Você está na página 1de 34

- O projeto é a continuidade de um trabalho iniciado em 1983, quando

a equipe da Fundação Bem-Te-Vi e parceiros se juntaram para


celebrar os 25 anos da cidade. Para isso, registraram, processaram e
devolveram à população, sob a forma de vídeos, objetos e fotografias,
e com a participação ativa dos artistas locais e da população
candanga em geral, a história da construção de Brasília. Foram
gravadas 200 horas de depoimentos daqueles que a haviam
construído, gerando as séries de televisão Sob o Céu de Brasília, Os
Pioneiros e Bem-Te-Vi Brasília, exibidas semanalmente pela TV
Nacional durante dois anos (de 1983 a 1985).
A idéia é fazer uma comemoração não “chapa branca” e já conto com o apoio de inúmeras
entidades e grupos daqui. Vai ser lindo!Vamos exibir o material que colhemos há 25 anos atrás em
telões pelo plano piloto e cidades satélites, durante o ano de 2009 e a partir desse estímulo, colher
depoimentos sobre a Brasília que temos hoje e sonhos para a Brasília dos próximos 50 anos.Tudo
isso fará parte da uma grande Exposição Interativa Multimídia que será inaugurada em Abril de
2010.Essa exposição,em formato menor,irá viajar pelo Brasil e exterior.Teremos também
programas de TV, publicações, site,blog...Tudo feito com a participação dos jovens, em oficinas de
criações audiovisuais, principalmente os de baixa renda.

CONVOCAÇÃO

Você ama BRASÍLIA, adora CINEMA, gosta de inventar


MODA, fazer ARTE, navegar na INTERNET e sempre teve
vontade de participar de PROGRAMAS DE TV? Chegou a
hora!

Venha para as OFICINAS ABERTAS DE CRIAÇÕES


AUDIOVISUAIS que irão gerar:

PROGRAMAS de TV

INSTALAÇÃO MULTIMÍDIA INTERATIVA

FILME DE LONGA METRAGEM

BLOG

EVENTOS
MODA BRASÍLIA

e muito mais!!!

CHEGA DE SOLIDÃO!!!!!!!
Os primeiros eventos serão:

Festas da Memória- Brasília 50 anos


Tempestades de Idéias

“Bem Te Vi Brasília-50 anos”, que prevê a organização de acervos e produção de material


audiovisual a partir dos mesmos, trabalhados em oficinas de criações áudio visuais que
culminarão em 2010, com uma mostra itinerante em comemoração aos 50 anos da cidade, no
Brasil e exterior..
O projeto se estenderá por 1 ano e meio
 Etapa1: A cidade se vê
 Etapa 2: O Brasil descobre Brasília;
 Etapa 3: O Mundo vê Brasília .
O objeto principal da série de programas é a renovação do olhar sobre Brasília,
capital complexa, símbolo e protagonista de vários processos e tramas que permeiam a vida
brasileira. Propõe-se mostrá-la numa perspectiva desconstrucionista dos valores e "verdades"
enredados no imaginário brasileiro, a partir de uma percepção pluralista e com diversos
significados deste processo.
A documentação das Oficinas de Criações Audiovisuais que gerarão os programas
das séries de TV, em si já formará um plano metafórico visual do mosaico dos diversos
personagens, fatos e enredos que compõem a complexidade social imanente, como uma
brasiliana em imagens e sons. Os formatos engendrarão uma dinâmica entre a população atual
que poderá se ver, rir, refletir, sonhar, lembrar ou mesmo se surpreender com fatos e dados do
passado e presente.

5. OBJETIVOS

Bem Te Vi Brasília - 50 anos


Presente para o futuro da Capital do Brasil
Esse é um projeto de celebração. Um convite para a grande festa dentro de várias festas.
Ele teve inicio em 1983 quando uma equipe local, sob a coordenação da cineasta Tânia Quaresma, reuniu
um grande acervo audiovisual sobre a construção e a história de Brasília, em seu aniversário de 25 anos.
É retomado agora com a proposta ampliada, inovadora e de grande mobilização, com a intenção de unir
toda capital em sua vasta diversidade para construção de um grande diálogo entre passado, presente e
futuro, congregando todas as áreas e a vasta gama das diferentes origens que formam a complexa vida
urbana e rural da Capital do Brasil.
Essa rede dinâmica de relações entre o indivíduo e o coletivo, se encontrará nas Festas de Memória, nos
Círculos Mágicos, nas Oficinas Abertas de Criações Audiovisuais, na Moda Brasília e outros
encontros em que todos os participantes atuarão como plenos colaboradores, para acessar a inteligência e
a sabedoria comuns de que precisamos para criar caminhos inovadores e que nos levarão às próximas
décadas, ao nosso futuro.
O que se promove é uma grande conversação filmada. Ao serem vistas e ouvidas verdadeiramente, as
pessoas se transformam e descobrem seu compromisso comum com a ação, a vida da cidade e suas
perspectivas.
É oportunidade também de tecer e vislumbrar um acordo de como vamos viver juntos e responsáveis por
nosso destino comum, nesta cidade que amamos.
Em ritmo de celebração, com a alma leve e alegria de compartilhar,
nosso Sarau funcionará como uma “tempestade de idéias” e já será filmado pela equipe do projeto Bem
Te Vi Brasília 50 anos, iniciando as comemorações.
Participe!

