Você está na página 1de 76

CENTRO COCHRANE DO BRASIL

ACUPUNTURA PARA CEFALÉIA

SÃO PAULO
2005
2

TÍTULO: ACUPUNTURA PARA CEFALÉIA

REFERÊNCIA: Melchart D, Linde K, Berman B, White A, Vickers A, Allais G,


Brinkhaus B. Acupuncture for idiopathic headache. The Cochrane Database of
Systematic Reviews 2001, Issue 1. Art. No.: CD001218.

Esse trabalho consiste na tradução, atualização e adaptação de Revisão


Sistemática publicada na Cochrane Library, por solicitação do Ministério da
Saúde para seu uso exclusivo

PERGUNTA
Acupuntura é efetiva e segura para o tratamento da cefaléia primária?

RESUMO

Introdução: A acupuntura é amplamente usada para o


tratamento da dor de cabeça, mas sua efetividade é controvérsa.

Objetivos:
Determinar se a acupuntura é:
-mais efetiva que nenhum tratamento
-mais efetiva que acupuntura placebo
-tão efetiva quanto outras intervenções usadas pata tratar dor de
cabeça idiopática (primária)

Estratégia de busca: Foram realizadas pesquisa em base de


dados eletrônicas na MEDLINE, EMBASE, no Registro de
Ensaios Controlados Cochrane, e na base de dados do Campo de
Medicina Complementar Cochrane. Nós também contactamos
pesquisadores no campo e verificamos as bibliografias de todos
os artigos obtidos.
3

Critério de seleção: Ensaios clínicos randomizados ou quase-


randomizados comparando a acupuntura com qualquer tipo de
intervenção controle para o tratamento das dores de cabeça
idiopáticas (primárias) foram incluídos.

Coleta de dados e análise: Informações dos pacientes,


intervenções, métodos e resultados foram extraídos por pelo
menos dois revisores independentes usando uma forma padrão
pré-testada. Os resultados de freqüência e intensidade da dor de
cabeça foram resumidos descritivamente. As proporções
existentes dos pacientes tratados em relação aos pacientes do
grupo controle foram calculadas como um indicador bruto dos
resultados para os ensaios acupuntura-controlados-placebo. A
metanálise quantitativa não foi possível devido à diferença e às
informações insuficientes dos estudos.

Resultados principais: Vinte e seis estudos incluindo um total de


1151 pacientes (média, 37; DP, 10-150) satisfizeram os critérios
de inclusão. Dezesseis estudos foram realizados em pacientes
com enxaqueca, seis em pacientes com dor de cabeça tensional,
e quatro em pacientes com vários tipos de dor de cabeça. A
maioria dos estudos tiveram deficiências metodológicas e/ou de
relatos. Em oito dos dezesseis estudos comparando acupuntura
verdadeira e placebo em pacientes com enxaqueca e dor de
cabeça do tipo tensão, a acupuntura verdadeira foi relatada como
sendo significativamente superior; em quatro ensaios houve uma
tendência a favor da acupuntura verdadeira; e em dois ensaios
não houve diferenças entre as duas intervenções. Dois estudos
não puderam ser interpretados. Os dez estudos comparando a
acupuntura com outras formas de tratamento renderam resultados
contraditórios.

Conclusões dos revisores: A evidência existente apóia o valor


da acupuntura para o tratamento das dores de cabeça idiopáticas.
4

Entretanto, a qualidade e quantidade de evidência não são


totalmente convincentes. Há necessidade de estudos bem
planejados, em larga escala para avaliar a efetividade e o custo
da acupuntura sob condições da vida real.

INTRODUÇÃO

As dores de cabeça idiopáticas são a maior fonte de morbidade (Schwartz


1998; Göbel 1994; Pryse-Phillips 1992; Rasmussen 1991) e causam custos
substanciais (Ferrari 1998). A acupuntura é amplamente usada para o
tratamento da dor de cabeça e pode ser aplicada como uma modalidade única
ou como parte de um programa de tratamento mais complexo (Richardson
1986; Millman 1977; Woollam 1998). Apesar desta popularidade, ainda existe
um debate dentro da medicina acadêmica sobre se a acupuntura tem efeitos
além do efeito placebo.

É difícil avaliar os efeitos benéficos da acupuntura porque o tratamento pode


ter uma variedade de formas. Na acupuntura utilizada no ocidente, pontos fixos
são usados para pacientes com um diagnóstico médico ocidental definido. Em
formas mais tradicionais de tratamento, os acupunturistas variam os pontos
dependendo do diagnóstico médico tradicional chinês. Como resultado, os
pacientes com o mesmo diagnóstico ocidental podem ser tratados com
diferentes locais dos pontos de acupuntura.

Revisões sistemáticas sobre o uso da acupuntura para dor crônica em geral


(Patel 1989; ter Riet 1989a; ter Riet 1990) e dores de cabeça em particular (ter
Riet 1989b; ter Riet 1989c; ter Riet 1989d) foram publicadas em 1989 e 1990.
Desde aquela época, um número de novos ensaios clínicos tem sido realizado,
e têm-se alcançado um acordo/consenso sobre a classificação das dores de
cabeça (IHS 1988). Portanto, é necessário uma revisão sistemática das
evidências clínicas disponíveis sobre o uso da acupuntura nas dores de
cabeça.
5

OBJETIVOS

Determinar se a acupuntura é:
-mais efetiva que nenhum tratamento
-mais efetiva que acupuntura placebo
-tão efetiva quanto outras intervenções usadas pata tratar dor de cabeça
idiopática (primária)

CRITÉRIOS PARA CONSIDERAR ESTUDOS PARA


ESTA REVISÃO

Tipos de estudos
Foram incluídos ensaios clínicos randomizados ou quase-randomizados (por
exemplo, por alternânica ou data de nascimento).

Tipos de participantes
Foram incluídos ensaios clínicos conduzidos entre os pacientes com dores de
cabeça idiopáticas (enxaqueca, dor de cabeça do tipo tensão, dor de cabeça
acumulativa, dores de cabeça classificadas de forma imprecisa como crônicas
ou primárias recorrentes). Os estudos com foco explícito em pacientes com dor
facial foram excluídos.

Tipos de intervenção
Os tratamentos considerados foram:
-aplicação de agulha em pontos de acupuntura, pontos de dor, ou pontos
gatilho
-outros métodos de estimulação dos pontos de acupuntura (por exemplo,
acupuntura com laser, eletro-acupuntura).

As intervenções controle consideradas foram:


-nenhum tratamento
-placebo
-outro tratamento
6

Os ensaios clínicos que compararam apenas diferentes formas de acupuntura


foram excluídos.

Tipos de desfechos
Os estudos foram incluídos se eles relatassem pelo menos um resultado clínico
relacionado a dor de cabeça (por exemplo, intensidade de dor, avaliação global
da dor de cabeça). Os ensaios clínicos relatando apenas parâmetros
psicológicos ou laboratoriais foram excluídos, já que eram estudos com
períodos de desfechos de menos de 4 semanas (do início do tratamento à
observação final).

ESTRATÉGIA DE BUSCA PARA A


IDENTIFICAÇÃO DE ESTUDOS

See: Cochrane Pain, Palliative Care and Supportive Care Group search
strategy
Ver: estratégia de busca do grupo de Dor,Cuidados Paliativos e de Apoio da
Cochrane

As seguintes bases de dados foram pesquisadas:


-MEDLINE 1966 a Abril de 2005
-EMBASE 1989 a Abril de 2005
-base de dados do Campo Cochrane para Medicina Complementar
-Registro de Ensaios Controlados Cochrane 2005, Número 1
-coleções de ensaios individuais e bases de dados particulares
-bibliografias da revisão de artigos dos estudos incluídos.

As palavras chaves utilizadas na pesquisa realizada nas bases de dados


eletrônicas foram “(acupuntura ou acupressão)” e “(dor de cabeça ou
enxaqueca)”.
_______________________________________________________________
PAIN* OR (PAIN-THRESHOLD) OR (PAIN-MEASUREMENT) OR (PAIN-
CLINICS) OR (MYOFASCIAL-PAIN-SYNDROMES*) OR NOCICEPTORS OR
ANALGESIA* OR ANALGESICS* OR HYPERALGESIA OR analgesi* OR
7

(transcutaneous electric*) OR (nerve stimulation) OR TENS OR acupuncture


OR Glossalgi* OR nociceptor* OR audioanalgesi* OR (electroacupuncture OR
electro-acupuncture) OR hyperalgesi* OR (epidural NEXT anesthe*) OR
(epidural NEXT anaesthe*)
(VASCULAR HEADACHES*) OR arthralgi* OR arthriti* OR (headache* OR
migraine*) OR neuralgi* OR toothache* OR earache* OR colic* OR
(dysmenorrhea OR dysmenorrhoea) OR metatarsalgi*

Randomized controlled trial OR Controlled study OR Randomization OR


(Double blind procedure) OR (Single blind procedure) OR (Clinical trial) OR
(clinical adj5 trial$) OR (doubl$ or singl$ or tripl$ or trebl$) OR (blind$ or mask$)
OR Placebo$ OR Random$ OR Methodology OR (latin square) OR crossover
OR (cross-over) OR (Crossover Procedure) OR (Drug comparison) OR
(Comparative study) OR (comparative adj5 trial$) OR (control$ OR prospectiv$
OR volunteer$) OR (exp Evaluation and Follow Up) OR (Prospective study)
_______________________________________________________________

MÉTODOS

Seleção dos estudos


Todas as referências identificadas pela pesquisa nas bases de dados foram
selecionadas por dois revisores. Como primeiro passo, nós tentamos identificar
todos os artigos relacionados ao uso da acupuntura para tratamento de dor de
cabeça recorrentes que relatassem dados originais. Dos 102 estudos
identificados, 58 foram excluídos devido a falta de grupo controle. A avaliação
dos 44 estudos restantes foi realizada por pelo menos dois revisores. Dezoito
estudos foram excluídos (tabela “Características dos estudos excluídos”).
Ocorreram desacordos nos três estudos (Annal 1992; Borglum-Jensen 1979;
Lenhard 1983). Após discussão, foi decidido que todos os três estudos seriam
excluídos (para saber as razões, ver a tabela descrevendo as “Características
dos estudos excluídos”).
8

Extração de dados
Informação dos pacientes, métodos, intervenções e resultados foram extraídos
independentemente por pelo menos dois revisores usando uma forma pré-
testada. Nós tentamos obter informação adicional dos primeiros autores ou dos
autores correspondentes aos estudos primários se necessário.

Os ensaios foram categorizados por tipo de dor de cabeça (enxaqueca e


desordens de enxaqueca, dor de cabeça do tipo tensão, mista [pacientes com
diferentes tipos de dor de cabeça dentro de um ensaio], e pelo tipo de
intervenção controle usada (nenhum tratamento, acupuntura placebo, outro
tratamento).

Avaliação da qualidade
A qualidade da qualidade metodológica dos estudos incluídos foi avaliada por
pelo menos dois revisores independentes usando duas escalas.

A escala de Jadad et al. (Jadad 1996) possui ítens em:

-distribuição randomizada (1 ponto se a distribuição foi descrita como


randomizada + 1 ponto se um método adequado de gerar uma seqüência
randomizada foi descrito)
-duplo-cego (1 ponto se houve um relato que pacientes e avaliadores eram
cegos + 1 ponto quando o procedimento cego foi descrito e adequado)
-relatos das desistências/exclusões (1 ponto se as desistências e retiradas,
como também as razões, foram listadas independentemente para cada grupo
de tratamento)

A pontuação máxima é 5. Estudos com 3 pontos ou mais foram considerados


de alta qualidade. Os pontos alcançados para cada um dos três itens acima
são listados em ordem para cada estudo na tabela descrevendo as
“Características dos estudos incluídos” (por exemplo, para um ensaio obter
todos os pontos em cada item, a pontuação seria 2-2-1). Um resumo dos
pontos para todos os ensaios incluídos também é fornecido na Tabela 01.
9

O segundo método de pontuação (a escala de validade interna = EVI) foi


desenvolvido por um membro do time de revisão (KL) e tem sido usado em
várias revisões sistemáticas da medicina complementar (Linde 1996a; Linde
1996b; Linde 1997). Este instrumento tem seis itens:

-método de distribuição aos grupos


-ocultação de alocação
-linha de base de pacientes
-pacientes cegos
-avaliadores cegos
-probabilidade viés de seleção após a distribuição dos grupos por desistência,
etc.

Cada item é pontuado com 0 (critério não satisfeito ou informação fornecida


insuficiente), 0.5 (critério parcialmente satisfeito), ou 1 (critério satisfeito). Os
pontos alcançados para cada dos seis itens são listados em ordem para cada
ensaio na tabela descrevendo as “Características dos estudos incluídos” (Por
exemplo, para um ensaio obter todos os pontos em cada item, a pontuação
seria 1-1-1-1-1-1). Um resumo dos pontos para todos os ensaios também é
fornecido na Tabela 02.

Para o cálculo dos pontos da qualidade metodológica, a informação fornecida


nas publicações ou relatos descritos foi usada. Desacordos entre os revisores
foram resolvidos por discussão.

A qualidade da acupuntura foi avaliada por um revisor (GA) que é um


especialista em acupuntura e dor de cabeça. Este indivíduo aprendeu na
Europa tanto a acupuntura tradicional chinesa e a acupuntura ocidental
(reflexoterapia) e pratica ambos os métodos. Foi entregue apenas a seção de
métodos dos artigos. As indicações de origem e fonte, como também a
introdução, resultados, e seções de discussão não foram fornecidas. O
acupunturista foi primeiramente questionado como ele trataria os pacientes
incluídos no estudo. Suas opções eram “exatamente ou quase exatamente do
mesmo modo”, “similarmente”, “diferentemente”, “completamente diferente”, ou
10

“não poderia avaliar” devido à informação insuficiente (sobre a acupuntura ou


sobre o paciente). Ele foi então questionado a avaliar seu grau de confiança
que a acupuntura foi aplicada de uma maneira apropriada em uma escala
visual de 100-mm (com 0% = completa falta de evidência que a acupuntura foi
apropriada, e 100% = total certeza que a acupuntura foi apropriada). O ultimo
método foi proposto por um membro do time de revisão (AW) e tem sido usado
em uma revisão de ensaios clínicos de acupuntura para dor nas costas (Ernst
1998). Na tabela descrevendo as “Características dos estudos incluídos” a
avaliação do acupunturista é resumida sob “Métodos” (por exemplo,
“similarmente/70%” para um ensaio onde o acupunturista trataria “similarmente”
e é 70% a confiança que a acupuntura foi aplicada apropriadamente). Um
resumo das pontuações designadas para todos os ensaios incluídos também é
fornecida na Tabela 03. Para atualizações desta revisão nós planejamos
envolver mais acupunturistas nestas avaliações.

RESUMINDO OS RESULTADOS

As principais medidas de resultado pré-definidas para a análise quantitativa foi


o número de dias com dor de cabeça por mês no último período de
acompanhamento. Outros resultados pré-planejados incluíam intensidade da
dor, duração e freqüência dos ataques de dor de cabeça, e uso de medicação.
O tipo e a cronometragem das medidas dos resultados foram tão
inconsistentes e a apresentação dos resultados tão freqüentemente
insuficientes que não foi possível calcular o tamanho do efeito estimado para a
maioria dos ensaios que deveriam ter, a principio, dados descritos. Portanto,
nós extraímos os dados disponíveis em intensidade e freqüência de dor para
as primeiras medidas obtidas (última fase de tratamento superior a um máximo
de 2 meses após o tratamento) e o último acompanhamento (pelo menos 2
meses após o final do tratamento) e resumidas em uma forma de tabela/tabular
(ver Tabelas 04 e 05).

Nós também extraímos dados da “resposta” global ao tratamento. Se não


houvessem dados da resposta global, os dados de freqüência ou índices de
dor de cabeça eram usados. A reposta era definida como pelo menos 33% de
11

melhora (como os ensaios usavam tipicamente ou 33% ou 50% de melhora da


linha de base como um limite para definir resposta). A proporção entre o grupo
de acupuntura e o grupo da acupuntura placebo e seus intervalos de confiança
de 95% foram calculados. Devido à grande diferença clínica nós nos
abstivemos de calcular as estimativas agrupadas.

Devido ao fato de ter sido antecipado que a metanálise quantitativa poderia não
ser possível, pelo menos dois revisores independentes votaram nas seguintes
categorias como uma estimativa bruta do resultado geral para cada estudo:
-2 = grupo controle melhor que o acupuntura (significante)
-1 = grupo controle melhor que o acupuntura (tendência)
0 = sem diferença
1 = acupuntura melhor que o grupo controle (tendência)
2 = acupuntura melhor que o grupo controle (significante)
Ocorreram desacordos para apenas dois estudos (Dowson 1985; Carlsson
1990). Em ambos os casos, a última pontuação favorável foi usada.

DESCRIÇÃO DOS ESTUDOS


Vinte e seis estudos com um total de 1151 pacientes (média, 37; alcance, 10-
150) satisfizeram os critérios de inclusão. Dezesseis ensaios foram conduzidos
entre pacientes com enxaqueca, seis entre pacientes com dor de cabeça do
tipo tensão, e quatro entre pacientes com vários tipos de dor de cabeça. Um
dos ensaios de enxaqueca foi conduzido entre crianças. Oito ensaios usaram o
critério da Sociedade Internacional de Dor de Cabeça (SID 1988) para
classificar as síndrome da dor de cabeça, dois usaram o critério do Comitê Ad
Hoc (Ad Hoc 1962), e o estudo com crianças usou o critério Prensky (Prensky
1979).

