Você está na página 1de 5

Técnicas de Estudo – Parte 1

O que é concurso público?

Nos anos oitenta, as pessoas sonhavam ser bons comerciantes, não se interessavam muito
pelo funcionalismo público. Ser comerciante era sinônimo de riqueza.
Hoje, estamos vivendo o outro lado da moeda. O interesse pelo funcionalismo público é quase
unânime entre os estudantes que acabam o segundo grau. Preferem entrar no funcionalismo
público a entrar na faculdade.
Sendo assim, podemos dizer que o concurso público é o caminho da felicidade, para termos
uma vida digna, com estabilidade. É um exame não só do conhecimento do aluno como
também um teste de humildade, paciência e persistência. É a busca pelo “ideal”. Logo, vamos
buscar este “ideal” da forma certa. Tenha as regras a seguir comentadas como uma lei que
deve ser obedecida na “risca”, sem infrações. Vamos a elas. Avante!

Primeiras mudanças

Temos que fazer uma verdadeira mudança de hábitos. O concurseiro não pode:

1. Dormir além do necessário. Dizem os especialistas que o corpo humano necessita de


aproximadamente 8 horas diárias de sono para recuperar as energias. Todavia, o concurseiro,
principalmente aquele que trabalha, deve aproveitar o máximo de seu tempo. Se você
conseguir diminuir para 6 horas diárias, “bem dormidas”, seria o ideal para aproveitar o resto
do dia com o estudo e trabalho.

2. Fazer farras nos fins de semana. As festas e encontros com amigos são essenciais para nossa
batalha. Precisamos “desopilar”. O nosso “psicológico” deve estar 100% para iniciar os
estudos. Porém, não podemos nos desviar do nosso objetivo. As “farras” devem ser evitadas
ao máximo, em virtude de no dia seguinte apresentarmos cansaço físico. Temos que aprender
a dormir cedo para iniciar nossos trabalhos, que devem ser ininterruptos, de domingo a
domingo. Tire o domingo à tarde para se divertir, mas longe dos exageros! Para o concursando
não existe feriados.

3. Ver televisão. Os programas de televisão, principalmente novelas, são “chamativos”: tiram a


atenção e desviam o concurseiro dos estudos, Veja tão somente jornais, e nas horas vagas.

4. Ser estressado. O concurseiro, apesar de estar participando desta “guerra”, não pode ser
estressado. Deve evitar aborrecimentos ao máximo. Caso não consiga, não adianta ir aos
estudos. Primeiro melhore, depois volte a estudar.

5. Ser arrogante. O concurso é um verdadeiro teste de humildade. Não se compare com seu
colega de estudo. Não tenha inveja de quem passou, sua hora vai chegar. Tenha isso como um
incentivo, uma energia a mais para seus estudos. Não fique falando para os outros que estuda
muito, ou que “tá sabendo muito”. Fique “na sua”, as palavras são muito fortes e podem
trazer energias negativas pra você. Nunca tenha vergonha da reprovação, mostre que você é
um guerreiro ao continuar estudando mesmo depois de uma batalha perdida. A guerra não
acabou.
6. Ser impaciente. A paciência é a virtude dos sábios. O concurso não foi feito para passar. Foi
feito para reprovar. O seu principal inimigo não é o concorrente, é a banca examinadora.
Vencendo-a, você terá a aprovação desejada. Lembre-se de que a regra é não passar, que
passa é a exceção. Não estipule um tempo para passar. Nunca fale: “vou passar daqui a dois
ano!”. E sim, pense: “vou passar, não vou desistir, custe o que custar!”. Você precisa estudar
não para passar e sim até passar.

7. Ser desorganizado. Organize seu material, seu local de estudo e, principalmente, sua vida. A
organização evita o estresse.

8. Ser indisciplinado. A disciplina é tudo de bom. Seja correto em seus comportamentos. Se


marcou hora para o estudo, obedeça! Jamais desvirtue esta hora sagrada. Desligue o celular
para evitar convites em hora errada. Concurso não é brincadeira! Leve a sério, ou então vai ter
de passar a vida inteira estudando sem êxito.

9. Ser desiludido. Nunca desista. Tenha um ideal em sua vida. Seja qual for o motivo que o
levou a escolher a vida de concurseiro. Nunca pense que você não é capaz. Não existem
pessoas incapacitadas para passar. Existem, sim, pessoas desiludidas. Pense sempre em seu
objetivo, principalmente nas horas de tristeza. Essas horas sempre acontecem. E, nesses
momentos, temos que ser fortes e pensar no objetivo, no depois da aprovação. Você pode até
mesmo parar de estudar naquele momentos, pois não se estuda quando se está despreparado
psicologicamente. “Chute o balde!” Descanse. E depois volte com todo o “gás”.

10. Ser medroso. O concurso é uma verdadeira “guerra”; logo, você deve ser um “guerreiro”.
Não se ache um fraco porque reprovou em um concurso. Não deixe de fazer algum concurso
porque acha que é muito difícil. Tente! Sempre! Fiz um concurso sem estar formado. Vários
colegas criticaram, alguns até me comentaram que era loucura. Hoje, estou ocupando o cargo
pretendido. Se não tivesse aquela ousadia talvez desempregado estaria.

Técnicas de Estudo – Parte 2

O cursinho
Escolha um bom cursinho. Este é o primeiro passo. Há pessoas que dizem que preferem
estudar em casa. Tudo bem. Porém, não esqueça que os cursinhos são essenciais para a nossa
preparação. Lá podemos aprender as matérias de conhecimentos específicos das quais não
temos total domínio. O professor “abre a sua mente”, ensina como e o que deve estudar.
Devemos estudar todo o edital, como também dar importância as matérias que são mais
cobradas e isso é tarefa dos nossos mestres.
Enfim, o cursinho é um recurso para você se destacar, fazer a diferença quanto aos demais
candidatos, não esquecendo do estudo fora de sala de aula, que é o mais importante de todos.
A sala de aula faça com que seja sagrada. Respeite o silêncio e procure concentrar-se ao
máximo. Conheça o professor, sua experiência e seu entusiasmo.
O tempo para estudar
Se você trabalha, fica mais difícil conseguir um bom tempo de estudo. Caso não trabalhe,
melhor ainda, dedique-se integralmente ao seu objetivo
Como já comentado, concurso não é brincadeira! Ou você começa a pensar em concurso
diariamente ou vai passar mais tempo do que o necessário para ser aprovado. Respire
concurso! Faça seu estudo sua principal atividade. Seja um estudante profissional. As horas
diárias necessárias
para um bom estudo dependem de sua concentração. A concentração é a arma mais
importante que, nós guerreiros, temos em mão. Uma hora de estudo como muita
concentração equivale a duas horas com pouca concentração e até mesmo três horas com
pouquíssima concentração. Estude o máximo de horas que seu corpo suportar. Creio que um
estudo normal e saudável é o de 5 horas por dia, mais o cursinho. E poderá chegar a uma
aprovação em um ano. Não esqueça que tudo depende de sua concentração podendo
aumentar ou diminuir as horas de estudo. Mas tente o máximo.
Se trabalha, acorde mais cedo, estude uma hora e meia antes antes do trabalho. Na hora do
almoço, mais uma hora. À noite, após o cursinho, mais uma hora e meia, completando quatro
horas diárias. Nos finais de semana tire o atraso das horas semanais estudadas. E não esqueça,
é normal o desânimo incomodar. Nesta hora, pense no seu objetivo sem parar. Dê uma pausa.
E depois, volte com toda a energia! Lembre-se de que a sua vitória vai ser para o resto da vida.
Sua vida vai mudar completamente quando for servidos público. Não esqueça que é proibido
estipular um prazo para a aprovação. Vá estudando até alcançá-la!
Qual o concurso?
Se ainda não passou e estiver desempregado, ou desinteressado pelo atual emprego, faça
todos os concursos que seu bolso suportar. Faça tudo! Inscreva-se no maior número de
concursos possíveis, suas chances irão aumentar. Depois que passar no primeiro, comece a
selecionar os cargos dos seus sonhos. Jamais fique esperando por um único concurso. Pode ser
que não consiga êxito e então ficará frustado. Tenha pelo menos dois concursos em vista e, é
claro, sempre estudando para aquele pretendido.
Não deixe de se inscrever em um concurso em virtude do número de vagas. O que acontece é
exatamente o contrário do que muitos imaginam. Quanto menor o número de vagas, melhor;
porque muitos candidatos já desistem ao ler o edital. É comum as instituições públicas
realizarem um cadastro de reservas. Você nem precisa estar entre as vagas para ser chamado.
Os concursos que possuem muitas vagas são os mais atrativos, logo o número de candidatos
aumenta consideravelmente. Mas isso não deve ser visto como um desestimulante, porque
você vai estar preparado ao seguir nossas regras fundamentais.
Não deixe de fazer um concurso por causa da escolaridade. Geralmente os concursos de nível
médio são mais difíceis de passar do que os de nível superior. Faça os dois, se puder.
O lugar de estudo
Faça do seu lugar de estudo um templo sagrado. Você precisa de concentração. Procure evitar
lugares barulhentos e desorganizados. Oriente o estudo em bibliotecas. Lá, você estará sempre
acompanhado de outros candidatos e assim estará em um ambiente que incentiva cada vez
mais seu estudo. Além disso, a troca de informações é outro instrumento valioso para a nossa
batalha. Não esconda material. Troque matéria com seu colega de estudo. Ele pode ter
informações que você ainda não sabe. Não esqueça que ele não é seu inimigo. Sua inimiga é a
banca examinadora.
Procure técnicas de concentração e memorização. São necessárias para o seu
desenvolvimento. Uma boa técnica de memorização são os famosos mnemônicos. Faça os
seus. Não é perda de tempo, pois funciona.
Quanto à concentração, o nosso cérebro é o computador que possui a maior capacidade de
retenção de informações. Você precisa saber usá-lo. E como faremos isso? Muito simples.
Segundo o mestre William Douglas, nosso cérebro possui quatro formas e captação de
informações: visual, auditiva, sinestésica e digital. As duas primeiras não necessitam de
