Você está na página 1de 113

Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009

Assunto: Orçamento 2010


CURSOS
Atualização: Página: 1

Orçamento Programa 2010

Trabalho elaborado pela equipe técnica da Fiorilli Software


sob orientação de: Eduardo Barbosa e Claudio R. Loureiro
(agosto de 2009)

Sumário

I - ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
1 - Sistema Orçamentário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
1.1 - Lei do Plano Plurianual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
1.2 - Lei de Diretrizes Orçamentárias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
1.3 - Lei Orçamentária anual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
2 - Planejamento Orçamentário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
3 - Princípios Básicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
3.1 - Princípio da Unidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
3.2 - Princípio da Universalidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
3.3 - Princípio da Anualidade ou Periodicidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
3.4 - Princípio da Especialização ou Discriminação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3.5 - Princípio da Totalidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.6 - Princípio da Exclusividade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.7 - Princípio do Equilíbrio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.8 - Princípio da Não Vincularão de Receita. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.9 - Princípio da Programação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
4 - Metodologia de Elaboração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.1 - Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.2 - Consolidação dos Orçamentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.3 - Estimativa da Receita. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
4.3.1 - Operações de Crédito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
4.3.2 - Transferências Voluntárias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
4.4 - Definição das Prioridades. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.5 - Apuração do Valor do Orçamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.5.1 - Propostas Parciais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.5.2 - Pessoal e Encargos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.5.3 - Poder Legislativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.5.4 - Entidades Descentralizadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.5.5 - Precatórios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.5.6 - Transferências de Recursos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.6 - Despesas de Exercícios Anteriores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.7 - Despesas Intra-Orçamentárias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.8 - Reservas Orçamentárias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4.8.1 - Reserva de Contingência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4.8.2 - Reserva Orçamentária do RPPS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4.9 - Riscos Fiscais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.10 - Orçamento e Metas Fiscais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.11 - Estrutura Orçamentária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.12 - Procedimentos contábeis específicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5 - Parâmetros Legais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.1 - Aplicação no Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.2 - Aplicação na Saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5.3 - Total de despesa com o Legislativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5.4 - Despesas com Pessoal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5.5 - Subsídios dos Vereadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
5.6 - Prazos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
6 - TCE (SP) - Sistema Audesp - Manual LOA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 2

7 - Fontes de Recursos/Vínculos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
7.1 - Definição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
7.2 - Aspectos Regulamentares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
7.3 - Conceituação e Funcionamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
7.4 - Vínculos Indispensáveis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
7.4.1 - Disponibilidade de Caixa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
7.4.2 - Demonstrações Isoladas e Conjuntas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
7.4.3 - Demonstrativos Previdenciários. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
7.4.4 - Operações de Crédito/Restos a Pagar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
7.4.5 - Alienação de Ativos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
8 - Consórcios Públicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
8.1 - Receita. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
8.2 - Despesa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
9 - Elaboração do Projeto de Lei. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
9.1 - Mensagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
9.2 - Projeto de Lei. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
9.3 - Especificação dos Programas Especiais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
10 - Processo legislativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
10.1 - Considerações Gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
10.2 - Regras para Apreciação do Projeto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
10.3 - Apresentação de Emendas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
10.4 - Projeto de Lei. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
10.5 - Roteiro Básico - Processo Legislativo Orçamentário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

II - ASPECTOS ORÇAMENTÁRIOS NA EXECUÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43


11 - Créditos Adicionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
12 - Apuração de Excesso de Arrecadação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
13 - Modificação das Fontes de Recursos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
14 - Remanejamento de Dotações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
15 - Demonstrativo do Impacto Orçamentário e Financeiro (TCE-SP). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
16 - Execução de Programas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

III - MODELOS E ANEXOS DO ORÇAMENTO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52


1 - Mensagem Orçamentária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
2 - Anexo de Metas Fiscais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3 - Previsão/Projeção da Receita. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
4 - Expansão das Despesas e Renuncia de Receitas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
5 - Projeto de lei Orçamentária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
6 - Tabelas Explicativas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
7 - Anexos Conforme Lei 4.320. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
8 - Demonstrativos Auxiliares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
9 - Estimativas da Receita. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
10 - Gráficos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96

IV - LEGISLAÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
1 - Constituição Federal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
2 - Constituição Federal - ADCT. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
3 - Lei Complementar nº 101 de 04/05/2000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
4 - Lei nº 4.320, de 17/03/1964. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
5 - Lei nº 10.257 de 10/07/2001 - Estatuto da Cidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
6 - Outros Dispositivos Legais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

Anotações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112

Este Documento pode ser reproduzido, em parte ou integralmente, desde que devidamente autorizado e citada a fonte

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 3

I - ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO

Introdução

No contexto do planejamento, o orçamento deveria se apresentar como a peça de


detalhamento das ações de governo. Contudo, a tendência atual em matéria orçamentária tem levado o
orçamento a se tornar, cada vez mais, uma simples transcrição, inclusive em termos físicos e
financeiros, daquilo que foi, previamente, estabelecido no Plano Plurianual e destacado na Lei de Diretrizes
Orçamentárias. Isto decorre diante do nível de detalhamento que vem sendo exigido, de forma discutível,
em todas as peças que materializam o planejamento governamental (PPA, LDO e LOA).

Atualmente, a palavra-chave da moda se trata, indiscutivelmente, da “transparência”. E, em


nome da transparência, aquilo que já era “indecifrável” à maciça e esmagadora maioria da população
brasileira, passou a ser muito mais “complexo”. E com uma enorme agravante, já que, embora muito mais
“complicada” a matéria, o que se busca, nos dias de hoje, é o “respaldo da sociedade” às “políticas de
governo” que, a bem da verdade, sempre estiveram nas mãos da “elite” dessa mesma sociedade..1

E o mais incrível é que mesmo após todo o “avanço” em matéria de orçamento e de finanças
públicas - edição da Lei Complementar nº 101, de 2000, também conhecida pela sigla LRF, inúmeras
Portarias expedidas pela Secretaria do Tesouro Nacional, algumas, inclusive, em conjunto com a Secretaria
de Orçamento Federal, diversas manifestações dos órgãos responsáveis pelo controle externo, e, mais
recentemente, com a edição das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, ditadas
pelo Conselho Federal de Contabilidade - CFC - o que ainda se adota no Brasil é o “velho modelo” do
conhecido orçamento-programa, já previsto e implementado desde a promulgação da Lei nº 4.320, de
1964; não obstante com nível de detalhamento infinitamente superior àquele por ela determinado.

E, por falar em Lei 4.320, é bom que se diga que esta merece, no mínimo, “respeito”.

Acaso se tivesse respeito a este tão importante diploma legal, certamente, o mínimo que
deveria ser feito é a hombridade de se propor a sua revogação expressa. Assim, esta não ficaria
“abandonada à própria sorte”, como atualmente ocorre. Se tivermos coragem de analisarmos o assunto
isentos de quaisquer paixões, outra não será nossa conclusão senão a de que a Lei 4.320, muito mais do
que desrespeitada, atualmente está sendo “indevidamente utilizada”. Quando alguns de seus dispositivos
nos interessam, a respeitamos e a defendemos de maneira ferrenha, inflexível. Contudo, quando alguns de
seus dispositivos não nos interessam, a desrespeitamos, ou mesmo simplesmente a ignoramos.

Não há como negar que após a edição da Lei Complementar federal nº 101, de 2000, a Lei
4.320 entrou em rota de decadência. Em nome do desenvolvimento econômico, social e até mesmo político
e, considerando ainda tendências futuras, muitos de seus aspectos começaram a se tornar insuficientes ou
obsoletos para as necessidades atuais, demandando adaptações, atualizações e, principalmente, evolução
de conceitos. Considerada “velha e ultrapassada”, novas regras passaram a ser estabelecidas em
desacordo com suas normas, promovendo alterações significativas em seus dispositivos; não por lei
complementar, conforme dispõe a Constituição Federal, mas através dos mais variados instrumentos de
regulamentação, tais como: Portarias, Resoluções, Instruções, “Avisos”, “Recados” e outros meios, formais
e não formais.

Daí a sugestão de se ter, no mínimo, a hombridade de se propor a sua revogação expressa.

Embora todo o alarde sobre o assunto, não é o escopo deste trabalho questionar a “legalidade”
desses dispositivos infralegais; que vem promovendo alterações na lei que foi recepcionada pela
Constituição Federal de 1988 na condição de lei complementar. Isto porque outra lei - complementar -
introduziu novos conceitos em matéria orçamentária e financeira. Se trata da Lei de Responsabilidade Fiscal
(LC 101, de 2000), não obstante seu foco principal esteja direcionado à execução do orçamento e à gestão
fiscal responsável.

(1) Obrigatoriedade da realização de “audiências públicas”, tanto na fase de elaboração quanto na de discussão dos
“instrumentos de planejamento governamental”, assim como de “verificação do cumprimento das metas estabelecidas”
- Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101, de 2000) - arts. 9º, § 4º, e 48, parágrafo único.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 4

A consolidação das contas públicas, em nível nacional demanda a padronização e a unificação


de conceitos e codificações, nos três níveis de governo. Por outro lado, com a globalização da economia, os
organismos governamentais vêm sofrendo grande pressão, tanto de governos como de empresas
multinacionais, para que as normas brasileiras de contabilidade existentes se adaptem às normas
internacionais de contabilidade definidas pela IFAC (Federação Internacional de Contadores), incluindo as
aplicadas ao setor público definidas pelo IPSA (Conselho de Normas Internacionais e Contabilidade Pública).

Resumindo, mudanças foram introduzidas na contabilidade pública nos últimos anos e, muitas
estão sendo debatidas e serão implantadas em futuro próximo. Acompanham essas mudanças amplos
debates antes de sua imposição, e, após a implantação respectiva, estas trazem consigo mecanismos de
fiscalização e punição, a exemplo do Promoex e da Lei federal nº 10.028.

A evolução da contabilidade pública implica em nova conceituação profissional do contabilista


público, conforme explicou Maria Clara Cavalcante Bugarim (Presidente do Conselho Federal de
Contabilidade) na abertura do I Seminário Internacional de Contabilidade Pública, realizado em 26.11.2007,
em Brasília:

“Livre deste jogo de ´faz-de-conta´, o profissional da contabilidade pública terá tempo


suficiente para exercer o sentido pleno de sua importante missão, que inclui ser um
consultor confiável e auxiliar direto dos governantes, no nobre encargo de bem
administrar os recursos públicos, gerando tempestivamente informações financeiras e
gerenciais, subsidiando com visão holística o processo de tomada de decisão e a
formulação de políticas públicas adequadas, colaborando, enfim, para uma racional
alocação de recursos, por meio da elaboração eficaz e pertinente, de peças
orçamentárias sintonizadas com as reais necessidades e a legítima vontade dos
cidadãos. “

Contudo, o atual nível de detalhamento que vem sendo exigido nas peças de planejamento -
materializadas pelas leis do plano plurianual, das diretrizes orçamentárias e do orçamento anual - demanda
a atuação de outros profissionais que não de técnicos especialistas em contabilidade pública, em políticas
públicas, ou mesmo em planejamento, orçamento e finanças públicas. Tamanha a minudência que, para o
seu atendimento, necessária a atuação de “médicos-cirurgiões”, e estes, dotados de “notória
especialização”.

Embora se tenha procurado, até então, definir os “critérios” dos indicadores de desempenho
constantes dos detalhamentos exigidos, estes ainda se apresentam como incipientes. Talvez até mesmo
diante da dificuldade de se estabelecer, objetivamente, esses “indicadores de resultados”.

Conforme já citado, o que aqui se questiona não é qualquer contrariedade à “evolução dos
fatos”. O que é questionado é a “forma” como esses fatos estão evoluindo.

Aquilo que já era de difícil compreensão do cidadão comum, porém já assimilado pelos
profissionais que atuam nesta área do conhecimento humano (orçamento público), passa a ter contornos
perigosos. Ao invés de se simplificar a matéria, como ditado pela atual “palavra-chave da moda”
(transparência), o que se nota é que se está “complicando” aquilo que não era tão difícil de se entender.

Segundo as normas ditadas pela Constituição Federal de 1988, cujo texto, até então,
corresponde ao “original”, o assunto não é tão complexo. Ou seja, os entes federados, por meio dos
“planos plurianuais”, editados no primeiro exercício do mandato executivo, através de leis específicas,
devem identificar os “programas de governo” a serem realizados nos quatro exercícios seguintes,
assegurando, dessa forma, a continuidade das políticas governamentais. Isto. Somente isto.

Tais “programas de governo”, ainda segundo as normas constitucionais, deverão ser


“priorizados” ou seja, devendo ser realizados nos exercícios a que se referirem as respectivas Leis de
Diretrizes Orçamentárias - LDO’s. Isto. Somente isto.

Segundo o que dispuser os respectivos “Planos Plurianuais”, cujas “prioridades” estejam


devidamente definidas nas respectivas Leis de Diretrizes Orçamentárias, devem os entes federados elaborar
os respectivos “orçamentos”, aí sim, sendo identificados e detalhados todos os aspectos, sejam eles
“físicos ou financeiros”. Isto. Somente isto.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 5

Ao que parece, os legisladores pátrios nacionais, quando convocados à elaboração do texto


constitucional de 1988, entenderam, perfeitamente, o “caráter dinâmico” do planejamento. Ou seja,
“respeitaram” que cada uma das peças de planejamento viesse a delinear, ou estabelecer, ou conceder, ou
a autorizar o devido anseio da sociedade, em cada qual de seus momentos.

Contudo, as atuais tendências e normas regulamentares editadas vão justamente na contramão


daquilo determinado pela vontade do legislador pátrio, assim como aos anseios da sociedade. O que se
propõe, senão se impõe atualmente, é o de se emprestar o “caráter estático” às peças de planejamento
governamental.

As atuais normas regulamentares editadas, pelos mais diversos atores envolvidos, convergem
para que já os “planos plurianuais”, editados pelos entes de governo, contemplem uma gama de
informações que se constituam, praticamente, na elaboração dos quatro orçamentos subsequentes. E isto,
em termos físicos e financeiros!

Daí, se podendo inferir que a “vontade” do legislador pátrio, assim como que os anseios da
sociedade, sequer estejam sendo respeitados.

Com a manutenção dessas novas “normas regulamentares”, retira-se da Lei de Diretrizes


Orçamentárias, assim como da própria Lei Orçamentária Anual, as suas “reais importâncias” dentro do
contexto do “planejamento”, idealizado e determinado pelo legislador pátrio.

Finalizando, não há como deixar de reconhecer que esse grande número de informações,
extremamente técnicas e de difícil compreensão pelo cidadão comum, conduz à máxima de que
“informações demais gera falta de transparência”.

1 - Sistema orçamentário

O sistema orçamentário brasileiro é constituído de três elementos distintos, integrados,


indispensáveis e interdependentes, com finalidades específicas e hierarquicamente dispostos, que se
constituem em uma sequência de planejamento da ação pública. Em termos de "materialização" dos
elementos que compõem o sistema orçamentário, são editadas, obrigatoriamente, as seguintes leis:

 Lei do Plano Plurianual;

 Lei de Diretrizes Orçamentárias;


 Lei Orçamentária Anual.

1.1 - Lei do plano plurianual

O plano plurianual é o primeiro e principal elemento na hierarquia de planejamento do sistema


orçamentário. Os demais devem dispor apenas sobre aquilo que nele estiver previsto, não podendo
contrariá-lo ou dispor sobre coisas estranhas a ele. É o "orçamento global", o "orçamento de médio prazo",
de maior abrangência e que deve nortear uma gestão administrativa ou mandato.

Conforme disposição constitucional (CF, art. 165, § 1º), este plano deve estabelecer diretrizes,
objetivos e metas da administração para as despesas de capital e as delas decorrentes, bem como para as
relativas aos programas de duração continuada. É o programa de governo do gestor público traduzido e
enquadrado dentro das normas de planejamento e contabilidade pública.

