Você está na página 1de 76
www.mackenzie.com.br GESTÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO 06/02/ 2014 – rev1 PRIMEIRO SEMESTRE 2014 PROF. IVAIR REIS

GESTÃO EMPRESARIAL

EMPREENDEDORISMO

www.mackenzie.com.br GESTÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO 06/02/ 2014 – rev1 PRIMEIRO SEMESTRE 2014 PROF. IVAIR REIS

06/02/ 2014 rev1

GESTÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO 06/02/ 2014 – rev1 PRIMEIRO SEMESTRE 2014 PROF. IVAIR REIS N. ABREU

PRIMEIRO SEMESTRE 2014

PROF. IVAIR REIS N. ABREU

PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO

VER PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO NO MOODLE

Bibliografia

Bibliografia Básica:

BESSANT, John; TIDD, Joe, Inovação e Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman,

2009

DOLABELA, Fernando. O segredo de Luisa. São Paulo: Sextante,2008

DORNELAS, José. Empreendedorismo transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2012

Bibliografia Complementar:

BARON, Robert; SHANE Scott.A. Empreendedorismo: uma visão de processo. São Paulo: Thomson Learning, 2007

CHRISTENSEN, Clayton. O dilema da inovação. São Paulo: Mbooks, 2011

PESCE, Bel. A menina do vale. Rio de Janeiro: casa da Palavra, 2012

PIGNEUR, Yves, OSTERWALDER, Alexander. Inovação em modelos de negócios - Business Model Generation. Alta Books, 2010

SARKAR, Soumodip. O empreendedor inovador. Rio de Janeiro: Campus, 2008.

Artigos

Filion, Louis Jacques. Empreendedorismo e Gerenciamento: processos distintos, porém Complementares, Rae Light . v. 7 . n. 3 . p. 2-7 . Jul./Set. 2000. Disponível em

http://www.scielo.br/pdf/rae/v40n3/v40n3a13.pdf acesso em 10/02/2013

GEM. Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil 2011.Curitiba IBQP. Disponível em http://www.ibqp.org.br/img/projetos/downloads/arquivo_20120705121115.pdf acesso em 10/02/2013

OECD- ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual de Oslo - Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. FINEP, 2007. Disponível em http://download.finep.gov.br/imprensa/manual_de_oslo.pdf acesso em 10/02/2013

Revistas

Exame PME

Época Negócios

HSM Management

Pequenas Empresas e Grandes Negócios

Revista Liderança

Sites

www.endeavor.org.br

www.sebrae.org.br

www.empreendedorismo.com.br

www.redeasta.com.br

FINANCIAMENTO COLETIVO

http://crowdfunding.com/

http://catarse.me/pt

DESIGNER / LOGO FREE

http://www.logoease.com/

Filmes

Pantaleão e as Visitadoras Mar sem Fim - Amyr Klink

1. Processo Empreendedor

1.1 Vídeos de Introdução ao Empreendedorismo:

Valdez Ludwig - Empreendedorismo Corporativo

Valdez Ludwig - Empreendedorismo Corporativo www.youtube.com/watch?v=c-atuzdop1c&feature

Empreendedorismo Educação

Empreendedorismo – Educação http://www.youtube.com/watch?v=BB1ZwCVueco 1.2 Cenário

1.2 Cenário atual do emprego e importância do Empreendedorismo

Pontos de relevância atualmente (início século XXI):

O emprego está mudando no mundo: prestação de serviços, homework, ganho por produtividade, diminuição de benefícios, altos impostos.

Globalização

Terceirização

Exemplos

Fábricas de automóvel no ABC: em 20 anos reduziram o número de empregos de 30000 para 15000.

A Índia hoje é a maior prestadora de serviços de informática do mundo

A maior parte das empresas já terceiriza os serviços essenciais

Onde entra o Empreendedorismo?

Mais cedo ou mais tarde você terá que ser um empreendedor: tendo sua empresa ou atuando como agente transformador na empresa onde você é funcionário!

“O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20” (Timmons, 1990)

Exemplo de Empreendedores

Amir Klink – Filme e Livro “Mar Sem Fim”

Amir Klink – Filme e Livro “Mar Sem Fim” Jack Welch - Empreendedorismo Corporativo: mudou perfil
Amir Klink – Filme e Livro “Mar Sem Fim” Jack Welch - Empreendedorismo Corporativo: mudou perfil

Jack Welch - Empreendedorismo Corporativo: mudou perfil de produtos da GE:

commodity para tecnologia e Universidade Corporativa

da GE: commodity para tecnologia e Universidade Corporativa 1.3 Definições de Empreendedorismo EMPREENDEDORISMO

1.3 Definições de Empreendedorismo

EMPREENDEDORISMO envolve PESSOAS e PROCESSOS com o fator de INOVAÇÃO.

O EMPREENDEDOR é aquele que percebe uma oportunidade e cria meios (nova empresa, área de negócio, etc.) para persegui-la. O processo empreendedor envolve todas as funções, ações, atividades associadas com a percepção de oportunidade e a criação de meios para persegui-las.

EMPREENDEDORISMO + INOVAÇÃO = PROSPERIDADE

É possível aprender EMPREENDEDORISMO?

Vídeo Empreendedor Nato José Dornelas

Vídeo – Empreendedor Nato – José Dornelas http://www.youtube.com/watch?v=AH-R3G_8EwU 1.4 Perfil

1.4 Perfil Empreendedor

Algumas características são típicas de empreendedores:

Iniciativa para CRIAR / INOVAR.

PAIXÃO pelo o que faz.

Utiliza os recursos disponíveis de forma CRIATIVA transformando o ambiente social e econômico onde participa.

Aceita assumir os RISCOS e a possibilidade de FRACASSAR.

Visionários.

Saber tomar decisões.

Indivíduos que fazem a diferença.

Dedicados.

Otimistas e apaixonados pelo que fazem

Líderes e formadores de equipes

Bem relacionados (networking)

Organizados seguindo processos de Qualidade.

Planejados.

Possuem conhecimento.

Assumem riscos calculados.

http://www.youtube.com/watch?v=rYypkRe9I0E&list=PLxPJ2ZRsoFIHX1yvjTi3WJnsSf47iQUyG 1.6 Diferenças entre

1.6 Diferenças entre Empreendedorismo de “Start-up” e

“Corporativo”

Empreendedorismo START-UP: abertura de empresas através de processo Empreendedor.

Criação de riqueza

Busca investimento junto a VC, angels etc.

Cria estratégias e culturas organizacionais.

Sem regras pré-definidas.

Horizonte de curto prazo

Passos rápidos (caos controlado)

Empreendedorismo CORPORATIVO: prática de Empreendedorismo dentro das empresas.

Construir e melhorar a imagem da marca com prosperidade da Empresa.

Busca recursos internos ou realoca os existentes

Deve trabalhar dentro de uma cultura existente e a oportunidade deve estar coerente com a estratégia da organização

Regras claras.

Horizonte de médio / longo prazo.

Burocracia.

Não são todas as empresas que tem características empreendedoras. Para existir uma empresa Empreendedora é necessário desenvolver um ambiente com uma estrutura

para o empreendedorismo com as pessoas certas.

1.7 O processo EMPREENDEDOR Start Up

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. DORNELAS, José Carlos Assis.

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios.

Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo:

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios.

1.8 Equipe e Sociedade

Sócios : algumas características são fundamentais para uma sociedade harmônica e próspera:

Características complementares. Exemplo: sócio com vocação técnica, comercial e financeira.

Paciência.

Profissionais reconhecendo o limite do outro.

Sócios Investidores: não participam diretamente no negócio (algumas empresas investidoras possuem estrutura de consultoria) normalmente exigindo retorno financeiro a curto-prazo com interesse em repassar o negócio. Algumas realidades:

“ QUEM TEM SÓCIO TEM PATRÃO” “SOCIEDADE SE PARECE MUITO COM CASAMENTO”

“ PROBLEMAS NA SOCIEDADE SÃO UMA DAS MAIORES CAUSAS DE FIM DE UM EMPREENDIMENTO”

Gestão de Equipe: é um dos maiores desafios para o empreendedor / gestor. Exige liderança para fazer uma equipe unida caminhando em direção ao plano estratégico.

A Gestão de Equipe (RH) deve estabelecer uma cultura na empresa e ser coerente em sua implementação:

Empresa Tradicional com regras bem determinadas.

Empresa Aberta com liberdade mas com indicadores e metas bem definidas.

1.9 Fontes de idéias para novos negócios

Algumas aspectos são importantes para na identificação de ideias para novos negócios e abertura de empresas:

Experiência prévia no ramo.

Aperfeiçoamento de um negócio atual.

Identificar oportunidades de negócios ou necessidade de mercado

“Brainstorming”

Hobby

IMPORTANTE: experiência prévia no ramo com conhecimento específico de uma atividade e mercado. Por isso não é necessário pressa em ter uma empresa. Buscar referências no mercado é muito importante para minimizar erros.

1.10 Recursos

é muito importante para minimizar erros. 1.10 Recursos DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo:

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios.

Incubadora: estrutura mantidas por órgãos governamentais (como o Sebrae) ou centros universitários para permitir o nascimento de uma empresa com baixo custo, consultoria e estrutura física mínima.

