Você está na página 1de 4

Investigação

1.Histórico

1. M.A.O,sexo=Feminino, residente na cidade de Sobral foi admitida no setor de Emergência


Adulta, com quadro de Crise Asmática acompanmhada de Insuficiência Respiratória,
segundo relatos do Médico plantonista Dr Jeferson Ponte paciente entrou já no com quadro
de taquidispnéia grave acompanhado de cianose de extremidades, Sibilos difusos, freqüência
respiratória de 32 incursões por minuto. Foi realizado conduta médica de Hidrocortisona
500mg (segundo conduta de folha de emergência, berotec 10 gotas +3ml de soro fisiológico
a 0,9% e Rx .

Logo após isso Auxiliar Suelly Costa fez a diluição de 1 ampola de Hidrocortisona de
500mg acompanhado de 10 ml de água destilada e realizou também a infusão por aerossol
de 2 gotas de berotec acompanhado de 3ml de soro fisiológico, segundo a auxiliar fez 2
gotas de berotec e 3ml de soro(relato feito as 10:30 m do dia 07/04 deste mesmo ano).Já
hidrocortisona segundo seus relatos teria sido feito pela auxiliar de enfermagem Rosângela
que não confirma a história da administração em seus relatos colhidos.

Segundo relatos do Dr Jefferson a cliente 15 minutos depois da administração piorou seu


quadro geral entrando em gasping respiratória, entretanto não entrando em parada cardio
respiratória, chegou na alta complexidade, foi entubada, monitorizada ainda apresenta ritmo
e pulso, inserida em Ventilação Mecânica.

Pela administração do Berotec além de ser em pequena dose apenas 2 gotas em 3ml de soro
fisiológico não há relatos dos familiares do uso dessa droga pois já usou outras vezes,
segundo os relatos da irmã Antônia. Por conseqüência pela diluição da droga e por não haver
relatos de alergia é de pensar que a essa droga não poderia ter causado a reação.

2.Patologia Clínica

Insuficiência Respiratória

Segundo relatos do médico a cliente entrou com quadro de Insuficiência Respiratória

Quadro:Taquidispneica, fr=32 ipm, cianose de extremidades e Sibilos Difusos.

A insuficiência respiratória (IR) pode ser definida como a condição clínica na qual o sistema
respiratório não consegue manter os valores da pressão arterial de oxigênio (PaO2) e/ou da pressão
arterial de gás carbônico (PaCO2) dentro dos limites da normalidade, para determinada demanda
metabólica.

Padrões Respiratório

Adultos
15 a 20 irpm
Crianças pequenas
20 a 30 irpm
Lactentes
30 a 40 irpm
Pelo que nós podemos ver ela já chegou com um quadro de insuficiência respiratória grave, isto é, já chegou
com um quadro bem comprometido, isto é, de insuficiência respiratória grave.
3-Medicação Suspeita

A hidrocortisona é o principal glicocorticóide secretado pela córtex adrenal, e a terapia intravenosa


pode ser utilizada nos casos de emergência nos quais uma resposta rápida é necessária.
Atua como um bloqueador adrenérgico sobre a microcirculação antagonizando a vasoconstrição
produzida pela adrenalina e noradrenalina, as quais, podem levar ao estado de choque a uma
condição de irreversibilidade.
Nos choques causados por microrganismos Gram-negativos, a ação da hidrocortisona é de
inibir os efeitos das toxinas bacterianas sobre os capilares.
Através das propriedades antiinflamatórias e anti-anafiláticas a hidrocortisona diminui os
exsudatos e os fenômenos flogísticos atuando na regressão dos sintomas gerais, que
acompanham a infecção.
Além das propriedades glicoativas, possui propriedades mineraloativas, exercendo ação sobre
o aparelho cardiovascular, com efeito na restauração dos casos de colapso periférico.
A absorção da hidrocortisona, sob a forma de succinato sódico, é rápida, devido a sua alta
solubilidade e difusibilidade, o que permite a administração rápida de doses maciças de
hidrocortisona em poucos mililitros de diluente, tanto por via intravenosa quanto intramuscular.
Sua metabolização ocorre no fígado, sendo excretada na urina, conjugada principalmente como
glucoronídeos, em conjunto com uma pequena porção de hidrocortisona não modificada.

Contra-Indicações
Exceto quando empregado como terapia a curto prazo de emergência como em reações agudas
de sensibilidade, o produto, à semelhança de outros corticóides, é usualmente considerado
como sendo absolutamente contra-indicado a pacientes com queralite herpetiforme simples,
psicoses agudas e a pacientes com tuberculose pulmonar ou meníngea. Corticosteróides não
deverão ser administrados a não ser que os bacilos de tuberculose tenham demonstrado ser
sensíveis aos agentes antituberculosos que estão sendo empregados.
O produto deverá ser empregado com cautela nos casos de úlcera péptica, Síndrome de
Cushing, diverticulite, anastomose intestinal recente, osteoporose, insuficiência renal, tendências
tromboembolíticas, reações psicóticas crônicas, infecções locais ou sistêmicas, inclusive
vacínia e varicela, bem como moléstia por fungos e outras doenças exantêmicas.

