Você está na página 1de 13

visita domiciliar

A visita domiciliar é um conjunto de ações de saúde voltadas para o atendimento, seja


ele assistencial ou educativo. É uma dinâmica utilizada nos programas de atenção à
saúde, visto que acontecem no domicílio da família (Mattos, 1995).
Portanto, através dessa estratégia é possível conhecer o ambiente familiar e as micro-
áreas de moradia dos usuários do centro de saúde, ampliando o nível de informações e
conhecimentos relativos ao auto cuidado, ao uso dos recursos sociais, à ação política em
saúde ou, ainda, como atitude complementar às ações de vigilância em saúde.

2- VISITA DOMICILIAR
A visita domiciliar é uma “forma de atenção em Saúde Coletiva voltada para o
atendimento ao indivíduo, à família ou à coletividade que é prestada nos domicílios ou
junto aos diversos recursos sociais locais, visando à maior eqüidade da assistência em
saúde” (Ceccim e Machado, s/d, p.1).

3- TIPOS DE VISITAS DOMICILIARES

VISITA CHAMADA  é um atendimento realizado na casa do indivíduo ou família, por


este ou esta possuir algum tipo de limitação, por exemplo, doença aguda ou agudização
de um problema crônico ou por outro tipo de limitação (seqüelados de AVE,
amputação, cirurgias recentes).
VISITAS PERIÓDICAS  são feitas para indivíduos ou famílias que necessitam de
acompanhamento periódico, por exemplo, pacientes crônicos, acamados, idosos,
doentes mentais, egressos de internações hospitalares, pode haver até coleta de exames.
Marcado com periodicidade semanal, quinzenal ou mensal.
INTERNAÇÕES DOMICILIARES  são indivíduos ou famílias que escolheram
realizar o tratamento em casa, geralmente são necessárias para pacientes terminais de
câncer, quando grande parte dos cuidados pode ser realizada pelos familiares. A equipe
apóia e maneja a situação para promover a qualidade de vida neste momento.
BUSCA ATIVA é a busca de indivíduos ou famílias faltosas (tratamentos, vacinas,
gestantes), a vigilância em saúde também é considerada uma busca ativa.
Os variados tipos de visita domiciliar são dinâmicos, podendo-se modificar durante o
processo. Um chamado pode se tornar uma internação domiciliar, após a alta pode-se
necessitar de uma visita periódica.
4- EQUIPE DE SAÚDE
Todos os membros da equipe de saúde: enfermeiros, médicos, auxiliares / técnicos de
enfermagem, assistentes sociais, psicólogos, dentistas, acadêmicos e agentes
comunitários de saúde  cada um em seu campo específico, mas agindo de forma
multiprofissional.
Todos os profissionais envolvidos devem ter o conhecimento sobre o indivíduo
(contexto de vida, meio ambiente, condições de habitação, relações afetivo-sociais da
família), para possibilitar a prestação da assistência integral à saúde, para facilitar a
adaptação do planejamento da assistência de enfermagem de acordo com os recursos
que a família dispõe, para obter melhor relacionamento do grupo familiar com o
profissional de saúde, por ser sigiloso e menos formal e para ter maior liberdade para
expor os mais variados problemas, tendo-se um tempo maior do que nas dependências
do serviço de saúde.

5- DIFICULDADES

• Método dispendioso, pois demanda custo de pessoal e de locomoção.


• Ocorre um gasto de tempo maior, tanto na locomoção como na realização da visita.
• Contratempos advindos da impossibilidade de marcar a visita: não ter ninguém em
casa, o endereço não existir, a pessoa não residir mais naquele endereço.
• Os afazeres domésticos das donas de casa podem impedir ou dificultar a realização da
visita domiciliar

6- PATOLOGIA – DIABETES
Síndrome de etiologia múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade da
insulina de exercer adequadamente seus efeitos.

