Você está na página 1de 60

IFPI/Campus Valença do Piauí

Curso: Técnico em Meio


Ambiente
Disciplina: Geociências
Ambientais

Minerais e
Rochas =
determina a
estrutura da
terra
Prof. Weslley Maycon
O que é um mineral
 Mineral é um sólido homogêneo, com
composição química definida, mas que
pode variar dentro de intervalos restritos,
formado por processos naturais inorgânicos,
cujos átomos estão organizados em um
arranjo periódico tridimensional
denominado estrutura cristalina.
 A grande maioria dos minerais é formada
pela combinação de diferentes elementos
químico, em proporções fixas ou variáveis. QUARTZO
 Ex.: Quartzo (SiO2) / Ouro (Au), Diamante (C)
 Obs: Poucos tipos de rochas são formadas
por um único mneral. Ex: Calcários
Arranjo periódico tridimensional ?
Cuma é ??
Como definimos um mineral ?
 Substância de ocorrência natural, sólida,
cristalina, geralmente inorgânica, com uma
composição química específica.
Ocorrência Natural
 Encontrada aonde ?
 E os desenvolvidos (químicos) ? São minerais ?
Substância Sólida Cristalina
 Estado SÓLIDO
 E por que Cristalina ?
 Cristalina por que suas partículas minúsculas
(matéria ou átomos)estão dispostos em um
arranjo tridimensional ORDENADO e REPETITIVO.
GERALMENTE INORGÂNICO
 Por que que geralmente INORGÂNICOS ?

 MATERIA ORGÂNICA – carbono orgânico.

 Secretados por organismos


COM UMA COMPOSIÇÃO
QUÍMICA BEM DEFINIDA
 Segredo: ENTENDER COMO OS ELEMENTOS QUÍMICOS
ESTÃO ORGANIZADOS NOS MINERAIS.
 O QUE DEFINE OS MINERAIS ? O QUE OS FAZ SEREM
ÚNICOS ?
 COMPOSIÇÃO QUÍMICA
 FORMA COMO SE ENCONTRAM OS ÁTOMOS NA
ESTRUTURA INTERNA.
 Emsíntese os minerais são constituintes básicos
das rochas e a Mineralogia é o ramo da
Geologia que estuda os minerais.

 MINERALOGIA
 Composição
 Estrutura
 Aparência
 Estabilidade
 Tipos de ocorrências
 Associações Minerais.
Como os minerais se formam ?
Características
 Parâmetro fundamentais e interdependentes que
caracterizam um mineral:
 Composição Química
 Estrutura Cristalina
 A estreita relação que existe entre composição química e
estrutura cristalina leva à definição de três conceitos:

Soluções Sólidas - são variações composicionais causadas pela


substituição de um elemento químico por outro , em um dado sítio
em uma estrutura cristalina
Polimorfismo - é a propriedade de uma substância química se
cristalizar em diferentes formas, ou seja, em diferentes arranjos
atômicos, em função de fatores como pressão e temperatura.
Isomorfismo – ocorre em minerais de diferentes composições
químicas que apresentam o mesmo tipo de estrutura cristalina.
Principais minerais
 Ao todo são conhecidos mais de mil minerais, no entanto,
apenas pouco mais de um dezena são considerados minerais
formadores de rochas. Isto porque a crosta é composta
quase em sua totalidade por apenas oito elementos
químicos:

 Oxigênio (O)
 Silício (Si)
 Alumínio (Al) Mais de 90% da crosta terrestre é formada
 Ferro (Fe) por oxigênio e silício, e em decorrência
 Cálcio (Ca) disto os silicatos são a classe amplamente
 Potássio (K) predominante de minerais.
 Magnésio (Mg)
 Carbono (C)
O SIó ALumia minha FÉ e
CArrega os Koisas ruins dos
Maglocas Cebosos
Os minerais
 A forma cristalina dos minerais
 A forma do cristal é muito importante na identificação do mineral.
Ela reflete a estrutura das muitas moléculas que o compõe.
 A forma geométrica dos cristais segue os sistemas cristalinos. São
eles: sistema cúbico, tetragonal, hexagonal, ortorrômbico,
monoclínico, trigonal e triclínico.
Propriedades
Físicas nos
Minerais
Propriedade física
dos minerais
 Os minerais podem ser identificados por
suas propriedades químicas e físicas
micro ou macroscópicas.

