Você está na página 1de 6

GOIÂNIA, 16/07/08

GRAÇA E PAZ

TEXTO: II TES.3:1, 2; HB.10:38

PORÇÃO LIBERADA – 20/07

A FÉ SUBSTANTIFICADA

Amados irmãos o Senhor é maravilho, amém. Temos visto


o seu amor e o seu cuidado para conosco em Goiânia.
Domingo o Senhor nos chamou a confirmar a nossa
unidade, como isto é grandioso, pois este agir do Senhor
em nosso meio confirma que o seu propósito permanece
em nós e que Ele conta conosco, os crucificados. Amados,
estaremos abrindo um parêntese para juntos ganharmos
sobre a Fé. Este fundamento,creio,operará grandes
transformações em nós, assim oramos. Neste domingo o
Senhor nos levou a desfrutar II Tes.3:1-5 onde tocamos:
“porque a fé não é de todos”. Quantos ficaram
impressionados com que Paulo falou? A fé é sua, nossa? O
que é Fé?
Nós estamos vivendo em dias semelhantes aos que o apóstolo escreveu a
carta do livro de Hebreus, só que de uma maneira diferente e até maior. Qual era a
figura da época? Haviam vários cristãos, vários judeus convertidos, Havia também
os judeus que já aceitavam os gentios como irmãos em Cristo, então, havia um
grande número de cristãos. Algo deve ter acontecido que fez com que muitos outros
judeus se convertessem e isso causou uma espécie de ruptura, pois havia dois
grupos: os cristãos apostolados por Paulo e os novos judeus convertidos que
queriam permanecer na figura.

Os irmãos que caminhavam na vida estavam com dificuldade de incluir os


outros que nela não caminhavam, mas queriam a figura. Até que uma carta foi
endereçada aos irmãos para que aceitassem os novos irmãos judeus, mas que
antes de aceitá-los, de incluí-los que ajudassem esses irmãos na figura, na sua
religiosidade, termo que na época não era usado. Eles entendiam o que significava
a religião, pois entendiam que era Cristo. Hoje este termo está deturpado, mas os
nossos irmãos do passado acreditavam que religião era viver essa vida que
queremos viver e alguns já estão vivendo, mas esses irmãos precisavam ser
ajudados naquilo que era o aspecto figurativo. Eles precisavam substituir Moisés
por Jesus, Arão por Jesus, as leis por Jesus. Antigamente eles tinham leis, a antiga
aliança, normas; Eles tinham Arão, que é o sacerdócio, e Moisés, que é o
apostolado. Os judaizantes possuíam tudo isso, mas os irmãos só tinham Cristo.
Que diferença! Enquanto os novos irmãos tinham tanta coisa os irmãos mais
maduros, mais antigos na fé só tinham Cristo; pra eles tudo se resumia em Cristo.
Isto é algo que para nós hoje pode ser teoria. Muitos usam chavões que
aprenderam como: “Cristo me satisfaz”, “Cristo é suficiente”. Mas, fato é que Cristo
não tem sido suficiente e o Evangelho virou cristianismo, ou seja, Cristo não está
nele. Muitos estão voltados para Moisés. Não Moisés exatamente, mas outros tipos
de Moises, Arão. Substituíram o Evangelho por coisas bem piores que figuras. Hoje
há outros “Moisés” e vários “Arão”; há varias maneiras de viver a figura e o
Evangelho é difícil de ser vivido por muitos irmãos; esse é um aspecto.

