16)

.. .. .. .. 
. . . ... .
 
 
−b1n −b2n −b3n . . . bnn
148 APÊNDICE A. VETORES E MATRIZES

A.2.8 Particionamento de uma Matriz


Dada uma matriz quadrada [A] de ordem 3
 
a11 a12 a13
[A] =  a21 a22 a23  (A.17)
 
a31 a32 a33

pode-se particioná-la de forma conveniente da seguinte maneira


" #
[A11 ] [A12 ]
[A] = (A.18)
[A21 ] [A22 ]

onde,
" #
a11 a12
[A11 ] =
a21 a22
h i
[A12 ] = a13 a23
h i
[A21 ] = a31 a32
h i
[A22 ] = a33

são definidas como submatrizes.

A.2.9 Matriz Transposta


Dada uma matriz [A] de ordem m × n, a transposta de [A], denotada por [A]T , é a matriz
de ordem n × m obtida ao se trocar as linhas pelas colunas de [A]. Tomando-se m = 2 e
n = 3, tem-se que
 
" # a11 a21
a11 a12 a13
[A] = → [A]T =  a12 a21  (A.19)
 
a21 a22 a23
a13 a23

A.3 Operações Matriciais


A.3.1 Igualdade
Duas matrizes [A] e [B] de mesma ordem m × n são iguais, ou seja

[A] = [B] (A.20)

desde que aij = bij (i = 1, . . . , m; j = 1, . . . , n).


A.4. SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES 149

A.3.2 Adição e Subtração


A soma ou subtração de duas matrizes [A] e [B], de mesma ordem n × m, é definida como

[C] = [A] ± [B] (A.21)

tal que cij = aij ± bij e [C] é uma matriz de ordem m × n.

A.3.3 Multiplicação
Dadas as matrizes [A]m×p e [B]p×n , a multiplicação de [A] por [B] é uma matriz [C]m×n ,
tal que

[C]m×n = [A]m×p [B]p×n (A.22)

sendo
p
X
cij = air brj i = 1, . . . , m j = 1, . . . , n
r=1

Observa-se que para multiplicar duas matrizes, tem-se que o número de colunas da
primeira deve ser igual a número de linhas da segunda matriz.

A.4 Sistema de Equações Lineares


Considere o sistema de equações lineares com n incógnitas


 a11 x1 + a12 x2 + . . . + a1n xn = b1

 a21 x1 + a22 x2 + . . . + a2n xn = b2

.. (A.23)


 .

 a x + a x + ... + a x = b
n1 1 n2 2 nn n n

Verifica-se que este sistema de equações pode ser escrito em forma matricial, ou seja,
[A]{x} = {b} (A.24)
sendo
 
a11 a12 . . . a1n

 a21 a22 . . . a2n 

[A] =  .. .. ..  (A.25)
. . ... .
 
 
an1 an2 . . . ann
n oT
{x} = x1 x2 . . . xn
n oT
{b} = b1 b2 . . . bn
150 APÊNDICE A. VETORES E MATRIZES

A.5 Problema de Autovalor


Considere uma matriz [A] simétrica de ordem n. O problema de autovalor relacionado a
matriz [A] é definido por

[A]{x} = λ{x} → ([A] − λ[I]){x} = {0} (A.26)

Resolvendo-se a equação anterior, obtém-se os autovalores λi (i = 1. . . . , n) e os respec-


tivos autovetores {xi } (i = 1, . . . , n). Assim, como solução tem-se os auto-pares(λi , {xi }).
Dadas duas matrizes [A] e [B] simétricas de ordem n, o problema de autovalor gener-
alizado é dado por

[A]{x} = λ[B]{x} → ([A] − λ[B]){x} = {0} (A.27)


Apêndice B

Introdução ao Programa ANSYS

O programa ANSYS é um pacote geral implementando a técnica de elementos finitos para


os mais variados tipos de problemas. Os seguintes tipos de análise podem ser efetuadas
através do ANSYS:

• Análise Estática Linear e Não-linear;

• Flambagem;

• Análise Modal e Resposta em Frequência;

• Análise Dinâmica Linear e Não-linear Transiente;

• Subestruturação;

• Transferência de Calor;

• Dinâmica de Fluidos Computacional.

O programa possui vários recursos gráficos, gerador automático de malhas e uma


vasta biblioteca de elementos finitos. Nesse apêndice, não se considera a interface gráfica
do ANSYS, mas apenas os comandos textuais que são executados pela interface e que
podem ser dados na janela Input da interface ou em um arquivo texto. O uso do material
apresentado nos Apêndices B e C requer a disponibilidade do programa ANSYS.
Basicamente, o programa está dividido nos módulos ilustrados na Figura B.1 onde

PREP7 : consiste no pré-processador, no qual o usuário define o modelo de elementos


finitos da estrutura em estudos. Pode-se definir a geometria da estrutura, gerar a
malhas de elementos de forma manual ou automática e especificar caracterı́sticas de
material. Pode-se ainda importar a geometria em vários formatos de arquivos CAD.

151
152 APÊNDICE B. INTRODUÇÃO AO PROGRAMA ANSYS

ANSYS

/PREP7 /SOLVE /POST1


FINI FINI FINI

PREP7 SOLVER POST1

Figura B.1: Módulos do programa ANSYS.

SOLVER : é a parte de solução do programa, no qual aplicam-se carregamentos e


condições de contorno. As matrizes dos elementos são calculadas, efetua-se a res-
olução de sistemas de equações e a determinação de deslocamentos, tensões, frequências
naturais, etc.

POST1 : é o pós-processador do ANSYS, permitindo a apresentação gráfica e listagens


dos resultados.

O programa armazena as informações fornecidas pelo usuário ou geradas durante uma


análise em alguns arquivos, tais como

file.bd : armazena as informações do modelo de elementos finitos gerados no PREP7;

file.log : armazena os comandos utilizados durante a execução do ANSYS;

file.err : contém a listagem de advertências e erros listados ao longo da execução do


programa;

file.emat : contém as matrizes dos elementos finitos;

file.rst : armazena as grandezas calculadas no SOLVER, tais como deslocamentos, tensões,


frequências naturais, modos de vibração, etc. Este arquivo é, geralmente, lido pelo
pós-processador;

O prefixo file pode ser alterado através do comando /FILNAME.


Podem ser utilizados sistemas de referência global e local dos seguintes tipos

• cartesiano;

• cilı́ndrico;
B.1. COMANDOS DO ANSYS 153

• esférico;

• toroidal

Pode-se empregar qualquer unidade para as grandezas do problema em estudo, tais


como coordenadas, carregamentos, propriedades geométricas, caracterı́sticas do mate-
rial, dentre outras. No entanto, a compatibilidade destas unidades é responsabilidade
do usuário do programa.
O pré-processador é acessado com o comando /PREP7, devendo-se fornecer FINI para
sair do PREP7. Após a gravação do arquivo file.db, utiliza-se solu para que a análise
possa ser realizada pelo SOLVER. Abandona-se o SOLVER, com FINI, executando-se o
pós-processador com /POST1. Estes comandos estão ilustrados na Figura B.1.
A seguir apresenta-se um sumário de alguns comandos do ANSYS. Para a descrição
completa deste comandos pode-se utilizar help,<nome do comando>. Observa-se que os
comandos podem ser dados em letras minúsculas ou maiúsculas, utilizando-se apenas os
primeiros 4 caracteres dos comandos.

