Você está na página 1de 3

TUTELA DEFINITINA: Exaure o exame pelo juiz.

Cognição exauriente para resolver problema


cautelar. CARATER/ESPÉCIE SATISFATIVA (entrega o bem da vida/satisfaz o direito/reconhece
o direito) OU CAUTELAR (assegurar o direito que será buscado em um processo principal).

TUTELA PROVISÓRIA: CARÁTER/ESPÉCIE SATISFATIVA OU CAUTELAR

Satisfativa e Cautelar também podem ser provisórias.

TUTELA PROVISÓRIA (antigamente: antecipada). Satisfativa ou cautelar.

Precariedade.

Adiantar os efeitos de qualquer tipo de provimento, de natureza cautelar ou


satisfativa. Em processo de conhecimento ou executório.

NÃO ENTREGUE EM COGNIÇÃO EXAURIENTE, mas sim cognição precária,


sumária, superficial.

FINALIDADE: Distribuir o ônus do tempo/demora do processo.

Adiantar os efeitos de todo tipo de provimento.

ESPÉCIES:

DE URGÊNCIA: ART 294 E 300 NCPC.

Fundamento: Risco da demora do processo. Tutela antecipada básica/por


essência. Risco de dano irreparável ou de difícil reparação.

DE EVIDÊNCIA: art. 311 NCPC. Antecipam tutela satisfativa. Direito está


claro/evidente. Abuso do direito de defesa. Manifesto propósito protelatório.

TUTELA CAUTELAR NÃO PODE SER DE EVIDÊNCIA

FORMAS DE REQUERIMENTO DA TUTELA PROVISÓRIA

CARÁTER INCIDENTAL: art. 295 NCPC. Cumulação com o pedido principal e


tutela definitiva/provisória. Pedida durante o processo. Pedido de tutela provisória junto com
a tutela definitiva já pode considerar incidental:

CARÁTER ANTECEDENTE: RITO PRÓPRIO. Apenas a tutela provisória de


urgência pode ser requerida em caráter antecedente. Urgência que justifica sua formação
antes mesmo da formulação do pedido de tutela definitiva. A tutela provisória de evidência
não pode ser requerida em caráter antecedente.

QUEM PODE REQUERER: A parte que entende ter o direito buscado.

O réu pode requerer a tutela provisória na reconvenção ou quando formular pedido


contraposto.

Réu não pode pedir a tutela provisória em caráter antecedente, pois não como ele antecipar
uma demanda.

CABIMENTO: QUALQUER PROCEDIMENTO, INCLUSIVE JUIZADOS ESPECIAIS.


MOMENTO DE CONCESSÃO: Liminarmente, no início do processo. Apenas tutela provisória de
urgência. Art. 300 2° ou Evidência satisfativa. No início do processo, sem formalizar o
contraditório, sem ouvir a outra parte.

Também na sentença. Utilidade de afastar o efeito suspensivo da apelação ou reexame


necessário para, assim, a parte gozar os efeitos da tutela deferida.

Também em recurso. Art. 299, Par. Único. Deferida pelo relator. Só analisa se processo houver
sido distribuído no Tribunal. Se entre protocolo do pedido e distribuição, pode ser deferida
pela Presidente ou Vice do Tribunal. Art. 995 CPC.

Exame de admissibilidade dos recursos: Após NCPC cabe ao Tribunal.

TUTELA PROVISÓRIA DE URGÊNCIA EM CARÁTER ANTECEDENTE POSSUI RITO PRÓPRIO. É uma


decisão interlocutória. Também pode ser um capítulo da sentença (TEORIA DOS CAPÍTULOS DE
SENTENÇA - NCPC). Deferida monocraticamente, pelo relator ou acórdão.

Incidental não possui rito próprio.

Efeitos da tutela conservam sua eficácia até a resolução do processo, podendo ser revogada a
qualquer tempo. EFEITOS EX TUNC/RETROATIVOS.

IMPUGNAÇÃO DA DECISÃO QUE DEFERE A TUTELA PROVISÓRIA.

Agravo de instrumento (Decisão interlocutória) ou apelação (deferida em sentença) ou, ainda,


relator no Tribunal (Agravo interno) ou por acórdão (não cabível recurso extraordinário, mas
cabível recurso especial para discutir os pressupostos da tutela provisória).

EFETIVAÇÃO DA TUTELA PROVISÓRIA. Poder Geral de Cautela do Juiz. Todos os meios


necessários, mesmo não previstos em lei para efetivar a tutela provisória deferida. Mesmo não
pedidos pela parte.

Tutela provisória se submete ao regime das EXECUÇÕES PROVISÓRIAS, por analogia (art. 520 a
522 CPC). Pode exigir caução. Aplica-se a responsabilidade objetiva da execução provisória.
Pode ter que arcar com ressarcimentos, independente de culpa.