DIABETES MELLITUS
As conseqüências do DM á longo prazo incluem danos, disfunção e falência de vários
órgãos, especialmente rins, olhos, nervos, coração e vasos sangüíneos.

8- DIABETES TIPOS: 1 e 2
TIPO 1
• Maior incidência em crianças, adolescentes e adultos jovens;
• Início abrupto dos sintomas;
• Pacientes magros;
• Facilidade para cetose e flutuações da glicemia;
• Menor concentração familiar;
• Deterioração clínica rápida se não tratada prontamente; com insulina.

TIPO 2
• Maior incidência após os 40 anos;
• 60 – 90 % são obesos;
• Cetose rara: somente em situações de estresse;
• Glicemia mais estável;
• Concentração familiar freqüente;
• Hiperglicemia mantida se não tratada.

9- DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE DM 1 E 2

DM 1
 Doença Auto-Imune
 Deficiência Insulina
 Jovens, Adolescentes
 Insulite
 Auto-Anticorpos
 Indivíduos Magros
 Cetoacidose (Início)
Início Abrupto (Polis)

DM 2

 90 % S. Metabólica
 Resistência Insulínica e Deficiência
 Indivíduos Meia Idade
 Depósito Amilóide nas Ilhotas
 Obesidade (85 %)
 S. Hiperosmolar
 Início Geralmente Lento

10- SINAIS E SINTOMAS MAIS FREQÜENTES:


• Polidipsia
• Poliúria
• Polifagia
• Emagrecimento
• Secura na boca
• Impotência
• Prurido genital
• Parestesias
• Prurido cutâneo
• Balanite
• Alterações visuais
• Infecções de pele
• Diarréia
• Pielonefrite
• Peso nas pernas
• Cefaléia
• Hiperhidrose
• Insônia
• Amenorréia
• Irritabilidade
• Atrofia muscular
11- RETINOPATIA DIABÉTICA

12- PÉ DIABÉTICO
COMBINAÇÃO PATOLÓGICA
 NEUROPATIA – 45-60%
 ANGIOPATIA – 7-13%
 COMBINAÇÃO – 25-45%

ESTADIAMENTO DA INFECÇÃO
Leve ou sem risco de perda do membro
 Superficial
 Sem toxicidade sistêmica
 Celulite superficial pequena (menos de 2 cm)
 Ulceração pequena (quando presente)
 Pouca isquemia
MODERADA A GRAVE OU COM RISCO DE PERDA DO MEMBRO
 Celulite extensa
 Úlcera atingindo tecido celular subcutâneo
 Linfangite
 Isquemia importante
 Com envolvimento de ossos, tendões e articulações
 Sinais clínicos: febre, hiperglicemia, bacteremia e sepse .
TRATAMENTO
 Antibioticoterapia
 Debridamento e/ou drenagem
 Amputação
13- RELATÓRIO SOBRE A VISITA DOMICILIAR