Dezessete ensaios foram “placebo-controlado”. Onze destes usaram agulhas


“placebo”, isto é, as agulhas eram posicionadas em pontos distantes dos
pontos de acupuntura ou eram agulhas superficiais; os seis restantes usaram
outros procedimentos que não envolviam penetração da pele. Quatro estudos
compararam acupuntura com tratamento medicamentoso, dois com fisioterapia,
um combinando relaxamento e massagem, e um combinando medicamentos
12

chineses tradicionais. Um estudo (tipo III) comparou acupuntura, nenhum


tratamento, e um programa de tratamento biocomportamental. As intervenções
utilizadas de acupuntura variaram consideravelmente. Em três estudos a
intervenção teste não foi a acupuntura com agulha e sim a acupuntura com
laser (Ho 1999; Lavies 1998) ou estimulação nervosa elétrica transcutânea
(TENS) nos pontos de acupuntura (Heydenreich 1989a). Um estudo tinha um
grupo de acupuntura com agulha e um grupo de TENS nos pontos de
acupuntura (Heydenreich 1989b). Em oito estudos a razão da escolha dos
pontos foi a Medicina Tradicional Chinesa; sete deram outras razões; 10 não
foram claros sobre suas razões; e em um ensaio os pontos eram baseados
apenas no local sensível. A informação básica sobre a qualificação e
experiência dos acupunturistas do estudo foi fornecida em apenas dez casos. A
ativação do DeChi, uma sensação irradiante fornecida para indicar a
efetividade da agulhada, foi raramente relatada.

Todos dos 17 ensaios placebo-controlados tentaram mascarar os pacientes.


Pelo menos cinco destes ensaios não informaram os pacientes que um grupo
iria receber acupuntura placebo (os pacientes foram informados que dois
“tipos” de acupuntura seriam comparados). Em pelo menos dois ensaios
adicionais nos quais a intervenção placebo não envolveu agulhas (Dowson
1985; Shi 2000) parece provável que um procedimento similar foi seguido (de
outra maneira não teria sido possível aos pacientes serem cegos).

O período médio de tratamento foi de 8 semanas (variando de 6-26) com oito


sessões de tratamento (variando de 6-12; um estudo levou em conta a
possibilidade de 3 etapas de tratamento com 10 sessões cada). Nos 21
estudos que acompanharam os pacientes após a conclusão da fase de
tratamento, o tempo médio de acompanhamento foi de 26 semanas (variando
de 3 a 104).

Os resultados mais comumente relatados foram a freqüência da dor de cabeça


(dias com dor de cabeça ou número de crises de dor de cabeça) e intensidade
da dor, mas em muitos estudos os resultados foram relatados com insuficiência
de detalhes. Humor subjetivo, qualidade de vida, uso de medicamento, e
13

incapacidade foram relatados em uma minoria de estudos (algumas vezes


estes desfechos parecem ter sido monitorados, mas não foram relatados).
Dezoito estudos usaram diários de dor de cabeça para avaliação do resultado,
e quatro usaram medidas pontuais (avaliação retrospectiva dos desfechos dos
pacientes em um determinado momento). Os quatro ensaios restantes não
descreveram o método usado de avaliação da dor de cabeça.

Nós tentamos contactar os autores de 20 estudos; 13 responderam. Estes


contatos forneceram informação adicional muito pouco relevante com uma
exceção na qual o autor forneceu dados individuais do paciente (Vincent 1990).

QUALIDADE METODOLÓGICA DOS ESTUDOS


INCLUÍDOS
A maioria destes ensaios tiveram deficiências metodológicas e/ou de
informação. A ocultação de alocação foi descrita em apenas três estudos: um
utilizou uma central de radomização por chamadas telefônicas, e dois usaram
envelopes fechados. O autor de um quarto estudo nos informou que havia
utilizado envelopes fechados. A pontuação média de Jadad foi de 1.5 (variando
de 1 a 5) de uma possível pontuação máxima de 5 (ver Tabela 01), e a
pontuação média de validade interna foi de 2.5 (variando de 1 a 5) de uma
possível pontuação máxima de 6 (ver Tabela 02). O sucesso do mascaramento
foi testado em dois ensaios (ambos relataram que foi bem sucedido). Relatos
de desistência e exclusões foram satisfatórios em apenas metade dos estudos.
Oito estudos não listaram os critérios de inclusão, e 14 não descreveram as co-
intervenções. O relato dos dados de dor de cabeça complexa foi raro. As
pontuações de qualidade alcançadas por um dado estudo nem sempre
concordaram com nossa impressão subjetiva de sua qualidade.

Nós temos dúvidas particulares sobre quatro estudos (Heydenreich 1989a;


Heydenreich 1989b; Lehmann 1991; Gao 1999), todos relataram resultados
extremamente positivos, mas foram insuficientemente descritos (ver a tabela
descrevendo as “Características dos estudos incluídos” para mais detalhes).
Além de uma falta geral de detalhes nos relatos, nem Heydenreich et al.
(Heydenreich 1989b) nem Lehmann et al. (Lehmann 1991) forneceram
14

informações sobre as desistências. Além disso, a terapia controle usada por


Heydenreich et al. (Heydenreich 1989b) pode não ter sido apropriada (o uso a
longo prazo do composto de ergotamina utilizado poderia, provavelmente,
agravar ao invés de aliviar a dor de cabeça). Finalmente, enquanto está
estabelecido que os paciente incluídos por Lehmann et al. (Lehmann 1991)
tiveram enxaqueca, seu relato de uma freqüência média de linha de base foi de
22 dias de dores de cabeça por mês, o que dificilmente é compatível com este
diagnóstico. Gao et al. (Gao 1999) relataram que 24 dos 32 pacientes tratados
com acupuntura estavam curados (definido como “sintomas que
desapareceram completamente sem recorrência por um ano”). Embora a
intervenção da acupuntura neste estudo parece ter sido bem feita, uma razão
de sucesso como esta é difícil de acreditar. O estudo não-cego não relata como
a dor de cabeça foi monitorada ou se houve desistências e exclusões. Além
disso, como a duração da doença foi de 1 mês a 15 anos, parece duvidoso se
todos os pacientes realmente sofriam de enxaqueca.

Um estudo (Kubiena 1992) que parecia bem planejado metodologicamente,


falhou completamente na prática: uma grande proporção de pacientes
desistiram na fase inicial do estudo.

O acupunturista avaliador (GA) achou-se incapaz de avaliar a qualidade da


acupuntura em sete estudos devido à descrição ser insuficiente (ver Tabela
03). Em cinco estudos ele teria tratado de uma maneira diferente ou
completamente diferente, em sete estudos similarmente e, em seis estudos,
exatamente da mesma maneira. O grau de confiança sobre a aplicação
apropriadamente da acupuntura variou de 10% a 95%.

RESULTADOS

Os estudos eram muito diferentes em relação aos pacientes, à acupuntura e


intervenções controle, e ao tipo e momento da avaliação dos desfechos. Além
disso, os dados foram freqüentemente apresentados com detalhes insuficientes
(por exemplo, sem desvio padrão e com apenas alguns dos desfechos
apresentados). Portanto, nós não realizamos uma metanálise quantitativa.
15

ENSAIOS PLACEBO-CONTROLADOS EM
PACIENTES COM ENXAQUECA
Um total de 11 estudos comparou acupuntura com acupuntura placebo entre
pacientes com enxaqueca. Dois (Baust 1978; Dowson 1985) não acharam
efeitos sobre a acupuntura placebo, três (Henry 1986; Weinschütz 1993; Ho
1999) mostraram tendências a favor da acupuntura, e em cinco (Ceccherelli
1992; Heydenreich 1989a; Pintov 1997; Vincent 1989; Weinschütz 1994) os
pacientes no grupo da acupuntura foram melhores significativamente do que
aqueles no grupo da acupuntura placebo. No ensaio restante (Kubiena 1992)
uma tendência positiva foi afirmada pelos autores, mas este estudo foi julgado
como não tendo interpretação por ambos revisores que o avaliaram devido à
desistência muito alta.

A Tabela 04 fornece um panorama dos resultados com relação ao número de


dias com dor de cabeça, ou freqüência de crises, e intensidade. A maioria dos
estudos relatou diferenças a favor da acupuntura para pelo menos um
desfecho, porém a magnitude dos efeitos e dos resultados na verdade, foram
consideravelmente influenciados e variados. A duração da dor de cabeça e o
uso de medicação foram raramente relatados de um modo interpretável. Sete
artigos relatarm dados em número de avaliados (Baust 1978; Ceccherelli 1992;
Henry 1986; Heydenreich 1989a; Ho 1999; Weinschütz 1993; Weinschütz
1994). Em dois estudos adicionais tais dados estavam ambos disponíveis em
relação a freqüência da dor de cabeça (Dowson 1985) ou poderiam ser
calculados a partir dos dados individuais do paciente (dias sem dor de cabeça)
(Vincent 1990).

Ensaios placebo-controlados em pacientes com dor de cabeça tensional:


Em um estudo do tipo cross-over Hansen et al. (Hansen 1985) encontraram
que os índices de dor de cabeça foram significativamente melhores após a fase
de acupuntura verdadeira do que após a fase de acupuntura placebo. Não
foram relatados outros desfechos. Tavola et al. (Tavola 1992) não encontraram
diferenças significantes entre acupuntura e placebo (n = 30). Entretanto, todos
os três revisores que avaliaram este estudo interpretaram os dados
16

apresentados mostrando uma tendência a favor da acupuntura (por exemplo,


diminuição da freqüência de dor de cabeça para 44% no grupo da acupuntura
contra 21% no grupo controle; o uso de medicamento diminuiu 58% no grupo
da acupuntura versus 28% no grupo controle). Johansson et al. (Johansson
1991) relataram que a acupuntura foi significativamente mais efetiva do que a
acupuntura placebo, mas não foram apresentados dados atuais. Um pequeno
estudo piloto metodologicamente rigoroso (White 1996) não encontrou
diferenças significantes entre a acupuntura e a acupuntura placebo, mas os
resultados não puderam ser interpretados devido a grandes diferenças nas
características basais entre os dois grupos (a favor do grupo de acupuntura
placebo) a ao tamanho da amostra extremante pequeno (n = 10).

Ensaios comparando acupuntura com outro tratamento e sem tratamento


em pacientes com enxaqueca:
No único ensaio metodologicamente confiável e completo (Hesse 1994)
comparando acupuntura com tratamento farmacológico (metoprolol). Os
autores afirmaram que ambos os tratamentos eram igualmente efetivos, mas
todos os três revisores que avaliaram este estudo concluíram que houve uma
tendência a favor do metoprolol em termos de eficácia. Entretanto, o metoprolol
também apresentou mais efeitos colaterais. Por outro lado, dois ensaios
completos (Heydenreich 1989b; Lehmann 1991), ambos com agulhas e eletro-
acupuntura foram significativamente mais efetivos que o tratamento
medicamentoso, mas as dúvidas a respeito da validade destes estudos
parecem ser justificáveis (veja acima, em Qualidade metodológica dos estudos
incluídos).

Em um ensaio de Doerr-Proeske et al. (Doerr-Proske 1985), um programa


biocomportamental foi considerado ser mais efetivo que a acupuntura (sem
diferença estatistica em um ensaio com apenas 10 pacientes em cada grupo).
Este ensaio também incluiu um grupo sem tratamento (lista de espera); os
pacientes neste grupo foram levemente piores do que aqueles recebendo
acupuntura.
17

Gao et al. (Gao 1999) compararam a acupuntura e a prescrição de uma droga


tradicional Chinesa em 64 pacientes com enxaqueca. Os autores relataram
resultados extremamente positivos. Nossas considerações sobre o estudo
estão resumidas acima, na seção de qualidade metodológica de estudos
incluídos, e na tabela descrita sobre as “Características dos estudos incluídos”.

Ensaios comparando fisioterapia e acupuntura em pacientes com dor de


cabeça do tipo tensão:
Carlsson et al. (Carlsson 1990) encontraram que a fisioterapia individualizada
foi mais efetiva que a acupuntura tanto para a intensidade da dor de cabeça e
bem-estar mental. No pequeno ensaio de Ahonen et al. (Ahonen 1984), a
acupuntura foi considerada pelo menos tão efetiva quanto a fisioterapia.

Ensaios placebo-controlados em pacientes com vários tipos de dores de


cabeça:
Lavies (Lavies 1998) não encontrou diferenças significantes entre a acupuntura
com laser e a acupuntura placebo com laser em um estudo cross-over em 12
pacientes com enxaqueca e dor de cabeça tensional. Entretanto, devido à
grande diferença nas características basais entre os dois grupos, este estudo é
de difícil interpretação. Shi et al. (Shi 2000) acharam diferenças clinicamente
relevantes entre a acupuntura verdadeira e a acupuntura placebo com laser
logo após o tratamento e aos 6 meses de acompanhamento, no que diz
respeito a intensidade da dor, incapacidade, queixas, e estado depressivo;
entretanto, eles não apresentaram nem o diagnostico de dor de cabeça dos
participantes, nem qualquer diferença estatística inferencial entre os grupos.

Acupuntura versus tratamento farmacológico em pacientes com vários


tipos de dor de cabeça:
Loh et al (Loh 1984) acharam que a acupuntura foi discretamente mais eficaz
do que o tratamento farmacológico individualizado. Oito dos 23 pacientes do
grupo acupuntura responderam ao tratamento comparados aos 4/25 pacientes
do grupo com medicamento. Os pacientes poderiam passar para o tratamento
alternativo após 3 meses. Onze dos 23 pacientes originalmente recebendo
18

acupuntura escolheram esta opção, comparados aos 18/25 pacientes que


originalmente recebiam medicação.

Acupuntura versus massagem e relaxamento em pacientes com


enxaqueca ou dor de cabeça tensional:
Wylie et al. (Wylie 1997) encontraram uma grande redução nas pontuações de
dor de cabeça após massagem e relaxamento combinados, comparado a
acupuntura em pacientes com dor de cabeça do tipo tensão (n = 40) ou
enxaqueca (n = 27). Entretanto, os dados apresentados sugerem que os
efeitos diferiram consideravelmente entre os pacientes com dor de cabeça
tensional (aqueles recebendo massagem e relaxamento tiveram uma redução
muito maior) comparados aos pacientes com enxaqueca (aqueles recebendo
acupuntura tiveram uma redução muito maior) (ver Tabela 05).

Efeitos a longo-prazo da acupuntura (ver também Tabelas 04 e 05):


Treze estudos tiveram períodos de acompanhamento de pelo menos 6 meses
após a terapia. A maioria destes estudos tiveram que ser interpretados com
cautela devido a perda de acompanhamento (Kubiena 1992, Carlsson 1990),
grandes deficiências de relatos (Dowson 1985; Shi 2000; Weinschütz 1993;
Weinschütz 1994; Ahonen 1984) ou validade geral duvidosa (Gao 1999;
Heydenreich 1989a; Heydenreich 1989b; Lehmann 1991). Os resultados dos
dois ensaios mais rigorosos (Vincent 1990; Tavola 1992) sugeriram que as
melhoras após a acupuntura podem persistir mais que 6 meses após a
interrupção da terapia.

Avaliação de qualidade:
Dos sete estudos interpretáveis com uma pontuação de Jadad de 3 ou mais,
dois estudos de enxaqueca tiveram tendência positiva comparados ao placebo
(Henry 1986; Ho 1999), um não foi diferente do placebo (Baust 1978), e um
teve tendência negativa comparado ao tratamento padrão (Hesse 1994). Para
a dor de cabeça tensional, um estudo foi avaliado positivo (Hansen 1985), e um
teve tendência positiva comparado ao placebo (Tavola 1992). Um estudo de
acupuntura com laser em pacientes com enxaqueca e dor de cabeça tensional
não mostrou diferença em relação ao placebo (Lavies 1998).
19

Entre os quatro estudos interpretáveis pontuando 4 pontos ou mais na escala


de validade interna, um ensaio de enxaqueca foi positivo (Vincent 1989) e um
tendeu ao positivo (Henry 1986) comparados ao placebo, enquanto um estudo
teve tendência ao negativo comparado ao tratamento padrão (Hesse 1994).
Para a dor de cabeça tensional um estudo foi positivo (Hansen 1985) e um
tendeu ao positivo (Tavola 1992) comparados ao placebo.

Finalmente, se apenas estudos interpretáveis foram considerados nos quais o


acupunturista tinha pelo menos 70% de certeza que a acupuntura foi
apropriada, houve, para enxaqueca, três positivos (Ceccherelli 1992; Vincent
1989; Weinschütz 1994) e dois estudos tendendo ao positivo (Ho 1999;
Weinschütz 1994) comparados ao placebo. Outro estudo (Gao 1999) foi
classificado como positivo comparado ao tratamento farmacológico tradicional
chinês com drogas. Para dor de cabeça tensional houve novamente um
positivo (Hansen 1985) e um com tendência ao positivo (Tavola 1992). Um
estudo placebo-controlado adicional, no qual os diagnósticos de dor de cabeça
não foram descritos, foi positivo (Shi 2000).

DISCUSSÃO
A evidência existente apóia o valor da acupuntura para o tratamento das dores
de cabeça idiopáticas. Entretanto, a qualidade e a quantidade de evidência não
é totalmente convincente. A maioria dos estudos comparando a acupuntura
verdadeira e placebo em pacientes com enxaqueca e dor de cabeça tensional
mostra pelo menos uma tendência favorável à acupuntura verdadeira. Porém, a
maioria dos estudos eram pequenos e eram relatados inadequadamente ou
tinham falhas metodológicas. Além disso, os estudos variaram muito em
relação à natureza precisa da intervenção da acupuntura e do método de
avaliação do resultado. Quando a proporção dos pacientes responsíveis ao
tratamento dos estudos placebo-controlado foram plotados no gráfico contra
uma estimativa de precisão, a forma foi assimétrica sugerindo um viés de
publicação ou outros viéses.
20

Há evidência insuficiente para avaliar como o quando a acupuntura é


comparável a nenhum tratamento e o quanto a acupuntura é tão efetiva quanto
como outros tratamentos para para dor de cabeça a não tratamento e se é tão
efetiva quanto outros tratamentos.