B.1 Comandos do ANSYS


B.1.1 Nós
N : define um nó no sistema de coordenadas ativo;

FILL : gera uma linha de nós entre dois nós dados;

NGEN : gera um conjunto de nós a partir de uma padrão de nós especificados;

NSYMM : gera um conjunto de nós a partir de uma padrão de nós especificados de


acordo com um plano de simetria;

NMODIF : modifica um nó já definido;

NLIST : lista as coordenadas do nós no sistema de coordenadas ativo;

NDELE : apaga nós;

NPLOT : apresenta os nós de modo gráfico;

MERGE : agrupa nós com coordenadas próximas dentro de uma precisão especificada;

B.1.2 Elementos
E : define um elemento fornecendo-se a sua incidência;

EGEN : Gera elementos adicionais a partir de um padrão especificado;


154 APÊNDICE B. INTRODUÇÃO AO PROGRAMA ANSYS

ESYM : Gera elementos a partir de um padrão especificado por simetria reflexiva;

EMODIF : modifica um elemento definido anteriormente;

ELIST : lista os nós de um elemento e suas propriedades;

EDELE : apaga um elemento;

EMORE : adiciona mais nós a um elemento definido anteriormente;

MAT : atribui um número de material para os elementos;

TYPE : atribui um número de tipo aos elementos;

REAL : atribui um número de um conjunto de constantes reais aos elementos;

ESYS : atribui um número de um sistema de referência aos elementos;

EPLOT : apresenta graficamente os elementos;

B.1.3 Tipo de Elemento


ET : define um tipo de elemento;

ETLIST : lista os tipos de elementos definidos;

ETDELE : apaga tipos de elementos;

KEYOPT : especifica as opções para um elemento.

B.1.4 Constantes Reais


R : define até 6 constantes reais de um elemento;

RMORE : adiciona até 6 constantes reais a um conjunto previamente definido;

RMODIF : modifica os valores das constantes reais de um conjunto previamente definido;

RDELE : apaga conjuntos de constantes reais;

RLIST : lista os conjuntos de constantes reais;

RSIZE : permite alterar o número máximo de constantes reais de um conjunto.


B.1. COMANDOS DO ANSYS 155

B.1.5 Carregamentos e Condições de Contorno


F : aplica forças concentradas em graus de liberdade de nós especificados;

FLIST : lista as forças concentradas aplicadas;

FDELE : apaga forças concentradas;

SFE : gera pressões nas faces dos elementos;

SFELIST : lista pressões no elementos;

SFEDELE : apaga pressões nos elementos;

ACEL : define um vetor de aceleração em termos de componentes cartesianas;

D : aplica deslocamentos em graus de liberdades de nós;

DLIST : lista os deslocamentos nodais aplicados;

DDELE : apaga deslocamentos nodais;

DSYM : gera restrições de deslocamentos em nós de um plano de simetria.

B.1.6 Casos de Carregamentos


LSWRITE : salva o caso de carregamento corrente para o arquivo FILE23.DAT;

LSREAD : lê um caso de carregamento do arquivo FILE23.DAT. Os carregamentos


presentes são apagados;

B.1.7 Material
MP : define as propriedades de um material elástico, linear e isotrópico.

B.1.8 Sistemas de Coordenadas


LOCAL : define um sistema de coordenadas local dados a posição e os ângulos de ori-
entação no sistema global de referência;

CS : define um sistema local de coordenadas a partir de três nós;

CSKP : define um sistema local de coordenadas a partir de três pontos;

CSYS : ativa um sistema de coordenadas;

NROTAT : gira os sistemas de coordenadas nodais relativo ao sistema ativo;

DSYS : ativa um sistema de coordenadas para a apresentação de tabelas e gráficos;


156 APÊNDICE B. INTRODUÇÃO AO PROGRAMA ANSYS

CSLIST : apresenta os sistemas de coordenadas definidos;

CSDELE : apaga sistemas de coordenadas;

B.1.9 Reordenamento dos Elementos


WSTART : define uma lista de nós para ordenamento dos elementos através do comando
WAVES;

WMORE : adiciona mais nós a uma lista previamente definida;

WERASE : apaga as listas de ordenamento já definidas;

WFRONT : fornece o wavefront corrente do modelo;

WAVES : inicializa o reordenamento de acordo com uma lista definida previamente;

WSORT : inicializa reordenamento baseado na localização do centróide dos elementos.

B.1.10 Tipo de Análise


ANTYPE : define o tipo de análise e opções.

B.1.11 Pontos
K : define um ponto dadas as suas coordenadas;

KNODE : define um ponto na mesma localização de um nó já existente;

KFILL : gera pontos entre dois pontos dados;

KGEN : gera pontos adicionais a partir de um padrão de pontos dado;

KSYMM : gera um conjunto de nós por reflexão de um padrão de pontos dado;

KMODIF : modifica um ponto previamente definido;

KDELE : apaga pontos;

KSUM : calcula e imprime as propriedades geométricas associadas aos pontos seleciona-


dos;

KLIST : lista as coordenadas dos pontos definidos;

KMOVE : calcula e move um ponto para uma interseção;

KPLOT : apresenta os pontos graficamente.


B.1. COMANDOS DO ANSYS 157

B.1.12 Linhas
L : define um segmento de linha;

LGEN : gera linhas adicionais a partir de um padrão fornecido;

LSYMM : gera um conjunto de linhas por reflexão, assim como os pontos correspon-
dentes;

LTRAN : transfere um padrão de linhas de um sistema de coordenadas para outro


sistema;

LMODIF : modifica um segmento de linha previamente definido;

LDELE : apaga segmentos de linhas;

LSUM : calcula e imprime as propriedades geométricas associadas as linhas selecionadas;

LLIST : lista os segmentos de linhas definidos;

LPLOT : apresenta graficamente as linhas definidas;

LARC : define um arco circular;

CIRCLE : gera um cı́rculo;

SPLINE : gera uma curva spline a partir de uma série de pontos;

LDIV : divide um segmento em dois ou mais segmentos.

B.1.13 Áreas
A : gera uma área a partir de 3 ou 4 pontos dados;

AGEN : gera áreas adicionais a partir de um padrão especificado;

ARSYM : gera um conjunto de áreas por reflexão a partir de um padrão de áreas


especificado;

ATRAN : transfere um padrão de áreas de um sistema de coordenadas para outro


sistema;

ADELE : apaga áreas;

ASUM : calcula e imprime as propriedades geométricas associadas as áreas selecionadas;

ALIST : lista áreas definidas;

APLOT : mostra graficamente as áreas definidas;


158 APÊNDICE B. INTRODUÇÃO AO PROGRAMA ANSYS

AL : define uma área a partir de um dado conjunto de linhas;

AROTAT : gera áreas cilı́ndricas através de uma rotação de um padrão de segmentos


de linhas em torno de um eixo;

ADRAG : gera áreas por extrusão de um conjunto de linhas ao longo de uma curva
especificada.

