Você está na página 1de 3

c

O S ô conhecido oficialmente na Alemanha como S S  [1][2][3][4]


(em alemão: À    îô é a ideologia praticada pelo Partido Nazista da
Alemanhaô formulada por Adolf Hitlerô e adotada pelo governo da Alemanha Nazi de
1933 a 1945. [5][6][7][8]

No Brasilô como em vários outros paísesô a apologia ao nazismo é capitulada em lei


como crime inafiançável.

O nazismo é frequentemente considerado por estudiosos como uma derivação do


Fascismo. Mesmo incorporando elementos tanto da direita política quanto da esquerda
políticaô o nazismo é considerado de extrema direita.[9] Os nazistas foram um dos vários
grupos históricos que utilizaram o termo nacional-socialismo para descrever a si
mesmosô e na década de 1920ô tornaram-se o maior grupo da Alemanha. O Partido
Nazista apresentou seus ideais no programa de 25 pontos do Nacional Socialista em
1920. Entre os elementos-chave do nazismoô há o anti-parlamentarismoô o
pangermanismoô o racismoô o coletivismoô[10][11]ô a eugeniaô o antissemitismoô o
anticomunismoô o totalitarismo e a oposição ao liberalismo econômico e
político.[11][12][13]

Na década de 1930ô o nazismo não era um movimento monolíticoô mas sim uma
combinação de várias ideologias e filosofias centradas principalmente no nacionalismoô
no anticomunismo e no tradicionalismo. Alguns gruposô como strasserismoô faziam
inicialmente parte do movimento nazista. Uma de suas motivações foi a insatisfação
com o Tratado de Versalhesô que era entendido como uma conspiração judaica-
comunista para humilhar a Alemanha no final da Primeira Guerra Mundial. Os males da
Alemanha pós-guerra foram críticos para a formação da ideologia e suas críticas à
República de Weimar pós-guerra. O Partido Nazista chegou ao poder na Alemanha em
1933.

Em resposta à instabilidade criada pela Grande Depressãoô os nazistas procuraram um


terceiro jeito de gerenciar a economia do seu paísô sem que tenha ideais comunistas ou
capitalistas.[14][15] O governo nazista efetivamente acabou em 7 de maio de 1945ô no X 
ô quando os nazistas incondicionalmente renderam-se às potências Aliadasô que
tomaram a administração da Alemanha até que o país formasse o seu próprio governo
democrático.

Segundo o Dicionário de Política:  


         
 
    
 
  

     
 
 
 !


"# #
 
     $
 # %&'
 
   
()* 
#      
"! 


+ 
 
 



,#-

   -

 
   
&     
)
-. (BOBBIO; MATTEUCCI & PASQUINOô 1998ô p. 811î

Segundo o Dicionário de Política de BOBBIO; MATTEUCCI & PASQUINO (1998ô


p. 1061îô o racismoô no Nazismo alcança um patamar nunca alcançado na históriaô
torna-se uma Política de Estado para eliminar outros povos considerados
biologicamente inferiores. Isto porque Hitler: / #
+& !
   
  #
   %& 
       

- 


   

,

& 
 
. (idemô p. 1061î

c
c
c

O Nazismo consistia assim em um movimento que defendia a superioridade da raça


ariana e a doutrina do "espaço vital" nacional necessário aos alemães (BOBBIO;
MATTEUCCI & PASQUINOô 1998ô p. 808îô um espaço territorial mínimoô queô para
um povo desta grandezaô siginificava controlar toda a Europa

A essência do fascismo e do nazismo está no totalitarismoô[17] especificamente na noção


de controle totalitárioô ou sejaô na ideia de que o Estadoô e em última instância o chefe-
de-Estado (no caso da Alemanha o Führerîô deveria controlar tudo e todos. Para isso a
homogeneização da sociedade é fundamental. As formas de controle social em regimes
totalitários geralmente envolvem o uso e exacerbação do medo a um grau extremo.[18]
Todos passam a vigiar a todos e todos se sentem vigiados e intimidados. Cada indivíduo
passa a ser "os olhos e ouvidos" do Führer no processo de construção de uma sociedade
totalitária.[17] Neste processo de homogeneização totalitáriaô os inúmeros festivaisô
atividades cívicasô com mobilização das massas nas ruas foram determinantes [19]