Os principais objetivos do plano plurianual, em nível municipal, são:


a) aumentar os níveis de investimentos públicos;
b) conferir racionalidade e austeridade ao gasto público;
c) planejar e divulgar programa de governo do gestor;
d) conciliar os recursos disponíveis com as necessidades de aplicação, permitindo o
estabelecimento de uma escala de prioridades dos programas;

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 6

e) elevar o nível de eficiência na aplicação dos recursos, mediante melhor discriminação e


maior articulação dos dispêndios a serem efetivados.
Como instrumento global e estratégico de uma gestão administrativa, o plano plurianual
abrange um período de quatro anos, dispondo sobre os programas de governo. Sendo elaborado no
primeiro ano da gestão e entrando em vigor no segundo, adentra no primeiro ano da gestão seguinte,
garantindo a continuidade administrativa dos programas fixados ou em andamento.

Em nível de governo municipal, o projeto do plano plurianual para vigência até o final do
primeiro exercício financeiro do mandato subseqüente, deverá ser encaminhado pelo Poder Executivo ao
Poder Legislativo, dentro dos prazos determinados segundo o que dispuser:
 a respectiva lei orgânica, se for o caso;
 as respectivas constituições estaduais, caso estas tenham tratado do assunto como norma
geral (portanto, de aplicação obrigatória ao próprio estado quanto aos respectivos municípios);
 a Constituição Federal, em seu Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (art. 35, § 2º,
I), ou seja, até quatro meses antes do encerramento do primeiro exercício financeiro (agosto) e
devolvido para sanção até o encerramento da sessão legislativa.
Esses prazos ainda prevalecem, levando-se em conta que a lei complementar a que se refere o
artigo 165, § 9º, da Constituição Federal, ainda não ter sido editada, não obstante passados praticamente
vinte anos de sua vigência.

1.2 - Lei de diretrizes orçamentárias

A Lei de Diretrizes Orçamentárias representa a integração entre o plano plurianual e o


orçamento anual, devendo nortear a elaboração da lei orçamentária anual (CF, art. 165, § 2º). Tem por
finalidade destacar da programação plurianual as prioridades e metas a serem executadas em cada
orçamento anual.

Além disso, também deverá dispor sobre os investimentos prioritários para o exercício seguinte
e sobre as alterações na legislação tributária, além das demais variáveis que possam influenciar na
execução orçamentária do exercício a que se referir.

Das finalidades da Lei de Diretrizes Orçamentárias podem ser destacadas:


a) determinação das prioridades e metas a serem observadas no exercício seguinte;
b) estabelecer a correspondência e dar solução de continuidade aos programas previstos no
plano plurianual;
c) facilitar a análise, discussão e fixar os mecanismos de conduta da execução orçamentária;
d) subordinar e integrar o orçamento a um processo de planejamento de médio prazo, deixando
de ser um simples repositório de recursos e dotações anuais.
Como elo entre os planos estratégicos (plurianuais) e operacionais (orçamentos) deve, no
mínimo, conter:
a) as prioridades e metas para o próximo exercício; previstas ou fixadas no plano plurianual;
b) a organização e estrutura do orçamento com relação à ação de governo (projeto, atividade e
operações especiais);
c) as orientações para elaboração do orçamento e o cálculo da reserva de contingência;
d) as despesas com pessoal evidenciando o controle de seus limites constitucionais;
e) previsão de alteração na legislação tributária (impostos, taxas e contribuições de melhoria);
f) previsão de concessão de qualquer vantagem ou aumento de remuneração do funcionalismo;
g) previsão de criação de cargos, empregos e funções ou alteração da estrutura de carreiras.
h) previsão de admissão ou contratação de pessoal, a qualquer título.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 7

A Lei Complementar nº 101, de 2000 - Lei de Responsabilidade Fiscal - dispõe que deve ser
acrescentado ao conteúdo da Lei de Diretrizes Orçamentárias:
a) estabelecimento de critérios e formas de limitação de empenho, quando a receita não
comportar o cumprimento das metas de resultado primário ou nominal constante no anexo das
metas fiscais (art. 4º, I, b);
b) normas relativas ao controle operacional (aspectos de eficiência, eficácia e economicidade
das ações governamentais); trata-se de uma análise de desempenho (art. 4º, I, e);
c) condições e exigências para transferências de recursos a entidades públicas e privadas;
refere-se às transferências voluntárias (art. 26);
d) autorização para realização de despesa de custeio de competência de outros entes da
federação (art. 62, I);
e) dispor sobre a inclusão de novos projetos, após adequadamente atendidos os em
andamento (art. 45);
f) dispor sobre a fórmula de cálculo da reserva de contingência e a receita corrente líquida;
g) dispor sobre critérios de programação financeira e cronograma de execução mensal de
desembolso estabelecido pelo Poder Executivo (art. 8º, caput);
h) fixar o Anexo de Metas Fiscais (art. 4º, § 2º), que trará as metas anuais para o exercício a
que se referir e para os dois seguintes, e conterá:
 avaliação do cumprimento das metas relativas ao ano anterior;
 demonstrativo das metas anuais, instruído com memória e metodologia de cálculo que
justifiquem os resultados pretendidos, comparando-as com as fixadas nos três
exercícios anteriores, e evidenciando a consistência delas com as premissas e os
objetivos da política econômica nacional;
 evolução do patrimônio líquido, também nos últimos três exercícios, destacando a
origem e a aplicação dos recursos obtidos com a alienação de ativos;
 avaliação da situação financeira e atuarial dos regimes próprios de previdência e dos
demais fundos públicos e programas estatais de natureza atuarial;
 demonstrativo da estimativa e compensação da renúncia de receita e da margem de
expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado.
i) fixar o Anexo de Riscos Fiscais (art. 4º, § 3º), onde serão avaliados os passivos contingentes
e outros riscos capazes de afetar as contas públicas, informando as providências a serem
tomadas, caso se concretizem.
Quanto aos prazos, se não fixados na Lei Orgânica do Município e na Constituição do Estado, o
projeto de lei de diretrizes orçamentárias será encaminhado até oito meses e meio antes do encerramento
do exercício financeiro (15 de abril) e devolvido para sanção até o encerramento do primeiro período da
sessão legislativa (30 de junho), conforme dispõe a Constituição Federal, no Ato das Disposições
Constitucionais Transitórias, em seu artigo 35, § 2º.

1.3 - Lei orçamentária anual

A Lei Orçamentária Anual é o terceiro elemento na hierarquia de planejamento do sistema


orçamentário. Como elemento operacional, destina-se a discriminar e quantificar a previsão de todas as
receitas e a fixação de todas as despesas que poderão ser realizadas, evidenciando a política
econômico-financeira e o programa de trabalho do governo do próximo exercício.

A Constituição Federal de 1988 inovou com o desmembramento e a identificação do orçamento


por áreas específicas, podendo-se dizer que a Lei Orçamentária Anual passou a ser composta por três
“sub-orçamentos”. Conforme disposição inserta em seu artigo 165, § 5º, a Lei Orçamentária Anual deve
compreender:
 o orçamento fiscal referente aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e entidades da
administração direta e indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público;

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 8

 o orçamento de investimento das empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha


a maioria do capital social com direito a voto;
 o orçamento da seguridade social, abrangendo todas as entidades e órgãos vinculados a ela,
da administração direta ou indireta, bem como os fundos e fundações instituídos e mantidos
pelo Poder Público.
Na esfera da seguridade social, conforme artigo 194, a Constituição inova mais uma vez,
estabelecendo: "A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes
Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência
social."

O conteúdo da Lei Orçamentária Anual, segundo a legislação em vigor, é composto dos


seguintes elementos:
a) texto da lei;
b) quadros orçamentários consolidados, incluídos os complementos referenciados no artigo 22,
inciso III, da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964;
c) anexo dos orçamentos fiscal e da seguridade social, discriminando a receita e a despesa na
forma definida na Lei de Diretrizes Orçamentárias;
d) anexo do orçamento de investimento a que se refere o artigo 165, § 5º, inciso II, da
Constituição Federal;
e) discriminação da legislação da receita e da despesa, referente aos orçamentos fiscal e da
seguridade social.
A Lei Complementar nº 101, de 2000 - de Responsabilidade Fiscal - acrescentou à Lei
Orçamentária os seguintes elementos:
a) declaração em forma de demonstrativo da compatibilidade da programação dos orçamentos
com os objetivos e metas constantes do Anexo de Metas Fiscais;
b) o reforço da inclusão de dotação orçamentária de reserva de contingência;
c) documento que demonstre as medidas de compensação à renúncia de receita e ao aumento
de despesas obrigatórias de caráter continuado;
d) o reforço de que a consignação de dotação orçamentária para investimento com duração
superior a um exercício financeiro somente será permitida se estiver previsto no plano
plurianual ou em lei que autorize a sua inclusão.
A mesma lei dispõe ainda que a Lei Orçamentária Anual deverá obedecer às seguintes regras:
a) nela deverão constar todas as despesas relativas à dívida pública e as receitas que as
atenderão;
b) nela e também nas de crédito adicional, deverá constar, separadamente, o refinanciamento
da dívida pública, sendo que a atualização monetária do principal da dívida mobiliária
refinanciada não poderá superar a variação do índice de preços previsto na lei de diretrizes
orçamentárias ou em legislação específica;
c) nela não poderá estar consignado crédito com finalidade imprecisa ou com dotação ilimitada;
d) nela não poderá estar consignada dotação para investimento com duração superior a um
exercício financeiro que não esteja previsto no plano plurianual ou em lei que autorize a sua
inclusão.
Caso a Lei Orgânica do Município não fixe prazo para encaminhamento do projeto da Lei
Orçamentária Anual ao Poder Legislativo, bem como de sua devolução para sanção, devem ser observados
os prazos previstos nas respectivas Constituições do Estado. Na falta destas previsões, deve ser observada
a Constituição Federal, a qual determina que o projeto de lei orçamentária da União será encaminhado até
quatro meses antes do encerramento do exercício financeiro (31 de agosto) e devolvido para sanção até o
encerramento da sessão legislativa (15 de dezembro), nos termos do que dispõe o artigo 35, § 2º, inciso III
do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 9

Na maioria dos estados-membros, como São Paulo e Piauí, as constituições estaduais fixam o
prazo para encaminhamento do projeto de lei até 30 de setembro.

2 - Planejamento Orçamentário

Com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101, de 2000), o planejamento passou a
ocupar lugar de destaque, quer na fase de elaboração, quer na fase de execução do orçamento.
Mais recentemente, este local de destaque do planejamento veio a ser reforçado por normas
ditadas pelo Conselho Federal de Contabilidade - CFC, com a edição das Normas Brasileiras de
Contabilidade Aplicadas ao Setor Público - NBCASP, conhecidas como NBC T 16. Por meio das Resoluções
nos 1.128 a 1.137, de 21 de novembro de 2008, publicadas no Diário Oficial da União de 25 de novembro de
2008, o Conselho Federal de Contabilidade aprovou, respectivamente, as NBC T 16.1 a NBC T 16.10, cada
qual dispondo sobre assuntos específicos ligados à Contabilidade Aplicada ao Setor Público.

Neste trabalho, dentre essas normas, especial atenção recai na NBC T 16.3, que dispõe sobre
“Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil”.
Na esfera de governo municipal, embora o planejamento ainda esteja longe de ser considerado
como ideal, é certo que este vem sendo adotado; mesmo que, em alguns casos, de forma bastante
primitiva.
De todo modo, não há como deixar de reconhecer que os orçamentos municipais passaram a
se constituir como instrumentos mais próximos da realidade, deixando de representar meras peças fictícias,
como aquelas apresentadas num passado não muito distante. Portanto, mesmo que vagarosamente, os
municípios estão avançando nas questões ligadas ao planejamento.
Sem se esquecer do plano diretor, que também é um dos instrumentos do planejamento,
pode-se dizer que, dentro do conceito de administração pública, o planejamento estratégico corresponde ao
plano plurianual; que o planejamento tático corresponde às diretrizes orçamentárias e que o planejamento
operacional corresponde ao orçamento.

Todos estão intimamente ligados. Independentemente da hierarquia existente entre eles, um


depende do outro; um complementa o outro; um não sobreviveria sem a existência do outro.
Embora a matéria de finanças públicas seja extremamente complexa, a abordagem do
planejamento na prática é muito importante, mesmo que de forma simplificada.

Dessa forma, primeiramente, deve-se ter em mente a estrutura administrativa do órgão


governamental. Esta definirá, evidentemente, o ponto de partida. Entretanto, não poderão ser esquecidos os
aspectos legais pertinentes a este órgão governamental. Aliando-se esses dois aspectos, pode-se dividir a
Administração Municipal em três escalões principais: Unidade Central (de decisões); Unidades Gestoras (de
consolidação de programas e até mesmo de decisões, conforme o grau de delegações); e, finalmente, de
Unidades Executoras (de execução dos programas).
Pode-se ainda dizer que os escalões principais podem assim ser definidos: órgão central (de
decisões); unidades orçamentárias (de consolidação de programas e até mesmo de decisões, conforme o
grau de delegações); e. finalmente, de unidades administrativas (de execução de programas). Percebe-se
que independentemente das denominações, que podem variar de estrutura para estrutura de acordo com o
que estabelecer a legislação municipal, normalmente sempre serão encontrados três escalões: o de
decisão, o de consolidação e o de execução.
Em obediência aos princípios do planejamento, gerais ou específicos, tem-se que a coleta de
informações para o planejamento deve se dar de baixo para cima. Ou seja, as unidades incumbidas pela
execução dos programas fornecem informações sobre as metas que poderão ser alcançadas, dentro do
contexto dos objetivos traçados. Por sua vez, as unidades incumbidas pela consolidação de programas, de
posse de tais informações procuram adequá-las aos objetivos propostos, elaborando novos relatórios,
submetendo-os à unidade de decisão, que diante da projeção das disponibilidades, passará a analisá-los,
determinando a estratégia, o propósito ou a política a ser estabelecida, conforme o caso, sempre dentro do
contexto de sua missão.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 10

Dado o caráter permanente do planejamento, este procedimento poderá ser adotado para todos
os níveis de planejamento, mesmo para se traçar o rumo a ser seguido pela administração pública, ou ainda,
para correção desse rumo. Trata-se, evidentemente, de um ciclo fechado, onde as informações geradas de
baixo para cima servem para estipular os objetivos, determinados de cima para baixo, que por sua vez,
servirão de base para a estipulação de metas a serem cumpridas.
Para tanto, a administração pública deverá adotar formulários específicos para a coleta de
informações, para posterior consolidação.

Em reforço ao aqui mencionado, vale destacar as definições ditadas pela NBC T 16.3 -
Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil, do Conselho Federal de Contabilidade:
Planejamento: o processo contínuo e dinâmico voltado à identificação das melhores alternativas
para o alcance da missão institucional, incluindo a definição de objetivos, metas, meios,
metodologia, prazos de execução, custos e responsabilidades, materializados em planos
hierarquicamente interligados.
Plano hierarquicamente interligado: o conjunto de documentos elaborados com a finalidade de
materializar o planejamento por meio de programas e ações, compreendendo desde o nível
estratégico até o nível operacional, bem como propiciar a avaliação e a instrumentalização do
controle.
Avaliação de desempenho: a ferramenta de gestão utilizada para a aferição de aspectos de
economicidade, eficiência, eficácia e efetividade de programas e ações executadas por entidades
do setor público.

3 - Princípios básicos

O orçamento deve ser um instrumento que reflita fielmente os programas de governo, como
também uma peça destinada a solucionar os problemas da comunidade. Deve, portanto, se constituir em
uma ferramenta que auxilie a ação governamental no controle e domínio dos planos de desenvolvimento
econômico e social. Para tanto, deve condensar e refletir os anseios e necessidades da sociedade.

Para que o orçamento disponha de forma eficaz sobre a aplicação dos recursos é indispensável
que obedeça a alguns princípios básicos, alguns deles fixados em leis.

