Você está na página 1de 5

10 DICAS PRÁTICAS AOS COSMANALISTAS

(C O M U N I C O L O G I A )

Alexandre Rosado
Professor de Conscienciologia
Voluntário do IIPC
e-mail: alexandre.rosado@globo.com
website: http://alexandrerosado.net78.net

RESUMO
O artigo apresenta algumas dicas a partir da prática da técnica do cosmograma. O cosmograma é a
técnica de coleta de dados e também o conjunto de artefatos do saber acumulados, catalogados e
classificados pelo cosmanalista, objetivando alcançar maior visão de conjunto a respeito da
realidade, ou seja, a cosmanálise, formando-se cosmossínteses sempre crescentes. A partir do
modelo do Holociclo, laboratório localizado no Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (Foz
do Iguaçu – PR) este autor pôde se inspirar e criar uma oficina de cosmograma em sua própria casa,
porém em espaço reduzido. A partir do pedido de outros pesquisadores a respeito dos detalhes
técnicos de como fazer um laboratório caseiro de cosmograma, foram elencadas 10 dicas ou
otimizações procedimentais para a instalação de um mini-Holociclo, envolvendo desde a
organização das temáticas até a instalação de equipamentos no ambiente.

PALAVRAS-CHAVE – Key Words - Unitermos:


Cosmanálise;
Dicas técnicas;
Otimizações ambientais;
Mini-Holociclo.
10 Dicas práticas aos Cosmanalistas 2

INTRODUÇÃO

Definição. A Cosmanálise é a especialidade da Conscienciologia que estuda a aplicação


prática do cosmograma. A técnica do cosmograma consiste na análise dos fatos a partir da
classificação dos mesmos de forma técnica (taxologia) a fim de se chegar a uma visão de conjunto
(máxima associação de idéias) sobre a realidade.
Sinonímias: 1. Apreensão disciplinada dos fatos. 2. Coleção organizada de fatuística. 3.
Técnica da visão de conjunto.

Correlação. A Cosmanálise tem relação direta com a Arquivologia e a Biblioteconomia.


Em Arquivologia estuda-se formas de se catalogar, arquivar, indexar, classificar, recuperar e
restaurar documentos em diferentes mídias. A Biblioteconomia cuida da montagem, organização e
manutenção de bibliotecas. É útil o cosmanalista se informar sobre técnicas básicas destas 2 áreas do
saber.
Mídia. Quanto aos diferentes tipos de mídias, a Cosmanálise atualmente tem dedicado mais
atenção aos jornais e às revistas. Porém deve-se lembrar que o cosmograma compõe-se de outros
materiais tais como LPs, CDs, DVDs, fitas K-7, softwares, livros e enciclopédias. A informática vem
colaborando para a integração destes diferentes formatos (som, imagem, texto) em uma única mídia
digital. Exemplo disso é a Conscienciopédia, a versão on-line e interativa da Enciclopédia da
Conscienciologia.

Pesquisadores. Além do Holociclo, localizado no Centro de Altos Estudos da


Conscienciologia – CEAEC, vários pesquisadores têm instalado oficinas de associação de idéias em
suas próprias casas, em um lugar otimizado, onde se possa classificar e guardar os materiais
necessários para o embasamento de seus achados ou para futuros achados que somente o tempo e o
acúmulo de informações podem expor.
Mini-holociclo. Desde minha primeira ida ao Holociclo, em janeiro de 2002, motivei-me a
instalar o que chamo de mini-Holociclo, ou laboratório da cosmanálise/cosmogramarium, e
organizar todos os materiais que já vinha coletando de forma semi-organizada (sem uma técnica
definida).
Números. Atualmente, são cerca de 600 livros catalogados, 600 revistas (catalogação em
andamento) e 160 pastas abrangendo 181 temas listados. Entre eles: adolescência, ufologia,
parapsiquismo, ecologia, economia, criminalidade, comunicação, engodos, censuras, vigilância
eletrônica, religiões, educação e uma série de temáticas correlatas que aos poucos tomam conta de 6
estantes, sendo 5 instaladas no próprio laboratório com 2 delas exclusivas para as pastas da
hemeroteca.

