Você está na página 1de 114

DMVIEW 10.

4
MANUAL DE GERÊNCIA SDH/PDH
204.0220.41 rev. 41 Dez/2018

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 1 de 114


GARANTIA

Sistema de Gestão da Qualidade


certificado pela DQS de acordo
com ISO9001 Nº de registro (287097 QM)

Apesar de terem sido tomadas todas as precauções na elaboração deste documento, a empresa não
assume qualquer responsabilidade por eventuais erros ou omissões, bem como nenhuma obrigação é
assumida por danos resultantes do uso das informações contidas neste manual. As especificações
fornecidas neste manual estão sujeitas a alterações sem aviso prévio e não são reconhecidas como
qualquer espécie de contrato.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 2 de 114


CONTATOS
Para contatar o suporte técnico, enviar sugestões, novas funcionalidades, críticas ou falar com o setor de
vendas, seguem os telefones e/ou e-mails:

Suporte:

oE-mail: suporte@datacom.com.br

oFone: +55 51 3933-3122

Sugestões:

oE-mail: contato.dmview@datacom.com.br

Vendas:

oE-mail: comercial@datacom.com.br

oFone: +55 51 3933-3000

oFax: +55 51 3933-3003

Internet:

owww.datacom.com.br

Endereço:

oDATACOM

oRua América, 1000 – Eldorado do Sul, RS - Brasil

oCEP: 92990-000

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 3 de 114


CONVENÇÕES
Para facilitar o entendimento, foram adotadas, ao longo deste manual, as seguintes convenções:

hyperlink - Indica um endereço na internet ou um endereço de e-mail.

Comando ou Botão - Sempre que for referido algum comando, botão ou menu de algum software,
esta indicação estará em itálico.
#Comandos e mensagens de telas de terminal são apresentados como
texto sem formatação, precedidos de # (sustenido).

As notas explicam melhor algum detalhe apresentado no texto.

Esta formatação indica que o texto aqui contido tem grande importância e há risco de danos. Deve ser
lido com cuidado e pode evitar grandes dificuldades.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 4 de 114


MANUAIS
Os manuais do DmView estão divididos em 12 partes, com o objetivo de melhor organizá-los, são eles:

 204.0119.43 - DmView - Manual de Instalação

 204.0327.03 - DmView - Quick Installation Guide_PT

 204.0313.06 - DmView - Upgrade Guide_PT

 204.0220.42 - DmView - Manual de Operacao Geral

 204.0221.41 - DmView - Manual de Gerencia Ethernet Switches

 204.0222.41 - DmView - Manual de Gerencia PDH-SDH

 204.0118.41 - DmView - Manual do Portal Web de Relatórios

 204.0297.11 - DmView - Web Maestro User Guide_PT

 204.0296.11 - DmView - CLI Template User Guide_PT

 184.0010.02 – DmView – DM4600 User Guide

 204.0238.22 - DmView - Alta Disponilidade

 204.0319.04 - DmView - Database HA_PT

Após a instalação do DmView, os manuais estarão na pasta \DmView\doc. Caso necessite de algum
destes manuais separadamente, eles também podem ser solicitados ao suporte.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 5 de 114


Sumário
1. Provisionamento ____________________________________________________ 9
1.1. Customer Configuration _________________________________________________ 10

1.2. Service Configuration ___________________________________________________ 11


1.3. Priority Configuration ___________________________________________________ 12

1.4. Link Cost Configuration __________________________________________________ 13

1.5. Circuit Configuration ____________________________________________________ 14


1.6. MS-SPRing ____________________________________________________________ 31
1.6.1. Busca MS-SPRing ____________________________________________________________ 34
1.6.2. Diagnóstico MS-SPRing _______________________________________________________ 35
1.6.3. Configuração MS-SPRing ______________________________________________________ 35
1.6.4. Configuração da topologia MS-SPRing ___________________________________________ 36

1.7. Search Circuit __________________________________________________________ 38


1.7.1. Highlight Circuit _____________________________________________________________ 40
1.7.2. SDH/PDH Circuit Diagnostic ____________________________________________________ 41
1.7.3. Verificação da Integridade do Circuito ___________________________________________ 42
1.7.4. Atualização da Topologia ______________________________________________________ 43

1.8. Remove Circuit ________________________________________________________ 47

2. Provisionamento Automático _________________________________________ 50


2.1. Iniciando o Serviço _____________________________________________________ 50

2.2. Configurando Circuitos __________________________________________________ 50


2.2.1. Passo 1: Resource Type _______________________________________________________ 50
2.2.2. Passo 2: Endpoints ___________________________________________________________ 51
2.2.3. Passo 3: Timeslots ___________________________________________________________ 54
2.2.4. Passo 4: Path _______________________________________________________________ 55
2.2.5. Passo 5: Endpoints Cofiguration e Path Configuration _______________________________ 57
2.2.6. Passo 6: General _____________________________________________________________ 57
2.2.7. Passo 6: Comments __________________________________________________________ 58
2.2.8. Passo 7: Activation ___________________________________________________________ 59

3. Reserva de Circuitos ________________________________________________ 61


3.1. Upgrade via relação Main/Alternative ______________________________________ 61

3.2. Particularidades________________________________________________________ 62

3.3. Disponibilidade da reserva de circuitos _____________________________________ 62

4. Importação e Merge de Circuitos ______________________________________ 64

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 6 de 114


4.1. Importação de circuitos Nx64K e NxVC _____________________________________ 64
4.1.1. Tipos de Circuitos SDH/PDH Suportados __________________________________________ 64
4.1.2. Importando um circuito SDH/PDH_______________________________________________ 64
4.1.3. Detalhes da Importação de circuitos NxVC ________________________________________ 68
4.1.4. Detalhes da Importação de Circuitos Nx64k _______________________________________ 69
4.1.5. Limitações __________________________________________________________________ 69

4.2. Importação de Circuitos Nx2M/EFM _______________________________________ 70

4.3. Merge de circuitos SDH/PDH _____________________________________________ 74


4.3.1. Circuit Merge – Select Devices __________________________________________________ 76
4.3.2. Circuit Merge – Select Circuits __________________________________________________ 78

5. Integridade de Circuitos _____________________________________________ 81


5.1. Conceitos _____________________________________________________________ 81

5.2. Verificação de integridade e reativação _____________________________________ 81


5.3. Verificação de mismatch _________________________________________________ 82

5.4. Verificação de mismatch em remotos ______________________________________ 84

5.5. Validação de Circuitos ___________________________________________________ 85

6. Proteção E1 M X N _________________________________________________ 86
6.1. Introdução ____________________________________________________________ 86

6.2. Funcionamento da Proteção ______________________________________________ 87


6.2.1. Janela de diagnóstico de circuitos Nx64K _________________________________________ 87
6.2.2. Janela de diagnóstico de circuitos NxVC __________________________________________ 91
 Circuito passando pelo canal de trabalho em falha (circuito utilizando canal de proteção) _ 93
 Circuito passando pelo canal de proteção sendo utilizado para proteger canal de trabalho em
falha 94

6.3. Configuração dos Grupos de Proteção ______________________________________ 95


6.3.1. Janela de configuração – Proteção M:N __________________________________________ 95

6.4. Status dos Grupos de Proteção____________________________________________ 97


6.4.1. Janela de status – Proteção M:N ________________________________________________ 97

6.5. Testes dos Grupos de Proteção ___________________________________________ 99

7. Proteção EPS _____________________________________________________ 100


7.1. Introdução ___________________________________________________________ 100

7.2. Configuração _________________________________________________________ 100


7.3. Status _______________________________________________________________ 101

8. Mismatch de configurações SDH/PDH _________________________________ 103


8.1. Introdução ___________________________________________________________ 103

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 7 de 114


8.2. Permissões de usuário _________________________________________________ 103
8.3. Habilitando o mismatch SDH/PDH ________________________________________ 104

8.4. Funcionamento _______________________________________________________ 105

9. Transceiver Management ___________________________________________ 109


9.1. Introdução ___________________________________________________________ 109

9.2. Modelos e FWs suportados______________________________________________ 110

9.3. Filtros _______________________________________________________________ 110


9.4. Transceiver Information ________________________________________________ 111

9.5. Transceiver Digital Diagnostic____________________________________________ 111

9.6. Configurando Thresholds _______________________________________________ 112


9.7. Atualização das informações ____________________________________________ 113

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 8 de 114


1.PROVISIONAMENTO

Em geral, provisionamento significa fornecer algum recurso disponível. Em telecomunicações, esse termo
significa fornecer serviços de telecomunicações (como transferência de dados ou voz) a um determinado
cliente, incluindo tudo aquilo necessário para estabelecer o serviço.

No NMS, o provisionamento automatiza a tarefa manual de configurar recursos de rede, de modo que se
possam fornecer serviços aos usuários. Além disso, o processo de provisionamento monitora os direitos e
privilégios de acesso para garantir a segurança dos recursos empregados.

A Ferramenta de Provisionamento do NMS é baseada nos seguintes conceitos:

• Circuito: caminho específico entre dois pontos ao longo do qual (podem existir pontos intermediários) os
dados podem ser transportados. Um circuito é formado por um conjunto de recursos de rede (links,
equipamentos, portas, etc.) utilizados para fornecer um serviço.

• Link: conexão entre duas interfaces em dois equipamentos.

• End: o end é a “ponta” do circuito. Ela contém informações sobre o equipamento, slot e portas sendo
utilizadas. Um circuito sempre possui dois ends chamados de “A-End” e “Z-End”.

• Cliente: proprietário do circuito, ex.: o usuário dos serviços.

As características a seguir estão disponíveis através da ferramenta de provisionamento:

• Cadastro de clientes e serviços.

• Configuração da prioridade do circuito e cliente.

• Criação de circuitos através de uma janela de interface que permite que o usuário escolha os recursos
de rede a serem configurados.

• Proteção da configuração pertinente ao circuito, ex.: controle sobre alterações de configuração que
possam interferir na integridade do circuito. Além disso, ela proporciona uma maneira de corrigir
automaticamente erros de configuração realizados no campo.

• Destaque dos circuitos na visualização de um mapa topológico do NMS.

• Relatórios customizados de circuitos e clientes.

• Busca de circuitos através de qualquer parâmetro que pertença àquele circuito.

• Gerenciamento de eventos relacionados aos circuitos com funcionalidades de correlação e filtro.

• Monitoramento de falhas através de uma janela de diagnóstico que permite a visualização do status dos
recursos dos circuitos.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 9 de 114


• Atualização das topologias SDH (linha e anel) com a possibilidade de inserir e remover equipamentos
enquanto o circuito existente pode ser configurado de acordo com a nova topologia.

• Importação de configurações de equipamentos compatíveis com o circuito, associando-as a um


determinado circuito.

• Criação de circuitos em nodos do tipo custom, através da utilização do provisionamento automático


(utilizando o preenchimento dos time-slots).

O gerenciamento de circuitos é totalmente integrado com o NMS. Um caminho de circuito pode ser
visualizado no mapa topológico do sistema. Além disso, também é possível navegar entre os locais
pertencentes ao caminho do circuito. Essa tarefa é realizada através de atalhos contidos na barra do
menu de visualização do mapa. Esses atalhos permitem que o usuário faça uma busca por circuitos
associados a um equipamento ou link específico entre os equipamentos. Também é possível acessar
essas funções a partir do bayface do equipamento.

1.1.Customer Configuration

A ferramenta de Provisionamento DmView possibilita registrar clientes com o objetivo de identificar o


proprietário de um circuito em particular. Com essa característica, é possível associar um circuito a um
dado cliente. Para realizar isso, o primeiro passo é registrar um cliente através da janela Customer
Configuration. Ao abrir a janela, clique em New (novo) para preencher as informações necessárias de seu
cliente. As únicas informações obrigatórias são o nome e a prioridade. Todos os outros campos são
opcionais.

Figura 1. Janela de Customer Configuration

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 10 de 114


Depois de ter sido devidamente preenchido, clique em Save para salvar as informações fornecidas. Após,
durante a criação do circuito ou tarefa de alteração, é possível associar o circuito a um cliente registrado.
Além disso, é possível remover ou editar um cliente registrado através da janela de Configuração do
Cliente. Antes de editar um cliente registrado, é necessário realizar uma busca por clientes. Para listar
todos os clientes disponíveis, clique no botão Search (busca). Adicionalmente, preencha o campo ‘nome’
para buscar por um cliente em particular.

1.2.Service Configuration

É possível criar um serviço específico e associá-lo ao circuito. Um serviço é uma informação que, da
mesma forma que os dados do cliente, têm por objetivo agregar informações sobre o circuito e ao mesmo
tempo ele ajuda a descrever a funcionalidade do circuito. Para criar um serviço, ao abrir a janela Service
Configuration, clique em New para ativar a edição dos campos. Os campos obrigatórios são nome e
acrônimo.

Figura 2. Janela de Service Configuration

Depois de ter sido devidamente preenchido, clique em Save para armazenar o serviço atual. Também é
possível procurar por um serviço já criado e atualizar sua descrição usando o botão Update. Para realizar
a tarefa de atualização, o operador do sistema deve selecionar o serviço desejado através da opção de
busca fornecida na janela de configuração de serviço. Para associar um serviço em particular a um
circuito, é necessário selecionar o serviço durante a criação do circuito ou tarefa de atualização.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 11 de 114


As configurações de QoS Profiles e Juniper Filter Configuration foram adicionadas ao DmView e podem
ser preenchidas no caso de circuitos Metro Ethernet (veja o Manual de Gerência Ethernet Switch).

1.3.Priority Configuration

Através da janela de Priority Configuration, as prioridades para os circuitos bem como para os clientes
podem ser configuradas individualmente, i.e.: a prioridade do circuito e a prioridade do cliente podem ser
definidas independentemente uma da outra.

Figura 3.Janela de Priority Configuration

A janela de configuração de prioridade permite definir as prioridades de acordo com uma escala
numerada de 1 a 10, sendo 1 a prioridade mais alta e 10 a prioridade mais baixa. Por meio do emprego
de prioridades, é possível atribuir um índice de importância a um dado circuito ou cliente. Edite o campo
correspondente para definir a prioridade. Depois de preencher os campos de prioridade desejados, clique
em Update (atualizar) para salvar as informações digitadas.

Nota: Considerações relacionadas às configurações de Cliente, Serviço e Prioridade.

Na figura abaixo, podemos ver um exemplo de utilização de configurações de cliente, serviço e prioridade
para um circuito específico, enquanto na figura 5 há um exemplo de configuração de prioridade para um
cliente em particular.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 12 de 114


Figura 4. Janela Circuit Configuration com as configurações de cliente,
serviço e prioridade

Figura 5. Janela Customer Configuration com configuração de prioridade

1.4.Link Cost Configuration


Através da janela Cost Link Configuration é possível atribuir valores ao custo dos links já existentes e
também configurar valores default ao custo para cada tipo de link. O usuário escolhe o valor e em seguida
o tipo de link que deseja atribuir aquele custo. O valor escolhido pode ser atribuído ao custo padrão para
um determinado tipo de link, nos custos dos links já existentes e também em todos os custos dos links
que ainda possuem o valor padrão.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 13 de 114


Figura 6. Janela Link Cost Configuration

1.5.Circuit Configuration

A tarefa de configuração de circuito é realizada através da janela de SDH/PDH Circuit Configuration. Essa
janela permite que o operador do sistema crie, atualize ou remova um circuito. Além disso, é possível
configurar vários parâmetros de circuito como cliente, taxa de transmissão, equipamentos e interfaces dos
ends tanto para os circuitos de acesso quanto de transporte. Para determinar o caminho do circuito sobre
a topologia da rede, a Ferramenta de Provisionamento fornece uma janela que permite a seleção
interativa dos recursos de rede.

Uma vez que a topologia da rede pode ser modificada, é necessário fornecer os meios de se executar a
manutenção em circuitos criados anteriormente. Para realizar essa tarefa, a janela de SDH/PDH Circuit
Configuration fornece suporte à edição de circuitos. Com essa característica, é possível adicionar ou
remover um equipamento, adicionar ou remover uma proteção de circuito ou até mesmo alterar uma taxa
de circuito.

Depois de criar ou atualizar um circuito, as configurações feitas são então transferidas para cada
equipamento relacionado a um circuito específico. O processo de transferência ocorre de acordo com o
conceito de atomicidade, ex.: a Ferramenta de Provisionamento deve garantir que ou todas as
configurações de um circuito são ativadas. Depois disso, as configurações são então protegidas, elas não
podem ser alteradas, nem mesmo pelo gerenciador NMS, de modo a evitar que a operação do circuito
seja prejudicada. As modificações de circuito estão somente disponíveis através da ferramenta de
Provisionamento.