 Propriedades físicas macroscópicas


 Clivagem – Descreve o padrão
geométrico produzido por uma quebra
partindo-se em superfícies planas.

 A clivagem é descrita em cinco


modalidades: pobre, moderada, boa,
perfeita e proeminente.

 Os tipos de clivagem são descritos


pelo número e direção dos planos de
clivagem.
Propriedades físicas dos minerais
 Propriedades físicas macroscópicas (cont.)
 Dureza – é a resistência do mineral ao ser riscado. Para
classificá-la utiliza-se a escala de Mohs (varia de 1 a 10),
baseado na dureza relativa de dez minerais utilizados
como padrões.
Propriedade física
dos minerais
Mas por que os minerais possuem
graus de dureza diferentes ?
Mas por que os minerais possuem
graus de dureza diferentes ?
Propriedade física
dos minerais
 Propriedades físicas macroscópicas (cont.)
 Peso específico/Densidade –
 Absoluto - valor escalar (g/cm³)
 Relativo - é um número que indica quantas vezes um certo volume de
mineral é mais pesado do que o mesmo volume de água destilada a 4°
C.
 Cor – resulta da absorção seletiva de
comprimentos de ondas da luz visível.
Propriedade física
dos minerais
 Propriedades físicas macroscópicas (cont.)
 Brilho – refere-se ao modo como os minerais
refletem a luz e é geralmente dividido em
brilho metálico (reflete mais de 75% da luz
incidente) e não-metálico.

 Transparência – capacidade de permitir a passagem da luz . Esta


propriedade dividi os minerais em translúcidos ou opacos.

 Traço – é a cor do pó obtido ao


se riscar o mineral contra uma placa de
porcelana.
Propriedade física
dos minerais
 Propriedades físicas macroscópicas (cont.)
 Fratura – é a forma como com que determinado mineral
se quebra além dos planos de clivagem TERROR). Fraturas
recentes mostram a verdadeira cor do mineral.
RESUMINDO...
Propriedade dos minerais
 Propriedade químicas
 Os minerais podem ser formados por um ou mais
elementos
 Ouro (Au) é composto por apenas um elemento.
 Pirita (FeS2) e Quatzo (SiO2) são formados por vários
elementos.

 Considerando a forma + composição química


temos:
 Polimorfismo – diferentes minerais possuem a mesma
composição química mas formas cristalinas diferentes.

 Isomorfismo – vários minerais possuem composição


química diferentes cristalizando-se na mesma forma.
Rochas
 Rocha- agregado de minerais formado por
processos naturais.
 Esses agregados podem conter, ainda, matéria
orgânica e vidro.
 Rochas podem ser vista com registros de processos
naturais ocorridos em algum lugar do passado.
 Atravésdo estudo deste registro podemos investigar os
processos que ocorreram no passado do nosso planeta
e, assim, entender a evolução da Terra.
Rochas
 Teorias sobre os Processos formadores de Rocha
 A teoria do Netunismo
 Proposta por A. Werner, considerava que todas as
rochas teriam se formado a partir de um grande oceano
primordial. A evaporação deste oceano teria originado
nas terras emersas rochas de diferentes tipos nos diversos
estágios de evaporação.
 Primeiro teriam sido formadas as rochas constituídas por
minerais mais insolúveis (que seriam o quartzo, feldspato e
mica, entre outros minerais), enquanto as rochas
progressivamente mais jovens, formadas em um oceano
cada vez mais reduzido, seriam aquelas constituídas por
minerais mais solúveis (que seriam os carbonatos, as argilas e
os haletos).
Rochas
 A teoria Plutonista,
 Formulada por James Hutton, na qual se inseria a teoria do
tempo profundo e uniforme.
 A teoria Plutonista considerava a existência de três grandes
processos formadores de rocha: o sedimentar, o
magmático e o metamórfico.
 Hutton reconheceu a importância do calor interior do
planeta na formação de rochas e propôs a existência de
um Ciclo de Rochas, no qual rochas de um determinado
tipo genético podem ser transformadas nos demais tipos.

