Você está na página 1de 16

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI

CENTRO DE TECNOLOGIA - CT
DISCIPLINA: ENSAIOS MECÂNICOS DOS MATERIAIS
CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS

Ensaios de Dureza: Brinell, Rockwell e Vickers

Discente: Railson Machado Pinto


Docente: Prof. Edivaldo Feitosa Pereira Filho

Teresina, maio de 2018.


Railson Machado Pinto

Ensaios de Dureza: Brinell, Rockwell e Vickers

Trabalho apresentado como requisito


parcial avaliativo da disciplina de
Ensaios Mecânicos dos Materiais.

Orientador: Prof. Edivaldo Feitosa


Pereira Filho.

Teresina, maio de 2018.


SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 3

1.1 Ensaio de Dureza Brinell.................................................................................. 3

1.2 Ensaio de Dureza Rockwell ............................................................................. 5

1.3 Ensaio de Dureza Vickers ................................................................................ 5

2. MATERIAIS E MÉTODOS ..................................................................................... 6

2.1 Materiais .......................................................................................................... 6

2.2 Equipamentos ................................................................................................. 8

3. RESULTADOS e DISCUSSÃO ............................................................................ 9

3.1 Dureza Brinell .................................................................................................. 9

3.2 Dureza Rockwell........................ .................................................. ..................12

3.3 Dureza Vickers............................................................................................... 13

4. CONCLUSÕES ..................................................................................................... 14

5. REFERÊNCIAS ..................................................................................................... 14
1. INTRODUÇÃO

Inicialmente, para uma compreensão básica dos ensaios mecânicos são


necessários previamente o entendimento e o conhecimento de alguns conceitos
imprescindíveis. Todo material sólido possui a característica de deformação quando
submetido a certas cargas ou esforços externos. Assim, as características mecânicas
(propriedades) dos materiais definem o seu comportamento (resposta a deformação)
quando sujeito a esforços externos, sua habilidade de resistir, absorver e transmitir
esses esforços sem fraturar-se ou deformar de forma excessiva [4].

A dureza é uma propriedade importante dos materiais, e pode ser denominada


como a resistência do material à penetração, à deformação plástica permanente e ao
desgaste. Em geral os materiais duros são também frágeis. Assim, as propriedades
mecânicas dos materiais podem ser obtidas por ensaios cuidadosamente
programados, que reproduzem as condições de serviço [3].

Com base nos fatores a serem considerados nos ensaios, podem ser incluídos
a natureza da carga aplicada, a duração de aplicação dessa carga e as condições
ambientais. A carga pode ser de tração, compressão ou cisalhamento, e a sua
magnitude pode ser constante ao longo do tempo ou então flutuar continuamente [1].
Partindo disto, existem alguns ensaios que podem determinar a dureza, por exemplo,
de uma peça metálica. Dentre os ensaios mecânicos conhecidos, serão abordados
neste trabalho apenas os ensaios de dureza Brinell, Rockwell e Vickers, que foram
realizados em peças metálicas com e sem tratamento térmico e, como resultado, foi
possível medir a dureza de cada material.

1.1. Ensaio de Dureza Brinell

Este ensaio foi proposto inicialmente por J. A. Brinell, sendo o primeiro ensaio
de penetração padronizado e reconhecido industrialmente. Esse método consiste em
comprimir uma esfera de aço temperado ou de carboneto de tungstênio na superfície

3
do material ensaiado (por exemplo, uma peça metálica), gerando uma calota esférica
ou mossa, conforme esquematizado na Figura 1 [2,3].

Figura 1. Esquema de um Ensaio Brinell [3].

Sendo assim, a dureza Brinell é dada pela relação entre a carga aplicada e a
área da calota esférica, que pode ser observada na expressão abaixo.

Assim, a dureza é expressa em termos de tensão (Pa), P é a carga de


impressão (N) e S a área da calota esférica impressa (mm2). Fazendo-se as devidas
substituições, tem-se que o D é o diâmetro do penetrador e d o diâmetro da impressão,
conforme ilustrado na expressão seguinte [5].

4
1.2. Ensaio de Dureza Rockwell

Este ensaio é baseado na profundidade de impressão causada por um


penetrador sob a ação de uma carga como indicador da medida de dureza. O que
difere, portanto, da dureza Brinell que leva em conta a área de impressão. Existem
dois tipos de dureza Rockwell, a comum e a superficial, dependendo do penetrador e
da pré-carga e cargas utilizadas [5].

A pré-carga é necessária para eliminar a ação de eventuais defeitos superficiais


e ajudar na fixação da amostra no suporte da máquina, bem como causar pequena
deformação permanente, eliminando erros consequentes da deformação elástica. O
penetrador pode ser uma ponta de diamante cônico com ângulo de 120º e ligeiramente
arredondada, ou uma esfera de aço endurecido, geralmente com diâmetro de 1,59
mm, mas também, pode apresentar outros diâmetros [6].