Nossos achados são similares aos de duas revisões sistemáticas recentes


sobre uma variedade de modalidades de tratamento comportamental e físico,
incluindo acupuntura para enxaqueca (Goslin 1999) e dor de cabeça tensional
(McCrory 2000).

Nós pesquisamos uma quantidade de fontes diferentes para identificar todos os


ensaios relevantes ao nosso assunto. Nós não fomos capazes de identificar
quaisquer estudos não publicados. Além disso, em nossa pesquisa de literatura
foi selecionado apenas um estudo chinês e nenhum da Rússia, onde a
acupuntura é difundida. A literatura destes países é suprida pelas bases de
dados apenas de forma parcial; sendo assim, é possível que existam estudos
passíveis de inclusão que, porém não foram identificados. Entretanto, as
evidências da Rússia e China devem ser interpretadas com cautela pois tem
sido mostrado, usando acupuntura como um exemplo, que os pesquisadores
destes países publicam resultados positivos quase que exclusivamente
(Vickers 1998).

Relatos insuficientemente difundidos tornaram difícil e até impossível a


avaliação da qualidade metodológica e a extração de dados. A ocultação de
alocação foi raramente descrita, e o relato de desistências e retiradas foi
freqüentemente incompleto. Apenas dois dos estudos cegos testaram o
mascaramento. Testar o sucesso do mascaramento em estudos placebo-
controlados parece ser importante, já que uma proporção de pacientes pode
procurar para qual grupo eles foram distribuídos. Esclarecer aos participantes
do estudo placebo-controlado que duas formas de acupuntura serão
comparadas pode ajudar com o recrutamento e no mascaramento; porém isto é
éticamente duvidoso. A pontuação de qualidade para mascaramento dos
avaliadores provou ser difícil em nossa revisão, já que a avaliação foi feita
praticamente pelos próprios pacientes nos diários de dor de cabeça.
21

Conseqüentemente, um estudo no qual os pacientes eram mascarados ao


tratamento pôde ser considerado um duplo-cego (pacientes e avaliadores
cegos). Entretanto, para os nossos métodos de pontuação, aqueles que
recolheram os diários de dor de cabeça, também tinham que ser cegos para o
estudo ser considerado duplo-cego.

Avaliar a enxaqueca e as dores de cabeça tensionais de uma maneira


clinicamente significativa é uma questão complexa. Freqüência, intensidade,
duração, necessidade de medicação, acompanhamento dos sintomas, humor,
função social, atividade diária, e dias de trabalho perdidos, são indicadores
relevantes. Os diferentes métodos de medidas dos desfechos usados nos
estudos incluídos e a falta de detalhes na apresentação dos resultados
impediram o cálculo do tamanho do efeito dos desfechos. O cálculo da
proporção dos pacientes responsíveis ao tratamento tiveram que ser
interpretadas com extrema cautela e devem apenas ser vistas como um
indicador muito bruto da tendência geral dos resultados. Por exemplo, a
resposta não foi definida de uma maneira uniforme nos estudos incluídos. Além
disso, os desfechos dicotômicos como proporção de resposta ao tratamento,
quando usados em estudos pequenos, estão associados com um grande
intervalo de confiança, indicando um poder estatístico e precisão muito baixos.
Isto explica porque nossas opiniões e o resumo narrativo fornecem um
resultado discretamente mais otimista do que a análise da proporção de
resposta ao tratamento.

Em uma versão previamente publicada desta revisão (Melchart 1999) nós


apresentamos uma estimativa para a razão da proporção da resposta ao
tratamento nos estudos placebo-controlados. Reconsiderando a grande
diferença dos estudos em relação aos pacientes, intervenções teste e controle,
métodos de medidas, definições da resposta ao tratamento, validade interna e
externa, e um gráfico de funil assimétrico, nós decidimos nos abster de
qualquer combinação de dados nesta versão atualizada. No processo de
revisão contemporânea para esta revisão, foi sugerido que nós deveríamos
incluir uma análise de sensibilidade incluindo apenas estudos com pontuação
de pelo menos 3 na escala de Jadad. Como nós nos abstivemos de combinar
22

resultados, não foi possível a análise de sensibilidade formal incorporando as


pontuações de qualidade. Quando nós discutimos os três diferentes métodos
de avaliação da qualidade (escala de Jadad, escala de validade interna, e se a
acupuntura é apropriada) os resultados foram contraditórios. Baseados na
escala de Jadad (Jadad 1996), os resultados parecem menos positivos para a
enxaqueca, enquanto os estudos nos quais a confiança de que a adequação
da acupuntura foi classificado como alto e teve mais achados positivos. Dado o
alto grau de heterogeneidade dos estudos e a natureza relativamente bruta dos
métodos de avaliação de qualidade disponíveis e das opiniões, os resultados
dessa abordagem sensitiva não deveriam ser superinterpretados.

CONCLUSÕES DOS REVISORES

Implicações para a prática


Devido à diferença clínica e à baixa qualidade metodológica dos estudos
incluídos, recomendações válidas para a prática clínica não podem ser feitas.
No geral, algumas formas de acupuntura parecem ser benéficas, mas não está
claro qual a estratégia de tratamento (pontos, tipo de estimulação, freqüência,
etc) e quais os profissionais podem ser mais promissores para grupos
particulares de pacientes.

Embora não livre do risco (Norheim 1996; Ernst 1995), a acupuntura parece ser
relativamente segura nas mãos de profissionais qualificados. Portanto, nós
concluímos que pacientes com dor de cabeça que querem tentar a acupuntura
não deveriam ser desencorajados. A proposta de tratamento com acupuntura a
pacientes com dor de cabeça também parece justificável. Se a acupuntura
deve ser mais recomendada e, se assim for, qual o tipo de acupuntura deve ser
oferecido, são questões que não podem ser respondidas atualmente.

Implicações para pesquisa


O uso difundido de acupuntura, os resultados promissores, e a freqüência da
qualidade insuficiente de estudos disponíveis requerem pesquisas adicionais.
Maiores estudos placebo-controlados são necessários para confirmar (ou
refutar) a evidência disponível que os efeitos da acupuntura nos que sofrem de
23

dor de cabeça são verdadeiramente específicos. Entretanto, como a


acupuntura placebo pode ter seus próprios efeitos específicos, ou poderia pelo
menos ser um placebo mais potente que o fornecimento de uma pílula, a
evidência derivada de tais ensaios pode subestimar os benefícios da
acupuntura (Sanchez-Araujo 1998). Mais estudos pragmáticos comparando a
acupuntura com tratamentos não-profiláticos e outras intervenções profiláticas
são necessários para avaliar a efetividade e custo-efetividade sob condições de
vida real. Estudos observacionais a longo prazo seriam úteis para determinar
por quanto tempo os efeitos da acupuntura duram e quais pacientes são mais
prováveis a se beneficiar com o tratamento. Devido ao fato de a acupuntura ser
aplicada de diferentes maneiras por diferentes acupunturistas, é necessário
investigar os padrões de prática para garantir que futuros estudos
randomizados testem as estratégias da acupuntura que são realmente
difundidas na prática.

Estudos de acupuntura de maior tamanho da amostra. Atualmente, os cálculos


do tamanho da amostra para comparações da acupuntura versus acupuntura
placebo ou sem tratamento poderiam ser baseados nas proporções de
resposta ao tratamento obtidas em nosso local de estudo. Em média, a
proporção de resposta nos estudos revisados foram cerca de 60% nos grupos
de tratamento e cerca de 40% nos grupos placebo. Para detectar tamanha
diferença com 90% de poder (alpha nível 0.05, teste two-sided), 140 pacientes
por grupo deveriam ser incluídos em um estudo. Tamanhos de amostras
menores poderiam ser possíveis se outros desfechos (como o número de dias
com dor de cabeça) são empregados como desfechos primários. Além disso,
futuras pesquisas deveriam seguir diretrizes específicas em relação aos
critérios de inclusão, classificação das dores de cabeça, controle de co-
intervenções, e medidas de resultados para estudos de dor de cabeça (IHS
1991; IHS 1995), e devem seguir as diretrizes gerais para realização dos
estudos (Begg 1996). Devido à evidência atual na questão de se os principais
efeitos da acupuntura, a freqüência das crises de dores de cabeça ou sua
intensidade não é completamente consistente, ambos resultados deveriam ser
cuidadosamente monitorados nos futuros estudos.
24
TABELA 05 ACUPUNTURA VS OUTRAS INTERVENÇÕES: RESULTADOS PARA FREQUENCIA E INTENSIDADE

Estudo Medida de <2mo (acu >2mo (acu Medida de <2mo (acu >2mo (acu Contagem
Controle
(diagnóstico) freqüência vs. outro) vs. outro) intensidade vs. outro) vs. outro) de voto
Ahonen 1984 <2 5/12 vs. 2/10 Não Escala análogo Não relatado Não fisioterapia 0
(TTH) dias/semana relatado visual relatado
com dor de
cabeça
Carlsson 1990 5-escala de 'reduzida em Não Escala análogo 40 +/- 34 vs. 52 +/- 32 Fisioterapia -2
(TTH) índice de ambos os relatadovisual (valores de 28 +/- 22 vs. 29 +/-
passo grupos' linha de base 22
acup 41 +/- 32,
fisioterapia 52 +/-
22; todos os
valores
extrapolados da
figura)
Doerr-Proske média % 32% vs. 38% Não média % de 48% vs. Não Programa -1
1985 (Migraine) redução de dias mensurado redução 44% mensurado biocomportamental
de dor de
cabeça
Gao 1999 Não Não mensurado? Drogas Chinesas +2
(Migraine) mensurado?
Hesse 1994 Número de 0.7 (-1.6 to Não 3-escala pontual 0.3 (0.1 a Não metoprolol -1
(Migraine) ataques de 2.7) mensurado 0.5) mensurado
enxaqueca
(diferença
média acup vs.
metoprolol,
com 95% CI)
Heydenreich média % Não 80% vs. Impreciso Não 45% vs. iprazochrom e +2
1989b (Migraine) redução de dias apresentado 76% vs. apresentado 44% vs. dihidroergotoxin-
(needle acu vs. de dor de 38% 15% mesilate
acupuncture-like cabeça
TENS vs. drug
therapy)
Lehmann 1991 Dias com dor Não 7 vs. 5 vs. Redução do Não 54% vs. propranolol +2
(Migraine) de cabeça apresentado 18 índice médio de apresentado 72% vs.
(needle enxaqueca 8%
acupuncture vs.
electro-
acupuncture vs.
propanolol)
Loh 1984 impreciso Não Não impreciso Não Não Terapia de drogas +1
25
Estudo Medida de <2mo (acu >2mo (acu Medida de <2mo (acu >2mo (acu Contagem
Controle
(diagnóstico) freqüência vs. outro) vs. outro) intensidade vs. outro) vs. outro) de voto
(Mixed) apresentado mensurado apresentado mensurado
Wylie 1997 Dias com 1.7 vs. 2.7 Não Índice de dor 61 vs. 154 Não Massagem e +1
(Migraine) enxaqueca mensurado total mensurado relaxamento
Wylie 1997 Dias com dor Não Não Índice de dor 162 vs. 50 Não Massagem e -2
(TTH) de cabeça apresentado mensurado total mensurado relaxamento
26

TABELAS

Características dos estudos incluídos

Estudo
Ahonen 1984

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: não cego
Desistências/retiradas: impreciso
Período de observação: linha de base? Tratamento? Acompanhamento 28 semanas
Escalas de qualidade: Jadad: 1-0-0; IVS: 1-0-0.5-0-0-0
Avaliação do acupunturista: similarmente/60%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 22?/22
Condição: dor de cabeça miogênica
Demográficos: idade média 46 anos (acup) e 37 (controle); 82% mulheres
Local: departamento neurológico de pacientes externos do hospital universitário na Finlândia
Tempo desde começo das dores de cabeça: 5.7 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: GB8, GB20, BL10, BL12, BL15, Chuanxi e pontos de pressão no pescoço.
Sem informação sobre os acupunturistas
Foi alcançado o DeChi: sem informação
Número de sessões de tratamento: impreciso (10 minutos cada)
Freqüência das sessões de tratamento: sem informação
Intervenção controle: fisioterapia (parafango, massagem, ultrassom)

Resultados
Método par medida do resultado: medida do ponto (sem diários); apenas dados por acompanhamento
apresentado.
Razões do entrevistado: 7/12 (acup) vs. 3/10 (fisioterapia)
Freqüência: 5/12 (acup) vs. 2/10 (fisioterapia) com um dia ou menos de dor de cabeça/semana
Intensidade: não relatada
Duração: não mencionada
Medicação: diminuiu em 6/12 (acup) vs. 4/10 (fisioterapia)

Anotações
Conclusão do autor: ambos os tratamentos são similarmente efetivos
Conclusão dos revisores: ambos os tratamentos são similarmente efetivos
Comentários: relatos insuficientes; imprecisos se houve desistências/retiradas, medida de resultado
pobre; tamanho da amostra muito pequeno para avaliar a equivalência das duas terapias.

Ocultação da alocação
B

Estudo
Baust 1978

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: paciente, medico avaliador
Desistências/retiradas: sem informação
Período de observação: período de observação individualizado (10 intervalos entre os ataques de
enxaqueca no período de linha de base)
27

Escalas de qualidade: Jadad: 1-2-0; IVS: 1-0-0-1-1-0


Avaliação do acupunturista: similarmente/35%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 44/44
Condição: enxaqueca (“terapia-resistente”)
Demográficos: sem informação
Local: impreciso, Alemanha
Tempo de início das dores de cabeça: 75% dos pacientes > 5 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: se a dor é principalmente frontal: GB 14, Ex3, LI 4; temporal: Ex9, GB 20, TE5;
occipital: GV 15, BL 10, BL 60
Informação sobre os acupunturistas: n = 2, sem informação sobre experiência e qualificação
Foi alcançado o DeChi?: sem informação
Número de sessões de tratamento: 6
Freqüência das sessões de tratamento: a cada 2 dias
Intervenção do grupo controle: pontos placebo 2-3 cm de distância dos pontos verdadeiros

Resultados
Método para medida do resultado: diário do paciente, todas as análises tiveram foco em um índice
(freqüência integrada, intensidade e duração)
Razões dos entrevistados: 14/23 (acup) vs. 14/21 (placebo)
Sem informação de freqüência, intensidade, duração ou medicação

Anotações
Conclusão do autor: boa resposta em ambos os grupos, sem diferença entre os grupos
Conclusão dos revisores: boa resposta em ambos os grupos, sem diferença entre os grupos
Comentários: apresentação de dados insuficiente, período de observação variável, os pacientes não
eram informados que poderiam receber um placebo.

Ocultação da alocação
B

Estudo
Carlsson 1990

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: envelope fechado
Cegueira: não cego
Desistências/retiradas: possível parcialidade (8 desistências em acup., 2 no grupo de fisioterapia)
Período de observação: linha de base 3-8 semanas, tratamento 2-8 semanas, acompanhamento 7-12
meses
Escalas de qualidade: 1-0-1; IVS: 1-0.5-0.5-0-0-0.5
Avaliação do acupunturista: completamente diferente/10%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 62/52
Condição: dor de cabeça crônica de tensão (Ad Hoc)
Demográficos: idade média 34 anos; todas mulheres
Local: hospital/departamento de pacientes externos, Suíça
Tempo de início das dores de cabeça: média de 9 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: pontos locais: GB 20, GB 21; pontos distais: LI 4
Informação sobre os acupunturistas: n = 2; sem informação adicional
Foi alcançado o DeChi?: sim
Número de sessões de tratamento: 5 a 10 sessões de 20 minutos cada
Freqüência das sessões de tratamento: 1-2/semana
28

Intervenção controle: fisioterapia individualizada (10-12 sessões de 30 a 45 minutos cada, incluindo


relaxamento, automassagem, TENS, crioterapia, técnicas de coping)

Resultados
Método para medida de resultado: medida dos pontos (sem diário)
Razões dos entrevistados: não mencionadas
Freqüência: reduzida em ambos os grupos (p < 0,01 em acup., p < 0,001 no grupo de fisioterapia)
Intensidade: pontuação média EAV 40 +/- 34 (acup) vs. 28 +/- 22 (fisioterapia) após tratamento e 52
+/- 32 (acup) vs. 29 +/- 22 (fisioterapia) no acompanhamento
Duração: não mencionada
Medicação: não mencionada
Outros: função total melhorada em ambos os grupos, bem-estar mental apenas na fisioterapia

Anotações
Conclusão do autor: outra terapia significativamente melhor
Conclusão dos revisores: outra terapia significativamente melhor
Comentários: publicação múltipla; desistências diferentes entre os grupos; grupo controle teve mais
terapia que o grupo de acupuntura.