10 DICAS PRÁTICAS

Estratégias. Nesses 6 anos e meio de aplicação da técnica muitas dúvidas surgiram e tive
que optar por estratégias de ação práticas a fim de não ficar parado esperando o “momento ideal”
para agir. A seguir a listagem de 10 medidas práticas para a organização e manutenção do
laboratório de cosmanálise:

1. Temas. A primeira dificuldade encontrada foi a classificação de uma matéria de jornal ou


revista em um tema específico. Para driblar este problema optei por começar a classificação em
temas extremamente abrangentes tais como: economia, arte, informática e comunicação. Aos poucos
10 Dicas práticas aos Cosmanalistas 3

estas pastas foram inchando, ficando com mais de 50 recortes. Este acúmulo de material fez surgir os
subtemas pelo agrupamento lógico de informações. Assim, em pouco tempo estes subtemas
tornaram-se temas independentes, ganhando uma pasta própria e originando mais tarde outros
subtemas em ciclo constante, e, até agora, não houve um ponto onde este detalhamento tenha
chegado ao fim. Esta técnica evita o estresse negativo no cosmanalista iniciante e ainda com pouca
bagagem de conhecimento.
Mesa. É útil o cosmanalista revisar suas pastas periodicamente objetivando agrupar recortes
e vasculhar novos temas implícitos e explicítos. Colocar os recortes espalhados em uma mesa facilita
o agrupamento e o acompanhamento através da visão de conjunto, assemelhando-se, neste caso, a
um sobrevôo para observação dos títulos e temáticas dos artefatos do saber coletados.
Autopesquisa. Outra forma de classifiar e criar temas é o agrupamento de matérias de
acordo com os itens estudados pelo cosmanalista em sua autopesquisa. Se o cosmanalista estuda sua
auto-organização, uma pasta contento tal tema com fatuística correspondente pode ser bastante útil.
2. Princípio. Eis um princípio lógico: na irterdisciplinaridade todos os temas estão
interligados formando uma rede ou teia de associações. Logo, de onde quer que o pesquisador parta,
dependendo do seu grau de abertismo consciencial e predisposição à novidade, no final (caso exista
um final) terá a visão mais completa possível de todos os ramos do saber (polimatia). Este princípio
foi chamado de Algoritmo da Interdisciplinaridade.
3. Pesquisa. A segunda dificuldade foi a escolha e manutenção de um tema de pesquisa.
Para solucionar este problema, utilizei o critério dos fatos, ou seja, dei um tempo para a coleta de
dados mostrar os fatos que mais estariam ligados às atividades que venho desenvolvendo.
4. Matéria-prima. Outro ponto a ser resolvido foi a forma de achar matéria-prima
necessária à cosmanálise, no caso, jornais e revistas. Para resolver este problema comecei a fazer a
cosmanálise com o material que havia em mãos, tudo que estava ao redor como jornais guardados na
garagem e revistas semanais antigas foram sendo analisados e classificados. Isso gerou um
holopensene favorável ao trabalho e aos poucos as pessoas que chegavam no cosmocognitarium
ofereciam material que tinham guardado em suas casas ou indicavam pessoas e lugares onde poderia
buscar estas matérias-primas. Com o tempo o suprimento se tornou até maior que a própria
demanda.
Jornadas. Devido ao tempo variável dedicado à atividade de recorte e taxologia, vale ao
pesquisador investir em “jornadas da cosmanálise” que podem variar de 1 dia a 1 mês, por exemplo.
O objetivo é não permitir o acúmulo excessivo de materiais no ambiente de trabalho. Tais jornadas
estimulam a concentração mental e promovem a saturação taxônomica das idéias do cosmanalista.
Efeito. Um efeito positivo da cosmanálise pode ser aquele resultante da visita de pessoas ao
laboratório e o estímulo recebidos por elas para a criação de um cosmogramarium próprio. Tal fato
já foi observado por este autor.
5. Espaço. Quanto ao problema de espaço, este foi solucionado de 2 maneiras:
A. Níveis. As pastas foram sendo utilizadas de forma racional de acordo com o número de
recortes sobre o tema em questão. Exemplo: até 30 recortes – uma folha tamanho A4 ou Carta
dobrada no meio e com o tema escrito em uma das faces; até 50 recortes – pasta L (espessura 0.18)
com o tema em uma etiqueta de 25,4 x 99,7 mm; mais de 50 recortes – pastas polionda de 2 cm de
espessura utilizando as mesmas etiquetas. A pasta polionda de 4 cm de espessura é utilizada para
temas generalistas que contém mais de 100 recortes ou muitos subtemas.
B. Estante. As pastas polionda foram postas na vertical e não na horizontal como as pastas
presentes no Holociclo. Já as pastas L foram colocadas na horizontal nas prateleitas, uma em cima
das outras, com a parte da etiqueta aparecendo onde se pode ler o tema que a pasta comporta. Com a
10 Dicas práticas aos Cosmanalistas 4

