Você está na página 1de 5

ESPECTROFOTOMETRIA DO ALARANJADO DE METILA

DISCIPLINA: IC 361 - Bioquímica Experimental


TURMA: P02
PROFESSOR: Cristiano Jorge Riger
DISCENTE: Bruno Marques dos Anjos
MATRÍCULA: 201702545-1
1. INTRODUÇÃO
2. OBJETIVO
 Determinar o comprimento de onda ótimo para o alaranjado de metila e construir
uma curva padrão para calcular a concentração de uma amostra do mesmo.

3. MATERIAIS E REAGENTES

3.1 MATERIAIS
 Espectrofotômetro;
 Cubetas;
 Pipetas de 5 mL;
 Pêra;
 Tubos de ensaio;
 Béquer.

3.2 REAGENTES
 Água destilada;
 Alaranjado de metila 0,001%;
 Alaranjado de metila (concentração desconhecida).

4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
Para caracterizar o comprimento de onda em que houve maior absorção no
espectrofotômetro, utilizou-se uma cubeta com água destilada como branco, e outra com
alaranjado de metila 0,001%. As medições foram feitas de 400 a 690 nm, zerando o
aparelho com o branco para cada comprimento de onda, com intervalos de 20 e 30 nm,
como na tabela 1.

Tabela 1 – Absorvância do alaranjado de metila para diferentes comprimentos de onda.


λ
400 420 440 470 500 530 570 600 630 660 690
(nm)

Abs 0,290 0,375 0,439 0,451 0,302 0,089 0,006 0,003 0,001 0,003 0,001
Para a construção da curva padrão (ANEXO), foram utilizados 7 tubos de ensaio, 5
deles contendo soluções de alaranjado de metila, um com água destilada apenas
(branco), e outro com a amostra de alaranjado de metila de concentração desconhecida,
conforme a tabela 2.
Zerou-se o aparelho com o branco e em seguida foram feitas as medições das
amostras, das mais diluídas para as mais concentradas, lavando a cubeta para da leitura
da amostra D, por ter concentração desconhecida.

Tabela 2 – Concentrações das amostras para criação da curva padrão.


Tubos B 1 2 3 4 5 D

Alaranjado de metila
0 1 2 3 4 5 0
(1mg/100mL)

amostra (mL) 0 0 0 0 0 0 5

água destilada (mL) 5 4 3 2 1 0 0

Abs 0 0,090 0,182 0,269 0,359 0,450 0,225

concentração (%) 0 2x10-3 4x10-3 6x10-3 8x10-3 1x10-2 4,99x10-3

5. RESULTADOS E DISCUSSÕES
Na caracterização do comprimento de onda onde houve maior absorção de luz pelo
alaranjado de metila, o resultado obtido foi de 0,451 de absorvância, no comprimento de
onda de 470 nm.
As concentrações das amostras de 1 a 5 foram calculadas, e suas absorvâncias
medidas no espectrofotômetro, como mostra a tabela 2.
Cada mL de alaranjado de metila, possui 0,01 mg.
Amostra 1: 1 mL (0,01mg) = 2x10-3 mg/mL
1+4

Amostra 2: 2 mL (0,02mg) = 4x10-3 mg/mL


2+3
Amostra 3: 3 mL (0,03mg) = 6x10-3 mg/mL
3+2

Amostra 4: 4 mL (0,04mg) = 8x10-3 mg/mL


4+1

Amostra 5: 5 mL (0,05mg) = 1x10-2 mg/mL

A absorvância da amostra D foi de 0,225.

Com as concentrações e as absorvâncias, pode-se fazer a regressão linear (figura 1),


e consequentemente, encontrar a concentração da amostra D.

Figura 1 – Gráfico Absorvância x concentração (mg/mL)

Absorvância x Concentração (mg/mL)


0.5
0.45
0.4
0.35
0.3
0.25
0.2
0.15
0.1
y = 44.85x + 0.0009
0.05
R² = 0.9999
0
0.00E+00 2.00E-03 4.00E-03 6.00E-03 8.00E-03 1.00E-02 1.20E-02

Equação da reta: y = 44,85x + 0,0009


Absorvância da amostra D: 0,225
0,225 = 44,85x + 0,0009
x = 4,99x10-3 mg/mL (Amostra D)

6. CONCLUSÃO
Os valores encontrados na varredura do espectro foram consistentes. O
procedimento mostrou-se aparentemente eficaz para quantificação de amostras
desconhecidas de alaranjado de metila, entretanto, não se conhece o valor real da
amostra D, o que impossibilita o cálculo do erro.
7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS