Você está na página 1de 5

)TQUMV\W[N]VKQWVIQ[

VIXZM^MVtrWM\ZI\IUMV\WLMLWMVtIKIZLQW^I[K]TIZ"
ZMKWUMVLIt‚M[

6a^bZcidh[jcX^dcV^h

:b&.-)!iZkZ^c†X^dcd?Ved!degd_ZXidÆHnhiZbVi^X
6cVanh^h VcY 9ZkZadebZci d[ ;ddY ;jcXi^dcÇ dcYZ [d^
^cigdYjo^Yd eZaV eg^bZ^gV kZo d XdcXZ^id YZ ÆVa^bZcid
[jcX^dcVaÇdjÆ[ddYh[dgheZX^ÒZY]ZVai]jhZÇ;DH=J#&
CV:jgdeV!VeZcVhZb&..+!hjg\ZjbVVXdXdcXZgiVYV
YV8db^hhd:jgdeZ^V<kdYj_edWb<eeZIY_[dY[_d;khef[
Å<K<EI;!dcYZ[dgVbaVcVYdhdhVa^XZgXZheVgVVX^„cX^V
fjZ ZckdakZ ]d_Z dh Va^bZcidh [jcX^dcV^h# Cd YZXdggZg
YZhiZegd_ZXid[d^YZÒc^YddXdcXZ^idZjgdeZjYZVa^bZcid
[jcX^dcVa/ Æjb Va^bZcid edYZ hZg Xdch^YZgVYd [jcX^dcVa
hZ[dghVi^h[Vidg^VbZciZYZbdchigVYdfjZiZbjbZ[Z^id
WZc‚ÒXd cjbV dj bV^h [jcZh Òh^da‹\^XVh Vakd! eVgV
Va‚b Ydh hZjh Z[Z^idh cjig^X^dcV^h VYZfjVYdh! gZaZkVciZ
eVgVegdbdkZgVhVYZZWZb"ZhiVgZ$djgZYjo^gdg^hXdYZ
9jVgiZIdggZh YdZcVÇ#JbVa^bZcid[jcX^dcVaYZkZXdcÒ\jgVg"hZXdbd
6hh^hiZciZ8dck^YVYdYV;VXjaYVYZYZ8^„cX^Vh jb Va^bZcid Z dh hZjh Z[Z^idh YZkZb hZg YZbdchigVYdh
YVCjig^dZ6a^bZciVdYVJc^kZgh^YVYZYdEdgid ZbYdhZhfjZedhhVbhZgcdgbVabZciZZmeZXi{kZ^hcjbV
Y^ZiV/cdhdX{ehjaVhcZbXdbeg^b^Ydh!bVhh^beVgiZ
YZjbeVYgdVa^bZciVgcdgbVa#'
GZhjbdYdVgi^\d D XdcXZ^id YZ Va^bZcid [jcX^dcVa fjZ ZbZg\^j Yd
D XdcXZ^id YZ Va^bZcid [jcX^dcVa hjg\^j cd ?Ved cd ;J;DH: eZXV edg hZg YZbVh^VYd VWgVc\ZciZ# 9Z VXdgYd
^c†X^d YV Y‚XVYV YZ -%# CV :jgdeV ZhiZ XdcXZ^id iZb
XdbVYZÒc^degdedhiVedYZbdhVÒgbVgfjZZbiZdg^V
k^cYd V hZg Vegd[jcYVYd YZhYZ bZVYdh YV Y‚XVYV
ÆidYdhdhVa^bZcidhhd[jcX^dcV^hÇ#6dadc\dYZhiZVgi^\d
YZ .% hZcYd V gZXZciZ ejWa^XVd Yd GZ\jaVbZcid
