Você está na página 1de 176

1

Loucamente
2

Agradecimentos

Na edição deste livro que adverte para possíveis


encantos e desencantos virtuais, venho
humildemente agradecer a todos os que com
suas histórias de vida me incentivaram a lançá-lo
e ajudaram a torná-lo uma realidade.

Um muito obrigado do fundo do meu coração:

Flor-de-Lis, Amiga do coração, fonte de


informação de todas as passagens deste livro que
são reais.

Registado na SPA com o nº 26715 (provisório)

Loucamente
3

Apresentação

Quem é que hoje em dia não se deixa seduzir por este mundo virtual chamado
Internet que nos permite viajar sempre mais além sem sequer sair do sítio?
Nesta perspectiva que este ciberespaço nos proporciona, podemos conhecer
novas pessoas, novos mundos, fazer compras, folgazar nos momentos livres
praticando jogos em tempo real com pessoas de outros países ou fazer amizades
e procurar aventuras amorosas e, acima de tudo, obter informação de tudo a
nível universal sem precisar de se deslocar à biblioteca e ter de procurar a
melhor enciclopédia e a mais recente ou os livros mais antigos.
Hoje poder-se-á dizer que, inseridos num mundo altamente evoluído influenciado
pelas altas Tecnologias de Informação e Comunicação, o investimento desta
tecnologia virada para o conhecimento põe à disposição de qualquer um e em
tempo real, a facilidade de pesquisar através de sites o mais variado assunto ou
mesmo prestar ou usufruir de serviços.
Serão já as influências da Era de Aquário que promete uma nova fase na
evolução humana onde todos os conflitos humanos condicionados por
preconceitos darão lugar à tolerância, à receptividade de todas as ideias
independentemente de credos e raças?
Uma Era de Fraternidade e amor como os místicos prevêem?
Sob a outra vertente, outros poderão dizer que a oportunidade desta tecnologia
ao alcance de todos poderá influenciar nosso lado emocional tornando tudo mais
lógico e indiferente e, embora seja garantido que a Era de Aquário é de grandes
mudanças como atributo do próprio signo, não deixe de se mostrar uma Era
dominadora e sem impressionabilidade colocando a racionalidade acima de tudo.
Será por isso que se diz que o computador vem dominar o Homem?
Lógico é que todos preferiríamos o lado positivo onde todos nós nos pudéssemos
ver como uma só raça interagindo em função de um novo mundo onde todos se
entendessem aniquilando deste modo tudo que até então vem a destruir o
planeta que habitamos. A desmedida ambição humana.

無限

É sobre este mundo mágico da Internet que tanto alicia os jovens como pessoas
de toda a idade, não só pela necessidade da informação ou serviços, como pela
curiosidade, instrução, preenchimento de um espaço vazio em busca da

Loucamente
4

novidade e relacionamentos que me vou debruçar um pouco, quando,


virtualmente, certos objectivos não nos dão o resultado que esperávamos.
Já para não falarmos que muitos navegantes desta imensa rede virtual se
ocultam por detrás dos mais variados sites e que se aproveitam da inocência de
crianças, fazendo-as crer que falam com gente da sua idade, espevitando-lhes a
curiosidade e se servem de quem não está atento para os levarem para a
prostituição, pedofilia ou roubo, falemos também nos adultos que deveriam estar
mais atentos e se deixam influenciar emocionalmente pela capacidade que a
Internet tem de despoletar as emoções mais diversas apesar de ser um meio
virtual.

無限

A palavra “virtualmente” que conota em si um modo analógico entre o real e o


muito próximo da realidade (Virtual/mente), poder-nos-á também alertar para os
inconvenientes que poderá trazer, quando este meio visto também como um
meio terapêutico, pois até nos esquecemos de tudo quando andamos a navegar,
criarmos amizades mesmo longínquas que sejam, está sujeito a despertar as
mesmas emoções que se despoleta no paciente em relação ao seu terapeuta
confidente.
Criam-se afinidades, revelam-se emoções e por fim algumas desilusões.

Virtualmente, também decomposta (Virtual/Mente) será uma desculpa para todo


aquele por algum motivo se serve deste meio para objectivos suspeitos.
Eis porque devemos estar sempre atentos a algo que nos possa surpreender pela
curiosidade que atrás de si transporta o vírus da destruição.
Bem-haja quem está atento, mas nunca esquecendo…

Loucamente
5

Olhando-me no espelho vejo


um Ser tão parecido comigo
que por vezes contigo me
identifico.
Penetrando o teu olhar, vendo-
me, te identifico comigo.
No teu silêncio deponho as
palavras que não profiro e tu
contas a minha história, igual a
tantas, tal como a tua.
Olho em meu redor e vejo um
passado cheio de História.
A história das nossas vidas

Loucamente
6

無限
Enquanto o sol baixava no horizonte, uma brisa suave sulcava o espelho imenso
onde o crepúsculo dourado se banhava e preparava para o descanso, convidando
a Vida para uma noite serena e iluminada.
Os pássaros recolhiam a seus ninhos e preocupados chamavam os mais novos
que inadvertidamente não davam pela noite que se aproximava.
Nos jardins trocavam-se Ainda promessas de Amor, enquanto as primeiras
folhas amarelecidas caíam indiciando nova estação numa esperança de um novo
amanhã.

無限

Num leve espreguiçar de quem tinha mais um dia de trabalho pela frente, Lis, de
olhos ainda semicerrados, tacteava a tecla do telemóvel para desligar a melodia
que mais uma vez a transpunha dos doces sonhos para a dura realidade.
Sim, desde os sonhos serenos que a noite a envolvia numa magia constante, aos
sonhos que arquitectava no seu dia a dia, Lis não passava de uma simples
sonhadora.
Mulher amadurecida, sem se deixar macular pela malícia do materialismo que
tudo consome e corrompe, era e seria sempre a mulher e menina excêntrica em
seus devaneios, sonhando por um mundo melhor onde a dor da alma nunca se
pudesse fazer sentir.
- Meu Deus, deixei-me adormecer!
Ahhhhhh! (espreguiçando-se)

Loucamente
7

É tão bom estar do outro lado! (respirou fundo)


Tenho que me levantar senão perco o comboio.
Ah, claro, não me podia esquecer (e baixinho murmurava o Pai Nosso, consciente
que em cada palavra da oração, seu coração desempenhava o papel que a fazia
sempre sentir-se de bem com a Vida) e, Pai … ilumina meu caminho e nunca me
abandones a mim, aos meus familiares, aos meus Amigos e também aos que
andam na escuridão.
E de um pulinho como era usual, metia-se debaixo do chuveiro, aperaltava-se e
perfumava-se consciente de que, onde quer que passasse, deixaria um rasto seu,
nem que fosse para as pedras da rua um dia saudosamente contarem a história
da sua existência……….
- Hum!
O dia está lindo, o sol afaga-me a pele e a Vida é tão bela quando a coragem luta
a nosso favor!
- Bom dia como está!
Cumprimentava Lis os vizinhos com quem se cruzava no caminho.
Olá Bela! Tão cedo?
- Sim! Como sempre. Tenho de levar o Flávio ao Atlético.
Sabe como sou, mãe galinha!
- Se te entendo! Até logo anjo (hábito comum para Lis que via todo o Ser como
anjos, obra do Verbo, independentemente de os classificar).
Não fazia parte do seu ser questionar alguém, mas sua vida era uma constante
reflexão sobre o Ser e o que o levava a determinadas atitudes.
- Então até logo! Feliz dia de trabalho e vê se não te preocupas tanto com o teu
menino, já está um homenzinho.
(Bela sorriu.)

無限

Na estação do comboio já se viam filas de gente que apressadamente se dirigiam


para o cais, uns em direcção ao Porto onde os comboios eram constantes e,
apinhados faziam seus percursos, enquanto que os do cais oposto, direcção
norte, passavam mais espaçadamente e não tão amontoados.
Lis procurava sempre um cantinho onde pudesse se
r afagada pelos primeiros raios de sol, pois as manhãs já se tornavam frias e o
cais era desabrigado.
Sempre que entrava no comboio sentava-se no cantinho que fosse mais retirado.
Sentia os olhares penetrarem-na e isso embaraçava-a um pouco pois sentia-se
desfolhada.
Não parecia, mas era tão recatada como de vistosa, o que algumas vezes a fazia
sentir-se constrangida perante os olhares de certas mulheres que admiravam
seus trajes, mas como neles não cabiam, ou porque eram extravagantes para o
seu humilde meio, limitavam-se a olhar de esguelha e com desdém.

Loucamente
8

Os homens porém, os mais atrevidos não retiravam o olhar.


Quase que se escutavam suas babas caírem em cascata, num incontrolável
frenesim viril incapaz de dominar o desejo, enquanto que outros se mostravam
mais discretos e, subtilmente, desviavam o olhar em direcção a outro ângulo.
Naquele dia Lis parecia radiante, mas ia um pouco triste.
A firma onde trabalhara há uns meses atrás, estava prestes a ir à falência e os
administradores da mesma transferiram-na para outra filial mas num local muito
mais distante, onde nem um café nas redondezas existia, nem sequer vitrines de
lojas para acalmarem os desânimos.
Contudo, sua entrada no comboio fê-la sentir-se confiante e especial.
Mal entrara, ouviu alguém num grupo de 4 homens dizendo muito baixinho para
os outros:
- Que linda mulher!
Seu vestido branco com flores vermelhas, ajustado a seu corpo esguio, fazia
ressaltar um peito de menina adolescente num decote ousado que o fazia
sobressair, enquanto que sua cintura declivava na vertente de suas ancas que
melodiosamente acompanhavam o passo sereno de pernas bem torneadas,
ainda douradas pelo Verão escaldante que se despedia.
Seus cabelos longos e encaracolados, enlaçados por um lenço vermelho,
acompanhavam toda a serenidade que aparentava por debaixo dos óculos de sol
que ocultavam a sua timidez.
A cada passo que dava, o perfume adocicado do “Miracle” expandia-se
arrebatado pela mais leve brisa que se fizesse sentir.
Já quando trabalhava nos arredores do Porto, alguém lhe dizia que podia dobrar a
esquina da rua mais longa, que todos saberiam que Lis por lá tinha passado
(Fernando adorava esse perfume mas nunca chegou sequer a perguntar o nome
pois em Lis tornava-se único).
Não se achava bonita, mas sentia-se sensual.
Nestes pensamentos e arrebatada pela frase que acabara de ouvir, corou,
procurou um lugar distante desse grupo, mas, não tendo alternativa, teve
mesmo de se sentar dois lugares atrás junto da janela como sempre o fazia.
O comboio partia e Lis perdia-se encantada em toda a maravilha da Natureza
que se estendia para norte.
Vastas culturas de fruta extremosamente cuidadas estendiam-se ao longo de
extensos terrenos, enquanto que montes, riachos, casinhas rurais, vegetação e
mais vegetação, chilreios que se misturavam com zumbidos de insectos
pautando a sintonia da Natureza, animais em liberdade, pareciam desfilar como
por magia, em imagens idílicas de cenários paradisíacos.
- Como afinal é tudo tão perfeito!
“ A Obra “!
Que de mais belo pode haver na nossa Existência senão as faculdades que nos
são dadas e tão mal empregues para a apreensão da Vida?

Loucamente
9

Porque não nos dedicamos mais à beleza dos pormenores e perdemos menos
tempo com coisas levianas?
E nesta meditação, prosseguia o seu caminho.
Seu transporte era, até então, em autocarro apinhado de pessoas que se
atropelavam em busca de um lugar vago.
Odores nauseabundos de suor e desleixo e caminhos ladeados simplesmente de
prédios, árvores, lojas e mais lojas, passavam numa correria vertiginosa na
sequência de uma condução abusiva e desrespeitosa, para quem julga entregar
suas vidas nas nãos de um responsável. Era o quotidiano da génese citadina.
Agora a caminhada era diferente.
Serena e sem perturbações.
Seu porto de destino proporcionar-lhe-ia novas experiências de vida, mas ela
nada temia.
Sabia que a Sabedoria era produto da experiência comprovada pela
aprendizagem na apreensão do pormenor e diversificação da Vida por mais
subjectiva que a realidade se pudesse apresentar.
No cais de destino, enquanto que um funcionário da empresa a não viesse
buscar, Lis ia até uma humilde confeitaria tomar o seu pingo para não estar ao
frio enquanto esperava.
Paredes.
É um meio simples.
Localidade humilde, simples, convidativa mas com temperaturas muito
excessivas.
Apesar de suas extravagâncias se fazerem notar desde logo pelos olhares mais
mexeriqueiros, acompanhados de burburinhos, nada se opôs a que com seu
sorriso receptivo e educado, Lis conquistasse de imediato a simpatia e o respeito
de todos.
Era quem mais a convidava a sentar-se à sua mesa prezando sua companhia.
Delicada por natureza e humanista do fundo de sua essência, todos escutava
com carinho, sorria, dava seu parecer quando lho pediam, mas nunca entrava no
costume daquela região: “ falar do próximo”.
Ela sabia que opinião só se dá se for solicitada ou em caso de vida ou de morte,
pois cada um é particular.
Aí, abstinha-se, sorria, mas não deixava de dizer que todos somos diferentes e o
que interessa na vida é viver e deixar viver, pois cada qual sabe o que lhe vai na
alma e dentro das portas.
Lis era muito querida naquela região. Antes de chegar à confeitaria já tinha sua
cadeira reservada para a presença de breves minutos que fossem.
Chegavam a oferecer-lhe presentes da região.
Contudo, sentia saudades dos amigos de onde fora forçada a partir.
Há horinha certa levantava-se da mesa pedindo desculpa para atender o
telefonema do dia e dirigia-se para o exterior com um sorriso nos lábios, grata,
por mesmo distante, não ter sido esquecida.

Loucamente
10

無限

- Então como estás?


- Vai-se indo! (respondia Lis a Jod que com todo o carinho e à horinha certa,
deixava sempre um mimo).
Aqui as pessoas são diferentes!
Como o meio é pequeno, fazem das pequenas notícias grandes acontecimentos,
de monossílabos grandes histórias.
É preciso ter um certo recato e sorrir simplesmente.
- Fazes bem! Eu só queria desejar-te um feliz dia e sentir na tua voz o teu estado
de espírito. Tens de ter paciência. Beijos.
Entretanto alguém se aproximava na viatura da empresa para a levar para o
escritório.
Pinto era um jovem tímido, conhecia as leis da terra e lia nas costas dos outros
as suas.
Antes de Lis ir para aquela empresa, Pinto já tinha ouvido comentários dos seus
colegas sobre a ida de Lis para lá e, apesar de já a conhecer na outra empresa e
mostrar grande cordialidade, agora mostrava-se silencioso e recatado.
Pinto era tímido e humilde, limitava-se ao mínimo e indispensável diálogo.
Lis sentiu isso de imediato, e, como também nunca se interessou pela vida
alheia, respeitava.
- Olá Pinto, bom dia! Lá vamos nós para a nossa rotina.
- Tem de ser! (Pinto quase sempre falava por monossílabos).

無限

Quando Lis chegou pela primeira vez àquela empresa, mesmo sendo já de seus
contactos e conhecimentos as pessoas com quem agora iria trabalhar, sentiu
resistência à sua pessoa como se de uma intrusa se tratasse.
Teve de esperar longamente no hall de entrada que alguém se lembrasse da sua
presença a fim de ser apresentada aos demais e lhe indicarem seu novo lugar.
Viam-se pessoas que se cruzavam e mal falavam. Passavam por Lis como se não
estivesse presente, nem um simples cumprimento, até que Isa, com sua
cordialidade e simpatia se aproximou e saudou.
- Bom dia! É a Lis?
- Sim! Muito prazer.
- Está frio aqui dentro, venha para junto de mim.
Com um sorriso nos lábios Lis agradeceu e daí nasceu uma profunda amizade.
Saíam juntas para almoçar, apanhar trevos de quatro folhas, trocar confidencias
e sorrirem abraçadas como se fossem duas irmãs.
Isa encantada com a nova amizade, a partir de então, sempre que tinha algum
problema ou necessidade de confidenciar recorria ao carisma de Lis.

Loucamente
11

Quer a nível de Amizades quer a nível de relacionamentos, Lis gostava sempre


de presentear quem lhe era querido, nem que fosse pela dádiva de um sorriso
por mais humilde que se apresentasse.
De vez em quando lá ia Lis carregada de roupas, ainda novas, para distribuir na
confeitaria com os mais humildes e até com a grande amiga Isa.
Não por necessidade, mas porque achava que certos trajes tornavam Isa ainda
mais bonita do que o que era e, poderia muito bem prescindir deles a favor de
um simples sorriso.
Para Lis, oferecer algo era deixar gravado que há memórias que o tempo não
apaga e presenças que nos acompanham a vida inteira.
Isa tornou-se numa grande amiga e confidente de Lis.
Riam juntas, choravam juntas, debatiam-se juntas com os mesmos problemas na
empresa que era a sobrecarga de serviço que os demais ousavam em passar-
lhes porque, desde que Isa se tornou amiga de Lis, também passou a ser
descriminada.
Com um sorriso triste, Lis lamentou o facto de antes de ter ido para aquela
empresa, um dos seus Administradores, também da mesma empresa onde agora
se encontrava, ter asseverado que Lis era notável pela sua inteligência e uma
óptima profissional.
Sempre pôs Lis como a melhor profissional de todas o que lhe valeu ciúmes a
nível pessoal.
Soube-o por Isa.
Lamentou a pobreza de espírito que paira em certos corações.
- Ninguém é melhor que ninguém! Só devemos recear a falta de capacidades e
oportunidades, tudo o mais são pretensões do “momento”.
Que tens meu anjo, perguntava Lis a Isa?
Já te coloquei trevos de quatro folhas no teu copinho para te dar sorte!
- És um anjo, mas vê lá ao que chegamos!
Quando passei ali na sede para tomar o pequeno-almoço, pedi os dois pães a que
temos direito ao fim da manhã já que ninguém nos traz cá baixo, e, para não
perdermos tempo a ir lá cima ao bufete, peguei neles.
Até trouxe manteiga de casa, quando afinal eles lá em cima até com fiambre se
abastecem.
Acreditas que reclamaram, como se eu estivesse a roubar algo pessoal e sem
direito?
- Isa! Nós não precisamos disso para nada.
Eu começo a trazer o pão da padaria e evitamos ir lá!
E de amores como estás?
- Mal! O Freddy, homem da minha vida, só pensa em dinheiro e êxito.
Sei que gozei muito na vida com ele mas ele nunca me amou como eu o amo!
Ainda este fim-de-semana fartei-me de trabalhar como uma burra a fazer almoço
para a família toda, enquanto ele devia ter aproveitado a minha estadia ao
máximo.

Loucamente
12

Afinal foram só dois dias.


- Deixa-o Amiga, ele não te merece!
- Eu sei, mas Amo-o!
- Enganaste! Obsessão sim. Ele nem sequer acarinha o teu filho como se dele
pudesse ser.
Se fosse outro começava por conquistar primeiro o teu filho para poder chegar ao
teu coração.
Se não o fez ou faz é porque simplesmente te usa como objecto.
Lembra-te que não és só tu que precisas de amor, mas o Danny também.
Ainda mais, pois é uma criança!
É materialista, julga que toda a vida vai ser um mar de rosas. Esquece-se que já
tem 43 anos e daqui a pouco quer encosto e só encontrá-lo-á se oferecer o que
lhe resta.
O dinheiro.
Homem é mesmo assim!
Ou tem dinheiro para comprar carinho quando não soube plantar o amor, ou sem
dinheiro, se o amor menosprezou, fica só, velhaco e manipulador para o resto
dos seus dias, exigindo dos outros aquilo que ele não é capaz.
- Tens razão! Que me aconselhas a fazer?
- Nada te posso a aconselhar anjo, senão a olhares mais à tua volta.
És linda, chamas a atenção de qualquer um e se levantares mais o rosto e
olhares em frente, verás que um sorriso que sempre te acompanhou mas nunca
reparaste, cega por essa paixão, te dirá o que lhe vai na alma.
- Então achas que devo esquecer o Freddy?
- Não disse isso! Disse que és melhor do que aquilo que julgas ver em ti.
Abre os olhos simplesmente!
- Sabes uma coisa, na net, no clube amizade, há um fulano que anda a cortejar-
me.
- Ainda bem! Tens algo que te ajude a passar os momentos de monotonia.
- Não consigo Lis, quem me dera!
Inscreve-te no clube amizade para veres como é.
Só gajos a enviarem flores, beijos, dedicatórias e a quererem falar connosco!
- Não gosto nem tenho paciência para isso amiga! Tenho muitas tarefas ao
mesmo tempo e estes fulanos desta empresa estão a ver se me puxam o tapete.
- Faz-me esse favor! Experimenta. Só por brincadeira. Depois ligas-me para cima
e vemos quem recebeu mais beijos durante o dia.
- Ok! E como se faz isso?
- Espera, eu inscrevo-te!
Ena, ainda não está o perfil preenchido e já estás a receber beijos e nem tens
foto!!!
Ahahah! Vais ver como é divertido!
(Lis reparou que Isa sorria, quase que nem se lembrava de Freddy e passou a
colaborar).

Loucamente
13

-Ah! Mas eu não respondo a beijos, só envio Flores!


Nem os conheço nem quero conhecer.
- Nada perdes por isso. No teu perfil coloquei indicações que só virtualmente
podem chegar até ti, pois se quiseres nunca te localizam.
- Ok minha….

無限

Começavam as primeiras chuvas.


O Inverno entrava antes do Outono.
O vento fustigava as árvores com tanto ímpeto, que as pobres coitadas
esgalhavam seus ramos e perdiam os últimos retalhos das suas vestes.
Um primeiro trovão seguido de outro cortava a corrente eléctrica naquele sítio
ermo, onde só as fábricas se mantinham incólumes sentindo o mesmo efeito.
- Ai Lis que horror, já viste?
(Isa descia as escadas do edifício a correr, contente com a oportunidade de
estarem juntas na mesma sala sem serem questionadas, uma vez que não
haviam condições para trabalhar).
Então tens recebido muitas mensagens do clube?
- É raro ir lá, para mais em casa não tenho net.
- Sabes que o fulano que eu te disse que me andava a cortejar é da tua região?
- E então amiga, quem não arrisca não petisca.
Dá uma oportunidade de conheceres algo mais, nem que seja para comparares e
veres aquilo que é melhor para ti.
Só a experiência vivida é que nos ensina.
- Tens razão! Ele convidou-me a passar o fim-de-semana com ele e a levar o
Danny. Até já o quer inscrever no futebol.
- Vai amiga e depois contas-me.
- E tu?
Afinal conta-me a história dos 3 mosqueteiros, que lutam à tua volta.
- Ah! Coisas sem importância! O grande Amor não existe.
Homem? É tudo igual!
- Pois! Mas sempre que saio contigo vês bem que não escapas.
Até me sinto privilegiada sair contigo, assim também reparam em mim.
- Doida. És mais jovem que eu e desimpedida!
- Sim, sim! Eu quero é saber quem era aquele gato que veio aqui de olhos verdes
há uns tempos atrás.
(após uma breve reflexão)
- Ah! Já nem me lembrava dele! O Tony?
Quando éramos crianças vivíamos na mesma zona, tinha eu dez anos quando ele
disse que gostava de mim. Foi a minha primeira paixão.
Encontrei-o há uns meses atrás. Agora vive em Vila real.

Loucamente
14

Descobriu-me novamente, foi ao Porto de propósito para se encontrar comigo,


mas assustei-me quando me abraçou e disse que agora nunca mais me iria
perder e reagi.
Assustei-me, claro!
Fiz de tudo para lhe mostrar que se queria manter-me como amiga teria de
esquecer o passado.
Que nem passado foi!
Vivíamos na mesma localidade e frequentávamos juntos a mesma praia, e… dez
anos, dezasseis, dezoito, ilusões!
Enfim! Águas passadas. Nada mais que isso.
Passou aqui há tempos pois conhece um dos administradores da empresa e
aproveitou para tentar aproximar-se novamente.
Como não o deixei aproximar-se muito, caiu na realidade.
Nada mais sei!
- E então quem te telefona sempre à hora de almoço quando vimos juntas?
- Cusca!
- Um amigo querido simplesmente! Jod.
- Pois, pois! Conta-me outra.
- Nem sei como hoje vou chegar ao Porto.
Para me irem buscar à estação e garantirem o trabalho na empresa, à horinha
certa tenho quem me vá buscar.
À saída, tenho que pedir piedosamente a alguém que me leve de novo à estação
e mesmo assim, todos receiam os poderosos que me querem puxar o tapete por
se sentirem sob vigilância neste aspecto, visto só haver autorização para me
irem buscar de manhã.
Poderosos!!! Se fossem poderosos não receavam uma simples secretária da
Administração.
Receosos! Do que se lhes possa descobrir.
- É mesmo complicado.
Por tu não receares ninguém, principalmente esses que estão no topo e
subjugam todos, é que eu te admiro.
- Tenho consciência que vivo para não prejudicar, portanto, não admito a
ninguém que mo faça também.
- Tens mesmo os tomates no sítio!
- Não, a questão é que prezo muito a sabedoria, o respeito, a humildade e quem
tiver direito de mandar e não o souber fazer dentro dos parâmetros dignos que a
respeitabilidade lhe confere, aí, mostro-me à altura.
Um bom chefe tem que ter a imparcialidade de um juiz e a generosidade de um
grande líder.
- Pois nunca me irei esquecer da tua atitude com o Director Geral!
“Velhadas”! Reformado, com um salário altíssimo e anda ainda aqui a parasitar e
nada mais faz senão trair.
Sabe demais de quem lhe dá de comer!

Loucamente
15

É o suficiente para chegar a meio topo sem nada fazer.


Chantagista!
- Pois mas como vês a mim não me atrapalha. Só fica mal.
Como viste, além de traiçoeiro e mentiroso é cobarde.
- Admirei tanto a forma como lidaste com ele quando queria denegrir a tua
imagem.
- Amiga, nunca te esqueças! “
Num ringue de luta não queiras ser o activo. Compete analisando sempre a arte
do adversário e, então, defende-te!
- Não vou esquecer.
- Mas olha que isto é em tudo na Vida, não te esqueças!
A Sabedoria está na forma em que no teu silêncio analisas o detalhe mesmo que
isso aos outros possa transparecer ignorância.
- Vamos fazer nosso cházinho?
Nem temos net. Daqui a pouco são horas de regressarmos a outras lides.

無限

O Inverno fora muito rigoroso.


A estação de Verão terminou com a entrada directa de seis meses de Inverno
chuvoso, gélido e triste como se a estação em si fosse prenúncio de algo por
advir.
O Natal fora triste, pois além de já não pagarem o vencimento há 4 meses,
falhavam também no subsídio de férias e de Natal.
O navio estava a afundar-se e os ratos eram os primeiros a fugir.
Trabalho nunca faltava, quer a nível do exterior quer a nível administrativo.
Acontecimentos constantes de roubos aos equipamentos em estaleiros eram a
ordem do dia.
A mediadora de seguros andava num rodopio.
De manhã à noite, telefonemas e faxes constantes deixavam Lis exausta na
recolha de dados para a evolução dos processos a instaurar.
Tudo teria que estar segurado ou a segurar, para não haverem prejuízos.
O maior prejuízo era de quem trabalhava e nada recebia.
Lis desempenhava sempre o seu papel de boa profissional e o facto de saber que
nada mais levaria daquela empresa, senão as boas recordações de Isa e das suas
confidências, labutava arduamente para que um dia saísse de cabeça erguida,
zelando pelos valores que lhe davam dignidade.

無限

- Lis! Esta noite não consegui descansar! Que se passa Isa?

Loucamente
16

- Já viste, estamos em vésperas de Natal, queremos comprar um presente


humilde que seja e até para comer temos que ter quem nos ajude!
- Tem calma miúda, fecha-se uma porta abre-se uma janela.
Nunca percas a Esperança de um amanhã mais sorridente.
Então, o Danny está a dar-se bem com Joel?
- Ele é tão meigo para mim e para o meu filho. Dá-lhe tudo até o estraga com
mimos.
E, não é que o gajito corre mais depressa para os braços dele do que para os
meus?
(notava-se um brilho suave no olhar de Isa)
- Vês amiga! Adora o teu filho. A ti, dá-te tudo e só não te dá o que não tem.
- Pois!....
( Lis sabia que nada conseguiria derrubar a obsessão daquela paixão, mesmo
que o mundo lhe fosse colocado a seus pés).
- Vamos à nossa sopinha?
O tempo está lindo e caminhar só nos faz bem.
Os teus pais gostaram da “tortilha” que lhes levaste ontem?
- Ai! Nem vais acreditar!
- Então porquê?
- Sabes que agora tenho que aprender a fazer?
Maravilharam-se da maneira como confeccionaste tudo aproveitando os restos
do cozido à portuguesa. Agora não vão querer outra coisa.
Olha mandaram-te estas laranjinhas e esta salsa!
- Obrigada. Agradece a teus pais por mim. Não era preciso.
- Deixa-te de coisas e acaba o pão com chouriço para irmos à sopa.
Sol de Inverno! Manhoso… aquece e mata.
E logo ali então! Onde as temperaturas descem durante a noite abaixo de zero e
durante o dia se houver sol excedem os valores normais da estação!
- Ahaha! Olha, olha os gajos a olharem! E as gajas a olharem de revés!
Boa! Gosto disto…
- Não ligues!
Pessoas simples, habituadas a outros costumes, tudo que é novidade é assim. Eu
nem levanto os olhos!
Ai Isa! Viste este fulano que passou agora aqui na carrinha branca?
Que é que ele viria aqui fazer?
- Conheces?
- Sim! Se conheço…
- Fogo! Não perdes uma! Eu bem falava nos três mosqueteiros.
- Como é que trabalhando tão longe veio para estes lados? Os serviços dele são
sempre noutra área que não esta.
E logo nestes caminhos de cabras, que nem ruas nem saídas tem!
Vamos rápido!

Loucamente
17

Vamos comer nossa sopinha quentinha e passar no Feira Nova para ver o que se
pode oferecer no Natal, dentro das nossas economias.
Olha a gatinha à nossa procura. Trouxeste as salsichas?
- Sim claro! Vou ter tanta pena se sairmos daqui. A bichinha vem sempre ao
nosso encontro, seja à hora que for.
Surge sempre de entre as silvas quando nos pressente o cheiro ou a voz.
- Pois, até os animais gostam de carinho.
Podias levá-la. Eu não a levo porque já tenho três gatos e um cão.
- Por falares em cão!
Sabes que o fim-de-semana passado estive com o Joel e o Danny em Seia, na
Serra da Estrela, em casa duns amigos nossos e disseram-nos que a cadelinha
deles vai parir novamente.
Podias ficar com um cachorrinho. Eu vou ficar com um.
É que eles afogam os filhotes à nascença.
-Credo! Então porque o fazem?
- Como o pai dos cachorrinhos também é deles a cadela está sempre a parir.
- Mas podiam mandá-la castrar ou evitar isso. Isso é um pecado.
-Sabes são tão lindos! Raça “pekinois”.
- Não deixes! Eu fico com um e se tiver mais tentamos que alguém fique com
eles.
- Já fico mais feliz.
- Logo vou tomar café com a Paula e já lhe pergunto se quer um.
- Hoje é a tua noite de folga não é?
Vadia!
- Dá para nos distrairmos. Esta vida aqui na empresa, mata-nos.
- Já ouvi dizer que isto ia mesmo fechar.
- É o mais certo! Já viste há quanto tempo não recebemos, os que já foram
embora e os que restamos?
- Nem sei que vai ser da minha vida!
- E eu em casa acho que vou morrer de tédio. Tenho que mandar instalar a net
para me entreter.
- Tens falado com muitos no clube?
- Não. Só envio Flores. Gosto muito de enviar Flores a um “Samurai “ que existe
lá.
Tem carinha de anjo. Bem a foto também está distante mas não é o rosto que
me interessa mas a essência de cada um.
Mas nunca falo com eles quando abrem bate-papo.
Uma vez aceitei e perguntaram-me logo o que procurava ali. Ignorantes. Faziam
melhor se se mantivessem em silêncio!
É lógico que se no perfil diz que o interesse é criar amizades, logo está que não é
para outros objectivos, a não ser que certas mentes reflictam nos outros aquilo
que lhes vai na alma.

Loucamente
18

Vou às salas de chat mas também é só por curiosidade. Nem acho piada
nenhuma. Lá, não há assunto nenhum.
Também o faço só para passar tempo e não me sentir tão solitária!
- Aceita bate-papo e se não te agradar, desligas simplesmente. Faz isso pateta,
nada perdes!
- Oh, para quê? Só quero distrair-me.
- Podes também inscrever-te no hi5.
- Ok, depois mostras-me como isso se faz.

無限

O Natal foi o mais gélido de nossas vidas.


Tristes notícias desencadeavam desânimos e falta de vontade para marcar
presença naquela empresa.
Mas tínhamos que cumprir até ao fim.
Nem o despertar nem a luminosidade da Primavera conseguia dar ânimo.

無限

- Então Isa, porquê esse olhar triste?


- Amanhã é o dia dos namorados e lembro-me tanto do Freddy!
Eu sei que tens razão! Ele não me merece, mas ainda não o consegui esquecer.
- Tem calma amiga, o tempo encarregar-se-á de te ajudar.
Sem Isa se aperceber, Joel tinha ligado a Lis para o ajudar a encontrar uma
solução para se lhe fazer chegar um presente e surpreendê-la no dia dos
namorados.
Lis tinha-o aconselhado, já que a distância que os separava era considerável, a
comprar um livro que ela gostasse e enviá-lo por transporte especial para
assegurar que ele fosse entregue no dia exacto.
- Lis, trouxe bolo que minha mãe fez.
Anda, vem daí provar um pouco. Está uma delícia!
Hoje quero ir ao cabeleireiro na hora de almoço, queres ir comigo?
Lis sabia que Joel queria fazer-lhe uma surpresa e se fossem ao cabeleireiro,
alteraria todos os planos.
- Isa, podíamos ir amanhã! Hoje quero adiantar um concurso na hora de almoço e
ia pedir-te ajuda, pois também preciso de ir tratar do meu cabelo, mas se não
puderes eu compreendo.
- Ok , vamos amanhã!
Não demorou muito que Joel se apresentasse à porta da empresa surpreendendo
Isa, talvez fazendo-a esquecer por momentos a obsessão que tanto a
transtornava.
Isa parecia uma menininha radiante com tantos presentes.
Joel irradiava tanta Felicidade que nada mais via além da sua amada.

Loucamente
19

Quando Lis passou junto deles e para eles sorriu, eles nem se aperceberam.
Lis continuou o seu caminho em direcção à sopinha e Isa e Joel foram almoçar ao
restaurante.

無限

O sol abrasava naquele mês de Fevereiro.


De manhã os campos vestidos de branco soltavam névoas junto ao solo
resultantes dos primeiros afagos do sol, parecendo um infinito véu de noiva que
a mãe Natureza ostentava em toda a sua sumptuosidade.
Lis acompanhava sempre o mesmo cenário dentro do comboio à mesma hora e
com as mesmas pessoas, o desfilar da Natureza que despertava e deslumbrava a
cada dia e, em cada estação, sempre novas sensações.

無限

- Olha só Lis, olha o que Joel me ofereceu!


- Lindo… é um anel de noivado, não é?
- Eu acho que sim, tenho que o mandar apertar, está um pouco largo.
Deu-me também um lindo ramo de flores e mais presentes. Depois mostro-te!
- Fico tão feliz por ti amiga.
- E tu que recebeste?
Lis falou-lhe ao ouvido e Isa sorriu.
- Que lindas rosas vermelhas. Quem tas deu?
- És muito curiosa, não vês que são só três? Achas que se alguém me viesse
trazer rosas me dava só três?
- Podiam ter vindo dentro de um envelope!
- Andas agora armada em bruxinha, é?
- O Freddy nem me enviou uma única mensagem!
Nem um telefonema anónimo! Nem um sinal sequer!
- Esquece anjo, ele não te merece.
Ele só vê ambição, não tem tempo para sentimento, se calhar nem isso tem.
Vais ver que quando se sentir só, desamparado e sem charme, que até nem o
tem, pois o Joel é superior a ele em tudo, menos no dinheiro claro, nessa altura
ele vai lembrar-se que não tem a Isa para lhe enxugar as lágrimas e, tal como diz
o ditado, que há coisas que nunca voltam atrás.
A flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida.
As pessoas ambiciosas são materialistas por natureza e desde logo perdem a
sensibilidade dos valores da essência.
Tornam-se egoístas, falsas, avarentas e manipuladoras, invertendo todas as
situações que não lhes agradam em detrimento dos outros, de modo a
mostrarem-se sempre vítimas de tudo e de todos.

Loucamente
20

Não vês que era raro oferecer-te algo de boa vontade e se o fazia, mais tarde ou
mais cedo atirava-to à cara!
Tudo o que fazes ele manipula a seu jeito invertendo tudo a seu modo.
Tudo isso porque acho que ele no fundo é mesmo nulo e sabe-o e, por isso
mesmo, receia tuas capacidades e valores por os achar superiores.
Por aí vês que o que o atemoriza é a tua superioridade, mas vale-se das tuas
necessidades.
Cobarde!!!
Não chores Amiga, ele não te merece mesmo, mas faz o que te dita o coração.
Eu estarei sempre do teu lado e apesar de ser também amiga do Joel, acho que
deves seguir teu coração, só que deves ser sincera com ele.
Pede-lhe um tempo para tirares tuas dúvidas!
Estarei sempre do vosso lado apoiando um e outro independentemente do que
possa surgir.
- Olha os cãezinhos já nasceram!
- Que bom!
Sabes que ontem estive aqui no Messenger a falar com a Paula e um espertinho
de cá de dentro anulou-me o Messenger depois de eu ir embora?
Não sei que lucram com isto! Estamos todos no mesmo barco a afundar e ainda
continuam com a mesma petulância.
- Não digas! Filhos da mãe!
- Não faz mal, vou-me entretendo com o clube amizade e o hi5.
- Tens encontrado muita gente amiga?
- Nada disso, eu simplesmente ando a tentar entender a mente humana.
Claro que respondo, mas meu intuito é aprender analisando, desnudando-me de
conceitos e preconceitos.
Meu fundamento é mesmo esse. Criaste-me no clube amizade um perfil feminino
e eu criei um outro também, mas masculino.
- Então para quê?
- Para poder confrontar comportamentos, atitudes e valores em geral.
- Mas qual o interesse se não gostas de questionar nada nem ninguém?
- É uma maneira de conseguir entender certas atitudes do ser humano quando se
mostra diferente daquilo que não consegue ser.
Além disso sabes muito bem que eu adapto-me a qualquer mentalidade e no
fundo além de ser um meio de conhecer gente e criar amizades virtuais, fico a
entender também um pouco mais sobre a minha pessoa.
Eu não analiso só os outros, mas tudo, pois a sincronia da existência conjuga em
função das determinantes que se lhe impõem consoante a sua química.
É a Lei da Lógica tangível que abrange todo o Universo, já para não falar na
essência que acompanha o Ser à nascença, reflexo de uma centelha da Fonte do
Saber, que por fugir ao sentido da realidade precisa, muitos se abstêm de
debater.

Loucamente
21

- Mas sabes que na verdade se nunca chegarmos a conhecer uma pessoa


presencialmente e em tempo real, virtualmente será muito mais difícil!
- Pelo que te acabei de dizer, precisamente. Cada ser é particular dependendo da
sua essência e de tudo o mais que o restringe.
- Tu acreditas em Deus, não acreditas?
- Claro, à minha maneira! Sinto que não estou só em mim mesma.
- Como O defines?
- Como um SER.
- Como assim?
- Posso tentar-te fazê-LO sentir à minha maneira o que se calhar para ti é sentido
de maneira diferente.
Ora lê o que tenho aqui, pois só lido se pode entender o significado de
maiúsculas impostas antes de um ponto e palavras com a mesma grafia mas
com conotações diferentes:

無限

“ SER OU NÃO SER “

Ninguém poderá dizer simplesmente que ser ou não ser, eis a questão.
A questão é subjectiva, mais complicada do que possa parecer.
Pode parecer e não ser, pode ser e não parecer.
O Ser foi criado do Nada, do nada que poder-se-á dizer Tudo, pois de um Todo
surgiram as partes de um Tudo que partiu do Nada.
Nada porquê?
Nada, porque nunca se descortinou nada desse Nada que ainda hoje é um
enigma.
Do Tudo, porque é um todo, a parte mais completa e complexa existente como
obra perfeita, desígnio de Deus.
Baseados em tudo e em nada, partimos para o Ser, uma parte do Tudo e do
Nada.
E o Ser e o não Ser passaram a ser simplesmente parte do Todo, Tudo e Nada.
Ser ou não Ser, poderá ter forma e ser, poderá não Ser pela forma que não
apresenta, mesmo assim continuam a fazer parte do mesmo Todo.
Do Nada surgiu a vida, o Ser e o não Ser e, tudo acaba em nada tal como tudo
surgiu.
A obra perfeita da criação, tanto o Ser como o não Ser, fazem parte da origem da
vida.
O Criador, único SER e não SER, apogeu da inteligência e da perfeição, irradiou a
sua magniloquência em todo o universo e os contrastes apareceram.
Da noite se fez o dia, da terra brotou água, do fogo brotou a vida.
Por meditação sistematizou, criou e a Obra surgiu.

Loucamente
22

SER sapiente em psicognosia, pelo SER que é e sempre O irá ser, ao fazer surgir
o Ser, já o SER em Si tinha criado.
E o SER que em Si tinha criado, no SER passou a Ser.
Dotado o Ser de conhecimentos, e o não Ser de propriedades que lhe dão o Ser,
deu graças o Ser, por saber que o SER e não SER, existe em tudo o que possa
não ser e ser.
Cansado o Ser por já nada mais poder ser, já que tudo pôde ser, abandona-se ao
nada que pode fazer. E Tudo volta ao princípio, porque do Nada tudo pode
acontecer.
Do NADA, Nada pôde nascer
mas se do nada, TUDO vier
Tudo pode acontecer
SER ou não SER
só TUDO o pode dizer
se Tudo não puder ser, nada lhe pode valer

無限

- Acho que entendi.


Mas mesmo assim e tal como dizes que todos somos particulares e únicos mais a
realidade da pessoa se torna complexa, pelo menos neste meio virtual.
O que te pode iludir e inclusive magoar.
- Sim, poderá ser.
Mas também sabes que é muito mais fácil confidenciar com quem não se
conhece, do que com quem já nos conhece e pode valer-se do que pensa saber
sobre nós, em tempo de fraqueza.
Além disso, isto é um campo que com o tempo nos vai dando margem de
analisarmos se a pessoa é constante no que diz ou, se para escrever pensa e não
sendo espontânea logo poderá transparecer premeditação ou manipulação.
Enfim!
Acho inclusive que por detrás desta cortina virtual se encontra muita gente boa,
frágil e magoada, esperando em alguém afinidades de valores, ou mesmo até
quem, com um simples “bom dia” no dia a dia a faça sentir-se que é especial e
consiga atingir o ânimo que até então lhe fora roubado pelas circunstâncias da
vida.
Estou pronta para a desilusão se for o caso e fico feliz por saber que mesmo à
distância com uma simples palavra posso animar alguém.
Sabes que muitas pessoas cansadas de não terem quem os ajude a ultrapassar
momentos difíceis, recatam-se na solidão transformando-se e perdendo-se por
completo.
Depois tornam-se vazias, anti-sociais, amargas e tendem a piorar se não houver
uma luz que os tire do fundo do poço.
Nem todos temos a mesma coragem, não é?

Loucamente
23

- Tens cá uma paciência!


- É amiga, temos que velar pela Paz e estabilidade de todos se pudermos. Para
mim não é uma obrigação, mas sim uma dádiva de Amor.
É o papel que me destinaram antes de chegar à Terra, se lhe quiseres chamar
obrigação, destino, missão…
Mas também te digo, se ao fim de muito tempo não houver cooperação, saio
humilhada e deprimida de uma amizade ou relacionamento, convicta que de
facto se a semente que o ser contém não tiver boa essência, também não somos
nós que lhe conseguimos alterar o gérmen.
- Sabes que já andam a assinar os papéis para o fundo desemprego?
Que vai ser da nossa vida Lis?
- Amiga, vive um dia de cada vez. Agora vamos para casa descansar tudo isto
que nos tem afectado.
A minha Amizade é eterna, pelo que sempre que quiseres é só falares comigo ou
marcarmos encontro.
Entre nós nada mudará, nunca até que tu o desejes.
Olha, repara agora como os maus da fita passam com o rabo entre as pernas!

無限

Os que restavam naquela empresa passavam de cabisbaixo com receio de


transparecerem a tristeza espelhada em seus olhares.
Não pelo afastamento que se impunha na vida de quem lá trabalhava e tinha
criado amizades, pois para Lis nunca tiveram o melhor procedimento, mas por
vergonha de verem que afinal ninguém conseguia fugir ao caos.
Quando perante uma catástrofe as pessoas tomam consciência da fragilidade
humana, de que ninguém sai ileso, torna-se por demais evidente que todas as
desigualdades impostas tendem a desaparecer quando a realidade se nega a
apresentar sob outra forma.
“Prepotência, egocentrismo, falta de respeito, insensibilidade, cobardia”, enfim
valores levianos do homem que não acredita em Deus, mas que na hora da
aflição clama seu nome.

無限

O tempo começava a aquecer.


Viam-se agora botões coloridos que brotavam dos galhos das árvores
impiedosamente desnudadas por um Inverno tão violento.
A Esperança renascia novamente desabrochando o ânimo nos espíritos mais
vulneráveis.
Já não se viam campos, casinhas, rebanhos e colinas que pareciam correr através
da janela de uma carruagem.

