pe da ços da ilusão – bruno nobru

|2|

pe da ços da ilusão – bruno nobru

pe da ços
da ilusão
bruno nobru

arte é risco
2002

|3|

pe da ços da ilusão – bruno nobru |4| .

se apodera de mim e me alheia: me faz ser.pe da ços da ilusão – bruno nobru Alienação = Acomodação ? acomodação à ideologias – modos de pensar. agir.. sentir. sorrir...... econômicas e culturais. |5| . sentir.. deixo de refletir por outros pontos de vista.... ocorrem os “efeitos paradigmas”. onde não sei por quê não consigo pensar de maneira diferente em certas situações: deixo de ser criativo. ser. . agir e ver as coisas de um modo já previamente estabelecido e mantido por padrões e regras sociais... falar.

pe da ços da ilusão – bruno nobru <a maioria dos meios que me acomodam eu os desconheço> |6| .

e não algo pronto. com essa postura. pois. se aceitar a mudança e impermanência. resisto a crença de que o que sou é o momento. do que penso e do que faço. uma tentativa para a “não-acomodação”. não se aceita a manutenção de um ser “alheio” dentro do que sinto que sou. mas em processo.pe da ços da ilusão – bruno nobru decido me acomodar a mudança a mudança (parece ser). |7| .

não sou se não sei o que faço ou por quê ou as forças que regem o fazer sou coisa: sujeito de outros |8| .pe da ços da ilusão – bruno nobru “sou o que faço” se não faço.

pe da ços da ilusão – bruno nobru (outra opção:) posso me alienar ao meu modo! |9| .

mas de mim mesmo: de minha própria criação aí posso me acomodar da maneira que bem entender. ou maior parte dele. sou movido por forças alheias a mim mesmo.pe da ços da ilusão – bruno nobru sabendo que todo o tempo. a me ajustar à minha própria necessidade e desejo | 10 | . posso pensar em criar crenças para a minha existência com a consciência de que a realidade é inexistente posso então construir o que preciso e quero no momento. para não ser fruto de uma publicidade de massa.

pe da ços da ilusão – bruno nobru então: não preciso fruto dos outros não preciso ser o que os outros querem e não quero ser algo que não sei o que é e nem por quê não quero ser mais um número uma coisa não quero esperar “a morte chegar” quero viver! | 11 | .

julgando o que vejo a partir de algo que me toma o poder sem que eu saiba o pôr. o processo de penetração.. tudo está pronto. pensar. não há nada mais o que se ver. até o momento que não consigo disntinguir uma coisa da outra. mudar. mais mantenho a ilusão.. distorço meus modos de compreender a “realidade” --------> o quanto mais intensifico essa alienação. tentar.pe da ços da ilusão – bruno nobru quando me alieno. . acomodado e simplificado: o que penso ser a “realidade” parece muito claro e verdadeiro – enquanto que os meios que me condicionam são invisíveis. (quê) tudo se torna preparado. | 12 | . aí vejo as coisas ao meu redor somente à partir do que foi condicionado a rotina.. descobrir. de acomodação e distorção é silencioso e constante..

aceitar que um som é um som e um homem é um homem.. expressões de sentimentos. abandonar ilusões sôbre idéias de ordem..” (John Cage) o problema da própria aceitação. e todo o resto de conversa fiada da nossa herança estética.pe da ços da ilusão – bruno nobru “Deve-se ser desinteressado. dificilmente alguém se aceita como é (e tenta modificar) | 13 | .

estou tentando adaptar as pessoas ao meu modo não seria mais interessante debater os pontos de vista. empurro isso à outros. o que a torna mais difícil de compreender. mas não vai acontecer comigo! a alienação chega a tal modo que não se aceita a compreensão de sua existência. que tenho alguma verdade. sem a necessidade de empurrar uma coisa ao outro? ou é difícil receber opiniões diversas e mudar de opinião? | 14 | . quando acho que sei.pe da ços da ilusão – bruno nobru não raramente escuto a frase: aconteceu com o outro. dialogando os diferentes pontos de vista.

fica na moda. foram e estão sendo muitas coisas e talvez nem percebam isso assim é a acomodação: ela repete.pe da ços da ilusão – bruno nobru o que sou mais que minha ACOMODAÇÃO apesar de se ter um “nome” que mantêm a ilusão de permanência: todos dizem: sou Paulo! Sou Maria! Sou João! Sou Pedro! -mas qual desses é ? todos são. . repete. repete. repete. “natural” ! | 15 | ... repete. comum. até que pega.

