Você está na página 1de 3

COLUNA Fernanda Camargo: Como trocar um portfólio tóxico por ativos de impacto ESG

Bolsonaro reclama de custo do


auxílio e diz que queria dinheiro 'na
mão do Tarcísio' para obras 
Presidente voltou a dizer que o valor de R$ 600 é alto para os cofres públicos, mas que R$ 200
também é muito pouco; ele tem participado de várias inaugurações de obras nas últimas semanas

Julia Lindner, Gustavo Porto e Nicholas Shores, O Estado de S.Paulo


27 de agosto de 2020 | 20h16

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro voltou a reclamar, nesta quinta-feira, 27, do custo mensal
de R$ 50 bilhões do auxílio emergencial a informais e afirmou que gostaria de destinar o valor para
o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, investir em obras públicas. Após divergências
explícitas ao longo da semana, Bolsonaro também falou que a equipe de Paulo Guedes informou que
"a economia está reagindo" e que espera que isso aconteça de fato.

LEIA TAMBÉM
Mesmo com perda de renda do trabalho, auxílio emergencial aumenta ganhos de brasileiro mais pobre

"Vamos prorrogar o auxílio emergencial até o final do ano. Eu falei que o auxílio de R$ 600 é muito e o
pessoal bateu em mim. Mas é muito para quem paga, é muito para o País. Alguns falam 'esse dinheiro é
nosso'. Não, o dinheiro não é seu, é endividamento", disse o presidente durante transmissão ao vivo nas
redes sociais. Ele falou ao lado da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares
Alves, no Palácio da Alvorada.

Bolsonaro, que tem participado de uma série de inaugurações públicas no País nas últimas semanas,
afirmou que queria os R$ 50 bilhões do auxílio "na mão do Tarcísio". "Eu acho que, em um ano
praticamente ele resolveria os grandes problemas de Infraestrutura do Brasil", disse Bolsonaro.
Damares, então, interrompeu e pediu R$ 5 bilhões para a sua pasta, mas foi ignorada.

O presidente repetiu que considera "pouco" a proposta da equipe econômica para a prorrogação do
auxílio emergencial de R$ 200 por mês, mas que os atuais R$ 600 são "muito". "A ideia é entre 200 e
600 até o final do ano", declarou. Sobre a ideia de estender o benefício além de dezembro deste ano,
Bolsonaro disse que decisão iria quebrar o Brasil e faria o País perder a confiança.

/
NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mesmo com perda de renda do trabalho, auxílio emergencial aumenta ganhos de brasileiro mais pobre
Bolsonaro dá aval para aumentar verba do programa de obras Pró-Brasil para R$ 6,5 bilhões
Com foco no pagamento de auxílios emergenciais, Caixa tem queda de 39% no lucro do 2º trimestre
Bolsonaro diz que auxílio emergencial será prorrogado até dezembro, mas ainda não tem valor definido
Para manter auxílio emergencial, Câmara mira salário de servidores

Tudo o que sabemos sobre: Tarcísio Gomes de Freitas Jair Bolsonaro Damares Alves

Palácio da Alvorada [Brasília]

Encontrou algum erro? Entre em contato

DESTAQUES EM ECONOMIA

‘Revolução bancária’ leva fintechs às


compras e promete elevar concorrência

Reclamações de vizinhos em
condomínios crescem 300% na
quarentena

'É preciso tirar rótulo de que mulher não


serve para exatas', diz VP da PepsiCo

Tendências:
Governo amplia atividades autorizadas aos domingos e feriados

Juro médio cai em julho, mas o do cartão de crédito sobe, aponta BC

Com flexibilização do isolamento, desemprego recua no início de agosto

LGPD: Decreto cria estrutura e cargos da Autoridade Nacional de Proteção de Dados

Isso não é uma aposentadoria, é uma ajuda emergencial, diz Bolsonaro sobre auxílio

/
/