Ocultação da alocação
A

Estudo
Ceccherelli 1992

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: pacientes
Desistências/retiradas: sem desistências ou retiradas
Período de observação: linha de base imprecisa, tratamento 10 semanas, acompanhamento apenas
em pacientes com boa resposta
Escalas de qualidade: 1-0-0; IVS: 1-0-0.5-1-0-1
Avaliação do acupunturista: similarmente/70%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 30?/30
Condição: enxaqueca sem aura
Demográficos: idade média de 40 anos; 9 (M), 6 (H) no grupo acup.; 15 (M) no grupo placebo
Local: impreciso, Itália
Tempo de início das dores de cabeça: 179 +/- 127 meses (grupo controle: 226 +/- 140)

Intervenções
Pontos de acupuntura: BL 2, BL10, BL 60, GB 3, GB 20, GV 11, GV 20, LR 3, CV 13 Ex HN1, ST 8 (no
lado não-doloroso)
Sem informações sobre os acupunturistas
Foi alcançado o DeChi?: sem informação
Número de sessões de tratamento: 10
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: acupuntura placebo (procedimento complexo sem agulhas verdadeiras
sugerindo anestesia superficial ao paciente)

Resultados
Método de medida do resultado: diário de dor de cabeça
Razões dos entrevistados: 13/15 (acup) vs. 5/15 (placebo)
Freqüência: 7 +/- 12 (acup) vs. 34 +/- 50 (placebo) horas de dor por semana
Sem informação de intensidade, duração ou medicação

Anotações
Conclusão do autor: acupuntura melhor (significativamente)
29

Conclusão dos revisores: acupuntura melhor (significativamente)


Comentários: provavelmente os pacientes não foram completamente informados que eles poderiam
receber um placebo; técnica placebo incomum; diferenças nos sexos entre os grupos; sem dados de
acompanhamento interpretáveis

Ocultação da alocação
B

Estudo
Doerr-Proske 1985

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: não cego
Desistências/retiradas: sem informação
Período de observação: 2 meses diagnósticos; linha de base 1 mês; tratamento 2 meses;
acompanhamento 1 mês
Escalas de qualidade: 1-0-0; IVS: 1-0-0-0-0-0
Avaliação dos acupunturistas: completamente diferente/20%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 30?/30?
Condição: enxaqueca (“terapia-resistente”)
Demográficos: idade media 39 anos; 77% mulheres
Local: impreciso, Alemanha
Tempo de início das dores de cabeça: > 2 anos (critério de inclusão); 23/30 > 10 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: Extra 2, GB2, TE5
Informação do acupunturista: n = 1; anestesiologista treinado em acupuntura
Foi alcançado o DeChi: sem informação
Número de sessões de tratamento: 10
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana?
Controle 1: lista de espera
Controle 2: programa de tratamento biocomportamental psicológico

Resultados
Método para medida de resultado: diário
Razões dos entrevistados: não mencionada
Freqüência: diminuída em 24% (acup) vs. 10% (lista de espera) vs. 43% (psicológico) após tratamento
e em 32% (acup) vs. 38% (psicológico) no acompanhamento
Intensidade: medida apenas por dias com uma intensidade definida
Duração: não mencionada
Medicação: número pesado de drogas 10.2 (acup) vs. 9.9 (lista de espera) vs. 1.8 (psicológico) após
tratamento e 8.2 (acup) vs. 1.6 (psicológico) no acompanhamento

Anotações
Conclusão do autor: tratamento psicológico é melhor (tendência) que a acupuntura que é melhor
(tendência) que a lista de espera
Conclusão dos revisores: tratamento psicológico é melhor (tendência) que a acupuntura que é melhor
(tendência) que a lista de espera
Comentários: tamanho de amostra muito pequeno; sem informação sobre se houve
desistências/retiradas

Ocultação da alocação
B

Estudo
Dowson 1985
30

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: envelope fechado
Cegueira: pacientes
Desistências/retiradas: maior probabilidade improvável
Período de observação: linha de base 4 semanas; tratamento 6 semanas; acompanhamento 24
semanas
Pontuações de qualidade: Jadad: 2-0-0; IVS: 1-0.5-0.5-0.5-0-0.5
Avaliação do acupunturista: informação insuficiente para uma avaliação

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 48/39
Condição: enxaqueca, dores de cabeça do tipo enxaqueca
Demográficos: idade media 39 anos; 83% mulheres
Local: prática, Reino Unido
Tempo de início da dores de cabeça: pelo menos 1 ano

Intervenções
Pontos de acupuntura: seleção do ponto de acordo com a localização da dor (modificado após 2-3
sessões se não houvesse resposta)
Sem informação sobre os acupunturistas
Foi alcançado o DeChi?: sim
Número de sessões de tratamento: 6
Freqüência das sessões: 1/semana
Intervenção controle: estimulação nervosa transcutânea falsa

Resultados
Método de medida de resultado: diário, mas apenas a apresentação dos dados divididos (33% de
melhora interpretada como uma resposta positiva)
Razões dos entrevistados: não mensuradas
Freqüência: 11/25 dos entrevistados (acup) vs. 13/23 (placebo)
Intensidade: 14/25 dos entrevistados (acup) vs. 7/23 (placebo)
Duração: não apresentada
Medicação: não apresentada

Anotações
Conclusão do autor: na melhor das hipóteses, a acupuntura é levemente melhor
Conclusão dos revisores: na melhor das hipóteses, a acupuntura é levemente melhor
Comentários: apresentação insuficiente dos resultados (sem dados do acompanhamento no total);
método incomum (provavelmente não muito sensitivo) de análise; os pacientes provavelmente não
foram totalmente informados sobre o uso do placebo

Ocultação da alocação
A

Estudo
Gao 1999

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: não cego
Desistências/retiradas: impreciso
Período de observação: sem linha de base; acompanhamento de 12 meses
Escalas de qualidade: Jadad: 1-0-0; IV: 1-0-0-0-0-0
Avaliação do acupunturista: exatamente da mesma forma/95%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 64?/64
31

Condição: enxaqueca
Demográficos: idade variava de 15-58 anos; 72% mulheres
Local: impreciso, China
Tempo de início das dores de cabeça: 1 mês - 15 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: seleção dos pontos de acordo com a tradicional medicina Chinesa
Sem informação sobre os acupunturistas
Foi alcançado o De Chi? Sem informação
Número de sessões de tratamento: 1-3 cursos de 10 sessões
Freqüência das sessões de tratamento: 4-5/semana
Intervenção controle: a tradicional medicina Chinesa de composição imprecisa, ergotamina para
ataques agudos.

Resultados
Método para medida do resultado: impreciso
Razões dos entrevistados: após 1 ano, 24/32 (acup) vs. 11/32 (controle) 'curados' (= sintomas
desaparecem completamente sem recorrência por 1 ano) e adicional 6 (acup) vs. 9 (controle)
'melhorados'
Sem informação de freqüência, intensidade, duração ou medicação.

Anotações
Conclusão do autor: a acupuntura é estatisticamente significativamente superior
Conclusão dos revisores: a acupuntura é estatisticamente significativamente superior
Comentários: estudo relatado insuficientemente, proporção de “curas” é difícil de acreditar

Ocultação da alocação
B

Estudo
Hansen 1985

Métodos
Distribuição: randomizada cross-over
Ocultação: imprecisa
Cegueira: pacientes e investigador de coleta de dados
Desistências/retiradas: 7 dos 25 pacientes foram excluídos antes do código ser quebrado
(probabilidade possível mas não provável)
Período de observação: linha de base 3 semanas; tratamento 3 semanas; intervalo 3 semanas;
tratamento 3 semanas; pós-tratamento 3 semanas
Escalas de qualidade: Jadad: 1-1-1; IVS: 1-0-0.5-1-1-0.5
Avaliação do acupunturista: similarmente/70%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 25/18
Condição: dor de cabeça de tensão crônica
Demográficos: idade media de 36 anos; 67% mulheres
Local: departamento neurológico universitário de pacientes externos, Denmark
Tempo de início das dores de cabeça: 1.5-60 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: agulhas bilateralmente GB 20, LI 4, BL 60
Sem informação sobre os acupunturistas
Foi alcançado o DeChi?: sim
Número de sessões de tratamento: 6 (15 minutos cada)
Freqüência das sessões de tratamento: 2/semana
Intervenção controle: acupuntura placebo perto dos pontos verdadeiros (profundidade de 2-4 mm)

Resultados
Método de medida do resultado: diário (um índice de dor de cabeça para cada fase foi calculado)
32

Razões dos entrevistados (pelo menos 33% diminuiu no índice de dor de cabeça) calculadas de dados
de pacientes individuais para o período pré-cross-over: 4/9 (acup) vs. 2/9 (placebo)
Índice de redução de dor de cabeça comparado à linha de base: 31% (acup) vs. 21% (placebo; p <
0.05)
Sem informação de freqüência, intensidade, duração ou medicação.

Anotações
Conclusão do autor: acupuntura significativamente melhor
Conclusão dos revisores: acupuntura significativamente melhor
Comentários: medida de resultado pobre; sem uma lista explícita dos critérios de inclusão; cegueira
verossímil; os pacientes não foram informados sobre o uso do placebo; relevância clínica limitada
devido à curta duração.

Ocultação da alocação
B

Estudo
Henry 1986

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: paciente, neurologista avaliador
Desistências/retiradas: maior probabilidade improvável (pelo menos até o final da fase de tratamento)
Período de observação: linha de base imprecisa; tratamento provavelmente 3 meses?
Acompanhamento de 3 meses após a terapia (Segundo acompanhamento após 6 meses) Pontuações
de qualidade: Jadad: 1-2-0; IVS: 1-0-1-1-1-0
Avaliação do acupunturista: diferentemente/45%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 30/26
Condição: enxaqueca (Ad Hoc)
Demográficos: idade media de 34 anos; 73% mulheres
Local: impreciso, França
Tempo de início das dores de cabeça: 12.6 +/- 1.5 anos (placebo: 13.8 +/- 10.6)

Intervenções
Pontos de acupuntura: LI 4, ST36, BL 2, BL 10, BL 60, LR3 agulhas com eletroestimulação
Informação sobre o acupunturista: n = 1, sem informação adicional
Foi alcançado o DeChi?: sem informação
Número de sessões de tratamento: 8 sessões de 30 minutos cada
Freqüência das sessões de tratamento: 6x uma/semana, 2x uma/mês
intervenção controle: agulhas secas 1 cm distantes dos pontos usados no grupo de acupuntura
(mesmos metâmeros)

Resultados
Método de medida do resultado: índice de enxaqueca, avaliações globais (após 3 meses) Razões dos
entrevistados: 11/20 (acup) vs. 3/10 (placebo)
Freqüência: 12/20 (acup) vs. 3/10 (placebo) melhor
Intensidade: 11/20 (acup) vs. 2/10 melhor
Duração: 8/20 (acup) vs. 4/20 melhor
Medicação: 7/20 (acup) vs. 4/10 melhor

Anotações
Conclusão do autor: tendência a favor da acupuntura
Conclusão dos revisores: tendência a favor da acupuntura
Comentários: sem uso de diário; muitas perdas de acompanhamento, portanto os dados do
acompanhamento não são interpretáveis.

Ocultação da alocação
33

Estudo
Hesse 1994

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: pacientes e avaliadores
Desistências/retiradas: probabilidade improvável
Período de observação: linha de base 4 semanas; tratamento 17 semanas; sem acompanhamento
Escalas de qualidade: Jadad: 1-1-1; IVS: 1-0-1-0.5-1-0.5
Avaliação dos acupunturistas: completamente diferente/50%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 85/77
Condição: enxaqueca com ou sem aura (IHS)
Demográficos: idade media de 45 anos; 84% mulheres
Local: clínica de dor para pacientes externos em Denmark
Tempo desde o início das dores de cabeça: média de 23 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: agulhas individuais nos trigger points mais sensíveis e placas placebo.
Informação sobre os acupunturistas: n = 1, sem informação adicional
Foi alcançado o DeChi?: sem informação
Número de sessões de tratamento: individualizadas
Duração das sessões de tratamento: agulhas por apenas poucos segundos
Intervenção controle: beta bloqueador metaprolol e estimulação placebo (toque com final brusco da
agulha)

Resultados
Método de medida do resultado: diário
Razões dos entrevistados: não mencionadas
Freqüência: ambos os grupos com redução significante; 0.7 (95% CI, -1.6 a 2.7) mais ataques no
grupo de acupuntura
Intensidade: razão global de ataques de enxaqueca 0.3 (95% CI, 0.1 a 0.5) melhor em relação ao
grupo metoprolol
Duração: ataques de 2.4 horas (95% CI, -1.8 a 6.5 horas) mais longos que o grupo de acupuntura
Medicação: não mencionada
Efeitos colaterais: 3 (acup) vs. 18 (metaprolol)

Anotações
Conclusão do autor: a acupuntura é equipotente ao metaprolol
Conclusão dos revisores: tendência em favor do metaprolol (eficácia; menos efeitos colaterais com a
acupuntura).
Comentários: ensaio rigoroso; o procedimento de acupuntura placebo possivelmente distinguível;
técnica incomum de acupuntura).

Ocultação da alocação
B

Estudo
Heydenreich 1989a

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: pacientes?
Desistências/retiradas: impreciso
Período de observação: linha de base 8 semanas; tratamento 12 semanas; acompanhamento de 6
34

meses.
Pontuações de qualidade: Jadad: 1-0-0; IVS: 1-0-1-0-0-0
Avaliação do acupunturista: informação insuficiente para uma avaliação

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 40?/40?
Condição: enxaqueca
Demográficos: idade media de 41 anos; 90% mulheres
Local: departamento de pacientes externos, hospital universitário, Alemanha Oriental
Tempo desde o início das dores de cabeça: média de 18.5 anos (controle: 16.6)

Intervenções
Pontos de acupuntura: PuTens (estimulação nervosa elétrica transcutânea em pontos de acupuntura)
principalmente em LR3, KI6, SP6, ST36 ou 44, BL60 ou 62, LU7, P6, TE5, LI4, SI3, pontos de dor
local.
Sem informação sobre os acupunturistas
Foi alcançado o DeChi?: sem informação
Número de sessões de tratamento: 12 sessões de 20 a 30 minutos cada
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: placebo 3 cm distante dos pontos verdadeiros.

Resultados
Método para medida do resultado: diário?, apenas dados do acompanhamento apresentados
Razões dos entrevistados: 16/20 (acup) vs. 3/20 (placebo)
Freqüência: 81% (acup) vs. 25% (placebo) redução
Intensidade: 39% (acup) vs. 8% placebo) redução
Duração: não mencionada
Medicação: não relatada

Anotações
Conclusão do autor: PuTens significativamente melhor
Conclusão dos revisores: PuTens significativamente melhor
Comentários: falta de detalhes na apresentação torna uma avaliação da qualidade do estudo quase
impossível – dúvidas parecem justificadas.

Ocultação da alocação
B

Estudo
Heydenreich 1989b

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: não cego
Desistências/retiradas: impreciso
Período de observação: linha de base 8 semanas; 3 a 4 meses de tratamento; 8 meses de
acompanhamento
pontuações de qualidade: Jadad: 1-0-0; IVS: 1-0-1-0-0-0
Avaliação do acupunturista: exatamente da mesma maneira/90%

Participantes
Número de participantes incluídos/analisados: 150?/150?
Condição: enxaqueca
Demográficos: idade media de 39 anos; 84% mulheres
Local: departamento neurológico de pacientes externos, hospital universitário, Alemanha Oriental
Tempo desde o começo das dores de cabeça: média de 15 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura (grupo 1): agulhas em principalmente LR3, KI6, SP6, ST36 ou 44, BL60 ou 62,
35

LU7, P6, TE5, LI4, SI3 e pontos dolorosos locais (acup)


Pontos de acupuntura (grupo 2): estimulação nervosa transcutânea nos mesmos pontos (Pu-Tens)
Sem informação sobre os acupunturistas
Foi alcançado o DeChi (grupo 1)?: sem informação
Número de sessões de tratamento: 12 a 16 sessões (duração das sessões imprecisa)
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: iprazocrom e dihidroergotocinmesilate por 3 a 6 meses

Resultados
Método de medida do resultado: impreciso
Razões dos entrevistados: 38/50 (acup) vs. 42/50 (Pu-Tens) vs. 10/50 (grupo de medicação)
Freqüência: redução em 80% (acup) vs. 76% (Pu-Tens) vs. 38% (grupo de medicação)
Intensidade: redução em 45% (acup) vs. 44% (Pu-Tens) vs. 15% (grupo de medicação)
Duração: não mencionada
Medicação: redução em 76% (acup) vs. 79% (Pu-Tens) vs. 41% (grupo de medicação)

Anotações
Conclusão do aturo: a acupuntura e o Pu-Tens são significativamente melhores que a medicação
testada
Conclusão dos revisores: a acupuntura e o Pu-Tens são significativamente melhores que a medicação
testada
Comentários: estudo insuficientemente relatado de validade duvidosa; sem informação sobre se houve
alguma perda no acompanhamento; resultados extremamente positivos para a acupuntura e o Pu-
Tens.

Ocultação da alocação
B

Estudo
Ho 1999

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: pacientes e terapeutas
Desistências/retiradas: sem informação
Período de observação: linha de base 6 semanas; tratamento 8 semanas; acompanhamento 3 meses
Escalas de qualidade: Jadad: 1-2-0; IVS: 1-0-1-1-0.5-0
Avaliação do acupunturista: exatamente do mesmo modo/85%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 52/52
Condição: enxaqueca (IHS)
Demográficos: idade media de 38 anos; 81% mulheres
Local: departamento de dor de pacientes externos de um hospital universitário na Alemanha
Tempo desde o início das dores de cabeça: média de 18 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: acupuntura laser em pontos escolhidos de acordo com a tradicional medicina
Chinesa
Sem informação sobre os acupunturistas
Número de sessões de tratamento: 8 (15 minutos cada)
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
intervenção controle: acupuntura laser placebo (dispositivo emitindo apenas luz controle)

Resultados
Método de medida do resultado: diário (dados apresentados principalmente como uma razão do
entrevistado por uma análise tempo-séries)
Razões dos entrevistados: após o tratamento 5/25 (acup) vs. 1/27 (placebo); no acompanhamento
9/25 vs. 4/27
36

Sem informações de freqüência, intensidade, duração ou medicação.


Outros: sem efeitos nos parâmetros eletropsicológicos (variação de contingente negativo e
catecolaminas)

Anotações
Conclusão do autor: tendência em favor da acupuntura laser verdadeira
Conclusão dos revisores: tendência em favor da acupuntura laser verdadeira
Comentários: provavelmente rigoroso, mas insuficientemente relatado (apesar da publicação dupla);
sem informação sobre se houve desistências/retiradas.