A Lei 4.320, de 1964, na parte final de seu artigo 2º, já menciona alguns desses princípios:
“obedecendo aos princípios de unidade, universalidade e anualidade”. A seguir, são relacionados os
principais dos princípios básicos, tecendo-se um breve comentário sobre cada um deles:
 princípio da unidade;
 princípio da universalidade;
 princípio da anualidade ou periodicidade;
 princípio da especialização ou discriminação;
 princípio da totalidade;
 princípio da exclusividade;
 princípio do equilíbrio;
 princípio da não vinculação de receita;
 princípio da programação
A respeito do assunto, vale destacar os conceitos consignados nos Manuais de Receita e de
Despesa Nacional - 1ª edição - aprovados pela Portaria Conjunta STN/SOF nº 3, de 14.10.2008, da
Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda, e da Secretaria de Orçamento Federal, do
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, publicada no D.O.U. de 16.10.2008.

3.1 - Princípio da unidade

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 11

Este princípio, além dos dois que se seguem, vem insculpido no caput do artigo 2º da Lei nº
4.320, de 17 de março de 1964, que dispõe:
"Art. 2º. A Lei do Orçamento conterá a discriminação da receita e despesa, de forma a evidenciar
a política econômico-financeira e o programa de trabalho do Governo, obedecidos os princípios de
unidade, universalidade e anualidade."

A Lei Orçamentária deve, portanto, ser elaborada por Governo. Nosso sistema federativo é
composto por três esferas de Governo: União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Cada unidade
governamental deve possuir apenas um orçamento. As previsões de receitas e despesas dos órgãos, das
unidades orçamentárias, das autarquias, das fundações e das empresas públicas pertencentes a uma
unidade governamental devem ser reunidas em um único total, compondo assim o orçamento dessa
unidade governamental. Mesmo que o detalhamento seja apresentado separadamente, isto é, através de
múltiplos orçamentos que são elaborados de forma independente, estes devem sofrer a consolidação,
possibilitando assim o conhecimento do desempenho global das finanças públicas.

Este princípio determina que o orçamento deve ser único, contendo todas as receitas e
despesas da entidade do nível de governo. Este princípio está, ainda, diretamente relacionado com a
unidade de caixa e consiste em facilitar a fiscalização do controle externo do Poder Executivo.

3.2 - Princípio da universalidade

Este princípio está previsto nos artigos 3º e 4º da Lei nº 4.320, de 1964:


"Art. 3º. A Lei do Orçamento compreenderá todas as receitas, inclusive as de operações de
crédito autorizadas em lei.
...".

"Art. 4º. A Lei do Orçamento compreenderá todas as despesas próprias dos órgãos do Governo e
da Administração centralizada, ou que por intermédio deles se devam realizar, observando o
disposto no artigo 2º."

Este princípio é indispensável para o controle do Poder Legislativo sobre as finanças públicas,
pois ele possibilita:
 o conhecimento antecipado de todas as receitas e despesas, dando-se prévia autorização
para a respectiva arrecadação e realização;
 o impedimento da realização, pelo Poder Executivo, de arrecadação da receita ou execução
de despesa sem prévia autorização legislativa;
 tomar conhecimento do exato valor das receitas previstas, a fim de autorizar a realização
equilibrada do total das despesas.
Enfatizando o principio da universalidade, a Constituição Federal no seu artigo 165, § 5º, assim
preceitua:
................................................................................

“A Lei Orçamentária compreenderá:


I - O orçamento fiscal referente aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e entidades da
administração direta e indireta, inclusive fundações instituída e mantidas pelo Poder Público.
II - O orçamento de investimento das empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha
a maioria do capital social com direito a voto.
III - O orçamento da seguridade social, abrangendo todas as entidades e órgãos a ela vinculados,
da administração direta ou indireta, bem como os fundos e funções instituídos e mantidos pelo
Poder Público.”
................................................................................

3.3 - Princípio da anualidade ou periodicidade

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 12

Também previsto no artigo 2º da Lei nº 4.320, verifica-se que a Constituição Federal ao


mencionar a palavra orçamento, sempre utiliza uma das seguintes expressões: "lei orçamentária anual" ou
simplesmente "orçamento anual". Isto fica bem claro diante das disposições contidas em seu art. 165:
"Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:
I - o plano plurianual;
II - as diretrizes orçamentárias;
III - os orçamentos anuais.
...

§ 5º. A lei orçamentária anual compreenderá:


...".

Este princípio advém da regra da anualidade do imposto. A autorização para a realização da


despesa está condicionada à receita e esta engloba a arrecadação de impostos, dentre outros tributos.
Dessa forma, a regra da anualidade dos impostos também é adotada na lei orçamentária. Este princípio foi
adotado em todas as Constituições do Brasil.

3.4 - Princípio da especialização ou discriminação

Este princípio vem insculpido nos artigos 5º, 8º e 15, da Lei nº 4.320, que estabelecem:
"Art. 5º. A Lei do Orçamento não consignará dotações globais destinadas a atender
indiferentemente a despesas de pessoal, material, serviços de terceiros, transferências ou
quaisquer outras, ressalvado o disposto no artigo 20 e seu parágrafo único."

"Art. 8º. A discriminação da receita geral e da despesa de cada órgão do Governo ou unidade
administrativa, a que se refere o artigo 2º, § 1º, incisos III e IV, obedecerá a forma do Anexo 2."

"Art. 15. Na Lei de Orçamento a discriminação da despesa far-se-á, no mínimo, por elementos.
§ 1º. Entende-se por elementos o desdobramento da despesa com pessoal, material, serviços,
obras e outros meios de que se serve a administração pública para consecução dos seus fins.
...

Sobre o mesmo princípio, dispensando sua discriminação até o nível de "elemento econômico",
a Portaria Interministerial nº 163, de 4 de maio de 2001, das Secretarias do Tesouro Nacional e de
Orçamento Federal, respectivamente dos Ministérios da Fazenda e do Planejamento, Orçamento e Gestão,
que dispõe sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União, Estados, Distrito
Federal e Municípios, assim determina:
"Art. 6º. Na lei orçamentária, a discriminação da despesa, quanto à sua natureza, far-se-á, no
mínimo, por categoria econômica, grupo de natureza de despesa e modalidade de aplicação."

No âmbito do Estado de São Paulo, seu Tribunal de Contas, em "Comunicado" publicado no


Diário Oficial de 24.6.2006, assim dispõe:
"Comunicado SDG nº 20/2006

O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo comunica que, em atendimento ao Princípio da


Transparência da Gestão Fiscal Responsável, a discriminação da despesa na Lei do Orçamento
deverá ser feita, no mínimo, por elementos econômicos, conforme determina o artigo 15 da Lei
Federal n.º 4.320/64 e não até modalidade de aplicação."

A despeito das controvérsias aqui demonstradas, este princípio determina que as receitas e as
despesas devem constar no orçamento de forma discriminada, para que se possa conhecer detalhadamente
a origem dos recursos e a sua aplicação.

A dotação é uma quantificação monetária destinada a um programa, atividade, projeto,


categoria econômica ou objeto de despesa.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 13

Essa obrigatoriedade facilita tanto o controle interno do planejamento administrativo quanto o


controle externo e a fiscalização do Poder Legislativo.

3.5 - Princípio da totalidade

Este princípio vem regulado pelo caput do artigo 6º da Lei nº 4.320, de 1964:
"Art. 6º. Todas as receitas e despesas constarão da Lei do Orçamento pelos seus totais, vedadas
quaisquer deduções."

Todos os valores, sejam de receitas ou despesas, devem constar no orçamento pelos seus
valores totais ou brutos, sem qualquer tipo de dedução. Isto quer dizer que, tanto no orçamento quanto na
execução orçamentária, se uma receita é afetada por uma dedução, a mesma deverá ser computada pelo
seu total bruto, sendo que a dedução deverá figurar na despesa, exceção feita aos recursos
automaticamente retidos para formação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica
e de Valorização dos Profissionais da Educação - Fundeb, regulamentado, inicialmente, pela Medida
Provisória nº 339, de 28 de dezembro de 2006, convertida na Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007, os
quais são objeto de "contas retificadoras da receita", sob a nomenclatura de "dedução da receita para
formação Fundeb", segundo regras estabelecidas pela Secretaria do Tesouro Nacional - STN (atualmente
mediante “Nota Técnica”, de nº 456/2008/GENOC/CCONT - STN).

Conforme Portaria Conjunta STN/SOF nº 3, de 2008, que aprovou o Manual de Receita


Nacional - 1ª edição, exemplos típicos de deduções na receita, são “renúncia, restituições, descontos
concedidos, Fundeb, compensações e retificações”, além de “outras deduções”.

Da mesma forma, se uma despesa é afetada por uma dedução, a mesma deverá ser
empenhada pelo seu total e, no ato de seu pagamento, o valor da dedução deverá figurar na receita
(extra-orçamentária ou mesmo orçamentária, conforme o caso). Exemplos típicos de deduções na despesa
dos Municípios: deduções de contribuição previdenciária, imposto de renda na fonte, seguro, contribuição
sindical etc.

3.6 - Princípio da exclusividade

Estabelece este princípio que a Lei do Orçamento deve conter apenas matéria financeira,
ficando proibido qualquer dispositivo estranho à previsão de receita e à fixação da despesa para o exercício
a que se referir.

Vem regulamentado pelo § 8º, do artigo 165, da Constituição Federal, que dispõe:
"Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:
...
III - os orçamentos anuais.
...

§ 8º. A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação
da despesa, não se incluindo na proibição a autorização para abertura de créditos suplementares
e contratação de operações de crédito, ainda que por antecipação de receita, nos termos da lei.
...".

3.7 - Princípio do equilíbrio

Com a edição da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade


Fiscal), este princípio passou a ser bastante evidenciado. O artigo 4º de mencionada lei, assim estabelece:
"Art. 4º. A lei de diretrizes orçamentárias atenderá o disposto no § 2º do art. 165 da Constituição e:
I - disporá também sobre:
a) equilíbrio entre receitas e despesas;
...".

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 14

Devendo a Lei Orçamentária obediência ao estabelecido na Lei de Diretrizes Orçamentárias,


outra alternativa não lhe resta senão apresentar equilíbrio entre receitas e despesas, ou seja, as despesas a
serem fixadas terão como limite máximo a previsão das receitas.

Contudo, esse limite máximo deve ser entendido como a previsão das receitas "líquidas",
descontadas as receitas redutoras (retenção do Fundeb), nos moldes sugeridos pela Secretaria do Tesouro
Nacional.

3.8 - Princípio da não vinculação de receita

Este princípio assegura a "liberdade" do administrador em dispor das fontes de recursos ou


receitas sem comprometimento, podendo executar as despesas conforme as necessidades. Do contrário,
recursos excessivamente vinculados poderiam implicar em sobras em determinados programas e falta em
outros programas.

Entretanto, a própria Constituição Federal de 1988, em sua redação original, ao estabelecer o


princípio de não vinculação de receitas, no inciso IV de seu artigo 167, já abria duas exceções: a da
destinação de recursos para manutenção e desenvolvimento do ensino e para a prestação de para a
prestação de garantias às operações de crédito por antecipação de receita.

Esta era a redação original da Constituição Federal de 1988:


"Art. 167. São vedados:
...
IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa, ressalvadas a repartição do
produto da arrecadação dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação de
recursos para manutenção e desenvolvimento do ensino, como determinado pelo art. 212, e a
prestação de garantias às operações de crédito por antecipação de receita, previstas no art. 165,
§ 8º;
...

Às duas exceções iniciais somou-se uma outra, introduzida pela Emenda Constitucional nº 3, de
17.3.1993, que acrescentou ao artigo 167 da Constituição Federal o § 4º, com a seguinte redação:
"Art. 167. São vedados:
...
§ 4º É permitida a vinculação de receitas próprias geradas pelos impostos a que se referem os
arts. 155 e 156, e dos recursos de que tratam os arts. 157, 158 e 159, I, a e b, e II, para a
prestação de garantia ou contragarantia à União e para pagamento de débitos para com esta."

Mais adiante, às três exceções somou-se uma outra: a da possibilidade de vinculação da


receita à destinação de recursos para as ações e serviços públicos de saúde. Isto em decorrência da edição
da Emenda Constitucional nº 29, de 13.9.2000, que alterou a redação do inciso IV, do artigo 167, da
Constituição Federal. Destarte, a redação deste artigo em relação às exceções ao princípio da não
vinculação de receita assim ficava:
"Art. 167. São vedados:
...
IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa, ressalvadas a repartição do
produto da arrecadação dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação de
recursos para as ações e serviços públicos de saúde e para manutenção e desenvolvimento do
ensino, como determinado, respectivamente, pelos arts. 198, § 2º, e art. 212, e a prestação de
garantias às operações de crédito por antecipação de receita, previstas no art. 165, § 8º, bem
como o disposto no § 4º deste artigo;
...
§ 4º É permitida a vinculação de receitas próprias geradas pelos impostos a que se referem os
arts. 155 e 156, e dos recursos de que tratam os arts. 157, 158 e 159, I, a e b, e II, para a
prestação de garantia ou contragarantia à União e para pagamento de débitos para com esta."

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 15

Mencionou-se que "assim ficava" a redação do artigo 167, levando-se em consideração que,
atualmente, cinco são as exceções ao princípio aqui mencionado em decorrência do mesmo artigo 167 da
Constituição Federal passar a ter "nova redação", segundo o que dispõe a Emenda Constitucional nº 42, de
19.12.2003, que veio a acrescentar à possibilidade da vinculação de receita, "a realização de atividades da
administração tributária". Com esta Emenda, a Constituição Federal de 1988 "emendada" - ou "remendada" -
passa, até aqui, a assim dispor em seu artigo 167, em relação ao princípio aqui mencionado:
"Art. 167. São vedados:
...
IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa, ressalvadas a repartição do
produto da arrecadação dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação de
recursos para as ações e serviços públicos de saúde, para manutenção e desenvolvimento do
ensino e para realização de atividades da administração tributária, como determinado,
respectivamente, pelos arts. 198, § 2º, 212 e 37, XXII, e a prestação de garantias às operações de
crédito por antecipação de receita, previstas no art. 165, § 8º, bem como o disposto no § 4º deste
artigo;
...
§ 4º É permitida a vinculação de receitas próprias geradas pelos impostos a que se referem os
arts. 155 e 156, e dos recursos de que tratam os arts. 157, 158 e 159, I, a e b, e II, para a
prestação de garantia ou contragarantia à União e para pagamento de débitos para com esta."

Neste compasso, se está correndo o risco do artigo 167 da Constituição Federal vir a
contemplar "mais exceções" do que "princípio".

Com essas cinco exceções constitucionais, fica proibida qualquer vinculação de receita de
impostos a órgão, fundo ou despesa. Isto quer dizer que é proibido pela própria Constituição - até que ela
venha a ser novamente emendada, ou "remendada" - de se fixar qualquer outro tipo de despesa em
percentual ou parte de receitas. Com isto, o gestor público tem "plena liberdade" na aplicação dos recursos
provenientes da receita pública de acordo com seu programa de governo, com suas necessidades, com
suas prioridades, isento, portanto, da obrigatoriedade de atender outras destinações legais.

3.9 - Princípio da programação


Seguramente um dos mais importantes princípios do orçamento, o da programação influi
decisivamente para a obtenção dos objetivos de uma boa administração.

Vários fatores determinam a necessidade de programação:


a) as grandes mudanças constitucionais;
b) as reformas das áreas de educação, assistência e saúde;
c) a nova realidade econômica com a estabilização da moeda;
d) a grande necessidade de investimentos e escassez de recursos.
O orçamento, nos dias atuais, deixa de ser uma peça de fixação de limites financeiros para
tornar-se um instrumento de programação dos meios necessários para que sejam atingidos os objetivos e
metas, tal como definidos pela política econômico-social.
O disposto no § 5º do art. 165 da Constituição Federal, não deixa qualquer dúvida a respeito:
"Art. 165. ..................................................................................................
...
§ 5º. A lei orçamentária compreenderá:
I - o orçamento fiscal referente aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e entidades da
administração direta e indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público;
II - o orçamento de investimento das empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha
a maioria do capital social com direito a voto;
III - o orçamento da seguridade social, abrangendo todas as entidades e órgãos a ela vinculados,
da administração direta ou indireta, bem como os fundos e fundações instituídos e mantidos pelo
Poder Público.
..."