Exemplos: IPEN USP (www.ipen.br) ou NIT Mackenzie ( www.mackenzie.br/nit )

Financiamentos Instituições de Fomento

Exemplo: PIPE ( http://www.fapesp.br/58 )

1.11 Checklist de oportunidade

Existe um problema para ser resolvido?

Existe um produto ou serviço que solucionará este problema?

Pode-se identificar com clareza os clientes potenciais?

Pode-se efetivamente implantar uma estratégia de mkt/vendas que seja exeqüível? (custo/retorno)

A janela da oportunidade está aberta?

SE FOR INOVADOR -> PATENTE

1.12 Evento de “disparo”

Insatisfação com a empresa empregadora: falta de perspectiva de crescimento, baixo salário, baixo aprendizado, etc.

Desemprego / perda do trabalho: empreendedor por necessidade.

Crise na carreira sem aprendizado e crescimento.

Oportunidade bate à porta.

Escolha deliberada de uma nova carreira.

Vídeo

Pipoqueiro Empreendedor

 Escolha deliberada de uma nova carreira. Vídeo Pipoqueiro Empreendedor http://www.youtube.com/watch?v=vsAJHv11GLc

Atividades

1. Roteiro Plano de Negócios (ver modelo no Anexo)

1. Sumário Executivo.

2. Sumário da Empresa.

3. Produtos e Serviços.

4. Análise de Mercado.

5. Estratégia de Implementação (MKT e Vendas).

6. Recursos Humanos.

7. Plano Financeiro.

Enviar pelo Moodle grupo (máximo 5 integrantes) para fazer o Plano de Negócios.

Em data a ser agendada preencher Planilha de Proposta do Plano de Negócios.

As atividades do Plano de Negócios serão cumpridas em ETAPAS a serem programadas nos próximos capítulos

2. Estudo de Caso

Em grupo preparar uma apresentação de 10 minutos sobre um Estudo de Caso disponibilizado no Moodle. No final da apresentação divulgar um vídeo de no máximo 5 minutos de um Empreendedor ou Processo Empreendedor. Enviar arquivo e Link do vídeo pelo Moodle para registro da atividade.

3. Exercícios

1. Qual é o cenário atual (2012) do emprego?

2. O que é ser empreendedor?

3. Por que é importante ser empreendedor atualmente?

4. O que é ser um empreendedor corporativo? Quais as consequências de uma atitude sem empreendedorismo no emprego?

5. Quais são os sintomas para se mudar de emprego ou mesmo tornar-se um empreendedor próprio?

6. Existem condições hoje do formando de engenharia tornar-se um empreendedor próprio abrindo sua própria empresa?

7. O que o NIT ?

8. Quais são as características de um empreendedor?

9. Quais as diferenças entre um EMPREENDEDOR CORPORATIVO e de “START-UP”.

10. Descrever as fases de um EMPREENDIMENTO DE “START-UP”.

12.

Qual a importância da Equipe no processo de uma empresa? Quais as características importantes para ter uma boa sociedade (relação entre os sócios)?

13. Quais as fontes de ideias para um bom negócio?

14. Quais são as principais fontes de recurso para iniciar um negócio?

15. Descrever os principais pontos de um Plano de Negócios.

Bibliografia:

2. INOVAÇÃO

Bibliografia: 2. INOVAÇÃO 2.1 Importância da Inovação 10 maiores empresas 1990 10 maiores empresas 2013

2.1 Importância da Inovação

10

maiores empresas 1990

10 maiores empresas 2013

1General Motors EUA

1. APPLE United States Technology

2 Royal Dutch/Shell ING/HOL

2. EXXON MOBIL United States Oil & Gas *

3 Exxon EUA

3. GOOGLE United States Technology

4 Ford Motor EUA

4. BERKSHIRE HATHAWAY United States Financial

5 IBM EUA

5. PETROCHINA China Oil & Gas

6 Toyota Motor Japão

6. WAL-MART STORES United States Consumer Serv

7 IRI Itália (Telecomunicações)

7. GENERAL ELECTRIC United States Industrials *

8 British Petroleum ING.

8. MICROSOFT United States Technology

Mobil EUA 10 General Eletric EUA

9

9. IBM United States Technology *

10. NESTLE Switzerland Consumer Goods

 

*Presentes no ranking de 1990

Empresas Centenárias

3M

P&G

Reuters

Siemens

Philips

Mercedes

Rolls Royce

GM

Ford

Fiat

Pontos em comum nas empresas centenárias (análise SBGC-RS Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento - Ari de Geus):

Buscam uma visão sistêmica (observam o todo e não apenas o setor que atua economicamente);

Possuem um propósito (vai além do lucro, pois este é apenas uma das necessidades, apenas um fim);

São tolerantes a diversidade (pessoas que pensam "fora da caixa" são, além de toleradas, valorizadas); Inovação

Se mantêm financeiramente conservadoras ([não sai gastando com qualquer modismo, investe principalmente naquilo que está associado ao DNA do negócio).

Necessidade da Inovação

"Continuamos a gerenciar os negócios da P&G com inovações de ponte e excelente desempenho no mercado. Isso permite que a empresa atinja seus objetivos durante o ano fiscal de 2007 e os seguintes (A.G. Lafley, CEO P&G)"

"Sempre dizemos a nós mesmos: temos que inovar. Precisamos ser os primeiros a nos superar (Bill Gates, Microsoft)"

"A capacidade da John Deere de continuar inventando produtos novos e úteis para os consumidores ainda é a chave do crescimento da empresa (Robert Lane, CEO John Deere)"

"Não são as espécies mais fortes que sobrevivem nem as mais inteligentes, e sim as mais suscetíveis a mudanças. (Charles Darwin)

Importância da Inovação

Inovação é uma questão de SOBREVIVÊNCIA.

Inovação está ligada a PROSPERIDADE e EMPREENDEDORISMO.

Identificação de novos mercados (Exemplos: Ford em 1910 com o modelo T; invenção do telefone por Alexander Bell; Ebay - leilões pela Internet; Amazon - portal de vendas utilizando Internet; Skype ).

Dificuldades

Não reconhecimento da necessidade de mudança devido a liderança no mercado (zona de conforto). Exemplo: IBM na década de 90; Wester Union não reconhecendo no telefone de Bell uma oportunidade de mudança.

Não visualizar ameaças de novas tecnologias ou produtos (Exemplo: industria de gelo no final do século XIX e invenção do refrigerador).

Empresas fechadas a novas experimentações fora do mercado (Exemplo positivo: Nokia fabricava conglomerados de madeira, botas de borracha e papel higiênico).

Ter uma cultura / ambiente adequadas a um ambiente inovador (valorização

de novas ideias entre funcionários, relacionamento entre os colabores na empresa, ambiente criativo).

entre os colabores na empresa, ambiente criativo).

2.2 Definição de Inovação

Inovação -> MUDANÇA, FAZER ALGO NOVO, ALTERAR

Para entender melhor o processo da Gestão da Inovação é importante adequar seu significado a realidade das empresas.

"Inovação é a exploração bem-sucedida de novas ideias (Innovation Unit - Inglaterra

2004)"

"A inovação industrial inclui as atividades técnicas, de designer, de fabricação, de gerenciamento e comerciais envolvidas no marketing de um produto no (ou melhorado) ou o primeiro uso comercial de um processo ou equipamento novo (ou melhorado) (Chris Freeman, 1985)"

"A inovação não implica, necessariamente, a comercialização apenas de grandes avanços tecnológicos (inovação radical), mas também inclui a utilização de mudanças em pequena escala no saber tecnológico (uma melhoria ou inovação incremental) (Roy Rothwell e Paul Gardiner, 1985)"

No entendimento do significado de inovação é importante considerar não apenas a produção de um novo produto / serviço mas o processo para obtê-lo.

A inovação pode ser resumida em 4 dimensões de mudança (4 Ps):

Inovação de Produto: mudança no Produto / Serviço da empresa. Exemplo:

novo designer de um carro.

Inovação de Processo: mudança na forma de criação do Produto / Serviço. Exemplo: novo processo produtivo com automação da linha da fábrica com robos.

Inovação de Posição: mudança no contexto (mercado) onde o Produto / Serviço é introduzido. Exemplo: o Viagra do Pfizer era um remédio inicialmente desenvolvimento para pacientes com problemas cardio-vasculares.

Inovação de Paradigma: mudança no modelo metal do que a empresa faz. Exemplo: Lojas de Departamento vendendo pelo Internet seus produtos.

2.3 Tipos de Inovação

Inovação Incremental (poucas mudanças) x Inovação Radical (grandes mudanças)

(poucas mudanças) x Inovação Radical (grandes mudanças) Figura Tipos de Inovação ( Bessant, Tidd. Inovação e

Figura Tipos de Inovação ( Bessant, Tidd. Inovação e Empreendedorimso)

Exemplo: Inovação na industria automobilística.

De tempos em tempos existem inovações Radicais atingindo nível de sistema (mudança do processo produtivo x preço implementada por Henry Ford em 1910 com a produção em série e introdução do motor hibrido). Entretanto o mais comuns são pequenas inovações com a melhoria do processo (automatização com robôs na linha de produção), produto (uso de plástico e cola substituindo a fixação mecânica), mudanças no painel, etc.

