Você está na página 1de 2

GEOGRAFIA DAS RELIGIÕES

Principais religiões monoteístas

Cristianismo
O cristianismo é uma religião que surgiu na Palestina, no primeiro século depois de Cristo e
cujo alicerce é baseado nos ensinamentos de Jesus Cristo. No entanto, 2 mil anos depois de
seu nascimento, o mundo experimenta varias formas de cristianismo, divididas em diferentes
denominações. A maior divisão existe entre ortodoxos – também conhecidos como cristãos do
oriente, que, por sua vez, também se subdividem em cristãos católicos e protestantes.
Islamismo
O Islamismo foi fundado pelo profeta Mohamed (Maomé) há 1400 anos no território que hoje
corresponde à Arábia Saudita. Logo atrás do cristianismo, é a segunda maior religião do mundo
em numero de fieis. Conta, atualmente, com cerca de 1,3 bilhão de seguidores e vem
apresentando um crescimento expressivo de adeptos (cerca de 15% ao ano), sendo a religião
que mais cresce no mundo.
Muçulmano é todo aquele que segue o islamismo, que é uma religião monoteísta baseada no
Corão ou Alcorão, o livro sagrado do Islã, considerado a palavra de Deus revelada a Maomé, na
Suna e no hadith.
Islã é um termo árabe que significa “submissão” (ao desejo e a orientação de Deus), e é
também utilizado para designar o conjunto dos povos de civilização islâmica que professam o
islamismo.
Judaísmo
O judaísmo é a mais antiga das religiões monoteístas e a que apresenta o menor numero de
fieis no mundo. Dos 13 milhões de judeus existentes no mundo, a maiores comunidades se
concentram na Europa (a maior delas na França). A maioria dos judeus vive em Israel e nos
EUA.
O judaísmo não é uma religião missionária e todo aquele que se converte ao judaísmo devem
observar a Torá (lei judaica). A bíblia hebraica corresponde ao Velho Testamento da bíblia
cristã. O judaísmo caracteriza-se por ser, fundamentalmente, uma religião da família e que se
propaga através dela.

A QUESTÃO ETNICO-CULTURAL

Com o fim da Guerra Fria, o mundo aprendeu a conviver com os mais diferentes tipos de
conflitos. A ONU, organização encarregada de zelar pela paz mundial, tem 54 missões de paz
espalhadas pelas regiões afetadas por guerra ou em via de pacificação. Assumiu também
administração da província de kossovo, os preparativos para a independência do Timor Leste,
os acordos para o no governo do Afeganistão e a reconstrução do Iraque após a invasão anglo-
americana, ultimas regiões a sofrer violentos combates que resultaram em milhares de
mortos.
As guerras entre Estados-nações, guerras civis, guerrilhas, territórios ocupados à força e
movimentos separatistas no interior de estados-nações acontecem em vários continentes.
Disputa de territórios, questões de fronteiras, soberania do Estado nacional, recursos naturais,
rivalidades étnicas e até mesmo a água constituem os principais motivos dos conflitos no
mundo atual.
Fato comum também e a ação de grupos separatistas que chamam a atenção do mundo para
os seus problemas através de atos terroristas. Entre as organizações mais antigas e ativas
estão os grupos ETA e o IRA, ambas na Europa.
As principais áreas de ocorrência de conflitos no mundo são:
· Oriente Médio: a questão palestina;
· Europa: IRA;
· Europa: ETA;
· Europa: conflitos no Cáucaso (o caso da Chechênia);
· África: Ruanda;
· África: Angola;
· Aia: Caxemira.

AMÉRICA LATINA

As guerrilhas na America Latina

Colômbia. A guerrilha na Colômbia é ligada ao narcotráfico. As principais organizações são:


Farc (Forças Armadas Revolucionarias da Colômbia, de esquerda) e ELN (Exercito de libertação
nacional, também de esquerda). As guerrilhas controlam 40% do território colombiano e são
responsáveis por sequestros que exigem resgate ou liberdade de criminosos. As duas facções
chocam-se com a AUC (Autodefesas Unidas da Colômbia), organização paramilitar apoiada
pelo exercito colombiano. O conflito está associado à questão agrária e à hegemonia do
sitema bipartidarista como modelo principal do regime político colombiano.

México. Nesse país a guerrilha está concentrada no estado mais pobre. A principal organização
é o Exercito Zapatista de Libertação Nacional (EZLN). A principal causa do conflito é a questão
agrária.