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 16

4 - Metodologia de elaboração

4.1 - Introdução

Independentemente do porte do município, ou mesmo de sua estrutura administrativa, a


elaboração da proposta orçamentária deverá obedecer a uma metodologia de trabalho, da qual participarão
todos os setores envolvidos, inclusive com a participação popular e a realização de audiências públicas,
conforme previsto no parágrafo único do artigo 48, da Lei Complementar nº 101, de 2000. A necessidade
das audiências públicas é assegurada, também, pela Lei nº 10.257, de 2001 - Estatuto da Cidade - que em
seu artigo 44, chega a dispor que esta é obrigatória para a aprovação do respectivo projeto pela Câmara
Municipal.

Para que o administrador venha a conduzir uma gestão responsável, é primordial que a
proposta orçamentária tenha, por início, a previsão da receita. Isto porque será esta que estabelecerá o
limite para a realização das despesas (previsão do equilíbrio orçamentário, ou seja, não se gastar mais do
que se arrecadar), obedecendo-se ainda os parâmetros fixados na Lei de Diretrizes Orçamentárias (metas
fiscais, com determinação dos resultados, primário e nominal, a serem alcançados; riscos fiscais, reserva de
contingência etc.).

A previsão da receita precedente aos demais atos deriva, também, de impositivo legal; suas
estimativas, inclusive da receita corrente líquida, deverão estar disponibilizadas ao Poder Legislativo e ao
Ministério Público, no mínimo trinta dias antes do prazo final para encaminhamento da proposta
orçamentária, conforme previsto no § 3º do artigo 12, da Lei Complementar nº 101:
"Art. 12. ...................................................................................................
...............
§ 3º - O Poder Executivo de cada ente colocará à disposição dos demais Poderes e do Ministério
Público, no mínimo trinta dias antes do prazo final para encaminhamento de suas propostas
orçamentárias, os estudos e as estimativas das receitas para o exercício subseqüente, inclusive
da corrente líquida, e as respectivas memórias de cálculo."

Em nível de governo municipal, a elaboração do orçamento para o exercício de 2010 não se


apresentará como tarefa por demais dificultosa. Isto devido ao fato de que este exercício - 2010 - se trata do
primeiro período relativo ao Plano Plurianual - PPA 2010-2013, cuja elaboração ocorre praticamente
concomitante com este.
Considerando o atual nível de detalhamento exigido para o Plano Plurianual, assim como diante
do fato de que também este deva, na sua elaboração, iniciar-se pela projeção das receitas municipais para
todo o período por ele abrangido, certamente, poucas modificações ou mesmo ajustes se farão necessários
por oportunidade da elaboração da proposta orçamentária.

4.2 - Consolidação dos orçamentos

Conforme expressa disposição contida no § 5º, do artigo 165 da Constituição Federal, tem-se
que a lei orçamentária anual compreenderá: o orçamento fiscal referente aos Poderes da União (aqui se
entenda do Município), seus fundos, órgãos e entidades da administração direta e indireta, inclusive
fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público.

Dentro desse mesmo enfoque, o inciso III, do artigo 50, da Lei Complementar nº 101, de 2000,
determina que as demonstrações contábeis compreenderão, isoladas e conjuntamente, as transações e
operações de cada órgão, fundo, ou entidade da administração direta, autárquica, fundacional, e, inclusive,
das empresas estatais dependentes (aquelas que são mantidas com recursos do Tesouro Municipal).

Para atendimento das normas ora mencionadas, o orçamento anual deverá contemplar as
receitas e as despesas de todas as entidades mencionadas de forma que a lei orçamentária anual passa a
ser um instrumento único de previsão de receita e de fixação da despesa.

Deve-se observar, no entanto, que a execução orçamentária de cada uma das entidades
contempladas na lei orçamentária deverá ser realizada isoladamente, cabendo à contabilidade geral do
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 17

Município, a ser realizada pela Prefeitura, proceder a consolidação das receitas e das despesas de todas as
entidades municipais por intermédio da incorporação mensal dos balancetes dessas entidades,

É indispensável que as entidades da administração indireta (autarquias, fundações públicas e


empresas dependentes) sejam incluídas na lei orçamentária anual como unidades orçamentárias,
vinculadas ao órgão a que estejam subordinadas.

Tendo por base a estimativa da receita, o setor responsável pela elaboração da proposta
orçamentária, ouvindo os responsáveis de cada unidade orçamentária, procederá a sua adequação e
consolidação. Certamente, esta fase se constitui na mais atribulada dentre todas aquelas que antecedem à
redação do projeto de lei orçamentária anual. Isto porque nem todos poderão ser atendidos na plenitude de
suas pretensões; até mesmo os Chefes de Poderes.

Dentre outras preocupações, também é nessa fase em que deverão estar previstos, conforme
adiante veremos em item próprio, os parâmetros constitucionais tais como aplicação no ensino, despesas do
Legislativo, remuneração dos agentes políticos, despesas com pessoal etc.

Esta é uma fase de trabalho técnico especializado. Nesta fase, os técnicos encarregados da
elaboração do projeto final da proposta orçamentária deverão verificar:
 o equilíbrio entre o total da receita e o da despesa;
 a classificação correta das receitas de acordo com a tabela atualizada do Ministério da
Fazenda;
 a classificação correta da despesa quanto às codificações: local, funcional e econômica;
 se os programas, projetos e atividades estão previstos no Plano Plurianual e nas Diretrizes
Orçamentárias;
 se as despesas com o Legislativo, ensino, saúde, pessoal, e inativos, estão dentro dos índices
legais.
Já que falando na correta classificação das receitas e das despesas, importante destacar a
inovação trazida pela Lei nº 4.320, de 1964, ao instituir o orçamento-programa e sepultando o orçamento
clássico ou tradicional, que se constituía apenas em uma previsão de receitas e autorização de despesas.

A base de classificação do orçamento-programa é a classificação funcional programática,


fixada por diversas Portarias que continham a codificação para as funções, para os programas e para os
subprogramas. A Portaria atualmente em vigor, trata-se da Portaria nº 42, de 14.4.1999, do Ministério do
Orçamento e Gestão, a qual simplesmente apresenta codificação para classificação funcional (funções e
subfunções), não deixando, contudo, de alicerçar-se também em programas.

A classificação funcional traduz o esquema e detalhamento de trabalho do programa de


governo, mediante a utilização dos seguintes conceitos:

Função: deve entender-se o maior nível de agregação das diversas áreas de despesa que
competem ao setor público.

Subfunção: representa uma partição da função, visando agregar determinado subconjunto de


despesa do setor público.

Programa: o instrumento de organização da ação governamental visando à concretização dos


objetivos pretendidos, sendo mensurado por indicadores estabelecidos no plano plurianual;

Projeto: um instrumento de programação para alcançar o objetivo de um programa, envolvendo


um conjunto de operações, limitadas no tempo, das quais resulta um produto que concorre para a expansão
ou o aperfeiçoamento da ação de governo;

Atividade: um instrumento de programação para alcançar o objetivo de um programa,


envolvendo um conjunto de operações que se realizam de modo contínuo e permanente, das quais resulta
um produto necessário à manutenção da ação de governo;

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 18

Operações especiais: as despesas que não contribuem para a manutenção das ações de
governo, das quais não resulta um produto, e não geram contraprestação direta sob a forma de bens ou
serviços.

4.3 - Estimativa da receita

A estimativa da receita é tratada pela Lei nº 4.320, de 1964, em seus artigos 29 a 31. Conforme
os artigos citados, esta terá por base as demonstrações mensais da receita arrecadada, segundo as
rubricas, pelo menos dos três últimos exercícios, considerando ainda as circunstâncias de ordem conjuntural
e outras que possam afetar a produtividade de cada fonte de receita.

Com a edição da Lei Complementar nº 101, de 2000, a estimativa da receita passou a estar
subordinada, também, aos seguintes requisitos (LC 101, art. 12):
"Art. 12. As previsões de receita observarão as normas técnicas e legais, considerarão os efeitos
das alterações na legislação, da variação do índice de preços, do crescimento econômico ou de
qualquer outro fator relevante e serão acompanhadas de demonstrativo de sua evolução nos
últimos três anos, da projeção para os dois seguintes àquele a que se referirem, e da metodologia
de cálculo e premissas utilizadas."

Em relação à receita, a Lei Complementar nº 101 traz dispositivos mais contundentes, inclusive
fixando penalidade, conforme os termos de seu artigo 11:
"Art. 11. Constituem requisitos essenciais da responsabilidade na gestão fiscal a instituição,
previsão e efetiva arrecadação de todos os tributos da competência constitucional do ente da
Federação.
Parágrafo único. É vedada a realização de transferências voluntárias para o ente que não observe
o disposto no caput, no que se refere aos impostos."

Ainda em relação à receita, a mesma Lei Complementar nº 101 apresenta outra novidade.
Trata-se da adoção de medidas de compensação quanto a atos governamentais que importem em renúncia
de receita, conforme as disposições contidas em seu artigo 14:
Art. 14. A concessão ou ampliação de incentivo ou benefício de natureza tributária da qual decorra
renúncia de receita deverá estar acompanhada de estimativa do impacto orçamentário-financeiro
no exercício em que deva iniciar sua vigência e nos dois seguintes, atender ao disposto na lei de
diretrizes orçamentárias e a pelo menos uma das seguintes condições:
I - demonstração pelo proponente de que a renúncia foi considerada na estimativa de receita da
lei orçamentária, na forma do art. 12, e de que não afetará as metas de resultados fiscais
previstas no anexo próprio da lei de diretrizes orçamentárias;
II - estar acompanhada de medidas de compensação, no período mencionado no caput, por meio
do aumento de receita, proveniente da elevação de alíquotas, ampliação da base de cálculo,
majoração ou criação de tributo ou contribuição.
§ 1º. A renúncia compreende anistia, remissão, subsídio, crédito presumido, concessão de
isenção em caráter não geral, alteração de alíquota ou modificação de base de cálculo que
implique redução discriminada de tributos ou contribuições, e outros benefícios que correspondam
a tratamento diferenciado.
§ 2º. Se o ato de concessão ou ampliação do incentivo ou benefício de que trata o caput deste
artigo decorrer da condição contida no inciso II, o benefício só entrará em vigor quando
implementadas as medidas referidas no mencionado inciso.
§ 3º. O disposto neste artigo não se aplica:
I - às alterações das alíquotas dos impostos previstos nos incisos I, II, IV e V do art. 153 da
Constituição, na forma do seu § 1º;
II - ao cancelamento de débito cujo montante seja inferior ao dos respectivos custos de cobrança.

Resumindo, pode-se dizer que nesta fase o setor competente da Prefeitura Municipal deverá
proceder a uma análise individualizada da evolução de cada receita nos últimos doze meses que antecedem
a elaboração da proposta, e estabelecerá o valor projetado a ser orçado, considerando nesta projeção as

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 19

alterações tributárias e a conjuntura econômica do País e do Município, que possam refletir de forma
positiva ou negativa na arrecadação municipal.

Métodos simples de estatística poderão fornecer subsídios para a obtenção de estimativas


realísticas, sendo desaconselhável, nos levantamentos estatísticos, a utilização de períodos longos para
evitar diluição dos valores durante o processo.

Como mencionado na introdução deste título, nunca é demais lembrar que a previsão da receita
deverá estar disponibilizada ao Poder Legislativo e ao Ministério Público, no mínimo trinta dias antes do
prazo final para encaminhamento da proposta orçamentária, segundo o que dispõe a Lei Complementar nº
101, em seu artigo 12, § 3º.

Considerando que o orçamento deve ser consolidado, integrando todas as operações dos
órgãos e entidades da administração direta e indireta, na estimativa da receita deverão estar contempladas
as chamadas receitas correntes e de capital "intra-orçamentárias", conforme dispõe a Portaria
Interministerial nº 338, de 26.4.2006, das Secretarias do Tesouro Nacional e de Orçamento Federal,
respectivamente, dos Ministérios da Fazenda e de Planejamento, Orçamento e Gestão, a qual alterou o
Anexo I da Portaria Interministerial STN/SOF nº 163, de 2001.

Segundo o que dispõe o artigo 1º desta Portaria Interministerial, são definidas como
intra-orçamentárias as operações que resultem de despesas de órgãos, fundos, autarquias, fundações,
empresas estatais dependentes e outras entidades integrantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social
decorrentes da aquisição de materiais, bens e serviços, pagamento de impostos, taxas e contribuições,
quando o recebedor dos recursos também for órgão, fundo, autarquia, fundação, empresa estatal
dependente ou outra entidade constante desses orçamentos, no âmbito da mesma esfera de governo. Ainda
nos termos desta Portaria Interministerial, as classificações dessas operações - na receita - serão
identificadas pela "substituição" dos dígitos relativos ao 1º nível das categorias econômicas (1 e 2) pelos
dígitos 7, em se tratando de receita intra-orçamentária corrente, ou 8, em se tratando de receita
intra-orçamentária de capital, mantendo-se os demais dígitos da codificação da receita.

A própria estimativa da receita, ao se dar de forma individualizada por rubrica, já nos leva à sua
classificação, nos termos das disposições legais. Entretanto, o assunto da classificação da receita se
encontra abordado, de forma mais abrangente, na apostila "Classificações Orçamentárias - 2008" que
integra o material deste curso.

4.3.1 - Operações de crédito

De acordo com o artigo 32 da Lei Complementar nº 101, de 2000, cabe ao Ministro da Fazenda
verificar o cumprimento dos limites e condições relativos à realização de operações de crédito de cada ente
da Federação, inclusive das empresas por eles contratados, direta ou indiretamente.

Para a realização de operações de crédito, o município deverá atender as seguintes condições:


I - existência de prévia e expressa autorização para a contratação no texto da lei orçamentária,
em créditos adicionais ou lei especifica;
II - inclusão no orçamento ou em crédito adicional, dos recursos provenientes da operação,
exceto no caso de operação por antecipação da receita;
III - observância dos limites e condições fixados pelo Senado Federal;
IV - autorização específica do Senado Federal, quando se tratar de operação de crédito
externa;
V - atendimento do disposto no inciso III, do artigo 167 da Constituição;
VI - observância das demais restrições estabelecidas na Lei Complementar nº 101.

4.3.2 - Transferências voluntárias

A previsão na Lei Orçamentária de receitas provenientes de convênios, para a realização de


despesas custeadas com recursos transferidos por outras esferas de governo, dependerá da existência
prévia de lei que autorize a celebração dos referidos convênios, cuja classificação orçamentária da receita

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 20

poderá ser "1760.00.00", para atender despesas correntes, ou "2470.00.00", no caso de destinar-se ao
atendimento de despesas de capital.

Recomenda-se que a realização de despesas à conta de recursos de convênios somente seja


autorizada após a efetiva arrecadação da receita, depositada em conta vinculada, com exceção das
situações previstas nos próprios convênios firmados (realização de obras com a liberação de recursos
financeiros mediante a apresentação das respectivas medições).

No âmbito da União, as transferências voluntárias, resultantes da celebração de convênios com


os Municípios, se encontram disciplinadas, pela Instrução Normativa STN nº 1, de 15 de janeiro de 1997,
com alterações posteriores.

Ainda no âmbito da União, importante registrar a edição do Decreto nº 6.170, de 25 de julho de


2007, publicado no Diário Oficial da União do dia seguinte, dispondo sobre normas relativas às
transferências de recursos da União mediante convênios e contratos de repasse, com as alterações
promovidas pelas disposições contidas nos Decretos nº 6.428, nº 6.497 e nº 6.619, todos de 2008.