Bem Te Vi Brasília

50 anos

HISTÓRICO
A Fundação Bem Te Vi, instituída em Brasília no ano de 1985, tem na atitude
do passarinho sua inspiração básica: reunir aquilo, que separado, torna-se
vulnerável e tende a se perder. Propõe juntar o mais velho e o mais novo,
cultura popular e tecnologia, memória ancestral e novas linguagens, gente de
idade, jovens e crianças. De um lado procurar o conhecimento e de outro torná-
lo acessível através dos meios de comunicação. No centro, o povo brasileiro
podendo se ver e se reconhecer.
Nos primeiros 15 anos de existência, seu principal instrumento de ação foi a TV
Bem Te Vi, radar virtual que captou a expressão dos movimentos populares
ligados à defesa dos Direitos Humanos e do Meio Ambiente, para registrá-la e
refleti-la de volta para as comunidades.
O primeiro projeto chamou-se Bem Te Vi Brasília. Realizado na jovem capital
brasileira, caldeirão de raças e culturas, começou pela série de TV “Sob o Céu
de Brasília” - treze programas temáticos que definiram um novo perfil da
cidade. Seguiu-se a série “Os Pioneiros”, de vinte programas, que vasculhou
arquivos e pessoas, descobriu a história da construção da cidade, registrando
para sempre a expressão singela dos primeiros habitantes, vindos de longe,
movidos a sangue e suor. “Bem Te Vi Brasília- a cidade se vê” foi a terceira
série, de treze programas, realizada com a participação de crianças e
adolescentes da vila do Paranoá. Uma Exposição Multimídia de 800 metros
quadrados reuniu no Congresso Nacional, por ocasião do aniversário de 25
anos da cidade, o material documental dos programas, juntamente com os
compactos de cada série. Essa exposição, em formato menor, visitou vários
pontos do Plano Piloto e Cidades Satélites.
Em 1989 estabeleceu uma parceria com o Movimento Nacional de Meninos e
Meninas de Rua (MNMMR) na área de arte\comunicação. O II Encontro
Nacional de Meninos e Meninas de Rua já foi registrado em vídeo no formato
característico da TV Bem Te Ví e recebeu prêmios nacionais e internacionais.
Essa parceria se ampliou ao longo dos encontros seguintes, em 1992 e 1995, a
ponto de tornar-se o trabalho principal da Fundação. Gerou três vídeos,
diversos vídeo-clips, um almanaque, uma exposição, um show multimídia com
crianças e educadores de todo o Brasil e a participação especial do músico
Hermeto Pascoal.
Em 1996 a Fundação Bem Te Vi tornou-se parceira também da Confederação
Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG), ao registrar em vídeo e
fotos o II Encontro Nacional de Meninos e Meninas Trabalhadores Rurais.
Em 1997, em parceria com o Governo do Distrito Federal e o Ministério
Extraordinário dos Esportes, gerou dezoito horas de vídeo documentando o
projeto “Candanguinho”, oficinas pedagógicas com meninos e meninas das
comunidades de baixa renda.
A Fundação Bem Te Vi foi também parceira do Centro de Valorização da
Imagem Indígena (CVII), proporcionando formação profissional em câmera,
produção e edição de vídeo a membros de tribos para que pudessem tornar-se
auto-suficientes na geração de suas imagens.
Paralelamente, a Fundação Bem Te Vi tratou de formar um acervo audiovisual
que reúne documentação sobre medicina popular, técnicas de relaxamento e
desenvolvimento da sensibilidade para questões de equilíbrio pessoal.
Instalou-se em um terreno descampado de 22 mil metros quadrados a 40 km
do centro de Brasília, que hoje tem arvores copadas, pomar, espaço para
reuniões e estúdios da TV em parceria com a Caminho do Meio Criações
Audiovisuais. Esse espaço será aberto à comunidade em abril de 2010 e
pretende ser como um Espaço Cultural Comunitário onde serão realizadas
oficinas de arte\comunicação que funcionarão como instrumento de iniciação
profissional, exercício de cidadania, auto-conhecimento e valorização da vida.
Em 1995, a Fundação Bentevi transfere sua sede para Búzios onde desenvolve
inúmeras atividades educativas com crianças carentes e seus familiares.
Para comemorar seus 25 anos de existência e rendendo uma homenagem à
cidade onde nasceu, a Fundação Benteví convidou a cineasta Tânia
Quaresma, uma de suas instituidoras e apaixonada por Brasília, para elaborar
e dirigir um projeto sobre os 50 anos da capital do Brasil:

BEM TE VI BRASÍLIA- 50 ANOS.

Presente para o Futuro de Brasília:


Exercícios coletivos de Imaginação Social

JUSTIFICATIVA
O objetivo principal deste projeto é incentivar a
renovação do olhar sobre Brasília, símbolo e
protagonista de tantos aspectos relevantes da vida
brasileira.

Revelaremos o processo histórico de construção e


amadurecimento de uma cidade-capital, cobrindo
desde os olhares lançados sobre o Planalto Central
ainda no século XIX, o esforço de materialização da
idéia inicial em meados do século XX, passando
pelos registros de memórias dos que participavam
das comemorações dos 25 anos da cidade em 1985
(acervo do projeto Bem Te Vi Brasília 25 anos), até
chegar ao século XXI, ao que era o futuro distante
quando visto da perspectiva de 1960.

Para comemorar seus 50 anos, retomaremos o olhar


sobre o passado e o projetaremos sobre um novo
futuro: nosso horizonte será 2060, e nosso tema
será a construção da Brasília das próximas décadas.

A intenção é mostrar o processo de concepção,


criação e auto-recriação permanente de uma cidade
planejada, abarcando três séculos, e com ele
ilustrar a trajetória e os desdobramentos de duas
noções especialmente cruciais para a vida dos
povos: cidadania e participação cívica responsável.

CONVOCAÇÃO

Você ama BRASÍLIA, adora CINEMA e sempre teve


vontade fazer PROGRAMAS DE TV? Chegou a hora!

Venha participar das Oficinas Abertas de Criações


Audiovisuais que irão gerar:

50 PROGRAMAS de TV

INSTALAÇÃO MULTIMÍDIA INTERATIVA

FILME DE LONGA METRAGEM

EVENTOS

MODA BRASÍLIA e muito mais!!!

Bem Te Vi Brasília
50 anos: A Cidade se Vê

Este projeto irá completar um trabalho iniciado em 1983,


quando começamos a registrar em vídeo a história da
construção de Brasília para celebrar seus 25 anos. Com
uma jovem equipe local, que foi sendo capacitada “na
prática”, gravamos 200 horas de depoimentos daqueles
que a haviam construído, que se transformaram em séries
de TV, exibidas pela Radiobrás. Montamos também uma
Exposição Multimídia com envolvimento de artistas locais.

