Você está na página 1de 37

UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP

Centro de Educação a Distância


Campus Vila Mariana - SP
Curso Superior de Ciências Contábeis 7ª Série

EDLAINE ARAUJO – RA – 012359075

EUNICE LEMES FONSECA RA -1299116298

SARA FERNANDA UCHOA RA – 1299116738

WANDERLEY SAMUEL PEREIRA - RA: 1299116406

DESAFIO PROFISSIONAL

Disciplinas Norteadoras:

Contabilidade Avançada I,

Contabilidade Internacional,

Competências Profissionais,

Noções de Atividades Atuariais

Contabilidade Gerencial.

Tutor EAD: Cipriano Martinez

SÃO PAULO - SP
2018
UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP

Centro de Educação a Distância


Campus Vila Mariana - SP
Curso Superior de Ciências Contábeis 7ª Série

EDLAINE ARAUJO – RA – 012359075

EUNICE LEMES FONSECA RA -1299116298

SARA FERNANDA UCHOA RA - 1299116738

WANDERLEY SAMUEL PEREIRA - RA: 1299116406

DESAFIO PROFISSIONAL

Trabalho apresentado ao Curso de Ciências Contábeis


7ª série do Centro de Educação a Distância da
Universidade Anhanguera UNIDERP, como requisito
parcial para obtenção de nota na Atividade Avaliativa
Desafio Profissional da qual compõe as disciplinas
norteadores: Contabilidade Avançada I, Contabilidade
Internacional, Competências Profissionais, Noções de
Atividades Atuariais e Contabilidade Gerencial, sob
orientação do tutor EAD Cipriano Martinez

SÃO PAULO - SP
2018
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO..............................................................................................................4
DESENVOLVIMENTO...................................................................................................5
1 – O processo de convergência das normas contábeis aos padrões............5

internacionais. (Passo 1)............................................................................................5

2 - Investimento Wooden Plank S.A (Passo 2).........................................................8

3 - Comparativo de Empresas - (Passo 3).............................................................10


4. Previdência pública x Previdência privada ( Passo 4. )...................................24

Conclusão..................................................................................................................35
Referências bibliográficas.......................................................................................36
INTRODUÇÃO

Este trabalho tem como objetivo mostrar a importância da Contabilidade como


ferramenta de gestão empresarial, financeira e gerencial, diferenciando-as e
abordando sua relevância para a organização, selecionaremos uma empresa para
aplicar essas ferramentas, utilizando as demonstrações financeiras para calcular os
indicadores de liquidez, endividamento e rentabilidade, após os cálculos será emitido
um parecer, sendo ele como uma consultoria para a empresa mostrando o
desempenho encontrado.
Pretende-se demonstrar a importância da Contabilidade na gestão da
empresa, por constituir um instrumento que permite ao gestor tomar as decisões
baseadas em informações mais aprofundadas sobre a situação da empresa em
determinado período, principalmente pelo fato de a Contabilidade já estar viabilizada
no interior da empresa, e de acordo com a legislação do país.
O processo de convergência das normas contábeis ao padrão internacional,
também conhecido como processo de harmonização das normas contábeis, tem
gerado muitas discussões entre os estudiosos dessa área e nas empresas que
precisam se adequar a essa nova realidade.
A grande quantidade de mudanças resultantes da adoção dos
padrões contábeis internacionais (essência sobre a forma, cálculo de valor
de uso, classificação de instrumentos financeiros, teste de recuperabilidade,
subjetivismo responsável, etc.) exige alto grau de conhecimento e busca por
atualização por parte dos docentes (FERNANDES et al., 2011, p.20).

Neste desafio abordaremos esse assunto relatando os principais resultados


encontrados nesse processo de convergência relacionando com a publicação das
normas do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC).
O CPC é órgão responsável em traduzir as normas da contabilidade
internacional para devidas aplicações no âmbito nacional, tem como objetivo o
estudo o preparo e a emissão dos pronunciamentos técnicos sobre os
procedimentos de contabilidade e a divulgação de informações dessa natureza.
A importância deste trabalho deve-se ao fato da contabilidade ser vista como
a linguagem financeira universal no mundo dos negócios e a harmonização de suas
normas ser um processo de extrema necessidade e relevância para as empresas
que operam em diversos países.

4
DESENVOLVIMENTO

1 – O processo de convergência das normas contábeis aos padrões


internacionais. (Passo 1)

A Contabilidade Internacional é o estudo das normas contábeis vigentes no


Brasil, na União Europeia, nos Estados Unidos e em outros países aplicáveis à
Contabilidade Geral, tendo em vista a realização de operações internacionais e a
captação de recursos financeiros.
Com a Lei 11.638/2007, o Brasil passou a adotar as Normas Internacionais de
Contabilidade, mais comumente conhecidas por IFRS. Essa nova lei introduziu
importantes conceitos do direito societário, tendo sido adaptados conceitos legais
bastante utilizados em economias mais desenvolvidas.
Os benefícios de toda essa normatização das normas brasileiras com as
normas internacionais já são conhecidos por todos e diante deste contexto Braga e
Almeida (2008) ressaltam que a Lei 11.638/07, ao possibilitar essa convergência
internacional, irá permitir, no futuro, o custo reduzido e uma taxa de riscos menores
para o acesso das empresas brasileiras a capitais externos.
Neste sentido, órgãos internacionais vêm mostrando a necessidade de
harmonização das práticas contábeis, a nível mundial, consolidando assim a
Contabilidade como linguagem universal dos negócios.
Harmonização e Padronização são processos pelos quais se procura diminuir
as diferenças internacionais nos padrões dos relatórios contábeis. Enquanto a
harmonização objetiva aumentara compatibilidade das práticas contábeis, o
processo de padronização implica na imposição de padrões mais rígidos e estreitos
para diferentes países.
Esse sistema de padronização existe em oficio do atendimento de finalidades
como, por exemplo: facilitar as atividades das empresas transnacionais, difundir
competência na área contábil e servir de alternativa dos padrões norte-americanos,
atender as necessidades de investidores.
Para os investidores é importante se ter uma harmonização contábil, com o
intuito de aumentar a comparabilidade das informações contábeis entre as empresas
de diversos países, uma vez que investidores internacionais querem saber o retorno

5
de seus investimentos, retorno este calculado por regras e padrões que sejam de
seu conhecimento.
Por isso, a harmonização e a padronização contábil têm sido colocadas como
sendo importantes instrumentos institucionais para contribuir com a globalização dos
mercados de capitais.
O Comitê de Pronunciamentos Contábeis – CPC tem por objetivo realizar
estudos, e emitir pronunciamentos técnicos sobre os procedimentos de
contabilidade, para uma melhor interpretação das Normas Internacionais de
contabilidade, que precisavam ser traduzidas para que as empresas brasileiras
pudessem aplicá-las.
A convergência é para que as empresas de todo o mundo possam falar a
mesma linguagem contábil e para as empresas que possuem filiais em outros
países, não precisem converter seus balanços, pelo fato das normas de cada país
serem diferentes, é uma linguagem internacional, desde os lançamentos contábeis a
estrutura das demonstrações contábeis/financeiras.

LEI 11.638/2007 A Nova Visão Contábil

No mundo inteiro existem diversas formas de se contabilizar o patrimônio das


entidades. Sendo assim, cada país registra uma mesma operação de forma
diferente e isso dificulta a análise dos exportadores e importadores com relação aos
seus clientes, fornecedores ou até mesmo com os seus concorrentes e faz com que
diversas multinacionais refaçam a contabilidade de suas filiais com sede em outros
países, para que haja um melhor entendimento de seus demonstrativos.
Com a inclusão da lei 11.638/2007, a prática da contabilidade sofre uma vasta
alteração, fazendo com que o contador não se torne apenas um responsável pela
apuração e pagamento de tarifas e impostos no Brasil.
[...] mais do que mudanças em normas, essa internacionalização
significa uma mudança de filosofia, postura e pensamento quanto a pelo
menos três tópicos: primazia da essência sobre a forma, primazia da análise
de riscos e benefícios sobre a propriedade jurídica e normas orientadas por
princípios e não por regras excessivamente detalhadas e formalizadas.
Essa deve ser, de fato, a grande mudança na Contabilidade brasileira que
se inicia com essa nova Lei. (Martins e Santos 2008)