Segundo disposições insertas no artigo 2º de referido Decreto, a partir de 1º de julho de 2008,


fica vedada a celebração de convênios com órgãos e entidades da administração pública dos Estados,
Distrito Federal e Municípios cujo valor seja inferior a R$ 100.000,00 (cem mil reais), embora o parágrafo
único de referido artigo permita, para fins de alcance deste valor o “consorciamento” entre os órgãos e
entidades da administração pública direta e indireta dos Entes da Federação mencionados.

Com a edição de referido Decreto, parece que a União está acenando para uma “nova
situação” a ser instaurada a partir de 2008; principalmente em relação aos municípios, obrigando-os,
praticamente, a se “consorciarem”, caso tenham esperança em receber recursos federais.

Dessa forma, a inclusão de recursos provenientes de transferências voluntárias da União aos


Municípios, na lei orçamentária anual de 2010, com valores inferiores a R$ 100.000,00 (cem mil reais),
poderá ser considerada como uma mera ilusão, uma mera vertigem.

É preciso que os profissionais técnicos municipais estejam atentos aos acenos, quer da União,
quer dos Estados-membros respectivos, em relação à possibilidade de virem a ser agraciados com
transferências de repasses de recursos voluntários daquelas esferas de governo.

4.4 - Definição das prioridades

A definição das prioridades governamentais deveria ser realizada com base na Lei de
Diretrizes Orçamentárias, onde seriam destacados os programas a serem contemplados na Lei
Orçamentária Anual.

Contudo, diante do nível de detalhes exigidos já para o Plano Plurianual, inclusive com
informações em termos físicos e financeiros, fica reservada à Lei de Diretrizes Orçamentárias, apenas e tão
somente, a simples transcrição daquilo estabelecido no Plano Plurianual.

Com as novas normas regulamentares introduzidas, pode-se dizer que tanto a Lei de Diretrizes
Orçamentárias quanto a Lei Orçamentária Anual perderam suas principais funções. Ou seja, a primeira
servindo para se destacar do Plano Plurianual aquilo que seria realizado no exercício a que se referisse,
enquanto que a segunda para a alocação das dotações orçamentárias necessárias para a realização
daqueles “destaques”.

De todo modo, nesta oportunidade serão definidas as ações (projetos, atividades e operações
especiais), bem como formas de execução, estimando-se os valores necessários, e identificando-se os
recursos para a sua execução.

Nesta fase, deve-se tomar o máximo cuidado para que não sejam contempladas prioridades
que possam ferir as disposições legais; notadamente diante da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC
101/2000), pois esta impõe diversas vedações.

Como exemplo, dentre outras, podem ser citadas as seguintes vedações:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 21

a) consignação, na Lei Orçamentária Anual, de dotação para investimento com duração


superior a um exercício financeiro, que não esteja previsto no Plano Plurianual ou em lei que
autorize a sua inclusão (§ 5º, do art. 5º);
b) condicionamento da inclusão de novos projetos na lei orçamentária e nas de créditos
adicionais, somente após o atendimento daqueles em andamento e contempladas as despesas
de conservação do patrimônio público (art. 45).

4.5 - Apuração do valor do orçamento

4.5.1 - Propostas parciais

Conforme lições do saudoso Mestre Helly Lopes Meirelles, "Governo e Administração" são
termos que andam juntos e muitas vezes confundidos, embora expressem conceitos diversos nos vários
aspectos em que se apresentam. "Administração Pública, em sentido formal, é o conjunto de órgãos
instituídos para consecução dos objetivos do Governo; em sentido material, é o conjunto das funções
necessárias aos serviços públicos em geral; em acepção operacional, é o desempenho perene e
sistemático, legal e técnico, dos serviços próprios do Estado ou por ele assumidos em benefício da
coletividade. Numa visão global, a Administração é, pois, todo o aparelhamento do Estado preordenado à
realização de seus serviços, visando a satisfação das necessidades coletivas." (in Direito Administrativo
Brasileiro, 14. ed. atual. pela Constituição federal de 1988. - São Paulo : Editora Revista dos Tribunais, 1989,
p. 55-6).

A articulação para se obter o valor do orçamento está intimamente ligada à estrutura


organizacional da Administração, destacando-se, neste momento, as Unidades Administrativas.

No que concerne à Administração Pública, as unidades administrativas possuem três


características básicas:
a) a de dividir um órgão público para efeitos de organização administrativa em organogramas;
b) têm dentro dos organogramas a finalidade de consignar dotações próprias, com a
responsabilidade da aplicação dos recursos financeiros; é nas unidades que as dotações são
consignadas;
c) as unidades administrativas, conforme a tipicidade do órgão, podem subdividir-se, adotando
definições de nomenclatura como: divisões, diretorias, assessorias, controladorias,
procuradorias, chefias, serviços etc.
Assim, nesta fase, os responsáveis pelo orçamento ou mesmo pelos órgãos governamentais,
solicitam das unidades administrativas a eles subordinadas uma previsão de custos dos serviços relativos à
manutenção das atividades setoriais, bem como possíveis ampliações ou a criação de novas atividades, a
fim de atenderem aos programas de governo.

A previsão das despesas de cada unidade orçamentária deverá ser estabelecida com base no
total realizado nos últimos doze meses, aplicando-se um índice de correção (o mais indicado é o IGP-M, da
Fundação Getúlio Vargas). Para as despesas com pessoal, o cálculo deverá levar em consideração os
reajustes previstos na Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO.

A título de exemplo, é apresentado um modelo de quadro para levantamento das propostas


parciais a serem elaboradas pelas unidades orçamentárias ao final deste trabalho, juntamente com os
demais modelos relativos a outros assuntos aqui tratados.

4.5.2 - Pessoal e encargos

Esta articulação visa maior proximidade, tanto quanto possível, com a realidade dos gastos
futuros. Trata-se de providência imprescindível na alocação de recursos para os gastos com o pessoal ativo,
inativo, pensionistas, as vantagens instituídas em lei, previsão de novas admissões, o custo das obrigações
patronais, projeção das aposentadorias e outros encargos. O setor responsável pela elaboração do
orçamento público deverá estar de posse das informações para uma análise mais profunda dos gastos com
pessoal, visando, inclusive, dar atendimento ao limite legal instituído pela Lei Complementar nº 101, de
2000, conforme adiante veremos em item próprio do presente trabalho.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 22

4.5.3 - Poder Legislativo

No que se refere à sua elaboração, o Poder Legislativo, em todas as esferas de governo,


participa do orçamento de maneira individualizada e independente. A inclusão do Poder Legislativo no
orçamento deve acontecer de maneira harmônica, por meio de articulações entre os dois Poderes quanto a
datas e percentuais.

Com relação aos percentuais, não poderão ser esquecidos os limites estabelecidos pela Lei de
Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000), bem como aos limites estabelecidos pela Emenda Constitucional nº
25, de 14 de fevereiro de 2000 (constantes de item próprio, adiante consignado).

4.5.4 - Entidades descentralizadas

O princípio da unidade orçamentária é de que o orçamento é uno para todas as entidades que
compõem o ente da Federação (União, cada Estado, o Distrito Federal e cada Município). O setor de
orçamento também deverá articular para obter o valor de cada orçamento das entidades descentralizadas.
Mesmo que o detalhamento seja apresentado separadamente, isto é, através de múltiplos orçamentos que
são elaborados de forma independente, estes devem sofrer a consolidação, possibilitando assim o
conhecimento do desempenho global das finanças públicas.

4.5.5 - Precatórios

Os precatórios devem estar registrados em livro próprio na ordem cronológica de chegada,


conforme determina o artigo 100 da Constituição Federal:
"Art. 100 - À exceção dos créditos de natureza alimentícia, os pagamentos devidos pela Fazenda
Federal, Estadual ou Municipal, em virtude de sentença judiciária, far-se-ão exclusivamente na
ordem cronológica de apresentação dos precatórios e à conta dos créditos respectivos, proibida a
designação de casos ou de pessoas nas dotações orçamentárias e nos créditos adicionais
abertos para este fim.
§ 1º - É obrigatória a inclusão, no orçamento das entidades de Direito Público de verba
necessária ao pagamento de seus débitos constantes de precatórios judiciários, apresentadas até
1º de julho, data em que terão atualizados seus valores, fazendo-se o pagamento até o
pagamento até o final do exercício seguinte.
§ 2º - As dotações orçamentárias e os créditos abertos serão consignados ao Poder Judiciário,
recolhendo-se as importâncias respectivas à repartição competente, cabendo ao Presidente do
Tribunal que proferir a decisão exequenda determinar o pagamento, segundo as possibilidades do
depósito, e autorizar, a requerimento do credor e exclusivamente para o caso de preterimento de
seu direito de precedência, o seqüestro da quantia necessária à satisfação do débito.
§ 3° O disposto no caput deste artigo, relativamente à expedição de precatórios, não se aplica aos
pagamentos de obrigações definidas em lei como de pequeno valor que a Fazenda Federal,
Estadual ou Municipal deva fazer em virtude de sentença judicial transitada em julgado."

A Lei Complementar nº 101, de 2000, estabelece que o não pagamento dos precatórios
acarretará o aumento da dívida consolidada, para efeito dos limites da dívida pública. É o que dispõe o § 7º,
de seu art. 30:

"Art. 30. ..................................................................................................


§ 7º. Os precatórios judiciais não pagos durante a execução do orçamento em que houverem sido
incluídos integram a dívida consolidada, para fins de aplicação dos limites."

4.5.6 - Transferências de recursos

Considerações gerais

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) destinou Capítulo específico (Capítulo VI), para
tratar da "destinação de recursos públicos para o setor privado". Diferentemente do Capítulo V - Das
Transferências Voluntárias - que trata da entrega de recursos correntes ou de capital a outro ente da

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 23

Federação, a título de cooperação, auxílio ou assistência financeira, a destinação de recursos públicos para
o setor privado é definido no artigo 26 da mencionada Lei:

"Art. 26. A destinação de recursos para, direta ou indiretamente, cobrir necessidades de pessoas
físicas ou déficits de pessoas jurídicas deverá ser autorizada por lei específica, atender às
condições estabelecidas na lei de diretrizes orçamentárias e estar prevista no orçamento ou em
seus créditos adicionais.
§ 1º. O disposto no caput aplica-se a toda a administração indireta, inclusive fundações públicas e
empresas estatais, exceto, no exercício de suas atribuições precípuas, as instituições financeiras
e o Banco Central do Brasil.
§ 2º. Compreende-se incluída a concessão de empréstimos, financiamentos e refinanciamentos,
inclusive as respectivas prorrogações e a composição de dívidas, a concessão de subvenções e a
participação em constituição ou aumento de capital."

O interesse público é que deverá nortear toda e qualquer transferência de recursos públicos
para o setor privado. Dessa forma, este deverá estar bem delineado pelo Poder Público concessor.

Dentre as transferências de recursos públicos para o setor privado, podem ser citadas as
subvenções, os auxílios e as contribuições.

Das Subvenções

As subvenções, sociais e econômicas, são tratadas na Lei nº 4.320, de 1964, conforme seus
artigos 16 a 19. Pertencem à categoria econômica das Transferências Correntes.

Os parágrafos 2º e 3º, do art. 12 da Lei nº 4.320, trazem as seguintes definições:

"Art. 12. A Despesa será classificada nas seguintes categorias econômicas:


...
§ 2º. Classificam-se como Transferências Correntes as dotações para despesas às quais não
corresponda contraprestação direta em bens ou serviços, inclusive para contribuições e
subvenções destinadas a atender à manutenção de outras entidades de direito público ou privado.
§ 3º. Consideram-se subvenções, para os efeitos desta Lei, as transferências destinadas a cobrir
despesas de custeio das entidades beneficiadas, distinguindo-se como:
I - subvenções sociais, as que se destinem a instituições públicas ou privadas de caráter
assistencial ou cultural sem finalidade lucrativa;
II - subvenções econômicas, as que se destinem a empresas públicas ou privadas de caráter
industrial, comercial, agrícola ou pastoril.
..."

A concessão de subvenções sociais visará à prestação de serviços essenciais de assistência


social, médica e educacional. Sempre que possível, o valor das subvenções será calculado com base em
unidades de serviços efetivamente prestados ou postos à disposição dos interessados (art. 16). As
subvenções econômicas destinam-se à cobertura dos déficits de manutenção das empresas públicas, de
natureza autárquica ou não (art. 18). Destina-se ainda à cobertura da diferença entre os preços de mercado
e os preços de revenda, pelo Governo, de gêneros alimentícios ou outros materiais, bem como ao
pagamento de bonificações a produtores de determinados gêneros ou materiais (parágrafo único do art. 18).
Estas últimas (do parágrafo único), estando mais ligadas ao Governo Federal, raramente atingem os
Municípios.

É bom que se diga que as subvenções sociais não devem se constituir em regra. As ações de
assistência social, médica e educacional devem se dar diretamente pelo ente governamental. Dessa forma,
as subvenções sociais devem ser apenas supletivas a essas ações, posto que representam ações da
iniciativa privada em assuntos sociais.

Para pleitear o recebimento de subvenções sociais, as entidades interessadas deverão


apresentar ao órgão municipal competente, juntamente com a proposta contendo o plano de trabalho para
aplicação dos recursos recebidos, o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social, expedido
pelo Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS, nos termos da Lei Federal nº 8.742, de 7 de
dezembro de 1993.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 24

Já o artigo 19 da Lei nº 4.320, estabelece que a Lei do Orçamento não consignará ajuda
financeira, a qualquer título, à empresa de fins lucrativos, salvo quando se tratar de subvenções cuja
concessão tenha sido expressamente autorizada em lei especial.

As disposições deste artigo visam a moralização da concessão de subvenções. As subvenções


econômicas destinadas a empresas de fins lucrativos dependerão de autorização em lei especial e anterior à
lei orçamentária, com finalidade de subvencionar programas de interesse social.

Das Contribuições Correntes

Também pertencentes à categoria econômica das Transferências Correntes, ou seja, tratam-se


de transferências destinadas a atender à manutenção de outras entidades, públicas ou privadas. O que
caracteriza as contribuições correntes é a necessidade de serem autorizadas por intermédio de lei especial.

Normalmente, através de um termo formalizado, a entidade concedente visa a contraprestação,


mesmo que indireta, de bens ou serviços prestados pela entidade beneficiária. Um exemplo clássico trata-se
de contribuições concedidas pelos municípios da região ao Hospital de Base em São José do Rio Preto
(SP). As contribuições correntes visam ajuda financeira para a sua manutenção (aqui entendidas as
despesas de custeio). Em contrapartida, este atende a população da entidade concedente.

Dos Auxílios e Contribuições para Despesas de Capital

Os auxílios e contribuições para despesas de capital, por seu turno, pertencem à categoria
econômica Transferências de Capital.

O mesmo art. 12 da Lei nº 4.320, em seu § 6º, nos traz a definição:


"Art. 12. ...............................................................................................
...
§ 6º. São transferências de capital as dotações para investimentos ou inversões financeiras que
outras pessoas de direito público ou privado devam realizar, independentemente de
contraprestação direta em bens ou serviços, constituindo essas transferências auxílios ou
contribuições, segundo derivem diretamente da Lei do Orçamento ou de lei especial anterior, bem
como as dotações para amortização da dívida pública."

O que difere os auxílios das contribuições diz respeito à lei que os autoriza. Os auxílios derivam
diretamente da lei orçamentária; já as contribuições derivam de lei especial.

São transferências que, a exemplo das subvenções, destinam-se a outras pessoas de direito
público ou privado. Estas são de capital, já que se referem a investimentos, ou inversões financeiras, a
serem realizados pelas pessoas beneficiárias.

Entretanto, os auxílios e contribuições não podem ser concedidos indistintamente. Há uma


vedação imposta pelo artigo 21 da Lei nº 4.320, qual seja, a lei do orçamento não poderá prever auxílio, aqui
também entendida a contribuição, a empresas privadas de fins lucrativos.

Nada mais óbvio, pois em se tratando de transferências de capital para que o beneficiado o
aplique na aquisição de bens de capital, que se incorporam ao seu patrimônio, estaria a entidade
concessora aplicando dinheiro público para o aumento do patrimônio das empresas com fins lucrativos.