Pretendemos agora, através de Oficinas de Criações


Audiovisuais, envolvendo novamente jovens (de todas as
idades!) do plano piloto e cidades satélites, produzir para o
aniversário de 50 anos de Brasília, nova série de TV:
“Bem Te Vi Brasília- A Cidade Se Vê” (50 programas de
30 minutos cada)”. Essa nova série será um registro vivo e
dinâmico de seu futuro, plasmado com a matéria da
imaginação social dos que aqui vivem hoje. Parte dos
programas será destinada ao público local e outra parte,
tem como objetivo fazer “o Brasil descobrir Brasília”.
Pretendemos também,direcionar alguns dos programas da
série ao público internacional, tendo como “gancho” os 50
anos da cidade\capital que é patrimônio cultural da
humanidade.
Criaremos um “circulo mágico” onde crianças,
adolescentes, adultos e idosos, se sintam partes
integrantes, iguais e valiosas de um grupo, um processo
coletivo, que em seguida é visto pelos próprios
participantes, dentro da tela de TV. Protagonistas e
espectadores de sua própria história, todos têm a
possibilidade de refletir sobre si mesmos enquanto
indivíduos e enquanto comunidade.

Esse momento em que o grupo se vê também é registrado


pelas câmeras e mostrado simultaneamente pelos telões e
monitores, criando campos sucessivos de observação que
levam os participantes a uma forma de autoconhecimento.
Comentários, críticas, risadas, novas idéias de como isso
ou aquilo poderia ser feito e refeito, tudo contribui para
soltar emoções, relaxar músculos, desarmar defesas,
dando lugar a uma espontaneidade que acaba por revelar
a identidade particular e luminosa que se estava buscando.
E o resultado serão programas de TV divertidos e
estimulantes, que enfocam de maneira incomum certos
temas que, em geral, só incomodam a sociedade. Em vez
de provocarem os sentimentos de culpa e impotência
habituais, despertarão um novo interesse e abrirão novas
possibilidades de participação para todos.
Realizaremos gravações em cada uma das 29 RAs do DF
durante 6 meses (2009). Os participantes serão
levados,individualmente ou em grupos, a imaginar futuros
positivos para Brasília e conceberão um papel para si
mesmos na materialização dos futuros imaginados.

A reflexão sobre o que já existiu ou existe de positivo, seja


numa organização, numa comunidade, num país, permite
entretecer passado, presente e futuro de forma consistente
e dar coerência a projetos viáveis de criação de futuros
positivos.

Ao final do projeto, será montada uma Instalação


Multimídia Interativa onde todos os que agregaram sua
visão da Brasília do futuro terão a chance de se ver
projetados nos telões e em inúmeras formas de arte!
Realizaremos também um Filme de Longa metragem,
inicialmente em formato digital, com os melhores
momentos da série de TV.

Os resultados da mobilização desse potencial, através


deste projeto, é o presente que nós, como equipe
realizadora, queremos oferecer a Brasília em abril de 2010.
Temos quatro objetivos principais:
(1) Produzir coletivamente (com supervisão de
profissionais), em oficinas de criações audiovisuais,
uma série de 50 programas de TV (30 minutos de
duração cada) com material de grande riqueza
humana, social e poética sobre “futuros positivos para
Brasília,” que sirvam de base para o engajamento
social no presente e para a modelagem de futuros
coletivamente concebidos.

(2) Criar, em parceria com a CENTCOOP (Central de


Cooperativas de Materiais Recicláveis do Distrito
Federal) e com o apoio e supervisão de artistas
plásticos locais, de várias linhas, uma Instalação
Multimídia Interativa sobre os 50 anos da cidade, a
ser montada em espaço Público e de fácil acesso
popular, no Plano Piloto, em abril de 2010,e
posteriormente, em outros espaços das cidades
satélites.

(3) Produzir um Filme de Longa Metragem com os


melhores momentos da série de TV, a ser lançado
nacional e internacionalmente
(4) Criar um BLOG onde o projeto poderá ser
acompanhado e receber sugestões

Como faremos isso tudo?


Trabalhando em grupo, com ONGs, INGs (indivíduos não
governamentais) e Governo.

“O Bem Te Vi é um passarinho, que vive em todas as


regiões do Brasil. Quando se vê atacado, por exemplo,
por um gavião, reúne-se em bandos para se defender.”

Além dos parceiros naturais que estiveram juntos na


produção das Séries de TV e da Exposição Multimídia
realizadas entre 1983 e 1985 )*, todos os interessados
poderão participar.
Para isso, faremos uma grande mobilização popular, com
chamadas em TVs, rádios, internet, jornais e boca a boca:
vamos nos juntar para fazer a festa!

CHEGA DE SOLIDÃO!!!!!!!
Venham participar das oficinas de criações audiovisuais e
das
Festas da Memória- Brasília 50 anos
Tempestades de Idéias
Quais os 50 temas mais importantes para a cidade e seus
moradores, que deverão ser abordados nos 50 programas
de TV, no Filme e na Instalação Multimídia Interativa?
Traga seu sonho. Participe!
Faremos Festas da Memória em diversos pontos do plano
piloto e satélites, para o lançamento do projeto. Nessas
festas, exibiremos em telão, trechos de nosso arquivo
sobre a cidade e seus moradores. A partir desse estímulo,
colheremos as sugestões dos 50 temas para a série de
programas e idéias para os módulos da Instalação
Multimídia Interativa, para o Blog e o Filme..
Essas festas serão gravadas (também as oficinas de
criações audiovisuais) e darão origem à uma série de
pequenas matérias jornalísticas, a serem veiculadas na
TV Brasil, a nível local, diariamente, durante o ano de 2009,
para que os moradores de Brasília possam acompanhar o
desenvolvimento do projeto e criar interesse na série a ser
lançada em 2010.

Participação dos artistas da cidade


Muitos artistas da cidade, das diversas áreas e tendências,
carecem de um registro audiovisual profissional de suas
obras, pelo alto custo que isso representa.
Usando o sistema de ESCAMBO (troca), como fizemos
para comemorar os 25 anos de Brasília, essas gravações
profissionais serão feitas, editadas e disponibilizadas
gratuitamente aos artistas interessados. Em troca, teremos
o direito de usar músicas, trechos de espetáculos, pinturas,
desenhos e outras criações artísticas, nos Programas de
TV, na Instalação Multimídia Interativa, no Filme e no Blog.
Entidades, projetos e programas de interesse público
poderão também participar do sistema de ESCAMBO, e
com isso ter sua memória registrada\resgatada\divulgada.
Todo o material produzido, em partes ou como um todo,
será disponibilizado, gratuitamente, para exibição na Rede
Pública de Televisão, TVs Comunitárias e Internet, com o
objetivo de mostrar a cidade a ela mesma, ao Brasil e ao
mundo.

