Você está na página 1de 1

Bibliografia da obra:

CAMPOS, Nilson; STUDART, Ticiana (org). Gesto de guas: principios de praticas. Porto Alegre:
ABRH, 2001.
Bibliografia do Capitulo:
CAMPOS, Nilson. Gesto de guas: novas vises e paradigmas. In: CAMPOS, Nilson; STUDART,
Ticiana (org). Gesto de guas: principios de praticas. Porto Alegre: ABRH, 2001.
Gesto de guas: novas vises e paradigmas
Nilson Campos
Expresses como gerenciamento de recursos hidricos, gesto de guas e uso racional das guas
passaram a fazer parte do dia-a-dia das pessoas e dos meios de comunicao.[]. Apesar das
diferenas de entedimento [na definio de tais termos], h algo novo nascendo na sociedade: a
aceitao de que devemos mudar a maneira de tratar nossos recursos hdricos, conservando-os para
nosso futuro e para as futuras geraes. (CAMPOS, Nilson; STUDART, Ticiana, 2001. p. 17).
O aumento da demanda, acompanhado pelo declinio na qualidade das guas, revelam que o atual
modelo de administrar as guas vigentes mostran-se insustentavel.
No h dvidas de que urgentemente necessario pensar novos paradigmas para racionalizar o uso
dos hidrosistemas.
Nesse sentido necessarios entender as aes projetadas pelo PNRH. Entendento aqui o termo
aes como as intervenes estruturais e no estruturais aplicadas pela sociedade no meio
ambiente, nos corpos de gua e na administrao dessa guas. (CAMPOS, Nilson; STUDART,
Ticiana, 2001. p. 18)
O estabelecimento da politica de recursos hidricos presupoe o uso racional e justo dos
hidrossitemas, como forma de assegurar o desenvolvimento social e econmico. Como racional
entende-se uma politica na qual o uso d com parcimnia e sem disperdicio. Por justa refere-se a
capacidade de destinar-se preferencialmente a suprir as necessecidades prioritarios (consumo) frente
os demais usos.