2.4 Gestão da Inovação

Tão importante como inovar com novos produtos / processos é ter a capacidade de implementá-los.

Exemplo: Kodak inventou a fotografia digital mas não teve a capacidade de concorrer com os fabricantes japoneses.

A Gestão da Inovação consta de 3 etapas:

Geração de novas ideias: ambiente propício a aceitar novas ideias (empresas de publicidade, Google), necessidades de clientes / usuários, pesquisa, modelos para testar mercados alternativos, etc.

Seleção das melhores ideias: como selecionar sem experimentar? Necessário visão ("faro") do empreendedor para decidir pelo melhor caminho.

Implementação: transformação da ideia em produto / serviço. Não basta saber gerenciar a transformação de uma ideia em algo concreto mas saber "navegar" em um ambiente de extrema incerteza.

saber "navegar" em um ambiente de extrema incerteza. Figura Gestão de Inovação ( Bessant, Tidd. Inovação

Figura Gestão de Inovação ( Bessant, Tidd. Inovação e Empreendedorismo)

Vídeo Wadez Ludwig

Vídeo Wadez Ludwig http://www.youtube.com/watch?v=gDJkbsfT55w Atividades 1.Estudo de Caso: "Inovação em ação: a

Atividades

1.Estudo de Caso: "Inovação em ação: a natureza mutante na indústria fonográfica" (Livro Inovação e Empreendedorismo - página 53). Responder as perguntas do Estudo de Caso (página 56 e 57).

2. Questionário

1. Qual a importância do processo de inovação para a sobrevivência das

empresas? Cite exemplos de inovação nas empresas que se mantiveram no ranking das 10 maiores corporações nos últimos 20 anos e as empresas

centenárias.

2. Qual a relação entre Inovação e Empreendedorismo?

3. Quais são as 4 dimensões da Inovação (4 Ps )?

4. Explicar os tipos de inovação.

5. Quais são as 3 etapas do processo de Gestão da Inovação. Exemplifique.

3. Estrutura Organizacional de Empresas

Bibliografia:

DATF, Richard L. Organizações Teoria e Projetos, 2008. Ed. Thomson

L. Organizações Teoria e Projetos, 2008. Ed. Thomson 3.1 Organização e Configuração Organizacional

3.1 Organização e Configuração Organizacional

Organizações como Sistema

Uma empresa pode ser considerado um PROCESSO com Entradas (matéria prima, recursos financeiros, pessoal, etc), Processamento (processo de transformação) e Saída (produtos e serviços direcionados ao Mercado)

e Saída (produtos e serviços direcionados ao Mercado) DATF, Richard L. Organizações Teoria e Projetos, 2008.

DATF, Richard L. Organizações Teoria e Projetos, 2008. Ed. Thomson

Configuração Organizacional

A configuração organizacional de uma Empresa contempla os componentes básicos de uma instituição: nível técnico (operacional), administração média (gestores, gerentes, etc), Alta Administração (diretoria), Recursos de Suporte Técnico e Recursos Administrativos.

DATF, Richard L. Organizações Teoria e Projetos, 2008. Ed. Thomson  Núcleo Técnico: trabalho básico

DATF, Richard L. Organizações Teoria e Projetos, 2008. Ed. Thomson

Núcleo Técnico: trabalho básico da Corporação. Desempenha a função de PRODUÇÃO

Exemplo: Escola -> Professores.

Suporte Técnico / Administrativo: ajuda a organização a adaptar-se ao meio ambiente, prospectando inovações, correções, avanços tecnológicos, etc.

Exemplo: em uma empresa de automação Engenharia de Desenvolvimento e Assistência Técnica.

Administração: direção e coordenação de outras partes da organização. (Ex.: departamento financeiro em uma empresa de informática).

Dimensão do Projeto Organizacional

Avalia a Organização nas dimensões Estruturais (características internas) e Contextuais (internas e externas)

DATF, Richard L. Organizações Teoria e Projetos, 2008. Ed. Thomson Estruturas: • Formalização (documentação /

DATF, Richard L. Organizações Teoria e Projetos, 2008. Ed. Thomson

Estruturas:

Formalização (documentação / registros): quanto maior a empresa maior a formalização.

Especialização (divisão do trabalho):

determina o

leque de atuação

dos

funcionários (estreita -> grandes empresas; ampla -> pequenas empresas).

Hierarquia: determina o limite do controle (limite estreito -> hierarquia forte; limite amplo -> hierarquia baixa).

Centralização: refere-se ao nível hierárquico de tomada de decisão

(centralizado -> decisão do alto escalão; descentralizado -> decisão dividida com baixo escalão).

Profissionalismo: refere-se ao nível de treinamento dado aos funcionários

para assumir cargos na organização. cargos.

Medido normalmente no tempo para atingir altos

Relacionamento departamentos por

de

Pessoal:

relação

entre

número

total de funcionário.

Determina a proporção de cada departamento.

de

pessoas

nos

Dimensões Contextuais:

Tamanho: magnitude em função do número de funcionários.

Tecnologia Organizacional: determina a tecnologia para a empresa transformar

os processos de entrada gerando os produtos finais Exemplo: célula de produção, “just in time”, CAM no processo produtivo, etc.

Ambiente: elementos alem dos limites da organização.

Exemplo: crise econômica, falta de mão de obra, oportunidade de mercado, etc.

Metas e Estratégias: propósito e técnicas competitivas para a empresa atingir

seus objetivos.

fornecedores. Exemplo: Missão e Política da Qualidade.

Define escopo de operação e relação entre funcionários, clientes e

Cultura: atmosfera presente em todos os processos da empresa determinada normalmente pela Alta Direção e que determina o relacionamento entre todos os processos e colaboradores da corporação. Considerado a “alma” da empresa. É necessário uma sintonia entre a Cultura e os integrantes da Empresa

Vídeo Cultura Empresarial - Paradigmas

da Empresa Vídeo – Cultura Empresarial - Paradigmas http://www.youtube.com/watch?v=2WkazAAuKnk 3.2 Organização

3.2 Organização Eficiente x Organização de Aprendizagem

Aborda a característica cultural de cada empresa no aspecto de cultura, ordenação de processos, relacionamento do recurso humano e seus impactos no trabalho realizado.

DATF, Richard L. Organizações Teoria e Projetos, 2008. Ed. Thomson Organização Eficiente x Organização de

DATF, Richard L. Organizações Teoria e Projetos, 2008. Ed. Thomson

Organização Eficiente x Organização de Aprendizagem

Exemplo:

Aprendizagem 3M

Comparação entre a Organização Eficiente FOXCOM e a Organização de

Estrutura Vertical x Estrutura Horizontal

Tarefas Rotineiras x Tarefas Dinâmicas

Sistemas Formais de Controle x Informação Compartilhada

Estratégia Competitiva x Estratégia Colaborativa

Cultura Rígida x Cultura Consensual

Vídeo

Filme Tempos Modernos Charlie Chaplin

Rígida x Cultura Consensual Vídeo Filme Tempos Modernos – Charlie Chaplin http://www.youtube.com/watch?v=XFXg7nEa7vQ

3.3

Organogramas

Representa os diversos setores da corporação mostrando a relação entre os diversos setores e eventualmente a hierarquia.

entre os diversos setores e eventualmente a hierarquia. 3.4 Processo da Qualidade Visão e Valores ꜜ

3.4 Processo da Qualidade

Visão e Valores

Missão

Política Qualidade

Procedimentos Qualidade (ISO9001)

Indicadores x Metas

Exemplo:

e Valores ꜜ Missão ꜜ Política Qualidade ꜜ Procedimentos Qualidade (ISO9001) ꜜ Indicadores x Metas Exemplo:

3.5 Vídeos

ISO9001 (www.isoonline.com.br)

3.5 Vídeos ISO9001 (www.isoonline.com.br) http://www.youtube.com/watch?v=lhnO-sAuiUo Processo PDCD (TQM)

Processo PDCD (TQM)

Processo PDCD (TQM) http://www.youtube.com/watch?v=7428yUA6D9o Atividades 1. Ler

Atividades

1. Ler e analisar os Estudos de Caso:

W.L. Gore, www.gore.com, (exemplo de empresa orgânica), página 18 do livro da bibliografia recomendada.

“A empresa tem 4200 associados (não funcionários) em 29 instalações. As instalações são mantidas pequenas em até 200 pessoas para conservar a atmosfera familiar”.

Cementos Mexicanos, www.cemex.com, página 27 do livro do livro do Daft.

“A equipe da Cemex desenvolveu uma nova abordagem para a entrega de cimentos, que eles chamaram de “conviver com o caos”. Em lugar de tentar mudar os clientees, a Cemex decidiu fazer negócios nos próprios termos do cliente e projetar um sistema no qual são rotineiras as mudanças de última hora e os problemas inesperados”.

2. Em grupo realizar uma análise da Estrutura Organizacional da Empresa Estágio de

um dos integrantes do grupo. Enviar tarefa pelo Moodle.

Organograma.

Cultura.

