Você está na página 1de 5

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ANSELMO DE ANDRADE Muito Bom 

PORTUGUÊS
Ficha de avaliação diagnóstica – 6.º ano Bom 
Nome:_____________________________________ Turma ____ N.º____ Suficiente 
Data: ____/ ____/____ Professora: _______________ E.E: ____________ Insuficiente 
Muito Insuficiente 

Grupo I

1. Lê o conto seguinte.

Onde está a felicidade?

Onde está a felicidade? Ninguém sabe onde ela para ou onde se pode
encontrar. Há quem diga que não está em nenhum lugar e que
simplesmente acontece. E, no entanto, em algum sítio há de estar. Não
lhes parece?
5
Às vezes está tão perto, tão à vista, que nos passa despercebida e
outras tão distante, tão escondida nesse tal lugar, que uma vida não chega
para lá chegar.
Há os que pensam que só a encontramos se não a procurarmos. Nem
pensarmos nisso. E os que estão convencidos de que é preciso procurá-la
10
sem cessar. Por isso, ouçam agora a história do Sr. Pascoal, que vivia
desde menino numa aldeia pequenina, à beira-mar. Era um belo sítio para
se morar, já se vê, e ele sentia-se bem, mas faltava-lhe qualquer coisa, não
sabia o quê. E essa qualquer coisa, achava ele, era a felicidade.
Fez então as malas e saiu de casa à procura dela. Foi de aldeia em
15
aldeia, de vila em vila, de cidade em cidade, e encontrou tudo o que
procurava, tudo menos a felicidade.
“Isto é bonito”, dizia ele para ninguém. “Mas ainda não é aqui que me
sinto bem”.
Decidiu então partir para mais longe. E foi assim que deu várias voltas
20
ao mundo e conheceu cada recanto de tudo o que existia, dos bosques da
Noruega às montanhas do Japão. E viu coisas de pasmar, a felicidade é
que não.
Mesmo assim, continuou a procurá-la, viajando sem parar, sim, porque
em algum sítio ela havia de estar.
25
E estaria? Já vamos saber. O tempo, como sabem, passa a correr e, um
dia, o Sr. Pascoal percebeu que estava a envelhecer. Tinha os cabelos
brancos, as pernas fracas, os ossos doridos, a vista cansada. Andara muito
nesse dia e parou em frente de uma velha casa abandonada.
Os vidros das janelas estavam partidos, a poeira invadia quartos e salas,
30
o mato cobria o jardim.

1
Ele olhou aquilo e pensou assim: “Nesta casa, desprezada e sem dono,
vou construir a minha felicidade.”
E consertou o telhado, pôs vidros nas janelas, pintou as paredes, cuidou
do jardim.
35 “Agora sim”, pensou ele por fim. “Aqui está um bom sítio para se morar”.
Sentou-se então num sofá da sala, em frente à lareira, a descansar.
“Que bem que eu me sinto”, disse para si.
E percebeu então que aquela estranha sensação de bem-estar era esse
não sei quê que ele tanto procurara: a felicidade. Estava ali.
40 “Finalmente encontrei-a”, gritou o Sr. Pascoal, muito entusiasmado.
Estava tão contente que se pôs aos saltos e veio para a rua festejar,
esquecido já da sua idade. Reparou então que estava na aldeia de onde
partira há muitos anos e que aquela casa era a sua própria casa, a mesma
que ele abandonara para procurar a felicidade.

Álvaro Magalhães, O senhor do seu nariz e outras histórias, Ed. ASA, 2015 (págs. 25-28)

2. Relê as linhas 8 a 10, em que o narrador afirma que há duas maneiras diferentes
de pensar em relação à busca da felicidade.

2.1. A que grupo pertencia o Sr. Pascoal?


__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

2.2. O que decidiu ele fazer para descobrir a felicidade?


__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

3. A certa altura, o Sr. Pascoal interrompeu a sua busca. Porquê?


__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

4. “Agora sim”, pensou ele por fim. “Aqui está um bom sítio para se morar”. [linha 35]

4.1. Que sítio era esse?


__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

2
5. Assinala com um X qual dos esquemas abaixo representa o caminho que o Sr.
Pascoal percorreu até encontrar a felicidade.
Justifica a tua resposta.

a.  Partida Chegada

b.  Partida Chegada

c.  Partida  Chegada

__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

Grupo II

1. O Sr. Pascoal fez uma longa viagem em busca da felicidade.


Transcreve da frase acima:
a. um nome comum: _______________________________________________________
b. um nome próprio: _________________________________________________________
c. um verbo: _______________________________________________________________
d. um determinante: _________________________________________________________
e. um adjetivo: ______________________________________________________________
f. uma preposição (simples ou contraída com um determinante): ____________________________

2. Escreve o número da função sintática correspondente a cada elemento sublinhado.

a. O Sr. Pascoal vivia numa aldeia pequenina.


b. Ele desejava a felicidade. 1. sujeito
c. Percorreu o mundo inteiro. 2. predicado
d. Ele reconstruiu uma casa velha e abandonada. 3. complemento direto
e. Aquele velho viajante encontrou aí a felicidade.
4. complemento indireto
f. Ele contou a sua descoberta aos vizinhos.

a. ______ b.______ c.______ d.______ e.______ f.______

3
3. Relê o seguinte excerto do texto:
“Finalmente encontrei-a”, gritou o Sr. Pascoal, muito entusiasmado. [linha 40]
3.1. Assinala com um X a opção que completa adequadamente a afirmação, tendo em
conta o sentido do texto.
Na frase transcrita, o pronome pessoal sublinhado está em vez de

a.  uma casa boa para morar. c.  a felicidade.


b.  a minha própria casa. d.  a tranquilidade.

4. Completa as frases seguintes, conjugando os verbos entre parênteses nos tempos


indicados.
a. O Sr. Pascoal __________________________ para encontrar a
felicidade.
(viajar – pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo)
b. Ele ________________________________ que lhe faltava qualquer
coisa.
(sentir – pretérito imperfeito do indicativo)
c. Por isso, o Sr. Pascoal __________________________ percorrer o
mundo.
(ir – pretérito perfeito do indicativo)
d. Daqui para a frente, ele _________________________ feliz na sua
aldeia.
(viver – futuro do indicativo)

Grupo III

1. A felicidade pode encontrar-se em pequenas coisas. Escreve um breve texto (cinco linhas) em
que refiras uma ou duas coisas que te fazem feliz, explicando porquê.
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____

Bom trabalho!

4
Autoavaliação
As maiores dificuldades que senti foram ________________________________________________________

_____________________________________________________________________________________