A profundidade de penetração é correlacionada pela máquina de ensaio a um


número arbitrário, cuja leitura é feita diretamente na escala da máquina, após a
retirada da carga total. Assim, o número de dureza Rockwell é citado com o símbolo
HR, seguido da escala utilizada e, ocasionalmente, da carga de ensaio [5].

1.3. Ensaio de Dureza Vickers

É semelhante ao método Brinell, pois também relaciona a carga aplicada com


a área superficial da impressão. O penetrador padronizado é uma pirâmide de
diamante de base quadrada e com um ângulo de 136º entre faces opostas [1].

O ensaio é aplicável a todos os materiais metálicos com quaisquer durezas,


especialmente materiais muito duros, ou corpos de prova muito finos, pequenos e
irregulares. Devido à forma do penetrador, esse teste é também conhecido como teste
de dureza de pirâmide de diamante. A Figura 2 mostra o esquema de aplicação do
método Vickers [3].

5
Figura 2. Esquema representativo do método Vickers [1,3].

A forma da impressão é a de um losango regular, cujas diagonais devem ser


medidas por um microscópio acoplado à máquina de teste; a média dessas duas
medidas é utilizada para a determinação da dureza Vickers, que é dada pela seguinte
expressão:

Em que P é a carga aplicada (N), L é a média do comprimento das diagonais


da impressão (mm) e θ é o ângulo entre as faces opostas do penetrador (θ =136º) [1,3].

2. MATERIAIS E MÉTODOS

2.1. Materiais

No Ensaio de Dureza Brinell foi utilizado um corpo-de-prova de aço-carbono


(1045) sem tratamento térmico e dois com tratamento térmico, e foi aplicada sobre o
mesmo uma carga de 1839 N durante 15 segundos. Além disso, para o ensaio, foi
utilizado um indentador ou penetrador de esfera com diâmetro de 2,5 mm.

6
Já no Ensaio de Dureza Rockwell, foram utilizados: uma carga de 588 N,
penetrador (cone de diamante) e escala A, onde foram ensaiadas peças metálicas de
aço-carbono (1045), uma sem tratamento térmico e duas com tratamento térmico,
assim como no ensaio Brinell.

No ensaio de dureza Vickers foi utilizado um corpo-de-prova de aço-carbono


(1045) sem tratamento térmico, e foi aplicada sobre o mesmo uma carga de 50 g/F
durante um período de 15 segundos. Também, para o ensaio, foi utilizado um
indentador ou penetrador denominado como pirâmide de base quadrada.

Por fim, os ensaios foram repetidos três vezes para cada corpo-de-prova sem
e com tratamento térmico, obtendo-se, assim, a média dos valores de dureza. A Figura
3 mostra as peças metálicas (aço-carbono 1045) ou corpos-de-prova com e sem
tratamento térmico utilizados nos ensaios de dureza Brinell, Rockwell e Vickers.

Figura 3. Imagem dos Corpos-de-Prova Após os Ensaios de Dureza Brinell, Rockwell


e Vickers.

FONTE: O autor (2018)

7
2.2. Equipamentos

Os equipamentos usados para realizar os ensaios de dureza Brinell, Rockwell


e Vickers podem ser observados na Figura 4 e 5.

Figura 4. Equipamento Usado para a Obtenção dos Valores de Dureza Brinell e


Rockwell.

FONTE: O autor (2018)

Figura 5. Equipamento Usado para a Obtenção dos Valores de Dureza Vickers.

FONTE: O autor (2018)


8
3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

3.1. Dureza Brinell

Levando em consideração que as propriedades dos aços dependem, em


princípio, da sua estrutura. Consequentemente, os tratamentos térmicos modificam,
em maior ou menor escala, a estrutura dos aços, resultando na alteração de suas
propriedades. Além disso, os principais objetivos dos tratamentos térmicos são, em
geral: o aumento ou diminuição da dureza, melhora da usinabilidade, melhora da
resistência à corrosão, melhora da ductilidade, aumento da resistência mecânica,
entre outros [7].

Dessa forma, as propriedades desejadas para os aços, por exemplo o aço-


carbono 1045, dependerão da sua aplicabilidade [7]. A Figura 6 mostra a calota
esférica formada no aço-carbono 1045 após o Ensaio de Dureza Brinell.

Figura 6. Imagem da Calota Esférica Obtida no Ensaio de Dureza Brinell.