B.1.14 Volumes
V : gera volumes dados 4, 6 ou 8 pontos;

VGEN : gera volumes adicionais a partir de um padrão dado;

VSYMM : gera volumes por reflexão de um conjunto de volumes especificados;

VTRAN : transfere um padrão de volumes de um sistema de coordenadas para outro


sistema;

VDELE : apaga volumes definidos;

VSUM : calcula e imprime as propriedades geométricas associadas aos volumes sele-


cionados;

VLIST : lista volumes definidos;

VPLOT : mostra graficamente os volumes definidos;

VL : define um volume a partir de um dado conjunto de áreas;

VROTAT : gera volumes cilı́ndricos pela rotação de áreas especificadas;

VDRAG : gera volumes adicionais por extrusão de um padrão de áreas ao longo de uma
curva.

B.1.15 Geração de Malha


ESIZE : define o número de divisões ou tamanho dos elementos em linhas;

MSHAPE : especifica a forma do elemento da malha;

KMESH : gera nós e elementos em pontos já definidos;

LMESH : gera nós e elementos de linha ao longo de segmentos de linhas dados;

AMESH : gera nós e elementos de áreas no interior de áreas especificadas;

VMESH : gera nós e elementos de volume no interior de volumes especificados;


B.2. APLICAÇÃO DE CONDIÇÕES DE CONTORNO AO MODELO SÓLIDO 159

KCLEAR : apaga nós e elementos associados a pontos;


ACLEAR : apaga nós e elementos associados a áreas;
VCLEAR : apaga nós e elementos associados a volumes;
MODMSH : desassocia o modelo sólido do modelo de elementos finitos;

B.2 Aplicação de Condições de Contorno ao Modelo Sólido


DK : define deslocamentos especificados num ponto;
KF : define forças concentradas num ponto;
SFL : define uma superfı́cie de pressão num segmento de linha;
SFA : define uma superfı́cie de pressão numa área;
SBCTRANS : transfere condições de contorno (deslocamentos e carregamentos) do
modelo sólido para a malha de elementos finitos;
SBCLIST : lista as condições de contorno aplicadas ao modelo sólido;

B.2.1 Seleção de Entidades


NSEL : seleciona um subconjunto de nós;
ESEL : seleciona um subconjunto de elementos;
KSEL : seleciona um subconjunto de pontos;
LSEL : seleciona um subconjunto de linhas;
ASEL : seleciona um subconjunto de áreas;
VSEL : seleciona um subconjunto de volumes;
CM : cria uma componente de entidades;
CMSEL : seleciona uma componente.

B.2.2 Comandos /
/TITLE : define um tı́tulo para o modelo;
/PBC : apresenta graficamente as condições de contorno selecionadas;
/PNUM : indica se os números de uma entidade devem ser apresentados graficamente;
/PSF : apresenta graficamente os carregamentos distribuı́dos.
160 APÊNDICE B. INTRODUÇÃO AO PROGRAMA ANSYS

B.2.3 Graus de Liberdade Masters


M : define graus de liberdade masters para análises reduzidas;

MGEN : gera graus de liberdade masters a partir de um conjunto dado;

MLIST : lista os graus de liberdade masters;

MDELE : apaga graus de liberdade masters;

TOTAL : efetua a geração automática dos graus de liberdade masters.

B.2.4 Comandos de Visualização


/ANGLE : Gira o gráfico em torno de um eixo de visualização;

/AUTO : ativa o modo automático de cálculo dos parâmetros de visualização;

/COUNTOR : define os valores de contorno que serão mostrados no gráfico;

/DIST : define a distância de visualização;

/FOCUS : define a localização do ponto de foco do objeto;

/NUMBER : determina se os ı́tens numerados serão distinguidos pela cor ou números


no gráfico;

/RATIO : distorce a geometria do objeto numa direção particular;

/SHRINK : comprime os elementos de tal forma que os elementos adjacentes são sepa-
rados;

/TLABEL : coloca um texto definido pelo usuário num local especificado pelo usuário;

/TYPE : define o tipo de apresentação do gráfico;

/USER : ativa a janela onde será apresentado o gráfico;

/VCONE : define o cone de visão para vista em perspectiva;

/VIEW : define a direção de visão para o gráfico;

/WINDOW : define o tamanho de uma janela;

/ZOOM : seleciona uma região que será ampliada.


B.2. APLICAÇÃO DE CONDIÇÕES DE CONTORNO AO MODELO SÓLIDO 161

B.2.5 Pós-processador
ETABLE : especifica dados de pós-processamento adicionais a serem lidos pelo comando
SET;

SET : lê os resultados da análise do arquivo file12.dat;

PRNSOL : lista solução de grandezas nodais;

PRRSOL : lista as forças de reação para os nós indicados;

PLNSOL : apresenta graficamente as distribuições de deslocamentos, tensões, temper-


aturas, etc;

PLDISP : apresenta graficamente a geometria deformada.

B.2.6 Outros Comandos


NUMCMP : compacta a numeração das entidades (pontos, linhas, áreas,etc);

NUMMRG : agrupa entidades próximas dentro de uma precisão especificada;

NUMSTR : estabelece números iniciais para as entidades;

SAVE : salva os dados do modelo para o arquivo file16.dat;

RESUME : lê os dados do arquivo file16.dat para a memória;

CDWRITE : grava um arquivo com comandos do PREP7 correspondente ao modelo


em estudo;

FINISH : permite a saı́da dos módulos PREP7, POST1 e SOLVER.


162 APÊNDICE B. INTRODUÇÃO AO PROGRAMA ANSYS
Apêndice C

Exemplos Analisados pelo ANSYS

C.1 Estrutura Reticulada


Objetivos : ilustrar a aplicação do elemento de barra plana (LINK1), assim como co-
mandos básicos para a geração de nós e elementos, aplicação de carregamentos e
condições de contorno, apresentação de resultados.

Constantes do problema :

• Módulo de elasticidade: E = 21 × 105 Kgf /cm2 = 21 × 109 Kgf /m2 ;


• Área da seção transversal: A = 1 cm2 = 10−4 m2 .

!PRE-PROCESSADOR
/PREP7
/TITLE,ESTRUTURA RETICULADA
ET,1,LINK1 !Tipo do elemento
MP,EX,1,21E9 !Modulo de elasticidade
R,1,1E-4 !Area
N,1 !Definicao dos nos
N,2,3
N,3,3,8
N,6,12,8
NPLOT !Plota os nos
FILL,3,6
NPLOT
NGEN,2,3,5,5,1,0,-2
NPLOT
NGEN,2,3,4,4,1,0,-4
NPLOT
NLIS !Lista as coordenadas nodais
E,1,3 !Definicao dos elementos
E,2,3
E,2,7
E,3,7
E,3,4
EPLOT !Plota os elementos
EGEN,3,1,5,5,1

163
164 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

1,0Kgf 1,0Kgf 1,0Kgf 1,0Kgf

5 6 7
3 4 5 6
1,5Kgf
10 2m
8 9
8 12
4
2m
11
1
7

4m
Y 3

1 2
X

3m 3m 3m 3m

Figura C.1: Treliça analisada.