<ponto de reflexão> | 16 | .pe da ços da ilusão – bruno nobru .

não sou mais quem (ou o que) eu fui ontem.. (apesar de ainda carregar algumas coisas do passado) | 17 | . hoje ..pe da ços da ilusão – bruno nobru e...

e como saber? para quê saber? | 18 | .pe da ços da ilusão – bruno nobru descobri algo.. esse algo pode não ser o que parece. se conheço algo. descobri que: não sei o que sou! não sei quem sou não sei o que é saber e.

mas como saber se minha escolha é minha ou alheia? escolho por mim? para mim? para meu benefício e prazer? para os outros? porque alguém me disse? porque a tv falou que é bom? (agora estou ouvindo satie. ontem escutei cage. amanhã não sei o que ouvir) | 19 | .pe da ços da ilusão – bruno nobru talvez a mudança seja necessária para manter a existência pensante e instigante a mudança que parte de uma escolha própria.

é parecido nesta coisa.pe da ços da ilusão – bruno nobru Recomendação: faça suas recomendações e não fique na dependência dos outros. o que conferir ser certo para você é pra você. o restante pode ser diferente | 20 | . e para mais ninguém se alguém encontrar outro alguém parecido em uma coisa. reflita você contigo.

me recebem diferente o que faço acarreta algo aos outros e ao(s) meio(s) onde convivo tudo que os outros fazem acarreta algo em mim e ao(s) meio(s) também | 21 | .pe da ços da ilusão – bruno nobru o(s) outro(s) sou parte do(s) meio(s) onde convivo e mantenho relações com os outros quando os outros mudam. os outros que convivem comigo também mudam. ou ao menos. ao menos a maneira de recebê-los e quando eu mudo. eu também mudo ou.

não quero repetir modos de ser. enquanto não me questiono sobre os modos de ser. das que receber dos outros. sentir e pensar dos outros. não sou resultante de mim mesmo. não sou eu propriedade de mim. mas. sem questionar se é bom ou ruim para mim. sentir. desenvolver o que prefiro para mim. para McLuhan. penso que sou eu quando escolho e faço por mim | 22 | . posso modificar essa estrutura. sou ensinado a como sentir e agir em certas situações. e reproduzir somente as coisas que realmente forem boas para mim. através dos outros.pe da ços da ilusão – bruno nobru a(s) atitude(s) do(s) outro(s) me contagiam com seu(s) modo(s) de ser e agir. e esses padrões muitas vezes me tornam como eles. pensar e agir que os outros 'massageiam'. eles nos massageiam.

posso me mudar! e. aprendo assim em múltiplos processos nas trocas com os outros sobre mim e sobre o(s) meio(s) que convivemos | 23 | .pe da ços da ilusão – bruno nobru e. quando mudo a mim mesmo. e este transformado altera a mim mesmo novamente. fazendo isso. acabo mudando o outro também.

pe da ços da ilusão – bruno nobru é conversando que a gente se entende NÃO há que IMPOR CONDUTAS E MODOS DE SER E AGIR | 24 | .

um único certo tudo se apresenta de modo muito relativo. difuso e por vezes vago. | 25 | . de nada se tem certeza. isso faz com que eu tenha certeza de que somente o que tenho são incertezas. pois tudo pode ser uma ilusão de meus falsos conceitos. ou de minha alienação inconsciente.pe da ços da ilusão – bruno nobru NÃO há CERTEZA. múltiplo. muitas vezes preencho coisas de preconceitos e sentimentos alheios dos quais eu mesmo não identifico.

