Você está na página 1de 12

CHUC E A

PANDEMIA
COVID-19
Título

CHUC e a PANDEMIA COVID-19

Coordenação
Fernando J. Regateiro

Prefácio
Carlos Santos

Autores
Conforme lista de autores e contra-capa

Edição
Diário de Bordo

Todos os Direitos Reservados


© 2021 Diário de Bordo

Design Gráfico e Paginação


TotalForce, Lda.

Impressão
Procer, S.A.

1.ª Edição
Março de 2021

ISBN: 978-989-54923-6-7

Depósito Legal:

Diário de Bordo
Apartado 25
EC ERICEIRA
2655-999 ERICEIRA
FERNANDO J. REGATEIRO
COORDENAÇÃO

CHUC E A
PANDEMIA
COVID-19
ÍNDICE

prefácio
Carlos Santos 9

O CHUC e a pandemia COVID-19


razões para a escrita de um livro
Fernando J. Regateiro 13

CHUC
a instituição e os desafios da pandemia
Fernando J. Regateiro 17

O planeamento em contingência no CHUC


– pandemia covid-19
Francisco Parente, Cláudia Nazareth, Jacinto Oliveira 35

Modelo assistencial em tempo COVID


– CHUC primeira vaga
Francisco Parente 55

O Serviço de Doenças Infeciosas


na resposta à COVID-19
Saraiva da Cunha 71

O Serviço de Medicina Interna


na resposta à COVID-19
Armando Carvalho 81

O doente cirúrgico no CHUC,


em tempo de pandemia
Carolina Rodrigues, Francisco Maio Matos, Paulo Lourenço 95
Pandemia Covid-19 e insuficiência renal
um desafio para o Serviço de Nefrologia do CHUC
Helena Sá, Maria Helena Raposo,
Maria Teresa Mendes, Rui Alves 107

O DOENTE CRÍTICO
Medicina Intensiva na resposta a COVID no CHUC
Paulo Martins 119

A saúde mental e a intervenção


no tempo da pandemia
Horácio Firmino, Lígia Fonseca, Miguel Bajouco, Goreti Neves,
Vítor Santos, Graça Santos, Zulmira Santos, Célia Franco,
Joaquim Rodrigues, Fernanda Duarte, Nuno Madeira,
Mariana Moura Ramos, Fernando Gomes, Ana Dias 133

O medicamento no CHUC
e a entrega em proximidade,
em tempo de pandemia
José Feio 151

o Hospital Pediátrico
nA resposta à pandemia COVID-19
Guiomar Oliveira, Eugénia Morais, Manuel João Brito,
Fernanda Rodrigues, Ana Rosete 169

O departamento de Ginecologia, Obstetrícia,


Reprodução Humana
e Neonatologia do CHUC,
e a resposta à pandemia COVID-19
Maria do Céu Almeida, Fátima Negrão, Fernanda Águas, Isabel Bento,
Manuela Teixeira, Paulo Moura, Rosa Ramalho,
Teresa Almeida Santos 185

Resposta do CHUC à pandemia COVID-19


na área de enfermagem
Áurea Andrade 197
Organização e funcionamento laboratorial
para o diagnóstico de COVID-19
Vanda Mota, Gilberto Marques, Maria Lucília Araújo 207

O aprovisionamento e a gestão e logística


em tempo de pandemia
Sandra Sousa, Célia Cravo, Alexandre Santos,
Ricardo Mota, José Bronze 219

Os sistemas de informação no CHUC


e a resposta à distância, em tempo de pandemia
Rui Gomes 229

A saúde ocupacional no CHUC,


em tempo de pandemia
Isabel Antunes, Alexandre Afonso, Joana Silva,
Ricardo Silva, Vitor Pinheiro 243

Pandemia de COVID-19
a visão da Saúde Pública
e o relacionamento com o CHUC
João Pedro Pimentel 255

O CHUC
e a resposta da sociedade civil,
em tempo de pandemia
Zita Espírito Santo, Marta Bronze, Diana Breda 267

A comunicação em tempo de pandemia


Salomé Marques 281

Testemunhos
António Morais 297
Eugénio Cordeiro 303

ILAÇÕES
Fernando J. Regateiro 309

LISTA DE AUTORES 315


O CHUC e a pandemia COVID-19

razões para a escrita de um livro

Fernando J. Regateiro

Este livro tem como objetivo descrever e divulgar a resposta do CHUC à


primeira vaga da pandemia de COVID-19. Temos razões para o fazer?