EPLOT
E,4,7
E,4,8
E,5,8
E,8,7
E,6,8
EPLOT
SAVE !Salva dados
FINI !Abandona PREP7

!SOLVER
/SOLU
D,1,UX,0,0,2,1,UY !Condicoes de contorno para os nos 1 e 2
DLIS !Lista condicoes de contorno
F,3,FX,1.5 !Forca em x para o no 3
F,3,FY,-1,0,6,1 !Forca em y para os nos 3 a 6
FLIS !Lista forcas
/PBC,ALL,1
EPLOT
SOLVE
FINI !Abandona SOLVER

!POS-PROCESSADOR
/POST1
ETABLE,FXE,SMISC,1 !Forca axial na barra
ETABLE,TEN,LS,1 !Tensao nas barras
PLDI,1 !Plot da geometria deformada
PRDIS !Deslocamentos nodais
C.2. DEFORMAÇÃO EM VIGAS 165

PRETAB,FXE,TEN !Forcas axiais e tensao nos elementos


PLETAB,TEN !Apresenta as tensoes nos elementos
PLETAB,FXE !Apresenta as forcas axiais nos elementos
PRRSOL !Lista as reacoes de apoio
FINI !Abandona POST1

C.2 Deformação em Vigas


Objetivos : aplicar o elemento de viga plana (BEAM3) para o estudo de uma viga
submetida a um momento puro, força concentrada e carga distribuı́da, ilustrada em
C.2.

Constantes do problema :

• Módulo de elasticidade: E = 21 × 106 tf /m2 ;


• Área da seção transversal: A = 3, 75 × 10−2 m2 ;
• Momento de inércia em relação ao eixo z:
bh3 (15)(25)3
Jz = = = 1, 953 × 10−4 m4 ;
12 12
• Altura do perfil: h = 25 cm.

Y
3t
Y
1 t/m

2 t.m
Z 25 cm Z
X

2m
15 cm

Figura C.2: Viga em estudo.

!PRE-PROCESSADOR
/PREP7
/TITLE,VIGA - 10 ELEMENTOS
MP,EX,1,21E6 !Modulo de elasticidade do material da viga
ET,1,BEAM3 !Tipo do elemento: viga
R,1,3.75E-2,1.953E-04,25E-2 !Area, Izz, h
N,1,0,0 !Definicao dos nos extremos
N,11,2,0
NPLOT !Plota nos
166 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

FILL !Gera nos intermediarios


/PNUM,NODE,1 !Ativa numeracao dos nos
NPLOT
NLIS !Lista coordenadas dos nos
E,1,2 !Definicao dos elementos
EGEN,10,1,1,1,1 !Gera o restante dos elementos
/PNUM,ELEM,1 !Ativa numeracao dos elementos
EPLOT !Plota elementos
SAVE !Salva modelo
FINI !Abandona PREP7

!SOLVER
/SOLU !Entra no modulo de solucao
D,1,ALL,0 !Engastado no no’ 1
F,11,FY,-3 !Forca de -3t no no’ 11
F,11,MZ,-2 !Momento de -2 t.m no no’ 11
SFBEAM,ALL,1,PRESS,1 !Carga distribuida de -1 t/m na face 1 do elemento
/PBC,ALL,1 !Mostra condicoes de contorno
/VIEW,1,1,1,1 !Vista em perspectiva
EPLO !Plot dos elementos
SOLVE !Soluciona modelo
FINI !Abandona SOLVER

!POS-PROCESSADOR
/POST1 !Entra no modulo de pos-processamento
ETABLE,FXI,SMISC,1 !Le forca de reacao nodal na direcao x - no i
ETABLE,FXJ,SMISC,7 !Le forca de reacao nodal na direcao x - no j
ETABLE,FYI,SMISC,2 !Le forca de reacao nodal na direcao y - no i
ETABLE,FYJ,SMISC,8 !Le forca de reacao nodal na direcao y - no j
ETABLE,MZI,SMISC,6 !Le momento fletor mz nos pontos nodais - no i
ETABLE,MZJ,SMISC,12 !Le momento fletor mz nos pontos nodais - no j
ETABLE,SDI,LS,1 !Tensao devido ao esforco normal - no i
ETABLE,SDJ,LS,4 !Tensao devido ao esforco normal - no j
ETABLE,SBI,LS,2 !Tensao de flexao no topo da secao - no i
ETABLE,SBJ,LS,5 !Tensao de flexao no topo da secao - no j
ETABLE,SDMI,NMISC,2 !Tensao de flexao-normal - no i
ETABLE,SDMJ,NMISC,4 !Tensao de flexao-normal - no j
ETABLE,SDPI,NMISC,1 !Tensao de flexao+normal - no i
ETABLE,SDPJ,NMISC,3 !Tensao de flexao+normal - no j
SET !Le arquivo de resultados
PLDI,1 !Plot da geometria deformada
PRDIS !Imprime deslocamentos e rotacoes
PRETAB,FXI,FXJ,FYI,FYJ,MZI,MZJ !Imprime esforcos nodais
PRETAB,SDI,SDJ,SBI,SBJ !Tensoes axiais e de flexao
PRETAB,SDMI,SDMJ,SDPI,SDPJ !Tensoes resultantes
PLLS,FYI,FYJ !Forcas nodais na direcao y
PLLS,MZI,MZJ !Momentos nodais em z
PLLS,SDPI,SDPJ !Tensoes resultantes
PLLS,SDMI,SDMJ
PLETAB,SDPI !Tensoes nos elementos
PLETAB,SDPJ
PLETAB,SBI
PLETAB,SBJ
PRRSOL !Lista as reacoes de apoio
FINI !Abandona POST1
C.3. PÓRTICO 167

C.3 Pórtico
Objetivos : analisar um pórtico modelado por elementos de barra e viga plana. Utilizam-
se vários tipos de constantes reais e materiais. Desta forma, ilustra-se a definição de
elementos utilizando diferentes parâmetros. Toma-se a mesma seção transversal do
exemplo anterior para as vigas. O pórtico está ilustrado na Figura C.3.

Propriedades e constantes :

• Módulo de elasticidade das vigas: E = 21, 0 × 106 tf /m2 ;


• Área da seção transversal das vigas: A = 3, 75 × 10−2 m2 ;
• Momento de inércia em relação ao eixo z: Jz = 1, 953 × 104 m4 ;
• Módulo de elasticidade das barras: E = 7, 0 × 106 tf /m2 ;
• Áreas da seção transversal das barras inclinadas: A = 2, 0 cm2 ;
• Áreas da seção transversal das barras horizontais: A = 1, 0 cm2 ;

5t 3t

2t 2t

Aluminio

1m

Aco

20cm

20cm

Figura C.3: Pórtico analisado.

! Estrutura com varios materiais e elementos


!
! PRE-PROCESSAMENTO
168 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

!
/prep7
/title,Portico
!
! Configuracao
!
/pnum,node,1 !habilita numeracao de nos e elementos
/pnu,elem,1
!
! Tipos de Elementos/Constantes/Materiais
!
et,1,link1 ! link1=elemento de barra
et,2,beam3 ! beam3=elemento de viga plana
r,1,3.75e-2,1.953e-4,25e-2 ! area, Izz, h
r,2,1e-4 ! area
r,3,2e-4 ! area
mp,ex,1,7e6 ! E aluminio
mp,ex,2,21e6 ! E aco
mp,nuxy,1,0.28 ! coef. poisson aluminio=0.28
mp,nuxy,2,0.3 ! coef. poisson aco=0.3
!
! Nos
!
n,1
n,2,.20
n,3,0,.20
n,4,.20,.20
nplot
!
! Elementos de aluminio - barras
!
type,1 !inicializa os conjuntos de constantes a serem utilizados
real,2
mat,1
e,1,2
real,3
e,1,4
real,2
e,3,4
eplot
!
! Elementos de aco - vigas
!
type,2 !inicializa os conjuntos de constantes a serem utilizados
real,1
mat,2
e,1,3
e,4,2
eplot
!
! Geracao do restante dos nos e elementos
!
ngen,5,2,3,4,1,0,0.20 ! Gera os nos a partir de 3 e 4
egen,5,2,4,5,1 ! Copia elementos de aco
egen,5,2,2,2,1 ! Copia elementos de aluminio
egen,5,2,3,3,1 ! Copia elementos de aluminio
eplot
!
! Grava arquivos e sai do PREP7
C.4. ESTUDO DE UM EIXO 169