Estratégia de atuação mercado

Valores x Missão x Política

Sistema da Qualidade (ISO9001, ISO14001, etc).

Exemplos de Indicadores x Metas

Descrever as entradas, processo interno e saída.

3. Exercícios

Descrever a Organização como um Sistema de Entrada / Saída.

Descrever a Configuração Organizacional.

Descrever as Dimensões Estruturais e Contextuais de uma Organização.

Quais as diferenças entre uma Organização Eficiente x Aprendizagem (estrutura Mecânica e Orgânica). Exemplo: Foxcom x 3M.

O que um ciclo PDCA em um ciclo TQM?

Descrever os conceitos de Política da Qualidade, Procedimentos da Qualidade, Indicadores e Metas. Qual a importância dos Indicadores e Metas em uma corporação?

4. Estratégias Empresariais

Bibliografia

4. Estratégias Empresariais Bibliografia 4.1Definições Origem : “Strategia” (grego) -> organização e gestão
4. Estratégias Empresariais Bibliografia 4.1Definições Origem : “Strategia” (grego) -> organização e gestão
4. Estratégias Empresariais Bibliografia 4.1Definições Origem : “Strategia” (grego) -> organização e gestão

4.1Definições

Origem: “Strategia” (grego) -> organização e gestão de tropas para a partir do próprio conhecimento de forças e do conhecimento do inimigo atingir o objetivo pré-definido.

“Se conhecemos o inimigo (ambiente externo) e a nós mesmos (ambiente interno), não precisamos temer o resultado de uma centena de batalhas. Se nos conhecemos, mas não ao inimigo, para cada vitória sofreremos uma derrota. Se não nos conhecemos nem ao inimigo, sucumbiremos em todas as batalhas”. (Sun Tzu – A Arte da Guerra)

Definição clássica: “Estratégia proporciona a empresa, a partir das suas próprias capacidades (AMBIENTE INTERNO) e da análise que faz do AMBIENTE EXTERNO de encontrar uma posição interessante e distinta no mercado”.

Estratégia determina o direcionamento das ações da empresa para atingir seus objetivos a partir da análise do mercado a partir de suas forças internas.

Para análise de Forças Externas utilizam-se classicamente as “Cinco Forças de Porter”

Para análise das Forças Internas utilizam-se a análise de “SWOT”.

Após estas análises estabelece-se classicamente as Estratégias Competitivas:

Preço

Diferenciação

Foco

4.2 Forças EXTERNAS Porter:

Michel Porter, no seu livro “Vantagem Competitiva” estabeleceu as “5 Forças de Porter”, tradicionalmente utilizada para análise de ambientes externos a corporação:

Pressão Fornecedores

Pressão Compradores (Clientes)

Produtos Substitutos

Novos Concorrentes

Atual Concorrência

A figura a seguir representa e resume as “5 Forças de Porter”.

Mariano, Sandra. Administração Empreendedora Pressão Fornecedores : Avaliação das condições dos fornecedores

Mariano, Sandra. Administração Empreendedora

Pressão Fornecedores:

Avaliação das condições dos fornecedores (entrada) da corporação no fornecimento de matéria prima, serviços ou produtos. A qualificação de fornecedores é previsto no item 7.2 da Norma ISO9001-2008. A condição dos adequada de fornecedores é não concentrar o mesmo em poucas empresas e ter um equilíbrio adequado entre o tamanho do fornecer e a empresa compradora. O monopólio de fornecedores (normalmente grandes corporações) deve ser evitada. A situação ideal é ter um equilíbrio.

Se o fornecedor for muito menor precisará ser monitorado no seu desempenho e crescimento. Exemplo: única pequena empresa de compra e montagem de componentes eletrônicos SMD.

Se o fornecedor for muito maior haverá pressão para aumento de custos e eventualmente prazo. Exemplo: embalagem Tetrapark atendendo uma pequena empresa de suco de frutas.

Pressão Compradores (Clientes)

Avaliação das condições de compradores ou clientes. As regras são semelhantes ao item fornecedores.

Se o comprador for muito maior que a empresa, pressão de preço baixo e prazos muito curtos poderão surgir. Concentração de vendas para pouco (ou um único cliente) deve ser evitada para não se correr o risco da perda deste cliente comprometer a corporação.

Se o comprador for muito menor problemas de falência ou inadimplência devem ser observados.

O item 7.1 da norma ISO9001-2008 especifica a “Análise Crítica de Contrato” deixando claras as condições de Preço, Prazo e Características do produto disponibilizado para o comprador.

Exemplo: Automação de controle de abastecimento do Sistema CTF com atendimento exclusivo para postos BR.

Pressão Novos Concorrentes:

O monitoramento de novos concorrentes da empresa é estratégico para sua sobrevivência. O ideal é o monopólio, pois estabelece o Preço do produto / serviço, mas está prática é evitada e muitas vezes controlada pelo Conar. O aumento do número de clientes diversifica a Carteira de Clientes minimizando os riscos.

Exemplos:

Cliente grande e monopólio: fornecedor de material elétrico para área classificada (explosiva) para bases da Petrobrás (grande e único cliente).

Clientes pequenos fornecendo para uma rede de supermercado.

Pressão Concorrentes Atuais

Os atuais concorrentes devem ser monitorados quanto ao seu crescimento com perda de mercado e alteração do “market share”. Processo de fusão para evitar riscos é comum (como a Fusão de Instituições Financeiras).

Exemplo de Análise das 5 Forças de Porter

Considerando o mercado cervejeiro:

Fornecedores -> Embalagens (latas / garrafas)

 

Clientes -> Grandes redes de supermercado.

Substituto -> vinho

 

Concorrência nova-> entrada da mexicana SOL.

 

Concorrência

atual

->

outras

marcas

de

cerveja

estabelecidas

no

mercado.

4.3 Forças Internas -> SWOT

A análise de SWOT é normalmente para traçar um Plano Estratégico avaliando Forças Internas e Forças Externas.

Estratégico avaliando Forças Internas e Forças Externas. Mariano, Sandra. Administração Empreendedora Significado

Mariano, Sandra. Administração Empreendedora

Significado da abreviatura SWOT:

Forças Internas:

Strengths

:

análise

das

forças

desenvolvidos e destacados.

internas

devendo

estes

talentos

serem

Weaknesses : análise das fraquezas da corporação e forma de evitar prejuízos dos pontos fracos.

Forças Externas:

Opportunities: oportunidades de novos negócios.

Threats: ameaças de concorrência, legislação, etc.

Exemplo de análise de SWAT com o Instituto Presbiteriano Mackenzie:

Forças -> localização, relação custo / benefício, tradição. Fraquezas -> estrutura pouco ágil, diferença de nível dos profissionais. Oportunidades -> novos cursos, verbas pesquisa, parcerias. Ameaças -> concorrência (menor preço)

4.4 Estratégias Competitivas

A partir das forças internas e externas através das técnicas de SWAT e 5 Forças de Porter é traçada as estratégias a seguir, podendo a estratégia contemplar 1, 2 ou mesmo os 3 itens.

Liderança por Preço: busca aumento da participação do mercado pelo menor preço

Exemplo: Walmart.

do mercado pelo menor preço Exemplo: Walmart. • Liderança por Diferenciação : busca de um mercado

Liderança por Diferenciação: busca de um mercado específico.

Exemplo: Empório Santa Maria vendendo produtos para um cliente de alto poder aquisitivo através de um serviço diferenciado e produtos de alta qualidade.

de um serviço diferenciado e produtos de alta qualidade. • Liderança por Foco : procura nichos

Liderança por Foco: procura nichos de mercado.

Exemplos:

Empresas de tecnologia brasileiras em geral como automação de Usinas de Etanol.

Mercado com produtos Korsch para o público Judaico.

4.5 Vídeos

Sebrae – Institucional do curso http://www.youtube.com/watch?v=z95HqY2Oh08 Crescimento Estratégico

Sebrae Institucional do curso

do curso http://www.youtube.com/watch?v=z95HqY2Oh08 Crescimento Estratégico

Crescimento Estratégico

Estratégico http://www.youtube.com/watch?v=FK2gAq1cCmI Michel Porter

Michel Porter

Atividades

1. Em grupo realizar uma análise do Plano Estratégico de uma empresa de um dos integrantes do grupo avaliando as 5 Forças de Porter, análise de SWAT e a Estratégia Competitiva (Preço, Diferenciação e / ou Foco). Enviar tarefa pelo Moodle.

2. Exercícios

Definir uma Estratégia Empresarial.

Quais são as 5 forças de Porter? Descrever cada uma delas.

Descrever a análise SWOT.

Descrever as estratégias competitivas LIDERENÇA POR PREÇO, DIFERENCIAÇÃO e FOCO.