Esta proibição, no entanto, não se estende às pessoas jurídicas sem fins lucrativos.

Contribuição para o custeio de despesas de competência de outros Entes

Não obstante não se tratar, especificamente, de transferência de recursos financeiros, há de se


destacar a abertura propiciada pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LC nº 101, de 2000), dos municípios
contribuírem, legalmente, para o custeio de despesas de competência de outros Entes da Federação,
conforme o que dispõe o seu artigo 62. Assim se afirma, pois esta era uma situação muito comum antes
mesmo da edição da LRF, muitas vezes de forma ilegal, pois as despesas respectivas não se encontravam
perfeitamente identificadas nas leis orçamentárias anuais.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 25

Segundo a doutrina de Flavio C. de Toledo Jr. e Sérgio Ciquera Rossi (em Lei de
responsabilidade fiscal: comentada artigo por artigo - 3ª ed. rev. e atual. - São Paulo : Editora NDJ, 2005,
p.355-8), “... É o caso, para citar alguns, de o Município cooperar na manutenção do Quartel da Polícia
Militar, do Tiro de Guerra, do Cartório Eleitoral, da Delegacia de Polícia, do Fórum, do Corpo de Bombeiros;
isso é feito através da disponibilização de servidores municipais, do abastecimento das viaturas ou, até
mesmo, do fornecimento de cestas básicas a funcionários lotados naquelas repartições.”

Na mesma obra, citando o Prof. Francois Bremaker, (apud Propostas para reduzir o impacto da
LRF, IBAM, 2000; disponível no site www..federativo.bndes.gov.br), os ilustres autores destacam que “esse
tipo de despesa onera, em média, 4,52% da receita municipal, correspondendo a um agregado anual de R$
3,1 bilhões”. Alertam ainda os notáveis autores que após a LRF, a mera e genérica autorização orçamentária
não é mais suficiente, esclarecendo que essa ajuda financeira há de estar detalhada em instrumento anterior
ao orçamento, qual seja, a lei de diretrizes orçamentárias, cabendo aos vereadores atestarem o interesse
público dessas iniciativas, e, em se tratando normalmente de despesas de caráter continuado, deverão estar
acompanhadas das cautelas preconizadas no artigo 17 da lei fiscal.

De qualquer forma, e segundo os ensinamentos do Prof. Eduardo Barbosa, essas despesas


municipais deverão guardar consonância com as disposições insertas no artigo 23 da Constituição Federal,
em especial às ações destinadas à educação, saúde e assistência social, sob o risco de embora
consideradas legais, estas se demonstrarem como inconstitucionais.

Caso os municípios optem por responderem por despesas de competência de outros Entes da
Federação, além das cautelas mencionadas, deverão, nas respectivas leis orçamentárias anuais, as
incluírem em atividades específicas, atentando-se, inclusive, para a correta classificação das respectivas
funções e subfunções de governo.

4.6 - Despesas de exercícios anteriores

Despesas de Exercícios Anteriores são dotações que deverão ser alocadas no orçamento
observando sempre a categoria econômica da despesa, tendo como finalidade o cumprimento de
pagamentos que não foram processados em época própria. Para a caracterização da Despesa de
Exercícios Anteriores, há a necessidade de formação de processo específico, onde fique demonstrado o
direito do credor em seu despacho final.

A Lei nº 4.320/1964 aborda o assunto em seu artigo 37:


"Art. 37. As despesas de exercícios encerrados, para as quais o orçamento respectivo consignava
crédito próprio, com saldo suficiente para atendê-las, que não se tenham processado na época
própria, bem como os Restos a Pagar com prescrição interrompida e os compromissos
reconhecidos após o encerramento do exercício correspondente poderão ser pagos à conta de
dotação específica consignada no orçamento, discriminada por elementos, obedecida, sempre
que possível, a ordem cronológica."

As despesas de exercícios anteriores que não foram processadas em época própria, bem como
os Restos a Pagar eventualmente cancelados poderão ser reempenhados, em dotações específicas,
consignadas no orçamento, obedecido, sempre que possível, a ordem cronológica para seu pagamento. É o
que se deduz, à vista do artigo 37, da Lei nº 4.320.

O empenhamento das despesas de exercícios anteriores, assim como os Restos a Pagar


cancelados deverão ser processados no elemento "92", observando-se a Categoria Econômica, Grupo de
Despesa, Modalidade de Aplicação e a Classificação Funcional-Programática de seu objeto.

Vale aqui registrar o contido no Manual de Despesa Nacional, 1ª edição, 2008, aprovado pela
Portaria Conjunta STN/SOF nº 3, de 14.10.2008, que assim dispõe sobre o assunto:
São despesas fixadas, no orçamento vigente, decorrentes de compromissos assumidos em
exercícios anteriores àquele em que deva ocorrer o pagamento. Não se confundem com restos a
pagar, tendo em vista que sequer foram empenhadas ou, se foram, tiveram seus empenhos
anulados ou cancelados.

O artigo 37 da Lei nº 4.320/64 dispõe que as despesas de exercícios encerrados, para as quais o
orçamento respectivo consignava crédito próprio, com saldo suficiente para atendê-las, que não

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 26

se tenham processado na época própria, bem como os Restos a Pagar com prescrição
interrompida e os compromissos reconhecidos após o encerramento do exercício correspondente
poderão ser pagos à conta de dotação específica consignada no orçamento, discriminada por
elementos, obedecida, sempre que possível, a ordem cronológica.

O reconhecimento da obrigação de pagamento das despesas com exercícios anteriores cabe à


autoridade competente para empenhar a despesa.

As despesas que não se tenham processado na época própria são aquelas cujo empenho tenha
sido considerado insubsistente e anulado no encerramento do exercício correspondente, mas que,
dentro do prazo estabelecido, o credor tenha cumprido sua obrigação.

Os restos a pagar com prescrição interrompida são aqueles cancelados, mas ainda vigente o
direito do credor.

Os compromissos reconhecidos após o encerramento do exercício são aqueles cuja obrigação de


pagamento foi criada em virtude de lei, mas somente reconhecido o direito do reclamante após o
encerramento do exercício correspondente.

4.7 - Despesas intra-orçamentárias

A exemplo da introdução do "conceito" de receitas intra-orçamentárias (correntes e de capital),


conforme mencionado no item "4.3 - Estimativa da receita", e considerando a necessidade das despesas
serem objeto de empenho, liquidação e pagamento, nos termos do que dispõe a Lei nº 4.320, de 1964, e
ainda, procurando evitar a dupla contagem de valores quando da consolidação das contas, também foi
introduzido o "conceito" das "despesas intra-orçamentárias".

Para tanto, a Portaria Interministerial STN/SOF nº 163, de 2001, sofreu alteração de seu texto,
agora com referência a seu Anexo II, por meio das disposições contidas na Portaria Interministerial nº 688,
de 14.10.2005, das Secretarias do Tesouro Nacional e de Orçamento Federal, respectivamente, dos
Ministérios da Fazenda e do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Assim, a classificação da natureza da despesa (Anexo II da Portaria Interministerial STN/SOF


nº 163/2001), passou a contar com mais duas "modalidades de aplicação" assim identificadas:
“71 - Transferências a Consórcios Públicos
Despesas realizadas mediante transferência de recursos financeiros a entidades criadas sob a
forma de consórcios públicos nos termos da Lei no 11.107, de 6 de abril de 2005, objetivando a
execução dos programas e ações dos respectivos entes consorciados.”

“91 - Aplicação Direta Decorrente de Operação entre Órgãos, Fundos e Entidades Integrantes dos
Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social.
Despesas de órgãos, fundos, autarquias, fundações, empresas estatais dependentes e outras
entidades integrantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social decorrentes da aquisição de
materiais, bens e serviços, pagamento de impostos, taxas e contribuições, além de outras
operações, quando o recebedor dos recursos também for órgão, fundo, autarquia, fundação,
empresa estatal dependente ou outra entidade constante desses orçamentos, no âmbito da
mesma esfera de Governo.”

Vale aqui destacar e transcrever os itens 3, 4 e 5, da "Nota de Esclarecimento" relativa à


Portaria Interministerial STN/SOF nº 688, de 14.10.2005, divulgada juntamente com a sua edição:
"3. No que se refere aos consórcios públicos, a modalidade de aplicação criada tem como função,
de acordo com a referida Portaria Interministerial STN/SOF no 688, de 2005, identificar as
transferências financeiras feitas pelos entes consorciados a entidades instituídas sob a forma de
consórcios públicos, nos termos da Lei no 11.107, de 6 de abril de 2005, em função da
participação do ente no respectivo consórcio. Nesse caso, não há muito mais a esclarecer, além
do que já consta do conceito dessa modalidade de aplicação.

4. Já em relação às operações que envolverem, exclusivamente, órgãos, fundos e entidades


integrantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social, isto é, de um lado despesa com
aquisição de materiais, bens e serviços, pagamento de impostos, taxas e contribuições, além de
outras operações, e de outro recebimento de receita pelo fornecimento de material, bens ou

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 27

serviços e recolhimento dos mencionados tributos, foi criada a modalidade de aplicação “91”, cuja
finalidade é possibilitar o aperfeiçoamento do processo de consolidação dos balanços e demais
demonstrações contábeis, especialmente com a eliminação das dupla contagens hoje existentes.

5. Cabe destacar que neste caso deverão estar como pagador (despesa) e como recebedor
(receita), exclusivamente, órgãos, fundos, autarquias, fundações, empresas estatais dependentes
e outras entidades integrantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social da própria esfera de
Governo (União, Estados, Distrito Federal ou Municípios), ou ainda, o Tesouro desses entes."
(os grifos são nossos)

Este assunto se encontra abordado de forma mais detalhada na apostila "Classificações


Orçamentárias - 2009" que integra o material deste curso.

4.8 - "Reservas orçamentárias"

4.8.1 - Reserva de contingência

A Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal), estabelece


que o projeto de lei orçamentária anual deverá conter reserva de contingência. Dessa forma, esta exigência
agora se estende a todos os Entes de Governo, não obstante já estivesse prevista nas leis orçamentárias da
União, de alguns Estados, e mesmo de Municípios que tivessem legislação local neste sentido.

Dispõe o art. 5º da Lei de Responsabilidade Fiscal:


"Art. 5º. O projeto de lei orçamentária anual, elaborado de forma compatível com o plano
plurianual, com a lei de diretrizes orçamentárias e com as normas desta Lei Complementar:
...
III - conterá reserva de contingência, cuja forma de utilização e montante, definido com base na
receita corrente líquida, serão estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias, destinada ao:
a) (VETADO)
b) atendimento de passivos contingentes e outros riscos e eventos fiscais imprevistos.
...".

A Reserva de Contingência está intimamente ligada ao Anexo de Riscos Fiscais, que deverá
acompanhar a Lei de Diretrizes Orçamentárias, onde deverão ser avaliados os passivos contingentes e
outros riscos capazes de afetar as contas públicas. Este assunto também é abordado pela Lei
Complementar nº 101, no § 3º de seu art. 4º, que dispõe:
"Art. 4º. A lei de diretrizes orçamentárias atenderá o disposto no § 2º do art. 165 da Constituição e:
...
§ 3º. A lei de diretrizes orçamentárias conterá Anexo de Riscos Fiscais, onde serão avaliados os
passivos contingentes e outros riscos capazes de afetar as contas públicas, informando as
providências a serem tomadas, caso se concretizem.
..."

Um aspecto interessante da reserva de contingência é o da sua neutralidade, pois a mesma


não se inclui em nenhuma unidade orçamentária e nem é definida em categorias econômicas. Esta servirá
para o remanejamento de verbas orçamentárias, visando ao atendimento de situações relacionadas a
compromissos não previstos, ou mesmo não esperados durante a execução orçamentária.

Nos termos do que dispõe o artigo 8º da Portaria Interministerial nº 163, de 2001, a identificação
da reserva de contingência nos orçamentos de todas as esferas de governo se dará pelo código
99.999.9999.xxxx.xxxx (podendo "x" ser representado por 9), e, quanto à natureza da despesa será
identificado pelo código 9.9.99.99.99.

4.8.2 - Reserva orçamentária do RPPS

O orçamento dos municípios que possuam regime próprio de previdência social deve
contemplar, além da reserva de contingência, outro tipo de "reserva orçamentária" destinada a esse regime
próprio. Isto porque estes, ao menos durante o período inicial de sua instituição, normalmente apresentam

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 28

receita estimada superior à despesa fixada, compondo assim um superávit orçamentário inicial e visando a
constituição de um "patrimônio" que responderá pelas futuras aposentadorias e pensões. Para que este
superávit de previsão não venha a causar desequilíbrio no orçamento geral do município, a diferença
correspondente (deste superávit) deverá ser classificada na proposta orçamentária com o código
7.7.99.99.99, na nomenclatura "Reserva Orçamentária do RPPS". Portanto, distinta da classificação da
Reserva de Contingência.

4.9 - Riscos fiscais

A avaliação de riscos fiscais pode e deve ser prevista.

Planejar é buscar as perspectivas do futuro. Dentro desse contexto, perfeitamente cabível esta
avaliação. Porém, aqui a previsão não busca o acerto, ou a sua materialização, como no caso da previsão
das receitas ou mesmo da fixação das despesas orçamentárias. Busca-se prever aquilo que pode ocorrer e,
se ocorrer, certamente afetará as contas públicas. Não uma previsão estéril, sem qualquer alicerce ou
fundamento. Note-se que o próprio texto legal não menciona previsão; diz avaliação de riscos fiscais.

Então o ponto de partida para prever, ou avaliar os passivos contingentes e outros riscos,
certamente será com base em fatos presentes. Um exemplo clássico que pode ser citado é o da pendência
de uma ação judicial, tendo por objeto uma indenização e tramitando há muito tempo, movida contra a
Prefeitura Municipal. Referida ação, em primeira instância, foi julgada improcedente, sendo que houve
recurso oposto pela parte contrária. Será que a instância superior manterá a sentença? Esta é apenas a
primeira das indagações. A ela seguem-se outras. Será que o julgamento, pela instância superior, dar-se-á
até o final do exercício seguinte? Caso o julgamento não mantenha a sentença, caberá outro recurso? Em
caso positivo, quais são as chances de seu acolhimento?

Certamente, o rol de hipóteses sobre o mesmo assunto não se esgota com as perguntas ora
formuladas. Mas uma coisa é certa. Independentemente da decisão de primeira instância ter sido favorável à
Prefeitura, bem como da grande possibilidade de manutenção dessa sentença pela instância superior,
verifica-se aí um risco fiscal ou mesmo um passivo contingente.

Portanto, perfeitamente pode e deve ser previsto e avaliado.

Com base nas situações de riscos fiscais contempladas na Lei de Diretrizes Orçamentárias,
deverá ser definido o valor da reserva de contingência a ser estabelecida na Lei Orçamentária Anual.

4.10 - Orçamento e metas fiscais

A Lei Orçamentária Anual deverá ainda conter, em anexo, demonstrativo da compatibilidade da


programação dos orçamentos com os objetivos e metas constantes do Anexo de Metas Fiscais, integrante
do projeto de lei de diretrizes orçamentárias. É o que estabelece a Lei de Responsabilidade Fiscal (LC
101/2000), em seu artigo 5º, I:
"Art. 5º. O projeto de lei orçamentária anual, elaborado de forma compatível com o plano
plurianual, com a lei de diretrizes orçamentárias e com as normas desta Lei Complementar:
I - conterá, em anexo, demonstrativo da compatibilidade da programação dos orçamentos com os
objetivos e metas constantes do documento de que trata o § 1º do art. 4º;
..."

Por sua vez, dispõe o § 1º do art. 4º da Lei Complementar nº 101:


Art. 4º. A lei de diretrizes orçamentárias atenderá o disposto no § 2º do art. 165 da Constituição e:
...
§ 1º. Integrará o projeto de lei de diretrizes orçamentárias Anexo de Metas Fiscais, em que serão
estabelecidas metas anuais, em valores correntes e constantes, relativas a receitas, despesas,
resultados nominal e primário e montante da dívida pública, para o exercício a que se referirem e
para os dois seguintes.
..."