A visita domiciliar foi feita à senhora M. A. S. com idade de 65 anos. Reside na Rua
nossa senhora da conceição, N 40b, Clima Bom I - Tabuleiro dos Martins.
Paciente em processo de hemodiálise no Hospital Sanatório, diabética desde os 40 anos,
certo dia estava em casa e começou a suar frio e tremer, e não sabia o que estava
acontecendo, achou que fosse uma queda de pressão arterial, chegou a desmaiar e
acordou no hospital no CTI com sua irmã ao seu lado chorando, não conseguia falar,
pois estava entubada. 48 horas depois, conseguiu falar, pedir água. Então, foi que o
médico falou que ela havia entrado em coma diabético e quase chegara a óbito, tinha
realizado glicemia capilar e sua onde apresentou HI. A partir daquele momento seu
mundo parou, não ingeria doces, massas e perdeu muito peso, adquiriu uma depressão,
por não conseguir ir a festas, ver as pessoas comendo, bebendo, não pode viajar devido
à hemodiálise, consequentemente fica muito tempo sem ver sua família que mora
distante, tem uma alimentação restrita, precisa tomar insulina diariamente, considerada
por ela como uma invasão ao seu corpo, tendo que fazer restrição de liquido ingerido
por dia e isso inclui: café, suco e tudo que contenha água. Foi o maior sufoco que já
passou na vida e ate hoje vive todo esse pesadelo – segundo ela.
Não soube informar qual o tipo de sua diabetes, mas, pelos dados, supomos que seja do
tipo II, onde se adquire na fase adulta, por varias complicações de saudade informadas
por ela própria.
A diabetes para a mesma foi considerada como o seu fim. Pois, não consegue mais se
ver como antes e hoje se considera um´´caco´´- palavras da paciente. Não tem mais
forças para enfrentar a vida. Antes da doença pesava 75kg, hoje tem apenas 40kg e não
deve aumentar, pois, segundo os médicos, seus órgão não conseguem bombear e
purificar seu sangue com facilidade. Ela faz hemodiálise nas segundas, quartas e sextas,
onde perde de 3 a 4kg de seu peso, sendo informada que trata-se de água acumulada no
seu organismo. Ela relatou que todos os seus sonhos acabaram, e reza pedindo a Deus
que livre todos dessa peste que destrói a vida das pessoas.
Diante do quadro da paciente foram dadas algumas orientações, começando desde o
incentivo a vida, até a alimentação, exercícios físicos, maneiras de ajudar a paciente a
desenvolver uma qualidade de vida física e mental mesmo tendo diabetes. Ela não
autorizou que fossem tiradas fotos, pois, alegou se sentir muito magra e não querer sua
exposição.

14- CONCLUSÃO

Evidenciou-se que por meio da prática da visita domiciliar, há a possibilidade mais


concreta e acessível de atingir os objetivos principais, que são a transmissão de
orientações e assistência específica, conforme a necessidade real do determinado
paciente. Essa interação entre o cuidador e o que precisa de cuidados, propicia uma
significativa e freqüente evolução no processo preventivo e curativo. A visita domiciliar
“é vital para a educação em saúde” (Tyllmann e Perez, 1998, p. 2).

15- REFERÊNCIAS

CECCIM, Ricardo Burg; MACHADO, Neusa Maria. Contato Domiciliar em Saúde


Coletiva. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, s/d. 7p.

MATTOS, Thalita Maia de. Visita Domiciliária. In: Enfermagem Comunitária. São
Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1995. p.35-39.

MAZZA, Márcia Maria Porto Rosseto. A Visita Domiciliária como Instrumento de


Assistência de Saúde. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano.
São Paulo: USP, jul/dez 1994. Disponível no site:
http://www.fsp.usp.br/MAZZA.HTM.

OLIVEIRA, Francisco J. Arsego; BERGER, Carla B. Visitas Domiciliares em Atenção


Primária à Saúde: Eqüidade e Qualificação dos Serviços. Revista Técnico-Científica do
Grupo Hospitalar Conceição. v.9. n.2. Porto Alegre, jul/dez 1996. p. 69-74.

PADILHA, Maria Itayra C. S.; CARVALHO, Maria Teresa C. de; SILVA,


Mariangélica O. da et al. Visita Domiciliar – Uma Alternativa Assistencial. Revista de
Enfermagem UERJ. v.2. n.1. Rio de Janeiro, maio 1994. p.83-90.

ROESE, Adriana; LOPES, Marta Julia Marques. A Visita Domiciliar na Modalidade de


Busca Ativa como Instrumento de Coleta de Dados de Pesquisa e Vigilância em Saúde:
Estudo Desenvolvido com Famílias de Adolescentes Vítimas de Homicídio em Porto
Alegre de 1998 a 2000. 2002. 38 f. Trabalho de Conclusão (Graduação) – Escola de
Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

Tradução do português para inglês

The house is a set of actions oriented health care, be it health care or education. It is a
dynamic programs used in health care, as happens in the family home (Mattos, 1995).
Therefore, through this strategy is possible to know the family environment and micro-
housing areas of the users of the health center, expanding the level of information and
knowledge relating to self care, the use of social resources, to political action in health
or yet, as an attitude complementary to the actions of public health surveillance.