:jgdeZj gZaVi^kd |h VaZ\VZh cjig^X^dcV^h Z YZ hVYZ hZg{ VYdeiVYV jbV YZÒc^d bV^h XdcXgZiV! hZbZa]VciZ
jbeVhhd^bedgiVciZeVgVdVjbZcidYVXdcÒVcVYdh | egdedhiV edg @ViVc Z 9Z Gddh '%%)# Jb Va^bZcid
^ciZgkZc^ZciZh YV XVYZ^V V\gd"Va^bZciVg cZhiZ i^ed YZ [jcX^dcVa‚ÆjbVa^bZcidXj_VXdbedh^d[d^bdY^ÒXVYVZ
Va^bZcidh# fjZ!cdg‹ijad!Zmea†X^iVdj^bea^X^iVbZciZ!VaZ\VbZa]dgVg
Cjb XdciZmid YZ egZkZcd eg^b{g^V Z igViVbZcid VhVYZdjdWZbZhiVgYd^cY^k†YjdÇ#(
YZ YdZcV XVgY^dkVhXjaVg! k{g^Vh dg\Vc^oVZh! Xdb Cd hZ\j^bZcid Yd egd_ZXid ZjgdeZj ;J;DH: hjg\Z!
XdbeZi„cX^VcZhiVbVi‚g^V!gZXdbZcYVbV^cXdgedgVd Zb'%%&!degd_ZXidZjgdeZjE6HH8A6>BFheY[ii\ehj^[
YZVa^bZcidh[dgi^ÒXVYdhXdbÒidZhiZg‹^hdjÒidZhiVc‹^h! 7ii[iic[dj e\ IY_[dj_ÓY Ikffehj \eh 9bW_ci ed <eeZi#
Xdbd[dgbVYZVjbZciVgdZ[Z^id]^edXdaZhiZgda^b^VciZ :hiZ egd_ZXid iZkZ Xdbd eg^cX^eV^h dW_ZXi^kdh & VkVa^Vg
YZjbVY^ZiVhVjY{kZa#
dh egdXZY^bZcidh Zm^hiZciZh eVgV V VkVa^Vd YV
hjWhiVcX^Vd X^Zci†ÒXV YVh VaZ\VZh YZ hVYZ0 '
egdYjo^gjb^chigjbZcid\Zc‚g^XdeVgVVkVa^VgdhjedgiZ
X^Zci†ÒXd YVh VaZ\VZh cjig^X^dcV^h Z YZ hVYZ Ydh
Va^bZcidh0 ( ZhiVWZaZXZg Xg^i‚g^dh eVgV dh bVgXVYdgZh
W^da‹\^XdhfjZedYZbhZgjhVYdheVgVZmeadgVgdZ[Z^idYV
Y^ZiVcVhVYZ#)
6h XdcXajhZh X^Zci†ÒXVh Ydh Yd^h \gVcYZh egd_ZXidh
ZjgdeZjhgZ[Zg^Ydh;J;DH:ZE6HH8A6>B[dgVb!XdbXZg"
iZoV![ZggVbZciVhiZ^heVgVVgZYVXdZgZXZciZejWa^XVd
Yd YdXjbZcid fjZ gZ\jaV Vh VaZ\VZh cjig^X^dcV^h Z
YZ hVYZ! [Z^iVh Zb Xdbjc^XVZh XdbZgX^V^h gZaVi^kVh
Vdh Va^bZcidh gdijaV\Zb Z ejWa^X^YVYZ#* 6h VaZ\VZh
cjig^X^dcV^h Z YZ hVYZ edYZb XdchiVg! VeZcVh! hZ d