A criação, modificação e remoção dos circuitos devem ser realizadas através da janela SDH/PDH Circuit
Configuration. O restante desta seção está organizado de acordo com as características da janela de
SDH/PDH Circuit Configuration e descreverá os passos compreendidos na tarefa de criação do circuito.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 14 de 114


◦ Aba General

Nesta aba, o operador do sistema deve atribuir um nome ao circuito. Este campo é o único campo
obrigatório enquanto os outros são opcionais. O nome do parâmetro não pode ser igual a um nome
previamente registrado, uma vez que ele é usado como um identificador único do circuito. Como
mencionado anteriormente nos itens de configuração do cliente e de serviço, durante a criação do circuito,
é possível associar um cliente e/ou serviço específico criado anteriormente. Também é possível definir
uma prioridade e um nível para o circuito atual.

Figura 7. Janela SDH/PDH Circuit Configuration, aba General

A ferramenta fornece duas opções de nível que podem ser atribuídas ao circuito:

• Comissioned: esta é a opção padrão ao se criar um circuito. Depois de salvar um circuito comissionado,
seus dados de configuração são salvos no banco de dados e então enviados para o equipamento
utilizado. A Figura 7 apresenta uma aba chamada ‘General’ com a opção de nível configurada como
comissionada.

• Reserved: os circuitos reservados possuem as mesmas características dos circuitos comissionados,


exceto pelo fato de que o circuito reservado não tem sua configuração enviada para o equipamento.
Assim, para enviar e ativar as configurações nos equipamentos é necessário alterar a opção de nível para
‘comissionado’. Ao criar um circuito reservado, o operador do sistema pode definir um circuito principal.
Ao ativar um circuito reservado, o circuito principal registrado será substituído pelo circuito reservado.
Além disso, os equipamentos usados por ambos os circuitos são configurados de modo que
correspondam às novas configurações.

As configurações disponíveis na aba ‘General’ não dependem do tipo de circuito, elas não levam em
consideração o tipo de circuito.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 15 de 114


Figura 8. Management com opção de nível configurada como Reserved.

◦ Aba Configuration

Esta é a aba principal da configuração de circuito. Através desta aba, o operador do sistema define as
configurações do circuito como o tipo de circuito, a taxa de transmissão e os ends.

Existem muitos tipos de circuito na Ferramenta de Provisionamento. Neste documento, três deles serão
detalhados, uma vez que eles são os mais relevantes. Os tipos de circuitos não mencionados neste
manual possuem configurações similares em comparação com algum do grupo mencionado.

Os três tipos principais de circuito são:

• Circuito Nx64K: este tipo de circuito é usado para cross connection DS0. Ao configurar um circuito
Nx64K, só poderão ser usadas aquelas portas que podem ser mapeadas para a matriz DS0. Ele possui
granularidade de 64 kbit/s, variando de 64 kbit/s a 2048 kbit/s. Circuitos externos Nx64K podem ser
criados combinando qualquer equipamento compatível.

Existem vários modelos de interface que permitem que o operador do sistema crie um circuito Nx64K. De
acordo com a organização da Ferramenta de Provisionamento, é possível dividir essas interfaces em três
diferentes grupos:

◦ Portas de entrega de dados Nx64K: fornece dados ao cliente final. Essas portas podem ter
somente um circuito configurado. Um link que contenha uma dessas portas não pode ser usado
como caminho para outro circuito.

◦ Portas Nx64K de transmissão de dados: transportam dados através da rede de acesso. Essas
portas podem ter mais de um circuito configurado. Assim, um link que contenha uma dessas
portas pode ser usado como caminho para outro circuito.

◦ Portas de mapeamento entre redes: serve como uma ponte entre duas redes de diferentes
níveis.

• Circuito E1: a taxa de transferência de dados do circuito é de 2,048 Mbit/s (bi-direcional simultânea,
2,048 Mbit/s para downstream e 2,048 Mbit/s para upstream). A estrutura da taxa de transferência de
dados básica é dividida em 32 timeslots. Um desses 32 timeslots (TS0) é reservado para propósitos de
framing e transmite alternadamente um padrão fixo. Outro timeslot (TS16) é frequentemente reservado
para propósitos de sinalização.

As características a seguir estão disponíveis na configuração de um circuito E1 através da ferramenta de


Provisionamento:

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 16 de 114


◦ CAS (Sinalização Associada ao Canal): o método de sinalização de telecomunicação que usa
informações de roteamento para direcionar a carga útil ao seu destino.

◦ CRC (Controle Cíclico de Redundância): código de detecção de erro. É possível realizar um


teste completo de redundância cíclica em todos os bits de cada estrutura para detectar se o
circuito está perdendo informações.

• Circuito NxVC12: a estrutura STM-1 (Módulo de Transporte Síncrono -1) é o formato de transmissão
básico para a Hierarquia Digital Síncrona (SDH). As estruturas STM-1 a seguir são suportadas pela
ferramenta de Provisionamento:

◦ estrutura VC-4 como Trail;

◦ estrutura VC-4 como Bearer e estrutura TUG-3 como VC-3 (VC-3 → TUG-3, 3xTUG-3 → VC-
4);

◦ estrutura VC-4 como Bearer e estrutura TUG-3 como VC-12 (3xVC12 → TUG-2, 7xTUG-2 →
TUG-3, 3xTUG-3 → VC-4).

Considerando uma porta STM-1 com estrutura VC-4 no modo Bearer e a configuração TUG-3 como VC-
12, a taxa de transferência de dados do circuito varia de 2,048 Mbit/s a 43,008 Mbit/s.

A próxima parte desta seção resume os principais passos para se configurar um circuito. Dividimos a
tarefa de configuração de um circuito em pequenas subtarefas, de modo que elas possam ser facilmente
exploradas. Durante a especificação de cada subtarefa, consideramos os três tipos de circuito
mencionados acima.

• Ends: use uma das seguintes opções para selecionar um end.

◦ Use o botão Search para realizar uma busca pelo equipamento desejado.

◦ Arraste o equipamento desejado e solte-o sobre o ícone do equipamento.

De acordo com a configuração dos ends, a ferramenta de Provisionamento classifica um circuito como
interno ou externo. Um circuito interno possui tanto o A-End quanto o Z-End configurado no mesmo
equipamento enquanto o circuito externo possui seus ends configurados em diferentes equipamentos.

Figura 9.A-End da aba de Configuration sem nenhum equipamento selecionado.

Também é possível abrir uma janela de configuração de circuito SDH/PDH com as informações dos ends
já carregadas, selecionando o equipamento desejado na visualização de topologia do NMS. Use o botão
direito do mouse para acessar o menu de pop-up e selecione Add SDH/PDH Circuit (Adicionar circuito
SDH/PDH) ou use o atalho Crtl + I. A janela de configuração do circuito SDH/PDH será exibida com os
equipamentos selecionados, configurados como ends.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 17 de 114


• Tipo de circuito: após selecionar os ends, o próximo passo é selecionar o tipo de circuito. Quando o tipo
de circuito é selecionado, a ferramenta de Provisionamento determina automaticamente as interfaces
mais adequadas e compatíveis com o tipo escolhido. De maneira similar, de acordo com o modelo de
interface selecionado na combo Slot de cada end, a ferramenta determina automaticamente o tipo de
circuito mais adequado. Contudo, a ferramenta não verifica se as interfaces selecionadas ainda possuem
portas disponíveis ou não. As opções a serem configuradas podem ser diferentes de acordo com o tipo de
circuito selecionado e modelo de interface. Essas opções serão descritas nas seções a seguir.

Figura 10.Tipos disponíveis de circuito fornecidos pela ferramenta de Provisionamento.

• Rate: para os circuitos do tipo Nx64K e NxVC12, é necessário especificar a taxa de transmissão do
circuito. Essa taxa determina a largura de banda do circuito. No caso dos circuitos Nx64K, essas
informações também podem ser selecionadas ao se alocar timeslots para um dado circuito (Consulte o
item 6. Configuração de timeslots). A largura de banda para os circuitos Nx64K varia de 64 Kbits/s (um
timeslots) a 2.048 Kbit/s (32 timeslots). A mesma informação para o tipo de circuito NxVC12 varia de
2.048 Mbit/s (uma estrutura VC-12) a 43.008 Mbit/s (21 estruturas VC-12).

• Slot: como mencionado no item ‘tipo de circuito’, ao configurar um tipo de circuito, a ferramenta de
Provisionamento elege automaticamente o modelo de interface mais apropriado. Contudo, é possível
alterar a seleção através da combo Slot. Para os três tipos de circuito mencionados anteriormente,
especificamos as interfaces que podem ser usadas para criá-los:

◦ Nx64K: E1, E3, STM-N;

◦ E1: E1, E3, STM-N;

◦ NxVC12: STM-N.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 18 de 114


Existem alguns pré-requisitos para o uso da interface STM-N na configuração de um dos circuitos
principais. A interface STM-N deve estar com a interface VC-4 no modo Bearer e a configuração TUG-3
no modo TU-12.

• Port: após a seleção de um determinado slot, é necessário configurar qual porta será usada pelo
circuito. A ferramenta de Provisionamento seleciona automaticamente a primeira porta. Contudo, o
operador do sistema pode alterar a seleção atual de modo que ele possa selecionar a porta mais
adequada.

Uma porta já mapeada pode ser usada por outro circuito enquanto a porta possuir pelo menos um
timeslot no caso do circuito Nx64K ou pelo menos um TU-12 disponível no caso dos circuitos E1 ou
NxVC12.

A Figura abaixo apresenta um exemplo de portas previamente mapeadas e os símbolos adotados para
representar cada tipo de mapeamento. Veja a seguir uma breve descrição dos símbolos de
mapeamentos:

◦ S=> : a porta foi mapeada como a fonte de um circuito unidirecional;

◦ =>S : a porta foi mapeada como o destino de um circuito unidirecional;

◦ <> : a porta foi mapeada em um circuito bidirecional.

Figura 11.Portas previamente mapeadas e os símbolos adotados para representar os tipos de


mapeamento.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 19 de 114


• KLM: A seleção KLM só é necessária na utilização de interfaces STM-N. O número de KLMs esperados
é definido pela taxa de transmissão. Ao selecionar uma estrutura TU que não esteja em conformidade
com a definição mencionada no item 4, uma mensagem informativa é mostrada, alertando sobre o
problema. O modo operacional da VC4_1 é definido como Trail enquanto a VC4_2 tem sua estrutura
TUG3_100 configurada como TU3. Tanto o modo Trail quanto a estrutura TU3 não permitem a seleção de
KLM.

Figura 12.Janela de Seleção de KLMs.

• Timeslot: esse passo só é necessário para os circuitos Nx64K. Ao criar um circuito Nx64K, abaixo da
combo Port, um botão TSs estará disponível. Pressionando-se o botão TSs, a janela de seleção TSs será
mostrada.

Através da janela de seleção TSs, é possível definir a taxa de transmissão de acordo com o número de
timeslots disponíveis. A ocupação da largura da banda pode ser verificada através de uma representação
gráfica dos timeslots para a porta selecionada. O status de cada timeslot deve ser interpretado de acordo
com a legenda.

A lista contendo as opções de taxa possui apenas valores de taxa aplicáveis. O operador do sistema
também pode decidir se ele deseja usar intervalos de tempo sequenciais ou não. A janela fornece uma
combo através da qual é possível se determinar individualmente o timeslot inicial para cada extremidade
do circuito.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 20 de 114


Figura 13.Janela Tss Selection.

• Proteção KLM: essa opção só está disponível na utilização de interfaces STM-N para configurar um
circuito dos tipos mencionados. A proteção KLM permite que o usuário selecione uma KLM de proteção
SNC, que será usada quando as KLMs principais falharem. Quando o usuário decidir usar a proteção
KLM, a ferramenta de Provisionamento apresentará a combo de modo que o usuário possa escolher o
tipo de SNC. Finalmente, depois de definir a SNC a ser usada, a ferramenta configurará a SNC
automaticamente. A Figura 14 ilustra a janela de seleção dos KLMs.

• A janela Interface Diagnostics, acessada através do bayface do equipamento (Fault > Interface
Diagnostics), possibilita ao usuário ver estados de portas, mapeamentos, proteções, e também disparar
testes para as portas e proteções configuradas. A cor dos LEDs nesta tela na seção de SNC Protection se
alteram para o caso específico em que eles estão em um mapeamento de um circuito com SNC. Nesse
cenário, quando houver a ocorrência de falha em uma das portas (Work ou Protection), a respectiva porta
será colorida com a cor vermelha (alarme CRITICAL). As demais cores que podem aparecer neste LED
seguem o padrão de cores de alarmes como descrito na seção 5.6 do manual de Operação geral.

• Características de proteção: para os tipos de circuito referidos, a ferramenta de Provisionamento fornece


as seguintes características de proteção.

◦ Proteção reservada (Nx64K): A proteção reservada permite que o usuário defina um caminho
de proteção reservada para o circuito atual. Durante a janela interativa, depois de se definir o
caminho principal do circuito, o usuário será solicitado a definir a proteção. Como caminho
principal do circuito, a ferramenta de Provisionamento controla a configuração relacionada ao
caminho de proteção, com o objetivo de evitar alterações na configuração que possam
prejudicar sua operação. O caminho de proteção só é ativado quando o usuário do NMS realiza
um swap de circuito. A figura 15 ilustra a caixa de seleção para o uso da proteção reservada na
configuração de circuitos Nx64K.

O uso da proteção reservada está restrito aos circuitos com ends em equipamentos distintos, a
característica não pode ser ativada com ambos os ends do mesmo equipamento.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 21 de 114


Figura 14.Proteção KLM disponível no uso de uma interface STM-N como
end do circuito.

Figura 15.Caixa de seleção da proteção reservada na janela de configuração do circuito


SDH/PDH.

▪ Proteção DNI (E1 e NxVC12): é possível configurar circuitos com proteção DNI. Contudo, os
equipamentos que interconectam os anéis devem ter suporte para o mapeamento com a função drop-
and-continue.

Após a definição do circuito, uma janela interativa é apresentada. Por meio desta janela, o operador do
sistema pode definir a configuração DNI. A primeira tarefa de configuração da proteção DNI é definir os
anéis. De acordo com a topologia da rede, a ferramenta de Provisionamento pode fornecer duas opções
de tipo de anel:

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 22 de 114


▪ SNC: Ao utilizar um anel SNC, é necessário selecionar os equipamentos que serão usados para
interconectar os anéis. O equipamento selecionado como Destino 1 definirá o caminho de trabalho no
SNC enquanto o equipamento selecionado em Destino 2 definirá o caminho de proteção. Depois que a
tarefa de seleção do equipamento tiver sido concluída, o operador do sistema deverá definir os caminhos
entre os equipamentos que compõe o anel SNC. Para configurar um caminho, pressione o botão direito
do mouse sobre a linha correspondente ao caminho desejado e escolha Config Path. Através de uma
janela interativa, o usuário seleciona os trunks e respectivos VCs/AU-4 a serem usados. As cores da linha
indicam se o caminho foi configurado ou não. A linha verde representa o caminho que já foi definido
enquanto a linha azul indica o caminho a ser definido.

▪ MS-SPRing: Ao selecionar o MS-SPRing, é necessário definir o MS-SPRing previamente configurado


neste anel. Após a seleção do MS-SPRing, deve-se escolher um AU-4 disponível. Finalmente, defina os
equipamentos primário e secundário para interconectar os anéis. O MS-SPRing fornece as seguintes
características (sua disponibilidade varia de acordo com a configuração do anel):

▪ End do circuito em primário: essa característica permite que o usuário selecione o equipamento primário
de um MS-SPRing como end para o circuito atual. Neste caso, durante a seleção do AU-4, somente um
equipamento deve ser escolhido.

▪ Reversão primária/secundária: Em topologias onde ambos os anéis são MS-SPRing, essa característica
permite que o operador do sistema mude entre os equipamentos primário e secundário no segundo anel.

Figura 16.Caixa de seleção da proteção DNI na janela de configuração do circuito


SDH/PDH.

Considerações relacionadas com a aba de configuração:

Esta seção tem por objetivo fornecer informações importantes sobre a configuração de circuitos,
considerando os três principais tipos de circuito. Discutiremos as configurações dos ends e links para os
circuitos mencionados. Também apresentaremos a janela de seleção de trunks e a proteção SNC. A
configuração dessa característica de proteção pode ser feita através da janela de seleção de trunks.

• E1: para criar um circuito E1 considerando ambos os ends configurados como portas físicas E1, as
seguintes opções estão disponíveis:

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 23 de 114


Configuração das portas do circuito Configuração das portas do link
E1 estruturado PCM30 usando CRC E1 não estruturado
E1 estruturado PCM31 usando CRC E1 não estruturado
E1 estruturado PCM30 usando CRC E1 estruturado PCM30 usando CRC
E1 estruturado PCM31 usando CRC E1 estruturado PCM31 usando CRC
end E1 estruturado PCM31 usando CRC
E1 estruturado PCM31 usando CRC end E1 não estruturado
E1 estruturado PCM30 sem CRC E1 estruturado PCM30 sem CRC
E1 estruturado PCM31 sem CRC E1 estruturado PCM31 sem CRC
E1 estruturado PCM30 sem CRC E1 estruturado PCM31 sem CRC
end E1 estruturado PCM30 sem CRC
E1 estruturado PCM30 sem CRC end E1 estruturado PCM31 sem CRC
end E1 estruturado PCM30 sem CRC
E1 estruturado PCM30 sem CRC end E1 não estruturado
end E1 estruturado PCM31 sem CRC
E1 estruturado PCM30 sem CRC end E1 não estruturado
end E1 estruturado PCM31 sem CRC
E1 estruturado PCM31 sem CRC end E1 não estruturado

Tabela 1.Configuração das portas do circuito e links para os circuitos E1.

As configurações dos links acima consideram links E1. Também é possível usar links estruturados E3 (um
E1C é automaticamente selecionado em ambos os ends). Nesse caso, a coluna ‘Configurações das
portas dos links’ refere-se ao E1C selecionado. Além disso, o usuário também pode criar um circuito E1
através do link SDH. Para realizar isso, o link SDH deve ter seus ends configurados de acordo com o item
4 da seção ‘Criação de circuitos’. Finalmente, a ferramenta de Provisionamento fornece a possibilidade de
se criar um circuito E1 usando as interfaces STM-N. Contudo, ao utilizar uma STM-N, a estrutura e os
modos CRC ficam indisponíveis. Além disso, existem restrições relacionadas com a configuração de
interface que devem ser seguidas (consulte o item 4 da seção ‘Criação de circuito’).

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 24 de 114


• Nx64K: a criação de circuitos Nx64K está restringida a equipamentos que possuem a matriz DS0.
Também é necessário que as interfaces configuradas em ambos os ends dêem suporte ao mapeamento
para a matriz DS0. No entanto, é possível criar um circuito Nx64K passando através de equipamentos
que não necessariamente possuam a matriz DS0. Para criar o referido circuito Nx64K, o usuário precisa
especificar um circuito E1 como um trunk no caminho. A Tabela 2 descreve dois exemplos da
configuração de circuito mencionada. A tabela encontra-se organizada da seguinte maneira: a coluna
‘equipamentos’ define os equipamentos e especifica se o equipamento possui ou não a matriz DS0. A
coluna ‘Topologia’ descreve a topologia da rede. As colunas ‘Circuito E1’ e ‘Circuito Nx64K’ detalham as
configurações dos circuitos E1 e Nx64K, respectivamente.

Equipamentos Topologia Circuito E1 Circuito Nx64K


X, Y com matriz Link 1: O link E1 no modo não Porta E1 b no equipamento Z Porta E1 e no equipamento Z
DS0 estruturado entre a porta E1 a no como A-End e porta E1 c no como A-End e porta E1 f no
Z sem matriz equipamento X e a porta E1 b no equipamento Z como Z-End. equipamento Y como Z-End.
DS0 equipamento Z. Descrição do caminho: Descrição do caminho: Link 1
ambos os ends no mesmo como primeiro trunk, circuito E1
Link 2: O link E1 no modo não equipamento. como segundo trunk e Link 2
estruturado entre a porta E1 c no como terceiro trunk. Taxa: 32
equipamento Z e a porta E1 d no timeslots.
equipamento Y.

X, Y com matriz Link 1: O link E1 no modo não Porta E1 b no equipamento Z Porta E1 e no equipamento Z
DS0 estruturado entre a porta E1 a no como A-End e porta EC1 g no como A-End e porta E1 f no
Z sem matriz equipamento X e a porta E1 b no equipamento Y como Z-End. equipamento Y como Z-End.
DS0 equipamento Z. Descrição do caminho: Link 2 Descrição do caminho: Link 1
como trunk. O mapeamento como primeiro trunk, circuito E1
Link 2: O link SDH (VC12) entre a entre a porta STM-N d do como segundo trunk. Taxa: 32
porta STM-N c no equipamento Z equipamento Y e a porta E1C timeslots.
e a porta STM-N d no g do mesmo equipamento é
equipamento Y. configurado
automaticamente.

Tabela 2.Configuração das portas do circuito e links para os circuitos Nx64K.

Nota: Considerações relacionadas com o primeiro exemplo.

É possível expandir o primeiro exemplo para considerar um número indefinido de equipamentos sem a
matriz DS0. Uma vez que o circuito Nx64K usa o circuito E1 como uma trunk, o número de equipamentos
associados ao circuito E1 é irrelevante.

• NxVC12: a ferramenta de Provisionamento permite que o usuário crie circuitos NxVC12. Os circuitos
NxVC12 devem ter interfaces STM-N configuradas em ambos os ends. Além disso, a estrutura VC4 da
interface STM-N deve estar no modo Bearer e a configuração TUG-3 deve estar no modo TU-12. Ambas
as configurações VC4 e TUG-3 podem ser realizadas através da janela Device Config (configuração do
equipamento). Consulte o manual do equipamento.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 25 de 114


• Janela de seleção interativa de trunks: ao criar um circuito externo (circuito com ends definidos em
equipamentos distintos), uma vez que a configuração do circuito tenha sido concluída, uma janela
interativa será mostrada. Através dessa janela, o operador do sistema deve escolher entre os trunks
disponíveis para definir o caminho do circuito. Quando o trunk não puder ser usado como parte do
caminho do circuito, seu nome aparece em itálico e uma breve descrição é apresentada na barra de
status da janela.

Existem duas interfaces para a seleção de trunks. A interface mostrada varia de acordo com o tipo de
circuito selecionado. Veja a seguir informações sobre cada modelo de interface:

◦ Seleção de trunk para circuitos N64K: permite que o gerenciador NMS selecione os timeslots
desejados de um link específico. Além disso, ao usar o link E3 como um trunk de circuito, uma
combobox é apresentada para permitir a seleção do E1C. Contudo, somente os links E3 no
modo estruturado podem ser especificados como um trunk de um circuito Nx64K. A Figura 17
ilustra o painel Next Trunk da janela de seleção de trunks para os circuitos Nx64K. No detalhe,
veja a combobox para a configuração da opção E1C do link E3.

Figura 17.Painel Next Trunk de um circuito Nx64K.

◦ Seleção de trunk para circuitos E1: para os circuitos E1, as configurações a serem definidas
diferem de acordo com o tipo de link. Para os links E3, é necessário definir um E1C (figura 17)
enquanto para os links SDH, a seleção de KLM é obrigatória (figura 18). Para os tipos de circuito
E1 e NxVC12, através da janela de seleção de trunks, o operador pode opcionalmente configurar
a proteção SNC. A proteção SNC permite que o usuário configure o caminho da proteção. Os
recursos de rede empregados pelo caminho de proteção são protegidos como ocorre com os
recursos do caminho de trabalho. O SNCP é um mecanismo de proteção associado às redes
óticas síncronas, assim, ele só estará disponível quando um link SDH for utilizado. Para
configurar o SNCP, pressione o botão ‘Open SNC’ (abrir SNC) e, ao concluir a configuração do
caminho de trabalho, pressione o botão ‘Close SNC’ (fechar SNC). A janela solicitará que você
configure o caminho de proteção. Depois que o caminho de proteção tiver sido especificado, a
ferramenta de Provisionamento conseguirá criar o circuito.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 26 de 114


Figura 18.Painel de configuração de trunks para um circuito E1 com o link
E3 selecionado como trunk.

Figura 19. Painel de configuração de trunks para um circuito E1 com o


link SDH selecionado como trunk.

Aba Device Config

A aba Device Config permite que o operador determine as configurações de rastreamento do caminho,
além disso, ao configurar um circuito E1, também é possível definir a configuração das portas E1 (quando
as portas E1 forem utilizadas). Como o circuito Nx64K não possui configurações de rastreamento de
caminho, esta aba não está disponível para esse tipo de circuito.

A criação de circuitos Nx64K com double tagging no TDM Channel é suportada tanto pelo
Provisionamento Automático, como pelo Provisionamento Interativo. Logo, devem-se selecionar os dois
equipamentos que serão ends do circuito Nx64K e clicar com o botão direito em um deles, selecionando a
opção “Add SDH/PDH Resource (Automatic)” no menu popup que abre. Outra opção é iniciar a janela a
partir do menu Tools->Provisioning.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 27 de 114


Abaixo, segue exemplo para circuitos do tipo Nx64k onde foi adicionada a funcionalidade de Double
Tagging para a placa 8GBE-IP utilizando o protocolo MLPPP.

Figura 20. Double Tagging para o protocolo MLPPP.

Aba Path

Esta aba apresenta os caminhos definidos para um dado circuito. As informações do caminho de trabalho
são sempre mostradas enquanto as informações sobre o caminho de proteção dependem da
configuração do circuito. Contudo, as informações nesta guia só são apresentadas uma vez que a tarefa
de criação do circuito tiver sido concluída, as informações são apresentadas posteriormente à criação do
circuito.

Nesta aba, a ferramenta de Provisionamento oferece a alternativa para forçar uma troca entre o caminho
de trabalho e o caminho de proteção. A ferramenta de troca permite que o usuário inverta os caminhos
manualmente, contudo, essa característica está disponível somente para os circuitos Nx64K com
proteção reservada e os circuitos internos que usam a proteção SNC (consulte a seção 'Criação do
circuito').

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 28 de 114


Figura 21. Aba Path com caminhos de trabalho e proteção de um dado circuito.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 29 de 114


Figura 22.Aba Device Config da configuração do circuito SDH/PDH.

Aba Comments

A aba Comments permite que o usuário inclua informações adicionais sobre o circuito atual. A aba
fornece cinco campos de texto, o tamanho de cada campo de texto está limitado em 250 caracteres. A
figura abaixo apresenta o painel de comentários da janela de configuração do circuito SDH/PDH.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 30 de 114


Figura 23.Painel Comments da janela de configuração do circuito SDH/PDH.

1.6.MS-SPRing

A ferramenta de Provisionamento NMS fornece suporte à proteção MS-SPRing. Como o MS-SPRing é um


mecanismo de proteção associado à hierarquia digital síncrona, ele só estará disponível quando links
SDH forem utilizados, esse mecanismo protege individualmente cada VC-4 do link SDH. O caminho é
estabelecido em dois tipos de circuito: um para tunelamento e o outro diretamente conectado aos VC4s
dos cartões tributários.

Após o MS-SPRing ter sido configurado, é possível criar circuitos protegidos pelo MS-SPRing. Ao criar
circuitos NxVC12 ou NxVC3, para tornar possível o uso da referida característica de proteção, é
necessário definir um túnel entre as estruturas VC-4 conectadas.

O anel SDH possui recursos de proteção que detectam falhas e comutam rapidamente o tráfego entre os
canais de proteção. Um anel pode usar caminhos de proteção dedicados onde cada caminho criado
possui seu próprio par de proteções no complemento do anel. Também podem ser usados caminhos
compartilhados, nesse caso, o mesmo caminho pode ser usado para trabalho e proteção. A norma ITU-T
G.841 define dois tipos de proteção por anel que utiliza caminhos compartilhados:

• 2 fibras: cada fibra do anel possui meia banda usada para trabalho e meia banda usada para proteção;

• 4 fibras: um par de fibras é usado para trabalho enquanto o outro par é usado para proteção. Essa
arquitetura permite a recuperação de tráfego para mais de uma falha do anel, pois permite a comutação
em arco e a comutação de anel.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 31 de 114


Tunelamento VC4

O tunelamento VC4 compreende a tarefa de criar um circuito VC-4 com estruturas TUG-3 configuradas
como VC-3 ou VC-12 entre duas interfaces conectadas. Depois que o túnel tiver sido definido, é possível
criar circuitos de nível VC-3 e VC-12 entre os equipamentos. Depois que as portas a serem usadas pelo
túnel tiverem sido definidas, a janela de configuração de interface é mostrada.

Figura 24.Tunelamento VC-4

Veja a seguir uma breve descrição sobre cada campo da janela:

• Current Device: equipamento que está sendo selecionado;

• Trunk name: para selecionar a proteção previamente configurada;

• Select AU-4: para abrir a janela de configuração do circuito que está dentro da proteção;

• Path: indica geograficamente a conexão entre os equipamentos que fazem parte do circuito.

Para abrir a janela de configuração do circuito, pressione o botão Select AU-4 (selecionar AU-4). Através
dessa janela, o usuário pode configurar os parâmetros relacionados à proteção.

Veja a seguir uma breve descrição sobre cada campo da janela apresentada na figura abaixo:

• 'AU-4 Selection'

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 32 de 114


◦ 'Initial Device': equipamento inicial do circuito;

◦ 'Last Device': último equipamento do circuito.

• 'Type'

◦ 'Protected': utiliza as estruturas VC-4 que estão sendo configuradas para proteção;

◦ 'NUT': utiliza as estruturas VC-4 que estão desprotegidas;

◦ 'Extra': utiliza as estruturas VC-4 de proteção.

• 'Direction'

◦ 'East': direção do circuito leste.

◦ 'West': direção do circuito oeste.

• 'AU-4 Number': selecione o VC-4 que será usado.

Figura 25.Configuração do circuito dentro da proteção.

Quando a configuração do circuito dentro do MS-SPRing estiver concluída, a janela interativa irá mostrar
uma representação gráfica do túnel (figura 25). Pressione o botão ‘Finish’ para concluir a configuração do
túnel. Os circuitos NxVC3 e NxVC12 podem ser criados e configurados para usar o túnel criado.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 33 de 114


Figura 26.Representação gráfica do túnel VC-4.

1.6.1. Busca MS-SPRing

A janela de buscas dos Ms-SPRings permite que o usuário NMS busque por uma proteção MS-SPRing.
Para abrir a janela de busca do MS-SPRing acesse Tools (ferramentas) – Search (busca) – MS-SPRing
ou clique com botão direito do mouse e selecione a opção View MS-SPRings (visualizar MS-SPRings).
Para listar todos os MS-SPRings configurados, clique no botão Search (busca). Também é possível usar
um dos filtros fornecidos para especificar as informações sobre o MS-SPRing desejado.

Figura 27. Janela de busca MS-SPRing

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 34 de 114


Veja a seguir uma breve descrição de algumas características da janela apresentada na figura acima:

• 'View Configuration': abre a janela de configuração;

• 'View Diagnostic': abre a janela de diagnóstico;

• 'View Circuits': mostra os circuitos configurados dentro do MS-SPRing selecionado.

1.6.2. Diagnóstico MS-SPRing

A janela de diagnóstico MS-SPRing pode ser acessada através do botão de visualização de diagnóstico
da janela de busca MS-SPRing. Através da janela de diagnóstico, é possível visualizar graficamente a
topologia da proteção e verificar a ocupação atual do circuito. Para verificar a topologia, acesse a aba de
visualização MS-SPRing, enquanto que para verificar a ocupação atual do circuito, acesse a aba de
ocupação do circuito.

1.6.3. Configuração MS-SPRing

Para estabelecer um MS-SPRing, é necessário possuir links entre os equipamentos que farão parte da
proteção. Depois de clicar com o botão direito do mouse no NE master (elemento de rede), a opção MS-
SPRing deve ser selecionada. Após, é possível configurar o tipo de anel e quais VC4s serão configurados
como NUT.

Veja a seguir uma breve descrição sobre os campos da janela de configuração do MS-SPRing.

• 'Identification' / ''Name: Nome do MS-SPRing (deve ser um nome único).

• 'Configuration'

◦ 'Type': tipo de proteção (2 fibras ou 4 fibras);

◦ 'SDH': hierarquia STM-4, STM16 ou STM-64;

◦ 'Wait to Restore': tempo de retorno.

• 'NUT Configuration': para selecionar os VC4s que ficarão desprotegidos.

• 'Topology' / 'Create': para abrir a janela de configuração da topologia.