maiores comentários. A sinestésica é a sensação de sentir, de provar e tocar. A digital é aquela
que procura o equilíbrio das demais. Logo, para melhorar nossa concentração é preciso utilizar
nosso cérebro da forma correta, temos que procurar, quando estamos estudando, não captar
informações estranhas ao assunto estudado. Procure estudar em locais sem visual, ou seja, nas
“baias” onde o único visual é o texto lido. Sem barulho. Não deixe seu cérebro captar
informações auditivas divorciadas do estudo. Há um costume entre os concurseiros
profissionais de colocar um abafador de silicone nos ouvidos. Excelente! Procure um que não
incomode, são baratos e você pode encontrar em lojas que vendem materiais hospitalares.
Com isso, você evita que seu cérebro capte informações estranhas, e assim, sua concentração
aumentará, evitando desperdiçar horas de estudo errado.
É essencial fazer um curso de memorização e outro de leitura dinâmica. Mais essencial ainda é
fazer um curso de Português, separadamente de seu curso básico, mesmo não havendo esta
matéria no concurso que vai prestar. O Português faz a diferença tanto na leitura de questões
objetivas como, principalmente, em provas subjetivas.
Como estudar
É comum o concorrente não estudar edital. Você tem uma grande vantagem por estudar este
precioso material. Analise o edital de seleção. Ele não só define a taxa de inscrição e datas dos
testes como estabelece todas as regras do jogo.
Olhe provas anteriores. Elas são valiosas. Estude a banca examinadora para não ter surpresas
na hora da prova. Geralmente os examinadores repetem questões. Às vezes, porque gosta de
determinadas matérias ou mesmo porque não possuem tempo razoável para preparar uma
prova. Já vi provas do CESPE que repetiram aproximadamente 40% das provas anteriores.
Estude uma matéria por semana. Assim você terá mais domínio sobre o assunto. Faça resumos
para a revisão antes da prova.
Dê atenção as matérias de maior peso. Essa informação está no edital que você já leu. Além da
apostila de seu curso, compre algumas obras importantes para os concursos em geral. Invista,
depois terá um bom retorno! Caso não tenha condições finaceiras, procure uma biblioteca.
Uma boa bibliografia é muito importante. Costumo orientar o seguinte:
- Direito Pena e Processo Penal: Fernando Capez
- Direito Administrativo: Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo
- Direito Constitucional: Alexandre Moraes
Devemos seguir a seguinte ordem de estudo:
Em primeiro lugar, temos que ler a “lei seca”. Procure as leis que o edital exige do candidato.
Você encontrará todas as leis no site www.planalto.gov.br.
Em segundo lugar, e claro, depois de ter uma boa aula sobre o assunto, leia as sinopses
jurídicas da editora Saraiva. Todas as que possuem o assunto que está no edital, sempre
fazendo uma comparação com a “lei seca”.
Em terceiro lugar, procure estudar a jurisprudência de STF e do STJ. O CESPE adora fazer
questões retiradas de informativos destes tribunais, encontrados nos sites www.stf.gov.br e
www.stj.gov.br.
Em quarto lugar, faça o maior número de questões possíveis. Você irá encontrá-las em sua
apostila e nos diversos sites especializados.
Não estude sem parar, a cada hora é bom dar uma pausa de cinco a dez minutos. Neste
momento, tenha sempre pensamentos positivos, converse com que está se preparado há mais
tempo, buscando novas técnicas de estudo.
Sua auto-estima deve estar em alta antes, durante e depois do estudo. Caso não esteja, nem
comece a estudar. Melhore antes.
Não esqueça que a troca de material com outros candidatos é muito importante. A maior
concorrência é você mesmo e a banca examinadora.
Uma técnica que utilizo para fazer provas anteriores é olhar de imediato a resposta certa. É
uma boa forma de memorização. Depois procurar os erros dos demais itens.
Faça resumos e esquemas dos estudo. Esses esquemas facilitam sua memorização.
As vitaminas são muito importantes para esta “guerra”, precisamos ter muita energia. É
comum concurseiros de primeira linha tomarem vitaminas, além do Ginko biloba que ajuda
muito na memorização. Procure um médico para melhores informações. Melhor ainda, e
necessário para o nosso cérebro, são as atividades físicas. Não deixe de praticá-la, pois as
atividades físicas, principalmente as aeróbicas, estimulam o cérebro a produzir novos
neurônios nos hipocampos, regiões que mais se ressentem do excesso de estresse. Um
estudante que não pratica atividades físicas possui grandes chances de entrar em um estado
de estresse prejudicando seu estudo, além de que a memória não é tão proveitosa quanto a
daquele que pratica.
Durante a atividade física, nosso organismo libera uma substância chamada endorfina,
responsável pela sensação de bem estar e relaxamento, que ajuda a melhorar a concentração,
fundamental para o processo de retenção de informações.

Por: Victor Dan