76
Revista Factores de Risco, Nº9 ABR-JUN 2008 Pág. 76-80

alimento se enquadra em determinado perfil nutricional, mais de 40 esteróis sendo o sitosterol, o campesterol e
a estabelecer pela Comissão Europeia (CE) até ao início o estigmasterol os mais abundantes. Os fitoestanóis
de 2009. Novas alegações de saúde podem ser utilizadas resultam da saturação dos fitoesteróis e são muito
após análise e autorização da Autoridade Europeia para menos abundantes na natureza que os fitoesteróis (o
a Segurança dos Alimentos (AESA) com base em dados rácio fitoestanóis/fitoesteróis é ~ 1/10). Estima-se que,
científicos fidedignos. As alegações de saúde vagas, do numa dieta convencional, sejam consumidas cerca de
tipo “melhora o seu bem estar” desaparecererão do rótulo 0,25g de esteróis podendo atingir-se 0,5g numa dieta
dos alimentos. preferencialmente vegetariana.10

“Um alimento funcional é “um alimento cuja composição


foi modificada e que, no rótulo, explícita ou implicitamente,
alega melhorar a saúde ou o bem estar do indivíduo”

Apesar de não existir um quadro legal dedicado aos Vários estudos aleatorizados, prospectivos e contro­
alimentos funcionais, a legislação que potencialmente lados (randomized controlled trials – RCTs), realizados nas
os abrange aborda preferencialmente os aspectos pré- últimas duas décadas, mostram que alimentos enriquecidos
-consumo, enquanto que o acompanhamento e monitori­ com fitoesteróis ou fitoestanóis reduzem o colesterol
zação pós-lançamento ainda não estão regulamentados, total especialmente o c-LDL. Resumindo, o consumo de
sendo essa uma das críticas válidas feitas aos alimentos 2,0-2,5g de fitoesteróis/fitoestanóis por dia promove
funcionais.6 uma redução média do c-HDL plasmático entre 9-14%,
quer em indivíduos normocolesterolémicos quer em
Alimentos funcionais indivíduos moderadamente hipercolesterolémicos. Estudos
e doença cardiovascular recentes mostram também que o efeito destes compostos
adiciona-se aos efeitos de uma dieta hipocolesteroli­
A doença cardiovascular (DCV) tem uma etiologia miante ou do uso de estatinas.11,12 Num dos estudos, de
multifactorial sendo por isso difícil associar a alteração intervenção populacional, observou-se que num grupo de
de apenas um marcador à redução do risco de DCV. No indivíduos o uso de fármacos, por si só, reduziu em cerca
entanto, estudos conduzidos nas últimas décadas suportam de 17% o colesterol total enquanto que, noutro grupo, a
que a redução do colesterol plasmático, concretamente, o combinação de fármacos e de matérias gordas enriquecidas
colesterol LDL (c-LDL)7 e a redução da pressão sanguínea com fitoesteróis/fitoestanóis, reduziu o colesterol total,
(PS),8 se traduzem numa redução da morbilidade e em média, 29%.13
mortalidade associada à DCV, sendo aliás alvos terapêuticos A menor hidrofobicidade promove a “substituição” do
preferenciais na prática clínica. Apenas para estes dois colesterol pelos fitoesteróis ou fitoestanóis nas micelas
marcadores (c-LDL e PS), reconhecidamente modificáveis formadas durante o processo digestivo no lúmen intestinal.
pela dieta, existe consenso na comunidade científica: a Desta forma, a absorção do colesterol é diminuída e
um alimento que altere positivamente estes marcadores aumentada a sua excreção fecal. Este mecanismo sugere
poderá, eventualmente, atribuir-se uma alegação de que a redução do c-LDL verificar-se-á, se a ingestão de
saúde ou de redução de risco de doença cardiovascular.9 esteróis/estanóis e a ingestão de colesterol, forem
simultâneas. No entanto, a observação de que a ingestão
Fitoesteróis e fitoestanóis de estanóis numa toma única diária é igualmente eficaz na
na redução do c-ldl redução do c-LDL, sugere que o mecanismo atrás proposto
não será o único a considerar.14
Os esteróis têm, nas plantas, funções celulares aná­ Baseados na evidência actual, foram publicados vários
lo­gas às do colesterol nos animais. Já foram identificados documentos contendo recomendações onde é proposto a