Loucamente
24

O alvorecer tornava-se ameno e, nos campos que circundavam as redondezas


viam-se pastos de ovelhas e escutavam-se lindas melodias dos pássaros que
anunciavam a Primavera.
Os primeiros raios de sol que atravessavam a persiana de Lis acariciavam o seu
rosto e despertavam-na para a realidade.
- Ai que preguiça meu Deus! Para quê levantar-me se não tenho compromissos?
Para quê acordar e ver a dura realidade?
Para quê levantar-me se estou numa casa que não é minha, que nem sequer
amigos ou pessoas de família posso convidar, que tenho que limpar o que os
outros sujam porque não cuidam.
Para quê?
Nãooooooooooooooooo!!!!
E virando-se novamente para o lado oposto, adormeceu em busca de sonhos
melhores.
- Onze horas! Que vergonha, para quem se levantava sempre às seis da manhã.
Mas também tenho todo o tempo do mundo!
Após cuidar tudo o que era imprescindível, Lis dirigiu-se para o computador em
busca de empregos Online uma vez que os do jornal saíam sempre infrutíferos.
- Nada!
Que aborrecimento. Deixa-me ver quem encontro no hi5!
Ao menos isto para quebrar a melancolia já que no próximo fim-de-semana vou
com a Paula para a Serra da Estrela.

無限

- Não te esqueças de levar o roupeiro todo! (gracejava Paula ao telemóvel)


- E tu não te esqueças de ir bem agasalhada. Lembra-te que na serra da Estrela
deve estar tudo branquinho (respondia Lis)
Já sabes! Eu levo os víveres. Vou surpreender-te.
Ah, e apesar da neve leva o biquini, para desfrutarmos a piscina.
- Combinado! Amanhã já sabes às 10h em tua casa.
Como combinado Lis e Paula partiam à hora combinada.
- Amiga, posso meter as minhas coisas na tua mala? (perguntava Lis)
- Claro.
- Ena, que é isto?
Dizes-me para não trazer o roupeiro e trago meia dúzia de coisas que mal cabem
aqui?
Para onde vais afinal???
Desataram à gargalhada.
O dia estava luminoso, prometia uma bela viagem uma vez que Paula era serena
na condução e sempre bem disposta.
Ligou o rádio em alto som e aí vão elas cantarolando, em direcção a Seia, Quinta
do Crestelo, encaminhadas por um estúpido GPS que as fazia percorrer os

Loucamente
25

caminhos mais longos chegando ao ponto de numa certa rotunda andarem cinco
vezes às voltas.
Mal chegaram à quinta colocaram as coisas nos devidos lugares e foram de
imediato para a piscina interior.
- Que maravilha, (dizia Paula) está mesmo quente.
- É costume.
- Costuma a vir muita gente para aqui?
- Esta semana está super lotado. Arranjei este apartamento por conhecimento de
alguém da quinta, pois eu e a família somos clientes há bastante tempo.
Esta semana vai haver um casamento mas é na parte superior, no restaurante
junto às camaratas.
Amanhã com mais tempo vamos visitar a quinta. Vais adorar ver os cavalos à
solta, os rebanhos, as piscinas exteriores, os campos de jogos, tudo...
Amanha mostro-te tudo ao pormenor.
- O casamento é depois de amanhã?
- Sim, é no Domingo!
- Então podemos ir à festança.
- Tolinha!
- Já que estamos só as duas na piscina podíamo-nos pôr à vontade.
- Como assim, Paula?
- Despirmo-nos.
- Eu retiro só a parte de cima!
- Eu não! Vais ver, vou ficar toda pelada.
- Doida. Veste-te, vem aí gente…
Ao ouvir ruídos, Lis colocou de imediato o biquini e Paula aflita já nem dava com
a parte de baixo.
A porta abriu-se e uma senhora que vinha ver as instalações ficou sorridente a
apreciar o panorama enquanto que Paula e Lis continuavam a nadar como se
nada se passasse, até que ao fim de algum tempo se foi embora com o mesmo
sorriso nos lábios.
Era hora do lanche.
Enquanto Paula tomava banho na banheira Lis preparava uns bons petisquinhos.
Salpicão, azeitonas, presunto, queijo curado, camarões, batatas fritas, vinho
verde tinto, espumante Tosti, um lanche leve para de novo poderem frequentar a
piscina à noite.
Visitaram a sala de ginástica, a de jogos, a sala de estar, a biblioteca e a Internet
que se encontrava à mercê de todos.
Tinham combinado no dia seguinte quando se levantassem irem buscar pão
fresco ao hipermercado das proximidades e tiras de porco para assar na brasa.
Não faltavam toros de madeira e fornos ao ar livre para quem quisesse fazer
piqueniques ao ar puro da natureza.
Uma Quinta cinco estrelas. Decorada ao pormenor e com todo o conforto
possível.

Loucamente
26

Recuperada de uma velha herdade, agora parecia um solar.


O apartamento era super confortável, com lareira, aquecimento por caldeiras, TV
cabo, micro ondas, frigorifico, telefone e todas as condições de qualidade.
As limpezas eram feitas diariamente pelas empregadas que colocavam novos
lençóis e toalhas e faziam limpeza ao apartamento.
Nada havia a questionar.
Era um pequeno fim-de-semana a ser passado com grande qualidade que jamais
se desvanecerá de suas memórias.
Quando o sono começava a bater à porta, Lis e Paula antes de se deitarem
andavam à guerra da travesseira e, quando apagavam as luzes, para fazer mais
suspense, começavam a contar histórias de bruxas e fantasmas.
Paula arregalava os olhos e dizia:
- Cala-te! Vamos mas é dormir senão só tenho pesadelos.
Ainda às escuras, Lis levantava-se pé ante pé e envolvida num lençol branco
fazia-se passar por fantasma.
Era só gargalhada e boa disposição ignorando o desconforto que pudesse causar
ao vizinho do lado que talvez já estivesse em descanso.
Já eram altas horas da noite, quando por fim adormeceram envolvidas por um
cansaço saudável de tanta diversão, aventuras, gargalhadas e conversa sobre o
comportamento do “Homem”.
Não era comum acordarem cedo, contudo, talvez a ânsia de quererem explorar o
resto da quinta, visitarem a serra e expandirem suas aventuras, acabaram por
acordar mais cedo do que o habitual.

無限

- Lis, amiga! Já viste as horas?


Nem quero acreditar. Oito horas!
- Tão cedo ainda?
Vamos dar mais uma voltinha na cama e passar um pouco mais na moleza.
Cobriram-se novamente e acordaram por volta das 10h.
Foram buscar pão fresco para quando saíssem da piscina tomarem o pequeno
-almoço e, então irem jogar raquetes, explorar o resto da quinta e conviver com
os animais.
Sempre que passavam pela recepção namoravam o recepcionista para lhes
oferecerem meia dúzia das belas cerejas expostas em cestinhos de verga, mas
estes limitavam-se a oferecer-lhes rebuçados.
Eram cerejas enormes de um vermelho intenso em forma de coração que faziam
crescer água na boca!
Mas estavam simplesmente à venda.

無限

Loucamente
27

O dia estava luminoso e ameno.


Sentia-se no ar o cheiro a pinheiros, eucaliptos, jasmim e alecrim enquanto que
os pássaros cantavam felizes em louvor à natureza.
Viam-se árvores de fruta de toda a espécie que ladeavam as piscinas e os
apartamentos e, enquanto os animais tiravam proveito dos belos pastos e da sua
liberdade, nascentes de água cristalina corriam dominando tudo o que
encontrassem pelo caminho.
A uns curtos passos em evidência, a mais elevada serra de Portugal.
A Serra da Estrela.
Após umas braçadas naquela piscina que mais parecia uma sauna, Lis e Paula
tomaram o pequeno-almoço e foram visitar o museu do pão.
Tiraram fotos, exploraram as redondezas, sentaram-se na Cabeça da Velha para
poses e mais poses e, por fim de regresso, foram tomar banho e fazer o jantar.
Apartamento por excelência onde nada faltava todo feito em pedra, com uma
lareira ao canto cheio de lenha apesar do apartamento já oferecer temperaturas
que davam para andar seminua.
- Hoje sou a primeira a ir tomar banho, disse Lis.
- Vai lá então enquanto eu vejo este programa na TV. Adoro desenhos animados.
Só se ouvia a TV e a água do chuveiro a correr quando de repente Paula muito
assustada escancara a porta do quarto de banho para trás.
- Credo, que aconteceu? Ria-se às gargalhadas.
- Olha, comecei a patinar, agarrei-me à cortina e o varão caiu-me em cima.
- Puxa! Estás bem?
Desataram à gargalhada.
Enquanto Paula ia tomar banho Lis ia fazendo o cozinhado favorito da amiga.
Massa com bacalhau.
A mesa estava abundante, nada faltava.
Paula gostava tanto daquele cozinhado que repetiu por três vezes um
enormíssimo prato cheio, como se estivesse em jejum há anos.
O vinho não podia faltar.
Quando deram por ela já a garrafa estava vazia, de modo que a mais pequena
palavra proferida era o suficiente para parecer uma anedota e desencadear
gargalhadas estridentes como se uma grande comédia estivesse em cena.
Depois de tudo arrumado, conversas de mulher e uma sessão de filme que
passava na TV, já começavam a sentir o sono a bater à porta.
Eram horas de descanso.
Contudo, Paula não se sentia bem.
- Olha para a minha barriga Lis (dizia Paula estendida na cama).
- Lis olhava mas pensava que a amiga ainda estava sob efeito do vinho e fazia
muita barriga, ou se calhar bebeu ar a mais e teria que aturar uma noite de
tempestade.
- Já viste? Pareço uma grávida de oito meses!

Loucamente
28

Na verdade Lis mesmo com sono, ainda abriu mais os olhos não estivesse
também ainda sob efeito do vinho.
Ela tinha razão. Era uma barriga enorme e dura.
Também quem a mandou ser gulosa?
De um salto Paula pôs-se de pé e foi até ao exterior dar uma volta.
A noite estava escura e fria e Lis não sabia o que fazer.
A amiga ainda se ia perder no meio dos arvoredos e na noite anterior tinham
falado de fantasmas.
Colocou um casaco por cima do pijama e foi à procura da amiga.
- Paula….onde estás? Tentava não falar muito alto para não alvoraçar ninguém
(parecia mais um gato a miar)
Ainda andou um bom tempo à procura dela, regressando então as duas a
tiritarem de frio.
Acabaram por fazer um chá e então adormeceram serenamente.

無限

O dia do casamento a festejar, apresentava-se um pouco húmido.


Uma chuva miudinha irrompera naquela manhã.
Era o dia da despedida na Quinta do Crestelo e como não poderia deixar de ser,
ainda havia o cume da serra para visitar.
Estava um clima muito frio, húmido e ventoso, de maneira que a visita foi rápida.
Não havia o encanto da neve que torna tudo mais divertido, de modo que o
regresso foi feito serenamente a casa do mesmo modo que aconteceu com a
partida.
Fim-de-semana maravilhoso.

無限

De regresso a casa, voltava-se de novo à monotonia.


Dias sempre iguais, sempre a mesma rotina, novidades nenhumas.
Voltava-se ao marasmo.
Isa ia até ao hi5 agradecer e retribuir os carinhos recebidos e ao Messenger onde
falava com Isa, Paula e Flor uma amiguinha muito íntima.
Flor era uma mulher muito humilde, mas quem a via não pensava da mesma
forma.
Era muito atraente e sensual e de uma forma generalizada, ninguém, pelo menos
da parte masculina se interessava pelo interior.
Bastava o que os olhos viam e o que os sentidos pudessem desfrutar.
Doce, fiel, verdadeira e transparente, pois o que sentia dizia logo, seria este o
defeito virtuoso que muitas das vezes colidiria com quem gosta de ser bajulado
com mentiras e falsas ilusões, e, quando subtilmente se achava a descoberto por
Flor, reagiria da pior forma possível manipulando seus sentimentos o que

Loucamente
29

constantemente constrangia Flor, forçando-a a recatar-se na solidão e a restringir


seu círculo de amigos.
Recatava-se no silêncio por ser alvo de crítica de suas atitudes ao entender e
tentar exemplificar que só com o Bem se poderia construir a Felicidade e a Paz,
insistindo as vezes que fossem necessárias, quando os outros se limitavam
simplesmente a retratá-la de “ingénua”, não no sentido lato da palavra, mas num
acto mais depreciativo para os tempos que correm.
Por incrível que pareça é o género de mulher que todo o ser humano gostaria de
ser mas se cansa com facilidade, pois na Vida é mais fácil sustentar o que se vê
em busca do prático e do vantajoso, que a filosofia da solidariedade.
O conceito de Flor era que se Deus fez o Homem à sua semelhança e nunca
igual, o ser humano por muito que tentasse, nunca encontraria ninguém igual a
alguém, ao que se possa chamar de “alma gémea”, mas simplesmente com
afinidades em seus valores.
Tentara toda a vida encontrar alguém capaz de reflectir sua imagem sem ser
reflexo do seu Eu, cultivando a Amizade verdadeira e semeando o Amor.
Decepcionada com a curta efemeridade dos mais nobres valores que muita gente
tenta ostentar com uma certa elegância, recatava-se à solidão e nada mais se
sabia a seu respeito, senão o que confidenciava a Lis, por com ela se identificar
ao ver-se distintamente reflectida em seu olhar.

無限

- Ai Lis. Hoje estou tão feliz!


- Então amiga, que te fez baixar à Terra?
- Estou apaixonada.
- Tu? Conta lá para ver se me acredito!
- Conheci através da net um fulano que é um verdadeiro cavalheiro.
Chama-se Beijamim e, o que me fez aproximar dele, é a luta constante no dia a
dia pela sobrevivência e o respeito que apresenta em seus diálogos.
A princípio não lhe ligava muito.
Como sabes sou um pouco recatada e receosa que machuquem meus
sentimentos e como ele utilizava com frequência o termo “ahahahah” talvez para
evitar uma resposta de imediato, temi que fosse simulado.
Depois aos poucos fui-me apercebendo que fazia isso para se proteger, tornando-
se reservado, talvez com desconfiança pelo que na vida já havia passado.
- Na net, amiga?
- Sim. No clube amizade.
Como é de muito longe e não havia perigo de sedução ou atracção física, aceitei
teclar com ele e até dei meu número de contacto para enviar mensagens sempre
que precisasse de uma palavra amiga nas horas de melancolia.
Sei o que é a solidão!
Como é divorciado está a passar uma fase crítica em sua vida.

Loucamente
30

Nunca lhe perguntei nada, sabes que sou discreta.


Mas olha Lis, gostava de te contar tudo olhos nos olhos para acompanhares a
minha emoção.
- Pois Flor, eu sei que a distância separa olhares e não corações, mas gostaria
muito de te encontrar novamente para viver através do teu olhar a tua felicidade.
Também quem te manda seres do interior?
- Que dizes na próxima semana encontrarmo-nos?
Depois conto-te tudo e assim também passo uma semana contigo!
- Combinado Flor! Fica assente. É da maneira que vais comigo para a praia.
Fico ansiando nosso encontro.
Beijinhos.
Lis adorava Flor. Achava-a pura, singela, humilde, Amiga Verdadeira, quase que
se sentia porção da mesma partícula.
Tal como o Ouroboros é o símbolo da Eternidade, Flor e Lis seriam o símbolo da
Amizade Eterna.

無限

Aurora estendia seu manto rosado sobre a face da Terra desnudando o sol que
com seu sorriso luminoso abraçava tudo e todos.
A Natureza despertava em todo o seu esplendor e a sintonia do espaço era
uníssona.
Chilreios, ruídos de insectos, desabrochar de flores, movimentos despertos.
- É hoje! (Balbuciou Lis ao despertar)
Hoje vou abraçar novamente Flor.
Que saudades que eu já tinha de estar com ela e abraçá-la.
Semi ergueu-se e desatou à gargalhada.
A bola de cristal que deixara durante a noite de Lua Cheia ao luar, dentro do
copo de vidro submersa em água para libertar os maus fluidos, Nina entretinha-
se a saboreá-la.
- Pestinha! O que te vale a ti é seres uma gata e a ti nada te afecta símbolo da
sorte.
Vieste anunciar-me algo?
Após ter arrumado tudo, Lis pegou na bola de cristal e colocou-a no seu pedestal
rodeando-a com o seu amuleto.
Acreditava no seu significado pois desde criança que o usava para se defender
espiritualmente e renovar suas energias.
Simbolizava o mistério da Criação, sistematizada pelos Quatro Elementos (Terra,
Água, Fogo e Ar) ao quinto Elemento, a Quintessência também chamada de
Fluido Universal, Primitivo ou Elementar, Princípio que confere à Matéria a
qualidade que a define.
Representava também o Ser Humano numa pose vitruviana, com os pés assentes
na terra em missão por cumprir (aperfeiçoamento do espírito-reencarnação

Loucamente
31

-karma-lei da causa/efeito), os braços abertos em cálice recebendo as provas


para seu aperfeiçoamento e louvando por as conseguir ultrapassar e, a cabeça
erguida para o Infinito de modo a receber todos os fluidos da Quinta Essência, a
Espiritualidade, a Verdade e o Conhecimento.
Escusado será avançar nesta concepção, assunto complexo e alvo de
contestação segundo cada ideologia, atributo latente na base da espiritualidade
que cada um contém e possa despertar na busca constante para o
aperfeiçoamento do que há de mais sagrado e puro no âmago da sua essência,
para chegar à sua ascensão.
Faltava o toque final!
O aroma do “Miracle” que definia Lis.
Por onde flutuasse este perfume, Lis marcava a sua presença.
De passo singelo e sereno, Lis estendia seu olhar na direcção do Sol de onde
surgiria Flor com seu sorriso angélico exaltando sempre Esperança.
Parou frente a um jardim tocando subtilmente nas pétalas de uma rosa enquanto
se deixava embriagar pela sintonia da Natureza e pelos raios de sol que a
acariciavam, entregando-se a outro tirocínio de sensações.
Lis parecia estar ausente.
Soavam passos de pessoas apressadas que se atropelavam, vozes que se
confundiam, ruídos de buzinas que estropiadamente troavam na atmosfera, mas
nada parecia impressionar Lis.

無限

- Lis, minha selvagenzinha!


-Floooooooooor. Que bom novamente juntas!
Nem dei pela tua chegada!
- Pois não Amiga. Estavas tão ausente.
Como sempre, no teu mundo!
- Pois! Anda daí Flor temos que pôr a nossa conversa em dia.
Vamos almoçar aqui próximo e depois se concordares vamos até ao Parque.
-Sim! Vamos daí!
- Teus olhos brilham Flor!
Descobriste o pote do arco-íris?
- Ai Amiga, estou apaixonada!
Beijamim é o tipo de homem ideal que tanto precisava para minha vida!
Leal, sincero, humilde, trabalhador, confiante, meigo, sensível e respeitador.
- Espera aí! É o tal da net que é divorciado?
- Sim esse mesmo!
- Tem cuidado!
Se é divorciado e tem esses atributos todos, porque foi desconsiderado quando
é digno de um amor imortal?

Loucamente
32

Quem não te garante que simplesmente está a tentar mostrar aquilo que não
consegue ser com objectivo próprio, para voltar a ser o que era e, não passa de
uma ilusão?
- Espera amiga, ele nunca me pediu nada!
Olha, vem aí o empregado. Eu quero filetes de pescada e tu?
- Também! Adoro.
- Como te estava dizendo, apaixonei-me precisamente pela singeleza e beleza do
seu interior.
Inicialmente após lhe ter facultado o Messenger trocávamos palavras.
Como eu não queria criar intimidades vezes havia que o bloqueava, pois sempre
que eu entrava, lá estava ele a abrir diálogo.
Sabes como sou! Como os gatos, por isso os adoro.
Tenho de ser eu a conquistar aos poucos e não gosto que invadam meu terreno e
ele era de manha e à noite.
Sabes que a net embora seja um ambiente muito próximo da realidade pois nele
nos inserimos e vivemos constantemente despoletando sentidos e emoções, não
deixo que intercepte o meu quotidiano.
Inscrevi-me no hi5 e no clube amizade por curiosidade.
As amizades assíduas, seus comentários e carinhos despertam-nos sensações de
quietude e eu estava a sentir-me muito só.
O Beijamim, aos poucos foi despertando em mim o que eu julgava adormecido.
A credibilidade no ser humano!
- Fico feliz Amiga.
Olha, queres sobremesa? Eu só quero um café.
- Pode ser para mim também.
- E então como é que te apaixonaste assim sem contares?
Para mais, virtualmente?
- Quando estive de férias, o Beijamim comentou o número de dias exacto que a
mim me tinha passado despercebido, dizendo que já estava cheio de saudades
minhas.
Reflecti, e na realidade, ele contara-os pelos dedos.
Senti-me grande Lis!
Senti-me Especial como já há muito tempo não me sentia e deixei de o bloquear
como o fazia.
Passei a admirá-lo ainda mais e a deixar-me cativar acabando por entender
quando ele disse que era diferente dos outros.
- Ah, sim! Diferentes são todos, mas nunca ninguém mais que alguém, até
porque as qualidades não se manifestam por palavras, mas por atitudes.
- Nossos diálogos são sempre simples.
- Espera Flor! Eu estou a escutar-te, sabes que o que dizes nem uma palavra se
me escapa.
Olha que lindas flores azuis estão no meio do jardim envoltas pelos amores-
perfeitos!

Loucamente
33

- São flores-de-lis, conheces?


Sabes o significado do hermetismo delas? Tem muito a ver connosco! Consulta a
net e logo verás.
Vou colher uma para ti em nome da nossa Amizade Eterna.
- Obrigada minha querida, vou colocá-la dentro do meu livro “Sempre contigo”,
para que fique como símbolo da nossa Amizade.
Agora vais contar-me o resto, pois estou ansiosa!
- Com o passar do tempo e de tão nobres valores tal como o respeito, a
sinceridade e a humildade, que prezo acima de tudo, um dia disse-lhe que se
havia alguém que eu não receava por importunação era ele e, por tal motivo,
tomaria um café com todo o gosto com ele, coisa que nunca fizera antes
chamem-lhe aventura ou proeza.
- Ena Flor, estás a sair-te da casca!
- Acredita Lis! Para mim era como se já o conhecesse de há muito tempo tal foi o
modo contínuo e delicado que ele moldou meu sentimento sem eu me
aperceber.
- Estou a gostar. E…
- Um dia no Messenger foi sincero!
Como já nos havíamos cruzado na camera várias vezes, disse-me que como
homem eu tinha despertado os seus sentidos.
Eu alimentei esse sentimento e um dia encontramo-nos.
- Não digas!
Jura! Conta! Conta tudo para mim Flor, como se estivesses confidenciando com a
voz da tua consciência.
Quero saber todos os detalhes e sorver de ti a felicidade que te invade Amiga.
- Não sei se ia radiosa ou não, pois a noite que precedeu nosso encontro
envolvera-me em pesadelos.
Cenas horrorosas! Era lançada contra a parede por alguém invisível e
reconhecia-me toda em pedaços espalhados pelo chão.
Cheguei a sentar-me na cama apalpando meu corpo para me certificar que não
passava de um mau sonho.
Acho que pouco ou nada dormi nessa noite!
Mas sabes como sou! Minha palavra é a minha fiel imagem. Íntegra.
Podia ir com um semblante pesado e até nem gostar de ver meu reflexo no
espelho, mas mesmo assim não hesitei!
- Espero que não fosse nenhum presságio, mas conta Flor, senão pões-me
nervosa de tanta ansiedade.
- Pois Amiga, combinamos encontrarmo-nos às 11 do dia 11 …
À hora certa eu já me encontrava no local combinado, mas como o tempo estava
a passar e não o avistava liguei-lhe para o telemóvel.
Atendeu e disse que era mais meia hora pois estava preso no trânsito.
De início fiquei muito nervosa e pensei: Será que se arrependeu?
- Ai Amiga!

Loucamente
34

Que nervosismo e veio?


- Sim! Eu estava ao fundo de uma longa galeria do shopping quando na entrada
surgiu um homem de cabelos claros meio curtos e óculos de sol descidos sobre a
testa, a passo largo e inclinado como se de um único passo pudesse transpor a
distância que nos separava. Acenou-me mal me viu.
- Que emoção Amiga, não caíste para o lado?
- Quase!
Quando chegou à minha beira cumprimentou-me e exclamou:
- Reconhecer-te-ia nem que fosse no fim do mundo.
Que alta que és! Meu Deus!
E sorrindo dirigimo-nos para o café mais próximo, para amenizar o clima de
nervosismo entre ambos.
Aí Beijamim contou sua vida.
- E tu não falavas? Não dizias nada Flor?
- Sabes que sou muito discreta Amiga. Além disso, Beijamim à primeira vista fez-
me recear.
- Como assim, não o conhecias já da camera?
- Sim, sim, sem dúvida, não é a mesma coisa e não sei qual o impacto que nele
também criei.
Contudo, o que mais me assustou foi o seu olhar profundo e sem brilho.
Enquanto que o olhar impenetrável ocultava um vazio em sua alma, a tez
macilenta de uma solidão imposta reflectia a sua amargura como se um grande
desgosto estampasse.
- Ai Amiga e tu com as tuas psico análises! Estás a assustar-me.
Não receaste que ele estivesse doente?
- Não me assusta a fisionomia, pois sabes que o Belo para mim é relativo,
mediante o que a alma possa esconder por detrás de um corpo e se estivesse
doente e me contaminasse, todos temos de morrer de qualquer maneira.
- Credo, tu e o teu amor incondicional!
- Então Beijamim desabafou o que eu com o olhar tentava descortinar.
Referiu que já estava divorciado há quatro anos e falou sobre o desfalque que o
seu sócio dera à empresa, pessoa que ele tanto acreditara e escolhera para sua
parceria.
Já há três anos que anda a pagar uma dívida para a qual terá que trabalhar noite
e dia até concluir para limpar seu bom-nome.
Teve a delicadeza após esta abordagem de me perguntar se eu queria prosseguir
com a amizade e o objectivo do nosso encontro, receoso que algo me tivesse
desiludido.
- E tu?
Se bem te conheço, a bondosa Flor se não chorou piedosamente na altura por
comiseração, abriu as asas e transportou-o ao infinito.
- Não brinques Lis. Sabes bem que com os sentimentos não devemos brincar.

Loucamente
35

- Claro que brinco tontinha! Contigo pode-se brincar à vontade pois percebes
mas nunca levas a mal.
O teu amor absoluto em defender alguém do infortúnio, ou abraçares a causa
que te abala moralmente, leva a que me perdoes também este minha ironia ao
querer defender-te do que te possa iludir.
Eu amo-te como a mim mesmo Flor ou já esqueceste isso?
Amigas inseparáveis!
Não te quero ver de novo recatada na solidão por falta de Esperança no Amor ou
já te esqueceste?
- Lis, eu tenho que acreditar novamente no amor!
Eu sinto que Beijamim é essência da minha.
Mesmo distantes, comunicamo-nos por sintonia projectada no universo.
Ele é um anjo que neste momento está precisando que o elevem novamente e eu
não vou deixar de o fazer, mesmo que isto não passe de uma ilusão.
- Depois não digas que não te avisei, meu anjo.
Só te quero ver feliz com tudo o que mereces por aquilo que semeias.
- Obrigada Lis, eu sei que sem ti nada sou.
- Amiga, vou fazer o nosso jantar e logo à noite enquanto o sono não desperta
falamos mais um pouco da tua Odisseia.
- Posso ir ao teu messenger falar com o Beijamim?
- Claro Amiga, que podes. Está à vontade, é todo teu.
Mas depois minha menina, quero saber o resto.
- Obrigada, vou namorar um pouco.
O Amor deve alimentar o Amor para que este nunca pereça.
- Claro que sim, senão não teria lógica de ser. Vai lá!

無限

- Olá Beijamim! Como estás meu amor?


- Bem e tu meu amor?
- Que saudades Beijamim! Obrigada pelas respostas aos comentários que te
enviei no hi5.
- Não tem de quê.
- Estou uns dias com a minha melhor amiga, Lis.
Amiga do peito e da alma, minha eterna confidente e falei-lhe do meu amor por
ti.
- Falaste?
- Sim, acho que não tem mal!
Tudo que é Verdadeiro e dá vida à Vida, devemos dar exemplo.
Te incomoda?
- Claro que não minha querida!
- Vim passar uns dias com ela, estava a precisar.

Loucamente
36

Quando queremos confidenciar algo uma à outra, tornamo-nos na razão de ser


uma da outra. Entendemo-nos muito bem.
Somos uma para a outra como o espírito é para a inteligência.
O atributo principal.
Bem, vou jantar, só queria que soubesses que te adoro e deixar-te um universo
cheio de beijinhos.
- Vai lá meu amor, beijos doces.
Te amo loucamente.
- E eu Infinitamente e Sempre.
Beijos até já meu amor.
- Até já meu amor.
無限

- Então Flor! Já mataste saudades?


- Hum! Que cheirinho! Já se come.
- Então? Já tiraste saudades?
- Sim! Sou mesmo apaixonada por ele. Depois de arrumarmos conto-te o que
tanto queres saber, sua curiosa.

無限

A noite estava quente e convidava a uma passeata ao ar livre.


- Olha para o Universo Lis, que noite maravilhosa!
Quem me dera que o Beijamim estivesse aqui para passearmos de mão dada.
- Amiga estás a dispensar-me?
- Ah! Sabes bem que não. Podemos sempre estar os três.
- Mas afinal, o resto da tua aventura? Deixas sempre para o fim a melhor fatia do
bolo.
- Calma Lis! Para se saber valorizar tem que se saber saborear.
Beijamim!... Beijamim!...
- Então? Estás com ele, ou estás comigo Flor?
- Amiga, sabes bem que estou SEMPRE com vocês dois. Só estava a tentar
retomar a nossa interrupção.
Se bem me lembro, estávamos na cena do “break the ice” tomando café, quando
Beijamim me contou parte das suas desventuras e tu, minha “Doce Amiga”,
estavas a gozar com a minha pessoa, apelidando-me de ingénua, num tom
depreciativo!
- Nada disso Flor! Estava a brincar contigo. Também não podes levar tudo a sério
e nos sentimentos tem cuidado, pois é impossível acharmos alguém igual a nós
mesmas.
- Eu sei Lis e sei que queres o melhor para mim, mas também sabes que o Amor
é cego e quem mal não faz mal não cuida.
Bem, passo a narrar:

Loucamente
37

Após o café caminhamos um pouco, fomos almoçar e seguimos para o hotel.


- Conta, conta rápido!
- Calma, tudo foi com muita calma, como se de um conto de fadas se tratasse.
-E…
- E lá, Beijamim suavemente beijou-me os ombros.
Frente a frente caí na realidade.
- Como assim? Já sabias o que ia acontecer!
- Pois, mas nunca me passou pela cabeça que um sonho de uma aventura
pudesse tornar-se realidade.
- Não digas que te recusaste!
- Não Lis, por amor de Deus! Achas que voltava com minha palavra atrás?
Podia ser a pessoa mais miserável do mundo, que eu jamais iria magoar os
sentimentos de alguém.
Tratava-se de um ser humano com quem eu tinha criado afinidades por o achar
íntegro e maravilhoso. Em minha essência já o amava.
Simplesmente, era a primeira vez que me estava acontecendo estar frente a
frente com um homem que me ia tocar pela primeira vez, em circunstâncias
nunca antes decorridas.
Senti-me envergonhada simplesmente!
Mas Beijamim foi muito delicado. Sentou-se na beira da cama, estendeu-me a
mão e convidou-me a sentar também.
Disse-me para não estar nervosa pois se eu quisesse nada aconteceria e
ficaríamos ali somente a conversar.
- Quero conhecê-lo!
- Com o tempo vais conhecer o Beijamim que eu amo.
Não sei como aconteceu, mas quando demos por ela estávamo-nos a beijar.
- Que bom, Amiga! Estou tão feliz. E….
- Beijamim beijava-me os ombros como se fosse um beija-flor.
O toque dos seus lábios era húmido, quente, sensual.
Delicadamente fazia descer as alças do meu vestido, uma de cada vez como se
subtilmente desfolhasse uma flor, pétala por pétala.
-E tu?
- Indescritível! Enquanto que meu corpo escaldava, minha alma se derretia em
deleites de magia.
Mais um pouquinho, deslizando seus dedos de anjo sobre minha pele, beijou meu
seio pequenino sedento de tanto amor.
- Quem me dera ser mosquinha.
- Sente-o através de mim Amiga!
- E depois? Conta!
- Como? Não sei. Meu vestido deslizou como lágrima rolando pela face tombando
no chão sem o mais leve ruído.
Num frémito gemido de prazer e loucura nossos corpos conjugavam a mesma
melodia onde o Universo era o limite.

Loucamente
38

- Que lindo, fico tão feliz por ti Amiga! E chamas-me tu de selvagem!


Tu, é que me saíste uma boa selvagem!
Mas então porque choras se estás tão convicta que ele é a tua felicidade?
- Não sei. Talvez de felicidade, talvez com receio que seja efémero.
- Mesmo assim Flor, tira partido do momento. Tens que aprender a retirar o mel
do cálice.
- Mas eu não quero amor por um momento, mas sim ser amada como amo de
corpo e alma e para sempre.
- Lembra-te que na Vida nada permanece e tudo se transforma, até as atitudes
das pessoas.
- Estamos a falar de Sentimentos Lis, embora sejam inerentes às qualidades de
cada pessoa.
O meu é verdadeiro, não se desvanece!
O sentimento do Amor em mim não se perde, não se transforma e permanece
porque é essência. Emerge espontaneamente, não é efeito se não me
destruírem. É impoluto!
- Eu sei Amiga, mas tens que estar preparada para tudo, nem todos pensam
assim, só quero proteger-te.
- Mas conta o resto!
- Tudo o que já sabes quando dois seres se fundem numa paixão louca de
sentimento e de prazer.
Como brisa suave que refresca a alma Beijamim sussurrou-me docemente:
“gosto do teu toque” e eu apaixonei-me pelo toque dele.
- Toque? Gostar do toque? Contacto de pele?
- Não sei! Para mim foi o contacto do seu espírito e do seu corpo.
Tudo me seduziu deixando marcas em meu ser até ao âmago.
- Quem te conhecer como só eu te conheço, vê que o brilho do teu olhar antecipa
as tuas doces palavras.
Mas tem cuidado anjo, nem tudo é o que parece!
E depois? Como foi a despedida?
- Selvagenzinha sedenta de tanta curiosidade!
Tudo passou muito rápido! Beijamim tinha de regressar, ainda ia fazer o jantar
para os miúdos e tinha uma longa distância a percorrer.
- Tem crianças?
- Sim duas, que de vez em quando ficam com ele.
Despedimo-nos com um sorriso nos lábios, como duas crianças adolescentes que
acabavam de viver o sonho de uma aventura.
Sim sonho, pois para mim aconteceu como se fosse um sonho.
No caminho de regresso, Beijamim enviou-me a mensagem “o teu perfume
invadiu a minha alma”.
Eu só sei que regressei a casa caminhando sobre nuvens.
Amo o Beijamim Lis, como nunca amei ninguém na vida.
- Mas Flor, ainda estás no início!

Loucamente
39

- Sei! Mas Beijamim é recatado, tem tudo o que pode fascinar uma mulher, pelo
menos para mim. É sincero!
Ainda me lembro no início quando humildemente Beijamim me suplicou
sinceridade acima de tudo e que nunca ferisse seus sentimentos, como se já
tivesse sido ferido nos seus.
- Bem! Se ele de facto suplica isso para ele, também deve cumprir.
Concordo que se assim for, então seja um verdadeiro anjo.
Homens desses já não existem!
Força Flor, não desistas dele.
Ajuda-o a enfrentar todos os problemas e ameniza a angústia dele amando-o
como merece.
Sabes que o que se semeia dá sempre fruto conforme o carinho com que é
cuidado. Por isso Amiga, ajuda-o a ultrapassar a fase difícil da vida dele, pois
para ti sei que será sempre uma vitória mesmo que um dia tudo não tenha
passado de um sonho.
- Eu sei a que te referes Lis, mas simplesmente quero viver um momento de cada
vez.
Para mim fazer feliz alguém é descansar no seio do Universo, razão do meu ser e
saber que não ando aqui por acaso.
-Eu sei Flor, eu sei com exactidão o que tu és mesmo nos momentos que de ti
duvidas.
- Não há dia que não deixe uma mensagem de carinho no telemóvel dele ao
despertar e ao deitar para lhe mostrar que mesmo longe, estou do seu lado
lutando pela causa dele e com muito orgulho por ele ser como é.
Puro e verdadeiro.
Quero que ele sinta que na realidade é Especial e que saiba que o é em minha
vida e, acima de tudo, mostrar-lhe que a magia do amor dá energia para irmos
sempre mais além.
- Quem me dera ter assim um Grande Amor! E ele? Retribui-te?
- Sim e até diz obrigado! (Flor desviou o olhar como querendo mudar de assunto)
- Diz obrigado?
Amor não se agradece, retribui-se! A não ser que seja por delicadeza!!!!
- Devemos sempre agradecer o Bem!
- Sim, devemos sempre agradecer as mercês! Mas o Amor não é uma
recompensa, é uma afeição, uma dádiva, Sentimento bom ou menos bom
conforme a índole de cada um.
Ou se aceita e retribui por o reconhecer, ou se despreza pela ignorância de
espírito!
- É assim! Como hei-de dizer? É muito recatado!
A maioria das vezes não responde, penso até que estou a ser aborrecida com ele,
mas como ele diz que é efeito de meditação e refugia-se no silêncio, penso ou
que no momento não sabe como exprimir o que lhe vai na alma, ou receia sentir-
se ridículo em expor o sentimento, ou retribui em silêncio.

Loucamente
40

- Desculpa! Ele não retribui o que lhe envias?


- Ele diz que sabe que estou sempre com ele, que sente tudo e que mesmo no
silêncio comunica comigo.
- Então em vez de lhe enviares mensagens também podes comunicar com ele no
silêncio, já que ele sente tudo!
- Estás a brincar comigo, achas que eu alguma vez o faria?
- Ah vês, como entendes o que eu quero dizer?
- Um dia cheguei a dizer-lhe que com o seu silêncio afasta as pessoas da vida
dele.
- E que disse ele?
- Ele nunca nega nada, acho que até nem emprega a palavra não nas suas
frases, mas é muito sucinto nas suas expressões.
Quando ele um dia usar um não acho que vou interpretá-lo como um sim.
Disse que sim que tem consciência disso.
- E não lhe perguntaste o porquê de tal atitude?
Se sabe que o silêncio afasta as pessoas dele e, diz gostar de ti e fica também no
silêncio, também subtilmente te está a afastar da sua vida.
- Talvez ele não queira afectar os outros com os problemas dele!
- Se não houver cumplicidade, companheirismo para os bons e maus momentos
mesmo através dos meios que vos unem, então é porque não confia em ti.
Nessa altura não te ama! A distância pode separar olhares, mas nunca corações.
Há algo que não bate certo!
- Não sei Lis, quando estivemos juntos, ele disse que já há ano e meio não tinha
qualquer contacto com mulher alguma e disse-me que só eu o conseguia
entender.
- Também se não fores tu a entender as atitudes dele, não sei quem mais o
conseguirá fazer!
- No entanto não deixou de referir que uma certa fulana, talvez do clube que é
sócio, se encontrou com ele e sem mais nem menos lhe deixou de falar.
Eu não quero que ele se sinta menosprezado e quero mostrar-lhe que nem toda a
mulher é igual e, já que me pediu sinceridade e é sensível ao ponto de sentir que
sou verdadeira, quero mostrar-lhe que pode ser amado tanto quanto merece.
- Ele é sócio do clube ou está inscrito?
- Sócio, paga para ter mais vantagens.
- Estás a falar do clube amizade?
- Sim, esse mesmo!
- Minha querida, tu que o conheceste no clube amizade também pagas para ser
sócia ou simplesmente estás inscrita gratuitamente?
- Não, eu não pago! Vou ao clube e falo se quiser com quem me convidar se for
sócio e se o diálogo for respeitável posso continuar ou não, sempre que me
apetecer.
Mas meu objectivo nem é esse, é passar o tempo.

Loucamente
41

Retribuo flores e dedicatórias, ou vou até ao chat e se falarem comigo, falo ou


não.
- E tu nada pagas?
- Nada.
- E podes falar no chat e convidar a falar lá?
- Sim!
- E porque não te inscreves como membro sócio?
- Eu? Nunca gastaria dinheiro quando posso falar com as pessoas sem gastos.
- Pois. Mas se fores membro sócio, podes falar em privado sem que ninguém veja
tua conversa, podendo dar dados pessoais para encontros, facultar contactos
sem seres vetada pelo clube o que no chat não podes fazer e poderes ir ao chat
assistir a diálogos entre pessoas e escolher a que mais te convier segundo seu
dialogo e maneira de ser, para depois a convidares em particular para os
objectivos que tens em mente.
Sabes o que já apreciei nos chats, principalmente a nível masculino?
Sabes o que eles lhes chamam ao objectivo de suas conquistas?
- Não!
- “Caçada às brasukas ou outras indígenas”. Quase todos em busca do mesmo.
E até com uma certa razão, sem ofensa a quem por lá passa, pois a maioria não
é como nós em busca de amizades virtuais para matar a solidão, mas ainda
haverá muito boa gente com o mesmo objectivo que o nosso.
Uma vez apreciei lá uma conversa de uma fulana, que sem querer reparei que
naquele momento até estava a falar com um amigo meu e ele nem se
apercebera que eu estava presente, que foi o que depois me levou nos dias
seguintes a apreciar o comportamento dessa fulana no chat.
Falava com todos ao mesmo tempo, para se sentir o centro das atenções.
Devia ser muito conhecida, pois enquanto um a chamava de “furacão” ela
convidava um marinheiro no estrangeiro a vir visitá-la e, fazendo-se de pudica,
dizia que ainda não tinha encontrado o parceiro ideal e digno do seu amor.
Por fim já ia ao pormenor e grosseria de perguntar ao marinheiro, após dizer-lhe
que ia ter com ele mesmo que tivesse de ir ao estrangeiro, se ele tinha algo que
lhe enchesse a mão e mais não digo...
Quando o marinheiro viu que ela era leviana e ela lhe disse que ele era o género
de homem que precisava para a vida inteira, respondeu-lhe que só a queria para
lhe dar uma noite inesquecível e depois mandá-la-ia de volta.
O que mais me entristeceu, é que de facto esse meu amigo no perfil dizia que
era feio e como estava a falar com ela no chat, quando ela lhe perguntou porque
escreveu isso, ele lhe respondeu que tinha espelhos em casa.
Enfim, sabes que a mente humana astuta usa certas alusões não só para que o
que está do outro lado não se surpreenda pelo que não lhe foi asseverado, como
para despertar o instinto maternal na mulher que de tudo se compadece,
lembrando-lhe que a história da bela e do monstro só traz felicidade.

Loucamente
42

Eis as vantagens de se ser sócio com foto ou sem foto, pois nunca se chegará a
saber se a foto é real ou não.
Também quem por amizade corre, não planeia perfis mas simplesmente se vai
afeiçoando ou não conforme as atitudes de cada um.
Vale a pena quando os meios justificam os fins.
O Beijamim é membro sócio?
- Sim!
- Está bem!
- Foi assim que ele após muitas insistências conseguiu em particular dialogar
comigo e eu facultar-lhe o meu messenger.
- Pois é, compreende-se!
- Estou a ficar com frio Lis, se calhar constipei-me!
- Minha Flor de estufa, desculpa, eu não queria ser tão realista, sei que tua
essência consegue ver, mas não quer acreditar porque a Esperança em ti é maior
que as desilusões que tens sofrido.
- Não Lis! Não estou triste, eu sei que tens razão.
Mas temos que semear amor para amor colhermos, principalmente para quem
dele está a precisar a fim de ajudarmos a ultrapassar os obstáculos da vida.
Esta vida é tão passageira, que posso morrer infeliz mas consciente que tudo
tentei pelo melhor.
- Tens razão, está a ficar enevoado e mais fresco. Vamos para casa.
- Dorme com os anjos Lis, antes vou deixar meu carinho a Beijamim e ver se está
online no messenger para saber como correu seu dia.
- Obrigada amiga, não preciso de te desejar uma noite embalada pelos anjos,
pois um anjo não precisa de outro, só precisa de colocar os pés na terra muito
bem assentes e, protegidos.

無限

- Olá meu amor como correu teu dia?


- Bem e o teu meu amor?
- Muito trabalho administrativo e nada para executar.
Neste fim -de -semana não venho pois vou até Valença do Minho.
- Não desanimes meu amor, vou acender uma velinha todos os dias por ti e pedir
com muita força à LUZ que transforme todos os teus esforços em vitórias.
- Obrigado meu amor.
- A um amigo não se agradece, pede-se a Deus que ele nunca nos abandone em
nossas fraquezas, para termos sempre quem mesmo à distância nos acompanhe
na alegria e na dor.
- Beijos meu amor.
- Beijos. Acompanho-te aqui no silêncio até ires embora.
- Obrigado meu amor.
- Obrigada eu porque existes.

Loucamente
43

Beijamim ficava a trabalhar até muito tarde. Por vezes até à uma da manhã e por
vezes até mais tarde, Flor acompanhava-o sempre.
Até no seu silêncio o acompanhava emitindo-lhe todo o seu amor.
- Meu amor já vou sair, estou exausto!
- Vai lá. Te amo infinitamente.
- “Amo” é uma palavra muito forte!
- Sim, sei! Aprendi-a contigo.
Já não me lembrava de a pronunciar até que tu a proferiste e eu passei a
retribuir. Não por obrigação, mas por sentimento.
- Eu sei meu amor.
Bem! Vou-me indo. Beijos Grandes e Doces.
Loucamente.
- Beijos meu amor.
Infinitamente.
- Até já meu amor.
- Até já Meu Grande Amor.

無限

A noite fora agitada.


Flor era invadida por pesadelos que se reflectiam pelos movimentos frequentes
que se faziam notar.
Para quem tão serenamente adormecia e despertava num leito que parecia que
nem uma pluma tinha pousado, o rebuliço dos lençóis denotavam a agitação do
seu espírito.
O sol já ia alto e Lis aproximou-se de Flor dando-lhe um beijo na testa.
- Acorda preguiçosa. Tua noite foi agitada. Estás bem?
- Sim. Um pouco cansada, mas estou bem felizmente.
De facto só tive pesadelos. Sonhei que estava no meio de um oceano lodoso e
turbulento e não conseguia livrar-me das tábuas e ramos de árvores que a
corrente lançava contra mim.
- Deixa lá meu anjo, já passou. A realidade é outra.
- E tu dormiste bem?
- Sim como sempre.
- Vou tomar banho, mas primeiro vou acender a luzinha e pedir ao universo que
conjugue a favor de todos os esforços de Beijamim, para que a LUZ ilumine o seu
caminho e desvaneça para sempre as sombras que lhe tiram a Paz.
- Ai! Esse Beijamim Amiga, espero que mereça o teu amor.
- Claro que merece, ele não mente!
Um dia disse-me que se algo mudasse no amor que sentia por mim, eu seria a
primeira a saber.
Ele não mente, pois também gosta da verdade tal como eu.

Loucamente
44

- Mas sabes que a verdade está para o conceito de cada um, assim como a
concepção da mesma está para a moralidade de quem a concebe?
É relativa a verdade de cada um.
- Para mim não!
A verdade é uma exposição fiel e exacta com base na sinceridade e boa-fé.
- Bem preguiçosa vai lá acender a tua velinha e vamos até à praia ou não
queres?
-É para já. Emprestas-me o teu biquíni amarelo e o lenço amarelo para laçar os
cabelos?
- Claro, escolhe o que mais gostares, tens muito por onde escolher.
-Qual é o que vais levar?
- Levo o vermelho.
- Posso colocar o teu pentagrama juntamente com a luzinha que vou oferecer?
- Claro Flor, nem se pergunta. Sabes quantos há neste momento?
- Quantos?
- Três! O nosso e mais dois que ofereci para protecção, aplicando-lhes a trilogia
da Senda de Lao-Tsé.
Paciência, Esperança e Humildade, veredas da Sabedoria.
Eu fiquei com o Pentagrama da Humildade, e ofereci o da Paciência e por fim o
da Esperança.
Lao-Tsé na sua obra “O Livro da Senda”, mostra-nos o Absoluto como SER Imortal
e Infinito cheio de Sabedoria, espírito liberto de matéria que não se vangloria
nem humilha ninguém em toda a sua veemência, porque é Sublime, ensinando-
nos que estas três virtudes estão na base do Conhecimento para se chegar à
Perfeição.
Além disso a cada ponta do pentáculo, posteriormente atribuí datas importantes.
Cada extremidade do pentáculo contém um número que é a soma dos seus
elementos.
- Como assim?
- Por exemplo 11. Desdobrado é igual a 1 + 1=2.
Qualquer número deverá ser desdobrado até obter o resultado 9 ou inferior a
este.
A numerologia é o estudo dos significados dos números segundo a Cabala, que
os Judeus utilizavam para ler suas profecias com base em datas ou nomes, ou
nos dois.
- Mas se o pentáculo só tem cinco pontas, só poderás inscrever nele cinco dos
nove números da Cabala.
- Sim, e a ele atribuí cinco números que por coincidência de datas do destino são
os primeiros seis numerais.
- Seis?
Se tem cinco pontas!
- Sim, está inscrito o número 1, 2, 3, 5 e 6.
- Então e o quatro?

Loucamente
45

-Quatro, por coincidência, é a data do nascimento da pessoa a quem foi


oferecido.
- E qual o significados dos números?
- Ai anjo, isso terás que pesquisar na Internet, porque é longo.
Tens a net à tua mercê para pesquisares ao pormenor.
- Ofereceste dois?
- Sim! Só ofereço algo especial a pessoas especiais que julgo serem.
Então fi-lo com o intuito de os fazer rodar entre nós, para que os três unidos por
essa trilogia, sob uma Amizade Verdadeira que ilumina o caminho uns dos
outros, se conseguisse com mais facilidade chegar à vitória através da união e da
Fé.
Só que a pessoa a quem os ofereci, quando eu temporariamente quis trocar o
meu pelo dela, negou-se a fazê-lo porque o dela lhe tinha trazido muita sorte.
Não questionei e aceitei, talvez essa mesma pessoa não saiba que para haver
Amor e concretizações temos que saber partilhar.
Pode ser que um dia essa pessoa venha a descobrir o significado dessa trilogia
com que sagrei e estão regulados esses pentáculos.
- E que pode acontecer se não houver troca?
- Nada de especial, só que enquanto houvesse troca, havia união, amizade
eterna e Verdadeira.
Era um testemunho de garantia de vida, amor, fraternidade e companheirismo
nas boas e más horas, concentrado num talismã doado com muito carinho.
Um Sol e uma Lua amando-se infinitamente mesmo distantes, conjugando esse
amor em eclipses, já que lhes foi ordenado viverem separados, mas unidos pela
mesma sintonia do Universo.
Se calhar as cinco pontas são símbolo também de algo que começa e acaba e
vice-versa.
O fim de um princípio e o princípio de um fim, isto, se tiveres em conta que já
vens ao mundo com uma missão, as vezes que forem necessárias até te tornares
num Ser Perfeito.
Cinco pontas, cinco números e pelo destino consecutivos, que foram uma
realidade.
Nada acontece por acaso. Não sei, já não sei dizer mais nada!
Já estás preparada?
- Sim já podemos ir para praia Amiga.

無限

O sol arrasava e nem uma brisa se fazia sentir. São típicas as nortadas em pleno
mês de Agosto, mas nesse dia devem ter ido noutra direcção.
- Lis! Hoje vou apresentar-te uma amiguinha minha!
A Paula. Vais gostar de a conhecer.
É divertida, tem mais ou menos a nossa idade. É Sagitariana.

Loucamente
46

- Cuidado com os Sagitários, primeiro lançam a seta depois é que se lembram


que ela não volta atrás.
- Um pouco isso. São muito espontâneos e por vezes não medem consequências.
Eu não tenho razão de queixa, é a minha melhor amiga logo a seguir a ti.
- Se é a tua melhor amiga então para mim também passa a ser, logo a seguir a
ti, claro.
- Pois, mas prepara-te, não te melindres com a forma impulsiva de ela ser. Ela
não fala com rodeios.
- Eu adoro pessoas espontâneas que digam logo tudo o que sentem.
Até parece que eu falo com rodeios!
- Não, desculpa. Não queria que entendesses como tal.
Tu tens uma forma subtil de falar e agir, diferente da maioria das pessoas.
Não te estou a dizer que és diferente!
- Sei a que te referes, mas sabes que quando algo me magoa faço de conta que
não entendo até mais não poder suportar, claro.
Posso-te dizer que desculpo mil e uma vez, depois dou o caso como perdido.
Não é só a regra da cortesia que deve mover a atitude humana pois o
Sentimento também exige respeito.
Subtileza não é só atributo do espírito mas também princípio moral.
- Já falaste hoje com o Beijamim?
- Sim, deixei-lhe mensagem no computador com votos de um dia feliz.
Acho que ainda vai trabalhar de manhã, depois segue logo com os miúdos para o
Norte.
- Como estás bonita Flor! O meu biquíni fica-te mesmo bem!
Teu olhar é brilhante, vê-se logo que o Amor anda no ar.
Olha! A Paula vem lá ao fundo.
- Aquela moreninha?
- Olá Lis, que calor que hoje está!
Tenho que ter cuidado com os meus escaldões!
- Olá Paula, apresento-te a minha alma gémea.Flor!
- Olá tudo bem?
- Que engraçado, acho que te conheço de algum lado!
- Não sou daqui, mas também não me és estranha!
- Bem, meninas! Vamos dar uma passeata pela praia fora?
- Olha Lis, o Beijamim acabou de me enviar uma mensagem para o telemóvel.
- E então? Já vai?
Vá lá desta vez enviou-te uma mensagem!
- Sim! Diz “beijos meu amor Loucamente”.
- Ele diz-te sempre loucamente porquê?
- Eu digo-lhe Infinitamente, porque meu amor é para além do Infinito e ele diz
Loucamente, se calhar pela distância que o enlouquece de saudade.
- Mas loucamente é vago. Pode ser simplesmente uma emoção dominada pelo
impulso de frenesi do momento enquanto não consegue esquecer alguém, se

Loucamente
47

calhar a ex-mulher ou outra, uma alucinação alheia pelo prazer que lhe dás,
como também com atitudes que a demonstrem ser um amor transcendente.
O que espero que para ti seja sempre assim meu anjo.
Ele já alguma vez te disse que te ama?
- Sim antes de nos encontrarmos, mas depois parece ter um certo pudor em dizê-
lo.
Talvez seja acanhado!
Eu às vezes digo, mas já começo a recear por não o ouvir pronunciar.
- Não o digas!
- Vamos ao banho meninas? (retorquiu Paula).
Já tenho as costas a escaldarem!
- Claro (respondeu Lis e Flor em simultâneo).
Vamos ver quem mergulha primeiro?
Onde elas estivessem, estava a alegria.
Jogavam raquetes dentro de água, chapinhavam-se e abraçavam-se com tanta
alegria e cumplicidade numa intimidade mágica que unia as três que
contaminava quem por perto se encontrasse.
- Aquele gajo está farto de olhar para ti Lis! (retorquiu Paula)
- É o Nuno!
- Ai o Nuno é aquele?
E o Jod já te deixou em paz? Ai mulher tu e os três mosqueteiros!
- Já pareces a Isa! Ela dizia o mesmo.
- É verdade que é feito dela ainda namora o Joel?
- Sim, mas ainda não conseguiu esquecer o Freddy.
- Caramba! Só eu não consigo um homem à maneira. Lis e os três mosqueteiros!
Beijamim e a Flor! Paula…!!! Serei assim tão exigente?
O riso de Lis e Flor era uno!
– Ai essa chaminé! É só teias!
- Bem meninas, são horas de regressar, se quiserem boleia é só fazer as trouxas
e quanto às teias Lis, se quiseres espreitar eu mostro.
Querem boleia?
- Sim ! (retorquiram Lis e Flor).
Assim escusamos de ir de autocarro!
- Olha Paula quando quiseres sair connosco, já sabes!
Se é que a minha companhia te agradou?
- Claro, tontinha! Só te vou alertar para uma coisa porque gostei muito de ti!
Não te acredites nos homens, e logo de longe e, divorciados.
São desconfiados e só pretendem é gozar a vida já que estão livres, sem
pensarem nos sentimentos de cada um.
Não te deixes levar por palavras que podem não passar de verdadeiros
idealismos platónicos do momento …é o que tenho dito a Lis e ela sabe muito
bem porque o digo.
Tchau meninas até à próxima!

Loucamente
48

- Obrigada Paula, pelo teu carinho.


Gostei muito de te conhecer.
- Desculpa se disse algo que não devia. Beijinhos.
O fim-de-semana estava próximo. Flor já sentia a angústia de novamente ter que
se separar de Lis.
Mas também seria por breve período, pois não conseguiam estar ausentes uma
da outra por muito tempo.
Nas suas mentes vigorava o conceito de “Querer é poder” e sempre que
queriam, lá estavam juntas novamente.

無限

O horizonte conjugava as três cores dos elementos que originariam o último.


A Terra.
Entre o Ar e a Água, Sol senhor do Fogo, abandonava a tarefa do dia banhando-
se no horizonte, entregando à Noite o testemunho da continuidade da Vida.
Brevemente o manto azul daria lugar ao manto negro estampado de estrelas
prateadas, onde a Lua reflectia na Terra os ciclos de toda a Existência.
Na atmosfera já se fundiam os mais diversos aromas que se volatilizavam pelas
chaminés já em exercício.
- Hum não te cheira a carne assada no forno, Flor?
- Sim cheira bem!
- Tenho cabrito no frigorífico, vou assar para nós, se bem que o que é do vizinho
cheira sempre melhor!
- Isso é uma verdade, vou tomar banho e depois vou ajudar-te.
- Não precisas! Vai para a net falar com o teu Beijamim!
Gosto de estar sozinha na cozinha.
- Para quê? Ele ainda está fora, não está no escritório!
- E não tem portátil, para te dar um pouco de mel nem que seja uns segundos?
- Sim tem e possivelmente anda sempre com ele, mas nem lhe falo sobre isso.
Não quero um sentimento por obrigação ou gratidão.
- Oh! Não estou a gostar disso! E tem-te dado notícias?
- Notícias, não!
- E continuas a enviar-lhe mensagens todos os dias? De manha e à noite?
- Sim! Ainda ontem, admirada por tanto silêncio ao mel que envio e gostava de
receber também, já que diz que me ama, lhe perguntei, admirada com tanto
silêncio: Está tudo bem contigo?
- E ele?
- Simplesmente respondeu: OK
- Estás a brincar comigo, Flor! E ficaste-te por aí?
- Não! Liguei-lhe mas não atendeu.

Loucamente
49

Passados uns cinco minutos ligou a dizer que estava numa feira em Espanha e
que ainda não sabia lidar bem com os botões do telemóvel novo e por tal motivo
só escreveu aquela palavra.
- Pois! Estava acompanhado e não podia atender quando lhe ligaste, é o mais
provável. Ou arrependeu-se!
É esquisito esse teu Beijamim!
- Sabes Lis, se calhar eu é que sou chata demais!
- Nada disso, quem ama quer ser amado.
Amor é dádiva não é obrigação. Acho que aqui há algo que não bate certo.
Se ele gosta de ser amado também deveria retribuir, a não ser que quisesse uma
aventura simplesmente e não saiba como te dar o fora.
Não chores Amiga, eu sou muito franca dizendo de imediato o que sinto e sei que
melindro com as verdades.
Nunca pensaste que o que te digo possa ser uma realidade?
- Sim! Claro que penso, mas também penso que uma pessoa como ele magoada
pela vida, se no início de uma amizade que ainda é, me suplica sinceridade
acima de tudo e humildade para nunca ferir sentimentos, também penso que a
pessoa em si é verdadeira.
- Depende da verdade e do objectivo que move o ser no momento!
Não deves acreditar em tudo que te dizem.
- Eu sei!
Uma vez estava com ele no messenger, ele disse que estava a pintar um quadro
para os miúdos darem no dia da mãe e eu até lhe sugeri um poema que fiz.
Vê se gostas:

無限

“ Porquê? “
MÃE! Porque é que há estrelas no oceano e estrelas no ar?
Porque é que elas brilham no Firmamento e brilham no teu olhar????
Porque é que cai água do céu, e corre água para o mar?
Porque é que as nuvens vaticinam o tempo e tu me adormeces a chorar?
Porque é que os pássaros saltitam em terra, e são felizes a voar?
Porquê ter asas se podemos sonhar?
Porquê????
Se tudo é tão perfeito, se tudo tem magia e cor, para que nasci?
- Para dar luz ao Mundo!
- Mãe! Tu és o meu MUNDO..!
- Tu és minha LUZ, meu amor.

無限
- É lindo e ele que disse?

Loucamente
50

- Ligou a camera e cantou a canção do Paulo Gonzo, “sei-te de cor” e eu pus-me


a chorar.
- Choraste porquê?
- Porque sei que estava a cantar e não era para mim, se bem que ele pensou que
eu sentisse que o era, pois disse-me que não queria que nosso relacionamento
me fizesse sofrer.
Eu sei que ele está agarrado a um passado que não consegue transpor e pelo
mesmo se penitencia recatando-se no silêncio, não se querendo agarrar a nada,
não para vencer a dívida que tem que cumprir, mas talvez porque já não acredite
em ninguém e receie ser magoado novamente.
- Pois mas gosta de ser amado e se não o retribui não é só por falta de
confiança,inconscientemente pode estar a vingar-se nos outros o que lhe
fizeram.
- Não sejas injusta.
Eu sinto tudo o que nele flui.
Quantas das vezes vou ao messenger ou ao gmail e entramos em simultâneo.
Por vezes até penso que ele julga que eu estou off à espera que ele entre.
Há uma cumplicidade e sintonia tão intensa, que por vezes ele ainda está a
escrever no messenger e eu já lhe estou a responder e vice-versa.
Essa sintonia e cumplicidade que não tem explicação é o que me faz lutar ainda
mais por ele.
Sei que minha luta é em vão, pois vejo Beijamim na solidão até ao fim da sua
vida, se bem que meu maior desejo é que recupere o passado ao lado da mãe
dos filhos dele.
- Se calhar está em Espanha com a ex-mulher!
- Quem me dera que reatasse com a ex-mulher, mas ele disse-me que era
impossível por causa do feitio dela.
Só se estivesse com outra, mas ele disse-me uma vez que se algo mudasse
entre nós eu seria a primeira a saber!
- Por causa do feitio da ex-mulher, ou do feitio dele?
Nunca pensaste que a forma como está agindo, de nem te retribuir o sentimento
e o carinho no momento, mantendo-se no silêncio e só o fazer de longe a longe é
a melhor forma de te demonstrar na hora, o que te disse?
- Como assim?
- Mostrando-te que se não és a primeira a saber por palavras, to faz sentir com
atitudes.
Um dia pode argumentar que só não vê quem não enxerga!
Agora compete-te a ti ver nas atitudes dele se é daqueles que manipulando
provoca o outro para que magoado conteste e ele se arme em vítima, ou se o
outro humildemente magoado sai sem nada dizer desiludido não pela esperteza
do manipulador que nem inteligência é, mas por ver que a nulidade não merece
crédito nem complacência

Loucamente
51

Mas também te digo, se assim for, pobre do ser que o representa pois só
encontrará aquilo que semeia.
A aridez de um espírito condena à loucura o ser recatando-o à solidão, sendo
discriminado por quem o envolve, obrigando-o a viver uma vida de eremita e a
atribuir simplesmente a culpa aos outros.
- Não deixo de não te dar razão.
Mas também não posso pensar só por mim quando ele diz que se está em
silêncio é para meditar e buscar paz interior para poder ir mais além!
- Ele sabe muito bem até onde vai a tua capacidade de seres indulgente.
Ou acha-te ingénua!
Se quer estar recatado na solidão então que vá para um convento!
Aí está em Paz absoluta.
Agora, se a Paz dele são proveitos materiais que vai tirando partido no dia a dia
para depois se afastar alegando que precisa de estar no silêncio, não
compreendo como se queira revelar como um ser resultado de meditação.
Que eu saiba os monges, sim!
Apesar de serem considerados castos e dizerem que são desapegados aos bens
materiais, sabemos bem que isso não é verdade, pois formam uma sociedade
hermética distinta, vivendo em função do seu bem-estar com o objectivo de
viverem a Paz comodamente, mas nunca lutando para que o próximo usufrua da
mesma.
Eles fecham-se num mundo só deles onde impera a meditação para o
conhecimento, instruindo-se e explorando ao máximo o mesmo através de
documentação que nos primórdios nem deram acesso à população, o que os
reputou como os mais cultos na idade Média.
A meu ver, na realidade acho isso simplesmente materialismo, logo egoísmo.
Aí sim! Se o Beijamim é resultado de meditação, posso concluir que só olha para
dentro, mas nessa altura não desfruta o prazer, nem alimenta o sentimento de
ninguém.
- Sei o que queres dizer minha selvagenzinha, mas tens de compreender que ele
foi atraiçoado por quem confiava e agora possivelmente receia ser enganado
outra vez.
- Caramba, meu anjo. Se ele não der provas de confiança, confiança não pode
exigir.
Além disso que tens tu a ver com as traições dos outros quando tu não atraiçoas
ninguém e, quando és atraiçoada não imputas as tuas penas a ninguém?
- Não sei que te diga Amiga!
Todos os dias coloco uma velinha a arder e peço a Deus que lhe desvaneça as
sombras do seu caminho e lhe dê LUZ para sempre.
Pela luta que ele tem, ao menos por isso ele merece de volta a Felicidade.
Se não me der felicidade, que seja eu feliz em saber que o ajudei a caminhar
através da sombra, pela Amizade verdadeira que lhe dedico de modo a ajudá-lo a
confiar novamente na Vida.

Loucamente
52

Olha que aqui há tempos, de joelhos, olhos cerrados e rosto inclinado para o
Infinito, deixei-me atravessar pela Luz que me dá a Vida e, com lágrimas no
rosto, pedi a Deus que me desse um sinal para confirmar a Beijamim que Ele
iluminaria seu caminho.
Abri os olhos e vi no azul do firmamento um V de vitória desenhado por dois
aviões que devem ter cruzado e deixaram esse sinal para mim.
Sorri agradecendo, pois sei que Ele nunca me abandona porque Nele creio.
Tirei uma foto para mandar a Beijamim, convencendo-o desta forma que ele
nunca estaria só.
Bastava só acreditar nas forças que lhe seriam dadas pelo Infinito e a Vitória
seria sempre dele.
Ele pode confirmar isto que te pode parecer mais uma fantasia minha, mas não
passa de uma pura realidade.
À noite quando me despeço de Beijamim que sai cansado de tanto trabalhar dia
e noite, entrego-o ao Infinito e através desse mesmo Infinito deixo-me cruzar
com a essência de Beijamim.
Vejo-o descansando num leito branco, virado para baixo, agarrado a uma
travesseira como se afecto e protecção pudesse mendigar, tal como eu costumo
fazer.
Faço pairar minha essência sobre a dele e recolhendo poeiras das estrelas e
gotas de orvalho da noite que nos embala, o amo, refresco e massajo seu corpo
para lhe desanuviar a fadiga.
Adormeço com o sabor dos beijos dele, tão presentes em meus lábios e em
minha alma.
Quentes, húmidos, sedosos plenos de paixão.
Confundimo-nos na sintonia de um Universo onde duas almas se unem num amor
infinito e puro, até o sol de novo romper e me trazer de volta à Realidade.
- É tudo muito bonito, mas achas que ele é capaz de entender todas essas
metáforas?
- Lis, para mim não são metáforas, são fantasias de amor vistas sob a forma de
uma outra realidade.
Quando te encontras numa esfera negativa não sentes a sua indução?
Não influencia o teu bem-estar parecendo que nada te corre bem?
Nunca sentiste?
Porque não acreditar que também podemos ir mais além pois nossa mente assim
o permite e sentir através do sonho que a realidade possa ser diferente?
- Sabes Flor, eu compreendo-te bem. Essa faceta não me é desconhecida porque
também a comungo, mas nunca nos devemos desnudar por completo.
Tal como o cristal do branco reflecte todas as demais cores, tu com a tua
cristalinidade refractas todas as tuas qualidades sujeitas a manipulações.
A garantia dos nossos valores faz com que muitas das vezes certas pessoas
pervertam nossos sentimentos, manipulando-os.
Tenta descansar esta noite sonhando com o teu amor e pensa em nada mais.

Loucamente
53

Vai vivendo um dia de cada vez.

無限

O sol já ia alto quando Flor e Lis se despediam frente ao jardim florido de flores-
de-lis, abraçando-se com muita ternura, numa fusão de sentimentos que se
reflectiam e conjugavam no mesmo verbo.
Flor partia com Lis e Lis ficava com Flor.
Naquele dia Flor sentia-se triste, vazia. Lis a sua “selvagenzinha” inseparável,
ausente.
Beijamim o seu doce amor, distante e em silêncio.
- Tenho de ir à net enviar um carinho a Beijamim e demonstrar-lhe no seu hi5
uma vez mais, que estou sempre com ele.
Não entendo!
Beijamim anulou o perfil e nada me disse! Que se passaria?

O coração de Flor despedaçou-se como se uma seta o atravessasse e o


lancinasse em mil pedaços o que a fez de imediato ir ao messenger perguntar a
Beijamim o que aconteceu.

無限

- Boa noite anjo, tudo bem contigo? O teu perfil do hi5 foi anulado, que se
passou?
- Boa noite meu amor! Tudo bem felizmente.
Colocaram-me uma mensagem desleal no meu hi5 e para te proteger de certas
coisas retirei-o.
- Que pena!
És um anjo, eu te adoro. Já tenho saudades tuas.
- Eu também. Brevemente encontramo-nos outra vez.
- Obrigada meu amor, agora fico no teu silêncio para poderes trabalhar e vou
teclando com Lis.
- Até já meu amor.
- Até já meu tesouro.

無限

- Olá minha selvagenzinha, boa noite.


- Já falaste hoje com o teu príncipe? Está tudo bem?
- Sim!
- Eu estou óptima mas esse sim não me satisfaz.
- Passa-se algo?
- Não! Estava a falar com o Beijamim. Apagou o perfil do hi5!

Loucamente
54

- Mas então porquê se só continha comentários teus?


Tem poucos amigos e os comentários que tem são só teus ou alguns que ele faz
a outras!
- Pois é! Mas diz que alguém lhe deixou uma mensagem indecorosa e para me
proteger de possíveis desaforos, apagou o perfil.
- Proteger-te ou proteger-se? Nada tens a recear!
- De facto quem não deve não teme. Ele diz que desconfia de um fulano do norte.
- Ai anjo! Espero que não percas as asas.
- Se ele diz eu confio. Mas fiquei triste, confesso.
Tenho tantas amizades no hi5 que não conheço e a ele que conheço, não o
tenho.
E o pior é que nem me disse nada, fui apanhada de surpresa.
Olha Lis, hoje vou cedo para a caminha, estou com dores de cabeça.
Beijos! Fica com os anjos.
- Beijos minha Flor! Fica bem e não penses no pior. Até amanhã.

無限

- Desculpa interromper meu anjo (diz Flor a Beijamim).


- Tudo bem.
- Hoje vou deitar-me mais cedo, dói-me um pouco a cabeça.
- As melhoras meu amor.
Beijos Grandes.
Loucamente
- Tchau meu amor, beijos doces.
Infinitamente.

無限

Depois de ter tomado um copo de leite achocolatado, como era usual, Flor pegou
no seu diário e só se apercebeu do que a caneta escrevera comandada pelo
coração, quando embalada pelo sono deixou deslizar o diário das mãos e este
caindo no chão fez ruído como se deixasse fugir um gemido.
- Desculpa diário querido, tu que és o fiel amigo de todo o momento, tratei-te tão
mal mas foi sem querer, prometo na próxima ter mais cuidado.
Amanhã com todo o cuidado que mereces prometo que te farei companhia.

無限

O Sol já despertava por detrás das montanhas quando Flor se levantou de um só


pulo para enviar uma mensagem como sempre ao seu amor desejando-lhe um
dia feliz.

Loucamente
55

“Que o despertar da aurora te traga momentos de grande vitória e teus desejos


simplesmente sejam concretizados. Beijos, Saudades, Infinitamente”
Sorria de satisfação como uma criança quando oferece um presente e projecta
felicidade.
O presente que ela tanto adoraria receber também.
Afinal são palavras que ajudam a viver e nada custam, o simples mimo de uma
mensagem nem que fosse no messenger.
Para Flor o Amor era o tesouro mais precioso da Vida, por isso dedicar seu amor
a Beijamim era mostrar-lhe a todo o momento que ele era muito Especial.
Após ter arrumado a casa, tomou banho e foi dar seu passeio matinal.Almoçou e,
como estava tudo em ordem, foi para a net para se sentir mais acompanhada.
Apesar de saber que Beijamim tinha anulado o hi5, sua saudade pelo carinho que
lá deixava e a tristeza de ter sido removido, levaram-na a digitar no hi5 o mesmo
endereço de Beijamim que havia sido retirado.
Tinha-se tornado num vício deixar lá um comentário e isso trazia-lhe saudades.
Fê-lo por saudades. Mas nada aparecia. Resolveu ir ao messenger nem que fosse
para ver a sua foto.

無限

- Boa tarde meu amor, tudo bem contigo?


- Sim felizmente.
- Tenho saudades do teu hi5.
- Assim foi melhor e para não me manipularem também o messenger vou criar
um outro.
- Depois não te esqueças de mo dar.
- Não meu amor.
- Te adoro.
- Não resisto! Anota o novo endereço para o novo messenger!
- És um anjo!
- Bem vou continuar a “trabuquir”.
- Força meu amor não te empato mais, fico no teu silêncio.
- Beijos grandes loucamente.
- Beijos grandes meu Amor. Infinitamente. Até já
- Até já meu amor.

無限

- Curioso! Não percebi porque Beijamim me disse: “não resisto” ao dar-me o


novo endereço do messenger, afinal já o tinha criado(pensava Flor)
Nem comento com Lis, senão diz-me já que tudo que é premeditado mas não
chega a ir avante ou é fraqueza ou arrependimento que faz mudar a intenção.
O dia que novamente uniria Flor e Beijamim custava a chegar.

Loucamente
56

Para Flor cada dia se transformava numa eternidade.


- Hoje o dia está lindo novamente. Nem parece que estamos a caminho do
Inverno
Deixa-me ver se o meu amor está no messenger!
Não! Está off.
Vou rever o hi5! Sei que não consta, mas qualquer sinal do Beijamim para mim é
uma bênção.
Fê-lo por saudade, sempre a Saudade.
- Nada! Já agora deixa experimentar o novo endereço de messenger!
Qual não foi seu espanto, o perfil fora reactivado.
- Ah! Não entendo! (decidiu alertar Beijamim para o que se estava a passar,
deixando-lhe uma mensagem escrita).
- Meu amor, o teu perfil apareceu de novo no hi5 !
Depois diz algo.
Beijos

無限

Meu Querido Diário

Se há sensação na Vida que minha alma magoa, é a falta de respeito


humano, a falta de sensibilidade, a mentira, a falta de valores humanos
e morais, a desesperança, o desespero de querermos e não podermos
acreditar em alguém.
Minha alma desfalece pelo que a Razão lhe quer impor, meu coração
derrama lágrimas pelo que sente e não quer ver.
Como podem existir pessoas que depreciam os valores morais dos
outros se nada desta vida levam, senão recordações que se censuram a
si mesmo?
Pobre do meu amor, que a Vida continua a perseguir, até nas mais
pequenas insignificâncias, ao ponto de se quererem fazer passar por ele
denegrindo a sua imagem.
Espera Beijamim entrou no messenger….

無限

- Bom dia meu amor, como estás?


- Bem e tu? Já leste o que te deixei em mensagem?
Quem será que se quer passar por ti, anjo?
- Bem felizmente.
Isso foi quem sabia minha password, até penso que tenha sido uma fulana que
trabalhou comigo, mas como não lhe dei confiança, agora vinga-se.

Loucamente
57

De nada lhe vale! Ainda é pior…já vou anulá-lo, até tem pessoas que nem
conheço, mas hei-de conseguir apanhar quem anda a fazer-me isto.
- Não ligues meu amor, dá ao desprezo.
- Beijos meu amor loucamente. (Beijamim parecia nervoso, pois foi uma
passagem muito breve, terminava o diálogo como sempre com beijos e
Loucamente).
- Beijos meu amor, fica bem!
Infinitamente

無限

Flor andava triste só de pensar no que as pessoas eram capazes de inventar só


para atrapalhar a vida dos outros.
Mas porquê?
Ao terceiro dia por curiosidade, foi ao hi5 e digitou novamente o endereço
anterior de Beijamim.
Não podia acreditar.
O perfil continuava activado, só lhe alteraram o nome.
Seria que tudo isto estava acontecendo ou Flor não estaria nos seus melhores
dias?
Foi anulado ou não? Foi reactivado, mudou de nome? Dirigindo-se para o
messenger Flor decide informar o seu amor.

無限

- Bom dia meu anjo querido, estas pessoas não descansam. Vê tu que te
reactivaram novamente o teu hi5 e até te mudaram o nome.
E, mais: até te puseram lá amizades e comentários a uma fulana como se fosses
tu.
Conhecem-te muito bem para até as tuas próprias palavras usarem.
Se pensam que me separam de ti estão enganados.
- Não envies nada, pois isto está a ser controlado.
- Repara no pormenor do comentário que te colocaram aí a uma amizade no dia
7/10, a dizer:

Linda . . .

A sensualidade duma mulher está aqui muito bem representada.

A foto vale por um conjunto desde a beleza dos olhos até ao peito sem nos
esquecermos do cabelo . . .
Obrigado
Beijos

Loucamente
58

- Repara no pormenor das palavras e as reticências espaçadas. Até isso, a


maneira de tu escreveres retrataram.
Até o modo como as reticências são colocadas e valem como uma assinatura tua.
- Manipularam o meu hi5! Mas não envies nada, está a ser controlado.
- Anjo, se foste tu, tudo bem, qual o problema? Mas disseste-me que o ias anular
e apareceu de novo!
Eu um dia disse-te que quando estivesse a mais para me dizeres e tu
respondeste que eu seria a primeira a saber.
- Claro! Sempre.
- Então não foste mesmo tu?
- Não (era a primeira vez que Beijamim usava um não)
- Há gente tão manipuladora, não ligues. Eu acredito piamente em ti.
Querem é separar-nos, se assim pensam também se enganam.
- Ora aí está! Obrigado pelo voto de confiança.
É aqui que se vêem os verdadeiros amigos.
- Eu adoro-te e meu sentimento por ti será infinito e para sempre a não ser que
dele prescindas.
- Tontinha! Te amo loucamente e brevemente estaremos juntos novamente.
- Já estava a precisar de ouvir isso novamente, dá vida à minha alma.
Não te empato mais meu amor, não quero ser impasse na tua vida.
- Também já vou embora, tenho que fazer o jantar para os miúdos.
Beijos Doces e Grandes.
Até logo
Loucamente.
- Beijos.
Infinitamente.

無限

Como vês amiguinho secreto, Beijamim é puro tal como eu o conheci há


sete meses e não me arrependo de o amar como o amo, embora me
queiram convencer do contrário.
Todos temos os nossos defeitos, por isso somos humanos mas ele nunca
me mentiria.
Ponho minhas mãos no fogo por ele.
É simplesmente recatado e segrega-se dentro de si mesmo
convertendo-se ao silêncio para encontrar a Paz e resolver seus
problemas evitando que os dos outros o atinjam também.
Sei que pode parecer egoísmo, mas se ele não resolver a estabilidade
dele, ele melhor que alguém sabe que ninguém lha resolverá e, pelos
vistos, até nas coisas mais insignificantes lhe dificultam a vida.
Só uma mente diabólica como a que se fez passar por ele no hi5, é
capaz de tal enredo.

Loucamente
59

Nem sei se ele depois do jantar voltará.


Como diz sempre até logo e muitas das vezes nem vem, eu nem ouso
ser indiscreta em perguntar.
Mas também não perguntando é capaz de pensar que não me interesso
por ele!
Não! Eu nunca fui indiscreta e quem me conhecer sabe bem que da
minha transparência pode captar de imediato as respostas a qualquer
pergunta…

無限

Mais uma noite agitada para Flor.


Envolvida em novos pesadelos, sentara-se ofegante na cama lavada em lágrimas
incapaz de decifrar seu sonho.
Ficava admirada como até a sonhar se podia chorar e verter lágrimas como se
estivesse em estado de vigília.
Era inconcebível que em estado de sono, em que os cinco sentidos se perdem
sendo a visão a primeira, como poderia tão grande quantidade de lágrimas ter
transposto as janelas desse precioso tesouro ora ainda cerradas?
O pesadelo estava a tornar-se frequente.
Levantou-se com receio de adormecer e o pesadelo voltar de novo.
Depois de tudo arrumado e aperaltada, decidiu ir ao shopping comprar uma
lembrança para oferecer a Beijamim quando estivessem juntos novamente.
Lanchou no shopping e feliz regressou a casa com os presentes que iria
surpreender seu amor se estivesse de novo com ele, brevemente.
- Meu Deus, hoje estou exausta, quase todo o dia fora.
Espero que esta noite Beijamim venha ao messenger. Não falei com ele todo o
dia e quero deixar-lhe pelo menos um beijo. Que loucura!
Tenho tantas saudades dele! Basta-me um simples beijo que seja enviado com
sentimento e já me sinto a mulher mais feliz do mundo.
E dirigindo-se à net e ao seu hi5 entreteve-se a retribuir os comentários postados
em seu perfil.

無限

- Olá Flor. (Beijamim acabava de entrar online e agora não a tratava por amor
mas pelo nome próprio)
Tudo bem? Já jantaste?
- Sim meu amor. Está tudo bem contigo?
- Muito trabalho.
- Não te preocupes eu fico como sempre no teu silêncio, acompanhando-te até te
ires embora.
- Obrigado meu amor.

Loucamente
60

- Posso ligar-te?
-Claro.
Com o coração a palpitar, pois ouvir Beijamim era uma raridade, Flor digitou seu
número.
-Que se passa anjo, está tudo bem contigo? Sinto-te tão distante!
- Estou a muitos quilómetros!
- Não estou a falar disso!
- Eu sei meu amor. Não penses mal de mim, Juro por Deus que não ando com
mais nenhuma mulher.
Muito trabalho!
- Amor, o que me interessa é que estejas bem de saúde, nunca te faria tal
pergunta.
Beijos grandes. Então até já! Vou falando com Lis.
- Até já, meu amor. Beijos.

無限

Querido diário, não percebi o que aconteceu de um momento para o


outro!
Ou melhor! Será que já vem acontecendo à mais tempo e a cegueira do
amor não me deixa enxergar?
O Beijamim nunca me tratou pelo nome depois de tanta intimidade.
Pareceu-me frio, distante!
Estarei a ser inoportuna? Mas ele disse que se um dia algo o
aborrecesse di-lo-ia com a frontalidade de SEMPRE que o caracteriza.
Estou confusa! É melhor aguardar pelas surpresas do amanhã.
Te adoro diário querido, estás sempre pronto nas minhas boas e más
horas…

無限

- Olá Lis, Amiga da minha alma. Estás bem?


- Sim e tu Flor querida?
- Não! Sinto o Beijamim diferente.
Tenho a certeza que nada lhe fiz que não gostasse que a mim me fizesse.
Ainda agora lhe liguei para o telemóvel, para saber se estava tudo bem.
- É porque ele está em baixo e se calhar nem tem ânimo para te dizer algo que
até gostasses de ouvir.
- Ele nem me tratou por amor como costuma fazer, tratou-me pelo nome próprio.
Sei que nada me pede!
Mas mesmo assim, todos os dias envio-lhe uma melodia do youtube, para o e-
mail dele, acompanhada de lindas imagens a condizer, para presentear seu dia.

Loucamente
61

Ele clica no link e escuta-as quando puder. Já me disse que tem tudo guardado
num ficheiro e até me perguntou como se faz para enviar músicas do youtube.
Eu sei que ele sabe, pois é expert em informática, mas limitou-se a cantar a
canção de Maria Bethania “Meu Jeito estúpido de Amar”.
- Vês, tal como te disse, anda sem ânimo por algum motivo.
- Sei, mas os Amigos são para as ocasiões, assim cada vez se afasta mais de
mim.
Quando a cumplicidade deixa de existir a sintonia também deixa de existir entre
os seres humanos.
Além disso o modo como trauteou a melodia, notava-se que estava sangrando
por dentro ferido por alguém que o marcou.
Embora ele me trauteasse essa melodia não era em mim que estava pensando.
- Não penses assim Flor, senão daqui a pouco acabas por te recatar novamente à
solidão.
Ele não te disse que brevemente estariam juntos? Aguarda e frente a frente vês
o que podes questionar ou desvendar!
Não te antecipes! Sempre foste muito pessimista.
- Eu sei disso, mas isso deve-se ao facto das pessoas me surpreenderem sempre
pela negativa.
- Pois o teu mal é acreditares sempre e, mesmo quando não acreditas, fazes de
conta que nada se passou.
Mas tenho a certeza que o Beijamim te dará uma razão forte para tal
procedimento. Tem calma!
- Esta tarde comprei-lhe uns miminhos para quando estivermos juntos.
- Depois quero saber tudo!
- Serás sempre a primeira a saber. Beijos. Dorme com os anjos. Vou despedir-me
de Beijamim e vou para o quentinho.
- Fica bem Flor querida. Beijos. Até amanhã.

無限

- Anjo, posso interromper? (Flor interrompendo Beijamim)


- Sim.
- Estás bem meu amor?
- Sim! Tudo a rolar. Já me estou a preparar para ir para o nosso leito de amor.
Estou exausto!
Beijos grandes meu amor.
Loucamente
- Beijos meu amor.
Infinitamente

無限

Loucamente
62

Meu querido diário, o dia está lindo, embora o frio já se faça sentir e
ainda circulem sensações tonificantes na atmosfera de um misto de
Verão e Outono.
Estou com saudades de Beijamim, será que ele poderá vir brevemente?
Sempre tanto trabalho!
Maldita escravatura que o destino lhe impõe.
Que quem tão mal lhe fez receba cem vezes mais sobre sua acção e
quem na Vida o ajudar, receba também cem vezes mais tudo o que a ele
lhe dedicar.
Um dia de cada vez…
無限

Os dias já se começavam a notar.


As noites eram mais longas, cada vez mais frias, as árvores já se encontravam
seminuas e os passeios revestidos de folhagem multicolor.
Soltas, libertas, tornavam-se selvagens e brincavam em remoinho ou
esvoaçavam num ímpeto louco indo de encontro a tudo o que se lhes deparasse
no caminho.
Almeidas de vassoura na mão machucavam-nas a um cantinho, mas excitadas
pelo sopro ainda morno do vento remoinhavam novamente deixando os almeidas
de braços cruzados proferindo obscenidades.
Flor entretinha-se da janela a assistir a este espectáculo que lhe dava um certo
prazer.

無限

- Olá Lis, estás bem minha selvagenzinha?


Então porque estás a telefonar? No messenger não gastas dinheiro!
- Pois, mas a menina agora não tem ido ao messenger de manhã e eu queria
fazer-te uma pergunta. Já!
- Tens razão, não tenho ido porque acho que o Beijamim pode pensar que estou
sempre lá colada à espera que ele entre e eu não quero ser aborrecida.
- Ora essa, tu não tens só o Beijamim no teu messenger e não te vais privar de
não ir lá seja a que horas forem, só por causa dele.
Bloqueia-o enquanto que falas com outras pessoas!
- Selvagem! Achas mesmo que eu era capaz de fazer isso?
- Pois! E por um pagam todos!
- Não penses assim Lis!
- Claro que penso! Quando estás disponível não te vais privar de algo que te faz
companhia, neste caso a net, com receio que pensem mal de ti.
Também só quem não te conhece e for insensível é que pensa assim.
- Sabes! É que sempre que entro ele já está lá.
Eu cumprimento-o claro, é a norma da boa educação e ele faz o mesmo.

Loucamente
63

Mas não pretendo ser imposição para ele.


- Caramba, vocês trocam só meia dúzia de palavras e achas que podes ser
enfadonha? Cria outro messenger?
- Eu tenho, mais dois, mas ele também está inserido neles.
- Flor, se ele te ama de verdade nunca tal lhe irá passar pela ideia!
Pelo contrário és sol na vida dele e lembra-te que foi com a mesma perseverança
que ele te conquistou.
Lembras-te que até dizias que o bloqueavas por o achar enfadonho?
- Pois mas ele já me disse que aquilo ali é um escritório, simplesmente porque eu
entrava deixando só um beijo na expectativa de outro em troca, claro.
- Ele disse-te isso?
- Ele lá tem as razões dele.
- Pois um dia também me disseste que à noite ia lá o vendedor e ele o
despachava rapidamente só para estar um bocadinho a falar contigo.
- Sim é verdade. Eu até lhe dizia para não o fazer pois ele tinha que ter com
quem se distrair à noite e ele respondeu-me que não namorava com o vendedor.
- Pois e agora quando entras no messenger à noite diz-te que está lá o vendedor
e não pode estar com troca de intimidades.
Ai Amiga, vais-te magoar!
Estás a chorar?
- Não meu anjo!
Querida Lis, tu querias dizer-me algo urgente!
- Tens razão minha Flor!
Não quero estar parada e agora que tu também estás no interregno da
psicologia, lembrei-me de te perguntar se não queres alinhar comigo num curso
de formação.
Ainda é um pouco dispendioso, mas sei que é da área que tu gostas. Ciências!
Olha, a mim é que me vai custar porque fiz a área de letras.
- E qual é?
- Auxiliar de farmácia.
Tu que tens tanta paciência para tolerar o insustentável, eras capaz de gostar.
- E quando começa? É para já?
O Beijamim diz que brevemente vem cá, talvez para a semana.
- Trocas tudo pelo Beijamim. Abre os olhos!
Não! Só começa para o princípio do ano.
Pensa e diz-me algo para se fazer a inscrição. É limitada.
Aliás até te faz bem, se agora de manhã já nem vens ao messenger com receio
de pensares que tua simples presença se pode tornar inoportuna para o
Beijamim, até é um meio de te libertares desse complexo.
- Tens sempre razão minha Lis querida. Vou.
Nem vou pensar mais. Aceito. Faz a minha inscrição juntamente com a tua.
E não leves a mal esta minha ausência de manhã no messenger, me desculpa,
não é por mal.

Loucamente
64

- Se não fosses a minha Flor predilecta não te perdoava.


