Você está na página 1de 4

Mala Direta

Postal

EDIÇÃO ESPECIAL
001596/2004-DR/BSB
AMB

CORREIOS

Julho de 2006

INFORMATIVO DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS

Conheça a
Justiça Militar
Neste AMB Informa Especial,
mostramos o que é e como funciona
esse segmento do Judiciário.

A
magistratura não sabe para que a Justiça Militar seja
como funciona e atua a mais conhecida e, sempre que
Justiça Militar. Essa alar- somos chamados, estamos pre-
mante situação foi descoberta sentes”, afirma Max Hoertel.
pela AMB em 2005, por meio A presidente da Associação
de uma ampla pesquisa realiza- dos Magistrados das Justiças
da com seus juízes filiados. Militares Estaduais (Amajme),
Nos quesitos relativos a agili- juíza Marilza Lúcia Fortes, tem
dade, custas e imparcialidade uma visão diferente da do
da Justiça Militar, mais da presidente do STM sobre o des-
metade daqueles que se debru- conhecimento da magistratura
çaram sobre o questionário da em relação à Justiça Militar.
pesquisa não respondeu ou não Para ela, a situação é ges-
emitiu opinião (59,3%, 67,6% e tada ainda nas faculdades
50,7%, respectivamente). de Direito e nas escolas de
Diante desse fato, a AMB magistratura, que não inse-
decidiu realizar uma ampla rem o Direito Penal Militar nas
e perene campanha de divul- suas grades curriculares. Em
gação da Justiça Militar. Ela contrapartida, ela garante que
começou ano passado, por meio de matérias publicadas no AMB sempre busca oportunidades para falar sobre a Justiça Militar para
Informa, e continua com este especial. a sociedade, para a imprensa e para os próprios juízes.
Nas páginas seguintes, explicamos de forma clara e objetiva Já o coordenador da AMB para a Justiça Militar, juiz James Ma-
os ramos e o funcionamento da Justiça Militar. Também falamos galhães de Medeiros, credita à atuação “competente e discreta”
com alguns de seus representantes institucionais e do meio as- o fato de esse segmento do Judiciário ser desconhecido. “Cabe
sociativo para entender o motivo do desconhecimento por parte aos órgãos da Justiça Militar, em suas respectivas esferas, divulgar
dos magistrados. com maior intensidade o seu funcionamento e competência.”
Segundo o presidente do Superior Tribunal Militar (STM), minis- O presidente da Associação dos Magistrados da Justiça Militar
tro-general Max Hoertel, a principal causa do desconhecimento da União (Amajum), juiz Carlos Augusto de Moraes Rego, lembra
em relação à Justiça Militar é a inexistência de casos e crimes que que, em um passado recente, quando tinha competência para
despertem a atenção dos meios de comunicação. julgar os crimes contra a segurança nacional, a Justiça Militar
Ainda segundo o ministro, esse segmento costuma ser ignorado pelo da União ganhou uma projeção enorme, merecendo elogios por
próprio Poder Judiciário em ocasiões importantes. E ele cita um exemplo parte da sociedade brasileira. “E isso especialmente por parte dos
contundente: o fato de o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) não possuir advogados, que constataram a seriedade e imparcialidade dos
conselheiro que represente a Justiça Militar. “Nós estamos trabalhando julgamentos então realizados”, conta Carlos Augusto.
Julho de 2006

Justiça Militar da União e Justiça Militar Estadual


Saiba as diferenças e as competências de cada uma.

Justiça Militar da União Justiça Militar Estadual

Competência Processa e julga os integrantes das Forças Armadas Processa e julga os crimes militares e as ações
(Marinha, Exército e Aeronáutica) acusados de judiciais contra atos disciplinares praticados pelos
crime militar, definido no Código Penal Militar. oficiais e praças da Polícia Militar e do Corpo de
Diferentemente da Justiça Militar Estadual, a Justiça Bombeiros Militar, bem como os crimes cometidos
Militar da União pode julgar civis em casos espe- por militares da reserva e reformados, nos casos
cíficos (ver abaixo). especificados na legislação penal militar.

Composição O Superior Tribunal Militar, a mais alta corte da Juízes de Direito, com exercício nas varas da Justiça
Justiça Militar, compõe-se de 15 ministros vitalícios, Militar e nos Conselhos de Justiça (primeiro grau de
nomeados pelo presidente da República, depois de jurisdição). Na segunda instância, é composto pelos
aprovada a indicação pelo Senado Federal. Três dos Tribunais de Justiça Estaduais ou pelos Tribunais de
indicados devem ser oficiais-generais da Marinha, Justiça Militar, no caso dos estados em que o efetivo
quatro, do Exército, e três, da Aeronáutica, todos militar seja superior a 20 mil.
da ativa e do posto mais elevado da carreira. Os
outros cinco indicados devem ser civis*.

