Você está na página 1de 4

Roteiro de estudo

Tema: Teníase

1.

Morfologia

A teníase e a cisticercose são duas entidades mórbidas distintas, causadas pela mesma espécie, porém com fase de vida diferente. A teníase é uma alteração provocada pela presença da forma adulta da Taenia solium ou da T. saginata no intestino delgado do hospedeiro definitivo, os humanos. A Taenia solium tem uma longevidade de três anos enquanto a Taenia saginata até dez anos.

A T. saginata e Taenia solium apresentam corpo achatado, dorso-ventralmente em forma de fita, dividido em escólex ou cabeça, colo ou pescoço e estróbilo ou corpo, são de cor branca leitosa, providos de órgãos de adesão na extremidade mais estreita (escólex), sem cavidade geral, sem sistema digestório e são parasitos hermafroditas.

Escólex: pequena dilatação, medindo em Taenia solium de 0,6 a 1 mm e em Taenia saginata 1 a 2 mm de diâmetro, funcionando como órgão de fixação do cestoide à mucosa do intestino delgado humano. Apresenta quatro ventosas formadas de tecido muscular, arredondadas e proeminentes. A Taenia solium possui o escólex globuloso com um rostelo ou rostro situado em posição central, entre as ventosas, armado com dupla fileira de acúleos, 25 a 50, em formato de foice. A Taenia saginata tem o escólex inerme, sem rostelo e acúleos.

saginata tem o escólex inerme, sem rostelo e acúleos. Estróbilo : é o restante do corpo

Estróbilo: é o restante do corpo do parasito. Inicia-se logo após o colo, observando-se diferenciação tissular que permite o reconhecimento de órgãos internos, ou da segmentação do estróbilo. Cada segmento formado denomina-se proglote ou anel, podendo ter de 800 a 1.000 e atingir 3 metros na Taenia solium, ou mais de 1.000, atingindo até 8 metros na Taenia saginata. A estrobilização é progressiva, ou seja, a medida que cresce o colo, vai ocorrendo a delimitação das proglotes e cada uma delas

inicia a formação dos seus órgãos. Quanto mais afastado do escólex, mais evoluídas são

as

proglotes.

As

proglotes são subdivididas em jovens, maduras e grávidas e têm a sua individualidade

reprodutiva e alimentar. Jovens são curtas com desenvolvimento dos sistemas reprodutores. Protandria é o fenômeno do sistema reprodutor masculino se desenvolver mais rapidamente. A proglote grávida de Taenia solium é quadrangular, e

o útero formado por 12 pares de ramificações do tipo dendrítico, contendo até 80 mil

ovos, enquanto a de Taenia saginata é retangular, apresentando no máximo 26 ramificações uterinas do tipo dicotômico, contendo até 160 mil ovos. Em Taenia solium, são eliminados passivamente com as fezes de três a seis anéis unidos, enquanto em

Taenia saginata as proglotes se destacam separadamente, podendo se deslocar ativamente, contaminando a roupa íntima do hospedeiro.

O tegumento que reveste a superfície do corpo dos cestódeos é formado por um

citoplasma sem núcleos, rico em mitocôndrias, uma membrana celular com microtríquias (microvilosidades) reveste o citoplasma e desempenha importante papel

metabólico, pois constitui a interface parasito-hospedeiro, através do qual dão-se todas

as trocas nutritivas e excreção dos resíduos metabólicos.

2. Ciclo biológico:

Do tipo heteroxênico, a Taenia saginata tem como hospedeiro intermediário os ruminantes, bois e vacas, e a Taenia solium, suínos. As proglotes grávidas cheias de ovos são liberadas do intestino do hospedeiro definitivo para o exterior e os ovos são ingeridos pelo hospedeiro intermediário. Ovos eclodem e ativam a oncosfera com a ação da pepsina e dos sais biliares. Ganham a circulação do hospedeiro intermediário, invadindo outros tecidos. Oncosferas se desenvolvem em cisticercos nos tecidos invadidos.

A infecção humana ocorre pela ingestão de carne crua ou malcozida de porco ou de boi

infectado. O cisticerco ingerido sofre a ação do suco gástrico, evagina-se e fixa-se, através do escólex, na mucosa do intestino delgado, transformando se em uma tênia adulta. Três meses após a ingestão do cisticerco, inicia-se a eliminação de proglotes grávidas.

3. Transmissão

O mecanismo de transmissão da teníase que pode ocorrer é:

Heteroinfecção: ingerir carne suína ou bovina, crua ou malcozida, infetada, respectivamente, pelo cisticerco de cada espécie de Taenia.

4.

Imunidade

A infecção não confere imunidade.

5. Sintomatologia

Tonturas, astenia, apetite excessivo, náuseas, vômitos, alargamento do abdômen, dores de vários graus de intensidade em diferentes regiões do abdômen e perda de peso são alguns dos sintomas observados em decorrência da infecção.

6. Patogenia

Devido ao longo período em que a T. solium ou a T. saginata parasita o homem, elas podem causar fenômenos tóxicos alérgicos, através de substâncias excretadas, provocar hemorragias através da fixação na mucosa, destruir o epitélio e produzir inflamação com infiltrado celular com hipo- ou hipersecreção de muco. O acelerado crescimento do parasito requer um considerável suplemento nutricional, que leva a uma competição com hospedeiro, provocando consequências maléficas para o mesmo.

7. Diagnóstico

É feito pela pesquisa de proglotes e, mais raramente, de ovos de tênia nas fezes pelos

métodos rotineiros ou pelo método da fita gomada. Para as duas tênias, o diagnóstico é genérico, pois microscopicamente os ovos são iguais. Para o diagnóstico específico, há necessidade de se fazer a "tamisação" (lavagem em peneira fina) de todo o bolo fecal, recolher as proglotes existentes e identificá-las pela morfologia da ramificação uterina.

Os antígenos podem ser detectados imunologicamente na ausência de ovos na matéria fecal, independem do seu número. Os coproantígenos (CoAg) são testes com base em ELISA de captura com anti-soro policlonais formados tanto contra a larva como contra os produtos excretados-secretados. E considerado um método simples e sensível.

8. Epidemiologia

Tanto T. solium como T. saginata têm larga distribuição em nosso país, devido as precárias condições de higiene de grande parte da população, métodos de criação extensiva dos animais e o hábito de ingestão de carne pouco cozida ou assada.

9. Profilaxia

As medidas definitivas que permitem a profilaxia desses parasitos são:

Impedir o acesso do suíno e do bovino as fezes humanas;

Melhoramento do sistema dos serviços de água, esgoto ou fossa;

Tratamento em massa dos casos humanos nas populações-alvo;

Instituir um serviço regular de educação em saúde, envolvendo as professoras primárias e líderes comunitários;

Orientar a população a não comer carne crua ou malcozida;

Estimular a melhoria do sistema de criação de animais;

Inspeção rigorosa da carne e fiscalização dos matadouros.

10. Tratamento

As drogas mais recomendadas para o tratamento da teníase por Taenia solium ou por T. saginata são a niclosamida ou o praziquantel.

Niclosamida, por VO, em quatro comprimidos de dois em dois com intervalo de uma hora pela manhã. Uma hora após a ingestão dos últimos comprimidos, o paciente deverá ingerir duas colheres de leite de magnésio para facilitar a eliminação das tênias inteiras e evitar a autoinfecção interna por T. solium.

Praziquantel, VO, quatro comprimidos de 150mg cada (5mglkg) em dose única. O praziquantel não deve ser empregado para o tratamento da teníase em pacientes com as duas formas da doença, ou seja, a teníase e a cisticercose.