A primeira das razões, para a escrita de um livro, consiste no motivo. E


temos, seguramente, um motivo forte: registar a resposta do maior centro
hospitalar do País a uma situação única como a pandemia de COVID-19,
escrita pelo punho de alguns dos profissionais do CHUC que, no terreno,
fizeram acontecer a resposta, nos termos em que aconteceu – competente,
robusta, serena e pronta. A escrita abrange, nomeadamente, o período
que decorre de 30 de janeiro a finais de junho de 2020.  

Sinalizo o dia 30 de janeiro, como início, porque corresponde à data em que


a OMS declarou a situação epidémica provocada pelo SARS-CoV-2, como
emergência de saúde pública. E porque, a partir daqui, ficou ainda mais
claro para os responsáveis pelo CHUC, o que já antes se previa – havia um
horizonte temporal muito breve e mandatório de um agir em antecipação,
até ao limite do possível, no que respeitava à identificação de necessidades,
ao planeamento das intervenções e à organização da resposta à pandemia.
De facto, logo a 12 de março, a COVID-19 chegou ao CHUC, com a
admissão dos primeiros casos.  

13
CHUC e Covid-19

Genericamente, o período abrangido pelo livro termina em finais de junho,


porque corresponde a um tempo em que a procura de cuidados hospitalares
por COVID-19 evidencia uma franca redução, é reduzido o número de casos
internados no CHUC, com vários dias sem doentes nos cuidados intensivos,
e a retoma assistencial de doentes não-COVID já se encontra em franco
desenvolvimento. É o final da primeira vaga. Posteriormente, registou-se
o recrudescimento da pandemia de COVID-19, com a definição de uma
segunda vaga e logo de uma terceira, matéria abordada no contributo da
Autoridade de Saúde Regional, para este livro.

No CHUC, a redução de casos não significou a desativação completa da


capacidade de resposta instalada para COVID-19. Foram mantidas em
funcionamento algumas estruturas específicas e os espaços e equipamentos
que retornaram para suporte da retoma da resposta a doentes não-COVID,
foram alocados a áreas assistenciais que poderiam rapidamente recuar, face
a um novo aumento da procura por COVID-19. Aliás, a ocorrência de uma
segunda vaga era, para nós, praticamente certa, o que o tempo veio a confirmar.

Uma segunda razão para a edição deste livro, reside na vontade de, com
ele, homenagear os profissionais do CHUC. Foram os profissionais do
CHUC, com o seu saber e experiência, com o seu profissionalismo e
sentido humano e de pertença, que fizeram acontecer a resposta pronta
e adequada que este livro reflete, no combate à COVID-19. Entre os
profissionais do CHUC, e face às circunstâncias adversas provocadas pela
pandemia, revelaram-se lideranças emergentes rapidamente reconhecidas
que, seguramente, serão chamadas a assumir responsabilidades acrescidas.

Foi um privilégio e uma distinção poder liderar, como presidente do


Conselho de Administração (CA), uma instituição como o CHUC, com
profissionais que sabem honrar a sua história, acrescentando-lhe prestígio
com a sua diferença – o mesmo é dizer com mais e melhor história, como
aconteceu nesta primeira onda da pandemia. Foi também um privilégio
liderar um Conselho da Administração, integrando a dra. Manuela Mota
Pinto e o dr. Carlos Santos, como vogais, o dr. Francisco Parente, como
diretor clínico, e a enf. Áurea Andrade, como enfermeira diretora. O seu
saber e experiência, a sua capacidade de decisão e maturidade emocional,
a sua lealdade e solidariedade, foram robustas e indeléveis marcas de água,

14
PANDEMIA

sempre, e em particular, no contexto de incerteza vivida durante a gestão


da pandemia de COVID-19 e, em antecipação, durante o planeamento e a
implemementação da resposta.