5. Marketing

5. Marketing Bibliografia: Curso Gestão de Marketing – Prof. Giancarlo Grecco (Insper) Vídeo Introdutório: O que

Bibliografia:

5. Marketing Bibliografia: Curso Gestão de Marketing – Prof. Giancarlo Grecco (Insper) Vídeo Introdutório: O que

Curso Gestão de Marketing Prof. Giancarlo Grecco (Insper)

Vídeo Introdutório: O que é Marketing

– Prof. Giancarlo Grecco (Insper) Vídeo Introdutório: O que é Marketing www.youtube.com/watch?v=Ff65BRbf_5E

www.youtube.com/watch?v=Ff65BRbf_5E

5.1 Definições de Marketing

Marketing não está relacionado apenas ao processo de vendas. Marketing é uma estratégia GLOBAL de negócios estabelecendo direcionamento para:

Posicionamento

Linha de Comunicação

Mix de Produtos e Serviços

Preço

Distribuição

Iniciativas

Parcerias

Fusões e Aquisições

Etc

O objetivo geral do Marketing é prover o crescimento do negócio agregando valor a empresa.

e Aquisições • Etc O objetivo geral do Marketing é prover o crescimento do negócio agregando
Vídeo Nike Acervo próprio

Vídeo Nike

Vídeo Nike Acervo próprio
Vídeo Nike Acervo próprio

Acervo próprio

Vídeo explorando experiências holísticas / sensoriais http://www.youtube.com/watch?v=IVeF5pldb-4

Vídeo explorando experiências holísticas / sensoriais

Vídeo explorando experiências holísticas / sensoriais http://www.youtube.com/watch?v=IVeF5pldb-4
Vídeo explorando experiências holísticas / sensoriais http://www.youtube.com/watch?v=IVeF5pldb-4
5.2 Análise “4 Ps" Classicamente estuda- se Marketing baseado nos “4 Ps“: • Produto •

5.2 Análise “4 Ps"

Classicamente estuda-se Marketing baseado nos “4 Ps“:

Produto

Promoção

Preço

Praça

O Plano Estratégico de Marketing é planejar estas variáveis!

5.2.1 Produto

Define dimensões, funcionalidades, composição, designer e demais características intrínsecas EM FUNÇÃO DO MERCADO / CLIENTE ESCOLHIDO. Define o FORMATO do negócio.

Exemplo: transformar uma placa com microcontrolador em um RASTREADOR.

/ CLIENTE ESCOLHIDO. Define o FORMATO do negócio. Exemplo: transformar uma placa com microcontrolador em um
/ CLIENTE ESCOLHIDO. Define o FORMATO do negócio. Exemplo: transformar uma placa com microcontrolador em um
/ CLIENTE ESCOLHIDO. Define o FORMATO do negócio. Exemplo: transformar uma placa com microcontrolador em um

A definição do produto segue a seguinte sequência:

Geração de ideias (“brainstorming”, prospecção, etc)

Seleção de ideia.

Desenvolvimento do conceito do produto a partir da idéia.

Plano de Negócios e avaliação de VIABILIDADE.

Desenvolvimento do Protótipo.

Teste de mercado.

Lançamento

Melhoria (contínua durante a vida do produto)

• Melhoria (contínua durante a vida do produto) Salim, Cesar. Administração Empreendedora Os Fatores de

Salim, Cesar. Administração Empreendedora

Os Fatores de Influência para definir um Produto definem os pontos relevantes para mercado alvo para “convencer” o cliente a adquirir o produto / serviço.

Designer

Funcionalidade

Preço

Qualidade

Flexibilidade: adaptar-se ao mercado (abrangência) .

Escalabilidade (capacidade de ajustar a produção com crescimento / redução do mercado sem grandes impactos no preço)

Inovação

Cada um dos fatores tem prós e contras e é necessário buscar um equilíbrio para atender da melhor forma possível o mercado.

Níveis de Influência do Produto:

Níveis de Influência: capacidade do produto influenciar o consumidor.

Salim, Cesar. Administração Empreendedora, pág. 73 1º Nível: “produto núcleo” é o próprio produto ou

Salim, Cesar. Administração Empreendedora, pág. 73

1º Nível: “produto núcleo” é o próprio produto ou serviço.

2º Nível: “produto tangível” -> agrega valor a percepção do cliente

Embalagem

Estilo

Qualidade

Marca

Inovação

3º Nível: “produto ampliado”

Serviço de Entrega

Serviço Instalação

Garantia

Assistência Técnica

Acesso ao Crédito

5.2.2 Promoção

O processo promocional tem o objetivo de divulgar a oferta de um produto ou serviço que os clientes procuram ou criar um desejo por algo desconhecido.

O que se oferece -> características

Em que condições.

Benefícios

Proposta da Promoção: título, imagem, frequência e texto.

Canais de Promoção: onde será vinculada: mídias, Internet, folhetos, etc

Vídeos utilizando a Mídia TV

Anúncios (Mídias Revista) Jaguar x Mercedes Fonte: YouTube

Anúncios (Mídias Revista)

Jaguar x Mercedes

Fonte: YouTube

Anúncios (Mídias Revista) Jaguar x Mercedes Fonte: YouTube
5.2.3 Preço: Traz uma percepção de valor com alto valor de decisão de compra do
5.2.3 Preço: Traz uma percepção de valor com alto valor de decisão de compra do

5.2.3 Preço:

Traz uma percepção de valor com alto valor de decisão de compra do produto / serviço. Pode ser determinado pela margem através da matéria prima (commodyte), pela economia proporcionada ao cliente (tempo de retorno do investimento) típico de produtos que agregam Tecnologia (Exemplo: Controle de Abastecimento em uma frota) ou percepção (Café Starbuck)

Preço do Café

Preço do Café Tipos de Preços: • “Premium” : exemplo -> Empório Santa Maria. • Penetração

Tipos de Preços:

“Premium”: exemplo -> Empório Santa Maria.

• “Premium” : exemplo -> Empório Santa Maria. • Penetração no mercado : promoção de lançamento

Penetração no mercado: promoção de lançamento em um novo supermecado ou liquidação anual.

Exemplo: Magazine Luiza

• Econômico: exemplo -> WalMart 5.2.4 Praça ou Distribuição: Estabelece as formas de atingir o
• Econômico: exemplo -> WalMart 5.2.4 Praça ou Distribuição: Estabelece as formas de atingir o

Econômico: exemplo -> WalMart

• Econômico: exemplo -> WalMart 5.2.4 Praça ou Distribuição: Estabelece as formas de atingir o cliente

5.2.4 Praça ou Distribuição:

Estabelece as formas de atingir o cliente tornando seu produto disponível ao mercado. A seleção do tipo de distribuição depende de alguns fatores:

Tamanho do Lote: quantidade de compra (varejo / atacado).

Descentralização: o mercado deseja ter o produto vendido perto ou admite uma compra remota.

Tempo de espera (levar o produto ou aguarda envio)

Variedade do Produto

Assistência Pós Venda

Os tipos de distribuição são divididos por:

Venda Direta: sem custos, mas exige canais de comunicação e serviço de assistência técnica e pós-venda.

Venda por Intermediários: distribuidores, representantes ou varejistas. Custo maior, maior dependência de parceiros mas um atendimento melhor ao cliente.

ou varejistas. Custo maior, maior dependência de parceiros mas um atendimento melhor ao cliente. Vídeo –

Vídeo Blue Ocean

http://www.youtube.com/watch?v=0F2_SL3aqkY Atividades 1. Roteiro do Plano de Negócios (NIT): Analisar os itens abaixo já

http://www.youtube.com/watch?v=0F2_SL3aqkY

Atividades

1. Roteiro do Plano de Negócios (NIT):

Analisar os itens abaixo já preparando o Plano de Negócios:

1. Produtos e Serviços

2. Análise de Mercado.

3. Estratégia de Implementação.

2. Questionário

O que é Marketing e como o mesmo direciona o negócio da empresa?

Qual a relação entre CRESCIMENTO e MARKETING?

Quais as diferenças entre o Marketing Tradicional e o Marketing de hoje?

O que é uma experiência holística? Cite um exemplo de propaganda onde este tipo de técnica é utilizado.

Para que serve o Marketing?

Quais as ferramentas do Marketing?

Como evoluiu o Marketing?

Qual é uma estrutura de um departamento típico de Marketing?

Descrever as estratégicas de Marketing baseada nos 4 Ps.

Qual a sequencia da definição de um produto pelo Marketing?

Quais os fatores de influência do Marketing em um produto?

Descrever os 3 níveis de influência do Marketing em um produto.

Quais são os objetivos da Promoção de um produto?

Quais são os canais de Promoção?

Qual a importância do fator Preço em um plano de Marketing?

Qual a relação entre Preço e Demanda? Descrever esta curva.

Quais são os 3 tipos de Preço em um plano de Marketing?

Definir o conceito de Praça em uma plano de Marketing.

Quais são os tipos de distribuição?

6. Recursos Humanos

Bibliografia

6. Recursos Humanos Bibliografia 6.1 Conceitos Dep artamento Recurso Humanos ≠ Departamento Pessoal O departamento de
6. Recursos Humanos Bibliografia 6.1 Conceitos Dep artamento Recurso Humanos ≠ Departamento Pessoal O departamento de

6.1 Conceitos

Departamento Recurso Humanos ≠ Departamento Pessoal

O departamento de Recurso Humano (RH) em uma corporação frequentemente é confundido com o Departamento Pessoal (DP). Enquanto o RH tem uma preocupação de motivar, contratar, treinar e difundir processos e melhorias junto aos funcionários, o DP cuida mais dos elementos legais e burocráticos dos colaboradores (salários, férias, impostos, controle de ponto, etc).