Êsse choque sempre se produz em períodos de transição” (Marshall McLuhan) | 26 | .pe da ços da ilusão – bruno nobru pre-conceitos “Abordamos o novo com o condicionamento psicológico e as reações sensoriais antigas.

por estes primeiros conceitos – a tal base previamente estabelecida –continuo a observar distorcidamente enquanto não modifico ou não reformulo a base das maneiras de perceber o existir.pe da ços da ilusão – bruno nobru sou constituído. acabo por experimentar as coisas (externas à mim) distorcidamente. ao nascer. | 27 | . e estes criaram bases para meu conhecimento do mundo exterior e. por conceitos que foram estabelecidos antes da minha existência.

minha estrutura física. se apoderam de meu ser biológico. e os paradigmas me impossibilitam de ver as coisas pois distorcem minha visão e percepção | 28 | . após repetidos algumas vezes. meu organismo.pe da ços da ilusão – bruno nobru tem conceitos que. deixam de ser apenas conceitos se tornam vícios. e quando reproduzo sem consciência me adapto a eles os conceitos criam paradigmas. meus sentimentos.

ela proporciona. mas também impõe obrigações. não somente benefícios.” (Bronislaw Malinowski) | 29 | . O indivíduo tem que submeter-se à ordem e à lei. exigindo a entrega de uma grande quantidade de liberdades pessoais ao bem estar comum. agindo assim. tem que torcer sua língua e ajustar sua laringe de sons e de adaptar seu sistema nervoso a uma variedade de hábitos. tem que aprender a seguir a tradição.pe da ços da ilusão – bruno nobru “A cultura modifica profundamente as disposições inatas do homem e.

não tenho certeza não. é pelo o que eu tenho visto por aí” (fala de um Senhor no Ponto de Ônibus) | 30 | .pe da ços da ilusão – bruno nobru que tal reformular conceitos constantemente ? “Olhe. mas o que eu lhe digo para o senhor. Senhor.

..pe da ços da ilusão – bruno nobru e.. agora. a troca de idéias para re-pensar meus conceitos faz com que eu re-analise eles e busque comparações e pontos de vista externos.... .... parto do pressuposto de que: tudo o que eu recebo do exterior não é da mesma maneira que represento no interior a necessidade de eliminar os pré-conceitos e estar sempre reavaliando os conceitos para não impedir a vista do novo que já previamente condicionadas por conceitos que foram colados em mim... | 31 | ......

o termo Pharmakon significa simultaneamente veneno.pe da ços da ilusão – bruno nobru phármacon – para os gregos... com um ser individualista. remédio ou poção mágica. a ética se foi para um nôvo contexto e conceito humano. há uma ética para cada ser individual. | 32 | .

de uma existência tendenciada pelos meios de sedução e consumo necessitam de uma grande força anti-alienizante para incomodar e esclarecer a cegueira massificada das coisas.pe da ços da ilusão – bruno nobru todo esse vazio. tentando proporcionar a capacidade de pensar e agir por si | 33 | .

pe da ços da ilusão – bruno nobru | 34 | .

Com base no trabalho disponível em www.blogspot.0 Brasil.arteriscada.CompartilhaIgual 3.pe da ços da ilusão – bruno nobru é livre a reprodução total ou parcial desde que citada a fonte e que o uso não seja comercializado O livreto “pe da ços da ilusão” de bruno nobru foi licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição .com. | 35 | .NãoComercial .

pe da ços da ilusão – bruno nobru | 36 | .

com | 37 | . sp brasil capa e edição por bruno nobru maio de 2012 pouso alegre.brunonobru.arteriscada.pe da ços da ilusão – bruno nobru pe da ços da ilusão escritos por bruno nobru em maio de 2002 são paulo.blogspot.net arte é risco www. mg contato www.

pe da ços da ilusão – bruno nobru pe da ços da ilusão bruno nobru | 38 | .