ampliação dos temas e a ausência de espaço pode-se optar pela colocação das pastas L na vertical
com a etiqueta contendo o tema colada no canto superior esquerdo.
6. Armazenagem. A armazenagem dos jornais seguiu a preciosa dica dos cosmanalistas do
Holociclo: o uso de frasqueiras (cubas) de plástico. Estas podem ser encontradas em lojas de
departamentos. Se for possível, não coloque mais de 2 destas cubas empilhadas pois a tampa de
plástico, embora resistente, com o tempo se deforma e pode até se quebrar, pois o papel jornal pesa
bastante.
7. Quadro. A utilização de um quadro branco para a escrita de idéias, a listagem de afazeres
e quaisquer outras finalidades, até mesmo uma explicação de nova idéia para um visitante
(exposição de achados - ensaio), é extremamente válida. Se puder, utilize o quadro branco de maior
largura e altura que achar, quanto mais espaço melhor.
Vidro. Outra alternativa ao quadro branco é o quadro de vidro, com 6 mm ou mais de
espessura, pintado com tinta esmalte branca na parte de trás ou jateado (opção melhor). O quadro de
vidro possui a vantagem de manter avisos e recados por longos períodos sem que a tinta se fixe
definitivamente em sua superfície. Para demarcar áreas no quadro existem hoje tipos especiais de
fita adesiva para superfícies lisas que não deixam marca após serem removidas.
8. Computador. Para otimização do espaço, um computador pode ser alocado no próprio
mini-holociclo a fim de se fazerem buscas complementares na internet ou mesmo validar ou refutar
informações (geralmente parciais) de um determinado veículo. Uma conexão de banda larga, caso o
trabalho seja constante, ajuda o pesquisador a economizar tempo e pulsos telefônicos, tornando o
trabalho mais econômico e ágil.
Cadastro. O programa MiniBiblio, versão 2.0 (Ano-base: 2008), disponibilizado
gratuitamente na internet, ajuda na organização e formação de banco de dados com o cadastro de
livros, revistas, CDs entre outros tipos de mídias.
9. Mesa. No laboratório do cosmograma a utilização de mesa é fundamental para se fazer os
recortes e possibilitar redigir insights e associações de idéias precisosas (tenha sempre papel à mão).
Se puder, construa com mármore, tal como as utilizadas no Holocilo, porém, um tampo de vidro
também ajuda bastante (o estilete pode arranhar de forma incômoda a mesa toda, o que não acontece
no vidro).
Estilete. O uso do estilete tanto no jornal quanto na revista dá maior precisão ao recorte. A
utilização de uma régua para se fazer o recorte, se mal utilizada, pode rasgar a matéria danificando a
fonte de informação e até inutilizando-a. A mesma dica vale para o recorte feito à mão, utilizado em
último caso, como em um jornal encontrado na rua ou na casa do amigo, por exemplo.
10. Refrigeração. Para regiões onde o calor é constante ou pelo menos se intensifica no
verão (mais de 30 ºC), a instalação de um ar condicionado se faz necessária a fim de otimizar a
qualidade do trabalho e melhorar a disposição do cosmanalista. Recortar dois jornais de edição
dominical (maior número de matérias úteis) pode chegar a 4 ou 6 horas de trabalhos ininterruptos
(fôlego mentalsomático), caso o cosmanalista prefira ler e se aprofundar nas matérias coletadas.

Contato. Espero que estas dicas estimulem a formação de outros mini-holociclos ou mesmo
otimizem os existentes. Este autor se mostra aberto a críticas, sugestões e intercâmbios.

BIBLIOGRAFIA CONSCIENCIOLÓGICA:

1. Colégio Invisível da Cosmanálise; http://cosmanalise.verpon.net/wiki/ ; último acesso em:


19.02.2005.
10 Dicas práticas aos Cosmanalistas 5

2. Vieira, Waldo; Técnica do Cosmograma; Boletins da Conscienciologia; Vol.2; N.1; Janeiro a


Dezembro, 2000; CEAEC; Foz do Iguaçu, PR; páginas 33 a 52.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

O AUTOR
Alexandre Rosado, 27 anos, graduado em Comunicação Social pela Universidade Gama Filho e mestre
em Educação e Tecnologias de Informação e Comunicação pela Universidade Estácio de Sá, foi membro
da equipe da Assessoria Internacional ao Inversor Existencial entre 2000 e 2004, tendo criado o Curso de
Invexologia e a Atividade de Entrada do Grinvex. Apresentou artigos sobre Invexologia e Evoluciologia
em diversas cidades do Brasil através do Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia,
instituição que voluntaria desde o ano 2000 até a presente data. Revisou o volume 4 do seriado Gestações
Conscienciais em 2003. Atualmente dedica-se ao estudo da Educação, da Evoluciologia, da Invexologia e
da Comunicologia. E-mail: <alexandre.rosado@globo.com>Website: <http://alexandrerosado.net78.net>.

Interesses relacionados