Na era do conhecimento o RH é o maior patrimônio da Empresa.

Exemplo: Programador de Firmware onde toda a “inteligência” do produto está associada. O profissional programador de firmware passa a ter uma posição estratégia.

Alguns pontos importantes com relação ao RH:

RH precisa AGREGAR valor ao negócio da empresa.

O processo de RH não está restrito ao um departamento de Recursos Humanos estando disseminado pelos diversos gestores / chefias dos diversos departamentos. Este setor estabelece aos políticas de RH para atuação é um GESTOR dos processos do RH em cada setor da empresa.

Na gestão diária de uma EMPRESA, independente do seu tamanho, a gestão das

pessoas demanda a maior parte do tempo e preocupação dos responsáveis.

Todo Gestor de RH e líder de uma equipe necessita compreender os anseios do time e direcioná-los a direção correta, sendo um REPRESENTANTE do funcionário junto ao alta administração.

SALÁRIO É UM FATOR MOTIVADOR?

ao alta administração. SALÁRIO É UM FATOR MOTIVADOR? Salário, quando não é proporcional ao retorno que

Salário, quando não é proporcional ao retorno que o colaborador agrega ao valor da empresa, DESMOTIVA. Entretanto, ter um salário compatível com a função não é SUFICIENTE para manter a motivação em longo prazo. Perspectiva de crescimento, novos projetos, aprendizado, cultura de trabalho e ambiente são fundamentais neste processo de manter o funcionário fidelizado a empresa.

Funções Básicas do Departamento de Recursos Humanos:

Contratação de um novo funcionário, a partir de um perfil colocado e com potencial para adequar-se a cultura e ambiente da empresa.

Treinamento: processo de orientação do funcionário desde procedimentos operacionais, estratégia, cultura, novos processos e inovação. A Norma ISO9001 (item 6.2.2) explicita a necessidade de treinamentos e registra este processo através de uma MATRIZ DE COMPETÊNCIA de cada colaborador indicando Educação, Treinamento, Habilidade e Experiência.

Acompanhar o grau de motivação dos colaboradores e clima organizacional.

Plano de Carreira e Bonificação.

Retenção dos talentos.

6.2 Gestão Estratégica de RH

A Gestão

Estratégica

do

departamento

de

RH

é

composta

de

3

ações:

AVALIAÇÃO, ENGAJAMENTO e ALINHAMENTO

Avaliação: composta de realimentação (“feedback”) dizendo como as pessoas estão trabalhando, deixando claro como está a performance do trabalhador e oportunidades de melhoria.

Engajamento: busca do entusiasmo e comprometimento das pessoas

Verdadeiros líderes levam seus

através de um ambiente adequado.

comandados a executar tarefas alinhadas com a Estratégia da Empresa “de boa vontade”.

Alinhamento: comunicar e assegurar a condição da empresa, o que está sendo realizado e para onde a estratégia da empresa aponta. Realimentar o colaborador da atual situação da empresa e como as pessoas podem contribuir.

situação da empresa e como as pessoas podem contribuir. Fonte: Apostila Prof. João Brillo A Pirâmide

Fonte: Apostila Prof. João Brillo

A Pirâmide de Maslow e os Fatores de Motivação de Herzberg permitem comprender a psicologia dos desejos humanos.

Dependendo da condição social da pessoas, as necessidades podem ir de:

Fisióligicas (alimentação, educação e saúde).

Segurança (casa e proteção)

Afeto (familiar, chefia)

Estima (reconhecimento da Empresa)

Auto-Realização (projetos empresariais e pessoas finalizados com sucesso).

Já os fatores motivacionais de Herzberg descrevem a importância destes desejos dentro do ambiente corporativo.

Salário e Equilíbrio na Vida Pessoal.

Política de Segurança e Condições de Trabalho.

Relações interpessoais com subordinados e chefia.

Status.

Crescimento, responsabilidade e realização no Trabalho.

Fonte: Apostila Prof. João Brillo 5.3 Plano de Carreira e Bonificação A Corporação deve estabelecer

Fonte: Apostila Prof. João Brillo

5.3 Plano de Carreira e Bonificação

A Corporação deve estabelecer claramente o Plano de Carreira de seus colaboradores, os critérios de promoção e o tempo de avaliação para a evolução da carreira. A progressão do Plano de Carreira deve ser proporcional ao crescimento da remuneração / benefícios. A Bonificação (Plano de Distribuição de Lucros, devendo ser definido obrigatoriamente pela empresa) é composta pelo:

DESEMPENHO DA EMPRESA

DESEMPENHO SETORIAL

DESEMPENHO PESSOAL

Todo o DESEMPENHO de ser medido por indicadores e metas claras e transparentes.

Vídeo

Vídeo http://www.youtube.com/watch?v=uM8xEcX4Fv4 Atividades 1. ANÁLISE DA PROPOSTA DE PLANO DE NEGÓCIOS 2.

http://www.youtube.com/watch?v=uM8xEcX4Fv4

Atividades

1. ANÁLISE DA PROPOSTA DE PLANO DE NEGÓCIOS

Atividades 1. ANÁLISE DA PROPOSTA DE PLANO DE NEGÓCIOS 2. Questionário  Qual a função de

2. Questionário

Qual a função de um RH na empresa? Quais as diferenças entre R.H. e Departamento Pessoal (D.P.)?

Explicar a expressão: Salário é fator desmotivador e não motivador.

Quais são as 3 fases de uma Gestão Estratégica de Marketing?

Explicar os fatores motivacionais sob a ótica de Maslow.

Quais são as etapas de uma Gestão Estratégica de RH?

Explicar a importância de uma adequada Gestão de Salários e Benefícios em uma empresa (Plano de Carreira, Feedback Colaboradores, Premiação por Resultados).

Quais são os 3 pontos a serem considerados em uma Política de Premiação de Resultados.

7. Financeiro

Bibliografia

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios, 2001. Ed. Campus. ISBN: 8535207716.

ideias em negócios, 2001. Ed. Campus. ISBN: 8535207716. Introdução O principal e definitivo indicador de melhoria
ideias em negócios, 2001. Ed. Campus. ISBN: 8535207716. Introdução O principal e definitivo indicador de melhoria

Introdução

O principal e definitivo indicador de melhoria de uma empresa é o Saldo do

Fluxo de Caixa. A partir da condição financeira da empresa pode-se avaliar sua

condição de desenvolvimento e condições de permanência no mercado. Por isso a importância de uma boa gestão financeira.

A viabilidade de um Plano de Negócios igualmente é diretamente proporcional a

capacidade do novo negócio retornar com o capital investido e no prazo para este objetivo ser alcançado.

Neste capítulo será inicialmente abordada as diversas formas de financiamento de um novo negócio e posteriormente os conceitos de relatórios gerenciais financeiros.

7.1 Investimentos Iniciais

Uma nova empresa precisa prever, no seu Plano de Negócios, a origem do dinheiro a ser inicialmente aplicado.

Tipos de Investimento para cada fase de uma “Start-up”:

Fase 1: investimentos iniciais previstos.

Fase 2: crescimento inicial.

Fase 3: expansão.

Fase 4: consolidação

inicial.  Fase 3: expansão.  Fase 4: consolidação Fonte: Apostila Curso Empreendedorismo – Prof. Dornellas

Fonte: Apostila Curso Empreendedorismo Prof. Dornellas MBA IBMEC - 2004

Fontes de Investimento:

Dornellas – MBA IBMEC - 2004 Fontes de Investimento: Primeiros investidores • O próprio empreendedor,

Primeiros investidores

O próprio empreendedor, família e amigos

Os empreendedores, em geral, contam com recursos próprios para desenvolver um protótipo ou um estudo de mercado visando subsidiar a concepção e avaliação preliminar da viabilidade de seu empreendimento.

Nos EUA os recursos destinados para o desenvolvimento da concepção dos empreendimentos (seed capital) costumam ser inferiores a US$ 250 mil.

No caso de levantamento de recursos de terceiros, esses fundos são em geral obtidos através de hipotecas de bens pessoais, empréstimos bancários pessoais ou da participação de amigos e familiares no negócio.

Esses recursos são chamados no mercado de love money, e seus fornecedores geralmente não se envolvem na gestão do empreendimento.

Anjos (Angel Investors)

São investidores pessoa-física, com posses, muitas vezes empreendedores de sucesso em setores de alta tecnologia, que decidiram investir os ativos acumulados em venture capital.

Além de adquirir participação nos empreendimentos esses investidores tendem a participar dos conselhos da empresas e aconselhar seus gestores.

Os angel investors também são muito importantes a medida que ajudam a empresa a se habilitar, geralmente em estágios mais avançados dos empreendimentos, para obter recursos de investidores formais.