*Os cinco ministros civis nomeados


pelo presidente da República devem ser
escolhidos dentre brasileiros maiores
de 35 anos. Três têm de ser advogados
de notório saber jurídico e de conduta
ilibada, com mais de dez anos de
O que são crimes militares? atividade profissional. Os outros dois
são escolhidos dentre juízes-auditores
e integrantes do Ministério Público da
Os crimes julgados pela Justiça Militar da União (JMU) estão definidos no Código Justiça Militar.
Penal Militar. De forma geral, em tempos de paz, eles podem ser definidos da seguinte
forma:
• Crimes de militares contra o serviço militar e contra o dever militar.
• Crimes contra autoridade ou disciplina militar.
• Crimes contra militares.
• Crimes contra a administração e contra o patrimônio militar. E xpediente
• Crimes cometidos em locais sob a administração militar.
• Crimes contra a segurança externa do país. AMB Informa é uma publicação da Associação dos
Magistrados Brasileiros (AMB).
Os civis também podem ser julgados pela Justiça Militar da União se cometerem crimes Endereço: Centro Empresarial Liberty Mall, SCN,
contra o patrimônio e contra a administração militar, bem como infrações em local sujeito Qd 2, Bloco D, Torre B, Conjunto 1302, Brasília,
DF, CEP 70.712-903, Tel. (61) 2103-9000.
à administração militar e crimes contra militares no exercício de funções militares. Página na internet: www.amb.com.br.
Com os crescentes índices de criminalidade, o perfil dos crimes julgados pela Justiça E-mail: imprensa@amb.com.br.
Militar da União foi ampliado. Antes, os casos de deserção, por exemplo, eram os mais Edição: Raquel Raw.
Reportagem: Ana Rita Gondim.
comuns. Consultoria de Comunicação: In Press Porter Novelli
Atualmente, é freqüente a tramitação, nas instâncias da JMU, de crimes como tráfico (61) 3323-8764.
Programação visual: Apoena Pinheiro.
e uso de drogas, roubo de armas e estelionato, entre outros. Especiais agradecimentos para os juízes mili-
Já na esfera estadual, policiais e bombeiros militares são julgados por crimes previstos tares Carlos Augusto de Moraes Rego, Getúlio
no Código Penal Militar. Corrêa, James Magalhães de Medeiros e Marilza
Lúcia Fortes.

2
Julho de 2006

Saiba como funciona a Justiça Militar da União


A

Divulgação/STM
Justiça Militar da União (JMU)
situa-se em posição de destaque
no organograma dos Poderes da
República, representada pelo Superior
Tribunal Militar (STM). Atuante em todo
o território nacional, ela está dividida em
12 circunscrições judiciárias militares.
Cada circunscrição abriga uma ou mais
auditorias militares, que são os órgãos res-
ponsáveis pela aplicação das leis militares
nas 27 unidades da federação.
As auditorias militares são os órgãos de
primeira instância da Justiça Militar da
União. Elas têm jurisdição mista, ou seja,
cada uma julga os processos relativos à
Marinha, ao Exército e à Aeronáutica. A
Justiça Militar também conta com uma
Plenário do STM: 2ª instância da JMU.
Auditoria de Correição, sediada em Brasí-
lia (DF), que fiscaliza e orienta, jurídica e
administrativamente, as ações das demais
auditorias. Em cada uma das 18 auditorias,
exceto a Auditoria de Correição, atuam um defesa do réu que não pode constituir ad- marcante exemplo desse tipo de pedido é o
juiz-auditor e um juiz-auditor substituto, ne- vogado. Na área administrativa, a Justiça caso Riocentro, quando o pedido de correi-
cessariamente civis. Os cargos são providos Militar da União dispõe de cerca de 700 ção parcial não foi provido pelo tribunal.
por meio de concursos públicos. servidores civis especializados em questões Ao dar início ao processo, o juiz-auditor
técnicas do Poder Judiciário. convoca o Conselho Permanente de Justi-
Primeira instância ça, constituído pelo juiz e por quatro oficiais
A primeira instância da Justiça Militar da Rito do julgamento da mesma Força do acusado, desde que o
União é composta pelos juízes-auditores Diante da evidência do cometimento de réu seja civil ou praça.
e juízes-auditores substitutos. Em cada algum crime de natureza militar, a primeira No caso de julgamento de oficiais, como
auditoria, há dois juízes. Atuam com os providência de uma autoridade militar é tenentes, capitães e coronéis, é instalado
juízes militares, promotores e procuradores instaurar um Inquérito Policial Militar, o o Conselho Especial de Justiça, formado
do Ministério Público Militar e defensores IPM, a fim de que o fato seja apurado. por quatro oficiais da mesma Força e
públicos da União. de patente superior à do acusado ou do
Auditoria de Correição - A Justiça Mi- Depois de encerradas as investigações, o mesmo posto, desde que mais antigo.
litar dispõe, ainda, de um juiz-auditor IPM é remetido ao juiz-auditor, que, por sua Ao lado do juiz-auditor, eles promoverão
corregedor, que trabalha com o objetivo vez, o envia ao representante do Ministério o julgamento.
de uniformizar procedimentos e corrigir Público Militar. Convencido das evidências Se o réu ou o promotor não concordar
eventuais equívocos cometidos nas audi- do crime e de sua autoria, o promotor com o resultado do julgamento, há possi-
torias militares. oferece a denúncia ao juiz. Recebida a bilidade de apresentar um recurso. Nesse
denúncia, é instaurado o processo e tem caso, quem julgará o recurso é o STM,
Segunda instância início a instrução criminal. Se a denúncia a segunda e última instância da Justiça
É o STM. Durante os julgamentos nas cor- for rejeitada, o IPM é arquivado. Militar da União.
tes militares, atua sempre um representan- Nesse caso, o processo é enviado à Audi- Mas se o acusado de um crime for um
te do Ministério Público Militar da União, toria de Correição. O corregedor que não oficial-general da Marinha, do Exército ou
na condição de fiscal da lei. Quando ne- concordar com a decisão de arquivamento da Aeronáutica, somente os ministros do
cessário, atua também um representante pode argüir correição parcial da decisão STM, por competência originária, poderão
da Defensoria Pública Geral da União na ao Superior Tribunal Militar (STM). O mais realizar o julgamento.