77
Alimentos funcionais na prevenção e tratamento de doença cardiovascular: recomendações

Péptidos na redução da PS
“Num dos estudos,
A redução da pressão sanguínea, sistólica (PSS) e
de intervenção populacional, diastólica (PSD), devido ao consumo de alimentos contendo
pequenas doses de sequências peptídicas específicas, já
observou-se que num grupo foi demonstrada em RCTs de pequena dimensão (n<40),
de indivíduos o uso de fármacos, de curta ou média duração.21,22 Observaram-se reduções
médias entre 4,6 e 14,1mm Hg na pressão sistólica e entre
por si só, reduziu em cerca de 3,6 e 9,4mm Hg na pressão diastólica (Quadro I).
O efeito anti-hipertensor destes péptidos atribui-se
17% o colesterol total enquanto ao efeito inibidor da enzima conversora da angiotensina
que, noutro grupo, a combinação (IECA) verificado in vitro. No entanto, são necessários mais
estudos para uma melhor compreensão deste mecanismo.
de fármacos e de matérias Outros mecanismos, paralelos ou complementares foram
já propostos (ex: acção vasodilatadora como agonistas de
gordas enriquecidas com receptores opióides).23
fitoesteróis/fitoestanóis, O tratamento das proteínas alimentares com enzimas
proteolíticas, ou com espécies microbianas possuidoras de
reduziu o colesterol total, considerável actividade proteolítica, conduz à libertação
de péptidos, de tamanho e sequência dependente da
em média, 29%.” especificadade da(s) protease(s) envolvida(s) no pro­
cesso (tabela 1). Comercialmente, estes péptidos podem
incorporação na dieta diária de ~ 2 g de esteróis e/ou encontrar-se em hidrolisados proteicos, principalmente, de
estanóis vegetais, como forma de maximizar a redução proteínas lácteas, ou em leites fermentados enriquecidos.
de c-LDL. O relatório do National Cholesterol Education
Program (NCEP) Adult Treatment Panel III (ATPIII),15 Quadro I
as recomendações Australianas, a Sociedade Médica Estudo em humanos onde se avaliou o efeito da in-
Finlandesa16 e, mais recentemente, a Associação Dietética gestão de preparações alimentares contendo péptidos
Americana,12 são consensuais nesta recomendação. com efeito IECA (adaptado de 21,22).
Não é indiferente optar por um alimento contendo
Matéria-prima Processo Sequência PSS (mmHg) PSD (mmHg)
fitoesteróis ou outro contendo fitoestanóis.17 Num estudo
Caseína Tripsina ↓ 4,6 (p<0,01) ↓ 6.6 (p<0.01)
de longa duração, verificou-se que, o uso de produtos en- Proteases
Soro de leite ↓ 11,0 ↓ 7.0
riquecidos com esteróis vegetais (e não estanóis) elevam várias
L. helveticus;
a concentração plasmática de esteróis em humanos. Este Leite ile-pro-pro; val-pro-pro ↓ 14.1 (p<0,01) ↓ 6,6 (p< 0,05)
S. cerevisiae
é um efeito indesejado devido aos ainda controversos Leite L. Helveticus ile-pro-pro; val-pro-pro ↓ 10,1 (p<0,05) ↓ 9.4 (p<0,05)
Leite L. Helveticus ile-pro-pro; val-pro-pro ↓ 6,7 (p=0,03) ↓ 3.6 (p<0,06)
efeitos na saúde dos esteróis vegetais.18 Importa, sobre Músculo
B. lichenformis val-tyr ↓ 9.3 (p<0,001) ↓ 5.2 (p<0,001)
este aspecto, referir que o consumo de alimentos contendo de sardinha
esteróis vegetais foi legalmente proibido no Canadá, por
questões de segurança.19
Estudos de monitorização pós-lançamento (1998-2003) Apesar da relevância dos estudos apontados, ainda não
avaliaram a exposição da população holandesa a alimentos existe consenso sobre a eficácia deste tipo de alimentos
contendo fitoesteróis e fitoestanóis, assim como, a eficácia contendo péptidos anti-hipertensores. Serão necessários,
destes produtos na redução do colesterol plasmático. no futuro, estudos mais abrangentes, de maior duração e,
Verificou-se que o consumo livre de matérias gordas para desejavelmente, de monitorização pós-lançamento.
barrar enriquecidas com fitoesteróis ou fitoestanóis pode
baixar modestamente o colesterol plasmático total de Conclusões
uma comunidade (-4%), enquanto que o colesterol de in-
divíduos não consumidores aumenta em média 2%.13 Con- A introdução de alimentos funcionais no mercado
clusões semelhantes foram obtidas no estudo de coorte levanta vários problemas de de índole social: a medica­
“Doetinchem cohort study’’.20 lização do consumo alimentar, a segurança e eficácia, e