- Te amo Lis! És mesmo a simetria da minha metade. A voz da minha razão.
Que seria de mim sem ti?
- O mesmo que eu sem ti miúda. Uma balança sem fiel. Fica bem meu anjo,
quero sentir-te viva e acho-te muito em baixo.
Tens ido ao médico?
- Sim ainda há pouco fiz análises está tudo bem. E contigo?
- Ah! Tudo bem. Aquela anemia que o médico disse que era do tamanho de uma
casa e mandou-me ir à bruxa, a mesma passou como por encanto.
Eu sabia que ela ia passar, pois uma vez uma pomba branca pousou no patamar
da janela do meu quarto como símbolo de boa notícia.
Sabes que eu tenho Fé. Acredito que não estamos aqui por acaso.
- Ainda bem até nisso és como eu.
Vai lá Lis, não gastes mais dinheiro. Beijinhos. Te adoro.
Falamos depois no messenger.

無限

Meu querido diário, tu nem imaginas como a Lis me consegue


surpreender.
Parece que advinha tudo o que me vai na alma.
Já viste? Até arranjou uma solução para eu justificar a mim mesma a
minha ausência de manhã no messenger.
Fazer um curso de formação com ela.
Queria dar-te esta novidade, pois como sempre, és e serás sempre o
segundo a saber de todas as minhas confidências.
É inacreditável mas esta surpresa hoje até me abriu o apetite.
Depois de almoçar vou caminhar um pouco, meditar e talvez comprar
um miminho para mim…

無限

Os acontecimentos decorriam sempre dentro da mesma rotina…


- Olá meu amor estás bem? (teclava Beijamim no messenger)
- Olá meu anjo querido como vais?
- Bem felizmente. Como foi teu dia?
- Fui caminhar um pouco.
- Faz bem para a meditação.
- Ah! Eu só faço meditação imóvel!
Quando caminho é para saborear e comungar com a Natureza.
Tenho uma novidade para ti.
- Então?

Loucamente
65

- A Lis convidou-me a fazer juntamente com ela um curso profissional. Pelo


menos já não te aborreço com a minha presença constante.

Beijamim demorou a responder…


- Tontinha! Nada disso.
- Tu nunca me respondes quando te pergunto se sou inoportuna ao falar contigo
e ao enviar-te mensagens constantes!
- São sempre bem vindas. Para a semana queres estar comigo?
- Que achas?
- Tenho saudades tuas.
- E eu. Muitas.
- Bem vou continuar a minha luta.
- Vai lá meu amor não te percas comigo.
- Se eu não me perder contigo com quem me vou perder?
- Vai lá, não quero monopolizar o teu precioso tempo.
Fico como sempre no teu silêncio até te ires embora. Mas não te esqueças de
antes de ires embora me deixar beijo.
Beijos
- Beijos doces e grandes, meu amor.
Loucamente.
- Infinitamente.

無限

A semana custara a passar para quem vive de expectativas tão ávidas de um


louco amor.
O dia rompera em todo o seu esplendor com o afago de um sol quente impróprio
para a época.
Novembro, quinze, 11 h!
Santa Justa era testemunha de tão louco amor.
- Meu amor que saudades (beijando Beijamim)
- Como estás?
- Bem. Nem sabes a surpresa que te espera!
- Louca!
- Sim por ti! Deixa que eu te belisque para me certificar que não estou sonhando.
Beijamim estava lindo!
Calça de ganga azul, shirt azul escura e sapatilhas desportivas.
Mal saíram do carro não se puderam conter sem primeiramente se abraçarem e
unirem seus corpos há tanto tempo famintos, juntando seus corações para
baterem ao mesmo ritmo.
- Que saudades! (segredava Flor)
- Tenho de repetir mais vezes! (murmurava Beijamim)

Loucamente
66

Enquanto Flor embelezava seu ninho de amor com essências, velas e outros afins
e colocava dois cálices de champanhe para festejarem novamente seu encontro,
Beijamim aproximava-se por detrás e enlaçava a cintura de Flor percorrendo seu
pescoço com beijos ávidos de paixão.
Que loucura, que intensidade de sentimento louco de Paixão que invadia dois
corpos tão apaixonados e sedentos de tanto amor.
Flor desabotoava delicadamente a camisa de Beijamim percorrendo seus lábios
húmidos até à cintura mordiscando os seus mamilos ao mesmo tempo que o
libertava da restante roupa.
Beijamim entregava-se ao calor da sua paixão.
Entre lençóis e sussurros, dois corpos escaldantes se agitavam como ondas do
mar se elevando, ora calmas ora violentas, num vaivém constante de um delírio
arrojado entre o vale e a crista da onda, até que a maré retomasse de novo seu
vigor e mostrasse em toda a sua grandeza toda a energia que um oceano infinito
pode conter.
Flor murmurava “amo-te”.
Beijamim simplesmente dizia “loucamente”.
- Que tens meu amor? (Perguntava Flor)
- Estas dores do ombro não me abandonam.
- Fartas-te de trabalhar e fazes demasiados esforços.
Deixas eu dar-te umas massagens?
- Importas-te?
- Claro que não tontinho!
Sobre o corpinho de gazela que Beijamim apresentava, Flor com sua delicadeza
angelical deixava deslizar sobre sua pele acetinada gotinhas de óleo perfumado
e, com a finura de uma mariposa, deslizava suas mãos massajando meigamente
toda a extensão do seu corpo distribuindo beijos suaves que começavam na nuca
e terminavam na ponta dos pés.
Inebriado por tanto carinho, deixava-se transcender num deleite de uma
simbiose de corpo e espírito.
Como por magia Beijamim libertava-se dessa pesada sensação que o consumia
e, tal como uma Fénix, de novo renascia das cinzas que o consumiam revigorado
pela esperança de um novo amanhã e muita empenho em sua luta.
Após fazerem brinde ao Sentimento Único que os unia, sentavam-se no seu leito
de amor e frente a frente, Flor acompanhava com os olhos todas as palavras de
Beijamim, para não perder nenhuma, já que as que trocavam virtualmente eram
tão fugazes.
Por ironia do destino, Beijamim, “o poço sem fundo”, como ele próprio se definia,
começou por quebrar aquele silêncio lacrado por sussurros melífluos, relatando
acontecimentos de sua vida.
A alma e o tiquetaque do coração de Flor tornavam-se imperceptíveis, quase que
se deixavam de ouvir para absorver cada palavra que Beijamim pronunciasse,
coisa que virtualmente se limitava a curtos cumprimentos ou pequenos

Loucamente
67

momentos de paixão, por falta de tempo, mas nunca imaginando o que iria
acabar por escutar.
Beijamim contava-lhe seu relacionamento com a família, seus encantos e
desencantos e, deixou também escapar que, uma vez teve de se despedir do
emprego por se ter apaixonado loucamente por uma mulher casada.
Falou nos encontros que a net lhe tinha proporcionado, o que deveras entristecia
Flor por o achar tão acessível, mas não deixava transparecer as lágrimas que por
dentro a inundavam, tal era o entusiasmo com que ele falava não se enxergando
que não era a altura mais adequada e ela só queria vê-lo feliz.
Não o decepcionou sequer com um único esgar ou olhar de condenação.
Limitava-se a sorrir a cada palavra sua.
Contudo amou-o como nunca amou ninguém, suplicando a Deus que ele um dia
dela falasse também com o mesmo carinho e brilho no olhar, como ele das
outras naquele momento também o fazia.
Não era amor incondicional como Lis tanta vez lhe dissera que era seu dote e por
assim dizer amava sem limites ou condições e, por tal motivo, tudo tolerava.
Amor Incondicional é a Graça do Verdadeiro Amor: Beleza, Verdade, Justiça,
Caridade e Liberdade.
Flor poderia possuir todos esses dons, mas tinha também a necessidade de ser
amada e sentir-se reflexo de seus propósitos o que restringia a Liberdade.
Poderia amar a todos independentemente de sua raça, credo, uso, ou conceito,
pois sabia que o incondicional é absoluto e só quem é perfeito o poderá fazer.
Sabia que as loucas paixões que invadem o ser humano o tornam restrito e não
fugindo à regra, a louca paixão que por Beijamim nutria em si já se tornava num
vício dominador.
Amor incondicional ou Absoluto, é amor sem limites mas para quem é Infinito.
O humano por todas as condições que o restringem nunca poderá amar
incondicionalmente quando, condicionado e limitado, poderá eventualmente
tolerar.
Nem a um filho se pode dizer que se o ama incondicionalmente quando, para seu
bem, se lhe impõem valores morais, se vela pelos seus direitos e se exige o que
de melhor há para que ele seja feliz.
Não! Flor nunca poderia amar incondicionalmente sob que aspecto fosse.
Ela sabia que o Amor é “tempo” e que ela tinha amor para dar a qualquer
momento que fosse, embora soubesse que nunca lho retribuiriam da mesma
maneira.
Tal como o Amor com o tempo concebeu a Obra, o mesmo precisa de tempo para
desenvolver a Forma.
- Sabes Flor, vou começar a trabalhar acompanhado.
Já se justifica a necessidade de mais dois funcionários.
- Que bom meu amor, assim já não te sinto tão solitário.
Tens é que me dizer então a melhor altura de falar contigo no messenger, para
não ser despropositada.

Loucamente
68

無限

Mais um brinde de olhos fechados formulando um desejo ardente, mais um


cruzar de braços e copos tinindo.
Flor desejava ardentemente sucesso e vitórias para Beijamim, Beijamim como
modesto que era, certamente que estava louvando a mercê desse dia.
- O tempo passa tão rápido meu amor, na próxima não deixo que tanto tempo
nos separe sem nos encontrarmos novamente.
- Obrigada Beijamim.

無限

O sol já se escondia por detrás do horizonte e o vento soltara-se com uma


promessa de chuva.
Flor adormecia pensando se esse encontro na realidade tinha acontecido, tal
como um amor virtual que desabrochou e se tornou numa realidade ou se na
verdade não teria passado de um devaneio, uma realidade virtual.
Foi tudo tão fugaz.
A chuva miudinha humedecia a terra ávida que sofregamente absorvia a mais
pequena partícula, debilitada por uma época quente e seca que teimava em
permanecer.
- Nem me apetece levantar!
O tempo hoje está desconfortável, já não há mais estações estáveis.
Que melancolia.
E virando-se para o lado contrário deixou-se adormecer novamente.
Parecia a bela adormecida esperando que seu príncipe a viesse acordar.
Serena, calma, sem vontade de despertar...
- Ainda a dormir Flor? (Pergunta Lis muito admirada quando despertou Flor ao
ligar-lhe para o telemóvel)
- Ai Amiga querida! Hoje tenho cá uma preguiça para me levantar!
- Fez-te mal o encontro de ontem.
- Eu ia ligar-te, não me esqueci.
- Pois mas já são horas do lanche, não do pequeno-almoço.
- Eu sei, mas também não tenho fome.
- Vê se comes, estás a ficar muito frágil, já te apercebeste?
- Correu tudo bem ontem?
- Sim, não podia ter corrido melhor. Mas já passou!
- Já sabias que era assim.
Vou dar-te uma notícia. Este ano vou a Madrid com a Isa e o Joel!
É a primeira vez que vou andar de avião.
- Que bom. Também quero.
- Estarás sempre comigo, nem num segundo me afastarei de ti.
Preciso de abrir as minhas asas e sentir-me Eu.

Loucamente
69

- Fazes bem! Quando vais?


- No dia dos meus anos, precisamente em Janeiro 25.
- Eu estarei SEMPRE contigo querida Lis, nada nesta vida nos há-de separar!
Agora vou acender a luzinha para Beijamim e ver se ele está no messenger, se
bem que ele agora disse que iam meter dois funcionários e receio entrar para
falar com ele à tarde.
- Agora só podes falar à noite!
Se até agora receavas ser aborrecida, agora receias ser inoportuna durante a
manhã e a tarde.
- Sim, já pensei nisso.
- Mas não fiques triste, vais ver que ele há-de sempre encontrar a melhor forma
de estar contigo nem que seja por breves minutos.
Quem ama, luta.
- Pois é!
- Sinto-te abatida! Passou-se algo?
- Não! Só que me acordaste e ainda não pus as ideias no sítio.
- Tanto melhor, que seja isso então.
Beijos meu anjo, fica bem e vê se não me escondes as tuas preocupações.
Lembra-te! Amo-te como a própria vida!
- Obrigada Lis do meu coração. Beijos.
Melancolicamente Flor levantou-se, tomou banho como sempre, agradeceu a sua
Vida e acendeu uma velinha por Beijamim.
Tomou um copo de leite e quando já estava livre pegou no seu diário e começou
a chorar…

無限

Desculpa diário querido, mas não me apetece confidenciar nem à minha


própria sombra a não ser contigo.
O encontro com o amor da minha vida foi tão bonito, parecia um conto
de fadas.
Nem sei se é bom recordar belos momentos de Felicidade passados,
quando mais adiante olhamos para trás e vemos que tudo não passa de
recordações e recordar acorda a Saudade, se considerá-los um sonho
como os demais sonhos que fazem parte da nossa vida.
Felizes, mas fugazes momentos no Tempo!...
Por vezes é difícil transcrever para o papel toda a emoção de um
sentimento.
Sentimento valor, sentimento emoção, sentimento pressentimento,
sentimento frustração, sentimento “SENTIMENTO”, enfim...uma vida de
emoções e sensações.
Recordando um pouco, relembrando que recordar é viver, por vezes me
arrepio ou porque relembrar o passado nos traz algo de bom, mas que

Loucamente
70

já passou e possivelmente não viveremos novamente, ou porque


massacra ao relembrar novamente frustrações que nunca se chegaram
a ultrapassar.
Contudo as memórias ficam gravadas, são o comportamento do
amanhã, a personalidade modelada do indivíduo presente.
Sei que somos todos iguais mas muito diferentes também, pois todos
sabemos que a sincronia de toda e qualquer existência conjuga em
função de determinantes que se lhe impõem reagindo consoante a sua
química e a sua essência.
É a Lei da Lógica Universal.
Por isso posso dizer que a Vida passou por mim, sem eu pela Vida
passar, quando em meus actos não ousei de conceitos nem preconceitos
para análise particular de todo aquele que meu caminho florido trilhou
e, as flores que o embelezavam espezinharam até perecerem, só por
ignorância.
Feliz daquele cuja Sabedoria busca dentro de si e não no que os seus
cinco sentidos lhe dão a analisar.
“Costuma-se dizer que não é preciso mostrar a beleza ao cego nem
dizer a verdade ao surdo, mas sim, nunca mentir para quem te escuta
para não decepcionar os olhos que te admiram”, pois os mais dignos
valores morais não se demonstram por palavras mas por atitudes que
os definem.
Eis a minha filosofia de Vida.
Passando-te toda a emoção que meu coração está vivendo, parece que
não estou feliz.
Não!
Claro que estou. Tenho que estar!
Como não poderei estar se ontem vivi momentos de felicidade!
Sim, momentos. Afinal Felicidade são apenas momentos.
Contudo, há coisas que ferem nossa alma.
Não me esqueço de ontem Beijamim me ter confidenciado que tinha
andado com uma senhora de lá perto da região e que quando uma
amiga dele lhe veio dizer que essa senhora lhe deu a novidade que
namorava com ele, ele simplesmente disse: - “não” e deixou de andar
com ela.
Isso marcou-me.
Não questionei! Sabes que me limito a escutar e, então depois, faço
uma introspecção de tudo para não me deixar levar por conceitos e
preconceitos.
Quem sou eu para inquirir alguém quando só a própria pessoa sabe o
que a leva a ter tal atitude.
O que não consegui entender é porque me estava a ser transmitida tal
informação.

Loucamente
71

Por tal motivo me pergunto qual o objectivo de Beijamim ao dizer-me


isto de alguém que provavelmente nunca cruzará o meu caminho e,
assim sendo, nunca irá interferir no sentimento que tenho por ele!
Se eu contasse a Lis, ela dir-me-ia que era mais uma táctica de querer
transmitir que relacionamentos e afectos de paixões em nada devem
interferir com Sentimentos.
Será um aviso para mim?
Eu mal sei interpretar os sinais dos tempos quanto mais códigos
proferidos fora de contexto.
Eu que tanto gosto de frontalidade!
Verdade acima de tudo por mais que a mesma possa doer!
Dói mas não mata, o que mata é a mentira, a falta de valores morais e
tu sabe-lo muito bem querido diário.
Talvez seja da chuva miudinha que começou a cair e me tenha tornado
melancólica…
Tal como Lis costuma dizer eu sou pessimista. Sim!
Mas só depois de perder uma batalha e, nos vestígios da miséria que a
mesma deixa, eu querer dar ao pobre indigente o que já me roubaram.
A Esperança!.......

無限

O Natal estava próximo, já se notava a agitação nas ruas e as invasões aos


shoppings.
- Então Flor, queres vir passar o Natal connosco? (perguntava Lis no messenger)
- Anjo querido onde estiveres eu também estarei.
Sei que Natal é só uma vez no ano e, embora para mim seja triste pois acho que
é uma altura de hipocrisia, é um convívio de família e amigos.
É uma hipocrisia porque sabes muito bem que nessa altura muitas pessoas usam
a máscara do seu Eu bajulando com palavras meigas, quando simplesmente
deveriam contribuir para a Paz da comunidade durante todo o ano e semear o
Amor.
- Tens razão Flor! Contudo, temos de pensar nas crianças e nos amigos
verdadeiros e famílias unidas.
No fundo Natal é uma festividade da sociedade mas podes vê-lo também como
um festejo de anos, de dia de namorados, se bem que também poderíamos dizer
que os mesmos deveriam ser todos os dias, mas têm pelo menos o seu dia
próprio para que nele nos concentremos e o festejemos como deve ser.
- Tens razão anjo.
- E o Beijamim está bem? Ainda é o homem da tua vida?
- Sempre! Alguma vez duvidarás de mim?
- Me perdoa Flor, não era isso que queria dizer, mas sim se ainda continuas a ser
o seu grande amor.

Loucamente
72

Eu sei bem que quando amas é do fundo da alma e com sinceridade.


- Acho que sim! Tem coisas que me surpreende, mas quem não as tem?
- Está bem Amiga, depois havemos de combinar passarmos uns dias novamente.
Vou fazer o jantar, a hora está a aproximar-se.
Beijos
- Beijos anjo. Adoro-te.
- Também te adoro muito Flor.
O Natal estava à porta e Flor tinha comprado de presente para Beijamim o
símbolo da eternidade, que lhe deu o nome de Ouroboros, tal a semelhança dos
atributos que o presente possuía e reflectia todas as emoções e sentimentos que
ela por ele nutria.
Quando o presente chegou às mãos de Beijamim, este ficou tão emocionado que
suas palavras de agradecimento a Flor eram entrecortadas por silêncio e
agradecimentos.
Simplesmente adorou, dizendo que Flor adivinhava todos os seus gostos.
Nem ele imaginaria alguma vez o quanto Flor adivinhava tudo que se passava
com ele mesmo à distância, tal era a sintonia do mistério que os unia à mesma
frequência.
Na tarde de natal, Beijamim estava triste dizendo que se sentia melancólico “por
tudo e por nada”.
Flor entendia-o mesmo no seu silêncio.
Por isso nunca fazia perguntas e fazia-lhe sempre companhia mesmo no silêncio
até ver que ele desligava o computador para se ausentar e, aí, acompanhava-o
em pensamento até novo encontro, mesmo virtual que fosse.
Mas mesmo invadido em sua melancolia, não deixou de enviar a Flor para o
telemóvel o que a fez feliz e sentir que existia, aceitando como o mais belo
presente de Natal.
“Como te AMO” dizia Beijamim.
E Flor pensava: Como sou tão FELIZ!
Era véspera dos anos de Lis e seria a primeira vez que Flor não os festejava com
a amiga do seu coração.
Foi até ao messenger para falar com Lis e Beijamim, parando primeiro para ver
seu correio virtual.
Inicialmente ficou confusa.
Precisava de saber o que se passava, pois certamente haveria uma explicação
lógica e plausível.
Abriu o messenger:

無限

- Boa noite meu amor (Flor saudava Beijamim)


- Olá meu amor.
-Estás bem meu amor?

Loucamente
73

- Sim, tudo bem felizmente. Loucura de trabalho.


- Posso fazer-te uma pergunta?
- Sim.
- Criaste uma rede de amigos no Netlog e fizeste convites a todos e a mim não.
Gostaria de saber o que aconteceu?
Isto porque no messenger que costumamos teclar não tenho nada, mas no outro
que possivelmente te esqueceste que era meu também e, nunca uso, tem lá
convite.
E mais! Ao tentar acesso informa:

Desculpa, o(a) Beijamim escolheu não tornar o seu perfil disponível para
ti. Só os amigos do(a) Beijamim e os amigos dos seus amigos têm
acesso.

- Pronto vou já retirar todos os perfis, assim ao menos acabam-se todas as


confusões.
- Calma anjo, por amor de Deus não quero que faças isso.
Tal como para mim para ti também, são passatempos que nos ajudam a passar o
tempo ou a esquecer certas coisas.
Só queria entender porquê?
- Bem peço desculpa mas queria acabar o que tenho em mãos antes de sair.
Não venho à noite.
- Ok, sorry.
- Beijos grandes.
Loucamente.
- Beijos.
Infinitamente

無限

Triste, sem justificação perante tal atitude, Flor liga a Lis para lhe desejar boa
viagem e antecipar os parabéns, mas sem nunca dar a entender o que estava
sofrendo.
- Querida Lis, quero que faças uma boa viagem e logo que chegues me dês
notícias.
- Estás triste Flor? Sinto na tua voz.
- Que ideia meu anjo, deve ser cansaço.
- Cuida-te cada vez estás mais frágil, olha que se não te cuidares ninguém cuida
de ti.
- Olha Lis querida, goza muito e não te esqueças depois de me contares todas as
peripécias da tua aventura.
Beijos. Boa viagem. Estarei SEMPRE contigo
- Fica bem minha Flor querida.

Loucamente
74

Adoro-te.
Com lágrimas nos olhos, Flor pegou com todo o cuidado no seu diário e só
conseguiu escrever….

無限

Era uma simples Flor

Toca numa Flor com a subtileza de um Beija- Flor ou a finura de uma


Borboleta!
De leve, maciinho, sente-lhe a vulnerabilidade que apresenta às
intempéries desta vida ridícula e mesquinha do mundo humano.
Frágil, sensível, só te pede que não a espezinhes.
Aprecia-a, repara no seu tom e no seu perfume.
Ela só quer embelezar o teu espírito nesse teu olhar distante que se
extingue no horizonte para se perder em fantasias de sonhos por
realizar.
Roça os teus lábios na maciez das suas pétalas, sente-lhe a frescura e a
alvura de um beijo tão puro e inocente, sem malícia, da fada que
procuras em vão...
Repara!...
Ela olha para ti, até chora quando te sentes infeliz e tu nem dás conta...
É...por vezes colhe-la...só por colher.
Coloca-la a um canto..., sim a um canto, lá no canto...só porque a
colheste.
Perguntaste a esse canto se alguma vez ela se lamentou?
Perguntaste-lhe se alguma vez ela foi feliz?
Colheste-a porque assim era só TUA!..
E...colocaste-a a um canto...
Ela só quer o teu sorriso, oferecendo-te em troca toda a magia da sua
sedução.
Oh!... nem reparas como ela grita no teu silêncio!
Tão distante, nem dás pela sua presença.
Linda por dentro, atraente em suas cores, ela é uma flor, a Flor que
escuta as tuas mágoas, a Flor que levemente tocou a tua pele e sorveu
o teu aroma, a Flor que morre de saudade ao ver-te partir.
A flor que na tua tumba dá a vida por ti.
Repara!...
Estende esse teu olhar traquina para a beleza que não consegues ver
com os olhos do teu coração!

Loucamente
75

EU ESTOU AQUI!
AQUI!...grita ela! Aqui, mesmo aqui nestas palavras que te confundem.
Tu nem dás pelos meus pormenores, só reparas na sedução da minha
cor que provoca os instintos das tuas entranhas e dos teus sentidos.
Abre os olhos do teu coração.
Eu EXISTO....eu RESPIRO...Eu sou um ser a quem foram dadas todas as
faculdades que tu concentras somente no TEU EU....
Eu existo!...
Eu não existo!... Eu já nem sei se existo!...
Tu vais deixar-me morrer, nem nunca te vais lembrar do meu perfume,
da minha cor e da doçura do meu interior só porque nunca te
inquietaste sequer em saber se de algo padecia.
Sim! De amor, numa simples palavra que seja…
O Sol dá-me calor, a chuva de beber e a terra de comer.
A vida corre, as estrelas iluminam os meus sonhos, mas TU...TU... por
quem eu nasci, deixas-me morrer, morrer...nem dás pela minha
existência.
Oh, como eu adorava não ter sido uma Flor a teus olhos…

無限

O dia 25 de Janeiro de 2008, rompeu sob uma aurora alaranjada mas encoberto
por várias nuvens brancas e espessas que denunciavam neve nos pontos mais
elevados.
Antes da partida do avião para Madrid, Flor ligou a Lis para lhe dar os parabéns e
acender a velinha pelo seu querido Beijamim.
Lis partia com Flor, Isa, Danny e Joel.
Flor ficava com Lis.

無限

Saída do aeroporto Sá Carneiro 10h55m, Companhia RYANAIR, a viagem correu


bem pelo que a chegada a Madrid dar-se-ia 55m depois, com exacta
pontualidade.
Era a primeira vez que Lis fazia uma viagem de avião.
Quando este descolou sentiu um arrepio, mas nunca receosa de que algo de
errado pudesse acontecer.
Afinal o que tivesse de acontecer em qualquer lado aconteceria.
Era lindo apreciar a grandes altitudes todo o oceano que ficava para trás, as
minúsculas casinhas e toda a Natureza envolvente.
Sempre que o avião virava as asas para subir ou baixar altitude, dava a sensação
de vertigens que provocavam um desequilíbrio nas mentes de quem ainda não
estivesse habituado.

Loucamente
76

Mas era tudo uma questão de habituação.


Mais extraordinário ainda é que se via a Terra sob um mapa geográfico natural.
Então quando se sobrevoava as montanhas pintadas de branco ou se penetrava
nalguma nuvem, tudo parecia rolar como se de um sonho se tratasse.
Fantástico simplesmente!
Com todas as formalidades, os passageiros eram informados em várias línguas
de tudo o que necessitavam para ter uma viagem cómoda e sem perigo.
A meio da viagem passou um dos colaboradores da equipe com um carrinho
onde transportava sandes, bolachas, doces, chocolates, chá, água e café.
Ora, como em viagens aéreas costuma ser cortesia o pequeno-almoço, Lis
sentindo a garganta ressequida, pediu um café.
Muito admirada ficou quando ao entregarem-lhe mais parecia um balde de água
acastanhada que um café normal.
O empregado dizia-lhe algo, mas ela agradecia e dizia que nada mais queria.
Que estava tudo bem. O empregado insistiu mais duas vezes.
Lis só se apercebeu quando viu que Isa estava a pagar a sanduíche e que o
empregado simplesmente numa pronúncia esquisita lhe pedia os quatro euros do
café.
Quase que se engasgava ao relembrar-se da cara de parvos de ambos.
Um a pedir que lhe pagasse e o outro a dizer que não que estava tudo bem.
Também quem os manda não falarem português correcto?
Ou eram efeitos da altitude!
Quando o avião chegou ao aeroporto de Madrid, o tempo estava enevoado e
gélido.
Isa e Joel seguiram logo para a rent a car enquanto que Lis e Danny seguiam
atrás.
Isa é uma condutora nata por natureza e com uma memória visual desigual.
Mesmo em caminhos outrora passados, se lá tivesse que passar segunda vez, de
imediato os identificava.
O mesmo se esperava em Madrid onde as Avenidas são enormes e de sentido
único, pois para se passar para o lado oposto terá que se andar quilómetros para
inverter o sentido na primeira rotunda que aparece.
Por entre calles (ruas) e calles Isa exigia que Joel através de um mapa a fosse
informando onde se encontravam a título de mais rapidamente chegarem ao
hotel.
Joel bem olhava para o mapa, mas era difícil encontrar as ruas quando se
percorriam grandes avenidas sem sequer se saber propriamente a zona onde se
encontravam no momento, de modo que Isa se exaltava constantemente com
Joel por ele não se pronunciar.
Ele só não o fazia pois era tudo muito confuso e receava dar a informação errada.
De facto o melhor de tudo teria sido o condutor e o ajudante analisarem
inicialmente o mapa e, quando o ajudante proferisse algum nome, já o condutor

Loucamente
77

tinha uma ideia do que ambos já tinham estudado ou então paravam na primeira
oportunidade para examinar ao pormenor.
Não!
Isa andava contrariada.
Joel não era o amor da sua vida. (só virtualMente)
Costuma-se dizer: “ Quem eu quero não me quer, quem me quer mandei
embora”.
Era uma verdade e Lis sabia-o por confidências de Isa.
Logo, Joel iria ser o alvo das manipulações de Isa por ser tão benevolente e a
amar com tanta intensidade e verdade, que lhe aceitava tudo até o seu
desprezo.
Lis ficava nervosa.
Então Danny, uma criança de sete anos que devia ser poupada a estas situações,
revoltava-se também e, claro, colocava-se do lado da mãe insinuando-se
também contra quem estivesse presente.
Parecia não estar a começar muito bem esta aventura.
Mas digamos, aventura é mesmo assim, no início e nestas circunstâncias até
pode ser um pouco depreciativa mas no fim torna-se hilariante e convidativa a
contar-se como uma anedota.
Chegados à calle do hotel três estrelas, rua estreita de um só sentido, Isa
estacionou o monovolume mesmo em frente ao hotel, cansados de tanto
andarem às voltas.

無限

Edifício enorme de quatro ou cinco andares, acho que se estava a começar a


contá-los quando a porta do hotel se abriu e saiu um indiano, seguido de outros
dois, um pouco sebentos e invulgares (meu respeito por toda a raça mas não
pela falta de higiene).
Como deixaram a porta aberta, era só entrar.
Nos parapeitos das fachadas interiores do edifício viam-se garrafas de cerveja
vazias e latas de Coca-Cola dispersas pelo chão.
Os azulejos das paredes denegridas pelo desleixo e falta de manutenção,
encontravam-se na maioria escacados e outros espalhados pelo no chão.
Parecia uma pocilga.
O elevador não oferecia as mínimas condições de segurança, tanto que o melhor
era carregar as malas degrau por degrau até chegarem ao quarto andar.
Assim fizeram Isa e Lis enquanto que Joel teimou em ir com Danny no velho
elevador para chegarem primeiro.
Deve tê-lo feito para quebrar o desânimo com que se confrontavam.
A cada passo que era dado, parecia que os degraus de madeira muito
ressequidos e instáveis, chiando por tudo quanto era canto, iam ceder e iria ser
em vão a caminhada que já se tinha iniciado.

Loucamente
78

Seria das malas que estavam carregadas demais e os pobres dos degraus não
estavam habituados a hóspedes que iam passar lá um fim-de-semana e
precisassem de as levar?
Olhavam uma para a outra sem proferir palavra.
Só se ouvia a respiração ofegante de tanto degrau subir.
Foi uma festa quando chegaram ao último degrau e todos se encontraram
novamente.
Dizia Danny à mãe:

- Vocês são umas “cagonas”!


Como vês mãe, não havia problema de virmos todos no elevador.
Isa e Lis mostraram um sorriso amarelo quando tiveram que bater à porta e um
fulano de cor asiática a abriu, visionando-se uma pequeníssima sala de estar sem
comodidade alguma, com um espaço reduzido a menos de três metros
quadrados e que só cheirava a mofo.
Joel falou com o fulano dizendo que tinha feito uma reserva virtualmente e já
tinha transferido uma garantia para alugar um quarto para quatro pessoas.
Três adultos e uma criança.
O fulano disse que quem tratava disso não estava, só vinha no Domingo,
precisamente no dia de saída, mas disponibilizou-se de imediato a mostrar o
quarto onde por fim pousariam as malas que pesavam menos que suas
quietudes.
Ao abrir a porta do quarto esta roncou como se há anos não fosse aberta.
Por fim uma paisagem de assombro!
O empregado virou costas e fechando a porta:
- Irra que é isto? (dizia Isa)
O quarto não tinha mais que quatro metros quadrados onde cabia uma cama de
casal encostada à parede trancada por uma mesinha de cabeceira que encostava
à parede oposta.
A cama estava coberta por uma colcha cheia de nódoas e os lençóis pareciam
que não eram lavados há anos.
Aos pés da cama estava um guarda-vestidos e, encostado ao mesmo,
encontrava-se um mini beliche que, se um adulto tivesse que descansar lá, teria
que dormir com os pés de fora e em cima do guarda-vestidos.
Sem uma única palavra proferir, começava-se a tratar de retirar as roupas das
malas para colocar no guarda-vestidos quando a dobradiça da porta quebrou e
esta ficou pendente nas mãos.
O cheiro a tinta fresca e verniz à mistura era tão intenso, que Lis começava a
sentir efeitos de alergia e começava a pigarrear.
- Caramba! ( dizia Joel já com o semblante pálido).
Vamos mas é procurar outra coisa. Prefiro perder a entrada mas se encontrarmos
outro alojamento, não me importo de pagar mais.
Aqui não há condições!

Loucamente
79

Chamou-se o empregado que não mostrou admiração alguma, pelo contrário,


muito tranquilamente disse que podiam estar à vontade que no dia seguinte
alguém iria arranjar a porta do guarda-vestidos.
Mostrou-se amável e disponível para mostrar o restante, dirigindo-se à porta da
varanda tentando mostrar que o quarto tinha vistas para a rua principal.
Tentou abrir a porta mas foi em vão.
Ele bem teimava e a porta roncava, mas não abria.
Devia ter sido pintada há pouco tempo visto estar ainda colada ao chão.
Forçava-se novamente e, Isa já nervosa, gritou-lhe para não o fazer não fosse
terem de dormir sem porta da varanda e sem porta de guarda-vestidos.
Hoje parece uma anedota, naquela altura nem a criança piava.
Estavam todos hipnotizados porque nem reparavam que não havia quarto de
banho.
O quarto era mal cheiroso, seboso, nojento, frio, sem comodidades, o mais
ordinário possível.
- E o quarto de banho? (perguntou Isa por fim ao empregado)
Para se aceder aos quartos de banho tinha de se sair pela porta principal e entrar
na porta do andar em frente.
Ao longo de um corredor destacavam-se três quartos de banho, de maneira que
quem pretendesse utilizá-los, se houvesse mais gente, teria que fazer fila e
aguardar pela sua vez.
- Eu não acredito! (exclamava Lis)
- Eu não quero ficar aqui (comentava Joel), já viste onde nos metemos?
- A culpa foi tua. Tu é que fizeste as reservas. (dizia Isa indignada esquecendo-se
que virtual + mente, tudo pode acontecer)
- As fotos que mostram na net são apresentáveis e dizendo-se três estrelas
ninguém poderia esperar encontrar isto (defendia-se Joel).
VirtualMente mostra-se apresentável.
- Joel (dizia Lis), se ficarmos aqui não deixes que alguém venha cá dentro ao
quarto na nossa ausência.
Não me está a agradar isto. Aliás, nada nos garante que mesmo ausentes, com
outra chave entrem cá dentro e façam o que lhes apetecer.
Não gosto da cara do fulano tem cara de trapaceiro.
- Vamos tentar encontrar outro. Devem haver mais por aí.
Enquanto isso deixamos aqui as malas e depois logo veremos (comentou Joel).
A uns cinquenta metros dali havia um outro hotel que pela aparência deveria ser
o triplo do custo daquele onde estavam condenados a pernoitar.
Moderno, bem iluminado, aquecido, com uma recepcionista agradável, entrada
requintada e naquele momento o prédio cheirava a limpeza acabada de fazer.
Notava-se ainda no ar o odor a desinfectante.
- Vamos entrar (disse Lis), nada impede de perguntarmos!
- Também não entendo porque só para pernoitar não podemos ficar no outro
(retorquia Isa indignada).

Loucamente
80

- Mas Isa, vai ver os quartos como são, uma vez que a senhora diz ter uma vaga
e depois contas-nos.
Vai lá, já que só pode ir uma pessoa lá acima (proferiu Lis).
Quando Isa regressou via-se no ar de satisfação que havia uma aprovação.
- Olha é um quarto enorme com casa de banho, ar condicionado, televisão e tem
uma cama de casal e uma de solteiro cinco estrelas (dizia Isa). E cheira tudo
muito bem. E uma vez que se aproxima do preço do outro, por trinta euros mais
vale vir para aqui.
- O pior vai ser agora quando chegarmos ao outro hotel e dissermos que não
pretendemos ficar lá (comentou Joel).
- Vamos dizer que eu sofro de asma e o cheiro a tinta me provoca alergias
perigosas e vamos ter de mudar (sorriu Lis).
Parecia que caminhavam para a forca.
Cabisbaixo, silenciosos e receosos.
O que se estaria a passar na mente de cada um?
Se da primeira vez carregados de malas, os degraus pareciam que iam ruir e
pareciam não ter fim, agora com tanto receio naquelas cabeças nem se deu
conta que num ápice se encontravam frente à porta onde nunca deveriam ter
batido.
Tal como combinado, Joel disse ao empregado que Lis sofria de asma e que
perante esta situação e, devido ao cheiro intenso da tinta e verniz não tinham
condições para ficarem.
Para grande admiração o gerente a quem se tinha solicitado a reserva e, só viria
no Domingo, apareceu logo após o empregado o ir chamar a uma sala que se
encontrava no outro ângulo do corredor.
Claro está que não são pessoas fiáveis pois desde início o empregado dizia que o
gerente responsável estava fora e só viria no Domingo.
Que tipo de hotel seria aquele que mais uma vez contribuía para apavorar quem
já tinha as malas lá dentro e agora queria sair a toda a pressa mesmo perdendo
o direito à reserva?
Joel foi o primeiro a entrar seguido de Isa enquanto Lis dava a mão a Danny e se
mantinham na escadaria da parte de fora, não fossem os proprietários virem de
arma em punho para os intimidar e assim fugiriam mais rápido para pedir
socorro à mais leve exaltação.
Muito a custo e com cara de indignado, o proprietário aceitou mas com a
condição de darem por esquecida a reserva.
Joel e Isa não pensaram duas vezes.
Pegaram nas malas e correram pelas escadas abaixo até chegarem à rua,
respirarem fundo e desatarem todos à gargalhada.
Dirigiram-se então para o Hostal Montaloya **, a uns passos do outro que se ia
tornando num pesadelo, ambos situados à Plaza Tirso de Molina.
Aí sim, o clima, a comodidade e a limpeza distinguiam-se pela qualidade.

Loucamente
81

Após se terem instalado, decidiram ir jantar ao restaurante e aí comemoraram os


anos de Lis.
Isa e Joel ofereceram-lho em sua comemoração.
Era o primeiro ano que Lis passava o aniversário fora de casa e até estava a ser
bastante diferente.
Em seguida deram um passeio a pé até à praça principal de Madrid “Plaza
Mayor”um dos pontos turísticos de elevada distinção pela sua grandiosidade.
Praça rectangular rodeada de edifícios de três pisos com 129m de comprimento
e 94 de largura e 237 varandas em toda a sua extensão.
Tem nove pórticos por onde é possível a entrada dos visitantes sendo o mais
conhecido o “Arco de Cuchilleros”.
A Plaza Mayor foi cenário de grandes acontecimentos, tais como touradas, autos
de Fé e até feiras concentrando povos de várias origens e raças.
Debaixo dos pórticos das suas arcadas, estendem-se em toda a sua área
estabelecimentos tradicionais onde se podem comprar lembranças “recuerdos”,
a Casa de la Panadería, Casa de la Carnicería e mini restaurantes com todo o
género de especiarias.
É um dos pontos turísticos de maior relevo na cidade de Madrid.
A vida parece começar depois da meia-noite debaixo da luz de um lampião que
ilumina a estátua ao centro, de Filipe II em cima de seu cavalo, datada de 1616,
onde grupos de pessoas se vão aglomerando, de todas as raças e de todos os
credos, com o fim de darem as mão, cantarem e dançarem ao som de qualquer
instrumento musical.
A noite estava gélida e húmida e acompanhada de vento.
Estava na hora de regressar ao hotel.
Após uma boa banhoca e o conforto de um leito macio as luzes apagavam-se e
desejavam-se bons sonhos.
Danny estava irrequieto, era a sua primeira viagem de avião e ainda estava
excitado com todos os acontecimentos, de maneira que Lis, mesmo às escuras,
começou o jogo “para que serve aquilo que estou a pensar”.
Era uma pândega encontrar as mais diversas respostas descabidas a cada
pergunta que se fazia.
De tanto brincar por fim adormeceram, pois tinham planeado levantarem-se cedo
para irem ao parque temático de Madrid no dia seguinte.

無限

Prepararam-se sandes, sumos e iogurtes para levar, uma vez que a diversão os
esperava e o dia passava rápido.
Quando todos se dirigiram para o carro que tinha ficado estacionado na rua ao
lado, entreolharam-se pensando que ainda estavam a dormir quando Isa deu um
berro e disse:
- Ai que o carro foi rebocado!

Loucamente
82

Isa tinha-o estacionado mesmo à frente dos correios.


Na euforia do primeiro dia ninguém se tinha apercebido que se aquele espaço
estava livre por algum motivo era, pois nas ruas de Madrid é milagre encontrar
estacionamentos livres devido às ruas serem muito estreitas e de um só sentido.
Dirigiram-se ao hotel para perguntar à recepcionista como resolver a situação,
que desde logo se disponibilizou a saber para onde o carro fora rebocado e a dar
todas as directrizes para se chegar lá.
Isa dizia que o melhor era ir de metro pois gastava-se menos dinheiro.
Joel convenceu-a a irem de táxi pois assim não se perdiam, comportando todas
as despesas.
Chegados à polícia onde o carro estava depositado, começaram novamente os
nervos a entrarem em acção.
Este posto tinha três elementos policiais. Uma senhora e dois homens.
A senhora nem levantou os olhos, o seguinte disse para se falar com o outro que
calmamente estava a ler o jornal e só levantou o rosto quando acabou a primeira
página.
Joel estava nervoso e comentava com Lis e Isa:
- Já repararam que fazem de conta que somos ninguém? Porra para isto!
Está a começar mal o dia.
Por fim o polícia levantou os olhos e de voz semicerrada pediu os dados do
monovolume a Joel.
Enquanto Joel ia levantar o carro, Isa ficava a pagar a multa à mulher policial.
Cento e cinquenta euros, mas como era uma “caminheta” eram mais trinta
euros.
- Fooooooda-se dizia Isa. Estes filhos da mãe dizem que o meu carro é uma
caminheta?
Ora essa? Estão todos malucos ou estão a gozar?
Lis já não sabia que fazer, tentou acalmar Isa, antes que ficasse a caminheta livre
e os quatro portugueses aprisionados.
O dia estava lindo e não valia a pena estragá-lo mas sim viver ao máximo o que
havia pela frente.
Direcção Parque Temático de Madrid…
Aí vão eles, musica, sorriso nos lábios convictos que o resto correria muito
melhor.
Após umas voltas dadas à mesma auto-estrada, decidiu-se confiar no sexto
sentido de Isa seguindo ao acaso.

無限

Finalmente placas confirmavam que a direcção que se tomava era a correcta.


Carretera.
Finalmente chegados ao Warner Bros Park, agora era questão de se colocarem
na fila, tirarem os bilhetes e entrarem.

Loucamente
83

Localizado em San Martin de la Vega a 25Km de Madrid, este parque é


considerado o maior parque temático em toda a Europa, com 625 acres
(acre=4.046,8564224m²).
Administrada pela Six Flags, foi inaugurada a 5 de Abril de 2002, contando com
10.000 convidados.
Este parque é composto por cinco áreas principais:
Os Estúdios da Warner Bros, o Hollywood Boulevard, a Cartoon Village (o mundo
fascinante dos desenhos animados), the Old West Territory (para quem gosta de
filmes do faroeste) e Metropolis and Gotham City o mundo dos super heróis dos
desenhos animados, como o Batman e a Mulher Maravilha, Superman, X Men,
Flash Gordon, Homem de Aço, etc.
Além de todos estes divertimentos, para grandes emoções, aventuras e
adrenalina, existe a mais alta torre de queda livre da Europa com 328 pés de
altura, denominada Riddler’s Revenge, cinco fenomenais montanhas russas,
jardins cujas árvores tem a imagem de animais lendários e desenhos animados
da Disney, a casa fantasma com tapete rolante, viagens de barco num leito
estreito onde nas margens se podem apreciar desde o homem das cavernas, às
várias raças humanas e animais selvagens.
Enfim! Um dia é pouco para uma pessoa se divertir com tudo o que está à mercê
e gosta de aventura e distracção, não esquecendo os restaurantes e as casas
comerciais que vendem produtos exclusivos da Warbner Bros e a preços
escaldantes.
Pode-se dizer que é uma experiência incrível.
Tiraram-se fotografias, enganou-se a fome com sandes e iogurtes num parque
onde havia mesas de pedra à sombra de árvores e, quem fosse mais guloso e
não se importasse de gastar dinheiro, ia aos stands comprar doces enormes ou
gelados que custavam uma fortuna.

無限

O dia passou rápido, agora restava o regresso a casa e arranjar um parque de


estacionamento para no dia seguinte ser assegurado sem nenhum contratempo
a viagem de regresso a Portugal com partida às 11h55m de Espanha.
Chegados à Plaza Tirso de Molina, onde se teria que procurar um parque de
estacionamento, Isa lembrou-se que talvez fosse melhor antes de guardar o
veiculo e seguirem para o hotel, passar por uma gasolineira a título de atestar o
depósito da “caminheta” para no dia seguinte a entregar conforme fora confiada.
Haveria que encontrar uma. Mas onde?
Mais uma vez servia de passeio os descaminhos que se exploravam percorrendo-
se as vias mais longas.
A primeira Plaza a aparecer foi a Plaza de la Villa, seguindo-se a Calle Mayor até
Plaza Puerta del Sol, para chegar a estação ferroviária de Atocha junto à Plaza
del Imperador Carlos V.