Conforme a nova lei, de observância obrigatória para as companhias abertas,


que visa à harmonização das normas contábeis e que tem o intuito de unificar a
contabilidade, onde um mesmo registro de uma mesma operação em um país tem
6
que ser idêntico ao de outro, os relatórios contábeis deverão ser elaborados
observando-se os padrões internacionais de contabilidade. Desta forma, os
procedimentos contábeis no Brasil serão os mesmos em outros países.
Entre os objetivos desta lei, além de alterar artigos da lei nº. 6.404/1976 para
atualizá-la ao novo mundo de negócios global, deve ser ressaltado o de providenciar
maior transparência às atividades empresariais brasileiras.
Abaixo, as principais alterações trazidas pela Lei 11.638/07:
• Introduziu o conceito de empresa de grande porte em seu Artigo III,
Parágrafo Único: Considera-se de grande porte, para os fins exclusivos desta Lei, a
sociedade ou conjunto de sociedades sob controle comum que tiver no exercício
social anterior, ativo total superior a R$ 240.000.000,00 (duzentos e quarenta
milhões de reais) ou receita bruta anual superior a R$ 300.000.000,00 (trezentos
milhões de reais);
• Inclusão da Demonstração do Valor Adicionado - DVA, no conjunto das
demonstrações financeiras elaboradas, divulgadas e que devem ser aprovadas pela
assembleia geral ordinária - AGO (art. 176, V, LSA);
• Substituiu no Balanço Patrimonial a Demonstração das Origens e Aplicações
de Recursos - DOAR pela Demonstração de dos Fluxos de Caixa - DFC (art. 176, IV,
LSA);
• Alterações nas contas do Balanço Patrimonial: com a criação dos grupos de
contas: Intangível, o grupo de Ajustes de Avaliação Patrimonial, Ações em
Tesouraria, Demonstração dos Fluxos de Caixa e Demonstração do Valor Adicionado
(para Cias. abertas);
• Foi criada nova possibilidade de segregação entre escrituração mercantil e
escrituração tributária como alternativa para a Companhia adotar sua escrituração,
que serão certamente objeto de auditoria por auditores independentes, podendo as
Companhias e empresas de grande porte inserir ajustes na própria escrituração;
• Os investimentos e aplicações em instrumentos financeiros, inclusive
derivativos, deverão ser classificados de três formas diferentes, de maneira
responsável e ponderada, conforme artigo 183, I e § 1º, "d", LSA;
• Eliminou as Reserva de Reavaliação e Reserva de Capital "Prêmio na
Emissão de Debêntures", tendo criado também a Reserva de Incentivos Fiscais;

7
• Deverão ser identificados, avaliados e contabilizados, a valor de mercado,
todos os ativos e passivos de empresa incorporada, cindida ou fusionada em
operações dessa natureza realizadas entre partes independentes e vinculadas à
efetiva transferência de controle, conforme alteração introduzida no artigo 226, §
terceiro da LSA;
• Periodicamente, analisar sobre a recuperação dos valores registrados no
imobilizado, no intangível e no diferido.
Todas essas modificações, e isso não há como negar, foi de grande
relevância e representaram um passo importante para que uma integração das
companhias brasileiras com a convergência contábil internacional.
Porém, ainda não iguala o Brasil ao padrão contábil internacional. Primeiro
teremos que aguardar os demais 26 pronunciamentos contábeis previstos pelo CPC
e pela Comissão de valores mobiliários (CVM). Nem tudo são flores, visto que ao
mesmo tempo em que ganhamos na transparência, perdemos no quesito
comparabilidade.

2 - Investimento Wooden Plank S.A (Passo 2)

O CPC 18 versa sobre do Investimento em Coligada, em Controlada e em


Empreendimento Controlado em Conjunto, e de como tais investimentos devem ser
avaliados, com base nesse pronunciamento procederemos com a análise de caso
abaixo descrita:
“A Wooden Plank S/A adquiriu em 01/05/X2 30% do capital social da
Laborativa Ltda, cujo capital social nesta ocasião era de $ 10.000.000,00.
Faça os lançamentos contábeis em diário e razão na data da compra e em 31/12/X2 sabendo
que o lucro líquido do exercício da Cia Laborativa do ano de X2 foi de $ 1.500.000,00. Não houve
nenhuma destinação deste lucro, permanecendo na conta Lucros Acumulados.”

Da aquisição do investimento em 01/05/X2.

D - Investimento em Coligada controlada Cia


LABORATIVA Ltda. R$ 3.000.000,00

8
C - Banco Desafio Profissional R$ 3.000.000,00

Da Aquisição de Investimento na Cia LABORATIVA


Cálculo do Investimento pelo Método de Equivalência Patrimonial (ME)

PL da Investida:
PL no início de X2 R$ 10.000.000,00
Lucro do Exercício R$ 1.500.000,00
R$ 11.500.000,00
PL no final de X2 -
% de participação 30%
Valor da Equivalência Patrimonial R$ 3.450.000,00

Apuração do Resultado da EP:


Valor da Equivalência Patrimonial R$ 3.450.000,00
R$ 3.000.000,00
(-) Valor Contábil do Invest. Antes da EP
R$ 450.000,00
Ajuste de Equiv. Patrimonial

Lançamento do Resultado da Equivalência Patrimonial


Data 31/12/X2
D - Investimento em Coligada controlada Cia
LABORATIVA Ltda. R$ 3.450.000,00

C - Receita de Equivalência Patrimonial R$ 3.450.000,00

Resultado do inv. Da Cia LABORATIVA em X2 R$ 450.000,00

9
3 - Comparativo de Empresas - (Passo 3)

Cia Hering S.A.


De acordo com o proposto, olhando no banco de dados da BM&F Bovespa,
escolhemos a primeira empresa Cia Hering S.A. para realizar a análise e emitir um
parecer contábil para um possível investidor.
Abaixo elencamos suas demonstrações financeiras do último ano de 2017, as
quais foram utilizadas como base para a análise de indicadores e posterior parecer
contábil.

Dados da Companhia

Nome de Pregão: CIA HERING S.A


Códigos de Negociação: Mais Códigos LHER3; LHER4
CNPJ:82.640.632/0001-84
Atividade Principal: Comércio Varejista de Artigos Têxteis
Classificação Setorial: Financeiro e Outros / Exploração de Imóveis / Exploração
de Imóveis
Site: www.lojasheringsa.com.br