Porém, o capitulo 10 do livro de Hebreus toca na ferida. Depois que o


apóstolo consegue mostrar Cristo como sacerdote, como a casa de Deus, Cristo
como Moisés, Moisés por excelência, Cristo como as coisas da casa, ao chegar no
capitulo 10 o apóstolo exorta os novos irmãos a voltarem a viver da fé. Traduzindo o
sentimento do apóstolo, seria mais ou menos assim: “irmãos, vocês agora têm todo
o conhecimento para voltar, mas lhes falta uma coisa. Nós, aqui, já vivemos da fé.
Se vocês não querem abrir mão das coisas ultrapassadas não adianta vir para o
nosso meio, porque vocês não irão conseguir viver o que vivemos”. O grupo dos
irmãos maduros, já confirmados na realidade de Cristo estava a falar ao grupo dos
judeus novos convertidos: “olha não venham como vocês estão agora, pois vocês
estão cheio de conhecimento. Vocês já ouviram de tudo; a carta foi endereçada, foi
lida, foi ensinada, vocês sabem que Cristo é tudo sobre todas as coisas porém falta
uma coisa para que vocês venham caminhar conosco: falta vocês decidirem viver
da fé”. Então o apóstolo começou a ensinar os novos irmãos sobre a fé e é isso que
estamos fazendo com os santos nesses dias. Mas, será que isto era necessário?
Será se precisávamos disso? Se dissermos que não, precisamos então ter uma
vida excelente, Não me refiro a ter teoria, pois sabemos que esta muitas vezes não
resolve. Seu lhes perguntar: o que é fé? Talvez você não saberá expressar, não
saberá verbalizar, nomear, formular um conceito do que é fé e isso não resolverá.
Às vezes nós conceituamos e não temos resultado nenhum na nossa vida. Não
queremos conceituar e nem estamos preocupados se os irmãos sabem verbalizar,
mas precisamos mostrar que esse fundamento não é necessário na nossa vida.
Essa é a exortação de Paulo naquele tempo aos novos judeus. Não teremos
necessidade de tal fundamento se a nossa vida for excelente; Oh! Nesses dias é
tão difícil falar sobre uma vida excelente.

Se nós não nos acudirmos o nosso falar será banal. Creia: não existe nada
pior do que teoria sem pratica. Isto sim é verdadeira religião. Segundo a
Constituição Federal: todo cidadão brasileiro tem direito à moradia e à saúde. Eu
pergunto: todos os brasileiros gozam de tal direito constitucional? Ao olharmos a
Constituição e a situação do país vemos que nem tudo que está escrito no texto
constitucional é manifesto no mundo real, o que faz com que tudo neste mundo se
torne banal e tolo. Mas, isto pode acontecer com as leis humanas.

Ao nos voltarmos para a Legislação do reino de Deus vemos que muitos não
têm coragem de se levantar e tomar a posição adequada. Ora, se a palavra diz:
maridos vivam para suas mulheres, mulheres amem os vossos maridos e isso não
acontece, tudo se torna tolice. A palavra nos adverte que não devemos nos entregar
à carne, pois sabemos que o pecado está morto em nossos membros, então ao
vermos irmãos no pecado o que temos? Banalidade. Em cada cidade, em cada
igreja temos o poder de banalizar esse livro. Muitos falam da situação de nosso
país, muitos reclamam dos líderes do país, sabemos que a situação é grave em
nosso país e que cada vez mais se torna pior e sabemos também que não haverá
quem mude tal quadro, mas nós podemos fazer isso com o reino de Deus que está
aqui na terra.

Há muitos anos atrás Jesus falou-nos assim: é chegado o reino de Deus, e


naquele tempo o reino de Deus chegou mesmo e estabeleceu-se no mundo, mas
podemos acabar com tudo isso se não pararmos de nos preocupar com a
denominação e passarmos a nos preocupar conosco como igreja. Podemos
banalizar tudo o que já ganhamos acerca de Cristo e das riquezas que estão nele.
Podemos ser piores que os políticos. Creia, será pura política minha e sua falarmos
desse livro e não praticarmos. O que prova isso? A ausência de prática em nossas
vidas. Imagine-se em meu lugar ensinando sobre fé e tendo o resultado que
estamos tendo. Eu pergunto: qual o incentivo que você teria para ensinar sobre tão
grande encargo? Mas eu tenho. Porque eu creio, não que algo irá mudar, mas que
os que são da fé são da fé, pois ainda que houvesse três, quatro irmãos que são da
fé isso já seria a minha alegria. Nunca olho a multidão, antes eu olho corações.

