Você está na página 1de 292

Rosicler Martins Rodrigues

EU
M RO Cristina Astolfi Carvalho
LiV de Francisco Martins Garcia

CIÊNCIAS, HISTÓRIA
E GEOGRAFIA
2º-
ANO

ENSINO
F U N DA M E N TA L
CIÊNCIAS,
H I S TÓ R I A E
GEOGR AFIA
MEURO
LiV de
CIÊNCIAS, HISTÓRIA
E GEOGRAFIA

2º-
ANO
ENSINO
F U N DA M E N TA L
CIÊNCIAS,
H I S TÓ R I A E
GEOGR AFIA

Cristina Astolfi Carvalho


Licenciada em História pelo Instituto de História da Universidade de São Paulo.
Professora de História do Ensino Fundamental e do Ensino Médio na rede
particular do estado de São Paulo.

Francisco Martins Garcia


Bacharel e licenciado em Geografia pela Universidade de São Paulo.
Autor de livros didáticos e paradidáticos para o Ensino Fundamental e Médio.

Rosicler Martins de Almeida Rodrigues


Bacharel e licenciada em Ciências e Biologia pela Universidade de São Paulo.
Autora de livros didáticos e paradidáticos para o Ensino Fundamental e Médio.

1ª- edição
São Paulo
2017
Título original: Meu Livro de Ciências, História e Geografia – Volume 2
© Editora AJS Ltda, 2017

Editores: Arnaldo Saraiva e Joaquim Saraiva


APRESENTAÇÃO
Direção editorial: Antonio Nicolau Youssef
Equipe de Colaboradores: Roberta Lombardi Martins,
Márcia Mendonça, Jordana Thadei, Monique Mattos,
Conceição Longo, Daniel Ribeiro, Yara Najman,
QUERIDO ALUNO,
Cândido Grangeiro, Tania Regina Zieglitz, Rosana Biani
Coordenação editorial: Ana Cristina Mendes Perfetti
ESTE LIVRO É SEU. FIZEMOS CADA
Manual do Professor: Cultura Escrita PÁGINA COM MUITO CARINHO PARA
Edição de arte: Flávio Nigro, Jorge Okura VOCÊ APRENDER COMO É A NATUREZA
Pesquisa iconográfica: Cláudio Perez E COMO AS PESSOAS VIVEM EM
Lincenciamentos: Paula Claro
Editoração eletrônica: Alfredo P. Santana, Juliana Cristina Silva,
SOCIEDADE.
Alan P. Santana, Flávio Balmant, Nelson Arruda,
Thiago Oliver, Marcos Dorado dos Santos, NESTAS PÁGINAS VOCÊ ENCONTRARÁ
Selma Barbosa Celestino ATIVIDADES ILUSTRADAS COM DESENHOS
Revisão desta edição: Carla Cássia Camargo,
Renata Tavares, Sâmia Rios, Cristiane Santos Mansor,
E FOTOGRAFIAS, HISTÓRIAS EM
Edna Gonçalves Luna, Maria Inez de Souza, QUADRINHOS, CHARGES, CRUZADINHAS,
Fernanda Rizzo Sanchez
Ilustrações: Adolar de Paula Mendes Filho, Alex Argozino,
DIAGRAMAS, LABIRINTOS E MUITAS
Jótah, Roberto Weigand, Osvaldo Sequetin, OUTRAS MANEIRAS QUE CRIAMOS PARA
Dawidson França, Giz de Cera, Fernanda Rinzler,
Maspi, Jorge Honda, All Maps VOCÊ APRENDER COM PRAZER.
Capa: Flávio Nigro
Ilustração de capa: Adolar de Paula Mendes Filho
VOCÊ VAI LER TEXTOS, TABELAS,
FOTOGRAFIAS, MAPAS E TROCAR IDEIAS
COM OS COLEGAS PARA RESPONDER AS
QUESTÕES. VAI MONTAR EXPERIMENTOS,
FAZER PESQUISAS, COMUNICAR O QUE
DESCOBRIU.
ILUSTRAÇÕES: ADOLAR

ESPERAMOS QUE VOCÊ APROVEITE


MUITO TUDO QUE APRENDER.

Em respeito ao meio ambiente, as folhas deste livro


foram produzidas com fibras obtidas de árvores de
florestas plantadas, com origem certificada.

Editora AJS Ltda. – Todos os direitos reservados


Endereço: R. Xavantes, 719, sl. 632
Brás – São Paulo – SP
CEP: 03027-000
Telefone: (011) 2081-4677
E-mail: editora@editoraajs.com.br
CONHEÇA SEU LIVRO
ABERTURA DE UNIDADE - ESTE LIVRO TEM QUATRO UNIDADES E CADA
UMA TRAZ UMA ABERTURA COM PERGUNTAS PARA VOCÊ RESPONDER E
DESCOBRIR COM SEUS COLEGAS O QUE SABE SOBRE ALGUNS ASSUNTOS
E O QUE AINDA VAI APRENDER. DEPOIS DE ESTUDAR A UNIDADE, VOLTE
PARA ESSA ABERTURA PARA CONFERIR O QUE APRENDEU.

VAMOS CONVERSAR
A CADA ABERTURA DE UM NOVO TEMA, VOCÊ VAI
CONVERSAR COM OS COLEGAS E O PROFESSOR PARA TROCAR
IDEIAS. ISSO É MUITO IMPORTANTE, POIS ESSA TROCA DE IDEIAS
PERMITE COMPARAR OPINIÕES E PERCEBER O QUE TODOS
SABEM E O QUE AINDA VÃO DESCOBRIR.

O QUE ESTUDAMOS
NESTA SEÇÃO VOCÊ VAI ENCONTRAR UM
RESUMO DO QUE FOI ENSINADO. ASSIM,
PODERÁ PENSAR: SERÁ QUE APRENDI
TUDO? O QUE AINDA NÃO SEI?
OFICINA
AS OFICINAS SÃO ATIVIDADES EM QUE
VOCÊ VAI MONTAR EXPERIMENTOS,
FAZER UMA ENTREVISTA, OBSERVAR
O LUGAR ONDE VIVE, PLANEJAR
E MONTAR UM MURAL, FAZER
UMA LINHA DO TEMPO E OUTRAS
ATIVIDADES QUE AJUDAM A APRENDER
MELHOR E MAIS DEPRESSA.

ATIVIDADE INTEGR ADOR A


NA ATIVIDADE INTEGRADORA VOCÊ VAI APRENDER
COMO É A NATUREZA E COMO SÃO AS PESSOAS.
APRENDERÁ TAMBÉM A ESCREVER E A LER MELHOR,
CONHECER A NATUREZA E O QUE FAZEM AS
PESSOAS. CADA ATIVIDADE INTEGRADORA SOMA
CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA,
CIÊNCIAS DA NATUREZA E CIÊNCIAS HUMANAS.

SUGE S TÕE S DE LE ITUR A


NESTA SEÇÃO VOCÊ VAI ENCONTRAR UM PEQUENO RESUMO
E A IMAGEM DA CAPA DE VÁRIOS LIVROS QUE TRATAM DE
TEMAS ABORDADOS NA UNIDADE. MUITOS LIVROS SUGERIDOS
VOCÊ VAI ENCONTRAR NA BIBLIOTECA DA SUA ESCOLA.

NAVEGANDO
PROCURE NESTA SEÇÃO AS SUGESTÕES DE VÍDEOS
DISPONÍVEIS NA INTERNET QUE VOCÊ PODERÁ ASSISTIR EM
CASA, APRENDENDO E SE DIVERTINDO AO MESMO TEMPO.
ELES FORAM CRIADOS ESPECIALMENTE PARA QUEM ESTÁ
NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL.
SUMÁRIO
UNIDADE 1 - NÓS E O AMBIENTE. . . . . . . . . . . . . . 8
DO QUE PRECISAMOS PARA VIVER . . . . 10
ALIMENTOS E OBJETOS . . . . . . . . . . . 10
> COLETAR E CAÇAR
> PLANTAR E CRIAR
> PRODUZIR OBJETOS
DIFERENTES MODOS DE VIVER . . . . . . . . 24
> MUITOS JEITOS DE BRINCAR E SE VESTIR
> JEITOS DE PESCAR
> CADA LUGAR TEM SEUS COSTUMES

OS MATERIAIS QUE USAMOS . . . . . . . . 30


DO QUE SÃO FEITAS AS COISAS . . . . . . . 30
> CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS
> CUIDADOS COM O USO DE ALGUNS MATERIAIS
EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DA NATUREZA . . . 41
> EXTRAÇÃO DE MADEIRA
> EXTRAÇÃO DE ROCHAS
> EXTRAÇÃO DO PETRÓLEO
AS TRANSFORMAÇÕES DOS MATERIAIS . . . . 49

ILUSTRAÇÕES: ADOLAR
> COMO USAMOS OS MATERIAIS

O AR, A ÁGUA E O SOLO . . . . . . . . . . . 58


AR POR TODA PARTE. . . . . . . . . . . . 58
> A PRESENÇA DO AR
> O QUE HÁ NO AR
A ÁGUA NA TERRA . . . . . . . . . . . . 70
> DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NA TERRA
> FORMAS DA ÁGUA
> A ÁGUA E OS SERES VIVOS
> OS USOS DA ÁGUA
O SOLO ONDE VIVEMOS . . . . . . . . . . 80
> O QUE É SOLO
> O SOLO FÉRTIL
> USOS DO SOLO
THIAGO OLIVEIRA

ATIVIDADE INTEGRADORA . . . . . . . . . . . 88
UNIDADE 2 - AS PAISAGENS . . . . . . . . . . . . . . . . .94
. 94
COMO SÃO AS PAISAGENS . . . . . . . . . . 96
PERCEBENDO AS PAISAGENS . . . . . . . . 96
> OS SENTIDOS E AS PAISAGENS
> ELEMENTOS DE UMA PAISAGEM
> PAISAGEM NATURAL E PAISAGEM CONSTRUÍDA
> PAISAGEM URBANA E PAISAGEM RURAL
O QUE TEM VIDA E O QUE NÃO TEM . . . . 110
> CARACTERÍSTICAS DOS SERES VIVOS
> AS PLANTAS EM NOSSA VIDA
> OS ANIMAIS

A TRANSFORMAÇÃO DAS PAISAGENS . . .128


128
O TEMPO E AS PAISAGENS . . . . . . . . 128
> COMO AS PAISAGENS SE TRANSFORMAM

A REPRESENTAÇÃO DAS PAISAGENS. . . .136


136
DIFERENTES REPRESENTAÇÕES . . . . . . . 136
> A REPRESENTAÇÃO REALISTA
> PONTOS DE VISTA
> A MAQUETE

ATIVIDADE INTEGRADORA . . . . . . . . . . 148

ILUSTRAÇÕES: ADOLAR
UNIDADE 3 - NÓS E O TEMPO . . . . . . . . . . . . . . . 154
O PASSADO, O PRESENTE E O FUTURO . .156
O TEMPO PASSA . . . . . . . . . . . . 156
> OS ACONTECIMENTOS E O TEMPO
> BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS DO PASSADO
NOSSOS ANTEPASSADOS . . . . . . . . . 164
> O QUE HERDAMOS DOS ANTEPASSADOS
> GUARDANDO A MEMÓRIA
O TRABALHO E O FUTURO . . . . . . . . 172
> O QUE SER QUANDO CRESCER
> AS FORMAS DE TRABALHO
> O TRABALHO E O MEIO AMBIENTE
MEDIDAS DO TEMPO . . . . . . . . . . . . .178
COMO MEDIMOS O TEMPO . . . . . . . . 178
> O DIA E A NOITE
> AS HORAS E OS MINUTOS
> A AGENDA DO DIA
> O CALENDÁRIO

ATIVIDADE INTEGRADORA . . . . . . . . . . 208

UNIDADE 4 - LUGARES ONDE VIVEMOS . . . . . . . . 214


O BAIRRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .216
NOSSA RUA, NOSSO BAIRRO. . . . . . . . 216
> NOSSA RUA
> NOSSO BAIRRO
AS VIAS PÚBLICAS . . . . . . . . . . . . 229
> COMO SÃO AS VIAS PÚBLICAS
> CUIDADOS EM VIAS PÚBLICAS
> AS MANIFESTAÇÕES POPULARES
TRANSPORTE E COMUNICAÇÃO . . . . . . 243
> MEIOS DE TRANSPORTE
> OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

CONHECENDO MELHOR O BAIRRO . . . .248


O QUE TEM EM UM BAIRRO . . . . . . . 248
> TIPOS DE INSTALAÇÕES NOS BAIRROS
> CADA UM NO SEU TRABALHO
> PESSOAS DE OUTROS LUGARES
> COMO SE LOCALIZAR NO BAIRRO
A TRANSFORMAÇÃO DO BAIRRO. . . . . . 269
> COMO OS BAIRROS SE TRANSFORMAM

ATIVIDADE INTEGRADORA . . . . . . . . . . 276


NAVEGANDO . . . . . . . . . . . . . . . . 282
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS . . . . . . . . 284
1 NÓS E O
UNIDADE

AMBIENTE
TUDO O QUE PRECISAMOS PARA VIVER
ENCONTRAMOS NA NATUREZA. É DELA
QUE OBTEMOS RECURSOS ENERGÉTICOS,
ÁGUA, ALIMENTOS E MATERIAIS PARA A
CONSTRUÇÃO DE DIVERSOS OBJETOS E
TAMBÉM DAS CIDADES ONDE VIVEMOS.

AGRICULTURA

8 OITO
ATMOSFERA

EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO

1. IDENTIFIQUE DIFERENTES AMBIENTES NA IMAGEM DESTA PÁGINA.

2. QUAIS AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE ELES?

3. A AGRICULTURA E O PETRÓLEO SÃO FONTES DE QUAIS RECURSOS?

NOVE 9
DO QUE PRECISAMOS PARA VIVER

ALIMENTOS E OBJETOS
ATUALMENTE FAZEM PARTE DA NOSSA VIDA MUITOS OBJETOS E
UMA GRANDE VARIEDADE DE ALIMENTOS. ISSO SÓ É POSSÍVEL PORQUE
RETIRAMOS E TRANSFORMAMOS DIFERENTES MATERIAIS DA NATUREZA,
CULTIVAMOS VEGETAIS E CRIAMOS ANIMAIS. COMO TUDO COMEÇOU?
NO INÍCIO DA FORMAÇÃO DA HUMANIDADE, OS SERES HUMANOS
PRODUZIAM POUCOS OBJETOS E ELES ERAM FEITOS DE POUCOS MATERIAIS.
NESSE TEMPO NÃO SE PLANTAVA, NEM SE CRIAVA ANIMAIS PARA A
ALIMENTAÇÃO.
O.SEQUETIN

REPRESENTAÇÃO DE UM GRUPO DE SERES HUMANOS QUE VIVEU HÁ MUITO TEMPO.

VAMOS CONVERSAR
DO QUE VOCÊ ACHA QUE OS SERES HUMANOS PRECISAM PARA VIVER?

10 DEZ
COLETAR E CAÇAR
1. A ILUSTRAÇÃO REPRESENTA OUTRO GRUPO DE PESSOAS QUE VIVEU HÁ
MUITO TEMPO.

O.SEQUETIN
GRUPO DE SERES HUMANOS DO PASSADO DISTANTE.

TROQUE IDEIAS COM SEUS COLEGAS E O PROFESSOR.


A) O QUE ESSAS PESSOAS ESTÃO FAZENDO?

B) COMO AS PESSOAS CONSEGUIAM COMIDA?

2. USE A PRIMEIRA LETRA DO NOME DE CADA OBJETO E DESCUBRA


UMA ATIVIDADE QUE AS PESSOAS DAQUELE TEMPO FAZIAM PARA
CONSEGUIR ALIMENTO.
ILUSTRAÇÕES: ADOLAR
ADOLAR

ONZE 11
OS SERES HUMANOS SEMPRE VIVERAM EM GRUPOS. POR MUITOS E
MUITOS ANOS, ESSES GRUPOS ERAM PEQUENOS E SE DESLOCAVAM DE
UM LUGAR PARA OUTRO EM BUSCA DE ALIMENTOS. COLETAVAM FRUTOS
E MEL, CAÇAVAM E PESCAVAM. QUANDO OS ALIMENTOS DE UM LOCAL
DIMINUÍAM, BUSCAVAM OUTRO LOCAL PARA VIVER.
3. OBSERVE A ILUSTRAÇÃO.
O.SEQUETIN

REPRESENTAÇÃO DE UM GRUPO DE PESSOAS MONTANDO UM ACAMPAMENTO.

A) ASSINALE QUAIS MATERIAIS DA NATUREZA VOCÊ ACHA QUE ELES


USAVAM PARA FAZER OS ABRIGOS ONDE DORMIAM.

GALHOS. PELES E COURO.

B) ASSINALE QUAIS MATERIAIS VOCÊ ACHA QUE ELES USAVAM PARA


FAZER ROUPAS.

PELES E COURO. TECIDOS.

12 DOZE
NESSE TEMPO, ALGUNS CAÇADORES COMEÇARAM A CRIAR FILHOTES DE
LOBO. JÁ SABEMOS QUE OS LOBOS ORIGINARAM OS CÃES.
4. OBSERVE A IMAGEM.
O.SEQUETIN

REPRESENTAÇÃO
ARTÍSTICA DE
UMA CAÇADA
COM UM CÃO.

CONVERSE COM SEUS COLEGAS E O PROFESSOR PARA RESPONDER A


ESTA QUESTÃO.
 COMO OS CÃES AJUDAVAM AS PESSOAS?
ENQUANTO COLHIAM VEGETAIS, AS PESSOAS OBSERVAVAM QUE AS
SEMENTES GERMINAVAM NA TERRA QUANDO CHOVIA.
KALCUTTA/SHUTTERSTOCK

SEMENTES DE TRIGO
GERMINANDO NO
SOLO ÚMIDO.

5. TROQUE IDEIAS COM SEUS COLEGAS E O PROFESSOR.


A) O QUE AS SEMENTES FORMAM QUANDO GERMINAM?

B) QUE IDEIA VOCÊ ACHA QUE TIVERAM AS PESSOAS DAQUELE TEMPO


AO OBSERVAREM A GERMINAÇÃO DAS SEMENTES?

TREZE 13
PLANTAR E CRIAR
VENDO AS SEMENTES GERMINAREM, AS PESSOAS FORAM APRENDENDO
A ENTERRAR AS SEMENTES DAS PLANTAS DO LUGAR ONDE VIVIAM.
CONFORME O TEMPO FOI PASSANDO, AS PESSOAS CONTINUARAM A SE
DESLOCAR DE UM LUGAR PARA OUTRO E A CULTIVAR PLANTAS DIFERENTES.
ISARA KAENLA/SHUTTERSTOCK

PLANTAÇÃO DE
CANA-DE-AÇÚCAR.
ESSA PLANTA COMEÇOU
A SER CULTIVADA NA
NOVA GUINÉ.
SMEREKA/SHUTTERSTOCK

PLANTAÇÃO DE MILHO.
ESSA PLANTA COMEÇOU
A SER CULTIVADA NO
MÉXICO.

ALÉM DE CULTIVAREM AS PLANTAS, OS GRUPOS HUMANOS


COMEÇARAM A CRIAR ANIMAIS. OS BOIS FORAM DOMESTICADOS ANTES
DAS GALINHAS E PERUS.
COM O PASSAR DO TEMPO, MUITOS POVOS SE TORNARAM
AGRICULTORES E CRIADORES DE ANIMAIS. O MODO DE VIDA MUDOU.

14 CATORZE
6. OBSERVE A IMAGEM E CONVERSE COM SEUS COLEGAS.

O.SEQUETIN
REPRESENTAÇÃO DE UM GRUPO HUMANO QUE CULTIVAVA VEGETAIS E CRIAVA ANIMAIS.

A) QUAIS MATERIAIS ELES JÁ PODIAM USAR?

B) VOCÊ ACHA QUE O GRUPO DE PESSOAS SE FIXAVA NUM MESMO


LUGAR OU CONTINUAVA MUDANDO? JUSTIFIQUE SUA RESPOSTA.

C) VOCÊ ACHA QUE ELES CONTINUARAM CAÇANDO E PESCANDO?


JUSTIFIQUE SUA RESPOSTA.

QUINZE 15
PRODUZIR OBJETOS
OS PRIMEIROS OBJETOS QUE OS SERES HUMANOS PRODUZIRAM FORAM
OS INSTRUMENTOS FEITOS COM PEDRA, COMO MACHADOS, FACAS E
AGULHAS DE PEDRA.
7. OBSERVE A IMAGEM E RESPONDA:
O.SEQUETIN

REPRESENTAÇÃO DE
PESSOAS QUE VIVERAM
HÁ MUITOS E MUITOS
ANOS FAZENDO
INSTRUMENTOS DE
PEDRA MADEIRA E
OSSOS.

A) PARA QUE AS PESSOAS DESSE TEMPO USAVAM OS MACHADOS DE


PEDRA?

B) PARA QUE VOCÊ ACHA QUE USAVAM AS FACAS E AS AGULHAS


DE PEDRA?

C) PARA QUE VOCÊ ACHA QUE USAVAM AS LANÇAS E FLECHAS?

EXISTEM MUITAS PROVAS DE QUE OS SERES HUMANOS DESSE TEMPO


SABIAM COMO FAZER E CONTROLAR O FOGO. ESSA FOI UMA DAS MAIS
IMPORTANTES CONQUISTAS DOS SERES HUMANOS E TORNOU A VIDA
MAIS FÁCIL.
8. EM SUA OPINIÃO, POR QUE CONTROLAR O FOGO TORNOU A VIDA DOS
SERES HUMANOS MAIS FÁCIL? DISCUTA COM SEUS COLEGAS.

16 DEZESSEIS
O BARRO ENDURECE NO FOGO E SE TORNA RESISTENTE. UTILIZANDO O
BARRO, OS SERES HUMANOS FIZERAM PANELAS E POTES.
9. OBSERVE NA ILUSTRAÇÃO QUE UM HOMEM ESTÁ FAZENDO UMA
PANELA UTILIZANDO O BARRO.
O.SEQUETIN

HOMEM FAZENDO
PANELA DE BARRO,
DOIS MENINOS
ACENDENDO
UMA FOGUEIRA
E UMA MULHER
CARREGANDO ÁGUA
EM POTES.

CONVERSE COM SEUS COLEGAS.


 FAZER PANELAS E POTES DE BARRO FOI IMPORTANTE PARA A
SOBREVIVÊNCIA DAS PESSOAS DAQUELE TEMPO?
A CANOA É UMA OUTRA INVENÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. O
DOMÍNIO DO FOGO TAMBÉM FOI IMPORTANTE PARA FAZER CANOAS.
10. ESTA ILUSTRAÇÃO MOSTRA UM HOMEM QUEIMANDO O INTERIOR DE
UM TRONCO PARA FAZER UMA CANOA.
O.SEQUETIN

HOMEM FAZENDO
UMA CANOA.

CONVERSE COM SEUS COLEGAS.


A) COMO SE SUPÕE QUE AS CANOAS ERAM FEITAS?

B) EM SUA OPINIÃO, POR QUE AS CANOAS ERAM IMPORTANTES?

DEZESSETE 17
A RODA INICIALMENTE ERA FEITA DE PEDRA. ELA FOI MUDANDO AO
LONGO DO TEMPO COM O USO DE DIFERENTES MATERIAIS.
11. LIGUE CADA RODA AO MATERIAL DO QUAL ELA É FEITA.
JAMES STEIDL/SHUTTERSTOCK

MADEIRA BORRACHA
PEDRA
E FERRO E AÇO

ANTES DA INVENÇÃO DA LÂMPADA ELÉTRICA, OS SERES HUMANOS


UTILIZAVAM O FOGO PARA ILUMINAR OS AMBIENTES.
JANEK SERGEJEV/SHUTTERSTOCK

EDU LYRA/PULSAR IMAGENS

ALAMY/FOTOARENA

TOCHA LAMPARINA VELA

12. RELACIONE AS DUAS COLUNAS PARA MOSTRAR O QUE QUEIMA EM


CADA OBJETO.

TOCHA PAVIO NA PARAFINA

LAMPARINA GORDURA NO PANO

VELA PAVIO NO QUEROSENE

18 DEZOITO
AS PLANTAS E OS ANIMAIS GARANTEM A ALIMENTAÇÃO DOS
GRUPOS HUMANOS. ALÉM DE COMIDA, OS SERES HUMANOS PRECISAM
DE MATERIAIS PARA FAZER INSTRUMENTOS, FERRAMENTAS, UTENSÍLIOS
DE COZINHA, MÓVEIS, AUTOMÓVEIS E OUTROS OBJETOS.
13. OBSERVE OS OBJETOS REPRESENTADOS NESTA PINTURA.

INSTITUTO DE ARTES DE CHICAGO/DOMÍNIO PÚBLICO


VAN GOGH, VINCENT. QUARTO EM ARLES. 1889. ÓLEO SOBRE TELA, 73,6 cm X 92,3 cm.

CONVERSE COM SEUS COLEGAS E PROCURE RESPONDER AS QUESTÕES


A SEGUIR.
A) ESCREVA O NOME DE QUATRO OBJETOS REPRESENTADOS NESSA
PINTURA.

B) QUAIS MATERIAIS VOCÊ ACHA QUE FORAM USADOS PARA FAZER


ESSES OBJETOS?

C) VOCÊ CONHECE A ORIGEM DE ALGUM DESSES MATERIAIS NA


NATUREZA?

DEZENOVE 19
14. OBSERVE AS FOTOGRAFIAS E LEIA AS LEGENDAS.
FOTOS: FABIO COLOMBINI

RETIRADA DE TERRA PARA PRODUZIR BARRO SENDO SOCADO E TIJOLOS


TIJOLOS. SECANDO NA OLARIA.

COMPLETE O TEXTO COM AS PALAVRAS DO QUADRO.

BARRO TIJOLO OLARIA FORMA

A TERRA É RETIRADA DO BARRANCO E LEVADA PARA A .

O OLEIRO MOLHA A TERRA PARA FORMAR O .

DEPOIS ELE SOCA O BARRO NA PARA FAZER


O , QUE É POSTO PARA SECAR AO SOL.

O ALUMÍNIO É EXTRAÍDO DE UMA ROCHA QUE TEM O NOME DE BAUXITA.


15. OBSERVE AS FOTOGRAFIAS.

ZIG KOCH/NATUREZA BRASILEIRA


TELIA/
SHUTTERSTOCK

TELIA/SHUTTERSTOCK

BAUXITA.
CRISTI180884/
SHUTTERSTOCK

NA MARGEM DO RIO TROMBETAS, NO PARÁ, SE


CANECA DE
EXTRAI A BAUXITA, QUE CONTÉM O ALUMÍNIO
ALUMÍNIO.
USADO PARA FAZER CANECAS E OUTROS OBJETOS.

 QUE MATERIAL FOI USADO PARA FAZER A CANECA?

20 VINTE
AS ÁRVORES SÃO RECURSOS NATURAIS USADOS PARA SE OBTER
MADEIRA. A MADEIRA É UMA DAS MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS PARA
FAZER MÓVEIS.
A PRODUÇÃO DE MÓVEIS COMEÇA COM O CORTE DAS ÁRVORES E O
TRANSPORTE DOS TRONCOS PARA A SERRARIA. NELA, OS TRONCOS SÃO
CORTADOS EM TÁBUAS, QUE SÃO VENDIDAS PARA AS INDÚSTRIAS DE MÓVEIS.
DIVERSAS FLORESTAS BRASILEIRAS SÃO PROTEGIDAS E NELAS NÃO SE
PODE CORTAR AS ÁRVORES. A MADEIRA UTILIZADA PARA FAZER MÓVEIS
VEM DE ÁRVORES PLANTADAS PARA ESSE FIM.
16. COLOQUE NA ORDEM CORRETA A SEQUÊNCIA DE FOTOS QUE MOSTRA A
EXPLORAÇÃO DAS ÁRVORES PARA A PRODUÇÃO DE TÁBUAS.

GENKUR/SHUTTERSTOCK

IIIPHEVGENIY/SHUTTERSTOCK
BRETT JORGENSEN/SHUTTERSTOCK

JIM PARKIN/SHUTTERSTOCK

VINTE E UM 21
17. DESENHE UM BRINQUEDO QUE VOCÊ FARIA COM MADEIRA.

A GASOLINA E O ÓLEO DIESEL SÃO COMBUSTÍVEIS OBTIDOS DO


PETRÓLEO. O PETRÓLEO É UM RECURSO NATURAL EXTRAÍDO DO SUBSOLO.
OS PLÁSTICOS TAMBÉM SÃO OBTIDOS DO PETRÓLEO.
TTSTUDIO/SHUTTERSTOCK

EYEIDEA/SHUTTERSTOCK

A GASOLINA E O ÓLEO DIESEL MOVEM PLATAFORMA MARINHA DE EXTRAÇÃO


OS AUTOMÓVEIS E OS CAMINHÕES. DE PETRÓLEO.

18. ESCREVA TRÊS OBJETOS QUE SÃO FEITOS DE PLÁSTICO.

22 VINTE E DOIS
19. COMPLETE A TABELA ESCREVENDO O NOME DAS MATÉRIAS-PRIMAS E
DE ONDE ELAS FORAM RETIRADAS.
DE ONDE É
OBJETO MATÉRIA-PRIMA RETIRADA

CADEIRA
FFOLAS/SHUTTERSTOCK

WK1003MIKE/
SHUTTERSTOCK

KPBOONJIT/
SHUTTERSTOCK
DE ÁRVORE
MADEIRA
MADEIRA
WINDU/SHUTTERSTOCK

TIJOLO
DE BARRO
VITALII HULAI/
SHUTTERSTOCK

LATA DE ROCHA
ALUMÍNIO (BAUXITA)

BRINQUEDO
ELENA NOEVA/
SHUTTERSTOCK

DE PLÁSTICO

O QUE ESTUDAMOS
DURANTE MILHARES DE ANOS, OS SERES HUMANOS CAÇARAM,
COLETARAM VEGETAIS E PESCARAM PARA SE ALIMENTAR E ANDAVAM
DE UM LUGAR PARA OUTRO EM BUSCA DE ALIMENTOS.
DEPOIS DE SE TORNAREM AGRICULTORES E CRIADORES DE
ANIMAIS, OS SERES HUMANOS COMEÇARAM A VIVER MAIS TEMPO
NO MESMO LUGAR. A PARTIR DAÍ, PASSARAM A USAR CADA VEZ
MAIS OS RECURSOS DA NATUREZA.

VINTE E TRÊS 23
DIFERENTES MODOS DE VIVER
OS SERES HUMANOS SE DISTRIBUEM POR QUASE TODO O PLANETA.
ELES VIVEM EM LUGARES FRIOS E EM LUGARES QUENTES, EM LUGARES
MONTANHOSOS E NA BEIRA DO MAR. VIVEM TAMBÉM EM LUGARES ONDE
HÁ MUITA VEGETAÇÃO E ONDE QUASE NÃO HÁ VEGETAÇÃO ALGUMA.
RICARDO AZOURY/PULSAR IMAGENS

BAIRRO DE IPANEMA, NO RIO DE JANEIRO, RJ, 2016.


EDSON SATO/PULSAR IMAGENS

VISTA AÉREA DE UMA ALDEIA YANOMAMI, NA AMAZÔNIA, RR, 2012.

VAMOS CONVERSAR
EM SUA OPINIÃO, QUAIS AS DIFERENÇAS ENTRE VIVER NA CIDADE
E VIVER NA FLORESTA?

24 VINTE E QUATRO
MUITOS JEITOS DE BRINCAR E SE VESTIR
AS CRIANÇAS QUE VIVEM EM LUGARES ONDE CAI NEVE TÊM
BRINCADEIRAS DIFERENTES DAQUELAS QUE VIVEM PRÓXIMAS AO MAR,
À BEIRA DE UM RIO OU EM REGIÕES MONTANHOSAS.
1. OBSERVE AS CRIANÇAS BRINCANDO EM DIFERENTES LUGARES.

GETTY IMAGES/ISTOCKPHOTO

ZE ZUPPANI/PULSAR IMAGENS
CRIANÇAS BRINCANDO NA NEVE NA CRIANÇAS BRINCANDO NO MAR EM
ÁUSTRIA, 2015. BERTIOGA, SP, 2016.
FABIO COLOMBINI

ALAMY/FOTOARENA

CRIANÇAS INDÍGENAS BRINCANDO CRIANÇAS BRINCANDO NAS


NO RIO DA ALDEIA ROUXINOL, EM MONTANHAS DO NEPAL, 2013.
MANAUS, AM, 2008.

 CONVERSE COM UM COLEGA SOBRE O LUGAR ONDE ELE COSTUMA


BRINCAR. COMPARE A RESPOSTA DELE COM O LUGAR ONDE VOCÊ
COSTUMA BRINCAR. ESCREVA O NOME DESSE LUGAR.

VINTE E CINCO 25
2. OBSERVE COMO SE VESTEM AS CRIANÇAS QUE VIVEM EM LUGARES
DE CLIMAS BEM DIFERENTES.
ALAMY/FOTOARENA

KARAMYSH/SHUTTERSTOCK
CRIANÇAS DO ALASCA, ONDE FAZ MUITO FRIO. ESTADOS UNIDOS, 2017.
ARTUSH/SHUTTERSTOCK

OLEG ZNAMENSKIY/SHUTTERSTOCK

CRIANÇAS DA NAMÍBIA, ONDE FAZ MUITO CALOR. ÁFRICA, 2017.

A) COMO SE VESTEM AS CRIANÇAS QUE VIVEM EM UM LUGAR QUENTE?

B) COMO SE VESTEM AS CRIANÇAS QUE VIVEM EM UM LUGAR FRIO?

C) COMO VOCÊ SE VESTE NO LUGAR ONDE MORA?

26 VINTE E SEIS
JEITOS DE PESCAR
3. A PINTURA ABAIXO MOSTRA UM MENINO E UM HOMEM PESCANDO
NO RIO QUE PASSA PERTO DA CASA ONDE ELES MORAM.
RÔMULO FIALDINI/TEMPO COMPOSTO/COLEÇÃO PARTICULAR

ALMEIDA JÚNIOR.
PESCANDO.
1894. ÓLEO
SOBRE TELA,
64 cm X 85 cm.

CONVERSE COM SEUS COLEGAS.


 VOCÊ ACHA QUE É FÁCIL PARA O MENINO APRENDER A PESCAR?
POR QUÊ?
4. OS CAIÇARAS VIVEM NO LITORAL DO BRASIL.
COLEÇÃO PARTICULAR

SCHIMANESKI, MARCELO.
PESCADORES. 2006.
ÓLEO SOBRE TELA,
40 cm X 50 cm.

 CONVERSE COM SEUS COLEGAS.


A) O QUE VOCÊ ACHA QUE AS CRIANÇAS CAIÇARAS APRENDEM
VIVENDO PERTO DO MAR?
B) O QUE VOCÊ ACHA QUE UM CAIÇARA PRECISA APRENDER PARA SER
PESCADOR?

VINTE E SETE 27
CADA LUGAR TEM SEUS COSTUMES
NO RIO GRANDE DO SUL ALGUNS COSTUMES SÃO COMUNS ENTRE
OS HOMENS DO CAMPO, COMO, POR EXEMPLO, TOMAR CHIMARRÃO,
COMER CHURRASCO E USAR BOMBACHA, UMA CALÇA APROPRIADA
PARA ANDAR A CAVALO.
ADRI FELDEN/ARGOSFOTO

GAÚCHOS
PREPARANDO
CHURRASCO.
VIAMÃO, RS, 2005.

5. ASSINALE A PRINCIPAL ATIVIDADE A QUE SE DEDICAM ESSES GAÚCHOS.


AGRICULTURA. CRIAÇÃO DE GADO. COMÉRCIO.

OS SERTANEJOS CRIADORES DE GADO USAM ROUPA DE COURO PARA


ENFRENTAR A VEGETAÇÃO ESPINHOSA DA MATA E A COMIDA QUE LEVAM É
CARNE SECA COM FAROFA.
ANDRE DIB/PULSAR IMAGENS

SERTANEJOS
ENTRANDO NA
MATA. SERRA
TALHADA, PE, 2014.

6. POR QUE ESSES VAQUEIROS USAM ROUPA DE COURO?

28 VINTE E OITO
OS RIBEIRINHOS VIVEM NAS MARGENS DOS RIOS DAS FLORESTAS.
ELES PESCAM, CAÇAM, CULTIVAM MANDIOCA E COLHEM FRUTOS.
MUITOS VIVEM EM CASAS DE MADEIRA CONSTRUÍDAS SOBRE
TRONCOS, CHAMADAS PALAFITAS. A MAIORIA NÃO TEM LUZ ELÉTRICA
NEM ÁGUA ENCANADA. SEUS MEIOS DE TRANSPORTE SÃO OS BARCOS
E O RIO É COMO UMA RUA.
7. OBSERVE A FOTO. POR QUE VOCÊ ACHA QUE AS PALAFITAS SÃO
CONSTRUÍDAS SOBRE TRONCOS?
ALIPIO ZAMBAO

CASA DE PALAFITAS.
MACAPÁ, AP, 2015.

8. MUITAS CRIANÇAS RIBEIRINHAS VIAJAM POR UMA HORA OU MAIS DE


BARCO PARA CHEGAR À ESCOLA. ESCREVA COMO VOCÊ VAI PARA A
ESCOLA E QUANTO TEMPO DEMORA.
ERNESTO REGHRAN/PULSAR IMAGENS

LANCHA DE TRANSPORTE
ESCOLAR. PORTO VELHO,
RO, 2009.

O QUE ESTUDAMOS
EXISTEM DIFERENTES AMBIENTES E NELES VIVEM SERES HUMANOS
QUE TÊM HÁBITOS E COSTUMES QUE VARIAM DE ACORDO COM AS
CONDIÇÕES DO AMBIENTE EM QUE VIVEM.

VINTE E NOVE 29
OS MATERIAIS QUE USAMOS

DO QUE SÃO FEITAS AS COISAS


TODAS AS CONSTRUÇÕES E TODOS OS OBJETOS SÃO FEITOS COM
DIVERSOS MATERIAIS. VEJA EXEMPLOS DE DIFERENTES MATERIAIS QUE
USAMOS PARA CONSTRUIR UMA CASA E PRODUZIR O QUE HÁ DENTRO DELA.
O. SEQUETIN

REPRESENTAÇÃO
DE UMA CASA
E DO QUE HÁ
DENTRO DELA.

ALGUNS OBJETOS QUE MATERIAIS DE


ENCONTRAMOS NAS CASAS QUE SÃO FEITOS
MÓVEIS, MOLDURAS. MADEIRA
CANOS, TORNEIRAS, FOGÃO, GELADEIRA. METAL
PISOS, ALGUNS TAMPOS DE PIA. ROCHA
JANELAS, LUSTRES, LÂMPADAS, ESPELHOS. VIDRO
LENÇÓIS, TOALHAS DE BANHO, CORTINAS. TECIDO
LIVROS, CADERNOS, PAPEL HIGIÊNICO. PAPEL
ALGUNS TIPOS DE GARRAFA E OUTROS RECIPIENTES. PLÁSTICO

VAMOS CONVERSAR
POR QUE VOCÊ ACHA QUE É NECESSÁRIO USAR MATERIAIS TÃO
DIFERENTES?

30 TRINTA
OBJETOS E SEUS MATERIAIS
UMA MORADIA E TUDO QUE HÁ DENTRO DELA SÃO FEITOS DE VÁRIOS
MATERIAIS. PARA CADA OBJETO, NÓS ESCOLHEMOS O TIPO DE MATERIAL
MAIS ADEQUADO. POR EXEMPLO, O PLÁSTICO, QUE É IMPERMEÁVEL E NÃO
DEIXA PASSAR ÁGUA, É IDEAL PARA FAZER GARRAFAS.
1. OBSERVE A ILUSTRAÇÃO.
DAWIDSON FRANÇA

EM UMA SALA DE AULA


PODEMOS IDENTIFICAR
MUITOS MATERIAIS.

TROQUE IDEIAS COM SEUS COLEGAS DE GRUPO PARA IDENTIFICAR OS


MATERIAIS DOS OBJETOS DA SALA DE AULA DA ILUSTRAÇÃO.
A) QUE OBJETOS DESSA SALA SÃO DE MADEIRA?