Os resultados obtidos no ensaio de Dureza Brinell para o corpo-de-prova de


aço-carbono 1045 sem e com tratamento térmico, são mostrados nas Tabelas 1, 2 e
3.
9
Tabela 1. Valores Obtidos no Ensaio de Dureza Brinell da Peça Metálica sem
Tratamento Térmico.

Corpo-de- Dureza
Quant. de Obtendo o Diâmetro Valor Equiv. de
prova (sem (Manual do
Vezes da Calota (mm) Dureza (HB)
tratamento) Equip.)

(372-73) (299 x 0,004) (1,196 x 4) =


1ª CP 1 157
= 299 = 1,196 4,784
(393-92) (301 x 0,004) (1,204 x 4) =
2ª CP 1 154
= 301 = 1,204 4,816
(657-360) (297 x 0,004) (1,196 x 4) =
3ª CP 1 159
= 297 = 1,188 4,752
(157 + 154 +
Média (∑ ÷ 3)
159) = 156,666

FONTE: O autor (2018)

De acorda com a Tabela 1, percebe-se que houve uma variação na dureza da


peça metálica de aço-carbono 1045 sem tratamento térmico, sendo que o mesmo
ocorreu para as peças com tratamento térmico.
Primeiro, é importante salientar que o tipo de conformação ou a presença de
impurezas podem gerar pontos concentradores de tensão na peça, levando a sua
fragilização e facilitando a propagação de trincas quando submetido a determinados
esforços mecânicos. Estas características podem ter influenciado na dureza do aço-
carbono 1045, o que explica também a variação de dureza observada em diferentes
pontos da peça metálica.
Para a maior precisão dos resultados, os ensaios de dureza foram repetidos
três vezes em cada peça metálica. Para o corpo-de-prova sem tratamento térmico a
média dos valores de dureza Brinell foram de 156,666 HB.
Na Tabela 2 e 3, é observado o aço-carbono 1045 com tratamento térmico. Em
geral, o alívio das tensões residuais pelo tratamento térmico pode não ocorrer de
forma eficiente ou homogênea na peça metálica, o que leva ao mínimo alívio de
tensões residuais. Comparando as peças com e sem tratamento térmico, percebe-se
que aquelas com tratamento térmico tiveram um aumento de dureza, que foi de 208
HB (CP 2) e 282,333 HB (CP 3), observados nas Tabelas 2 e 3.

10
Portanto, o tratamento térmico possibilitou um aumento considerável de dureza
do aço-carbono 1045. É importante ressaltar, que esse aumento de dureza pode ser
conseguido pela difusão ou migração de um determinado material, por exemplo rico
em carbono, para a superfície do aço, resultando no aumento de dureza. E depois,
podem ser feitos outros tratamentos para diminuir as tensões residuais e a fragilidade
do material.

Tabela 2. Valores Obtidos no Ensaio de Dureza Brinell da Peça Metálica com


Tratamento Térmico.

Corpo-de- Dureza
Quant. de Obtendo o Diâmetro Valor Equiv. de
prova (com (Manual do
Vezes da Calota (mm) Dureza (HB)
tratamento) Equip.)

(431-174) (257 x 0,004) (1,028 x 4) =


1ª CP 2 216
= 257 = 1,028 4,112
(590-326) (264 x 0,004) (1,056 x 4) =
2ª CP 2 204
= 264 = 1,056 4,224
(529-265) (264 x 0,004) (1,056 x 4) =
3ª CP 2 204
= 264 = 1,056 4,224
(216 + 204 +
Média (∑ ÷ 3)
204) = 208

FONTE: O autor (2018)

Tabela 3. Valores Obtidos no Ensaio de Dureza Brinell da Peça Metálica com


Tratamento Térmico.

Corpo-de- Dureza
Quant. de Obtendo o Diâmetro Valor Equiv. de
prova (com (Manual do
Vezes da Calota (mm) Dureza (HB)
tratamento) Equip.)

(534-288) (246 x 0,004) (0,984 x 4) =


1ª CP 3 236
= 246 = 0,984 3,936
(550-337) (213 x 0,004) (0,852 x 4) =
2ª CP 3 319
= 213 = 0,852 3,408
(422-200) (222 x 0,004) (0,888 x 4) =
3ª CP 3 292
= 222 = 0,888 3,552
(216 + 204 +
Média (∑ ÷ 3)
204) = 282,333

FONTE: O autor (2018)

11
3.2. Dureza Rockwell

Os resultados obtidos no ensaio de Dureza Rockwell das peças metálicas com


e sem tratamento, estão apresentados na Tabela 4.