HEBREUS 10

38 Mas o meu justo viverá da fé; e se ele recuar, a minha alma não tem prazer
nele.

Glorioso é o entendimento que a porção acima nos traz: Manter a fé é para


não morrermos, para não haver perdição da alma, o que significa que a fé não é
para comprarmos um carro novo ou o imóvel que tanto sonhamos. Então devemos
parar de brincar com a palavra de Deus. Muitas vezes as brincadeiras que fazemos
em relação à palavra tiram o valor real da palavra de Deus. Não devemos brincar
dizendo que precisamos de fé para levantar ofertas ou para comprar ou para fazer
qualquer outra coisa que não seja a conservação das nossas almas. A palavra está
a nos dizer que a fé não tem a finalidade de nos ajudar a reformarmos a casa, mas
que a fé é para não perdermos a nossa alma. Veja como a palavra é linda e
perfeita. Tudo em Deus já está pronto e nós precisamos definitivamente entender
isso. Tudo o que Deus precisava fazer ele já o fez. Paremos de pôr a culpa em
Deus; Deus já fez tudo, está consumado; essas foram às últimas palavras de Jesus
antes de morrer. Quando ressuscitou Ele falou outras, mas a última palavra dele foi:
“Está consumado”, ou seja, tudo o que tinha que fazer por vocês foi feito. Está tudo
pronto, então não há desculpas. Porém nós iremos viver da fé, trabalhar a fé, fazer
essa fé existir para que seja conservada a nossa alma. Por isso que vemos irmãos
sempre firmes, constantes e outros que são inconstantes. Vemos irmãos estáveis
em seu humor e outros com humor dobre. A palavra fala de humor dobre porque
tudo isso se refere à conservação da alma. Vemos irmãos constantes, firmes ainda
que sejam abalados, ainda que mude claro porque a questão de humor é relativa.
Ele pode até perecer, ou seja, pode acontecer de pecar, porém ele é constante
porque se levanta automaticamente e não se permite estar envolvido. Ele peca,
mas não vive no pecado e consegue se desembaraçar da situação porque é
constante, é um homem que vive da fé. A questão não é o pecado e sim a alma
caída. Almas caídas são irmãos que não tem a fé, mas estão caídos por causa da
alma. Realmente não sei como um cristão consegue reunir estando caído. Talvez o
nosso entendimento de estar caído é precário, mas eu entendo que não viver da fé
é estar caído. Se hoje você já não vive da fé já é uma queda. Segundo a porção
que lemos, conservar a alma é não retroceder, porque a palavra está a nos dizer
que nós não somos dos que retrocedem. Isso significa que nós podemos arruinar a
nossa vida cristã, a nossa alma por causa de divertimentos, sentimentos, emoções;
um viver que não é mais compatível com aquele que já abandonamos.

É tão simples! Não é um padrão de vida. Um irmão tem um padrão de vida,


outro irmão tem outro padrão de vida no espírito e eu não tenho que imitar o padrão
deles. Eu tenho o meu. Se eu voltar a praticar aquilo que eu já havia deixado para
trás, já não estou vivendo da fé. Por isso que a palavra diz: não retrocedem.

Agora desejo falar aos irmãos que desejam casar-se. Vocês precisam ter
muito cuidado nessa questão do casamento. O casamento é como a igreja, é um
principio de Deus e os princípios de Deus são tão absolutos que eles podem fazer o
próprio cristão que nasceu de novo retroceder porque os princípios de Deus são
exigentes. Mas, nós temos aprendido que o Senhor cumpre as suas próprias
exigências, mas preste bastante atenção: quando você entra num princípio que não
pode vivê-lo, praticá-lo isso faz com que você fique encaixotado na sua própria
alma, ou seja, você nem prossegue nem consegue aprofundar. Nem entra e nem
retrocede porque você nasceu de novo e é um homem do espírito. A igreja é um
principio de Deus e quando falo a igreja não me refiro às paredes nem aos irmãos,
me refiro ao Espírito de vida, do princípio de Deus. Esse Espírito de vida que é
realmente a igreja em sua essência ele é exigente. Alguns irmãos conseguem se
dar a esse Espírito de vida que é exigente e já outros não conseguem. Por quê?
Porque se é Espírito de Deus é absoluto, não muda e é invariável, e é necessário
que seja um seguidor de Cristo que entrará nesse Espírito de vida chamado igreja.
Desse seguidor de Cristo é exigida muita sinceridade de íntimo para que possa ir
entrando. Acontece que ele esquece que a igreja é esse Espírito de vida e acha que
a igreja é uma sociedade e se embaraça totalmente por causa dos homens, das
pessoas e se embaraça com os irmãos. Creio que nós somos um povo que ainda
não estamos preparados para muita coisa. Nós nos embaraçamos quando temos
dificuldade de ser, de expressar, de viver aquilo que somos aquilo que realmente
fazemos aquilo que a Palavra diz que eu devo ser, mas que eu ainda não sou
acontece às quedas, as variações, as dificuldades de viver aquilo que Cristo é, e
esse Espírito de vida não mais consegue te absorver.

