Você está na página 1de 40

MPLS no contexto de um

operador de telecomunicações
Faculdade de Ciências da UP
Victor Calçada
30.04.2009
Indice

1. Introdução ao MPLS
Arquitectura, conceitos, aplicações

2. VPNs L2 e L3
Conceito e aplicações

3. Convergência em VPNs L3
Contexto e aplicações

Presentation title in footer


2
09 May 2009
Objectivos

1. Contextualizar MPLS num operador

2. Mostrar o lado prático da tecnologia…

Presentation title in footer


3
09 May 2009
Requisitos

1. Protocolo IP…. 
Arquitectura, conceitos

2. Protocolos de routing
RIP, OSPF, BGP

Presentation title in footer


4
09 May 2009
Background
Um pouco de história…

Presentation title in footer


5
09 May 2009
Evolução do MPLS

• Cisco utiliza inicialmente Tag switching

Presentation title in footer


6
09 May 2009
O que é o MPLS?

• MPLS = Multi Protocol Label Switching


• Mecanismo eficiente de encapsulamento
• Utiliza “labels” adicionadas aos pacotes para função de transporte
• Pacotes MPLS podem utilizar diversas tecnologias L2:
– ATM, FR, PPP, POS, Ethernet

• Diversas tecnologias podem utilizar MPLS


• Labels utilizadas como identificadoras
– IP prefixes, ATM VC ou caminho com determinada LB

• MPLS é uma tecnologia para oferta de serviços IP

Presentation title in footer


7
09 May 2009
Motivação/Origem

• Permite o encaminhamento dos pacotes com base num cabeçalho


simplificado
• Paradigma de encaminhamento simples -> utilização de Hw
• Interligação com switches L2
– Ex.: ATM

Presentation title in footer


8
09 May 2009
Motivação/Origem

• Interligação com switches L2


– Tráfego entre R1 e R3 passa sempre por R2 – utilizar full-mesh?
– Se houver interacção entre routers e switches, solução mais simples

ATM
backbone
ATM switch
ATM switch

R1 R3
ATM switch

PVC ATM

R2

Presentation title in footer


9
09 May 2009
Motivação/Origem/Evolução

• Evolução no entanto permite:


– Melhor HW -> questão da simplificação do encaminhamento perde
relevância
– Associação de labels a prefixos, grupo de sites, requisitos de QoS ou
comprimentos de onda permite novos serviços

Presentation title in footer


10
09 May 2009
Aspectos técnicos

Presentation title in footer


11
09 May 2009
MPLS - Cabeçalho

• Pode ser usado em Ethernet ou PPP


• Contém informação necessária para processo de encaminhamento

Presentation title in footer


12
09 May 2009
MPLS - Encapsulamentos

Presentation title in footer


13
09 May 2009
MPLS – Forwarding Equivalence Class (FEC)

Determina como os pacotes são mapeados num LSP

• Prefixos IP
• Informação de L2 (ATM, FR, PPP. HDLC, Ethernet)
• Grupos de endereços/sites – VPN x
• Instancias de bridging/switching – VSI
• Tunnel interfaces - TE

Presentation title in footer


14
09 May 2009
MPLS - Conceitos

• Criação de novos serviços com base numa classificação flexiva


• Permite estabelecimento de caminhos com garantias de LB
• Permite que switches ATM funcionem como routers

Presentation title in footer


15
09 May 2009
MPLS – Funcionamento

Presentation title in footer


16
09 May 2009
Distribuição de Labels numa rede MPLS

Presentation title in footer


17
09 May 2009
Protocolos de routing Unicast

• RIP, OSPF, ISIS, BGP são necessários na rede


• Fornecem conectividade
• Protocolos de distribuição de labels distribuem labels para os prefixos
anunciados pelos protocolos de routing unicast usando
– Ou um processo dedicado: Label Distribution Protocol (LDP)
– Ou estendendo os protocolos já existentes como o BGP para distribuir labels

Presentation title in footer


18
09 May 2009
Label Distribution Protocol - LDP

• Definido nos RFCs 3035 e 3036


• Utilizado para distribuir labels numa rede MPLS
– Usa uma sessão TCP entre vizinhos
• FEC - Forwarding equivalence class
– A forma como os pacotes são mapeados num LSP (Label Switched Path)
• Labels anunciadas por FEC
– Ir para destino x.x.x.x. usando label N
• Usa mecanismo de descoberta de vizinhos