 Após intenso debate, a ideia plutonista foi a que


prevaleceu e deu origem a moderna geologia. Mas, o
reconhecimento de que existem vários tipos de rocha nos
coloca a questão: Como reconhecer cada tipo de rocha?
Característica das rochas
A identificação de cada tipo de rocha – ígnea,
sedimentar e metamórfica – baseia-se em um
conjunto de características essenciais: a
composição, a textura e a estrutura.
 Composição
 Química
 Mineralógica
 diz mais sobre o processo formador da rocha. Isto por que a
formação de um mineral é controlada pelas condições do
meio.
Característica das rochas
 Textura
 refere às características de tamanho, forma e arranjo dos
grãos minerais que constituem a rocha. A característica
textural de uma rocha é diretamente relacionada ao
processo formador, sendo, portanto, um critério
fundamental para sua classificação

 Estrutura
 Refere-se a ocorrência de agregados de minerais
formando padrões bem definidos, muitas vezes
geométricos, na rocha.
 as estruturas refletem em geral as condições dinâmicas do
ambiente de sua formação
 Rochas que não apresentam estruturas são ditas maciças
Processo de Formação das Rochas
Tipos de rochas
 Podemos classificar as rochas em três grandes
grupos(ÍGNEAS, SEDIMETARES E METAMÓRFICAS)
 Rochas ígneas ou magmáticas – possuem origem
vulcânica e são classificadas em:
 Vulcânicas ou extrusivas – surgem da solidificação do
magma(lava) na superfície da Terra. Neste caso a lava
resfria rapidamente.
 Ex.: Basalto, pedra-pomes.
Magna - é uma fusão, geralmente de
Tipos de rochas composição silicática (ou seja, rica em
SiO2), gerada em profundidade pela
fusão parcial de outras rochas.

 Rochas ígneas
 são formadas a partir do resfriamento e consequente
cristalização do magma.
 Quando essa cristalização ocorre no interior da crosta forma
rochas plutônicas / intrusivas. O resfriamento mais lento do
magma neste locais permite o crescimento dos cristais.
Ocorrências: Rochas magmáticas
extrusivas e intrusivas
Característica das rochas
 Característica das rochas ígneas quanto textura.

 Textura fanerítica – os constituintes minerais tem dimensões que permitem


individualiza-los a olho nu.

 Textura Afanítica - ocorrem em rochas com granulação fina, onde os


cristais são praticamente imperceptíveis a olho nu.

 Textura Equigranular – os cristais que compõem a rochas apresentam


tamanhos semelhantes.

 Textura Porfirítica – quando existem uma geração de cristais maiores do


que os demais constituintes das rochas

 Textura vítrea - ocorre quando, durante as erupções vulcânicas, o


material se resfria tão rapidamente em contato com a atmosfera que não
há tempo para ordenar a estrutura cristalina.

 A granulação depende da velocidade de cristalização.


Característica das rochas ígneas
 Classificação da rochas ígneas (magmáticas) de acordo com sua
composição mineralógica.
 A composição mineral das rochas ígneas depende da
composição química do magma.
 Um mesmo magma pode produzir rochas de composição mineral
muito diversa. Esta sequência de cristalização é conhecida como série
de cristalização magmática ou Série de Bowen .