B) QUE OBJETOS SÃO DE PAPEL?

C) QUE OBJETOS FORAM FEITOS COM TECIDO?

TRINTA E UM 31
2. ESCREVA O NOME DE TRÊS OBJETOS QUE VOCÊ ESTÁ VENDO NA SUA
SALA DE AULA E O NOME DOS MATERIAIS DE QUE ELES FORAM FEITOS.

OBJETO 1:

OBJETO 2:

OBJETO 3:

3. AS JANELAS DAS CASAS GERALMENTE SÃO FEITAS COM MADEIRA E VIDRO.


ALAMY/FOTOARENA

MENINO
OLHANDO
PELA JANELA.

TROQUE IDEIAS COM SEUS COLEGAS DE GRUPO E RESPONDA.


 POR QUE O VIDRO É USADO PARA FAZER JANELAS?
4. ANDRÉ ENTROU NA ÁGUA COM BOTAS DE PLÁSTICO E NÃO MOLHOU
OS PÉS.
ANDREAS POERTNER/ SHUTTERSTOCK

ANDRÉ PISANDO
NA ÁGUA.

 POR QUE ELE NÃO MOLHOU OS PÉS?

32 TRINTA E DOIS
5. NO TEXTO, HÁ VÁRIOS OBJETOS FEITOS COM MATERIAIS ERRADOS.
ACOMPANHE A LEITURA E, CADA VEZ QUE VOCÊ PERCEBER QUE O OBJETO
FOI FEITO COM O MATERIAL ERRADO, FALE BEM ALTO: "ERRADO!". DEPOIS,
SUBLINHE O OBJETO E O MATERIAL DE QUE ELE FOI FEITO.

UM DIA MUITO ESTRANHO


O DESPERTADOR TOCOU E JOSÉ ACORDOU. ESTAVA ATRASADO.
TINHA DORMIDO MUITO BEM EM SEU COLCHÃO DE PEDRA. AINDA
COM SONO, ELE SE LEVANTOU, TOMOU BANHO E ENXUGOU-SE COM
UMA TOALHA DE PLÁSTICO. ESCOVOU OS DENTES COM A ESCOVA DE
CERDAS E PENTEOU-SE COM O PENTE DE OURO. VESTIU-SE, COLOCOU
OS CALÇADOS DE CRISTAL E DESCEU PARA TOMAR CAFÉ.
NA COZINHA, ESQUENTOU O LEITE NA LEITEIRA DE PANO.
DEPOIS DO CAFÉ, PEGOU A PASTA DE FERRO, A JAQUETA DE PAPEL
E SAIU PARA PEGAR O ÔNIBUS. NA RUA, OS MENINOS ESTAVAM
JOGANDO FUTEBOL COM UMA BOLA DE BARRO. ENTROU NO
ÔNIBUS E SATISFEITO DA VIDA, ELE NEM PERCEBEU QUE MUITAS
COISAS ESTAVAM ERRADAS.
CENTRO DE ENSINO DE CIÊNCIAS. OS MATERIAIS. SÃO PAULO: MEC, 1980.

 PARA CADA OBJETO SUBLINHADO, ESCREVA O MATERIAL ADEQUADO.


INDIQUE, TAMBÉM, AS CARACTERÍSTICAS DESSE MATERIAL.
NOME DO OBJETO MATERIAIS ADEQUADOS CARACTERÍSTICAS

TRINTA E TRÊS 33
6. OBSERVE AS FOTOGRAFIAS.
DJEM/SHUTTERSTOCK

EINAR MUONI/SHUTTERSTOCK
O SERROTE CORTA A MADEIRA. A TESOURA CORTA O PAPEL.

TROQUE IDEIAS COM SEUS COLEGAS E PROFESSOR.


A) QUE MATERIAL É MAIS DURO: O METAL DO SERROTE OU A MADEIRA
DA TÁBUA? JUSTIFIQUE.

B) QUE MATERIAL É MAIS DURO: O METAL DA TESOURA OU O PAPEL?


JUSTIFIQUE.

C) NUMERE DE 1 A 4 OS MATERIAIS NA ORDEM DO MAIS DURO PARA O


MENOS DURO.

METAL DO SERROTE. METAL DA TESOURA.

PAPEL. MADEIRA.

7. OBSERVE QUE O GRAFITE RISCA O PAPEL.


HXDBZXY/SHUTTERSTOCK

PONTA DE LÁPIS
COM GRAFITE
RISCANDO O PAPEL.

34 TRINTA E QUATRO
 QUAL MATERIAL É MAIS DURO: O PAPEL OU O GRAFITE?

8. PARA FAZER UMA PANELA DE BARRO, O OLEIRO MOLDA O BARRO COM


AS MÃOS. DEPOIS, PÕE A PANELA PARA SECAR NO FOGO. O BARRO
SECA, ENDURECE E FORMA OUTRO MATERIAL: A CERÂMICA.

MARCO ANTONIO SÁ/PULSAR IMAGENS


FABIO COLOMBINI

O BARRO É MOLDADO NA FORMA O BARRO SECA NO FOGO E SE


DE PANELA. TRANSFORMA EM CERÂMICA.

A) ASSINALE AS CARACTERÍSTICAS QUE FAZEM DO BARRO UM


MATERIAL ADEQUADO PARA SE FAZER PANELAS.

ENDURECE DEPOIS QUE SECA.

PODE SER MOLDADO.

FORMA A CERÂMICA, MATERIAL RESISTENTE AO FOGO.

B) ASSINALE AS CARACTERÍSTICAS QUE FAZEM DO ALUMÍNIO UM


MATERIAL ADEQUADO PARA FAZER PANELAS.

É RESISTENTE AO CALOR. TEM BRILHO.

ESQUENTA DEPRESSA. DEMORA PARA ESQUENTAR.

TRINTA E CINCO 35
9. OBSERVE OS MATERIAIS QUE FORAM USADOS PARA FAZER AS PANELAS.
ULGA/SHUTTERSTOCK

KONDOR83/SHUTTERSTOCK
PANELA DE ALUMÍNIO. FRIGIDEIRA DE FERRO.
ROGERIO REIS/PULSAR IMAGENS

ARTESANATO BRASART

PANELA DE BARRO. PANELA DE PEDRA.

A) ASSINALE OUTRO MATERIAL QUE USAMOS PARA FAZER PANELAS.

PLÁSTICO PAPEL AÇO

MADEIRA COURO

B) ASSINALE AS CARACTERÍSTICAS QUE O MATERIAL USADO PARA


FAZER PANELAS PRECISA TER.
ESQUENTAR BEM. SER LEVE.

NÃO QUEIMAR NO FOGO. SER TRANSPARENTE.

NÃO TRINCAR COM O CALOR.

36 TRINTA E SEIS
10. JUNTO COM UM COLEGA, FAÇA UMA LEITURA DA TABELA.

MATERIAL COMO É ESSE MATERIAL


COURO É IMPERMEÁVEL AO VENTO, PODE SER COSTURADO.
PLÁSTICO É IMPERMEÁVEL À ÁGUA, TOMA A FORMA QUE QUISERMOS.
BARRO PODE SER MOLDADO E RESISTE AO FOGO.
MADEIRA PODE SER FURADA, SERRADA, COLADA, LIXADA, PINTADA.
PAPEL PODE SER IMPRESSO COM TINTA.
AÇO É DURO E RESISTENTE. QUANDO AFIADO, É CORTANTE.
FIBRA
PODE SER TRANÇADA E É RESISTENTE.
VEGETAL
PAPELÃO É LEVE, RESISTENTE, PODE SER IMPRESSO COM TINTA.
TECIDO PODE SER CORTADO E COSTURADO.
ALUMÍNIO RESISTE AO FOGO, NÃO ENFERRUJA.
VIDRO QUANDO TRANSPARENTE, DEIXA PASSAR A LUZ.

 CONVERSEM SOBRE O QUE LERAM E ESCREVAM O NOME DE MATERIAIS


QUE PODEM SER USADOS PARA FAZER OS OBJETOS A SEGUIR.

SAPATO:

LIVRO:

PREGO:

CESTO:

RÉGUA:

FACA:

PANELA:

EMBALAGEM:

GARRAFA:

TRINTA E SETE 37
OFICINA
IDENTIFICANDO OS OBJETOS E DO QUE SÃO FEITOS
CADA ALUNO DEVE TRAZER CINCO OBJETOS PEQUENOS QUE
PREFERIR DENTRO DE UM SAQUINHO DE PAPEL. POR EXEMPLO:
(1) CLIPE, (2) BORRACHA, (3) GRAMPO DE CABELO, (4) BOLINHA DE GUDE,
(5) LIXA DE UNHA, (6) BOTÃO, (7) TAMPINHA, (8) PINÇA, (9) DADO,
(10) AMPA DE CANETA, (11) MOEDA, (12) PEDRINHA, (13) CHAVE.
THIAGO OLIVER

6 7
1

2 11 8
4 12

3 9
10

13 5

PEQUENOS OBJETOS DE MATERIAIS VARIADOS.

VOCÊ VAI FAZER ESTA ATIVIDADE COM UM COLEGA.


1. COLOQUE A MÃO NO SAQUINHO QUE O COLEGA TROUXE. SEGURE
UM OBJETO E TENTE IDENTIFICAR PELO TATO QUE OBJETO VOCÊ ESTÁ
SEGURANDO E DE QUE MATERIAL OU MATERIAIS ELE É FEITO.
2. TIRE O OBJETO DO SAQUINHO E OBSERVE COMO ELE É E DO QUE É FEITO.
3. ESCOLHA UM OBJETO DO SEU SAQUINHO, MAS NÃO CONTE AO COLEGA
QUAL É. PEÇA PARA SEU COLEGA FAZER PERGUNTAS SOBRE O OBJETO.
VOCÊ SÓ PODE RESPONDER SIM OU NÃO.
SE O COLEGA IDENTIFICAR O OBJETO E O MATERIAL DE QUE ELE É FEITO,
TIRE O OBJETO DO SAQUINHO.
4. DESCREVA UM OBJETO DO SEU SAQUINHO SEM DIZER O NOME OU PARA
QUE SERVE.
5. AGORA, VOCÊ É QUE VAI ADIVINHAR QUE OBJETOS SEU COLEGA
TROUXE E DE QUE MATERIAIS ELES SÃO FEITOS.

38 TRINTA E OITO
CUIDADOS COM O USO DE ALGUNS MATERIAIS
OBSERVE ALGUNS MATERIAIS PERIGOSOS QUE PODEM CAUSAR ACIDENTES.

ILUSTRAÇÕES: ADOLAR
FÓSFORO ACESO. VELA ACESA.

PANELAS QUENTES. ÁLCOOL PERTO DO FOGO.

FOGUEIRA ACESA. FOGOS DE ARTIFÍCIO.

11. TROQUE IDEIAS COM OS COLEGAS DE SEU GRUPO PARA FAZER


ESTA ATIVIDADE.
A) CONVERSEM SOBRE O QUE SE DEVE FAZER PARA EVITAR INCÊNDIOS E
QUEIMADURAS QUE PODEM SER CAUSADAS NESSAS SITUAÇÕES.
B) CONTEM AOS COLEGAS DA CLASSE O QUE CONCLUÍRAM PARA QUE
SEJAM FEITAS REGRAS COLETIVAS PARA TODOS.

TRINTA E NOVE 39
AS TOMADAS QUE FICAM PERTO DO CHÃO SÃO PERIGOSAS PARA AS
CRIANÇAS PEQUENAS. ELAS DEVEM SER FECHADAS COM UM PROTETOR.
THIAGO OLIVER

THIAGO OLIVER
ADULTO COLOCANDO PROTETOR TOMADA FECHADA COM PROTETOR.
DE TOMADA.

12. A TESOURA COM PONTA É PERIGOSA PORQUE PODE FURAR A PELE.


GABOR NEMES/KINO

CRIANÇA USANDO
TESOURA SEM PONTA.

 QUE TIPO DE TESOURA AS CRIANÇAS DEVEM USAR?

O QUE ESTUDAMOS
PARA FAZER OS OBJETOS, USAMOS DIVERSOS MATERIAIS. ESSES
MATERIAIS DIFEREM UNS DOS OUTROS. ELES SÃO ESCOLHIDOS DE
ACORDO COM AS CARACTERÍSTICAS QUE TÊM.
PRECISAMOS TER CUIDADO COM O USO DE ALGUNS MATERIAIS
PARA EVITAR ACIDENTES.

40 QUARENTA
EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DA NATUREZA
OS INDÍGENAS BRASILEIROS PRODUZEM OBJETOS COM MATERIAIS QUE
RETIRAM DA NATUREZA. USAM A MADEIRA DAS ÁRVORES PARA FAZER
BANCOS. RETIRAM AS FIBRAS DAS PLANTAS PARA FAZER CESTOS, ESTEIRAS
E REDES. RETIRAM DO SOLO O BARRO PARA FAZER CERÂMICA E TERRA DE
CORES DIFERENTES PARA FAZER TINTAS. COM AS PENAS DAS AVES, FAZEM
COCARES E COLARES.

K/PULSA R IMAGENS
1 2

S 3 CARLOS TERRAN A/KINO 4 LUCIOL A ZVARIC


COCAR DE PENAS DO POVO CESTARIA DO POVO
KARAJÁ, ARUANA, GO, 2015. BANIWA, AM, 2015.

1 JACEK/K INO 2 ISMAR INGBER /PULSAR IMAGEN


3

BANCO DE MADEIRA DO CERÂMICA DO POVO KADIWÉU,


POVO KALAPALO, MT, 2015. PORTO MARTINHO, MS, 2015.

VAMOS CONVERSAR
PARA QUE AS PESSOAS EXTRAEM MATERIAIS DA NATUREZA?

QUARENTA E UM 41
EXTRAÇÃO DE MADEIRA
OS POVOS INDÍGENAS CORTAM POUCAS ÁRVORES PARA FAZER OBJETOS.
O CORTE DE ÁRVORES PARA AS INDÚSTRIAS DE MÓVEIS, DE PAPEL E DE
OUTROS OBJETOS É CONTROLADO POR LEIS.
1. LEIA O ARTIGO 39 DA LEI QUE PROÍBE:

ART. 39. CORTAR ÁRVORES EM FLORESTA


CONSIDERADA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE,
SEM PERMISSÃO DA AUTORIDADE COMPETENTE:
PENA – DETENÇÃO, DE UM A TRÊS
ANOS, OU MULTA, OU AMBAS AS PENAS
CUMULATIVAMENTE.
LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. CAPÍTULO V. DOS CRIMES
CONTRA O MEIO AMBIENTE, SEÇÃO II. DOS CRIMES CONTRA A FLORA.

TROQUE IDEIAS COM SEUS COLEGAS E RESPONDA.


 O QUE VOCÊS ACHAM QUE É UMA ÁREA DE PRESERVAÇÃO?
2. OBSERVE O DESMATAMENTO QUE ACONTECEU EM UMA ÁREA DE
PRESERVAÇÃO EM RONDÔNIA, O ESTADO EM QUE HOUVE O MAIOR
CORTE DE ÁRVORES EM 2016.
COLLART HERVÉ

DESMATAMENTO
EM PORTO VELHO,
RO, 2016.

 QUE PENA A LEI DETERMINA PARA ESSE CRIME AMBIENTAL?

42 QUARENTA E DOIS
A EXTRAÇÃO DE MADEIRA É FEITA PARA AS CONSTRUÇÕES E PARA
FAZER PAPEL E CARVÃO. A MAIORIA DAS ÁRVORES CORTADAS PARA ESSAS
FINALIDADES SÃO CULTIVADAS NAS ÁREAS DE REFLORESTAMENTO.
AS ÁRVORES DE REFLORESTAMENTO SÃO EUCALIPTOS E PINHEIROS.
QUANDO AS ÁRVORES SÃO CORTADAS, NOVAS ÁRVORES SÃO PLANTADAS
NO LUGAR DELAS.
3. COMPARE UMA ÁREA DE REFLORESTAMENTO COM UMA ÁREA DE FLORESTA.
WERNER RUDHART/KINO

REFLORESTAMENTO
DE EUCALIPTOS
PARA PRODUÇÃO
DE PAPEL. ITAÚNAS,
ES, 2015.
RICARDO TELES

FLORESTA
AMAZÔNICA.
PARAUAPEBAS,
PA, 2017.

CONVERSE COM SEUS COLEGAS.


A) UMA ÁREA DE REFLORESTAMENTO É PARECIDA COM UMA ÁREA DE
FLORESTA NATURAL? QUAIS SÃO AS DIFERENÇAS ENTRE ELAS?
B) QUE BENEFÍCIO O REFLORESTAMENTO TRAZ PARA A NATUREZA?

QUARENTA E TRÊS 43
EXTRAÇÃO DE ROCHAS
ENCONTRADAS NO SOLO E NO SUBSOLO DA SUPERFÍCIE DA TERRA. ELAS
SÃO DE MUITOS TIPOS. VEJA ALGUNS EXEMPLOS.
FOTOS: FABIO COLOMBINI

QUARTZO. PIRITA.

HEMATITA. GRANITO.

O GRANITO É UMA ROCHA USADA PARA VÁRIAS FINALIDADES.


VEJA ALGUMAS:
ACERVO PINACOTECA DO ESTADO

FABIO COLOMBINI

ATLETA EM DESCANSO, 1945. FERRI, JOÃO BATISTA. GRANITO EM UMA


ESCULTURA EM GRANITO ROSA, 88 cm X 125 cm X 70 cm. PIA DE COZINHA.

44 QUARENTA E QUATRO
MUITAS ROCHAS SÃO EXTRAÍDAS DA NATUREZA E USADAS TAL COMO
SÃO, COMO, POR EXEMPLO, O GRANITO.
AS ROCHAS DE ONDE SE EXTRAI FERRO, ALUMÍNIO E OUTROS METAIS
SÃO CHAMADAS DE MINÉRIOS. UM EXEMPLO É O MINÉRIO DE FERRO.
OBSERVE AS FOTOGRAFIAS. ELAS MOSTRAM LOCAIS ONDE HÁ
EXTRAÇÃO DE ROCHAS E MINÉRIOS DO SUBSOLO.
UBIRAJARA MACHADO/OLHAR IMAGEM

EXTRAÇÃO DE GRANITO EM COCALZINHO, GO, 2011.


T PHOTOGRAPHY/SHUTTERSTOCK

EXTRAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO. CARAJÁS, PA, 2011.

4. PARA EXTRAIR MINÉRIOS DO SUBSOLO, AS MINERADORAS USAM


UTILIZAM DIVERSOS MATERIAIS E MÁQUINAS ESCAVADEIRAS QUE
CAUSAM UM GRANDE PREJUÍZO AO AMBIENTE.
 O QUE VOCÊ ACHA QUE ACONTECEU COM A VEGETAÇÃO QUE
COBRIA ESSES LUGARES?

QUARENTA E CINCO 45
O OURO É UM METAL ENCONTRADO NA ÁGUA E NO SUBSOLO. SUA
EXTRAÇÃO É FEITA POR GARIMPEIROS OU FAISCADORES. ELES PROCURAM
OURO USANDO A BATEIA. A EXTRAÇÃO DO OURO TAMBÉM É FEITA POR
EMPRESAS MINERADORAS, MAS ELAS USAM MÁQUINAS.
COLEÇÃO PARTICULAR

PORTINARI, CANDIDO.
FAISCADORES DE OURO. 1938.
PINTURA EM AQUARELA,
41 cm X 38,5 cm.

5. PESQUISE NA INTERNET, EM LIVROS OU PERGUNTE A UM ADULTO,


COMO SE TIRA O OURO DA ÁGUA COM O USO DA BATEIA, UTENSÍLIO
MOSTRADO NA PINTURA. CONTE PARA OS COLEGAS O QUE DESCOBRIU.
O ALUMÍNIO É UM METAL EXTRAÍDO DA BAUXITA. VEJA O ESQUEMA DE
EXTRAÇÃO DESSE MINÉRIO.

BAUXITA

ESTOCAGEM
MASPI

LAVRA TRANSPORTE LAMA


LAVAGEM
E BRITAGEM RESERVATÓRIO

A BAUXITA É COBERTA POR UMA CAMADA DE VÁRIOS METROS DE


ROCHAS E ARGILA, A QUAL TEM DE SER REMOVIDA PARA QUE ELA POSSA
SER EXTRAÍDA. ESSA É A FASE DE LAVRA.
A SEGUIR, A BAUXITA É TRANSPORTADA PARA A USINA, ONDE É LAVADA
E BRITADA, OU SEJA, MOÍDA. SÓ DEPOIS É TRANSPORTADA PARA O REFINO.
A LAMA DA LAVAGEM VAI PARA UM RESERVATÓRIO.

46 QUARENTA E SEIS
A FUNÇÃO DO RESERVATÓRIO É EVITAR QUE A LAMA SEJA LANÇADA
NO AMBIENTE, O QUE PROVOCARIA ENORMES DANOS AOS ANIMAIS, À
VEGETAÇÃO E AOS SERES HUMANOS QUE VIVEM NA REGIÃO DE ONDE
SE EXTRAI O MINÉRIO.

O DESASTRE AMBIENTAL EM MARIANA


NO DIA 5 DE NOVEMBRO DE 2015, NO MUNICÍPIO DE
MARIANA, MINAS GERAIS, ACONTECEU O MAIOR DESASTRE
AMBIENTAL DA HISTÓRIA DO NOSSO PAÍS: O RESERVATÓRIO DE
REJEITOS DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO SE ROMPEU,
POIS ESTAVA SUPERLOTADO. OS RESÍDUOS COM LAMA, METAIS
E OUTROS MATERIAIS SOTERRARAM CASAS E PESSOAS,
CHEGARAM AO RIO DOCE E SEUS CÓRREGOS MATANDO AS
MATAS À BEIRA DO RIO, PEIXES E OUTROS ANIMAIS.
DEPOIS DE DEZESSEIS DIAS, OS RESÍDUOS BARRENTOS
CHEGARAM AO MAR NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CAUSANDO
A MORTE DE ANIMAIS MARINHOS. SERÃO NECESSÁRIOS MUITOS
ANOS E GRANDES AÇÕES DE RECONSTRUÇÃO PARA RECUPERAR O
PREJUÍZO CAUSADO NA REGIÃO.

CORPO DE BOMBEIROS/MG - DIVULGAÇÃO

VISTA AÉREA DA BARRAGEM QUE SE ROMPEU NO DISTRITO DE BENTO


RODRIGUES, ZONA RURAL A 23 QUILÔMETROS DE MARIANA, MG, 2015.

QUARENTA E SETE 47
EXTRAÇÃO DO PETRÓLEO
O PETRÓLEO É BOMBEADO DO SUBSOLO PARA A SUPERFÍCIE NAS
PLATAFORMAS MARINHAS E NAS REFINARIAS. DELE SÃO RETIRADOS
MUITOS MATERIAIS, COMO A GASOLINA, O QUEROSENE E PLÁSTICOS.
LUCA ATALLA/PULSAR IMAGENS

DELFIM MARTINS/PULSAR IMAGENS

PLATAFORMA DE EXTRAÇÃO DE REFINARIA PRESIDENTE BERNARDES.


PETRÓLEO NA BAÍA DE GUANABARA, CUBATÃO, SP, 2013.
RJ, 2016.

6. O PETRÓLEO É UM LÍQUIDO NEGRO, PEGAJOSO E OLEOSO. TROQUE


IDEIAS COM SEUS COLEGAS DE GRUPO E ESCREVA QUAIS SERIAM
AS CONSEQUÊNCIAS DE UM ACIDENTE QUE OCORRESSE EM UMA
PLATAFORMA OU EM UM NAVIO QUE TRANSPORTASSE PETRÓLEO.

O QUE ESTUDAMOS
OS MATERIAIS QUE USAMOS PARA PRODUZIR OS OBJETOS VÊM DA
NATUREZA. ALGUNS SÃO APROVEITADOS SEM NENHUMA ALTERAÇÃO
OU TRANSFORMAÇÃO, COMO A MADEIRA E O OURO. JÁ OUTROS
MATERIAIS, COMO OS MINÉRIOS E O PETRÓLEO, PASSAM POR
TRANSFORMAÇÕES E ORIGINAM OUTROS TIPOS DE MATERIAIS.

48 QUARENTA E OITO
AS TRANSFORMAÇÕES DOS MATERIAIS
PARA FAZER OBJETOS NÓS TRANSFORMAMOS OS MATERIAIS. VEJA O
EXEMPLO DA TRANSFORMAÇÃO DA MADEIRA PARA FAZER OS LÁPIS.

O. SEQUETIN
ETAPAS 1 A 4: AS ÁRVORES SÃO CULTIVADAS ATÉ TEREM 4 METROS DE
ALTURA.
ETAPAS 5 E 6: ELAS SÃO CORTADAS E OS TRONCOS SÃO TRANSPORTADOS
EM CAMINHÕES.
ETAPAS 7 E 8: OS TRONCOS SÃO CORTADOS EM TÁBUAS.
ETAPA 9: AS TÁBUAS SÃO CORTADAS EM TÁBUAS MENORES, QUE RECEBEM
UM TRATAMENTO DE SECAGEM E FICAM ARMAZENADAS
DURANTE 60 DIAS.
ETAPAS 10 E 11: AS TÁBUAS SÃO ESCAVADAS. NO SULCO DE CADA UMA SE
COLOCA O GRAFITE. SOBRE ELA, É COLADA OUTRA TÁBUA.
ETAPA 12: OS LÁPIS SÃO ENVERNIZADOS, APONTADOS E EMBALADOS.

VAMOS CONVERSAR
QUE MATERIAIS VOCÊ CONHECE QUE PODEM SER
TRANSFORMADOS PARA SE PRODUZIR OBJETOS?

QUARENTA E NOVE 49
COMO USAMOS OS MATERIAIS
A MAIORIA DOS MATERIAIS QUE RETIRAMOS DA NATUREZA PASSAM
POR ALGUM TIPO DE TRANSFORMAÇÃO PARA SEREM USADOS.
1. RELACIONE AS PARTES DA CASA DE PAU A PIQUE E OS MATERIAIS
RETIRADOS DA NATUREZA.
CESAR DINIZ/PULSAR IMAGENS

CASA DE PAU A
PIQUE COM TELHADO
DE FOLHAS DE
PALMEIRA BABAÇU.
CAXIAS, MA, 2014.

TETO DA CASA BARRO E MADEIRA

PAREDE DA CASA FOLHAS DE PALMEIRAS E GALHOS

2. OBSERVE A PAREDE DE UMA CASA DE PAU A PIQUE.


CESAR DINIZ/PULSAR IMAGENS

PAREDE DA
CASA DE PAU A
PIQUE. CAXIAS,
MA, 2014.

A) COMPLETE AS FRASES COM AS PALAVRAS QUE FALTAM.

 A ARMAÇÃO DA PAREDE É FEITA DE .

 A ARMAÇÃO DA PAREDE É PREENCHIDA COM .

50 CINQUENTA
3. VEJA NA FOTOGRAFIA INDÍGENAS DO POVO YAWALAPITI CONSTRUINDO
O TETO DAS MORADIAS ONDE VIVEM. MAIS AO LONGE, VEMOS OCAS
JÁ PRONTAS.
RENATO SOARES/PULSAR IMAGENS

A ALDEIA YAWALAPITI NO
MUNICÍPIO DE GAÚCHA DO
NORTE, MT, 2013.

 ASSINALE COM X ONDE ESSE POVO INDÍGENA ENCONTRA O


MATERIAL QUE USA PARA FAZER SUAS CASAS.
NA CASA DE MATERIAL
NO SOLO DA FLORESTA.
DE CONSTRUÇÃO.

NAS ÁRVORES DA FLORESTA. NO MERCADO.

4. ESTA PINTURA FOI FEITA POR UM VIAJANTE ALEMÃO QUE ESTEVE NO


BRASIL HÁ MUITOS ANOS. ELA MOSTRA UMA CASA DE PAU A PIQUE E
SEUS MORADORES.
BIBLIOTECA NACIONAL; RIO DE JANEIRO

RUGENDAS, JOHANN
MORITZ. CASA DE NEGROS.
1835. LITOGRAFIA SOBRE
PAPEL (S/D).

 COMPARE ESSA CASA COM A DA PÁGINA ANTERIOR. ELAS


SÃO PARECIDAS?

CINQUENTA E UM 51
MUITOS MATERIAIS RETIRADOS DA NATUREZA SÃO TRANSFORMADOS
PARA SEREM USADOS. O COURO DO BOI, POR EXEMPLO, É TRATADO PARA
FICAR MACIO. DEPOIS É CORTADO, COSTURADO E COLADO PARA SE FAZER
MALAS, SAPATOS, CINTOS. DIZEMOS, ENTÃO, QUE O COURO DO BOI É
MATÉRIA-PRIMA DE ORIGEM ANIMAL.
5. LEIA A TABELA.

MATERIAL
ORIGEM OBJETO
TRANSFORMADO

GROMOVATAYA / DEPOSIT PHOTOS /


GLOW IMAGES

PHOTODISC
DR.PAS / DEPOSIT PHOTOS
/ GLOW IMAGES

ANIMAL: BOI. COURO DO BOI MALA DE COURO


RICHARD PETERSON/SHUTTERSTOCK

AMBIENT IDEAS/
SHUTTERSTOCK
TT ER STOCK
VA LZ AN /SHU

VEGETAL: TRONCOS CARRINHO DE


DE ÁRVORE. TÁBUA BRINQUEDO
CK
E R S TO
HUT T
MARCELCLEMENS/SHUTTERSTOCK

N A /S
NA AN
BA N A
SKYLINES/SHUTTERSTOCK

MINERAL: OURO. BARRA DE OURO ANEL

CONVERSE COM SEUS COLEGAS.


A) QUE MATERIAL É MATÉRIA-PRIMA PARA FAZER A MALA, O CARRINHO
E O ANEL?
B) O COURO É DE ORIGEM ANIMAL. QUAL A ORIGEM DAS OUTRAS
MATÉRIAS-PRIMAS?

52 CINQUENTA E DOIS
6. ANTÔNIO FAZ TIJOLOS DE BARRO.
FOTOS: FABIO COLOMBINI

TERRA E ÁGUA FORMAM O


BARRO. ESTA MATÉRIA-PRIMA
É COLOCADA EM FORMAS.
DELA SAEM OS TIJOLOS, QUE
SÃO POSTOS PARA SECAR.

 QUAL É A MATÉRIA-PRIMA USADA NA PRODUÇÃO DESSES TIJOLOS?

7. PARA FAZER A ARMAÇÃO DE UM TELHADO, USAMOS VIGAS. OBSERVE AS


TRANSFORMAÇÕES.

BRIAN BALSTER/SHUTTERSTOCK
MIKHAIL OLYKAINEN/SHUTTERSTOCK

ÁRVORE SENDO SERRADA. TRONCOS EMPILHADOS.


SMEREKA/SHUTTERSTOCK

STOCK PHOTOS/LATINSTOCK

VIGAS FEITAS DOS TRONCOS. TELHADO FEITO DE VIGAS.


 DESCREVA A SEQUÊNCIA MOSTRADA NAS FOTOGRAFIAS.

CINQUENTA E TRÊS 53
8. HÁ MATERIAIS QUE PASSAM POR MUITAS TRANSFORMAÇÕES DESDE QUE
SÃO RETIRADOS DA NATUREZA. VEJA O EXEMPLO DO ALGODÃO, QUE É
UTILIZADO PARA A PRODUÇÃO DE TECIDOS.
MEXRIX/SHUTTERSTOCK

STOCK PHOTOS/LATINSTOCK
A FLOR DO ALGODOEIRO AS FIBRAS DA FLOR SÃO
É COLHIDA. FIADAS E TINGIDAS.
HUMANNET/SHUTTERSTOCK

THIDAPHON TAOHA/SHUTTERSTOCK

STOCK PHOTOS/LATINSTOCK
O TECIDO É USADO
OS FIOS SÃO TECIDOS NO TEAR. TECIDO PRONTO. PARA FAZER O VESTIDO.

A) NUMERE A SEQUÊNCIA DAS TRANSFORMAÇÕES QUE OCORREM


DESDE A COLHEITA DA FLOR DO ALGODOEIRO.
OS FIOS SÃO TINGIDOS.

A FLOR DO ALGODOEIRO SERÁ USADA PARA PRODUZIR O FIO.

O TECIDO É CORTADO E COSTURADO PARA FAZER O VESTIDO.

OS FIOS SÃO TRANÇADOS NO TEAR PARA PRODUZIR O TECIDO.

B) QUAL É A ORIGEM DESSE TIPO DE TECIDO?

54 CINQUENTA E QUATRO
O PELO DAS OVELHAS É A MATÉRIA-PRIMA UTILIZADA PARA FAZER A LÃ.
PORTANTO, A LÃ TEM ORIGEM ANIMAL.
9. O NOVELO DE LÃ FOI PARA LONGE. AJUDE O GATINHO A ACHAR O NOVELO.

J. HONDA
10. ESCREVA O NOME DE CADA BRINCADEIRA. DEPOIS
DIGA DE QUAL MATERIAL OS OBJETOS QUE ELAS USAM
SÃO FEITOS.

ILUSTRAÇÕES: J. HONDA
C

R R N H N

CINQUENTA E CINCO 55
O FERRO E O ALUMÍNIO SÃO RETIRADOS DE SEUS MINÉRIOS POR MEIO
DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATÉ A OBTENÇÃO DO FERRO E DO ALUMÍNIO
LÍQUIDO. ELES ESFRIAM E FORMAM BARRAS QUE TÊM VÁRIAS FINALIDADES.
LEVENT KONUK/
SHUTTERSTOCK

TELIA/
SHUTTERSTOCK
HEMATITA: MINÉRIO DE FERRO. BAUXITA: MINÉRIO DE ALUMÍNIO.
JUCA MARTINS/PULSAR IMAGENS

GETTY IMAGES/ISTOCKPHOTO

FERRO LÍQUIDO. ALUMÍNIO LÍQUIDO.

11. LIGUE CADA OBJETO AO SEU MATERIAL.


PICSFIVE/SHUTTERSTOCK
ALESSANDRO PAIVA/
FREEIMAGES

STOCK PHOTOS/
LATINSTOCK

TECIDO ALUMÍNIO VIDRO

12. AS GARRAFAS PET SÃO FEITAS DE UM TIPO DE PLÁSTICO.


BELCHONOCK / DEPOSIT PHOTOS /
GLOW IMAGES

GARRAFAS
PET.

 QUAL A ORIGEM DO MATERIAL USADO PARA FAZER AS GARRAFAS PET?

56 CINQUENTA E SEIS
VIDRO: UM MATERIAL MUITO ANTIGO
NÃO SE SABE COM CERTEZA COMO O SER HUMANO DESCOBRIU
O VIDRO, MAS HÁ ESTUDIOSOS QUE SUPÕEM QUE A DESCOBERTA FOI
POR ACASO. VEJA COMO PODE TER ACONTECIDO.
HÁ MUITO TEMPO ALGUNS PESCADORES EMPILHARAM LENHA
NA AREIA DA PRAIA PARA ASSAR PEIXES E SE AQUECEREM. NO DIA
SEGUINTE, AO MEXER NAS CINZAS, TIVERAM UMA SURPRESA: LÁ
ESTAVA UMA PLACA FINA E TRANSPARENTE. PEGARAM A PLACA COM
CUIDADO, MAS ELA SE QUEBROU, PORQUE ERA DE VIDRO.
TALVEZ TENHA SIDO DESSA MANEIRA QUE SE DESCOBRIU COMO
FAZER VIDRO: A SÍLICA DA AREIA SE MISTUROU COM O CALCÁRIO DAS
CONCHAS E TUDO DERRETEU NO CALOR DO FOGO, FORMANDO UMA
PLACA FINA E TRANSPARENTE.

13. O VIDRO É UM MATERIAL PRODUZIDO NAS INDÚSTRIAS.


A) A AREIA É UM MATERIAL NATURAL OU É PRODUZIDA NAS INDÚSTRIAS?

B) QUAL É A ORIGEM DO VIDRO: MINERAL, VEGETAL OU ANIMAL?

C) A HISTÓRIA DA DESCOBERTA DO VIDRO CONTADA ACIMA É


VERDADEIRA OU É UMA SUPOSIÇÃO?

O QUE ESTUDAMOS
NÓS RETIRAMOS MATERIAIS DA NATUREZA E TRANSFORMAMOS
ESSES MATERIAIS PARA QUE ELES POSSAM SER USADOS NA
PRODUÇÃO DE OBJETOS.
CADA MATERIAL QUE SE USA PARA PRODUZIR UM OBJETO É A
MATÉRIA-PRIMA DESSE OBJETO. HÁ MATÉRIAS-PRIMAS DE ORIGEM
ANIMAL, VEGETAL E MINERAL.

CINQUENTA E SETE 57
O AR, A ÁGUA E O SOLO

AR POR TODA PARTE


DIA BOM PARA SOLTAR PIPA É UM DIA COM VENTO. PODEMOS CORRER
SEGURANDO A LINHA, MAS O MELHOR É QUANDO UM AMIGO SEGURA A
PIPA NA ALTURA DELE ENQUANTO ESTICAMOS A LINHA. ENTÃO, ELE SOLTA
A PIPA E O AR EM MOVIMENTO LEVA A PIPA PARA O ALTO. DEPOIS, É SÓ IR
SOLTANDO A LINHA.
FAZER UMA BOA PIPA NÃO É FÁCIL, MAS É MUITO DIVERTIDO! NO
ENTANTO, DEVEMOS NOS LEMBRAR DE QUE NÃO DEVEMOS SOLTAR PIPAS
EM LOCAIS ONDE EXISTEM FIOS ELÉTRICOS. É MUITO PERIGOSO!
COLEÇÃO PARTICULAR

PORTINARI, CANDIDO.
MENINOS SOLTANDO
PIPAS. 1947. ÓLEO SOBRE
TELA, 60,5 cm X 73,5 cm.

VAMOS CONVERSAR
VOCÊ SE RECORDA DE ALGUMA SITUAÇÃO EM QUE PÔDE
PERCEBER A PRESENÇA DO AR?

58 CINQUENTA E OITO
A PRESENÇA DO AR
NÃO VEMOS O AR, MAS ELE ESTÁ POR TODA PARTE E OCUPA TODOS
OS ESPAÇOS. ELE ENTRA EM NOSSOS PULMÕES QUANDO INSPIRAMOS E
PERCEBEMOS SUA PRESENÇA AO OBSERVAR O VENTO MOVENDO COISAS
DE UM LADO PARA O OUTRO.
1. OBSERVE AS FOTOGRAFIAS.

HEMERA TECHNOLOGIES/GETTY IMAGES

GETTY IMAGES/ISTOCKPHOTO
O VENTO CARREGOU O CHAPÉU O VENTO LEVOU OS FRUTOS DO
DA MENINA. DENTE-DE-LEÃO.
ALENA OZEROVA/SHUTTERSTOCK

GETTY IMAGES/STOCKBYTE

O VENTO LEVOU AS BOLHAS O VENTO BALANÇOU A BANDEIRA.


DE SABÃO.

AGORA RESPONDA ORALMENTE.

A) COMO VOCÊ SENTE O VENTO?

B) NÃO VEMOS O VENTO, MAS SIM O QUE ELE É CAPAZ DE FAZER. VOCÊ
CONCORDA? POR QUÊ?

CINQUENTA E NOVE 59
2. EM CERTAS OCASIÕES, O AR SE MOVE COM GRANDE VELOCIDADE. O
MOVIMENTO PODE SER TÃO FORTE QUE ARRANCA ÁRVORES DO CHÃO E
DERRUBA CASAS.
MATT SLOCUM/AP PHOTO/GLOW IMAGES

GETTY IMAGES

O VENTO FORTE QUE OCORREU NO TEXAS, ESTADOS UNIDOS, EM 2008,


DERRUBOU PRATICAMENTE TODAS AS CONSTRUÇÕES DE MADEIRA.

 ASSINALE OS NOMES DADOS A ESSE VIOLENTO MOVIMENTO DO AR.