Loucamente
84

Este grandioso edifício construído em ferro e vidro foi palco de atentados em 11


de Março de 2004 entre as 7h39m e 7h42m da manhã, por um grupo islâmico
por ordem de Al Qaeda.
É considerado o mais grave atentado até hoje reproduzido em Espanha, por 10
explosões que se verificaram na estação de Atocha e em 3 comboios em
simultâneo, provocando a morte 191 pessoas e 1.700 feridos graves.
As forças de segurança ainda conseguiram desactivar 3 bombas que estavam
dentro de mochilas destinadas a explodiram aquando chegassem socorros junto
dos feridos.
A 11 de Março de 2007, na presença dos monarcas Juan Carlos e a rainha Sofia,
foi erigido um monumento em honra das vítimas.
Este monumento em forma de cúpula cilíndrica, com 11 metros de altura e
8,5metros de diâmetro, pesa mais de 140 toneladas.
É todo elaborado com 15 mil peças de vidro de 15cm de espessura e mais de 8
quilos de peso.
Suspensa no interior da estrutura, existe uma película semitransparente que
contém várias mensagens às vítimas, em várias línguas, que solidariamente
pranteiam este dia e repudiam o terrorismo.
Durante o dia com a luz do sol incidindo além da estrutura ir mudando de
tonalidade, as mensagens inscritas vão sendo iluminadas e, à noite, para garantir
o mesmo efeito, tem uma luz de modo que o monumento permaneça sempre
iluminado em memória desse dia fatal.
Simplesmente fabuloso, aliás Espanha é um dos países cuja arquitectura fala
pelo orgulho de seu povo.
Continuando em busca da gasolineira a uns trezentos metros de Atocha, ao lado
esquerdo havia uma.
Isa radiante após de tantas voltas dar, sorriu, bateu palmas e disse:
- Até que enfim!
Mas a gasolineira estava encerrada…
Voltando de novo para trás, finalmente encontraram uma gasolineira disponível.
De modo que se atestou o depósito.
Isa não conseguia colocar o tampão no depósito de modo que pediu ao
empregado.
O empregado era antipático, arrogante, mesmo já tendo por lá passado milhares
de portugueses, mostrava-se indiferente ao turismo, quase que obrigava o
português a falar a sua língua, fazendo-se despercebido.
Foi preciso Isa dar-lhe um berro e começar a regatear para que ele colocasse o
tampão da gasolina no devido lugar.
- Filho da puta! (Disse Isa bem alto)
- Isa, deixa lá! Não ligues (dizia Lis).
- Então já que não entende português, posso chamar-lhe todos os nomes.
Cabrãooooooo…gritou Lis antes de arrancar.

Loucamente
85

Bem, restava regressar e encontrar um parque de estacionamento próximo do


hotel.
- Ena! Saiu-nos a sorte grande. Está mesmo um aqui pertinho (ria Isa) depois de
já ter percorrido um caminho longo dando cabo da paciência de Joel.
Joel é um homem sereno, bonito, educado, elegante e inteligente.
Nem sei porque um homem destes procura uma mulher para relacionamento
através deste mundo virtual, chamado net.
Não tinha necessidade disso, mas às vezes este mundo virtual prega-nos partidas
e de uma simples amizade faz nascer ou uma verdadeira relação ou
simplesmente um entretimento, conforme o objectivo de cada um.
Isa não era apaixonada por Joel, mas sim por Fred.
Joel simplesmente seria por breves momentos quem a ajudaria a passar os bons
e os maus momentos na ausência de Fred. Uma passagem no tempo.
Já no Parque temático da Warner Bros, Isa confidenciou a Lis que ainda sentia
paixão por Fred.
Lis disse-lhe para fazer o que o coração dela mandasse, mas para ser sincera
com Joel, pedindo-lhe um tempo, senão estava sujeita a perder tudo e que
independentemente do caminho que cada um tomasse, Lis seria sempre amiga
incondicional de um e outro.
Chegados ao parque de estacionamento ao descer, ouviu-se um ruído no
tejadilho do veículo.
A placa que alertava para passagem a viaturas com altura máxima 2,10 metros,
rezingava por estar a ser forçada a ir para o interior do parque de
estacionamento quando o seu sítio era à entrada.
- Porra, só faltava mais esta (vociferou Isa)
De modo que não podendo seguir em frente, ao recuar, levemente bateu no
carro detrás.
O pior nem foi o simples arranhão no tejadilho nem o toque na viatura de trás
que em nada amolgou, mas a senhora que se encontrava na fila dois lugares
mais atrás, por teimosia ou estupidez não queria recuar e Isa via-se incapacitada
de sair do lugar, bem como os demais que queriam prosseguir seu caminho.
O trânsito obrigou-se a acumular.
A rua só tinha um sentido e foi preciso um senhor espanhol repreender aquela
burra e teimosa espanhola que só sabia cacarejar.
Por fim saiu-se desse parque de estacionamento e, na rua onde o carro fora
rebocado ao segundo dia, à frente a uns metros, tinha um parque de
estacionamento livre para a “caminheta” de Isa.
Ali pernoitou a pobre coitada depois de tanta caminhada.
Chegados ao hotel e depois de terem passado o dia com sandes e iogurtes,
esperava-se vir ao encontro de um lugar onde se pudesse aconchegar o
estômago.
Com a má disposição com que Isa se encontrava, disse que para o jantar ainda
haviam sandes.

Loucamente
86

Lis andava nervosa, já não sabia o que era comer comida quente pois em
Espanha usam-se muito as tapas e especiarias frias e naquele dia comer sandes
e mais sandes, não a satisfazia.
Lis morria por uma sopinha quente, de modo que num tom nervoso retorquiu:
- Eu vou a um restaurante! Cá em baixo do hotel devem haver muitos.
Quem quiser que me siga.
Joel consentiu e Isa mesmo contrariada não teve alternativa.
À mesa Lis pôs as cartas na mesa a título de Isa parar com as suas constantes
discussões, o que não era bom para a criança e só porque Joel consentia tudo,
não era motivo para estar sempre a admoestá-lo.
Foi a primeira vez que Isa pediu perdão a Joel, mas também seria por pouco
tempo.
Regressados ao hotel, era hora de tomar banho e caminha.
Lis fazia tudo para que Danny dormisse com ela a fim de Isa fazer as pazes com
Joel.
Mas Isa não queria e convenceu Danny a dormir no meio deles, uma vez mais.
- Sr Joel vê lá agora se não ressonas (dizia Isa agressivamente)
- Isa, é só mais uma noite e, ressonar, todos estamos sujeitos (sussurrava Lis)
- Só se quiseres que vá dormir para a despensa (respondia Joel a Isa)
- Se calhar até nem era má ideia (dizia Isa)
A mini despensa continha umas prateleiras para se colocar roupas dobradas e
cabides para as que teriam de ficar colocadas verticalmente.
Joel só poderia pernoitar lá em pé como as galinhas.
Ele deveria ter colocado no perfil da net que o único defeito que tinha, pois era
um anjo, era o ressonar.
Joel foi o primeiro a adormecer.
De facto ressonava bem alto, mas pobre homem não o fazia de propósito e até a
conselho de Isa já tinha levado o nariz ao martelo, fazendo uma intervenção
cirúrgica de que nada lhe valera.
Ainda estava pior, de rã passou a dinossauro.
Lis ia colocar a travesseira por cima da cabeça para não o ouvir ressonar, mas
lembrou-se que Isa era capaz de o fazer a Joel quando ele estivesse a ressonar e
o pobre poderia perder o pio e então a viagem teria de ser adiada. Era melhor
manter a calma.
Isa deu-lhe um encontrão e Joel levantando-se foi dormir para o tapete do quarto
de banho.
Deveriam ser umas 3 horas da manhã.
Passados trinta minutos Lis com pena de Ismael foi bater à porta do quarto de
banho dizendo que queria ir à sanita.
Bateu umas poucas de vezes.
Possivelmente ou Joel estava mesmo em baixo e nem queria abrir a porta, ou
dormia no pequeníssimo tapete que cobria os azulejos da pequeníssima casa de
banho composta por um pulliban, uma sanita e um bidé.

Loucamente
87

Por fim Joel abriu a porta e Lis disse para ele ir dormir para a cama dela pois ela
ia dormir com Isa.
Quando isto aconteceu, Isa foi meter-se no quarto de banho e permaneceu por
muito tempo.
Não porque se deitasse onde Joel possivelmente o fez. Mas porque também tinha
que mostrar posição.
Lis levantou-se novamente e bateu à porta e disse.
- Isa, agora és tu? Assim não dá!

Isa regressou e deitando-se junto com Danny e Lis que tinha trocado com Joel,
acabaram todos por adormecer.
Por volta das 4 da manha o telemóvel de Isa recebeu uma mensagem, mas Joel
fez de conta que não percebeu e virou-se para o outro lado.

無限

Levantaram-se às 8h00, tomaram o pequeno-almoço com sandes que ainda


tinham e à hora certa estavam no aeroporto à espera da partida que os traria de
regresso de novo a Portugal.
Quando chegaram a Portugal foram almoçar ao Cais de Gaia e aí se fizeram as
despedidas até uma próxima.
O dia estava iluminado por um sol quentinho mas um vento frio.
Era tão bom estar em casa novamente.
Flor! Sim, Lis tinha que ligar a Flor e saber como estava.

無限

- Flor meu anjo como estás?


- Olá minha Lis querida estou bem, ando com as tensões um pouco em baixo mas
está tudo bem. Divertiste-te?
- Ena, se me diverti! Depois conto-te quando falarmos no messenger.
- Combinado.
Agora vou desfazer a mala e mimar os meus bichinhos. Te adoro. Beijos
- Também te adoro muito. Beijos

無限

Fevereiro apelidado de mês traiçoeiro porque matou sua mãe ao soalheiro


entrava quente e seco.
Segundo diz a lenda, sua mãe era muito velhinha e, como todos os velhinhos em
geral procuram o sol que lhes serve de afago quando já nada têm, num dia de
muito sol em Fevereiro, quando sua mãe se deixava afagar pelo sol, Fevereiro
não a avisou que ia chover e repentinamente uma forte ventania seguida de

Loucamente
88

chuva intensa, apanhou de surpresa sua velhinha mãe que sem resistências
acabou por adoecer e perecer.
O ar gélido de manhãs enevoadas por vezes desdobrava-se em tardes tão
resplandecentes e quentes que mais parecia Primavera.
Já se viam os campos verdejantes de erva ainda rasteirinha como a púbis de uma
adolescente e ouviam-se belos trinados de pássaros que felizes anunciavam uma
Primavera antecipada.
De facto hoje em dia os padrões climáticos estão muito alterados em referência
aos tempos de nossos avós devido à destruição progressiva da camada de ozono.
Nos anos 80 que ainda nos são vizinhos, foi encontrada uma degradação dessa
camada de ozono que filtra os raios ultravioletas que têm fins terapêuticos, mas,
quando usados em excesso tornam-se mortais.
A rotura mais conhecida pelo buraco do ozono, provocada pela poluição avança
cada vez mais rápido o que, não muito longinquamente, transformará uma
Floresta tropical outrora virgem, num grande deserto.
Por ora ainda se vai vivendo mesmo com estações trocadas, mas a breve prazo
nem a sobrevivência será possível.
Pobre da geração vindoura!
Envolvida nesta era ainda paradisíaca, Flor adorava passear nos campos para
sentir os odores, os sons e tudo o que a natureza lhe oferecia, deixando-se
transpor para um mundo sem mácula e questionava:
- Se Penso logo Existo!
Se existo sou efeito de uma causa que me deu origem e pelo espírito que me foi
conferido me transformou em causa secundária.
Claro que não estava pensando como sendo efeito de uma causa originada pela
fecundidade humana, mas sim pela causa Primária que fez o milagre das origens.
Nada surge ao acaso nem por acaso.
O homem é orgulhoso por natureza nada admitindo acima de si.
Torna-se egoísta e mesquinho esquecendo que na hora certa de nada lhe valerá
sua altivez quando efeito de uma causa Superior e Imutável chega aos limites do
seu fim.
Móbil comum, animado e limitado por sua natureza mutável julga-se superior
pela inteligência que o diferencia dos demais seres vivos e, na sua ambição
mesquinha, não se apercebe que como efeito inteligente é causa de uma Força
Primaria Inteligente.
Deus, Causa, Princípio de todas as coisas e de Tudo, pois embora o Homem seja
dotado de inteligência, ainda não lhe foi permitido fazer a Perfeição que ele tem
vindo a destruir com a sua ambição.
A Harmonia da Vida que surgiu ao alcance de tudo e de todos.
A Obra.
A Razão diz que não há efeito sem causa.
A Harmonia Universal é revelada pela causa / efeito como uma ciência exacta e
infalível que só se pode atribuir a um Sistema Inteligente ou Ser Inteligível.

Loucamente
89

O Homem idealiza Deus segundo suas conveniências e frustrações, aproximando-


se com submissão ou afastando-se em sua arrogância, enquanto que ao ser
meditativo e humilde que se aproxima da Verdade, basta lançar os olhos sobre a
grandiosidade da natureza e sentir em sua essência que é elemento de uma
Natureza Sublime.
Se Penso logo Existo.
Se existo sou efeito da causa que me deu origem e pelo espírito que me foi dado
me transformou em causa secundária.
(Nada surgiu por acaso repetia Flor).
- Meu Deus tenho de regressar, está anoitecendo.
Como esta Natureza me encanta.
Quando Flor chegou a casa foi ao messenger falar com Lis e Beijamim.
O dia dos namorados aproximava-se e Flor ansiosa por mais um encontro com
seu amor, foi ao messenger perguntar-lhe.

無限

- Olá meu amor estás bem?


- Sim felizmente e contigo?
Estás quase a começar o teu curso não é?
- Sim, para Março. Para a semana é dia dos namorados, vens cá?
- Dia dos namorados é todos os dias.
- Pois é! (disse Flor sem mais nada argumentar pois nunca exigiu nada por
imposição e quem ama doa, surpreende e investe).
Ok, meu amor não te prendas por mim, não quero atrapalhar o teu trabalho.
- Beijos doces e grandes.
Loucamente.
- Beijos.
Infinitamente.

無限

Flor para se entreter ia até ao hi5 responder aos comentários que lhe enviavam
ou ia até ao clube amizade.
Beijamim da ultima vez que estiveram juntos dissera-lhe que ia anular o clube
amizade, mas iria sentir a falta dele pois foi lá que conheceu amizades que o
ajudaram a ultrapassar a sua fase mais difícil, e, o que lhe iria custar ainda mais,
era o facto de ter sido lá que conhecera Flor.
Flor todos os dias além de deixar mensagens no telemóvel de Beijamim que não
tinham eco, deixava-lhe também no E-mail todos os dias um carinho, que só de
longe a longe é que recebia um beijo de retribuição.
Não chegava a atender como iria ter saudades do clube principalmente por ser lá
que a conhecera, quando afinal tinha outros meios de contacto que poderia

Loucamente
90

muito bem tirar partido e sem gasto algum e, raramente ou quase nunca o fazia
com ela.
O que mais lhe doía, era quando Beijamim entrava online e, já estando Flor
online também, ele se dirigia primeiramente a outros clubes sem a
cumprimentar.
Embora o site do clube amizade dele se abrisse em simultâneo com o messenger
ao iniciar o computador, uma vez que foi assim que ele programou, Flor enviava-
lhe um beijo no clube e via que a mensagem já tinha sido vista no clube pela
resposta afirmativa que apresentava.
Recebia primeiro Beijamim no clube um beijo de Flor aguardando ela avidamente
um único beijo que fosse, até que Beijamim concluísse o que costumava fazer
nos outros clubes agradecendo aos outros o que lhe enviavam, tal como ele
confirmava, mas nem aí no clube Flor tinha a mesma sorte, pois mesmo que Flor
lhe enviasse beijo para o clube, ele a ela nunca lhe respondia.
Teria de esperar pela sua vez no messenger.
Uma vez, ainda no início quando Flor entrava e dizia que não queria importunar,
Beijamim respondera-lhe: “tens o teu espaço”, mas nunca imaginaria que seria o
ultimo espaço da fila, independentemente do sentimento que lhe era dedicado.
Beijamim estava mais inclinado a visitar primeiro o clube amizade e ver quem lhe
enviava carinhos enquanto que Flor, triste, aguardava um carinho seu por muito
breve que fosse.
Conforme Flor colocava Beijamim acima de tudo e todos, o mesmo não se
passava da parte dele e Flor começou a ressentir-se.
Com o tempo Flor ia murchando.
Onde estava aquele ser lindo que tanto pediu verdade e frontalidade acima de
tudo por mais que esta doesse e dizia amá-la loucamente?
Essa noite passou em branco, nada a fazia adormecer.
Contudo, a Esperança é sempre a última a morrer.
Já que amor nem toda a gente sabe semear embora goste de o colher, Flor
semeava-o à sua volta não por pena, mas porque sabia que sua etapa de amar o
próximo como a si mesmo ainda não tinha terminado.
Já nem com o diário queria desabafar.
Ela sabia que a Vida ensina mesmo com as atitudes que magoam e dizia,
“desculpo sempre até mil e uma vez”, fazendo sempre de conta que era a
primeira vez que a magoavam, mesmo sendo reincidente.
De maneira que Flor começou por entrar no messenger à noite, mais tarde, já
para não se entristecer, sabendo que Beijamim tinha necessidade de em primeiro
lugar frequentar o clube.
Não o queria monopolizar nem pelos breves três minutos que trocavam de
carinhos, visto de manhã e à noite nem entrar por Beijamim já trabalhar
acompanhado, se bem que um dia quando Flor estava a falar com Lis no
messenger, Beijamim dialogou com Flor que o advertiu que tivesse cuidado pois
agora estava acompanhado e ele retorquiu que era dono e senhor dos seus

Loucamente
91

actos, o que a deixou muito confusa, confrontando com situações anteriores em


que ele dizia que aquilo era um escritório e agora acompanhado, não podia estar
com intimidades.
Os dias prometiam continuar com temperaturas amenas.
Flor como sempre, acendia todas as manhãs uma velinha por Beijamim,
acompanhava-o pelo messenger de manha e à tarde até sair, no silêncio, mas
sempre em off.
Não se escondia na penumbra para nenhum objectivo que fosse senão o de o
acompanhar à distância e em silêncio para que ele não pensasse que ela se
estava a impor.
Depois de jantar então mandava-lhe um beijo, como se permissão estivesse a
pedir para receber um beijo seu.
無限

- Beijos ( Flor enviava a Beijamim o desenho de beijos)


- Olá minha Flor mais linda do norte, como estás?
- Preferia ser a tua Flor mais linda. Não a do norte.
-Ahahaha! Sim claro.
Muito louco, muito serviço.
- Que feliz fico por ti. Trabalho, logo, compensação.
- Bem vou continuar o trabalho.
Beijos xau até já.
Loucamente.
- Beijos! Infinitamente.

無限

Ultimamente quando Flor entrava à noite, que era a única oportunidade que
tinha, ele adiava um mimo que fosse dizendo que o vendedor agora entrava mais
cedo, precisamente à hora que ele abria a porta para trabalhar e então só
quando ia embora a altas horas da madrugada é que se despedia com um beijo e
loucamente e, se se lembrasse.
Beijamim falava cada vez menos e andava louco de trabalho, de modo que um
dia irritado só para mostrar que não podia perder tempo ligou a camera, só para
mostrar caixotes de envelopes que ele teria que colocar circulares e endereçar.
Eram de facto milhares, mas nem um sorriso, nem um beijo.
Ligou simplesmente a camera para se justificar mostrando um ar sisudo sem
sequer enfrentar a camera de frente, o que deixou Flor de rastos, sorrindo com
vontade de chorar.
Porque culparia ele o amor que lhe era tão dedicado? Onde tinha Flor errado?
Inclinava a camera para todo o sítio onde tinha trabalho fugindo para não se
mostrar.

Loucamente
92

Por fim desligou-a e falou no messenger dizendo que não lhe podia dar a atenção
que merecia porque estava muito atarefado.
Despedia-se num até amanhã frio e enevoado, como no dia em que D. Sebastião
desapareceu como se fosse um até sempre, não até qualquer momento, mas
para sempre.
Sempre que Flor não encontrava justificação para certas atitudes dele, mandava-
lhe por E-mail uma mensagem retratando tudo o que lhe ia na alma, por forma a
que houvesse uma resposta que a acalentasse, uma desculpa que fosse, pois
sabia que em nada tinha contribuído para certos comportamentos que nunca
imaginaria ter de enfrentar.
Da sua parte se houvesse uma atitude mais invulgar, haveria sempre a
delicadeza de pedir desculpa e nunca puniria alguém inocente.
Adormecia com lágrimas correndo pela face abaixo, pedindo ao Universo que o
ajudasse e sussurrando dizia:
“ O amor é tempo e só para mim é que não o tens”

無限

Amanhecia com gotinhas de geada que acalentadas pelos primeiros raios de sol
brilhavam e rolando caíam no solo como se lágrimas da Vida brotassem.
Como sempre, Flor seguia o seu ritual.
Agradecia a Deus tudo o que recebia no dia a dia, quer fosse do Bem quer fosse
do Mal, pois até com este se aprende, acendia a luzinha de Beijamim e ia à net
aos seus correios para ver se havia algum carinho.
Nada!
- Olá Lis meu anjo querido (teclando no messenger)
- Olá Flor da minha vida.
Temos de combinar novamente outro encontro Amiga, tenho saudades tuas e
precisamos pôr nossa conversa em dia.
- Sim.
Também brevemente vamos começar o curso e estamos mais vezes juntas.
- Sim é verdade, pelo menos durante o tempo de curso ficas aqui sempre
comigo.
- Pois é.
- Estás triste?
- Sim, Beijamim cada vez me evita mais e não sei porquê.
Mal falamos. Cada vez menos.
Não sou indiscreta e nunca me ponho com perguntas.
Quando acho que algo está errado e exponho minha tristeza na caixa postal dele,
como dizendo que o sinto fugir da minha vida, ou que me culpa pela culpa que
não tenho, ou diz “que nem tudo é o que parece”, ou que estou a dramatizar, ou
que se não me responde é porque não vê, ou não está ou não pode…
- Oh, minha doce Amiga! Eu preveni-te desde início!

Loucamente
93

Pássaro liberto da gaiola pousa em todo e qualquer galho enquanto as asas


tiverem penas.
Dá-lhe um tempo, deixa de enviar mensagens para o telemóvel, para o e-mail,
deixa que ele sinta a tua falta.
- Eu até posso sofrer sentindo a falta dele, pois desde sempre está ausente, mas
penso que ele precisa de alguém que todos os dias lhe diga que acredita nele
como eu acredito e lhe dê um carinho.
- Já experimentaste fazer um perfil diferente sem foto no clube amizade para ver
qual é o objectivo dele?
- Como assim?
- Os homens que andam à caça de mulheres, sempre que vêem um novo perfil
mesmo sem foto não deixam escapar uma.
Se ele for um desses, certamente ao ver um perfil novo tenta contactar contigo.
- Não queria fazê-lo. Acho que não sou capaz.
Pois bem, vou-te contar uma coisa:

Gabe, é uma amiga virtual do meu hi5 e mais tarde passou a ser do messenger.
No hi5 sempre fiz convites a estrangeiros, homossexuais e pessoas de longe, tal
como com um Karl de muito longe, isto para evitar aproximações e abusos.
Dei meu messenger a esse Karl que se encantou com minha maneira de ser e
minha filosofia de vida.
Dei-lhe o messenger, porque tive pena dele quando me contou que sofria de
cancro pelo que tinha que sofrer várias intervenções cirúrgicas aos nódulos que
lhe apareciam no pescoço, doença que levou um dos seus pais e além disso
estava em vias de separação.
Tal como tu, não gosto de sentir ninguém triste por mais triste que eu possa me
encontrar. Deixei que se criasse uma amizade virtual.
Com o tempo fui vendo que poderia ser uma história verídica, mas esse fulano
era tão prepotente querendo que me despedisse com beijinhos e adoro-te e amo-
te, que acabei por o anular do messenger.
Certo dia nos meus amigos do hi5, esse Karl viu uma mocinha daqui desta zona e
dizendo-se meu amigo já que ela fazia parte das minhas amizades, aproveitou-se
para se chegar até ela.
Gabe é uma mulher sensacional a quem a vida não ajudou muito.
Divorciada de um homem que não a merecia, e, não tendo para onde ir, refugiou-
se num lar com seu bebe, hoje um homem, até poder reconstruir sua vida.
Inteligente, carinhosa, bonita e divorciada, era um dos alvos dos que
virtualMente têm como objectivo momentos de prazer nem que para tal
percorram Portugal de norte a sul só para se envaidecerem com sua virilidade,
quando por vezes nem nisso têm qualidade. Só pobreza de espírito.
Gabe, começou por trocar comigo no hi5 as primeiras mensagens dizendo que
estava muito feliz e que eu sabia porquê?

Loucamente
94

Eu que até ali recebia os mesmos comentários que ela repetia a cada um dos
amigos do hi5, estranhei porque haveria eu de saber a origem de tanta felicidade
se eu ainda nem a conhecia!
Até que Gabe numa outra mensagem em privado me falou do Karl.
Deu para entender que já se haviam encontrado e que lhe fazia promessas que
nunca se iriam cumprir.
No início já alguém me tentara alertar, uma amiga dele da zona, para o sacana
que ele era, mas como eu nem conhecia um nem outro não dei crédito.
Eu ainda não conhecia Gabe ao vivo, mas não poderia deixar que ele destruísse
seus sentimentos e esperanças de uma nova vida, por isso pedi-lhe o número de
telemóvel e combinamos encontrarmo-nos.
Contei a Gabe que esse tal Karl fazia força em encontrar-se comigo num dia que
dizia que vinha ao Norte de visita a uma pessoa de família, antes de o ter
anulado por o achar prepotente e atrevido.
Advertia-a também que alguém que já o conhecia me tentou avisar que ele era
falso, mas como eu não tinha qualquer relacionamento com ele não dei crédito.
Ora se Gabe estivesse interessada em ter mais dados sobre ele, até poderia falar
com essa pessoa que estava também no hi5, a ponto de confirmar tudo para o
que eu a alertava.
Como eu não fui na conversa dele agora iria fazer com outro alguém.
Gabe na esperança que ainda não estivesse a ser alvo da astúcia dele, disse –
me que ele se ia separar e refazer novamente a vida dando-lhe esperanças de
futuro.
Como me pediu opinião para saber como o poderia desmascarar, aconselhei-a a
abrir perfil no clube amizade com outro nome que não o seu, uma localidade que
fosse próximo da dela para assim o poder testar.
Não foi preciso muito tempo.
Na mesma noite Gabe me ligou para informar que ele falara com ela pensando
que falava com outra, relatando a mesma história de sempre.
Gabe não se descobria para ver até onde ele podia representar.
Ele pediu também seu número de telemóvel e tentou marcar encontro com ela.
Como Gabe não tinha amigas ou não queria contar a alguém o que se passava,
querendo pôr em prática um projecto, eu pedi a Isa que colaborasse com ela o
que de imediato aceitou.
Gabe marcou encontro com Karl, sob outro nome claro, e, combinada com Isa,
partiram para o ponto de encontro onde ela se manteria à distância para se
certificar da índole de Karl.
Quando este chegou ao ponto de encontro e viu Isa, pensando que era a nova
amiga com quem teclava no clube amizade, passou-lhe a mão nos cabelos e
disse-lhe que ela era muito bonita.
Talvez o que costuma a fazer com todas de quem quer tirar proveito.
Isa indignada por saber o que se passava, quase que lhe atirava o café à cara.

Loucamente
95

Entretanto Gabe entra em cena mostrando-se admirada por ele estar ali e nem a
ter avisado que vinha ao norte, enquanto Isa combinada com Gabe sai, olhando
Karl de revés para ele pensar (afinal quantas somos) e Gabe ficou a confrontar
Karl chamando-o de mentiroso em público e desnudando sua imagem de
cavalheiro respeitável.
Karl ficou muito admirado dizendo que em 42 anos era a primeira vez que lhe
acontecia, mas em nada deve ter mexido com os seus sentimentos pois nem isso
deveria ter, uma vez que à noite já estava com outra.
Os desgraçados e vazios de sentimento são todos assim, andam com muitas
porque nem eles próprios sabem o que querem, simplesmente como animais
cujas funções básicas são os instintos e, nessa diversão, deixam a inteligência
adormecer para depois se armarem em vítimas.
Ofendido com as atitudes de Karl, um amigo de Gabe ia fazer-se passar por
mulher já que Karl era tão acessível a qualquer uma e, tramando-lhe uma cilada,
num possível encontro iria fazer-lhe um ajuste de contas.
Como vês Flor, quando as pessoas virtuais mentem em suas atitudes quando
frente a frente se encontram na realidade, continuam representando seja com
quem for.
É a vantagem do virtual+mente. Nunca se sabe quem está por detrás da cortina.
Claro está que não podemos nem devemos pensar que todos sejam iguais, pois
há muito boas pessoas que se encontram solitárias e só precisam de alguém que
do outro lado lhes mostre que são especiais.
Não estou a querer dizer com isto que Beijamim seja igual.
- Não Lis! Ele disse-me que era diferente.
- Bem, na realidade ele mostra-se sempre diferente.
- Não digas isso Amiga!
Ele deve estar com tantos problemas que nem tem cabeça para algo mais.
Mas também se de facto ele não tiver sentimento por mim eu nunca deixarei de
ser na mesma amiga dele se me contar a verdade.
Mas não! Algo se deve estar a passar e eu queria-o ajudar sempre.
- Quem tudo quer tudo perde. Mas olha que isto também não se passa somente a
nível de homens.
Por vezes encontramos pessoas que armadas em coitadinhas através dum
virtualmente valem-se de nossas Amizades.
Um amigo meu do hi5 que está bem posicionado na vida, acabou por bloquear
uma brasileira que chegou ao cúmulo de lhe pedir altos valores após ter
pesquisado as fotos dele e nelas ver que era uma pessoa da alta sociedade.
Outras há, que criam amizade, falo em mulheres também que se mostram de
coitadinhas, mas mais tarde ou mais cedo deixam cair a máscara e não
conseguindo representar mais, mostram o outro lado da face.
Nessa altura é lamentável, pois pessoas assim só servem para criar distúrbios
pela futilidade que contêm e nessa altura é só anular e esquecer.
Mas também há pessoas boas que deixam Luz no nosso caminho.

Loucamente
96

Tenho também um amigo muito querido que até à data foi o único capaz de
asseverar que a mulher é mais coração e o homem mais técnico, e, que muitos
homens incapazes de controlar seus instintos básicos, se servem de mulheres
sensíveis ao ponto de pisarem seus próprios sentimentos.
Advertiu-me para nunca ser escrava do meu sentimento mais nobre, o amor, por
ver que tal como ele era sincera, pois a Vida o ensinara a respeitar o ser humano.
Na humildade do seu Ser, para não dar a demonstrar presunção que em nada o
é, Impirico, retirado de Empírico se apelidou, porque sua filosofia de vida não lhe
fora aplicada na teórica, mas na prática do dia a dia, excluindo qualquer teoria
própria para ligar os resultados das suas experiências de vida e daí tentar ser o
mais justo possível.
Abençoada sejas estrelinha dos mares e da Terra e que bons ventos protejam
sempre tuas velas e Deus guie o leme da tua vida.
Que tuas partidas e chegadas sejam sempre com muita Saúde, Sabedoria,
Sucesso e Felicidade, para ti e quem mais adoras.
Quanto ao teu Beijamim, faz como quiseres mas lembra-te do que te contei e
sugeri.
Faz um perfil novo no clube amizade e vê se ele se comporta como cavalheiro ou
caçador.
Num perfil, pois nunca se sabe quem está por detrás, aí sim, podemo-lo moldar à
nossa maneira para nos defendermos de algo ou tirarmos dúvidas de alguém que
gosta de parecer aquilo que não consegue ser, pois nunca poderá ser
considerado mentira quando se trata de uma estratégia para nos protegermos.
- Sim poderás ter razão, mas o argumento dele de ser membro do clube se
identifica com o meu apesar de eu não pagar. Acho!
Conhecer pessoas só virtualmente, para se confrontarem atitudes, conhecer
mentes diversas, aprendendo com os outros ideias novas e fazermos através dos
outros uma análise à nossa pessoa, além da vantagem de nos distrairmos
virtualmente com uma palavra amiga que seja, o que não impede de certas
pessoas poderem vir a relacionarem-se sem se servirem de alguém como
necessidade ou passatempo.
Ele até me disse que uma fulana numa dada altura lhe enviou a mensagem “quer
fazer amor comigo” e ele que como nem a conhecia bloqueou-a de imediato.
- Será mesmo assim Flor?
Se estás sofrendo com algo de que não te culpas a não ser pelo amor que doas,
compete-te a ti tirares as dúvidas.
- Obrigada Lis querida por te importares comigo.
- Se não me importar com o que me dá vida, com que é que me irei importar
tesouro do meu coração?
- Beijos. Te adoro.
- Beijos meu anjo.
Entretanto Flor aguardava que Beijamim à noite desse notícias.
Beijamim subiu e desta vez falou logo com Flor.

Loucamente
97

無限

- Olá meu amor como estás?


- Bem e tu?
- Bem felizmente. Tenho saudades tuas.
- Que bom.
- Muito trabalho, é de loucos. Queres encontrar-te comigo para a semana?
Tenho saudades tuas. Te amo loucamente.
- Como eu aguardava ansiosamente essa palavra “te amo”. Ainda perguntas?
Eu também te amo Infinitamente.
- Eu sei disso meu amor.
Bem vou trabalhar mais um pouco, está aqui o vendedor depois falamos melhor.
- Beijos meu amor.
Beijos doces e loucos.
Loucamente.
Até já.
- Beijos até já.
Infinitamente.
Desta vez Beijamim ao sair do escritório enquanto que Flor o acompanhava em
silêncio, despediu-se com muito amor dizendo:
- Estou exausto. Vou para o nosso leito de amor (tal como argumentava,
adormecia meditando, colocando Flor a seu lado).
Já sabes, para a semana estamos juntos se quiseres.
- Da minha parte não há entrave.
- Ok. Combinado.
Beijos doces meu Amor. Te amo loucamente.
- Beijos doces.
Infinitamente meu Amor.

無限

Flor tinha preparado tudo ao pormenor para surpreender Beijamim.


Comprara champanhe como sempre fazia para brindar ao amor, bombocas,
alguns comestíveis e uma velinha para cada um.
無限

- Onze horas! S. Justa minha companheira ilumina o nosso amor.


À hora certa Beijamim trocava um beijo com Flor, não virtualmente, mas em
pessoa.
No seu cantinho de amor onde o silêncio era testemunha, Beijamim desnudava
Flor como se a desfolhasse e Flor fazia-lhe o mesmo.
Seus corpos escaldantes prometiam aventuras sem fim.

Loucamente
98

Foi um dia inesquecível pela surpresa que Flor fez a Beijamim.


Flor nunca se desnudava totalmente.
Com um lenço rosa em volta da cintura, que terminava em laço na curva da anca
deixando transparecer todos os declives de seu corpo de gazela, Flor sorria
despertando todos os sentidos de Beijamim que, loucamente abraçava seu amor
e percorria seu pescoço e sua boca com beijos ávidos, ardentes e húmidos.
Flor passava-lhe a ponta da língua desde a cabeça até aos pés para se atirar
freneticamente novamente em seus braços e ambos explodirem em amor.
Era o fenómeno do eclipse. Quando o Sol após tanta ansiedade pela paixão que
tem pela Lua, ao fim de muito tempo conjuga seu amor a cobre de amor e a ama
loucamente como se não houvesse amanhã.
Após tanta loucura, Flor muito delicadamente oferece a Beijamim uma bomboca.
(tipo bombom gigante com recheio tapado com uma tampinha de biscuit no
fundo).
- Não aprecio muito isso!
- Não? (pergunta Flor). Tens a certeza? Queres ver como gostas?
Delicadamente retira a tampinha do fundo e com a subtileza de um beija-flor que
extrai o néctar de uma flor, Flor sorveu um pouco do conteúdo que tinha dentro
da bomboca, enquanto que Beijamim sem pestanejar perguntava a si mesmo o
que é que ela iria inventar.
Olhando para o interior da bomboca sorri e, delicadamente encaixa-a em
Beijamim, que suspirando de prazer se deixa transpor para um paraíso ora então
desconhecido, mas que naquele momento lhe trouxe uma felicidade jamais
esquecida não só pela voluptuosidade sentida em seu ser mas também pela
intensidade de Luz que iluminou o seu âmago, ora amargo por certas facetas da
vida.
Conjugava-se o prazer do Céu com o gozo da Terra, assim lhe permitia seu anjo
Vehuel e o anjo da Terra.
Riram, brindaram, estavam todos lambuzados de chocolate. Afinal Beijamim ficou
a gostar de bombocas.
Com suavidade Beijamim pegou no seu amor como se um noivo estivesse
levando sua noiva para o leito de amor e, caminhando para outro lugar a colocou
sentada sobre um patamar em frente a um espelho, onde agora Beijamim iria
surpreender seu amor.
Se havia dia que o Tempo deveria parar, esse seria um deles.
- Como eu te amo, dizia Flor.
- Loucamente, respondia Beijamim.
Como sempre, antes das despedidas, Flor vertia óleo perfumado no dorso de
Beijamim que adorava massagens e, como isso lhe dava prazer, deslizava
suavemente ao longo de todo o seu corpo para lhe retirar o stress acumulado.
Chegava a hora da partida.
Tudo que é bom passa rápido.
Haveriam promessas de novos encontros?

Loucamente
99

Beijamim partia com Flor e Flor ficava com Beijamim.


Nesse dia à noite a mensagem no messenger de Beijamim era a seguinte:
“ Fizeste da minha alma deserta um jardim ”

無限

A noite de Flor fora embalada pelos anjos, sentia-se renascer novamente.


Que estaria escrito no Livro da Vida para ela ser tão apaixonada por Beijamim
apesar de sentir que ele não nutria o mesmo sentimento por ela?
Sim, sentimento pois ele um dia confidenciara-lhe que ela não imaginava a
mágoa que ele sentia por não lhe retribuir o que ela lhe doava de coração aberto,
da mesma forma com que ela o fazia. Mas isso não quer dizer que não a amasse.
Porque seria?
Apesar de tudo ela sabia que mais tarde ou mais cedo enquanto a lembrança do
corpo dela não se desvanecesse do corpo de Beijamim, ele amá-la-ia sem
entraves, entraria no messenger acompanhado ou sozinho, iria querer vê-la na
camera, mas quando refreasse também sabia que tudo ia voltar ao mesmo e que
ele justificaria muitas entraves para falar com ela de forma a não se sentir
segregado mas sim livre e senhor da sua vida, mesmo sabendo que Flor nunca
ousaria impor condições convicta que ninguém é de ninguém.
Bastava-lhe a Verdade e ele sabia-o muito bem, mas fugia dela constantemente.
Durante uns tempos era uma alegria mesmo que não entrasse para falar com ele
no messenger de manha e à noite, permanecendo em off para o acompanhar,
ver sua mensagem no messenger “ Fizeste da minha alma deserta um jardim”,
mas também depressa passou a nova mensagem “Para além do Infinito”, o que
de todo também não desagradava a Flor se a mesma fosse com o intuito de a si
ser dirigida.

無限

Flor e Lis iam começar o seu curso.


Saíam juntas, tomavam o pequeno almoço juntas, estudavam juntas e
desfrutavam suas confidências.
- Olha Lis hoje Beijamim vai para fora e respondeu-me à mensagem que lhe
enviei logo de manhã.
- Desta vez respondeu-te?
Então?
- Eu disse-lhe simplesmente: “Homem da minha vida. Beijos”
E ele de imediato respondeu “mulher da minha vida, meu amor eterno, beijos”
- Não o chego a entender. Tanto dá a impressão que gosta de ti, como de
repente tu não estando ao alcance dos seus sentidos, te tenta esquecer! Tu não
és um passatempo!

Loucamente
100

Flor segredou a Lis tudo o que se passara ultimamente e até as mensagens de


amor que ele havia colocado no messenger.
- Ai Lis qual vai ser o final desta história Amiga?
- O final és tu Flor!
- Como assim?
- Ou muito me engano e Deus queira que sim ou tu como protagonista desta
história, tu mesma porás o final a essa história.
- Mas isso quer dizer que é um final positivo ou negativo?
- Vai com calma Flor, mas pensa sempre primeiro em ti pois se continuares a
pensar sempre nos outros em primeiro lugar como sempre o fizeste, então eu
jamais quererei ver o final desta história.

無限

Beijamim agora andava mais ocupado que nunca.


Ia mudar de casa e até isso teve que o fazer sozinho por falta de ajuda.
Entretanto à noite tinha colocado na empresa dele uma amiga a título de o
ajudar no serviço.
Cada vez se tornava mais difícil contactá-lo pois agora até à noite estava
acompanhado e não o queria comprometer
Como da última vez ele dissera a Flor que já estava no clube amizade
novamente, Flor procurava novas suas indo ao clube amizade para ver se estava
online, na perspectiva de pelo menos lhe enviar um beijo como a dizer “SEMPRE
contigo”.
Mas nessas primeiras semanas ele não foi ao clube, só o fazia quando estava
com o vendedor.
Entretanto no messenger a mensagem passou de “Para além do Infinito” para
“Levar as convicções até ao fim”.
Inicialmente Flor ficou confusa.
Como ele se desculpava dizendo que tinha uma grande mágoa por não ter tempo
de retribuir a Flor todo o carinho que lhe dava e, uma vez que seu objectivo de
vencer tinha tornado o seu trabalho numa obsessão retirando-lhe qualquer
momento de afecto, ela pensava que “levar as convicções até ao fim” seria mais
uma forma de demonstrar que primeiro e acima de tudo trabalho e só trabalho e,
mais nada que trabalho, isto é, loja fechada para qualquer contacto, o que não
impedia que pelo menos lhe deixasse no seu messenger um beijo.
Ou seria mais uma estratégia de dizer, ficamos por aqui?
Se assim fosse, um homem frontal como se diz ser não se abstinha de em breves
palavras que fossem dizê-lo a Flor que amava a Verdade acima de tudo e, nunca
seria pela Verdade que ela viraria costas a uma grande Amizade, a um
verdadeiro amor mesmo que ele a desconsiderasse.

Loucamente
101

Mas como ele também disse que ia a Fátima a pé e depois disso se encontraria
novamente com Flor, ela também pensou que sua mensagem do messenger
estivesse relacionada com suas convicções religiosas.
O tempo ia passando e à noite Beijamim dizia o mínimo indispensável e só
quando ia embora dizia:
- Olá Flor. Tudo Bem?
- Tudo e contigo?
Tudo felizmente.
Beijos
Xau
Flor terminava também com beijos. Xau anjo.

無限

Se ele calhasse de entrar no messenger à tarde já mantinha outra postura e


compensava-a de outra maneira.
- Olá meu amor como estás? Então o teu curso?
Que tens feito?
Está tudo bem contigo?
- Sim e contigo meu amor?
- Muito cansado nunca me senti tão exausto como este ano, mas deixa passar
esta época da escritura da casa para nos amarmos novamente.
- É tão bom ouvir-te dizer isso. Dá-me vida.
- O nosso curso acabou com êxito.
- Que bom.
- Falta-me o estágio. Dá-me folga a ir primeiro de férias.
Lis já vai estagiar mas eu possivelmente só em Setembro.
- Quando vais?
- Já vou amanhã.
- Posso ligar-te agora?
- Agora não, estou com Lis e mais pessoas. Liga-me amanhã por favor. Não te
importas?
- Ok. Claro que não.
- Beijos meu amor.
- Beijos.
Loucamente
- Infinitamente

無限

Flor despedia-se de Lis com um enorme abraço que cruzava seus espíritos num
até já como sempre.

Loucamente
102

- Flor, meu anjo querido, boa viagem. Quando vieres vou eu de férias, queres ir
comigo?
- Não posso Amiga querida, tenho o meu estágio, nessa altura já tu concluíste o
teu.
- Logo se verá.
Trata-te bem andas muito pálida e vive o que tens para viver. Vive bem e muito
Amiga.
- Obrigada Lis querida.
Tchau Amiga.

無限

O dia nascia quente e Flor andava às voltas com as malas de roupa para a
viagem, enquanto que aguardava ansiosamente um telefonema ou mensagem
de Beijamim.
Mas não! Partiu amargurada pois mais uma vez se sentiu esquecida.
Mesmo assim, Flor todos os dias enviava uma mensagem para seu amado que
agora lhe respondia com beijos.
Quando regressou de férias ficou tão feliz por ver que Beijamim visitava sua foto
no messenger e lhe deixava saudosamente mensagens.
Dirigindo-se ao seu diário, confidente e amigo, começava:

無限
Vê meu diário querido, Beijamim lembrou-se de mim na minha ausência.
Repara o que ele me deixou:

- Beijamim enviou :

Claro que tenho pensado em nós, mas os sentidos são sempre mais fortes.
Não poderia deixar passar em branco o que me vai na alma neste momento,
momentos de reflexão e de saudade.
Deste sempre deste tudo de ti isso eu sei nunca tive duvidas nem mesmo
durante um simples segundo.
Por esse motivo me sinto um dos homens mais felizes ao cimo da terra.
Agradeço a partilha, o carinho, o amor, a dedicação, o amparo, o sucesso . . . e
muitas mais.
Sempre e loucamente te amo Flor
Beijos grandes até sempre.

- Beijamim enviou : (passados dois dias)

Bom Dia meu amor espero que estejas feliz o sol faz-me lembrar de ti
Como sendo o sol da minha vida

Loucamente
103

Beijos grandes LOUCAMENTE de quem não se esquece de ti

Ai amiguinho, fico tão feliz!


