Você está na página 1de 2

Assembleia Municipal da Covilhã - Partido Socialista

_____________________________________________________________________

Declaração sobre Contratação de Leasing


Imobiliário de € 1.000.000,00

Exmo. Senhor Presidente da A.M.


Restantes elementos da Mesa da A.M.,
Sr. Presidente da Câmara e Srs. Vereadores,
Srs. e Sras. Deputados,
Minhas Sras. e Meus Srs.

Relativamente a este ponto da Ordem de Trabalhos, enquanto


Representante do Grupo Parlamentar do PS nesta AM, gostaria de
efectuar o seguinte comentário.
Estamos perante um pedido de aprovação de uma operação financeira de
1 Milhão de Euros, mas em que a informação prestada aos Srs.
Deputados é manifestamente insuficiente.
Destacamos, por exemplo, o facto de não estar identificado no
documento, o objecto de aquisição pela Câmara (refere-se apenas
aquisição de terreno na Freguesia do Tortosendo), ou qualquer
especificação acerca das condições contratuais do mesmo (prazo e
carência da operação).
Apenas e exclusivamente pelo facto de o PS estar representado na
Vereação da C.M. da Covilhã, pudemos ter acesso aos documentos
relativos ao lançamento do concurso público desta operação, percebendo
assim que estávamos perante a aquisição do terreno do Parque de São
Miguel no Tortosendo.
Não nos vamos alongar em comentários relativos ao folhetim deste
processo (expropriação litigiosa, abate de sobreiros, …), apenas
poderemos referir que se trata de um preço “forçado”, o qual
comparativamente com o preço de aquisição do Teatro-Cine da Covilhã
(2Milhões de Euros) é exorbitante, demonstrando que à análise do
impacto financeiro se sobrepôs a fúria eleitoral.
Por outro lado, esta operação causa-nos preocupação:
- A Câmara Municipal, apesar de possuir uma folga de tesouraria
considerável, incluiu no montante total da operação os custos da operação
(66 mil euros) ?

Assembleia Municipal da Covilhã________________________________________________


-1-
Assembleia Municipal da Covilhã - Partido Socialista
_____________________________________________________________________

- A Câmara Municipal, apesar de possuir uma folga de tesouraria


considerável, solicitou uma carência de 5 anos de capital obrigando desta
forma a uma liquidação do capital em 10 anos ? Como é possível que
uma obra inaugurada à mais de 1 ano veja iniciado o seu pagamento em
2016 ?
Sob o ponto de vista do PS, este prazo de carência é um absurdo. As
carências de capital servem para que durante o período em que se realiza
o investimento, o Município não seja obrigado a suportar um pesado
serviço de divida relativo a esse mesmo empréstimo.
No caso em apreço o investimento está feito e totalmente concluído. Não
faz qualquer sentido “empurrar” o seu pagamento para o futuro.
No entanto, e porque temos consciência de que é necessário resolver este
problema com a máxima urgência (tribunal assim o exigiu), o Grupo
Parlamentar do Partido Socialista, não obstante as considerações
efectuadas, votará favoravelmente esta operação financeira.

Assembleia Municipal da Covilhã________________________________________________


-2-

Interesses relacionados