BRISA FURACÃO CICLONE

3. NA FIGURA A SEGUIR HÁ OUTRO EXEMPLO DA PRESENÇA DO AR.


CONVERSE COM SEUS COLEGAS.
 O QUE VOCÊ SUPÕE QUE TEM DENTRO DESSAS BOLHAS?
GETTY IMAGES/ISTOCKPHOTO

A MERGULHADORA
AFUNDOU E SOLTOU
O AR DOS PULMÕES.

60 SESSENTA
4. O PNEU DO CARRO MURCHOU.

ILUSTRAÇÕES: ADOLAR
A) POR QUE O PNEU MURCHOU?

B) O QUE SERÁ PRECISO FAZER PARA CONSERTAR O PNEU?

5. VEJA AS ILUSTRAÇÕES E COMPLETE AS FRASES COM AS PALAVRAS


DO QUADRO.

PULA MURCHA ROLA ESVAZIAR AR FURAR

A BEXIGA DO JOÃO ESTÁ CADA VEZ MAIS CHEIA DE .

O ESTÁ SAINDO DOS PULMÕES DO JOÃO.

SE A BEXIGA , O AR VAI SAIR DE DENTRO DELA.

SE A BEXIGA , ELA VAI FICAR .

A BOLA DA SÍLVIA ESTÁ .

SÍLVIA NÃO PODE JOGAR PORQUE UMA BOLA MURCHA NÃO


NEM .

SESSENTA E UM 61
6. O AR ESTÁ POR TODA PARTE E TEM MUITOS USOS. VEJA ALGUNS DELES.

1
JUCA MARTINS/OLHAR IMAGEM

MOINHO MOVENDO A
BOMBA DE EXTRAÇÃO
DE ÁGUA DO SUBSOLO.

2
TEBNAD/DREAMSTIME

CATA-VENTOS PRODUZINDO
ENERGIA ELÉTRICA.

3
BARTUCHNA@YAHOO.PL/SHUTTERSTOCK

JANGADAS MOVIDAS
À VELA.

4
DIRIMA/SHUTTERSTOCK

PESSOA ENCHENDO PNEU.

62 SESSENTA E DOIS
 AS FRASES A SEGUIR EXPLICAM COMO O AR AGE NA AÇÃO
MOSTRADA EM CADA FOTOGRAFIA. ESCREVA AO LADO DE CADA
FRASE O NÚMERO DA FOTOGRAFIA.

O VENTO EMPURRA A VELA DA JANGADA.


O VENTO FAZ O CATA-VENTO GIRAR. ESSE MOVIMENTO FAZ
O GERADOR DE ELETRICIDADE FUNCIONAR.
O AR MOVE O MOINHO E ACIONA A BOMBA QUE LEVA ÁGUA
PARA A CAIXA-D'ÁGUA.
O AR DO COMPRESSOR ENCHE O PNEU.

7. A BOLA MURCHOU. JOÃO ENCHEU A BOLA E ELA FICOU BOA PARA


CHUTAR. ELE APERTOU A BOLA COM O PÉ PARA TESTAR.

ADOLAR
b
a c

TROQUE IDEIAS COM SEUS COLEGAS.


A) EM QUAL SITUAÇÃO A BOLA ESTÁ COM MENOS AR DENTRO DELA: A,
B OU C?

B) QUANDO O MENINO TIRAR O PÉ DE CIMA DA BOLA, ELA FICARÁ


COMO NA CONDIÇÃO A OU B?

O QUE ESTUDAMOS
NÃO VEMOS O AR, MAS ELE ESTÁ EM TODOS OS LUGARES.
PERCEBEMOS SUA PRESENÇA PORQUE ELE PODE MOVER MUITAS
COISAS DE UM LADO PARA OUTRO. QUANDO ISSO ACONTECE EM
ALTA VELOCIDADE, O AR PODE ATÉ DESTRUIR UMA CIDADE.

SESSENTA E TRÊS 63
O QUE HÁ NO AR
O AR É UMA MISTURA DE GASES. ENTRE OS GASES QUE COMPÕEM O
AR ESTÃO O OXIGÊNIO E O GÁS CARBÔNICO. O GÁS CARBÔNICO É USADO
PELAS PLANTAS PARA PRODUZIR OS ALIMENTOS QUE ELAS PRECISAM PARA
VIVER. O OXIGÊNIO MANTÉM A VIDA DA MAIORIA DOS SERES VIVOS.
8. NOS AQUÁRIOS GERALMENTE EXISTE UM COMPRESSOR QUE JOGA AR
NA ÁGUA PARA MANTER A QUANTIDADE DE OXIGÊNIO NELA PRESENTE.
FABIO COLOMBINI

AQUÁRIO COM
COMPRESSOR
JOGANDO AR
NA ÁGUA.

 SEM OXIGÊNIO, O QUE OCORRERIA COM OS PEIXES?

9. O MERGULHADOR DA FOTOGRAFIA PODE CHEGAR A VÁRIOS METROS DE


PROFUNDIDADE E FICAR UM BOM TEMPO DEBAIXO DA ÁGUA.
ANDRE SEALE/PULSAR IMAGENS

MERGULHADOR
EXPLORANDO O
FUNDO DO MAR NO
ARQUIPÉLAGO DE SÃO
PEDRO E SÃO PAULO,
PE, 2012.

 COMO UM MERGULHADOR CONSEGUE SOBREVIVER DEBAIXO


DA ÁGUA POR LONGO TEMPO SE ELE NÃO CONSEGUE ABSORVER
OXIGÊNIO DA ÁGUA?

64 SESSENTA E QUATRO
NO AR PODEMOS ENCONTRAR POEIRA, FULIGEM, GASES QUE SAEM
DAS CHAMINÉS DAS FÁBRICAS E DOS ESCAPAMENTOS DOS VEÍCULOS.
ESSES ELEMENTOS CAUSAM A POLUIÇÃO DO AR, QUE PROVOCA MUITOS
PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS NAS PESSOAS.
CHICO MARTINS/FUTURA PRESS

ÔNIBUS SOLTANDO
FUMAÇA POLUIDORA.
SÃO BERNARDO
DO CAMPO, SP, 2012.
RUBENS CHAVES/PULSAR IMAGENS

FÁBRICA SOLTANDO
FUMAÇA.
ARARAQUARA,
SP, 2010.

10. QUANDO A POLUIÇÃO DO AR AUMENTA, O NÚMERO DE ATENDIMENTOS


NOS POSTOS DE SAÚDE TAMBÉM AUMENTA POR CAUSA DOS
PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS.
PARA COMPREENDER POR QUE ISSO ACONTECE, CADA GRUPO DA
CLASSE VAI PESQUISAR UM ASSUNTO E CONTAR PARA OS COLEGAS O
QUE DESCOBRIU. ESSA PESQUISA PODE SER FEITA EM LIVROS, JORNAIS,
REVISTAS E ATÉ NA INTERNET, COM A AJUDA DE ADULTOS.
GRUPO 1: DOENÇAS MAIS FREQUENTES NOS POSTOS DE SAÚDE
QUANDO A POLUIÇÃO DO AR AUMENTA.
GRUPO 2: O QUE SE PODE FAZER EM CASA PARA AUMENTAR A
UMIDADE DO AR.
CONTEM PARA OS COLEGAS O QUE DESCOBRIRAM.

SESSENTA E CINCO 65
O AR CONTAMINADO
OS VÍRUS QUE CAUSAM GRIPES

CDC/JAMES GATHANY
E RESFRIADOS PASSAM FACILMENTE
DE UMA PESSOA PARA OUTRA E
O MEIO DE TRANSPORTE É O AR.
SE A PESSOA GRIPADA TOSSIR
OU ESPIRRAR, GOTÍCULAS DE
SALIVA SE ESPALHAM AO SEU
REDOR E PODEM SER ASPIRADAS
POR OUTRAS PESSOAS. ASSIM,
OS VÍRUS SE ESPALHAM, MAS
NEM TODAS AS PESSOAS
CONTAMINADAS FICAM GRIPADAS, AO TOSSIR, DEVEMOS COBRIR A
BOCA COM A MÃO PARA EVITAR
POIS MUITAS SÃO RESISTENTES OU QUE AS GOTÍCULAS DE SALIVA
FORAM VACINADAS. SE ESPALHEM PELO AR.

11. JOÃO ESTÁ GRIPADO E ESPIRROU, ESPALHANDO GOTAS DE SALIVA PELO AR.
A) O QUE VOCÊ ACHA QUE GOTAS DE SALIVA PODEM TRANSMITIR?
ILUSTRAÇÕES: ADOLAR

B) PEDRO ESTAVA PERTO DO JOÃO. SERÁ QUE ELE VAI FICAR GRIPADO?

C) O QUE O JOÃO DEVERIA TER FEITO QUANDO ESPIRROU?

66 SESSENTA E SEIS
A TERRA TEM UMA CAMADA DE AR AO SEU REDOR. ESSA CAMADA
É A ATMOSFERA. CONFORME AUMENTA A ALTITUDE, O OXIGÊNIO DA
ATMOSFERA VAI DIMINUINDO, ATÉ PRATICAMENTE NÃO EXISTIR MAIS.

12. NO ESPAÇO ABAIXO, FAÇA UM DESENHO BASEADO NO SEGUINTE TEMA:

O AR É IMPORTANTE PARA O SER HUMANO

 MOSTRE SEU DESENHO PARA UM COLEGA E EXPLIQUE PARA ELE


SEU SIGNIFICADO.

O QUE ESTUDAMOS
O AR É COMPOSTO POR VÁRIOS GASES. O GÁS CARBÔNICO É
USADO PELAS PLANTAS E O OXIGÊNIO É UTILIZADO PELA MAIORIA
DOS SERES VIVOS.
O AR FORMA A ATMOSFERA, UMA CAMADA DE GASES QUE
ENVOLVE A TERRA.

SESSENTA E SETE 67
OFICINA
O AR OCUPA ESPAÇO?
PARA DESCOBRIR SE O AR OCUPA ESPAÇO, VOCÊ VAI PRECISAR
DESTES MATERIAIS.
RECIPIENTE COM ÁGUA.

THIAGO OLIVEIRA

 COPO.
 PEDAÇO DE PAPEL.
COM ESSE MATERIAL VOCÊ VAI FAZER
O QUE SE PEDE.
1. COLOQUE O PAPEL AMASSADO
NO FUNDO DO COPO, DE FORMA
QUE ELE NÃO SE SOLTE.
2. DEPOIS, VIRE O COPO E COLOQUE DENTRO DA ÁGUA NA POSIÇÃO
VERTICAL, COMO NA FOTO.
AGORA, ASSINALE O QUE VOCÊ ACHA QUE VAI ACONTECER COM O PAPEL.
A) O PAPEL VAI FICAR MOLHADO?

SIM NÃO

B) SE INCLINARMOS LIGEIRAMENTE O COPO, O PAPEL VAI FICAR MOLHADO?

SIM NÃO

PARA VERIFICAR SE AS SUAS RESPOSTAS ESTÃO CORRETAS, FAÇA O


EXPERIMENTO E RESPONDA ÀS QUESTÕES.
 O PAPEL COLOCADO DENTRO DO COPO FICOU MOLHADO? EXPLIQUE.

1. O PAPEL CONTINUOU SECO OU SE MOLHOU AO INCLINARMOS O COPO?


EXPLIQUE.

68 SESSENTA E OITO
2. VOCÊ ACHA QUE O AR OCUPA ESPAÇO? EXPLIQUE.

O FOGUETE
PARA FAZER UM FOGUETE, VOCÊ VAI PRECISAR DE UMA BEXIGA, UM
CANUDINHO, BARBANTE E FITA ADESIVA.
1. ENFIE O BARBANTE NO CANUDINHO DE REFRESCO.
2. ESTIQUE O BARBANTE COM A AJUDA DE UM COLEGA.
3. PRENDA A BEXIGA CHEIA DE AR NO CANUDINHO E SEGURE A PONTA DELA.
4. SOLTE A BEXIGA.
 O QUE ACONTECEU?

ADOLAR

CRIANÇAS BRINCANDO COM O FOGUETE.

SESSENTA E NOVE 69
A ÁGUA NA TERRA
AS IMAGENS DE SATÉLITE FEITAS EM COMPUTADORES MOSTRAM COMO
VERÍAMOS A TERRA SE FÔSSEMOS ASTRONAUTAS.
A TERRA VISTA DO ESPAÇO É AZUL!
ESSA COR SE DEVE À ÁGUA DOS OCEANOS QUE REFLETE A COR AZUL DA
LUZ DO SOL ESPALHADA PELOS GASES DO AR.
K
TO C
T I NS
C/L A
SP L D

IMAGEM COMPUTADORIZADA DA TERRA FEITA A PARTIR DE CENTENAS


DE IMAGENS CAPTADAS POR SATÉLITES.

VAMOS CONVERSAR
ONDE EXISTE ÁGUA NA TERRA?

70 SETENTA
DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NA TERRA
A ÁGUA SALGADA DOS OCEANOS TEM MUITOS SAIS DISSOLVIDOS
NELA. QUANDO HÁ POUCOS SAIS NA ÁGUA, DIZEMOS QUE ELA É DOCE,
COMO A ÁGUA DOS RIOS, LAGOS E GELEIRAS.
PARA COMPREENDER COMO A ÁGUA ESTÁ DISTRIBUÍDA EM NOSSO
PLANETA, VAMOS REPRESENTAR TODA A ÁGUA EXISTENTE NA TERRA POR
100 GOTAS. ASSIM, 97 SÃO GOTAS DE ÁGUA SALGADA DOS OCEANOS E
MARES E APENAS TRÊS GOTAS SÃO DE ÁGUA DOCE.
A MAIOR PARTE DA ÁGUA DOCE ESTÁ NAS GELEIRAS E DEBAIXO DA
TERRA. A MENOR PARTE ESTÁ NOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.
1. OBSERVE A REPRESENTAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NA TERRA.

DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA EM NOSSO PLANETA. DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA DOCE

ILUSTRAÇÕES: O. SEQUETIN
DO NOSSO PLANETA.

RIOS, LAGOS E
REPRESAS

ÁGUA SUBTERRÂNEA
ÁGUA SALGADA
GELEIRAS

ÁGUA DOCE

REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NA TERRA.

A) QUAL É O MAIOR RESERVATÓRIO DE ÁGUA SALGADA DA TERRA?

B) QUAL É O MAIOR RESERVATÓRIO DE ÁGUA DOCE DA TERRA?

C) PARA DISTRIBUIR ÁGUA PARA AS PESSOAS, USAMOS A ÁGUA DOS


RIOS, DOS LAGOS E AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. PODEMOS USAR
DIRETAMENTE A ÁGUA DO OCEANO E DAS GELEIRAS? POR QUÊ?

SETENTA E UM 71
FORMAS DA ÁGUA
A ÁGUA É ENCONTRADA NA NATUREZA NA FORMA DE VAPOR, NA
FORMA DE GELO E NA FORMA LÍQUIDA.
O VAPOR-D'ÁGUA ESTÁ NO AR E NÃO É VISÍVEL.
AS GELEIRAS SÃO GRANDES MASSAS DE GELO DOS CONTINENTES, QUE
SE MOVIMENTAM LENTAMENTE EM DIREÇÃO AO MAR. QUANDO GRANDES
BLOCOS DA GELEIRA CAEM NO MAR, FORMAM-SE OS ICEBERGS.
A ÁGUA NA FORMA LÍQUIDA ESTÁ NOS OCEANOS, NAS NUVENS, NOS
RIOS E DEBAIXO DO SOLO.

BYELIKOVA OKSANA/SHUTTERSTOCK

DELFIM MARTINS/PULSAR IMAGENS


GELEIRA RIO
SHYSHPAR SIARHEI/SHUTTERSTOCK

KONSTANTINCHRISTIAN/SHUTTERSTOCK

NUVENS OCEANO

2. ESCREVA ONDE VOCÊ PODE ENCONTRAR, EM SUA CASA, CADA UMA DAS
FORMAS DA ÁGUA.
A) ÁGUA SÓLIDA: .
B) ÁGUA LÍQUIDA: .
C) VAPOR-D’ÁGUA: .

72 SETENTA E DOIS
STOCKPHOTO-GRAF/
SHUTTERSTOCK
3. ASSINALE QUAL É A FORMA DA ÁGUA QUANDO O GELO DERRETE.

SÓLIDA LÍQUIDA VAPOR

4. A FORMA DA ÁGUA NA ROUPA MOLHADA É LÍQUIDA. NO VARAL, A ÁGUA


DA ROUPA EVAPORA.

JANKA3147/DREAMSTIME

MIKE FLIPPO/SHUTTERSTOCK
A ÁGUA DA ROUPA EVAPOROU NO
A ROUPA ESTAVA MUITO MOLHADA.
VARAL.

 ASSINALE QUAL É A FORMA DA ÁGUA QUANDO ELA EVAPORA.

SÓLIDA LÍQUIDA VAPOR

5. QUANDO A ÁGUA FERVE, ELA SE TRANSFORMA EM VAPOR INVISÍVEL. ELE


ESFRIA LOGO QUE SAI DA CHALEIRA. AO ESFRIAR, FORMA UMA FUMAÇA
BRANCA, QUE LEMBRA NUVENS.
 ASSINALE A FORMA DA ÁGUA NESSA FUMAÇA QUE SAI DA CHALEIRA.

SÓLIDA LÍQUIDA VAPOR

6. QUAL É A FORMA DA ÁGUA NAS NUVENS?

SÓLIDA LÍQUIDA VAPOR


NIKKYTOK/DREAMSTIME

ROBERT RANSON/SHUTTERSTOCK

A ÁGUA ESTÁ NA FORMA LÍQUIDA NA FUMAÇA QUE SAI DA CHALEIRA, NO OCEANO


E NAS NUVENS.

SETENTA E TRÊS 73
A ÁGUA E OS SERES VIVOS
OS ANIMAIS PERDEM ÁGUA PELA URINA, PELAS FEZES E DURANTE A
TRANSPIRAÇÃO. AS PLANTAS TRANSPIRAM PELAS FOLHAS. PARA REPOR
A ÁGUA PERDIDA, OS ANIMAIS BEBEM ÁGUA. AS PLANTAS ABSORVEM
ÁGUA PELAS RAÍZES.
PHASE4STUDIOS/SHUTTERSTOCK

LUIZ CLÁUDIO MARIGO/OPÇÃO


BRASIL IMAGENS
OS SERES HUMANOS E OS ANIMAIS BEBEM ÁGUA PARA REPOR O QUE PERDEM
PELA URINA E PELA TRANSPIRAÇÃO.

7. OBSERVE O QUE SIGNIFICAM AS CORES DAS BARRAS AO LADO DE CADA


FOTOGRAFIA.
MICHAEL CARNI/SHUTTERSTOCK

FABIO COLOMBINI
ÁGUA-VIVA CAMARÃO
ELEMENTOS NÃO PROPORCIONAIS ENTRE SI.
JULIA-PHOTO/SHUTTERSTOCK

ELLIOT PHOTOGRAPHY/
SHUTTERSTOCK

TOMATE GALINHA

ÁGUA OUTROS MATERIAIS


 QUAIS DESSES SERES VIVOS TÊM MAIS ÁGUA NO CORPO?

74 SETENTA E QUATRO
8. OBSERVE A PINTURA E PENSE: QUE
ELEMENTOS DESSA PINTURA CONTINHAM

MUSEU DE ARTE MODERNA (MAM RIO)


ÁGUA QUANDO A PINTORA OS OBSERVOU?
CONVERSE COM SEUS COLEGAS.

AMARAL, TARSILA DO. O


VENDEDOR DE FRUTAS. 1925. ÓLEO
SOBRE TELA, 108,5 cm X 84,5 cm.

9. OBSERVE A ILUSTRAÇÃO ABAIXO. ELA REPRESENTA A QUANTIDADE DE


ÁGUA E EM ALGUMAS PARTES DO CORPO HUMANO.
O. SEQUETIN

SANGUE MÚSCULOS OSSOS DENTES

ÁGUA
REPRESENTAÇÃO
OUTRAS GRÁFICA DA
SUBSTÂNCIAS QUANTIDADE DE ÁGUA
EM ALGUNS ÓRGÃOS
DO CORPO HUMANO.

 DAS PARTES DO NOSSO CORPO REPRESENTADAS NA ILUSTRAÇÃO, QUAL


TEM MAIS ÁGUA?

O QUE ESTUDAMOS
NA TERRA HÁ MAIS ÁGUA SALGADA DO QUE ÁGUA DOCE. ELA PODE
ESTAR NA FORMA SÓLIDA, LÍQUIDA OU DE VAPOR. TODOS OS SERES
VIVOS TÊM ÁGUA NO ORGANISMO, UNS MAIS E OUTROS MENOS.

SETENTA E CINCO 75
OS USOS DA ÁGUA
A ÁGUA É FUNDAMENTAL PARA A NOSSA VIDA E A DE TODOS OS SERES
VIVOS. SEM ELA NÃO PODERÍAMOS VIVER. USAMOS A ÁGUA EM NOSSA
CASA PARA MUITAS FINALIDADES.
10. OBSERVE AS FOTOGRAFIAS. ELAS MOSTRAM ALGUNS USOS DA ÁGUA
EM UMA MORADIA.
DJEM/SHUTTERSTOCK

AFRICA STUDIO/SHUTTERSTOCK

LAVAR LOUÇA. ESCOVAR OS DENTES.


PAVEL SEMENOV/SHUTTERSTOCK

HRK422/SHUTTERSTOCK

TOMAR BANHO. COZINHAR OS ALIMENTOS.

A) QUE USOS DA ÁGUA VOCÊ OBSERVA?

B) QUE OUTROS USOS DA ÁGUA SÃO FEITOS NAS CASAS?

76 SETENTA E SEIS
11. LEIA O QUANTO SE GASTA DE ÁGUA EM UMA CASA PARA CADA TAREFA.

ESCOVAR OS DENTES COM A TORNEIRA ABERTA DURANTE 5 MINUTOS 10 LITROS

LAVAR AS MÃOS COM A TORNEIRA ABERTA DURANTE 5 MINUTOS 10 LITROS

TOMAR BANHO COM O CHUVEIRO ABERTO POR 15 MINUTOS 140 LITROS

DAR DESCARGA DE ÁGUA NO VASO SANITÁRIO 10 LITROS

LAVAR O ROSTO COM A TORNEIRA ABERTA DURANTE 1 MINUTO 3 LITROS

LAVAR A LOUÇA COM TORNEIRA ABERTA POR 15 MINUTOS 130 LITROS

REGAR O JARDIM COM MANGUEIRA ABERTA POR 10 MINUTOS 180 LITROS

LAVAR ROUPA EM UMA LAVADORA PARA 4 QUILOS DE ROUPA 130 LITROS


FONTE: SABESP (COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO).

 EM QUAL DESSES USOS SE GASTA MAIS ÁGUA?

12. ASSINALE O QUE SE DEVE FAZER PARA ECONOMIZAR ÁGUA.

FECHAR O CHUVEIRO ENQUANTO SE ENSABOA.

FECHAR A TORNEIRA ENQUANTO ENSABOA AS MÃOS.

FECHAR A TORNEIRA ENQUANTO ESCOVA OS DENTES.

LIMPAR A LOUÇA COM PAPEL ANTES DE LAVAR.

ENSABOAR A LOUÇA COM A TORNEIRA FECHADA.

JUNTAR ROUPA PARA LAVAR EM GRANDE QUANTIDADE.

LAVAR CALÇADAS E QUINTAIS COM ÁGUA DE LAVAGEM DE ROUPA.

LAVAR O CARRO COM BALDES DE ÁGUA, E NÃO COM ESGUICHO.

SETENTA E SETE 77
13. OBSERVE A DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA TRATADA QUE VEM DA REDE DE
ÁGUA DE UMA CIDADE E DA ÁGUA USADA QUE É LANÇADA NO ESGOTO.

CANOS QUE CONDUZEM ÁGUA TRATADA


CANOS QUE CONDUZEM ÁGUA USADA CAIXA-D'ÁGUA

ÁGUA USADA
HIDRÔMETRO NA CASA
(ESGOTO)
ENTRADA
DE ÁGUA

O. SEQUETIN
SAÍDA DE
ESGOTO

DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA EM UMA CASA.

A) NA ENTRADA DESSA CASA HÁ UM APARELHO QUE MEDE QUANTA


ÁGUA É CONSUMIDA. ESSE APARELHO É O HIDRÔMETRO. CIRCULE O
HIDRÔMETRO.
B) MARQUE COM X ONDE A ÁGUA QUE CHEGA A UMA CASA FICA
ARMAZENADA.
C) CIRCULE PARA ONDE VAI A ÁGUA DA CASA DEPOIS DE USADA.

D) DEPOIS DE USADA, O QUE A ÁGUA CONTÉM?

O QUE ESTUDAMOS
A ÁGUA É IMPORTANTE EM NOSSA VIDA PARA A HIGIENE DO
CORPO, DO LUGAR ONDE VIVEMOS E PARA COZINHAR. A ÁGUA
CHEGA À NOSSA CASA POR ENCANAMENTOS E DELA SAI CONTENDO
IMPUREZAS QUE VÃO PARA A REDE DE ESGOTO.

78 SETENTA E OITO
OFICINA
FILTRO PARA LIMPAR A ÁGUA
A ÁGUA QUE BEBEMOS PRECISA ESTAR LIMPA. POR ESSA RAZÃO,
MUITAS PESSOAS USAM FILTROS COMO PURIFICADOR DE ÁGUA. ESSES
FILTROS TÊM SEMPRE UMA CAMADA QUE RETÉM AS PARTÍCULAS MAIORES
E OUTRA CAMADA PARA PARTÍCULAS MENORES.
PARA FAZER UM FILTRO SEMELHANTE A ESSE, VOCÊ VAI PRECISAR DE
POUCOS MATERIAIS.
 TESOURA.

O. SEQUETIN
 GARRAFA PET.
 AREIA GROSSA E FINA.
 PEDRINHAS PEQUENAS.
 CHUMAÇO DE ALGODÃO.
 ÁGUA MISTURADA COM TERRA.
1. COM A TESOURA, CORTE A GARRAFA
AO MEIO COM A AJUDA DE UM ADULTO.
PEGUE A PARTE SUPERIOR DA GARRAFA
QUE FOI CORTADA E ENCAIXE-A NA PARTE
INFERIOR, COMO MOSTRADO NA FIGURA.
2. EM SEGUIDA, COLOQUE O ALGODÃO COMO SE FOSSE TAMPAR A
BOCA DA GARRAFA.
3. ACIMA DO ALGODÃO, COLOQUE TODOS OS OUTROS MATERIAIS NA
SEGUINTE ORDEM: AREIA FINA, AREIA GROSSA E PEDRAS PEQUENAS.
4. COM CUIDADO, DESPEJE A ÁGUA COM A TERRA DENTRO DO FUNIL E
VEJA COMO SAI A ÁGUA QUE ESCORRE DENTRO DO COPO.
 ESCREVA QUAL O ASPECTO DA ÁGUA DEPOIS QUE ELA PASSOU
PELO FUNIL E POR QUE É IMPORTANTE CONSUMIR ÁGUA FILTRADA?

SETENTA E NOVE 79
O SOLO ONDE VIVEMOS
SOBRE O SOLO ABRIMOS ESTRADAS, CONSTRUÍMOS MORADIAS,
INDÚSTRIAS E AEROPORTOS. NELE PLANTAMOS OS VEGETAIS E
CRIAMOS ANIMAIS.
A PINTURA MOSTRA UMA PEQUENA VILA.
E NELA A PINTORA ANA MARIA REPRESENTOU VÁRIOS USOS DO SOLO.
COLEÇÃO PARTICULAR

DIAS, ANA MARIA. HORA DO CONCERTO. 2016. ACRÍLICO SOBRE TELA, 60 cm X 90 cm.

OBSERVE ATENTAMENTE A PINTURA E TENTE IDENTIFICAR ALGUNS


USOS DO SOLO.

VAMOS CONVERSAR
QUE USOS DO SOLO VOCÊ CONSEGUIU IDENTIFICAR?

80 OITENTA
O QUE É SOLO
A PALAVRA SOLO PODE TER OUTRO SIGNIFICADO ALÉM DAQUELE QUE
INDICA O LUGAR ONDE CONSTRUÍMOS, PLANTAMOS E CRIAMOS ANIMAIS.

1. LEIA ESTE TRECHO DO HINO DA NOSSA PÁTRIA.

[...]
GIGANTE PELA PRÓPRIA NATUREZA,
ÉS BELO, ÉS FORTE, IMPÁVIDO COLOSSO,

GOVERNO DO BRASIL
E O TEU FUTURO ESPELHA ESSA GRANDEZA.
TERRA ADORADA,
ENTRE OUTRAS MIL,
ÉS TU, BRASIL,
Ó PÁTRIA AMADA!
BANDEIRA DO BRASIL.
DOS FILHOS DESTE SOLO ÉS MÃE GENTIL,
PÁTRIA AMADA, BRASIL!
JOAQUIM OSÓRIO DUQUE ESTRADA E FRANCISCO MANUEL DA SILVA.

A) QUAL O SIGNIFICADO DE SOLO NO HINO NACIONAL?

B) QUAL O SIGNIFICADO DE SOLO PARA UM AGRICULTOR?

2. MARQUE COM X AS AFIRMAÇÕES CORRETAS, SEGUNDO OS VÁRIOS


MODOS DE ENTENDER O QUE É SOLO..

SOLO É O MESMO QUE SOLO É ONDE CRESCEM AS


TERRA. PLANTAS.

SOLO É ONDE NÓS SOLO É ONDE CRESCEM AS


PISAMOS. FLORESTAS.

OITENTA E UM 81
O SOLO FÉRTIL
O SOLO FÉRTIL É FORMADO POR GRÃOS DE AREIA E DE ARGILA
MISTURADOS COM UMA MASSA ESCURA, CHAMADA HÚMUS.
OS GRÃOS DE AREIA SÃO MAIORES E MAIS DUROS DO QUE OS GRÃOS
DE ARGILA. ENTRE OS GRÃOS E O HÚMUS, ESTÃO O AR E A ÁGUA.
A QUANTIDADE DE AREIA, ARGILA E HÚMUS VARIA DE UM SOLO
PARA OUTRO. OS MELHORES SOLOS SÃO OS QUE TÊM QUANTIDADES
EQUILIBRADAS DE AREIA, ARGILA E HÚMUS.
3. OBSERVE AS FOTOGRAFIAS.
TANEWPIX/SHUTTERSTOCK

SOLO COM
AREIA, ARGILA
E HÚMUS.
DAVID P. SMITH/SHUTTERSTOCK

SOLO ARENOSO,
COM POUCA
ARGILA E
POUCO HÚMUS.

 QUAL DESTES SOLOS É MELHOR PARA A AGRICULTURA?

82 OITENTA E DOIS
NO SOLO CRESCEM AS PLANTAS E SUAS RAÍZES ABSORVEM ÁGUA COM
OS SAIS MINERAIS DO HÚMUS.
NO SOLO TAMBÉM VIVEM MUITOS SERES VIVOS, COMO ARANHAS,
FORMIGAS, TATUZINHO-DE-JARDIM, LARVAS DE INSETOS, FORMIGAS,
CENTOPEIAS E OUTROS SERES VIVOS.

SPL DC/LATINSTOCK
REPRESENTAÇÃO DO SOLO MOSTRANDO UM COGUMELO, UM FORMIGUEIRO,
UMA CENTOPEIA, UM TATUZINHO-DE-JARDIM E MINHOCAS EM SUAS GALERIAS.

AS MINHOCAS ESTÃO ENTRE OS SERES VIVOS MAIS IMPORTANTES DO SOLO.


ELAS CAVAM GALERIAS NO SOLO POR ONDE ENTRAM A ÁGUA E O AR. ALÉM
DISSO, COMEM TERRA COM FOLHAS E ELIMINAM AS FEZES NA SUPERFÍCIE. AS
FEZES DE MINHOCA MANTÊM A TERRA FÉRTIL, RICA EM SAIS MINERAIS.
 A MINHOCA TORNA O SOLO FÉRTIL. COMO FAZ ISSO?

OITENTA E TRÊS 83
4. LEIA O TEXTO.

O ARADO É UMA DAS INVENÇÕES HUMANAS MAIS ANTIGAS


E VALIOSAS, MAS, MUITO ANTES DE O HOMEM EXISTIR, A
TERRA JÁ ERA REGULARMENTE ARADA, E AINDA CONTINUA
A SER, PELAS MINHOCAS.
CHARLES DARWIN. DISPONÍVEL EM:
<WWW.IGE.UNICAMP.BR/LRDG/PDF/58_DARWIN_WORMS_PT.PDF>. ACESSO EM: 6 OUT. 2017.

O ARADO É UMA FERRAMENTA QUE SOLTA OS GRÃOS DO SOLO E ISSO


FACILITA A ENTRADA DE AR E DE ÁGUA.
EMESE/SHUTTERSTOCK

AGRICULTOR
REVOLVENDO
O SOLO COM
O ARADO.

 POR QUE O TEXTO COMPARA A MINHOCA A UM ARADO?

5. OS COGUMELOS-DE-CHAPÉU SE ALIMENTAM DE RESTOS DE PLANTAS E DE


ANIMAIS. ELES PRODUZEM HÚMUS QUE MANTÊM A FERTILIDADE DO SOLO.
FABIO COLOMBINI
KIRILLOV ALEXEY/SHUTTERSTOCK

COGUMELOS-DE-CHAPÉU. SOLO DA FLORESTA.


CONVERSE COM SEUS COLEGAS.
 SE AS ÁRVORES FOREM DERRUBADAS NÃO HAVERÁ MAIS RESTOS DE
PLANTAS E DE ANIMAIS NO CHÃO. OS COGUMELOS MORRERÃO. O
QUE ACONTECERÁ COM A PRODUÇÃO DE HÚMUS?

84 OITENTA E QUATRO
USOS DO SOLO
NO SOLO, CULTIVAMOS AS PLANTAS QUE SÃO ALIMENTOS PARA NÓS E
PARA OS ANIMAIS QUE CRIAMOS.
AS PLANTAS QUE CULTIVAMOS E OS ANIMAIS NÃO SERVEM APENAS
PARA A ALIMENTAÇÃO. ELES TAMBÉM SÃO USADOS PARA TERMOS
OUTROS PRODUTOS.
A CANA-DE-AÇÚCAR É USADA PARA A PRODUÇÃO DE ÁLCOOL.

BRANISLAVPUDAR/SHUTTERSTOCK

LZF/SHUTTERSTOCK
CRIAÇÃO DE GADO. PLANTAÇÃO DE VERDURAS.

LZF/SHUTTERSTOCK

PLANTAÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR.

6. QUE USOS DO SOLO AS FOTOGRAFIAS MOSTRAM?

7. OBSERVE NA SUA CASA E NO SUPERMERCADO O QUE É USADO


PARA PRODUZIR ÓLEO E AZEITE DE COZINHA. DEPOIS, ESCREVA O
QUE DESCOBRIU.

OITENTA E CINCO 85
O SOLO DESMATADO FICA DESPROTEGIDO. FACILMENTE, A ÁGUA DA
CHUVA ARRASTA A AREIA, A ARGILA E O HÚMUS.
8. OBSERVE A FOTOGRAFIA.
ERNESTO REGHRAN/PULSAR IMAGENS

VISTA AÉREA DE ÁREA DESMATADA, FLORESTA AMAZÔNICA. ITACOATIARA, AM, 2015.

 O QUE É DESMATAMENTO E COMO ELE É FEITO?

9. LEIA A TIRINHA E CONVERSE COM SEUS COLEGAS.


MAURICIO DE SOUSA EDITORA LTDA

 CHICO BENTO ESTÁ PLANTANDO A ÁRVORE DA ESPERANÇA. O QUE


ELE QUER DIZER COM ISSO?

86 OITENTA E SEIS
10. LEIA O TEXTO COM UM COLEGA.

ANTIGAMENTE, TÍNHAMOS MUITA TERRA PARA PLANTAR E RIOS


PARA PESCAR, POR ISSO, NÃO PASSÁVAMOS NECESSIDADES. NÓS
NÃO PRECISÁVAMOS COMPRAR ALIMENTOS, POIS A MÃE-TERRA
NOS DAVA DE TUDO, TODOS OS DIAS.
O ÍNDIO PATAXÓ TAMBÉM É UM GRANDE CONHECEDOR DE
VALOROSOS CONHECIMENTOS. UM DESSES CONHECIMENTOS É
SABER COMO TRABALHAR A TERRA. ELE PLANTA, COLHE, E NÃO
DANIFICA O SOLO. O ÍNDIO PATAXÓ SABE MUITO PRESERVAR A
NATUREZA. ACIMA DE TUDO, ELA É SUA PRÓPRIA VIDA. SEM AS
MATAS, SEM OS RIOS, SEM OS PÁSSAROS E SEM OS ANIMAIS, O
ÍNDIO PATAXÓ JAMAIS CONSEGUIRIA SOBREVIVER.
ANGTHICHAY E KANATYÓ PATAXÓ. O POVO PATAXÓ E SUAS HISTÓRIAS. SÃO PAULO: GLOBAL, 2007. P. 33.

 POR QUE OS ÍNDIOS SE PREOCUPAM COM A PRESERVAÇÃO


DA NATUREZA?

O QUE ESTUDAMOS
O SOLO É A CAMADA DE AREIA E ARGILA QUE RECOBRE A
SUPERFÍCIE DA TERRA. SENDO FÉRTIL, ELE MANTÉM A VIDA DAS
PLANTAS, QUE POR SUA VEZ TORNAM POSSÍVEL A VIDA DOS ANIMAIS
E DE TODOS OS SERES VIVOS TERRESTRES.
O AR, A ÁGUA E O SOLO SÃO COMPONENTES SEM VIDA QUE
MANTÊM A VIDA NA TERRA. POR ESSA RAZÃO, PRECISAM SER
PRESERVADOS.

OITENTA E SETE 87
ATIVIDADE INTEGR ADOR A
APROVEITAMENTO DE MATERIAIS
COMO VOCÊ ESTUDOU, AS PESSOAS DESDE O INICÍO DA HUMANIDADE
TRANSFORMAM OS MATERIAIS DA NATUREZA EM OBJETOS SEJA PARA
MORAR, CAÇAR, COMER, BRINCAR.
AGORA VOCÊ CONHECERÁ UM PROJETO DENOMINADO PROJETO
MORRINHO, REALIZADO NO RIO DE JANEIRO, ONDE UM JOVEM TEVE UMA
IDEIA SOBRE COMO APROVEITAR MATERIAIS PARA FAZER SUA ARTE.
LEIA COMO TUDO COMEÇOU.

ESSA HISTÓRIA COMEÇOU EM 1997, QUANDO O JOVEM


NELCIRLAN SOUZA DE OLIVEIRA, DE APENAS 14 ANOS,
PASSOU A REPRODUZIR O CENÁRIO DA FAVELA USANDO
TIJOLOS E OUTROS MATERIAIS RECICLÁVEIS. “USANDO
CARRINHOS, BONEQUINHOS [...] E OUTROS OBJETOS,
FORAM REPRODUZIDOS TAMBÉM OS HABITANTES DA
COMUNIDADE E TODOS OS DETALHES DAS RUAS”.
BIA ALVES/FOTOARENA

MAQUETE DE UMA COMUNIDADE, CONSTRUÍDA POR NELCIRLAN


COM MATERIAIS RECICLÁVEIS.

DISPONÍVEL EM: <HTTP://MAPADECULTURA.RJ.GOV.BR/MANCHETE/PROJETO-MORRINHO>.


ACESSO EM: 29 OUT. 2017.

88 OITENTA E OITO
NELCIRLAN SOUZA DE OLIVEIRA FEZ A CONSTRUÇÃO DE UMA MAQUETE,
ISTO É, UM CENÁRIO EM MINIATURA UTILIZANDO MATERIAIS RECICLADOS.
1. QUAIS FORAM ESSES MATERIAIS? LISTE.

UMA CRIANÇA FEZ A MAQUETE DA RUA ONDE VIVE. O EDIFÍCIO ONDE


ELA MORA É O MAIS ALTO DO LADO DIREITO.
2. MARQUE NA IMAGEM QUAL É O EDIFÍCIO QUE ESSA CRIANÇA MORA.

ROBERTO FURLAN/SECOM/MARINGÁ

OLINDA, PE, 2011.