Figura 28. Janela de configuração MS-SPRing.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 35 de 114


Figura 29. Janela de diagnóstico MS-SPRing – Aba de visualização MS-SPRing.

Figura 30. Janela de diagnóstico MS-SPRing – Aba de ocupação do circuito.

1.6.4. Configuração da topologia MS-SPRing

Ao criar um MS-SPRing, é necessário primeiro definir a direção de proteção, i.e. o caminho que passa
pelos links que correspondem ao anel. Para realizar isso, através da janela de configuração da topologia,
o operador NMS pode definir o caminho entre os equipamentos que estão associados à proteção.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 36 de 114


Figura 31. Janela de configuração da topologia do MS-SPRing.

Veja a seguir uma breve descrição de algumas características da janela:

• 'Topology': mostra o caminho entre os links.

• 'Current Device': mostra o equipamento atual.

• 'Next Link': permite que o operador do sistema escolha o próximo link.

• 'Next Device': mostra o próximo equipamento.

Uma vez que a configuração da topologia tenha sido concluída, a configuração do MS-SPRing é
apresentada. Através dessa janela, as configurações de proteção podem ser verificadas pelo gerenciador
NMS.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 37 de 114


Figura 32.MS-SPRing configurado.

1.7.Search Circuit

A ferramenta de Provisionamento permite que o operador NMS realize uma busca para um circuito
específico ou que liste todos os circuitos criados. A tarefa de busca pode ser realizada através da busca
do circuito SDH/PDH. Para abrir essa janela, acesse Tools (Ferramentas) – Search (Busca) – SDH/PDH
Circuits (Circuitos SDH/PDH), ou simplesmente clique no botão Search SDH/PDH Circuits localizado na
barra de ferramentas. A janela de busca fornece vários filtros que podem ser combinados para simplificar
a tarefa de encontrar um circuito específico, tendo três campos onde o usuário poderá criar a combinação
para a busca deste circuito.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 38 de 114


Figura 33. Janela de busca do circuito SDH/PDH.

 Primeiramente deve-se selecionar se sua pesquisa vai mostrar somente os circuitos que passam
pelo filtro criado (All fields below); ou se encontrando somente um campo dos três especificados
já é o suficiente (At least one field below).

 No primeiro campo da pesquisa, deve-se selecionar a forma pela qual vai ser efetuada a busca,
dentre as diversas opções possíveis, como nome, vendor, hostname, rate, etc.

 No segundo campo da pesquisa, seleciona-se o tipo de comparação, ou seja, se a informação


que será passada no terceiro campo deve ser igual, diferente, conter parte da informação, etc.

 No terceiro campo, dependendo da opção selecionada no primeiro campo, o usuário deverá


escrever o que ele deseja procurar, ou selecionar uma opção.

 Pode-se ainda incluir mais alternativas para a pesquisa de circuito, clicando no botão '+' ao lado
do terceiro campo. Para remover uma pesquisa, basta clicar no botão '-'.

 Para iniciar a pesquisa, clique sobre o botão 'Search', que realizará uma busca por todo o
ambiente do DmView pelas informações passadas anteriormente. Para que sejam exibidos todos
os circuitos presentes no DmView, clique sobre o botão 'Search All'.

No topo da janela, os filtros disponíveis são mostrados de acordo com a organização executada pelo
usuário. Na parte inferior esquerda, os resultados de busca são apresentados enquanto na parte inferior
direita são mostradas as informações principais sobre o circuito selecionado.

Selecionando o circuito, e clicando com o botão direito do mouse sobre o mesmo, a busca do circuito
SDH/PDH também dá acesso às seguintes funcionalidades:

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 39 de 114


• 'Circuit Configuration': através da opção de configuração do circuito, o gerenciador NMS possui acesso
direto à configuração do circuito selecionado na lista de circuitos recuperados (Consulte a seção 4).

• 'Circuit Diagnostic': dá acesso à janela de diagnóstico do circuito selecionado na lista de circuitos


recuperados (Consulte a seção 8).

• 'Circuit Highlight': ativa a característica de destaque do circuito selecionado na lista de circuitos


recuperados (Consulte a seção 7).

• 'View Circuits on this path': quando o campo path é descrito na criação do circuito, serão exibidos todos
os circuitos presentes neste path.

1.7.1. Highlight Circuit

A característica de destaque do circuito tem por objetivo a visualização de um caminho de circuito


específico na visualização topológica do NMS. Por meio dessa característica, o operador do sistema pode
identificar o caminho do circuito na topologia de rede. A figura 33 apresenta a visualização topológica do
DmView com a característica de destaque. Quando a característica de destaque é ativada, o nome do
circuito selecionado é exibido na visualização topológica do DmView. Para desativar essa característica,
pressione Occult Highlight (ocultar destaque), que fica ao lado do campo de texto onde o nome do circuito
é mostrado.

Figura 34.Campo de texto onde o nome do circuito é mostrado e o botão de desativação do


destaque.

Figura 35. Visão topológica NMS com a característica de destaque


ativada.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 40 de 114


1.7.2. SDH/PDH Circuit Diagnostic

A ferramenta de Provisionamento oferece mecanismos específicos para a realização da tarefa de


diagnóstico em circuitos.

Figura 36.Janela de diagnóstico do circuito SDH/PDH.

Através da janela de diagnóstico de circuito, o operador NMS pode verificar todas as informações
relacionadas à configuração do circuito. Ademais, também é possível verificar o status atual do circuito.
Ao monitorar os circuitos com proteção SNC, a ferramenta fornece informações detalhadas sobre o
caminho de trabalho atual. A partir da janela de diagnóstico do circuito, é possível acessar a janela de
configuração do equipamento de um dado equipamento. Assim, o operador do sistema possui acesso
direto à configuração de qualquer equipamento associado ao circuito.

A janela de diagnóstico do circuito pode diferir de acordo com o tipo de circuito. Apesar das diferenças, as
interfaces possuem as mesmas características básicas.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 41 de 114


Figura 37. Janela de correlação de circuitos.

A ferramenta de Provisionamento NMS gera eventos relacionados com os circuitos configurados. Esses
eventos, i.e. alteração no status do circuito e notificação de falha do circuito, são criados de acordo com
os eventos recebidos pelos equipamentos de rede. A ferramenta fornece um mecanismo específico para
gerenciar os eventos de provisionamento. O mecanismo pode ser acessado através de Tool (ferramenta)
– Events (eventos) – SDH/PDH Circuit (circuito). Nesse mecanismo, os eventos associados ao mesmo
circuito são correlacionados e normalizados. O mecanismo ainda possibilita criar filtros de eventos. Ao
criar um filtro de evento, somente eventos que correspondam ao filtro serão mostrados na janela de
‘correlação de circuitos’.

1.7.3. Verificação da Integridade do Circuito

A ferramenta de Provisionamento verifica os circuitos ativados com o objetivo de certificar sua integridade.
Caso uma configuração corrompa a operação do circuito, essa configuração é imediatamente detectada
pela ferramenta NMS. O status do circuito afetado muda para ‘Not Active’ e o respectivo equipamento
possui o alarme Circuit Mismatch (incompatibilidade de circuito) associado. Eventos são gerados para
reportar o problema. Os equipamentos com o alarme de incompatibilidade de circuito são indicados na
visualização de topologia pelo ícone de incompatibilidade de circuito. O ícone também está associado
com as localidades.

As configurações inconsistentes podem ser facilmente resolvidas através da janela de reativação de


configuração. Para abrir essa janela, acesse o bayface do equipamento e clique no ícone de
incompatibilidade do circuito. A janela de reativação de configuração descreve o problema atual
associado ao equipamento. O painel esquerdo descreve os erros de configuração que podem ser
automaticamente reativados enquanto o painel direito descreve os erros que devem ser reconfigurados
pelo operador DmView.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 42 de 114


Figura 38.Ícone de incompatibilidade do circuito associado a um equipamento.

Figura 39. Janela de recuperação de incompatibilidade de circuito.

1.7.4. Atualização da Topologia

O NMS permite que o usuário atualize a topologia SDH independente do número de circuitos ativos que
devem ser reconfigurados. Os equipamentos definidos em topologias de linha ou anel podem ser
removidos, bem como novos equipamentos podem ser adicionados. Em ambas as situações, a
ferramenta de Provisionamento tenta reconfigurar os circuitos automaticamente.

Quando uma atualização de topologia é solicitada, a ferramenta verifica quais circuitos serão afetados.
Antes de confirmar a atualização, é possível verificar a configuração resultante dos circuitos afetados. Por
exemplo, ao adicionar um novo equipamento, é possível verificar se a configuração do equipamento é
compatível com os circuitos existentes. Se as configurações forem incompatíveis, o alarme de
incompatibilidade de circuito será associado ao equipamento. Para finalizar a atualização da topologia, o
operador NMS pode usar uma janela de incompatibilidade de circuito para reconfigurar o equipamento.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 43 de 114


Através dessa janela é possível reconfigurar a topologia (links) e os recursos associados (circuitos) Na
aba ‘Links’, é necessário especificar as configurações para a criação de novos links. No painel ‘Link to be
Removed’ (link a ser removido), o usuário pode identificar a configuração antiga que será substituída
pelos links especificados no painel ‘Links to be Created’ (links a serem criados). A aba ‘Resources’
(recursos) apresenta os circuitos que serão afetados pela atualização. A legenda descreve o status do
recurso depois da realização do processo de atualização.

Figura 40. Janela de inserção de equipamento em topologia – Aba de configuração de links e


aba de configuração de recursos.

Não é possível inserir em uma topologia, um equipamento que já tenha circuitos configurados.

Ao inserir um equipamento em uma topologia existente, será necessário resolver o mismatch que irá
reconfigurar os circuitos nos equipamentos envolvidos na atualização de topologia.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 44 de 114


Da mesma forma que é possível inserir um novo equipamento em topologia, é possível remover um
equipamento. Para isso, clique com o botão direito em cima do equipamento a ser removido e selecione
'Remove device from topology'.

Figura 41. Remove device from topology.

A seguir será aberta uma janela exibindo na sua parte inferior os 2 links que serão removidos da topologia
(Links to be removed). Já na parte superior deverá ser informado o nome do novo link que será criado na
topologia (Link to be Created) em substituição aos links removidos. Após isto clicar em Ok.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 45 de 114


Figura 42. Remove device from topology.

Após selecionar, basta confirmar a remoção. O equipamento será removido da topologia e o circuito será
recriado usando o novo link.

Figura 43. Confirm remove device from topology.

Figura 44.Updating topology.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 46 de 114


1.8.Remove Circuit
Para remover circuitos de uma maneira mais simplificada, através da opção Tools → Provisioning →
Resources Operation, vai ser aberta uma janela onde é possível realizar esta tarefa, conforme a figura
abaixo:

Figura 45. Resources Operation.

Clicando sobre o botão Add vai ser aberta a janela de busca de circuitos, onde deve-se selecionar os
circuitos a serem removidos, e então clicar em “OK”:

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 47 de 114


Figura 46. Resources Operation – Search Circuits.

Após selecionado o circuito, volta-se para a janela resources operation, onde estará sendo exibido o
circuito selecionado, então seleciona-se no campo operation o tipo de remoção, Remove (deleta o circuito
do DmView e do Equipamento) ou Remove from NMS (deleta o circuito apenas do DmView), e pressione
o botão apply:

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 48 de 114


Figura 47. Resources Operation – Remove.

Se tudo foi executado de corretamente, a seguinte mensagem é exibida:

Figura 48. Circuito removido com sucesso.

No automático, somente os seguintes circuitos podem ser removidos:

- Nx64k

- Ethernet

- Epipe

- Nx2M (DM4650)

- DSL EFM (DM4650)

- Subtending (DM4650)

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 49 de 114


2. PROVISIONAMENTO AUTOMÁTICO

O provisionamento automático objetiva facilitar a configuração de circuitos no NMS automatizando o


processo mais custoso da função: a escolha do caminho.

2.1.Iniciando o Serviço
Para configurar circuitos utilizando o provisionamento automático é necessário iniciar o serviço de
provisionamento no servidor designado para esse fim (consultar manual de operação). A figura abaixo
mostra a mensagem de erro apresentada quando o serviço de provisionamento não foi iniciado.

FIGURA 49. Mensagem de erro quando o serviço de provisionamento não foi iniciado.

2.2.Configurando Circuitos
Circuitos são configurados através da janela Automatic Circuit Configuration que pode ser acessada pelo
menu Tools:Provisioning:PDH Circuit Configuration (Automatic) ou pelo menu de contexto Add PDH
Circuit (Automatic) de um equipamento selecionado no mapa. A interface no formato de wizard guia o
usuário no processo decisório sugerindo e validando as seleções a cada passo.

2.2.1.Passo 1: Resource Type


O primeiro passo é a definição do tipo de circuito que se deseja configurar, a figura abaixo mostra a
interface de seleção do tipo de circuito. O tipo selecionado definirá as portas disponibilizadas na seleção
das pontas do circuito no passo 2. Seleção do tipo de circuito desejado. São 6 opções:

 Nx64K (Circuit): circuito que visa realizar cross connection de timeslots 64k em interfaces TDM
estruturadas;

 Ethernet (Circuit): circuito deve ser criado entre placas H8GBE, entre portas VC12;

 Ethernet Tunnel (Trunk): utilização de trunk para passar circuitos Nx64K;

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 50 de 114


 Nx2M (Circuit): é um dos tipos de circuitos internos suportados sobre o equipamento DM4650,
criado através do provisionamento automático de recursos. Neste tipo de circuito um conjunto de
N canais TDM de 2M (PCM31 timeslots framed ou 32 timeslots unframed) são agregados em um
canal PPP através do protocolo MLPPP (Multilink PPP) e conectados a uma porta Ethernet.

 Subtending (Circuit): Subtending é um dos tipos de circuitos internos suportados sobre


equipamento DM4650, criado através do provisionamento automático de recursos. Neste tipo de
circuito são interligadas duas portas Gigabit Ethernet do IPSAN, que atualmente estão presentes
nos slots da MPU (duas portas) e da placa GPC (oito portas).

 DSL EFM Single Service: O DSL EFM Single Service é um tipo de circuito utilizado sobre a
tecnologia EFM (Ethernet in the First Mile), que permite o agrupamento de portas DSL físicas do
cliente para um determinado serviço identificado por algum dispositivo de VLAN.

Figura 50. Seleção do tipo de circuito.

2.2.2.Passo 2: Endpoints
O segundo passo é a definição das portas das pontas do circuito.

Para selecionar os equipamentos das pontas basta arrastar os equipamentos do mapa ou buscar os
equipamentos utilizando a janela Devices Search a partir dos botões Search nos painéis de cada ponta.
Quando a janela é acessada a partir da opção Add PDH Circuit (Automatic) do menu de contexto dos
equipamentos no mapa, os equipamentos são automaticamente carregados nos respectivos painéis.

Com o equipamento selecionado os slots e portas disponíveis são carregados nas respectivas caixas de
seleção. A caixa de seleção de portas é preenchida apenas com as portas válidas para a criação de
circuitos do tipo selecionado no passo 1 e na interface selecionada, portanto, a ordem correta de seleção
é Device:Slot:Port.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 51 de 114


Para selecionar portas VC-12 basta selecionar a porta STM desejada e duas novas caixas de seleção
serão disponibilizadas contendo os VC4 disponíveis e seus respectivos VC12, a figura abaixo mostra um
exemplo de seleção de porta VC-12.

As portas selecionadas definirão as taxas disponíveis para o circuito no passo 3.

Figura 51. Seleção das portas das pontas do circuito.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 52 de 114


Figura 52.Seleção de porta VC-12 em uma das pontas do circuito.

A configuração das portas selecionadas é validada antes de passar para o próximo passo, caso uma das
portas possua uma configuração inválida uma mensagem de erro é apresentada. A figura abaixo mostra
uma mensagem de erro disparada durante a validação das portas selecionadas.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 53 de 114


Figura 53.Mensagem de erro durante a validação das portas selecionadas.

2.2.3. Passo 3: Timeslots


O terceiro passo é a seleção da taxa do circuito e dos timeslots que serão utilizados nas portas das
pontas do circuito.

Na caixa de seleção da taxa do circuito estão disponíveis apenas as taxas possíveis em ambas as portas
selecionadas. Ainda nesse passo é possível definir se os timeslots utilizados no circuito devem ser
sequenciais ou não, essa decisão é válida para todas as portas no caminho do circuito.

A caixa de seleção do timeslot inicial permite o deslocamento dos timeslots selecionados para o circuito
no frame da porta da respectiva ponta.

A figura abaixo mostra a interface de seleção da configuração do circuito.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 54 de 114


Figura 54.Seleção dos timeslots nos frames nas portas das pontas do circuito.

2.2.4. Passo 4: Path


O quarto passo é a seleção do caminho que conecta as pontas do circuito.

Os melhores caminhos presentes na gerência NMS são descobertos automaticamente e apresentados na


caixa de seleção Chosen Path. Os caminhos são ordenados pelo custo total e pelo número de saltos
necessários, ou seja, os caminhos com a menor soma dos custos dos links que o compõe estarão no topo
da combo de seleção, em caso de empate na soma dos custos, o segundo critério analisado é o menor
número de saltos necessários para percorrer o caminho.

Além de encontrar os melhores caminhos a ferramenta também verifica a disponibilidade deles. Caso os
recursos do caminho não sejam válidos para a construção do circuito, este recebe uma indicação de
inválido. Caminhos inválidos sempre serão listados ao final da combo de seleção Chosen Path.

Ao selecionar um caminho na combo de seleção Chosen Path o mesmo será apresentado em forma de
mapa na parte central da janela. Caso o caminho seja inválido os recursos com problemas serão
destacados e apresentarão a incoerência na forma de tooltip.

A combo de seleção Paths permite ampliar a busca de caminhos para uma análise mais ampla da
topologia. Após selecionar uma opção na combo de seleção Path é necessário recalcular os caminhos a
partir do botão Update Paths.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 55 de 114


Figura 55.Seleção do caminho entre os equipamentos das pontas do circuito.

Figura 56. Seleção de um caminho inválido para o circuito.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 56 de 114


2.2.5. Passo 5: Endpoints Cofiguration e Path Configuration
Estas opções só serão habilitadas quando for selecionado a criação de um circuito do tipo Nx64K. A
opção Endpoints Configuration só é exibida quando forem utilizadas na criação do circuito, placas do tipo
H8GBE-IP; já a opção Path Configuration só será exibida mais informações quando for criado um circuito
Nx64K passando por um Ethernet Tunnel.

2.2.6. Passo 6: General


O quinto passo é a definição dos dados de identificação e de gerência do circuito.

O campo de texto do nome do circuito é obrigatório e deve ser exclusivo. Nos demais campos podem ser
selecionados valores previamente cadastrados. A figura abaixo mostra a interface de seleção dos dados
de identificação do circuito.

A partir desse passo é possível finalizar a criação do circuito, os demais passos são opcionais.

Figura 57. Interface de seleção dos dados de identificação do circuito.

Os valores selecionados nesse passo são validados antes de passar para o próximo passo ou finalizar o
circuito, caso uma incoerência seja detectada uma mensagem de erro é apresentada como mostra a
figura abaixo.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 57 de 114


Figura 58. Mensagem de erro durante a validação dos dados de identificação.

2.2.7. Passo 6: Comments


O sexto passo permite a definição de comentários para o circuito, a figura abaixo mostra a interface para
a configuração desses comentários. São permitidos cinco comentários livres por circuito, eles devem ser
preenchidos nos respectivos campos de textos.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 58 de 114


Figura 59. Configuração de comentários para o circuito.

2.2.8. Passo 7: Activation


O sétimo passo possibilita escolher uma ação a ser tomada após a finalização da configuração do
circuito.

É possível requisitar a abertura da janela Circuit Config View ou da janela Circuit Diagnostics View após a
finalização da configuração do circuito. A figura abaixo mostra a interface para seleção de uma ação.

A decisão tomada pode ser mantida para os próximos circuitos criados marcando a caixa de seleção.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 59 de 114


Figura 60. Seleção de ação que será realizada após a criação do circuito.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 60 de 114


3. RESERVA DE CIRCUITOS

A reserva de circuitos consiste na facilidade de criar circuitos de forma que os recursos do mesmo sejam
configurados apenas na base de dados do NMS, não sendo ativados na rede. Esta funcionalidade é útil
para a pré-configuração de circuitos, pois os recursos utilizados pelos circuitos reservados são tratados
na gerência como se estivessem ocupados na rede. Dessa forma, não é possível criar circuitos utilizando
estes recursos. Um circuito reservado é caracterizado pelo parâmetro Management Level, associado a
cada circuito. Os valores possíveis para este parâmetro são comissionado e reservado. Comissionado
corresponde ao circuito configurado na base de dados e na rede, enquanto o reservado fica configurado
apenas na base.

A operação de ativação de um circuito reservado na rede é simplificada, sendo necessário apenas alterar
o Management Level do circuito para realizar essa operação, trocando-o de reservado para
comissionado. Com esta operação, os recursos reservados na base de dados serão configurados na
rede. Da mesma forma, é possível desconfigurar um circuito da rede, mas preservá-lo na base de dados,
alterando o Management Level de comissionado para reservado.

3.1.Upgrade via relação Main/Alternative


Em situações de upgrade de circuitos, como por exemplo, aumento da banda utilizada, pode ser útil pré-
reservar a nova configuração do circuito, sem desfazer a antiga, e ativar a nova configuração na rede em
outro momento. O NMS facilita essa operação, permitindo que um circuito reservado seja relacionado a
um circuito comissionado existente na rede. Nesta relação, o circuito comissionado é denominado Main, e
o circuito reservado, Alternative. Ao configurar um circuito como Alternative de outro, é possível reutilizar
recursos do circuito Main no circuito Alternative. Isso é possível pelo fato do circuito Main estar na rede,
mas o Alternative apenas na base de dados. No momento de upgrade, o usuário simplesmente altera o
circuito Alternative de reservado para comissionado e ativa a nova configuração na rede. Nesse
momento, o antigo circuito Main é removido, liberando os recursos para serem utilizados pelo novo
circuito.

Não há nenhuma restrição nas configurações do circuito Alternative com relação as configurações já
existentes no circuito Main. Assim, essa funcionalidade pode ser usada nas mais variadas situações.
Além do aumento de banda, alterações no caminho do circuito ou mesmo em suas interfaces do end
podem ser realizadas dessa forma.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 61 de 114


Figura 61.Circuito reservado para upgrade.

3.2.Particularidades
O NMS não impede, na mesma gerência, de o usuário trocar o rate de um end de um link, desde que isso
não implique em erros no circuito (neste caso, é mostrada a mensagem "Invalid timeslot configuration.
This port is part of a circuit. Go to 'Circuit Configuration' in order to edit circuits."). Se uma alteração em
outra gerência, por exemplo, desconfigurar o circuito, é gerado mismatch, porém só em circuitos
Comissionados. Em se tratando de circuitos Reservados, as alterações que são reativáveis são “deixadas
de lado” na verificação de integridade, uma vez que quando o usuário resolver comissionar tal circuito, o
NMS efetuará as configurações corretas de modo que o circuito seja criado. As alterações não reativáveis
são indicadas normalmente tanto para os circuitos Reservados, manifestando-se o Mismatch.

Uma característica do provisionamento Nx64k (e, consequentemente, da reserva de circuitos) é a de que


os pré-requisitos definidos para a utilização de um link E1, como a igualdade das configurações de Rate,
CAS, CRC4, TS16 e Operation nas duas pontas podem ser alterados após a criação de um circuito.

3.3.Disponibilidade da reserva de circuitos


Circuitos Nx64k

 DM705 SUB, DMSTM-1 e DM705 CPU32

 Linha DM800, DM810

Circuitos E1

 DM705 SUB

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 62 de 114


 DMSTM-1

 DM705 CPU32

 Linha DM800: sem relação Main/Alternative

Demais tipos de circuito ainda não são suportados na ferramenta.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 63 de 114


4. IMPORTAÇÃO E MERGE DE CIRCUITOS

4.1. Importação de circuitos Nx64K e NxVC


A importação de circuitos do NMS consiste na descoberta de cross connection (Nx64K) ou mapeamentos
SDH (NxVC) configurados nos elementos selecionados, para posteriormente salvá-los em forma de
circuitos na base de dados.

O processo de importação baseia-se na varredura da matriz de cross connection ou mapeamentos SDH


dos elementos em busca de mapeamentos válidos que podem ser transformados em circuitos tanto
internos (começa e termina no mesmo elemento) quanto externos (passando por links em vários
elementos), sendo permitida a combinação de diferentes modelos de elementos suportados* para a
formação do circuito.

A vantagem de se transformar um mapeamento em circuito dentro do NMS é grande, pois a partir deste
ponto ele passa a contar com toda proteção da configuração, protegendo os recursos utilizados contra
erros de configuração que possam interferir na transmissão de dados. Além de contar com diversos
relatórios com informações de circuitos do NMS.

*São suportados atualmente elementos da série DM800, DM705-SUB(CPU64 e CPU128), DM705


CPU32, DM706 CS/CR e Custom nodes.

4.1.1.Tipos de Circuitos SDH/PDH Suportados


A importação de circuitos está disponível para os seguintes tipos de circuitos:

 E1

 E3

 Ethernet VC12

 Ethernet VC3

 NxVC12*

 NxVC3*

 NxVC4

*Não suportados no elemento DmSTM-1.

4.1.2.Importando um circuito SDH/PDH


O processo de importação de circuitos se inicia através do menu Tools:Provisioning:Import Circuits,
disponível na maioria das janelas do NMS, ou então pode ser iniciado pelo menu de contexto dos
elementos da Network Manager. Caso seja utilizado o menu de contexto dos elementos, a janela será
carrega pré-configurada com a escolha do local a serem buscados circuitos de importação configurada
para o elemento selecionado.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 64 de 114


Figura 62.Importação a partir do menu Tools.

Figura 63. Importação SDH/PDH a partir do menu de contexto.

Neste momento é exibida a janela Circuit Import, onde existem duas abas. A primeira aba é onde se
configura a máscara do nome de circuito atribuído aos circuitos importados, podendo-se acrescentar um
prefixo, que será igual em todos circuitos, e combinar ele com o nome do link das portas da ponta do
circuito(se existente), ou com o nome das portas do circuito(se cadastrados) para a formação do nome. A
escolha da opção Automatic atribui o nome Circuit1, Circuit2, Circuit3, sucessivamente aos circuitos
encontrados e também pode ser combinada com as opções anteriores. Também é possível configurar a
prioridade, o cliente e adicionar comentários aos circuitos.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 65 de 114


Figura 64. Identificação dos circuitos.

A segunda aba é onde se encontram as opções de localização, selecionando-se então onde será feita a
busca por circuitos a serem importados. A ação pode ser realizada das seguintes formas: podendo-se
escolher entre todos elementos da base, todos elementos de uma Location (note que a seleção de
elementos por Location não é recursiva), modelos específicos de elementos ou pela seleção individual.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 66 de 114


Figura 65. Seleção de elementos.

Após o preenchimento correto de todos os campos, pode ser iniciado o processo que fará a busca por
circuitos nas portas dos elementos pressionando-se o botão Import. Ao final do processo será exibida
uma janela, contendo a lista de todas as cross connection e/ou mapeamentos SDH coerentes
encontrados que podem ser convertidos em circuitos.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 67 de 114


Figura 66. Circuitos encontrados.

Nesta mesma janela pode-se filtrar quais dos circuitos encontrados que serão importados e quais não
serão, selecionando-se a coluna import das linhas desejadas. Ao serem selecionados os circuitos, no
quadro abaixo são exibidas informações sobre o cadastro, elementos, portas e timeslots pertencentes ao
novo circuito para conferência. Após feitas as escolhas, os circuitos podem ser importados a partir do
botão Import.

Outra possibilidade da janela de resultados dos circuitos encontrados, é a alteração do nome dos circuitos
encontrados antes de efetivar a importação dos mesmos. Para isto basta um clique duplo no campo name
da tabela para tornar editável o nome do circuito desejado.

4.1.3.Detalhes da Importação de circuitos NxVC


São varridas todas as portas que podem ser mapeadas em VCs no elemento, para cada porta são
realizados os seguintes testes:
 Verifica se a porta já não possui um circuito E1.

 Verifica se a porta está em um mapeamento SDH.

 Verifica se a configuração da porta está coerente.

 Buscar um link na porta para onde o VC está mapeado.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 68 de 114


 Checa se o próximo elemento da topologia está em pass-through.

 Verifica se a configuração da porta da outra ponta está coerente.

 Busca um tipo de circuito válido para ambas portas das pontas.

Ao final dos testes, é possível identificar possíveis circuitos tanto internos quanto externos.

As seguintes coerências não estão sendo feitas na importação:

 No DmSTM-1 não é verificado o operation das portas VC do agregado mapeadas para portas
VCG do TR-Ethernet.

 Não é verificada a configuração de Path-Trace entre as duas pontas do circuito NxVC


encontrado.

 Em ambos os casos o circuito pode ser importado, porém subirá com alarme de mismatch caso
alguma das coerências não bata. Nesse caso o usuário pode reativar o circuito e as coerências
serão corrigidas.

 Não é possível importar circuitos da interface Tr-STM1 internos ou entre interfaces Tr-STM1 pois
não é impossível identificar corretamente o rate dos circuitos configurados nessa interface
(análogo ao caso de circuitos Nx64 em pontas estruturadas).

4.1.4.Detalhes da Importação de Circuitos Nx64k


A Importação de circuitos Nx64k está disponível para elementos DM705 SUB(CPU64), DM705-CPU32,
DM706 CS/CR e equipamentos Custom. O processo de importação baseia-se na varredura da matriz de
cross connection dos elementos em busca de mapeamentos válidos que podem ser transformados em
circuitos internos ou externos, passando por vários elementos, sendo permitida a combinação de
diferentes modelos de elementos suportados para a formação do circuito.

Para que um mapeamento seja eleito para importação de circuito interno, os seguintes requisitos são
necessários:

 Porta inicial de entrega;

 A porta inicial e a que está mapeada(destino do mapeamento da porta inicial) não podem possuir
circuitos;

 Configurações entre as duas portas coerentes, incluindo o mapeamento de cross connection


entre elas;

 Porta destino precisa ser de entrega, ou de transporte sem possuir links válidos para criação de
circuito externo;

Um circuito externo será importado passando pelos elementos até que não sejam encontradas as
características abaixo dentro dos elementos:

 Supra os requisitos do circuito interno, com a seguinte ressalva. Exista um mapeamento de


circuito interno válido que termine em uma porta de transporte com link válido;

 Configuração entre as portas das pontas do link coerente;

4.1.5.Limitações
Nem todos os circuitos que podem ser criados manualmente pela janela Circuit Configuration podem ser
importados. As restrições são as seguintes:

NxVC

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 69 de 114


 No DmSTM-1 não é possível importar circuitos NxVC-12 e NxVC-3 da interface Tr-STM1 internos
ou entre interfaces Tr-STM1 pois não é impossível identificar corretamente o rate dos circuitos
configurados nessa interface (análogo ao caso de circuitos Nx64 em pontas estruturadas).

 No DM800, os circuitos Ethernet importados com LCAS não possuem a informação de


balanceamento correta. Neste caso é necessário que o usuário altere a configuração do circuito.

 Não é suportada a importação de circuitos nas topologias de DM800 misturado com DmSTM1 e
DM705 SUB.

As seguintes configurações não são suportadas:

 Ends BEARER,

 CCAT

 DNI

 Mapeamentos UNIDIR.

Nx64K

 Não é suportada a importação de circuitos que utilizam ambas pontas estruturadas (E1 < 32
canais, V.35 Framed e DSL), todos os timeslots habilitados e cross-conectados devem estar
cross-conectados contiguamente com uma porta de entrega. Os timeslots que não estiverem
cross-conectados devem estar com o valor FF ou em loop no caso do CPU32.

 Não são suportadas pontas de circuitos do tipo CESoP Bundle e IP-TDM.

4.2.Importação de Circuitos Nx2M/EFM


A importação de circuitos Nx2M e EFM se destina a importar esses tipos de circuitos em equipamentos
Ipsan (DM4650). Esses dois tipos de circuitos foram separados da opção 'Import SDH/PDH Circuits' pois
uma nova modelagem e um novo algoritmo de importação foram desenvolvidos para essa funcionalidade.
Dessa maneira o novo serviço de importação para esses dois tipos de circuitos funciona como um serviço
disponibilizado por um servidor de aplicação*.

As vantagens de se importar esses circuitos são as mesmas aplicadas aos outros tipos de circuitos, ou
seja, a proteção, a gerência e a geração de relatórios.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 70 de 114


Figura 67. Acesso à importação de circuitos.