1.1. Balanço Patrimonial

CIA HERING S.A DFs Consolidadas / Balanço Patrimonial Ativo - (Reais


Mil)
Conta Descrição 31/12/2017
1 Ativo Total 1.538.160
1.01 Ativo Circulante 1.019.690
1.01.01 Caixa e Equivalentes de Caixa 148.821
1.01.03 Contas a Receber 468.610
1.01.03.01 Clientes 455.326
1.01.03.02 Outras Contas a Receber 13.284
1.01.03.02.01 Outras Contas a Receber 12.739
1.01.03.02.02 Instrumentos financeiros derivativos 545
1.01.04 Estoques 349.535
1.01.06 Tributos a Recuperar 51.604
10
1.01.06.01 Tributos Correntes a Recuperar 51.604
1.01.07 Despesas Antecipadas 1.120
1.02 Ativo Não Circulante 518.470
1.02.01 Ativo Realizável a Longo Prazo 87.897
Aplicações Financeiras Avaliadas ao Custo
1.02.01.02 5.237
Amortizado
1.02.01.02.01 Títulos Mantidos até o Vencimento 5.237
1.02.01.03 Contas a Receber 23.312
1.02.01.03.01 Clientes 7.399
1.02.01.03.02 Outras Contas a Receber 15.913
1.02.01.06 Tributos Diferidos 46.249
Imposto de Renda e Contribuição Social
1.02.01.06.01 46.249
Diferidos
1.02.01.09 Outros Ativos Não Circulantes 13.099
1.02.01.09.03 Empréstimos Compulsórios 2.614
1.02.01.09.04 Impostos a Recuperar 10.485
1.02.03 Imobilizado 315.452
1.02.03.01 Imobilizado em Operação 315.452
1.02.04 Intangível 115.121
1.02.04.01 Intangíveis 115.121
2 Passivo Total 1.538.160
2.01 Passivo Circulante 286.346
2.01.01 Obrigações Sociais e Trabalhistas 40.315
2.01.01.01 Obrigações Sociais 14.234
2.01.01.02 Obrigações Trabalhistas 26.081
2.01.02 Fornecedores 127.172
2.01.02.01 Fornecedores Nacionais 97.620
2.01.02.02 Fornecedores Estrangeiros 29.552
2.01.03 Obrigações Fiscais 24.279
2.01.03.01 Obrigações Fiscais Federais 14.023
Imposto de Renda e Contribuição Social a
2.01.03.01.01 83
Pagar
2.01.03.01.02 Pis e Cofins a Recolher 6.901
2.01.03.01.03 Imposto de Renda Retido na Fonte a Recolher 2.534
2.01.03.01.04 Outros 4.505
2.01.03.02 Obrigações Fiscais Estaduais 10.256
2.01.04 Empréstimos e Financiamentos 27.293
2.01.04.01 Empréstimos e Financiamentos 27.293
2.01.04.01.01 Em Moeda Nacional 27.293
2.01.05 Outras Obrigações 11.875
2.01.05.02 Outros 11.875
2.01.05.02.01 Dividendos e JCP a Pagar 740
2.01.05.02.04 Obrigações por Incentivos Fiscais 1.554
2.01.05.02.05 Parcelamentos Tributários e Previdenciários 959
2.01.05.02.06 Outras Contas aPagar 8.622
2.01.06 Provisões 55.412
11
Provisões Fiscais Previdenciárias Trabalhistas
2.01.06.01 2.450
e Cíveis
2.01.06.01.02 Provisões Previdenciárias e Trabalhistas 2.450
2.01.06.02 Outras Provisões 52.962
2.01.06.02.04 Provisões para Despesas Comerciais 21.532
2.01.06.02.05 Provisões para Despesas Administrativas 6.262
2.01.06.02.06 Provisões para Participação nos Resultados 25.168
2.02 Passivo Não Circulante 18.902
2.02.02 Outras Obrigações 4.604
2.02.02.02 Outros 4.604
2.02.02.02.03 Obrigações por Incentivos Fiscais 619
2.02.02.02.04 Parcelamentos Tributários e Previdenciários 2.505
2.02.02.02.07 Benefícios a empregados 1.387
2.02.02.02.08 Outras contas a pagar 93
2.02.04 Provisões 14.298
Provisões Fiscais Previdenciárias Trabalhistas
2.02.04.01 14.194
e Cíveis
2.02.04.01.01 Provisões Fiscais 2.770
2.02.04.01.02 Provisões Previdenciárias e Trabalhistas 7.108
2.02.04.01.04 Provisões Cíveis 4.316
2.02.04.02 Outras Provisões 104
2.02.04.02.04 Provisões para Despesas Administrativas 104
2.03 Patrimônio Líquido Consolidado 1.232.912
2.03.01 Capital Social Realizado 369.618
2.03.02 Reservas de Capital 30.815
2.03.02.07 Plano de Opções de Ações 30.815
2.03.04 Reservas de Lucros 825.458
2.03.04.01 Reserva Legal 51.462
2.03.04.05 Reserva de Retenção de Lucros 70.363
2.03.04.07 Reserva de Incentivos Fiscais 703.633
2.03.06 Ajustes de Avaliação Patrimonial 7.021
2.03.06.01 Correção Monetária de Ativos Próprios 7.021
Fonte: Própria

1.2. DRE CIA HERING S.A

DFs Consolidadas / Demonstração do Resultado - (Reais Mil)

12
01/01/2017 á
Conta Descrição
31/12/2017
3.01 Receita de Venda de Bens e/ou Serviços 1.562.321
3.02 Custo dos Bens e/ou Serviços Vendidos -872.273
3.03 Resultado Bruto 690.048
3.04 Despesas/Receitas Operacionais -490.300
3.04.01 Despesas com Vendas -350.425
3.04.02 Despesas Gerais e Administrativas -93.196
3.04.02.01 Remuneração dos Administradores -9.338
3.04.02.02 Gerais e Administrativas -51.174
3.04.02.03 Depreciação e Amortização -32.684
3.04.04 Outras Receitas Operacionais 19.918
3.04.05 Outras Despesas Operacionais -66.597
3.04.05.01 Participação no Resultado -25.168
3.04.05.02 Outras Despesas Operacionais -41.429
Resultado Antes do Resultado Financeiro e dos
3.05 199.748
Tributos
3.06 Resultado Financeiro 79.109
3.06.01 Receitas Financeiras 107.793
3.06.01.01 Receitas Financeiras 107.793
3.06.02 Despesas Financeiras -28.684
3.06.02.01 Despesas Financeiras -28.684
3.07 Resultado Antes dos Tributos sobre o Lucro 278.857
Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o
3.08 -15.076
Lucro
3.08.01 Corrente -19.090
3.08.02 Diferido 4.014
3.09 Resultado Líquido das Operações Continuadas 263.781
3.11 Lucro/Prejuízo Consolidado do Período 263.781
3.11.01 Atribuído a Sócios da Empresa Controladora 263.781
3.99.01.01 ON 1,63720
3.99.02.01 ON 1,60330
Fonte: Própria

2. Análise de indicadores CIA HERING S.A

Para conhecer a real situação de uma determinada empresa a análise deve ir


além dos demonstrativos financeiros mais conhecidos como o balanço patrimonial e
a demonstração do resultado do exercício.
Para uma análise mais assertiva quanto à situação e o desempenho da
empresa é necessário valer-se das informações disponíveis nos demonstrativos
financeiros e calcular os indicadores financeiros, conforme abaixo:

13
2.1. Indicadores de liquidez

Esses indicadores têm como finalidade de indicar a capacidade da empresa em


cumprir suas obrigações no curto, médio e longo prazo:

CIA HERING S.A

LIQUIDEZ CORRENTE
(Em milhões de Reais) 2017
Ativo Circulante 1019.690
Passivo Circulante 286.346
Total 3,56
LIQUIDEZ SECA
(Em milhões de Reais) 2017
Ativo Circulante - Estoques 670.155
Passivo Circulante 286.346
Total 2,34
LIQUIDEZ GERAL
(Em milhões de Reais) 2017
Ativo Circulante + Realizável ao Longo Prazo 1107.587
Passivo Circulante + Realizável ao Longo Prazo 305.248
Total 3,62
Fonte: Própria

2.2 Indicador de endividamento

Esse indicador tem como finalidade indicar o grau de endividamento da


empresa e a quantidade de capital de terceiros que está sendo usada para financia-
la:

COMPOSIÇÃO DO ENDIVIDAMENTO
(Em milhões de Reais) 2017

14
(PC (PC=PNC) x100
286.346/(286.346+ 18902) X 100 106%
Fonte: Própria

2.3. Indicadores de rentabilidade

Esses indicadores permitem avaliar os lucros da empresa em relação a o

seu nível de vendas, aos seus ativos e ao seu capital investido :

MARGEM LÍQUIDA (RECEITA LÍQUIDA AJUSTADA)


2017
LOA 81000
Receita Líquida 268000
Margem Líquida 17%

TAXA DE RETORNO SOBRE ATIVO TOTAL (ROA)


2017
LOA 732679
Ativo Total 14957462
Taxa de Retorno sobre o Ativo Total 17%
TAXA DE RETORNO SOBRE PATRIMÔNIO LÍQUIDO (ROE)
2017
LOA 670251
Patrimônio Líquido 1634746
Taxa de Retorno sobre PL 25%
Fonte: Própria

PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS 2017


Em milhões de Reais) 2017
PC+ELP/ATIVO TOTAL
286346+18902/1538160 5%
Fonte: Própria

LOJAS RENNER

De acordo com o proposto, olhando no banco de dados da BM&F Bovespa,


escolhemos a segunda empresa a Lojas Renner. para realizar a análise e emitir um
parecer contábil para um possível investidor.
15
Abaixo elencamos suas demonstrações financeiras do último ano de 2017, as
quais foram utilizadas como base para a análise de indicadores e posterior parecer
contábil.
Dados da Companhia
Nome de Pregão: LOJAS RENNER
Códigos de Negociação: Mais Códigos
LREN3
CNPJ:92.754.738/0001-62
Atividade Principal: Loja de Departamentos (comércio Varejista)
Classificação Setorial: Consumo Cíclico / Comércio / Tecidos. Vestuário e
Calçados
Site: www.lojasrenner.com.br

1.1. Balanço Patrimonial

LOJAS RENNER DFs Consolidadas / Balanço Patrimonial Ativo - (Reais Mil)

