Você está na página 1de 4

Carlos Antônio Andrade Mello

De olhos bem abertos


Carlos Antônio Andrade Mello

Resumo
Em uma história rica de personagens e acontecimentos, o texto se detém na figura de um me-
nino míope, cuja limitação visual o coloca em desvantagem não só no núcleo familiar, tratado
pelos irmãos como “o bobo”, destituído do nome paterno, mas também em relação aos mistérios
do mundo, levando a pensar que sabia mais do que suportava e temia a contemplação plena e
ofuscante do universo das paixões, do sexo, da dor e da morte.

Palavras-chave
Pulsão escópica, Alienação, Não-saber, Morte, Medo da castração

Voltando ao Mutum, crismado, abençoado que, num espaço próprio, na ignorância


pelo bispo do anel vermelho, mal chegava das pequenas coisas, e só lhe cabia contar
à casa, Miguilim não escapava ao cerco: com o saber do outro, que esse outro fosse
quem fosse, até mesmo e quase sempre, seu
– Você foi crismado, então como é que irmão mais novo ainda, o Dito.
você chama? Assim, “[...] o Dito era menor, mas
– Miguilim... sabia o sério, pensava ligeiro nas coisas,
– Bobo! Eu chamo Maria Andrelina Deus tinha dado a ele todo o juízo” (Rosa,
Cessim Caz. Papai é Nhô Bernardo Caz! 2001, p. 35). Ele sabia de tudo, era con-
Maria Francisca Cessim Caz, Expedito sultado e opinava de bom grado. Era o
José Cessim Caz, Tomé de Jesus Cessim menino que, para Miguilim, sabia demais,
Caz... Você é Miguilim Bobo... (Rosa, portando uma resposta para tudo, como
2001, p. 32). gente grande.
Não saber das coisas da vida era o
Excluído da nomeação familiar, alcunhado que talvez resultasse numa intimidade
de Bobo, retraía-se, depreciado reduzido à atemorizante com a morte cuja ideia era
obscuridade. Era esse o lugar que parecia ameaça costumeira, vivenciada em segre-
ocupar na teia familiar – o de bobo, daque- do e silêncio no seu mundo sombrio e na
le que nada sabe, permitindo e precisando solidão coabitada.
de que os outros saibam por ele e que, de Essa morte pressentida para si, com
um Outro, venham tantas certezas, como data marcada, sufocando-o de angústia
a confirmação de sua existência ou a for- na contagem regressiva, se concretizou ali,
mulação de um simples desejo. bem perto, levando de seu mundo o Patori,
Com que satisfação ouvira a infor- o Dito, Luisaltino e, finalmente, o Pai.
mação que tanto gostaria de levar à mãe,
como um presente: “[...] o que o homem Estou inclinado, portanto, a aderir ao
tinha falado – que o Mutum era lugar ponto de vista de que o medo da morte
bonito [...] (Rosa, 2001, p. 28). deve ser considerado como análogo ao
Miguilim se apresenta como o meni- medo da castração e que a situação à qual
no que de nada sabia, talvez porque mal o ego está reagindo é de ser abandonado
avistasse o mundo à sua volta. Vivia, como pelo superego protetor – os poderes do