Se soubesses como a Vida em mim flui quando Beijamim desnuda seus
sentimentos sem preconceitos.
Amanha já vou conseguir teclar com ele. Como eu o AMO…

無限

No dia seguinte Flor ligou para Lis dizendo que tudo tinha decorrido bem, que
estava feliz e que quando chegou a casa tinha lindas mensagens de Beijamim no
messenger que a tornaram ainda mais feliz.
Os dias iam passando e notava-se que Beijamim andava muito atarefado pois
andava novamente com evasivas o que levou Flor a deixar-lhe uma mensagem
no seu messenger.
“ Sinto que estás a fugir da minha vida e não entendo porquê?
Beijos de quem te adora.
Infinitamente”
No dia seguinte quando abriu seu messenger Beijamim tinha uma resposta que a
sossegava:
“Sem receios. Não estás a sair da minha vida pelo contrário cada vez mais forte,
mas tens razão, deixa-me passar esta fase da casa.
Se me vejo livre disto tudo julgo que é mentira. Este ano sinto-me extremamente
cansado. Beijos grandes meu amor SEMPRE LOUCAMENTE”

Beijamim só deixava mensagens longas no messenger quando Flor estava


ausente. Quando falavam os dois, raramente passavam de três minutos.
Seria Beijamim envergonhado em demonstrar directamente seus sentimentos ou
recearia em presença dizer algo que pudesse vir a arrepender-se?
Lembrou-se da Paula lhe ter falado em amor platónico.
Não! Não queria crer.
Mas suas mudanças eram constantes.
Por fim quando mudou de casa e a escritura já estava finalmente feita com todos
os documentos em ordem, Beijamim prometeu encontrar-se com Flor.

無限

Julho mostrava-se quente e abrasivo.


Uma estação linda para amar.
O maior gosto de Flor já que mal se viam, era encontrarem-se pelo menos uma
vez em cada estação do ano.

Loucamente
104

Nesse dia Flor saíra feliz para se embelezar pois aguardava ansiosamente o dia
seguinte que abraçaria seu amor.
Já estava de regresso a casa quando recebeu uma mensagem de Beijamim a
dizer que tinha que adiar a sua vinda e que depois falaria com ela.
Impaciente pois julgava que lhe tinha acontecido algo de pior, ligou-lhe e ele
muito baixinho respondeu-lhe que estava numa clínica onde tinha ido levar a
mãe que estava sentindo dores no peito. Ele já tinha confidenciado a Flor desde o
primeiro encontro que sua mãe sofria de cancro da mama.
Talvez não seja o sítio mais indicado! Uma clínica para estes fins?
Mas ele lá sabe a razão de tal atitude!
O tempo ia passando e Flor reconhecia que sempre que se encontravam,
passado algum tempo ele mudava de atitude, mas sempre que ele no messenger
se lembrava de lhe chegar ao coração ela esquecia de tudo.

無限

Amiguinho diário e querido confidente, ajuda-me a atender de que sou


feita e porque perante atitudes que me anulam ainda sou capaz amar?
Porque será que mesmo assim o amo tanto?
Hoje de tarde ao ver-me on no messenger, decidiu abrir a camera o que
já há muito não o fazia e falando-me ao coração, acabei por lhe enviar
esta mensagem:
Meu Amor,
Como é lindo meu amor por ti.
Quantas das vezes me retraio em expor este amor com receio de ser
alvo de critica quando por vezes "te sinto distante de mim”!
Mas algo me impede de não o deixar de fazer, porque tudo que dentro
de mim é SENTIMENTO reflecte-se de imediato.
Não falo em distância métrica, pois essa para mim nunca foi nem será
impasse algum mas a distância que por vezes sinto de ti para mim.
Sei que por vezes te coíbes de reflectir o mesmo, ou por algo que muito
te magoou outrora receias de novo abrir portas a um pesadelo que
tentaste ultrapassar, ou porque entendes que coração deve sofrer em
silêncio.
Me perdoa se desperto teu sentimento e não deixo teu coração em Paz.
Mas a Verdade é nítida e real e tu sabe-la bem.
EU TE AMO e TE ADORO, num SEMPRE que só tu podes determinar.
Se te amo!
Por ti abdiquei da obsessão de vir aqui três vezes ao dia para saber
como estavas e deixar-te um beijo em simples minutos que fossem.
Por ti meti-me em algo que me obrigasse a sair de casa só para não ter
a tentação de te ver online sem conseguir resistir e ser uma constante
enfadonha.

Loucamente
105

Por ti vou abdicando de todas as entraves que se me possam apresentar


para não te saturar com minha presença.
Por ti serei SEMPRE, mesmo no silêncio, a presença FIEL que jamais te
abandonará, pelo SENTIMENTO que o Universo registou no livro da
minha Vida.
Beijos meu amor.
TE AMO
No dia seguinte que era um Sábado, já eram altas horas da noite
quando sem sono decidi vir à net.
O messenger não tinha ninguém.
Fiquei ON e decidi ir bisbilhotar o clube amizade para ver se o sono
chegava.
Beijamim estava em chat mas só no clube, mas não interferi nem ele
deu por mim.
Pena foi que no dia seguinte, como era Domingo, com mais tempo disse-
me que no dia anterior tinha estado em Santarém numa festa de anos
de um amiguinho do filho.
Ora como eu o vira, perguntei-lhe se não foi à net a noite anterior ao
que ele respondeu que não.
Como a verdade em mim impera acima de tudo, respondi-lhe que o vira
não no messenger mas no clube ao que ele referiu que esteve sim no
escritório com o computador ligado mas só para ouvir musica.
Para não delongar mais a conversa, respondeu que tinha que continuar
a trabalhar e despediu-se com beijos doces e grandes e um até já.
Na semana seguinte senti-me tão desiludida e sem forças que acabei
por desfalecer.
Nem contei a Lis para não a alarmar senão ela mais uma vez me iria
advertir com tudo o que já me havia dito.
Durante uma semana não se viu Beijamim subir à net, de maneira que
certo dia quando dei pela sua presença, entrei:

無限

- Beijamim, não precisas de me bloquear! (teclou Flor )


- Desculpa mas não percebo.
- Eu não te incomodo. Só quero o teu bem.
- Não bloqueei ninguém.
- Okey!
- Estou de férias no Algarve.
- Força, amigo. Boas férias. Beijos.
- Aliás não tenho percebido as tuas últimas mensagens.
Mas, possivelmente também não é para perceber, ok, beijos.

Loucamente
106

- Anjo eu é que nunca percebi porque vinhas ao messenger, saías e sem nada me
dizeres me puseste de parte.
Não és obrigado a amar ninguém.
Amar e gostar de ser amado é aquilo que faço.
Agora aos poucos deixar quem amamos afastar-se isso é porque o sentimento
deixou de o ser, pois o meu como sempre e SEMPRE disse, é VERDADEIRO e
SEMPRE.
- Pois, como deves calcular não quero alongar agora numa conversa que
possivelmente poderia não acabar.
Estou num posto da PT só a ver os meus e-mails.
- Ok, beijos.
- Como já te disse algumas vezes não deves sobrepor o que é verdadeiro ou não,
não pondo em causa os seus sentimentos.
Beijos Grandes
Sou sempre o mesmo
- Não sobreponho sentimentos. O que não entendo é o afastamento de um
sentimento tão forte que parecia verdadeiro.
- O sentimento é o mesmo, os momentos de disponibilidade é que não. Beijos
boa semana no Domingo estou de volta.
- Amigo, eu vi-te entrares e saíres num sábado à noite e a estares em chat e
nessa noite nem um beijo.
Nessa noite estiveste até à 1h20 da manha e eu aguardei no messenger sempre
por um beijo que nunca chegou, ok beijos.
- Sábado ???????
- Sim por isso não entendi.
- No Sábado já estava no Algarve desde das 10 horas da manhã.
- Não foi este. No outro em que foste a Santarém e disseste que nem tinhas ido à
net. Mas já passou. Tu pediste-me acima de tudo sinceridade e eu nunca deixei
de o fazer. Vai lá, não percas mais tempo comigo.

無限

Beijamim desligou-me o messenger e infeliz, não podia deixar de


demonstrar minha tristeza perante a atitude dele confrontando-o com
as suas próprias palavras.
Por isso, enviei-lhe um e-mail descrevendo tudo o que estava sentindo
confrontando-o com as suas próprias palavras e atitudes que se vinham
reflectindo ao longo do tempo…

無限

Flor para Beijamim


Anjo,

Loucamente
107

Faz isto por mim nem que seja a ultima coisa que faças por mim na vida, mas fá-
lo com carinho. Lê-o até ao fim.

Beijos
_________________________

Recapitulando

Para que entendas minhas últimas mensagens


_____________________________

(Algarve) dialogo de Beijamim com Flor

Beijamim: Aliás não tenho percebido as tuas últimas mensagens, mas


possivelmente também não é para perceber
ok beijos
_____________________________

Eu: No dia 10 de Julho (quinta) à noite, estive sempre toda a noite no messenger
e, quando te foste embora, num relâmpago, disseste vou-me deitar, beijos
grandes e doces e nem aguardaste um beijo da minha parte, nem deste tempo a
recebe-lo na hora, pois desligaste de imediato.
No dia 11 de Julho (sexta) que marcou nosso primeiro encontro, enviei-te uma
mensagem via telemóvel, te desejo que esse dia se repita por muitos e longos
anos cheios de muita mais felicidade e Amor (se te passou ao lado pena) quem
sou eu para exigir que os outros sintam o mesmo que eu!!!
Nessa mesma noite em que te enviei esta mensagem, foste ao escritório e
entraste no messenger e, quando saíste, eu ainda continuava online e NADA me
disseste.
No dia 12 de Julho (Sábado) acordei a chorar contigo no pensamento e numa
mensagem te desejei que a Luz de Fátima e a Luz Divina iluminasse teus
caminhos na Senda da Verdade e do Amor (para que em teu caminho não
encontres mais ninguém que te faça mal mas seja sempre sincero contigo e não
te façam o que já te fizeram) e no Amor (para que te amem conforme eu te amei
sempre de coração aberto e desinteressado), com a sinceridade que sempre me
pediste mas que à partida quem me conhece nem precisa de o pedir.
Disse-te que não te incomodaria jamais (o que acho impossível) pois até a mim
me custa acreditar que tudo não passou de uma ilusão.
Mas tendo em conta todo o comportamento que pões à prova para que do outro
lado o efeito seja o que pretendes, mesmo assim, e com muito AMOR te disse

Loucamente
108

que poderias contar SEMPRE comigo como AMIGA VERDADEIRA, claro, nas horas
em que sentires como outrora, que ninguém te compreende, porque eu sim,
mesmo no que nunca queria acreditar eu aceitei.
E SEM PÔR EM CAUSA SENTIMENTOS:
ACEITEI:
Aquando o nosso primeiro encontro, um hi5 tão cheio de carinho que em nada
queria comprometer ninguém ser anulado sem me dizeres algo, o que me
magoou.
Eu entendo!
Bastava um encontro e uma reacção minha negativa à anulação do hi5 para me
fazeres entender, “ficamos por aqui”.
Se eu fosse inteligente reagia.
Táctica da causa efeito.
Mas eu não sou mais inteligente que ninguém, a minha inteligência dá para fazer
de conta e analisar a fundo a causa que leva certas pessoas a certas atitudes.
Chama-se amor ao próximo.
Disseste-me que o apagaste depois de te perguntar, dizendo que alguém andava
a enviar-te mensagens indecorosas e querias proteger-me.
“Quem não deve não teme”, não era a mim que me querias proteger
certamente.
Outro hi5 foi criado de modo a que só admitisses quem querias e não quem te
deixasse comentários que te pudessem travar teus objectivos.
Acreditei que inclusive alguém manipulasse teu endereço como me disseste até
ao ponto de alguém falar por ti e mesmo assim me dizeres que não foste tu.
Mas se assim fosse, também era só uma questão de mudar password, não? Bem,
eu até nem entendo de informática nem sei o que é a NET.
Mais uma vez acreditei. Quem AMA a quem pede sinceridade acima de tudo a
gente faz de conta que nem vê.
Proximamente íamo-nos encontrar em Novembro, mas nos comentários que para
mim não apareciam não deixaram de aparecer noutro perfil “soperdida” e bem
cheios de “cio”.
Claro não foste tu, disseste-me em 21 de Novembro que não…
Se mais uma vez fosse inteligente, mas não sou, confio em quem AMO, via
novamente como uma táctica de mostrar mais uma causa efeito (ela vai
entender que já deveria ter acabado há muito).
O tempo foi passando.
Lembro-me nas vésperas de Natal me dizeres tenho um presente para ti mas não
te envio pelo correio para não te comprometer…assim como nos anos também
mo disseste…
Encontramo-nos a 15 de Fevereiro e aguardei pela Flor murcha que colheste no
natal e me enviarias pelo correio e nem uma pétala, eu recebi para recordação.
Foi lindo em Fevereiro! Meu AMOR é lindo para quem confio claro.
Será que vale a pena recordar? Se recordo acabo chorando…

Loucamente
109

Problema meu, ninguém me manda ser como sou.


A partir dessa data aos poucos vi-me forçada a afastar um pouco pois no fundo
sentia que te estava a pressionar.
Mas juro por Deus que não foi por querer, eu acreditei simplesmente.
Queria ACREDITAR, TINHA que acreditar, perante tanta sensibilidade de um anjo
que julgava não haver igual na vida
No teu Messenger ficaste tão feliz com nosso ultimo encontro que colocaste:
“fizeste da minha alma deserta um jardim” e logo a seguir “Onde o Infinito é o
limite”, mas também foi breve como tudo.
Quando apareceu a mensagem “Levar as convicções até ao fim” e por fim
“existem melodias que ficam para sempre”, algo mais queria dizer.
Comecei a não vir 3 vezes ao dia ao messenger só para te dar um beijo em 2
minutos o máximo 3 que era o tempo que te tomava e meti-me num curso para
me obrigar a sair e não me tentar por ti.
À tarde como disseste que tinham metido 2 criativos, quase não o fazia e se o
fazia aguardava que fosses tu a falar, por receio claro, de te comprometer.
Por fim à noite, acompanhado, agora tomavas novas atitudes.
Comecei a achar que afinal agora já não precisavas de mim.
Mas eu precisava tanto de ti Meu Amor! TANTO.
Alguma vez te interessaste em saber que quem te deu carinho e amor também
algum dia pudesse ter precisado de ti?
Soubeste dizer que gostaste de alguém que sem mais nem menos deixou de te
falar.
Não gostaste! Mas no fundo é o que fazes com quem te quer bem e não to faz a
ti.
Se calhar acabei por pagar pelo que te fizeram. Eis o silêncio!
Por fim à noite quando me colocava online o teu messenger ficava logo ausente,
se me colocava offline, aparecias online, e eu novamente online tu punhas
novamente o messenger em ausente.
À noite eu não entrava, sabes bem que não te comprometeria uma vez mais.
Até na véspera de ir de férias quando me perguntaste se podias ligar à noite ou
no dia seguinte, eu disse no dia seguinte pois nessa noite não era oportuno.
Esperei ansiosa e desgostosa parti, sem um telefonema, uma mensagem, um
beijo, nem um vai à fava…” Fogo… doiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii”
Mais uma vez fiz de conta que isso não aconteceu!
Vezes que eu falava o que me vai na alma sem pôr em causa sentimentos,
porque cada qual é como é, mas para saber o porquê, se estava a chatear-te ou
não, ou se estava a mais, inverteste a situação para me sentir culpada do que
não fiz nem faço nem aos meus inimigos.
Há duas semanas passei pela prova de te ver num sábado subir no messenger.
Puseste-te logo ausente.
Não quis incomodar e quando dei por ela já estavas off.

Loucamente
110

Entretanto eu estava no chat a coscuvilhar e vi-te aparecer no chat da amizade


tal como eu cuscando, o que dói é que no dia a seguir disseste que não tinhas ido
à net e, quando te perguntei, respondeste:
- Ontem estive em Santarém
- Não vieste à net?
- Estive numa festa de anos dum colega do meu filho
- Não? NEM À NOITE????
- Vim aqui ao escritório mas acho que não liguei
- Está bem. E estiveste aí até tarde não foi? Eu vi-te! Deixa lá!
- Viste ????? Se calhar não. Acho que não liguei. Deve ter sido na sexta.
- Ontem sábado. Sexta à noite não te vi aqui. Claro o teu messenger estava off e
eu online, mas vi-te noutro lado. Desculpa minha sinceridade!
- Não tem problema. Sim estava com o computador ligado para ouvir música.
- A música acalma (para mudar de conversa)
- Ouço sempre música todas as noites.
- Fazes bem.
- Está tudo bem contigo?
- Obrigada
- Vou trabalhar mais um pouco
- Força
- Beijos grandes e doces até já
- Obrigada. Beijos. Até já.
- Até já
Fiquei tão abatida que durante dois dias não queria falar com ninguém.
Porquê anjo?
Bastava-te dizer: - Flor meu sentimento é de gratidão pelos momentos que me
acompanhaste, agora estou bem.
Nesse intervalo quando quiseste perguntar se estava tudo bem deixaste-me uma
simples mensagem no e-mail apesar de eu estar online no messenger e tu
também.
Mas se de facto o Ser lindo que conheci estivesse preocupado, tinha-me enviado
a mensagem por telemóvel ou telefonado.
Sim. Abatida!
Todos nós temos momentos de tristeza, eu nunca quis que tu os sentisses e
estava sempre por perto, contigo, SEMPREEEEEEEEE que pudesse e Sabe-lo bem.
Não penses que era só pelo desencanto de ver que nem tinhas um segundo para
mim, numa mensagem ou algo assim, pois espero que tenhas um segundo ao
menos para respirares, comeres, chorares, rires, fazeres as tuas necessidades…
Mas como costumas dizer: “são provas” e temos que as levar de bom grado.
Sim! Provas dessas eu não sou ingrata nem no mal, pois até com o mal
aprendemos, mas quando nos sentimos sós tal como já te sentiste e olhas e vês
que os Amigos não existem, aí sim, se calhar foi por isso que Jesus disse “Pai

Loucamente
111

afasta esse cálice de mim”, pois de facto as dores da alma é que despedaçam as
demais só nos fortalecem.
Eu não estou aqui a querer desculpar-me de algo nem a reflectir o adágio que
costumas pronunciar “Quem não se sente não é filho de boa gente”, mas a
tentar fazer decifrar-te que as últimas mensagens que te enviei não é como tu
dizes (abaixo descrito)

Beijamim: Aliás não tenho percebido as tuas últimas mensagens, mas


possivelmente também não é para perceber.
Ok beijos.

É para entenderes que todos somos inteligentes, ninguém mais que alguém nem
nunca devemos subestimar a inteligência de ninguém principalmente de pessoas
que não usam os 5 sentidos mas os que usam os 6 (o da alma também).
Agora que disse tudo o que tinha a dizer porque nunca me senti “causa” mas
“efeito” e assim serei SEMPRE apesar de me vir a desiludir, quero eu dizer que
medites um pouco, mas não só no teu Eu.
Deixa-te rodear por todos os que te envolveram e medita naquilo que somos e
naquilo em que nos criamos quando esquecemos que todos somos peças do
mesmo puzzle.
TE AMO BEIJAMIM, com todas as forças do meu coração mas quem ama também
diz as verdades.
Por vezes engole-as não as contorna e manipula, engole-as mas na altura devida
a Verdade sai quando a alma fica em pedaços.
Por isso, do fundo do meu coração e com a Verdade da LUZ, continuo a desejar-
te um caminho à tua frente iluminado pela Felicidade, Amor e pessoas de
Verdade, independentemente do que teu estado de espírito possa ou queira
interpretar.

Beijos

Me perdoa minha sinceridade


SEMPRE INFINITAMENTE
Tua de Alma e corpo
Até Sempre
Flor
No dia seguinte Beijamim deixou-me a seguinte mensagem:

Flor Muito Obrigado

Pelas tuas sinceras palavras, li atentamente todas as frases mais que uma vez
para não me escapar nada.

Loucamente
112

Sempre admirei a tua sinceridade mesmo agora não vou deixa-lo de fazer
mesmo que algumas palavras possam doer.
Ao longo da nossa vida temos verdadeiras provas de fogo e estas são mais uma
vez uma prova.
Cada um tem a sua interpretação mas respeito a tua como sempre fiz.
Flor, nem tudo é o que parece, acredito que não tenha correspondido às tuas
expectativas mil desculpas.
Sempre disse que não era um ser perfeito com todos os defeitos e virtudes mas
sempre te amei à minha maneira.
És um ser fora de série mereces uma atenção cuidada e especial.
Não consigo corresponder lamento sinceramente, mas eu te AMO à minha
maneira.

Beijos sinceros do teu Beijamim


______________________

無限

Pois é diário querido, só tu podes avaliar o que eu estou passando, pois


em tuas páginas coloco meus desencantos.
Não sei que fazer, não sei que pensar.
Se Amar é faltar à Verdade pobre de quem assim pensa pois não sabe o
que é Amar.
Eu não consigo deixar de amá-lo.
Porquê meu Deus?
Que fiz eu na minha vida anterior a este pobre ser para agora estar a
passar esta prova?
Pensando bem no que Lis me disse, vou criar um novo perfil no clube,
quero ver se de facto ela tem razão no que tanto me advertiu, porque
meu coração não me deixa enxergar mais além enquanto a Razão me
adverte para os conselhos de Lis…

無限

Flor nunca deixara de colocar uma simples mensagem que fosse a Beijamim
apesar de todos estes confrontos.
Mas também não recebia muito troco, simplesmente uma boa noite, um olá,
beijos, Loucamente e nada mais.
Um beijo que fosse deixava-a feliz, mas receosa de falar, destruída por uma vez
entrar no messenger e lhe enviar um beijo e ele dizer “Espera um pouco”
sabendo que em simultâneo ele estava no chat do clube amizade, fossem quais
fossem seus objectivos e deixou Flor esperando longo tempo até que esta deixou
beijos desistindo.

Loucamente
113

Enquanto isso, Flor criava novo perfil no clube amizade mas deixou passar algum
tempo, pois o perfil costuma alertar quando é novo.
Como não queria levantar suspeitas deixou que o perfil retirasse a etiqueta de
novo e entrou.
Com o nome de pardalinha, visitou o perfil de Beijamim para ver se este se
mantinha ainda na mesma, isto, após ter criado um novo messenger com uma
foto das “porcas do hi5” como lhe costumam chamar, para que se de facto Lis
tivesse razão, assim poderia ver com os seus próprios olhos o que ela tantas
vezes lhe tentara alertar.
Quando Beijamim viu, não sossegou enquanto não enviou um beijo a pardalinha
e a chamou em privado, pois um membro paga para ter essas vantagens sem ser
sancionado por eventuais contactos que se possam trocar.
Teve pouca sorte pois nessa altura pardalinha (Flor) tinha-se ausentado porque a
net fora abaixo.
Quando a voltou a ligar, viu um beijo de Beijamim e viu que a tinha chamado
para conversar, coisa que com Flor nem o beijo retribuía.
Pardalinha (Flor) aproveitou e agradeceu-lhe com uma dedicatória, pois quando
visitava o clube só retribuía frases e flores para não dar abusos.
Enquanto isso, Flor em simultâneo no messenger que ambos desfrutavam,
deixou-lhe beijos a título que ele desenvolvesse diálogo, mas simplesmente num
modo frio retribuiu beijos e nada mais disse, nem o usual Loucamente, para logo
a seguir ir a correr falar com Pardalinha após Flor desligar o messenger.

無限

Meu diário querido, se há coração que resiste é o meu.


Quantas batidas fortes meu coração já deu sempre que me surpreendia
e neste momento que se segue de teatro incomum à minha pessoa, que
julgava que não passasse de um diálogo normal, de um cruzar de ideias,
mas não foi, meu coração deixou de bater apressadamente até num
fraco batimento que parecendo que se ia perder no tempo, lágrimas
rolaram por terra para de novo o trazerem à vida.
Vou retratar-te o que aconteceu.
No clube amizade, após Beijamim abrir o quadro de diálogo para falar
com pardalinha:
00h20m
- Pardalinha: Boa noite
- Beijamim: Boa noite, obrigada pela sua dedicatória.
- Pardalinha: Ah! Não tem que agradecer.
- Beijamim: Claro que sim.
- Pardalinha: É banal.
- Beijamim: O que a fez mandar a dedicatória?
- Pardalinha: Vi que me chamou para bate papo. Modo de agradecer.

Loucamente
114

- Beijamim: Mas como não me tinha respondido


- Pardalinha: Estive sem net durante algum tempo.
- Beijamim: Mas já nos conhecíamos?
- Pardalinha: Acho que não, eu costumo “cuscar” perfis quando estão online
- Beijamim: Como eu por vezes.
- Pardalinha: Ofendi?
- Beijamim: Nada disso.
- Pardalinha: Ah! Já estava a ver. É raro falar, só cuscar.
- Beijamim: De modo algum, desculpa se fiz transparecer isso.
- Pardalinha: Népia. É só para passar tempo.
- Beijamim: Como toda a gente por aqui.
- Pardalinha: Nem toda a gente há muitas que não!
- Beijamim: Então?
- Pardalinha: Pelo menos defende todos, já estou a ver.
Muitas das vezes são indelicados.
- Beijamim: Nada disso defendo a razão, acho eu.
- Pardalinha: Se assim acha! Se calhar tem razão, no fundo é para passarem o
tempo, sim.
- Beijamim: Maioria, arrisco sim 80%
- Pardalinha: Quer dizer que é defensor da razão. Arrisca 80% de quê?
- Beijamim: Que andam a passar o tempo por aqui.
- Pardalinha: Sim não deixa de não ter razão. Passar o tempo. Eu também.
- Beijamim: ahahahah então também pertence aos 80%.
- Pardalinha: Não deixo de não lhe dar razão. Mão à palmatória. Enquanto que
sono não vem.
- Beijamim: Amiga vou sair da net mas volto amanhã.
- Pardalinha: Até amanhã então. Costuma vir?
- Beijamim: Venho todos os dias. Passo o tempo aqui.
- Pardalinha: A que horas?
- Beijamim: A partir das 9
- Pardalinha: Assim falo consigo, pois é educado.
- Beijamim: Mas também durante o dia
- Beijamim: E tu quando vens?
- Pardalinha: Durante o dia não, trabalho. À noite se puder.
- Beijamim: Sim, claro. Posso. Mas se preferires o messenger!
- Pardalinha: Tem messenger?
- Beijamim: Sim
- Pardalinha: Então eu depois adiciono-o. Qual é?
- Beijamim: beija@hotmail.com
- Pardalinha: Obrigada, então vou adicioná-lo se não se importa.
- Beijamim: ok. Beijos boa noite.
- Pardalinha: Obrigada vou já adicioná-lo. Boa noite.
- Beijamim: Desligou

Loucamente
115

Não dá para entender querido diário.


Na tarde anterior Beijamim tratando-me pelo nome e não como amor,
me disse que tinha ganho um concurso e tinha duas revistas para fazer.
Que já tinha os miúdos no Norte e no fim-de-semana queria passar com
eles e estava louco de trabalho.
Como é que ele comigo mal fala e tendo assim tanto trabalho, perde
tanto tempo com quem ainda nem sequer conhece mas já com o seu
objectivo em mente?
Curioso que a primeira vez que estivemos juntos, em que ele disse ser
membro do clube amizade por curiosidade para conhecer mentalidades,
tal como eu, o que não impede de acontecerem envolvimentos, disse-me
que a maioria das fulanas que lá andavam, mal começavam a falar
pediam logo o messenger e a curto prazo marcavam logo encontros.
Mas pelos vistos Pardalinha nada lhe pediu ele vai sempre na dianteira
e, ao primeiro impacto, oferece de imediato os contactos dele para não
perder a oportunidade ou oferece-se indirectamente para novo encontro
até concretizar seu objectivo.

Passemos ao dia seguinte para melhor análise e compreensão…

Eu (Flor) estou online no messenger, mas Beijamim faz de conta que


não me vê, até que triste eu lhe deixo beijos e, ele passados segundos
envia beijos simplesmente.
Eu (Flor) acabo por desligar o messenger e entrar no novo messenger
como Andreia a Pardalinha do clube amizade a quem Beijamim
prontamente facultou o endereço do messenger.
Eu (Flor), de um dia para o outro tive tempo para pesquisar na net um
anúncio da Câmara de Odivelas sobre um projecto do melhor logótipo “a
nossa mascote” de 23 de Junho a 18 de Agosto, dirigido ao
departamento de Salubridade, pois mesmo sob outro nome tudo que
fosse para o ajudar, eu (Flor), prontificava-me sempre se pudesse ser.
Como no perfil de Beijamim dizia que era gráfico, aproveitei sob o meu
novo nome, Andreia, dar-lhe esta boa notícia para concorrer, pois sabia
que ele desde logo iria pesquisar pelos dados que lhe eram fornecidos
para ver se estava ao seu alcance.
Enviou beijos, agradeceu o carinho e disse a Andreia que se quisesse
voltar ele estaria lá até às 2h da manhã.

Inicialmente entrei (Andreia/Flor) na brincadeira com ele, chamei-lhe


engraçado e ele disse que estava sempre bem disposto e queria gente
bem disposta.”Tudo isto por volta das 21h30m.

Loucamente
116

Deixando fazer um intervalo, para não importunar muito o trabalho


dele, Andreia (Flor) que ele tanto ansiava, entrou novamente no
messenger.

- Andreia diz (23:22):


Depois posso despedir-me sem interromper seu trabalho?
- Beijamim
Claro que sim
- Andreia
Obrigada então
- Beijamim
De nada eu é que agradeço
- Andreia
De quê, puxa vida!!
- Beijamim
Do carinho
- Andreia
Ah, posso dizer que é educação também foi para mim
- Beijamim
De acordo
- Andreia diz
Fique bem, até logo
- Beijamim diz (23:24):
Até logo

Meu querido diário, de facto para quem não tem tempo por estar cheio
de trabalho, não dá para entender na realidade o que se está a passar
quando para mim já nem três minutos de seu tempo me dispõe
convertendo-os em segundos, e, agora que o pano cai, revejo-me numa
peça repetida há 18 meses atrás.
Beijamim bem que me tentou advertir em Março que eu poderia arranjar
alguém igual ou melhor que ele, pois até à data também nunca ninguém
diria o que connosco iria acontecer.
Amor sim, da minha parte.
Beijamim, simplesmente os cinco sentidos.
Como produto de meditação esqueceu-se ou ignora também o que é o
sentido da alma, da essência, da Beleza. A Verdade.
Nessa altura eu perguntei-lhe se estava a mais e se ele estava tentar
dizer-me o que para ele desejava.
Nada adiantou senão “Não percebeste”.
Percebi desde início, mas também fui à luta.
Ele luta de uma forma, outros há, que de outra forma lutam.
Ainda não acabou a minha luta, pois o alvo de ambos é diferente.

Loucamente
117

Passemos à encantadora cena que se segue, onde Andreia, sem


machucar sentimentos, deu sempre a entender quem era e dá final à
sua história antes que a mesma fosse mais além.
- Andreia diz (0:20):
Me desculpe, se interrompo, mas vou tomar uma banhoquinha e caminha.
Já tratei do que tinha a tratar. Eu depois se puder subo no messenger mas não
prometo!
- Beijamim
Olá!
- Andreia
Olá é gelado.
- Beijamim
Bem de fato banho já a minha amiga está. (olhando para a foto do messenger)
Por sinal bem bonito.
- Andreia
Biquíni. Não gosto de fato de banho, agora estou é em cuequinha.
- Beijamim
Melhor ainda. Pronta para o banho.
- Andreia
Ahah. Cantada.
- Beijamim
Deves ter muitas não precisas da minha, bonita como és.
- Andreia
E com o meu amigo não?
- Beijamim
Beijamim!
- Andreia
Obrigada pela gentileza.
- Beijamim
De nada a pura das verdades.
- Andreia
Também não parece de se deitar fora (ele tem foto no messenger)
Ahahah, deixa-me rir!

- Beijamim
Bondade tua mas eu tenho espelhos em casa.
- Andreia
Nada disso!
Andreia
A foto está distante mas! Tem camera?
- Beijamim
Sim tenho.

Loucamente
118

- Andreia
A minha está partida mas já agora gostava de ver a peça.
- Beijamim
Aha boa defesa está partida.
- Andreia
Mande convite a minha não deve dar, está partida.
- Beijamim
Tens medo que te veja de cuequinhas?
- Andreia
Não, não. Está mesmo.

Beijamim pretende efectuar uma Chamada de Vídeo.


Responder (Alt+X) Recusar (Alt+Y)

Atendeu a chamada.
Desligar (Alt+Z).
- Andreia
Pensei que eras louro (não sabia que dizer)
- Beijamim
Nada disso. Grisalho.
- Andreia
Também não é mau.
- Beijamim
Bondade sua tal como disse há pouco.
- Andreia
Que engraçado tem traços orientais.
- Beijamim
Sim verdade, mas sou lisboeta.
- Andreia
Mas tem origens orientais?
- Beijamim
Não.
- Andreia
Está bem…
- Beijamim
Sim claro.
- Andreia
Amigo! Tenho que me ir embora.
- Beijamim
Força beijos grandes.
Beijamim
Vai ao teu banho.
- Andreia

Loucamente
119

Sim vou. Tenho que dormir e levantar cedo.


- Beijamim
Então vá-se deitar. Bem relaxada depois do banho.
- Andreia
Sim, sim. É como me costumo sentir, depois de um banho de espuma
- Beijamim
Sim bem agradável.
- Andreia
Já desligou a camera??
- Beijamim
Sim prefiro ver a tua foto a um bocado escuro. O que aconteceu à tua camera?
- Andreia
A outra foto vestida de preto?
- Andreia
Estava a limpar o pó e pimba.
- Beijamim
Aparecia no ecrã tudo preto.
- Andreia
Sim, sim também vi.
- Beijamim
Tens uma foto vestida de preto?
- Andreia
Eu mostro era a anterior.
Andreia
Está de lado mas não gosto muito dela.
Andreia
Quer ver?
- Beijamim
Sim claro!
Beijamim
Bonita!
- Andreia
Não. Não é esta, só mais um momento se não se importar.
- Beijamim
Tudo bem (ansioso por querer ver mais ainda. Homem é mesmo todo igual)
Beijamim
Muito sensual.
- Andreia
Ok! Era esta.
- Andreia
Você é um verdadeiro gentleman.
- Beijamim
Mais uma vez bondade sua.

Loucamente
120

- Andreia
É assim sempre tão cordial?
- Beijamim
Sim normalmente.
- Andreia
Bem. É comum nos homens serem assim.
- Beijamim
Só quando me tiram do sério é que modifico um pouco.
Beijamim
Acho que sim.
- Andreia
Isso toda a gente, eu também não fujo à regra.
- Beijamim
Mas raramente.
- Andreia
Acho que somos todos assim, não é?
- Beijamim
Sou calmo por natureza.
- Andreia
Notou-se.
Andreia
Tem namorada?
- Beijamim
Não.
- Andreia
Não acredito.
- Beijamim
Tenho mau feitio.
- Andreia
Ahahah!
Andreia
Então somos dois.
- Beijamim
Não procuro desesperadamente.
- Andreia
Eu quando me trilham a cauda também sou.
Andreia
Sou leão.
- Beijamim
O que tiver que acontecer acontecerá.
Beijamim
Balança.
Andreia

Loucamente
121

Que quer dizer com isso?


- Andreia
Ah balança, mas não cai, pois não?
- Beijamim
Na nossa vida as coisas devem acontecer naturalmente.
- Andreia
Estou brincando, sou arreliadora, alias brincalhona.
- Beijamim
Mas não caio. Somos dois.
- Andreia
É divorciado?
- Beijamim
Sim 5 anos.
- Andreia
My God porquê?
- Beijamim
Bem agradável.
Beijamim
A foto claro!
- Andreia diz
Agradável? Gosta de ser livre? (Flor não se tinha apercebido da emoção que a
foto estava causando em Beijamim)
- Beijamim
Não.
- Andreia
Ah já estava a ver, ahahah!
Andreia
Se não gosta de ser livre 5 anos é muito.
- Beijamim
Tenho uma vida com pouco tempo e espaço.
- Andreia
E ainda não encontrou ninguém?
- Beijamim
E nem toda a gente gosta.
Beijamim
Podia ter acontecido.
Beijamim
Uma relação mais séria.
- Andreia
Pois mas um homem com pouco tempo até dá mais liberdade à mulher.
- Andreia
Ahahah!
- Beijamim

Loucamente
122

Lado positivo.
- Andreia
Teve uma relação séria? Então porque não arriscou?
- Beijamim
Um dia com mais calma te conto (Beijamim a preparar novo encontro. Que tipo?)
- Andreia
Desculpe mas eu sou curiosa por natureza, gosto tudo em pratos limpos.
- Beijamim
Acho bem!
- Andreia
Sou curiosa.
- Beijamim
Ainda bem.
- Andreia
Então diz! Vou estar 1 mês à espera? (Flor não queria que seus diálogos
passassem deste dia e tinha que se dar a demonstrar quem era na realidade)
Andreia
Assim fico com medo.
- Beijamim
Não fiques (apelando para a confiança de Andreia, conta a sua história…)
Beijamim
Há 5 anos tinha estabilidade financeira familiar de amigos etc…
- Andreia
Alguém que tem medo de uma relação seria e não arrisca não é lutadora.
- Beijamim
De repente tudo desmoronou.
- Andreia
Oh que pena que aconteceu?
- Beijamim
Não digas isso!
- Andreia
Foste despedido?
- Beijamim
Se tem existido pessoas lutadoras eu sou uma delas!

- Andreia
É uma porcaria este pais!
- Beijamim
Tinha uma empresa com 20 funcionários e fui roubado por um sócio.
- Andreia
Ena credo!
- Beijamim
E foi tudo abaixo.

Loucamente
123

- Andreia
Lamento, mesmo.
- Beijamim
Fiquei com cerca de 250.000 € de dívidas.
- Andreia
Mas e a tua mulher não te ajudou a superares?
- Beijamim
Casa que onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão.
- Andreia
Sim, entendo.
- Beijamim
Não sou homem de discussões.
- Andreia
Mas e amigos não te ajudaram?
Andreia
Uma paixão ajuda a dar incentivo.
- Beijamim
Para bem dela e dos miúdos eu saí de casa.
- Andreia
Entendo!
Andreia
De facto a Paz é a melhor solução.
- Beijamim
Para trazer os problemas comigo.
- Andreia
E não amavas o suficiente para superarem juntos?
- Beijamim
Não se tratar de amar o suficiente.

- Andreia
Eu não largaria meu amado com uma mão atrás outra à frente
- Beijamim
Quem passa é que sabe.
- Beijamim
Protegemos os nossos filhos.
Andreia/Lis estava para lhe perguntar o que queria dizer com proteger os filhos.
Não é numa situação destas que uma família se desmorona, pelo contrário, se
unem ainda mais.
O que teria desencadeado a distracção de Beijamim para não se aperceber do
que na empresa se passava, ao ponto de abrir ruptura num casamento ainda
recente?

Loucamente
124

Não! Flor nunca lhe fizera perguntas e o que sabia ou era ele que lhe contava, ou
contava-o a outra, tal como aqui vemos ignorando que ela pudesse estar por
detrás.
- Andreia
Desculpa o casamento como se diz, é na doença, na luta, na vida e na morte.
- Beijamim
Sim verdade.
- Andreia
Sim tens tuas razões e então nunca mais te apaixonaste?
- Beijamim
Sim já me apaixonei.
Beijamim
Mas ela não aguentou a vida que eu levo (???????????)
- Andreia
E então ela não te ajudou?
Andreia
Porquê?
- Beijamim
Quem ama quer o seu amado sempre que possível do seu lado.
Beijamim
Eu tenho hoje uma pequena empresa e trabalho noutra.
- Andreia
Não acho assim. Quem ama a sério passa os obstáculos juntos.
Andreia
É preciso é saber darem-se um ao outro.
- Beijamim
Na teoria é uma coisa mas a realidade da prática, outra.
- Andreia
Mas ao menos ela sabia que a amavas?
- Beijamim
Sim claro. Passamos momentos bons.

Andreia
Ou receaste demonstrar-lhe com o receio de não suportar a fase?
- Beijamim
Não sou homem de receios.
- Andreia
Estou a ver que ficaste agarrado ao passado ainda a amas.
- Beijamim
Não, o café quando esfria e é requentado já não tem o mesmo sabor.
Depende de quem o deixou esfriar e de quem o requenta.
E porque esfriou?
- Beijamim

Loucamente
125

E o passado vem sempre ao de cimo.


Que passado foi esse que conseguiu esfriar uma relação ainda tão jovem?
Ver nosso companheiro, nosso amigo, ou o nosso vizinho que foi roubado e não o
ajudarmos, quando nessas circunstâncias até ao nosso inimigo damos a mão?
- Andreia
Desculpa mas quando se ama de verdade não há gelo que arrefeça.
- Beijamim
Dou-me muito bem com ela grande mãe e amiga.
Beijamim
Mas só isso.
- Andreia
Ah, estás a falar da tua mulher! (não saíra para trazer os problemas com ele? Ou
esquecera-se do que já havia dito?)
- Beijamim
Melhor solução na altura.
Beijamim
Sim.
- Andreia
Como me deste a entender que te relacionaste segunda vez mas que também
não deu.
- Beijamim
Sim verdade.
- Andreia
Tentaste segunda.
- Beijamim
Sim.
- Andreia
Vais ver que ainda vais conseguir reconciliar-te.
- Beijamim
Nada disso, vida refeita do lado dela e tal como te disse o passado mais dia,
menos dia vem ao de cimo.

- Beijamim
Fora de questão
- Andreia
Lamento meu amigo e como fazes para levar a vida?
- Beijamim
Também sou homem de convicções fortes.
- Andreia
Na questão amorosa, é óbvio.
- Beijamim
Hah
Beijamim

Loucamente
126

Conforme vai acontecendo.


Beijamim
Dia a dia.
- Andreia
Acontecer é desporto.
Andreia
Eu acho!
- Beijamim
Sim é verdade.(Pobre Flor)
Beijamim
Mas até aparecer a verdadeira dama.
- Andreia
Pois mas podes machucar já te lembraste dessa?
- Beijamim
Sim acontece por vezes.
- Andreia
E ficas como se nada fosse?
Andreia
És frio então!
Andreia
E pareces que tens cara serena.
- Beijamim
Não. Fico muito mal e raramente aconteceu.
Beijamim
Não digas isso estás a ser um pouco injusta.
- Andreia
Desculpa.
- Beijamim
Sou sereno porque me ajuda a ultrapassar com serenidade os obstáculos da vida.
- Andreia
Mas se fazes disso um desporto como o disseste, não pretendo ser injusta, mas
não…
- Beijamim
Tudo bem.
Beijamim
Não faço um desporto.
- Andreia
Não gostaria que um dia conhecesse um fulano, me apaixonasse e fosse um
momento simplesmente.
- Beijamim
Conta-se pelos dedos duma mão.
- Andreia
Também já passei por isso e não o faço aos outros.

Loucamente
127

- Beijamim
Não faças aos outros o que não queres para ti ! (A quem o dizes pensa Flor)
Beijamim
Respeito os sentimentos do próximo.
- Andreia
Contam-se pelos dedos o quê? Não deu para entrar na mona.
- Beijamim
SEMPRE
Beijamim
As pessoas que se envolveram comigo.
Beijamim
Mas nunca entro para ser uma necessidade nem um passatempo (Flor fizeste
dele uma necessidade ou um passatempo?)
- Andreia
Necessidade passatempo? My God, isso nunca!
- Beijamim
Por isso mesmo. (as verdades magoam mas não deixam ferida, esta alusão
despedaça a alma)
Beijamim
Sou sereno.
- Andreia
Eu também não faço aos outros o que não quero para mim, pelo contrário sou a
melhor amiga do meu amigo mas se me desiludir, não fico impávida e serena.
- Beijamim
Eu sou em resultado de meditação.
- Andreia
Meditas?
- Beijamim
Sim.
- Andreia
Isso faz de ti, desculpa, eu pouco ou nada sei sobre isso.
- Beijamim
Não sou oriental mas sou um verdadeiro adepto do espírito oriental.
- Andreia
Mas só te aparecem passatempos?
Andreia
Fazes bem.
Andreia
Usam-se de ti?
Andreia
Não te amaram como mereces?
- Beijamim
Se calhar tive menos sorte (Na realidade Flor não sabes amar)

Loucamente
128

- Andreia
Lamento.
- Beijamim
Sou sincero, verdadeiro amante, dedicado (Flor que o diga)
- Andreia
Mas com o teu semblante custa-me a acreditar que ninguém te tenha amado
como desejavas, se calhar também és exigente demais.
- Beijamim
Mas directo.
Beijamim
Pode ser que sim.
- Andreia
Eu gosto de pessoas directas.
- Andreia
E Verdadeiras acima de tudo.
- Beijamim
Mas não sou possessivo.
- Andreia
Todo aquele que eu apanhar a mais pequena mentira, desculpo e faço-me de
burra, depois....(Flor costumava muito usar este termo )
- Beijamim
Nem ciumento.
- Andreia
Também se não fores ciumento não amas desculpa lá!
Beijamim
- Eu não me faço de burro.
Beijamim
Ciumento de extremos.
- Andreia
Não percebi o que acabaste de dizer.
Andreia
Porque elas buscam o teu dinheiro, só isso?
- Beijamim
Nada disso não tenho ah.
- Andreia
Então decepcionam-se contigo porquê?
- Andreia
Aqui há gato e eu não entendo!
- Beijamim
Podem ter medo dos meus problemas (pobre Flor, quais problemas?)
- Andreia
Se não tens dinheiro e contam-se pelas mãos, e amaste e foste amado, não
entendo.