Ocultação da alocação
B

Estudo
Johansson 1976

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: pacientes, avaliadores
Desistências/retiradas: sem informação
Período de observação: período de observação total de 8 semanas (sem informações adicionais)
Escalas de qualidade: Jadad: 1-1-0; IVS: 1-0-0-0.5-0.5-0
Avaliação do acupunturista: informação insuficiente para uma avaliação

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 33?/33?
Condição: dor de cabeça de tensão
Demográficos: sem informação
Local: escola de medicina, Suíça
Tempo desde o começo das dores de cabeça: sem informação

Intervenções
Pontos de acupuntura: sem informação
Informação sobre o acupunturista: n = 1, 'totalmente treinado e especialista experiente'
Foi alcançado o DeChi?: sem informação
Número de sessões de tratamento: sem informação
Freqüência da sessões de tratamento: sem informação
Intervenção controle: ponto placebo a 1 cm distante dos pontos verdadeiros

Resultados
Método de medida do resultado: impreciso
Sem dados numéricos apresentados

Anotações
Conclusão do autor: a acupuntura verdadeira é estatisticamente superior
Conclusão dos revisores: impossível de avaliar
Comentários: apenas uma apresentação muito curta disponível; detalhes insuficientes torna a extração
e a avaliação impossíveis.

Ocultação da alocação
B

Estudo
Kubiena 1992

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: pacientes
37

Desistências/retiradas: desistência extrema (já mais cedo no ensaio)


Período de observação: linha de base 6 semanas; tratamento 6 semanas; acompanhamento 2 anos
Pontuações de qualidade: Jadad: 2-1-0; IVS: 1-0-0-1-0.5-0
Avaliação do acupunturista: informação insuficiente para uma avaliação

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 30/18 (no final do tratamento)
Condição: enxaqueca (IHS)
Demográficos: idade media de 40 anos; 97% mulheres
Local: clínica de acupuntura de pacientes externos na Áustria
Tempo desde o início das dores de cabeça: > 1 ano

Intervenções
Pontos de acupuntura: 4-5 locais e 4-5 pontos distantes (escolhidos de acordo com a escola de
Vienna)
Informação dos acupunturistas: pelo menos 2 acupunturistas; sem informação adicional
Foi alcançado o DeChi?: sem informação
Número de sessões de tratamento: 10-15
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: pontos 1.5-2 cm distantes dos pontos de acupuntura

Resultados
Método para medida do resultado: diário
Razões dos entrevistados: 3/7 de 15 originalmente randomizados a acupuntura) vs. 4/11 (de 15
originalmente randomizados ao placebo)
Dados de freqüência, intensidade, duração e medicação sem interpretação devido ao alto número de
desistências

Anotações
Conclusão do autor: tendência em favor da acupuntura
Conclusão dos revisores: sem interpretação
Comentários: estudo ambicioso relata sinceramente seus maiores problemas logísticos; sem
interpretação devido aos problema de perda de dados.

Ocultação da alocação
B

Estudo
Lavies 1998

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: pacientes e terapeuta
Desistências/retiradas: impreciso
Período de observação: linha de base 6 semanas; tratamento 6 semanas; acompanhamento 6
semanas, então o cross-over
Pontuações de qualidade: Jadad: 2-2-0; IVS: 1-0-0-1-0.5-0
Avaliação dos acupunturistas: informação insuficiente para uma avaliação

Participanets
Número de pacientes incluídos/analisados: 12?/12?
Condição: enxaqueca e/ou dor de cabeça do tipo tensão
Demográficos: sem informação
Local: impreciso, Reino Unido
Tempo desde o início das dores de cabeça: sem informação

Intervenções
Pontos de acupuntura: acupuntura laser (Alfalaser) em LR3, ST36, LI4, GB20
Informação sobre o acupunturista: n = 1
38

Número de sessões de tratamento: 6


Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: acupuntura laser placebo nos mesmos pontos

Resultados
Método para avaliação do resultado: diário
Razões doa entrevistados: não mencionadas
Freqüência: dados sem interpretação devido às grande diferenças de linha de base
Sem informação de intensidade, duração ou medicação
Índice de dor de cabeça: sem interpretação devido às grande diferenças de linha de base

Anotações
Conclusão do autor: sem diferença entre a acupuntura laser verdadeira e placebo
Conclusão dos revisores: os resultados sugerem não haver diferenças
Comentários: grande diferenças de linha de base tornam uma interpretação muito difícil; relatos
insuficientes.

Ocultação da alocação
C

Estudo
Lehmann 1991

Métodos
Distribuição: randomizada
ocultação: imprecisa
Cegueira: não cego
Desistências/retiradas: impreciso
Período de observação: linha de base 3 meses; tratamento 3 meses; acompanhamento 12 meses
pontuações de qualidade: Jadad: 1-0-0; IVS: 1-0-0-0-0-0
Avaliação do acupunturista: informação insuficiente para uma avaliação

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 63?/63?
Condição: enxaqueca com ou sem aura
Demográficos: idade media de 45 anos; 65% mulheres
Local: impreciso, Alemanha oriental
Tempo desde o início das dores de cabeça: > 10 anos

Intervenções
Acupuntura (grupo 1): acupuntura com agulhas (acup); sem informação dos pontos
Acupuntura (grupo 2): eletroacupuntura (e-acup); sem informação dos pontos
sem informação sobre os acupunturistas
Foi alcançado o DeChi: sem informação
Número de sessões de tratamento: 12 sessões com 20 minutos (acup) de estimulação,
respectivamente 1 minuto por ponto (e-acup)
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: Propanolol 75-150 mg/d

Resultados
Método de medida do resultado: diário
Razão do entrevistado: não mencionada
Freqüência: 7 (acup) vs. 5 (e-acup) vs. 18 (propanolol) dias com dor de cabeça
Intensidade: 54% (acup) vs. 72% (e-acup) vs. 8% (propanolol) redução
Duração: não relatada
Medicação: 78% (acup) vs. 81% (e-acup) vs. < 50% (propanolol) redução
Outros: acupuntura e e-acupuntura significativamente melhores para dias perdidos de trabalho

Anotações
Conclusão do autor: acupuntura significativamente melhor
39

Conclusão dos revisores: acupuntura significativamente melhor


Comentários: estudo relatado insuficientemente com validade questionável (relato inconsistente sobre
os procedimentos em caso de falta de resposta; alegaram resultados extremamente positivos; o
diagnóstico de enxaqueca dificilmente é compatível com uma média de 22 dias por mês com dor de
cabeça; sem relatos das desistências em um estudo durando 18 meses)

Ocultação da alocação
B

Estudo
Loh 1984

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: não cego
Desistências/retiradas: maior probabilidade improvável
Período de observação: 3 meses ( com um cross-over opcional após 3 meses)
Escalas de qualidade: Jadad: 1-0-0; IVS: 1-0-0-0-0-0.5
Avaliação do acupunturista: diferentemente/35%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 55/48
Condição: enxaqueca, dor de cabeça do tipo tensão, ambas as formas misturadas
Demográficos: idade media de 42 anos; 69% mulheres
Local: departamento de pacientes externos de um hospital no Reino Unido
Tempo desde o início das dores de cabeça: média de 19 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: agulhadas fortes e breves em pontos locais no pescoço e região temporal da
cabeça (GB 20 e 21 em quase todos os pacientes) e pontos distais (freqüentemente incluindo LI4 e
LR3). Mínimo de 6 pontos freqüentemente tratados (não foi permitida medicação profilática para
enxaqueca).
Informação sobre os acupunturistas: n = 2; sem informação adicional
Foi alcançado o DeChi?: sim
Número de sessões de tratamento: sem informação
Freqüência das sessões de tratamento: sem informação
Intervenção controle: medicação individualizada (principalmente propanolol)

Resultados
Método de medida do resultado: diário
Razões dos entrevistados: 8/23 (acup) vs. 4/25 (medicação)
Sem informação sobre freqüência, intensidade, duração ou medicação
Outros: 11/23 pacientes no grupo de acupuntura mudaram par o de medicação após 3 meses,
enquanto que 18/25 pacientes no grupo de medicação mudaram para o de acupuntura.

Anotações
Conclusão do autor: tendência em favor da acupuntura
Conclusão dos revisores: tendência em favor da acupuntura
Comentários: estratégia de escolha da medicação imprecisa; apenas avaliações globais apresentadas;
resposta positiva a acupuntura mais provável em pacientes com pontos dolorosos locais.

Ocultação da alocação
B

Estudo
Pintov 1997

Métodos
40

Distribuição: provavelmente alternação


Ocultação: provavelmente inadequada
Cegueira: pacientes e enfermeiras coletando questionários
Desistências/retiradas: sem resistências ou retiradas
Período de observação: linha de base 10 semanas; tratamento 10 semanas; acompanhamento 10
semanas
Escalas de qualidade: Jadad: 0-1-1; IVS: 0-0-0-0.5-0.5-1
Avaliação do acupunturista: informação insuficiente par uma avaliação

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 22/22
Condição: enxaqueca (critério de Prensky, sem tratamento profilático)
Demográficos: idade de 7 a 15 anos; 58% mulheres
Local: clínica pediátrica em um centro médico em Israel
Tempo desde o início das dores de cabeça: > 6 meses (critério de inclusão)

Intervenções
Pontos de acupuntura: escolhidos individualmente, três agulhas nas extremidades superiors e três nas
inferiores
Sem informação sobre o acupunturista
Foi alcançado o DeChi?: sem informação
Número de sessões de tapamento: 10
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: agulhas superficiais

Resultados
Método para medida do resultado: diário, apenas valores relatados pós-tratamento
Razões dos entrevistados: não mensuradas
Freqüência: 1.4 +/- 0.6 dias (acup) vs. 9.3 +/- 1.5 dias (placebo)
Intensidade: 3.3 +/- 1.0 (acup) vs. 6.2 +/- 0.4 (placebo) na EAV
Duração: não relatada
Medicação: não relatada

Anotações
Conclusão do autor: a acupuntura é melhor (significativamente)
Conclusão dos revisores: a acupuntura é melhor (significativamente)
Comentários: não realmente randomizado; descrição insuficiente da acupuntura; resultados
extremamente positivos; pequenos desvios padrão preocupam.

Ocultação da alocação
C

Estudo
Shi 2000

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: pacientes
Desistências/retiradas: impreciso
Período de observação: sem linha de base; 5-6 semanas de tratamento; 6 meses de
acompanhamento
pontuações de qualidade: Jadad: 1-0-0; IVS: 1-0-1-0.5-0-0
Avaliação do acupunturista: similarmente/80%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 34?/34?
Condição: “dor de cabeça crônica”
Demográficos: idade media de 46 anos; 74% mulheres
Local: departamento universitário de pacientes externos, Alemanha
41

Tempo desde o início das dores de cabeça: 5-20 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: escolhidos individualmente de acordo com princípios da medicina tradicional
Chinesa.
Informação sobre o acupunturista: n = 1, qualificado na medicina tradicional Chinesa.
Foi alcançado o DeChi?: sim
Número de sessões de tratamento: 10-12, no máximo. 25 minutos cada
Freqüência das sessões de tratamento: 2/semana
intervenção controle: acupuntura laser placebo (dispositivo desligado)

Resultados
Método de medida do resultado: medida dos pontos
Razão do entrevistado: não mencionada
Freqüência: não mensurada
Intensidade: após o tratamento 3.1 +/- 2.8 (acup) vs. 6.0 +/- 2.0 (placebo); em 6 meses 5.5 +/- 2.2 vs.
6.8 +/- 2.0
Duração: não mensurada
Medicação: em 6 meses admissão regular em 0/17 (acup) vs. 10/17 (placebo) pacientes
Outros: a acupuntura foi melhor para o índice de incapacidade de dor, lista de reclamações e
atividades da vida diária.

Anotações
Conclusão do autor: a acupuntura é melhor (significativamente)
Conclusão dos revisores: a acupuntura é melhor (significativamente)
Comentários: as razões do diagnóstico de dor de cabeça não são relatadas; não foi usado diário; boa
apresentação dos resultados, mas sem apresentação de estatística entre-grupos

Ocultação da alocação
B

Estudo
Tavola 1992

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: imprecisa
Cegueira: pacientes e medico coletor de dados
Desistências/retiradas: nenhuma
Período de observação: linha de base 4 semanas; tratamento 8 semanas; acompanhamento 12 meses
Escalas de qualidade: Jadad: 1-1-1; IVS: 1-0-1-1-1-1
Avaliação do acupunturista: exatamente do mesmo modo/80%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 30/30
Condição: dor de cabeça do tipo tensão (Ad Hoc)
Demográficos: idade media de 33 anos; 87% mulheres
Local: departamento de dor de cabeça de pacientes externos de um hospital universitário na Itália
Tempo desde o início das dores de cabeça: média de 8 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: individualizados de acordo com a tradicional medicina Chinesa, possibilidade
de mudar os pontos
Informação sobre o acupunturista: n = 1
Foi alcançado o DeChi: sim
Número de sessões de tratamento: 8 (20 minutos cada)
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: placebo (pontos de não-acupuntura nas mesmas regiões)

Resultados
42

Método para medida do resultado: diário


Razões dos entrevistados: 13/15 (acup) vs. 9/15 (placebo)
Freqüência: diminuída 44% (acup) vs. 21% (placebo)
Intensidade: não relatada
Duração: não relatada
Medicação: diminuída 58% (acup) vs. 22% (placebo)

Anotações
Conclusão do autor: a acupuntura não é diferente do placebo
Conclusão dos revisores: a acupuntura é melhor (tendência) que o placebo
Comentários: ensaio rigoroso; a acupuntura parece ser claramente melhor em todos os resultados,
mas a maioria das diferenças não são estatisticamente significantes; conclusões surpreendentemente
negativas.

Ocultação da alocação
B

Estudo
Vincent 1989

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: envelopes fechados (informação do autor)
Cegueira: pacientes
Desistências/retiradas: probabilidade pouco provável
Período de observação: linha de base 4 semanas; tratamento 6 semanas; acompanhamento 6
semanas, 4 meses, e 1 ano
Pontuações de qualidade: Jadad: 1-0-0; IVS: 1-0-1-1-0-1
Avaliação do acupunturista: similarmente/75%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 32/30 (6-semanas de acompanhamento)/26 (1-ano de
acompanhamento)
Condição: enxaqueca comum ou clássica
Demográficos: média de 37 anos; 84% mulheres
Local: departamento universitário de pacientes externos, Reino Unido
Tempo de início das dores de cabeça: média de 20 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: pontos clássicos escolhidos individualmente pela sensibilidade; 8 pontos
usados no mesmo local e distância
Sem informação sobre os acupunturista
Foi alcançado o DeChi: sem informação
Número de sessões de tratamento: 6 sessões de 15 minutos cada
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção do grupo controle: apenas agulhas superficiais, 2-3 cm dos pontos clássicos

Resultados
Método de medida de resultado: diário
Razões dos entrevistados (pelo menos 33% de redução da linha de base dos dias de dor de cabeça
vs. últimas 4 semanas de acompanhamento precoce) re-calculados dos dados individuais dos
pacientes: 7/15 (acup) vs. 6/15 (placebo)
Freqüência: 3.7 (acup) vs. 3.5 (placebo) dias livres de dor após o tratamento e 4.3 vs. 4.2 no
acompanhamento.
Intensidade: pontuação de dor 18.8 (acup) vs. 27.9 (placebo) após o tratamento e 15.7 vs. 23.6 no
acompanhamento.
Duração: não relatada
Medicação: pontuação de medicação de 6.7 (acup) vs. 9.1 (placebo) após o tratamento e 6.6 vs. 7.6
no acompanhamento.
43

Anotações
Conclusão do autor: a acupuntura é significativamente melhor
Conclusão dos revisores: a acupuntura é significativamente melhor
Comentários: maior efeito em intensidade, mas sem efeitos relevantes nos dias livres de dor;
credibilidade da cegueira testada; ensaio rigoroso; autor forneceu dados individuais dos pacientes.

Ocultação da alocação
A

Estudo
Weinschütz 1993

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: impreciso
Cegueira: pacientes
Desistências/retiradas: impreciso
Período de observação: linha de base 6 semanas; tratamento 8 semanas; acompanhamento de 12
meses
Pontuações de qualidade: Jadad: 1-0-0; IVS: 1-0-0.5-0.5-0-0
Avaliação do acupunturista: exatamente do mesmo modo/95%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 40?/40?
Condição: enxaqueca com ou sem aura (IHS)
Demográficos: idade media de 41 anos; 90% mulheres
Local: departamento de dor de pacientes externos de um hospital universitário, Alemanha Tempo
desde o início das dores de cabeça: média de 18 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: mais de 10 pontos escolhidos de acordo com a localização da dor e
modalidades
Informação sobre o acupunturista: n = 1, experiente e qualificado
Foi alcançado o DeChi: sim
Número de sessões de tratamento: 8 sessões de 15 minutos cada
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: acupuntura placebo (agulha superficial 1-2 cm distante dos pontos verdadeiros)

Resultados
Método de medida do resultado: diário (dados principalmente apresentados como razão avaliada do
entrevistado por uma análise tempo-séries)
Razões do entrevistado: 13/20 (acup) vs. 8/20 (placebo) (principal medida de resultado pré-definida
como número de ataques)
Freqüência: 10/20 (acup) vs. 3/20 (placebo) entrevistado após o tratamento e 13/20 vs. 8/20 no
acompanhamento; reduções médias de 37% vs. 26% (após o tratamento) e 45% vs. 40%
(acompanhamento)
Intensidade: não relatada
Duração: 11/20 (acup) vs. 3/20 (placebo) entrevistados após o tratamento e 11/20 vs. 7/20 no
acompanhamento
Medicação: não relatada

Anotações
Conclusão do autor: tendência em favor da acupuntura
Conclusão dos revisores: tendência em favor da acupuntura
Comentários: provavelmente rigoroso, mas insuficientemente relatado (apesar das múltiplas
publicações); sem informação sobre se houve desistências/retiradas.

