Você está na página 1de 10

Definição

Vetor: é um termo que provém do latim vector (condutor).
Vetor é toda grandeza que só fica inteiramente determinada quando é dado
um número real que a mede numa dada unidade, uma direção e um
sentido.
Conceito: os seguimentos orientados da figura 3 têm o mesmo
comprimento e, por serem paralelos, têm a mesma direção. Têm ainda o
mesmo sentido. Vetor é o ente matemático caracterizado pelo que há de
comum ao conjunto dos segmentos orientados acima descritos: o mesmo
comprimento, a mesma direção e o mesmo sentido. O comprimento comum
dos segmentos orientados é chamado módulo do vetor . Assim, um vetor
possui módulo, direção e sentido.

Representa-se o vetor por um segmento orientado, como o segmento
orientado


AB

do anexo 2ª é a origem e B é a extremidade. O

comprimento de A até B representa o módulo do vetor, de acordo com a
escala adotada para a representação gráfica.

Projeção de um vetor sobre um outro
Sejam A e B dois vetores, B = 0. Vamos definir a projeção de A sobre B que
será o vetor P da Figura 2.7. Queremos, portanto, encontrar um vetor P tal
que A − P seja ortogonal a B e tal que P = cB, para alguma constante c que
queremos determinar. Suponha que encontramos tal constante c. Então
teremos:
(A − P) · B = (A − cB) · B = 0, ou seja, A · = cB · B
donde temos que: c =

Reciprocamente, se c =

A.B
A.B

A.B
A . B , temos (A−cB)·B = A·B −cB ·B = 0.

Definição: a projeção de um vetor A sobre um vetor não nulo B é o vetor P
= cB, onde c =

A. B
B . B , que denotaremos por P = ProjBA.

Exemplo Sejam A = (1, 2, −3) e B = (1, 1, 2) vetores do espaço. Vamos
calcular a projeção P de A sobre B. Temos:
c=

A. B
B.B

=

1+2−6
6

=-

1
2

Vamos mostrar agora que eles são coincidentes. Dado um segmento no plano. vantagens do tratamento mais algébrico que adotamos aqui. O conceito de perpendicularidade visto aqui é distinto do corrente nos cursos de geometria elementar. A distância de A a −B é -. · B = 0. Optamos por adotar a definição acima. Demonstração: Suponhamos que = -= se e somente se A . Para mostrar que o conceito de perpendicularíssimo da geometria elementar coincide com o nosso vamos mostrar o seguinte: Proposição 2. temos a seguinte relação: Substituindo o valor de c obtido acima temos: Observação 2.- 1 2 . Para isto vamos relembrar um fato da geometria elementar. Um dos mais prolíficos e respeitados autores de livros de matemática do século passado. Considere um vetor A e um vetor B e vamos supor que eles possuem o mesmo ponto inicial. 2) = (. 1. o lugar geométrico dos pontos equidistantes de C e D é a perpendicular a .30 Alguns autores tomam a relação como sendo a definição do produto escalar.2 . A distância de A a B é .31 Dados dois vetores A e B. Lang observa que tomar a relação acima como definição dificulta a demonstração das propriedades do produto escalar. Temos que . seguindo o tratamento dado por Serge Lang em seu livro [3].Portanto P = P rojBA = cB =- 1 2 1 (1. Pelo resultado acima estas distâncias serão iguais se e somente se os vetores A e B são perpendiculares. além desta relação não possuir uma generalização natural no contexto da análise funcional. Podemos agora demonstrar a Proposição: Dados dois vetores A e B temos onde θ é ângulo entre os vetores A e B. Consideremos o vetor −B. Demonstração da geometria elementar. passando pelo seu ponto médio. -1).

que possuem a mesma direção dos eixos X e Y respectivamente. ou seja. De modo semelhante no espaço (em três dimensões). ou seja. Em um sistema de coordenadas XY é comum definir os vetores unitários î e ĵ .√ ( A−B ) . temos que levar em conta as direções e os sentidos. em que Vz é o módulo da componente de V na direção do eixo Z e k ˆ é o vetor unitário na direção desse eixo. sendo î o vetor unitário na direção desse eixo. em que Vx é o módulo da componente do vetor ⃗ V na direção X. Adição de vetores (Método Geométrico) Vimos que os vetores são representados por flechas (segmento orientado). para isto. Isto mostra que = se e somente se A · B = 0.( A+ B) Elevando ambos os membros ao quadrado temos: A · A + 2A · B + B · B = A · A − 2A · B + B · B.( A−B) = √ ( A +B ) . Se adotarmos uma escala em que 1 cm representa 1N de força por exemplo. V y é o módulo da componente do vetor ⃗ V na direção Y e ĵ o vetor unitário nessa direção. Vamos supor que temos dois vetores abaixo ⃗ A e ⃗ B representados na figura . Ele é útil para designar a direção de vetores. Vetores unitários Um vetor unitário é um vetor de módulo unitário. A · B = 0. de modo que o vetor ⃗ V pode ser escrito como: ⃗ V = V xî +V yĵ. teremos: ⃗ V = V xi+V yĵ+ V=ǩ. temos que estudar uma parte da matemática chamada de álgebra vetorial. numa dada escala. pois além dos números. Operações com vetores O procedimento para se fazer uma operação vetorial são diferentes do procedimentos das operações numéricas. de módulo igual a 1. a intensidade do vetor AB da figura equivale a uma força de 4N. e que a intensidade é proporcional ao comprimento do segmento.