Loucamente
129

- Beijamim
Podem querer mais tempo para elas (Flor contentaste-te sempre com tão pouco,
mas pelos vistos mesmo assim, exigiste demais)
- Andreia
Que pretendem elas então?
- Beijamim
Boa pergunta.
- Andreia
Desculpa, até me esqueci do teu nome.
Andreia
Mas é difícil de acreditar.
- Beijamim
Beijamim Sr..
- Beijamim
Brincadeira
- Andreia
Ah vais ficar Beijamim SR: ahahaha.
Andreia
Mas Beijamim, tu disseste que tiveste namoradas e que amaste.
Andreia
Se amaste foste amado.
Andreia
Não te entendo!
Andreia
É difícil. Desculpa esta inconveniência.
- Beijamim
Andreia, eu tenho um objectivo! Resolver as dívidas que tenho se calhar
obsessão.
- Andreia
Fazes muito bem.

- Beijamim
Mas preciso para poder viver em paz espiritualmente.
- Andreia
Mas isso não impede de te relacionares com pessoas boas e nem todas hão-de
ser más, acho.
- Beijamim
Estou quase no fim.
Luto dia e noite para que aconteça.
- Andreia
És um lutador! (Flor costumava-lhe dizer que tinha muito orgulho nele por ser um
lutador e ainda o tem seja qual for a causa da luta dele)
- Beijamim

Loucamente
130

Sim sou.
- Andreia
Eu até pensei que estavas sempre no clube amizade e aqui no bate papo.
- Beijamim
Gosto de amar e ser amado (Pobre Flor nunca o soubeste amar)
- Andreia
Ontem disseste que estavas sempre aqui mas nunca pensei noutra coisa
- Beijamim
Quando entro no computador liga automaticamente.
- Andreia
Quem não gosta Beijamim?
- Andreia
Não quero dizer isso.
- Beijamim
Trabalho de dia e venho à noite para a minha empresa.
- Andreia
Mas tu ontem disseste que estavas sempre aqui e eu não sabia que trabalhavas
noite e dia.
- Beijamim
As pessoas gostam de sair quase todos os dias.
- Andreia
Me desculpa por favor.
Andreia
E achas que nunca foste amado! Não serás exigente demais?
- Beijamim
E o facto de eu não o fazer pensam que tenho menos interesse.
- Andreia
Tens de ter amor-próprio.
- Beijamim
E eu com 44 anos já não tenho muita paciência para explicar que há várias
maneiras de amar.
- Andreia
Não são dívidas mas o orgulho de as ultrapassar que fazem de ti um herói.
- Beijamim
E tenho amor-próprio.

- Andreia
Disseste que gostas de amar e seres amado.
- Beijamim
Não quero ser herói é uma questão de princípio.
- Andreia
Dizes que há várias maneiras de amar e explicas e ensinas a essas pessoas, as
várias maneiras de amar?

Loucamente
131

- Beijamim
Sou um homem de palavra.
- Andreia
As pessoas têm de se moldarem umas às outras.
- Beijamim
Mas nem toda as pessoas tem vontade de se moldar.
Andreia
- Chamas palavra, a?
Andreia
Desculpa estou tentando conhecer-te (e era verdade)
- Beijamim
O facto de honrar compromissos. Sejam eles comerciais ou relacionais.
- Andreia
Curioso, mas parece complicado em como de inicio mostraste que não tens
paciência para certas coisas.
Andreia
A paciência é o pilar de tudo.
- Beijamim
E?
- Andreia
Acredito que sejas um homem de palavra.
- Beijamim
Paciência na sua base sim.
Beijamim
Mas as pessoas não estão disponíveis para entenderem.
- Andreia
Não é com a tua paciência que estás a tentar saldar tudo o que me disseste que
passaste em 5 anos?
- Beijamim
Já passaram 5 anos.
Beijamim
Se eu não tivesse calma e paciência já tinha morrido do coração.
- Andreia
Pois é amigo, estás quase no fim e vais ver que mais tarde ou mais cedo e com
mais paciência para a vida vais conseguir a Felicidade.

- Beijamim
Sim claro.
Já foste casada?
- Andreia
Sim.
- Beijamim
Quando saímos duma relação como o casamento.

Loucamente
132

Saímos sempre magoados.


- Andreia
Sim e?
- Beijamim
E até com um pouco de desconfiança.
- Andreia
Os outros não têm culpa.
- Beijamim
Claro que não.
- Andreia
Então?
Há que lutar e acreditar que em cada pessoa há sempre uma pessoa diferente.
- Beijamim
Quando se chega à minha idade encontramos pessoas magoadas com a vida e
revoltadas normalmente.
Beijamim
Nem todos encaram o futuro com felicidade.
- Andreia
Mas também há os que magoados procuram também o amor e tem esperança
nele.
- Beijamim
Nem com esperança!
- Andreia
Olha eu é que não acredito em NADA (Flor desnuda-se novamente mas
encantado com a foto de Andreia nem se apercebe)
- Beijamim
Sim felizmente.
- Andreia
Já nem acredito no amor!

- Beijamim
Então porquê?
- Beijamim
Não digas isso (Beijamim a dar o dito pelo não dito para se pôr à prova da
confiança de Andreia, uma vez que tinha acabado de dizer que nem com
esperança)

- Andreia
A única pessoa que acreditei desiludiu-me.
- Beijamim
Podes sempre encontrar.
- Andreia
Não. Não acredito como tu.

Loucamente
133

- Beijamim
Acontece por vezes mas não deves voltar costas ao amor verdadeiro.
Beijamim
Mas eu acredito (esqueceu-se novamente que já tinha dito “que nem com
esperança”)
- Andreia
A única pessoa que amei de verdade, não foi franca comigo.
- Beijamim
O meu sócio roubou-me dinheiro.
- Andreia
E onde está o amor verdadeiro? Em alguém que nos diz que é verdadeiro e nos
ilude?
- Beijamim
Magoou-me mais o facto da traição do que o dinheiro.
- Andreia
À pessoa que maltrata nossos sentimentos e ri-se deles?
Andreia
Eu não acredito.
- Beijamim
Se estivesse ao pé de ti dava-te um beijo na testa e um forte abraço. (tentar tirar
proveito do desânimo)
- Andreia
Pois, o mal é não haverem pessoas verdadeiras, todas ou quase todas se iludem
que falam a verdade.
A verdade delas unicamente.
Andreia
Porquê? Beijamim Sr?
- Beijamim
Andreia estás enganada.
- Andreia
Só porque te agradou a minha imagem?

- Beijamim
Não me interessa a tua imagem.
- Andreia
Pois está bem.
- Beijamim
É bem interessante, mas não chega.
- Andreia
É o que todos dizem, chamam-nos de tudo bonito, servem-se de nós e deixam-
nos de lado como se fosse mais uma vitória.
- Beijamim
Não me ponhas um rótulo.

Loucamente
134

- Andreia
Estou a falar na generalidade, disseste que me davas um beijo porquê?
- Beijamim
Sou igual a milhares de homens mas bem diferente (Flor no início e não só,
também leu essa frase)
- Andreia
Diferente em quê?
- Beijamim
Na testa como sinal de respeito.(e o forte abraço. Em sinal de quê???)
- Beijamim
Vai ler a frase que escrevi.
- Andreia
Já vi.
- Beijamim
Gosto das pessoas pelo que são e não pela aparência.
- Andreia
Mas disseste que eras diferente. Eu ainda nem descobri nem quero mais tentar,
descobrir alguém diferente (Flor a tentar mostrar quem está falando com ele,
novamente)
Andreia
Ah! É como eu.
- Beijamim
Tudo bem respeito a tua opinião mas não concordo com ela.
- Andreia
Fazes-me chorar.
- Beijamim
Porquê?
- Andreia
Acredita.
- Beijamim
Não era minha intenção.

- Andreia
Quando a gente ama de verdade e essa pessoa nem se lembra!
- Andreia
A gente dá a vida por ela se for preciso e no fim descobrimos que somos
companheiras só para os momentos em que estão em baixo.
Isso destrói.
- Beijamim
Sentimos que fomos usados. (como Beijamim dá razão a Andreia e nunca a daria
a Flor)
- Andreia

Loucamente
135

É o que me sinto Beijamim, acredita. (Fascinado e convicto de algum objectivo,


Beijamim não vê Flor desnudando novamente a sua pessoa, sua imagem)
- Beijamim
Concordo.
- Andreia
E nada fiz para o merecer, pelo contrário.
- Beijamim
Mas aproveitando as tuas palavras cada pessoa é uma pessoa.
Beijamim
Já senti que és mulher de entrega total.
- Andreia
Pois acredito, todos somos únicos, mas tenho a certeza que nunca ninguém te
machucou como a mim.
- Beijamim
Pode acontecer.
- Andreia
Sim, bastou-me o primeiro, uma desilusão. Fui assediada por muitos, chegaram
sem querer a perder o respeito mas desculpei, foi reacção e o único e segundo
que amei mais que a própria vida, me apunhalou.
Também dizia ser diferente. As tuas palavras até me fazem lembrar ele.
Era lindo por dentro, sempre pareceu demonstrar, até se fartar.
- Beijamim
Estou sem palavras.
- Andreia
Porquê? Por me fazeres chorar e não conseguir acreditar mais no amor? (Flor
retratando-se uma vez mais, mas ele nem se apercebe só vê uma foto sensual de
mulher à sua frente, a de Andreia)
- Beijamim
Desculpa gostava ter algo mais sábio para te dizer.
- Andreia
Não digas
- Andreia diz (1:28):
Diz simplesmente,
- Andreia
LOUCAMENTE.
(Beijamim deve ter-se sentido o “Herzog” de Saul Bellow por Jonas Lopes. Ficou
sem palavras durante minutos)
- Beijamim diz (1:31):
LOUCAMENTE
Beijamim
Até sempre
- Andreia
Xau Amor da minha Vida

Loucamente
136

Até SEMPRE
- Beijamim
Até sempre
- Andreia
INFINITAMENTE

Flor /Andreia
Não sabes o que me doeu ter que fazer isto!
Mas só assim te pude ver novamente o que sei que já me tinhas excluído, só
assim pude estar em grande momento do que já me tinhas excluído também, só
assim te pude fazer entender que se amaste foste amado mais do que aquilo que
desejaste e SEMPRE com Verdade.
Me perdoa, mas tinha de entender porque me abandonaste.

Meu querido diário, como pôde Beijamim logo ao primeiro impacto dar a
saber mais a uma desconhecida do que deu a Flor em 18 meses?
Como pôde Beijamim uns segundos antes de falar com a desconhecida
deixar um beijo de fugida no messenger de Flor por não ter tempo
devido a muito trabalho e, poder estar com Andreia uma 1h e 40m fora
as interrupções anteriores?
Porque é que as pessoas só mostram o que gostariam de ser quando ser
não conseguem e não se esforçam até o conseguirem ser?
Depois claro!
Não gostam de si mesmas.
Acham-se feias não pelo que o espelho lhes possa reflectir, pois a
beleza não está no exterior mas sim dentro de cada um na frustração do
que desejavam ser e ser não conseguem.
Ou tomam esta posição para se comiserarem?
Onde está o Beijamim diferente de todos os demais que eu conheci, que
se identificava comigo e eu cegamente com ele?
Há quem morra por amar sem ser amado e há quem viva querendo ser
amado sem saber amar.
Onde errei?
Eu nunca poderia exigir nada em troca que fosse inatingível, nem tinha
por lei monopolizar alguém livre que quisesse seguir suas próprias
convicções.
Eu nunca lhe fiz perguntas indiscretas porque ninguém é de ninguém.
Bastava-me a Verdade e eu amá-lo-ia como SEMPRE.
Não eram precisas manipulações de forma que triste e abatida saísse
por meu pé deste apego.

Loucamente
137

Querido amiguinho diário, não sei se saí vitoriosa porque sempre lhe dei
a demonstrar quem estava falando com ele, embora ele, encantado com
uma nova e possível conquista nem se apercebeu, se vitoriosa porque
sei que não feri seus sentimentos quando ele se pôde confrontar com
suas atitudes, saindo eu ferida pelo que nunca queria acreditar.
Sei que foi um acto de premeditação que me fez ver o outro lado da face
mas sem malícia, porque ao longo de todo e qualquer dialogo, mesmo
com outra imagem e outro nome mostrei-lhe sempre quem era e, com
receio de ainda sair mais ferida do que o que saí, na mesma altura
desnudei-me por completo com o Loucamente com que ele finalizava
sempre nossos diálogos.
Provado está que a testosterona fala sempre mais alto quando se trata
de busca de sexo, prática de sexo com qualquer tipo de gente
disponível já para não esquecer a jactância das suas façanhas sexuais,
quando o incauto não consegue refrear seus instintos básicos colocando
de parte o sentimento mais nobre.
A questão é que há atitudes que vão matando o amor que existe dentro
de nós, a nossa auto estima e a confiança no próximo.
Não sou o sol que tem luz própria, mas um ser como todos a quem foi
dado luz para a poder dividir com os que menos têm, mas receber em
troca também, pois amor é doação recíproca entre seres que se
respeitam com a capacidade de encararem e dizerem as coisas sem
receio. “Franqueza”tal como lhe chama Beijamim.
Se não recebermos em troca um pouco da que vamos espalhando, então
nesse caso somos Ninguém.
Eis como certos seres anulam outros que, se não encontrarem no
caminho quem lhes dê a esperança, perdem-se no mundo de Ninguém
quando deram tudo de si e nada receberam em troca.
Há quem pense que há seres que vão e vêm ao longo da vida pelo
simples facto de se tornarem num fardo, quando no fundo, todos temos
defeitos e virtudes mas virtuoso é, todo aquele que sabe reconhecer
seus próprios defeitos…

無限

Tentei

Tentei ser luz no universo da tua existência, passei por sombra nada mais.

Loucamente
138

Tentei fazer-te ver que o Outro poderias ser tu, e Tu o Outro


Não passaram de sussurros para ti e nada mais.
Não ficaste atento a emoções, sentimentos,
Para ti eram simples lamentos
Minha vida foram mágoas e nada mais.
Permaneci na penumbra dos teus sofrimentos
Sofri com lamentos, lágrimas e ais.
Quis moldar-te à minha inocência e aos meus sentimentos
Em troca de sentimentos aos meus iguais
Mas tudo foram suspiros e ais.
Tentei ser “tu “, sem a mim dizer adeus.
Vi meu coração perecer sufocado em ais.
Por me iludir em teus sentimentos que aos meus
Nunca chegariam a ser iguais.
Quis ser Humildade na tua vida, fui Esperança como outros a mim, iguais.
Sombra iluminada, por ti, obscurecida
Reavivada por ninguém mais.
Memórias de uma vida
Lamentos, mágoas, simples ais.

Não sei se estou sonhando se delirando…


Não!
Sonhei ou delirei com o calor de Verão…
Meu Beijamim é diferente como ele sempre o disse…

無限

O Verão estava no auge da sua magnitude, Lis estava de férias e Flor não a
queria incomodar com suas desilusões.
Entretanto continuava todos os dias a acender uma velinha por Beijamim para
que ele sempre alcançasse a Vitória tão desejada.
Quando entrava no messenger se ele falasse ela respondia com o mesmo
sentimento de sempre como se nada tivesse sucedido.
Afinal a verdadeira amizade atributo de um amor verdadeiro nunca se
desvanece.
Tal como ela dizia: “As dores do corpo fazem-nos sentir que estamos vivos,
enquanto que as dores da alma amortalham nossa Esperança de viver. O melhor
é fazer de conta”.
E, como se nada se tivesse passado, enviava como sempre para o e-mail de
Beijamim uma música e imagens a condizer, para lhe demonstrar que mesmo
assim ele era Especial.
Até que certo dia:
- Olá ! (teclava Beijamim)

Loucamente
139

- Olá anjo querido. Como estás?


- Bem felizmente.
Queres tomar café comigo?
- Força.
- Na próxima semana vou a Valença do Minho de comboio e podíamos tomar um
café. Se quiseres, claro.
- Claro, nem se pergunta.

Flor julgava que mais uma vez ele estava brincando com ela, até que na véspera
eles marcaram encontro e, só quando Flor o abraçou é que viu que ele falara
verdade.

無限

O dia catorze de Agosto escaldava, nem a mais leve brisa soprava.


O comboio tinha feito paragem às 11h00 e Flor julgava encontrar Beijamim pelo
menos dentro de 15minutos no shopping mais perto, combinado para encontro.
É normal frente a uma estação de comboios haverem táxis.
Já passavam 40 minutos e Flor do último andar olhava em todo o redor para ver
se descortinava a figura esbelta de Beijamim ao mesmo tempo que as lágrimas
lhe caíam ao som da música que naquele momento tocava “The power of Love”,
perguntando-se a si mesma se na realidade Beijamim apareceria ou não.
Por fim um sorriso, um acenar de mãos, uma correria de Beijamim e de Flor ao
encontro um do outro…
Simplesmente Belo Momento:
Momento Único.
Abraçaram-se tão fortemente que, enquanto Beijamim procurava os lábios de
Flor, esta beijava-lhe a testa para cruzar não os sentidos, mas seus espíritos.
O suor de Beijamim corria-lhe rosto abaixo.
Além do calor imenso, por azar ao sair do comboio não haviam táxis de modo
que pôs pés ao caminho o que lhe levou a passo largo 50 minutos pensando que
Flor já nem estaria à sua espera.
- Beijamim! Pensava não te ver mais (sussurrou Flor enquanto com um beijo lhe
sorvia o suor da testa).
- E eu. Por momentos pensei que já não nos encontrávamos.
- Vamos tomar qualquer coisa. Tenho a garganta seca e daqui a pouco tenho
comboio novamente.
Estás tão débil! Na próxima, quero-te ver melhor.
Flor entregou-lhe um livrinho de dedicatórias “Sempre contigo”, um coração
recortado onde tinha desenhado uma enorme empresa, uma enorme casa, os
filhos dele, a ex-mulher e ele.
Tinha Sol, natureza e felizes vaticínios para sua Vida.
Vitória, Sabedoria, Amor, Felicidade, Amigos, Independência Saúde, Paz…….

Loucamente
140

Beijamim nada disse, mas Flor conseguia penetrar na sua alma apesar do
negrume do seu olhar.
A ela era-lhe impossível esconder o pormenor.
- Vou levar-te de elevador antes de irmos para a estação para te violar (sorria
Flor).
Deram umas duas voltas no elevador para cima e para baixo pois o tempo que
restava era pouco mas o suficiente para sem publico, se abraçarem, beijarem e
matarem um pouco de saudade.
Dirigiram-se para a estação o mais apressadamente possível sempre de mãos
dadas, até que Beijamim entrou para o comboio e pensando que já ia partir nem
um beijo deu a Flor.
Mas Flor compreendia!
Talvez ele não gostasse de despedidas e assim até foi melhor, pois ele a título de
ajudar uma senhora com um carrinho de bebé que já vinha atrasada, saiu e
entrou no comboio novamente com a possibilidade de lhe apertar a mão ou
roubar um beijo e não o fez.
Até o comboio apitar para a partida ainda demorou.
Beijamim sentado no interior do comboio olhava para Flor que nervosamente e
com lágrimas que teimavam em cair, fingia sorrir com vontade de chorar.
O comboio dava a partida e ambos seguiram para caminhos opostos.
Um piscar de olhos, um sorriso triste, um beijo, um até já e lágrimas que rolam
para se perderem sobre tristes passos.

無限

Meu amiguinho Diário

Acho que esse momento irá ficar gravado nas nossas memórias toda a
Vida, pois na realidade não interessa o tempo mas a intensidade com
que se vive o momento…

無限

Lis regressava de férias e a primeira coisa a fazer foi ligar o messenger e falar
com a sua querida amiga Flor.
- Como estás minha Flor querida?
- Feliz!
- Sério? Que bom!
Nem sabes como me dás vida! Trata-se do Beijamim claro!
- Sim anjo. A semana passada estive uma hora com ele.
- Uma hora?
- Ah pois! É que ele foi a Valença do Minho de comboio mas não deixou de querer
estar comigo por breves minutos que fossem.

Loucamente
141

Foi lindo, abraçá-lo de novo.


Pouco tempo mas sublime.
- Pois, vocês já não se viam há uns meses?
- Seis. Entretanto esteve com os miúdos a semana passada em Valença do
Minho.
Ontem enviei-lhe para o e-mail uma mensagem e um slide de um comboio a
partir e, ele desta vez respondeu-me.
Queres ler?
- Claro. Ainda perguntas?
Ou já não confias na tua maior Amiga?
- Claro que confio Lis. Que seria de mim sem ti? Já não existia simplesmente.
Vou transcrever-te as mensagens trocadas:

From: Flor
Subject: Com Amor sincero

Tu que não foste simplesmente um ponto de partida mas SEMPRE um ponto de


chegada onde o Fim é SEMPRE o Inicio e, fazes parte da primeira carruagem do
comboio da minha Vida, recebe com Sentimento muito Sincero de Alguém que te
Adora.
Beijos doces
INFINITAMENTE

From: Beijamim
Subject: Re: Com Amor sincero
To: Flor

Bom Dia
Quando saí naquele comboio para algures, maior parte de mim ficou.
Sei que não sou um simples passageiro ou parceiro de carruagem mas sim um
companheiro.
Beijos grandes e doces.
LOUCAMENTE
- Já não te trata por amor? Já não lhe dizes que o amas? (questionou Lis)
- Não calhou! Nem levei ao pormenor (Flor não queria entrar em pormenores e
queria desviar a conversa)
- Enquanto tu falas nele com sentimento de amor, ele não fala de ti, mas dele
para ti como um companheiro.
Ele é muito convencido não?
- Nem penses nisso! Por ser tão humilde e recear mostrar sentimento mostra
este comportamento.
Porque frente a frente é totalmente diferente de quando está ausente.
- Mas tu és igual quer na presença quer na ausência.

Loucamente
142

- Pois Lis querida, mas nem todos somos iguais e tu sabe-lo bem.
- Sim, dito por ti aceito.
- E tu agora que já fizeste férias vais fazer mais algum curso ou já arranjaste
colocação?
- Ainda não, bem luto por isso mas como sabes aqui no Norte é pior que nos
outros lados. E tu que já concluíste o estágio que vais fazer?
- Eu bem queria tirar o curso de Psicologia, mas está difícil levar a vida como
queremos.
- A vida vai-nos ensinando Psicologia na prática.
- Lá isso é uma verdade
- Olha Flor querida vou desfazer as malas, já tinha saudades dos meus bichanos
e eles de mim…
- Vai lá Lis querida. Beijos. Te adoro.
- Também te adoro minha Flor querida.

無限

Entretanto Beijamim ia correspondendo aos carinhos de Flor.


Retribuía-lhe mensagens, tratava-a novamente por amor e sentiam-se de novo
seus afectos convergirem no Universo, o que geralmente não acontecia por
muito tempo a cada encontro que tinha e consumava o seu amor.
O último encontro tanto poderia ser uma prova para ver se depois daquele
diálogo em que foi surpreendido com Andreia, Flor o iria punir de alguma forma
mostrando-se fria ou faltando ao encontro, ou de arrependimento, uma forma de
pedir desculpa…
Fosse o que fosse, para Flor seria a oportunidade de uma vez mais de estar com
ele por pouco tempo que fosse e, mostrar-lhe que seu sentimento era puro
independentemente de qualquer atitude praticada, menos a mentira.
Mentira não. Fazia-a sofrer.
É e seria sempre a negação de qualquer realidade independentemente do nome
que lhe queiram atribuir ou a forma subjectiva com que a queiram conotar.
De modo que passado um mês tornaram-se a encontrar no seu leito de amor.
O Verão ainda não tinha terminado e embora o Outono estivesse prestes a entrar
o tempo mantinha-se estável sem prenúncio de nova estação.

無限

Setembro 10.
Santa Justa minha companhia, que há hora certa os cinco elementos e os meus
seis sentidos conjuguem para muita felicidade neste dia.
Desta vez Flor não levou bombocas.
Levou pétalas de flores, essências, onze luzinhas e champanhe como sempre
para brindarem ao seu novo encontro.

Loucamente
143

Cinco para formar uma estrela do seu lado e outras cinco para o lado de
Beijamim.
Nesse dia Beijamim mostrava-se um pouco recatado.
Durante a viagem chegou a proferir que o facto de se mostrar muito calado não
queria dizer nada, pois já era costume dele e as pessoas às vezes até o
questionavam sobre isso.
Flor respondera-lhe que também era assim embora nada tivesse perguntado.
Tinha-lhe dito que ele tinha pulsos fininhos como os seus e pele sedosa de
menino, ao que ele retorquiu prontamente “ se não tinha tudo o que os outros
também têm”.
Inicialmente Flor não tinha percebido porque reagia assim com uma resposta tão
fria.
Afinal ele é que tinha pedido para se encontrarem novamente.
Estaria arrependido?
Tenso por algum problema?
Frustrado com algo que já lhe haviam dito e Flor era apanhada de surpresa?
Afinal ela só comparou os pulsos dele aos dela.
Como sempre a primeira coisa que faziam quando estavam frente a frente era
abraçarem-se Louca e Infinitamente.
Depois de acenderem as luzinhas, abraçaram-se novamente e, como tempestade
de Verão, irromperam novamente em abraços e beijos escaldantes como se
sofregamente estivessem a saborear o fruto proibido pela primeira vez.
Flor beijava-o da cabeça aos pés, deslizando seu corpo suavemente como riacho
rasgando a vegetação para desfrutar todos os cantos por onde passa, acabando
por se despenhar irreverentemente em cascata de prazer na vertente mais
sinuosa.
A tensão aumentava como lava incandescente de um vulcão pronto para a
erupção.
Te amo! Dizia Flor.
Loucamente. Sussurrava Beijamim.
Para refrescar seu corpo escaldante Flor espalhava pétalas de Flores sobre o
dorso de Beijamim, ao mesmo tempo que lhe afagava os cabelos e deslizando
seus dedos ao longo de sua coluna lhe indicou onde tinha inflamação das
vértebras ao que ele respondeu que eram hérnias.
- Quem me dera poder retirar-tas só com um toque meu amor (pensava Flor)
Deitada ao longo do seu dorso, segredava-lhe:
- Em que pensas meu amor?
- Estou meditando (respondia Beijamim)
- Deixa-me atravessar-te!
- Estás passando por mim.
Por fim e como sempre, Flor deixava cair umas gotas de óleo perfumado e
massajava todo o corpo de Beijamim, parando delicadamente numas máculas

Loucamente
144

que possuía junto aos tornozelos (eritemas), massajando-as docemente e


mentalmente pedindo a Deus que lhas fizesse desaparecer.
Já em tempos as tinha visto sangrentas e, agora, em estado de escamação não
era bom diagnóstico, mas nada dizendo massajava docemente com o óleo como
se de um unguento prodigioso se tratasse e lhas pudesse retirar.
Como transportado para o Paraíso, ao suave deslize dos dedos de Flor em seu
cabelo partindo da nuca até ao frontal, Beijamim acabava por adormecer
embalado por tanto carinho.
Flor deixou-o descansar um tempo até que perguntou:
- Amor, estás a dormir?
- Não, estava …
- Vamos comer algo e brindar às nossas vidas (entrecortou Flor para que nada
mais dissesse).
- Sim vamos e ligando a televisão para aproveitar e ver as notícias, se deliciavam
com petiscos acabando por brindarem.

Tal como ao apagar as luzes de um bolo de aniversário se formulam desejos, Flor


brindava sempre pedindo que Beijamim só encontrasse vitórias em seu caminho.
De novo voltavam a abraçarem -se e a amarem-se como se já não houvesse
amanhã.
E assim acontecia como era costume…
Despediam-se num até já como sempre. Par não dizer mesmo até SEMPRE…

無限

A noite envolvia o dia e o novo alvorecer deixava para trás mais uma recordação
de momentos inesquecíveis.
Meu querido diário, os primeiros dias eram de mel, mas breves seriam
para Beijamim voltar de novo a ter um comportamento diferente à
distância.
Não entendo! Eu não o quero prender a mim para sempre pois é livre e
desimpedido de forma a fazer a sua escolha.
Por falar em desimpedido.
Lembro-me de um dia no messenger ele comentar que à sexta feira à
noite depois de sair do escritório, ia sempre a uma roullote comer umas
sandes com coiros, e eu respondi-lhe que fazia bem pois estava
desimpedido (do trabalho) ao que prontamente respondeu que não era
desimpedido pois era fiel a quem amava.
Bons tempos.
Nunca exigi nada em troca a não ser sinceridade.
Eu só queria sinceridade acima de tudo.
A verdade nunca é injusta, pode ferir mas nunca deixa mácula.

Loucamente
145

無限

Lágrimas de um rio

Como um riacho saltitante, corro...brinco...rio...até ser RIO!


Escutas as minhas risadas de contentamento?
Salto pedrinha aqui, dá a volta por aquele pedregulho acolá, só por não ter
pernas para o avançar.
Continuo as risadas...aqui...acolá...a vida é bela, os pássaros voam, o Sol sorri, a
Lua embala as estrelas, o Universo serve-lhes de berço, e...eu RIO..rio,
alargando-me num RIO de imensidão onde tu em meu leito te deleitas em prazer,
e , saciando-te das minhas entranhas baloiças-te em meus braços e eu RIO...rio
das tuas adulações fúteis que a teus olhos de Humano eu não rio... mas rio...pois
sou um RIO imenso de surpresas que deixa transparecer toda a magia da sua
clareza espelhando o que me vai na alma.
A minha Alma é azul de dia onde o Universo projecta a sua imagem, é negra à
noite, mas iluminada por um berço infinito cheio de estrelas.
Eu confundo-te!...
De dia embalando-te com carinhos adormeces angelicalmente sonhando que és
o centro do Universo.
De noite flutuando em meu leito, imaginas-te num Paraíso imenso onde
devaneias em fantasias.
E eu RIO...rio... não passo de mais uma fantasia tua.
Sou simplesmente o teu RIO que nunca escutaste sequer porque rio, ou porque
RIO, não ri...pranteias os teus lamentos e nem sequer dás ouvidos às lágrimas de
um RIO que ri.
Gostas dele, RIO, porque dá largas à tua imaginação, mas nem sequer uma gota
do seu manto refrescante sorveste para saber o verdadeiro sabor da sua
essência.
Penetra nele e vê quão profunda é a sua transparência, banha-te nele, beija-lhe a
face, reflecte a sua imagem em teu olhar e deixa a tua alma ser tão transparente
como a dele.
Consegues embalá-lo com a mesma ternura que ele te embalou a ti?
Consegues surpreendê-lo como ele te surpreendendo te fez sonhar?
NÃO!... É um RIO…simplesmente RIO...e eu RIO...rio, rio e choro e rio.
Rio e não sei porquê.
Mais uma lágrima!... e rio....mais outra... e rio....outras se seguem e RIO... e,
sempre que rio e choro, minha vastidão aumenta para um mar de lamentações.
E o RIO que já não é RIO...num ondular de espuma branca, num vasto horizonte
onde o sol se banha, se expande e desaparece para se unir ao Firmamento onde
as estrelas cuidam de teus sonhos até que os transformes em realidade.

Loucamente
146

Nesse Universo de que eu faço parte e, tu também, como uma infinitésima parte
do TUDO, sempre que precisares de mim basta-te lembrar que a sintonia do
espaço nos pode colocar na mesma frequência, nem que faças de mim o teu mar
de lamentações e, em tuas fantasias, possas de novo embalar os teus sentidos.

無限

Não entendo meu querido diário, poucos dias passaram e desabafando


sou obrigada a confrontá-lo com o que sinto já que ele se recata de
novo ao silêncio e toma atitudes diferentes.
Será que eu passei por um passatempo ou por uma necessidade?

無限

From: Lis /Beijamim


Subject: SEMPRE e INFINITAMENTE
Boa noite meu anjo, Amor dos meus sonhos,
Dava anos da minha vida para saber o mal que te possa ter feito.
Agora sempre que entro mal me falas e adias sempre para mais tarde e, mais
tarde, não me falas nem dás sinais de vida se não for eu a forçar...
Neste momento enviei-te para o messenger embora esteja off para não te
incomodar beijos e disse-te até já.
Como sempre em cada mensagem que te deixo, não há eco da tua parte .
Bons tempos que já lá vão e que ficam por memórias.
É muito triste não poder colher o carinho, já não digo mais, daqueles a quem
guardamos no coração.
Já quando estiveste comigo estavas distante como se por gratidão estivesses
cumprindo um objectivo relutante que tinha ficado por cumprir.
E eu aceitei com muito amor e carinho sincero, porque minha Vida é um
momento chamado VERDADE e SEMPRE e meu sentimento não é apenas simples
emoção.
Fica-me a boa recordação esperando que para ti também eu tenha sido uma BOA
recordação.
Pensei recolher teus sussurros como amiga, mas nem isso me é lícito.
Mal falas comigo como se eu fosse um impasse na tua vida e de preferência
quando o fazes é só no messenger quando sais para não haverem mais delongas.
Preocupo-me contigo como AMIGA e nem isso sinto que me consideras pois tu
afastas-me simplesmente .
Sinto-me mal, acredita.
Gostava de sinceridade acima de tudo, a sinceridade de um SAMURAI que não
fere. Mata de uma só vez.

Loucamente
147

Tenho receio de me colocar online no messenger para falar com alguém


receando que penses que estou a querer chatear-te.
Sou tua AMIGA e SEMPRE... não sou melhor AMIGA que MULHER nem melhor
MULHER que AMIGA.
Simplesmente alguém que abre o coração e confia e nada mais.
Meu anjo, vou ter que sair, não alongo mais pois não me dói só a alma como
tenho de ir tratar de um pé que me caiu uma coisa em cima e só agora dei por
ela que tenho de o tratar. Azar, mas todos os azares fossem assim.
Quando achares que eu valho algo para ti nem que seja simplesmente AMIZADE,
sabes meu contacto e tal como eu sempre fiz, também podes deixar um beijo no
messenger se achares que um beijo não é dar demais.
Não te quero forçar a uma Amizade que um dia me disseste que entre nós não
havia simplesmente Amizade.
Beijos no teu coração
INFINITAMENTE

無限

Querido diário minha alma está destroçada!


Sem comentários…

無限

Entretanto Flor continuava a mesma de sempre.


Acho que jamais mudará.
Recatou-se um pouco mais, deixou de enviar mensagens via telemóvel que não
eram correspondidas mas nunca deixou de enviar um e-mail com uma música
mesmo triste que fosse denotando seu estado de espírito embora soubesse que
mesmo assim Beijamim raramente lhe retribuía.
Nos anos dele claro que não se podia esquecer, jamais o fez com quem quer que
fosse, pois por muitos aniversários que hajam a relembrar há sempre uma
agenda ou o próprio telemóvel para alertar.
Mas para Beijamim, amor da sua vida nem isso era preciso.
Ela vivia antecipadamente o dia para o surpreender às doze badaladas da meia-
noite numa simples mensagem que fosse.
Nesse dia Beijamim feliz agradeceu a Flor a musica que lhe enviou e
simplesmente sem palavras acaba por dizer:
- … Tanto para se dizer, possivelmente esgotaria todo espaço no e-mail.
Simplesmente Obrigada MEU AMOR
LOUCAMENTE
Beijos do teu Beijamim
Mas Beijamim de facto não tinha tempo para Flor e cada vez menos.

Loucamente
148

Seu trabalho continuava a envolvê-lo dia e noite para poder ultrapassar a dívida
que tinha e passar a ter uma vida mais serena.
Flor compreendia-o nesse aspecto, por isso evitava cada vez mais ser inoportuna.
Até que passados cinco dias, por volta da 1h25m da manhã, Flor num messenger
que era comum aos dois e que ele já se devia ter esquecido porque estava
incluído no primeiro messenger dele, o surpreende dizendo:

無限

- Sê bem-vindo ao clube dos adormecidos.


Beijamim admirado pergunta-lhe quem é.
Já se tinha esquecido que esse messenger era também de Flor.
De maneira que Flor mostra-lhe sua admiração e Beijamim para não querer
ofender continua o diálogo até às 2h00 da manhã.
Flor ficava sem entender porque é que só com ela é que ele não tinha tempo.
Sofria em silêncio e ao perguntar-lhe pela imagem que tinha do Pokemon no
messenger, perguntou-lhe se era fã dele.
Atonitamente Flor mais uma vez leu:
“Mais bonito do que eu”
“Claro, tenho espelhos em casa”
Isto tornara-se nele uma obsessão ou uma estratégia?
Pois todas as vezes que Beijamim fala com alguém pela primeira vez, o diálogo
começa sempre assim.
Contudo neste mesmo diálogo que Beijamim não sabia com quem estava a falar
ao despedir-se, Flor terminou com tchau meu amor, para uma vez mais não se
sentir enganado. Ele simplesmente terminou com XAU.

無限

Ao outro dia Beijamim entrou, falou que tinha ido ver um jogo pois tinha convite
para um camarote.
Já não era a primeira vez que tinha convites para ver os jogos do camarote e
ainda bem, Flor ficava feliz sempre que ele convivia com alguém.
Pena que sempre que ia ver esses jogos os mesmos devem ter corrido mal, pois
seu comportamento modificava tornando-se gélido e seu diálogo cingia-se a um
olá terminando logo de seguida com beijos loucamente.
Inicialmente loucamente era de paixão mas passou a ser o desfecho de qualquer
diálogo, a não ser que a saudade no momento o invadisse e o diálogo seria bem
diferente.
Nessa altura começava com: - “Olá meu amor”.
Mesmo assim, Flor não desistia de tanto amor que tinha para lhe dar mesmo
sabendo que nada iria colher e, com esse mesmo sentimento, continuava a dar-

Loucamente
149

lhe alento quando ele se sentia desanimado, por acreditar sempre nas suas
capacidades:
無限

Flor/Beijamim

Meu doce Anjo,

Quem sou eu para te dizer que a Esperança existe quando tu, com tanta Fé
conseguiste voar sempre mais além!
Quem sou eu para te dizer vai sempre em frente mesmo que o caminho seja
tortuoso quando tu humildemente já transpuseste montanhas!
Quem sou eu para te dizer "acredita" mesmo que todas as tuas ilusões se
tenham desvanecido, quando tu caminhas mesmo no escuro com a Luz que
dentro de ti existe e tens Seu conhecimento.
Quem sou eu para te dizer que mais vale a lágrima de uma derrota do que a
lágrima de nunca ter lutado, quando tu MEU AMOR, és o símbolo da coragem,
audácia e perseverança de que tanto me orgulho.
Quem sou eu para te dizer ergue-te porque o esforço da semente que lanças à
terra se duplicará porque a Deus por ti rogo e DELE tanto preciso, porque nada
sou senão uma simples chama que clamando a Ele quer simplesmente iluminar
teu caminho.
Sou nada eu sei, incapacitada de no momento poder dar a mão e realizar o sonho
de quem o busca, remetendo-me à simples condição de deixar rolar lágrimas que
nada concretizam, mas que são emoções humildes da alma por quem eu mais
amo e elevadas ao universo são preces para a sua concretização.
Contudo eu sei que apesar de nada ser eu ainda sou.
Tua voz amiga que flui em teu coração e no silêncio te AMA, teu amor que em TI
ACREDITA pelas tuas capacidades, teu ombro AMIGO onde poderás consolar tua
angústia, teu leito de prazer para devaneios do espírito, tua AMIGA temporal e
SEMPREl em quem podes acreditar porque sou cristalina e sem querer magoo
com as verdades.
Me perdoa este meu defeito!
Por tudo o que sou e não sou, Anjo Querido, nada temas, esquece o passado vai
em frente, um momento de cada vez.
És o Ser mais lindo à face da Terra pela tua garra, pelo teu empenho por tudo
que me fascina em ti.
Não porque o AMOR é cego, mas porque és o lutador mais perseverante que a
Vida me deu a conhecer.
Sei que tuas convicções e fragilidades te recatam a certas atitudes que te tornam
egoísta revertendo-te a um mundo onde só o silêncio impera, mas eu entendo-te.

Loucamente
150

Estás renascendo novamente com a fragilidade de uma criança indefesa perante


a Vida com as recordações de um passado que te maltratou e passo a passo
tentando conhecer TUDO de novo.
Vai em frente Meu Anjo Adorado.
Mesmo que algo nos separe, eu no silêncio e por muito longe que me possa
encontrar estarei SEMPRE com o pensamento em ti.
_________________

無限

Pouco tempo depois, Beijamim advertiu Flor que retirara seu perfil do clube
amizade, pois tinha aproveitado uma promoção e agora que iria ter mais trabalho
do que o que já tinha, não se justificava mais ser membro pois não tinha tempo.
Ela tinha a certeza que ele não sabia viver sem isso, de modo que atenta e
sempre certa que nunca erraria quando certo perfil lhe chamasse a atenção, se
ela lhe perguntasse se certo perfil era dele, ele retirava-o novamente dizendo
que era para demonstrar a alguém como se preenchia os requisitos do clube,
preenchendo-o com os dele até ao pormenor e ficava aborrecido por ter sido
surpreendido.
Não precisava de o fazer, todos têm direito a serenar seus momentos de stress
ou solidão, sem que alguém tenha o direito de questionar.
Qual era o mal de ter perfil novamente no clube e sem pagar?
Só para mostrar que de facto não tinha tempo para isso? Ou porque acha que
mentira não tem perna curta?
O que mais feria a sensibilidade de Flor era a falta de verdade.
Uma Verdadeira Amizade é sincera, não mente, não manipula, é simplesmente
cristalina.
Sempre fora assim e seria sempre assim que Flor construiria suas Amizades.
De imediato apareceu outro perfil igual ao anterior mas com outro nome.
Agora Flor que tinha já o coração ao largo, pois sabia que nada modificaria a
atitude de Beijamim em manipular caso não fosse confrontado com suas próprias
palavras, já levava tudo para a desportiva.
Agora perguntava-lhe se seu perfil era o “Corpura” enviando-lhe beijo, mas como
não recebia em troca por ver que a foto era de Flor, de imediato se concluía que
era o dele, pois se Flor estivesse sob um perfil com uma nova foto que não a
dela, ele era o primeiro a enviar beijo ou a retribuir.
O mais curioso é a forma com que se brinca ao escondidinho.

無限

- Olá anjo, agora no clube amizade, és o “Corpura”, não és?


- Coupura. Não (desvirtuava ele)
- Corpura (dizia Flor)

Loucamente
151

- Cor pura?
- Corpura (insistia ela). Deixa para lá.

無限

Mais tarde entrando num chat do clube perto da 1h da manhã, Flor via Corpura
falando com uma fulana que o devia conhecer pelo tratamento que lhe dava.
Mais curioso ainda, foi quando a fulana perguntou ao Corpura/suposto Beijamim,
porque no perfil se designava de “feio” e ele lhe respondia com a atitude de
sempre:
- Claro, tenho espelhos em casa.
Não se contendo, só porque Beijamim subestimou uma vez mais a sua
compreensão, Flor entra no chat e diz-lhe: - Olá, boa noite anjo.
Ele deixou o chat e a amiga que posteriormente andava no clube a fazer-se o
centro das atenções de todo o macho, dizendo que quer arranjar alguém especial
para casar, desleixando-se com condutas impróprias ao ponto de lhe dizerem
que só lhe davam uma noite de prazer e a mandavam embora, indignada com o
que levou Corpura a sair do chat, após ter dito a Flor “olá boa noite” e a sair do
chat sem algo mais proferir, foi de imediato ver o perfil de Flor para ver de quem
se tratava, o que denunciou a cumplicidade de ambos.
Curioso, tal como todo aquele que anda à caça inicialmente não se importa de
ser membro com um plano para pagar mesmo que este dinheiro lhe possa fazer
falta só para poder falar em privado nem que seja só para conseguir o objectivo
da caça, essa mesma fulana inicialmente também deve ter aproveitado uma
promoção pois era membro 5 estrelas e depois passou a ser membro básico.
Que me desculpem as restantes membros do clube, mas esta Teresinha até era o
estilo de Corpura.
Cabelos louros compridos, com extensões, que pelos vistos já os cortou, seios
salientes e arrojada como o veio a mostrar posteriormente em chat no clube
onde monopolizava todos os homens e, se algum mais interessante lhe desse
não só arrojo mas uma esperança de futuro, aí o tornava seu exclusivo até ele
subtilmente a analisar em suas atitudes e a mandar dar uma volta.
O interesse de ser membro com plano era de facto como Lis lhe havia dito.
Paga-se uma temporada até se atingir o objectivo.
Dão-se os contactos, fazem-se encontros com o objectivo que cada um tem em
mente, criam-se novos messengers para se falar em particular para disfarçar
mostrando que só um ou nenhum deles está no clube em simultâneo afim de não
levantar suspeitas. O mais curioso é que a atitude destas pessoas se torna
perceptível pois quando um está online nesse clube a(o) outro está off,
possivelmente falando num messenger ora desconhecido de quem fez ou ainda
faz parte da vida de um deles.
Só é ignorante quem dos outros ignorantes apelida.