4.11 - Estrutura orçamentária


Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 29

De acordo com a estrutura administrativa do ente da Federação, cada órgão de governo


estabelecerá sua estrutura orçamentária, onde serão agrupadas todas as estimativas de gastos dos setores
afins em unidades orçamentárias. A essas unidades serão alocados os recursos orçamentários para
atendimento dos projetos e atividades a elas determinadas, traduzindo-se assim nas dotações
orçamentárias da despesa.

Isto para atender às determinações legais quanto à classificação institucional da despesa.

A classificação institucional ou estrutura orçamentária deve refletir a distribuição das atividades


e atribuições inerentes a cada órgão e unidade orçamentária, permitindo identificar nas tabelas explicativas
do orçamento, as dotações globais de cada uma. Esta distribuição terá uma importância fundamental na
execução orçamentária, pois é com relação às unidades orçamentárias que se fará o cronograma de
desembolso e as eventuais limitações de empenhos.

A apostila intitulada "Classificações Orçamentárias - 2009", que integra o material deste curso,
traz um quadro exemplificativo de como pode ser composta a estrutura orçamentária.

No caso específico do Estado de São Paulo, o seu Tribunal de Contas estadual apresenta
exemplos da demonstração dessa estrutura, abrangendo a identificação dos "órgãos", das "unidades
orçamentárias" e das "unidades executoras". A esse respeito, vide o item 6 - TCE - Projeto Audesp, deste
trabalho.

4.12 - Procedimentos contábeis específicos

O Manual de Despesa Nacional, 1ª edição, 2008, aprovado pela Portaria Conjunta STN/SOF nº
3, de 14.10.2008, cuja atenta leitura se recomenda aos interessados, em seu item “9 - Procedimentos
Contábeis Específicos”, dispõe sobre a classificação da despesa orçamentária, em especial, quanto a
elementos de despesa que geram mais dúvidas.

Neste Manual, são destacados os seguintes elementos de despesa, distinguindo-os: “material


permanente x material de consumo”; “serviços de terceiros x material de consumo”; e “obras e instalações x
serviços de terceiros”.

Além desses procedimentos específicos, outros importantes assuntos são abordados em


referido item daquele Manual. Daí nossa recomendação quanto à sua atenta leitura.

5 - Parâmetros legais

A Constituição Federal, além de leis infraconstitucionais, estabelecem ora limites mínimos, ora
limites máximos, que deverão ser obedecidos quando da elaboração do projeto de lei orçamentária. Segue
abaixo, resumidamente, um demonstrativo a respeito desses parâmetros:

5.1 - Aplicação no ensino

Os municípios deverão aplicar no mínimo, se outro maior não estiver previsto em sua lei
orgânica, o percentual de 25% (vinte e cinco por cento) das receitas resultantes de impostos,
compreendidas as provenientes de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino.

Com a edição da Emenda Constitucional nº 53, de 19 de dezembro de 2006, e, com a nova


redação por ela introduzida ao artigo 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, mantendo-se
assim a “transitoriedade” das disposições constitucionais, mesmo após decorridos praticamente 20 (vinte)
anos de sua promulgação, deixou de existir a obrigatoriedade da aplicação mínima do percentual mínimo
estabelecido pelo artigo 212, de percentual equivalente a 60% (sessenta por cento) no ensino fundamental
(correspondendo, portanto, a 15% dos 25%).

Talvez tenha sido este o aspecto mais “positivo” na instituição do Fundeb. Deixam os
municípios de terem, obrigatoriamente, de aplicar recursos mínimos no ensino fundamental, podendo,
livremente, carrear parcela maior dos recursos à educação infantil, caso esta seja a necessidade premente
destes. Provavelmente, esta “liberdade” foi concedida em função de que após 10 (dez) anos de Fundef, os
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 30

municípios acabaram cedendo à tentação da “municipalização do ensino fundamental”, e, com a agravante


de se encontrarem sem condições de retorno.

E, agora, com o Fundeb, há, inclusive, um aceno para a possibilidade da “municipalização do


ensino médio”, passando os municípios a responder, também, por essa “modalidade de ensino”, não
obstante com a possibilidade de terem as “transferências de recursos estaduais relativos ao mesmo
Fundeb”.

Espera-se, sinceramente, que os municípios venham a discutir, intensamente, as vantagens e


as desvantagens com essa nova responsabilidade a ser assumida, e, além disso, que esta venha a ser uma
decisão consciente de seus desígnios futuros.

Fundamento legal: Constituição Federal, art. 212 c.c. art. 60 do Ato das Disposições
Constitucionais Transitórias, com as alterações introduzidas pela Emenda Constitucional nº 53.

5.2 - Aplicação na saúde

Após a edição da Emenda Constitucional nº 29, em 13 de setembro de 2000, as despesas


relativas às ações e serviços públicos de saúde passaram a se assemelhar com as despesas relacionadas
com a manutenção e desenvolvimento do ensino.

É que referida Emenda, ao acrescentar os §§ 2º e 3º ao artigo 198 da Constituição Federal,


bem como ao acrescentar o artigo 77 ao Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, passou a
determinar aplicação anual mínima, baseada em percentuais sobre as receitas de impostos, incluídas as
provenientes de transferências. Este percentual, no caso dos municípios, é fixado em 15% da receita de
impostos.

Fundamento legal: Constituição Federal, art. 198, §§ 2º e 3º, e art. 77 do Ato das Disposições
Constitucionais Transitórias, com a nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 29.

5.3 - Total de despesas com o Legislativo

O total de despesas com o Poder Legislativo deverá obedecer ao limite máximo, conforme o
caso, de 8% (oito por cento) a 5% (cinco por cento), sobre o somatório da receita tributária e das
transferências previstas no § 5º do art. 153 e nos artigos. 158 e 159, da Constituição Federal, efetivamente
realizado no exercício anterior.

Fundamento legal: Constituição Federal, art. 29-A, introduzido pela Emenda Constitucional nº
25.

5.4 - Despesas com pessoal

A Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal), revogou,


expressamente, a Lei Complementar nº 96, de 31 de maio de 1999.

Referida Lei Complementar aborda o assunto de forma exaustiva, dedicando-lhe vários de seus
artigos.

Resumidamente, o total das despesas com pessoal, em cada período de apuração


(quadrimestral), não poderá exceder a 60% (sessenta por cento) da Receita Corrente Líquida, sendo que
não poderá exceder a 6% (seis por cento) para o Poder Legislativo e a 54% (cinqüenta e quatro por cento)
para o Executivo, passando a estabelecer, portanto, limites máximos individualizados.

Especificamente quanto ao Poder Legislativo, outro limite, ou mesmo outra regra, também foi
introduzido quanto aos gastos com pessoal. É o que proíbe a Câmara de gastar mais de 70% (setenta por
cento) de sua "receita" com folha de pagamento, incluído o gasto com o subsídio de seus Vereadores. Até
hoje não há um consenso sobre a aplicação deste dispositivo constitucional.

Fundamento legal: Lei Complementar nº 101/2000, art. 19 c.c. art. 20, III e art. 71; Constituição
Federal, § 1º do art. 29-A, introduzido pela Emenda Constitucional nº 25.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 31

5.5 - Subsídio dos vereadores

Vários são os parâmetros determinantes para a fixação dos subsídios dos vereadores.

São eles:
Individualmente:
 o que for fixado na Lei Orgânica do Município, se for o caso;
 o percentual máximo em relação ao subsídio dos deputados estaduais (CF, art. 29, VI,
com redação dada pela EC nº 25, de 14.2.2000);
 o valor do subsídio fixado para o prefeito (CF, art. 37, XI, com a redação dada pela EC
nº 41, de 19.12.2003).
Coletivamente:
 não poderá ultrapassar o montante de 5% (cinco por cento) da receita do município,
(CF, art. 29, VII); neste caso específico, não podemos esquecer que a Deliberação do
Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TC-33.494/026/88), determina a exclusão
do total da receita do Município, as seguintes parcelas: transferências da União e do
Estado, a título de auxílios, subvenções, convênios e ajustes; as transferências de
Pessoas e de Instituições Privadas; as indenizações e restituições; as operações de
crédito; a amortização de empréstimos; as receitas de contribuições e a alienação de
bens;
 somada com os vencimentos dos servidores da Câmara, não poderá ultrapassar o
montante de 70% (setenta por cento) da "receita" do Legislativo Municipal (CF, art. 29-A,
§ 1º, introduzido pela EC nº 25, de 14.2.2000);
 também somados com os vencimentos dos servidores legislativos e, ainda, com as
obrigações patronais respectivas, não poderá ultrapassar o equivalente a 6% (seis por
cento) da receita corrente líquida do município (LC nº 101, de 4.5.2000, art. 20, III, a).

5.6 - Prazos

No que diz respeito aos municípios, os prazos para encaminhamento da proposta orçamentária
ao Poder Legislativo são aqueles definidos nas respectivas leis orgânicas. Normalmente, os prazos fixados
nessas leis orgânicas acompanharam aqueles fixados pela Constituição Federal (§ 2º do art. 35, do Ato das
Disposições Constitucionais Transitórias - até quatro meses antes do encerramento do exercício - 31 de
agosto), ou mesmo pela Constituição do respectivo Estado.

A Constituição do Estado de São Paulo aborda o assunto no inciso II, do artigo 39, do Ato das
Disposições Constitucionais Transitórias (até três meses antes do encerramento do exercício - 30 de
setembro). Para os municípios paulistas, sendo omissa a Lei Orgânica Municipal, o prazo é aquele fixado
pela Constituição Estadual, ou seja, 30 de setembro.

De qualquer forma, deve-se observar que a Lei Orçamentária deverá ser aprovada pelo Poder
Legislativo, devendo ser sancionada até 31 de dezembro para entrar em vigor no exercício subseqüente,
visto que a Lei de Orçamento ou "lei de meios" é uma lei que vigorará durante o exercício financeiro, ou seja,
de 1º de janeiro a 31 de dezembro.

6 - TCE(SP) - Sistema Audesp - Manual LOA

Em relação específica ao Estado de São Paulo, seu Tribunal de Contas estadual, em razão da
implementação do “Sistema Audesp", editou um "Manual Básico - Lei Orçamentária Anual - LOA - 1ª edição
- 2005". Este manual, com texto revisado em julho de 2009, se encontra disponível em seu "site"
(www.tce.sp.gov/audesp).

Nos termos deste manual, o Tribunal de Contas paulista, muito embora com a ressalva de que
este não tenha o condão de normatizar a matéria, visando apenas traçar orientações voltadas à elaboração
da lei orçamentária anual, deixa claro o fato de que o mesmo, na realidade, dispõe sobre os requisitos
mínimos a serem contemplados nas informações a serem encaminhadas àquele órgão de controle. E

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 32

acrescenta, dispondo que essas informações deverão ser prestadas de forma "sintética e uniforme", com a
finalidade de "avaliação e acompanhamento" dos programas e ações governamentais idealizados pelos
“órgãos jurisdicionados”, tornando mais ágil a "verificação da sua eficácia e do acompanhamento do
cumprimento das metas pré-estabelecidas, possibilitando, ainda, uma melhor transparência da
administração, aos órgãos de controle externo e à própria comunidade".

Destarte, por meio deste manual, o Tribunal paulista passa a exigir que a lei orçamentária anual
venha a se revestir de informações complementares àquelas já estabelecidas pela Constituição Federal e
legislação infraconstitucional, mormente a Lei nº 4.320, de 1964. Essas informações deverão constar de
“anexos que, embora meramente exemplificativos, objetivam demonstrar a visualização das informações da
LOA que serão a ele submetidas por meio eletrônico, cujos leiautes e prazo encontram-se divulgados no
manual técnico operacional do sistema audesp e Instruções Consolidadas” disponíveis em seu site.

Por esta razão, recomenda-se aos responsáveis pelos orçamentos dos municípios paulistas a
atenta leitura dos manuais editados pelo Tribunal de Contas respectivo.

7 - Fonte de recursos/vínculos

7.1 - Definição

Com o advento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000), passou-se a exigir novos
procedimentos quanto à escrituração e a consolidação das contas públicas. Esta exigência vem claramente
descrita em seu artigo 50, que requer uma identificação e individualização de lançamentos contábeis:
Art. 50 - Além de obedecer às demais normas de contabilidade pública, a escrituração das contas
públicas observará as seguintes:
I - a disponibilidade de caixa constará de registro próprio, de modo que os recursos vinculados a
órgão, fundo ou despesa obrigatória fiquem identificados e escriturados de forma individualizada;
...
III - as demonstrações contábeis compreenderão, isolada e conjuntamente, as transações e
operações de cada órgão, fundo ou entidade da administração direta, autárquica e fundacional,
inclusive empresa estatal dependente;
IV - as receitas e despesas previdenciárias serão apresentadas em demonstrativos financeiros e
orçamentários específicos;
V - as operações de crédito, as inscrições em Restos a Pagar e as demais formas de
financiamento ou assunção de compromissos junto a terceiros, deverão ser escrituradas de modo
a evidenciar o montante e a variação da dívida pública no período, detalhando, pelo menos, a
natureza e o tipo de credor;
VI - a demonstração das variações patrimoniais dará destaque à origem e ao destino dos recursos
provenientes da alienação de ativos.

Considerando que o orçamento é a peça fundamental para a execução orçamentária, ele deve,
tecnicamente, ser elaborado de forma a permitir todas essas individualizações e vinculações exigidas pelo
artigo 50 da LRF.

Durante a execução orçamentária os encarregados deverão fazer as identificações e


individualizações de lançamentos para atender a todas essas exigências legais. Pode ocorrer de nesta etapa
se constatar que receitas e despesas de vínculos diferentes estejam englobadas. Os resultados obtidos nos
demonstrativos da execução orçamentária dependerão, ainda, além dessas identificações e
individualizações de lançamentos, na correta execução de cada um dos eventos de lançamentos a serem
registrados no sistema.

A cada fonte de recurso diferenciada (rubrica de receita) deverá corresponder um conjunto de


dotações específicas. Isto quer dizer que a cada receita com destinação específica deve ser atribuído um
código e cada ficha de despesa a ser realizada com esta fonte de recursos deve conter este mesmo código
fazendo assim um relacionamento direto entre receita e despesa. É o que chamamos de vínculo da despesa
com a fonte de recurso.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 33

7.2 - Aspectos regulamentares

Em nível nacional, a Secretaria do Tesouro Nacional, inicialmente por meio da Portaria nº 219,
de 29.4.2004, que aprovou a 1ª edição do Manual de Procedimentos da Receita Pública, tratou deste
assunto em seu item "11 - Destinação da Receita Pública". Mais recentemente, a mesma Secretaria,
juntamente com a Secretaria de Orçamento Federal, por meio da Portaria Conjunta STN/SOF nº 3, de
14.10.2008, que aprovou a 1ª edição dos Manuais de Receita Nacional e de Despesa Nacional, e que
substituiu as anteriores, também trata do assunto, inclusive de forma mais abrangente.

A apostila intitulada "Classificações Orçamentárias - 2010", que integra o material deste curso,
aborda o assunto com maiores detalhes.

Conforme mencionado no título 6 deste trabalho, em relação específica ao Estado de São


Paulo, seu Tribunal de Contas estadual lançou um "Manual Básico - Lei Orçamentária Anual - LOA - 1ª
edição - 2005", e, recentemente, procedeu à revisão de seu texto em julho de 2009.

Ocorre, porém, que a "regulamentação" das fontes de recurso preconizadas pelas Secretarias
do Tesouro Nacional e de Orçamento Federal, assim como pelo Tribunal de Contas do Estado de São
Paulo, estão muito mais ligadas ao aspecto da coleta de informações e de fiscalização, do que quanto ao
aspecto de possibilitar, efetivamente, a obtenção de informações de caráter gerencial ao administrador
público, assim como de facilitar a obtenção de relatórios mais detalhados com base na escrituração contábil,
conforme veremos a seguir.