Reverso • Belo Horizonte • ano 37 • n. 70 • p. 33 – 36 • out. 2015 33


De olhos bem abertos

destino – de modo que ele não dispõe Segundo Lacan ([1964] 1995),
mais de qualquer salvaguarda contra
todos os perigos que o cercam (Freud, Nessa matéria do visível, tudo é armadi-
[1926/1925] 1976, p. 153). lha (p. 92).
[...] o que se trata mesmo é de enganar
Não, Miguilim definitivamente não queria o olho. Triunfo, sobre o olho, do olhar
mesmo saber das coisas do sexo das gentes (p. 101).
e dos bichos, maliciadas pelo Patori e pelo
Liovaldo, e parecia o único a fazer vista Amadurecido à força, à custa de tanto
grossa ao romance entre Mãe e Tio Terêz, sofrimento, de pressentir tão de perto a
causa de cortante tristeza para ela e do própria morte e, por ela arrebatados tantos
afastamento do tio, seu amigo, alguém que figurantes de sua história, Miguilim parece
tanto se aprazia em levá-lo a sério. reconciliado com a vida.
Em sua sensibilidade extremada, ele Como numa virada de página, lhe
era alvo do escárnio da meninada, da surge o recurso da ciência – lentes que
violência implacável do pai e da inércia da lhe permitem enxergar as pequenas coi-
mãe em defendê-lo. Assim, para lidar com sas do mundo e, como lentes que são,
a sina de adversidades à sua volta, parece ensinam-lhe mais sobre todas elas, sobre
que escamoteava a existência dos afetos as pequenas coisas do mundo.
com o semblante de uma ingenuidade
indisfarçável. Afinal, “[...] o Mutum era bonito! Agora
Construía em torno de si um não ele sabia” (Rosa, 2001, p. 152).
querer saber e, favorecido pela miopia,
que lhe permitia não querer ver, nos leva Via e enxergava. Com seus próprios olhos
a pensar que sabia mais do que suportava bem abertos. j
e temia a contemplação plena e ofuscante
do universo das paixões, do sexo, da dor
e da morte. EYES WIDE OPEN
Quanto a esse temor, o da visão ex-
posta a todos os riscos, em A concepção Abstract
psicanalítica da perturbação psicogênica da In a story rich in characters and events, the
visão, Freud considera: text lingers on the figure of a myopic boy,
whose short-sight puts him in disadvantage
Se um órgão que serve a duas espécies not only within his family, in which his siblings
de instintos aumenta seu papel erógeno, treat him as “the fool” and he is deprived from
é de se esperar, em geral, que tal não fatherly name, but also to what concerns the
ocorra sem a excitabilidade e a inervação misteries of the world, leading him to think
do órgão, passivo das alterações, que se that he knew more than he could bear, and to
manifestarão na forma de perturbações fear the full and glaring contemplation of the
de suas funções a serviço do ego. De fato, unverse of passions, of sex, pain and death.
se descobrirmos que um órgão que serve
normalmente à finalidade da percepção Keywords
sensorial começa a se comportar como Scopic drive, alienation, unknwoledge, death,
um genital real quando se intensifica seu fear from castration
papel erógeno, não nos parecerá imprová-
vel que nele também estejam ocorrendo
alterações tóxicas (Freud, [1910] 1976, p.
203, grifo do autor).

34 Reverso • Belo Horizonte • ano 37 • n. 70 • p. 33 – 36 • out. 2015


Carlos Antônio Andrade Mello

Referências
FREUD, S. A concepção psicanalítica da pertur-
bação psicogênica da visão (1910). In: ______.
Cinco lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros
trabalhos (1910 [1909]). Direção-geral da tradução
de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
p. 193-203. (Edição standard brasileira das obras
psicológicas completas de Sigmund Freud, 11).

FREUD, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1926


[1925]). In: ______. Um estudo autobiográfico,
inibições, sintomas e ansiedade, análise leiga e outros
trabalhos (1925-1926). Direção-geral da tradução
de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
p. 95-201. (Edição standard brasileira das obras
psicológicas completas de Sigmund Freud, 20).

LACAN, J. O seminário, livro 11: os quatro conceitos


fundamentais da psicanálise (1964). Texto estabele-
cido por Jacques-Alain Miller. Tradução de M. D.
Magno. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1988. (Campo
Freudiano no Brasil).

Rosa, J. G. Manuelzão e Miguilim. 11. ed. Rio de


Janeiro: Nova Fronteira, 2001. (Corpo de baile).

Recebido em: 07/08/2015


Aprovado em: 11/08/2015

Sobre o autor

Carlos Antônio Andrade Mello


Psicanalista. Sócio efetivo
do Círculo Psicanalítico de Minas Gerais.

Endereço para correspondência


Av. Brasil, 283/1502 - São Lucas
30140-000 - Belo Horizonte - MG
E-mail: <carlosaamello@gmail.com>

Reverso • Belo Horizonte • ano 37 • n. 70 • p. 33 – 36 • out. 2015 35


De olhos bem abertos

36 Reverso • Belo Horizonte • ano 37 • n. 70 • p. 33 – 36 • out. 2015