Você está na página 1de 6

Dicas de Malas e Bagagens

Posted on 03-9-2006 by Arnaldo Interata | 11 Comments

• Use malas com rodinhas (quanto menos aparentes as rodinhas, mais embutidas,
mais duráveis serão as malas).
• Evite malas com rodízios fraquinhos e pés plásticos muito proeminentes. Eles
quebram-se facilmente.
• Seja light: use embalagens pequenas para artigos de toalete.
• Use cadeados com segredos (os de chave serão inutilizados caso sua bagagem
necessite ser aberta pela segurança de aeroportos e vc. chegará com suas malas
abertas)
• Verifique se os hotéis dispõem de secadores de cabelos e ferro elétrico.
• Nunca despache valores, jóias, remédios e câmeras. Carregue-os na mala de
mão.
• Em princípio, se não puder carregar todas as suas malas você mesmo, pense na
possibilidade de não encontrar carregadores em hotéis, estaçãos de trêm e
ônibus. Estando sozinho, pense na possibilidade de carregar apenas aquilo que
você mesmo consiga transportar.
• Mais do que nunca as Cias. aéreas estão exigindo que as bagagens tenham peso
e medidas determinados, especialmente aquela que embarcará com você na
cabine. A soma das dimensões (altura, largura e comprimento) dessa bagagem
não pode ultrapassar 115 centímetros e seu peso não pode exceder 5 quilos.
• Consulte os sites das Cias. aéreas e verifique os tipos e dimensões das bagagens
que podem ser despachadas sem custo.
• A gratuidade de bagagem despachada é de 2 malas de 158 cm e 32 kg por
passageiro, em vôos internacionais e de 23 kg para cada uma das 2 malas, em
vôos domésticos (inclusive no exterior)
• Use identificadores de bagagem (dois para cada mala, no mínimo) e fitas
coloridas (preferencialmente de duas cores em cada mala) para distinguir sua
bagagem facilmente.
• Recomendo o uso de cintas protetoras que “abraçam” as malas, como segurança
contra abertura acidental dos fechos.
• Ponha em apenas uma mala todas as compras feitas no exterior, o que facilitará a
sua vistoria ao passar por alfândegas. Guarde todos os recibos de compras dos
produtos para comprovação eventual ao regressar ao país e ter sua bagagem
verificada pela polícia aduaneira.

Gabarito para medir mala para interior de avião.

• Você pode despachar quantas malas desejar, de até 32 Kg cada, em viagens


internacionais, ao custo de US$ 80,00 por mala. Toda mercadoria despachada
em caixas e embalagens pagará preços diferenciados (e bem mais caros),
calculados segundo critérios de “carga”, não de bagagem.
• Uma mochila dessas de trekking é muito útil para usar durante os passeios que
fizer, em viagem. Nela você pode botar pequenas compras que fizer durante o
dia, equipamento fotográfio, guias, mapas, etc. Evite carregar muito e pense
light quando for colocar o conteúdo de sua mochila, porque ao longo do dia
excesso de peso pode detonar sua coluna. Recomendo o uso de um pequeno
cadeado (com segredo, não com chave) no fecho da bolsa principal.
• Leve uns sacos plásticos auto-selantes, tipo Zip-loc. Tenho certeza de que você
os achará muito úteis.
• Travesseiro? Eu não tenho vergonha de carregar um, daqueles leves e mais
finos, de espuma! NADA melhor do que uma noite bem dormida.
• Canivete suíço e/ou mini-kit de ferramentas de viagem (multi-tool). Evite
qualquer tipo de ferramenta ou canivete que possa assemelhar-se a uma arma.
Isso é óbvio em viagens aéras porque vc. Sequer embarca até com tesourinha de
unhas, mas em viagens internacionais de trem, na Europa, por exemplo, isso
pode ser um problema em checagem de bagagem de mão ao se cruzar fronteiras,
por exemplo.
• Abridor de latas/garrafa múltiplo, o mais leve possível.
• Calço de borracha para porta (pode parecer besteira, mas dependendo do lugar
onde você estiver hospedado ele será uma ótima trava de segurança.
• Brindes: leve canetinhas, CDs, chaveiros e tudo mais que você puder imaginar,
se tiver que presenteara alguém. Funciona muito bem com porteiros de hotéis,
recepcionistas, camareiras, motoristas, guias e, especialmente, com crianças.
• Chaves de casa (para não ficar na rua na volta pra casa!).