Ocultação da alocação
B
44

Estudo
Weinschütz 1994

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: impreciso
Cegueira: pacientes
Desistências/retiradas: impreciso
Período de observação: linha de base 6 semanas; tratamento 8 semanas; acompanhamento 12 meses
Escalas de qualidade: Jadad: 1-0-0; IVS: 1-0-0.5-0.5-0-0
Avaliação do acupunturista: exatamente do mesmo modo/95%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 41?/41?
Condição: enxaqueca com ou sem aura (IHS)
Demográficos: idade media de 38 anos; 90% mulheres
Local: departamento de dor de pacientes externos de um hospital universitário, Alemanha
Tempo desde o início das dores de cabeça: média de 18 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: mais de 10 pontos escolhidos de acordo com a localização da dor e
modalidades
Informação sobre o acupunturista: n = 1, experiente e qualificado
Foi alcançado o DeChi?: sim
Número de sessões de tratamento: 8 sessões de 15 minutos cada
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: acupuntura placebo (agulha superficial 1-2 cm distante dos pontos verdadeiros)

Resultados
Método de medida do resultado: diário (dados principalmente apresentados como razão avaliada do
entrevistado por uma análise tempo-séries)
Razões do entrevistado: 15/20 (acup) vs. 8/21 (placebo)
Freqüência: 9/20 (acup) vs. 1/21 (placebo) entrevistado após o tratamento e 15/20 vs. 8/21 no
acompanhamento; reduções médias de 45% vs. 20% (após o tratamento) e 51% vs. 31%
(acompanhamento)
Intensidade: não relatada
Duração: 9/20 (acup) vs. 3/21 (placebo) entrevistados após o tratamento e 11/20 vs. 6/21 no
acompanhamento
Medicação: não relatada

Anotações
Conclusão do autor: a acupuntura é significativamente melhor
Conclusão dos revisores: a acupuntura é significativamente melhor
Comentários: provavelmente rigoroso, mas insuficientemente relatado (apesar das múltiplas
publicações); sem informação sobre se houve desistências/retiradas; replicação de Weinschütz 1993
(com agulhas adicionais nos pontos do pé)

Ocultação da alocação
B

Estudo
White 1996

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: randomização central (chamada telefônica)
Cegueira: pacientes e avaliador
Desistências/retiradas: probabilidade pouco provável
Período de observação: linha de base 3 semanas; tratamento 6 semanas; acompanhamento 3
semanas
45

Escalas de qualidade: Jadad: 2-2-1; IVS: 1-1-0-1-1-0.5


Avaliação do acupunturista: similarmente/25%

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 10/9
Condição: dor de cabeça do tipo tensão (IHS)
Demográficos: idade media de 57 anos; 8 mulheres
Local: impreciso, Reino Unido
Tempo desde o início das dores de cabeça: 32 e 36 anos em média

Intervenções
Pontos de acupuntura: 2 a 6 pontos locais, LI4
Informação do acupunturista: n = 1, GP 'que recentemente fez um curso básico de acupuntura'
Foi alcançado o DeChi: provavelmente na maioria dos casos
Número de sessões de tratamento: 6
Freqüência das sessões de tratamento: 1/semana
Intervenção controle: acupuntura placebo (tubo guia de plástico e bastão de cocktail em 4 regiões do
corpo sem conhecimento dos pontos de acupuntura)

Resultados
Método de medida do resultado: diário com intensidade, duração e medicação. Questões de cegueira

Anotações
Comentários: este estudo piloto metodologicamente rigoroso não é interpretável devido ás diferenças
relevantes de linha de base; mais semanas livres de dor no grupo da acupuntura.

Ocultação da alocação
A

Estudo
Wylie 1997

Métodos
Distribuição: randomizada
Ocultação: impreciso
Cegueira: cuidado pós-tratamento
Desistências/retiradas: impreciso
Período de observação: linha de base 4 semanas; tratamento/acompanhamento imprecisos
Escalas de qualidade: Jadad: 1-0-0; IVS: 1-0-0-0-0-0
Avaliação do acupunturista: informação insuficiente para uma avaliação

Participantes
Número de pacientes incluídos/analisados: 67/?
Condição: 27 enxaquecas ou enxaqueca + dor de cabeça do tipo tensão, 40 dores de cabeça do tipo
tensão (IHS)
Demográficos: idade média de 38 anos; 67% mulheres
Local: departamento de dor de cabeça de pacientes externos, Reino Unido
Tempo desde o início das dores de cabeça: média de 10 anos

Intervenções
Pontos de acupuntura: escolhidos individualmente de acordo com a tradicional medicina Chinesa
Sem informação sobre o acupunturista
Foi alcançado o DeChi: sem informação
Número de sessões de tratamento: 6
Freqüência das sessões de tratamento: impreciso
Intervenção controle: massagem e relaxamento

Resultados
Método de medida do resultado: diário
Razões do entrevistado: não mencionadas
46

Freqüência: número médio de ataques de enxaqueca sofridos 1.7 (acup) vs. 2.7 (controle)
Sem informação de intensidade, duração ou medicação
Índice de dor de cabeça: enxaqueca 9.2 (acup) vs. 19.3 (controle); tipo-tensão 16.8 (acup) vs. 6.2
(controle)
Outros: um número de instrumentos foi usado para identificar fatores psicológicos predisponentes a
resposta (nenhum identificado convincentemente)

Anotações
Conclusão do autor: massagem + relaxamento significativamente melhor
Conclusão dos revisores: os resultados parecem diferir consideravelmente entre os subgrupos: no
enxaqueca, resultados a favor da acupuntura; no dor de cabeça do tipo tensão, massagem +
relaxamento; total, pacientes do massagem e controle tiveram um índice de dor de cabeça
significativamente mais baixo.
Comentários: insuficientemente relatado

Ocultação da alocação
B

DeChi = sensação de irradiação que é dita para indicar uma agulhagem efetiva

Características dos estudos excluídos

Estudo
Razão para exclusão

Airaksinen 1992
Intervenção: estimulação elétrica não necessariamente em pontos de acupuntura (trigger points
miofasciais)

Annal 1992
Intervenção: estimulação nervosa elétrica transcutânea não em pontos de acupuntura

Borglum-Jensen 1979
Métodos: alocação randômica pouco provável

Domzal 1980
Não era um ensaio controlado l

Dong 1994
Intervenção: acupuntura vs. acupuntura

Formisano 1992
Estudo Neurofisiológico

Hansen 1982
Pacientes: condição de dor crônica facial

Johansson 1991
Pacientes: condição de dor facial

Junnilla 1983
Pacientes: estudo incluiu pacientes com várias síndromes de dor crônica, incluindo dor de cabeça;
entretanto, os pacientes com dor de cabeça não estavam apresentados como um subgrupo separado,
mas apenas junto com todos os outros pacientes.

Lenhard 1983
Intervenção: acupuntura + naloxona vs. acupuntura + placebo

Lundeberg 1988
47

Relato de uma série de estudos com ECRs sobre outras síndromes dolorosas; apenas ensaios não
controlados em pacientes com dor de cabeça

Okazaki 1975
Intervenção: acupuntura vs. acupuntura

Pikoff 1989
Pacientes/medidas de resultados: estudo sobre dor de cabeça aguda

Sold-Darseff 1986
Métodos: provavelmente não randomizado, apenas um subgrupo tinha dor de cabeça

Stone 1997
Pacientes: pacientes lesionados (dores de cabeça secundárias)

Tekeoglu 1995
Intervenção: eletroacupuntura vs. sons de eletroacupuntura

Turk 1990
Métodos/intervenção/resultados: método impreciso de alocação/acupuntura vs. Acupuntura
laser/acompanhamento < 4 semanas

Vincent 1990
Métodos/resultados: ensaios múltiplos cross-over caso único nos quais 4 tratamentos verdadeiros e 4
placebos foram dados randomicamente em um período de observação de 8 semanas (portanto,
acompanhamento constante > 4 semanas)

Características dos estudos em andamento

Estudo
CRA dor de cabeça

Nome do ensaio ou título


CRA dor de cabeça = Cuidados rotineiros na Acupuntura de dor de cabeça. Grande estudo sendo
realizado pelo Instituto de Medicina Social, epidemiologia e ciências econômicas. Hospital da
Universidade de Charité, Berlim, Alemanha.

Participantes
> 2000 pacientes com dor de cabeça

Intervenções
Acupuntura e lista de espera como controle

Resultados
Dias de dor de cabeça, qualidade de vida

Data de início

Informação para contato


Dr C. Witt: claudia.witt@charite.de

Anotações
Estado atual: análise dos dados

Estudo
ERA enxaqueca
48

Nome do ensaio ou título


ART enxaqueca = Estudo randomizado de Acupuntura em pacientes com enxaqueca. Protocolo
pubicado por Melchart D, Linde K, Streng A, Reitmayr S, Hoppe A, Brinkhaus B, et al. Estudo
randomizado de Acupuntura (ERA) em pacientes com enxaqueca do tipo tensional – desenho e
protocolo. Forschende Komplementärmedizin unid klassische Naturheilkunde 2003; 10(4):179-84

Participantes
302 pacientes com enxaqueca

Intervenções
Acupuntura, acupuntura mínima e lista de espera como controle

Resultados
Principais desfechos: diferença nos dias com dor de cabeça moderada ou severa entre as avaliações
basais, 9ª e 12ª semana;
Desfechos secundários: crises de enxaqueca, dias com dor de cabeça, dias com medicação,
proporção de resposta ao tratamento, qualidade de vida, incapacidade

Data de início
Março de 2002

Informação para contato


Dr. K. Linde: klaus.linde@lrz.tu-muenchen.de

Anotações
Estado atual: completo e submetido para publicação

Estudo
ERA dor de cabeça tensional

Nome do ensaio ou título


ERA DCT = Estudo randomizado de Acupuntura em pacientes com dor de cabeça tensional.
Protocolo publicado por Melchart D, Linde K, Streng A, Reitmayr S, Hoppe A, Brinkhaus B, et al.
Estudo randomizado de Acupuntura em pacientes com dor de cabeça tensional – desenho e
protocolo. Forschende Komplementärmedizin und klassische Naturheilkunde 2003;10(4):179-84.

Participantes
298 pacientes com dor de cabeça tensional

Intervenções
Acupuntura, acupuntura mínima e lista de espera como controle

Resultados
Principais desfechos: diferença nos dias com dor de cabeça entre as avaliações basais, 9ª e 12ª
semana;
Desfechos secundários: dias com medicação, proporção de resposta ao tratamento, qualidade de
vida, incapacidade

Data de início
Março de 2002

Informação para contato


Dr. K. Linde: Klaus.Linde@lrz.tu-muenchen.de

Anotações
Estado atual: análise dos dados

Estudo
EAA Enxaqueca
49

Nome do ensaio ou título


EAA Enxaqueca = Estudo alemão de acupuntura na enxaqueca. Informação no estudo publicado por
Molsberger A, Diener HC, Krämer J, et al. GERAC-Akupunktur-Studien - Modellvorhaben zur
Beurteilung der Wirksamkeit. Deutsches Ärzteblatt 2002;99:A1819-24.

Participantes
Objetivo de recrutamento: n=900 pacientes com enxaqueca

Intervenções
Acupuntura, acupuntura placebo, medicação profilática padrão

Resultados

Data de início

Informação para contato


Dr. A. Molsberger: a.molsberger@facm.de

Anotações
Estado atual: recrutamento finalizado; resultados provavelmente disponíveis em 2005

Estudo
EAA Dor de cabeça tensional

Nome do ensaio ou título


EAA Dor de cabeça tensional = Estudo alemão de acupuntura na dor de cabeça tensional.
Informação no estudo publicado por Molsberger A, Diener HC, Krämer J, et al. GERAC-Akupunktur-
Studien - Modellvorhaben zur Beurteilung der Wirksamkeit. Deutsches Ärzteblatt 2002;99:A1819-24.

Participantes
Objetivo de recrutamento: n=900 pacientes com dor de cabeça tensional

Intervenções
Acupuntura, acupuntura placebo, medicação profilática padrão

Resultados

Data de início

Informação para contato


Dr. A. Molsberger: a.molsberger@facm.de

Anotações
Estado atual: recrutamento interrompido precocemente; resultados provavelmente disponíveis em
2005

Estudo
PA-PTA

Nome do ensaio ou título


PA-CPA = Programa para avaliação dos pacientes tratados com acupuntura – Estudo comparativo

Participantes
120 pacientes com enxaqueca

Intervenções
50

Acupuntura, metoprolol

Resultados
Principais desfechos: diferença nos dias com dor de cabeça moderada ou severa entre as avaliações
basais, 9ª e 12ª semana;
Desfechos secundários: crises de enxaqueca, dias com dor de cabeça, proporção de resposta ao
tratamento, qualidade de vida, incapacidade

Data de início
Outubro de 2002

Informação para contato


Dr. K. Linde: Klaus.Linde@lrz.tu-muenchen.de

Anotações
Estado atual: recrutamento interrompido precocemente; resultados provavelmente disponíveis em
2005

TABELAS ADICIONAIS

Tabela 01 Avaliação da qualidade metodológica: escala de Jadad

Estudo
Randomização
Dupla-cegueira
Desistências/Retiradas
Pontuação total

Ahonen 1984
1
0
0
1

Baust 1978
1
2
0
3

Carlsson 1990
1
0
1
2

Ceccherelli 1992
1
0
0
1

Doerr-Proske 1985
1
0
51

0
1

Dowson 1985
2
0
0
2

Gao 1999
1
0
0
1

Hansen 1985
1
1
1
3

Henry 1986
1
1
0
3

Hesse 1994
1
1
1
3

Heydenreich 1989a
1
0
0
1

Heydenreich 1989b
1
0
0
1

Ho 1999
1
2
0
3

Johansson 1976
1
1
0
2

Kubiena 1992
2
1
52

0
3

Lavies 1998
2
2
0
4

Lehmann 1991
1
0
0
1

Loh 1984
1
0
0
1

Pintov 1997
0
1
1
2

Shi 2000
1
0
0
1

Tavola 1991
1
1
1
3

Vincent 1989
1
0
0
1

Weinschütz 1993
1
0
0
1

Weinschütz 1994
1
0
0
1

White 1996
2
2
53

1
5

Wylie 1997
1
0
0
1

Tabela 02 Avaliação da qualidade metodológica: escala de validade interna

Estudo
Alocação randomizada
Ocultação
Linha de base comparável
Cegueria do paciente
Cegueira do avaliador
Desistências tratadas
Total

Ahonen 1984
1
0
0.5
0
0
0
1.5

Baust 1978
1
0
0
1
1
0
3

Carlsson 1990
1
0.5
0.5
0
0
0.5
2.5

Ceccherelli 1992
1
0
0.5
1
0
1
3.5

Doerr-Proske 1985
54

1
0
0
0
0
0
1

Dowson 1985
1
0.5
0.5
0.5
0
0.5
3

Gao 1999
1
0
0
0
0
0
1

Hansen 1985
1
0
0.5
1
1
0.5
4

Henry 1986
1
0
1
1
1
0
4

Hesse 1994
1
0
1
0.5
1
0.5
4

Heydenreich 1989a
1
0
1
0
0
0
55

Heydenreich 1989b
1
0
1
0
0
0
2

Ho 1999
1
0
1
1
1
0
4

Johansson 1976
1
0
0
0.5
0.5
0
2

Kubiena 1992
1
0
0
1
0.5
0
2.5

Lavies 1998
1
0
0
1
1
0
3

Lehmann 1991
1
0
0
0
0
0
1

Loh 1984
1
0
0
56

0
0
0.5
1.5

Pintov 1997
0
0
0
0.5
0.5
1
2

Shi 2000
1
0
1
0.5
0
0
2.5

Tavola 1992
1
0
1
1
1
1
5

Vincent 1989
1
0
1
1
0
1
4

Weinschütz 1993
1
0
0.5
0.5
0
0
2

Weinschütz 1994
1
0
0.5
0.5
0
0
2

White 1996
57

1
1
0
1
1
0.5
4.5

Wylie 1997
1
0
0
0
0
0
1

Tabela 03 Avaliação da qualidade da acupuntura

Estudo
Como você trataria?
Como tem certeza que a acupuntura é adequada?