*Rede Pública de Televisão (antiga Radiobrás)


IPHAN (antiga Pro\Memória)
GDF
Bem Te Vi Brasília
50 anos
HISTÓRICO

A Fundação Bem Te Vi, instituída em Brasília no ano de 1985,


tem na atitude do passarinho sua inspiração básica: reunir aquilo,
que separado, torna-se vulnerável e tende a se perder. Propõe
juntar o mais velho e o mais novo, cultura popular e tecnologia,
memória ancestral e novas linguagens, gente de idade, jovens e
crianças. De um lado procurar o conhecimento e de outro torná-lo
acessível através dos meios de comunicação. No centro, o povo
brasileiro podendo se ver e se reconhecer.
Nos primeiros 15 anos de existência, seu principal instrumento de
ação foi a “TV Bem Te Vi”, radar virtual que captou a expressão
dos movimentos populares ligados à defesa dos Direitos Humanos
e do Meio Ambiente, para registrá-la e refleti-la de volta para as
comunidades.
O primeiro projeto chamou-se Bem Te Vi Brasília. Realizado na
jovem capital brasileira, caldeirão de raças e culturas, começou
pela série de TV "Sob o Céu de Brasília" - treze programas
temáticos que definiram um novo perfil da cidade. Seguiu-se a
série "Os Pioneiros", de vinte programas, que vasculhou arquivos
e pessoas, descobriu a história da construção da cidade,
registrando para sempre a expressão singela dos primeiros
habitantes, vindos de longe, movidos a sangue e suor. "Bem Te Vi
Brasília- a cidade se vê" foi a terceira série, de treze programas,
realizada com a participação de crianças e adolescentes da vila do
Paranoá. Uma Exposição Multimídia de 800 metros quadrados
reuniu no Congresso Nacional, por ocasião do aniversário de 25
anos da cidade, o material documental dos programas, juntamente
com os compactos de cada série. Essa exposição, em formato
menor, visitou vários pontos do Plano Piloto e Cidades Satélites.
Em 1989 estabeleceu uma parceria com o Movimento Nacional
de Meninos e Meninas de Rua (MNMMR) na área de
arte\comunicação. O II Encontro Nacional de Meninos e Meninas
de Rua já foi registrado em vídeo no formato característico da TV
Benteví e recebeu prêmios nacionais e internacionais. Essa
parceria se ampliou ao longo dos encontros seguintes, em 1992 e
1995, a ponto de tornar-se o trabalho principal da Fundação.
Gerou três vídeos, diversos vídeo-clips, um almanaque, uma
exposição, um show multimídia com crianças e educadores de
todo o Brasil e a participação especial do músico Hermeto
Pascoal.
Em 1996 a Fundação Benteví tornou-se parceira também da
Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura
(CONTAG), ao registrar em vídeo e fotos o II Encontro Nacional
de Meninos e Meninas Trabalhadores Rurais.
Em 1997, em parceria com o Governo do Distrito Federal e o
Ministério Extraordinário dos Esportes, gerou dezoito horas de
vídeo documentando o projeto "Candanguinho", oficinas
pedagógicas com meninos e meninas das comunidades de baixa
renda.
A Fundação Benteví foi também parceira do Centro de
Valorização da Imagem Indígena (CVII), proporcionando
formação profissional em câmera, produção e edição de vídeo a
membros de tribos para que pudessem tornar-se auto-suficientes
na geração de suas imagens.
Paralelamente, a Fundação Benteví tratou de formar um acervo
audiovisual que reúne documentação sobre medicina popular,
técnicas de relaxamento e desenvolvimento da sensibilidade para
questões de equilíbrio pessoal.
Instalou-se em um terreno descampado de 22 mil metros
quadrados a 40 km do centro de Brasília, que hoje tem arvores
copadas, pomar, espaço para reuniões e estúdios da TV em
parceria com a Caminho do Meio Criações Audiovisuais. Esse
espaço será aberto à comunidade em abril de 2010 e pretende ser
como um Espaço Cultural Comunitário onde serão realizadas
oficinas de arte\comunicação que funcionarão como instrumento
de iniciação profissional, exercício de cidadania, auto-
conhecimento e valorização da vida.
Em 2000, a Fundação transfere a sua sede para Armação dos
Búzios, onde constrói com recursos patrocinados por um de seus
curadores, um complexo para assistir crianças e jovens em
situação de risco. O complexo está situado no Bairro da Rasa, na
periferia da Cidade, e conta com uma área de 143 mil metros
quadrados, sendo que 100 mil se constituem numa reserva
ecológica, composta basicamente de vegetação de restinga (cerca
de 60% dessa vegetação, que restou, está na reserva, que dispõe
de brejo e lagos). Esse complexo dispõe de uma escola com 1.200
m2, um ginásio coberto poliesportivo com quadra e piscina semi-
olímpica, um conjunto de quadras esportivas e uma Igreja, que
serve também como espaço multiuso, com auditório, espaço para
teatro, entre outras atividades.
Desde a sua entrada em operação, inicialmente numa pequena
casa já existente na área, já passaram pelo Complexo Bem Te Vi
cerca de quatro mil crianças e jovens. A capacidade instalada do
complexo foi pensada para receber até seis mil beneficiários por
dia para diversas atividades.
Essas atividades vão desde reforço escolar, passando por
atividades artísticas e esportivas tendo como tema transversal o
construção da cidadania.
A Fundação Bem Te Vi é o maior investimento social de Búzios
e da Região dos Lagos.

Para comemorar seus 25 anos de existência e rendendo uma


homenagem à cidade onde nasceu, a Fundação Bem Te Vi
convidou a cineasta Tânia Quaresma, uma de suas instituidoras e
apaixonada por Brasília, para elaborar e dirigir com equipe e
parceiros locais, um projeto sobre os 50 anos da capital do Brasil:

BEM TE VI BRASÍLIA- 50 ANOS.

Presente para o Futuro de Brasília:


Exercícios coletivos de Imaginação Social

JUSTIFICATIVA
O objetivo principal deste projeto (além de
introduzir jovens no universo audiovisual) é
incentivar a renovação do olhar sobre Brasília,
símbolo e protagonista de tantos aspectos
relevantes da vida brasileira.