78
Revista Factores de Risco, Nº9 ABR-JUN 2008 Pág. 76-80

o marketing e publicidade agressiva destes alimentos de Bibliografia


alto valor acrescentado.6
Sabe-se ainda pouco acerca da exposição e segurança 1. Arai S. Global view on functional foods: Asian perspectives.
dos alimentos funcionais e da forma como podem inter- British Journal of Nutrition 2002;88:S139-S143.
ferir com fármacos desenvolvidos para a mesma função-
-alvo. A “auto-alicamentação” (consumo desregrado de 2. Diplock AT, Aggett PJ, Ashwell M, Bornet F, Fern EB, Roberfroid
alimentos funcionais também denominados alicaments) MB. Scientific concepts of functional foods in Europe consensus
também pode levantar questões de segurança. Num document. British Journal of Nutrition 1999;81:S1-S27.
estudo onde se efectuou a simulação do potencial cosumo
diário de fitoesteróis e fitoestanóis, num cenário de for- 3. Katan MB, De Roos NM. Promises and problems of func-
tificação libe­ral, concluiu-se que a ingestão destes com- tional foods. Critical Reviews in Food Science and Nutrition
postos pode exceder, em muito, os níveis recomendados.24 2004;44:369-377.
No entanto, num contexto de prevenção primária e trata-
mento de doença cardiovascular, várias organizações, com 4. Aggett PJ, Antoine JM, Asp NG, Bellisle F, Contor L, Cummings
competência nesta matéria, recomendam a incorporação JH, Howlett J, Muller DJG, Persin C, Pijls LTJ, Rechkemmer G, Tuijte-
de alimentos fortificados com fitoesteróis ou fitoestanóis, laars S, Verhagen H. PASSCLAIM - Consensus on criteria. European
como forma de aumentar o efeito hipocolesterolimiante Journal of Nutrition 2005;44:5-30.
de uma dieta saudável, incluindo os pacientes que estão
medicados com estatinas. 5. Regulamento (CE) Nº 1924/2006 do Parlamento Europeu e do
Conselho de 20 de Dezembro de 2006 relativo às alegações nu-
tricionais e de saúde sobre os alimentos. Jornal Oficial da União

“…num contexto de prevenção Europeia 2007;L 12:0003-0018.

primária e tratamento de 6. de Jong N, Verhagen H, Wolfs MCJ, Ockfe MC, Klungel OH,
doença cardiovascular, várias Leufkens HGM. Functional foods: the case for closer evaluation.
British Medical Journal 2007;334:1037-1039.
organizações, com competência
nesta matéria, recomendam 7. Hyre AD, Muntner P, Menke A, Raggi P, He J. Trends in ATP-

a incorporação de alimentos III-Defined High Blood Cholesterol Prevalence, Awareness, Treat-


ment and Control Among U.S. Adults. Annals of Epidemiology
fortificados com fitoesteróis 2007;17:548-555.
ou fitoestanóis, como
8. Roccella EJ. The Sixth Report of the Joint National Committee on
forma de aumentar o efeito Prevention, Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood
hipocolesterolimiante de uma Pressure. Archives of Internal Medicine 1997;157:2413-2446.

dieta saudável, incluindo os 9. Mensink RP, Aro A, Hond ED, German JB, Griffin BA, Ter Meer HU,
pacientes que estão medicados Mutanen M, Pannemans D, Stahl W. PASSCLAIM - Diet-related car-
com estatinas.” diovascular disease. European Journal of Nutrition 2003;42:6-27.