3. QUE TIPO DE MATERIAIS VOCÊ ACHA QUE ELA UTILIZOU?

OITENTA E NOVE 89
COMO VOCÊ VIU, É POSSÍVEL FAZER COISAS INCRÍVEIS COM MATERIAIS
RECICLADOS. AGORA É SUA VEZ DE CRIAR.
4. SE FOSSE CONSTRUIR SUA PRÓPRIA CASA COM MATERIAIS RECICLADOS
COMO SERIA ELA? DESENHE.

5. LISTE OS MATERIAIS DE QUE IRÁ PRECISAR. MASPI

90 NOVENTA
6. REÚNA OS MATERIAIS DE QUE PRECISARÁ E NO DIA COMBINADO COM
O PROFESSOR INICIE A MONTAGEM. VOCÊ PODE TRAZER MATERIAIS
RECICLÁVEIS PARA TROCAR COM OS COLEGAS TAMBÉM.

VOCÊ SABIA?
ALGUMAS CASAS PARA BRINCAR FORAM FEITAS COM
GARRAFAS PET. MAS TAMBÉM SERVEM PARA MORAR. EXISTEM
PESSOAS QUE TAMBÉM CONSTROEM CASAS COM ESSE
MATERIAL E ATÉ MESMO COM CAIXAS DE LEITE LONGA VIDA.
FILIPE GRANADO/FUTURA PRESS

FILIPE GRANADO/FUTURA PRESS


CASAS CONSTRUÍDAS COM 11 MIL GARRAFAS PET,
EXTREMA, MG, 2016.

7. VAMOS PESQUISAR SOBRE CASAS QUE FORAM CONSTRUÍDAS COM


DIFERENTES MATERIAIS E CRIAR UM VOCÊ SABIA SOBRE ELAS?

NOVENTA E UM 91
SUGES TÕES DE LEITUR A
AÇ Ã O
D IV U LG
MUITAS MANEIRAS DE VIVER
CRIANÇAS DE DIVERSOS POVOS TÊM MANEIRAS DE
VIVER DIFERENTES DA SUA: ELAS MORAM EM OUTROS
TIPOS DE CASA, COMEM COMIDAS TÍPICAS DO LUGAR
ONDE VIVEM E VESTEM AS ROUPAS ADEQUADAS
AO CLIMA DA REGIÃO. VOCÊ VAI SE DIVERTIR
APRENDENDO COMO VIVEM ESSAS CRIANÇAS.
LENZI, COSELLE; SANTO, FANNY E. MUITAS MANEIRAS DE VIVER.
SÃO PAULO: POSITIVO, 2008.

NEM TODO MUNDO BRINCA ASSIM! D IV U LG


AÇ Ã O

VOCÊ JÁ PAROU PARA PENSAR QUE


AS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS SÃO
DIFERENTES EM CADA LUGAR DO MUNDO?
VOCÊ PODE APRENDER ESSAS BRINCADEIRAS
PARA BRINCAR COM SEUS COLEGAS. VAI
SER DIVERTIDO!
ALCÂNTARA, IVÃ. NEM TODO MUNDO BRINCA ASSIM!
CONVERSANDO SOBRE IDENTIDADE CULTURAL. SÃO PAULO:
ESCALA EDUCACIONAL, 2004.

AÇ Ã O
D IV U LG
RUPI! O MENINO DAS CAVERNAS
RUPI É UM MENINO QUE VIVE NO TEMPO DOS
CAÇADORES E COLETORES. ELE NÃO SABE CAÇAR,
MAS GOSTA MUITO DE DESENHAR NAS PEDRAS.
UM DIA, ELE DESCOBRE QUE OS DESENHOS QUE
FAZ SÃO MÁGICOS: ELES GANHAM VIDA! ASSIM,
DESENHANDO, ELE ENSINA AO SEU POVO OUTRO
JEITO DE TER ALIMENTOS: PLANTAR E COLHER.
BUSH, TIMOTH. RUPI! O MENINO DAS CAVERNAS. SÃO PAULO: BRINQUE-BOOK, 2009.

92 NOVENTA E DOIS
AR – PRA QUE SERVE O AR?
D IV U LG
AÇ Ã O

AFINAL, PARA QUE SERVE O AR? PARA


ENCHER A BOLA, SOLTAR PIPA, RESPIRAR,
DESARRUMAR O CABELO E REFRESCAR... E
MUITO MAIS QUE A IMAGINAÇÃO SOLTAR.
VOCÊ VAI SE DIVERTIR COM AS IMAGENS E A
DESCOBERTA DOS MUITOS USOS DO AR.
RAMOS, ANA CLÁUDIA. AR – PRA QUE SERVE O AR?
BELO HORIZONTE: DIMENSÃO, 2003.

D IV U LG
AÇ Ã O
TANTA ÁGUA
A ÁGUA É IMPORTANTE PARA A VIDA DE TODOS
OS SERES VIVOS. PARA MANTER A VIDA, A ÁGUA
PRECISA ESTAR SEMPRE LIMPA. SOMOS NÓS, OS
SERES HUMANOS, OS RESPONSÁVEIS POR ESSA
LIMPEZA. VEJA COMO CUIDAR DE TANTA ÁGUA
DESTE PLANETA!
MORAIS, MARTA BOUISSOU. TANTA ÁGUA.
BELO HORIZONTE: DIMENSÃO, 2011.

VIAGENS DE UM PÃOZINHO D IV U LG
AÇ Ã O

DIVIRTA-SE COM A VIAGEM DE UM PÃOZINHO


DESDE OS CAMPOS DE TRIGO ATÉ A MESA DO CAFÉ
DA MANHÃ! ELE AGUARDA A HORA DE VIRAR
ALIMENTO. MAS FICA ESQUECIDO SOBRE A MESA.
LOGO ELE SEGUE VIAGEM COM ALGUÉM DA CASA
QUE O EMBRULHA E LEVA COMO PRESENTE PARA
UMA PESSOA QUE ESTÁ COM FOME.
MEURER, SÉRGIO. VIAGENS DE UM PÃOZINHO.
SÃO PAULO: CORTEZ EDITORA, 2011.

NOVENTA E TRÊS 93
2
UNIDADE

AS PAISAGENS

PAISAGEM É TUDO QUE A NOSSA VISTA


ALCANÇA, TUDO O QUE ENXERGAMOS
E TAMBÉM O QUE PERCEBEMOS, COMO
CHEIROS, SONS, CORES, MOVIMENTOS ETC.

94 NOVENTA E QUATRO
1. VOCÊ CONSEGUE IDENTIFICAR QUAIS TIPOS DE PAISAGENS NA IMAGEM?

2. QUAIS AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE ELAS?

3. QUAL É A PAISAGEM QUE MAIS PARECE COM O LUGAR ONDE VOCÊ MORA?

NOVENTA E CINCO 95
COMO SÃO AS PAISAGENS

PERCEBENDO AS PAISAGENS
NAS CIDADES À BEIRA-MAR A PAISAGEM É MUITO BONITA.
NELA, VEMOS AS PESSOAS, OS VEÍCULOS, O MAR E A AREIA DA PRAIA.
OUVIMOS VOZES, BUZINAS E O BARULHO DAS ONDAS DO MAR. SENTIMOS
OS CHEIROS DA COMIDA DAS BARRACAS E SENTIMOS NA PELE O CALOR
DO SOL.
VISÃO, AUDIÇÃO, OLFATO E TATO SÃO OS SENTIDOS QUE NOS
PERMITEM PERCEBER AS PAISAGENS.
123RF/EASYPIX BRASIL

PRAIA DE COPACABANA. RIO DE JANEIRO, RJ, 2016.

A VISÃO É UM SENTIDO QUE PODE NOS DAR MUITAS INFORMAÇÕES


SOBRE AS PAISAGENS.

VAMOS CONVERSAR
O QUE VOCÊ PERCEBERIA COM OS SENTIDOS SE ESTIVESSE
NESSA PRAIA?

96 NOVENTA E SEIS
OS SENTIDOS E AS PAISAGENS
OS SENTIDOS NOS DÃO INFORMAÇÕES SOBRE O QUE EXISTE EM UMA
PAISAGEM.
1. OBSERVE ESTAS PAISAGENS.

1
ANDRE DIB/PULSAR IMAGENS

PAISAGEM DA
NATUREZA.
MG, 2016.

2
CESAR DINIZ/PULSAR
IMAGENS

PAISAGEM DE
CIDADE.
SÃO PAULO,
SP, 2015.

3
JOÃO PRUDENTE/PULSAR
IMAGENS

PAISAGEM
DO CAMPO.
SERRANIA,
MG, 2015.

 ESCREVA O NÚMERO DA PAISAGEM ONDE VOCÊ PERCEBERIA:

SOM DE TRATORES. VEÍCULOS PASSANDO.

SOM DE BUZINAS. SOM DE ÁGUA CORRENDO.

NOVENTA E SETE 97
2. LEIA O TEXTO QUE PEDRO ESCREVEU.

DA JANELA DO MEU QUARTO VEJO, DO OUTRO LADO DA RUA,


TRÊS CASAS E DUAS GRANDES ÁRVORES NA CALÇADA. ATRÁS DAS
CASAS VEJO DOIS PRÉDIOS ALTOS E UMA TORRE DE TELEVISÃO.

A) FAÇA UM DESENHO MOSTRANDO O QUE PEDRO VÊ DA JANELA DE


SEU QUARTO.

B) QUE SONS VOCÊ ACHA QUE ELE PODE OUVIR?

O QUE ESTUDAMOS
PERCEBEMOS AS PAISAGENS POR MEIO DE NOSSOS SENTIDOS. COM
ELES PODEMOS VER, OUVIR E CHEIRAR. COM O TATO SENTIMOS NA PELE
O CALOR, O FRIO E O VENTO.

98 NOVENTA E OITO
ELEMENTOS DE UMA PAISAGEM
NAS PAISAGENS EXISTEM ELEMENTOS NATURAIS, COMO OS SERES VIVOS,
AS NUVENS, OS RIOS E AS FLORESTAS.
EXISTEM TAMBÉM CONSTRUÇÕES FEITAS PELAS PESSOAS, COMO OS
EDIFÍCIOS, OS VEÍCULOS, AS PONTES E AS ESTRADAS. ESSAS CONSTRUÇÕES
SÃO EXEMPLOS DE ELEMENTOS HUMANOS.
3. OBSERVE AS FOTOGRAFIAS E ASSINALE OS ELEMENTOS QUE FAZEM
PARTE DESTAS PAISAGENS.

EDIFÍCIOS
LIGHTROCKET VIA GETTY IMAGES

NUVENS

MONTANHAS

VEÍCULOS

RIO

FLORESTA
PAISAGEM DE RESERVA. PARQUE NACIONAL DA CHAPADA
DOS GUIMARÃES, MT, 2015.

CHAMINÉS
GERSON GERLOFF/PULSAR IMAGENS

CAPIM

PLANTAÇÃO

FUMAÇA

RIO

FÁBRICAS
PAISAGEM DE ÁREA INDUSTRIAL. PORTO DO RIO GRANDE,
RS, 2011.

NOVENTA E NOVE 99
RUBENS CHAVES/PULSAR IMAGENS

PAISAGEM URBANA. SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP, 2016.

EDIFÍCIOS AVENIDAS POSTES MONTANHAS

VEÍCULOS ÁRVORES FLORESTA CÉU


RUBENS CHAVES/PULSAR IMAGENS

PAISAGEM DO CAMPO. SÃO JOÃO BATISTA DO GLÓRIA,


MG, 2016.

AVENIDAS PLANTAÇÃO RIO ESTRADA

CAPIM CÉU FÁBRICAS VEÍCULOS

100 CEM
4. OBSERVE A PAISAGEM REPRESENTADA NA PINTURA. ELA MOSTRA
ELEMENTOS DA NATUREZA E ELEMENTOS FEITOS OU CRIADOS PELAS
PESSOAS. AS AVES QUE ESTÃO VOANDO NO CÉU SÃO ELEMENTOS
NATURAIS E OS BARCOS SÃO ELEMENTOS HUMANOS, POIS FORAM
FEITOS PELAS PESSOAS.

COLEÇÃO PARTICULAR
EDIVALDO. FEIRINHA AO PÉ DA SERRA. 2013. ACRÍLICO SOBRE TELA.
90 cm x 150 cm.

 ESCREVA OS NOMES DE ALGUNS ELEMENTOS NATURAIS E DE ALGUNS


ELEMENTOS HUMANOS DA PAISAGEM REPRESENTADA NO QUADRO.

ELEMENTOS NATURAIS ELEMENTOS HUMANOS

CENTO E UM 101
PAISAGEM NATURAL E PAISAGEM CONSTRUÍDA
NAS PAISAGENS NATURAIS, HÁ UMA VARIEDADE MAIOR DE PLANTAS E
ANIMAIS DO QUE NAS PAISAGENS CONSTRUÍDAS.
NAS PAISAGENS CONSTRUÍDAS VEMOS CASAS, PRÉDIOS, PLANTAÇÕES,
E OUTROS ELEMENTOS CRIADOS PELA AÇÃO DAS PESSOAS. NELAS
TAMBÉM EXISTEM ELEMENTOS DA NATUREZA, COMO RIOS, MONTANHAS,
PLANTAS E ANIMAIS.
MARCOS AMEND/PULSAR IMAGENS

FLORESTA AMAZÔNICA E
RIO ANAUÁ. CARACARAÍ,
RR, 2016.
PAULO FRIDMAN/CORBIS VIA GETTY IMAGES

VISTA AÉREA DA CIDADE


DE SÃO PAULO, SP, 2016.

5. TROQUE IDEIAS COM SEUS COLEGAS E RESPONDA:


A) PARA QUE AS PESSOAS CONSTROEM MORADIAS?

B) PARA QUE AS PESSOAS FAZEM PLANTAÇÕES E CRIAM ANIMAIS?

C) PARA QUE ELAS FAZEM ESTRADAS E CONSTROEM CARROS, TRENS E


CAMINHÕES?
AS PESSOAS CONSTROEM COISAS E MODIFICAM AS PAISAGENS PARA
TORNAR A VIDA MAIS FÁCIL.

102 CENTO E DOIS


6. OBSERVE AS FOTOGRAFIAS.

1
FERNANDO BUENO/PULSAR IMAGENS

RODOVIA BR-116,
NO RIO GRANDE
DO SUL, 2016.

2
JOÃO PRUDENTE/PULSAR IMAGENS

PLANTAÇÃO
EM CAMPINAS,
SP, 2016.

3
ALEXANDRE TOKITAKA/PULSAR IMAGENS

MORADIAS EM
OURO BRANCO,
MG, 2016.

 ESCREVA O NÚMERO DA FOTOGRAFIA EM CADA FRASE.


PLANTAÇÃO DE HORTALIÇAS CULTIVADAS PARA A
ALIMENTAÇÃO DAS PESSOAS.

ESTRADA POR ONDE PASSAM VEÍCULOS DE PASSAGEIROS


E DE CARGAS.

MORADIAS CONSTRUÍDAS PARA ABRIGAR FAMÍLIAS.

CENTO E TRÊS 103


7. ENCONTRE NO DIAGRAMA AS PALAVRAS DO QUADRO. ELAS NOMEIAM
ELEMENTOS DAS PAISAGENS QUE SÃO CONSTRUÍDOS PELAS PESSOAS.

PRAÇAS FÁBRICAS HOSPITAIS PONTES ESCOLAS

S A J Y E S C O L A S U

E N U T Q H V D W G V I

G R H O S P I T A I S O

N F O F Á B R I C A S F

A L E M P U R R A R F I

P G I A T P R A Ç A S A

I F G P O N T E S B A J

8. VOCÊ JÁ ANDOU DE TREM? NESSES PASSEIOS PODEMOS OBSERVAR


VÁRIOS TIPOS DE PAISAGENS, PRINCIPALMENTE AS DO CAMPO.
FAÇA O CAMINHO DO TRENZINHO ATÉ A ESTAÇÃO.
ADOLAR

104 CENTO E QUATRO


PAISAGEM URBANA E PAISAGEM RURAL
NAS PAISAGENS URBANAS, VEMOS EDIFÍCIOS, RUAS E AVENIDAS. SÃO AS
PAISAGENS DAS CIDADES.
NAS PAISAGENS RURAIS, VEMOS PRINCIPALMENTE PLANTAÇÕES PARA
O CULTIVO DE VEGETAIS E PASTOS PARA CRIAÇÃO DE ANIMAIS. SÃO AS
PAISAGENS DO CAMPO.
9. ESCREVA SE A PAISAGEM DA FOTOGRAFIA É URBANA OU RURAL.

DELFIM MARTINS/PULSAR IMAGENS


GARÇA, SP, 2016.

PAISAGEM
DELFIM MARTINS/PULSAR IMAGENS

TERESINA, PI, 2015.

PAISAGEM

CENTO E CINCO 105


NOS PARQUES NACIONAIS É PROIBIDO CONSTRUIR CASAS, FAZER
PLANTAÇÕES E CRIAR ANIMAIS PARA A ALIMENTAÇÃO. DESSE MODO,
PROTEGEMOS AS PLANTAS E OS ANIMAIS DOS PARQUES.
10. AS FOTOGRAFIAS MOSTRAM DUAS PAISAGENS A PRIMEIRA SITUA-SE EM
PEDRALVA, MINAS GERAIS E A SEGUNDA EM CATIMBAU, PERNAMBUCO.
 COMPLETE A LEGENDA DE CADA UMA COM ZONA RURAL OU
PARQUE NACIONAL.
PRIMEIRA PAISAGEM
JOÃO PRUDENTE

PEDRALVA, MG, 2017.

SEGUNDA PAISAGEM
ANDRE DIB/PULSAR IMAGENS

CATIMBAU, PE, 2014.


 JUNTAMENTE COM UM COLEGA IDENTIFIQUE QUAIS DIFERENÇAS
VOCÊS PERCEBEM ENTRE A PAISAGEM DO PARQUE NACIONAL E A DA
ZONA RURAL?

106 CENTO E SEIS


11. OBSERVE A FOTOGRAFIA DE UMA PAISAGEM QUE MOSTRA O LIMITE
ENTRE A CIDADE E O CAMPO.

SERGIO RANALLI/PULSAR IMAGENS


VISTA ÁREA DE ZONA RURAL E ZONA URBANA. NOVA FÁTIMA, PR, 2011.

 O QUE VOCÊ ACHA QUE PODEMOS ENCONTRAR NESSA ZONA


URBANA, MAS NÃO ENCONTRAMOS NA ZONA RURAL?

POSTO DE SAÚDE RUAS ASFALTADAS

MORADIAS PRAÇAS

PLANTAÇÕES PASTOS

SUPERMERCADO

O QUE ESTUDAMOS
EM ALGUMAS PAISAGENS HÁ MUITOS ELEMENTOS DA NATUREZA.
NAS PAISAGENS RURAIS E URBANAS HÁ MUITOS ELEMENTOS
CONSTRUÍDOS PELAS PESSOAS.

CENTO E SETE 107


OFICINA
AS PAISAGENS QUE EU PERCEBI
NO CAMINHO DE CASA PARA A ESCOLA, VOCÊ VAI OBSERVAR COM
ATENÇÃO OS ELEMENTOS DAS PAISAGENS POR ONDE PASSA.
FAÇA O CAMINHO COM SEUS AMIGOS DE GRUPO PARA TROCAR IDEIAS.
ESTEJAM SEMPRE ACOMPANHADOS DE UM ADULTO.
ADOLAR

ETAPA 1: FAZENDO OBSERVAÇÕES


1. IDENTIFIQUE OS ELEMENTOS CONSTRUÍDOS PELAS PESSOAS: RUAS,
PRAÇAS, PRÉDIOS E PONTES. REPARE SE ESSES ELEMENTOS ESTÃO BEM
CUIDADOS.
2. IDENTIFIQUE OS ELEMENTOS NATURAIS: ÁRVORES, RIOS, MORROS, ANIMAIS.
3. SINTA OS CHEIROS DOS LUGARES POR ONDE PASSAR. ANOTE: “CHEIROS
QUE SENTI”.
4. POR ONDE PASSAR, PRESTE ATENÇÃO AOS SONS.
5. PRESTE ATENÇÃO AO QUE SENTIR NA PELE, COM O SENTIDO DO TATO.
6. DESENHE EM SEU CADERNO ALGUM ELEMENTO DA PAISAGEM E
COMPARE SEU DESENHO COM OS DE SEUS COLEGAS.

108 CENTO E OITO


ETAPA 2: ORGANIZANDO AS OBSERVAÇÕES
TRABALHE COM SEUS COLEGAS DE GRUPO PARA ANOTAR AS
OBSERVAÇÕES.
7. QUAIS SÃO OS ELEMENTOS QUE FORAM CONSTRUÍDOS PELAS PESSOAS?

8. ELES ESTÃO BEM CUIDADOS?

9. QUAIS SÃO OS ELEMENTOS NATURAIS QUE VOCÊ VIU?

10. QUE ODORES VOCÊ SENTIU NOS LUGARES POR ONDE PASSOU?

11. VOCÊ SENTIU FRIO OU CALOR? ESTAVA VENTANDO?

12. O QUE PODERIA MELHORAR NAS PAISAGENS QUE VOCÊ VIU?

CENTO E NOVE 109


O QUE TEM VIDA E O QUE NÃO TEM
NAS PAISAGENS HÁ ELEMENTOS QUE NÃO TÊM VIDA E OUTROS QUE
SÃO SERES VIVOS.
OS ELEMENTOS COM VIDA QUE RECONHECEMOS FACILMENTE SÃO AS
PLANTAS, AS PESSOAS E OS OUTROS ANIMAIS.
OS ELEMENTOS QUE NÃO TÊM VIDA SÃO, POR EXEMPLO, OS OBJETOS,
AS ESTRADAS, OS RIOS, AS NUVENS.
ZE ZUPPANI

CRIANÇA CAIÇARA E SEU CÃO. ARMAÇÃO DAS BALEIAS, GUARUJÁ, SP, 2014.

VAMOS CONVERSAR
QUAIS SÃO OS ELEMENTOS VIVOS QUE PODEMOS OBSERVAR
NESSA PAISAGEM? QUAIS ELEMENTOS NÃO TÊM VIDA?

110 CENTO E DEZ


CARACTERÍSTICAS DOS SERES VIVOS
UM GATO É UM SER VIVO E UMA PEDRA É UM SER NÃO VIVO. NINGUÉM
CONFUNDE UM GATO COM UMA PEDRA.
1. COMPLETE A TABELA ASSINALANDO COM X AS DIFERENÇAS ENTRE OS
ANIMAIS E AS PEDRAS.
CÃES E GATOS PEDRAS

GARSYA/SHUTTERSTOCK
ERIC ISSELEE/
SHUTTERSTOCK
O QUE FAZEM

COMEM E BEBEM ÁGUA.


DORMEM E ACORDAM.
TÊM FILHOTES.
MORREM.
OCUPAM ESPAÇO.
PODEM SER MOVIDOS.
SE MOVEM POR SI PRÓPRIOS.

2. OBSERVE ESTES ANIMAIS.


ERIC ISSELEE/SHUTTERSTOCK
BENJAMIN SIMENETA/
SHUTTERSTOCK

FILHOTES DE GATO E CÃO


BRINCANDO COM BOLA.

A) MARQUE COM X O QUE O GATO E O CÃO PERCEBEM COM OS SENTIDOS.

SE ESTÁ FRIO. SE FAZ CALOR.

SE ESTÁ CLARO. SE ESTÁ ESCURO.

O QUE ESTÁ PARADO. O QUE ESTÁ SE MOVENDO.

B) AS PEDRAS PERCEBEM O QUE OS ANIMAIS SÃO CAPAZES DE PERCEBER?


EXPLIQUE.

CENTO E ONZE 111


3. O GAFANHOTO E O LOUVA-A-DEUS ESTÃO COMENDO.
MYIMAGES - MICHA/SHUTTERSTOCK

KRISTINA POSTNIKOVA/SHUTTERSTOCK
5 cm 5 cm

GAFANHOTO COMENDO UMA PLANTA. LOUVA-A-DEUS COMENDO OUTRO


INSETO.
RESPONDA ORALMENTE.
A) O QUE ACONTECE COM O GAFANHOTO SE ELE NÃO TIVER PLANTAS
PARA COMER?
B) O QUE ACONTECE COM O LOUVA-A-DEUS SE ELE NÃO PUDER SE
MOVER?

4. O LEÃO E A LEOA TIVERAM FILHOTES.

2m
ERIC ISSELEE/SHUTTERSTOCK

A) QUANDO OS FILHOTES FICAREM ADULTOS ELES TAMBÉM VÃO SE


REPRODUZIR E TER FILHOTES?

B) UMA PEDRA PODE FORMAR OUTRAS PEDRAS SE ELA FOR PARTIDA.


FORMAR PEDRAS MENORES É O MESMO QUE TER FILHOTES? EXPLIQUE.

112 CENTO E DOZE


5. OBSERVE AS ETAPAS DO CICLO DA VIDA DE UM TOMATEIRO.

O. SEQUETIN
 COMPLETE AS FRASES QUE CONTAM AS ETAPAS DESSE CICLO.
SE NECESSÁRIO, USE AS PALAVRAS DO QUADRO.

SEMENTE FLORES FRUTOS SEMENTES

UMA GERMINA E FORMA UM TOMATEIRO. ELE


CRESCE E FORMA AS QUE SE TRANSFORMAM EM
. DENTRO DOS FRUTOS ESTÃO AS .
OS TOMATES AMADURECEM E CAEM NA TERRA. AS
ABSORVEM ÁGUA E GERMINAM, FORMANDO UMA NOVA PLANTA E
TUDO ACONTECE OUTRA VEZ.

6. RECORTE DE JORNAIS E REVISTAS OU IMPRIMA DA INTERNET


FOTOGRAFIAS DE SERES VIVOS E DE ELEMENTOS NÃO VIVOS. COM OS
COLEGAS DO SEU GRUPO COLEM AS IMAGENS EM DUAS CARTOLINAS E
AFIXEM O TRABALHO NO MURAL DA CLASSE. VEJAM ESTES EXEMPLOS.
SERES VIVOS SERES NÃO VIVOS

3
1

1 LIGHTSPRING/SHUTTERSTOCK 2 LIGHTSPRING/SHUTTERSTOCK 3 JENNY STURM/SHUTTERSTOCK 4 PK.PHUKET STUDIO/SHUTTERSTOCK

CENTO E TREZE 113


7. OBSERVE ESTES SERES VIVOS. ELES DEPENDEM DO SOLO PARA
CONSTRUIR SEUS ABRIGOS, ENCONTRAR ALIMENTO, ENCONTRAR ÁGUA
E SE ABRIGAR.
EVGENIY AYUPOV/SHUTTERSTOCK

ERIC ISSELEE/SHUTTERSTOCK

ERIC ISSELEE/SHUTTERSTOCK
1 cm 1 cm 3 cm

ARANHA MARROM. FORMIGA CORTADEIRA. CARACOL-DE-JARDIM.


D. KUCHARSKI K. KUCHARSKASHUTTERSTOCK

IANREDDING/SHUTTERSTOCK
7 cm 2 cm

MINHOCA. TATUZINHO.

A) QUAIS DESSES ANIMAIS VIVEM DENTRO DO SOLO?

B) QUAIS VIVEM SOBRE O SOLO?

C) O SOLO É UMA MISTURA DE ARGILA, AREIA E HÚMUS. ESCREVA


QUAIS DESSES ELEMENTOS NÃO TÊM VIDA E QUAL FOI FORMADO
POR SERES VIVOS.

D) QUE OUTROS ELEMENTOS SEM VIDA ESTÃO PRESENTES NO SOLO?

114 CENTO E CATORZE


8. OS SERES VIVOS PRECISAM DO ELEMENTO NÃO VIVO MOSTRADO
NESTA FOTOGRAFIA.

SIRTRAVELALOT/SHUTTERSTOCK
GUEPARDOS: FELINOS QUE VIVEM NA ÁFRICA.

 ESCREVA O NOME DESSE ELEMENTO: .


9. OBSERVE ESTAS PAISAGENS.
ESB PROFESSIONAL/SHUTTERSTOCK

FLAVIYA/SHUTTERSTOCK
PAISAGEM À BEIRA DO MAR. PAISAGEM DE UM VALE COM RIO.
GETTY IMAGES/PERSPECTIVES

GETTY IMAGES

PAISAGEM DE UMA GELEIRA. PAISAGEM DE UM DESERTO.

 QUAIS ELEMENTOS NÃO VIVOS PODEMOS PERCEBER NESSAS


FOTOGRAFIAS?

CENTO E QUINZE 115


AS PLANTAS EM NOSSA VIDA
CLAUDE MONET, PINTOR FRANCÊS, TAMBÉM ERA JARDINEIRO. EM SUA
CASA, FEZ OS MAIS BELOS JARDINS QUE SE POSSA IMAGINAR E PASSOU A VIDA
PINTANDO PAISAGENS QUE MOSTRAM SUAS PLANTAS. AS FAVORITAS ERAM
AS NINFEIAS, PLANTAS AQUÁTICAS CONHECIDAS COMO LÍRIO-D´ÁGUA.
MUSEU DE ARTE EM LOS ANGELES; CALIFÓRNIA.

NINFEIAS, 1898.
MONET, CLAUDE.
ACRÍLICO SOBRE TELA,
66 cm X 104,1 cm.

10. VEJA COMO SÃO NA FOTOGRAFIA.


FABIO COLOMBINI

LÍRIOS-D´ÁGUA
BRANCOS.
PANTANAL EM
POCONÉ, MS, 2014.

A) QUE PARTES DO LÍRIO-D’ÁGUA PODEMOS VER NA FOTOGRAFIA? QUE


PARTES ESTÃO DENTRO DA ÁGUA?

B) A FLOR DO LÍRIO-D’ÁGUA SE TRANSFORMA EM UM FRUTO COM


SEMENTES. O FRUTO AFUNDA E APODRECE. O QUE ACONTECE
QUANDO AS SEMENTES CHEGAM NO SOLO DO RIO?

C) QUE OUTRAS PLANTAS AQUÁTICAS VOCÊ CONHECE?

116 CENTO E DEZESSEIS


VEJA QUAIS SÃO AS PARTES DA MAIORIA DAS PLANTAS.
 RAIZ: SUGA ÁGUA COM SAIS MINERAIS DO SOLO. ESSA É A SEIVA
BRUTA.
 CAULE: LEVA A SEIVA BRUTA PARA AS FOLHAS.
 FOLHA: PRODUZ UM AÇÚCAR COM O GÁS CARBÔNICO DO AR E A
LUZ. É A SEIVA ELABORADA QUE VAI SER USADA PARA FORMAR OS
ALIMENTOS DAS PLANTAS.
 FLOR: FORMA FRUTO COM SEMENTES.
 SEMENTE: GERMINA E FORMA OUTRA PLANTA.
11. NESTA ILUSTRAÇÃO ESCREVA O NOME DE CADA PARTE DE UM TOMATEIRO.
BLUERINGMEDIA/SHUTTERSTOCK

12. MARGARIDA COLOCOU A SEMENTE DO


ABACATE NA ÁGUA.
WOLLERTZ/SHUTTERSTOCK
GRESEI/SHUTTERSTOCK

A) O QUE ACONTECEU?

B) QUE PARTES DE UM ABACATEIRO VEMOS NAS FOTOGRAFIAS?

C) QUE PARTES DE UM ABACATEIRO VÃO SE FORMAR QUANDO ELE CRESCER?

CENTO E DEZESSETE 117


13. A FOTOGRAFIA MOSTRA O

PAULO VILELA/SHUTTERSTOCK
FRUTO DO CACAUEIRO: O
CACAU. COM ELE SE FAZ
UM PRODUTO DE NOSSA
ALIMENTAÇÃO: O CHOCOLATE,
QUE USAMOS PARA PREPARAR
BOLOS E PUDINS, POR EXEMPLO.
FRUTOS DO CACAUEIRO COM SEMENTES.
 COMPLETE A TABELA.
PRODUTO FEITO COM
PARTE DA PLANTA
PARTE DA PLANTA

CACAU CHOCOLATE, BOLOS E PUDINS.

MILHO

SOJA

AZEITONA

14. LEIA O TEXTO.

SÍLVIA PARTICIPA DE UM GRUPO DE PESSOAS QUE PLANTAM


MUDAS DE ÁRVORES E OUTRAS PLANTAS POR SUA CIDADE, EM
CANTEIROS, JARDINS E HORTAS COMUNITÁRIAS. MARIA GOSTA
MUITO DE SE BALANÇAR E FICAR DEBAIXO DE SUA ÁRVORE
PREFERIDA.
GETTY IMAGES/HERO IMAGES

GETTY IMAGES/ROOM RF

SÍLVIA PLANTANDO MUDAS DE ÁRVORES. MARIA EM SEU BALANÇO.

 VOCÊ GOSTA DE PLANTAS? VOCÊ JÁ PLANTOU OU AJUDOU A


PLANTAR ALGUMA?

118 CENTO E DEZOITO


HÁ PLANTAS QUE SÃO AQUÁTICAS, COMO A NINFEIA, MAS A MAIORIA
É TERRESTRE.
EXISTEM PLANTAS QUE VIVEM SOBRE OUTRAS PLANTAS. O CIPÓ-
CHUMBO, POR EXEMPLO, SUGA OS ALIMENTOS DA PLANTA SOBRE A
QUAL ELE VIVE. AS ORQUÍDEAS NÃO FAZEM MAL À PLANTA ONDE ELAS SE
PRENDEM COM AS RAÍZES.

FABIO COLOMBINI

FABIO COLOMBINI
CIPÓ-CHUMBO TEM CAULE AMARELO. ORQUÍDEA SOBRE TRONCO.

AS PLANTAS DAS REGIÕES FRIAS DO BRASIL SÃO DIFERENTES DAS


PLANTAS DE REGIÕES ONDE FAZ CALOR O ANO INTEIRO E CHOVE POUCO.
CESAR DINIZ/PULSAR IMAGENS

FABIO COLOMBINI

A ARAUCÁRIA (PINHEIRO-DO-PARANÁ) O MANDACARU CRESCE NAS REGIÕES


CRESCE NAS REGIÕES FRIAS. CAMPOS DO QUENTES. PIRANHAS, AL, 2012.
JORDÃO, SP, 2012.

15. CONVERSE COM SEUS COLEGAS E ESCREVA QUAIS PLANTAS CRESCEM


ONDE VOCÊ MORA.

CENTO E DEZENOVE 119


USAMOS AS PLANTAS PARA MUITAS FINALIDADES. COM ELAS ALIMENTAMOS
OS ANIMAIS QUE CRIAMOS, ENFEITAMOS NOSSA CASA E NOSSA CIDADE.
COM A MADEIRA DAS ÁRVORES FAZEMOS MÓVEIS, TELHADOS, LÁPIS
E PAPEL.
COM A CANA-DE-AÇÚCAR FAZEMOS ETANOL USADO PARA MOVER OS
VEÍCULOS. COM A UVA, FAZEMOS VINHOS.
GERSON GERLOFF/PULSAR IMAGENS

MARIUSZ S. JURGIELEWICZ/SHUTTERSTOCK

IPÊ, EM SANTA MARIA, RS, 2011. PRIMAVERA, NO JARDIM DE UMA CASA,


ARAÇATUBA, SP, 2015.
TOM GRUNDY/SHUTTERSTOCK

RAYPHOTOGRAPHER/SHUTTERSTOCK

PLANTAÇÃO DE SOJA PARA ALIMENTAÇÃO, PLANTAÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA


CHAPADÃO DO SUL, MS, 2016. PRODUÇÃO DE ETANOL, LINS, SP, 2016.

16. AS PLANTAS CULTIVADAS PELAS PESSOAS SÃO ELEMENTOS NATURAIS


OU SÃO ELEMENTOS CONSTRUÍDOS DAS PAISAGENS?

17. NA SUA CASA HÁ PLANTAS CULTIVADAS ? QUAIS SÃO ELAS?

120 CENTO E VINTE


OFICINA
GERMINAÇÃO DO FEIJÃO E CRESCIMENTO DO FEIJOEIRO
NESTE EXPERIMENTO VAMOS TESTAR A RELAÇÃO ENTRE A GERMINAÇÃO
DO FEIJÃO, A ÁGUA E A LUZ.
ASSINALE A SUA SUPOSIÇÃO.
PARA GERMINAR OS FEIJÕES.

PRECISAM DE ÁGUA E LUZ.

FILIPE B. VARELA/SHUTTERSTOCK
PRECISAM DE ÁGUA, MAS NÃO DE LUZ.

PRECISAM DE LUZ, MAS NÃO DE ÁGUA.

NÃO PRECISAM DE ÁGUA NEM DE LUZ.


PARA TESTAR SUA SUPOSIÇÃO VOCÊ VAI PRECISAR DE 16 FEIJÕES,
ALGODÃO E QUATRO POTINHOS DE PLÁSTICO.
1. COLOQUE ALGODÃO NO FUNDO DOS 4 POTINHOS E EM CADA POTINHO
COLOQUE 4 FEIJÕES.
2. COLOQUE ÁGUA EM 2 POTINHOS, SEM ENCHARCAR. MARQUE COM
X ESSE POTINHOS. PONHA UM POTINHO NA LUZ E OUTRO EM UM
ARMÁRIO.
3. COLOQUE UM POTINHO COM ALGODÃO SECO NA LUZ E OUTRO DENTRO
DO ARMÁRIO.
4. MANTENHA MOLHADOS OS ALGODÕES DOS DOIS POTINHOS MARCADOS.
5. QUANDO OS FEIJÕES GERMINAREM, COMPARE OS RESULTADOS COM
SUA SUPOSIÇÃO. ELA SE CONFIRMOU?
6. MANTENHA OS POTINHOS MOLHADOS E OBSERVE A COR DAS FOLHAS
DAS PLANTAS MANTIDAS NO ESCURO.
 ESCREVA DO QUE OS FEIJOEIROS PRECISAM PARA CRESCEREM COM
FOLHAS VERDES.

CENTO E VINTE E UM 121


OS ANIMAIS
18. OS ANIMAIS VIVEM EM QUASE TODOS OS AMBIENTES DA TERRA.
CADA UM ESTÁ ADAPTADO AO AMBIENTE EM QUE VIVE. ENTÃO,
LIGUE CADA ANIMAL AO SEU AMBIENTE.

2m
ILYA AKINSHINN/SHUTTERSTOCK

DIVEDOG/SHUTTERSTOCK
URSO-POLAR. OCEANO.

5m
CATMANDO/SHUTTERSTOCK

SZEFEI/SHUTTERSTOCK

TUBARÃO. FLORESTA.
BILLION PHOTOS/SHUTTERSTOCK

CHRISTOPHER WOOD/SHUTTERSTOCK

60 cm

MACACO. GELEIRA.

122 CENTO E VINTE E DOIS


19. LEIA O TEXTO.

TODOS NÓS NASCEMOS INTERESSADOS NO MUNDO QUE


NOS CERCA. DESDE QUE NASCEMOS SOMOS EXPLORADORES
NUM MUNDO CHEIO DE BELEZAS.
NENHUMA CRIATURA É

ZURIJETA/SHUTTERSTOCK
HORRÍVEL. SÃO, TODAS ELAS, PARTE
DA NATUREZA. TODAS TÊM TANTO
DIREITO AO MUNDO QUANTO NÓS.
O NATURALISTA AMADOR. DURRELL, GERALD. SÃO
PAULO: MARTINS FONTES, 1996.

CRIANÇA OBSERVANDO
UM CARACOL-DE-JARDIM.

CONVERSE COM SEUS COLEGAS.


A) VOCÊ CONCORDA COM AS IDEIAS DO AUTOR DO TEXTO? JUSTIFIQUE
SUA RESPOSTA.
B) QUE PEQUENOS ANIMAIS VOCÊ CONHECE?

C) QUAIS VOCÊ JÁ OBSERVOU COM CUIDADO?

D) QUAIS LHES DÃO MEDO?

20. LEIA COMO JOÃO DESCREVEU UM CARACOL-DE-JARDIM.

EU VI UM CARACOL-DE-JARDIM.
O CORPO MOLE DELE FICA DENTRO DA CONCHA E TEM UMA
PARTE FORA COM 4 ANTENAS.
ELE ANDA DEVAGAR E COME FOLHAS. TEM 3
CENTÍMETROS DE COMPRIMENTO.
ENTRA NA CONCHA QUANDO QUER SE ESCONDER E
DEMORA PARA SAIR.
JOÃO.