Revelaremos o processo histórico de construção e


amadurecimento de uma cidade-capital, cobrindo
desde os olhares lançados sobre o Planalto Central
ainda no século XIX, o esforço de materialização da
idéia inicial em meados do século XX, passando
pelos registros de memórias dos que participavam
das comemorações dos 25 anos da cidade em 1985
(acervo do projeto Bem Te Vi Brasília 25 anos), até
chegar ao século XXI, ao que era o futuro distante
quando visto da perspectiva de 1960.

Para comemorar seus 50 anos, retomaremos o olhar


sobre o passado e o projetaremos sobre um novo
futuro: nosso horizonte será 2060, e nosso tema
será a construção da Brasília das próximas décadas.

A intenção é mostrar o processo de concepção,


criação e auto-recriação permanente de uma cidade
planejada, abarcando três séculos, e com ele
ilustrar a trajetória e os desdobramentos de duas
noções especialmente cruciais para a vida dos
povos: cidadania e participação cívica responsável.

CONVOCAÇÃO

Você ama BRASÍLIA, adora CINEMA e sempre teve


vontade fazer PROGRAMAS DE TV? Chegou a hora!

Venha participar das Oficinas Abertas de Criações


Audiovisuais que irão gerar:

50 PROGRAMAS de TV

INSTALAÇÃO MULTIMÍDIA INTERATIVA

FILME DE LONGA METRAGEM

EVENTOS

MODA BRASÍLIA e muito mais!!!

Bem Te Vi Brasília
50 anos: A Cidade se Vê

Este projeto irá completar um trabalho iniciado em 1983,


quando começamos a registrar em vídeo a história da
construção de Brasília para celebrar seus 25 anos. Com
uma jovem equipe local, que foi sendo capacitada “na
prática”, gravamos 200 horas de depoimentos daqueles
que a haviam construído, que se transformaram em séries
de TV, exibidas pela Radiobrás. Montamos também uma
Exposição Multimídia com envolvimento de artistas locais.

Pretendemos agora, através de Oficinas de Criações


Audiovisuais, envolvendo novamente jovens (de todas as
idades!) do plano piloto e cidades satélites, produzir para o
aniversário de 50 anos de Brasília, nova série de TV:
“Bem Te Vi Brasília- A Cidade Se Vê” (50 programas de
30 minutos cada)”. Essa nova série será um registro vivo e
dinâmico de seu futuro, plasmado com a matéria da
imaginação social dos que aqui vivem hoje. Parte dos
programas será destinada ao público local e outra parte,
tem como objetivo fazer “o Brasil descobrir Brasília”.
Pretendemos também,direcionar alguns dos programas da
série ao público internacional, tendo como “gancho” os 50
anos da cidade\capital que é patrimônio cultural da
humanidade.
Criaremos um “circulo mágico” onde crianças,
adolescentes, adultos e idosos, se sintam partes
integrantes, iguais e valiosas de um grupo, um processo
coletivo, que em seguida é visto pelos próprios
participantes, dentro da tela de TV. Protagonistas e
espectadores de sua própria história, todos têm a
possibilidade de refletir sobre si mesmos enquanto
indivíduos e enquanto comunidade.

Esse momento em que o grupo se vê também é registrado


pelas câmeras e mostrado simultaneamente pelos telões e
monitores, criando campos sucessivos de observação que
levam os participantes a uma forma de autoconhecimento.
Comentários, críticas, risadas, novas idéias de como isso
ou aquilo poderia ser feito e refeito, tudo contribui para
soltar emoções, relaxar músculos, desarmar defesas,
dando lugar a uma espontaneidade que acaba por revelar
a identidade particular e luminosa que se estava buscando.
E o resultado serão programas de TV divertidos e
estimulantes, que enfocam de maneira incomum certos
temas que, em geral, só incomodam a sociedade. Em vez
de provocarem os sentimentos de culpa e impotência
habituais, despertarão um novo interesse e abrirão novas
possibilidades de participação para todos.
Realizaremos gravações em cada uma das 29 RAs do DF
durante 6 meses (2009). Os participantes serão
levados,individualmente ou em grupos, a imaginar futuros
positivos para Brasília e conceberão um papel para si
mesmos na materialização dos futuros imaginados.

A reflexão sobre o que já existiu ou existe de positivo, seja


numa organização, numa comunidade, num país, permite
entretecer passado, presente e futuro de forma consistente
e dar coerência a projetos viáveis de criação de futuros
positivos.

Ao final do projeto, será montada uma Instalação


Multimídia Interativa onde todos os que agregaram sua
visão da Brasília do futuro terão a chance de se ver
projetados nos telões e em inúmeras formas de arte!
Realizaremos também um Filme de Longa metragem,
inicialmente em formato digital, com os melhores
momentos da série de TV.

Os resultados da mobilização desse potencial, através


deste projeto, é o presente que nós, como equipe
realizadora, queremos oferecer a Brasília em abril de 2010.
Temos quatro objetivos principais:
(5) Produzir coletivamente (com supervisão de
profissionais), em oficinas de criações audiovisuais,
uma série de 50 programas de TV (30 minutos de
duração cada) com material de grande riqueza
humana, social e poética sobre “futuros positivos para
Brasília,” que sirvam de base para o engajamento
social no presente e para a modelagem de futuros
coletivamente concebidos.

(6) Criar, em parceria com a CENTCOOP (Central de


Cooperativas de Materiais Recicláveis do Distrito
Federal) e com o apoio e supervisão de artistas
plásticos locais, de várias linhas, uma Instalação
Multimídia Interativa sobre os 50 anos da cidade, a
ser montada em espaço Público e de fácil acesso
popular, no Plano Piloto, em abril de 2010,e
posteriormente, em outros espaços das cidades
satélites.

(7) Produzir um Filme de Longa Metragem com os


melhores momentos da série de TV, a ser lançado
nacional e internacionalmente
(8) Criar um BLOG onde o projeto poderá ser
acompanhado e receber sugestões

Como faremos isso tudo?


Trabalhando em grupo, com ONGs, INGs (indivíduos não
governamentais) e Governo.