Conta Descrição 31/12/2017


1 Ativo Total 7.547.658
1.01 Ativo Circulante 4.907.941
1.01.01 Caixa e Equivalentes de Caixa 1.059.873
1.01.02 Aplicações Financeiras 82.360
1.01.02.01 Aplicações Financeiras Avaliadas a Valor Justo 82.360
1.01.02.01.01 Títulos para Negociação 31.578
1.01.02.01.02 Títulos Disponíveis para Venda 50.782
1.01.03 Contas a Receber 2.696.993
1.01.03.01 Clientes 2.644.258
1.01.03.02 Outras Contas a Receber 52.735
1.01.03.02.01 Instrumentos Financeiros Derivativos 6.917
1.01.03.02.02 Outras Contas a Receber 45.818
1.01.04 Estoques 923.176
1.01.06 Tributos a Recuperar 140.273
1.01.06.01 Tributos Correntes a Recuperar 140.273
1.01.07 Despesas Antecipadas 5.266
1.02 Ativo Não Circulante 2.639.717
1.02.01 Ativo Realizável a Longo Prazo 299.809
1.02.01.03 Contas a Receber 9.299
1.02.01.03.02 Outras Contas a Receber 9.299
1.02.01.06 Tributos Diferidos 199.211
Imposto de Renda e Contribuição Social
1.02.01.06.01 199.211
Diferidos

16
1.02.01.07 Despesas Antecipadas 353
1.02.01.09 Outros Ativos Não Circulantes 90.946
1.02.01.09.03 Depósitos judiciais 10.615
1.02.01.09.04 Impostos a recuperar 80.331
1.02.02 Investimentos 46
1.02.02.01 Participações Societárias 46
1.02.02.01.04 Outras Participações Societárias 46
1.02.03 Imobilizado 1.813.627
1.02.03.01 Imobilizado em Operação 1.672.346
1.02.03.02 Imobilizado Arrendado 27.641
1.02.03.03 Imobilizado em Andamento 113.640
1.02.04 Intangível 526.235
1.02.04.01 Intangíveis 409.556
1.02.04.01.02 Outros 379.171
1.02.04.01.03 Intangível arrendado 30.385
1.02.04.02 Goodwill 116.679
2 Passivo Total 7.547.658
2.01 Passivo Circulante 2.941.712
2.01.01 Obrigações Sociais e Trabalhistas 233.338
2.01.01.01 Obrigações Sociais 54.863
2.01.01.01.01 Encargos sociais 54.863
2.01.01.02 Obrigações Trabalhistas 178.475
2.01.01.02.01 Salários a pagar 178.475
2.01.02 Fornecedores 842.254
2.01.02.01 Fornecedores Nacionais 842.254
2.01.03 Obrigações Fiscais 470.989
2.01.03.01 Obrigações Fiscais Federais 279.550
Imposto de Renda e Contribuição Social a
2.01.03.01.01 177.577
Pagar
2.01.03.01.02 Outros impostos federais 101.973
2.01.03.02 Obrigações Fiscais Estaduais 188.642
2.01.03.03 Obrigações Fiscais Municipais 2.797
2.01.04 Empréstimos e Financiamentos 516.839
2.01.04.01 Empréstimos e Financiamentos 170.480
2.01.04.01.01 Em Moeda Nacional 161.419
2.01.04.01.02 Em Moeda Estrangeira 9.061
2.01.04.02 Debêntures 336.469
2.01.04.03 Financiamento por Arrendamento Financeiro 9.890
2.01.05 Outras Obrigações 842.296
2.01.05.02 Outros 842.296
2.01.05.02.01 Dividendos e JCP a Pagar 170.112
2.01.05.02.04 Aluguéis a pagar 59.393
2.01.05.02.05 Outras obrigações 74.252
2.01.05.02.06 Participações estatutárias 10.821
2.01.05.02.07 Obrigações com Administradora de Cartões 524.581
2.01.05.02.08 Instrumentos Financeiros Derivativos 3.137
2.01.06 Provisões 35.996
2.01.06.01 Provisões Fiscais Previdenciárias Trabalhistas e 35.996
17
Cíveis
2.01.06.01.04 Provisões Cíveis 20.654
2.01.06.01.05 Provisões para riscos trabalhistas 15.342
2.02 Passivo Não Circulante 1.382.500
2.02.01 Empréstimos e Financiamentos 1.353.977
2.02.01.01 Empréstimos e Financiamentos 759.369
2.02.01.01.01 Em Moeda Nacional 628.994
2.02.01.01.02 Em Moeda Estrangeira 130.375
2.02.01.02 Debêntures 535.712
2.02.01.03 Financiamento por Arrendamento Financeiro 58.896
2.02.02 Outras Obrigações 2.440
2.02.02.02 Outros 2.440
2.02.02.02.03 Impostos e contribuições a recolher 11
2.02.02.02.04 Outros 2.429
2.02.04 Provisões 26.083
Provisões Fiscais Previdenciárias Trabalhistas e
2.02.04.01 26.083
Cíveis
2.02.04.01.01 Provisões Fiscais 26.083
2.03 Patrimônio Líquido Consolidado 3.223.446
2.03.01 Capital Social Realizado 2.556.896
2.03.02 Reservas de Capital 66.428
2.03.02.04 Opções Outorgadas 94.285
2.03.02.05 Ações em Tesouraria -27.857
2.03.04 Reservas de Lucros 596.022
2.03.04.01 Reserva Legal 36.634
2.03.04.07 Reserva de Incentivos Fiscais 23.669
2.03.04.08 Dividendo Adicional Proposto 96.247
2.03.04.10 Reserva para investimento e expansão 439.472
2.03.06 Ajustes de Avaliação Patrimonial 2.496
2.03.07 Ajustes Acumulados de Conversão 1.604
Fonte: Própria

1.2. DRE

LOJAS RENNER DFs Consolidadas / Demonstração do Resultado - (Reais Mil)

01/01/2017 á
Conta Descrição
31/12/2017
3.01 Receita de Venda de Bens e/ou Serviços 7.444.305
3.01.01 Receita líquida com venda de mercadorias 6.600.073
3.01.02 Receita líquida com produtos e serviços financeiros 844.232
3.02 Custo dos Bens e/ou Serviços Vendidos -2.944.913
3.02.01 Custo das vendas de mercadorias -2.922.882
3.02.02 Custo dos produtos e serviços financeiros -22.031
3.03 Resultado Bruto 4.499.392
18
3.04 Despesas/Receitas Operacionais -3.412.154
3.04.01 Despesas com Vendas -1.792.022
3.04.02 Despesas Gerais e Administrativas -610.734
3.04.03 Perdas pela Não Recuperabilidade de Ativos -255.835
3.04.04 Outras Receitas Operacionais 13.501
3.04.05 Outras Despesas Operacionais -767.064
Resultado Antes do Resultado Financeiro e dos
3.05 1.087.238
Tributos
3.06 Resultado Financeiro -83.101
3.06.01 Receitas Financeiras 59.058
3.06.02 Despesas Financeiras -142.159
3.07 Resultado Antes dos Tributos sobre o Lucro 1.004.137
Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o
3.08 -271.458
Lucro
3.08.01 Corrente -334.774
3.08.02 Diferido 63.316
3.09 Resultado Líquido das Operações Continuadas 732.679
3.11 Lucro/Prejuízo Consolidado do Período 732.679
3.11.01 Atribuído a Sócios da Empresa Controladora 732.679
3.99.01.01 ON 1,06380
3.99.02.01 ON 1,05100
Fonte: Própria

Análise de indicadores LOJAS RENNER

Para conhecer a real situação de uma determinada empresa a análise deve ir


além dos demonstrativos financeiros mais conhecidos como o balanço patrimonial e
a demonstração do resultado do exercício.
Para uma análise mais assertiva quanto à situação e o desempenho da
empresa é necessário valer-se das informações disponíveis nos demonstrativos
financeiros e calcular os indicadores financeiros, conforme abaixo:

2.1. Indicadores de liquidez

Esses indicadores têm como finalidade de indicar a capacidade da empresa em


cumprir suas obrigações no curto, médio e longo prazo:
Lojas Renner
LIQUIDEZ CORRENTE
(Em milhões de Reais) 2017
Ativo Circulante 4.907,941
19
Passivo Circulante 2.941,712
Total 1,66
LIQUIDEZ SECA
(Em milhões de Reais) 2017
Ativo Circulante - Estoques 3.984.768
Passivo Circulante 2.941,712
Total 1,35
LIQUIDEZ GERAL
(Em milhões de Reais) 2017
Ativo Circulante + Realizável ao Longo Prazo 5.207.750
Passivo Circulante + Realizável ao Longo Prazo 4.324,212
Total 1,20
Fonte: Própria