Ao clicar com o botão direito do mouse sobre um equipamento Ipsan na janela Network Manager escolhe-
se a opção 'Import Nx2M/EFM Circuit'. Será exibida uma janela com duas abas, na primeira aba existe a
possibilidade de configuração de Customer, Priority e Comments, já na segunda aba é possível adicionar
mais equipamentos além do já selecionado para o processo de identificação.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 71 de 114


Figura 68. Janela ‘Circuit Import’ na aba Identification.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 72 de 114


Figura 69.Janela ‘Circuit Import’ na aba Device.

Na janela 'Circuit Import', após configurar os parâmetros desejados deve-se clicar no botão 'Import'. Uma
nova janela será exibida listando todos os circuitos identificados nos equipamentos selecionados. É
possível selecionar os circuitos que se deseja importar e a cada seleção também é possível visualizar as
suas configurações internas.

Após realizar essa seleção devemos clicar em 'Import'. Se a operação ocorrer com sucesso será exibida a
mensagem 'Circuits imported successfully', caso contrário será exibida uma mensagem contendo o
problema ocorrido.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 73 de 114


Figura 70.Janela ‘Circuits Imported’.

* Para utilizar a Importação de Circuitos Nx2M/EFM é necessário ter instalado e iniciado o serviço “NMS
Application Server”. Este é o serviço que manipula o Servidor de Aplicação JBoss.

4.3.Merge de circuitos SDH/PDH


O merge de circuitos Nx64k tem o objetivo de unificar n circuitos adjacentes, compatíveis e de mesmo
tipo em um único circuito fim-a-fim, sem alterar a configuração dos equipamentos, fazendo alterações
apenas no DmView.

Por adjacentes entende-se os circuitos que possuam uma ligação física ou lógica, como um link ou um
trunk entre algum de seus endpoints.

Por compatíveis entende-se pelas configurações entre seus endpoints que são adjacentes. Ambos os
endpoints adjacentes devem possuir as mesmas configurações para que sejam considerados
compatíveis.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 74 de 114


Por mesmo tipo entende-se que todos os circuitos a serem unidos devem possuir o mesmo type.

O processo pode ser iniciado através do menu Tools:Provisioning:SDH/PDH Circuit Merge, disponível em
grande parte das janelas do DmView. Para que o merge seja bem-sucedido, os circuitos a serem
unificados precisam ter no mapa os links previamente criados entre si para fazer a ligação entre as pontas
dos circuitos internos.

ATENÇÃO: Atualmente são suportados apenas circuitos do tipo Nx64K no merge.

Figura 71.Acessando ‘Circuit Merge’.

A partir da janela Circuit Merge, é possível acessar a opção Select Circuits ou Select Devices.
Selecionando a opção Select Circuits,o merge será executado a partir de circuitos selecionados.
Selecionando a opção Select Devices, o merge será executado a partir de seleção de equipamentos.

Figura 72.Janela ‘Circuit Merge’.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 75 de 114


4.3.1. Circuit Merge – Select Devices
A janela usada para o merge de circuitos, selecionando a opção Select Devices, é muito semelhante à
usada na importação. Existem duas abas: A primeira, assim como na janela de importação contém
informações de cadastro para os circuitos encontrados, tendo como única diferença a escolha do nome
do circuito. Outra diferença é a formação do nome com a opção Automatic, que será baseada no nome de
um dos circuitos que estiver sendo unificado.

Figura 73.Identificação do circuito.

A segunda aba da janela possui a mesma informação contida no caso da importação de circuitos, nela é
feita a seleção dos elementos a serem usados no Merge, podendo-se escolher entre todos elementos da
base, todos elementos de uma Location (lembrando que a seleção de elementos por Location não é
recursiva), modelos específicos de elementos ou pela seleção individual.

Após a escolha dos elementos e do preenchimento do cadastro do circuito, deve-se iniciar a busca
pressionando-se o botão Merge. Depois de executada a busca, será exibida a janela com os circuitos
encontrados, assim como funciona na importação de circuitos.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 76 de 114


Figura 74. Resultados do Merge.

Da mesma forma que na importação de circuitos, pode-se filtrar quais os circuitos que serão importados e
quais não serão, selecionando-se a coluna Merge das linhas desejadas. Ao serem selecionados os
circuitos, no quadro abaixo são exibidas informações sobre o cadastro, elementos, portas e timeslots
pertencentes ao circuito para conferência. Além disto, se pode obter as informações a respeito do novo
circuito criado na linha Circuits to merge. Se for deixado o mouse sobre a linha, é exibida a informação
sobre as pontas dos circuitos a serem utilizados. Após feitas as escolhas, os circuitos podem ser
unificados pressionando-se o botão Merge.

Para cada vez que o processo de Merge for executado, é salvo um arquivo de log na pasta \log do
diretório do DmView, com nome “merge_log_<DATA>.txt, no formato CSV utilizando ponto e vírgula como
separador. Neste arquivo serão registrados os nomes de todos os circuitos em que foi tentado realizar
merge, seu resultado e caso o merge tenha sido realizado com sucesso, a lista dos circuitos envolvidos.
Caso o merge não tenha sido executado com sucesso, informa a causa.

4.3.1.1.Limitações
 Não são unificados circuitos externos e internos. Isto é, são apenas unificados n circuitos que
são internos. Caso seja encontrado um circuito externo no conjunto de circuitos a serem
unificados, o merge termina antes dele.

 Não são unificados circuitos que possuam relação Main/Alternative com qualquer outro.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 77 de 114


 Não são unificados circuitos que possuam Management Level diferentes entre si.

4.3.2.Circuit Merge – Select Circuits


A janela usada para o merge de circuitos, selecionando a opção Select Circuits, possui duas abas: A
primeira (Circuit Identification) contém informações de cadastro para os circuitos encontrados. A segunda
aba (Circuit Selection) exibe os circuitos selecionados a partir do botão Add.

Figura 75.Circuit Merge – Select Circuits.

Ao clicar no botão Add, a janela de busca de circuitos (SDH/PDH Circuit Search) é exibida, assim pode-se
buscar e selecionar os circuitos a serem unificados.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 78 de 114


Figura 76.Selecionando circuitos a serem unificados.

Após a seleção dos circuitos a serem unificados, pode-se, então, pressionar o botão Merge para que
sejam encontrados, dentro do conjunto selecionado, os circuitos que dispõem dos requisitos para serem
unificados. É exibida uma janela relacionando os possíveis circuitos a serem unificados. Nela, é possível
verificar e selecionar os que devem ser de fato persistidos. Após selecionar os novos circuitos e confirmar
a operação, os circuitos selecionados ficam disponíveis para outras operações de gerência.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 79 de 114


Figura 77.Confirmando a unificação dos circuitos.

4.3.2.1.Limitações
 Não são unificados circuitos externos e internos. Isto é, são apenas unificados n circuitos que
são internos. Caso seja encontrado um circuito externo no conjunto de circuitos a serem
unificados, o merge termina antes dele.

 São apenas unificados dois circuitos por vez.

 A unificação de circuitos somente pode ser executada quando existe um link E1 entre os
circuitos (Não existe suporte para merge entre circuitos com trunk E1 ou link STM).

 Os timeslots das portas do link devem ser iguais.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 80 de 114


5. INTEGRIDADE DE CIRCUITOS

Todo recurso de provisionamento no DmView é gerenciado quanto à integridade de sua configuração.


Isso significa que o usuário tem conhecimento se um recurso configurado na base está realmente
configurado nos equipamentos. Isto é necessário pois, embora nas configurações de elemento, não seja
permitido ao usuário realizar qualquer alteração em uma configuração que faça parte de um recurso,
essas alterações podem ser feitas por fora da gerência central, por exemplo, através da interface Web do
elemento ou do próprio DmView.

Da mesma forma que o usuário é capaz de verificar através do NMS a integridade de um recurso, ele
pode saber também se um elemento possui alguma configuração inconsistente em relação aos recursos
que passam por ele. Os parâmetros que identificam estas situações são descritos a seguir.

5.1.Conceitos
O parâmetro que informa a situação da integridade de configuração de recurso chama-se Situation. Ele
pode assumir três possíveis valores:

ACTIVE - A configuração dos equipamentos está ok em relação a do recursos.

NOT_ACTIVE - Há inconsistência entre as configurações dos equipamentos e do recurso.

NOT_ACTIVE_PROTECTION - Usado apenas em circuitos Nx64K com proteção reservada. Nestes


circuitos, o caminho de trabalho está configurado na rede, e o de proteção, apenas na base. Quando o
caminho de proteção de um destes circuitos não pode ser ativado na rede, por possuir um problema de
configuração na rede que o NMS não é capaz de corrigir, o Situation do circuito é
NOT_ACTIVE_PROTECTION.

No caso do elemento, ele possui um parâmetro chamada Config Mismatch, cujos possíveis valores são:

OFF - Nenhuma inconsistência no elemento

ON - No mínimo um recurso possui inconsistência com relação à configuração do elemento.

5.2.Verificação de integridade e reativação


Um módulo de comparação elemento versus recursos é responsável pela atualização dos parâmetros
Situation e Config Mismatch. Este módulo é executado durante o polling do elemento, sempre que um
GET Config for realizado. Detalhes da execução deste módulo estão na próxima seção deste artigo.

Ao encontrar alterações nos parâmetros, são disparadas mensagens para módulos interessados, bem
como eventos notificando a alteração. Quando o parâmetro Config Mismatch de um elemento passa para
ON, o mesmo fica bloqueado para configuração no NMS. Ou seja, não é permitido abrir sua configuração,
e por conseguinte, ativá-la, bem como realizar qualquer operação sobre um recurso afetado por aquele
elemento.

O elemento bloqueado é exibido de forma diferenciada na Network Manager, Network Browser e bayface,
através de um ícone com um ponto de exclamação.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 81 de 114


Para desbloquear um elemento em ON, o usuário:

Pode editar os recursos com Situation NOT_ACTIVE naquele elemento, reativando-os ou removendo-os.

Pode clicar no símbolo de Config Mismatch no bayface, reativando automaticamente todos os trechos de
recursos com problema naquele elemento.

Após qualquer uma destas operações, é executado o módulo de comparação em todos os equipamentos
afetados, para que o Config Mismatch dos mesmos seja atualizado.

Existem casos de problemas que não podem ser reativados automaticamente pelo NMS. Quando um
elemento possui algum recurso com uma incompatibilidade deste tipo, a configuração não é bloqueada.
Assim, o usuário pode via configuração de elemento, corrigir as configurações erradas. Neste caso, o
usuário ainda pode usar a opção de remover o recurso. Ao abrir a configuração nessa situação as
informações de recursos não são carregadas, e portanto não são protegidas para visualização na
configuração do elemento.

Execução do módulo de verificação de integridade

A verificação de integridade é requisitada para ser executada pelo poller nos seguintes casos para um
elemento:

 Ativação de configuração no elemento;

 Reativação de configuração com mismatch no elemento;

 Reativação de circuito que passa pelo elemento;

 Remoção de circuito com situation = ACTIVE que passava pelo elemento;

 Inserção do elemento em topologia;

 Ao remover o elemento de uma topologia, no elemento e em todos demais equipamentos pelos


quais passam circuitos que passavam por este elemento;

 Ao importar circuitos para o elemento;

5.3.Verificação de mismatch
Quando ocorre o mismatch em um equipamento, há a probabilidade de que circuitos que foram
configurados nestes equipamentos previamente sejam perdidos, ou que causem problemas no
equipamento.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 82 de 114


Figura 78. Device Mismatch.

Caso existam opções que possam ser reativadas no equipamento, elas serão exibidas na janela de
“These resources can be reactivated”. Clicando sobre o campo o botão “Set config from NMS to device”,
as mesmas serão restauradas no equipamento.

O botão “Remove circuits from NMS...” o leva para a janela de remoção de circuitos, na qual basta
selecionar os circuitos a serem removidos do equipamento, selecionar no campo “Operation” se o circuito
deve ser removido somente da gerência, ou ser removido totalmente (caso ele seja removido totalmente,
este circuito não poderá ser mais importado). Ao final, clique sobre o campo “Apply.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 83 de 114


Figura 79. Resources Operation

5.4.Verificação de mismatch em remotos

Em equipamentos da família DM705 SUB, é possível verificar se existem mismatch em equipamentos


remotos ligados a ele. Para fazer esta verificação, deve-se através do mapa, selecionar o equipamento
sub, e clicar sobre o item View Remote Mismatch. Além disso, a resolução do mismatch (em alguns casos
apenas a remoção de um equipamento, em outros a remoção do equipamento e adição de outro)
precisará ser feita manualmente pelo operador via mapa.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 84 de 114


Figura 80. View Remote Mismatch.

Figura 81. Device Mismatch.

A janela acima, mostrará as informações sobre os equipamentos remotos, e a existência, ou não de


mismatch no equipamento.

5.5.Validação de Circuitos

 Portas de links devem estar habilitadas para que as mesmas possam ser utilizadas no caminho
de circuitos Nx64k.

 Portas de alta (E1, DSL, etc) devem estar habilitadas para que as mesmas possam ser utilizadas
como endpoints de circuitos Nx64k.

 Portas VC-12 devem possuir SDH Mapping para que possam ser utilizadas como endpoints de
circuitos Nx64k.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 85 de 114


6. PROTEÇÃO E1 M X N

6.1.Introdução
Este documento descreve o funcionamento da proteção M x N para interfaces E1, disponível nos
seguintes produtos:
 DM800-MPU2500, a partir da versão de firmware 4.
 DM705-SUB, a partir da versão de firmware 18.1.

O objetivo da proteção M x N para interfaces E1 é permitir que M interfaces E1 (denominadas interfaces


de trabalho) sejam protegidas por outras N interfaces E1 (interfaces de proteção).
Exemplo de aplicação na figura abaixo:

Figura 82. Exemplo de aplicação de Proteção E1 M x N entre DM705-SUB e DM880.

Neste exemplo, existe ligação direta entre as interfaces E1 dos dois elementos envolvidos na proteção.
Caso haja uma rede entre os dois equipamentos, é necessário garantir que o tráfego de E1 seja
transparente na rede para que o protocolo de proteção M x N funcione corretamente.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 86 de 114


6.2.Funcionamento da Proteção
Um dos equipamentos é configurado como master do grupo de proteção; o outro é slave. As decisões de
comutação são centralizadas no master, portanto a configuração de prioridade relativa entre as interfaces
E1 de trabalho é feita neste elemento.

Na situação inicial (sem alarmes), todos os canais de trabalho estão fornecendo serviço e os de proteção
estão em standby.

Ao detectar uma falha (PPI-LOS, PPI-LOF ou PPI-AIS), local ou remota, em alguma interface de trabalho,
o equipamento configurado como master escolhe uma interface de proteção e comuta o tráfego. Esta
decisão de comutação é comunicada ao slave através dos bits Sa do overhead do E1 de proteção. Ao
receber a requisição, o slave também comuta o E1 selecionado para a interface de proteção escolhida
pelo master. Dessa forma, o tráfego é restabelecido.

Quando a interface de trabalho for restaurada (alarme desabilitado), o master começa há contar o tempo
de retorno (caso o grupo tenha sido configurado no modo reversível). Ao final deste tempo, o tráfego é
comutado novamente para a interface de trabalho e a proteção volta para standby. No modo não
reversível, o tráfego volta para a interface de trabalho apenas com a ação do usuário.

Caso ocorram múltiplas falhas, o master concentra as decisões de comutação. Enquanto houver
interfaces de proteção em standby, todas as falhas são protegidas. Entretanto, quando todos os canais de
proteção estiverem ocupados, passa a ser levada em consideração a prioridade configurada para as
interfaces de trabalho. Prioridades com índice menor têm preferência sobre prioridades com índice maior.

Caso haja empate no quesito prioridade, será mantido protegido o E1 que tiver falhado antes.

6.2.1.Janela de diagnóstico de circuitos Nx64K

A proteção MxN define a existência de M portas que protegerão N portas work. Caso uma das portas
work falhe, uma das portas protection assume o tráfego. Esta informação de proteção não é estática
(qualquer uma das portas protection pode assumir o tráfego) e não pertence aos dados de configuração
do circuito. Ao apresentar a janela de diagnóstico de um circuito Nx64K deve-se portanto avaliar os
valores de status da proteção MxN para determinar qual o atual caminho que o tráfego do circuito está
percorrendo.

O diagnóstico de um circuito Nx64K que passa por uma proteção MxN deve levar em conta também
outras características, como o fato de um circuito extra (que é aquele que trafega pela proteção) por ser
preemptado para que um circuito que passa por uma porta work tenha seu tráfego atendido.