“O Bem Te Vi é um passarinho, que vive em todas as


regiões do Brasil. Quando se vê atacado, por exemplo,
por um gavião, reúne-se em bandos para se defender.”

Além dos parceiros naturais que estiveram juntos na


produção das Séries de TV e da Exposição Multimídia
realizadas entre 1983 e 1985 )*, todos os interessados
poderão participar.
Para isso, faremos uma grande mobilização popular, com
chamadas em TVs, rádios, internet, jornais e boca a boca:
vamos nos juntar para fazer a festa!

CHEGA DE SOLIDÃO!!!!!!!
Venham participar das oficinas de criações audiovisuais e
das
Festas da Memória- Brasília 50 anos
Tempestades de Idéias
Quais os 50 temas mais importantes para a cidade e seus
moradores, que deverão ser abordados nos 50 programas
de TV, no Filme e na Instalação Multimídia Interativa?
Traga seu sonho. Participe!
Faremos Festas da Memória em diversos pontos do plano
piloto e satélites, para o lançamento do projeto. Nessas
festas, exibiremos em telão, trechos de nosso arquivo
sobre a cidade e seus moradores. A partir desse estímulo,
colheremos as sugestões dos 50 temas para a série de
programas e idéias para os módulos da Instalação
Multimídia Interativa, para o Blog e o Filme..
Essas festas serão gravadas (também as oficinas de
criações audiovisuais) e darão origem à uma série de
pequenas matérias jornalísticas, a serem veiculadas na
TV Brasil, a nível local, diariamente, durante o ano de 2009,
para que os moradores de Brasília possam acompanhar o
desenvolvimento do projeto e criar interesse na série a ser
lançada em 2010.

Participação dos artistas da cidade


Muitos artistas da cidade, das diversas áreas e tendências,
carecem de um registro audiovisual profissional de suas
obras, pelo alto custo que isso representa.
Usando o sistema de ESCAMBO (troca), como fizemos
para comemorar os 25 anos de Brasília, essas gravações
profissionais serão feitas, editadas e disponibilizadas
gratuitamente aos artistas interessados. Em troca, teremos
o direito de usar músicas, trechos de espetáculos, pinturas,
desenhos e outras criações artísticas, nos Programas de
TV, na Instalação Multimídia Interativa, no Filme e no Blog.
Entidades, projetos e programas de interesse público
poderão também participar do sistema de ESCAMBO, e
com isso ter sua memória registrada\resgatada\divulgada.
Todo o material produzido, em partes ou como um todo,
será disponibilizado, gratuitamente, para exibição na Rede
Pública de Televisão, TVs Comunitárias e Internet, com o
objetivo de mostrar a cidade a ela mesma, ao Brasil e ao
mundo.

*Rede Pública de Televisão (antiga Radiobrás)


IPHAN (antiga Pro\Memória)

Aprenda fazendo! Inscreva-se em uma das oficinas e


participe das gravações das “Festas da Memória” .
A Oficinas de Criações terão duração de uma semana cada
uma e serão temáticas. Cada oficina produzirá no mínimo 7
curtinhas de um minuto e meio cada um, com veiculação
diária na TV Brasil.
Os participantes das oficinas que se destacarem poderão
ser aproveitados como equipe do projeto Bem Te Vi
Brasília 50 anos, que estará em andamento até final de
2010!
Bem Te Vi Brasília 50 anos

Considerações sobre programas de 1 minuto e meio,


a serem incluídos na grade de programação da TV
Brasil a partir da segunda quinzena de março de
2010, para comemorar os 50 anos de Brasília.

Foram entregues hoje ao Jadislan, três DVDs contendo o primeiro


programa de 1 minuto e meio para aprovação de formato e
assinaturas.
Vinte dias após a aprovação desse programa, entregaremos os
primeiros 30 programas ( em mini DV) para que possamos
iniciar com garantia de não interrupção, as veiculações a partir
do dia primeiro de março de 2010.
A idéia é fazer programas, divididos por blocos temáticos:
1-Os Pioneiros- Pré História de Brasília.
Através de depoimentos emocionados de Pioneiros das diversas
áreas de atuação, ilustrados com imagens históricas, iremos
tecendo a saga da construção da cidade até sua inauguração.
Falaremos da Comissão Cruls, Poli Coelho, da construção do
Catetinho , da Caravana da Integração Nacional, da primeira
vinda de JK ao Planalto Central, da Cidade de Lona (Lonápolis,
precursora dos acampamentos das construtoras), da
Candangolândia, da Cidade Livre, do Núcleo Bandeirante, dos
obras, das visitas de estrangeiros ilustres às obras, do massacre na
Pacheco Fernandes...
Teremos depoimentos dos antigos donos das terras, de Lúcio
Costa e Oscar Niemayer, do Tião da Onça, primeiro operário a
chegar no Planalto Central para a construção do Catetinho, de D.
Dolores, cozinheira do Catetinho, trazida para fazer comida
mineira para JK, da irmã Olga, das pioneiras sociais, da
agricultora japonesa que veio com a família cultivar o cinturão
verde, do Padre Roque, que construiu sua igreja no Núcleo
Bandeirante com as próprias mãos, de Mario Fontenele, que
fotografou toda a construção, de Sávio Silva, cinegrafista oficial
da época, de tia Neiva, que era motorista de caminhão e depois
começou a ver e ouvir os espíritos dizendo que teria que construir
o Vale do Amanhecer, do mestre Yokanaan, que atendendo ao
“chamado das estrelas”, veio com uma caravana construir a
Cidade Eclética, do próprio JK... Até chegar à inauguração.
2- O Artesanato do Sonho- No dia 20 de março, entregaremos
mais 15 programas, mostrando jovens brasilienses participando
de oficinas de criações audiovisuais tendo como tema os 50 anos
de Brasília e catadores (as) de material reciclável, monitorados
por artistas da cidade, trabalhando na ambientação da Exposição
Multimídia Interativa que será montada na Biblioteca Nacional,
(interior e exterior). Depoimentos dessas pessoas relacionados
com suas vivências na cidade, comporão a narrativa.
3- A Cidade Se Vê- no dia 15 de Abril entregaremos mais 15
programas editados a partir de novas gravações que serão
realizadas na Biblioteca Nacional de Brasília, na Exposição
Multimídia Interativa. Ali moradores da cidade, de todas as idades
e origens, terão a oportunidade de ver em TVs de Plasma e
Telões, imagens históricas e atuais de nosso acervo, fotos e
objetos. Verão também a si mesmos, em circuito interno.
Sensibilizados, darão depoimentos sobre a cidade e sua relação
com ela.
4-Presente Para o Futuro de Brasília- Gravaremos na
Exposição Multimídia, jovens do plano piloto e entorno, que
farão planos positivos para o futuro da cidade, através de diversas
formas de arte, apoiados por artistas locais: música, pintura,
dança, performances, irão descrever a Brasília que os jovens
querem para os próximos 50 anos. Entregaremos os últimos 15
programas no dia 20 de abril.