 EM SUA OPINIÃO, PARA QUE SERVE A CONCHA DO CARACOL?

CENTO E VINTE E TRÊS 123


OFICINA
OBSERVANDO OS ANIMAIS DE UM JARDIM
VOCÊ E SEUS COLEGAS VÃO FAZER UMA PESQUISA NO JARDIM DA
ESCOLA OU EM OUTRO JARDIM. NESSE LUGAR VOCÊS VÃO OBSERVAR OS
ANIMAIS, AS PLANTAS, AS PEDRAS E O QUE MAIS ENCONTRAREM.
PODEM FOTOGRAFAR E DESENHAR O QUE ENCONTRAREM. PARA ISSO,
SE PUDEREM, LEVEM MÁQUINA FOTOGRÁFICA OU CELULAR COM CÂMERA,
CADERNO E LÁPIS.
SERÁ ÚTIL UMA PAZINHA E LUVAS.

8 cm ATENÇÃO
MAURO RODRIGUES/SHUTTERSTOCK

NÃO PONHAM A MÃO


DEBAIXO DE TRONCOS OU EM
BURACOS. NESSE LUGARES VIVEM
ANIMAIS QUE PODEM PICAR,
COMO ARANHAS E ESCORPIÕES.
ESCORPIÃO. NÃO TOQUE EM ANIMAL QUE
NÃO CONHECE.
8 cm
USE UM PAU PARA VIRAR
DR MORLEY READ/SHUTTERSTOCK

TRONCOS E PEDRAS.
SERÁ NECESSÁRIO IR
ACOMPANHADO DE UM ADULTO.
AVISE A PESSOA SE FOR PICADO
POR ALGUM ANIMAL.
ARANHA-ARMADEIRA.

A MELHOR HORA É BEM CEDO OU NO FIM DA TARDE. NAS HORAS


QUENTES DO DIA MUITOS ANIMAIS SE ESCONDEM. CERTOS ANIMAIS SE
ABRIGAM ONDE TEM UMIDADE.
DURANTE O PASSEIO NÃO FAÇA BARULHO.
PROCURE PEQUENOS ANIMAIS EMBAIXO DE PEDRAS, DE CASCAS DE
ÁRVORES, CAVANDO UM POUCO A TERRA. SE ACHAR ALGUM ANIMAL, SÓ
OBSERVE. SE SOUBER, ESCREVA O NOME DELE. SE NÃO SOUBER O NOME,
PESQUISE MAIS TARDE.

124 CENTO E VINTE E QUATRO


 DESENHE OU FOTOGRAFE O ANIMAL QUE ENCONTROU. O DESENHO
NÃO PRECISA SER PERFEITO, MAS ANOTE AS CORES PRINCIPAIS.
DEPOIS DO PASSEIO, REFAÇA O DESENHO OU COLE A FOTOGRAFIA
DO ANIMAL QUE VOCÊ VIU NO JARDIM. AO LADO, ESCREVA ESTAS
CARACTERÍSTICAS DO ANIMAL:
A) NOME DO ANIMAL E COMPRIMENTO.
B) SE TEM PERNAS, QUANTAS SÃO.
C) SE TEM ANTENAS, QUANTAS SÃO.
D) SE TEM ASAS, QUANTAS SÃO.
E) ONDE ESTAVA.
VEJA ESTES EXEMPLOS.

JOANINHA
TEM 1 CENTÍMETRO DE

GER BOSMA PHOTOS/SHUTTERSTOCK


COMPRIMENTO.
TEM 6 PERNAS, 3 DE CADA
LADO. TEM 2 ANTENAS. TEM ASAS.
É VERMELHA COM PINTAS PRETAS.
ESTAVA EM CIMA DE UMA FOLHA.
ELA COME OUTROS BICHOS.
JOANA.

FORMIGAS
EU VI MUITAS FORMIGAS EM
RYAN M. BOLTON/SHUTTERSTOCK

FILA. ELAS ESTAVAM CARREGANDO


FOLHAS.
ELAS TÊM 6 PERNAS. TEM DUAS
ANTENAS. MEDEM 1 CENTÍMETRO
DE COMPRIMENTO.
PEDRO.

 ESCREVA A DESCRIÇÃO DO PEQUENO ANIMAL E AFIXE NO MURAL


DA CLASSE.

CENTO E VINTE E CINCO 125


21. LEIA O TEXTO.

QUANDO PENSAMOS EM BICHOS, VÊM LOGO À MENTE IMAGENS


DE CAMPOS, FLORESTAS, MARES, ENFIM, AMBIENTES ONDE A
NATUREZA REINA, E OS HOMENS FICAM DE FORA. POIS TENHO UM
DESAFIO PARA VOCÊ: OLHE AO SEU REDOR, NA CIDADE MESMO, E VEJA
SE ENTRE PRÉDIOS, RUAS E CONSTRUÇÕES TAMBÉM NÃO HÁ ANIMAIS!
POMBOS, PARDAIS, INSETOS VARIADOS, MORCEGOS E ATÉ RATOS
VIVEM EM AMBIENTES URBANOS. COMO ELES FORAM PARAR LÁ?
NOS LOCAIS ONDE CIDADES CRESCERAM, ALGUNS ANIMAIS
FORAM OS PRIMEIROS HABITANTES E SOBREVIVERAM À
URBANIZAÇÃO. OUTRAS ESPÉCIES FORAM CAPTURADAS PELOS
HUMANOS EM OUTRAS REGIÕES E, INSERIDAS NAS CIDADES, SE
ADAPTARAM MUITO BEM AO CLIMA AGITADO.
DISPONÍVEL EM: <HTTP://CHC.CIENCIAHOJE.UOL.COM.BR/VIDA-NA-CIDADE/> ACESSO EM: 6 OUT. 2017.

A) EXPLIQUE COM SUAS PALAVRAS O QUE DIZ O TEXTO.

B) ESCREVA O NOME DE ALGUNS ANIMAIS QUE VOCÊ JÁ VIU NO LUGAR


ONDE VOCÊ MORA.

C) ESCOLHA UM PEQUENO ANIMAL QUE VOCÊ GOSTE E FAÇA UM DESENHO.

126 CENTO E VINTE E SEIS


OS ANIMAIS SÃO DIFERENTES UNS DOS OUTROS. OS PEIXES TÊM A PELE
COBERTA DE ESCAMAS. SOBRE AS ESCAMAS HÁ MUCO. ESSE MUCO É UM
LÍQUIDO GELATINOSO. AS CORES DOS PEIXES ESTÃO NA PELE, DEBAIXO
DAS ESCAMAS.
BLUEHAND/SHUTTERSTOCK

20 cm 30 cm

DIGITALIENSPB/SHUTTERSTOCK
PEIXE-BORBOLETA. GATO.

OS SAPOS, AS RÃS E AS PERERECAS TÊM A PELE BEM FINA, SEM


ESCAMAS E SEM PELOS. AS COBRAS TÊM ESCAMAS.

1 HINTAU ALIAKSEI/SHUTTERSTOCK

3 COLOA STUDIO/SHUTTERSTOCK
2 3
2m
1

2 IRINAK/SHUTTERSTOCK
11 cm 12 cm

RÃ. CASCAVEL. POMBO.

22. OBSERVE AS FOTOGRAFIAS.


A) O QUE COBRE A PELE DO GATO?

B) O QUE COBRE A PELE DAS AVES?

C) A COBERTURA DA SUA PELE É MAIS PARECIDA COM A DE QUAL


DESSES ANIMAIS?

O QUE ESTUDAMOS
AS PAISAGENS TÊM ELEMENTOS COM VIDA E OUTROS SEM VIDA.
OS SERES QUE SÃO VIVOS SE ALIMENTAM, PERCEBEM O AMBIENTE, E
SE REPRODUZEM.
OS SERES VIVOS MAIS CONHECIDOS SÃO AS PLANTAS E OS ANIMAIS.

CENTO E VINTE E SETE 127


A TRANSFORMAÇÃO DAS PAISAGENS

O TEMPO E AS PAISAGENS
AS PAISAGENS MUDAM NO DECORRER DO TEMPO. ESSAS MUDANÇAS
PODEM ACONTECER EM SEGUNDOS, MINUTOS, HORAS, DIAS, MESES OU ANOS.
VEJA A TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
ENTRE 1930 E 2016.
HULTON ARCHIVE/GETTY IMAGES

VISTA AÉREA
DA CIDADE
DO RIO DE
JANEIRO,
RJ, 1930.
AFP/GETTY IMAGES

VISTA AÉREA
DA CIDADE
DO RIO DE
JANEIRO,
RJ, 2016.

VAMOS CONVERSAR
VOCÊ CONHECE ALGUMA MUDANÇA QUE OCORREU NA PAISAGEM
DE SUA CIDADE?

128 CENTO E VINTE E OITO


COMO AS PAISAGENS SE TRANSFORMAM
AS FOTOS DO RIO DE JANEIRO MOSTRAM AS TRANSFORMAÇÕES
OCORRIDAS POR CAUSA DA AÇÃO DAS PESSOAS. MUITOS PRÉDIOS FORAM
CONSTRUÍDOS DURANTE ESSE TEMPO, ALÉM DE OUTRAS MUDANÇAS
QUE NÃO SE PODE PERCEBER NAS FOTOGRAFIAS, COMO OS MEIOS DE
TRANSPORTE, AS ROUPAS DAS PESSOAS E OS COSTUMES.
AS PAISAGENS MUDAM DE MUITAS MANEIRAS.
HÁ MUDANÇAS QUE TÊM CAUSAS NATURAIS, COMO ACONTECE, POR
EXEMPLO, QUANDO OCORREM TERREMOTOS, GRANDES TEMPESTADES E
OUTROS FENÔMENOS NATURAIS. OUTRAS MUDANÇAS SÃO FEITAS PELAS
PESSOAS.
1. OBSERVE AS ILUSTRAÇÕES. ELAS MOSTRAM AS TRANSFORMAÇÕES
DE UMA PAISAGEM NATURAL. A CENA 1 MOSTRA A PAISAGEM COMO
ELA ERA.
NUMERE AS ILUSTRAÇÕES NA ORDEM EM QUE ACONTECERAM AS
MUDANÇAS NA PAISAGEM.

ILUSTRAÇÕES: O. SEQUETIN

Cena 1 Cena

Cena Cena

CENTO E VINTE E NOVE 129


2. OBSERVE AS IMAGENS. ELAS MOSTRAM ÁREAS DA FLORESTA EM QUE AS
ÁRVORES FORAM DERRUBADAS PARA DIFERENTES FINALIDADES.
GETTY IMAGES/NATURE PICTURE LIBRARY
1

PLANTAÇÃO
NA FLORESTA
AMAZÔNICA,
MT, 2008.

2
LUIZ CLAUDIO MARIGO/TYBA

MADEIREIRA
NA FLORESTA
AMAZÔNICA.
JURUAMÃ,
AM, 2010.

3
EDUCATION IMAGES/UIG VIA GETTY IMAGES

FORMAÇÃO
DE PASTO
NA FLORESTA
AMAZÔNICA,
PA, 2016.

 LEIA AS LEGENDAS DAS FOTOGRAFIAS. DEPOIS, ESCREVA PARA QUAL


FINALIDADE AS ÁRVORES FORAM DERRUBADAS EM CADA CENA
FOTOGRAFADA.

1.

2.

3.

130 CENTO E TRINTA


3. OBSERVE DUAS PAISAGENS DA FLORESTA AMAZÔNICA.

1
ASAHI SHIMBUN VIA GETTY IMAGES

FLORESTA
AMAZÔNICA.
RONDÔNIA,
RO, 2007.

2
ASAHI SHIMBUN VIA GETTY IMAGES

QUEIMADA
NA FLORESTA
AMAZÔNICA.
RONDÔNIA,
RO, 2007.

A) ASSINALE (V) PARA O QUE É VERDADEIRO E (F) PARA O QUE É FALSO.

AS DUAS PAISAGENS MOSTRAM ÁREAS DE FLORESTA.

AS DUAS PAISAGENS ESTÃO MODIFICADAS PELA AÇÃO DAS


PESSOAS.

A PAISAGEM 1 NÃO FOI MODIFICADA.

A PAISAGEM 2 FOI MODIFICADA.


A MODIFICAÇÃO DA PAISAGEM 2 OCORREU POR CAUSAS
NATURAIS.
A MODIFICAÇÃO DA PAISAGEM 2 FOI CAUSADA PELA AÇÃO
HUMANA.

CENTO E TRINTA E UM 131


4. AS FOTOGRAFIAS MOSTRAM UM RIO QUE PASSA AO LADO DE UMA
CIDADE. QUANDO A PRIMEIRA FOTOGRAFIA FOI TIRADA FAZIA TEMPO
QUE NÃO CHOVIA. QUANDO A SEGUNDA FOTOGRAFIA FOI TIRADA,
TINHA CHOVIDO E O RIO FICOU BEM MAIS CHEIO. ALÉM DISSO
ALGUMAS ÁREAS DA CIDADE FORAM INUNDADAS.
JOÃO PRUDENTE/PULSAR IMAGENS

RIO PIRACICABA EM
ÉPOCA DE SECA.
PIRACICABA, SP, 2015.
JOÃO PRUDENTE/PULSAR IMAGENS

RIO PIRACICABA NA
CHEIA. PIRACICABA,
SÃO PAULO, 2016.

 O QUE VOCÊ ACHA QUE CAUSOU A TRANSFORMAÇÃO DESSA


PAISAGEM?

132 CENTO E TRINTA E DOIS


5. AS FOTOGRAFIAS MOSTRAM O MESMO LUGAR EM DIFERENTES HORÁRIOS
DO DIA.
DIEGO FRICHS ANTONELLO/FLICKR/GETTY IMAGES

RUBENS CHAVES/PULSAR IMAGENS


PRAÇA TIRADENTES. OURO PRETO, MG, 2015.
ASSINALE O QUE MUDOU NESSA PAISAGEM.

O MOVIMENTO DOS CARROS AUMENTOU E MAIS PESSOAS ESTÃO


NA PRAÇA.

A NEBLINA DESAPARECEU E O CÉU FICOU CHEIO DE NUVENS.

© MAURICIO DE SOUZA PRODUÇÕES - BRASIL


TIRINHA DA MAGALI.

6. OBSERVE A TIRINHA DA MAGALI E RESPONDA:

QUE RECURSO DO AMBIENTE FOI UTILIZADO PELA MAGALI E PARA QUÊ?

O QUE ESTUDAMOS
AS PAISAGENS ESTÃO SEMPRE MUDANDO, SEJA EM FUNÇÃO DAS
PESSOAS OU DA NATUREZA. ELAS MUDAM AO LONGO DE UM DIA,
DE MESES E TAMBÉM AO LONGO DOS ANOS.

CENTO E TRINTA E TRÊS 133


OFICINA

AS PAISAGENS DO BAIRRO
VOCÊ E SEU GRUPO VÃO PESQUISAR AS MUDANÇAS QUE JÁ
ACONTECERAM NO BAIRRO ONDE VIVEM.
 FORAM CONSTRUÍDOS NOVOS EDIFÍCIOS?
 ABRIRAM ALGUM TÚNEL OU UMA AVENIDA?
 CONTRUÍRAM UM VIADUTO?
 CONSTRUÍRAM UMA PASSARELA PARA PEDESTRE?
 QUE OUTRAS MUDANÇAS FORAM FEITAS NO BAIRRO?
1. PESQUISEM IMAGENS DE DIFERENTES LUGARES DO BAIRRO. PODEM
SER FOTOGRAFIAS CONSEGUIDAS COM MORADORES DO BAIRRO OU
IMAGENS DISPONÍVEIS EM SITES.
2. ANOTEM A DATA DA IMAGEM E VERIFIQUEM QUE LUGAR FOI
RETRATADO.
3. ORGANIZEM AS IMAGENS POR DATA, DA MAIS ANTIGA PARA A MAIS
RECENTE.
4. COLEM AS IMAGENS EM UMA CARTOLINA, NA ORDEM DE DATAS.
5. ESCREVAM UMA LEGENDA PARA CADA IMAGEM COM O NOME DO
LUGAR E A DATA.
MONKEY BUSINESS IMAGES/
SHUTTERSTOCK

134 CENTO E TRINTA E QUATRO


VOCÊ E SEU GRUPO VÃO PESQUISAR MUDANÇAS QUE ESTÃO
ACONTECENDO NO PRESENTE.
PERGUNTEM PARA OS ADULTOS, PESQUISEM NA INTERNET, OBSERVEM
NO CAMINHO PARA A ESCOLA QUE MUDANÇAS ESTÃO ACONTECENDO
NAS PAISAGENS DO BAIRRO.
 ALGUM VIADUTO ESTÁ SENDO CONSTRUÍDO?
 ESTÃO AUMENTANDO AS ÁREAS DE ESTACIONAMENTOS?
 ESTÃO PLANTANDO ÁRVORES PARA AUMENTAR AS SOMBRAS E
EMBELEZAR AS RUAS?
 ESTÃO CONSERTANDO OS BURACOS NO ASFALTO?
 ALGUMA CONSTRUÇÃO ESTÁ SENDO DEMOLIDA? POR QUÊ?
 ESTÃO ABRINDO NOVAS AVENIDAS? ISSO VAI MELHORAR A
CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS?
 DESCUBRAM QUE OUTROS TIPOS DE TRABALHO ESTÃO SENDO
REALIZADOS PARA FACILITAR A VIDA DE TODOS OU SE VÃO SER
PREJUDICIAIS À SOBREVIVÊNCIA NA COMUNIDADE.
ANOTEM ESSAS OBSERVAÇÕES E O QUE MAIS DESCOBRIREM.

APRESENTEM O TRABALHO DO GRUPO PARA OS DEMAIS ALUNOS


DA CLASSE.

CENTO E TRINTA E CINCO 135


A REPRESENTAÇÃO DAS PAISAGENS

DIFERENTES REPRESENTAÇÕES
QUANDO A FOTOGRAFIA AINDA NÃO EXISTIA, OS ARTISTAS QUE
CONSEGUIAM RETRATAR AS PAISAGENS DA FORMA MAIS REALISTA
POSSÍVEL ERAM MUITO VALORIZADOS.
COLEÇÃO PARTICULAR

PONTE DE SANTA IFIGÊNIA. JEAN BAPTISTE DEBRET, 1827. AQUARELA SOBRE


PAPEL, 14,5 cm X 20,6 cm.

ESSES PINTORES REALISTAS REPRODUZIAM FIELMENTE O QUE


PERCEBIAM NA PAISAGEM, COMO EDIFÍCIOS, CASAS, MONTANHAS, RIOS,
ÁRVORES E PESSOAS.

VAMOS CONVERSAR
VOCÊ CONHECE OUTRAS FORMAS DE SE REPRESENTAR E
REGISTRAR AS PAISAGENS?

136 CENTO E TRINTA E SEIS


A REPRESENTAÇÃO REALISTA
PODE-SE REPRESENTAR A PAISAGEM DE FORMA REALISTA, OU SEJA, TAL
COMO ELA É. PODE-SE TAMBÉM ALTERAR A PAISAGEM OBSERVADA.
1. OBSERVE AS PAISAGENS.

DOMÍNIO PÚBLICO
ALMEIDA JÚNIOR. GUARUJÁ. 1895. ÓLEO SOBRE TELA,
48 cm X 63 cm. PINACOTECA DE SÃO PAULO.

PINACOTECA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TARSILA DO AMARAL. SÃO PAULO. 1924.


ÓLEO SOBRE TELA, 67 cm X 90 cm.
PINACOTECA DE SÃO PAULO.

 ESCREVA O NOME DA PAISAGEM REPRESENTADA DE FORMA


REALISTA. JUSTIFIQUE SUA RESPOSTA.

CENTO E TRINTA E SETE 137


2. PAULO E MARINA DESENHARAM O LUGAR ONDE MORAM. OBSERVE
OS DESENHOS.
ILUSTRAÇÕES: ADOLAR

DESENHO DO PAULO. DESENHO DA MARINA.

 QUAL DOS DOIS DESENHOS VOCÊ ACHA QUE REPRESENTA UMA


PAISAGEM DE UMA CIDADE?
3. PESQUISE EM REVISTAS UMA CENA QUALQUER DE UMA CIDADE E FAÇA
UM DESENHO DA CENA QUE VOCÊ RECORTOU.

138 CENTO E TRINTA E OITO


OS PINTORES REALISTAS FORAM IMPORTANTES NA REPRESENTAÇÃO DAS
PAISAGENS BRASILEIRAS. ELES REGISTRARAM ESSAS PAISAGENS NO TEMPO EM
QUE NÃO EXISTIA A FOTOGRAFIA OU NÃO ERA COMUM COMO É HOJE.
MUITOS PINTORES REALISTAS ERAM DE OUTROS PAÍSES, COMO JOHANN
MORITIZ RUGENDAS, QUE ERA ALEMÃO E VIAJOU PELO BRASIL DE 1822 A
1825. ELE PINTOU DIFERENTES PAISAGENS, REGISTRANDO A NATUREZA, AS
PESSOAS E SEUS COSTUMES.
4. COMPARE ESTAS IMAGENS DO RIO DE JANEIRO. A PRIMEIRA É UMA
PINTURA FEITA POR RUGENDAS HÁ CERCA DE 200 ANOS E A SEGUNDA É
UMA FOTOGRAFIA DE 2011.
ART COLLECTION 2/ALAMY/LATINSTOCK

RUGENDAS,
JOHANN MORITIZ.
ENSEADA DE
BOTAFOGO NA
CIDADE DO RIO
DE JANEIRO. 1820.
LITOGRAFIA
AQUARELADA.
CENTRO DE
DOCUMENTAÇÃO
D. JOÃO VI.
ROGÉRIO REIS/PULSAR IMAGENS

PRAIA DA URCA
COM VISTA PARA
O MORRO DO
CORCOVADO, COM
CRISTO REDENTOR
AO FUNDO. RIO DE
JANEIRO, RJ, 2011.

 QUAL DAS REPRESENTAÇÕES É MAIS REALISTA?

CENTO E TRINTA E NOVE 139


PONTOS DE VISTA
PODEMOS OBSERVAR A MESMA PAISAGEM DE DIFERENTES POSIÇÕES
OU PONTOS DE VISTA.
O PONTO DE VISTA PODE SER FRONTAL, OU SEJA, O OBSERVADOR
ESTÁ OLHANDO A PAISAGEM DE FRENTE. A PAISAGEM TAMBÉM PODE SER
OBSERVADA DE CIMA PARA BAIXO, OU SEJA, DO PONTO DE VISTA SUPERIOR.
5. OBSERVE A SALA DE AULA REPRESENTADA DESSES DOIS PONTOS DE VISTA.
PRIMEIRA REPRESENTAÇÃO:
ILUSTRAÇÕES: O. SEQUETIN

SEGUNDA REPRESENTAÇÃO:

TROQUE IDEIAS COM SEUS COLEGAS DE GRUPO E RESPONDA ÀS QUESTÕES.


A) DE QUAL PONTO DE VISTA FOI FEITA A PRIMEIRA REPRESENTAÇÃO?

FRONTAL (DE FRENTE). SUPERIOR (DE CIMA PARA BAIXO).

B) COMO A SEGUNDA REPRESENTAÇÃO MOSTRA A SALA DE AULA?

VISTA DE FRENTE. VISTA DE CIMA PARA BAIXO.

140 CENTO E QUARENTA


6. OBSERVE AS ILUSTRAÇÕES 1 E 2. ELAS REPRESENTAM UMA MESMA
PAISAGEM, VISTA DE DOIS PONTOS DE VISTA DIFERENTES.

ILUSTRAÇÕES: ALEX ARGOZINO

 DE QUAL PONTO DE VISTA CADA PAISAGEM FOI REPRESENTADA?

CENTO E QUARENTA E UM 141


A REPRESENTAÇÃO QUE SEGUE É UMA PLANTA DE UMA SALA DE
AULA VISTA A PARTIR DO ALTO, DE CIMA PARA BAIXO. OS MÓVEIS ESTÃO
REPRESENTADOS POR SÍMBOLOS.
MASPI

LOUSA

ARMÁRIO

CADEIRA E MESA
DO PROFESSOR

CADEIRA E MESA
DOS ALUNOS

JANELA

PORTA

7. FAÇA A PLANTA DA SUA SALA DE AULA, DO JEITO QUE VOCÊ PREFERIR.

142 CENTO E QUARENTA E DOIS


8. REPRESENTE ESTA CENA DE PRAIA COMO SE VOCÊ ESTIVESSE OLHANDO
DE CIMA.

ADOLAR

CENTO E QUARENTA E TRÊS 143


9. OBSERVE ESTÁ IMAGEM. ELA MOSTRA O BAIRRO DA BARRA DA TIJUCA,
NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, EM UMA REPRESENTAÇÃO QUE FOI
CAPTADA POR UM SATÉLITE.
IMAGEM DE SATELITE DO INPE

IMAGEM DE SATÉLITE DO INPE, PRAIA DE COPACABANA, RIO DE JANEIRO, RJ, 2017.

 A IMAGEM DO BAIRRO DA BARRA DA TIJUCA FOI CAPTADA A PARTIR


DE QUAL PONTO DE VISTA?
AS IMAGENS DE SATÉLITE SÃO OBTIDAS POR SATÉLITES ARTIFICIAIS QUE
GIRAM AO REDOR DA TERRA, CAPTAM AS IMAGENS E ENVIAM PARA A
SUPERFÍCIE TERRESTRE.
CRISTI MATEI/SHUTTERSTOCL

SATÉLITE ARTIFICIAL E A TERRA.

144 CENTO E QUARENTA E QUATRO


10. OBSERVE A MESMA PONTE REPRESENTADA DE DIFERENTES PONTOS
DE VISTA.
ISMAR INGBER/PULSAR IMAGENS

PONTE RIO-NITERÓI, NA
BAÍA DE GUANABARA,
COM CIDADE DO RIO
DE JANEIRO AO FUNDO.
NITEROI, RJ, 2012.
ISMAR INGBER/PULSAR IMAGENS

PONTE RIO-NITERÓI, BAÍA


DE GUANABARA. RIO DE
JANEIRO, RJ, 2011.
RICARDO AZOURY/PULSAR IMAGENS

PONTE RIO-NITERÓI, BAÍA


DE GUANABARA. RIO DE
JANEIRO, RJ, 2010.

 EM QUAL DELAS O OBSERVADOR ESTÁ ABAIXO DA PONTE?

CENTO E QUARENTA E CINCO 145


A MAQUETE
A MAQUETE É A REPRESENTAÇÃO DE UM ESPAÇO EM TAMANHO MENOR
DO QUE NA REALIDADE. ELA É FEITA COM DIVERSOS TIPOS DE MATERIAIS E
PODE REPRESENTAR DESDE UMA CASA OU UMA ESCOLA ATÉ UM BAIRRO
OU CIDADE INTEIRA.
11. OBSERVE A MAQUETE DE UM BAIRRO.
GERSON GERLOFF/PULSAR IMAGENS

MAQUETE DA VILA BELGA DE SANTA MARIA. ESSA VILA FOI CONSTRUÍDA EM


1903 PARA SERVIR DE MORADIA AOS FUNCIONÁRIOS QUE TRABALHAVAM NAS
FERROVIAS DA REGIÃO. SANTA MARIA, RS, 2012.

A) QUE ELEMENTOS VOCÊ IDENTIFICA NESSA PAISAGEM?

B) COM QUAIS MATERIAIS VOCÊ ACHA QUE ELA FOI FEITA?

O QUE ESTUDAMOS
PODEMOS REPRESENTAR UMA PAISAGEM DE DIVERSAS MANEIRAS
E A PARTIR DE DIFERENTES PONTOS DE VISTA.

146 CENTO E QUARENTA E SEIS


OFICINA
FAZENDO UMA MAQUETE
VOCÊ E SEU GRUPO VÃO FAZER A MAQUETE

O. S
EQ U
DA SALA DE AULA OU DE UMA CASA E O QUE

E T IN
HÁ AO REDOR DELA. SUGERIMOS MAQUETES
SIMPLES, MAS VOCÊS PODEM FAZER OUTRO
TIPO DE MAQUETE. QUANTO MAIOR A
MAQUETE, MAIS MATERIAL SERÁ NECESSÁRIO.
MAQUETE DE UMA SALA DE
A MAQUETE PODE SER CONSTRUÍDA SOBRE AULA.
UMA PLATAFORMA DE MADEIRA.
OS MATERIAIS DEPENDEM DA MAQUETE QUE VOCÊ E SEU GRUPO
ESCOLHEREM.
SUGERIMOS ESTES MATERIAIS:
 TERRA PARA REPRESENTAR O SOLO.
 PLANTAS PEQUENAS PARA REPRESENTAR A VEGETAÇÃO.
 MASSINHA DE MODELAR PARA FAZER AS PESSOAS, E OS ANIMAIS
DOMÉSTICOS.
 CAIXAS DE DIFERENTES TAMANHOS.
 UM PAPEL CELOFANE AZUL PODE SER COLOCADO NA TERRA PARA
REPRESENTAR UM LAGUINHO.
 PEDRAS E PEDAÇOS DE TIJOLO SERÃO ÚTEIS NA MONTAGEM DA
MAQUETE.
PRESTEM ATENÇÃO NO TAMANHO DE CADA COISA. NÃO FAÇAM UMA
GALINHA DO TAMANHO DE UM BOI.
COLA, TESOURA SEM PONTA, CANETAS COLORIDAS SERÃO MUITO ÚTEIS.
JOÃO PRUDENTE/PULSAR IMAGENS

ESTUDANTES DA ESCOLA
ESTADUAL PROFESSORA
LEILA MARA AVELINO
EM FEIRA DE CIÊNCIAS,
SEGURANDO A MAQUETE
QUE FIZERAM. SUMARÉ,
SP, 2014.

CENTO E QUARENTA E SETE 147


ATIVIDADE INTEGR ADOR A
A PAISAGEM DO MEU LUGAR
VOCÊ VAI CONHECER MAIS SOBRE O LUGAR ONDE VIVE OBSERVANDO
UM ELEMENTO MUITO IMPORTANTE DA PAISAGEM: AS AVES.
NO BRASIL, HÁ MUITAS ESPÉCIES DE AVES QUE VIVEM TANTO NAS
CIDADES COMO NA FLORESTA AMAZÔNICA, NO PANTANAL, NO CERRADO E
EM DIVERSOS OUTROS AMBIENTES NATURAIS.
AS AVES PEQUENAS SÃO OS PÁSSAROS OU PASSARINHOS, COMO O
SABIÁ-LARANJEIRA, QUE É CONSIDERADA A AVE SÍMBOLO DO BRASIL.
OBSERVE ALGUNS PÁSSAROS E OUTRAS AVES DA NOSSA TERRA.

18 cm
MAURICIO SIMONETTI/PULSAR IMAGENS

FABIO COLOMBINI
25 cm

SABIÁ-LARANJEIRA. TIÉ-SANGUE.

18 cm
MAURICIO SIMONETTI/
PULSAR IMAGENS

DANIEL AUGUSTO JR./


PULSAR IMAGENS

25 cm

BEM-TE-VI. SANHAÇO.

148 CENTO E QUARENTA E OITO


FOTOS: FABIO COLOMBINI
56 cm 90 cm

CARACARÁ. SIRIEMA.

48 cm 37 cm

TUCANO-DO-BICO-VERDE. PAPAGAIO-VERDADEIRO.

ALGUMAS ESPÉCIES DE AVES TÊM NOMES POPULARES. E TODAS ELAS


TÊM TAMBÉM UM NOME CIENTÍFICO.
O NOME CIENTÍFICO DO SABIÁ-LARANJEIRA, POR EXEMPLO, É TURDUS
RUFIVENTRIS. ASSIM, NO MUNDO INTEIRO, ESSE PÁSSARO É RECONHECIDO
POR CIENTISTAS QUE FALAM OUTRAS LÍNGUAS.
1. OBSERVE AS AVES DAS FOTOGRAFIAS E LEIA AS LEGENDAS.
A) PINTE DE AMARELO O NOME DAS AVES QUE VOCÊ CONHECE.
B) PINTE DE VERDE O NOME DAS AVES QUE VOCÊ NÃO CONHECE.
C) ASSINALE COM X O NOME DOS PÁSSAROS QUE VOCÊ JÁ VIU.

CENTO E QUARENTA E NOVE 149


VOCÊ JÁ OUVIU FALAR DA ARARA-AZUL-GRANDE? VAMOS SABER MAIS
SOBRE ELA.
2. LEIA AS INFORMAÇÕES DA FICHA E CONHEÇA MAIS SOBRE ESSA AVE.

FA
B IO
CO NOME:
L O
TAMBÉM CONHECIDA COMO ARARA-PRETA
M
BI
NI

(MATO GROSSO), ARARA-UNA (UNA SIGNIFICA


“NEGRO” EM TUPI) E ARARA-HIACINTA.
NOME CIENTÍFICO:
ANODORHYNCHUS HYACINTHINUS.
PESO:
CERCA DE 2 QUILOGRAMAS.
COMPRIMENTO:
98 CENTÍMETROS.

ONDE VIVE:
FLORESTA AMAZÔNICA, CERRADO E PANTANAL.
HÁBITO ALIMENTAR:
COME FRUTOS.
REPRODUÇÃO:
PASSA BOA PARTE DA VIDA EM CASAL E PÕE DE 1 A 3 OVOS,
UMA VEZ POR ANO OU A CADA DOIS ANOS. OS OVOS SÃO
CUIDADOS PELOS PAIS POR CERCA DE 30 DIAS. OS FILHOTES
PERMANECEM NO NINHO POR CERCA DE 100 DIAS E APÓS A
SAÍDA DO NINHO CONTINUAM DEPENDENTES DOS PAIS PARA
ALIMENTAÇÃO. ELES SE SEPARAM DOS PAIS DEPOIS DE UM
ANO APROXIMADAMENTE.
SITUAÇÃO ATUAL:
AMEAÇADA DE EXTINÇÃO DEVIDO À DESTRUIÇÃO DO AMBIENTE NO
QUAL VIVE E AO COMÉRCIO ILEGAL.

150 CENTO E CINQUENTA


3. AGORA, TRABALHANDO COM SEUS COLEGAS DE GRUPO, VOCÊ VAI
PESQUISAR SOBRE UMA AVE DO LUGAR ONDE MORA. NA SEQUÊNCIA,
ANOTE OS DADOS, ESCREVA OS TEXTOS, REVISE E, DEPOIS, COPIE OS
TEXTOS REVISADOS NESTA FICHA.

NOMES POPULARES DA AVE:

NOME CIENTÍFICO:

PESO: COMPRIMENTO:

ONDE VIVE:

HÁBITO ALIMENTAR:

REPRODUÇÃO:

SITUAÇÃO ATUAL:

4. ESSA AVE AINDA PODE SER VISTA NO LUGAR ONDE VOCÊ VIVE?

SIM NÃO

CENTO E CINQUENTA E UM 151


SUGES TÕES DE LEITUR A

D IV U LG
AÇ Ã O
A PAISAGEM
É GOSTOSO APRECIAR UMA LINDA PAISAGEM.
É O QUE VOCÊ VAI FAZER VENDO OS DESENHOS
E AS FOTOGRAFIAS DESSE LIVRO. VAI
DESCOBRIR DIFERENTES LUGARES E VER COMO
É NO PRESENTE E COMO ERA NO PASSADO.
TAMBÉM VAI COMPREENDER A IMPORTÂNCIA
DAS PESSOAS NAS PAISAGENS.
FAVRET, MARIA LUISA. A PAISAGEM. SÃO PAULO: FTD, 2009.

D IV U LG
A BOLA DOURADA AÇ Ã O

UMA GAROTINHA GANHA UMA BOLA


DOURADA NO NATAL. MAS QUANDO VAI
BRINCAR NA RUA, ELA PERDE A BOLA. A
PARTIR DAÍ, A BOLA SERÁ ENCONTRADA
POR PESSOAS DE DIFERENTES LUGARES DO
MUNDO E MOSTRARÁ AS MAIS LINDAS
PAISAGENS DA TERRA.
COCK, NICOLE. A BOLA DOURADA.. SÃO PAULO: FTD, 2009.

ESTA CASA É MINHA


A Ç ÃO
D IV U LG
UMA FAMÍLIA QUE MORA NA PRAIA MUDA
PARA OUTRO LUGAR E QUANDO VOLTA,
TODOS LEVAM UM SUSTO: A CASA ESTÁ
OCUPADA! SERÁ QUE SEU JUCA NÃO TOMOU
CONTA DA CASA? ELE DIZ QUE SIM! DIVIRTA-SE
E DESCUBRA COMO SEU JUCA TOMOU
CONTA DE TUDO.
MACHADO, ANA MARIA. ESTA CASA É MINHA.
SÃO PAULO: MODERNA, 2009.

152 CENTO E CINQUENTA E DOIS


D IV U LG
AÇ Ã O

QUEM É O CENTRO DO MUNDO?


AS PAISAGENS DO MUNDO PERTENCEM SOMENTE
AOS SERES HUMANOS? ELES SÃO OS SERES VIVOS MAIS
IMPORTANTES DO PLANETA TERRA? COMO SUAS
ATITUDES PODEM COMPROMETER A NATUREZA? LEIA
ESTE LIVRO PARA APRENDER A DIVIDIR O PLANETA
COM TODOS OS SERES VIVOS.
GOMES, CLARA ROSA. QUEM É O CENTRO DO MUNDO?
SÃO PAULO: ELEMENTAR, 2010.

AÇ Ã O
D IV U LG
O CÃO E O GATO
QUE DIFERENÇAS EXISTEM ENTRE O CÃO
E O GATO? NO QUE ELES SE PARECEM POR
FORA E POR DENTRO? PODEMOS DESCOBRIR
TUDO ISSO OBSERVANDO OS DOIS ANIMAIS
COM MUITA ATENÇÃO. É O QUE ESTE
LIVRO CONTA.
RIBEIRO, VERENICE LEITE. O CÃO E O GATO.
SÃO PAULO: FORMATO, 2008.
AÇ Ã O

PAISAGEM: RETRATO DE UM LUGAR


D IV U LG

VAMOS OBSERVAR O QUE ACONTECE COM AS


PAISAGENS QUANDO AS PESSOAS VIVEM NELAS.
VAMOS DESCOBRIR QUE ESSAS MUDANÇAS
DEPENDEM DE COMO AS PESSOAS VIVEM E O QUE
ELAS RETIRAM DA NATUREZA.
LENZIE, COSSELL; SANTO, FANNY. PAISAGEM: RETRATO DE UM LUGAR.
SÃO PAULO: POSITIVO, 2001.

CENTO E CINQUENTA E TRÊS 153


3
UNIDADE

NÓS E O TEMPO

O que fazemos hoje é diferente do que fizemos ontem


e do que faremos amanhã. Ontem, hoje e amanhã nos
dão a noção de passado, presente e futuro.

154 CENTO E CINQUENTA E QUATRO


VERÃO OUTONO INVERNO PRIMAVERA

JANEIRO
JANEIRO FEVEREIRO
FEVEREIRO MARÇO
MARÇO ABRIL
ABRIL

MAIO
MAIO JUNHO
JUNHO JULHO
JULHO AGOSTO
AGOSTO

SETEMBRO
SETEMBRO OUTUBRO
OUTUBRO NOVEMBRO
NOVEMBRO DEZEMBRO
DEZEMBRO

DESENHE UM BOLO
NO MÊS DE SEU
ANIVERSÁRIO!

1. Quais foram as atividades do menino ao longo do dia?

2. E você? Quais atividades você realiza de manhã, de tarde e de noite?

3. Qual a data de seu aniversário?

CENTO E CINQUENTA E CINCO 155


O PASSADO, O PRESENTE E O FUTURO

O TEMPO PASSA
A ilustração que você vê abaixo é uma composição de fotos de
momentos diferentes.
O feijão número 5 germinou há 15 dias. Ele já tem duas folhas. No futuro
ele vai formar flores e frutos. O feijão número 4 ainda está formando um
feijoeiro, pois foi enterrado depois do feijão número 5 e o feijão número 1 está
sendo enterrado e só vai formar um feijoeiro no futuro.
Bogdan Wańkowicz/Dreamstime

2 3 4 5

VAMOS CONVERSAR
A germinação do feijão número 5 aconteceu no passado. Cite algum
acontecimento que ocorreu em sua família no passado.

156 CENTO E CINQUENTA E SEIS


OS ACONTECIMENTOS E O TEMPO
O tempo passa e o que fazemos hoje pode ser diferente do que fizemos
ontem e do que faremos amanhã. Ontem, hoje e amanhã são palavras que
indicam a passagem do tempo.
1. Escreva uma atividade que você fez ontem, uma atividade que fez hoje e
outra que vai fazer amanhã.
a) Atividade de ontem:

b) Atividade de hoje:

c) Atividade de amanhã:

O tempo que passou e o tempo que virá podem ter muitos anos. O tempo
de 10 anos é uma década. O tempo de 100 anos é um século.
2. Observe como a Magali era desenhada em 1964, quando foi criada, e como
ficou em 2014.
© Mauricio de Sousa Editora Ltda

1964 1966 1968 1970 1980 2014

a) Em que ano a Magali foi criada?

b) Quantas décadas se passaram entre o primeiro e o último desenho?

Uma década três décadas cinco décadas

CENTO E CINQUENTA E SETE 157


3. Este senhor está comemorando um século de vida.

Lucky Business/Shutterstock

a) Escreva quantas décadas ele já viveu.

b) Escreva quantos anos ele já viveu.

4. Para tirar esta fotografia, as sementes de feijão foram enterradas com


intervalos de vários dias.
DIA 15
(hoje)
showcake/Shutterstock

DIA 10

DIA 8

DIA 5
DIA 1

a) Qual semente foi enterrada há pouco tempo?

b) Qual foi a primeira semente enterrada?

158 CENTO E CINQUENTA E OITO


BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS

Thiago Oliveira
DO PASSADO
Mané-gostoso é um brinquedo que foi
inventado em 1940 pelo pernambucano Otávio
José da Silva quando ele tinha apenas 10 anos.
Esse brinquedo é um boneco de madeira
com braços presos em duas varetas. Quando
apertamos essas varetas, os braços se movem e o
boneco sobe e dá cambalhotas.
No passado, muitas crianças do Brasil tinham
esse brinquedo.
5. Converse com seus colegas.
a) Você tem algum brinquedo do mesmo
tipo que um brinquedo que uma pessoa
mais velha de sua família tinha? Que brinquedo é esse?
b) Você gosta de alguma brincadeira de que uma pessoa mais velha da sua
família gostava quando era criança? Que brincadeira é essa?
c) Faça um desenho de uma brincadeira que você aprendeu com seus pais,
tios ou avós.

CENTO E CINQUENTA E NOVE 159


No passado, havia bonecas de pano e de porcelana. A porcelana é um tipo
muito delicado de louça, por isso é fácil de quebrar. As bonecas de hoje são de
vinil, um tipo de plástico que não quebra.
IMAGEPLUS

Maria Dryfhout/Shutterstock

Divulgação
Bonecas do passado, de porcelana e de pano. E a boneca atual, feita de plástico.

6. Agora, responda.

Por que não faziam bonecas de plástico no passado?

7. Leia o que disse Ananias Pereira de Sousa, que nasceu em 1940 em


Acajuciba, no estado da Bahia.

Eu brincava de tanta brincadeira: corre, pega-pega, esconde-


-esconde, bandido, roda no terreiro, pipa, gangorra, balanço,
bola de gude, cavalo -de -pau.
A minha brincadeira predileta, da qual eu era especialista,
era jogar pião.
Eu jogava pião até cair no chão, aparava na mão. Até na
unha meu pião rodava, minha unha era até furada do prego do
pião. [...]
Disponível em: <www.Crmariocovas.Sp.Gov.Br/pdf/ananias.Pdf>.
Acesso em: 6 out. 2017.

160 CENTO E SESSENTA


a) Sublinhe o nome de duas brincadeiras do Ananias de que você gosta
de brincar.
b) Circule o nome da brincadeira de que Ananias mais gostava.

c) É difícil rodar pião na unha. Você já fez isso? Conte para seus colegas.

8. Observe alguns brinquedos que eram muito comuns no passado.


Rashman/Shutterstock

Menino rodando
pião na mão.

a) Escreva o nome de cada brinquedo.

1 5
3

Imagens: Photodisc
4

ELEMENTOS NÃO PROPORCIONAIS ENTRE SI.

Brinquedo 1:

Brinquedo 2:

Brinquedo 3:

Brinquedo 4:

Brinquedo 5:

CENTO E SESSENTA E UM 161


O CAVALO DE PAU

Elzbieta Sekowska/Shutterstock
Cavalo de pau é um brinquedo
antigo que ainda é fabricado. Veja esse
brinquedo em uma fotografia tirada há
mais de 100 anos.
Antigamente os pais levavam os filhos
para tirar fotografia em um estúdio onde
havia um cenário para fotografar crianças.
Nesse cenário era comum haver um
cavalo de pau.
Para tirar fotografia, os pais vestiam
as crianças com a melhor roupa que elas
tinham. A fotografia era guardada com Menino em estúdio fotográfico
carinho ou pendurada na parede. ao lado do cavalo de pau.

9. Nos dias atuais é necessário ir para um estúdio fotográfico para tirar


uma fotografia?

10. Onde e como você acha que é mais comum as pessoas tirarem
fotografias hoje?

11. O cavalo de pau é fabricado em dois modelos. O mais simples é um cabo


de madeira com uma cabeça de cavalo, que também pode ser de madeira.
Serrnovik/Dreamstime

Getty Images/iStockphoto

Dois meninos brincam em diferentes modelos de cavalo de pau.

 Com qual desses modelos você acha que é mais gostoso brincar? Por quê?

162 CENTO E SESSENTA E DOIS


12. Desenhe um brinquedo do passado que você gostaria de ter.

13. Muitos brinquedos do presente são diferentes dos brinquedos do passado.

Divulgação/Sony
Divulgação

Carro com controle remoto Videogame


Getty Images/iStockphoto

Scanrail1/Shutterstock

Jogo em tablet Jogo em celular


ELEMENTOS NÃO PROPORCIONAIS ENTRE SI.

 Que diferenças podemos perceber entre esses brinquedos e os do


passado? Converse com seus colegas.

O QUE ESTUDAMOS
O passado é o que se foi. O presente é o que estamos vivendo
agora. Muitos brinquedos do passado não são mais fabricados. Outros
continuam sendo brinquedos das crianças do presente.
Atualmente, grande parte das crianças brinca mais com equipamentos
eletrônicos, como tablets e videogames, do que com brinquedos.

CENTO E SESSENTA E TRÊS 163


NOSSOS ANTEPASSADOS
Avós, bisavós e trisavós viveram antes de nós, no passado.
Muitos brasileiros têm antepassados indígenas. Outros são
afrodescendentes. Há também os descendentes de outros povos que vieram
para o Brasil como, por exemplo, italianos, japoneses, alemães, poloneses,
sírios, libaneses, húngaros, armênios, chineses, bolivianos e coreanos. De todos
nasceram filhos que se casaram e foram formando as famílias brasileiras.
Howard Sandler/Dreamstime

Jaren Jai Wicklund/Shutterstock

Tanaka se casou com Lurdes. Maíra se casou com Hans.


Andy Dean Photography/Shutterstock

se media/Shutterstock

Bartira se casou com Luigi. Peter se casou com Maria.

VAMOS CONVERSAR
Para você, o que é um antepassado?

164 CENTO E SESSENTA E QUATRO


O QUE HERDAMOS DOS ANTEPASSADOS
Nós herdamos dos nossos antepassados algumas semelhanças físicas.
Herdamos também as histórias que são contadas quando a família se reúne.
Nessas reuniões comemos alimentos preparados com receitas que passam
de pais para filhos e de avós para netos.
1. Observe as fotografias. Elas mostram três gerações de duas famílias.

Blend Images/Shutterstock

Blend Images/Shutterstock
Avô, filho e neto. Avó, filha e netas.

Converse com seus colegas.


a) O que herdamos dos nossos antepassados além das características físicas?

b) Que antepassado você conhece ou conheceu?

2. Peça a seus pais ou avós que contem alguma história da sua família. Com a
ajuda deles, registre-a a seguir.

3. Conte a história para seus colegas e diga o que achou mais interessante nela.

CENTO E SESSENTA E CINCO 165


As pessoas idosas já viveram muito tempo e gostam de se lembrar dos fatos
que aconteceram quando eram crianças.
Ouvindo essas histórias, aprendemos como era a vida no passado.
4. Acompanhe a leitura.

LEMBRANÇAS DO SR. ARIOSTO


Nasci na Avenida Paulista, em 1900, numa travessa chamada
Antônio Carlos. Meus pais vieram para cá como imigrantes,
deixaram sua família na Europa. Da hospedaria de imigrantes eles
já eram contratados para uma fazenda no estado de São Paulo e
para lá meu pai foi. [...]
A Avenida Paulista era bonita, com calçamento de
paralelepípedos, palacetes. As outras ruas eram calçadas, cobertas
de árvores, de mata. De noite, os lampioneiros vinham acender os
lampiões e de madrugada voltavam para apagar.
Bosi, Ecléa. Lembranças de velhos. São Paulo: Edusp, 1987. p. 103.
Guilherme Gaensly/Biblioteca Nacional

Acervo Iconographia

Avenida Paulista em São Paulo, SP, 1900. Ao lado, o acendedor de lampiões.

 Converse com seus colegas:


a) Como era feita a iluminação das ruas no tempo em que o senhor
Ariosto era criança?
b) Hoje, como as ruas são iluminadas?

166 CENTO E SESSENTA E SEIS


O tempo passa e o modo de vida das pessoas vai mudando. Muitas dessas
mudanças são causadas por novos objetos e instrumentos, que são criados
para facilitar a nossa vida.
5. Observe as imagens de alguns produtos e invenções e as datas em que
começaram a ser usados no Brasil.
Preto Perola/Shutterstock Frankie Angel/Alamy

Canetas
Calça jeans esferográficas
1940 1961

1950 1990
Tênis Telefone celular

photolinc/Shutterstock Designsstock/Shutterstock

ELEMENTOS NÃO PROPORCIONAIS ENTRE SI.

a) Qual desses objetos você usa?

b) Como você acha que as pessoas faziam antes dessas invenções?

c) Escolha um objeto da sala de aula que você acha que existe há muito tempo
e outro que existe há pouco tempo. Escreva o nome desses objetos.

d) Os objetos que existem há muito tempo ajudam a entender como a


escola era antigamente?

CENTO E SESSENTA E SETE 167


GUARDANDO A MEMÓRIA
Em nossa casa, guardamos muitas coisas que nos lembram do passado.
6. Observe a ilustração.
Adolar

a) Que objetos a menina guarda na caixa?

b) Em sua opinião, por que ela guarda uma boneca quebrada?

c) Converse com seus colegas: o que vocês guardam como lembrança?


Todos guardam as mesmas coisas?
d) Existem objetos que são passados de pai para filho e guardados por
gerações. Encontre e circule na imagem um objeto que parece ser
guardado pela família há muito tempo .

168 CENTO E SESSENTA E OITO


PINTURAS QUE RECRIAM O PASSADO
Por meio das pinturas, podemos conhecer um pouco da
história do Brasil. Observe a pintura feita em 1887. Esse pintor
que imaginou uma cena que aconteceu em 1500 quando os
portugueses avistaram a costa do que hoje é o nosso país.

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro


FIGUEIREDO, Aurélio de. O descobrimento do Brasil. 1899. Óleo sobre tela, 60 cm × 100 cm.

Para pintar esse quadro, o pintor pesquisou como os


navegadores portugueses se vestiam naquela época e como eram
as caravelas. O homem de barba preta que aponta o horizonte é
a representação de Pedro Álvares Cabral, o comandante da frota
de caravelas.

As famílias guardam o que herdaram dos antepassados. As sociedades


guardam em museus o que muitas pessoas herdaram dos antepassados.
Nos museus há brinquedos, móveis, talheres, louças, roupas, quadros,
joias, moedas, tapetes, documentos, armas, fotos e muito mais coisas dos
tempos passados.

CENTO E SESSENTA E NOVE 169


7. O museu mais antigo do Brasil é o Museu Nacional do Rio de Janeiro,
fundado em 1818 pelo imperador D. João VI com o nome de Museu Real.
Ismar Ingber/Pulsar Imagens

Museu Nacional do Rio de Janeiro, RJ, 2009.

Converse com os colegas.


a) Você já foi a algum museu? O que você viu?

b) Para que servem os museus?

c) Você já foi a uma feira de antiguidades? Conte o que viu.

d) Por que alguns objetos são guardados e outros não?

O QUE ESTUDAMOS
Os que viveram antes de nós sabem como era a vida no passado.
Ouvindo suas histórias, aprendemos muitas coisas.
Nossos antepassados também deixaram muitas coisas que fizeram.
Parte delas está com as famílias. Outra parte está guardada nos museus.

170 CENTO E SETENTA


OFICINA

UM MUSEU NA ESCOLA
Você, seus colegas de classes e o professor vão montar um museu na sala
de aula. Para isso, peça aos adultos com quem mora alguns objetos antigos.
Podem ser brinquedos, um relógio antigo, um jogo de futebol de botões, uma
medalha de competição, histórias em quadrinhos e o que mais você encontrar
nos guardados da sua família.
Tragam também fotografias para que todos vejam como as coisas
mudaram com o passar do tempo.
© Mauricio de Sousa Editora Ltda

LiliGraphie/Shutterstock
Primeira revista da Magali, 1989. Fotografias antigas de famílias.

Pergunte aos adultos a história de cada


fotografia e de cada objeto.
Divulgação/CBS Records

Identifique cada fotografia, onde e quando


foi tirada. Identifique também cada objeto.
Monte a exposição na sala de aula e
convide outras turmas para visitar o museu.
Convide também seus pais e avós. Eles
poderão contar outras histórias sobre os
objetos e as fotografias.
Se for possível, gravem músicas antigas
para tocar no museu e tragam discos de vinil. Disco da Jovem Guarda.

CENTO E SETENTA E UM 171


O TRABALHO E O FUTURO
Cada jovem tem um sonho do que vai ser quando crescer. Uns querem ser
artistas, outros eletricistas, atores, vendedores, professores, cientistas. Há os
que sonham que um dia serão astronautas.
Tudo é possível, mas ninguém sabe o que vai acontecer no futuro.
Veja na fotografia o brasileiro que se tornou astronauta.
NASA

Junto da bandeira brasileira vemos Marcos Pontes, o primeiro astronauta brasileiro.

Quando eu era criança, costumava dizer que queria ser piloto.


Astronauta era parte do meu sonho, mas como um segundo
passo. Era algo ainda sem perspectiva no Brasil. Negócio de
americanos e russos apenas. Entretanto, ser piloto era algo mais
próximo. Eu podia me ver, no futuro, pilotando aqueles aviões do
aeroclube da cidade.
Depoimento de Marcos Pontes. Disponível em: <www.marcospontes.com/manutencao/artigos/
artigos_2012/201203_queroserastronauta.html>. Acesso em: 6 out. 2017.

VAMOS CONVERSAR
Para você, o que é o futuro?

172 CENTO E SETENTA E DOIS


O QUE SER QUANDO CRESCER
Cada pessoa tem sua profissão e faz um trabalho que permite a ela obter os
recursos necessários para viver. Por exemplo, o professor ensina, o médico trata
dos doentes e o eletricista faz ligações elétricas.
1. As crianças das fotografias vestiram roupas e estão segurando objetos que
mostram a profissão que elas querem ter no futuro.

1 Skydive Erick/Shutterstock 2 Getty Images/iStockphoto 3 LifetimeStock/Shutterstock 4 Len44ik/Shutterstock 5 Thomas M Perkins/Shutterstock


3
1
2

4 5

Crianças representando diferentes profissões.

Converse com seus colegas.


a) Que profissão vocês acham que cada uma dessa crianças quer ter?

b) Que profissão vocês gostariam de ter? Por quê?

CENTO E SETENTA E TRÊS 173


AS FORMAS DE TRABALHO
2. Todas as profissões são importantes para a sociedade, pois dependemos
uns dos outros para viver.
Ilustrações: Adolar

Mecânico Médico Cantor Fazendeiro

Professora Bombeiro Enfermeira Cozinheiro

Converse com seus colegas.


a) O mecânico depende da professora? Explique sua resposta.

b) O médico depende do cozinheiro e do fazendeiro? Explique sua resposta.

c) Qual ou quais desses profissionais depende do médico?

d) Quem depende do bombeiro?

e) Qual ou quais desses profissionais não dependem de nenhum outro do quadro?

3. Escreva o que fazem dois profissionais da sua escola. Se não souber,


procure descobrir.

174 CENTO E SETENTA E QUATRO


4. João e seus colegas fizeram uma pesquisa com várias pessoas. Pediram
a cada uma que escolhesse uma profissão de uma lista. Depois, com as
respostas, João fez um gráfico. Observe.

Professor

Advogado

Veterinário

Enfermeiro
profissões

Cantor

Policial

Médico

Profissões 1 2 3 4 5 6 7 8 9

Número de pessoas

 Quantas pessoas participaram da pesquisa? Explique como chegou a


essa conclusão?

 Escreva quais foram as profissões mais escolhidas pelos entrevistados?

 O que se faz em cada uma dessas profissões? Converse com seus


colegas e professor.
 Qual delas você escolheria para sua profissão?

CENTO E SETENTA E CINCO 175


O TRABALHO E O MEIO AMBIENTE
O trabalho das pessoas modifica a natureza e interfere no meio ambiente.
Para construir moradias, muitas vezes é necessário derrubar as árvores do
terreno. Para fabricar móveis, derrubam-se as árvores para usar a madeira. Para
plantar alimentos, é preciso utilizar muita água.
Nós precisamos utilizar os elementos da natureza para a nossa alimentação,
para a construção de moradias, para a fabricação de objetos e muito mais. Mas
também precisamos preservar a natureza, pois esses recursos podem acabar.
Rubens Chaves

Trabalhadores construindo casas em Igarassu, PE, 2013.

5. Converse com seus colegas:


a) Que tipo de trabalhos vocês observam que são feitos no bairro em que
vocês vivem?

b) Esses trabalhos interferem no meio ambiente? Como?

176 CENTO E SETENTA E SEIS


6. Acompanhe a leitura.

MOTORISTA DE ÔNIBUS É PROFISSÃO QUE


DEFENDE A NATUREZA DE ACORDO COM A OIT
Quando você vir da próxima vez um motorista
de ônibus em trabalho, não o encare apenas como
um profissional do volante, mas sim como um
agente em prol da melhoria do meio ambiente. É
assim que é vista a profissão pela OIT – Organização
Internacional do Trabalho. Para a OIT toda a
ocupação que ajuda a reduzir os impactos sobre a
natureza pode ser considerada “profissão verde”.
O órgão considera o motorista de ônibus como
um destes profissionais pelo fato de o transporte
público ser uma das soluções para os problemas
de poluição atmosférica pelo excesso de veículos
particulares nas ruas.
BASANI, Adamo. Motorista de ônibus é profissão que defende a natureza de
acordo com a OIT (adaptado). Disponível em: <https://diariodotransporte.com.
br/2012/06/05/motorista-de-onibus-e-profissao-que-defende-a-natureza-de-
acordo-com-a-oit/>. Acesso em: 6 out. 2017.

 Converse com seus colegas e registre suas conclusões abaixo: Por que a
profissão de motorista é considerada uma “profissão verde”?

O QUE ESTUDAMOS
Futuro é o tempo que virá e não sabemos o que nos trará. No
entanto, conhecendo o passado e o presente, podemos imaginar como
será o futuro.

CENTO E SETENTA E SETE 177


MEDIDAS DO TEMPO

COMO MEDIMOS O TEMPO


Nós medimos o tempo de várias maneiras e usamos essas medidas todos
os dias. Quando vamos dar uma festa de aniversário, por exemplo, usamos as
medidas do tempo para orientar os convidados.
Leia este convite de aniversário. Ele mostra o dia, o mês e o horário em que
será comemorado o aniversário do Thiago.

Vai ter festa de aniversário!!!


Você está convidado para a minha festa!
Vai ser na minha casa, no dia 8 de março, às 3 horas da tarde.
Não falte.
Thiago

Adolar

VAMOS CONVERSAR
Que medidas do tempo você conhece?

178 CENTO E SETENTA E OITO


O DIA E A NOITE
Todos os dias o Sol ilumina as paisagens. Ele nasce no horizonte e se põe
ao entardecer. Durante a noite, não vemos o Sol no céu.
A noite passa. No começo da manhã o Sol nasce e ilumina novamente
as paisagens.
1. Observe a ilustração.

O. Sequetin
meio do dia

pôr do Sol nascer do Sol

Movimento aparente do Sol.

a) Trace linhas para relacionar as duas colunas.

Sol nascente Sol alto no céu

Meio do dia Anoitecendo

Sol poente Amanhecendo

b) A que horas vemos o Sol mais alto no céu?

Manhã Tarde

Meio da noite Meio do dia

CENTO E SETENTA E NOVE 179


O Sol não se movimenta ao redor da Terra. Mesmo assim, podemos
observar ele nascer no horizonte todos os dias, fazer um arco no céu,
realizando um movimento aparente e, então, se pôr, quando começa a noite.
Isso acontece porque a Terra gira em torno do próprio eixo.
O Sol ilumina apenas uma parte da Terra, enquanto o restante fica no
escuro. Como o planeta gira em torno de si mesmo, as áreas iluminadas e não
iluminadas se alternam. Uma volta completa da Terra em torno de si mesma
dura aproximadamente 24 horas ou 1 dia.
Getty Images

Representação da Terra sendo iluminada pelo Sol. Como nosso planeta é redondo, uma
parte é iluminada pelos raios solares e outra parte fica no escuro.
O.Sequetin

Representação da Terra girando em torno de si mesma, igual a um pião. A parte iluminada


e a parte escura se alternam ao longo de um dia. O eixo desenhado é imaginário.

180 CENTO E OITENTA


A Terra é um planeta. Ela se move ao redor do Sol. O Sol é a estrela que
aquece e ilumina a Terra.
Já a Lua se move ao redor da Terra. Ela é um satélite do nosso planeta.
Gary Hincks/SPL/Latinstock

Representação
dos movimentos
da Terra e da Lua
ao redor do Sol,
e da Lua ao redor
da Terra.

2. Observe as fotografias e assinale com X aquelas que ilustram o Sol


nascente ou poente.

Anna Wiewiora/Caia image/Glow Images


De Visu/Shutterstock

O Sol está alto no céu. Paisagem com o Sol no horizonte.


Michael Szoenyi/SPL/Latinstock

Michael Szoenyi/SPL/Latinstock

Paisagem com o Sol no horizonte. O Sol está alto no céu.

CENTO E OITENTA E UM 181


PERGUNTAS E MAIS PERGUNTAS
Por que não há
estrelas de dia? Todo

Tom Wang/Shutterstock
ponto luminoso no
céu é uma estrela?
As estrelas que
vemos no céu estão
sempre lá, mas
não conseguimos
enxergá-las no céu
diurno por causa
da luz do Sol. Ela se
propaga no ar que
envolve nosso planeta. Pai e filha olhando o pôr do Sol.
Apenas as estrelas emitem luz, mas também é possível ver
alguns planetas e outros corpos celestes, pois eles refletem a luz do
Sol e de outras estrelas.

3. Escreva a letra D nas atividades que ocorrem durante o dia e a letra N nas
atividades que ocorrem durante a noite. Você pode também escrever as
duas letras nas atividades que acontecem de dia e de noite.

A maioria das pessoas descansa.

O médico atende no consultório.

Os vigias guardam as casas das ruas.

O pronto-socorro do hospital fica aberto.

O Posto de Saúde fica aberto.

O posto de gasolina fica aberto.

Eu vou para a escola.

182 CENTO E OITENTA E DOIS


4. Faça um desenho para cada situação.

DIA ENSOLARADO COM POUCAS NUVENS

NOITE COM LUA E COM POUCAS NUVENS

CENTO E OITENTA E TRÊS 183


5. O Teatro Amazonas é uma das construções mais importantes da cidade de
Manaus, capital do estado do Amazonas.

Observe as fotografias.

Ismar Ingber/Pulsar Imagens


Mauricio Simonetti/Pulsar Imagens

Teatro Amazonas em diferentes momentos do dia.

 Qual destas fotografias mostra o Teatro Amazonas iluminado com luz


artificial? Conte para os colegas.
6. Use as palavras do quadro para indicar o que as crianças geralmente fazem
à noite e durante o dia.

Dormir Ir à escola Almoçar Jantar


Pôr pijama Jogar bola Olhar o céu estrelado
Ilustrações: Adolar

À noite. Durante o dia.


À noite:

Durante o dia:

184 CENTO E OITENTA E QUATRO


7. Escreva os nomes das atividades que você faz em cada período do dia.

Durante a manhã

À tarde

À noite

8. Utilize as palavras do quadro para completar as frases.

dia escuro noite claro


Iakov Kalinin/Shutterstock

Diego Silvestre/Shutterstock

Paisagem diurna. Paisagem noturna.

Durante o está . A iluminação

é feita pela luz do Sol. Durante a está

e a iluminação é artificial.

CENTO E OITENTA E CINCO 185


A LENDA DO DIA E DA NOITE
No início do mundo as coisas eram todas mal feitas. Não tinha a noite, só
existia o Sol. O dia não tinha fim. As pessoas trabalhavam sem parar. Quando
dava sono, elas dormiam, acordavam e o Sol estava no mesmo lugar.
O Sol era muito quente, a gente assava peixe, cozinhava e torrava
farinha na quentura dele. Até que certo dia o pajé pensou em mudar. Ele
pegou duas cabaças de amendoim, uma com amendoim branco e outra
com amendoim preto.
Primeiro ele quebrou a cabaça de amendoim preto, e a noite chegou.
O pajé dormiu para fazer a distância da noite. Ele acordou às 3 horas
da manhã e disse: Vou dormir mais um pouco. Quando deram 5 horas,
ele quebrou a outra cabaça, de amendoim branco e o dia clareou.
Por isso é que temos o dia e a noite.
Aturi Kayabi. Geografia Indígena. MEC/SEF/DPEF – Instituto Socioambiental, Brasília, 1988.
Disponível em: <https://www.xapuri.info/cultura/mitoselendas/lenda-do-dia-e-da-noite/>.
Acesso em: 6 out. 2017.

9. Gostou da história indígena sobre a origem do dia e da noite? Faça um


desenho colorido sobre ela.

186 CENTO E OITENTA E SEIS


A LUA NO CÉU
A Lua é uma esfera, como a Terra, mas ao longo dos dias
parece mudar de forma – ela cresce até ficar cheia e depois diminui
até desaparecer. Essas são as fases da Lua: crescente, cheia,
minguante e lua nova.
Na verdade, a Lua não muda de forma. O que muda é a parte
dela que está sendo iluminada pelo Sol e que conseguimos ver.

Fotos: ESA
Representação das fases da Lua: crescente, cheia, minguante. A lua Nova não
é vista no céu.

10. Cubra os pontilhados e escreva os nomes de quatro formas com que a Lua
aparece no céu.

CENTO E OITENTA E SETE 187


11. Leia a tirinha do Horácio.
Mauricio de Sousa Editora Ltda

Tirinha do Horácio – Turma da Mônica.

a) De acordo com a tirinha, por que a Lua muda de forma?

b) A explicação que a Lua dá na tirinha não é correta. Explique por que a


Lua parece mudar de forma.

188 CENTO E OITENTA E OITO


12. O quadro abaixo se chama “Sol poente” e foi pintado por uma artista
brasileira chamada Tarsila do Amaral. Observe bem o quadro e faça um
desenho de pôr do sol usando as mesmas cores da artista.
Coleção particular

Amaral, Tarsila do. Sol


Poente. 1929. Óleo sobre
tela. 54 cm × 65 cm .

O QUE ESTUDAMOS
A Terra gira em torno de si mesma. Esse movimento faz existir o dia e
a noite e faz com que o Sol pareça se movimentar no céu.

CENTO E OITENTA E NOVE 189


OFICINA
A NOITE E O DIA
Nesta atividade, você vai precisar de uma lanterna, uma bola e um pedaço
de fita crepe.
A bola vai representar a Terra. A luz da lanterna vai representar a luz do Sol.
A fita vai representar um lugar qualquer na Terra.
A atividade deve ser feita por você e um colega.
Primeiro colem o pedaço de fita na bola. Se possível, escureçam a sala. Um
vai segurar a bola e o outro vai iluminar a bola com a lanterna. Depois, gire a
bola devagar.
Ilustrações: Adolar

1. A bola inteira fica iluminada pela lanterna?

Sim Não

2. O que acontece quando giramos a bola?

3. Quando a fita está iluminada, é dia nesse lugar. E do outro lado da bola, é
dia ou noite?

Dia Noite

190 CENTO E NOVENTA


AS SOMBRAS
Ilumine dois objetos sobre uma folha de papel e desenhe as sombras que
se formam. Vá levantando a lanterna como se o Sol estivesse se deslocando.
Desenhe as sombras que se formam. Depois, faça de conta que é o pôr do Sol
e abaixe a lanterna. Desenhe as sombras que se formam.

4. Qual destas ilustrações mostra a sombra da árvore ao meio-dia?

O SOL AQUECE OS MATERIAIS


De manhã cedo, coloque em um lugar ensolarado os seguintes materiais:
uma chave, um pedaço de madeira, uma vasilha com água, outra com terra,
outra com areia, um pedaço de pano preto, um pedaço de pano branco. Deixe
os materiais se aquecendo durante o dia todo. Escreva no caderno quais são
suas suposições.
5. O que vai ficar mais quente: a água, a areia ou a terra? O pano branco ou o
pano preto? O metal ou a madeira?
No fim da tarde perceba com o tato que material ficou mais aquecido e
confira se as suposições se confirmaram.

CENTO E NOVENTA E UM 191


AS HORAS E OS MINUTOS
Olhando as horas, organizamos as tarefas do dia: a hora de ir para a escola,
da consulta ao dentista, do jogo de futebol.
O relógio analógico tem 12 números que indicam as horas. Entre um
número e outro, há cinco espaços. Cada espaço
marca o tempo de um minuto. 11 12 1
10 2

ilustrações: MASPI
 O ponteiro preto pequeno indica as horas.
9 3
 O ponteiro preto grande indica os minutos. 8 4
7 6 5
Observe como o relógio marca doze
horas de um dia.
O relógio está indicando 3 horas.

192 CENTO E NOVENTA E DOIS


13. Escreva as horas que cada relógio mostra.

ilustrações: MASPI
horas. horas.

horas. horas.

14. Trace os ponteiros para indicar o horário pedido nos quadrinhos.

8 horas 9 horas 1 hora

CENTO E NOVENTA E TRÊS 193


Cada intervalo entre os números mede 1 minuto. Em uma hora, o ponteiro
maior percorre 60 minutos.
15. Observe estes relógios.
15 M 30 M
IN IN

UT

UT
OS

OS
MASPI

45 M 60 M
IN IN

UT
UT

OS
OS

a) No primeiro relógio, quantos minutos o ponteiro maior andou depois


das 12 horas?

b) No segundo relógio, quantos minutos se passaram depois das 12 horas?

c) O que leva mais tempo para passar: uma hora ou um minuto?

194 CENTO E NOVENTA E QUATRO


16. Que horas este relógio mostra?

ilustrações: MASPI
17. Observe os ponteiros destes relógios.

a) Quantos minutos faltam para o relógio da esquerda indicar duas horas?

b) Que horas são no relógio da direita?

c) Quantos minutos faltam para o relógio da direita marcar 11 horas?

O dia tem 24 horas. Ele começa à zero hora (meia-noite) e termina quando
começa o dia seguinte.
Como o relógio só tem 12 números, para marcar as horas de um dia, o
ponteiro pequeno dá duas voltas no relógio.

CENTO E NOVENTA E CINCO 195


Nas primeiras doze horas, o ponteiro pequeno vai de zero hora até o meio-dia.
Nas doze horas seguintes ele vai das 13 horas até zero hora.
O dia tem 24 horas, mas o relógio tem 12 números. O relógio não tem 24
números porque ficaria difícil marcar as horas em um relógio com tantos números.

23 00 13
22 14
ilustrações: MASPI

21 15
Relógio com 24 números.
20 16 Ele marca da meia-noite até
o meio-dia e depois das 13
19 18 17
até as 24 horas (zero hora).

18. Observe as horas que mostram estes relógios.

1 2 3

a) Assinale como dizer as horas do relógio 1 se for à noite.

Onze horas da noite. 23 horas. 24 horas.

b) Assinale como dizer as horas do relógio 2 se for à noite.

Meia-noite. zero horas. 25 horas.

c) Assinale como dizer as horas do relógio 3 se for à tarde.

Uma hora da tarde. 14 horas. 13 horas.

196 CENTO E NOVENTA E SEIS


Nos relógios digitais há apenas números para indicar as horas. Veja como
um relógio digital marcaria a hora indicada em cada relógio analógico.

11 12 1 11 12 1 11 12 1 11 12 1 11 12 1
10 2 10 2 10 2 10 2 10 2

ilustrações: MASPI
9 3 9 3 9 3 9 3 9 3
8 4 8 4 8 4 8 4 8 4
7 6 5 7 6 5 7 6 5 7 6 5 7 6 5

As indicações poderiam ser, também: 20:00, 20:15, 20:30, 20:45 e 21:00.


19. Escreva o horário que cada relógio marca usando a forma digital.

O QUE ESTUDAMOS
Os relógios são instrumentos que medem o tempo em horas, minutos
e segundos. Os relógios de ponteiro são analógicos. Os relógios que têm
apenas números são digitais.

CENTO E NOVENTA E SETE 197


A AGENDA DO DIA
20. As atividades das crianças são diferentes das atividades dos adultos. Escreva
a que horas você costuma fazer estas atividades.
Ilustrações: Adolar

Acordo às horas.

Entro na escola às horas.

Saio da escola às horas.

Almoço às horas.

Faço as lições às horas.

Vou dormir às horas.

198 CENTO E NOVENTA E OITO


21. Veja as atividades de um dia na vida de um adulto: o Antônio.

Ilustrações: Adolar
a) Enquanto você está na escola, o que Antônio está fazendo?

b) Enquanto Antônio está vendo TV, o que você está fazendo?

c) Você almoça antes, depois ou ao mesmo tempo em que Antônio?

d) Quem acorda antes, você ou Antônio?

e) O que você faz antes: almoça ou vai para a escola?

CENTO E NOVENTA E NOVE 199


22. Não devem faltar atividades físicas no nosso dia.
Ilustrações: ADOLAR

a) Escreva quais atividades físicas essas crianças estão praticando.

b) Escreva quais atividades físicas você pratica e a que horas.

200 DUZENTOS
23. Ajude a Lia a organizar a agenda dela para o dia de amanhã.

Eu entro na escola às oito da manhã e as aulas terminam ao


meio-dia. Depois da aula, quando é meio-dia e meia, almoço.
Às três horas da tarde minha mãe vai me levar ao dentista.
O jantar é sempre às sete da noite.
Eu vou dormir às nove.

Horário Atividade

Oito horas

Meio-dia e meia

Três horas

Sete horas

Nove horas

24. Faça a sua agenda de um dia.

Horário Atividade

DUZENTOS E UM 201
O CALENDÁRIO
O calendário mede o tempo de um ano.
25. Observe o calendário.
Thiago Oliver

JANEIRO FEVEREIRO MARÇO


D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S

ABRIL MAIO JUNHO


D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S

JULHO AGOSTO SETEMBRO


D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S

OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO


D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S

a) Que medida do tempo é maior: o dia, o mês ou o ano?

b) Quantos meses há em um ano?

c) Qual é o mês mais curto?

202 DUZENTOS E DOIS


Os professores indígenas do Parque Nacional do Xingu, no estado do Mato
Grosso, pediram aos seus alunos que fizessem calendários.
Veja a representação do calendário feito por um aluno. Ele desenhou para
cada mês os acontecimentos importantes do lugar onde ele mora.

Janeiro

mbro
ze anci
a Milho
De M el Fe
ve
Ri re
o iro
ch
ei
o
ro
b
m
ve
No

Ma
Ab

rço
o

ac a

Ve

xi

MASPI
Outubro

Pescaria
Pequi

Abril
oca
ndi
ro

ma
mb

de
te
Se

tio

De
rr
n

ub
a

Ma
Pl

da a

io

p Tem
ru
ua po
ak st ga
de
to Fe ivo
os ta Jun
Ag Tracajá bota ovo ho

Julho

Fonte: Geografia Indígena, Parque Indígena do Xingu. São Paulo, Instituto


Socioambiental/MEC, 1996.

26. Usando o lápis de cor, faça um calendário como esse em uma folha de
papel. Para cada mês, desenhe algum acontecimento importante do lugar
onde você mora. Afixe seu calendário no mural da classe.

DUZENTOS E TRÊS 203


27. O calendário abaixo representa mês de 31 dias.

Dezembro
Segunda- Terça- Quarta- Quinta- Sexta-
Domingo Sábado
-feira -feira -feira -feira -feira
1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

a) Marque com X os dias da semana.

b) Circule os domingos.

c) Quantos dias tem uma semana?

28. Escreva o nome dos dias da semana usando as palavras do quadro.

Terça-feira Sábado Quinta-feira Sexta-feira

Segunda-feira Quarta-feira Domingo

Primeiro dia:

Segundo dia:

Terceiro dia:

Quarto dia:

Quinto dia:

Sexto dia:

Sétimo dia:

 Pinte no quadro os dias em que você não tem aulas na escola.

204 DUZENTOS E QUATRO


29. Escreva qual dia da semana você mais gosta e explique o motivo.

30. Em 2019, as datas de início das estações do ano no Brasil estão na tabela a seguir.

Estação do ano Início


Primavera 23 de setembro
Verão 22 de dezembro
Outono 20 de março
Inverno 21 de junho

a) Quanto tempo dura cada estação do ano?

b) Escreva o que se pede na tabela.

Acontecimento Mês ou meses do ano Estação do ano

Férias do
Julho Inverno
meio do ano
Férias do
Dezembro Verão
fim do ano

Natal Dezembro Verão

Meu aniversário

Período de
muita chuva
Período quente
do ano
Período mais
frio do ano

DUZENTOS E CINCO 205


31. Observe a fotografia tirada no aniversário da Paula.
Getty Images/Photodisc

Festa de aniversário
de Paula que está
soprando as velinhas.

a) Complete as frases.

Paula está comemorando a passagem de mais um

de vida.

Ela está fazendo anos.

No ano passado ela fez anos.

No ano que vem ela vai fazer anos.

b) Escreva quantos anos você tem: anos.


c) Escreva o que se pede na tabela.

Parente Idade Mês do aniversário

206 DUZENTOS E SEIS


32. Todos da classe fazem aniversário. Vamos registrar o dia de aniversário de cada
um? Para isso, cada aluno vai escrever na lousa o dia e o mês do aniversário.

Um aluno vai anotar em um calendário do ano o nome de cada aniversariante.


Depois, no início de cada mês, devem afixar no mural da classe a lista dos
aniversariantes do mês.
Assim, a cada mês que passar, todos vão se lembrar dos aniversários.
Para comemorar os aniversários do mês, cada um pode trazer alguma coisa
para todos comerem e outros trazem sucos. Cada um anota o que quer trazer
e a lista circula pela classe. Assim não haverá nada repetido.
Não esqueçam uma vela pequena para cantar o parabéns.
A festa pode ser na hora do lanche.

J. HONDA

O QUE ESTUDAMOS
O tempo passa e medimos esse tempo com as horas, os dias, as
semanas, os meses e os anos. O calendário e o relógio medem o tempo
e nos ajudam a organizar as tarefas do dia a dia.

DUZENTOS E SETE 207


ATIVIDADE INTEGR ADOR A
O TEMPO PASSA, AS HISTÓRIAS FICAM
Como você estudou, o tempo passa e as pessoas nascem, crescem e morrem.
Você sabe como fazer para saber como foi a vida de alguém que morreu antes
mesmo de você nascer? Uma das formas é ler a biografia dessa pessoa.