consegue aprofundar. Nem entra e nem retrocede porque você nasceu de


novo e é um homem do espírito. A igreja é um principio de Deus e quando falo a
igreja não me refiro às paredes nem aos irmãos, me refiro ao Espírito de vida, do
princípio de Deus. Esse Espírito de vida que é realmente a igreja em sua essência
ele é exigente. Alguns irmãos conseguem se dar a esse Espírito de vida que é
exigente e já outros não conseguem. Por quê? Porque se é Espírito de Deus é
absoluto, não muda e é invariável, e é necessário que seja um seguidor de Cristo
que entrará nesse Espírito de vida chamado igreja. Desse seguidor de Cristo é
exigida muita sinceridade de íntimo para que possa ir entrando. Acontece que ele
esquece que a igreja é esse Espírito de vida e acha que a igreja é uma sociedade e
se embaraça totalmente por causa dos homens, das pessoas e se embaraça com
os irmãos. Creio que nós somos um povo que ainda não estamos preparados para
muita coisa. Nós nos embaraçamos quando temos dificuldade de ser, de expressar,
de viver aquilo que somos aquilo que realmente fazemos, aquilo que a Palavra diz
que eu devo ser, mas que eu ainda não sou, acontece as quedas, as variações, as
dificuldades de viver aquilo que Cristo é, e esse Espírito de vida não mais consegue
te absorver.

Pense na igreja sendo um espírito de vida, um útero. Quando esse cristão


que esta tentando entrar cada vez mais profundamente de uma maneira corrupta,
não honesta, esse útero o aborta, então a quantidade de cristãos abortados é
grande, por isso que a as dificuldades aumentam e tolo daquele que tenta puxá-los
de volta. Na vida da igreja não devemos estar carregando ou empurrando alguém
para andar na vida. Não! A vida é leve, é suave, como diz lá em Hebreus 6, que nós
já ganhamos, é uma questão de deixar ser levado. Quantas vezes não fomos
feridos ou massacrados por alguém que não se deixou ser levado? Quantas vezes
já não sofremos com essa pessoa achando que estávamos apascentando?
Precisamos absorver esta palavra. Não existe coisa pior do que ter que empurrar
alguém pra vida. A vida é a vida, apenas deixe ser levado e vá entrando. É por isso
que às vezes nós temos restrições, dificuldades.

Até para contribuir e ofertar tem que ser pela vida. Por vezes padeceremos e
sofreremos, mas Deus continuará realizando os seus milagres. Até aqui o Senhor
tem nos garantido porque isso é vida, eu desejo que todos entendam isto.

Mas, gostaria que você percebesse algo essencial. Se eu volto a ser


dependente da televisão, se a televisão volta a ter espaço em minha vida, as coisas
mais simples podem me levar a não viver mais da fé. Se a televisão volta a fazer
parte da minha vida estou em queda, ou seja, não vivo mais da fé. É isso que é a fé
porque a fé conserva a alma. A televisão pra você não é problema, você pode
assistir todos os dias, mas eu não posso mais, e não é que não posso é que no
meu coração a televisão já não pode mais fazer parte. Agora preste atenção: não é
que eu não irei ligar a televisão, não é isso, mas, se eu não continuar amando a
palavra de Deus que substituiu a televisão na minha vida o que irá acontecer é que
no meu coração o Senhor foi substituído. A palavra nos exige que não voltemos
para aquilo que já abandonamos, não voltemos atrás, não retrocedamos; mas
muitos ao retroceder se desculpam dizendo: eu não dependo, eu gosto, mas não
sou dependente, então eu sou livre. Eu lhes digo: isso é uma grande mentira. O
Senhor não que nos salvar apenas da dependência, mas também do uso. Eu estou
dizendo que você deve ter as suas experiências e não retroceder.