Todos estes minerais são


espécies de silicatos(compostos
de sílica - silício e oxigênio)
associada a algum ou alguns
outros elementos químicos,
como fe, Ca, Mg, Al, K, etc.
Característica das rochas ígneas
 Classificadas
rochas ígneas de acordo com o
percentual de sílica:
 Rochas ultramáficas: são compostas por silicatos de
ferro e magnésio (olivina e piroxênio) e apresentam
relativamente pouca sílica (menos que 40%).
 A rocha ultramáfica mais comum é o peridotito.

 Rochas máficas : contém entre 40 e 50% de sílica e são


compostas principalmente por piroxênio e plagioclásio
cálcico.
 é o tipo de rocha ígnea mais abundante na crosta, e o seu
representante principal é o basalto.

o termo “máfico” vem de magnésio e ferro.


Característica das rochas ígneas
 Rochas
intermediárias: as rochas ígneas intermediárias
contêm cerca de 60% de sílica
 A rocha vulcânica intermediária mais comum é o andesito e
o seu equivalente plutônico é o diorito.

 Rochas félsicas: contêm mais que 70% de sílica. São


geralmente pobres em ferro, magnésio e cálcio. São
ricas feldspato potássico, micas (biotita e muscovita) e
quartzo.
 A rocha ígnea félsica mais comum é o granito.

o termo “félsico” vem de feldspato e sílica


Rochas sedimentares
 Formação das rochas sedimentares
1. Tem início com o intemperismo (físico e químico). O intemperismo
provoca a fragmentação e decomposição das rochas dando
origem a sedimentos.
2. Os sedimentos acumulam-se em depressões no terreno.
3. A continuidade da deposição resulta no aumento de
pressão no material soterrado compactando-o.
4. Os sedimentos empilhados em camadas são também invadidos
por água subterrânea que transportam íons dissolvidos;
5. A combinação do calor, da pressão causada pelo o peso dos
sedimentos e dos íons transportados pela água, provoca a
diagênese (mudanças na natureza química e física dos
sedimentos)
Rochas sedimentares
 Formação das rochas sedimentares
Intemperismo (físico e químico)
-Produção de sedimentos- fragmentos

Transporte e deposição
em depressões(erosão)

Progressão da deposição
e compactação das camadas inferiores

diagênese Mudanças na natureza química e física


dos sedimentos

Conversão dos sedimentos em rocha


litificação sólida (compactação e cimentação)
Rochas sedimentares
Processo de formação
Rochas sedimentares
 Classificação das rochas sedimentares
 Dentríticas (arenito, conglomerados, brecha, etc.)

 Químicas (carbonatos, evaporitos, etc.)

Halita (NaCL)
Rochas metamórficas
 As rochas sedimentares e magmáticas ao sofrerem o efeito
da pressão e temperatura no interior da crosta tornam-se
instáveis.
 Nesta fase, os minerais pré-existentes nas rochas
transformam em outros minerais conferindo às rochas nova
composição mineralógica (nova característica estrutural e
textural)