save
fini

!
! SOLUCAO
!
/solu
! Aplicacao das restricoes
!
d,1,all,0,0,2,1 ! Engastado na base
!
! Aplicacao das forcas
!
f,11,fx,2,0,12,1 ! Forca em X nos nos 11 e 12 de 2t
f,11,fy,5 ! Forca em Y nos nos 11 e 12 de 5t
f,12,fy,-3 ! Forca em Y nos nos 11 e 12 de -3t
!
! Plota para verificacao
!
/view,1,1,1,1 !Vista em perspectiva
/pbc,all,1
/pnum,type,1 !Numera elementos pelo tipo
eplot
/pnum,real,1 !Numera elementos pelas propriedades geometricas
eplot
/pnum,mat,1 !Numera elementos pelo material
eplot
!
solve
fini
!
! POS-PROCESSAMENTO
!
/post1
etable,imz,smisc,6 !Momentos fletores para os nos i e j
etable,jmz,smisc,12
etable,ibnd,nmisc,1 !Tensao de flexao resultante maxima para os nos i e j
etable,jbnd,nmisc,3
etable,ten,ls,1 !Tensao nos elementos de barra
set !Le arquivo de resultados
pldisp,1 !Geometria deformada
plls,imz,jmz !Momentos fletores para os nos i e j
plls,ibnd,jbnd !Apresenta tensao de flexao
pletab,ten !Tensao nas barras
prrsol !Lista as reacoes de apoio
fini !Abandona POST1

C.4 Estudo de um Eixo


Objetivos : analisar o eixo da Figura C.4 submetido aos esforços indicados no sistema
equivalente, utilizando-se o elemento de viga espacial (BEAM4). A especificação das
dimensões, das propriedades geométricas e dos esforços é feita de forma paramétrica
facilitando modificações nos valores destes dados. Como existem dois diâmetros dis-
tintos (d1 e d2 ) definem-se dois conjuntos de constantes reais. O sistema equivalente,
apresentando os esforços aplicados sobre o eixo, está ilustrado na Figura C.4.
170 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

Figura C.4: Eixo analisado.

Propriedades e Constantes :

• Módulo de elasticidade: E = 21 × 10 M P a;
πd2
• Área da seção transversal: A = 4 ;
πd4
• Momentos de inércia em relação aos eixos x e y: Jy = Jz = 64 ;
• Força axial: Fa = 2, 4 KN ;
• Força radial: Fr = 3, 3 KN ;
• Força tangencial: Ft = 8, 0 KN ;
• Torque: T = 911, 2 N m;
• Diâmetro da engrenagem: d = 227, 8 mm;
• Diâmetro do trecho AB: d1 = 50 mm;
• Diâmetro do trecho BC: d2 = 45 mm;

!PRE-PROCESSADOR
/PREP7
/TITLE,Eixo com engrenagem
!
! Constantes do problema
!
d1=50e-3 ! [m] diametro eixo 1
d2=45e-3 ! [m] diametro eixo 2
d=227.8e-3 ! [m] diametro primitivo eng.
l1=150e-3 ! [m] comprimento eixo1
l2=140e-3 ! [m] comprimento eixo2 - 1a. parte
l3=70e-3 ! [m] comprimento eixo2 - 2a. parte
l4=40e-3 ! [m] largura do rebaixo do mancal B
Ft=8.0e3 ! [N] Forca Tangencial
C.4. ESTUDO DE UM EIXO 171

Z
T
AY
AZ

l1
AX

Fa Ft

BY
l
2 Fa d/2 Ft d/2 BZ

Fr
l3

l4
X

Figura C.5: Sistema equivalente ao eixo.

Fr=3.3e3 ! [N] Forca Radial


Fa=2.4e3 ! [N] Forca axial
T=911.2 ! [N.m] Torque transmitido
pi=3.1415926
!
! Constante do material
!
MP,EX,1,21e9
!
! Seleciona elemento
!
ET,1,BEAM4
!
! Define as constantes reais (geom. propert.)
!
R,1,pi*d1**2/4,pi*d1**4/64,pi*d1**4/64,d1/2,d1/2,0
R,2,pi*d2**2/4,pi*d2**4/64,pi*d2**4/64,d2/2,d2/2,0
!
! Geracao dos nos
!
N,1
N,16,l1
FILL
/PNUM,NODE,1
NPLOT
N,30,l1+l2
FILL
NPLOT
N,35,l1+l2+l3-l4/2
FILL
172 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

NPLOT
N,37,l1+l2+l3
FILL
NPLOT
N,39,l1+l2+l3+l4/2
FILL
NPLOT
!
! Geracao dos elementos
!
! Constantes reais 1
REAL,1 !seleciona as propriedades 1
E,1,2 !gera um elemento
EGEN,34,1,1 !gera os demais
/PNUM,ELEM,1
EPLOT
!
! Constantes reais 2
REAL,2 !seleciona as propriedades 2
E,35,36 !gera um elemento
EGEN,4,1,35 !gera os demais
EPLOT
!
SAVE !Salva dados
FINI !Abandona PREP7

!SOLVER
/SOLU
! Condicoes de contorno
!
D,16,UX,0,0,0,0,UY,UZ
D,37,UY,0,0,0,0,UZ,ROTX,ROTY,ROTZ
!
! Carregamento
!
! Na extremidade (acoplamento)
!
F,1,MX,T ! Torque no acoplamento
!
! Na engrenagem
!
F,30,FX,-Fa !Forca axial do engrenamento
F,30,FY,Fr !Forca radial (cortante)
F,30,FZ,Ft !Forca tangencial (cortante)
F,30,MX,-Ft*d/2 !Momento da Forca tangencial
F,30,MZ,Fa*d/2 !Momento da Forca axial
/PBC,ALL,1 !Mostra condicoes de contorno
EPLO !Plot dos elementos

SOLVE !Solucao do modelo


FINI !Abandona SOLVER

!POS-PROCESSADOR
/POST1

!Tensoes normais resultantes maximas para os nos i e j do elemento


ETABLE,SG1I,NMISC,1
ETABLE,SG1J,NMISC,3
C.5. VIGA - PROBLEMA DE ESTADO PLANO DE TENSÃO 173

!Tensoes normais resultantes minimas para os nos i e j do elemento


ETABLE,SG3I,NMISC,2
ETABLE,SG3J,NMISC,4

!Momento torcor para os nos i e j de cada elemento


ETABLE,MXI,SMISC,4
ETABLE,MXJ,SMISC,10

SET !Le arquivo de resultados


/VIEW,1,1,1,1 !Vista em perspectiva
PLDI,1 !Plot da geometria deformada
PLLS,SG1I,SG1J !Plot das tensoes normais maximas e minimas
PLLS,SG3I,SG3J
PLLS,MXI,MXJ !Plot do momento torcor
PRDIS !Imprime deslocamentos e rotacoes
PRRSOL !Imprime reacoes de apoio
FINI !Abandona POST1

C.5 Viga - Problema de Estado Plano de Tensão


Objetivos : estudar uma viga considerando um problema de estado plano de tensão.
Para isso, utiliza-se um elemento quadrangular de 4 nós (plane42).