Ahonen 1984
similarmente
60%

Baust 1978
similarmente
35%

Carlsson 1990
completamente diferente
10%

Ceccherelli 1992
similarmente
70%

Doerr-Proske 1985
completamente diferente
20%

Dowson 1985
não pôde ser avaliado
não pôde ser avaliado

Gao 1999
exatamente do mesmo modo
95%

Hansen 1985
similarmente
70%

Henry 1986
diferentemente
45%
58

Hesse 1994
completamente diferente
50%

Heydenreich 1989a
não pôde ser avaliado
não pôde ser avaliado

Heydenreich 1989b
exatamente do mesmo modo
90%

Ho 1999
exatamente do mesmo modo
85%

Johansson 1976
não pôde ser avaliado
não pôde ser avaliado

Kubiena 1992
não pôde ser avaliado
não pôde ser avaliado

Lavies 1998
não pôde ser avaliado
não pôde ser avaliado

Lehmann 1991
não pôde ser avaliado
não pôde ser avaliado

Loh 1984
diferentemente
35%

Pintov 1997
não pôde ser avaliado
não pôde ser avaliado

Shi 2000
similarmente
80%

Tavola 1992
exatamente do mesmo modo
80%

Vincent 1989
similarmente
75%

Weinschütz 1993
exatamente do mesmo modo
95%

Weinschütz 1994
exatamente do mesmo modo
95%
59

White 1996
similarmente
25%

Wylie 1997
não pôde ser avaliado
não pôde ser avaliado

Tabela 04 Enxaqueca – intervenções verdadeiras vs. placebo: Resultados para


freqüência e intensidade

Estudo (diagnóstico)
Medida de freqüência
< 2mo (verd. vs placebo)
> 2mo (verd. vs placebo)
Medida de intensidade
< 2mo (verd. vs placebo)
> 2mo (verd. vs placebo)
Contagem de voto

Baust 1978 (Enxaqueca)


ataques
Não apresentado
Não mensurado
Escala análogo visual
Não apresentado
Não mensurado
0

Ceccherelli 1992 (Enxaqueca)


Horas de dor por semana
11 +/- 11 vs. 35 +/- 28
Não mensurado
escala 0-5
Não apresentado
Não mensurado
+2

Dowson 1985 (Enxaqueca)


Pacientes com 33% de redução
11/25 vs. 13/23
Não apresentado
Pacientes com 33% de redução
14/25 vs. 7/23
Não apresentado
0

Hansen 1985 (DCT)


Número de dias livres de dor de cabeça
Não apresentado
Não apresentado
impreciso
Não apresentado
Não mensurado
+2
60

Henry 1986 (Enxaqueca)


Redução de acordo com o neurologista
12/20 vs. 3/10
Não apresentado
Redução de acordo com o neurologista
11/20 vs. 2/10
Não apresentado
+1

Heydenreich 1989a (Enxaqueca)


Pacientes com pelo menos 40% de redução
18/20 vs. 6/20
17/20 vs. 3/20
média % redução comparada a linha de base
Não apresentado
39% vs. 8%
+2

Ho 1999 (Enxaqueca)
média % de redução de dias de dor de cabeça
24% vs. -2%
58% vs. 28%
impreciso
Não apresentado
Não apresentado
+1

Johansson 1976 (DCT)


impreciso
Não apresentado?
Não mensurado?
impreciso
Não apresentado?
Não mensurado
+2

Pintov 1997 (Enxaqueca)


Freqüência de enxaqueca
1.4 +/- 0.6 vs. 9.3 +/- 1.4
Não apresentado
Escala análogo visual
3.3 +/- 1.0 vs. 6.2 +/- 0.4
Não apresentado
+2

Shi 2000 (Misto)


Não mensurado?

Escala de índice numérico


3.1 +/- 2.8 vs. 6.4 +/- 2.0
5.5 +/- 2.2 vs. 6.8 +/- 2.0
+1

Tavola 1992 (DCT)


média % freqüência dos episódios
44% vs. 21%
Não apresentado
Escala de índice numérico
Não relatado
61

Não relatado
+1

Vincent 1989 (Enxaqueca)


diferença vs. linha de base de dias com dor/4 semanas
2.7 +/- 04.8 vs. 0.7 +/- 2.9
4.9 +/- 4.6 vs. 3.4 +/- 2.9
Pontuação média de intensidade
18.8 vs. 27.9
8.0 vs. 25.1
+2

Weinschütz 1993 (Enxaqueca)


média % redução de dias de dor de cabeça
37% vs. 26%
45% vs. 40%
Escala análogo visual
Não apresentado
Não apresentado
+1

Weinschütz 1994 (Enxaqueca)


média % redução de dias de dor de cabeça
45% vs. 20%
51% vs. 31%
Escala análogo visual
Não apresentado
Não apresentado
+2

Referências dos estudos incluídos na revisão

Ahonen 1984
Ahonen E, Hakumäki M, Mahlamäki S, Partanen J, Riekkinen P, Sivenius J. Effectiveness of
acupuncture and physiotherapy on myogenic headache: a comparative study. Acupuncture &
Electro-Therapeutics Research 1984;9:141-50.

Ahonen E, Hakumäki M, Mahlamäki S, Partanen J, Riekkinen P, Sivenius J. Acupuncture and


physiotherapy in the treatment of myogenic headache patients: pain relief and EMG activity. In:
Bonica JJ, Lindblom U, Iggo A, editor(s). Advances in pain research and therapy. Vol. 5. New
York: Raven Press, 1983:571-6.

Baust 1978
Baust W, Stürtzbecher KH. Management of migraine using acupuncture in a double-blind study
[Akupunkturbehandlung der Migräne im Doppelblindversuch]. Medizinische Welt 1978;29:669-
73.

Carlsson 1990
Carlsson J, Augustinsson LE, Blomstrand C, Sullivan M. Health status in patients with tension
headache treated with acupuncture or physiotherapy. Headache 1990;30:593-9.

Carlsson J, Fahlcrantz A, Augustinsson LE. Muscle tenderness in tension headache treated


with acupuncture or physiotherapy. Cephalalgia 1990;10:131-41.

Carlsson J, Rosenhall U. Oculomotor disturbances in patients with tension headache treated


with acupuncture or physiotherapy. Cephalalgia 1990;10:123-9.
62

Carlsson J, Wedel A, Carlsson GE, Blomstrand C. Tension headache and signs and symptoms
of craniomandibular disorders treated with acupuncture or physiotherapy. Pain Clinic
1990;3:229-38.

Ceccherelli 1992
Ceccherelli F, Ambrosio F, Avila M, Duse G, Munari A, Giron GP. Acupuncture vs. placebo in
the common migraine: a double-blind study [abstract]. Cephalalgia 1987;7 Suppl 6:499-500.

*Ceccherrelli F, Altafini L, Rossato M, Meneghetti O, Duse G, Donolato C, et al. [Trattamento


agopunturale dell' emicrania senz'aura. Studio in doppio cieco vs. placebo]. Associazione
Italiana per lo Studio del Dolore. XV Congresso Nazionale A.I.S.D. 1992:310-8.

Doerr-Proske 1985
Doerr-Proske H, Wittchen HU. A muscle- and vascular-oriented relaxation program for the
treatment of chronic migraine patients. A randomized clinical comparative study [Ein muskel-
und gefäßorientiertes Entspannungsprogramm (SEP) zur Entspannung chronischer
Migränepatienten: eine randomisierte klinische Vergleichsstudie]. Zeitschrift für
Psychosomatische Medizin und Psychoanalyse 1985;31:247-66.

Wittchen H. A biobehavioral treatment program (SEP) for chronic migraine patients. In: Holroyd
KA, Schlote B, Zenz B, editor(s). Perspectives in research on headache. Toronto: Hogrefe,
1983:183-97.

Dowson 1985
Dowson DI, Lewith GT, Machin D. The effects of acupuncture versus placebo in the treatment of
headache. Pain 1985;21:35-42.

Gao 1999
Gao S, Zhao D, Xie Y. A comparative study on the treatment of migraine headache with
combined distant and local acupuncture points versus conventional drug therapy. American
Journal of Acupuncture 1999;27:27-30.

Hansen 1985
Hansen PE, Hansen JH. Acupuncture treatment of chronic tension headache - a controlled
cross-over trial. Cephalalgia 1985;5:137-42.

Henry 1986
Henry P, Baille H, Dartigues F, Jogeix M. [Traitement de la maladie par acupuncture: étude
controlée]. Premières Rencontres Médecines Alternatives, Bordeaux. 12 and 13 April 1986:209-
16.

Hesse 1994
Hesse J, Mogelvang B, Simonsen H. Acupuncture versus metoprolol in migraine prophylaxis: a
randomized trial of trigger point inactivation. Journal of Internal Medicine 1994;235:451-6.

Heydenreich 1989a
Heydenreich A. Single-point transcutaneous electric nerve stimulation in a simple placebo
comparison in migraine (a prospective randomized study) [Punktförmige transkutane elektrische
Nervenstimulation (PuTENS) im einfachen Placebovergleich bei der Migräne]. Zeitschrift für
ärtzliche Fortbildung und Qualitätssicherung 1989;83(17):881-3.

Heydenreich 1989b
Heydenreich A, Thiessen M. Comparison of the effectiveness of drug therapy, invasive and non-
invasive acupuncture in migraine [Effektivitätsvergleich zwischen medikamentöser Therapie,
invasiver und nichtinvasiver Akupunktur bei der Migräne]. Zeitschrift für ärtzliche Fortbildung
und Qualitätssicherung 1989;83(17):877-9.

Ho 1999
*Ho H, Kropp P, Wallasch T, Niederberger U, Weinschütz T. Laser-acupuncture in migraine
therapy - methodological considerations and results of a randomized, controlled clinical and
63

electrophysical study [Zur Intervalltherapie der Migräne mit Laserakupunktur - klinische und
elektrophysiologische Parameter]. AKU 1999;27:159-70.

Schütz H, Bruhn HD, Kropp P, Niederberger U, Weinschütz T. Laser acupuncture in migraine


therapy and its effects on humoral parameters [Modulation humoraler Parameter durch
Laserakupunktur - das Beispiel Migräne]. AKU 2000;28:32-43.

Johansson 1976
Johansson V, Kosic S, Lindahl O, Lindwall L, Tibbling L. Effect of acupuncture in tension
headache and brainstem reflexes. In: Bonica JJ, Albe-Fessard DG, editor(s). Advances in pain
research and therapy. Vol. 1. New York: Raven Press, 1976:839-41.

Kubiena 1992
Kubiena G, Nissel H, Porenta G, Veitl M, Wessely P. [Akupunktur bei Migräne]. Deutsche
Zeitschrift für Akupunktur 1992;35:140-8.

Lavies 1998
Lavies NG. Laser acupuncture for migraine and muscle tension headache: a double-blind
controlled trial. Acupuncture in Medicine 1998;16:73-6.

Lehmann 1991
Lehmann V, Banzhaf E, Kunze E, Stube G, Theil G, Schilling C, et al. Randomized clinically
controlled study of the efficacy of acupuncture in comparison with electroacupuncture as well as
drug therapy with propanolol in patients with recurrent migraine [Randomisierte klinisch
kontrollierte Studie der Effizienz der Akupunktur im Vergleich zur Elektroakupunktur sowie zur
Pharmakotherapie mit Propanolol bei Patienten mit häufiger Migräne]. Deutsche Zeitschrift für
Akupunktur 1991;34:27-30.

Loh 1984
Loh L, Nathan PW, Schott GD, Zilkha KJ. Acupuncture versus medical treatment for migraine
and muscle tension headaches. Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry 1984;47:333-
7.

Pintov 1997
Pintov S, Lahat E, Alstein M, Vogel Z, Barg J. Acupuncture and the opioid system: implications
in management of migraine. Pediatric Neurology 1997;17:129-33.

Shi 2000
Shi J, Flemming M, Stehr-Zirngibl S, Taeger K. Treating chronic headache by means of
acupuncture. A clinical trial [Schmerztherapie mit Akupunktur bei chronischen Kopfschmerzen.
Eine klinische Studie]. Chinesische Medizin 2000;15:14-25.

Tavola 1992
Tavola T, Gala C, Conte G, Invernizzi G. Traditional Chinese acupuncture in tension-type
headache: a controlled study. Pain 1992;48:325-9.

Vincent 1989
Vincent CA. A controlled trial of the treatment of migraine by acupuncture. Clinical Journal of
Pain 1989;5:305-12.

Weinschütz 1993
Weinschütz T. [Akupunktur bei Kopfschmerzen: methodische Grundlagen und Ergebnisse
klinischer Untersuchungen]. Schmerz 1996;10(3):149-55.

Weinschütz T, Lindner V, Niederberger U, Schreiber J, Soyka D. In: Schimrigk K, editor(s).


Verhandlungen der Deutschen Gesellschaft für Neurologie. Band 7. Berlin: Springer, 1993:533-
4.
64

Weinschütz T, Niederberger U. [Zum Stellenwert der Akupunktur in der Migränetherapie].


Nervenheilkunde 1995;14:295-301.

Weinschütz T, Niederberger U, Johnsen S, Schreiber J, Kropp P. [Zur neuroregulativen Wirkung


der Akupunktur bei Kopfschmerzpatienten]. Deutsche Zeitschrift für Akupunktur 1994;37:106-
17.

Weinschütz 1994
Weinschütz T. [Akupunktur bei Kopfschmerzen: methodische Grundlagen und Ergebnisse
klinischer Untersuchungen]. Schmerz 1996;10(3):149-55.

Weinschütz T, Niederberger U. [Zum Stellenwert der Akupunktur in der Migränetherapie].


Nervenheilkunde 1995;14:295-301.

Weinschütz T, Niederberger U, Johnsen S, Schreiber J, Kropp P. [Zur neuroregulativen Wirkung


der Akupunktur bei Kopfschmerzpatienten]. Deutsche Zeitschrift für Akupunktur 1994;37:106-
17.

White 1996
White AR, Resch KL, Ernst E, Eddleston C, Hardie R. A pilot study of acupuncture for tension
headache, using a novel placebo. Acupuncture in Medicine 1996;14:11-5.

Wylie 1997
Wylie KR, Jackson C, Crawford PM. Does pyschological testing help to predict the response to
acupuncture or massage/relaxation therapy in patients presenting to a general neurology clinic
with headache?. Journal of Traditional Chinese Medicine 1997;17:130-9.

References to studies excluded from this review


Airaksinen 1992
Airaksinen O, Pontinen PJ. Effects of the electrical stimulation of myofascial trigger points with
tension headache. Acupuncture & Electro-Therapeutics Research 1992;17:285-90.

Annal 1992
Annal N, Soundappan SV, Subbu Palaniappan KMC, Chandrasekar S. Introduction of
transcutaneous, low-voltage, non-pulsatile direct current (DC) therapy for migraine and chronic
headaches. A comparison with transcutaneous electrical nerve stimulation (TENS). Headache
Quaterly 1992;3:434-7.

Borglum-Jensen 1979
Borglum-Jensen L, Melsen B, Borglum-Jensen S. Effect of acupuncture on headache measured
by reduction in number of attacks and use of drugs. Scandinavian Journal of Dental Research
1979;87:373-80.

Domzal 1980
Domzal T, Kwasucki J, Zaleska B. Acupuncture in headache and radicular syndromes
[Akupunktura w bolach glowy i zespolach korzeniowych]. Neurologia i Neurochirurgia Polska
1980;14:259-62.

Dong 1994
Dong Z. Treating vascular migraine with deep puncture at Fengchi: a report of 240 cases.
International Journal of Clinical Acupuncture 1994;5:455-8.

Formisano 1992
Formisano R, Carletto F, Assenza S, Barbanti P, Fiacco F, De Vuono G, et al. Tension type
headache: a neuropsychological and neurophysiological study. Italian Journal of Neurological
Sciences 1992;13:331-6.

Hansen 1982
Hansen PE, Hansen JH. Acupuncture treatment of chronic facial pain - a controlled cross-over
trial. Headache 1983;23:66-9.
65

Johansson 1991
Johansson A, Wenneberg B, Wagersten C, Haraldson T. Acupuncture in treatment of facial
muscular pain. Acta Odontologica Scandinavica 1991;49:153-8.

Junnilla 1983
Junnilla S. Acupuncture treatment for chronic pain. Acupuncture in Medicine 1983;1:6-8.

Lenhard 1983
Lenhard L, Waite PM. Acupuncture in the prophylactic treatment of migraine headaches: pilot
study. New Zealand Medical Journal 1983;96:663-6.

Lundeberg 1988
Lundeberg T, Hurtig T, Lundeberg S, Thomas M. Long-term results of acupuncture in chronic
head and neck pain. Pain Clinic 1988;2:15-31.

Okazaki 1975
Okazaki K, Sadove MS, Kim SI, Lee MH, Cheng D. Ryodoraku therapy for migraine headache.
American Journal of Chinese Medicine 1975;3:61-70.

Pikoff 1989
Pikoff H. The effects of acupressure on headache pain: a placebo-controlled group outcome
study [dissertation]. Buffalo (NY): State University of New York at Buffalo 1989.

Sold-Darseff 1986
Sold-Darseff J, Leydhecker W. Acupuncture for pain in the cranial region and for
blepharospasm without organic cause [Akupunktur bei Schmerzen im Kopfbereich sowie bei
Blepharospasmus ohne organische Ursache]. Klinische Monatsblätter für Augenheilkunde
1986;189(2):167-9.

Stone 1997
Stone RG, Wharton RB. Simultaneous multiple-modality therapy for tension headaches and
neck pain. Biomedical Instrumentation & Technology 1997;31:259-62.

Tekeoglu 1995
Tekeoglu I. Introduction of a new therapy method: music sound electroacupuncture stimulation.
Acupuncture in Medicine 1995;13:71-3.

Turk 1990
Turk Z, Moser I. [Heilung des chronischen Kopfschmerzes durch Akupunktur].
Erfahrungsheilkunde 1990;11:724-6.

Vincent 1990
Vincent CA. The treatment of tension headache by acupuncture: a controlled single case design
with time series analysis. Journal of Psychosomatic Research 1990;34:553-61.

References to studies awaiting assessment


Allais 2002
Allais G, De Lorenzo C, Quirico PE, Airola G, Tolardo G, Mana O, et al. Acupuncture in the
prophylactic treatment of migraine without aura: a comparison with flunarizine. Headache
2002;42(9):855-61.

Karst 2001
Karst M, Reinhard M, Thum P, Wiese B, Rollnik J, Fink M. Needle acupuncture in tension-type
headache: a randomized, placebo-controlled study. Cephalalgia 2001;21(6):637-42.

Liguori 2000
Liguori A, Petti F, Bangrazi A, Camaioni D, Guccione G, Pitari GM, et al. Comparison of
pharmacological treatment versus acupuncture treatment for migraine without aura -- analysis of
socio-medical parameters. Journal of Traditional Chinese Medicine 2000;20(3):231-40.
66

Linde 2000
Linde MA, Carlsson JY, Dahlöf CG. Impact of acupuncture as add-on therapy to
pharmacological treatment of migraine: a pilot study. Pain Clinic 2000;12(3):247-52.