Para controlar tudo e todosô o nazismo instigava e exacerbava ao extremo o nacionalistaô


geralmente associado às rivalidades com outros países suposta ou realmente
ameaçadores. A ideia de um inimigo externo extremamente poderoso é funcional unir a
sociedade contra o "inimigo comum". O medo[20] de um inimigo externo é funcional
para aglutinar socialmente povos que até pouco tempo não se identificavam enquanto
uma só naçãoô como foram os casos de países unificados apenas no século XIX
(Alemanha e Itáliaî. Como Freud havia demonstradoô a necessidade da criação artificial
da identidade em grupos sociais pode levar à homogeneização forçada destesô e a
existência de membros diferentes no grupo é desestabilizadoraô o que leva o grupo a
tentar eliminá-lo..[21] Tão relevante é esta explicação para entender o fenômeno do
fascismo e do nazismoô que as obras de Freud estiveram entre as primeiras a serem
queimadas nas famosas queimas de livros organizadas pelo Partido Nazista em 1933 e
1934.

Entretantoô era necessário mais do que apenas o medo de um inimigo externo para
conseguir atingir o ultra-nacionalismo e o totalitarismo. Para isso era funcional criar
"inimigos" internosô sorrateirosô subterrâneosô conspiratórios. Este papel de inimigo
sorrateiro é destinado ao comunismo e aos comunistas como um todo na ideologia
fascismo. O Nazismo acrescenta ao rol de "inimigos"ô em que já estava o comunismoô
minorias étnico-religiosas como "inimigas": os judeus em um primeiro momentoô
depois ciganos e povos eslavos (já durante a II Guerra Mundialî. A partir disto é que se
torna central o segundo pilar do nazismoô a ideologia da superioridade racial ariana

A política econômica doméstica concentrou-se em três objetivos principais:

ƒc eliminação do desemprego
ƒc eliminação da hiperinflação
ƒc expansão da produção de bens de consumo para melhorar o nível de vida das
classes média e baixa

Todos estes objetivos pretendiam contrariar aquilo que era visto como os defeitos da
República de Weimar e para solidificar o apoio doméstico ao partido. Nistoô os nazistas
foram bastante bem sucedidos. Entre 1933 e 1936 o PIB alemão cresceu a uma taxa
média anual de 9ô5%ô e a taxa de crescimento da indústria foi de 17ô2%. Alguns
economistas defendem que a expansão da economia alemã nesse período não foi

c
c
c

resultado da ação do partido nazistaô mas sim uma consequência das políticas
econômicas dos últimos anos da República de Weimar que começaram então a ter
efeito. Tal ponto de vista é contestado visto que pouquíssimo se fez para a manutenção
da economiaô chegando Hugenberg a afirmar que a política ao seu alcance era uma
política que não pretende lutar contra a misériaô mas aprender a conviver lado-a-lado
com ela.

Vale ainda ressaltar que não existem dúvidas se a economia realmente cresceu ou se só
se recuperou da depressãoô visto que apesar de os salários na Alemanha nazista de 1939
serem um pouco menores do que os salários na Alemanha de 1929ô a inflação
controlada proporcionou um aumento incrível no valor da moedaô o que significa que
um marco de 1929 valia muito menos do que um marco de 1939.

c c
c c 
cc ccc   c 
c
cc
c
c c ccc  
c   c
cccc 
ccc  cc
 cccc  c  cc  
 c c c  c  c c
c c 
c
c !" c
   cc 
c#c   !c
c  cc c


c
c cc c c  !" c$ c  c
c
c
c% cc
c
 c

c c 

 c cc 
ccc cc
c c
c& c
cc  c

ccccc' cc
c

c( c  
c
c
c$c c c
$c- 
 

   c
c
c c c c  c )c  c
c
c  c
 c c$c
*+,c c  
c cc
c c !cc
 
cc cc- c. c' cc  c
c cc  /cc
 c  0c c$c  c1

 cc  c  
c
c
 c
  !cc  c 
  c(
c 2c cc
c$cc !cc
3c(c4cc c 
c$
cc c  c c 
 c
&
cc  c    c c
c&cc  !cc
  c c
 
cc c c cc !cc   c c c c5  c6 *7,c3 c
c  cc
c
c& c c cc c
cc8 
cc
'cc  cc$c  c cc    
cc c cc

c
c1
$  ccc