Constantes do Problema :

• Módulo de elasticidade: E = 21 × 105 Kgf /cm2 ;


• Coeficiente de Poisson: µ = 0, 3;
• Espessura: t = 1, 5 cm.

10Kgf

20cm

10Kgf

1m

Figura C.6: Viga analisada com elementos de estado plano de tensão.

/PREP7
/TITLE,Viga - Elementos planos (plane42)
!
! Material
174 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

!
MP,EX,1,21e5 ! E = 21 x 10^5 kgf/cm^2
MP,NUXY,1,0.3 ! Coeficiente de Poisson
!
! Tipo Elemento
!
ET,1,plane42 ! Elemento plane42 com espessura
!
!Espessura
R,1,1.5
!
! Nos
!
N,1
N,2,0,10
N,3,0,20
!
!Numera nos
/PNUM,NODE,1
NPLOT
!
!Gera nos adicionais
NGEN,21,3,1,3,1,25
NPLOT
!
!Elementos
!
E,1,4,5,2 ! Gera o 1o. elemento
E,2,5,6,3 ! Gera o 2o. elemento
EPLOT
EGEN,20,3,1,2 !Gera os demais elementos
/PNUM,ELEM,1 ! Numera elementos
EPLOT
!
FINI

!SOLVER
/SOLU
!
!Restricoes
!
D,1,ALL,0,0,3,1 ! Engastado em uma extremidade
!
!Carregamento
!
F,61,FX,10 !Forca em x para o no 13
F,63,FX,-10 !Forca em x para o no 15
/PBC,ALL,2
EPLOT
SOLVE
FINI !Abandona SOLVER

!POS-PROCESSADOR
/POST1
PLDISP,1 !Plota a geometria deformada
PLNSOL,U,Y,0 !Imprime deslocamentos nodais na direç~
ao Y
PLNSOL,S,EQV !Plota tensao equivalente de von Mises
PLNSOL,S,X !Plota tensao na direcao x
PLNSOL,S,Y !Plota tensao na direcao y
C.6. PROBLEMA COM SIMETRIA 175

PLNSOL,S,XY !Plota tensao de cisalhamento


PRNSOL,S,COMP !Imprime tensoes
FINI

C.6 Problema com Simetria


Objetivos : Em alguns casos, o problema em estudo possui um ou mais planos de sime-
tria. Nestes casos, pode-se modelar apenas uma parte do problema, facilitando a
tarefa de preparação dos dados e reduzindo o número de graus de liberdade. Assume-
se também a simetria do carregamento.
Como exemplo, considere a chapa ilustrada na Figura C.7. Verificam-se dois planos
de simetria, sendo, portanto, necessário modelar apenas uma quarta parte.
Para facilitar a entrada dos dados utiliza-se um sistema global cilı́ndrico.

Constantes do Problema :

• Módulo de elasticidade: E = 21 × 105 Kgf /cm2 ;


• Coeficiente de Poisson: µ = 0, 3;
• Espessura: t = 3, 2 cm.

r. 8 cm

r. 2 cm

(a) Chapa com furo. (b) Malha com simetria.

Figura C.7: Chapa com furo submetida a um pressão interna uniforme.

/PREP7
/title,Chapa Circular - Simetria (plane42)
!
! Material
176 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

!
mp,ex,1,21e5 ! E = 21 x 10^5 kgf/cm^2
mp,nuxy,1,0.3 ! Coeficiente de Poisson
!
! Tipo Elemento
!
et,1,plane42,0,,3 ! plane42 com entrada da espessura
r,1,3.2 ! Espessura = 3.2 cm

!
! Sistema de Coordenadas cilindrico
!
csys,1
!
! Nos
!
/pnum,node,1
n,1,2,0
n,4,8,0
nplot
fill
nplot
ngen,7,4,1,4,1,0,15 ! Gera o restante de 15 em 15 graus
nplot
!
! Elementos
!
/pnum,elem,1
e,1,2,6,5 ! Primeiro elemento
eplot
egen,3,1,1 ! Copia ao longo do raio
eplot
egen,6,4,1,3 ! Copia ao longo da circunferencia eplot
!
!Simetria
!
/pbc,all,2
symbc,0,1,0,0
symbc,0,2,0,0
eplot
!
! Restriç~
oes
!
d,4,all,0
d,28,all,0
!
save
fini ! Abandona /PREP7
!
!SOLVER
/SOLU
!
! Carregamento
!
nsel,s,loc,x,2 ! Seleciona os nos internos
sf,all,press,10 ! Coloca uma pressao nos nos selecionados de 10 kgf/cm^2
/psf,press,norm,2 ! plota simbolo de pressao na superficie
eplot
allsel ! Reativa todas as entidades
C.7. MÚLTIPLOS CARREGAMENTOS 177

save
SOLVE
!
!
FINI !Abandona SOLVER

!POS-PROCESSADOR
/POST1
PLDISP,1 !Plota a geometria deformada e n~
ao deformada
PRDIS !Imprime deslocamentos
PLNSOL,S,EQV !Plota tensao equivalente de von Mises
PLNSOL,S,X !Plota tensao na direcao x
PLNSOL,S,Y !Plota tensao na direcao y
PLNSOL,S,XY !Plota tensao de cisalhamento
PRNSOL,S,COMP !Imprime tensoes FINI

C.7 Múltiplos Carregamentos


Objetivos : Algumas estruturas podem estar submetidas a várias condições de carrega-
mentos. Ao invés de se gerar uma malha para cada caso de carregamento, pode-se
aplicar todas as condições a um mesmo modelo. Para isso, considere a chapa circular
do exemplo anterior, onde se aplica como segundo caso de carregamento uma força
concentrada de 100 Kgf e uma pressão interna de 30 Kgf /cm2 .

/PREP7
!
! Varios Casos de Carregamentos
!
! (baseado no exemplo: "Chapa Circular - Simetria (plane42)"
!
resume ! para ler o modelo ja gravado
eplot ! mostra o modelo e o carregamento
!
! Gravar o carregamento ja aplicado
!
/SOLU
lswrite ! carregamento 1
!
! Apagar todo o carregamento
!
sfdele,all,all ! apaga todas as pressoes
!
! Coloca outro carregamento e grava
! Carregamento 2
!
csys,1 ! ativa sistema de coordenada cilindrico
nsel,s,loc,x,2
sf,all,press,30 ! pressao de 30 kgf/cm^2 rm r=2cm
/psf,press,norm,2 ! plota simbolo de pressao na superficie
allsel ! seleciona tudo
f,24,fy,-100 ! forca de 100 kgf no no’ 24
lswrite ! carregamento 2
!
! Salva modelo para solucao
178 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

!
save
! Solucao
!
lssolve,1,2 ! inicia solucao
fini

/POST1
!
! Pos-Processamento
!
!
set,1 ! le o 1o. caso
pldisp,0 ! plota a geometria deformada
plnsol,s,eqv
set,2 ! le o 2o. caso
pldisp,0 ! plota a geometria deformada
plnsol,s,eqv
fini

C.8 Geração Automática de Malhas em Áreas


Objetivos : Ilustrar o processo de geração de malha em problemas planos, considerando
o problema de estado plano de tensão da Figura C.8. A geometria é gerada com os
comandos do ANSYS para pontos, linhas e áreas. A malha é obtida com o comando
AMESH.
As condições de contorno de deslocamentos e carregamentos são aplicadas no mo-
delo geométrico com os comandos DK e SFL. Posteriormente, são transferidos para o
modelo de elementos finitos com o comando SBCTRA.