TUTELA PROVISÓRIA DE URGÊNCIA. De caráter satisfativa ou cautelar.

NCPC unificou os pressupostos: a) Probabilidade do Direito: Verossimilhança dos fatos e


plausibilidade jurídica do pedido/do direito. Não demanda provas. b) Perigo da demora:
Concreto, atual e grave. Risco de dano irreparável ou de difícil reparação. Ex.: Tutela Inibitória.
DEVE POSSUIR CARÁTER DE REVERSIBILIDADE. Vedada tutela provisória irreversível. Deve ser
ponderada pelo juiz.

TUTELA DE URGÊNCIA SATISFATIVA EM CARÁTER ANTECEDENTE. Rito próprio. Art. 303


NCPC. Possibilidade pragmática de resolução do processo logo no começo. Rito diverso
quando deferida (Par. 1,2 e 3) e quando indeferida (parágrafo 6).

DEFERIDA: 1) Intimação do autor para emendar a inicial (15 dias) para dizer a tutela definitiva,
sob pena de extinção do processo sem resolução do mérito; 2) Intimação do réu para cumprir
a tutela provisória e comparecer a uma audiência de mediação e conciliação. Prazo da
contestação começa a contar da audiência de conciliação. Réu pode ficar inerte. Ocorrerá a
ESTABILIZAÇÃO DA TUTELA DE URGÊNCIA SATISFATIVA EM CARÁTER ANTECEDENTE (TÉCNICA
DE MONITORIZAÇÃO). Até que haja AÇÃO AUTÔNOMA PARA revogação/revisão/invalidação
da tutela. NÃO SE CONFUNDE COM COISA JULGADA. VANTAGENS PARA O RÉU: Custas do
processo e honorários reduzidos até 5%.

SOMENTE A TUTELA DE URGÊNCIA SATISFATIVA SE ESTABILIZA. TUTELA PROVISÓRIA CUTELAR


NÃO.

PRESSUPOSTOS DE ESTABILIZAÇÃO: a) Requerimento expresso do autor; b) Ausência de


manifestação de intenção de dar prosseguimento no processo; c) Decisão concessiva/deferida
e; d) Inércia do réu. DEVEM ESTAR PRESENTES ANTES DO ADITAMENTO DA PETIÇÃO. INÉRCIA
DO RÉU PODE SER PARCIAL. APENAS UMA PARTE DA TUTELA SE ESTABILIZA. POSSÍVEL
ACORDO PRÉ-PROCESSUAL DE ESTABILIZAÇÃO DA TUTEL PROVISÓRIA ENTRE AS PARTES
(NEGÓCIO PROCESSUAL).

AÇÃO DE IMPUGNAÇÃO OU DE CONFIRMAÇÃO DA DECISÃO CONCESSIVA DE TUTELA


PROVISÓRIA SATISFATIVA ESTABILIZADA. Transferência do ônus de questionar a tutela para o
réu. Prazo de 02 anos. NÃO CABE AÇÃO RESCISÓRIA (cabível apenas em coisa julgada).

TUTELA PROVISÓRIA NÃO DEFERIDA: 1) intima o autor para emendar a inicial (05 dias) e
apontar qual é a tutela definitiva.

TUTELA PROVISÓRIA ANTECIPAD EM CARÁTER ANTECEDENTE SÓ PODE TER NATUREZA


SATISFATIVA.

TUTELA DE URGÊNCIA CAUTELAR EM CARÁTER ANTECEDENTE: Rito: art. 305 NCPC. A


possibilidade do pedido de tutela provisória cautelar em caráter antecedente ocorre porque
há uma autonomia da tutela cautelar da tutela definitiva.

CARACTERÍSTICAS: TEMPORARIEDADE E REFERENCIBILIDADE (sempre ligada referencialmente


a uma tutela definitiva). NÃO É POSSÍVEL A ESTABILIZAÇÃO. Possui objeto próprio. Se houver
acumulação de tutela cautelar com definitiva, não terá mais o caráter antecedente. Será
classificada com incidente, de caráter incidental.

Há fungibilidade entre as tutelas, de mão dupla (art. 305, par. único). Parte vai ter que adaptar
a inicial e iniciar o rito correto.

SENTENÇA

FUNDAMENTAÇÃO: Duplo discurso. Serve para fundamentar o dispositivo da decisão judicial –


norma jurídica individualizada – e também serve como norma jurídica geral para orientar
todos os casos futuros. Tem que ter racionalidade. Essencial para a contabilidade da decisão
judicial. Coerência e integridade.

Divide-se em fundamentação de admissibilidade e de mérito. Princípio da primazia da decisão


de mérito. Juiz deve sempre buscar o mérito, motivação.

DISPOSITIVO: Conclusão da decisão judicial. Entrega da prestação jurisdicional.