Você está na página 1de 2

Vinho rosé: para pedir sem medo

Nada do docinho do passado. Os rosés evoluem, viram


opção no calor e ganham adeptos na cidade

Por Arnaldo Lorençato | 25/10/2006

Foi-se o tempo em que o rosé era um vinho intragável, dono de uma


fama tão ruim quanto a dos adocicados brancos alemães de garrafa
azul. Nesse antigo e desalentador panorama, a exceção ficava por
conta de alguns rótulos da Provence, região do sul da França.
"Quando eu dizia aos amigos que gostava de rosés, eles me olhavam
espantados", lembra o publicitário e enófilo Fernando Rodrigues.
"Parecia coisa de marciano, porque era raro encontrar bebida de
qualidade." Com os avanços nas técnicas de vinificação, esse cenário
mudou expressivamente a partir de 2000. Produtores de vários pontos
do mundo, inclusive no Brasil, passaram a investir em bons rosados.
Hoje, essas garrafas são trazidas por praticamente todos os
importadores brasileiros e estão em alguns dos melhores restaurantes
paulistanos. Chegaram também às prateleiras de lojas especializadas
e de supermercados.

"Para quem toma muito tinto, o rosé é um bom substituto no verão",


sugere o sommelier Manoel Beato, do restaurante Fasano. "Tem um
pouco mais de estrutura que o branco e é frutado e cheio de frescor."
Beato afirma que o vinho vai bem com peixes e massas ao molho de
tomate fresco com manjericão. É uma boa opção, da mesma forma,
nos restaurantes asiáticos, em particular os japoneses. Com preços
normalmente mais em conta se comparado a tintos da mesma
categoria, pode ser encontrado em endereços tão diferentes quanto a
casa de cozinha contemporânea Dolce Villa, no Itaim, a churrascaria
Martín Fierro e o francês Allez, Allez!, ambos na Vila Madalena.

Para servir, a temperatura ideal varia entre 8 e 12 graus. Uma dica


importante é prestar atenção à safra. Como se trata de uma bebida
para ser consumida jovem, as garrafas com mais de quatro anos
perdem a vivacidade. Dono da importadora Mistral, uma das maiores
do país, o empresário Ciro Lilla acredita que a nova onda não é um
modismo passageiro. Tanto que ele mantém no catálogo da empresa
37 rosados de países tão diversos como Líbano e Nova Zelândia. "Há
uma tendência à sofisticação da bebida", diz. "No Chile, por exemplo,
começa a ser produzida uma linha premium." Ou seja, os rosés
ganharam até status.
Parallèle "45" 2005, da região francesa de Côtes du Rhône: cor
salmão e aroma intenso. R$ 42,79. Mistral, fone: 3372-3400

Alto Ramblon 2005, argentino de Mendoza: feito apenas com uva


malbec. R$ 35,00. Martín Fierro, fone: 3814-6747

Aglianico dei Feudi di San Gregorio 2004, italiano da Campânia: seco


e potente. R$ 83,00. World Wine, fone: 3315-7477

Monte Seis Reis 2005, português do Alentejo: com estrutura e sabor


de frutas vermelhas. R$ 45,00. Almeida Garrett, fone: 3088-0226

Château de l'Amarine 2004, francês da Costières-de-Nîmes:


combinação de leveza e frescor. R$ 60,00. Enoteca Fasano, fone:
3168-1255

Alta Vista 2004: malbec de Mendoza. R$ 32,90. Pão de Açúcar, www.


paodeacucar.com.br

http://vejasp.abril.com.br/revista/edicao-1979/vinho-rose-para-pedir-sem-medo