2.2 Indicador de endividamento

Esse indicador tem como finalidade indicar o grau de endividamento da


empresa e a quantidade de capital de terceiros que está sendo usada para financia-
la:

Descrição do índice Fórmula Resultado


Composição do = Passivo Circulante + Passivo não circulante / 68%
Endividamento Patrimônio Líquido (PC (PC=PNC) x100
Renner 2017 2941712/(2941712+1382500) X100
Fonte: Própria

2.3. Indicadores de rentabilidade

Esses indicadores permitem avaliar os lucros da empresa em relação a o


seu nível de vendas, aos seus ativos e ao seu capital investido:
MARGEM LÍQUIDA (RECEITA LÍQUIDA AJUSTADA)
2017
LOA 655990
Receita Líquida 6451578
Margem Líquida 10%

20
TAXA DE RETORNO SOBRE ATIVO TOTAL (ROA)
2017
LOA 732679
Ativo Total 7444305
Taxa de Retorno sobre o Ativo Total 10%
TAXA DE RETORNO SOBRE PATRIMÔNIO LÍQUIDO (ROE)
2017
LOA 732679
Patrimônio Líquido 2556896
Taxa de Retorno sobre PL 29%
Fonte: Própria

PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS RENNER 2017


PC+ELP/ATIVO TOTAL
2941712+1382500/7547658
0,22

Fonte: Própria

3. Parecer

Pontos em Comum:
Dentro de uma forma geral todos os fatos relevantes, anúncios de resultado e
demais comunicados ao mercado estão de ambas transparentes e são divulgadas
simultânea na CVM/Bovespa na área de relações com investidores do website da
Companhia (http://www.ciahering.com.br) e website da Companhia
(www.lojasrenner.com.br/ri), além de posteriormente encaminhados por correio
eletrônico às pessoas que se cadastram para receber tais informações.
Relativo à compra ou venda de ações , vai depender muito do seu perfil
enquanto investidor

Pontos de Destaque:
Um ponto de destaque as ações da Renner estão sob a forma escritural
registradas junto ao Banco Itaú S.A., como depositário, qualquer transferência de

21
ações deve ser feita mediante lançamento em seus livros, com débito na conta de
ações do cedente e crédito na conta de ações do cessionário.
Quando as ações são compradas ou vendidas em bolsa de valores, a
transferência é efetuada nos registros da instituição depositária pelo representante
de uma corretora ou pelo sistema de custódia da bolsa de valores.
A Bovespa opera um sistema de custódia fungível por meio da CBLC. Cada
acionista membro será registrado no registro de acionistas mantido pela bolsa em
questão, sendo tratado da mesma forma que os demais acionistas registrados.
Os acionistas deverão manter atualizados seus dados cadastrais junto ao
Banco Itaú (banco custo diante), a fim de garantir a plenitude do exercício dos seus
direitos, bastando para tal dirigir-se a qualquer agência do Itaú com os documentos
apropriados.
Os investidores que possuem os dados bancários atualizados no cadastro,
sejam correntistas Itaú ou de outros Bancos, recebem automaticamente os
proventos deliberados na data de início de pagamento estipulada pela Renner,
inclusive sendo notificados por meio do "Aviso de Crédito de Proventos Escriturais",
o qual especifica todos os dados do evento creditado. Caso os investidores não
possuam dados bancários, os proventos ficam à disposição a partir da data de início
de pagamento estipulada pela empresa, devendo o investidor procurar uma agência
do Banco Itaú para recebimento, acompanhados de todos os documentos de
identificação e do "Aviso para Recebimento de Proventos de Ações Escriturais", o
qual foi notificado.
Avanços em relação a expectativas :
A Cia. Hering informou que planeja investir neste ano R$ 67 milhões, ante um
investimento de R$ 51,3 milhões no ano passado, o que representa um aumento de
30,6%.
A empresa informou que começa a implantar neste ano uma nova estratégia
de segmentação de clientes de redes multimarcas, de acordo com características
específicas de cada varejo.
Foi analisada uma projeção de crescimento expressivo do comércio eletrônico
nos próximos anos. Já está em crescimento desde 2016, as vendas no comércio
eletrônico aumentaram 20,3%, para R$ 38 milhões. O comércio eletrônico

22
respondeu por 2% das vendas da Cia. Hering. e estima que esse patamar pode
chegar a 5% nos próximos anos.
A companhia entra agora em um ciclo de investimentos menores, em linha
com a estratégia de se concentrar na reforma de lojas.
Aproximadamente metade dos investimentos foi destinados à aquisição e
reforma de lojas. No período, a companhia reformou 100 das 630 unidades da
Hering Store em operação -- recorde para um único ano.
O plano contou com incentivos da companhia de R$ 8,4 milhões em forma de
subsídio, além de financiamento de parte do montante investido. Esse incentivo,
segundo o diretor, equivaleu a um quarto do valor total gasto nas reformas
Já as Lojas Renner as políticas de crédito dos bancos tem um grande impacto
no consumo do Brasil, inclusive nas Lojas Renner. Ainda que essa mudança não
dependa apenas dos bancos, mas também das medidas governamentais, e com o
governo regulando algumas taxas, da forma que bem quer, a possibilidade do
aumento na concessão de crédito, por parte dos bancos, é
Lojas Renner – Uma empresa gigante e bilionária, que contabiliza algumas
centenas de vendas diariamente, parece, sem dúvida, ser uma boa aposta. Mas,
temos que levar em consideração o cenário atual brasileiro.
Se o Brasil apontar novamente para baixo e a situação piorar, muito
provavelmente as Lojas Renner vão ficar estagnadas na bolsa, com grande
possibilidade de queda nas ações, mas, caso o país continue apontando para cima,
as ações vão seguir o mesmo ritmo.
É aconselhável investir nas Lojas Renner, porém, é fundamental a entrada no
mercado neste momento, quanto mais para o final do ano deixar sua entrada,
maiores serão os preços do “ingresso”.
Mas, é importante analisar que o preço das ações teve uma alta recorrente e
a cotação da ação se aproxima de uma zona de preços onde existem muitos
investidores dispostos a vender a ação, e provavelmente haverá uma queda dos
preços em relação a demanda pelos papéis da empresa no curto prazo e
consequentemente uma maior probabilidade de queda.

4. Previdência pública x Previdência privada ( Passo 4. )

23
Existem no Brasil, classificados oficialmente, 95 ramos de seguros que
apresentam grande variedade de detalhamento. Por exemplo, o seguro de
responsabilidade civil tem 12 ramos diferentes, os seguros ligados à agricultura
contam com 13 ramos distintos, etc.
Por essa razão, utiliza-se frequentemente um nível mais agregado de análise
derivado da Circular 455, de 2012, da Superintendência de Seguros Privados
(Susep), autarquia fiscalizadora e reguladora do setor, que trabalha com 16 grupos.
A eles deve-se acrescentar o 17° grupo agregado relativo aos seguros de saúde,
que são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS -
www.ans.org.br).

A tabela abaixo resume esses níveis.