Eu preciso projetar Cristo na vida dos meus filhos para que eles possam ter
a experiência de não retroceder naquilo que Deus já os alcançou. Alguém pode
dizer: quer dizer que só o fato de você voltar a usar a televisão, por exemplo,
significa que já não vive mais da fé? Não é assim, mas voltar à praticar aquilo que
Deus já me salvou, já cumpriu em mim me leva a não viver a fé em outras
situações. Se não aplico minha consciência em fé naquilo que Deus já me salvou
estarei abrindo portas para Satanás e muitas outras serão abertas. Creia: quem
deixa de viver da fé em um aspecto, já não viverá em outro e depois em outro. De
repente estaremos tão enredados que não acharemos mais a expressão de Cristo
em nós. Desta forma Cristo não terá mais sabor. Então, ou entramos nesse viver ou
morreremos, pois Ele cumpriu, efetuou sua salvação em mim quando me tirou da
televisão, como posso então retroceder? Entenda que estou usando a televisão
como exemplo, e esta é a minha experiência. Pode ser que a sua experiência seja
com outra coisa. Creia: tudo aquilo que Deus já nos salvou e cumpriu, se voltamos
a praticá-la, é vida natural. É o que Paulo diz: se torno a edificar aquilo que eu
mesmo destruí, torno-me transgressor (Gálatas 2:18). Aquele que retrocede termina
por praticar outras coisas que combatem a fé, e se não vivemos da fé
atrapalharemos a obra de Deus e esta já é a situação de muitos. Há muitos que
atrapalham, obstruem o reino... Gente cheia de “feridinhas”, sensíveis... O
evangelho esta cheio de tais pessoas; não são como os cristãos da época de
Paulo: fortes, resistentes, firmes! Hoje o povo de Deus não sabe mais o que é fé e
nem para que serve a fé.

Alguém pode perguntar: então que dizer que eu não preciso de fé para ofertar, por
exemplo? Na verdade uma coisa faz parte da outra. A fé na verdade é para
conservação da alma, mas quando não conservo a alma naquele aspecto que o
Senhor já me salvou, significa que a minha fé foi minada e quando a fé é minada
ela será em vários outros, então falamos que precisamos de fé pra contribuir, mas
na verdade não é da fé que precisamos, precisamos é voltar para onde caímos,
como diz Apocalipse: lembra-te de onde caíste! Volte pra lá e de lá prossiga para a
consciência em fé para contribuir, para amar, para se entregar, para abandonar
coisas, até mesmo o emprego, se este contribui para minar a fé. Essas coisas são
derivadas da fé e estão em quem conserva a alma, a partir de então nós temos
uma palavra legítima, só assim eu vejo a legitimidade da palavra de Deus, e a
futilidade do cristianismo que brinca de fé; uma “fé” que não tem sentido. Muitos
que me procuram vêm caídos e quando lhes aponto que estão nesta situação, se
ferem, chegam a abandonar a fé. Estes pensam que uma visita aos irmãos, ou um
momento de comunhão com irmãos venha salvá-lo e volte para onde caiu. Oh!
Amados, toda dependência humana deve ser extirpada de nossas vidas; devemos
parar com os conselhos e lembrarmos onde caímos, pois foi referindo-se a tal
situação que Jesus disse que nos últimos dias não haveria fé na terra e realmente
não há fé na terra. Muitos já estão totalmente consumidos pelo sistema e estão
cheios de problemas, para estes, o que se pode falar e o que eles podem ouvir?
Diferente é a vida daquele que você vê que conserva a fé; a coisa mais gostosa é
quando você senta com um irmão e fala sobre as dificuldades, qualquer tipo de
problema ou até coisas boas e você vê que se trata de um encontro de duas
pessoas que vivem da fé, e percebe que é um rio que corre e encontra resultados
nesse encontro, encontra salvação, posicionamento, que é a legitima comunhão.

Amados se Cristo vive em mim, vivo pela fé.