 As rochas assim formadas


denominam-se
ROCHAS METAMÓRFICA.
Rochas metamórficas
 Tipos de metamorfismo
 Metamorfismo regional – desenvolve-se em regiões
que sofrem tectonismo intenso (áreas montanhosas
antigas ou recentes). Ocorre em extensas regiões a
alcança níveis profundos da crosta.
 (ardósia, filitos, xistos, gnaisses)
Rochas metamórficas
 Tipos de metamorfismo
 Metamorfismo de contato – desenvolve-se nas rochas
encaixantes ao redor de intrusões magmáticas,
formando as auréolas de metamorfismo de contato,
que se devem ao calor emanado do magma
durante seu resfriamento.
 do volume e natureza do magma invasor;
 gradiente térmico em torno da intrusão e;
 natureza da rocha encaixante.
 Asrochas resultantes apresentam textura granular fina e
estrutura maciça.
Rochas metamórficas
 Metamorfismo cataclástico ou dinâmico –
desenvolve-se em faixas longas e estreitas nas
adjacências de falhas ou zonas de cisalhamento.
 Promove alterações texturais e estruturais na rocha.
Rochas metamórficas
 Metamorfismo de soterramento – ocorre em bacias
sedimentares em subsidência.
 Resulta do soterramento de espessas sequências de rochas
sedimentares e vulcânicas a profundidade onde a temp. pode
chegar a 300°C ou mais, devido ao fluxo de calor na crosta.
 O metamorfismo desenvolve-se com a cristalização de novos
minerais sob influência de fluidos intergranulares dos
sedimentos. Preserva a textura e estrutura das rochas originais
Rochas metamórficas
 Metamorfismo hidrotermal – resulta da percolação de
água quente ao longa das fraturas e espaços
intergranulares das rochas.
 Ocorrem em áreas de intrusões graníticas, em áreas de
vulcanismo basálticos e em campos geotermais.
Rochas metamórficas
 Metamorfismo de fundo oceânico – ocorre nas
vizinhanças dos rifts das cadeias meso-oceânicas,
onde a crosta recém-formada e quente interagem
com água fria do mar.
 Pode
ser considerada um tipo particular de
metamorfismo hidrotermal , em escala muito ampla.
Rochas metamórficas
 Metamorfismo de impacto – desenvolve em locais
submetidos ao impacto de grandes meteoritos.
A energia do impacto é dissipada na forma de ondas de
choque, que fraturam e deslocam as rochas formando a
cratera de impacto, e de calor (temp. aprox. 5.000°C),
que vaporiza o meteorito efunde as rochas.
Casos de crateras no Brasil
Rochas metamórficas
 Classificação das rochas metamórficas
 São classificadas de acordo com a sua aparência
(textura) e composição.
 O critério básico de classificação: presença ou não
de foliação metamórfica
 Rochas Foliadas: apresentam superfícies planas ou
onduladas, paralelas, produzidas por deformação, em
geral, cortam as estruturas da rocha original.
 Filitos
 Xistos
 Gnaisses
Rochas metamórficas
www.rc.unesp.br

 Filitos - são rochas metamórficas foliadas geradas a partir


do metamorfismo de lamitos (argilitos e siltitos) a baixas
temperaturas. São rochas compostas principalmente por
micas e apresentam um quebramento em planos
paralelos formados pela foliação.

 Xistos - com o aumento da temperatura necessária para


formar os filitos, as placas de mica crescem e os cristais se
tornam visíveis, gerando uma rocha metamórfica foliada
chamada de xisto.
 Os xistos podem ser derivados de lamitos, arenitos finos ou
basaltos. Os xistos ricos em um determinado mineral podem
levar o nome deste mineral (xisto rico em micas é chamado
de micaxisto).

 Gnaisses - são rochas formadas a altas temperaturas onde


ocorre uma segregação mineral em bandas, num
processo chamado de diferenciação metamórfica.
 Os gnaisses de origem ígnea são formados geralmente a
partir de rochas graníticas e os gnaisses de origem
sedimentar podem ser formados a partir de lamitos e
arenitos impuros.
Rochas metamórficas
 Rochas não-foliadas- são geradas a partir:
 do contato de uma rocha preexistente
com o magma quente ou
 através da pressão litosférica a que as
rochas estão sujeitas a grandes
profundidades. A depender da rocha
parental, podem ser classificadas em dois
tipos principais:

 Mármore: rocha composta por grandes


cristais recristalizados de calcita gerados
a partir de pequenos cristais de calcita
em carbonatos. A presença de
impurezas no carbonato (rocha parental
do mármore) pode gerar mármores rosas,
verdes, cinzas ou pretos.

 Quartzitos: são rochas muito duras e


resistentes geradas a partir do
metamorfismo de arenitos puros. São
compostos essencialmente por quartzo
recristalizado.
O ciclo das rochas