2 - HOME VISIT
The house is a "form of attention in Public Health focused on serving the individual,
family or community that is provided in the home or adjacent to several local social
resources, aiming at greater equity of health care" (Machado and Ceccim , undated,
p.1).

3 - TYPES OF DOMESTIC TOURS

VISIT CALL  is a service held at the house of the individual or family, because this or
that possess some kind of limitation, for example, acute illness or exacerbation of a
chronic problem or another type of limitation (sequelae of stroke, amputation, recent
surgery ).
 Periodic visits are made to individuals or families who require regular monitoring, for
example, chronic patients, bedridden, elderly, mentally ill, discharged from hospital,
there may even sample collection. Marked with weekly, biweekly or monthly.
 home care are individuals or families who have chosen to perform the treatment at
home, are generally required for terminal cancer patients, when the bulk of care can be
performed by relatives. The staff supports and manipulates the situation to promote
quality of life now.
 ACTIVE SEARCH is a search for individuals or families defaulting (treatments,
vaccines, pregnancy), health surveillance is also considered an active search.
The various types of home visits are dynamic and may be modified during the process.
A call can become a home care after discharge can require a periodic visit.

4 - HEALTH TEAM
All members of the health care team: nurses, medical assistants / technicians, nurses,
social workers, psychologists, dentists, academics and community health workers 
each in their own field, but in doing so multidisciplinary.
All professionals involved should have knowledge about the individual (life context,
environment, housing conditions, social-affective relations of the family), to enable the
provision of comprehensive health care, to facilitate the adaptation of care planning
nursing according to the resources the family has, for better relationship with the family
group health professional, for being secretive and less formal and have more freedom to
expose all sorts of trouble and it was a longer time than premises of the health service.

5 - DIFFICULTIES

• Method expensive as demand and cost of personal mobility.


• There is an expense of time, both in locomotion and for the completion of the visit.
• Setbacks arising from failure to mark the visit: no one at home, the address does not
exist, the person does not reside at that address more.
• The chores of housewives may prevent or hinder the achievement of home visits

6 - PATHOLOGY - DIABETES
Syndrome of multiple etiology, resulting from lack of insulin and / or the inability of
insulin to perform its effects.

DIABETES MELLITUS
The consequences of the DM will include long-term damage, dysfunction and failure of
various organs, especially kidneys, eyes, nerves, heart and blood vessels.

8 - DIABETES TYPE: 1 and 2


TYPE 1
• Increased incidence in children, adolescents and young adults;
• Abrupt onset of symptoms;
• Patients lean;
• Ease of ketosis and blood glucose fluctuations;
• Lower concentration relative;
• rapid clinical deterioration if not treated promptly, with insulin.

TYPE 2
• Increased incidence after 40 years;
• 60 - 90% are obese;
• Ketosis rare: only in situations of stress;
• Blood glucose more stable;
• Concentration frequent family;
• Hyperglycemia maintained if not treated.

9 - BASIC DIFFERENCES BETWEEN 1 AND 2 DM

DM 1
 Autoimmune Disease
 Insulin Deficiency
 Youth, Teens
 insulitis
 Autoantibodies
 Individuals Thin
 ketoacidosis (Top)
Abrupt onset (Polis)

DM 2

 90% S. Metabolic
 Deficiency and Insulin Resistance
 Individuals Middle Age
 amyloid deposition in islets
 Obesity (85%)
 S. Hyperosmolar
Generally  Slow Start

10 - SIGNS AND SYMPTOMS FREQUENTLY:


• Polydipsia
• Polyuria
• Polyphagia
• Thinning
• Dry mouth
• Impotence
• Itching genital
• Paresthesias
• itchy skin
• Balanitis
• Visual changes
• Skin infections
• Diarrhea
• Pyelonephritis
• Weight in the legs
• Headache
• Hyperhidrosis
• Insomnia
• Amenorrhea
• Irritability
• Muscle atrophy
11 - DIABETIC RETINOPATHY

12 - DIABETIC FOOT
COMBINATION PATHOLOGICAL
 NEUROPATHY - 45-60%
 Angiopathy - 7-13%
 MATCH - 25-45%

STAGING OF INFECTION
Mild or no risk of limb loss
 Superficial
 No systemic toxicity
 Cellulite shallow (less than 2 cm)
 Ulceration small (if present)
 Little ischemia
MODERATE TO SEVERE RISK OF LOSS OR LIMB
 extensive Cellulite
 ulcer reaching subcutaneous tissue
 lymphangitis
 important Ischemia
 With involvement of bones, tendons and joints
 Clinical signs: fever, hyperglycemia, sepsis and bacteremia.
TREATMENT
 antibiotic
 Debridement and / or drainage
 Amputation
13 - REPORT ON A VISIT HOME

The home visit was made to Mrs. M. A. S. aged 65. Resides in Our Lady of Conception
Street, N 40b, Climate Well I - Board of Martins.
Patient undergoing hemodialysis in the Sanatorium Hospital, diabetic since age 40, was
at home one day and started in a cold sweat and tremble, and did not know what was
happening, thought it was a drop in blood pressure, fainted and woke the hospital in
ICU with her sister beside her crying, could not speak because he was intubated. 48
hours later, unable to speak, ask for water. So did the doctor said she had entered into a
diabetic coma and almost come to death, had made his blood glucose and showed where
HI. From that moment their world stopped, ate no sweets, pastas and lost much weight,
got depressed, because he could not go to parties, to see people eating, drinking, can not
travel due to hemodialysis, therefore it is too long without seeing his family that lives
far away, has a restricted feeding, must take insulin daily, considered it as an invasion
of his body and trying to restriction of fluid intake per day and this includes coffee,
juice and anything that contains water. It was the biggest choke in life that has passed
and today live around that nightmare - she said.
Did not know what type of your diabetes, but the data, we assume that is of type II,
where it acquired in adulthood, for various complications reported missing on her own.
Diabetes was considered for the same as its end. Therefore can no longer see themselves
as before and is now considered um''caco''-words of the patient. You do not have the
strength to face life. Before the disease weighed 75kg, 40kg and now has just should not
increase because, according to doctors, your body can not pump and purify your blood
with ease. She makes dialysis on Mondays, Wednesdays and Fridays, where he loses 3
to 4kg of weight, being informed that it is water on your body. She reported that all their
dreams are over and prays for God to free all of this plague that destroys people's lives.
Facing the situation of the patient were given some guidance, beginning from the
encouragement of life, to food, exercise, ways to help the patient develop a quality of
physical and mental life with diabetes. She did not allow pictures that were taken,
therefore, claimed to feel too thin and not wanting their exposure.

14 - CONCLUSION

It was evident that through the practice of home visits, there is a possibility more
concrete and accessible to achieve the main goals, which are the transmission of specific
guidance and assistance as needed real particular patient. This interaction between the
caregiver and the care they need, and often provides significant developments in
preventive and curative process. The home visit is vital to the health education
"(Tyllmann and Perez, 1998, p. 2).

15 - REFERENCES

Ceccim, Ricardo Burg, Machado, Neusa Maria. Contact Household in Public Health.
Porto Alegre: Federal University of Rio Grande do Sul, s / d. 7p.

MATTOS, Thalita Mayan. Home visit. In: Community Nursing. São Paulo: Editora and
Pedagogical University, 1995. p.35-39.

MAZZA, Marcia Maria Porto Rossetto. The home visits as Instrument for Health
Journal of Human Growth and Development. São Paulo: USP, Jul / Dec 1994.
Available at: http://www.fsp.usp.br/MAZZA.HTM.