Biografia é a descrição dos fatos da vida de uma pessoa, podendo


conter fotos que testemunham os acontecimentos. É um
documento em que a constam dados precisos, incluindo nomes,
locais e datas dos principais acontecimentos.
Disponível em: <https://www.significados.com.br/biografia/>. Acesso em: 10 nov. 2017.

Veja um exemplo de uma biografia.

José Renato Monteiro Lobato (depois ele mudou o nome


para José Bento Monteiro Lobato) nasceu em 18 de abril de 1882,
em Taubaté, e morreu em 4 de julho de 1948.
Desde cedo, despertou o gosto pela leitura. Quando
adolescente, foi para São Paulo estudar no Instituto de Ciências
e Letras e mais tarde ingressou na Faculdade de Direito, onde se
formou em 1904.
Depois de ser aprovado em um concurso público, começou
a trabalhar na cidade de Areias (no Vale do Parnaíba). Além de
trabalhar como promotor Monteiro Lobato também escrevia
para diversas revistas e jornais. Em 1908 ele se casou com Maria
Pureza da Natividade e o casal teve quatro filhos. Publica Urupês,
seu primeiro livro, em 1918.
O escritor fundou uma editora, mas acabou falindo.
Depois, Monteiro Lobato se mudou para o Rio de Janeiro
e começou a publicar livros infantis. Publicou, em 1921,
Narizinho arrebitado, que foi um grande sucesso e deu origem
ao Sítio do Pica-pau-amarelo.

208 DUZENTOS E OITO


A rquivo
EM /EM
/D.A Pre
ss

Ele foi um dos grandes nomes da


literatura infantil brasileira, sendo
autor de obras clássicas como o Sítio
do Pica-pau-amarelo, O Marquês
de Rabicó, Reinações de Narizinho,,
Memórias de Emília, Histórias da
Tia Anastácia.
Dentre suas personagens mais
famosas, podemos destacar as
do Sítio do pica-pau-amarelo:
Emília (a boneca de pano que
ganha vida), Pedrinho, Dona
Benta, o Visconde de Sabugosa,
o Marquês de Rabicó, a Cuca Monteir
(que era a vilã da narrativa) e o o Lobat
o.
Saci-pererê. Além deles, outra
personagem que se destacou foi o Jeca Tatu (do
livro Urupês), personagem pobre que representava a figura do
caipira brasileiro.
Monteiro Lobato, em seus contos, também criticava alguns
aspectos do nosso país, como a burocracia, as condições sociais,
o crescimento desordenado das cidades, entre outros assuntos.
Morreu de problemas cardíacos em 1948.
Disponível em:
<http://www.resumosdeliteratura.com/2015/04/monteiro-lobato-biografia-resumida-e.html>.
Acesso em: 10 nov. 2017.

1. Grife no texto o que se pede.


 Onde o autor nasceu e onde morreu.
 O nome da pessoa com quem ele se casou.
 O nome da personagem que deu origem ao Sítio do Pica-pau-amarelo.
 Os principais livros que ele escreveu.

DUZENTOS E NOVE 209


2. Agora você vai ler uma reportagem escrita por Ruy Castro, um profissional
que escreve biografias. Ele dá dicas sobre o que os biógrafos precisam saber
e fazer para escrever uma biografia. Para isso entre no site: <http://www1.
folha.uol.com.br/folhinha/2014/05/1452239-ruy-castro-conta-para-criancas-
como-se-faz-uma-biografia.shtml>. Acesso em: 10 nov. 2017.
3. Você e seus colegas vão eleger um adulto da escola para produzir sua
biografia. Pode ser um professor, o diretor ou diretora, profissionais da
merenda, secretaria, limpeza. Para isso seu professor fará uma votação.
Em duplas listem o que precisam saber sobre a vida do biografado.

MASPI

210 DUZENTOS E DEZ


4. Assinale as informações que são importantes e devem ser incluídas em uma
biografia.

Nome completo. Sonhos.

Nome dos pais, irmãos, avós, filhos. Escola em que estudou.

Brincadeira e brinquedos preferidos. Boas e más lembranças.

Lembranças divertidas. Histórias preferidas na infância.

Comidas preferidas. Local e ano de nascimento.

5. Escolha um familiar para produzir a biografia dele.


a) Você poderá gravar ou anotar o que precisa saber sobre a pessoa
escolhida. Comece perguntando o que está a seguir.

Nome:

Local e ano do nascimento:

Nome do pai:

Nome da mãe:

Número de irmãos:

Nome dos filhos:

b) Depois que a biografia estiver revisada você poderá presentear a


pessoa com essa biografia.

DUZENTOS E ONZE 211


SUGES TÕES DE LEITUR A

D IV U LG
AÇ Ã O
OCUPADOS O TEMPO TODO
O que você quer ser quando crescer? Vai ser
bombeiro, médica, serralheiro, boia-fria, pescador,
padeiro, feirante, açougueiro, carpinteiro,
professora, guarda de trânsito, soldado,
operária, advogada, secretária, faxineira,
motorista, jogadora, cientista e cantora. Este
livro explica o que se faz em cada profissão.
CHACÓN, Thalía Iglesias. Ocupados o tempo todo. São Paulo: SM, 2008.

D IV U LG
AÇ Ã O
CONTANDO COM O RELÓGIO
Ver as horas em relógio de ponteiro pode
não ser fácil, mas é preciso aprender. Afinal,
não é em todo lugar que o relógio é digital.
Venha aprender com este livro como ler as
horas e também a fazer um relógio analógico,
daqueles que tem ponteiros.
MACHADO, Nilson José. Contando com o relógio.
São Paulo: Scipione, 2015

D IV U LG
AÇ Ã O SOMBRA
Uma menina, um quarto, coisas guardadas...
De repente, click! Apagam-se as luzes.
Elefante, pássaro, jacaré, cobra, coelho,
bailarina e até uma floresta surgem nas
sombras. Você vai aprender a olhar as
sombras como se elas tivessem vida. Um livro sem
palavras e cheio de sombras e surpresas!
LEE, Suzy. Sombra. São Paulo, Cosac Naify, 2010.

212 DUZENTOS E DOZE


AÇ Ã O
OS GUARDADOS DA VOVÓ

D IV U LG
Uma menina vai passar as férias na casa do vovô
e da vovó. Lá, ela descobre as lembranças que eles
guardaram por muitos anos. Vendo fotografias,
lendo documentos e cartas, ela aprende como eram
os costumes e a moda no tempo em que os avós
eram jovens.
NYE, Ribeiro. Os guardados da vovó. Valinhos, SP: Roda & Cia, 2014.

D IV U LG
AÇ Ã O
HISTÓRIAS DE AVÔ E AVÓ
Como era a vida no tempo que o vovô e
a vovó eram crianças? O tempo passou e o
que foi que mudou? Leia e se divirta com as
histórias que o autor conta sobre as aventuras
dos avós dele e como eles amavam os netos,
coisa que não mudou até hoje.
NESTROVSKI, Arthur. Histórias de avô e avó. São Paulo,
Companhia das Letrinhas, 1998.
AÇ Ã O

RÁPIDO COMO UM GAFANHOTO


D IV U LG

Você conhece uma velhinha solitária? Nesse livro sem


palavras, você vai conhecer uma. Ela observa o mundo
de sua janela e tenta fazer amizade com quem passa.
Mas ninguém liga para ela. Até que ela conhece a
menina que mora ao lado e, de repente, o passado e o
presente se encontram. Nasce uma grande amizade.
JUNQUEIRA, Sonia. A velhinha na janela. São Paulo, Autêntica, 2008.
BRINQUE-BOOK, 2007.

DUZENTOS E TREZE 213


4 LUGARES
UNIDADE

ONDE VIVEMOS
A rua onde moramos fica em nosso
bairro. Nele também estão os lugares
onde passamos o tempo, como a escola,
os espaços onde nos divertimos e as
casas de muitos de nossos amigos.

214 DUZENTOS E CATORZE


1. Identifique na cena os diferentes lugares de um bairro.

2. Você sabe para que servem as pinturas e placas existentes nas ruas?

3. Existem nas cenas algumas atitudes erradas de algumas pessoas, que


prejudicam a vida das outras ou sua própria segurança. Quais são elas?

DUZENTOS E QUINZE 215


O BAIRRO

NOSSA RUA, NOSSO BAIRRO


A rua onde moramos fica no nosso bairro. Nele também estão
localizados diversos lugares onde passamos o tempo, como a escola e a
casa de nossos amigos.
Muitas pessoas nascem e crescem no mesmo bairro e, mesmo que mudem
para outro lugar, guardam boas lembranças dele.
Marcelo Schimaneski\Coleção particular.

Schimaneski, Marcelo. Resistindo à modernidade, 2010. Óleo sobre tela, 50 cm × 70 cm.

VAMOS CONVERSAR
Como é a rua onde você mora? Quais são as coisas que você mais
gosta em sua rua?

216 DUZENTOS E DEZESSEIS


NOSSA RUA
O pintor Marcelo Schimaneski retratou na pintura Resistindo à modernidade,
uma rua do bairro de Olarias, no município de Ponta Grossa, no estado do
Paraná. Naquele tempo, 2010, as casas dessa rua eram todas de madeira. Mas
a rua não resistiu à modernidade por muito tempo, pois hoje muitas dessas
casas são de alvenaria.
1. Observe o bairro da pintura da página ao lado. Assinale com X o que você
pode observar.

Casas Edifícios Pessoas

Sorveteiro Árvores Fábricas

Carros Motocicleta Placas

Igreja Bicicleta Montanhas

Viaduto Postes Cães

a) A pintura é do bairro de Olarias. Qual o nome do bairro onde se localiza


sua escola?

b) Qual o nome do município onde está o seu bairro?

2. Escreva o seu endereço.

Nome da rua:

Nome do bairro:

Nome da cidade:

 Toda rua tem um Código de Endereçamento Postal (CEP) para o serviço


dos Correios. Procure descobrir qual é o CEP da sua rua e anote.

DUZENTOS E DEZESSETE 217


3. Cante esta cantiga de roda com seus colegas.

SE ESSA RUA FOSSE MINHA

Adolar
Se essa rua, se essa rua fosse minha.
Eu mandava, eu mandava ladrilhar.
Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhante,
Para o meu, para o meu amor passar.

Nessa rua, nessa rua tem um bosque.


Que se chama, que se chama solidão.
Dentro dele, dentro dele mora um anjo,
Que roubou, que roubou meu coração.

Se eu roubei, se eu roubei teu coração,


Tu roubaste, tu roubaste o meu também.
Se eu roubei, se eu roubei teu coração,
É porque, é porque te quero bem.
Domínio público.

a) Uma rua pode ser de terra ou pavimentada, com asfalto, por exemplo.
Como são as ruas que você conhece?

b) No seu bairro tem algum bosque, parque ou praça onde se possa passear?
Conte como ele é.

218 DUZENTOS E DEZOITO


4. Você tem amigos que moram no seu bairro? Eles estudam na mesma escola
em que você estuda? Qual é o nome e o endereço da sua escola?

5. Como é a rua de sua escola? Converse com seus colegas e, depois, faça um
desenho representando a rua.

 Compare seu desenho com o desenho dos seus colegas. Comente as


diferenças.

DUZENTOS E DEZENOVE 219


6. Leia como quatro crianças descreveram a rua onde moram.

Ilustrações: ADOLAR
Minha rua é arborizada, não
tem prédios, só de vez em quando
passa carro.

Mônica

Minha rua é barulhenta e


movimentada. Tem prédios de
apartamentos e lojas.

Paulo

Minha rua tem casas muito


antigas. Moro numa casa amarela
que tem mais de 100 anos. A rua é
de paralelepípedos.

Pedro

Moro em um conjunto
habitacional novo e a rua é de terra.
Ela ainda não tem pavimentação de
asfalto nem de paralelepípedo.

Madalena

220 DUZENTOS E VINTE


 Compare a descrição da rua de cada criança com as fotografias. Depois,
escreva o nome da criança que mora em cada rua.
Rubens Chaves/Pulsar Imagens

Ouro Fino, MG, 2016.


Delfim Martins/Pulsar Imagens

São Paulo, SP, 2014.


Jacek/Kino

Goiânia, GO, 2016.


João Prudente/Pulsar Imagens

Andaraí, BA, 2016.

DUZENTOS E VINTE E UM 221


7. Descreva como é a sua rua.

8. Caio desenhou a rua onde ele mora. Veja como ficou.

E S TA É A
MASPI

M INHA CASA

 Agora, desenhe a rua onde você mora.

222 DUZENTOS E VINTE E DOIS


NOSSO BAIRRO
A arborização das ruas de um bairro é importante porque as árvores fazem
sombra, refrescam o ambiente e atraem muitos tipos de aves.
9. Assinale com X como é um bairro que tem muitas árvores.

Sergio Israel/Pulsar Imagens


Bairro arborizado da cidade de São Paulo, SP, 2015.

Tem muitos pássaros. Tem pouca sombra.

É quente no verão. É agradável de andar a pé.

Tem folhas no chão. É bonito de se ver.

É fresco no verão. É mais saudável para viver.

DUZENTOS E VINTE E TRÊS 223


10. Leia o texto.

Eu moro em um bairro de João Pessoa, que é a capital


do estado da Paraíba. Meu bairro tem muitas mangueiras.
Uma delas fica na frente da minha casa. Ela tem dez vezes
a minha altura. O tronco é muito grosso. As mangas
nascem das flores. No começo, elas são verdes. Depois,
ficam maduras e doces.
João, 7 anos.

rujithai/Shutterstock
asif waseem/Shutterstock

Galho
carregado
de mangas.

Mangueira.

a) Descubra o nome das árvores do seu bairro. Para isso peça ajuda de
um adulto.
b) Fotografe as árvores e afixe as fotografias no mural da classe.

c) Escreva um texto sobre a arborização do seu bairro.

224 DUZENTOS E VINTE E QUATRO


OFICINA
MINHA ÁRVORE
Nas proximidades de sua casa ou da escola escolha uma árvore para
observar e ver se ela vai mudando enquanto o tempo passa.
1. Descubra o nome da árvore que você escolheu. Anote o nome dela.
2. Calcule a altura dela. Quantas vezes ela é maior que você? Anote.
3. Passe um barbante ao redor do tronco. Depois meça o barbante com uma
fita métrica e anote a grossura do tronco indicada pelo barbante.
4. Coloque um papel sobre a casca da árvore e passe o lápis sobre o papel.
Assim você vai ter um registro de como é a casca da árvore.

Adolar

5. Desenhe ou cole em outro papel uma folha da árvore que você escolheu.
6. Se a árvore dá frutos, desenhe um fruto.
7. Desenhe ou fotografe sua árvore.
8. Faça um arranjo de suas descobertas em uma folha de cartolina: a
imagem da árvore, do fruto, uma flor, o papel com o desenho da casca,
o nome da árvore.
Afixe seu trabalho no mural da classe.
Sempre olhe para a sua árvore para ver como ela está.

DUZENTOS E VINTE E CINCO 225


11. Um homem derrubou uma árvore da praça onde a Mônica e seus amigos
costumam brincar. Veja o que eles fizeram.
Mauricio de Sousa Editora Ltda

Converse com seus colegas de grupo e responda o que se pede.


 O que a Mônica e os amigos dela fizeram com o homem?

226 DUZENTOS E VINTE E SEIS


Além de pavimentação e arborização, um bairro precisa de outros serviços
para que os moradores tenham boa qualidade de vida. Uma delas é a água
tratada. Ela chega às casas pela rede de canos que abastece o bairro.
Outro serviço importante é a rede de esgoto, com canos que recolhem a
água usada. Também são importantes a coleta de lixo e a iluminação das ruas.
12. Observe as fotografias e leia as legendas.

kazoka/Shutterstock

Delfim Martins/Pulsar Imagens


Água encanada. Londrina, PR, 2016. Esgoto encanado. Teresina, PI, 2015.
Divulgação/Comlurb

Secon/Prefeitura Municipal de São Marcos

Coleta de lixo. Rio de Janeiro, RJ, 2010. Iluminação das ruas. São Marcos,
RS, 2014.

 Agora, assinale quais desses serviços estão presentes no seu bairro e na


sua rua.

Pavimentação (asfalto ou paralelepípedo). Arborização.

Água tratada. Coleta de lixo.

Esgoto encanado. Iluminação pública.

DUZENTOS E VINTE E SETE 227


ASSOCIAÇÃO DE MORADORES
Cuidar do bairro é dever da prefeitura e dos moradores. Você,
sua família e seus vizinhos podem ajudar mantendo o bairro limpo,
respeitando o que é de todos.
Além disso, também é possível fazer parte da associação de
moradores do bairro. Essas associações existem para defender
os interesses do
bairro ou promover
mudanças. As ações

Palê Zuppani/Pulsar Imagens


realizadas por elas
incluem o plantio de
mudas de árvore,
a instalação de
cestos de lixo, a
colocação de cartazes
educativos e placas
de sinalização, a
Placa da Associação de Moradores e Amigos
manutenção de da Praia do Bom Abrigo. Bairro Bom Abrigo,
praças e parques. Florianópolis, SC, 2014.

13. Converse com seus colegas.


a) Você sabe se há alguma associação de moradores em seu bairro?
Em caso afirmativo, conte como ficou conhecendo a associação.
b) Se você fosse o presidente dessa associação e tivesse a função de
cobrar dos governantes do município instalações em seu bairro,
o que você pediria?

O QUE ESTUDAMOS
O bairro é o lugar que conhecemos melhor, pois com ele nos
relacionamos todos os dias, indo de casa para a escola, da escola para
casa, brincando com os amigos e saindo para passear. Por isso, o bairro
faz parte da nossa vida e nós fazemos parte dele.

228 DUZENTOS E VINTE E OITO


AS VIAS PÚBLICAS
Nossa rua e as outras ruas do bairro são vias públicas.
As vias públicas são abertas a todos e administradas pela prefeitura.
Nelas circulam pessoas a pé: são os pedestres. Também circulam pessoas em
veículos, tanto os condutores como os passageiros.
Uma via pública é formada por uma pista com uma ou mais faixas de
trânsito e tem calçada dos dois lados. Nas calçadas circulam os pedestres e na
pista circulam os veículos. Existem vias públicas que têm um canteiro central e
faixas para bicicletas.
Nas vias públicas vemos placas de sinalização de trânsito, de veículos e
pedestres, situadas em cruzamentos ou locais de travessia, além de semáforos.

Jorge Okura

Avenida Paulista. São Paulo, SP, 2017.

VAMOS CONVERSAR
Como são as principais vias públicas de sua cidade? Existem pontos
de ônibus e faixas específicas para eles? Como são as calçadas?

DUZENTOS E VINTE E NOVE 229


COMO SÃO AS VIAS PÚBLICAS
As vias públicas são formadas por algumas áreas e têm vários tipos de
sinalização que orientam a circulação de pessoas e veículos.
Observe na ilustração as áreas de uma via pública.

Faixa de Trânsito Faixa de Pedestre


Ciclovia
Divulgação/PMPA

Representação das áreas de uma via pública.

Calçada

 Pista ou faixa de trânsito é a parte da via pública que é destinada à


circulação de veículos (carros, motocicletas, caminhões, entre outros).
 Faixa de pedestre é um trecho marcado com faixas brancas para que os
pedestres cruzem a pista em segurança.
 Ciclovia é a parte da via pública destinada ao tráfego de bicicletas
que pode ser delimitada na calçada, em canteiros centrais ou na pista
(ciclofaixa).
 Calçada é a parte da via pública destinada ao tráfego de pedestres.

230 DUZENTOS E TRINTA


A maioria das vias públicas dos bairros são ruas. Existem também outros
tipos de vias públicas, como avenidas, alamedas, travessas e calçadões.
 Rua é a via pública com pista de uma ou duas faixas de trânsito.
 Avenida é a via cuja pista apresenta várias faixas de trânsito e um
canteiro central.
 Alameda é a via com quantidade significativa de árvores plantadas
em linha, que pode ser destinada ao tráfego de veículos ou apenas
pedestres.
 Travessa é uma via estreita que pode ser destinada ao tráfego de
veículos ou apenas pedestres.
 Calçadão é a via para pedestres, que se caracteriza como uma grande
calçada. Em geral, apresenta árvores e também bancos e outros
mobiliários.
Luca Atalla/Pulsar Imagens

Thiago Oliveira
Avenida Ayrton Senna. Rio de Janeiro, Travessa Jornalista Otaviano Munig.
RJ, 2016. São Paulo, SP, 2016.
João Prudente/Pulsar Imagens

R-P/Kino

Alameda de Mangueiras da Praça da Calçadão na Rua das Flores. Curitiba,


República. Belém, PA, 2016. PR, 2016.

DUZENTOS E TRINTA E UM 231


1. As ruas de mão única permitem que os veículos trafeguem em apenas um
sentido. As ruas de mão dupla permitem o tráfego de veículos nos dois
sentidos. Marque com um X como é a rua de sua casa.

Rua de mão única. Rua de mão dupla.

2. Identifique cada via das fotografias usando as palavras do quadro.

Avenida Rua de mão única Rua de mão dupla


Jacek/Kino

Rua no bairro da Liberdade.


São Paulo, SP, 2014.
João Prudente/Pulsar Imagens

Rua na cidade de Belém,


PA, 2013.
Alf Ribeiro/Shutterstock

Via expressa que liga o Centro à


Zona Sul. São Paulo, SP, 2016.

232 DUZENTOS E TRINTA E DOIS


CUIDADOS EM VIAS PÚBLICAS
Ao caminhar pelas vias públicas e principalmente para atravessar pistas pelas
quais transitam veículos, é sempre necessário estar acompanhado por um adulto.
A maioria das vias públicas apresenta calçadas ao longo de um ou dos dois
lados da pista. Preste atenção em placas que indicam a proibição do trânsito de
pedestres em determinados trechos.

D e natran

Denatran

Permitido trânsito de pedestre. Proibido o trânsito de pedestres.

As faixas de pedestres são sinalizadas com faixas de seguranças pintadas na


pista, geralmente em branco.
Nunca atravesse uma pista, avenida ou estrada em locais onde não há faixas
de pedestres.
Rubens Chaves/Pulsar Imagens

Rubens Chaves/Pulsar Imagens

Cruzamentos com faixas de pedestres. Pessoas atravessando na faixa.

DUZENTOS E TRINTA E TRÊS 233


Além da faixa de pedestres, placas indicativas alertam os motoristas sobre a
existência de locais onde a travessia da pista é permitida aos pedestres.

imagens: Denatran

Travessia de estudantes. Faixa de pedestres.

 Preste atenção aos semáforos de pedestres e veículos.

Nas vias públicas, em Semáforo


alguns cruzamentos ou locais de pedestres.
de travessia de pedestres, Pare
existem semáforos que servem
para indicar aos pedestres e
motoristas o momento de parar
ou prosseguir, representados
Lipskiy/Shutterstock

pelas cores vermelha e verde. Siga


StudioNeosiam/Shutterstock

Pare
Ao mesmo tempo, funciona
o semáforo de veículos, que
apresenta três sinalizações
de cores: o vermelho indica
Atenção que os motoristas devem
parar, o amarelo indica que os
motoristas devem ter atenção e
o verde indica que os motoristas
podem seguir.
Siga
Semáforo de
veículos.

234 DUZENTOS E TRINTA E QUATRO


3. Juntamente com um colega, observe as ilustrações 1, 2 e 3.

1 2

Ilustrações: Adolar
3

 Descrevam oralmente o que cada uma das ilustrações indica sobre


a segurança de crianças ao atravessar a rua. Em qual delas há uma
atitude errada?

DUZENTOS E TRINTA E CINCO 235


4. Quando estamos diante de semáforos para pedestres e veículos, devemos
prestar atenção na sinalização das cores. Veja se você sabe como fazer isso
relacionando a coluna da esquerda com a coluna da direita.

ilustrações: maspi
Pedestre: siga.

Condutor: siga.

Condutor: atenção.

Condutor: aguarde

Pedestre: aguarde.

236 DUZENTOS E TRINTA E SEIS


5. Observe o menino que está parado na calçada.

Adolar
Converse com os colegas.
 O que esse menino deve fazer para atravessar a rua com segurança?

6. Estas meninas estão pensando se atravessam ou não a pista.


Adolar

Converse com seus colegas.


 O que você acha que elas devem fazer?

DUZENTOS E TRINTA E SETE 237


7. Observe o Pedrinho. Ele gosta de correr na calçada.

Adolar
Ele está correndo perigo? Que cuidados deve ter?

8. Complete as frases com as palavras do quadro.

pedestres via calçada vermelho lados condutor

Ao caminhar por uma pública, você é um pedestre.

O local destinado para o pedestre caminhar é a .

Só atravesse a pista em um local onde existe faixa de


.

Nunca atravesse a pista quando o sinal para pedestres estiver


.

Antes de atravessar a pista, olhe para os dois .

Se houver um veículo parado, olhe para o antes de


atravessar a pista e certifique-se de que ele o viu.

238 DUZENTOS E TRINTA E OITO


AS MANIFESTAÇÕES POPULARES
As vias do bairro podem ser utilizadas como espaços destinados ao lazer,
à cultura e à realização de manifestações, como festas populares, feiras e
maratonas. Também ocorrem, nas vias públicas, manifestações que as pessoas
organizam por razões políticas, religiosas ou para reivindicar direitos. Nesses
casos, as vias são fechadas para o tráfego de veículos.
Daniel Cymbalista/Pulsar Imagens

Avenida Paulista fechada para carros e


aberta para ciclistas e pedestres aos
domingos. São Paulo, SP, 2016.

Thiago Loureiro/Ascom Nova Iguaçu


Passeata contra a violência.
Nova Iguaçu, RJ, 2014.
Arnaldo Carvalho/JC Imagem

Tradicional Feira do Bom Jesus em rua do


bairro Recife Antigo. Recife, PE, 2014.
Paulo Mumia/Riotur

Bloco carnavalesco da
Avenida Atlântica.
Rio de Janeiro, RJ, 2011.

DUZENTOS E TRINTA E NOVE 239


9. A fotografia mostra uma manifestação que acontece em quase todas as
cidades do Brasil: o Carnaval. Em muitas cidades, as ruas ficam tomadas por
blocos, carros alegóricos, grandes bonecos e até escolas de samba. Muitas
crianças com suas famílias participam da folia.
Tatiana Azeviche/Secom/Governo do Estado da Bahia

Carnaval nas ruas do Centro Histórico do Pelourinho. Salvador,


BA, 2016.
 Troque ideias com os colegas para responder as questões.
a) O que você observa nessa fotografia do Carnaval das ruas de Salvador?

b) Você já participou de algum Carnaval de rua no lugar onde você mora?


Se participou, escreva se gostou o não.

c) Além do Carnaval existem muitas outras festas populares que acontecem


nas ruas. Cite alguma dessas festas das quais você participou.

240 DUZENTOS E QUARENTA


10. Observe a fotografia.

Ascom/CDL Barreiras
Caminhada pela paz. Barreiras, BA, 2015.

a) Para o que esta via pública está sendo utilizada?

b) Você já viu algum tipo de manifestação em via pública? Para o que essas
pessoas queriam chamar a atenção da população?

11. Observe a pintura.

Coleção particular

ARACY. Meninas do Colégio São Luiz. 2012. Acrílico


sobre tela, 50 cm × 40 cm.
a) O que as crianças da pintura estão fazendo? Onde elas estão?

DUZENTOS E QUARENTA E UM 241


A RUA: UM ESPAÇO PARA BRINCAR CADA VEZ MAIS RARO
Nos bairros das cidades pequenas e nos bairros distantes de
regiões movimentadas, as crianças ainda brincam na rua. No
entanto, isso está se tornando cada vez mais difícil e perigoso
por causa do tráfego de veículos. Por isso, grande parte das
crianças brinca nos quintais, no pátio do prédio e da escola ou
dentro de casa.
Antes de brincar na rua, você e seus amigos devem consultar
um adulto conhecido para ver se é seguro fazer isso naquele
momento e naquele lugar. Mas sempre é melhor buscar uma praça
ou um lugar em que não passe carro.
Cesar Diniz/Pulsar Imagens

Crianças jogando futebol na rua. Itaberaba, BA, 2014.

12. Na sua rua é possível brincar de roda? Explique.

O QUE ESTUDAMOS
As vias públicas são abertas a todos e destinadas à circulação de
pedestres e veículos. Podem também ser utilizadas para fins culturais,
manifestações ou ainda para o lazer da população.

242 DUZENTOS E QUARENTA E DOIS


TRANSPORTE E COMUNICAÇÃO
Os meios de transporte permitem que as pessoas se locomovam de um
bairro para outros.
Os meios de comunicação conectam as pessoas umas com as outras.
Portanto, esses meios são importantes para o relacionamento entre as pessoas.

Cesar Diniz/Pulsar Imagens


Rapaz pegando um ônibus em Bezerros, PE, 2016.

Rubens Chaves

Mulher usando celular. São Paulo, SP, 2014.

VAMOS CONVERSAR
Quais meios de transporte e de comunicação você usa?

DUZENTOS E QUARENTA E TRÊS 243


MEIOS DE TRANSPORTE
Os meios de transporte de pessoas mais usados nos bairros das grandes cidades
são o metrô, o trem urbano, o automóvel, o ônibus, a motocicleta e a bicicleta.
O metrô e o trem urbano levam muitas pessoas em cada viagem, não
congestionam as ruas e avenidas, são rápidos e não poluem o ar.
Daniel Cymbalista/Pulsar Imagens

Alexandre Tokitaka/Pulsar Imagens

Metrô. São Paulo, SP, 2011. Trem urbano. São Paulo, SP, 2011.

O ônibus leva menos pessoas a cada viagem, congestiona as vias


públicas, é mais lento do que o metrô e o trem.
O automóvel leva ainda menos pessoas e também polui o ar, como o
ônibus.
A motocicleta é rápida, mas o motociclista está mais exposto ao perigo.
A bicicleta não polui o ar, não gasta combustível e pedalar faz bem para
a saúde. Mas no Brasil ainda há poucas vias para ciclistas.
Cesar Diniz/Pulsar Imagens

Alexandre Cappi/Pulsar Imagens

Automóveis, ônibus e motocicletas. Bicicleta. Campinas, SP, 2016.


São Paulo, SP, 2017.

 Qual desses meios de transporte você acha que é melhor para as


pessoas na cidade?

244 DUZENTOS E QUARENTA E QUATRO


Todos os meios de transporte oferecem riscos para as pessoas,
principalmente para as crianças. Por essa razão, todo cuidado é pouco.
1. Há crianças que vão para a escola de bicicleta.
Fernando Favoretto/CriarImagem

Pedro vai para a escola de bicicleta.

 Que equipamentos de proteção elas precisam usar e por onde


devem andar?
2. Há crianças que vão para a escola de automóvel.
PixieMe/Shutterstock

Antonio só anda de carro usando o cinto de segurança.

 Que cuidado essas crianças devem ter?

DUZENTOS E QUARENTA E CINCO 245


OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO
Em todos os lugares do bairro, as pessoas estão sempre se comunicando
umas com as outras. Essa comunicação pode ser feita por carta, e-mail, telefone,
mensagens via celular. A televisão, o rádio, os jornais, as revistas e a internet são
meios de comunicação que nos mantêm informados sobre os acontecimentos do
Brasil e do mundo.
Edu Lyra/Pulsar Imagens

Pessoas filmando e fotografando


com o celular a chegada de
Nossa Senhora de Nazaré
na Festa do Círio de Nazaré.
Belém, PA, 2012.

3. Que meios de comunicação você costuma usar no seu dia a dia e para que
você usa?

Atualmente, a tecnologia dos meios de comunicação está cada vez mais


acessível aos brasileiros e muitos já estão conectados à internet.
4. Você tem acesso à internet? Se tiver, para que você usa a internet? Onde
você a acessa?

5. Em sua opinião, que benefícios o uso da internet traz para as pessoas?

246 DUZENTOS E QUARENTA E SEIS


6. Muitos aparelhos e invenções que envolvem tecnologias mais sofisticadas
foram inventados recentemente, como os computadores e os telefones
celulares. Eles são cada vez mais usados.

Ricardo Teles/Pulsar Imagens


Indigena utilizando
telefone celular.

 Com um colega, invente um telefonema de um para o outro usando


um telefone celular imaginário. Ensaiem a apresentação para os
seus colegas.

UMA REDE DE COMUNICAÇÃO


Computadores e celulares permitem a comunicação
entre pessoas de inúmeras regiões da Terra por meio da
internet. O termo net, da língua inglesa, quer dizer rede.
A internet permite conversar, fazer cursos, comprar
e vender objetos, pesquisar, procurar cães e gatos
perdidos, anunciar doações.
Para usar a internet com segurança, você sempre
deve pedir a orientação e a ajuda de um adulto.

O QUE ESTUDAMOS
As vias públicas ligam diferentes lugares de um bairro e permitem
a circulação dos meios de transporte que aproximam as pessoas.
Do mesmo modo, os meios de comunicação também aproximam as
pessoas e permitem o acesso ao conhecimento.

DUZENTOS E QUARENTA E SETE 247


CONHECENDO MELHOR O BAIRRO
O QUE TEM EM UM BAIRRO
As pessoas precisam de muitas coisas para ter uma boa qualidade de vida.
As crianças precisam ter onde brincar e onde estudar. Os adultos precisam de
locais para fazer as compras e passear. É necessário também que todos tenham
acesso a assistência médica, segurança, transportes e bens culturais, como
cinema, teatro e museus.
Alexandre Tokitaka/Pulsar Imagens

Alessandro Assunção/ON/D.A Press

Rua com lojas no centro de São Conjunto habitacional.


Paulo, SP, 2016. Campinas, SP, 2016.
Gilberto Marques/Governo do estado
de São Paulo

Arquivo/PMV SECOM

Hospital do Trauma. João Pessoa, PB, 2015. Teatro Carlos Gomes. Vitória, ES, 2016.

VAMOS CONVERSAR
Além de moradias e vias públicas, que outros espaços públicos de
serviços existem no seu bairro?

248 DUZENTOS E QUARENTA E OITO


TIPOS DE INSTALAÇÕES NOS BAIRROS
Nos bairros, existem instalações de comércio e serviços, lazer
e indústrias.
Os estabelecimentos comerciais são lojas, mercados, restaurantes,
lanchonetes, farmácias e livrarias, onde as pessoas compram alimentos,
produtos de higiene e limpeza, roupas, sapatos, remédios, livros, entre
muitas outras coisas.
No bairro também existem locais que oferecem serviços
fundamentais, como escolas, creches, correios, hospitais e postos
de saúde, consultórios médicos e odontológicos.

Leo Caldas/Pulsar Imagens

João Prudente/Pulsar Imagens


Lojas em Recife, PE, 2010. Centro cultural Nelson Mandela.
Governador Valadares, MG, 2016.
Cesar Diniz/Pulsar Imagens

Rogério Reis/Pulsar Imagens

Posto de saúde em Bom Jesus da Lapa, Consultório odontológico em Anápolis,


BA, 2014. GO, 2015.

DUZENTOS E QUARENTA E NOVE 249


As áreas de lazer de um bairro são as praças, os parques, as áreas verdes, as
quadra poliesportivas, os campos de futebol, entre outros exemplos.
Delfim Martins/Tyba

Cesar Diniz/Pulsar Imagens


Praça Pedro Sanches. Poços de Caldas, Campo de futebol em Petrolina,
MG, 2015. PE, 2016.
Márcia Foletto/Agência O Globo

Cassandra Cury/Pulsar Imagens

Parque no Rio de Janeiro, RJ, 2012. Parque infantil em Florianópolis, SC, 2015.

Em alguns bairros existem fábricas onde são produzidas mercadorias vendidas


pelo comércio ou utilizadas pela própria indústria. Algumas cidades têm bairros
industriais, onde há poucas moradias e estabelecimentos comerciais.
João Prudente/Pulsar Imagens

Indústrias em Campinas, SP, 2016.

250 DUZENTOS E CINQUENTA


1. Pinte a escola onde Antonio estuda.

Ilustrações: Adolar
 Desenhe uma praça, um parque ou outro lugar de seu bairro.

DUZENTOS E CINQUENTA E UM 251


2. Observe as fotografias.
Ismar Ingber/Tyba

Gabriel Santos/Tyba
Parque infantil no Rio de Janeiro, Quadra de esportes no Rio de Janeiro,
RJ, 2013. RJ, 2013.
Delfim Martins/Tyba

Chico Ferreira/Pulsar Imagens

Biblioteca pública em Garça, SP, 2016. Posto de saúde em São Paulo, SP, 2016.

a) Escreva para que servem essas instalações.

Biblioteca pública:

Parque infantil:

Quadra de esportes:

Posto de saúde:

b) Sublinhe no item anterior quais delas existem no seu bairro.

252 DUZENTOS E CINQUENTA E DOIS


3. É importante que os moradores de um bairro tenham lugares para
encontrar o que procuram. Escreva o nome desses lugares na cruzadinha.
Para isso, preste atenção nas ilustrações.

ilustrações: Adolar
1 2

DUZENTOS E CINQUENTA E TRÊS 253


4. Escreva qual é a utilidade de cada lugar para os moradores de um bairro.

Creche:
Vitor Marigo/Tyba

Creche em Morro de São Paulo, BA, 2016.

Agência dos correios:


Rogerio Reis/Tyba

Agência dos Correios em Goiânia, GO, 2016.

Maternidade:
Luciana Whitaker/Pulsar Imagens

Maternidade em São Francisco do Sul,


SC, 2016.
Nereu Jr./Pulsar Imagens

AS ÁREAS VERDES
As áreas verdes são os lugares do
bairro onde há grande área de vegetação.
São os parques municipais, hortos
florestais e jardins públicos. Manter
esses espaços é fundamental tanto para
Parque municipal urbano
melhorar a qualidade do ar quanto a Américo Renné Giannette.
qualidade de vida dos moradores. Belo Horizonte, MG, 2016.

254 DUZENTOS E CINQUENTA E QUATRO


5. Leia na figura o que cada morador precisa. Ligue os moradores aos lugares
aonde eles devem ir para encontrar o que procuram.

IR AO
SUPERMERCADO.

ilustrações: Adolar
IR AO
POSTO DE
SAÚDE.

IR À LOJA DE
PRESENTES.

IR AO
BANCO. IR AO
POSTO DE
GASOLINA.

IR AO CINEMA.
DUZENTOS E CINQUENTA E CINCO 255
CADA UM NO SEU TRABALHO
Todas as atividades de um bairro envolvem muitos profissionais, cada um
com seu tipo de trabalho. Os professores ensinam, os médicos cuidam da
saúde das pessoas, os lixeiros recolhem o lixo, os bombeiros apagam incêndios.
Há muitos outros profissionais em um bairro: trabalho de mecânicos, garçons,
vendedores, funcionários de bancos, trabalhadores de construção.
Devemos respeitar todos os trabalhadores do bairro, pois as pessoas
dependem do trabalho umas das outras. O filho do carteiro precisa da
professora, que quando está doente vai ao médico, que compra frutas do
feirante, que leva o carro no mecânico, que depende do lixeiro para coletar
o lixo, e assim por diante.
Luis Lima Jr/Fotoarena

Monkey Business Images/Shutterstock

Guarda de trânsito. Médica.


Palê Zuppani/Pulsar Imagens

Gerson Gerloff/Pulsar Imagens

Feirante. Bombeiro.

256 DUZENTOS E CINQUENTA E SEIS


6. Leia o texto:

Este é o guarda de trânsito que sorriu para o policial


que abraçou o carteiro que deu um cartão-postal para
o encanador que ajudou o vendedor ambulante que
fez um favor para o chaveiro que contou uma piada
para o engraxate que assobiou uma música para a
vendedora que deu flores para o Seu Zico Pipoqueiro.
JUNQUEIRA, Sonia. Na rua lá de casa. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001. p. 12.

a) Sublinhe as profissões citadas no texto.

b) Quais desses profissionais podem ser encontrados no bairro onde


você mora?

7. Escreva qual é a profissão de quatro pessoas da sua família. Escreva também


o local onde ele/ela trabalha.

Veja o primeiro exemplo.

Nome/Parentesco Profissão Local de trabalho


Sônia/Mãe Doméstica Casas de pessoas

DUZENTOS E CINQUENTA E SETE 257


8. Ligue cada um a sua profissão.
Ilustrações: Adolar

Pedreiro

Garçom

Eletricista

Padeiro

Gari

258 DUZENTOS E CINQUENTA E OITO


9. Leia o que faz o profissional e escreva qual é a profissão de cada um.

Apago
incêndios e ajudo
as pessoas.
Ensino
as crianças a ler
e a escrever.