10. Law M. Plant sterol and stanol margarines and health. British
Sabe-se que alterações na dieta modificam positiva- Medical Journal 2000;320:861-864.
mente os marcadores de risco de doença cardiovascular.12
Estudos comparativos deverão ser desenvolvidos no futuro, 11. Katan MB, Grundy SM, Jones P, Law M, Miettinen T, Paoletti
no sentido de avaliar eficácia da adição de alimentos fun- R. Efficacy and safety of plant stanols and sterols in the man-
cionais à dieta convencional em relação à eficácia da agement of blood cholesterol levels. Mayo Clinic Proceedings
adopção de recomendações alimentares consideradas sau- 2003;78:965-978.
dáveis, num contexto de doença cardiovascular.6

Duarte Torres

79
Alimentos funcionais na prevenção e tratamento de doença cardiovascular: recomendações

12. Van Horn L, McCoin M, Kris-Etherton PM, Burke F, Carson JAS, 18. Fransen HP, de Jong N, Wolfs M, Verhagen H, Verschuren
Champagne CM, Karmally W, Sikand G. The Evidence for Dietary WMM, Lutjohann D, von Bergmann K, Plat J, Mensink RP. Cus-
Prevention and Treatment of Cardiovascular Disease. Journal of tomary use of plant sterol and plant stanol enriched margarine is
the American Dietetic Association 2008;108:287-331. associated with changes in serum plant sterol and stanol concen-
trations in humans. Journal of Nutrition 2007;137:1301-1306.
13. de Jong N, Zuur A, Wolfs MCJ, Wendel-Vos GCW, Van Raaij
JMA, Schuit AJ. Exposure and effectiveness of phytosterol/- 19. Home Health Canada. Health Canada advises that Becel Pro-
stanol-enriched margarines. European Journal of Clinical Nutri- activ not approved for sale, 2001.
tion 2007;61:1407-1415.
20. Wolfs M, de Jong N, Ocke MC, Verhagen H, Verschuren WMM.
14. Plat J, Mensink RP. Plant stanol and sterol esters in the con- Effectiveness of customary use of phytosterol/-stanol enriched
trol of blood cholesterol levels: Mechanism and safety aspects. margarines on blood cholesterol lowering. Food and Chemical
American Journal of Cardiology 2005;96:15D-22D. Toxicology 2006;44:1682-1688.

21. Meisel H. Biochemical properties of peptides en-


15. Grundy SM. Stanol esters as a component of maximal di- crypted in bovine milk proteins. Current Medicinal Chemistry
etary therapy in the National Cholesterol Education Program 2005;12:1905-1919.
Adult Treatment Panel III Report. American Journal of Cardiology
2005;96:47D-50D. 22. FitzGerald RJ, Murray BA, Walsh DJ. Hypotensive Peptides
from Milk Proteins. Journal of Nutrition 2004;134:980S–988S.
16. Poli A, Marangoni F, Paoletti R, Mannarino E, Lupattelli G, No-
tarbartolo A, Aureli P, Bernini F, Cicero A, Gaddi A, Catapano A, 23. Nurminen ML, Sipola M, Kaarto H, Pihlanto-Leppa?la A,
Cricelli C, Gattone M, Marrocco W, Porrini M, Stella R, Vanotti A, Piilola K, Korpela R, Tossavainen O, Korhonen H, Vapaatalo H.
Volpe M, Volpe R, Cannella C, Pinto A, Del Toma E, La Vecchia C, α-Lactorphin lowers blood pressure measured by radiotelemetry
Tavani A, Manzato E, Riccardi G, Sirtori C, Zambon A. Non-phar- in normotensive and spontaneously hypertensive rats. Life Sci-
macological control of plasma cholesterol levels. Nutrition, Me- ences 2000;66:1535-1543.
tabolism and Cardiovascular Diseases 2008;18:S1-S16.
24. de Jong N, Pijpers L, Bleeker JK, Ocke MC. Potential intake
17. O’Neill FH, Brynes A, Mandeno R, Rendell N, Taylor G, Seed M, of phytosterols/-stanols: results of a simulation study. European
Thompson GR. Comparison of the effects of dietary plant sterol Journal of Clinical Nutrition 2004;58:907-919.
and stanol esters on lipid metabolism. Nutrition, Metabolism and
Cardiovascular Diseases 2004;14:133-142.

80