Você está na página 1de 2

Aluna: Regilane Gomes dos Santos – RA 819273

Curso : Direito – Turma A – Turno Manhã

Professora: Maria Cristina Leite Gomes

Estado Violência
Sinto no meu corpo
A dor que angustia
A lei ao meu redor
A lei que eu não queria
Estado violência
Estado hipocrisia
A lei que não é minha
A lei que eu não queria (...)
(TITÃS. Estado Violência. In: Cabeça dinossauro. [S.L.] WEA, 1986, 1 CD (ca.
35’97”). Faixa 5 (3’07”).)

A letra da música “Estado Violência”, dos Titãs, revela a percepção dos autores
sobre a relação entre o indivíduo e o poder do Estado. Analise a letra dos Titãs
a partir dos 4 autores estudados (Hobbes, Rousseau, Locke e Montesquieu).

Respostas:

Hobbes : O contrato social e o surgimento do Estado é resultado da


insegurança em que passam a viver os homens, já que todos são inimigos de
todos, o homem não é social naturalmente, porque desconfia de todos os
outros homens. Assim para Hobbes, o contrato social consiste em abrir mão
das liberdades absolutas dos homens em favor de um governante, garantindo
assim a segurança de todos. Hobbes vê os homens como “crianças” que
exigem um tutor absoluto. Deixado a própria sorte o homem é lobo do homem.
(está em constante estado de guerra). A função do Estado é conter essa
guerra. O Estado tem que garantir a vida e a propriedade. Liberdade em troca
de segurança entregamos nossa liberdade para o Estado, assim o Estado
precisa ser mais forte que a soma de todos os indivíduos.(Governo Soberano,
Absolutismo). Enfim, o Estado faz leis que determinam nossas ações.

Rousseau: “O homem é naturalmente bom, quem estraga é a sociedade”.


Cria-se o Estado para regular as desigualdades. O homem não é sociável
porque por natureza ele é autossuficiente. E por isso, na sua origem, o homem
não estabelece relações interpessoais. A autossuficiência lhe permite viver na
solidão. Rousseau criticava o processo de socialização, por ter corrompido o
homem, tornando-o egoísta e mesquinho para com os seus semelhantes. Para
Rosseau, a origem das leis e do governo é negativo, pois no resultado final
favorece os ricos. As sociedades se multiplicaram rapidamente. O acordo
mútuo não impediu os massacres. O principal direito do homem é a liberdade.
Os pobres só tem ela a perder, mas pode-se dizer que são escravos. Os
povos instituíram chefes, para assegurara liberdade, para escapar da
escravidão e não ao contrário.

Locke: A natureza dos homens é social e a razão principal do contrato social é


garantir uma punição correta e equilibrada aos ataques aos direitos dos outros.
Sem Estado, não há como estabelecer equidade nas decisões e o
descolamento da relação violação-punição poderia gerar um efeito dominó,
numa escalada de violência incontrolável. Hobbes ainda explica que, o contrato
social transfere aos governantes apenas o direito de punir os violadores dos
direitos. Locke vê os homens como “adultos” que só precisam de mediação
quando ultrapassam o limite do equitativo na punição da ofensa aos seus
direitos estabelecidos naturalmente. A razão pela qual os homens entram em
sociedade é a salvaguarda de sua propriedade, e o motivo pelo qual eles
elegem um legislador e o autorizam é para que possam ser instituídos leis e
regras capazes de proteger e de delimitar a propriedade de cada membro da
sociedade, e de limitar o poder de moderar o domínio de cada parte ou
membro dela. Por isso afirma-se que Locke funda os princípios do chamado
estado liberal.

Montesquieu: Era preocupado com a organização do estado e contra o


absolutismo.” Para que o poder freie o poder, é necessário dividi-lo”. (freios e
contrapesos). Monstesquieu imaginava as funções do poder cristalizadas em
três órgão indepedentes: o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. Cada um
desses três poderes deve manter a sua autonomia, dessa forma evitaria o
abuso do poder dos governantes.