Existem três grandes situações que devem ser suportadas:

1) Quando um circuito passa por portas work de proteção MxN e os dados estão trafegando
corretamente.

Nesta situação é apresenta a informação de que esta porta é work de proteção MxN, ou seja, que esta
porta está protegida. Esta indicação é feita através da letra P dentro do led da porta protegida. Na parte
de parte da janela deve-se apresentar uma legenda para o usuário. A tela deve ser como a que é
apresentada abaixo:

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 87 de 114


Figura 83. M:N Circuit Diagnostic 1.

2) Quando um circuito passa por portas work de proteção MxN e o link work está em falha.

Nesta situação é apresenta o link em falha e, logo abaixo, é apresentado o link que assumiu o tráfego dos
dados. Conforme figura abaixo:

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 88 de 114


Figura 84. M:N Circuit Diagnostic 2.

Caso as portas de proteção que assumiram o tráfego formem um link que não está cadastrado no
DmView, a imagem deve ficar como é apresentado abaixo:

Figura 85. M:N Circuit Diagnostic 3.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 89 de 114


3) Quando um circuito passa por portas protection de proteção MxN, ou seja, trata-se de tráfego extra.
Neste caso apresenta-se as portas que fazem parte do circuito e, naquelas que são portas de proteção, é
colocada um “E”, para indicar que se trata de tráfego extra, conforme é apresentado abaixo:

Figura 86. M:N Circuit Diagnostic 4.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 90 de 114


A ativação de testes de proteção MxN pode ser acessada via a janela de diagnóstico de circuitos. Basta
clicar no painel que representa a porta que faz parte de proteção MxN, clicar com o botão direito e
acessar o diagnóstico de equipamento especializado em proteção MxN. Veja a imagem abaixo:

Figura 87. M:N Circuit Diagnostic 5.

6.2.2.Janela de diagnóstico de circuitos NxVC


Ao clicar com o botão direito sobre a porta que faz parte de um grupo proteção M:N, devem ser exibidas
as informações de proteção M:N presentes nas portas utilizadas pelo circuito. O texto da opção é M:N
Protection Status. Ao acionar esta opção, a janela de status da proteção será carregada com o grupo
correspondente ao grupo de proteção no qual a porta está configurada.

Existem 4 principais situações que devem ser observadas através da janela de diagnóstico de circuitos
NxVC. Cada uma destas situações é citada abaixo:

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 91 de 114


 Circuito passando pelo canal de trabalho em funcionamento

No caso de circuitos que utilizam um canal de trabalho da proteção M:N (considerando que o canal está
em funcionamento), o diagnóstico deve exibir o canal de trabalho com uma linha pontilhada, indicando
que o link está sendo utilizado para o tráfego. Além disso, as portas que fazem parte da proteção devem
estar sinalizadas com o símbolo P conforme a legenda situada na parte inferior da janela. Posicionando-
se o ponteiro do mouse sobre o ícone da porta, deve ser exibido um tooltip contendo informações sobre a
proteção ativa na porta. Neste caso, deve ser indicado que a porta é uma porta protegida M:N.

Nesta situação, caso a configuração do circuito tenha sido realizada corretamente e os links entre os
equipamentos estejam operacionais, o status do circuito deve ser normal (conforme pode ser visto na
figura abaixo).

Figura 88. Diagnóstico - Circuito passando pelo canal de trabalho em funcionamento.

 Circuito passando pelo canal de proteção (proteção não está ativa)

Circuitos que são criados utilizando os canais de proteção da proteção M:N são conhecidos como tráfego
extra. Atribui-se este termo, pois, caso algum dos canais de trabalho da proteção venha a falhar, o tráfego
do canal de proteção será interrompido para substituir o canal de trabalho que acaba de entrar em falha.
Sendo assim, é importante destacar que circuitos passando por portas de proteção M:N não são circuitos
protegidos. Esta informação pode ser verificada através do símbolo E que é colocado na porta. Da
mesma forma como para as portas de trabalho, as portas de proteção possuem um tooltip no qual a
informação sobre o tráfego extra deve ser exibida.

Nesta situação, caso a configuração do circuito tenha sido realizada corretamente e os links entre os
equipamentos estejam operacionais, o status do circuito deve ser normal (conforme pode ser visto na
figura abaixo).

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 92 de 114


Figura 89.Diagnóstico - Circuito passando pelo canal de proteção (trafego extra).

 Circuito passando pelo canal de trabalho em falha (circuito utilizando canal de proteção)
Circuitos que utilizam canais de trabalho M:N são protegidos. Desta forma, caso o canal de trabalho
venha a falhar e haja um canal de proteção disponível, ocorre um chaveamento do canal de trabalho para
o canal de proteção. Esta situação pode ser vista na figura abaixo a qual exibe o canal de trabalho
(indicado pelo símbolo P) e o canal de proteção que assumiu o tráfego do circuito. Neste caso a porta de
proteção não é marcada com o símbolo E, pois não se trata de um caso de tráfego extra.
Novamente, caso a configuração do circuito tenha sido realizada corretamente e os links entre os
equipamentos estejam operacionais, o status do circuito deve ser normal (conforme pode ser visto na
figura abaixo).

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 93 de 114


Figura 90. Diagnóstico - Circuito passando pelo canal de proteção (trafego extra).

 Circuito passando pelo canal de proteção sendo utilizado para proteger canal de trabalho
em falha
Conforme mencionado anteriormente, circuitos que utilizam canais de proteção M:N não estão protegidos
e recebem a nomenclatura de tráfego extra (indicado pelo símbolo E). Como a função das portas de
proteção é assumir o tráfego dos canais de trabalho em caso de falha, o tráfego das portas de proteção
pode ser interrompido para chaveamento do canal de trabalho. Esta situação não é visível através da
figura da janela de diagnóstico. No entanto, mesmo que a configuração do circuito tenha sido realizada
corretamente e os links entre os equipamentos estejam operacionais, o status do circuito deverá ser
crítico (conforme figura abaixo), tendo em vista que as portas de proteção foram chaveadas e estão
trafegando dados do canal de trabalho protegido.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 94 de 114


Figura 91. Diagnóstico - Circuito passando pelo canal de proteção sendo utilizado para
proteger canal de trabalho em falha.

6.3.Configuração dos Grupos de Proteção

É possível constituir 48 grupos de proteção no DM800 e 16 grupos de proteção no DM705-SUB. Todas as


interfaces E1 pertencentes a um grupo de proteção devem ser framed e ter a mesma configuração de
frame (número de timeslots, timeslot 16 com ou sem CAS, com ou sem CRC).

Para cada grupo, existem as seguintes configurações:


 Escolha das interfaces E1 de trabalho, numeradas de 1 a M (até 16);
 Escolha das interfaces E1 de proteção, numeradas de 1 a N (até 8);
Papel da máquina de estados do grupo de proteção (master ou slave).

Quando a máquina de estados do grupo for configurada como master, há as seguintes configurações
adicionais:
 Prioridades das interfaces E1 de trabalho;
 Modo de funcionamento da proteção (reversível ou não reversível);
 Tempo de retorno (aplicável apenas para modo reversível).

6.3.1.Janela de configuração – Proteção M:N

O acesso à janela de configuração da proteção M:N está localizado no menu Tools, opção Provisioning.
Após selecionar esta opção, o menu que é exibido contém o item M:N Protection Configuration.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 95 de 114


Figura 92. Janela de configuração da proteção M:N.

Ao acessar a janela pela primeira vez a aparência deve estar de acordo com a figura acima.
A janela de configuração possui os seguintes componentes:

 Painéis de seleção de ends: nestes painéis são selecionados os equipamentos que serão
configurados.

No painel de seleção de end, o usuário seleciona o equipamento, o grupo que deve ser configurado, o
papel do equipamento no grupo e as portas que devem fazer parte do grupo. Apenas equipamentos com
suporte a proteção M:N podem ser selecionados. Além disso, o mesmo equipamento não pode ser
selecionado em ambas as pontas da proteção.

Ao selecionar o equipamento, os componentes do painel são preenchidos conforme informações obtidas


a partir da configuração do equipamento. A opção de grupos é preenchida de acordo com o número de
grupos disponibilizados pelo equipamento. No caso de equipamentos da série DM800 o número de
grupos é 48 (1 - 48). Já para os equipamentos DM705-Sub o número de grupos é 16 (1 - 16). Nos casos
em que um grupo já possui configuração, o label (In Use) é exibido ao lado do número grupo.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 96 de 114


A seleção de função do equipamento na proteção está disponível apenas no painel A-End sendo ajustada
de forma automática no painel do outro end da proteção. Este comportamento evita que o usuário
configure ambos os equipamentos com a mesma função dentro da proteção. Apesar disso, a opção de
function permanece sendo exibida no painel do Z-End contudo, aparece sempre desabilitada.

O painel de seleção de end ainda disponibiliza a opção de utilização da informação de links para
configuração (Show only linked ports). Selecionando esta opção, serão exibidas apenas portas que
possuam link para o equipamento selecionado no outro end. Além disso, a seleção de portas passa a ficar
disponível apenas no A-End sendo a porta do Z-End selecionada automaticamente de acordo com a
configuração do link da porta.

 Painel de configuração do grupo: utilizado para incluir/remover portas da proteção.

O painel de configuração de grupo permite a inclusão e remoção de portas na configuração da proteção.


Além disso, disponibiliza ao usuário as opções de função e prioridade (prioridade apenas para portas com
funçãoWork) relacionadas a cada porta do grupo e permite alterar o valor de Wait to return do grupo.

Botões de ação da janela:

 New: atualiza a janela de configuração de modo que ele volte ao seu estado inicial. Caso existam
equipamentos selecionados, não remove a seleção e recarrega a informação de configuração
dos equipamentos com o objetivo de atualizar os dados exibidos;

 Save: salva a configuração do grupo. Nos casos de criação de um grupo não é possível salvar
uma config sem canais configurados. No modo de edição, a janela permite a ativação de um
grupo sem canais de proteção (ação que equivale a remoção de um grupo).

 Close: fecha a janela de configuração. Não faz verificações referentes a mudanças de


configuração ou nova configuração.

6.4.Status dos Grupos de Proteção


Para cada grupo de proteção, são disponibilizadas as seguintes informações de status:
 Para cada interface E1 de trabalho, o estado do link (ok / fail);
 Para cada interface E1 de proteção, o estado do link (ok / fail);
 Para cada interface E1 de trabalho, o estado do serviço (service / standby);
 Para cada interface E1 de proteção, o estado do serviço (service / standby); caso esteja em
serviço, é indicado o índice do canal de trabalho que está sendo protegido.

Caso seja detectada alguma incoerência no protocolo (erro de configuração entre os dois elementos),
será emitido um alarme. Um exemplo de incoerência seria conectar fisicamente o trabalho de índice 1 do
master no trabalho de índice 2 do slave. Outra inconsistência seria conectar fisicamente dois masters ou
dois slaves.

6.4.1.Janela de status – Proteção M:N


Para acessar a janela de status da proteção M:N é necessário abrir o bayface do equipamento, acessar a
opçãoFault e selecionar o item M:N Protection Status.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 97 de 114


Figura 93. Janela de status da proteção M:N.

A janela de status possui dois painéis principais:

 Painel de status da proteção: formado na sua maior parte pela tabela na qual a informação de
status da proteção é exibida;

 Painel de ativação de testes: painel no qual o usuário ativa/desativa testes da proteção.

A visualização do status da proteção é realizada da seguinte forma:

 Group: lista todos os grupos disponíveis no equipamento. Utiliza o mesmo label (In Use) da
janela de configuração para identificar grupos que estejam em uso (label é inserido ao lado do
número do grupo). Ao abrir a janela o primeiro grupo deverá vir selecionado. Caso o grupo esteja
em uso, suas informações devem estar carregadas na janela. Ao alterar a seleção de grupo, a
janela deverá ser atualizada com as informações correspondentes ao grupo selecionado. Da
mesma forma, a lista de testes deve ser atualizada exibindo apenas os testes disponíveis para o
grupo selecionado. Grupos que não estejam configurados não devem ter informações nem testes
disponíveis.

 Role: exibe a função do equipamento dentro do grupo selecionado. Caso o grupo não estaja
configurado, o campo deve ser exibido vazio.

 Advanced: habilitando está opção o usuário torna visível as colunas Tx e Rx da tabela de status
da proteção M:N.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 98 de 114


 Tabela de visualização de status dos canais do grupo de proteção: a tabela de status exibe as
informações de status para todos os canais configurados no grupo. Canais que não estejam em
uso não terão informação de status listada na tabela.

Ativação de testes:

 Lista Available Tests: lista todos os testes disponíveis de acordo com o grupo selecionado. Em
virtude da configuração dos canais utilizados, a lista de testes disponíveis é alterada tendo em
vista que cada canal de trabalho possui um conjunto de testes específicos.

 Botão Start Test: utilizado para iniciar um teste. Caso não haja teste na lista de disponíveis, o
botão deve aparecer desabilitado. Caso o botão seja acionado sem um teste selecionado na
lista, uma mensagem deve ser exibida ao usuário solicitando que seja selecionado um teste para
ativação;

 Botão Stop Test: utilizado para interromper a execução de um teste. Deve estar disponível
apenas em situações onde haja um teste em execução. Assim como o botão de start, caso ele
seja acionado sem um teste selecionado, deve ser exibida uma mensagem solicitando ao usuário
que selecione um testa para ser interrompido;

 Lista Running Tests: lista todos os testes que estão sendo executados para o grupo selecionado.

A atualização da janela é feita quando uma trap é recebida e, assim, gerado um polling automático no
equipamento ou quando é solicitado por um usuário, um polling manual no equipamento.

6.5.Testes dos Grupos de Proteção


É possível executar testes de comutação das interfaces de trabalho para as interfaces de proteção.
Para tanto, basta o usuário escolher, no master, o índice do E1 que se deseja chavear. A interface de
proteção será escolhida pelo equipamento conforme a disponibilidade, levando em consideração as
interfaces E1 já comutadas e suas prioridades.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 99 de 114


7. PROTEÇÃO EPS

7.1.Introdução
Dentre os diversos tipos de proteções disponíveis para os equipamentos DM800, a partir de uma versão
de Fw de acordo com sua MPU, a proteção EPS de placas E1 e E3 estará disponível para configuração.

Grupos de proteção podem ser configurados de forma priorizar a proteção de uma interface de trabalho
sobre outras.

Lista de versões de Fw a partir das quais a proteção estará disponível:

 MPU622 - Fw 8.0

 MPU10G - Fw 4.0

 MPU2500 - Fw 1.0

7.2.Configuração
A janela de configuração dos grupos de proteção pode ser encontrada diretamente pelo menu
Configuration:E1/E3 EPS Config na janela geral de configuração do equipamento.

Este frame deve conter um componente para a seleção dos grupos de proteção das placas (2 para placas
E1 e 2 para placas E3), um painel para configurações gerais do grupo e um componente para a escolha
das interfaces pertencentes ao grupo e sua respectiva prioridade de proteção.

Existe ainda uma peculiaridade na seleção das placas pertencentes aos grupos de proteção. Somente os
slots de 1 a 6 podem pertencer ao primeiro grupo de proteção das E1 ou E3 e somente os slots de 7 a 12
para o segundo grupo de proteção das E1 ou E3. Se tem assim uma divisão de grupos por uma
localização física do equipamento (lado esquerdo da MPU e lado direito).

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 100 de 114


Figura 94. Localização física das placas E1/E3 de acordo com os grupos de proteção.

7.3.Status
A janela de status contém, assim como na janela de configuração, um componente para a seleção do
grupo que se deseja visualizar, um painel com as informações de status gerais da proteção, um painel
com as informações de status de cada interface e um painel para a ativação dos testes.

Figura 95. EPS Status.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 101 de 114


Dentre os objetos de status gerais da proteção, tem-se:

 Protection Situation: valores possíveis Inactive ou Active.

 Protection Slot: valores possíveis none ou nome do slot protegido.

 Protection Status: valores possíveis No request, Force Protection, Manual Protection ou Lockout
Protection.

Para cada slot se tem os status:

 Active: valores possíveis Active ou Inactive.

 Line: valores possíveis Fail ou Ok.

 Locked: valores possíveis Locked ou Unlocked.

Existem algumas coerências quanto a ativação dos testes de proteção para um grupo. Essas coerências
dependem do tipo de teste ativo(se for o caso) e ainda do tipo de slot selecionado para ter o teste ativado.
De um forma sucinta, pode-se estabelecer as regras:

 Placas Work

 Os testes possíveis para as placas Work são Force Protection, Manual Protection e Lockout.