Ramos de seguros

Grupos Características Gerais

1 Patrimonial Seguros contra incêndio, roubo de imóveis bem


como os seguros compreensivos residenciais,
condominiais e empresariais

2 Riscos Especiais Seguros contra riscos de petróleo, nucleares e


satélites

3 Responsabilidades Seguro contra indenizações por danos materiais


ou lesões corporais a terceiros por culpa
involuntária do segurado

4 Cascos (em “run off”) Seguros contra riscos marítimos, aeronáuticos e


de hangar

5 Automóvel Seguros contra roubos e acidentes de carros, de


responsabilidade civil contra terceiros e DPVAT

6 Transporte Seguros de transporte nacional e internacional e


de responsabilidade civil de cargas, do
transportador e do operador

7 Riscos Financeiros Seguros diversos de garantia de contratos e de


fiança locatícia

8 Crédito (em “run off”) Seguro de crédito a exportação e contra riscos


comerciais e políticos

9 Pessoas Coletivo Seguros coletivos de vida e acidentes pessoais,

24
vida com cobertura para riscos de sobrevivência,
prestamista e educacional

10 Habitacional Seguros contra riscos de morte e invalidez do


devedor e de danos ao imóvel financiado

11 Rural Seguros agrícola, pecuário, de florestas e


penhor rural

12 Outros Seguros no exterior e de sucursais de


seguradoras no exterior

13 Pessoas Individual Seguros individuais de vida e acidentes


pessoais, vida com cobertura para riscos de
sobrevivência, prestamistas e educacional

14 Marítimos Seguros compreensivos para operadores


portuários, responsabilidade civil facultativa para
embarcações e marítimos

15 Aeronáutico Seguros de responsabilidade civil facultativa


para aeronaves, aeronáuticos, responsabilidade
civil de hangar e responsabilidade do explorador
ou transportador aéreo

16 Microsseguros Microsseguros de pessoas, microsseguros de


danos

17 Saúde Seguro saúde


Fonte: Susep

Existe ainda um nível maior de agregação que divide o mercado em seguros


de vida, seguros de saúde e seguros elementares.
Os seguros de vida incluem as apólices contra risco de morte e acidentes
pessoais bem como os planos de previdência privada aberta. Já os seguros
elementares são os que têm por finalidade a garantia de perdas, danos ou
responsabilidades sobre objetos ou pessoas, excluída desta classificação os
seguros do ramo vida.
No Brasil, o Decreto 60.589, de 23 de outubro de 1967 classificou
separadamente o seguro saúde, mas, no exterior, costuma-se incluí-lo com os
seguros elementares, formando o chamado ramo “não vida”.

Seguros facultativos e obrigatórios

25
Os seguros podem ser ainda facultativos ou obrigatórios. A maioria dos
seguros vendidos no Brasil tem contratação facultativa, mas a lei determina a
contratação de uma série de seguros que passam a ser obrigatórios. Muita gente
não sabe disso! Veja a lista abaixo:
• Seguros Obrigatórios de Responsabilidade Civil dos Proprietários de
Veículos Automotores de Via Terrestre.
• Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil dos Proprietários de Veículos
Automotores Hidroviários.
• Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil dos Transportadores em
Geral.
• Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Construtor de Imóveis em
Zonas Urbanas por Danos a Pessoas ou Coisas.
• Seguro Obrigatório de Transporte de Bens Pertencentes a Pessoas
Jurídicas.
• Seguro Obrigatório de Danos Pessoais a Passageiros de Aeronaves
Comerciais e de Responsabilidade Civil do Transportador Aeronáutico
• Seguro Rural Obrigatório.
• Seguro Obrigatório Contra Riscos de Incêndio de Bens Pertencentes a
Pessoas Jurídicas.
• Seguro Obrigatório de Garantia do Cumprimento das Obrigações do
Incorporador e Construtor de Imóveis e de Garantia do Pagamento à Cargo do
Mutuário.
• Seguro Obrigatório de Bens Dados em Garantia de Empréstimos ou
Financiamentos de Instituições Financeiras Públicas.
• Seguro Obrigatório de Edifícios Divididos em Unidades Autônomas.
• Seguro Obrigatório de Crédito à Exportação.
• Seguro Habitacional Obrigatório de Morte e Invalidez Permanente (MIP) e de
Danos Físicos aos Imóveis (DFI), para os imóveis financiados aos mutuários do
Sistema Financeiro da Habitação.
Os seguros acima estão listados no artigo 20 do Decreto-Lei 73, de 1966, que
dispõe sobre o Sistema Nacional de Seguros Privados, e estão vigentes. A eles,
juntaram-se com o tempo outros seguros obrigatórios por lei. São eles:

26
Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de via
Terrestre (DPVAT)

Foi criado pela Lei 6.194, de 19 de dezembro de 1974, e tem como objetivo
amparar as vítimas de acidentes de trânsito causados por veículos automotores e/ou
por suas cargas, em todo o território nacional, independente de quem seja a culpa
desses acidentes.

Seguro de Danos Pessoais de Embarcações ou suas Cargas (DPEM)

Foi instituído pela Lei 8.374, de 30 de dezembro de 1991, e tem por finalidade
dar cobertura de vida e acidentes pessoais a pessoas, transportadas ou não,
inclusive aos proprietários, tripulantes e condutores das embarcações, e a seus
respectivos beneficiários ou dependentes, sem importar que a embarcação esteja ou
não em operação.

Seguro de Acidentes de Trabalho (SAT)

É um seguro antigo, instituído na época do presidente Getúlio Vargas, mas


assumiu maior relevância jurídica a partir da Lei 5.316, de 14 de setembro de 1967.
O objetivo é garantir ao empregado segurado do regime de previdência social um
seguro contra acidente do trabalho, às expensas do empregador, mediante
pagamento de um adicional sobre a folha de salários, garantido atualmente pela
Previdência Social.

Seguro Habitacional do Sistema Financeiro da Habitação (SFH)

Esse seguro foi estabelecido em 1964, junto com a Lei 4.380 que criou o
Banco Nacional da Habitação (BNH). Ele cobre morte e invalidez do mutuário e
danos físicos ao imóvel financiado no âmbito do SFH. Foi extinto pela Medida
Provisória 478, de 28 de dezembro de 2009.

Seguro de Responsabilidade Civil dos Transportadores relativo aos danos


pessoais provocados aos usuários dos serviços de transporte rodoviário
interestadual e internacional
27
Este seguro foi instituído pelo Decreto 2.521, de 20 de março de 1998 e visa a
indenizar as vítimas de acidentes no transporte coletivo interestadual e internacional
de passageiros, sem prejuízo da cobertura do seguro obrigatório de danos pessoais
(DPVAT).

Seguro Carta Verde

É o seguro obrigatório para automóveis quando em viagem para países do


Mercosul e cobre responsabilidade civil por danos pessoais e materiais causados a
terceiros não transportados pelo veículo segurado. Foi criado pela Resolução 120,
de 1994, do Grupo Mercado Comum, do Mercosul.
Agora atenção! Durante muitos anos, as dificuldades de fiscalização do
pagamento dessas apólices fizeram com que a maioria fosse deixada de lado pela
população, quase esquecida de que são de contratação obrigatória.
Enquanto a lei não impunha sanção contra o inadimplemento da obrigação, o
esquecimento teve pouca ou nenhuma consequência. Isso mudou em 2007! De fato,
com a edição da Lei Complementar 126, de 2007, o governo impôs multas pesadas
para quem não contratar os seguros legalmente obrigatórios.
A Lei alterou o artigo 112 do Decreto-Lei 73, de 1966, que passou a ter o
seguinte teor: “às pessoas que deixarem de contratar os seguros legalmente
obrigatórios, sem prejuízo de outras sanções legais, será aplicada multa de: I - o
dobro do valor do prêmio, quando este for definido na legislação aplicável; e II - nos
demais casos, o que for maior entre 10% da importância segurável ou R$ 1.000,00".

Seguros em grupo e individuais


Os seguros podem ser também classificados em seguros individuais ou em
grupo. O seguro individual é uma relação entre uma pessoa ou uma família e uma
seguradora. A seguradora, evidentemente, terá de aferir corretamente o risco
segurado e pulverizá-lo colocando-o numa carteira onde existem diversos riscos
semelhantes, mas independentes entre si.
O seguro em grupo é o seguro de um conjunto de pessoas ligadas entre si de
modo que se estabelece uma relação triangular entre a seguradora, o segurado e o
grupo a que ele pertence. O grupo pode ser constituído por uma empresa, por uma

28
organização sem fins lucrativos, por uma associação profissional, ou por uma
pessoa física.
Os seguros contratados por empresas são chamados de empresariais ou
corporativos. É um seguro em grupo, formalizado por uma única apólice que garante
coberturas estabelecidas de acordo com um critério objetivo e uniforme, não
dependente exclusivamente da vontade do segurado.
A seguradora, com base nos contratos de adesão ao seguro, emite para cada
segurado um documento que comprova a inclusão no grupo (Certificado de Seguro).
Nesse documento constam a identificação do segurado e a designação dos seus
beneficiários.
A diferença está bem marcada na previdência privada complementar onde
existem os seguintes segmentos:
• o segmento fechado, constituído pelas instituições chamadas fundos de
pensão que operam no seio de uma empresa ou grupo de empresas, com planos de
grupo para a prestação de benefícios complementares e assemelhados aos da
Previdência Social;
• o segmento aberto à participação pública para a prestação de benefícios
opcionais, de caráter mais individual, e constituído pelas seguradoras e entidades
abertas de previdência privada.
Nos seguros de vida e saúde também são marcantes as diferenças entre
planos individuais e coletivos.
No ramo saúde, houve recentemente forte redução da oferta de planos
individuais. A razão foi a limitação de reajustes de preços por parte dos órgãos
reguladores acarretando seleção adversa de segurados.
O resultado foi que as carteiras de seguros de saúde individual passaram a
dar prejuízo e desestimularam a oferta de novos planos pelas empresas. Tal não
ocorreu no seguro em grupo, pois o problema da seleção adversa é minimizado
desde o início pela provável existência de riscos variados misturados na mesma
carteira.