Linde 2005
Linde M, Fjell A, Carlsson J, Dahlöf C. Role of the needling per se in acupuncture as
prophylaxis for menstrually related migraine: a randomized placebo-controlled study.
Cephalalgia 2005;25(1):41-7.

Vickers 2004
Vickers AJ, Rees RW, Zollman CE, McCarney R, Smith CM, Ellis N, et al. Acupuncture for
chronic headache in primary care: large, pragmatic, randomised trial. BMJ 2004;328(7442):744-
7.

White 2000
White AR, Resch KL, Chan JC, Norris CD, Modi SK, Patel JN, et al. Acupuncture for episodic
tension-type headache: a multicentre randomized controlled trial. Cephalalgia 2000;20(7):632-7.

Xue 2004
Xue CC, Dong L, Polus B, English RA, Zheng Z, Da Costa C, et al. Electroacupuncture for
tension-type headache on distal acupoints only: a randomized, controlled, crossover trial.
Headache 2004;44(4):333-41.

Referências para os estudos em andamento

ARC Headache
Dr. C. Witt: Claudia.Witt@charite.de. ARC Headache = Acupuncture in Routine Care of
Headache. Large trial being performed by the Insitute of Social Medicine, Epidemiology and
Health Economics, Charité University Hospital, Berlin, Germany.. Ongoing study. Starting date
of trial not provided. Contact author for more information.

ART Migraine
Dr. K. Linde: Klaus.Linde@lrz.tu-muenchen.de. ART Migraine = Acupuncture Randomized Trial
in Patients with Migraine. Protocol published by Melchart D, Linde K, Streng A, Reitmayr S,
Hoppe A, Brinkhaus B, et al. Acupuncture Randomized Trials (ART) in patients with migraine or
tension-type headache - design and protocols. Forschende Komplementärmedizin und
klassische Naturheilkunde 2003;10(4):179-84.. Ongoing study. March 2002.

ART TTH
Dr. K. Linde: Klaus.Linde@lrz.tu-muenchen.de. ART TTH = Acupuncture Randomized Trial in
Patients with Tension-Type Headache. Protocol published by Melchart D, Linde K, Streng A,
Reitmayr S, Hoppe A, Brinkhaus B, et al. Acupuncture Randomized Trials (ART) in patients with
migraine or tension-type headache - design and protocols. Forschende Komplementärmedizin
und klassische Naturheilkunde 2003;10(4):179-84.. Ongoing study. March 2002.

GERAC Migraine
Dr. A. Molsberger: a.molsberger@facm.de. GERAC Migraine = German Acupuncture Trial in
Migraine. Information on the study published by Molsberger A, Diener HC, Krämer J, et al.
GERAC-Akupunktur-Studien - Modellvorhaben zur Beurteilung der Wirksamkeit. Deutsches
Ärzteblatt 2002;99:A1819-24.. Ongoing study. Starting date of trial not provided. Contact author
for more information.

GERAC TTH
Dr. A. Molsberger: a.molsberger@facm.de. GERAC TTH = German Acupuncture Trial in
Tension-type Headache. Information on the study published by Molsberger A, Diener HC,
Krämer J, et al. GERAC-Akupunktur-Studien - Modellvorhaben zur Beurteilung der Wirksamkeit.
Deutsches Ärzteblatt 2002;99:A1819-24.. Ongoing study. Starting date of trial not provided.
Contact author for more information.
67

PEP-COMP
Dr. K. Linde: Klaus.Linde@lrz.tu-muenchen.de. PEP-COMP = Program for the Evaluation of
Patient care with acupuncture - COMParative Trial. Ongoing study. October 2002.

Referências Adicionais

Ad Hoc 1962
Ad Hoc Committee on the Classification of Headache of the National Institute of Neurological
Diseases and Blindness. Classification of headache. JAMA 1962;179(9):717-8.

Begg 1996
Begg C, Cho M, Eastwood S, Horton R, Moher D, Olkin I, et al. Improving the quality of
reporting of randomized trials. The CONSORT statement. JAMA 1996;276:637-9.

Ernst 1995
Ernst E. The risks of acupuncture. International Journal of Risk and Safety in Medicine
1995;6:179-86.

Ernst 1998
Ernst E, White A. Acupuncture for back pain. A meta-analysis of randomized controlled trials.
Archives of Internal Medicine 1998;158:2235-41.

Ferrari 1998
Ferrari MD. The economic burden of migraine to society. Pharmacoeconomics 1998;13:667-76.

Goslin 1999
Goslin RE, Gray RN, McCrory DC, Penzien D, Rains J, Hasselblad V. Behavioral and physical
treatments for migraine headache. Technical review 2.2. February 1999. Prepared for the
Agency for Health Care Policy and Research under Contract No. 290-94-2025. Available at:
http://www.clinpol.mc.duke.edu. .

Göbel 1994
Göbel H, Petersen-Braun M, Soyka D. The epidemiology of headache in Germany: a nationwide
survey of a representative sample on the basis of the headache classification of the
International Headache Society. Cephalalgia 1994;14:97-106.

IHS 1988
Headache Classification Committee of the International Headache Society. Classification and
diagnostic criteria for headache disorders, cranial neuralgias and facial pain. Cephalalgia
1988;8 Suppl 7:1-96.

IHS 1991
International Headache Society Committee on Clinical Trials. Guidelines for controlled trials of
drugs in migraine. First edition. Cephalalgia 1991;11:1-12.

IHS 1995
International Headache Society Committee on Clinical Trials. Guidelines for trials of drug
treatments in tension-type headache. First Edition. Cephalalgia 1995;15:165-79.

Jadad 1996
Jadad AR, Moore RA, Carroll D, Jenkinson C, Reynolds M, Gavaghan DJ, et al. Assessing the
quality of reports of randomized clinical trials: is blinding necessary?. Controlled Clinical Trials
1996;17:1-12.

Linde 1996a
Linde K, Worku F, Stör W, Wiesner-Zechmeister M, Pothmann R, Weinschütz T, et al.
Randomized clinical trials of acupuncture for asthma - a systematic review. Forschende
Komplementärmedizin 1996;3:148-55.
68

Linde 1996b
Linde K, Ramirez G, Mulrow CD, Pauls A, Weidenhammer W, Melchart D. St John's wort for
depression - an overview and meta-analysis of randomised clinical trials. BMJ 1996;313:253-8.

Linde 1997
Linde K, Clausius N, Ramirez G, Melchart D, Eitel F, Hedges LV, et al. Are the clinical effects of
homoeopathy placebo effects? A meta-analysis of placebo-controlled trials [published erratum
appears in Lancet 1998;351:220]. Lancet 1997;350:834-43.

McCrory 2000
McCrory DC, Penzien DB, Gray RN, Hasselblad V. Behavioral and physical treatments for
tension-type and cervicogenic headache. October 2000. Prepared for the Foundation for
Chiropractic Education and Research, Grant No. 99-05-01. Available in 2001 from:
http://www.fcer.org. .

Millman 1977
Millman BS. Acupuncture: context and critique. Annual Review of Medicine 1977;28:223-34.

Norheim 1996
Norheim AJ, Fonnebo V. Acupuncture adverse effects are more than occasional case reports:
results from questionnaires among 1135 randomly selected doctors, and 197 acupuncturists.
Complementary Therapies in Medicine 1996;4:8-13.

Patel 1989
Patel M, Gutzwiller F, Paccaud F, Marazzi A. A meta-analysis of acupuncture for chronic pain.
International Journal of Epidemiology 1989;18:900-6.

Prensky 1979
Prensky AL, Sommer D. Diagnosis and treatment of migraine in children. Neurology
1979;29(4):506-10.

Pryse-Phillips 1992
Pryse-Phillips W, Findlay H, Tugwell P, Edmeads J, Murray TJ, Nelson RF. A Canadian
population survey on the clinical, epidemiologic and societal impact of migraine and tension-
type headache. Canadian Journal of Neurological Sciences 1992;19:333-9.

Rasmussen 1991
Rasmussen BK, Jensen R, Schroll M, Olesen J. Epidemiology of headache in a general
population - a prevalence study. Journal of Clinical Epidemiology 1991;44:1147-57.

Richardson 1986
Richardson PH, Vincent CA. Acupuncture for the treatment of pain: a review of evaluative
research. Pain 1986;24:15-40.

Sanchez-Araujo 1998
Sanchez-Araujo M. Does the choice of placebo determine the results of clinical studies on
acupuncture? A meta-analysis of 100 clinical trials. Forschende Komplementärmedizin 1998;5
Suppl 1:8-11.

Schwartz 1998
Schwartz BS, Stewart WF, Simon D, Lipton RB. Epidemiology of tension-type headache. JAMA
1998;279:381-3.

ter Riet 1989a


ter Riet G, Kleijnen J, Knipschild P. [Acupuntuur en chronische pijn]. Huisarts en wetenschap
1989;32:230-8.

ter Riet 1989b


69

ter Riet G, Kleijnen J, Knipschild P. [Acupunctuur bij migraine en spanningshoofdpijn]. Huisarts


en wetenschap 1989;32:258-63.

ter Riet 1989c


ter Riet G, Kleijnen J, Knipschild P. [Acupunctuur en nekpijn/rugpijn]. Huisarts en wetenschap
1989;32:223-7.

ter Riet 1989d


ter Riet G, Kleijnen J, Knipschild P. [Acupunctuur en aangezichtspijn]. Huisarts en wetenschap
1989;32:264-6.

ter Riet 1990


ter Riet G, Kleijnen J, Knipschild P. Acupuncture and chronic pain: a criteria-based meta-
analysis. Journal of Clinical Epidemiology 1990;43:1191-9.

Vickers 1998
Vickers A, Goyal N, Harland R, Rees R. Do certain countries produce only positive results? A
systematic review of controlled trials. Controlled Clinical Trials 1998;19:159-66.

Woollam 1998
Woollam CH, Jackson AO. Acupuncture in the management of chronic pain. Anaesthesia
1998;53:593-5.

Referência para outra versão publicada dessa revisão

Melchart 1999
Melchart D, Linde K, Fischer P, White A, Allais G, Vickers A, et al. Acupuncture for recurrent
headaches: a systematic review of randomized controlled trials. Cephalalgia 1999;19:779-86.
70

GRÁFICOS

Este gráfico é dividido em cinco subcategorias comparando diferentes métodos


de acupuntura cm acupuntura placebo. Devido a heterogeneidade das
intervenções, o resultado final do gráfico não deve ser levado em consideração.
Apenas nas subcategorias 1 e 5 há meta análise (combinação de dois ou mais
estudos). Há significância estatística na subcategoria 1, entretanto, devido a
heterogeneidade estatisticamente significante, a interpretação do resultado
deve ser feito com cautela. Na subcategoria 3, há apenas um estudo, que
quando analisado por OR fixo, nota-se significância estatística. Entretanto,
deve-se observar o pequeno tamanho da amostra e o largo intervalo de
confiança. Vale ressaltar que apesar da subcategoria 5 ter metanálise, não
observa-se diferença estatisticamente significante.
71

Este gráfico é dividido em quatro subcategorias comparando diferentes


métodos de acupuntura com acupuntura placebo. Devido a heterogeneidade
das intervenções, o resultado final do gráfico não deve ser levado em
consideração. Apenas nas subcategorias 1 e 4 há meta análise (combinação
de dois ou mais estudos). Há significância estatística na subcategoria 1,
entretanto, devido a heterogeneidade estatisticamente significante, a
interpretação do resultado deve ser feito com cautela. Em relação a
subcategoria 2, há apenas um estudo, que quando analisado por OR fixo, nota-
se significância estatística. Entretanto, deve-se observar o pequeno tamanho
da amostra e o largo intervalo de confiança. Vale ressaltar que apesar da
subcategoria 4 ter metanálise, não observa-se diferença estatisticamente
significante.
72

Este gráfico é dividido em quatro subcategorias comparando diferentes


métodos de acupuntura com acupuntura placebo. Devido a heterogeneidade
das intervenções, o resultado final do gráfico não deve ser levado em
consideração. Apenas na subcategoria 1 há meta análise (combinação de dois
ou mais estudos). Há significância estatística na subcategoria 1. Na
subcategoria 3, há apenas um estudo, que quando analisado por OR fixo, nota-
se significância estatística. Entretanto, deve-se observar o pequeno tamanho
da amostra e o largo intervalo de confiança.
Auxiliar, Realizar
e Divulgar
Revisões Sistemáticas
de Terapêutica
CENTRO COCHRANE
em Saúde
DO BRASIL

CENTRO COCHRANE DO BRASIL

Modelo de Relatório de Atualização


Data: 21.06.2005

ACUPUNTURA PARA CEFALÉIA

Referência Original: Melchart D, Linde K, Berman B, White A, Vickers A, Allais G,


Brinkhaus B. Acupuncture for idiopathic headache. The Cochrane Database of Systematic
Reviews 2001, Issue 1. Art. No.: CD001218.
2

Auxiliar, Realizar
e Divulgar
Revisões Sistemáticas
de Terapêutica
CENTRO COCHRANE
em Saúde
DO BRASIL

PARECER DOS REVISORES COCHRANE

1. ESTRATÉGIA DE BUSCA
A última busca eletrônica desta revisão foi realizada em 2004, dessa forma foi
necessário realizar uma nova busca nas bases de dados:

LILACS

1.1 Estratégia de Busca para Situação Clínica:

(VASCULAR HEADACHES*) OR arthralgi* OR arthriti* OR (headache* OR


migraine*) OR neuralgi* OR toothache* OR earache* OR colic* OR (dysmenorrhea
OR dysmenorrhoea) OR metatarsalgi*

1.2 Estratégia de Busca para Intervenção:


PAIN* OR (PAIN-THRESHOLD) OR (PAIN-MEASUREMENT) OR (PAIN-CLINICS)
OR (MYOFASCIAL-PAIN-SYNDROMES*) OR NOCICEPTORS OR ANALGESIA* OR
ANALGESICS* OR HYPERALGESIA OR analgesi* OR (transcutaneous electric*) OR
(nerve stimulation) OR TENS OR acupuncture OR Glossalgi* OR nociceptor* OR
audioanalgesi* OR (electroacupuncture OR electro-acupuncture) OR hyperalgesi* OR
(epidural NEXT anesthe*) OR (epidural NEXT anaesthe*)

1.3 Estratégia de Busca para Tipo de Estudo: Randomized controlled trial OR


Controlled study OR Randomization OR (Double blind procedure) OR (Single blind
procedure) OR (Clinical trial) OR (clinical adj5 trial$) OR (doubl$ or singl$ or tripl$ or
trebl$) OR (blind$ or mask$) OR Placebo$ OR Random$ OR Methodology OR (latin
square) OR crossover OR (cross-over) OR (Crossover Procedure) OR (Drug
comparison) OR (Comparative study) OR (comparative adj5 trial$) OR (control$ OR

Rua Pedro de Toledo, 598 Vila Clementino São Paulo – SP CEP 04039-001 Brasil
Fone: (55**11) 5575-2970 Fax: (55**11) 5579-0469
E-mail: cochrane.dmed@epm.br URL: http://www.centrocochranedobrasil.org
3

Auxiliar, Realizar
e Divulgar
Revisões Sistemáticas
de Terapêutica
CENTRO COCHRANE
em Saúde
DO BRASIL
prospectiv$ OR volunteer$) OR (exp Evaluation and Follow Up) OR (Prospective
study)

2 ARTIGOS LOCALIZADOS ATRAVÉS DA ESTRATÉGIA DE BUSCA:

Lilacs – 35 estudos
Pubmed – 16 estudos
2.2 Artigos Incluídos : não foram incluídos novos estudos
2.3 Artigos Excluídos: não foram incluídos novos estudos

2.4 Metanálises de Revisão original com os artigos acrescidos pela atualização:


não foram realizadas novas metanálises por não haver novos estudos incluídos.

3 DISCUSSÃO:

Como não foi incluído nenhum estudo na presente atualização, não acrescentamos
nenhum dado adicional. Apenas deve-se avaliar a presente revisão com cautela, visto
que os estudos incluídos foram de baixa qualidade metodológica com amostra
pequena, portanto possibilidade de viéses não pode ser descartada e qualquer
interpretação, favorável ou não a acupuntura, pode ser espúria.

4 CONCLUSÃO DA EQUIPE DO CENTRO COCHRANE DO BRASIL

4.2 Implicações para a Prática Clínica:


As evidências existentes ainda são insuficientes para recomendar o uso da
acupuntura como tratamento de rotina de cefaléias.

Rua Pedro de Toledo, 598 Vila Clementino São Paulo – SP CEP 04039-001 Brasil
Fone: (55**11) 5575-2970 Fax: (55**11) 5579-0469
E-mail: cochrane.dmed@epm.br URL: http://www.centrocochranedobrasil.org
4

Auxiliar, Realizar
e Divulgar
Revisões Sistemáticas
de Terapêutica
CENTRO COCHRANE
em Saúde
DO BRASIL

4.3 Implicações para a Pesquisa Científica

É necessário realização de ensaios clínicos randomizados de boa qualidade e que os


novos estudos utilizem variáveis dicotômicas na análise de resultados e não variáveis
contínuas na análise dos desfechos primários, visto que a interpretação de resultados
expressos a partir de variáveis contínuas são de difícil interpretação. Futuros estudos
devem também dar maior ênfase nos resultados a longo-prazo e na ocorrência de
possíveis efeitos adversos da acupuntura.
A realização de ensaios clínicos randomizados de boa qualidade permitirá
estabelecer taxas de eventos mais confiáveis para realização de análise econômica,
preferencialmente usando indicadores de custos de nosso âmbito.

5. Notas
“Nenhuma observação reportada”

Rua Pedro de Toledo, 598 Vila Clementino São Paulo – SP CEP 04039-001 Brasil
Fone: (55**11) 5575-2970 Fax: (55**11) 5579-0469
E-mail: cochrane.dmed@epm.br URL: http://www.centrocochranedobrasil.org