Estamos preparando uma série de programas de 30 minutos cada


para possível veiculação na TV Brasil e demais emissoras da
Rede Pública de TV.Assim que tivermos o piloto, submeteremos
à apreciação de vocês.
Obrigada
Tania Quaresma
Bem Te Vi Brasília 50 anos

EVENTOS\Festas da Memória- tempestades de idéias. Nessas festas será apresentado o projeto a diversos
grupos brasilienses. Serão colhidas sugestões para todos os itens do projeto.Tudo será gravado em vídeo e
já fará parte da série de programetes que serão veiculados a partir de agosto de 2009 na TV Brasil
Locais das festas: Casa da Cristina Roberto(Bom Demais), dia 8 de junho.Artistas da cidade, Museu Vivo
da Memória Candanga, Museu do Catetinho,Jardim Botânico, Conjunto Cultural da República, Galpão do
Catadores de Material Reciclável do DF(ver com Centcoop)

PROGRAMAS DE TV- programetes de 1 minuto e meio e 50 programas de 30 minutos


Os programetes deverão ser veiculados a partir de agosto de 2009 na TV Brasil, um diferente a casa dia, 4
inserções diárias. Na assinatura virá o endereço do blog para interação com o público.Depois de
veiculados,os programetes estarão circulando na internet.
Os programas de 30 minutos deverão ser divididos em 3 partes: a primeira destinada ao público
Brasiliense( a cidade se vê) a segunda a ser veiculada nacionalmente( o Brasil descobre Brasília) e a
terceira para veiculação internacional(o mundo vê Brasília).

FILME DE LONGA METRAGEM-

OFICINAS DE CRIAÇÕES AUDIOVISUAIS: produção,roteiro,direção,câmera, edição,preparação de


atores,cenografia,trilha sonora,

DIVULGAÇÂO: Blog, central de produção de matérias

EXPOSIÇÃO MULTIMIDIA ITINERANTE: A Exposição será concebida e realizada por artistas locais
e catadores de materiais recicláveis do DF em Oficinas de Reciclagem

SUBPRODUTOS-camisetas, bonés,adesivos de carros,bolsa,imã de geladeira...

MODA– Boneca Planaltélia: mala de Planaltélia com seu figurino e complementos\bolsa de fuxico com
DVD histórico\ biográfico moda adulta Planaltélia\ moda Brasília adulto e criança

Conceito do Documentário
ANTECEDENTES
Este filme irá completar um trabalho iniciado em 1983, quando cheguei em
Brasília com o objetivo de fazer um documentário sobre a história de sua
construção para celebrar seus 25 anos.
Durante 2 anos, gravei 200 horas de depoimentos emocionados de pessoas
anônimas: operários, médicos, freiras, professoras, padres, prostitutas,
engenheiros, agricultores, fotógrafos, cinegrafistas, místicos, além de Oscar
Niemayer, Lúcio Costa, Athos Bulcão, entre outros. Nossa equipe vasculhou o
plano piloto e cidades satélites, buscando revelar através de imagens e
sons, o processo histórico de construção e amadurecimento de uma
cidade-capital, cobrindo desde os olhares lançados sobre o Planalto
Central ainda no século XIX, o esforço de materialização da idéia
inicial em meados do século XX, passando pelos registros de
memórias dos que participavam das comemorações dos 25 anos da
cidade em 1985. Buscamos arquivos públicos e privados: a idéia era fazer
um filme documentário sobre a cidade, sob o ponto de vista de seus
construtores e moradores (candangos).
A grande pesquisa foi transformada em séries de TV, exibidas pela Radiobrás
(Os Pioneiros, Sob o céu de Brasília e Bem Te Vi Brasília).
A morte de Tancredo Neves deixou o país de luto e não houve clima para
captar recursos para o filme.
Imaginei então que esse rico material poderia ser usado para fazer um filme
documentário, quando a cidade completasse 50 anos...Sou persistente!
Durante todos esses anos permaneci em Brasília, pois acabei me apaixonando
pela cidade. Guardei o acervo, que hoje está digitalizado e pronto para servir
de base histórica para o documentário que venho propor.
O objetivo principal deste filme além de contar a saga da construção da nova
capital do Brasil no Planalto Central, é incentivar a renovação do olhar sobre
Brasília, símbolo e protagonista de tantos aspectos relevantes da vida brasileira
e trazer o espírito da época da construção para seu aniversário de 50 anos:
alegria, solidariedade, trabalho em grupo, sonho com um mundo melhor.
Queremos envolver pessoas de todas as áreas de atuação e faixas etárias, em
sua riqueza e diversidade, para incentivar a criação conjunta da nova utopia, o
novo sonho de Brasília.
Queremos também fazer com que o Brasil descubra Brasília, com seus
aspectos fascinantes e desconhecidos, já que a imagem que se passa da
capital do país na mídia é, em geral, distorcida e depreciativa.

O filme será emocionante e surpreendente. Irá certamente fazer com que o


Brasil e o mundo descubram aspectos da cidade, jamais imaginados, contados
por seus construtores, de forma coloquial e inovadora.
A intenção é mostrar o processo de concepção, criação e auto-recriação
permanente de uma cidade planejada e com ele ilustrar a trajetória e os
desdobramentos de duas noções especialmente cruciais para a vida dos
povos: cidadania e participação cívica responsável.

Proposta de Direção
Documentário
Bem Te Vi Brasília - 50 anos
Festa da Memória

Esse é um filme de celebração.