Posologia e Modo de Usar

Apresentação de 500 mg de Cortiston®:


Para injeções intravenosa ou intramuscular, utilizam-se 4 mL água para injeção, estéril e
apirogênica ou Cloreto de sódio estéril, ao conteúdo de um frasco-ampola.
Para infusões intravenosas, preparar primeiramente a solução adicionando não mais que 4 mL de
água para injeção, estéril e apirogênica ao frasco; esta solução poderá, então, ser adicionada de
500 a 1000 mL (não menos que 500 mL) das seguintes soluções: soro glicosado a 5% (ou soro
fisiológico ou solução glico-fisiológica, se o paciente não se encontrar em restrição de sódio).
Após a reconstituição, o profissional da saúde deverá inspecionar cuidadosamente, antes de
sua utilização, se a solução no interior do frasco-ampola de vidro incolor está na forma líquida,
livre de fragmentos ou de alguma substância que possa comprometer a eficácia e a segurança
do medicamento. O profissional não deverá utilizar o produto ao verificar qualquer alteração
que possa prejudicar a saúde do paciente.
Para evitar problemas de contaminação, deve-se tomar cuidado durante a reconstituição para
assegurar assepsia.

Obs:Pelo que podemos ver a medicação segundo relatos foi diluído em 10ml de água destilada
caracterizando uma superdosagem vejamos quanto de miligramas por ml foi utilizado no evento.
Então:
N=C/v=N=500mg/10ml=50mg/ml=Temos então uma super concentração da droga como prega a
bula e especificações do fabricante

O certo era:
N=500mg/500 ml de SF 0,9%=1mg/ml de droga com um gotejamento controlado.

3.2.Berotec

Composição
Cada ml (= 20 gotas) contém:
bromidrato de fenoterol...................................................................................... 5,0 mg
Excipientes: cloreto de benzalcônio, edetato dissódico diidratado, cloreto de sódio, ácido
clorídrico, água purificada

O início do efeito broncodilatador de BEROTEC é rápido (na inalação, quase que imediato),
perdurando, em média, por 3 a 5 horas. Manter o medicamento em temperatura ambiente
(15°C a 30°C).

Indicações
- Tratamento sintomático de crises agudas de asma.
- Profilaxia da asma induzida por exercício.
- Tratamento sintomático da asma brônquica e de outras enfermidades com constrição
reversível das vias aéreas, por exemplo, bronquite obstrutiva crônica. Deve-se considerar a
adoção de um tratamento antiinflamatório concomitante para pacientes com asma brônquica
ou Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) que responda ao tratamento com
esteróides.
Reações adversas
Os efeitos indesejáveis freqüentes atribuídos a BEROTEC são leves tremores dos
músculos esqueléticos, nervosismo, cefaléia, tontura, taquicardia e palpitações. Pode
ocorrer hipopotassemia potencialmente grave com a terapia beta2-agonista. Como
com outros beta-miméticos, pode ocorrer náusea, vômito, sudorese, fadiga e
mialgia/cãibras musculares.
Raramente podem ocorrer casos de diminuição da pressão sangüínea diastólica e
aumento da pressão sangüínea sistólica, além de arritmias, particularmente após
doses mais altas. Em casos raros foram observadas irritações locais ou reações
alérgicas, especialmente em pacientes hipersensíveis. Como com outras terapêuticas
inalatórias, foram observadas, em alguns casos, tosse, irritação local e, menos
comumente, broncoconstrição paradoxal.
Em casos individuais foram relatadas alterações psicológicas sob terapia com betamiméticos.
Gotas
(1 ml = 20 gotas = 5,0 mg; 1 gota = 0,25 mg).
As doses devem ser adaptadas às necessidades individuais do paciente; os pacientes
deverão ser mantidos sob supervisão médica durante o tratamento.

Obs: O berotec por ser um droga que atua no sistema nervoso simpático causa efeitosesperados
como taquircardia, aumento da amplitude do pulso, hipertensão, por conseqüência poderia sim
causar a dispnéia no entanto a dose administrada foi muito pequena, além do que não existe
histórico de reações alergênicas anteriores.

1gt=0,25mg=0,5mg=0,005gx0,003=0,000015 g de droga inalada, quantidade ínfima.

2gts=x
Através disso poderemos pensar duas alternativas:
1) Foi devido a uma superconcentração da droga pela qual foi infundida causando aumento do
quadro de insuficiência respiratória vindo a ter fadiga respiratória e posterior gasping
respiratório.
2) Clliente entrou em fadiga respiratória não por causa da droga, mas sim pelo seu quadro
respiratório comprometido vindo a entrar em gasping pela dispnéia que já era grave
3) Como vemos a droga que foi inalada foi muito ínfima não havendo histórico anterior reação
alergênica pelo fármaco já havendo uso da mesma droga antes.