Seguros conforme o regime de financiamento

29
Os seguros diferem também segundo o regime de financiamento, ou seja, a
técnica atuarial que determina a forma de financiamento das indenizações e
benefícios integrantes do contrato.
Os regimes se dividem em repartição e capitalização. O regime de repartição,
por sua vez, se divide entre repartição simples e repartição de capitais de cobertura.
No regime de repartição simples, todos os prêmios pagos pelos segurados
em determinado período forma um fundo que se destina ao custeio de indenizações
a serem pagas por todos os sinistros ocorridos no próprio período (e às demais
despesas da seguradora).
Isso implica em que o prêmio cobrado é calculado de forma que corresponda
à importância necessária para cobrir o valor das indenizações relativas aos sinistros
esperados. Não há, assim, a possibilidade de devolução ou resgate de prêmios e
contribuições capitalizadas ao segurado, ao beneficiário ou ao estipulante, como nos
casos de planos de previdência.
Tipicamente, esse regime se aplica aos planos previdenciários ou de seguro
de vida em grupo em situações em que a massa de participantes é estacionária e as
despesas com pagamento de benefícios são estáveis e de curta duração.
É usado também na previdência social estatal (INSS e regimes próprios do
Estado), porém, sem a condição de estabilidade mencionada. É o caso também dos
seguros de vida em grupo, de seguros de automóveis, de saúde etc. Ocorrido o
sinistro, o segurado recebe uma indenização pré-estabelecida independentemente
do valor que pagou.
No mercado de seguros, entretanto, para garantia da solvência das
empresas, a legislação impõe a formação de provisões de prêmios não ganhos, de
oscilação de riscos e de sinistros, devidamente atestadas pelos atuários em Nota
Técnica e Avaliação Anual.
O regime de repartição de capitais de cobertura é o método em que há
formação de reserva apenas para garantir os pagamentos das indenizações e
benefícios iniciados no período, ou seja, arrecada-se apenas o necessário e
suficiente para formação de reserva garantidora do cumprimento dos benefícios
futuros que se iniciam neste período.

30
Em outras palavras, há formação de um fundo correspondente ao valor atual
dos benefícios de prestação continuada iniciados no período em questão. Nesse
regime, há a obrigação de constituição de provisão de benefícios concedidos.
O regime de capitalização é o método que consiste em determinar a
contribuição necessária para atender determinado fluxo de pagamento de
benefícios, estabelecendo que o valor da série de contribuições efetuadas ao longo
do tempo seja igual ao valor da série de pagamentos de benefícios que se fará no
futuro.
Esse modelo de financiamento constitui reservas tanto para os participantes
assistidos como para os ativos e obviamente pressupõe a aplicação das
contribuições nos mercados financeiros, de capitais e imobiliários a fim de adicionar
valor à reserva que se está constituindo.
A capitalização é dividida em duas fases distintas: a primeira denominada
"fase contributiva" e a segunda "fase do benefício".
A legislação vigente torna obrigatória a utilização do regime financeiro de
capitalização para os benefícios de pagamento em prestações que sejam
programadas e continuadas. Nesse regime, obriga-se a empresa a constituir
provisão de benefícios concedidos, como no caso anterior, e provisão de benefícios
a conceder.
Assim, no regime de capitalização, o objetivo não é apenas pagar indenização
ou benefício pré-estabelecido, mas permitir ao segurado ou participante retirar ao
final do contrato uma poupança que, idealmente, cubra os riscos de morte, invalidez,
aposentadoria, etc.

LEGISLAÇÃO BÁSICA

LEI Nº 4.594/64 - Regula a profissão de Corretor de Seguros.


DECRETO-LEI Nº 73/66 - Dispõe sobre o Sistema Nacional de Seguros Privados,
regula as operações de seguros e resseguros e dá outras providências.
DECRETO Nº 60.459/67 - Regulamenta o Decreto-lei nº 73, de 21 de novembro de
1966, com as modificações introduzidas pelos Decretos-lei nº 168, de 15 de
fevereiro de 1967, e nº 296, de 28 de fevereiro de 1967.

31
DECRETO Nº 61.589/67 - Retifica disposições do Decreto número 60.459, de 13 de
março de 1967, no que tange a capitais, ao início da cobertura do risco e emissão da
apólice, à obrigação do pagamento do prêmio e da indenização e à cobrança
bancária.
DECRETO Nº 61.867/67 - Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo
20 do Decreto-lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, e dá outras providências.
DECRETO-LEI Nº 261/67 - Dispõe sobre as sociedades de capitalização e dá outras
providências.
DECRETO-LEI Nº 802/69 -Declara a Rede Ferroviária Federal S. A. e as demais
ferrovias existentes no País isentas das obrigações estabelecidas no Decreto-lei nº
73, de 21 de novembro de 1966.
LEI Nº 6.194/74 - Dispõe sobre Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados
por Veículos Automotores deVia Terrestre, ou por sua Carga, a Pessoas
Transportadas ou Não.
DECRETO Nº 85.266/80 - Dispõe sobre a atualização dos valores monetários dos
seguros obrigatórios a que se refere o Decreto nº 61.867, de 7 de dezembro de
1967.
LEI Nº 7.492/86 - Define os crimes contra o sistema financeiro nacional, e dá outras
providências.
LEI Nº 10.190/2001 - altera dispositivos do decreto-lei nº 73, de 21 de novembro de
1966, da Lei n º 6.435, de 15 de julho de 1977, da Lei nº 5.627, de 1º de dezembro
de 1970, e dá outras providências.
LEI COMPLEMENTAR Nº 109/2001 - Dispõe sobre o Regime de Previdência
Complementar e dá outras providências.
LEI Nº 10.406/2002 - Institui o Código Civil.
LEI COMPLEMENTAR Nº 126/2007 - Dispõe sobre a política de resseguro,
retrocessão e sua intermediação, as operações de co-seguro, as contratações de
seguro no exterior e as operações em moeda estrangeira do setor securitário; altera
o Decreto-Lei no 73, de 21 de novembro de 1966, e a Lei no 8.031, de 12 de abril de
1990; e dá outras providências.
LEI Nº 12.249/10 - Institui o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento
de Infraestrutura da Indústria Petrolífera nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-
Oeste - REPENEC; cria o Programa Um Computador por Aluno - PROUCA e institui

32
o Regime Especial de Aquisição de Computadores para Uso Educacional -
RECOMPE; prorroga benefícios fiscais; constitui fonte de recursos adicional aos
agentes financeiros do Fundo da Marinha Mercante - FMM para financiamentos de
projetos aprovados pelo Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante - CDFMM;
institui o Regime Especial para a Indústria Aeronáutica Brasileira - RETAERO;
dispõe sobre a Letra Financeira e o Certificado de Operações Estruturadas; ajusta o
Programa Minha Casa Minha Vida - PMCMV; altera as Leis nos 8.248, de 23 de
outubro de 1991, 8.387, de 30 de dezembro de 1991, 11.196, de 21 de novembro de
2005, 10.865, de 30 de abril de 2004, 11.484, de 31 de maio de 2007, 11.488, de 15
de junho de 2007, 9.718, de 27 de novembro de 1998, 9.430, de 27 de dezembro de
1996, 11.948, de 16 de junho de 2009, 11.977, de 7 de julho de 2009, 11.326, de 24
de julho de 2006, 11.941, de 27 de maio de 2009, 5.615, de 13 de outubro de 1970,
9.126, de 10 de novembro de 1995, 11.110, de 25 de abril de 2005, 7.940, de 20 de
dezembro de 1989, 9.469, de 10 de julho de 1997, 12.029, de 15 de setembro de
2009, 12.189, de 12 de janeiro de 2010, 11.442, de 5 de janeiro de 2007, 11.775, de
17 de setembro de 2008, os Decretos-Leis nos 9.295, de 27 de maio de 1946, 1.040,
de 21 de outubro de 1969, e a Medida Provisória no 2.158-35, de 24 de agosto de
2001; revoga as Leis nos 7.944, de 20 de dezembro de 1989, 10.829, de 23 de
dezembro de 2003, o Decreto-Lei no 423, de 21 de janeiro de 1969; revoga
dispositivos das Leis nos 8.003, de 14 de março de 1990, 8.981, de 20 de janeiro de
1995, 5.025, de 10 de junho de 1966, 6.704, de 26 de outubro de 1979, 9.503, de 23
de setembro de 1997; e dá outras providências.

