Você está na página 1de 2

CASA PIA DE LISBOA

CED de D. Nuno Álvares Pereira

Auto da Barca do Inferno


-- Ficha Informativa –

O Auto da Barca do Inferno é uma complexa alegoria dramática de Gil Vicente, representada pela primeira
vez em 1517. É a primeira parte da chamada trilogia das Barcas (sendo que a segunda e a terceira são
respectivamente o Auto da Barca do Purgatório e o Auto da Barca da Glória). Os especialistas classificam-
na como moralidade, mesmo que muitas vezes se aproxime da farsa. Ela proporciona uma amostra do que
era a sociedade lisboeta das décadas iniciais do século XVI, embora alguns dos assuntos que aborde sejam
pertinentes na actualidade. Diz-se "Barca do Inferno", porque quase todos os candidatos às duas barcas
em cena – a do Inferno, com o seu Diabo, e a da Glória, com o Anjo – seguem na primeira. De facto,
contudo, esta obra é muito mais o auto do julgamento das almas.

Estrutura

O auto não tem uma estrutura definida, não estando dividido em actos ou cenas, por isso, para facilitar a
sua leitura, divide-se o auto em cenas à maneira clássica, de cada vez que entra uma nova personagem.

Resumo da Obra

A peça inicia-se num porto imaginário, onde se encontram as duas barcas, a Barca do Inferno, cuja
tripulação é o Diabo e o seu Companheiro, e a Barca da Glória, tendo como tripulação um Anjo na proa.

Apresentam-se a julgamento as seguintes personagens:

 Um Fidalgo, D. Anrique;
 Um Onzeneiro (homem que vivia de emprestar dinheiro a juros muito elevados, um agiota);
 Um Sapateiro de nome Joanantão, que parece ser abastado, talvez dono de uma oficina;
 Joane, o Parvo;
 Um Frade cortesão, Frei Babriel, com a sua "dama" Florença;
 Brísida Vaz, uma alcoviteira;
 Um Judeu usurário, Semifará;
 Um Corregedor e um Procurador, altos funcionários da Justiça;
 Um Enforcado;
 Quatro Cavaleiros que morreram a combater pela Fé.

Cada personagem debate com o Diabo e com o Anjo para qual das barcas entrará. No final, só os Quatro
Cavaleiros e o Parvo entram na Barca da Glória (embora este último permaneça toda a acção no cais,
numa espécie de Purgatório), e todos os outros rumam ao Inferno. O Parvo fica no cais, o que nos
transmite a ideia de que era uma pessoa bastante simples e humilde, mas que havia pecado. O principal
objectivo pelo qual o fica no cais é animar a cena e ajudar o Anjo a julgar as restantes personagens.

Sátira Social

Esta obra tem dado margem a leituras muito redutoras, que grosseiramente só nela vêem uma farsa. Mas
se Gil Vicente fez a análise impiedosa das moléstias que corroíam a sociedade em que viveu, não foi para
se ficar por aí, como nas farsas, mas para propor um caminho decidido de transformação em relação ao
presente.
Normalmente classificada como uma moralidade, muitas vezes esta obra aproxima-se da farsa; o que
indubitavelmente fornece ao leitor/espectador é uma visão, ainda que parcelar, do que era a sociedade
portuguesa do século XVI. Apesar de se intitular Auto da Barca do Inferno, ela é mais o auto do
julgamento das almas.

Personagens

As personagens são divididas em dois grupos: as personagens alegóricas e as personagens-tipo. No


primeiro grupo inserem-se o Anjo e o Diabo, representando respectivamente o Bem e o Mal, o Céu e o
Inferno. Ao longo de toda a obra estas personagens são como que os “juízes” do julgamento das almas,
tendo em conta os seus pecados e vida terrena. No segundo grupo inserem-se todas as restantes
personagens do Auto, nomeadamente o Fidalgo, o Onzeneiro, o Sapateiro, o Parvo (Joane), o Frade, a
Alcoviteira, o Judeu, o Corregedor e o Procurador e os Quatro Cavaleiros. Todos mantêm as suas
características terrestres, o que as individualiza visual e linguisticamente, sendo quase sempre estas
características sinal de corrupção.

Fazendo uma análise das personagens, cada uma representa uma classe social, ou uma determinada
profissão ou mesmo um credo. À medida que estas personagens vão surgindo, vemos que todas trazem
elementos simbólicos, que representam a sua vida terrena e demonstram que não têm qualquer
arrependimento dos seus pecados.

Os elementos simbólicos de cada personagem são:

PERSONAGEM ELEMENTOS SÍMBÓLICOS VALOR SIMBÓLICO


Simbolizam a opressão dos mais fracos, a
Fidalgo Manto, pajem e uma cadeira tirania, a vaidade e a presunção
Simboliza o apego ao dinheiro, a ambição e a
Onzeneiro Bolsão ganância
Simbolizam a exploração interesseira da
Sapateiro Avental e moldes (formas) classe burguesa comercial
Representa simbolicamente os menos
Parvo --- afortunados de inteligência
Representam a vida mundana do Clero e a
Frade Moça e espada dissolução dos seus costumes
Representam a exploração interesseira dos
Alcoviteira Os cofres e as moças outros, para seu próprio lucro

Judeu Bode Simboliza a religião judaica e a avareza


Simbolizam a magistratura (corrupção,
Corregedor Processos e vara da justiça mentira e parcialidade)

Procurador Livros Simbolizam a magistratura

Enforcado Corda no pescoço


Cruz de Cristo, espadas e escudos Simboliza a fé dos cavaleiros pela religião
Quatro Cavaleiros católica

Humor

Surgem, ao longo do auto, três tipos de cómico: o de carácter, o de situação e o de linguagem. O cómico
de carácter é aquele que é demonstrado pela personalidade da personagem, de que é exemplo o Parvo,
que devido à sua pobreza de espírito não mede as suas palavras, não podendo ser responsabilizado pelos
seus erros. O cómico de situação é o criado à volta de certa situação, de que é bom exemplo a cena do
Fidalgo, em que este é gozado pelo Diabo e o seu orgulho é pisado. Por fim, o cómico de linguagem é
aquele que é proferido por certa personagem, de que são bons exemplos as falas do Diabo.