Ele teve inicio em 1983 (ûfa!) quando, junto com uma equipe local (como
já foi dito no conceito do documentário), reuni e organizei um grande
acervo audiovisual sobre a construção e a história da jovem Brasília, que
estava guardado com diversas entidades e pessoas. O objetivo era fazer um
filme documentário para comemorar seu aniversário de 25 anos.

Esse objetivo é retomado agora, com a proposta ampliada e inovadora, na


intenção de unir os moradores da Capital em sua vasta diversidade, para
construção de um diálogo entre passado, presente e futuro, congregando
todas as áreas e a vasta gama das diferentes origens que formam a
complexa vida urbana e rural da Capital do Brasil.
Essa rede dinâmica de relações entre o indivíduo e o coletivo, se encontrará
numa Festa da Memória , com três dias de duração, em que todos os
participantes atuarão como plenos colaboradores, para acessar a
inteligência e a sabedoria comuns de que precisamos para, refletindo sobre
o passado, idealizar caminhos criativos e que nos levarão às próximas
décadas, ao nosso futuro (final do filme).
O que se propõe é uma grande festa/ conversação/reflexão sobre Brasília, filmada
com estímulos do passado, em construção coletiva.
Comentários, críticas, risadas, novas idéias de como isso ou
aquilo poderia ser feito e refeito, tudo contribuirá para
soltar emoções, relaxar músculos, desarmar defesas, dando
lugar a uma espontaneidade que acabará por revelar a
identidade particular e luminosa da cidade que se está
buscando. E o resultado será um filme estimulante, que
foca também de maneira incomum, certos temas que, em
geral, só incomodam a sociedade. Em vez de provocarem
os sentimentos de culpa e impotência habituais,
despertarão uma reflexão sobre os sonhos, já que é hoje
que se constrói a memória do futuro
Será uma grande conversação filmada. Isso será feito em ritmo de
celebração, com a alma leve e alegria de compartilhar. O que pretendo com
a Festa da Memória, é criar uma “moldura viva”, para que cada plano do
passado, seja revisto e receba nova energia criativa. Criaremos um "circulo
mágico" onde crianças, adolescentes, adultos e idosos, se sintam partes
integrantes, iguais e valiosas de um grupo, um processo coletivo.
Protagonistas e espectadores de sua própria história, todos terão a
possibilidade de refletir sobre si mesmos enquanto indivíduos e enquanto
comunidade.
É oportunidade também de tecer e vislumbrar um acordo de como vamos
viver juntos e responsáveis por nosso destino comum, nesta cidade que
amamos.
Quero fazer um documentário plasticamente belo, diferente e forte, como o
cerrado e a cidade.
Através da projeção em telões de imagens da cidade sendo idealizada e
construída e de depoimentos de seus idealizadores e construtores e dentro
de um cenário repleto de objetos e fotos da época da construção, iremos
tecendo nossa narrativa.
Ao convidar as pessoas para a Festa da Memória, pediremos que venham
vestidas com roupa da época, tragam suas fotos pessoais, objetos,
publicações ou qualquer outra coisa que tenha relação com suas trajetórias
na capital do Brasil. Isso comporá um interessante e lúdico cenário, onde
acontecerá a Festa da Memória e será filmada a maior parte do nosso
documentário.

As câmeras às vezes irão “mergulhar na tela” para trazer


para primeiro plano e tela cheia as imagens históricas, e
em outros momentos mostrarão tela e público em um só
plano. Dividiremos a narrativa em blocos: a pré história, a
obra, a inauguração... Depois de serem filmados enquanto
assistem sensibilizados cada bloco de imagens históricas e
depoimentos dos pioneiros (as) do passado na Festa da
Memória, (muitos ainda vivos e presentes na Festa com
seus familiares, o que dará um tom bem emocionante),
colheremos comentários e novos depoimentos dos
participantes, nos diversos ambientes que comporão o
espaço da Festa. Na montagem final, teremos passado e
presente entrelaçados, sem com isso deixar de contar, de
forma clara e historicamente correta, a epopéia que foi
construir essa cidade em tão pouco tempo, no coração do
Brasil.
A trilha sonora de época, já previamente pesquisada por
nós, ajudará a conduzir a narrativa histórica, enquanto a
música brasiliense contemporânea estará presente nos
“entreblocos”, ajudando a fazer o contraponto entre
passado e presente.
A Festa da Memória terá duração de três dias e,
posteriormente, estão previstas filmagens no plano piloto e
cidades satélites, para que possamos colher cenas da
cidade hoje (interior e exterior dos palácios, superquadras,
antigos acampamentos)...
Participação de artistas da cidade
Muitos artistas da cidade, das diversas áreas e tendências, carecem
de um registro audiovisual profissional de suas obras, pelo alto
custo que isso representa.
Aproveitando a equipe e equipamentos disponíveis para o filme, e
usando o sistema de ESCAMBO (troca), convidaremos artistas
locais (músicos, atores, dançarinos, artistas plásticos...)
interessados em ter um registro profissional de seus trabalhos, para
que animem a Festa da Memória. Suas obras ajudarão a compor a
narrativa do filme e, em contrapartida, essas gravações serão
disponibilizadas a eles.
Quem não vive em Brasília e não ama essa cidade, não tem a
menor idéia do carinho que seus moradores têm por ela.
Não só os velhos pioneiros (as) Candangos (as) mas seus
descendentes, sofrem com a visão distorcida que o resto do Brasil
tem da cidade, como se seus moradores fossem apenas os
políticos corruptos e seu espaço urbano estivesse restrito à
Esplanada dos Ministérios.
Espero com esse documentário, fazer uma declaração coletiva de
amor à cidade. Não um amor cego e inconsciente, mas um retrato
verdadeiro e profundo, cheio de beleza e esperança.
Tomara que eu ganhe esse edital. Sei que mereço. Obrigada.
Tania Quaresma

Aprenda fazendo! Inscreva-se em uma das oficinas e


participe das gravações das “Festas da Memória” .
A Oficinas de Criações terão duração de uma semana cada
uma e serão temáticas. Cada oficina produzirá no mínimo 7
curtinhas de um minuto e meio cada um, com veiculação
diária na TV Brasil.
Os participantes das oficinas que se destacarem poderão
ser aproveitados como equipe do projeto Bem Te Vi
Brasília 50 anos, que estará em andamento até final de
2010!

GDF