OLIVEIRA, Francisco J. Arsego; BERGER, Carla B. Home Visits in Primary Care:


Equity and Vocational Services. Technical-Scientific Journal of the Conceição Hospital.
v.9. n.2. Porto Alegre, Jul / Dec 1996. p. 69-74.

PADILHA, Maria C. Itayra S., CARVALHO, Maria Teresa C. de; SILVA, Mariangela
O. of et al. Home Visit - An Alternative Care. Journal of Nursing UERJ. v.2. n.1. Rio de
Janeiro, May 1994. p.83-90.

Roese, Adriana; LOPES, Marta Julia Marques. The Home Visit in Active Search mode
as an Instrument for Data Collection Research and Health Survey: Study Developed
with Families of Homicide Victims of Adolescents in Porto Alegre from 1998 to 2000.
2002. 38 f. Work Completion (Graduation) - School of Nursing, Federal University of
Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.
Postado por Francisco joilsom Carvalho Saraiva às 16:21
Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no
FacebookCompartilhar com o Pinterest

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial


Assinar: Postar comentários (Atom)
Enfermagem

Pesquisar este blog

Seguidores
 Início

Quem sou eu

Francisco joilsom Carvalho Saraiva


Sou um jovem apaixonado pela a vida e pelo viver, um Exuense com muito
orgulo de ser conterranio do grande Luiz Gonzaga que me faz um dos seus
maiores fã Moro atualmente em Maceió-Al e quero trazer para você um pouco
da obra dessa grande figura historica de nossa atualidade
Visualizar meu perfil completo

Arquivo do blog
 ► 2012 (3)

 ▼ 2011 (145)
o ► Novembro (15)
o ► Outubro (6)
o ► Setembro (17)
o ► Agosto (25)
o ► Julho (6)
o ▼ Junho (42)
 APOSTILA DE DOENÇAS ORTOPÉDICAS
 Hérnia de disco 3D (Dr. Helder Nani / CTCVertebral...
 ANATOMIA DO DISCO.avi
 CIRURGIA SINDROME DO CARPO(CORRETA).avi
 DOENÇA DE PAGET (OSTEÍTE DEFORMANTE)
 Questionário de Comunicação Celular
 Questionário de Citoesqueleto
 Questionário de Membrana Plasmática
 Morte da Professora Vera Rocha
 Citoesqueleto
 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO
 Histologia do SANGUE
 Tecido Epitelial Questionario Tecido Epitelial
 TECIDO MUSCULAR e Questionario de TECIDO
MUSCULAR...
 BAÇO 720.mpg
 FIGADO 720.mpg
 VASCULARIZAÇÃO DO ABDOME MUITO NOVA.mpg
 INTESTINO DELGADO 720.mpg
 INTESTINO GROSSO 720.mpg
 OMENTO MAIOR E MESOS 720.mpg
 PANCREAS 720.mpg
 RINS NF.mpg
 SISTEMA CARDIOVASCULAR
 MIOLOGIA Conceito de Músculos:
 Conceito de Sistema Esquelético
 SISTEMA ARTICULAR
 PALPATÓRIA CINTURA ESCAPULAR E OMBRO
 MIOLOGIA DO MEMBRO INFERIOR
 MIOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR
 RESUMO ABDOME, PELVE, MMSS, MMII.
 Questionario de epidemiológica:
 visita domiciliar
 APENDICECTOMIA
 VISITA DOMICILIAR
 Vigilância em Saúde Pública no Brasil e epidemiolo...
 Doenças não transmissíveis
 Validade e Vieses em epidemilologia
 Endemias e Epidemias
 Raiva, preocupação e excesso de trabalho podem cau...
 Doenças cardiovasculares nas mulheres
 Sintomas da TPM
 A tireoide.
o ► Maio (13)
o ► Abril (15)
o ► Março (1)
o ► Fevereiro (5)

 ► 2010 (59)

Visualizações de páginas da semana passada

6298