Constantes do Problema :

• Módulo de elasticidade: E = 21 × 105 Kgf /cm2 ;


• Coeficiente de Poisson: µ = 0, 3;
• Espessura: t = 0, 7 cm.

/PREP7
/TITLE,GERACAO DE MALHA - CHAVE
!
!Keypoints
!
K,1,21
K,2,21.6,2.1
K,3,15.9,3.6
K,4,15.3,1.5
K,5,10.2.,5.1
K,6,9.6,3
/PNUM,KPOI,1
KPLO
K,7,7,6
C.8. GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE MALHAS EM ÁREAS 179

Figura C.8: Geração automática de malha em problema plano.

K,8,6.5,3.8
K,9,3.5,6.5
K,10,5.75,6.6
K,11,3.9,3.1
K,12,2.5,3.3
K,13,1.4,4
K,14,1,4.6
K,15,2.8,4.6
K,16,3.5,5.1
KPLO
K,17,2.8,7
K,18,1,7
K,19,1.45,7.65
K,20,2.5,8.3
K,21,3.9,8.5
K,22,5,7.85
KPLO
!
!Areas
!
A,1,2,3,4
A,4,3,5,6
A,6,5,7,8
APLOT
!
!Linhas
!
L,8,16
L,16,9
L,9,10
L,10,7
L,8,11
L,11,12
L,12,13
L,13,14
L,14,15
L,15,16
LPLO
!
180 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

L,9,17
L,17,18
L,18,19
L,19,20
L,20,21
L,21,22
L,22,10
LPLO
!
!Areas definidas por linhas
AL,9,11,12,13,14
AL,11,15,16,17,18,19,20
AL,13,21,22,23,24,25,26,27
/PNUM,AREA,1
APLO
!
!Tipo do elemento - triangulo com 6 nos
!
ET,1,PLANE2,0,0,3
!
!Espessura da chave
!
R,1,0.7
!
!Define tamanho do elemento
!
ESIZE,3,1 !Tamanho do elemento 3 cm com 1 divisao por linha
!
!Geracao de elementos nas areas
AMESH,ALL
!
!Transfere condicoes de contorno do modelo solido para malha
SBCTRAN
!
!Apresenta elementos
/PBC,ALL,1
/PBC,PRESS,2
/TYPE,1,4
/PNUM,ELEM,1
EPLO
!
!Propriedades do material
MP,EX,1,21E5
MP,NUXY,1,0.3
!
FINI

!SOLVER
/SOLU
!
!Aplica pressao numa linha
!
SFL,2,PRESS,10
! plota simbolo de pressao na superficie
/PSF,PRES,NORM,2
!
!
SBCLIS,ALL
!
C.9. GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE MALHA EM VOLUMES 181

!Aplica restricoes em keypoints


!
DK,9,ALL,0
DK,14,ALL,0
DK,15,ALL,0
DK,16,ALL,0
DK,17,ALL,0
DK,17,ALL,0
SOLVE
FINI

!POS-PROCESSADOR
/POST1
PLDISP,1
PLNSOL,S,X
PLNSOL,S,EQV
FINI

C.9 Geração Automática de Malha em Volumes


Objetivos : A Figura C.9 ilustra o modelo discreto de uma viga de perfil I gerado de
maneira automática através do comando VMESH. O elemento empregado é o SOLID45,
ou seja, um cubo com 8 nós.

Constantes do Problema :

• Módulo de elasticidade: E = 21 × 105 Kgf /cm2 ;


• Coeficiente de Poisson: µ = 0, 3;

/PREP7
/TITLE,Viga - Geracao Automatica - Volumes - Solid 45)
/PBC,ALL,2
/PNUM,volu,1
!
! Material
!
MP,EX,1,21e5 ! E = 21 x 10^5 kgf/cm^2
MP,NUXY,1,0.3 ! Coeficiente de Poisson
!
! Tipo Elemento
!
ET,1,solid45 ! Elemento Solid-45: 3D Isopara. Solid
!
! Kpoints
!
K, 1, 0, 0 ! base
K, 2, 0, 1
K, 3, 10, 0
K, 4, 10, 1
K, 5, 4.5, 1
K, 6, 5.5, 1
K, 7, 4.5, 0
K, 8, 5.5, 0
K, 9, 4.5, 9 ! alma
182 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

Figura C.9: Viga analisada como problema espacial utilizando cubos de oito nós.

K,10, 5.5, 9
K,11, 4.5, 10 ! topo
K,12, 5.5, 10
K,13, 2, 9
K,14, 8, 9
K,15, 2, 10
K,16, 8, 10
!
! Linha para o Vdrag (numero 1)
!
K,17,0,0,40 ! kpoint
L,1,17 ! linha (no. 1)
!
! Areas
!
A,1,2,5,7 ! base
A,5,6,8,7
A,6,4,3,8
A,5,9,10,6 ! alma
A,13,15,11,9 ! topo
A,11,12,10,9
A,12,16,14,10
!
! Vdrag (gera volume por extrusao de areas)
!
VDRAG,ALL,,,,,,1 ! areas 1-7 ao longo da linha 1
!
!
! Ajusta o modelo gerado
!
C.9. GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE MALHA EM VOLUMES 183

NUMM,ALL ! executa um merge das entidades


!
! Visualizacao
!
/PNUM,default ! volta numeracao ao ’default’
/VIEW,1,1,1,1 ! Observador em (1,1,1)
/TYPE,1,2 ! Hidden Lines (centroidal sort)
VPLOT
!
! Controle/Geracao Automatica
!
ESIZE,2
MSHAPE,0,3D ! geraç~
ao com apenas cubos
VMESH,ALL
!
! Coerencia da malha
!
NUMMRG,ALL
!
FINI !Grava arquivos

!SOLVER
/SOLU
! Restricoes
!
NSEL,S,LOC,Z,0
D,ALL,ALL,0 ! Engastado em uma extremidade
!
! Carregamento
!
! (Carga distribuida de 40 kgf/cm no topo)
! (areas: 26, 30 e 33)
ASEL,S,AREA,,26,30 ! seleciona 26 e 30
ASEL,A,AREA,,33 ! adciona ao grupo a area 33
NSLA,S,1
SF,ALL,PRES,40 ! pressao nas areas selecionadas
/PSF,PRES,NORM,2 ! plota simbolo de pressao na superficie
ALLSEL ! seleciona todas as entidades
!
! Transporta B.C. para o mesh
!
sbctran
!
! Visualiza
!
EPLOT
SOLVE
!
FINI !Abandona SOLVER

! Pos-Processamento
!
/POST1
SET,1
/VIEW,1,1,1,1,1
/TYPE,1,2
PLDISP,1
PLNS,S,EQV
FINI
184 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

C.10 Simetria em Volumes


Objetivos : Pode-se explorar a simetria do problema em casos espaciais. Como exemplo,
toma-se o modelo discreto mostrado nas Figura C.10. Neste caso, gera-se a geometria
e a malha apenas para um quarto do modelo e utiliza-se a simetria de volumes para
copiar não apenas as entidades geométricas, assim como nós e elementos da malha.