⃗ A + ⃗ B será mínimo quando A e B tiverem na mesma direção e sentidos opostos. fechando a linha poligonal.⃗ ⃗ ⃗ Para obtermos o vetor soma ( R = A + B ). mas podemos determinar o intervalo de valores para ⃗ A + ⃗ B (módulo de soma). assim o vetor soma terá origem coincidindo com a origem do 1º vetor desenhado e terá sua extremidade na extremidade do ultimo vetor desenhado. respeitando sempre a equivalência. Este método pode ser utilizado para mais de dois vetores. ⃗ A + ⃗ B será máximo quando A e B tiverem na mesma direção e mesmo sentido. Adição de vetores (Método do paralelogramo) Podemos fazer a adição de vetores usando a propriedade: . não é possível determinar o vetor soma nem seu módulo. de modo que a . bastando apenas colocar a origem de cada vetor na extremidade do anterior. ⃗ A e desenhamos o vetor ⃗ B coincida coma extremidade de ⃗ A Desenhamos o vetor origem de ⃗ B . Portanto temos dois vetores ⃗ A e ⃗ B e não conhecemos suas direções e sentidos. O vetor soma ⃗ R é o vetor que tem origem na origem do vetor sua extremidade encontra-se com a extremidade de ⃗ A e ⃗ B .

e seu módulo pode ser calculado através da relação: R2=A2+B2+2. No exemplo a seguir usaremos dois vetores dois vetores. é o mesmo obtido na ordem direta e que a figura formada é um paralelogramo.C. (. e então construirmos um paralelogramo e traçamos a diagonal que passa pela origem dos vetores ⃗ A e⃗ B . fazemos: do vetor ⃗ R ⃗ A SUB = ⃗ + (.B ) ⃗ Onde. e então construímos um paralelogramo e traçamos a diagonal que passa pela origem dos vetores ⃗ A ⃗ B e e com origens coincidentes.A. ⃗ A Podemos então colocar os vetores e ⃗ B com as origens coincidentes. .⃗ A ⃗ R Notamos que o vetor somo que o vetor soma ⃗ R SOMA ⃗ ⃗ ⃗ + B = B + A SOMA obtido na ordem inversa.cosθ Subtração de vetores (Método do paralelogramo) Para subtrair o vetor ⃗ B ⃗ A . mas é bom notar que o método do paralelogramo pode ser generalizado para vetores sempre tomando de dois a dois. R A diagonal representa o vetor soma ( ⃗¿ ¿ . traçando a diagonal que coincide com ⃗ A e ⃗ B .B ) é o oposto de B Então usamos o método do paralelogramo Podemos ter também o vetor ⃗ R as extremidades dos dois vetores sub .

Dados dois vetores  e ⃗ B .A.018. Pela lei dos Cosenos: R2soma=A2+B2+2. assim o vetor resultante da soma será a diagonal com origem comum aos dois vetores.B.A.43  Educar programa de estudo e pesquisa editora difusão cultural do livro ÍNDICE . que formam um ângulo α. E o vetor diferença será representado pela diagonal que coincide com as extremidades dos dois vetores.B. representar o vetor soma e o vetor diferença.39 CDU: 37. Traçamos paralelas aos vetores de modo que se forme um paralelogramo. Deslocamos um dos vetores respeitando a equivalência até que as origens coincidam.cos α R2sub=A2+B2-2.7  Fundamentos de física 1 editora UFMG CDD-530 CDU: 53  Geometria analítica e álgebra linear: uma visão geométrica tomo I editora UFMG CDD:371.cos β BIBIOGRAFIA:  Os fundamentos da física 1 (mecânica) editora moderna LTDA CDD530.

 Definição  Projeção vetorial  Vetores unitários  Operação com vetores FACULDADE CENETISTA DE RIO DAS OSTRAS 2° PERÍODO DE ENGENHARIA MECÂNICA .

VETORES VETORES .

ALUNOS: CARLOS JEAN DA CONCEIÇÃO OLIVEIRA JULIA RAFAELA DE ARAUJO SILVA SOLICITADO PELA PROFESSORA: ROBERTA LEITÃO ALUNA: JULIA RAFAELA DE ARAUJO SILVA .

SOLICITADO PELA PROFESSORA: ROBERTA LEITÃO .