Como arrumar malas

Ponha os objetos mais pesados no fundo da mala, onde ficam as rodinhas. Sapatos,
eletrônicos, necessaire, etc;
Levando mais de uma mala, ponha apenas roupas numa e calçados, eletrônicos, mini-
farmácia, cosméticos, necessaire, adaptadores de tomadas, pilhas, equipamento
fotográfio (exceto a câmera), etc, separadamente das roupas;

No fundo da mala bote calças de maneira a que ocupem toda a superfície do fundo,
arrumando de maneira a que a cintura de uma coincida com as pernas de outra. Eu não
recomendo dobrar no meio a ropua, e sim extendê-la ocupando o máximo do fundo da
mala, dobrando apenas o que sobrar;

Acima dessas, camisetas e bermudas, shorts e roupas que pesem mais e amassem
menos;

Distribua as roupas tentando ocupar toda asuperfície da mala;

Depois de botar as ropuas acima (as mais pesadas e que amarrotem menos) passe o
elástico sobre elas para fazer uma nova camada de roupas;

Camisas e camisetas, blusas, saias eu recomendo que sejam postas ma a uma em sacos
plásticos transparentes. Na hora de vc. pegar a roupa será muito mais fácil encontrá-la.

À medida que for tendo que re-arrumar a(s) mala(s), ponha as roupas sujas no fundo da
mala. Tire todo o conteúdo dela e distribuas as roupas abertas, sem dobrar, ocupando o
máximo possível da área útil da mala e depois feche por cima da última peça de roupa
suja o elástico divisório, arrumando acima dele o restante da roupa limpa, da mesma
maneira que arrumou da primeira vez;

casacos, paletós e capas devem ser abotoados e postos abertos, evitando ao máximo as
dobras;

Lembre-se de colocar sempre na parte superior, sobvre as demais roupas, as mais leves,
para que não amassem. Sempre que arrumamos as malas o fazemos com elas na posição
horizontal, mas nunca as carregamos assim. Portanto, todas as coisas pesadas deverão
ficar no fundo e na parte onde ficam as rodinhas.

Update on 07-25-2006 by Arnaldo Interata

A DIFÍCIL ARTE DE FAZER AS MALAS

Por Betina Monteiro

Matéria da Revista Viagem e Turismo de Novembro de 1995

Extraído da Coleção Viagem e Turismo em CD (Edição 2004)

Idéias, dicas e conselhos para melhorar a delicada relação entre o turista e suas
incômodas companheiras de viagem

Não é à toa que mala, substantivo simples, feminino e singular, virou adjetivo. E de
conotação pejorativa. Com alças ou rodinhas, ela é, disparado, o principal estorvo na
vida dos viajantes. E a explicação para isso é simples: a mala tolhe a liberdade.
Exemplos disso vêm da própria história desse objeto-de-carregar-coisas. Antigamente,
usavam-se baús, enormes e pesadíssimos, que levavam de tudo: de roupas a talheres
porque, afinal, as viagens eram quase mudanças (São Paulo ao Rio em uma semana,
lembra-se?). No museu Vuitton, nos arredores de Paris, podem-se ver algumas destas
curiosidades: malas-armário, malas-leito, malas-bar, malas-tudo. Hoje, as malas são
infinitamente menores, mas ainda não diminuiu o tamanho do incômodo que elas
trazem. E ele é diretamente proporcional ao tamanho da mala. Geralmente, exagerado.

É que, na dúvida entre um sapato e outro, normalmente levam-se os dois - e, depois, que
alguém sente na mala para puxar o zíper! "O segredo está em usar o preto como cor
básica", ensina o estilista Walter Rodrigues, que também recomenda, para os homens,
camisas e camisetas brancas, um blazer, uma roupa mais arrumada (para um
compromisso súbito), um calçado confortável e outro mais elegante. Preto, é claro.

A mala feminina também pode ser bem resolvida com peças básicas de cores neutras:
branco, preto, cinza ou marrom, no inverno; e branco e azul-marinho no verão. Não
esquecer um tailleur e um básico tubinho preto. A jornalista Olga Krell, especialista em
etiqueta e viajante assídua, leva sempre duas malas: uma na mão, com os sapatos,
maquiagem, artigos de higiene e até um guarda-chuva. Já a professora Marta Dietrich
mudou definitivamente o jeito de preparar a mala depois de, um dia, chegar no
Marrocos sem ela. Era domingo, estava tudo fechado e não havia roupas ocidentais à
venda. O jeito foi avançar na bagagem do marido e tentar adaptar. Do sufoco, Marta
tirou a lição: misturar as roupas do casal em todas as malas.