Tabela 4. Ensaio de Dureza Rockwell da Peça Metálica sem e com Tratamento


Térmico.
Peça 1 Corpo-de-prova (sem Dureza Rockwell
Escala
(quant. de vezes) tratamento) (HRA)

1ª CP 1 A 45
2ª CP 1 A 41
3ª CP 1 A 46,5

Média (∑ ÷ 3) - - 40,8

Peça 2 Corpo-de-prova (com Escala Dureza Rockwell


(quant. de vezes) tratamento) (HRA)

1ª CP 2 A 55
2ª CP 2 A 51,5
3ª CP 2 A 53

Média (∑ ÷ 3) - - 53,2

Peça 3 Corpo-de-prova (com Escala Dureza Rockwell


(quant. de vezes) tratamento) (HRA)

1ª CP 3 A 63
2ª CP 3 A 63,5
3ª CP 3 A 59

Média (∑ ÷ 3) - - 61,8

FONTE: O autor (2018)

Comparando as peças com e sem tratamento térmico no ensaio de Dureza


Rockwell, percebe-se que aquelas com tratamento térmico, assim como no ensaio
Brinell, tiveram um aumento considerável de dureza, que foi de 53,2 HRA para uma
das peças metálicas (CP 2) e para a outra foi de 61,8 HRA (CP 3), que podem ser

12
vistos na Tabela 4. Portanto, o tratamento térmico possibilitou um aumento
considerável de dureza do aço-carbono 1045, que também, foi comprovado no ensaio
de dureza Rockwell.

3.3. Dureza Vickers

A Figura 7 mostra a impressão feita no aço-carbono 1045 pelo indentador


pirâmide de diamante de base quadrada.

Figura 7. Imagem do Corpo-de-Prova (Aço-carbono 1045) Após o Ensaio de Dureza


Vickers.

Os resultados obtidos no ensaio de Dureza Vickers da peça metálica sem


tratamento térmico, são apresentados na Tabela 5.

13
Tabela 5. Ensaio de Dureza Vickers da Peça Metálica sem Tratamento Térmico.
Peça 1 Corpo-de-prova (sem
Dureza Rockwell (HV)
(quant. de vezes) tratamento)
1ª CP 1 188,7
2ª CP 1 261,2
3ª CP 1 259,8

Média (∑ ÷ 3) - 236,6

FONTE: O autor (2018)

No ensaio de dureza Vickers, o valor obtido de dureza foi de 236,6 HV. Este
ensaio foi realizado apenas para a peça metálica sem tratamento térmico,
consequentemente, os valores de dureza para as peças com tratamento térmico
devem ser superiores, como é provado nos ensaios Brinell e Rockwell, pois todos
ensaios foram feitos nas mesmas peças.

4. CONCLUSÕES

Comparando as peças com e sem tratamento térmico, percebe-se que aquelas


com tratamento térmico tiveram um aumento de dureza. No ensaio de dureza Brinell,
o valor foi de 208 HB (CP 2) e 282,333 HB (CP 3) e no ensaio de dureza Rockwell foi
de 53,2 HRA (CP 2) e 61,8 HRA (CP 3). Já no ensaio de dureza Vickers, o valor obtido
de dureza foi de 236,6 HV apenas para a peça sem tratamento térmico.
Portanto, o tratamento térmico possibilitou um aumento considerável de dureza
do aço-carbono 1045.

5. REFERÊNCIAS

[1] A IMPORTÂNCIA DOS ENSAIOS DESTRUTIVOS NA ENGENHARIA_1. Disponív


el em: <https://pt.scribd.com/document/305726469/A-Importancia-Dos-Enasios-Destr
utivos-Na-Engenharia-1>. Acesso em: 07 de maio de 2018.

14
[2] ENSAIO DE MATÉRIAS. Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAA
AgTeQAD/ensaio-materias?part=5>. Acesso em: 08 de maio de 2018.

[3] ENSAIOS MECÂNICOS DOS MATERIAIS. Disponível em: <https://jorgeteofilo.file


s.wordpress.com/2010/08/epm-apostila-capitulo09-ensaios-mod1.pdf>. Acesso em:
07 de maio de 2018.

[4] PROPRIEDADES MECÂNICAS. Disponível em: <https://www.infoescola.com/fisi


ca/propriedades-mecanicas/>. Acesso em: 6 de maio de 2018.

[5] RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS - ENSAIOS MECÂNICOS. Disponível em: <http


s://www.passeidireto.com/arquivo/35565363/resistencia-dos-materiais--ensaios-ecan
icos/10>. Acesso em: 09 de maio de 2018.

[6] REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.puc-rio.b


r/26139/26139_3.PDF>. Acesso em: 10 de maio de 2018.

[7] TRATAMENTO TÉRMICO DOS AÇOS: RECOZIMENTO, NORMALIZAÇÃO, TÊM


PERA E REVENIDO. Disponível em: <http://www.spectru.com.br/Metalurgia/diversos
/tratamento.pdf>. Acesso em: 08 de maio de 2018.

15