 Se algum dos testes Force Protection ou Manual Protection estiver habilitado para a placa Work
selecionada, não deve haver testes disponíveis para ativação.

 Se algum dos testes Force Protection ou Manual Protection estiver habilitado para alguma placa
Work do grupo, a placa selecionada só pode ter o teste Lockoutdisponível para ativação.

 Se a placa Protection estiver com o teste Lockout habilitado, somente o teste de Lockout é
possível para todas as placas Work pertencentes ao grupo.

 Placas Protection

1. O único teste disponível para a placa Protection do grupo é o Lockout.

2. Se existir um teste Force Protection ou Manual Protection ativado no grupo, nenhum teste pode
ser ativado na placa de proteção.

Os testes ativos são recuperados no início da abertura da janela ou após o pedido de ativação de um
teste. Contudo, o status da proteção e dos slots só será atualizado após a passagem de um novo Polling.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 102 de 114


8. MISMATCH DE CONFIGURAÇÕES SDH/PDH

8.1.Introdução
Além do mismatch de circuitos, apresentado no capítulo Integridade de circuitos, a partir da versão 9.5
existe o mismatch de configurações que identifica toda e qualquer configuração diferente entre o
equipamento e o DmView. Esta funcionalidade tem como objetivo alertar que foi feita alguma
configuração em equipamentos SDH/PDH acessando localmente o equipamento ou através de uma
gerência secundária, e assim, o usuário pode aceitar as configurações do equipamento ou reaplicar as
configurações que estavam salvas no DmView.

8.2.Permissões de usuário
Existem duas novas permissões de usuário utilizadas pela funcionalidade de mismatch SDH/PDH de
configurações, são elas:

• SDH/PDH Get on Configuration Mismatch: Permite ao usuário selecionar esta opção para aplicar
as configurações presentes no equipamento ao DmView. Caso esta permissão não esteja
habilitada para o usuário, a opção SDH/PDH Get on Configuration Mismatch ficará esmaecida.

• SDH/PDH Set on Configuration Mismatch: Permite ao usuário selecionar esta opção para aplicar
as configurações presentes no DmView ao equipamento. Caso esta permissão não esteja
habilitada para o usuário, a opção SDH/PDH Set on Configuration Mismatch ficará esmaecida.

Figura 96.Permisssões de usuário

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 103 de 114


8.3.Habilitando o mismatch SDH/PDH
A funcionalidade de mismatch de configurações SDH/PDH deve ser habilitada na janela Advanced
Configuration do DmView. Para acessar a janela Advanced Configuration, é necessária uma permissão
de usuário que pode ser consultada no manual de operação geral do DmView. Acesse “Application:
Application Configuration: Advanced Configuration”.

Figura 97. Advanced System Configuration

Clique duas vezes em cima do do item de configuração “Enable SDH/PDH Mismatch Configuration”, a
janela abaixo será exibida. Ative a funcionalidade marcando o checkbox, clique “OK” e depois “Save”.

Figura 98.Enable SDH/PDH Mismatch Configuration

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 104 de 114


Será exibida uma janela informando que é necessário reiniciar os serviços do DmView para que as
configurações salvas sejam aplicadas. Faça logoff do DmView, pare os serviços utilizando o atalho “Stop
Services” localizado no menu iniciar do Windows em “Start: Programs: DmView: Enterprise: Stop
Services”, inicie novamente utilizando o atalho “Start Services” localizado no menu iniciar do Windows em
“Start: Programs: DmView: Enterprise: Start Services” e faça login no DmView.

8.4.Funcionamento
Quando um equipamento é alterado por fora do DmView, via linha de comando ou página web, o
equipamento entra em mismatch no DmView e o ícone do equipamento é alterado para um símbolo de
alerta, como mostra a figura abaixo.
Ao abrir o bayface do equipamento, o símbolo de mismatch estará na parte de cima, ao lado do IP, DEV
ID e Serial No.

Figura 99.Mismatch ativado

Figura 100.Bayface com mismatch ativado

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 105 de 114


Após realizar um polling de atualização no equipamento, o mismatch é identificado e um arquivo de
backup é automaticamente gerado na janela Device Configuration Backup, guardando a configuração
atual do presente no DmView. Para acessar a janela, acesse “Tools: Backup/Restore Device
Configuration”.

Figura 101.Backup gerado automaticamente com as configurações presentes no DmView

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 106 de 114


Para visualizar qual foi a diferença de configuração identificada entre DmView e equipamento, abra o
bayface do equipamento e clique no botão com o símbolo de alerta de mismatch. Será exibida uma lista
de opções, conforme a figura abaixo.

Figura 102. Opções de resolução de mismatch

• Provisioning Mismatch: Quando habilitado, indica que existe um mismatch de circuitos no


equipamento, consulte o capítulo Integridade de Circuitos para maiores informações.

• Configuration Mismatch – View NMS Config: Ao selecionar esta opção, serão exibidas as
configurações presentes no DmView. Deve ser selecionado entre Device Configuration,
IP/Router Configuration, SNMP Configuration e NTP Configuration.

• Configuration Mismatch – View Network Config: Ao selecionar esta opção, serão exibidas as
configurações presentes no equipamento de rede. Deve ser selecionado entre Device
Configuration, IP/Router Configuration, SNMP Configuration e NTP Configuration.

• Configuration Mismatch – Set Config from NMS to Network: Ao selecionar esta opção, as
configurações presentes no DmView serão aplicadas no equipamento e o mismatch irá ser
resolvido, desaparecendo o ícone de alerta.

• Configuration Mismatch – Get Config from Network to NMS: Ao selecionar esta opção, as
configurações presentes no equipamento serão aplicadas no DmView e o mismatch irá ser
resolvido, desaparecendo o ícone de alerta.

Quando as opções “Configuration Mismatch – Set Config from NMS to Network“ ou “Configuration
Mismatch – Get Config from Network to NMS “ forem selecionadas, será uma exibida uma janela de
confirmação da operação, conforme o exemplo da janela abaixo.

Figura 103.Confirmação de aplicação de configurações do equipamento no DmView

Após a aplicação da configuração, uma nova janela de informação será exibida.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 107 de 114


Figura 104.Confirmação de configuração aplicada com sucesso

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 108 de 114


9. TRANSCEIVER MANAGEMENT

9.1.Introdução
A janela Transceiver Management permite visualizar e gerenciar os transceivers inseridos nos
equipamentos da linha DM800.
Além disso, ela permite realizar configurações para detectar desvios de sinal de potência ótica (incluindo
possíveis ataques de segurança na rede através de intrusão óptica).

Figura 105.Transceiver Management

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 109 de 114


9.2.Modelos e FWs suportados
Segue abaixo a lista de modelos de equipamentos e firmwares suportados pela janela Transceiver
Management:

• DM800-MPU2500-FW16;

• DM800-MPU10G-FW13;

• DM800-MX70-FW5;

• DM800-MPU622-FW19;

• DM800-MX30C-FW6;

• DM820-MPU622C-FW8.

9.3.Filtros
A janela Transceiver Manager permite filtrar os transceivers por:

• Slot: Exibe todos os slots que possuem portas STM e Ethernet presentes no equipamento.
Selecionando “All”, exibe todos os slots/portas STM/Ethernet do equipamento de acordo com os
outros filtros selecionados. Selecionando um slot específico, exibe somente as portas deste slot
de acordo com os outros filtros selecionados.

• Enabled/Disabled:

o Enabled: Quando marcado, exibe as portas habilitadas;

o Disabled: Quando marcado, exibe as portas desabilitadas.

• Present (with DD)/Present (no DD), Not Present:

o Present (with DD): Exibe as portas que possuem transceivers inseridos com suporte a
Digital Diagnostic;

o Present (no DD): Exibe as portas que possuem transceivers inseridos que não possuem
suporte a Digital Diagnostic;

o Not Present: Exibe as portas que suportam transceivers mas não estão inseridos.

• Rx Power Alarm: Alarm/No Alarm/Not Supported;

o Alarm: Exibe as portas que possuem alarme de Rx Power out-of-limits ativo;

o No Alarm: Exibe as portas que não possuem alarme de Rx Power out-of-limits ativo;

o Not Supported: Exibe as portas que não suportam alarme de Rx Power out-of-limits
ativo.

• Rx Power Monitoring: Enabled/Disabled/Not Supported:

o Enabled: Exibe as portas que estão com o monitoramento de Rx Power ativado


(checkbox “Enable Monitoring” marcado no painel Digital Diagnostic).

o Disabled: Exibe as portas que estão com o monitoramento de Rx Power desativado


(checkbox “Enable Monitoring” desmarcado no painel Digital Diagnostic).

o Not Supported: Exibe as portas que não suportam o monitoramento de Rx Power.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 110 de 114


9.4.Transceiver Information
As informações exibidas na tabela Transceiver Information são:

• Port: Exibe os slots/portas do equipamento que possuem transceivers de acordo com o filtro
realizado. Portas habilitadas têm essa coluna exibida em negrito.

• Transceiver: Exibe se o transceiver está presente e possui Digital Diagnostic (With DD), não
possui Digital Diagnostic (no DD) ou não está presente (Not Present).

• Laser Status: Exibe o status do laser/fibra ótica (Enabled ou Disabled).

• Transmitter: Exibe o status da transmissão de dados (OK ou Down).

• SDH Compliance Codes: Exibe os códigos de conformidade SDH.

• Max Case Temp (ºC): Exibe a temperatura máxima suportada pelo transceiver.

• Media: Exibe o tipo de mídia do transceiver (Optical/Eletric).

• Length (m): Exibe o tamanho máximo de fibra suportado pelo transceiver em metros.

• Wave Length (nm): Exibe o tamanho de onda de transmissão suportado pelo transceiver.

• Connector: Exibe o tipo de conector utilizado no transceiver.

• Serial Number: Exibe o serial number do conector de transceiver;

• Date Code: Exibe a data de fabricação do transceiver. Ex: 100715, 10 de junho de 2015.

9.5.Transceiver Digital Diagnostic


As informações exibidas na tabela Transceiver Digital Diagnostic são:

• Port: Exibe os slots/portas do equipamento que possuem transceivers de acordo com o filtro
realizado. Portas habilitadas têm essa coluna exibida em negrito.

• Transceiver: Exibe se o transceiver está presente com Digital Diagnostic (With DD), sem Digital
Diagnostic (no DD) ou não está presente (Not Present).

• Calibration: Exibe a calibração do transceiver. Pode ser Internal ou External para SFPs e Internal
para XFPs. Quando o transceiver não possui DD este parâmetro ficará vazio.

• Tx Bias Current (mA): Exibe a corrente de transmissão atual do transceiver. Quando o


transceiver não possui DD este parâmetro ficará vazio.

• Temperature (ºC): Exibe a temperatura atual do transceiver. Quando o transceiver não possui DD
este parâmetro ficará vazio.

• Tx Power (dBm): Exibe a informação de Tx Power do transceiver com 2 casas decimais. Ex:
5,67. Quando o transceiver não possui DD este parâmetro ficará vazio.

• Rx Power (dBm): Exibe a informação de Rx Power do transceiver com 2 casas decimais. Ex:
5,67. Quando o transceiver não possui DD este parâmetro ficará vazio.

Os parâmetros a seguir são exibidos apenas caso o FW suporte a configuração de monitoração e


alarmes de Rx Power out-of-limit (FWs listados na seção Modelos e FWs suportados):

• Rx Power Alarm Range (dBm): Exibe o range de Rx Power do transceiver, com Baseline e
Threshold. O primerio valor é o Baseline de Rx Power, é com base nele que o Threshold
(segundo valor) será aplicado (para mais ou para menos). Para atualizar o Baseline deve ser
marcado o checkbox “Update Baseline”, atualizando o valor de Baseline para igual ao valor
corrente de Rx Power do transceiver (exibido na coluna “Rx Power (dBm)”.

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 111 de 114


• Rx Power Alarm: Exibe se existe um alarme gerado pelo valor de range (Baseline +- Threshold)
configurado.

• Clear Alarm: Permite limpar o alarme da coluna Rx Power Alarm. O alarme Rx Power out-of-limits
nunca é limpo pelo próprio pelo próprio equipamento, mesmo que o valor mude para dentro do
range (Baseline +- Threshold) configurado. A ação de limpar deve ser sempre executada pelo
usuário. Caso após limpar, o valor siga fora do range, o equipamento ligará o alarme novamente.

• Enable Monitoring: Ativa o monitoramento de acordo com o valor configurado no Threshold.


Quando o checkbox “Enable Monitoring” é marcado, possibilita a configuração dos checkboxes
“Enable Alarm” e “Update Baseline”, além de permitir a configuração de um valor de Threshold.
Com o monitoramento habilitado, o equipamento também grava os valores de Rx Power a cada
6 horas. Esse histórico pode ser visualizado no relatório “SDH > Transceiver Rx Power History”
do portal Web.

• Enable Alarm: Esta configuração precisa estar habilitada para que um alarme seja gerado. Caso
o monitoramento esteja habilitado e esta configuração desabilitada, e o valor esteja fora do range
configurado, mesmo assim o alarme não será disparado pelo equipamento.

• Update Baseline: Ao marcar este checkbox, o range (Baseline +- Threshold) configurado será
atualizado com o valor atual de Rx Power (dBm). Ex: “Rx Power (dBm) = -9.00” e “Rx Power
Alarm Range (dBm) = -8,93 +-0.50”, ao marcar o checkbox “Update Baseline” e salvar a
configuração no equipamento, o Rx Power Alarm Range (dBm) ficará igual a “-9.00 +- 0.50”. O
alarme é disparado com base no valor de Baseline mais ou menos o Threshold configurado.

• Threshold (+/- dBm): O valor de Threshold é a variação permitida com base no valor de Baseline.
Quando o valor de Threshold é configurado para “1”, por exemplo, o valor de Rx Power (dBm)
pode variar “1” dBm para mais ou para menos em relação ao Baseline, sem disparar o alarme.
Caso o Rx Power varie mais que o “1” dBm em relação ao Baseline configurado, o alarme de Rx
Power out-of-limits será disparado e exibido na coluna Rx Power Alarm da porta (o checkbox
“Enable Alarm” deve estar marcado).

9.6.Configurando Thresholds
O valor de Threshold é a variação permitida em relação ao valor de Baseline.

O Baseline é o valor central do Rx Power Alarm Range (dBm) do transceiver. O valor de Baseline pode
ser atualizado para o valor atual de Rx Power (dBm) do transceiver marcando o checkbox “Update
Baseline” e clicando no botão “Save Configuration”. Após salvar a configuração, o valor central (Baseline)
do Rx Power Alarm Range (dBm) será atualizado para o valor atual Rx Power (dBm).

O objetivo de configurar um Threshold é identificar quando o valor de Rx Power (dBm) ultrapassa a


variação de dBm configurada, exibindo um alarme (checkbox Enable Alarm deve estar marcado) na porta
do transceiver.

Para configurar um novo Threshold que exiba um alarme na porta do transceiver, siga os passos abaixo:

1. Marque os checkboxes “Enable Monitoring” e “Enable Alarm”;

2. Configure o valor de variação permitida para mais ou para menos do Rx Power (dBm) no
Threshold. O máximo de variação permitido é de “2” dBm.

Quando o valor de Rx Power (dBm) ultrapassar a variação para mais ou para menos configurada no
Threshold, será exibido um alarme “Critical” na porta do transceiver configurada.

Quando o valor de Threshold é configurado para “1”, por exemplo, o valor de Rx Power (dBm) pode variar
“1” dBm para mais ou para menos em relação ao Baseline, sem disparar o alarme. Caso o Rx Power varie
mais que o “1” dBm que foi configurado, o alarme será exibido na coluna Rx Power Alarm da porta (o
checkbox “Enable Alarm” deve estar marcado).

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 112 de 114


Figura 106.Thresholds

9.7.Atualização das informações


A atualização das informações da janela Transceiver Management é realizada nas seguintes situações:

1. Abertura da janela;

2. Ao clicar no botão “Retrieve data from device”;

3. Quando a janela Transceiver Management estiver aberta, a cada 60 segundos;

4. Solicitação de polling no equipamento.

Figura 107.Transceiver Management update

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 113 de 114


Comercial: +55 51 3933-3000 – comercial@datacom.com.br
Suporte: +55 51 3933-3122 – suporte@datacom.com.br
www.datacom.com.br

204.0222.41 - DmView-10.4 - Manual de Gerencia PDH-SDH.doc - Página 114 de 114