Ilustrações: Adolar
Conserto
carros.

Cuido da
segurança.

Cuido dos
animais.

Preparo
os pães.

Trato as
pessoas doentes.

DUZENTOS E CINQUENTA E NOVE 259


10. Agora, encontre na figura o nome do lugar onde cada profissional trabalha.
Ilustrações: Adolar

 Escreva o nome de cada lugar.

Bombeiro: .

Professora: .

Padeiro: ..

Veterinário: .

Policial: .

Mecânico: .

Médico: .

260 DUZENTOS E SESSENTA


11. Leia o poema com a classe.

COMO É MESMO?

Adolar
Quem vende leite é leiteiro.
Quem vende livro é livreiro
e sorvete, sorveteiro.
Quem vende carne é carneiro?
Não é não! É açougueiro.
Quem vende pão é padeiro,
e pipoca, pipoqueiro,
e verdura, verdureiro.
Quem vende sal é saleiro?
É comerciante, vendeiro.
Queria aumentar a lista
mas perdi minha caneta.
Vou comprar no canetista?
Ou será que é caneteiro?
Não pode ser canetreta...
Como é o nome verdadeiro?
Dou uma bela caneta
A quem responder primeiro.
NORONHA, Teresa. Cavalinho-do-mar.
São Paulo: Salesiana Dom Bosco, 1982.

 Sublinhe as palavras do texto que se referem à profissão.

O QUE ESTUDAMOS
Na maioria dos bairros há comércio, locais onde são prestados os
mais variados tipos de serviço aos moradores. Há também fábricas e
espaços de lazer para a população. Em todos esses locais trabalham
os mais diversos profissionais.

DUZENTOS E SESSENTA E UM 261


PESSOAS DE OUTROS LUGARES
Em um bairro podemos encontrar pessoas que vieram de outros lugares do
Brasil e até pessoas que vieram de outros países.
12. Leia o texto.

O BAIRRO DO BOM RETIRO


Feirantes nordestinos vendendo frutas e verduras em coreano é
uma das cenas que podem ser presenciadas no dia a dia do bairro
paulistano do Bom Retiro. Esse bairro, localizado na região central
de São Paulo, já viu passar muitos estrangeiros entre seus habitantes,
desde os italianos que chegaram ao fim do século 19. [...]
Depois dos italianos, foi a vez da chegada de judeus do Leste
Europeu ao bairro, o que aconteceu a partir dos anos 1920. Depois
vieram armênios, árabes, sírio-libaneses e gregos – estes nos anos
1940 e 1950. E a partir dos anos 1960 os coreanos, em fuga das
guerras entre as duas Coreias. Hoje, vivem também no Bom Retiro
muitos bolivianos. [...]
Disponível em: <http://www.dw.com/pt-br/bairro-de-são-paulo-reflete-interseção-entre-diferentes-
culturas-no-brasil/a-5300584>. Acesso em: 6 out. 2017. (Adaptado.)
Alexandre Tokitaka/Pulsar Imagens

Adolescente fotografa amigos com


vestimentas tradicionais em festa da
comunidade coreana, no bairro do
Bom Retiro, São Paulo, SP, 2014.

a) O que o texto diz sobre as pessoas de outros lugares que vieram para o
bairro do Bom Retiro?

b) Por que os feirantes do Bom Retiro aprenderam a vender seus produtos


em coreano?

262 DUZENTOS E SESSENTA E DOIS


O BAIRRO JAPONÊS EM SÃO PAULO
No bairro da Liberdade vive a maior comunidade japonesa do
Brasil. São principalmente descendentes das famílias de imigrantes
que vieram para o Brasil há cerca de 110 anos.
O bairro é decorado com figuras da cultura japonesa e promove
festas que atraem muitos turistas.

Vitor Marigo/Tyba

O bairro da Liberdade, com decoração típica japonesa. São Paulo, SP, 2016.

DUZENTOS E SESSENTA E TRÊS 263


Alexandre Tokitaka/Pulsar Imagens
No Brasil há muitas pessoas
que mudaram de um estado
para outro. Em São Paulo, a
chegada dos nordestinos teve
grande influência nos costumes
alimentares nos bairros onde eles
vivem em grande número.
Loja de alimentos nordestinos em São Paulo,
13. Leia o texto. SP, 2015.

CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESGATAM ORIGENS


NORDESTINAS EM BAIRRO DA ZONA LESTE
"Paraíba, Pernambuco, Ceará, Bahia." A lista de estados não faz parte de
uma aula de geografia ou de um roteiro turístico, mas é um trecho da fala
de abertura do vídeo documentário Migra Ação, produzido por crianças e
adolescentes da União de Vila Nova, na zona leste de São Paulo. [...]
O trabalho foi feito com a visita dos participantes a estabelecimentos
comerciais e residências, e os moradores foram entrevistados para falar
sobre os lugares de onde vieram e a própria origem de suas famílias.
Tudo foi registrado em vídeos gravados em aparelhos celulares.
Disponível em: <http://mural.blogfolha.uol.com.br/2016/03/23/
criancas-e-adolescentes-resgatam-origens-nordestinas-em-bairro-da-zona-leste/>.
Acesso em: 6 out. 2017.

a) Segundo a notícia, que trabalho fizeram os alunos do bairro União de


Vila Nova?
b) Você e o seu grupo vão trocar ideias e preparar uma entrevista com um
morador do bairro que tenha vindo de outro estado do Brasil ou de outro
país para descobrir seus costumes e como é o lugar de onde vieram.
c) Em um dia combinado você e seus colegas de grupo vão relatar a
pesquisa que fizeram.

O QUE ESTUDAMOS
Em um bairro podem viver famílias com costumes e tradições
diferentes por terem vindo de outros lugares. Todas elas são importantes
para a comunidade e devem ser respeitadas.

264 DUZENTOS E SESSENTA E QUATRO


COMO SE LOCALIZAR NO BAIRRO
Para nos orientar pelas ruas de um bairro, podemos usar vários recursos.
Um deles é prestar atenção aos pontos de referência, como supermercado,
escola e delegacia de polícia. Outro recurso é ler o nome das ruas. Também
podemos usar um mapa.
Os quarteirões, também chamados de quadras, são partes dos bairros delimitadas
por ruas e que podem ser de diferentes tamanhos e formatos. Eles também servem
como uma referência quando pedimos ou fornecemos informações.

Alexandre Macieira/Tyba

Rafael Croonen/Shutterstock
As placas de rua indicam o nome O número localiza na rua as casas,
da rua e os números iniciais e finais os prédios de apartamentos, as lojas,
das construções que existem em um escolas e demais estabelecimentos.
trecho dessa rua.

Cássio Vasconcellos/www.fotografiasaereas.com.br

Vista aérea do bairro de Copacabana, Rio de Janeiro, RJ, com


quarteirão ou quadra em destaque.

14. Que pontos de referência perto de sua rua a maioria das pessoas conhece?

DUZENTOS E SESSENTA E CINCO 265


15. Veja a representação de um trecho de um bairro.

Casa do Zé
O. Sequetin

Casa da Paula

RUA DA FAZENDA
RUA DO BECO

RUA DA ALEGRIA
Casa da Marília

Casa do Mário

RUA DA ALVORADA

Casa da Flora
RU

RA

DA
U
A

D
FERR A
Casa do Leonardo

a) Em qual rua mora Leonardo?

b) Quem mora no fim da Rua da Alvorada?

c) Se você sair da casa de Leonardo, virar à direita na Rua da Alvorada, e


depois virar à esquerda na Rua da Alegria, passando o supermercado, na
casa de quem você vai chegar?

d) Flora disse para um amigo que estava saindo da casa dela: “Vá pela Rua
da Alvorada, dobre na segunda rua à direita e bata na segunda casa à
direita”. Aonde ele chegou?

e) A escola fica em uma rua que é travessa da Rua da Alvorada. Que rua é essa?

266 DUZENTOS E SESSENTA E SEIS


16. Observe a representação de algumas ruas de um bairro e responda às
perguntas.

MASPI
JOÃO RUA CANADÁ B

RUA COREIA

RUA FRANÇA
RUA BOLÍVIA
RUA CUBA

RUA PERU ESCOLA

RUA CHINA
CASA DA
PAULA

A RUA JAPÃO

a) Quantos quarteirões inteiros são mostrados no mapa?

b) Quais ruas delimitam o quarteirão no qual está localizada a escola?

c) Complete a frase com os números e as palavras corretas.

Se Maria quiser chegar do ponto A ao ponto B, basta ela caminhar


pela Rua Japão e, após passar quadras, deve virar à
na Rua França e, então, caminhar mais quadras.
d) Oriente João quanto ao caminho que ele deverá fazer para ir até a casa
de Paula, citando o nome das ruas que ele deve pegar, quantas quadras
deverá caminhar e para que lado deve virar.

DUZENTOS E SESSENTA E SETE 267


17. Veja, agora, a representação das ruas e avenidas de outro bairro.

RUA 04
O. Sequetin

AVENIDA GOIÁS

AVENIDA TOCANTINS
RUA 03
AVENIDA ACRE

RUA 05
RUA 07

RUA 06
AVENIDA PARÁ

RUA 02
RUA 01

a) Qual estabelecimento comercial está na mesma quadra da padaria?

b) O quarteirão no qual está localizado o parque é delimitado por quais vias?

c) O posto de gasolina está localizado na esquina de quais vias?

d) Em qual via estão o banco, o corpo de bombeiros e o supermercado?

e) Quais os tipos de serviço que podem ser encontrados na Avenida Goiás?

f) A rua na qual está o correio pode ser acessada a partir de quais vias?

g) Para ir do banco à biblioteca, qual via deve ser percorrida?

O QUE ESTUDAMOS
No nosso bairro aprendemos a conhecer os pontos de referência e
o nome de ruas e avenidas. Desse modo, conseguimos nos localizar e
orientar as pessoas.

268 DUZENTOS E SESSENTA E OITO


A TRANSFORMAÇÃO DO BAIRRO
Ao longo do tempo, os bairros se transformam porque as pessoas vão
construindo e reformando moradias e edifícios, abrindo lojas, padarias e outros
estabelecimentos comerciais. Quando isso acontece, a aparência do bairro muda.
Alguns bairros se transformam mais do que outros. Existem alguns bairros
que preservam construções antigas que têm importância histórica.
A história de um bairro mostra também a história de seus moradores,
porque os costumes vão mudando à medida que os bairros mudam.
Acervo Fundação Joaquim Nabuco/
Ministério da Educação

Ricardo B. Labastier/JC Imagem


Boa Viagem na década de 1940 e na década de 2010. Recife, PE.
Acervo Fundação Joaquim Nabuco/
Ministério da Educação

Mariana Guerra/JC Imagem

Ponte Buarque de Macedo, na década de 1950 e na década de 2010. Recife, PE.

VAMOS CONVERSAR
De que formas os bairros são transformados ao longo do tempo?

DUZENTOS E SESSENTA E NOVE 269


COMO OS BAIRROS SE TRANSFORMAM
Assim como as pessoas, os bairros têm uma história. Podemos conhecer essa
história vendo fotografias antigas e lendo textos de pessoas que viveram nele.
1. Leia os dois textos.

O Brás era um bairro cinzento, com ruas de paralelepípedo e poucos


automóveis. Ao meio-dia, as sirenes anunciavam a hora do almoço nas
fábricas. Como não existiam prédios, de toda parte viam-se chaminés e
as torres da igreja de Santo Antônio apontando para o céu.
Drauzio Varella. Nas ruas do Brás. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2000.

O Brás é um bairro movimentado, com muito trânsito, todo


asfaltado. É um bairro de comércio de roupas, tecidos, toalhas, panos
de limpeza. Tem muitos shoppings. Não há mais operários porque as
fábricas não funcionam mais.
Mariana, 10 anos, moradora do Brás.

 Lendo os textos e comparando as duas fotografias descreva, com suas


palavras, o bairro do Brás nessas duas épocas.
acervo particular

Dorival Moreira/Pulsar Imagens

Brás, São Paulo, SP, 1930. Brás, São Paulo, SP, nos dias de hoje.

270 DUZENTOS E SETENTA


2. Observe as fotografias. Elas mostram a Avenida São João, localizada no
bairro da Sé, na cidade de São Paulo. Nas duas fotografias é possível ver o
Edifício Martinelli, o mais alto da cidade na época em que foi inaugurado.

Autor desconhecido/Museu da Imigração, São Paulo-SP

Juca Martins/Olhar Imagem


Avenida São João. São Paulo, SP, 1929. Avenida São João. São Paulo, SP, 2014.

a) Converse com seus colegas e o professor. Quantos anos se passaram


entre uma fotografia e outra?

Menos de 100 anos.

Mais de 100 anos.

b) Escreva quais mudanças ocorreram durante esse tempo.

DUZENTOS E SETENTA E UM 271


3. Leia o texto com um colega.

Quando, porém, me encontrei diante da realidade:


nossa velha casa demolida, as árvores arrancadas, o
cavalinho de alvenaria, de quem tanto me orgulhara,
descido de seu pedestal na cumeeira, um edifício
de apartamentos surgindo daquelas ruínas, senti
um aperto na garganta, comecei a chorar. Naquele
casarão nascera e crescera, nele vivera, sonhara meus
sonhos de criança e de adolescente.
GATTAI, Zélia. Anarquistas Graças a Deus. Rio de Janeiro: Record, 1980. p. 271.

a) Como Zélia se sentiu quando viu a casa demolida?

b) Quanto tempo ela viveu nessa casa?

c) O que foi construído no terreno onde estava a casa?

d) É possível evitar que as construções antigas de uma cidade sejam


demolidas? Como isso pode ser feito?

272 DUZENTOS E SETENTA E DOIS


4. Observe as imagens. Elas mostram lugares muito importantes de lazer e convivência
nos bairros: um campo de futebol de várzea e um rio onde se pode praticar
canoagem, com barco a remo. Eles estão se tornando cada vez mais raros.
Coleção particular

RODRIGUES, Nerival.
Futebol de várzea,
2014. Óleo sobre tela,
40 cm × 50 cm.
Guilherme Gaensly/Coleção Particular

Competição de barcos
no rio Tietê. São Paulo,
SP, 1907.

 Juntamente com um colega, procure descobrir algumas das razões pelas


quais atualmente existem poucos campos de várzea e não se pratica
canoagem nos rios das grandes cidades.

O QUE ESTUDAMOS
O tempo passa e os bairros se transformam. Novas construções são
feitas, outras demolidas. As formas de lazer também mudam.
Existem também muitos bairros nos quais muitos prédios e
instalações são preservadas, pois têm importância histórica e cultural.

DUZENTOS E SETENTA E TRÊS 273


OFICINA
DESCUBRA A HISTÓRIA DE SEU BAIRRO
Para descobrir a história do bairro,
podemos entrevistar moradores

Adolar
antigos. Vamos fazer isso em grupo.
1. Com ajuda dos professores, de
seus pais ou vizinhos, identifiquem
quem poderia ser o entrevistado.
A entrevista pode ocorrer:
 na casa do entrevistado;
 na escola.
Combinem os detalhes do
convite com seu professor.
2. Quem é o seu entrevistado?
Anote nesta ficha quem é o entrevistado.

Nome:

Idade:

Endereço:

Profissão:

274 DUZENTOS E SETENTA E QUATRO


3. Para a entrevista é importante preparar um roteiro antes do encontro com
o entrevistado. Uma conversa livre também faz parte do encontro para
descobrir a história do bairro, segundo um antigo morador. Usem estas
questões e outras escolhidas pela classe.
a) Há quantos anos você mora no bairro?
b) Havia escolas no bairro quando você veio para cá?
c) O bairro tinha água encanada, rede de esgoto e coleta de lixo?
d) Havia iluminação elétrica nas ruas?
e) Que tipo de comércio havia no bairro?
f) Havia muito trânsito?
g) As crianças brincavam na rua?
h) O que não mudou no bairro e continua muito parecido, ou igual?
4. Durante a entrevista, todos vão prestar atenção. Anote apenas o que acha
que pode esquecer. Depois da entrevista, você e seus colegas vão conversar
e lembrar o que disse o entrevistado. Cada um diz o que lembrar.
Finalmente, façam um texto coletivo sobre a entrevista.

DUZENTOS E SETENTA E CINCO 275


ATIVIDADE INTEGR ADOR A
NÓS E NOSSO BAIRRO
Você conheceu melhor o bairro da sua escola. Observou aspectos positivos
e negativos e compreendeu que, além da prefeitura, todos nós somos
responsáveis pelo lugar em que vivemos.
Alunos de várias escolas do Brasil já tiveram iniciativas que melhoraram a
qualidade de vida das pessoas de um bairro. Vamos conhecer uma delas?
1. Leia a reportagem.

Um novo lar para animais abandonados


Quem nunca, passeando pela
rua, se deparou com um cachorro

Irina Kozorog/Shutterstock
ou gato abandonado e desejou que
esse animal encontrasse um lar? Foi
esse sentimento que impulsionou
os alunos da escola estadual Murilo
Braga, localizada no centro de porto
velho, a se mobilizarem para tornar Alunos da escola Murilo Braga,
esse desejo uma realidade. em campanha para transformar a
vida de animais abandonados do
Tudo começou com uma explora-
bairro. Porto Velho, RO, 2015.
ção pelo bairro ao redor da escola. Os
alunos se separaram em vários gru- via muitos animais abandonados na
pos mistos, compostos por crianças, região. Foi então que acionaram to-
desde o 3º- ano do Fundamental até dos os outros alunos para imagina-
jovens da 2ª- série do Ensino Médio. O rem juntos o que poderia ser feito
objetivo? Identificar no ambiente pos- para ajudar os bichinhos. Os mo-
síveis problemas e transformar o local radores do local também não fica-
em uma região melhor para se viver. ram de fora. “Eles entrevistaram as
Em uma dessas caminhadas, um pessoas para indagá-las sobre o que
grupo da manhã percebeu que ha- elas podiam fazer”. [...]
Disponível em: <http://criativosdaescola.com.br/um-novo-lar-para-animais-abandonados/>. Acesso em: 12 dez. 2017.

a) Converse com seus colegas sobre a iniciativa dos alunos dessa escola.
b) Grife na reportagem as ações dos alunos para realizar esse trabalho.

276 DUZENTOS E SETENTA E SEIS


Existem muitas outras iniciativas de alunos em escolas brasileiras. Por
exemplo, em Mococa, um município do estado de São Paulo, os alunos
plantaram cerca de treze mil mudas de árvores em um antigo lixão. Você
poderá ler a reportagem completa sobre esse fato, no site <http://g1.globo.
com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2016/12/alunos-plantam-135-mil-mudas-de-
arvores-em-antigo-lixao-de-mococa.html>. Acesso em. 12 dez. 2017.
2. Agora, você vai refletir sobre o que poderia fazer para melhorar o bairro
onde está a escola.
a) Primeiro, pense nas paisagens do bairro da escola que poderiam passar
por alguma melhoria como, por exemplo, arborização das ruas, limpeza
de praças e ruas, buracos na rua, entre outras.
b) Escolha três paisagens que você acha que precisam ser melhoradas e
quais ações podem ser feitas.
Paisagem 1

Paisagem 2

Paisagem 3

DUZENTOS E SETENTA E SETE 277


3. Junte-se a um grupo e apresente sua lista.
4. Analise as listas do grupo e juntos elejam o que consideram mais urgente a
ser resolvido.
5. Registre com um texto coletivo o que precisa ser feito.

6. Faça um desenho da proposta.

7. Agora, seu grupo apresentará a todos da classe o aspecto do bairro que


elegeram. Justifiquem a escolha.

278 DUZENTOS E SETENTA E OITO


8. Seu professor vai organizar uma votação para que todos escolham o
aspecto que precisa ser melhorado no bairro da escola.
9. Terminada a votação, converse com seu professor e todos os seus colegas
sobre as ações possíveis:

a) O que é preciso ser feito para que esse problema seja resolvido?
b) Que pessoas poderiam contribuir para ajudá-los a elaborar um plano de ação?
c) Quando teria início esse plano?

Agora vocês vão planejar a construção de um mural para que todos os alunos
da escola conheçam o que vocês descobriram sobre o bairro onde fica a escola e
o que pode ser feito para a melhoria da qualidade de vida dos que nele vivem.

10. Leia algumas sugestões para planejar e executar o mural.


a) Dar um título ao mural. Sugestão: “Você também pode melhorar a
qualidade de vida do bairro”.
b) Escrever as informações com letra grande, para que todos possam ler
sem dificuldade.
c) Selecionar reportagens que apresentam outras iniciativas desse tipo.
d) Selecionar fotos para a montagem do mural.
e) Escrever os aspectos negativos observados no bairro da escola e
sugestões para sua melhoria. Se possível, afixar fotos desses aspectos e
os planos para melhoria.
Rubens Chaves/Pulsar Imagens

f) Montar o mural em
lugar da escola onde ele
seja visível para todos.
g) Deixar um bloco de
folhas junto do mural
para que deixem
comentários
e sugestões.
Lixo no gramado de uma praça. Salvador, BA, 2016.

DUZENTOS E SETENTA E NOVE 279


SUGES TÕES DE LEITUR A
AÇ Ã O
D IV U LG

A CAMINHO DA ESCOLA
Como as crianças vão para a escola no Brasil inteiro?
Que meio de transporte elas usam? Gostoso de ler
e bonito de se ver, este livro também fala sobre a
importância da escola.
TERNI, Flávia. A caminho da escola. São Paulo:
Studio Nobel, 1997.

FAMÍLIA ALEGRIA

AÇ Ã O
Pode entrar, a casa é sua. Na casa que a gente

D IV U LG
chama de livro, você vai encontrar muitas outras
casas. Elas são de muitos tipos. Na casa da Família
Alegria há muita animação e respeito. Tem também
a casa do tatu, que é uma toca e a do pitu, que é
uma oca. Tem a casa da Lena, que é lá longe, e a
do Zeca, que é logo ali. E a casa em que você vive,
onde é? Como é?
CONDURU, M. Cristina Villaça. Família alegria. São Paulo: Escrita Fina, 2010.

D IV U LG
AÇ Ã O O TRÂNSITO DO MUNDINHO
Os homenzinhos do mundinho da imaginação
circulam pra lá e pra cá sem parar. Um dia,
resolvem criar leis de trânsito para a cidade
funcionar em harmonia. Você vai se divertir
ao conhecer as 10 leis que eles criaram, e
perceber a importância de ser um cidadão
cuidadoso e responsável.
BELLINGHAUSEN, Ingrid B. O trânsito do mundinho.
São Paulo: DCL, 2006.

280 DUZENTOS E OITENTA


MÃO E CONTRAMÃO: A AVENTURA NO TRÂNSITO

AÇ Ã O
D IV U LG
Você conhece as regras do trânsito? Se não conhece,
pode aprender se divertindo! O livro traz divertidas
cenas de trânsito para desafiar você a descobrir os erros
que as personagens cometem em cada uma delas. No
trânsito, direitos e deveres precisam ser respeitados
para a segurança de todos.
IACOCCA, Liliana. Mão e contramão: a aventura no trânsito. São Paulo: Ática, 2012.

D IV U LG
AÇ Ã O JUNQUEIRA, SONIA.
Uma história de encontros entre pessoas
diferentes que são vizinhas em um bairro. Elas
são diferentes na cor da pele, no modo de vestir,
no cabelo e em outras coisas... Tudo começa
quando um novo morador se muda para o
bairro, um homem com jeito esquisito, de
casaco preto e atitudes misteriosas. Mas ele vai
se revelar uma surpresa para toda a criançada.
JUNQUEIRA, Sonia. Os feitiços do vizinho. São Paulo: Autêntica, 2009. .
AÇ Ã O

BUMBA-BOI
D IV U LG

No Norte e Nordeste do Brasil é dia de brincar de


bumba-boi, com roupas coloridas e muita fita.
O livro apresenta a origem da história do bumba-
boi é contada, cantada e dançada por todo Brasil,
principalmente no Maranhão. As fotografias permitem
viajar nessa história do povo na nossa terra.
LOPES, Fabiana Ferreira. Bumba-boi. São Paulo: SM, 2011.

DUZENTOS E OITENTA E UM 281


NAVEGANDO

DE ONDE VEM O SAPATO?


Quer saber como as pessoas transformam o couro do boi em
sapatos? Peça ajuda a um adulto, entrem no site indicado e
vejam o vídeo que mostra como se prepara o couro para fazer
muitas outras coisas.
Esse vídeo está relacionado ao tema da página 52, que trata da
diversidade de materiais usados para fazer objetos.
Disponível em: <https://tvescola.mec.gov.br/tve/video/de-onde-vem-de-onde-vem-o-sapato>.
Acesso em: 9 nov. 2017.

POR QUE ESPIRRAMOS?


De onde vem o espirro? Saiba como isso acontece
vendo o vídeo que explica a origem dos espirros
na poeira e na fuligem do ar. Peça para um adulto
acessar o vídeo na internet.
Este vídeo está relacionado ao tema da página 66, que
aborda os espirros e o que eles lançam no ar.
Disponível em: <https://tvescola.mec.gov.br/tve/video/de-onde-vem-de-onde-vem-o-espirro>.
Acesso em: 9 nov. 2017.

COMO ECONOMIZAR ÁGUA?


Você quer criar propostas para economizar a água? As
regras do jogo o ajudarão a tomar decisões sobre o que
fazer. Você vai propor maneiras para gastar menos água
e depois somar os pontos que fez para descobrir se sabe
como economizar água. Peça a um adulto que entre no
site, leia as regras e boa campanha!
Este jogo está relacionado ao tema da economia de água na
casa, da página 76.
DISPONÍVEL EM: <HTTPS://PLENARINHO.LEG.BR/INDEX.PHP/JOGO-DA-AGUA/>,
ACESSO EM: 9 NOV. 2017.

282 DUZENTOS E OITENTA E DOIS


O TEMPO PASSSA
Quanto tempo uma semente leva para germinar e formar
as primeiras folhas? Quer saber? Então peça a ajuda de um
adulto para acessar o site que traz uma variedade de vídeos
que mostram diversas sementes germinando.
Esse site está relacionado à passagem do tempo, que inicia na
página 156.
DISPONÍVEL EM: <HTTP://WWW.LECLIFE.COM/INDEX.
PHP?ALEC=SEARCH&QLEC=GROWING%20BEANS%20HD%20TIMELAPSE>.
ACESSO EM: 9 NOV. 2017.

O DIA E A NOITE
Você quer aprender mais sobre o dia e a noite? Então
veja o vídeo que conta o sonho da Kika. Nele, o Sol
explica para ela como os movimentos da Terra criam o
dia e a noite. Peça ajuda de um adulto para ver esse
vídeo acessando o site.
Este site está relacionado ao tema que aborda o dia e a noite,
da página 179.
Disponível em: <https://tvescola.mec.gov.br/tve/video/de-onde-vem-de-onde-
vem-o-dia-e-a-noite>.
Acesso em: 7 nov. 2017

FASES DA LUA
Você quer ver como acontecem as fases da Lua
enquanto ela se move ao redor da Terra? Para isso, peça
a um adulto que acesse o site indicado e veja uma
animação que ilustra os movimentos de rotação da Lua
e sua translação ao redor da Terra.
Essa animação se refere às fases da Lua apresentadas na página 187.
Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/4080/os-movimentos-e-as-fases-da-lua>.
Acesso em: 9 nov. 2017.

DUZENTOS E OITENTA E TRÊS 283


REFERÊNCIAS BIBLIOGR ÁFICAS
ALMEIDA, ROSÂNGELA DE. DO DESENHO AO MAPA: INICIAÇÃO CARTOGRÁFICA
NA ESCOLA. SÃO PAULO: CONTEXTO, 2009.
ANTUNES, CELSO. ABRINDO AS PORTAS DO FUTURO: APRENDER A APRENDER,
RELACIONAR-SE E TRABALHAR. CAMPINAS: PAPIRUS, 2006.
ANTUNES, CELSO. A SALA DE AULA DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA. CAMPINAS:
PAPIRUS, 2001.
ANTUNES, CELSO. COMO DESENVOLVER AS COMPETÊNCIAS EM SALA DE AULA.
SÃO PAULO: VOZES, 2001.
ANTUNES, CELSO. NOVAS MANEIRAS DE ENSINAR, NOVAS FORMAS DE APRENDER.
PORTO ALEGRE: ARTMED, 2001.
ARIÈS, P. HISTÓRIA SOCIAL DA CRIANÇA E DA FAMÍLIA. RIO DE JANEIRO: LIVROS
TÉCNICOS E CIENTÍFICOS, 1981.
BANDEIRA, PEDRO. CAVALGANDO O ARCO-ÍRIS. SÃO PAULO: MODERNA, 2009.
BELINKY, TATIANA. DIVERSIDADE. SÃO PAULO: QUINTETO EDITORIAL, 1999.
BEZERRA, HOLIEN G. HISTÓRIA NA SALA DE AULA: CONCEITOS, PRÁTICAS E
PROPOSTAS. SÃO PAULO: CONTEXTO, 2004.
BITTENCOURT, CIRCE. O SABER HISTÓRICO NA SALA DE AULA. SÃO PAULO:
CONTEXTO, 2004.
BORGES, R.; MORAIS, ROQUE. EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NAS SÉRIES INICIAIS.
PORTO ALEGRE: SAGRA LUZATTO, 1998.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO/SECRETARIA DA EDUCAÇÃO. ELEMENTOS
CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS PARA DEFINIÇÃO DOS DIREITOS DE
APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO (10, 20 E
30 ANOS) DO ENSINO FUNDAMENTAL. BRASÍLIA: MEC/SE, 2012.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO
NA IDADE CERTA: AVALIAÇÃO NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO: REFLEXÕES E
SUGESTÕES. BRASÍLIA: SEB, 2012.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. DEZ PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO
SAUDÁVEL: GUIA ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS. BRASÍLIA:
MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2003.
BUENO, EDUARDO. BRASIL: UMA HISTÓRIA. SÃO PAULO: ÁTICA, 2002.
CALDEIRA, JORGE. VIAGEM PELA HISTÓRIA DO BRASIL. SÃO PAULO: COMPANHIA
DAS LETRAS, 1999.
CAMPOS, M; NIGRO. R. DIDÁTICA DE CIÊNCIAS: O ENSINO APRENDIZAGEM COMO
INVESTIGAÇÃO. SÃO PAULO: FTD, 2005.
CAPARELLI, SÉRGIO. BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2010.

284 DUZENTOS E OITENTA E QUATRO


CAPRA, F. ET AL. ALFABETIZAÇÃO ECOLÓGICA: A EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS
PARA UM MUNDO SUSTENTÁVEL. SÃO PAULO: CULTRIX, 2006.
CARRETERO, M. CONSTRUTIVISMO E EDUCAÇÃO. PORTO ALEGRE: ARTES
MÉDICAS, 1997.
CAVALCANTI, LANA DE S. A GEOGRAFIA ESCOLAR E A CIDADE. CAMPINAS:
PAPIRUS, 2008.
CAVALCANTI, LANA DE S. GEOGRAFIA, ESCOLA E CONSTRUÇÃO DE
CONHECIMENTOS. CAMPINAS: PAPIRUS, 2003.
CAVALCANTI, LANA DE S. TEMAS DA GEOGRAFIA NA ESCOLA BÁSICA. CAMPINAS:
PAPIRUS, 2013.
CAVALLI-SFORZA, LUCA; CAVALLI-SFORZA, FRANCESCO. QUEM SOMOS? HISTÓRIA
DA DIVERSIDADE HUMANA. SÃO PAULO: UNESP, 2002.
CHAMMA, REBECA. DELÍCIA DE RECREIO. SÃO PAULO: COMPANHIA EDITORA
NACIONAL, 2016.
COLL, CESAR. O CONSTRUTIVISMO NA SALA DE AULA. SÃO PAULO: ÁTICA, 1999.
COLL, CESAR; TEBEROSKY, ANA. APRENDENDO CIÊNCIAS: CONTEÚDOS ESSENCIAIS
PARA O ENSINO FUNDAMENTAL DE 1ª- A 4ª- SÉRIE. SÃO PAULO: ÁTICA, 2000.
COLL, CESAR; TEBEROSKY, ANA. APRENDENDO HISTÓRIA E GEOGRAFIA. SÃO
PAULO: ÁTICA, 2000
DADÍ. FAUNA DAS CIDADES. SÃO PAULO: FTD, 1993.
DELIZOICOV, D.; ANGOTTI., J. A.; PERNAMBUCO, M. M. ENSINO DE CIÊNCIAS:
FUNDAMENTOS E MÉTODOS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2002.
DURREL, GERALD. O NATURALISTA AMADOR. SÃO PAULO: MARTINS FONTES,
1996.
ELIAS, NOBERT. SOBRE O TEMPO. RIO DE JANEIRO: ZAHAR, 1998.
FAZENDA, IVANI. INTERDISCIPLINARIDADE: HISTÓRIA, TEORIA E PESQUISA. SÃO
PAULO: PAPIRUS, 2010.
FERMINIANO, MARIA B.; SANTOS, ADRIANE S. ENSINO DE HISTÓRIA PARA O
FUNDAMENTAL I: TEORIA E PRÁTICA. SÃO PAULO: CONTEXTO, 2014.
FIORIN, LUIZ JOSÉ. O ESPAÇO E O TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. SÃO PAULO:
CONTEXTO, 2014.
FONSECA, S. G. DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO DE HISTÓRIA. CAMPINAS:
PAPIRUS, 2003.
FRANCOTTE, PASCOLE. A SEPARAÇÃO. SÃO PAULO: COMBOIO DE CORDA, 2009.
FREIRE, M. A PAIXÃO DE CONHECER O MUNDO. SÃO PAULO: PAZ E TERRA, 1989.

DUZENTOS E OITENTA E CINCO 285


GASPAR, A. EXPERIÊNCIAS DE CIÊNCIAS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL. SÃO
PAULO: ÁTICA, 2005.
GUSMÃO, NEUSA MARIA M. DE. DIVERSIDADE, CULTURA E EDUCAÇÃO. OLHARES
CRUZADOS. SÃO PAULO: BIRUTA, 2010.
KALOUSTIAN, S. MANOUG. FAMÍLIA BRASILEIRA, A BASE DE TUDO. SÃO PAULO:
CORTEZ, 2005.
KAYABI, MATARI. GEOGRAFIA INDÍGENA. PARQUE INDÍGENA DO XINGU/INSTITUTO
SOCIOAMBIENTAL. BRASÍLIA: MEC/SEF/DPEF, 1988.
KOK, GLÓRIA. MEMÓRIAS DO BRASIL. UMA VIAGEM PELO PATRIMÔNIO
ARTÍSTICO, HISTÓRICO, CULTURAL E AMBIENTAL. SÃO PAULO: TERCEIRO NOME,
2012.
LE GOFF, JACQUES. HISTÓRIA & MEMÓRIA. CAMPINAS: UNICAMP, 2014.
LEITE, M. OLÍVIA TEM DOIS PAPAIS. SÃO PAULO: COMPANHIA DAS LETRINHAS,
2010.
LOPEZ, ADRIANA; MOTA, CARLOS GUILHERME. HISTÓRIA DO BRASIL: UMA
INTERPRETAÇÃO. SÃO PAULO: SENAC, 2012.
LUSTOSA, ISABEL. A HISTÓRIA DO BRASIL EXPLICADA AOS MEUS FILHOS. SÃO
PAULO: AGIR, 2007.
MACHADO, ANA MARIA. BISA BIA, BISA BEL. SÃO PAULO: SALAMANDRA, 2007.
MARTIN, RUTH. MEU INCRÍVEL CORPO. SÃO PAULO: GIRASSOL, 2016.
MARTINELLI, M.; FERREIRA, GRAÇA M. L. O CAMINHO DOS MAPAS. SÃO PAULO:
MODERNA, 2013.
MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA: A TEORIA DE DAVID
AUSUBEL. SÃO PAULO: C/ARTE, 2001.
MUNDURUKU, DANIEL. COISAS DE ÍNDIO: VERSÃO INFANTIL. SÃO PAULO: CALLIS,
2010.
MUNDURUKU, DANIEL; KOWALCZYK, M. T. KABÁ DAREBU. SÃO PAULO: BRINQUE-
BOOK, 2002.
OBEID, CÉSAR. MEU BAIRRO É ASSIM. SÃO PAULO: MODERNA, 2016.
OLIVEIRA, D. L. CIÊNCIAS NA SALA DE AULA. PORTO ALEGRE: MEDITAÇÃO, 1997.
PINSKY, JAIME. CIDADANIA E EDUCAÇÃO. SÃO PAULO: CONTEXTO, 2001.
PINSKY, CARLA B.; DE LUCA, TÂNIA R. O HISTORIADOR E SUAS FONTES. SÃO
PAULO: CONTEXTO, 2011.
PONTUSCHKA, NÍDIA N.; OLIVEIRA, A. UMBELINO. GEOGRAFIA EM PERSPECTIVA.
SÃO PAULO: CONTEXTO, 2002.

286 DUZENTOS E OITENTA E SEIS


PRADO, DANDA. O QUE É FAMÍLIA. SÃO PAULO: BRASILIENSE, 1985.
PROST, ANTOINE. DOZE LIÇÕES SOBRE A HISTÓRIA. BELO HORIZONTE: AUTÊNTICA,
2015.
RIBEIRO, NYE. OS GUARDADOS DO VOVÔ. SÃO PAULO: RODA E CIA, 2009.
RICOEUR, PAUL. TEMPO E NARRATIVA. SÃO PAULO: MARTINS FONTES, 2012.
ROCHA, RUTH. OS DIREITOS DAS CRIANÇAS SEGUNDO RUTH ROCHA. SÃO PAULO:
COMPANHIA DAS LETRINHAS, 2002.
SINGER, NAOMI E.; MILLER, MATTHEW J. ATIVIDADES EDUCACIONAIS II. SÃO
PAULO: MADRAS, 2000.
SOALHEIRO, BÁRBARA. COMO FAZÍAMOS SEM... SÃO PAULO: PANDA BOOKS,
2006.
SOUZA, FLÁVIO. DOMINGÃO JOIA. SÃO PAULO: COMPANHIA DAS LETRINHAS,
1997.
STRAFORINI, RAFAEL. ENSINAR GEOGRAFIA: O DESAFIO DA TOTALIDADE-MUNDO
NAS SÉRIES INICIAIS. SÃO PAULO: ANNABLUME, 2004.
VERGUEIRO, WALDOMIRO; RAMA, ANGELA. COMO USAR AS HISTÓRIAS EM
QUADRINHOS NA SALA DE AULA. SÃO PAULO: CONTEXTO, 2004.
VESENTINI, JOSÉ WILLIAN. GEOGRAFIA, NATUREZA E SOCIEDADE. SÃO PAULO:
CONTEXTO, 1997.
VON, CRISTINA. A HISTÓRIA DO BRINQUEDO PARA AS CRIANÇAS CONHECEREM E
OS ADULTOS SE LEMBRAREM. SÃO PAULO: ALEGRO, 2001.
WALDMAN, M.; SCHNEIDER, D. GUIA ECOLÓGICO DOMÉSTICO. SÃO PAULO:
CONTEXTO, 2003.
WEISSMANN, H. DIDÁTICA DAS CIÊNCIAS NATURAIS, CONTRIBUIÇÕES E
REFLEXÕES. PORTO ALEGRE: ARTMED, 1998.
WILLIAMS, R. A.; ROCKWELL, R. E.; SHERWOOD, E. A. CIÊNCIA PARA CRIANÇAS.
LISBOA: INSTITUTO PIAGET, 1995.
WORTMANN, M. L. C.; SOUZA, N. G. S.; KINDEL, E. A. I. O ESTUDO DOS
VERTEBRADOS NA ESCOLA FUNDAMENTAL. SÃO LEOPOLDO: UNISINOS, 1997.
ZAMBERLAM, CRISTINA DE OLIVEIRA. OS NOVOS PARADIGMAS DA FAMÍLIA
CONTEMPORÂNEA: UMA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR. RIO DE JANEIRO:
RENOVAR, 2001.

DUZENTOS E OITENTA E SETE 287


9 788583 191605