Loucamente
152

De facto o clube amizade quando em chat priva os membros de darem contactos


para encontros quando na aquisição de membros com plano pago o permitem,
nessa altura não se deveria chamar clube amizade mas sim clube privado da
amizade, pois os demais clubes que existem são gratuitos e permitem tudo sem
restrições o que os leva a ter mais tráfego e os inscritos a permanecerem lá mais
tempo.
E fossem dizer-lhe que o viram num chat que ele responderia de imediato:
- Chats ???? Não estou a perceber já não é a 1ª vez que falas de chats. Se me
tens procurado em chats perdes o teu tempo. Despacho quando tenho que o
fazer e nunca te tomei por ignorante

無限

Uma Sombra que passou

Alma Etérea Insatisfeita,


Perdida num mundo sem valor
Em mil fantasias se deleita
Sonhando com um mundo melhor
Sente angústia, sente pavor
De Amar como ninguém amou
Como uma Flor colhida que vai murchando
Sua triste vida vai passando
Só porque a DOR um dia
No seu coração entrou.
E na penumbra da noite alto voa...
Sonha ser pássaro, ser estrela...Ter Vida
Deixa de ser SOMBRA
É uma alma Boa
Que na terra por ser sombra
Passou despercebida.
Todo o Ser tem Alma, tem Sentimento
Todo o Sentimento é Bom ou Ruim
Quando Ruim a Alma esconde-a por dentro
Desnudando-se em atitudes por fim
Por isso sou NADA, nem SOMBRA sou
Daquilo que pretendia desta vida
Já que em meu coração só a Mágoa ficou
De por ti não ser correspondida
Se um dia olhares para o Universo
Numa noite cheia de estrelas

Loucamente
153

Fugindo de tudo que é perverso


Encontrar-me-ás no meio delas . . .

無限

O Natal e o Novo Ano estavam de novo à porta.


Flor relembrava se desta vez Beijamim logo após o Ano Novo iria repetir a faceta
de enviar convites de amizade para algum novo clube dele, como o fizera o ano
passado enviando para todos menos para ela, esquecendo-se porém que um dos
messengers a quem enviou convite, lhe pertencia também.
Tal aconteceu.
Só que desta vez Beijamim propositadamente enviou convite para Flor para
depois nem a aceitar em seu clube como amizade após já ter aceite outras
amizades.
Sim foi propositado. Este ano teria efeito diferente.
Num dos messengers que Beijamim faz parte, não constava esse convite por ele
já se ter esquecido que era de Flor também.
Se ele de facto enviou para todos os contactos e nesse não constava, logo este
ano o convite teria um propósito. Qual?

無限

- Olá Florzinhaaaaaaa!
- Oh meu anjo até me assustei, o messenger estava com o som alto e quando
entrou a mensagem assustei-me. Tudo bem contigo?
- Sim felizmente.
- Não ficaste chateado por visitar o teu perfil e deixar-te lá algo, pois não?
- Onde?
- No Quepasa. No meu correio tinha lá convite teu para me associar ao teu grupo.
- Raro lá ir.
- Também não posso lá ir muitas vezes pois o hi5 deixa-me de rastos.
- Foi por engano para todos os contactos meus (não é verdade, ele tem 3
contactos meus mas esquecendo-se que um deles era meu, para esse não
enviou, de modo que mandou para dois meus e para quem queria. Não foram
para todos como argumenta)
- Ah, obrigada
- Ahahaha
- Quer dizer então que não me enviavas?
Ok.
- Nem para ti nem para ninguém.
無限

Loucamente
154

Até há data optou só por aceitar 4 amizades se entretanto não for aceitando mais
recusando sempre Flor nesse clube ou mesmo anulando imagens que ela lhe
enviava e em nada o comprometiam.
Tal como quando criou segunda vez o hi5 não aceitando a entrada de Flor no seu
circulo de amizades, agora repetia a mesma faceta.
Flor ligou a Lis chorando copiosamente pois não eram assuntos para se
debaterem no messenger.
- Que tens Flor querida?
- Preciso do teu colinho, da voz da tua razão já que meu coração não me deixa
enxergar mais.
- Porque não vens cá passar uma semana comigo, és livre eu não posso deixar
quem depende de mim.
- Não te importas amiga?
- Claro que já deverias estar aqui. Volta logo.
- Posso ir já amanhã?
- Sim eu vou esperar-te ao lugar de sempre.
Tchau Amiga, Adoro-te.
-Também te Adoro Flor da minha Vida.

無限

Desta vez o frio teimava em persistir, até a neve deu o ar de sua graça caindo
em flocos de norte a sul.
Contudo, no dia que Lis foi ao encontro de Flor o sol brilhava em todo o seu
esplendor enquanto que o vento das montanhas gélido e agressivo, atravessava
qualquer agasalho por mais resistente que fosse.
Enquanto que Lis parecia meditar saboreando aquela luz que lhe dava vida, Flor
surpreendia-a novamente.
- Amiga!
- Anjo!
E abraçando-se como se já não se vissem há anos, caminharam para a primeira
confeitaria que aparecia para se aquecerem com um chá e deliciarem-se com um
bolo.
- Amiga que te aconteceu? Estás tão pálida, tão débil. Já foste ao médico?
- Não, não preciso. Acredita em mim.
- Que se passa contigo? É o Beijamim?
Flor desatou a chorar.
- Amiga eu acho que Beijamim nunca gostou de mim, só tentou mostrar gratidão
pelos momentos em que lhe fiz companhia e agora que a tem afastou-me da sua
vida.
Eu nunca exigi nada, um beijo que fosse mesmo por Amizade era o suficiente,
mas ele mostra-se sempre inconstante.

Loucamente
155

- Não tinhas dito que ele veio tomar um café contigo e foram momentos
simplesmente lindos?
Até me mostraste as mensagens que trocaram no dia a seguir.
- Sim, é verdade. Aliás, logo a seguir, encontramo-nos novamente no nosso leito
de amor.
- Então que se passa?
- Ele evita-me! Quando entro no messenger como sabes, se ele já lá está eu não
me coloco online com receio de ele estar acompanhado pois a última vez que o
fiz enviando-lhe um beijo ele nem me respondeu e ao fim de muito tempo acabei
por sair deixando beijos novamente e o Infinitamente que ele está a travar.
Outras vezes quando ele entra e eu já estou online, nada diz e sai sem nada dizer
ou fala só quando se vai embora para mostrar delicadeza.
Tal como o ano passado no início do ano enviou convites a toda a gemte para o
Netlog dele para se associarem ao clube dele, o mesmo fez este ano com o
Quepasa.
- E para ti não, tal como no ano passado!
- Enganas-te. Eu tenho três messengers.
Um deles, ele já deve ter esquecido novamente que é meu, pois quando ele
aceita entradas no messenger, não lhes deve colocar o nome mas associá-los só
ao endereço. Eu em todos tenho nomes diferentes.
Como se deve ter esquecido que esse era meu também, por aí vi que o que ele
me disse não foi verdade.
-Porquê?
- Perguntei-lhe se ficara chateado por enviar um comentário de imagens bonitas
para o Quepasa.
Ele disse que era raro lá ir mas que sem querer enviou para todos o que não era
seu desejo.
- E…
- Associou as amizades que queria e a mim não. Além disso não enviou para
todos pois esqueceu-se que no messenger que ele pensa que não é meu, não
tinha convite. Ora se sem querer fosse para todos, esse também logicamente
teria que ter convite.
- E porque é que ele te faz isso?
- Não questiono mais.
Além disso já bastam as mensagens que já nem lhe deixo no telemóvel por ele
não responder porque o deviam aborrecer.
No Gmail sempre que ele abrisse para ouvir a música que lhe enviava, eu
acompanhava-o no silêncio como se estivesse nos braços dele a ouvir essa
música.
Mas mesmo assim até nisso me entristeci, pois rapidamente se ausentava de lá.
Eu fazia isto sem ele que se apercebesse pois poderia pensar que estava a ser
controlado e era o simples prazer de estar com ele a ouvir a mesma música em
simultâneo, juro!

Loucamente
156

- Não precisas de jurar. Eu sei que não mentes.


- Mas até nisso estava errada, pois ele abria e não ouvia a música, pelo menos
até ao fim, de imediato desaparecia. Já não sei o tipo de mimo que pretende.
- Eu não te avisei Amiga? Não queres crer. Ele brinca inclusive com tua amizade.
Deve dar-lhe um certo gozo de machismo. Esquece-o anjo!
- Esquecer é coisa que não consigo só gostava de entender o porquê se
inicialmente me pediu sinceridade acima de tudo e que nunca ferisse
sentimentos.
- Sabes que há pessoas que reflectem o que são e outras que o escondem.
- Também podem reflectir o que a Vida lhes fez e por isso luto. Acreditas?
- Sim, mas assim sendo, já que ele nunca ou quase nunca te respondia às
mensagens de telemóvel, já que ele no messenger mal te fala e nem tem
saudades tuas para te querer ver, já que na caixa postal só vai ver se te
lembraste dele e nem vê o que diz ou nem um único beijo te retribui, faz-lhe o
mesmo.
Não de vingança pois sei que era um castigo para ti reagires assim, mas porque
de facto ele te acha enfadonha.
Assim sendo, podes manter uma amizade mesmo no silêncio tal como ele o faz,
se é que ele sabe manter as amizades.
Lis, eu amo-o! Como vai acabar esta história?
- Olha para ti, mas olha bem!
Estás a ver o que esta história te está a fazer?
Tu vais ser o final desta história. Na história dele se calhar já o foste desde o
primeiro encontro.
Na tua história só tu. Assim desse jeito Amiga, vais ser o final.
Flor tiritava de frio, não era só influência do tempo. Seu sistema nervoso sempre
que atravessava momentos de tensão oscilava como débeis flores agitadas por
forte ventania.
- Olha Flor, enquanto não vou fazer o jantar vou fazer-te aqui um perfil no clube
amizade com uma foto daquelas que se podem retirar à vontade da net, por
fazerem parte de clubes mais ousados.
Talvez a foto de uma chinesa, já que ele tem perfil de asiático.
Se for o que penso e te queres negar a aceitar ele vai logo expor-se e vais-me
dar razão.
Flor não se pronunciou. Nem pensava sequer, não fosse Lis sentir que ela mesma
já tinha provas do que possivelmente mais uma vez iria acontecer.
Criado o novo perfil, Lis disse a Flor que se estivesse certa não demoraria muito
tempo que Beijamim não reagisse.
Pediu-lhe simplesmente para nem consultar o perfil dele não fosse ele depois
pensar que era uma armadilha, mas que esperasse o que dele pudesse vir a
surgir.
Entretanto para frequentar o chat e manter dialogo se acaso achasse que o
mesmo merecesse interesse.

Loucamente
157

Aliás das outras vezes Flor também não precisou de nada, pois ele veio sempre
até ela pensando que falava com outras.
Flor, agora sob o nome de Morganinha, ia ao chat frequentemente nem que se
mantivesse no silêncio, já que sob o perfil de Flor nem havia tempo nem
sentimento. Era uma forma de além de tirar dúvidas, também se distrair.
No chat Flor/Morganinha era solicitada, embora ela soubesse que a qualquer
momento seu Beijamim entrasse em busca de seus objectivos.
Até que na noite seguinte, estando Morganinha no chat da Amizade, pois era
esse que frequentava, uma vez que o perfil tem como busca Amizade, um fulano
mais ousado ao querer dialogar lhe perguntou se namorava.
Como não são conversas de chat, Morganinha respondera-lhe que falasse de
assuntos da Vida e não de intimidades.
O fulano ficou aborrecido dizendo que para falar coisas da vida já basta o
quotidiano. Pobre ser insensível. A Vida é o que de melhor temos, temos é saber
lidar com quem nela se insere.
Entretanto Hamiah entrou e disse boa noite a Morganinha/Flor, uma forma de lhe
espevitar a curiosidade para ela depois ir ao seu perfil e, a partir daí, começarem
a relacionar-se.
Flor já se tinha apercebido que Hamiah (escusam de procurar este nome) era o
seu Beijamim, como membro básico, pelos detalhes que costuma usar para
preenchimento de seu perfil, só que na quantidade de filhos em vez de 2 agora
constavam 3.
Mas tudo bem, ela sabia sempre quando ele estava por trás. Seu sentimento era
tão profundo que o tocava e analisava à distância como se dentro dele estivesse,
tanto que certa vez ele comentou “é assustador como me conheces tão bem por
dentro e por fora”.
Sim, ela antes preferia que isso não acontecesse.
Ele sempre fora um livro aberto em suas mãos, bastava ela abrir uma página ao
acaso e anteveria como cada uma terminaria.
Assim aconteceu!
Tal como Lis tinha previsto.
Hamiah enviava um beijo a Morganinha, para ver se ela estava interessada em
retribuir e depois quem sabe.
Morganinha retribuiu com um beijo e fazia tal como Lis lhe tinha dito.
Ao mesmo tempo, para não haverem dúvidas, Flor com o seu perfil e foto
enviava também a Hamiah um beijo, mesmo sabendo que ele nunca lho
retribuiria.
Entre Morganinha e Flor, ou mesma outra qualquer que aparecesse, Beijamim
continuava a colocar o seu amor de “LOUCAMENTE” de parte…
As lágrimas corriam-lhe na alma e afogando seus sentimentos matavam-lhe a
Esperança de acreditar no próximo.
Porque é que Flor foi sempre alvo de vingança?
De quem se vingava ele em Flor?

Loucamente
158

Não podia ser assim para toda a gente, ou era brincalhão ou demente!
- “NOVAMENTE”, Beijamim! (sussurrava Flor com lágrimas nos olhos)
Depois do jantar, Lis sentou-se com Flor para apreciar o que ia acontecer no chat
do clube amizade depois de Morganinha/Flor se mostrar online e no chat.
Flor já sabia o que ia acontecer. O costume! Mas nem ousava pensar alto.
Após Morganinha ter entrado no chat, Hamiah não demorou muito a aparecer.
Embora ela estivesse em diálogo com outra pessoa, Hamiah lançou-lhe o isco
novamente como quem diz estou interessado e disse:

無限

___/___/___ 23 15m
- - - - - - - - - - - - - - Morganinha - - - - - - - Entrou na sala
- - - - - - - - - - - - - - - Hamiah - - - - - - - - - - - Entrou na sala

Hamiah: Boa noite. Só quero retribuir o seu beijo. Obrigada


Morganinha: Não! Eu é que retribuo. Obrigada.
Hamiah: Sei que está ocupada não vão faltar oportunidades.
Morganinha: Desculpe que confusão, eu é que lhe retribuo porque me mandou da
última vez.
Morganinha: Não vá. Eu é que não estava a gostar de certa intromissão aqui.
Hamiah: Obrigada na mesma, até breve (o que muitos podem chamar de
subtileza outros poderão chamar de artifício)
Morganinha: Já vai?
Hamiah: Vou estar mais um pouco.
Hamiah: Mas como está ocupada, teclamos mais tarde.
Morganinha: Muito prazer então.
Hamiah: Igualmente beijos
Morganinha: Não. Eu ainda não sei lidar bem com isto, (e é verdade)
Tchau anjo Hamiah.
Hamiah: Tchau amiga ahahahah (Beijamim sentiu que poderia ser Flor, por mais
uma vez lhe chamar de anjo. Mas mesmo assim Flor não desistiu)
Morganinha: Você tem o nome do meu anjo da guarda (ela referia-se ao seu anjo
Beijamim embora ele pensasse que se referia ao anjo Hamiah)
Hamiah: Também é o meu.
Morganinha: Que giro.
Hamiah: Conhecedora.
Morganinha: Gosto de hermetismo.
Hamiah: Também eu.
Morganinha: Não diga!
Hamiah: Verdade senão não escolhia este nick.
Morganinha: Sim! Lá tem as suas razões para usar esse nick.

Loucamente
159

Hamiah: Sim tem razão, o meu querido anjo da guarda.


Morganinha: Acredito sim!
Hamiah: Podes crer me ajudou muito nos últimos anos (já a entrar em intimidade
tratando-a por tu)
Morganinha: Tem fé?
Hamiah: Sim tenho.
Morganinha: É sempre bom acreditarmos.
Morganinha: Mas só nos últimos anos? Os anjos são-nos dados para companhia à
nascença.
Hamiah: Acreditarmos com convicção.
Morganinha: Gosto de pessoas que acreditam!
Hamiah: Sim são dados à nascença mas eu só despertei há poucos anos (Flor
tinha-lhe enviado há 2 semanas o site dos anjos, já que na mensagem do seu
messenger dizia: “Meus anjos da guarda ajudai-me” falta saber que anjos
procurava claro).
Morganinha: Sim. São sinceras, acho. Despertou?
Hamiah: Penso que sim.
Morganinha: Pensa que sim o quê?
Hamiah: despertei quando me vi numa viragem da minha vida 6 anos
aproximadamente (Beijamim mais uma vez a apelar ao coração de mulher).
Hamiah: penso que sou sincero mas não serei a pessoa ideal para falar sobre
mim.
Morganinha: Sim claro que és sincero (Flor nem punha em questão conhecia-o
tão bem e ele nem reparava como em tratando-o por tu até afirmava)
Hamiah: Infelizmente é verdade, mas também ninguém me tinha despertado
para tal
Morganinha: Já viste o anjo Vehuel?
(Flor mudando de assunto para não apresentar a sua história em frente de todos
que estavam no chat. Se calhar era melhor, pois todos os corações de mulher
boa talvez pudessem ir atrás dele)
Hamiah: Não, mas posso ir ver agora.
Morganinha: Vê. Esse é o mais sincero de todos (Flor tentando mostrar-lhe quem
estava a falar com ele)
Hamiah: Principados Venus
Morganinha: Boa…
(Admirada por ele se ter interessado pelo site que lhe tinha enviado há bem
pouco tempo)
Morganinha: Os anjos são dados à nascença pelo dia
(mostrando-lhe que sabia a data de nascimento dele, mas nem isso ele reparou)
Hamiah: Sim 23 a 27 Novembro (não correspondia, isto melindrava Flor por até
com a religião fazer enfeites…)
Hamiah: Mas podemos adoptar
Morganinha: Sim adopta-se muita coisa de facto!

Loucamente
160

Morganinha: Ou optar!
Hamiah: Seu talento natural o mais sublime e mais exaltado.
Morganinha: De quem do Haamiah ou do Vehuel?
Hamiah: Vehuel.
Morganinha: Pois, assim já entendo.
Hamiah: Junta os prazeres da terra com os gozos da terra.
Morganinha: O Haamiah?
Hamiah: Prazeres do céu com os gozos da terra
Hamiah: Não, o Vehuel
Morganinha: O Vehuel de facto é assim. Comprovado.
Morganinha: Sim.
Hamiah: Ahahahah ainda bem que não estou errado.
Morganinha: Nunca (admitia lá Flor que Beijamim errasse?)
Hamiah: Ainda bem.
Hamiah: Bem amiga vou-me ausentar espero reencontrar-te em breve.
Morganinha: Pelo menos é o que se costuma dizer. Já vais anjo?
Morganinha: Então até breve anjo Vehuel (Beijamim mais uma vez distraído não
reparou que Flor lhe estava a dizer novamente que sabia a data de nascimento
dele)
Hamiah: Vou sim obrigada amiga.
Morganinha: Beijinhos doces e grandes
Hamiah: Vou activar o meu plano para batermos papo (Pobre Flor só para ti não
há papo algum, só goela)
Morganinha: Obrigada eu amigo querido.
Hamiah: Obrigada pelos beijos doces (só agora é que leu beijos doces e viu Flor)
Morganinha: Força. Assim podes ter acesso a mais gente e se tens tempo é só
fazê-lo. (Flor a confrontar quando ele se lamentava da falta de tempo e que ia
apagar o perfil, o que era só para se esquivar de Flor. E agora reactivava-o
julgando que a mulher a quem tanto subestimou seu sentimento e perspicácia,
não o encontraria novamente em “chats”, após lhe ter dito tempos atrás que
podia procurar nos chats que quisesse que nunca o veria por lá. Ele até nem ia a
chats…)
Morganinha: Mas não te esqueças! Muda o nome para Vehuel
Hamiah: Basta alguns amigos sinceros e bons.
Haamiah: Vou seguir o teu conselho.
Morganinha: Se seguirem o caminho da verdade, são amigos sim!
Hamiah: Aí é que está o problema (a vítima)
Morganinha: Poupa-os se os tens mas não te esqueças sempre de retribuir.
Hamiah: Beijos grandes tchau. Até sempre!
Morganinha: Porque o mal de muitos é não saberem semear e só gostarem de
colher. Beijos grandes
無限

Loucamente
161

Flor começou a chorar convulsivamente, enquanto que Lis com lágrimas nos
olhos, suavemente a abraça e lhe sussurra:
- A culpa foi minha, meu anjo adorado.
Nunca te deveria ter sugestionado para fazeres isto.
Agora tirei-te a esperança de acreditares nas pessoas.
- Não Amiga, enganas-te! (Flor não queria recordar que antes tinha sofrido nas
mesmas circunstâncias e nem se pronunciou).
Beijamim roubou meus sonhos conforme lhe roubaram a sua glória.
Sabes que mensagem me deixou no dia de S. Valentim, dia dos namorados?
“Olá amiga, bom dia de S.Valentim beijos doces?”
No dia dos meus anos simplesmente se esqueceu de mim.
- Não acredito!
- É verdade.
Um mês antes tinha-me perguntado quando fazia anos e eu mostrando-me
surpreendida, ele respondeu:
“ Sou um malandro. Vou anotar ali para não me esquecer”:
Mas nem isso.
Passados três dias, ao falar com ele, perguntei-lhe se a mensagem do messenger
dele “Meus anjos da guarda ajudai-me” era mesmo aos anjos que ele apelava.
Queria saber, já que mal falávamos se havia algum problema com ele.
Primeiro disse que era mesmo aos anjinhos dele, depois anjinho e por fim
“anjinha”.
Sabes como são os homens!
Foi quando eu lhe disse: Pois meu anjo, mas esqueceste-te da tua “anjinha”, no
dia mais importante da sua vida.
Perguntou-me se tinha sido no dia anterior.
Ainda mais triste fiquei, pois se por acaso tivesse apontado na realidade ia ver
onde tinha apontado e pronto.
Está bem! Acontece.
Despedi-me, pois senti-me tão mal após ele me dizer “perdoa-me” que me fui
deitar chorando agarrada à minha travesseira.
Claro que perdoei! Não era simplesmente desculpar, pois desculpar só se faz
perante erros vulgares.
Entretanto ia falando ou amorosamente ou escapando-se para não o fazer.
Repara! Apesar de não me adicionar no clube Quepasa que me tinha enviado
convite por engano, segundo diz, mas que adicionou quem lhe apeteceu, eu por
duas vezes coloquei-lhe lá um carinho mas sem comentários que o
comprometessem.
Da última vez que lhe ia postar uma belíssima imagem vi que tinha apagado os
meus dois comentários (imagens). Postei-lha na mesma, nem sei se ainda existe.
Como eu e ele estávamos online no messenger e ele ainda não me tinha falado,
antes de desligar deixei-lhe no messenger: “Obrigada por teres apagado meus

Loucamente
162

comentários no Quepasa. De facto já não precisas da minha Amizade. Em nada


te comprometiam desta vez. Beijos de quem te adora.”
- E, ele? Nem te respondeu, pois. Costume.
Não, ele nem sequer sabe o que é a Amizade. É vazio, a Vida sugou-lhe a
essência ou julga-me pelos erros dos outros.
Simplesmente me fechou todos os acessos que chegam até ele. Porquê?
-Tal como ele diz “Nunca faças aos outros o que não queres para ti” eu sempre
assim fiz e faço aos outros o que para mim desejo, sabes bem como sou.
Mas pensando bem, temos que respeitar sua atitude de lhe fazer o que ele aos
outros faz, mesmo que isso nos doa.
A atitude do silêncio.
- E tu não me contaste nada? Que mais me escondes Flor?
- Eu costumo fazer de conta para não te fazer sofrer.
- Eu bem que sentia algo vindo de ti, mas dizias sempre que estavas bem.
- Não era para te enganar Amiga, estava só tentando enganar-me a mim mesma
e negar aceitar tudo que acontece e me magoa. Estou pensando em partir.
- Quê??
- Sim para longe, muito longe. Este não é simplesmente o meu mundo. Amor a
gente não escolhe, acontece, pena ser com a pessoa errada.
- Flor, tens que te tratar tu nem força tens para ti!
- Precisamente!
Meu sonho sempre foi ir para África e dar amor a quem humildemente até um
sorriso lhes basta para lhes fazer sentir o quanto também são especiais.
Tanto posso ir além, como para do além eu ficar. Vamos ver.
- Não Flor, não te anules desse jeito tens aqui quem precisa muito de ti.
- Mas não posso anular-me deste jeito. Já não tenho forças para lutar e não posso
ficar vazia de sentimentos também.
Beijamim pode até nem saber amar pois amar para ele é entendido como loucas
paixões que são passageiras e mais disso não passam.
Mas no que toca a Amizade, até aí conseguiu anular também a minha pessoa não
foi capaz de confiar em mim.
Eu até o compreendo, mas dei-lhe provas mais que suficientes para que em mim
confiasse. Até a própria vida daria por ele se necessário fosse.
Estou vazia. Roubou meus sonhos.
Ele ainda fala de vez em quando.
Umas vezes passageiramente, outras quando se apercebe que foi injusto comigo
fala mais e até puxa mais diálogo.
Mas não me posso deixar envolver novamente senão ele repetirá tudo de novo.
Tenho medo! Tenho medo de amar. Ele matou meus sonhossssss.
- Poderás encontrar sempre alguém diferente!
- Não, jurei que nunca mais!
As forças mal me ajudam a enfrentar um futuro sem Esperança.
- Não me digas isso que me assustas. Que será de mim sem ti?

Loucamente
163

- Estarei sempre contigo e com ele também e, se um dia ele sentir saudades
minhas, que leia este poema que encarecidamente te peço que lho envies e já é
do conhecimento dele. Ele vai entendê-lo.
Um dia enviei-lho com muito carinho por de facto saber como iria ser o final
desta história.
Até tu, quando te perguntei qual iria ser o final desta história me respondeste
que o final seria eu.
E mostrando a carta que Lis deveria enviar a Beijamim em nome dela deu-lha
para a mão.
- E mais te peço Lis, em nome da nossa Amizade que é pura, ajuda-o como amiga
se vires que todos lhe viraram as costas novamente e ajuda-o a entender que a
melhor forma de se obter algo de verdade é usar a verdade também e confiar
nos outros para que os outros nos vejam sempre como uma pessoa de confiança.
São caminhos difíceis, mas que nos levam à glória quando olhando para trás
constatamos que fomos capazes de chegar ao topo da mais alta montanha
contornando com humildade e paciência todos os seus obstáculos.
Acreditando em nós próprios, na fé verdadeira do nosso Eu, reflectimos aos
outros a confiança que merecemos.
Diz-lhe que fui sempre essência e não necessidade da matéria.
- Achas que eu era capaz de sabendo como ele é de continuar a acreditar nele?
- Acho. Tenho a certeza, pois nunca deixaste o sentimento do Amor misturar-se
com o da Amizade.
Eu sou mais vulnerável. Sou essência, tu és a voz da Razão. Com a minha
vulnerabilidade deixei que eu própria me tornasse para ele um vício.
Tu como voz da Razão, não lhe darias largas a fazer de ti uma fantasia mas uma
realidade que se deve respeitar.
- Acho que te estou perdendo Flor. Que será de mim sem ti?
- Uma nova mulher, cuja psicologia da vida tem ensinado a defender-se sem os
outros magoar.
- Mas vais para África Flor?
- Um dia de cada vez para ter a certeza do existir no amanhã.
- Mas avisas-me quando partir?
- Não preciso de te avisar. Senti-lo-ás. Como sempre.
E tal como te pedi envia-lhe então esta carta, mas não o recrimines pelo que fez,
pela nossa Amizade eterna to peço, a vida simplesmente sugou-o até à alma e
deixou-o vazio por dentro.
Qualquer pessoa no lugar dele teria enlouquecido ao ter que deixar dois filhos
ainda muito pequenos por loucuras que acontecem na vida.
Me perdoa Lis servir-me de ti mas quando receber esta carta ele vai entender
tudo e saberá onde me encontrar.
De facto Beijamim é uma pessoa diferente de todas as que já conheci, por isso
investi muito nele a título de o querer ajudar a ver-se não “feio” conforme ele se

Loucamente
164

apresenta, mas como ser especial em sua essência. Por isso lutei até ficar em
pedaços.
Lembras-te daquele sonho que te contei em vésperas do nosso primeiro
encontro? Era atirada a uma parede violentamente e ficava em pedaços.
Já era um vaticínio.
- Mas consegues superar meu anjo querido, também dizias que tinhas pesadelos
em que nadavas num oceano lodoso em que troncos de árvores vinham contra ti
e conseguiste superar.
- Não! Foi demais.
Mas mesmo assim meu sentimento mesmo enfraquecido será SEMPRE nobre.
Será Sempre e Infinitamente.
- Não te esqueças de lhe enviar então esta mensagem.
Podes lê-la meu cofre protector.

無限

Para ti QUEM eu tanto AMO

Vem...dá-me a mão!...
Une o teu pensamento ao meu e deixa-te transportar pela brisa suave deste
Sentimento etéreo tão profundo que se difunde na magia do AMOR.
Fecha os olhos devagarinho...
Vês?.. aquela luz branca que se aproxima e se difunde em luzes de mil cores?
Deixemo-nos penetrar por ela e entrar num mundo tão nosso, isento de ódio e
inveja onde a Vida desconhece a Morte e o Desgosto, onde nele poderemos ser
tudo o que desejarmos.
O calor que emana dessa luz é doce e perfumado, inebria-nos e conduz-nos à paz
imensurável do Universo.
Abre os olhos devagarinho...
Olha em teu redor...vê a fantasia dos teus sonhos tornarem-se Realidade.
Repara na paisagem que se depara em teu redor, como tudo é belo e calmo!
O azul do Céu se mistura com o solo donde brotam flores das mais variadas
cores.
Escuta!...
Elas sorriem à tua chegada e curvam-se para te darem as boas-vindas.
As nuvens estendem-se como tapetes que se desenrolam para que não firas teus
pés.
Os pássaros saúdam-te com as mais belas sinfonias que teus ouvidos já alguma
vez tenham escutado.
Repara!...

Loucamente
165

Olha aquele riacho saltitando despreocupado. Faz lembrar a criança que tens em
ti despreocupada e inocente.
Sem maldade, sorri aguardando um mundo melhor.
Repara como ele se alarga mais adiante, feliz da vida vai dar a um porto sem
destino.
Feliz, transparente, convida-te a mergulhares nele e a falares com os peixes que
curiosos te espreitam quando escutam teus sussurros.
Aí vai ela...A borboleta majestosa agitando as suas asas numa valsa que tu podes
acompanhar.
Escuta!...
Ouve a sinfonia deste chilrear celestial que te convida a entenderes um Mundo
melhor.
Como tudo isto é lindo, como tudo isto é bom…
O Sol sorri à tua passagem, a Lua entrega-se ao calor da sua paixão.
O esquilo saltita despreocupado, o leão acaricia a gazela, TU...EU... Eu e Tu no
mesmo EU, poderemos ser cada uma dessas personagens deste mundo tão-
somente NOSSO.
É só tu quereres! Sempre que quiseres voltar a este paraíso, lembra-te...Eu faço
parte dele.
Eu...eu serei nada, Tudo, ou simplesmente a parte de um todo, ou, para ti, o todo
de uma parte...
Serei simplesmente o que desejares. A brisa que sopra em teu rosto, o sol que
acaricia o teu corpo, o sangue que corre em tuas veias, o tic-tac do teu coração,
a sensação de uma presença amiga.
Eu sou Nada, simplesmente aquilo que tu queiras.
E... Lembra-te...Um dia...por muito distante que imagines que eu me encontre, eu
estou mais perto de ti que nunca.
No ar que respiras, na luz que ilumina o teu olhar, no sorriso de uma criança, na
flor que colhes e inalas, no calor do teu coração, na doce sensação do teu sono,
na transição para um mundo melhor.
Vem!...
Deixa que o teu espírito trespasse o meu, deixa que esta fusão de AMOR seja tão
pura que confunda o próprio Cosmos.
Mais uma estrela nasceu. O Universo cresceu mais um pouquinho por nada haver
de mais belo nesta vida que o calor do nosso AMOR.
Sentes?...Tal como um raio de sol.
É quente, dá vida, dá existência.
O AMOR é tudo isto que possas não encontrar explicação, mas que envolta a tua
existência numa áurea divina.
O AMOR é o sentimento mais forte, mais puro que te faz sentir que o OUTRO
poderás ser TU, quando TU, és simplesmente mais um outro qualquer na
imensidão deste Universo.

Loucamente
166

O AMOR é o sonho que todos almejam mas nem todos reconhecem, porque é tão
Simplesmente Simples que as pessoas se esquecem que na Simplicidade das
coisas se ocultam os maiores valores....

無限

- Flor, achas que Beijamim vai entender?


- Sim, um dia esse poema foi-lhe dedicado, mas talvez seja tempo de ele agora
reconhecer o que este poema lhe queria transmitir.
- Flor, não te quero perder.
Porque é que eu te quis abrir os olhos para não te ver sofrer, quando afinal te fiz
sofrer mais ainda?
- Enganas-te Lis!
Eu sonho com boas colheitas. Mesmo que o trabalho seja árduo, eu semeio, cuido
com perseverança e colho com amor para tornar a semear.
Claro está que nem toda a semente é proveitosa, no meio de tantas há sempre
algumas que não prosperam.
Será muito pedir-te um chá?
- Vou já de imediato. Não te sentes bem?
- Sim. Sinto-me leve. Flutuo… (e sorrindo deitou-se no sofá e assim adormeceu).
Lis nem ousou acordá-la. Tapou-a carinhosamente e foi-se também deitar pois a
hora já ia adiantada.
Olhar para o rosto de Flor fazia doer a alma.
Outrora rosto de boneca de porcelana encontrava-se agora vincado pela
desilusão da vida.
Tez pálida e abatida, olhos vincados de dor, corpinho de gazela comprimido pela
angústia e falta de vontade de viver, estava agora reduzida à mais pequena
insignificância.
Lis no dia seguinte ia mostrar-lhe como a Vida é bela e vale sempre a pena viver,
nem que para isso fosse com ela para um retiro durante um tempo e lá, em Paz,
de novo se encontrar e poder novamente abraçar os valores morais que tanto a
dignificavam e ela tinha tanto orgulho.

無限

O dia irrompia com chuva miudinha que dava mais tolerância ao clima gélido que
se tinha instalado.
Lágrimas do Infinito que com amor abençoam a Terra pela batalha das
agressividades que por vezes a confrontam.

Lis levantou-se silenciosamente e após arrumar o quarto foi espreitar para ver se
Flor ainda dormia.

Loucamente
167

O quarto estava arrumado, a cama feita e em cima da cama um urso de peluche


sustentava uma carta que por fora dizia:

無限

A chuva cai em silêncio, suave é seu deslizar, não sei se são gotas de água se
lágrimas que de meu rosto rolam para nelas se misturar.
Neste silêncio que me anula, sem uma palavra um carinho, a um canto lamento e
sozinha medito. Porque escolheste Deus, para mim este caminho?
Eu só pedia amor, compreensão, palavras amigas, Amizade BELA.
Dou por mim como um esboço, pintado numa simples tela.
E a um canto colocado, esboço esfuma-se sem ser notado.
Nem tela, nem pintura regista, o mais pequeno traço isolado, de quem só queria
amar e ser amado.
VIDA é AMAR sem Medo, é esculpir o Sonho e torná-lo Realidade, mesmo que
seja Amar em silêncio, ter Luz é o Segredo, para ao outro dar a Felicidade.

無限

Perdoa-me Lis ter-te deixado envolver com este pobre ser que nada é e só te deu
preocupações.
Sei que fui uma sonhadora, mas pobre de quem esta vida vive e não sabe
sonhar.
Eu só queria amor, nada mais. Tu és a única capaz de me amar de verdade até
ao fim porque em mim te reconheces melhor que NINGUÉM.
Tuas lutas constantes para que eu mudasse a fim de não sofrer, foram as
mesmas que eu usei para não ver os outros sofrerem também.
Só é cego quem não quer enxergar e eu não queria simplesmente ver, pois a
Realidade quando é abstracta não são os sentidos que a definem, mas sim o
tempo que a acaba por revelar.
Lembras-te da flor-de-lis que para ti colhi e guardaste no teu livro “Sempre
contigo”?
Lembras-te de te falar do hermetismo dela?
Pois bem:

無限

Lírio, Íris, Lys, Flor-de-lis

Apesar de sua história ser datada de 496 d.C. quando um anjo apareceu a Clóvis
rei dos Francos e, lhe oferecendo lírio o mesmo se converteu ao Cristianismo, a

Loucamente
168

partir de então a bandeira de França era estampada como um campo de batalha


semeado de lírios, tal como o seu brasão.
Em 1147 o monarca Luís VII de França adoptou o símbolo ao seu emblema e
usou-o também como cunho para selar as suas cartas e, como seu nome na
época era Louis ou Loys, flor-de-lis teria tido origem em “fleur-de-louis” para
“flor-de-lis”.
Este símbolo de três pétalas, simboliza o poder e a soberania, e pela autoridade
que a consagra a pureza do corpo e da alma.
Em 1364, o monarca Carlos V tornou oficial este símbolo consagrando-o à
Santíssima Trindade, visto este símbolo ser uma figura bíblica como o é retratado
na Virgem Maria, “lírio da Anunciação e Submissão”quando o Anjo Gabriel, Anjo
da Anunciação lhe ofereceu um lírio, pela sua pureza e perfeição e concebida
sem pecado.
A partir do reinado de D.Afonso Henriques, rei de Portugal, este símbolo começa
também a ser adoptado nas armas portuguesas como símbolo do Cristianismo, o
símbolo do amor puro e sincero.
Baden-Powell, membro de uma Sociedade Secreta e, fundador do Escotismo,
elegeu por primazia este símbolo como símbolo Universal do escotismo com
todos os enigmas e mistério a ele conferidos.
Por isso mesmo, lírio/ flor-de-lis é considerada a flor do Mistério e Realeza divina
pelo secretismo que contém.
Ao ser-lhe acrescentado o falo, ou as três pétalas inferiores, logo o lírio
retratando lis, simboliza os instintos, os sonhos, um amor intenso carnal que sob
duas vertentes tanto pode representar um amor contido, não concretizado, a
frustração, como se for sublimado com amor espiritual, pode representar a glória
em todo o seu esplendor.
A nossa imagem reflecte-se também nesta flor, não só pelo seu secretismo como
pela dualidade das duas vertentes.
A essência e o sonho.
Unidas pela mesma dualidade seremos Amigas inseparáveis e incondicionais
uma da outra, agora e SEMPRE.
Quando leres esta minha mensagem já estou longe.
Manter-me-ei num silêncio que me ajude a me reencontrar.
Perdoa-me. Ter-me-ás sempre em teu coração e eu ter-vos-ei eternamente em
minha vida.
Às vezes penso que não existo, ou sou de facto aquilo que os outros desejam ver
e não aquilo que na realidade sou.
Me perdoa! INFINITAMENTE e SEMPRE.
Flor de Lis …

Loucamente
169

無限

Para Meditar
O Amigo é a resposta aos teus desejos.
Mas não o procures para matar o tempo! Procura-o sempre para as horas vivas.

Loucamente
170

Porque ele deve preencher a tua necessidade, mas não o teu vazio. “Khalil
Gibran”.

無限

Loucamente
171

Já escondi um AMOR com medo de perdê-lo, já perdi um AMOR por escondê-lo…


Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo ao ponto de nem
sentir as minhas mãos... Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me
arrependi por isso… Já passei noites a chorar até adormecer e já fui dormir tão
feliz ao ponto de nem de nem conseguir fechar os olhos... Já acreditei em amores
perfeitos, já descobri que eles não existem decepcionei pessoas que me
amaram... Já passei horas em frente ao espelho a tentar descobrir quem sou, já
tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer desaparecer…
Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi... Já
fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta
no meu canto... Já sorri chorando lágrimas de tristeza e já chorei de tanto rir... Já
acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que
realmente valiam... Já tive crises de riso quando não podia... Já parti pratos,
copos e vasos, de raiva... Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse... Já
gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar… Muitas vezes deixei
de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para
magoar outros...
Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para
desagradar outros... Já contei piadas e mais piadas sem piada nenhuma, apenas
para ver um amigo feliz... Já inventei histórias com final feliz para dar esperança
a quem precisava... Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade... Já
tive medo do escuro, hoje no escuro sinto-me bem... Já cai inúmeras vezes
achando que não jamais me iria reerguer, já me reergui inúmeras vezes a achar
que não voltaria a cair... Já liguei para quem não devia apenas para ouvir a voz
de quem queria...
Já chorei por ver um comboio partir, por ele levar embora quem eu amava... Já
chamei por alguém a meio da noite com medo de um pesadelo... mas ele não
veio e foi um pesadelo maior ainda...
Já chamei pessoas próximas de "amigo" e descobri que não o eram... Algumas
pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para
mim...
Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre... Não me
mostrem o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!... Não me
façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou
diferente!... Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar
com os pés no chão... Sou sempre eu mas com a certeza de que não serei a
mesma para SEMPRE!
Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais
poderosas, das ideias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos
sentimentos mais fortes... Tenho um apetite voraz dos delírios mais loucos… até
me podem empurrar de um penhasco que eu vou dizer: - E depois? EU ADORO
VOAR…(Charles Chaplin)

Loucamente
172

無限

“ Um dia a gente aprende que... Depois de algum tempo se aprende a subtil


diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma.
Aprende que amar não significa apoiar-se, que companhia nem sempre significa
segurança e começa-se a aprender que beijos não são contratos e, que
presentes, nem são promessas.
Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a
graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
Aprende a construir todas as suas estradas no Hoje, porque o terreno do amanhã
é incerto demais para os planos e o futuro tem o costume de cair no fútil.
Aprende que falar pode aliviar dores emocionais, e descobre-se que se leva anos
para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la. E, que você pode
fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida.
Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas
distâncias e o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na
vida, e que bons amigos sã que não temos que mudar de amigos se
compreendemos que eles mudam.
Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e
terem bons momentos juntos.
Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas
de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que
amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vejamos.
Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mesmo que não
saiba para onde está indo qualquer lugar serve.
Aprende que ou você controla seus actos ou eles o controlarão e, que ser flexível
não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada
e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.

Loucamente
173

Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você
cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.
Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve
e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.
Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.
Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens,
poucas coisas são tão humilhantes… e seria uma tragédia se ela acreditasse
nisso.
Aprende que quando se está com raiva se tem o direito de estar com raiva, mas
isso não te dá o direito de ser cruel.
Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não
significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas
que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém; algumas vezes
você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.
Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum
momento condenado.
Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo
não pára para que você o conserte.
Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás, portanto, plante seu
jardim e decore sua alma ao invés de esperar que alguém lhe traga flores, e você
aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte e que pode ir
muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.
Descobre que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!
Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos
conquistar, se não fosse o medo de tentar”. “Wiilliam Shakespear”

無限

Loucamente
174

Amigos

Não te posso dar soluções para todos os problemas da Vida.


Não tenho resposta para as tuas dúvidas e temores, mas posso escutar-te e
compartilhar contigo.
Não posso mudar o teu passado nem o teu futuro.
Contudo quando necessitares estarei junto a ti.
Não posso evitar que tropeças.
Somente posso oferecer-te a minha mão para te agarrares e não cair.
As tuas alegrias, os teus triunfos e os teus êxitos não são meus.
Contudo desfruto sinceramente quando te vejo feliz.
Não julgo as decisões que tomes na Vida.
Limito-me a apoiar-te, a estimular-te a ajudar-te sem que mo peças.
Não posso traçar-te limites dentro dos quais devas actuar.
Contudo ofereço-te esse espaço necessário para crescer.

無限

Loucamente
175

Não posso evitar o teu sofrimento quando alguma pena te parta o coração,
Mas posso chorar contigo e recolher os pedaços para juntá-los de novo.
Não posso dizer-te quem és nem quem deverias ser.
Somente posso amar-te como és e ser teu AMIGO.
Nestes dias pensei nos meus AMIGOS e AMIGAS,
Não estavas em cima nem em baixo
Não encabeçavas nem concluías a lista.
Não eras o número um nem o número final.
Dormir Feliz, emanar vibrações de Amor
Saber que estamos aqui de passagem
Melhorar as relações.
Aproveitar as oportunidades
Escutar o coração
Acreditar na Vida.
E tão pouco tenho a pretensão de ser a primeira,
a segunda ou a terceira da tua lista.

Basta que me queiras como AMIGA.


Obrigada por seres meu AMIGO.
(Jorge Luís Borges)

無限

Loucamente
176

Sustentado em factos verídicos, este livro está baseado num dos temas
mais procurados pelos estudantes que têm como tese “O que procura o
homem nos clubes de amizade”.

Em tempos sob perfil masculino, alguém recebeu o convite e endereço de


um estudante para que lhe fizesse uma exposição sobre tal tema.

Como por detrás desse perfil masculino se ocultava um ser feminino,


respondeu ao estudante que ele deveria perguntar às mulheres o que os
homens procuram nesse site, porque ludibriadas por um sentimento que o
homem tenta ostentar em dizendo que procuram amizade, se encontra
uma libido insatisfeita e frustrada que os leva à procura de todo e
qualquer género de vítima que julga ter encontrado um amigo, um
relacionamento ou até um possível casamento, até que a ilusão se
desvaneça sem se
importarem com sentimentos mas com os instintos, não vêm que estão a
desrespeitar o semelhante em suas condutas, quando leais não
conseguem ser pela breve resposta que poderão dar:
“Simples passatempo”

Não deixa de não o ser, mas é só o que eles diriam ao estudante e não à
pessoa de quem se faz amiga.

Claro está que não podemos generalizar todos, pois se há homens com
condutas menos claras, mulheres há que também fazem o mesmo.

O estudante para uma boa tese, bastar-lhe ia colocar um perfil feminino


mesmo sem foto, pois conseguiria ter uma solução mais rápida para a sua
tese, que ouvir a mesma resposta de todos e ter que a desenvolver.

Loucamente