Nos EUA os investimentos de angel investors situam-se, de forma geral, na faixa entre US$ 50 mil e US$ 1,5 milhões. Após o crescimento inicial da empresa é normal os investidores iniciais venderem sua participação para auferir lucro (prazo entre 2 e 10 anos)

7.2 Incubadoras

F

F

F

Vídeo: Investidores Londrinos Programa Mudo S/A Globo News

Londrinos – Programa Mudo S/A – Globo News 7.3 Relatórios e Indicadores Gerenciais Financeiros O

7.3 Relatórios e Indicadores Gerenciais Financeiros

O controle financeiro é difícil para muitos empreendedores mas FUNDAMENTAL para o sucesso da Empresa. Os Relatórios Gerenciais mostram a condição financeira a curto e longo prazo. Pelo menos um dos sócios da empresa deve controlar o processo Financeiro acompanhando seus principais indicadores.

Empresas de Contabilidade são essenciais (e necessárias) quando o negócio cresce. Os melhores indicadores de desempenho das empresas são FINANCEIROS como a condição do FLUXO DE CAIXA.

7.3.1 Balanço Patrimonial

PATRIMÔNIO = ATIVO PASSIVO

Ativos = circulante (caixa + contas a receber) + recebimento Longo Prazo (vendas a prazo) + Estoque + Bens Permanentes (patrimônio + investimentos)

Passivo = circulante (conta a pagar, impostos, dívidas) + dívidas longo prazo

Exemplo: Considere um empresa de tecnologia:

ATIVOS:

Caixa = $ 10.000,00 Contas a receber = $ 5.000,00 Estoque = $ 8.000,00 Investimento = $ 30.000,00 Prédio + máquina + mobiliário = $ 40.000,00

PASSIVOS:

Contas a Pagar = R$ 12.000,00 Impostos a recolher = $ 4.000,00 Outras dívidas = R$ 2.000,00

Patrimônio = Ativos Passivo = ($ 10.000,00 + $ 5.000,00 + $ 8.000,00 + $ 30.000,00 + $ 40.00,00) ($ 12.000,00 + 4.000,00 + 2.000,00) = $ 93.000,00 - $ 18.000,00 = $ 78.000,00

7.3.2 Fluxo de Caixa:

O Fluxo de caixa é composto de entradas e saídas financeiras ao longo de um período para a gestão dos pagamentos. Normalmente representa a quantidade monetária disponível para pagamento de compromissos e disponibilidade de investimentos e retiradas.

Fazendo uma analogia com um fluxo de caixa pessoal, seria o “saldo na conta corrente”.

de caixa pessoal, seria o “saldo na conta corr ente”. 7.3.3 INDICADORES FINANCEIROS - CONCEITOS Investimento:

7.3.3 INDICADORES FINANCEIROS - CONCEITOS

Investimento: montando gasto para viabilizar economicamente um projeto / processo.

Exemplo: valores investidos no projeto, moldes e lote piloto de um equipamento.

Custo Fixo (C.F.): custos cuja variação não é afetada pelo volume total de produção ou de vendas da empresa. Isto significa que, não importa se a empresa está vendendo pouco ou muito, eles permanecem os mesmos.

Custos fixos tendem a manter-se constantes, não importa a variação sofrida pelas receitas da empresa. Os custos fixos devem sempre ser MINIMIZADOS.

Exemplo:

Aluguel

Contas de luz, água, comunicação

Salário indireto (setores administrativos pois a produção pode ser considerado custo variável)

Condomínio, segurança

Depreciação (parcela de custos destinada à proteção do investimento físico proveniente do envelhecimento e utilização dos bens no processo produtivo da empresa)

Manutenção predial

Custo Variável (C.V.): os custos variáveis são aqueles que variam com a venda de produtos e, por consequência, com as receitas.

O custo variável é composto pelos seguintes itens:

Mão-de-obra direta.

Matéria-prima utilizado no produto / serviço, embalagens.

Custo da mercadoria vendida (comércio).

Custo do serviço vendido (serviços).

Tributos (ICMS, ISS, PIS, COFINS) pois são proporcionais a produção / venda

Demais gastos que ocorrem mensalmente, cuja variação se dá em função do volume de vendas.

Margem de Contribuição (M.C.): trata-se do recurso financeiro obtido com o produto para pagamento do CUSTO FIXO e geração de lucro. A M.C. pode ser unitária ou de um processo produtivo.

MC = RECEITA OPERACIONAL BRUTA (VENDA) CUSTO VARIÁVEL PRODUÇÃO

MC Unitário = PREÇO DE VENDA CUSTO VARIÁVEL UNITÁRIO

Ponto de Equilíbrio (PE): quantidade de unidades vendidas para pagar o Custo Fixo.

PE = CF / MC unitária

Receitas: valores monetários obtidos com o processo de produção / serviço.

Receita Operacional Bruta(R.O.): valor total obtido com a venda SEM DESCONTOS

Receita Operacional Líquida (R.L.): R.O. IMPOSTOS

onde os Impostos são aqueles ligados ao processo de venda -> SIMPLES, ICMS, ISS, etc)

Resultado Líquido (RL) : ROL CV CF

Investimento (I): aporte financeiro para viabilizar a produção.

Rentabilidade (R): indicador de qualidade do negócio (quanto maior melhor)

R = RL /

I

Prazo do Retorno do Investimento (“Pay Back” ou PRI) = investimento / receita liquida

Exemplo:

Produção de um CLP anual

Investimento no período = R$ 200.000,00

Valor Unitário: $1.000,00

Quantidade 1 ano: 500 peças -> R.O. = $1.000,00 x 500 = $ 500.000,00

Imposto Simples: 10 % = $ 50.000,00

RL = RO Impostos = R$ 450.000,00

Custo Variável: matéria prima ($ 100,00), embalagem ($ 10,00), comissão de vendas (5%), mão de obra (temporária R$ 100 por unidade).

Total Unitário: $100,00 + $ 10,00 + $25,00 (comissão) + R$ 100,00 = $ 235,00

Total = 500 x $ 235,00 = $117.500,00

Custo Fixo: salários indiretos ($ 10.000,00), pró-labore ($30.000,00), Encargos Sociais ($ 15.000,00), contas de luz, água, telecomunicação ($ 30.000,00), seguro ($ 10.000,00), depreciação ($ 20.000,00),

despesas viagem ($ 15.000,00), Marketing ($ 40.000,00) = $ 130.000,00

Indicadores:

MC = R.O CV = $ 500.000,00 - $ 117.500,00= $382.500,00

MC unitário = $ 1000,00 - $ 235,00 = $ 765,00

PE = CF / MC = $ 130.000,00 / $ 765,00 = 170 peças (valor para cobrir os custos fixos do período)

Rentabilidade = RL / I = ($450.000,00 / $ 200.000,00) = 2,25

PRI = $ 200.000,00 / $ 450.000,00 = 0,44 anos ou 5,28 meses

Planilha Modelo Plano de Negócios

Planilha disponível no Moodle para utilização no Plano de Negócios.

Planilha Modelo Plano de Negócios Exemplo: Rastreador / Sinalizador Idoso

Planilha Modelo Plano de Negócios Exemplo: Rastreador / Sinalizador Idoso

Planilha Modelo Plano de Negócios Exemplo: Rastreador / Sinalizador Idoso
Planilha Modelo Plano de Negócios Exemplo: Rastreador / Sinalizador Idoso
1. Questionário Atividades  Explicar os tipos de investimento de uma nova empresa.  Quais

1. Questionário

Atividades

Explicar os tipos de investimento de uma nova empresa.

Quais as fases de financiamento de uma nova empresa?

Quem são os potenciais primeiros investidores de uma empresa?

O que um “Angel Investors”?

O que “Venture Capital”?

O que os “ventures capitals” querem?

O que é um investidor corporativo?

Descrever as etapas de um desinvestimento na empresa.

O que uma Incubadora de Empresa?

Qual a importância de um Relatório Gerencial Financeiro para uma empresa?

O que um Balanço Patrimonial? O que é Ativo e Passivo?

O que é Fluxo de Caixa e qual sua importância para a saúde financeira da corporação?

Quais os principais indicadores financeiros de uma empresa?

Explicar o conceito de Margem de Contribuição. Qual a relação entre M.C. e o Custo Fixo?

O que Ponto de Equilíbrio?

O que é Rentabilidade?

2. PLANO DE NEGÓCIOS

Etapas:

Entrega da Proposta (modelo NIT) -> 10 %

Dinâmica prévia recomendada -> "SPEECH ELEVATOR" (apresentação de 90 segundos do Plano de Negócios abordando as partes essenciais do negócio como descrição rápido do produto / serviço, diferencial e potencial mercado).

Entrega do Plano de Negócios Final (sugestão: seguir modelo do NIT). As planilhas financeiras estão disponíveis no Moodle.

Anexo I - Proposta Plano de Negócios

Fonte: NIT (Acessar arquivo original em PDF no Moodle)

A nexo I - Proposta Plano de Negócios Fonte: NIT (Acessar arquivo original em PDF no

Anexo 2 - Roteiro Plano de Negócios

Fonte: NIT

(Acessar arquivo original no Moodle)

1. Sumário Executivo

Objetivos

Missão

Fatores-Chave de Sucesso

2. Sumário da Empresa

2.1 Composição da Sociedade

Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades de cada um no negócio (área técnica, comercial, administrativo-financeiro, etc).

2.2 Instalações

3. PRODUTOS E SERVIÇOS

3.1 Descrição dos Produtos ou Serviços

Relacione os produtos/serviços que serão oferecidos pela empresa e suas características.

