Você está na página 1de 1

1.

INTRODUÇÃO AO CONCEITO DE DENSIDADE


Como os humanos passaram a usar o espaço ao longo do tempo - em alguns casos julgados intensamente
demais, em outros não suficientemente intensos - e os problemas ligados a isso resultaram em discussões sobre
a aplicação do conceito de densidade no urbanismo.1 O uso de o conceito variou muito através do planejamento
e design modernos. No início do século XX, Raymond Unwin alegou que nada se ganharia com a superlotação
das cidades; ele propôs uma densidade padrão de 12 casas por hectare máximo, ou 30 casas por hectare2
(Unwin 1909: 320). Cinquenta anos depois, Jane Jacobs avisou que as favelas americanas não eram apenas um
problema enfrentado nas cidades do interior, mas também nas áreas de baixa densidade e sem graça nas
franjas. Ela sugeriu que um mínimo de 100 habitações por acre líquido (250 habitações por hectare) era uma
condição necessária para uma vida vital e participativa na cidade (Jacobs 1961: 211). Atualmente altas
densidades e a cidade compacta são frequentemente vistas como pré-requisitos para a urbanização sustentável
e crescimento econômico (Hall 1999; Flórida 2002; Jenks 1996; Lozano 1990; Newman & Kenworth 1999;
Urhahn 1996; van Kann & Leduc 2008). O conceito de densidade no urbanismo é freqüentemente usado para
descrever a relação entre uma determinada área e o número de certas entidades nessa área. Essas entidades
podem ser pessoas, moradias, serviços ou espaço físico. No entanto, o simples fato de que a densidade é
usada, por exemplo, em requisitos de projeto, descrições de planos e comunicação entre as partes, não significa
que seja usado corretamente ou em todo o seu potencial. Nos capítulos seguintes, descrevemos as origens e os
conteúdos dos conceitos existentes, a maneira como esses conceitos foram usados ​para orientar o uso do
espaço e suas limitações em fazê-lo. Também apresentamos uma abordagem alternativa e multivariada e os
resultados alcançados. Antes de fazer isso, este capítulo define as principais questões de pesquisa e a estrutura
do livro. É importante fazer uma distinção entre a densidade urbana usada para descrever um ambiente
construído (uso descritivo); e a densidade urbana usada como norma no processo de planejamento e projeto da
cidade (uso prescritivo ou normativo). Antes do século 20, a densidade nas cidades era apenas um resultado do
complexo processo de desenvolvimento da cidade. Técnicas de construção, restrições legais, tradições,
exigências de rentabilidade econômica, etc. determinaram as possíveis densidades resultantes. No entanto,
nenhum uso consciente foi feito de densidade. De fato, a densidade como um conceito na análise e
planejamento urbano provavelmente não existia até