CALCULO ATUARIAL
O cálculo atuarial é a ciência que utiliza técnicas matemáticas e estatísticas
de maneira a determinar o risco e retorno nos segmentos de seguros e financeiros.
Fundamentalmente o cálculo atuarial busca, por meio do conhecimento
histórico, de distribuições estatísticas e hipóteses, formar o valor presente (valor
atual) de um conjunto de fluxos de caixa (obrigações a pagar ou a receber em uma
ou várias datas) no futuro.

Emprego

33
Muito embora o cálculo atuarial compreenda potencialmente tudo o que o
cálculo financeiro abrange, a utilização com a qual o cálculo atuarial geralmente se
identifica, é o cálculo das responsabilidades dos fundos de pensões e Regimes
Próprios de Previdência. Esta estimativa mostra-se intricado por combinar variáveis
como:
 Valor de mercado dos ativos (NAV);
 Expectativa de aumentos salariais dos participantes no fundo;
 Expectativa de aumentos dos pensionistas;
 Expectativa dos retornos futuros dos ativos do fundo;
 Condições para aceder ao fundo;
 Contribuições esperadas para o fundo até passar à situação de
beneficiário;
 Tabela de mortalidade para os participantes do fundo, para determinar
o final da condição de beneficiário;
 Etc.
Foi-se criando a base para o surgimento da matemática atuaria,
principalmente a partir do cálculo da probabilidade de Pascal. Graunt e Edmond
Halley, na Inglaterra, e De Witt, na Holanda, a partir dos registros de nascimentos e
óbitos, estudaram o problema levando em conta as leis da probabilidade e a
expectativa de vida humana. Os avanços no cálculo de anuidades apresentados por
James Dodson nesta época renderam-lhe o título de inventor da ciência atuarial.

Risco
Pense em risco como a probabilidade de ocorrência de um determinado
evento que gere prejuízo econômico. É importante diferenciar risco de probabilidade:
a probabilidade é parte do risco, que para ser assim classificado precisa,
basicamente, ser causador de uma perda econômica, reparável.
Existem ainda outras exigências para o gerenciamento de um risco, a saber, o
risco deve ser:
Possível; Incerto; Futuro; Independer da vontade humana; Mensurável;
Homogêneo e não catastrófico.

34
Conclusão

Com o encurtamento das fronteiras territoriais devido a globalização, os


negócios das organizações tomaram dimensões intercontinentais deixando as
operações cada vez mais complexas
Para ser inserido nesse contexto e sobrevier no cenário econômico mundial é
necessário credibilidade nas demonstrações contábeis, com o reconhecimento de
fatos, comparabilidade de períodos, entendimento de mutações e resultados e
percepção de transparência corporativa, além de aperfeiçoar a divulgação pública
dos demonstrativos, tornam-se as informações padronizadas para melhor uso dos
usuários internos e externos, viabilizando com isso, maior interesse de investimentos
nas organizações Brasileiras.
Assim a normatização e evidenciação na contabilização de uma entidade por
um sistema de classificação de informação, registros das operações, quantificação
em termos monetários e presentes nas demonstrações financeiras são fundamentais
para análise e tomada de decisão.
Cada região tem suas características econômicas e sociais formando assim
diversas identidades, com isso a contabilidade tem de se adaptar a algumas dessas
características.
Os Atuários aplicam as teorias financeiras e estatísticas para resolver
problemas reais de negócios, referidos problemas envolvem análise de eventos
financeiros futuros, especialmente quando a quantidade de um pagamento futuro,
descrito como "gestão de risco", avaliando a probabilidade de um evento ocorrer e
os custos a ela associados.
A elaboração desse desafio foi de significativa relevância para a aplicação do
conhecimento adquirido nas matérias do semestre, a aplicação das informações
teóricas obtidas ampliou os horizontes por vermos na prática a importância da
aplicação das referidas teorias.

35
Referências bibliográficas

Assalin, Fabiano. Quando mudar é preciso...mas difícil. Disponível em:


<http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/quando-mudar-e-preciso-mas-
dificil/102712/>. Acesso em: 04 de fev. 2018.

B3. Brasil, Bolsa, Balcão. Empresas Listadas.


Disponívelemhttp://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/listadosavistaderivativos
/rendavariavel/ empresas-listadas.htm. Acesso em: 28/04/2018.

CAPITALSOCIAL. Qual deve ser a prioridade de sua empresa durante a crise


econômica? Disponível em: < http://capitalsocial.cnt.br/qual-deve-ser-a-prioridade-
de-sua-empresa-durante-a-crise-economica/>. Acesso em 07 fev. 2018

CERTISIGEXPLICA. Contador e agente principal no combate a corrupção.


Disponível em: < http://www.certisignexplica.com.br/contador-e-agente-principal-no-
combate-a-corrupcao/>. Acesso em 04 fev. 2018.

CERTISIGNEXPLICA. Contador é agente principal no combate à corrupção.


Disponível em: < http://www.certisignexplica.com.br/contador-e-agente-principal-no-
combate-a-corrupcao/>. Acesso em 08 fev. 2018

CONTABILIDADE, Portal de. CPC. Disponível em:


http://www.portaldecontabilidade.com.br/contabil/cpc.htm. Aceso em: 28/04/2018.

DDC. Profissão contábil: estudo das características e sua evolução no Brasil.


Disponível em < www.dcc.uem.br/enfoque/new/enfoque/data/1222197232.doc>.
Acesso em 05 fev. 2018

FINANÇAS, W G. Previdência Privada X Previdência Social: Entenda as


Diferenças. Disponível em: <
http://www.wgfinancas.com.br/blog/index.php/previdencia-privada-x-
previdencia-social-entenda-as-diferencas/>. Acesso em 04/05/2018

FREIRE, Mac Daves de Morais; MACHADO, Michele Rílany Rodrigues; MACHADO,


Lúcio Souza; SOUZA, Emerson Santana ; OLIVEIRA, Johnny Jorge de .
Aderência ás Normas Internacionais de Contabilidade Pelas Empresas
Brasileiras. Disponível em: <
http://www.revistas.usp.br/rco/article/view/52654/56538 >. Acesso em:
02/04/2018.

ICE. A importância da contabilidade como ciência social. Disponível em:<


http://www.ice.edu.br/TNX/index.php?sid=452>. Acesso em 08 fev. 2018

LUNELLI, Reinaldo Luiz. O Real Objetivo da Contabilidade. Disponível em: <


http://www.portaldecontabilidade.com.br/tematicas/real-objetivo-da
contabilidade.htm>. Acesso em: 10/05/2018.
36
NEGÓCIOS, Brasil Escola de. Contabilidade Internacional: Entenda Mais Sobre
Isso. Disponível em: <
http://portal.blbbrasilescoladenegocios.com.br/contabilidade -internacional/>.
Acesso em 28/04/2018.

PREV, Brasil. Previdência Social e Privada. Disponível em:


<https://www2.brasilprev.com.br/ht/previdenciasemmisterio/oqueprevidencia/pa
ginas/socialxprivada.aspx>. Acesso em 04/05/2018.

REVISTA DEDUÇÃO. Contador pode ser peça chave na crise. Disponível em: <
http://deducao.com.br/noticia/1609-contador-pode-ser-peca-chave-na-crise>. Acesso
em 08 fev. 2018

RICO, Primo. Entenda as Diferenças Entre INSS e Previdência Privada.


Disponível em: <http://oprimorico.com.br/aposentadoria/previdencia-
privada/diferencas-entre-inss-previdencia-privada/>. Acesso em: 04/05/2018.

SUSEP. Superintendência de Seguros Privados. Disponível


emhttp://www.susep.gov.br/. Acesso em 04/05/2018.

37