Você está na página 1de 7

NAIARA BEBER

Funcionamento dos freios e prensas hidráulicos

Trabalho Escolar realizado no 2º. Ano do Ensino Médio do


Instituto Maria Auxiliadora, para a disciplina de Física.
.
Prof. Renê Leandro Guzzo.

RIO DO SUL
2017
Sumário

Introdução: ................................................................................................................. 3

1. Prensa hidráulica: ................................................................................................... 4

2. Freios Hidráulicos: .................................................................................................. 5

Conclusão: ................................................................................................................. 6

Referências: ............................................................................................................... 7

2
Introdução:

Com o presente trabalho, deseja-se explorar o funcionamento das prensas


hidráulicas, bem como dos freios hidráulicos, observando uma aplicação prática do
Princípio de Pascal, trabalhado dentro das leis da hidrostática. Com isso, objetiva-se
perceber a importância de tal princípio para a sociedade.

3
1. Prensa hidráulica:

Um equipamento criado para facilitar o trabalho humano, baseado nos


princípios físicos é a prensa hidráulica. Seu funcionamento se baseia no Princípio de
Pascal e ajuda a levantar grandes massas com pequenas forças.

As prensas hidráulicas são feitas de um tubo preenchido por um líquido


confinado entre dois êmbolos de áreas diferentes. Quando aplicamos uma força no
êmbolo de área A1, nesse caso o menor, surge uma pressão na região do líquido em
contato com esse êmbolo. Ao sofrer uma alteração na pressão do líquido, a pressão
exerce um movimento também no êmbolo de A2, a base onde a massa que se deseja
levantar estaria, com uma força de intensidade proporcional à área do êmbolo 2,
como mostra a figura abaixo, retirada do site Mundo Educação:

Fonte: Mundo Educação

Na figura podemos identificar:


F1 – força aplicada no êmbolo 1;
F2 – força que surge no êmbolo 2;
A1 – área da seção transversal do cilindro 1;
A2 – área da seção transversal do cilindro 2.

O acréscimo de pressão (Δp) é dado a partir do Princípio de Pascal. Portanto,


temos:
∆p1= ∆p2
Onde:

4
De acordo com essa relação, vemos que força e área são grandezas
diretamente proporcionais. Com isso, a força exercida sobre o êmbolo de menor área,
resultará em uma força compatível com a área do segundo êmbolo, sendo assim,
maior. Com isso, uma força grande é exercida em um dos êmbolos, a partir de uma
força menor, facilitando assim com que grandes objetos, como os carros em postos
de gasolina, sejam levantados com a força humana.
Para o deslocamento do êmbolo pode-se dizer que o decréscimo de volume no
êmbolo 1 é igual ao acréscimo do volume no êmbolo 2. Então, temos:
∆V1= ∆V2
Sabendo que a variação do volume é dada em função da área e do
deslocamento do êmbolo, temos:
∆V = A.d
Como a variação do volume é igual, temos:
A1.d1= A2.A2

2. Freios Hidráulicos:

A força que precisaria ser usada no pedal do freio para que o carro parasse
seria muitas vezes maior do que a força humana. Para resolver esse problema foi
aplicado um princípio físico, que é o de multiplicação hidráulica, usado para
multiplicar a força obtida no pedal no qual a pessoa aplicou. Esse princípio é
baseado na lei de Pascal que diz: “os acréscimos de pressão sofridos por um corpo
de um líquido são transmitidos integralmente a todos os pontos do líquido e das
paredes do recipiente onde este está contido”. É o que ocorre no caso dos freios
hidráulicos.
Sabendo que a intensidades das forças aplicadas são diretamente
proporcionais às áreas dos êmbolos, a força aplicada é menor, mas causa um
grande efeito no automóvel. Por exemplo, se a área A2 for dez vezes maior que a
área A1, a força F2 terá intensidade dez vezes maior que F1.
No esquema abaixo, retirado do site “Física Básica” uma vez que se
pressione o pedal do freio, ele faz funcionar um esquema de alavanca com uma
relação de 4 para 1. Simultaneamente aciona-se também o êmbolo do cilindro
mestre, fazendo com que o atrito entre a roda e freio transforme a energia cinética
contida nele em energia térmica, diminuindo gradativamente sua velocidade

5
Conclusão:

Com o presente trabalho, conclui-se que as leis da hidrostática são aplicadas


amplamente no cotidiano, em freios de carros, caminhões, bicicletas e motocicletas. O
princípio de Pascal permite com que ações simples, essenciais para a segurança na estrada,
sejam realizadas, multiplicando a força utilizada, tornando-a tão forte quanto o necessário. O
mesmo se aplica aos elevadores e prensas hidráulicas. Sendo assim, verificou-se a
importância e a presença cotidiana de tais conceitos.

6
Referências:

http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfjXoAJ/fisica-basica-sistema-freios

http://mtbbrasilia.com.br/2015/08/23/conheca-o-funcionamento-do-sistema-hidraulico-
dos-freios-a-disco-para-bicicletas/

http://www.pontociencia.org.br/experimentos/visualizar/freio-hidraulico/538

http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/fisica/prensa-hidraulica.htm