Uma terceira razão prende-se com o dever de transparência – o registo


escrito e a divulgação pública das decisões e das ações conducentes à
preparação e gestão da resposta à primeira vaga da pandemia é uma forma
definitiva de cumprir o dever de “accountability”, perante a comunidade
constituinte do CHUC, a população em geral e as demais instituições de
saúde. Os textos incluídos neste livro demonstram que não é excessivo
dizer que a estratégia de antecipação e prontidão seguida no CHUC foi
adequada, para termos uma resposta atempada, segura e eficaz. Não o
explicitar, seria falsa modéstia e seria também contrário à objectividade e
ao rigor por que pautamos o nosso agir.

Uma quarta razão para a escrita deste livro tem a ver com a pretensão de,
com a experiência gestionária, organizacional e clínica e com as vivências
humanas acumuladas, contribuirmos, para a promoção de melhores formas
de preparar os hospitais para enfrentarem novas ondas desta pandemia
ou de futuras pandemias. E para que, ao demonstrarmos e divulgarmos
os procedimentos adotados nas fases de preparação da resposta e de
atendimento, encaminhamento e tratamento dos doentes, possamos
sensibilizar outros para o cotejo de escolhas e processos.

Uma última razão é também um desejo – o de contribuir para o fomento


de um novo compromisso e de uma nova cultura que valorizem o
estabelecimento e a manutenção de uma reserva permanente nos hospitais
que, de forma ágil, possa ser mobilizada para responder a situações similares
à que foi gerada pela pandemia causada pelo SARS-CoV-2 (“preparedness”),
sem repercussões para outras áreas assistenciais, tão pesadas como as que
ocorreram durante a atual pandemia.

Finalmente, e ainda um desejo que também encontra sustentação em


algumas das experiências vertidas neste livro – que o fim da pandemia não
signifique uma retoma da atividade assistencial formatada pelo passado e
esmagada pela urgência de responder a demoras excessivas no acesso a
cuidados de saúde e a um número excessivo de doentes em lista de espera.

15
CHUC e Covid-19

Estamos perante uma realidade quantitativa e qualitativamente diferente


da existente antes da pandemia, pelo que se impõe uma resposta assente
em bases diferentes, em novos paradigmas. Sob a pressão da pandemia
foi necessário adotar novas abordagens ou aprofundar procedimentos
existentes que provaram a sua efetividade e segurança, como sejam a entrega
em proximidade de medicamentos de prescrição hospitalar obrigatória,
a realização de um número elevado de consultas não-presenciais, a
deslocalização para a proximidade da residência dos doentes de estudos
analíticos previamente prescritos, uma visão mais consolidada da valia da
integração de cuidados, a consagração do médico de família como gestor
do trajeto de saúde de cada cidadão e dos seus episódios de doença, a
valorização dos patamares de complexidade e de diferenciação da oferta
de cuidados hospitalares, com o acesso, encaminhamento e resolução das
situações de doença no patamar adequado.

A todos os autores que, generosamente, aceitaram enriquecer e valorizar este


livro com os seus sérios e densos contributos – como traçados e resultados
da sua ação e reflexão –, testemunho a minha sentida e profunda gratidão.

Ao Dr. Carlos Santos, presidente do CA do CHUC, com quem partilhei a


ideia da escrita deste livro, na sua génese, testemunho igualmente a minha
gratidão, pelo seu firme apoio e contributo.

Ao Dr. Francisco Parente, com quem, desde o início, partilhei ideias sobre
este trabalho, tributo indelével e sentido reconhecimento pelo seu robusto
e continuado apoio. Dele recebi judiciosas opiniões e valiosa colaboração,
sob diversas formas e nas diferentes fases da elaboração deste livro.

A todos um grande bem-haja.

Coimbra, 15 de fevereiro de 2021

Fernando J Regateiro

16