3.2 Vantagens e Diferencial Competitivo

Deixe bem claro suas vantagens e benefícios. Cite aspectos que levarão o consumidor a escolher o seu produto/serviço, em vez de outros disponíveis no mercado. Deve-se aqui, estabelecer áreas de diferenciação. Liste as vantagens de seu produto em relação aos concorrentes, tais como patente, registro de marca, exclusividade, etc. Se no final, chegar à conclusão que a vantagem está do outro lado, registre modificações que serão feitas para reverter este quadro. Lembre-se: o seu produto/serviço deve ser melhor do que os dos outros.

3.3 Operações

Como serão feitas as várias atividades do negócio, descrevendo, etapa por etapa, como se dará a fabricação dos produtos, a venda de mercadorias, a prestação dos serviços e, até mesmo, as rotinas administrativas.

Que trabalhos serão realizados?

Quais serão os responsáveis?

Quais são os principais materiais e equipamentos necessários?

Qual é a tecnologia/ metodologia de produção?

Você domina esta tecnologia?

Precisará de parceiros estratégicos?

Quem podem ser seus parceiros?

Estime a capacidade de atendimento no primeiro ano de atividade. Por exemplo, número de unidades produzidas ou vendidas (produto) ou volume de atendimento (serviços).

4. ANÁLISE DE MERCADO

4.1 Segmentação de mercado

Qual o seu mercado potencial?

Mercado potencial significa identificar seu público principal para quem você pretende produzir, vender, prestar serviços, etc. (região, sexo, costumes, estilo de vida, renda). Esta análise pode ser estendida para que tipo de empresa (porte, ramo de atuação, nível de faturamento, comércio, indústria), pode ser atendida pelo produto/serviço. Deve-se priorizar os mercados identificados.

Se pessoas físicas:

Qual a faixa etária? Na maioria são homens ou mulheres? Têm família grande ou pequena? Qual é o seu trabalho? Quanto ganham? Qual é a sua escolaridade? Onde moram?

Se pessoas jurídicas (outras empresas) Em que ramo atuam? Que tipo de produtos ou serviços oferecem? Quantos empregados possuem? Há quanto tempo estão no mercado? Possuem filial? Onde? Têm uma boa imagem no mercado?

Se pessoas jurídicas (outras empresas) Em que ramo atuam? Que tipo de produtos ou serviços oferecem? Quantos empregados possuem? Há quanto tempo estão no mercado? Possuem filial? Onde? Têm uma boa imagem no mercado?

Comportamento dos clientes (interesses e o que os levam a comprar)

Com que frequência compra esse tipo de produto ou serviço? Onde costumam comprar? O que os fazem escolher um produto/serviço em detrimento de outros?

Dimensione seu mercado principal.

As informações quanto ao raio de atuação da empresa, tamanho de mercado, número de clientes/clientes potenciais dentre outras variáveis, podem ser obtidas através da consulta em bancos de dados, de censos econômicos e demográficos, publicações especializadas do setor, associações comerciais e de classes, sindicatos, órgãos do governo federal, estadual e municipal, com os concorrentes ou ainda em pesquisas de mercado junto ao mercado-alvo.

4.2 Necessidades, Tendências e Crescimento do Mercado

Analise as tendências do mercado, quais são as estimativas de crescimento para os próximos anos, se há barreiras de entrada para novos concorrentes, se os preços tendem

a cair em função da maior concorrência, se você pode manter a vantagem competitiva

de sua inovação ao longo do tempo. Consulte publicações especializadas do setor,

pesquisas, etc.

4.3 Análise das necessidades/expectativas do cliente

O

que o cliente valoriza?

O

preço?

A

qualidade dos produtos e/ou serviços?

A

marca?

O

prazo de entrega?

O

prazo de pagamento?

O

atendimento da empresa?

A

tecnologia?

5. ESTRATÉGIA E IMPLEMENTAÇÃO

5.1 Posicionamento

A estratégia pode ser baseada em preço competitivo, atendimento de um nicho de mercado não atraente para grandes empresas, serviços diferenciados, qualidade superior, flexibilidade e proximidade com cliente, tecnologia superior, velocidade de entrega, etc.

Quais são as vantagens competitivas que o seu produto/serviço oferece?

5.2 Estratégia de Marketing

Estratégia de Preço

Precifica em função do mercado (acima, abaixo, na média) ou com base em margem sobre custo. Preço único ou variável por tamanho do pedido, cliente, etc. Se produto, vende por unidade, por lote. Se serviço, por hora, por projeto

Estratégia de Distribuição

Como seus produtos e/ou serviços chegarão até os seus clientes. A empresa pode adotar uma série de canais, fazer acordo com distribuidores, atacadistas, varejistas, ou pode vender direto para o consumidor final.

Estratégia de Promoção

Propaganda em rádio, jornais,e revistas, internet; Amostras grátis; Mala direta, folhetos e cartões de visita; Catálogos; Brindes e sorteios; Descontos (de acordo com os volumes comprados); Participação em feiras e eventos; Panfletos e Volantes; Publicação em revistas especializadas;

ATENÇÃO - Marca: antes de definir nome e a logomarca, faça uma consulta junto ao INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, para certificar-

se de que poderá fazer uso de ambos. (www.inpi.gov.br).

5.3 Estratégia de Vendas

Como seus produtos e/ou serviços chegarão até os seus clientes?.

O primeiro foco é vender para que tipo de cliente? (distribuidor, atacadistas, grandes

redes varejistas, grandes empresas, pequenas empresas, consumidor final de tal perfil, etc).

Qual é o principal canal para isso? (vendedores internos e externos, representantes, vender por internet, etc)

6. Pessoas

6.1 Equipe própria de gestão

É necessário que você faça uma projeção de todo o pessoal que necessitará para que o

negócio funcione. Esse item inclui o(s) sócio(s), familiares que trabalharão na empresa,

se for o caso, e as pessoas a serem contratadas.

Procure, no início, minimizara contratação de pessoas externas, dando preferência à terceirização ou a colaboradores eventuais ou por tarefa.

Só incorpore novos funcionários na medida em que haja estabilidade de vendas e necessidade comprovada.

6.2 Necessidades adicionais e serviços terceirizados

Descreva os serviços terceirizados, incluindo mão de obra temporária ou por tarefa.

Em caso de mão de obra altamente especializada e cara, avalie se é possível fazer parcerias, para minimizar o custo, particularmente no início do empreendimento.

6.3

Projeções de custos operacionais em pessoal

Os custos com mão de obra própria e terceirizada são normalmente os principais custos operacionais de uma empresa de serviços.

principais custos operacionais de uma empresa de serviços. 7. PLANO FINANCEIRO 7.1 Hipóteses preliminares Preço de

7. PLANO FINANCEIRO

7.1 Hipóteses preliminares

Preço de Venda: esta talvez seja uma das tarefas mais difíceis de um novo negócio, principalmente se você ainda não iniciou as atividades. Uma forma de estimar o quanto

a empresa deverá faturar por mês é multiplicar a quantidade de produtos a serem oferecidos pelo seu preço de venda, baseado nas informações de mercado.

Para isso, considere:

O preço praticado pelos concorrentes diretos;

Quanto os seus potenciais clientes estão dispostos a pagar.

As previsões de vendas devem ser baseadas na avaliação do potencial do mercado em que você irá atuar e na sua capacidade de produção.

Faça suas estimativas de faturamento considerando se há sazonalidade no seu ramo, isto

é, se existem épocas em que as vendas aumentam ou diminuem, como no Natal ou nas

férias escolares.

Nota-se que, ao estimar as suas vendas, foi considerado o preço de mercado. Porém, é necessário você saber que existem outros meios para se precificar um produto.

Pode-se citar, como exemplo, o preço de venda calculado com base nos custos da empresa.

Custos Fixos:

Os custos fixos são todos os gastos que não se alteram em função do volume de produção . ou da quantidade vendida em um determinado período.

Por exemplo, imagine que, em um determinado mês, uma empresa venda uma quantidade pequena de itens. Ainda assim, terá que arcar com as despesas de aluguel, energia, os salários, etc.

Esses valores são considerados custos fixos porque devem ser pagos, normalmente, mesmo que a empresa não fature.

Custos com Materiais e /ou Insumos:

Calcule o custo com materiais (matéria-prima + embalagem) para cada unidade fabricada. Essa informação é importante, caso deseje abrir uma indústria.

Os gastos com matéria-prima e embalagem são classificados como custos variáveis numa empresa industrial, assim como as mercadorias, nas atividades comerciais. Como o próprio nome diz, variam (aumentam ou diminuem) de acordo com o volume produzido ou vendido.

7.2 Necessidades de Capital e Fontes de Captação

Fontes de Captação Recursos Próprios Recursos providos pela Universidade: Recurso de Terceiros: 1. Projeção de

Fontes de Captação Recursos Próprios Recursos providos pela Universidade:

Recurso de Terceiros:

1. Projeção de Lucros e Perdas

Captação Recursos Próprios Recursos providos pela Universidade: Recurso de Terceiros: 1. Projeção de Lucros e Perdas
7.4 Indicadores Financeiros

7.4 Indicadores Financeiros

7.4 Indicadores Financeiros