Você está na página 1de 5

1.

Título do projeto
PERFIL DOS CASOS DE SÍFILIS EM RECÉM-NASCIDOS, BEBÊS E
CRIANÇAS NA PARTE ALTA DE MACEIÓ, ALAGOAS, BASEADO EM
ANÁLISE DE PRONTUÁRIOS DE UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA.

2. Local de realização
HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. ALBERTO ANTUNES (HUPAA) – UFAL

3. Público-alvo (Quantificar e qualificar)

Áreas do conhecimento (marcar mais de um item)


( ) Ciências Exatas e da natureza ( ) Ciências Sociais aplicadas
( ) Ciências biológicas ( ) Ciências Humanas
( ) Engenharia/tecnologia ( ) Linguagens, Letras e Artes.
( ) Ciências da Saúde ( ) Ciências Agrárias

4. Resumo (Máx. 15 linhas)

A sífilis é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) provocada pela bactéria


Treponema pallidum, que pode apresentar várias manifestações clínicas e quatro
diferentes estágios, que vêm tendo um preocupante aumento de detecções desde 2017.
A seguinte pesquisa tem como objetivo traçar um perfil epidemiológico nas faixas
etárias de recém-nascidos, bebês e crianças, ou seja, do nascimento até os 12 anos de
idade, dos distritos sanitários VI e VII de Maceió, que compreendem os bairros:
Benedito Bentes, Antares, Cidade Universitária, Santos Dumont, Clima Bom,
Tabuleiro dos Martin, Santa Lúcia. Isso será feito por meio da coleta de dados de
prontuários de Unidades de Saúde da Família, com base em um questionário
confeccionado pela autora e co-autores. Desse modo, espera-se identificar a incidência
de sífilis e as causas dela nessa população infantil, bem como, se está havendo o correto
acompanhamento e tratamento dessa moléstia, podendo assim, de mesmo modo, serem
feitos planos de intervenção para as regiões analisadas.

5. Justificativa (Máx. 1 páginas)

A sífilis é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) provocada pela bactéria


Treponema pallidum, que pode apresentar várias manifestações clínicas e quatro
diferentes estágios (primária, secundária, latente e terciária), além do tipo congênito.
Seu diagnóstico pode ser feito por meio do teste rápido, disponibilizado em alguns
serviços de saúde do SUS, com resultado em cerca de 30 minutos, sendo este essencial
para gestantes, para assim iniciarem o tratamento durante o pré-natal, evitando a sífilis
congênita, que pode provocar: aborto espontâneo, parto prematuro, bem como, má-
formação fetal, surdez, cegueira, deficiência mental e/ou morte ao nascimento. O
tratamento mais comum e eficaz contra a transmissão vertical é a penicilina benzatina,
mas o acompanhamento médico para a correta terapêutica é essencial.

Entre 2017 e 2018, segundo dados do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde


de 2019, foi observado o crescimento da doença adquirida em cerca de 28,3%. À luz
da fonte de dados, houve incremento em todas as faixas etárias devido, principalmente,
à desvalorização do uso do preservativo. E, por mais que o índice de detecção em
Alagoas tenha sido o menor do país, cerca de 16 casos a cada 100 mil pessoas, é
importante identificar o perfil epidemiológico da doença na cidade de Maceió,
principalmente nas regiões mais populosas e carentes da cidade, que estão na parte alta,
para que com isso sejam elaboradas políticas específicas de combate e prevenção à
sífilis nelas.

6. Objetivos ()
Geral:

Expor o perfil epidemiológico da sífilis em recém-nascidos, bebês e crianças da parte


alta de Maceió, Alagoas.
Específico:

Identificar as formas comuns de como o paciente adquiriu a doença;

Analisar se há fatores que aumentem a incidência na faixa etária estabelecida;

Qual a idade com maior incidência dentre a faixa etária escolhida;

Quais as formas de diagnóstico da moléstia nas USF’s visitadas;

Observar se é feito e como ocorre o acompanhamento e tratamento do paciente.

7. Referencial teórico (Máx. 2 páginas)


8. Demandas acadêmicas e institucionais com as quais esse projeto pretende
interagir (Máx. 15 linhas)

9. Articulação entre ensino, pesquisa e extensão (Máx. 15 linhas)

10. Equipe de trabalho


DOCENTES E TÉCNICOS
COORDENADOR COLABORADOR1
NOME: NOME:
Cargo: Cargo:
Matrícula Matrícula
CPF: CPF:
Telefone: Telefone:
E-mail: E-mail:
Unidade: Unidade:
Curso: Curso:
Titulação: Titulação:
COLABORADOR 2 COLABORADOR 2
NOME: NOME:
Cargo: Cargo:
Matrícula Matrícula
CPF: CPF:
Telefone: Telefone:
E-mail: E-mail:
Unidade: Unidade:
Curso: Curso:
Titulação: Titulação:
BOLSISTAS
BOLSISTA 1 BOLSISTA 2
NOME: NOME:
Matrícula Matrícula
CPF: CPF:
Telefone: Telefone:
E-mail: E-mail:
Unidade: Unidade:
Curso: Curso:
BOLSISTA 3 BOLSISTA 4
NOME: NOME:
Matrícula Matrícula
CPF: CPF:
Telefone: Telefone:
E-mail: E-mail:
Unidade: Unidade:
Curso: Curso:
BOLSISTA 5 BOLSISTA 6
NOME: NOME:
Matrícula Matrícula
CPF: CPF:
Telefone: Telefone:
E-mail: E-mail:
Unidade: Unidade:
Curso: Curso:

11. Metodologia (Máx. 1 página)

Inicialmente foi feita a escolha da sífilis, dentre as várias infecções sexualmente


transmissíveis. Em seguida, foi definido as faixas etárias a serem analisadas pelo
trabalho, ou seja, dos 0 meses até os 12 anos de idade. A partir disso, foi realizada a
escolha da região de Maceió a ser analisada pelo estudo, nesse caso, os distritos
sanitários VI e VII.

Posteriormente foi feito o questionário a ser usado na coleta de dados dos prontuários
das USF’s selecionadas, com base na região e porte da unidade. As variáveis
epidemiológicas contidas no questionários são: idade, escolaridade, sexo, estado civil,
raça, ocupação, se possui, já teve e sabe o que é IST, se possui deficiência, se é
sexualmente ativo e usa métodos contraceptivos, se fez ou faz uso de drogas e/ou
álcool, se já fez exame de próstata ou exames ginecológicos e de mama, se já ficou
grávida e teve aborto, e número de filhos.
Depois de feita a coleta de dados será feita a análise estatística e descritiva deles. Em
seguida o trabalho será escrito com base nas regras da ABNT, para ser publicado em
plataformas de divulgação científica

12. Referências bibliográficas

13. Cronograma
2020
MÊS J F M A M J J A S O N D
FASES

2021
MÊS J F M A M J J A S O N D

FASES