Presentation title in footer


19
09 May 2009
Encaminhamento de pacotes num router - exemplo

Presentation title in footer


20
09 May 2009
Exemplo MPLS – Informação de routing

Presentation title in footer


21
09 May 2009
Exemplo MPLS – Atribuição de labels

Presentation title in footer


22
09 May 2009
Exemplo MPLS – Encaminhamento dos pacotes

Presentation title in footer


23
09 May 2009
Outros mecanismos de distribuição de Labels: RSVP

• Utilizado em MPLS Traffic Engineering


• Extensão do protocolo RSVP
• Permite a criação de um LSP com determinada LB

Presentation title in footer


24
09 May 2009
Outros mecanismos de distribuição de Labels: BGP

• Utilizado no contexto das VPNs MPLS


• Necessita de MP-BGP: Multiprotocol BGP
• Necessário ter BGP peers (iBGP)
• Mapeamento da informação das labels é transportado em atributos do
MP-BGP
– NLRI: Network Layer Reacheability Information

Presentation title in footer


25
09 May 2009
Label Stacking

• Pode existir mais do que uma label num pacote MPLS


• Labels associadas a FECs
– Exemplo: pode existir uma label para encaminhamento do pacote para um ponto
de saída (egress) e outra que separa o tráfego, nesse ponto de saída, do cliente
A e do cliente B
– Inner label pode ser utilizada para distinguir serviço
• Outer label usada para encaminhar pacote MPLS na rede
• Última label na stack marcada com EOS bit
• Permite a criação de serviços como
– VPNS MPLS
– TE e fast-reroute
– AToM

Presentation title in footer


26
09 May 2009
VPNS MPLS
L2 e L3

Presentation title in footer


27
09 May 2009
O que é uma VPN?

• VPN= Virtual Private Network


• Conjunto de locais (sites) entre os quais é permitido comunicar
• É definida por um conjunto de politicas administrativas
– Politicas determinam conectividade e QoS entre locais
– Politicas são estabelecidas entre os clientes de uma VPN
– Politicas podem ser implementadas totalmente por um Service Provider
–Utilizando mecanismos de BGP/MPLS

Presentation title in footer


28
09 May 2009
O que é uma VPN? (cont.)

• Flexibilidade na conectividade inter-site


– Conectividade completa ou partial mesh
• Locais podem participar em mais do que uma VPN
• Locais podem pertencer a mais do que uma organização

Presentation title in footer


29
09 May 2009
VPNs

• Layer 2
– Equipamento dos clientes (CPEs) ligados em L2 como por exemplo por FR
DCLI, ATM VC ou Ethernet
• Layer 3
– CPEs ligam a routers do operador em L3
– Operador responsável por
–Distribuir informação de routing entre locais da VPN
–Separar tabelas de routing das diversas VPNs

Presentation title in footer


30
09 May 2009
L3 VPNs

Presentation title in footer


31
09 May 2009
Utilização de Labels para construir VPN

• A rede distribui labels para cada VPN


– Cada VPN é construída automaticamente por routing IP
• Cada rede é tão segura como uma ligação FR

Presentation title in footer


32
09 May 2009
Como funciona?

• Routers precisam de manter tabelas de routing separadas de cada


VPN: utilização de VRFs (Virtual Routing and Forwarding Tables)
• Routers trocam informação de routing utilizando as extensões do BGP
para identificar e separar as rotas de cada VPN
• Routers trocam labels para cada rota de cada VPN para além das
rotas do IGP

Presentation title in footer


33
09 May 2009
Como funciona?

Presentation title in footer


34
09 May 2009
Control Plane

Presentation title in footer


35
09 May 2009
Data plane

• Ingress PE coloca 2 labels…

Presentation title in footer


36
09 May 2009
L2 VPNs

Presentation title in footer


37
09 May 2009
L2 VPNs

• Principio idêntico às VPNs L3


• Atribuição de Label a cada circuito
• Troca da informação de labels entre PEs
• Encapsular o tráfego (tramas L2)
• Aplicar labels
• Encaminhar os pacotes MPLS
• No egress
– Procurar label L2
– Encaminhar pacote no circuito L2

Presentation title in footer


38
09 May 2009
Arquitectura

Presentation title in footer


39
09 May 2009
Frame Relay over MPLS: exemplo

Presentation title in footer


40
09 May 2009