3
Julho de 2006

Saiba como funciona a Justiça Militar Estadual


H
Apoena Pinheiro

á órgãos da Justiça Militar Estadual selho Especial de Justiça, integrado por


em todas as unidades da federa- militares de patente superior à do réu,
ção. Com exceção de São Paulo, julga oficiais.
Rio Grande do Sul e Minas Gerais, onde Para cada oficial que responder a um
funciona mais de uma auditoria militar, processo, forma-se um Conselho, já que
nos demais estados existe somente uma o Conselho Permanente de Justiça dura
auditoria, onde atua um juiz de Direito, um três meses. O juiz monocrático ainda
promotor de Justiça da carreira e, em alguns julga as ações judiciais contra atos dis-
estados, um advogado para exercer a defe- ciplinares de militares.
sa de praças (de soldados a subtenentes). No Rio Grande do Sul, em Minas Gerais
O rito processual para os processos e em São Paulo, a segunda instância é o
criminais é igual ao da Justiça Militar da Tribunal de Justiça Militar. Nos outros es-
União e as ações judiciais decorrentes de tados da federação, a segunda instância é
punições disciplinares tramitam de acordo composta pelos Tribunais de Justiça.
com a legislação comum. Por exemplo, se um policial militar faz
Após a Emenda Constitucional nº 45/04 uso do revólver e causa lesão corporal ao
(a reforma do Judiciário), surgiu uma nova detido durante o serviço, esse fato é da
competência da Justiça Militar Estadual: competência do juiz monocrático da Justiça
quando o agente passivo for civil, os mili- Militar Estadual.
tares estaduais serão julgados monocrati- Caso a pessoa lesionada seja um PM ou
camente pelo juiz. um BM, a competência será do Conselho
Se a vítima for outro militar ou policial ou de Justiça.
bombeiro militar (PM ou BM) será julgado Se um tenente policial militar for o
por um Conselho de Justiça. O Conselho causador da lesão, ele será julgado pelo
Permanente, formado por quatro oficiais Conselho Especial de Justiça com oficiais
mais o juiz togado, julga praças. O Con- superiores, isto é, de capitão em diante.

Contra o princípio da insignificância


C
Recrudescimento de crimes om os crescentes índices de crimina- insignificância, condenando os acusados a
relacionados a uso de drogas lidade, o perfil dos crimes julgados penas que podem alcançar até cinco anos de
pela Justiça Militar da União (JMU) reclusão, estipuladas no Código Penal Militar.
exige atuação firme da JMU. foi ampliado. Antes, os crimes de deserção, Segundo informações da assessoria de
por exemplo, eram os mais comuns. imprensa do STM, as condenações se jus-
Atualmente, é freqüente a tramitação, nas tificam em virtude das relações especiais
instâncias da JMU, de crimes relacionados que caracterizam a vida organizacional das
ao tráfico e ao uso de drogas, ao roubo de Forças Armadas. Nesse ambiente, o uso e
armas e ao estelionato, entre outros. a difusão de entorpecentes podem causar
As ocorrências mais comuns são de mili- prejuízos à segurança e à disciplina.
tares encontrados com porções de maco- Um exemplo contundente é o fato de os
nha nos quartéis. O STM vem condenando soldados, em conseqüência de suas funções
os acusados mesmo quando a quantidade e responsabilidades, terem a sua disposição
de droga é pequena e para uso próprio. armas e outros equipamentos bélicos, além
Por maioria, os ministros do STM têm optado de guardarem instalações que precisam
por não aplicar, nesses casos, o princípio da estar sob vigilância permanente.