Constantes do Problema :

• Módulo de elasticidade: E = 21 × 105 Kgf /cm2 ;


• Coeficiente de Poisson: µ = 0, 3;

Figura C.10: Disco gerado utilizando a simetria do problema.

/PREP7
/TITLE,Disco - Geracao Automatica - Volumes - Solid95
/PBC,ALL,2
/PNUM,KPOI,1
/PNUM,LINE,1
/PNUM,AREA,1
/PNUM,VOLU,1
!
! Material
!
MP,EX,1,21e5 ! E = 21 x 10^5 kgf/cm^2
MP,NUXY,1,0.3 ! Coeficiente de Poisson
!
! Tipo Elemento
!
ET,1,solid95 ! Elemento Solid95: 3D 20 node Isopara. Solid
C.10. SIMETRIA EM VOLUMES 185

!
! Sistema Cilindrico
!
CSYS,1
!
! Kpoints
!
K,1,1,0
K,2,1,90
K,3,10,0
K,4,13,0
K,5,10,90
K,6,13,90
KPLOT
!
! Linhas para o Vdrag (numero 1 e 2)
!
K,7,1,0,2
K,8,1,0,4
L,1,7 ! linha 1
L,7,8 ! linha 2
/VIEW,1,1,1,1
KPLOT
!
! Areas
!
A,1,3,5,2
A,3,4,6,5
APLOT
!
! Vdrag (gera volume por extrusao de areas)
!
VDRAG,1,0,0,0,0,0,1 ! area 1 ao longo da linha 1
VDRAG,2,0,0,0,0,0,1,2 ! area 2 - linhas 1 e 2
!
! Ajusta o modelo gerado
!
NUMM,ALL ! executa um merge das entidades
!
! Visualizacao
!
/PNUM,DEFAULT ! volta numeracao ao ’default’
/VIEW,1,-1,1,1 ! Observador em (1,1,1)
/TYPE,1,2 ! Hidden Lines (centroidal sort)
vplot
!
! Controle/Geracao Automatica
!
ESIZE,,3
VMESH,ALL
!
! Executa a simetria em x e y (cartesianos)
!
CSYS,0
VSYMM,1,all
VSYMM,2,all
CSYS,1
!
! Coerencia do modelo/malha
186 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

!
NUMM,ALL
!
!
SAVE
!SOLVER
/SOLU
! Restricoes
!
NSEL,S,LOC,X,1
D,ALL,ALL,0 ! Engastado em uma extremidade
ALLSEL,ALL ! Seleciona todas entidades
!
! Carregamento
!
NSEL,S,LOC,Z,4 ! Seleciona nós na posicao z=4
!
SF,ALL,PRES,40 ! Pressao de 40 kgf/cm^2 em z=4
/PSF,PRES,NORM,2 ! Plota simbolo de pressao como seta
ALLSEL ! Seleciona todas as entidades
!
! Visualiza
!
EPLOT
SOLVE
FINI !Abandona SOLVER
!
!POS-PROCESSADOR
/POST1
/VIEW,1,1,1,1
PLDI,1 !Plot da geometria deformada
PRDIS,ALL !Imprime deslocamentos e rotacoes
PLNSOL,S,EQV !Plota tensao equivalente de von Mises
PLNSOL,S,X !Plota tensao na direcao x
PLNSOL,S,Y !Plota tensao na direcao y
PLNSOL,S,XY !Plota tensao de cisalhamento
PRNSOL,S,COMP !Imprime tensoes
FINI

C.11 Estrutura modelada por Elementos de Placa


Objetivos : ilustrar a aplicação do elemento de placa (SHELL63), para a geração da
malha triangular numa estrutura espacial. A geometria é gerada pela rotação de
linhas em torno de um eixo de simetria. Utiliza-se o comando ldvs, permitindo
refinar a malha numa regi~ ao da estrutura. Comandos de seleç~ ao s~
ao utilizados
para a aplicaç~ ao das restriç~ oes e carregamentos.

Constantes do problema :

• Módulo de elasticidade: E = 21 × 105 Kgf /cm2 = 21 × 109 Kgf /m2 ;


• Coeficiente de Poisson: µ = 0, 3.
C.11. ESTRUTURA MODELADA POR ELEMENTOS DE PLACA 187

Figura C.11: Estrututa modelada por elementos de placa.

! Estrutura tridimensional com elementos de casca


!
! PREPROCESSAMENTO
!
/PREP7
/TITLE,Estrutura tridimensional com casca
!
! Configuracao
!
/VIEW,1,1,1,1
/TYPE,1,2
/PBC,ALL,2
!
! Tipos de Elementos/Constantes/Materiais
!
ET,1,shell63 ! shell63=ELASTIC QUADRILATERAL SHELL
R,1,3.15
MP,EX,1,21e6 ! E aco (kfg/cm2)
MP,NUXY,1,0.3 ! coef. poisson aco=0.3
!
! Pontos
!
! keypoints do modelo
K,1,40
K,2,20
K,3,20,100
/PNUM,KPOI,1
KPLOT
!
! keypoints usados na rotacao (veja arotate logo abaixo)
188 APÊNDICE C. EXEMPLOS ANALISADOS PELO ANSYS

K,4,0
K,5,0,100
KPLOT
/PNUM,KPOI
!
! Linhas
!
L,1,2
L,2,3
LPLOT
!
! Areas
!
AROTATE,1,2,0,0,0,0,4,5,360,8
APLOT
!
! Seleciona as linhas do topo
!
KSEL,S,LOC,y,100 ! seleciona os pontos
KPLOT
LSLK,S,1 ! seleciona as linhas correspondentes
LPLOT
!
! Controla a geracao para 2 divisoes por linha
!
LDIV,ALL,0,2,2,0
LPLOT
!
! Reseleciona todos os pontos e linhas
ALLSEL
!
SAVE
!
! Gera a malha
!
MSHAPE,1,2D
ESIZE,15 ! Tamanho maximo do elemento=30cm (triangulos)
AMESH,ALL ! gera malha em todas as areas
NUMMRG,ALL ! elimina redundancias
EPLOT
!
! Grava arquivos e sai do PREP7
!
FINI
!
! SOLUCAO
/SOLU
! Aplica a pressao na base
!
ASEL,S,LOC,Y,0 !Seleciona regiao (areas) de restricao
APLOT
SFA,ALL,1,PRES,-100 !Aplica pressao na area selecionada
/PSF,PRES,NORM,2 !Plota simbolo de pressao na superficie
! Reseleciona tudo novamente
!
ALLSEL
! Transfere solido->malha
SBCTRAN
!
C.11. ESTRUTURA MODELADA POR ELEMENTOS DE PLACA 189

!
! Aplica as restricoes no topo
NSEL,S,LOC,Y,100
NLIS
NPLOT
D,ALL,ALL
ALLSEL ! reseleciona todos nos
NPLOT
!
! Visualiza modelo !
/VIEW,1,1,-1,1
EPLOT
SOLVE
!
FINI
!
! POS-PROCESSAMENTO
!
/POST1
SET
/VIEW,1,1,1,1
PLDISP,1 ! plota a geometria deformada
PLNS,S,EQV ! plota a tensao equivalente de von-Mises
FINI