A experiência pessoal ajuda, mas pequenos truques podem virar regras infalíveis de
rapidez e boa organização na hora de fazer as malas. Nécessaires, por exemplo, são
ideais para acomodar e localizar rapidamente produtos de higiene e beleza, remédios,
bijuterias e outras miudezas. Levar sacos plásticos vazios para colocar a roupa suja é
fundamental. E, para amassar menos, ternos e blazers devem ser dobrados do avesso.

Tão importante quanto arrumar bem uma mala é protegê-la. Alguns cuidados são
obrigatórios: pendurar fitas coloridas ou marcá-las com adesivos; identificar (por fora e
por dentro) com nome, endereço e telefone; e fechar todas com cadeado. Em nome da
segurança, o must do momento é a plastificação. Em seis aeroportos do país, já se pode
embalar a mala com o sistema Protec Bag, que além de evitar que ela se suje ainda é
uma barreira extra às violações. Cada volume lacrado custa cerca de 12 reais.

Qualquer providência é útil, porque uma mala extraviada é problema na certa e o valor
reposto nunca cobre todo o prejuízo. O seguro padrão das companhias aéreas prevê uma
indenização de apenas 20 dólares por quilo. E, como regra geral, uma mala pode levar
até 20 quilos, sua estimada bagagem valerá, no máximo, 400 dólares - com certeza um
valor insuficiente para se comprar de novo tudo o que havia nela. Pode-se, no entanto,
fazer um seguro extra no ato do check-in. Basta preencher uma declaração do conteúdo
da mala e combinar o valor do seguro e do prêmio. Mas atenção: jóias, relógios,
cheques de viagem e outros objetos de valor não têm cobertura. Por isso mesmo, a
técnica em defesa do consumidor do Procon, Cláudia Mungioli, recomenda: nunca
despache o que não se poderá substituir, como jóias de família e outros objetos
queridos.
Se, com todos os cuidados, a esteira girar e sua mala não aparecer, reclame no balcão da
companhia aérea e tente um acordo com a empresa, baseando-se, se for preciso, até em
notas fiscais de compras. Em último caso, entre com um processo via Procon. Só entre
janeiro e abril, o órgão recebeu 699 consultas diretamente ligadas a serviços prestados
na área de turismo: 80 viraram processos.

Na prática, todo mundo conhece pelo menos alguém que já perdeu uma mala. Gente
como o casal Ilka e Ricardo Cohen, que dançou em 1 800 dólares numa bagagem
extraviada no trecho Los Angeles-Nova York-São Paulo. Depois de muita briga, eles
conseguiram uma indenização de 638 dólares da American Airlines - pouco, é bem
verdade, mas pelo menos mais do que teriam direito pelas regras vigentes. Mas, se
voltar para casa sem a mala já é uma catástrofe, pior é chegar a um lugar estranho sem
ela.

Vestindo roupas leves e com apenas um casaquinho na mão, a jornalista Rosângela


Zorzo notificou a Alitalia, ainda na aeroporto de Roma, de que sua mala não chegara e,
surpresa, descobriu que legalmente a companhia teria trinta dias para tentar localizar a
bagagem antes de ressarci-la - e o pior é que era verdade. Conclusão: traumatizada,
Rosângela nunca mais despachou uma mala, apesar dos problemas na hora de embarcar
no avião. Nessas horas, não há quem não compartilhe do sonho do publicitário
Washington Olivetto: "Poder viajar sem malas".

É claro que se você seguir à risca os conselhos desta reportagem certamente evitará
alguns aborrecimentos, tanto ao preparar quanto ao despachar uma mala. Mas, apesar
disso, não se iluda: uma mala (no substantivo) é e será sempre uma mala (no adjetivo).

DICA-1

Bom senso:

a arma da boa arrumação Regra número um para uma mala bem-feita: a quantidade de
roupas e o tamanho da mala devem combinar. Roupas de mais ficam amarrotadas, de
menos, acabam se embolando.

DICA-2

Enrolar antes, para não desamassar depois camisetas de algodão e blusas de linha,
dobradas e enroladas, não amassam. A dica vale também para meias, cintos e gravatas.

DICA-3

Sapatos ganham acomodação especial acondicionados em saquinhos de tecido, os


sapatos devem ser colocados nos cantos.

DICA-4

Praticidade e elegância viajam juntas mulheres que não abrem mão da elegância e não
querem ter trabalho devem abusar das peças de microfibra, que não amassam. E nunca
levar roupas de linho.
DICA-5

Para vestir, é só desdobrar camisas: abotoadas, dobradas como novas e sobrepostas com
as golas alternadas. As calças, com bolsos vazios, ficam no fundo.