7.3 - Conceituação e funcionamento

Antes mesmo da Secretaria do Tesouro Nacional e do Tribunal de Contas do Estado de São


Paulo sequer estarem preocupados com o assunto "fontes de recurso", o programa informatizado - SCPI -
de contabilidade pública disponibilizado pela Fiorilli Sociedade Civil Ltda.- Software, já dispunha de
ferramentas que atendiam plenamente a identificação da "destinação de recursos", conforme a
nomenclatura utilizada pela STN e pela SOF, ou, como preferimos definir, da "vinculação de fontes de
recursos".

A forma de correlação de elementos contábeis através de vínculos está explicada e detalhada


na matéria intitulada "SCPI 25/03 - Vínculos: Receita/Conta Corrente/Despesa", inserta no Boletim de
Administração Pública Municipal - BAM - cuja elaboração e veiculação se encontra ao encargo da mesma
empresa.

A referida instrução mostra como é possível uma individualização e controle preciso dos fundos
de natureza contábil, unidades ou subunidades orçamentárias, auxílios e convênios contabilizados de forma
integrada na Administração Direta, facilitando a gestão orçamentária, financeira e patrimonial e as
respectivas prestações de contas.

Classificados e codificados de forma lógica, os objetos a serem individualizados ou englobados,


será possível extrair na execução contábil: (1) listagens de receitas e despesas; (2) balancetes
orçamentários e financeiros de receitas e despesas; (3) lançamentos de diário e razão; (4) balanços
orçamentário, financeiro, patrimonial e econômico e (5) prestações de contas mensais aos TCE’s e outros
agentes fiscalizadores.

O vínculo empregado corretamente no SCPI deve fazer a identificação da fonte de recursos


entre os três elementos básicos de controle: (1) no orçamento a receita e a despesa e (2) na execução
contábil a receita, conta corrente e despesa. Os vínculos definidos no orçamento podem ser alterados na
execução.

Na receita, a cada vínculo deve corresponder uma ou mais fichas de receita, não sendo
conveniente uma mesma ficha corresponder a mais de um vínculo. Caso exista uma rubrica de receita a
qual se queira atribuir dois vínculos diferentes, é necessário desdobrar esta rubrica em duas fichas distintas,
pois o vínculo da receita é fixo, sendo informado apenas na ficha.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 34

Quanto às contas correntes, a cada vínculo deve corresponder uma ou mais contas correntes
cadastradas no sistema (geralmente contas do grupo vinculado), não sendo recomendável uma mesma
conta corrente corresponder a mais de um vínculo.

Na despesa, a cada vínculo deve corresponder uma ou mais fichas de receita, não sendo
possível uma mesma ficha corresponder a mais de um vínculo. Entretanto, ao ser feito um empenho, o SCPI
assumirá o vínculo da ficha de despesa e permitirá que, neste empenho, seja informado um outro vínculo
qualquer cadastrado no sistema. Se no empenho for informado um vínculo diferente, este prevalecerá em
todos os processamentos de relatórios e demonstrativos.

Na execução orçamentária, o correto fechamento de um balancete de receita e despesa de um


determinado período, vai depender da identificação correta dos três elementos (receita, conta corrente e
despesa) e dos lançamentos contábeis corretos em cada um desses elementos. Sempre que o total dos
balancetes não for igual (receita e despesa), o SCPI indica a diferença, na receita como transferência de
recursos do município ou, na despesa como transferência de recursos ao município.

A codificação de vínculos no SCPI, é feita através de um código dividido em dois níveis,


composto de três dígitos cada um, com a máscara "999.999". O primeiro nível é chamado de grupo e o
segundo de subgrupo. Entretanto, dentro de cada um deles ainda se faz um desdobramento, permitindo um
detalhamento de informações mais precisas, conforme se pode notar pela sugestão de estrutura de
codificação abaixo preconizada.

Visando conciliar os recursos de controle de vínculos disponíveis no SCPI e as necessidades


de controle e gestão de um objeto (fundos, convênios, auxílios etc.), sugere-se a codificação de vínculos da
seguinte estrutura:

O número de grupo identifica a função (classificação funcional-programática) e a unidade,


subunidade ou fundo que seja necessário individualizar, da seguinte forma:
a) os dois primeiros dígitos identificam a função da classificação funcional-programática: 001 - Recursos
Próprios - Despesas em Geral; 04 - Administração; 08 - Assistência Social; 09 - Previdência Social; 10 -
Saúde; 11 - Trabalho; 12 - Educação; 13 - Cultura; 15 - Urbanismo; 16 - Habitação; 17 - Saneamento; 18
- Gestão Ambiental; 20 - Agricultura;
b) o terceiro dígito identifica uma unidade, secretaria ou fundo, da seguinte forma: 1 - Secretaria de
Educação; 2 - Fundo Municipal de Ensino; 3 - Fundeb-Fundo Manut Desenv Ed Bas Valoriz Prof Educ; 4 -
Fundação Municipal de Ensino; 5 - Secretaria de Saúde; 6 - Fundo Municipal de Saúde.

O subgrupo ou especificação, que é composto de três algarismos, deve ser numerado da


seguinte forma:
a) o primeiro dígito identifica o recurso, da seguinte forma: 0 - quando se tratar de recursos próprios; 1 -
recursos do estado; 2 - recursos da união; 3 - recursos previdenciários; 4 - recursos de operações de
crédito; 5 - recursos de alienações patrimoniais; 6 - recursos de entidades da administração indireta; 7 -
organizações não governamentais.
b) os dois dígitos seguintes identificam o convênio, auxílio ou subfunção que se deseja detalhar, sendo
numerados de 00 a 99 para cada prefixo a que pertençam.

7.4 - Vínculos indispensáveis:

7.4.1 - Disponibilidade de caixa

O registro próprio da disponibilidade de caixa de modo que os recursos vinculados a órgão,


fundo ou despesa obrigatória fiquem identificados e escriturados de forma individualizada é feito no SCPI
através do cadastro de vínculos.

Em tempo de execução, para obter este registro cada conta corrente da entidade deve ser
identificada com o mesmo código de vínculo da fonte de recursos despesa/receita. Assim, cada fonte de
recurso vinculada a órgão, fundo ou despesa obrigatória, será identificada e apresentada nos
demonstrativos de disponibilidade, balancetes e resumo diário de boletim de caixa.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 35

A exatidão dos saldos disponíveis destas contas vai depender de cuidados na execução. Cada
receita vinculada deve ser lançada contra a conta corrente do mesmo vínculo enquanto que cada baixa de
empenho ou ordem de pagamento deve, igualmente ser feita contra a conta corrente do mesmo vínculo.

7.4.2 - Demonstrações isoladas e conjuntas

Conforme impõe a Lei de Responsabilidade Fiscal (art. 50, III), as demonstrações contábeis
compreenderão, isolada e conjuntamente, as transações e operações de cada órgão, fundo ou entidade da
administração direta, autárquica e fundacional, inclusive empresa estatal dependente.

Dessa forma, para a identificação de registros e lançamentos contábeis, para cada órgão, fundo
ou entidade da administração direta, autárquica e fundacional, inclusive empresa estatal dependente deve
ser feita acompanhada de uma codificação de vínculo que identifique cada um dos registros quando do
processamento das demonstrações isoladas.

O processamento contábil deve produzir, desde simples listagens de receitas e despesas,


balancetes, e até mesmo, balanços individualizados por vínculos.

As transações e operações entre órgãos, fundos ou entidades deverão ser identificadas


isoladamente. Para tanto não é mais suficiente a simples transferência de valores entre contas correntes.
Toda e qualquer transferência financeira entre órgãos, fundos ou entidades, deverá ser feita através de um
registro “extra-orçamentário” que indicará sempre o saldo devedor ou credor de um ou de outro. Para efetuar
a movimentação será necessário fazer um controle extra-orçamentário, também utilizando o mesmo vínculo
de recursos, o que denominamos de "Movimento de Fundos Internos".

7.4.3 - Demonstrativos previdenciários

Os Regimes Próprios de Previdência Social - RPPS, devem observar, na elaboração de seus


orçamentos, as mesmas regras aplicáveis a qualquer outra entidade pública, ressalvando-se peculiaridades
específicas determinadas pelo Ministério da Previdência Social. A obrigatoriedade de apresentação de
demonstrativos financeiros e orçamentários específicos de receitas e despesas previdenciárias decorre de
vários dispositivos legais que não cabe aqui analisar.

Limitando-se à Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000), que dispõe no mesmo artigo 50,
agora em seu inciso IV, as receitas e despesas previdenciárias serão apresentadas em demonstrativos
financeiros e orçamentários específicos.

O município que possua regime próprio de previdência, deve identificar cada uma das receitas
e despesas através do código de vínculo.

Já para a produção de balancetes e balanços nos moldes exigidos pelo Ministério da


Previdência, cujas codificações previdenciárias não coincidem com as codificações econômicas da
contabilidade da Lei 4.320/1964, é necessário ainda o desdobramento na classificação econômica da receita
e despesa fazendo-se o respectivo relacionamento e identificando com o código de vínculo.

7.4.4 - Operações de crédito/restos a pagar

Ainda segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000), conforme expressa disposição
nela contida (art. 50, V), as operações de crédito, as inscrições em Restos a Pagar e as demais formas de
financiamento ou assunção de compromissos junto a terceiros, deverão ser escrituradas de modo a
evidenciar o montante e a variação da dívida pública no período, detalhando, pelo menos, a natureza e o tipo
de credor.

As operações de crédito devem ser identificadas uma a uma, em ficha “extra-orçamentária” ou


através de desdobro da classificação econômica orçamentária. Além desta identificação, deve constar do
cadastro de vínculos e de um cadastro de convênios.

Os restos a pagar, além de atenderem o disposto na Portarias STN 577, de 15.10.2008, que
aprova a 1ª edição do Manual Técnico de Demonstrativos Fiscais (processados e não processados), devem
atender a identificação exigida quanto à consolidação das contas públicas e, ainda, conforme exigências de
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 36

Tribunais de Contas Estaduais aos vínculos com ensino, saúde, pessoal etc. Tanta identificação diferente
para um único registro só pode ser satisfeita pela codificação de vínculos.

7.4.5 - Alienação de ativos

Finalizando as imposições da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) quanto a situações


de identificações individualizadas (art. 50, VI), tem-se que a demonstração das variações patrimoniais dará
destaque à origem e ao destino dos recursos provenientes da alienação de ativos.

Considerando os demonstrativos de aplicação de recursos provenientes da alienação de ativos


da LRF, recomenda-se ainda, a abertura de uma conta corrente vinculada para o depósito das receitas desta
operação e o pagamento das aquisições. Caso no final do exercício o demonstrativo apresente saldo a
aplicar, este valor deverá coincidir com o saldo desta conta.

8 - Consórcios Públicos

A Lei federal nº 11.107, de 6 de abril de 2005, regulamentada pelo Decreto nº 6.017, de 17 de


janeiro de 2007, dispõe sobre normas gerais relativas à contratação de consórcios públicos para execução
de objetivos de interesse comum e estabelece que a execução das receitas e despesas do consórcio público
deverá obedecer às normas de direito financeiro aplicáveis às entidades públicas.

Os registros na execução da receita e da despesa dos consórcios serão efetuados de acordo


com as classificações constantes das Portarias da Secretaria do Tesouro Nacional e também das demais
normas aplicadas aos entes da Federação.

O consórcio público deverá elaborar seu orçamento próprio com os programas, projetos ou
atividades dos entes consorciados

A receita e a despesa pública do consórcio deverá manter correspondência com a classificação


da despesa dos entes consorciados.

Como o consórcio público caracteriza-se como entidade multigovernamental, ele não consta do
orçamento do ente consorciado, portanto não devemos utilizar a modalidade de aplicação “91 – Aplicação
direta decorrente de operação entre órgãos, fundos e entidades integrantes dos orçamentos fiscal e da
seguridade social”. A modalidade de aplicação a ser utilizada nos entes consorciados para toda e qualquer
despesa relativa a transferência de recursos ao consórcio público é a “71 – Transferências a Consórcios
Públicos”.

8.1 - Receita

No consórcio público, esses recursos entregues pelos entes consorciados deverão ser
classificados como receita orçamentária de transferência correspondente ao ente transferidor.

No caso dos consórcios públicos formados por Municípios, a natureza da receita é a seguinte:
1723.37.00 – Transferências a Consórcios Públicos

Os consórcios deverão manter os registros de acordo com os programas, projetos ou atividades


dos entes consorciados. Abaixo, como exemplos de receita orçamentária de recursos transferidos pelos
entes:
1723.37.00.00.00. Transferências a Consórcios Públicos
1723.37.01.00.00. Consórcio Intermunicipal de Saúde do ..................
1723.37.01.01.00. Contrato de Rateio - Município “A”
1723.37.01.02.00. Contrato de Rateio - Município “B”
1723.37.01.03.00. Contrato de Rateio - Município “C”

8.2 - Despesa

As despesas dos consórcios visam atender a interesse dos entes consorciados.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 37

Classificação das Despesas


Despesa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Consórcio e Prefeitura
10 - Saúde
10.302 - Assistência Hospitalar e Ambulatorial
10.302.XXXX - Participação em Consórcio de Saúde
10.302.XXXX.2XXX - Manutenção do Hospital “X”
Vencimento e Vantagens Fixas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.1.71.11.00.00
Obrigações Patronais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.1.71.13.00.00
Diárias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3.71.14.00.00
Material de Consumo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3.71.30.00.00
Material de Distribuição Gratuita. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3.71.32.00.00
Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física. . . . . . . . 3.3.71.36.00.00
Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica. . . . . . 3.3.71.39.00.00
Obrigações Tributárias e Contributivas. . . . . . . . . . . . . . 3.3.71.47.00.00
10 - Saúde
10.302 - Assistência Hospitalar e Ambulatorial
10.302.XXXX - Participação em Consórcio de Saúde
10.302.XXXX.1XXX - Equipamentos e Mobiliários Hospitalares
Equipamentos e Material Permanente. . . . . . . . . . . . . . . 4.4.71.52.00.00
Observação: No orçamento do Município, incluir a classificação da fonte de recursos (destinação de
recursos).

9 - Elaboração do projeto de lei

Esta fase representa o aspecto formal do orçamento. É a própria exteriorização da proposta


orçamentária; formal porque deverá obedecer as disposições legais que determinam o seu conteúdo e
forma. A iniciativa do projeto de lei é do Poder Executivo que deverá remetê-lo ao Poder Legislativo para
discussão e votação.

Nos textos legais pertinentes (Constituição Federal, Lei nº 4.320, de 1964, e Lei Complementar
nº 101, de 2000), são encontrados elementos quanto ao conteúdo e a forma que a proposta orçamentária
deverá apresentar.

Combinando-se os artigos 2º e 22 da Lei nº 4.320, a proposta orçamentária deverá estar assim


organizada:
 Mensagem;
 Projeto de lei do orçamento:
 Especificação dos programas especiais de trabalho;
As principais finalidades de cada unidade administrativa, acompanhada da indicação da
legislação respectiva, também deverão ser objeto de inclusão no projeto de lei orçamentária.

9.1 - Mensagem

A mensagem é a forma de comunicação escrita que o Poder Executivo utiliza para dirigir-se ao
Poder Legislativo, no encaminhamento do projeto de lei, relatando de forma circunstanciada a situação
econômico-financeira do município e os principais objetivos a serem alcançados pela ação governamental.
Dentre outras informações de caráter político-administrativo, deve a mensagem informar:
 obediência às normas legais vigentes;
 posição da dívida flutuante (curto prazo);
 posição da dívida fundada (longo prazo);
 situação de equilíbrio ou não das contas públicas;

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 38

 poupança real do município (receitas correntes menos despesas correntes);


 principais fontes de receitas;
 alocação percentual de recursos por funções de governo;
 metas e objetivos dos principais programas.

9.2 - Projeto de lei

O projeto de lei deverá ser elaborado de acordo com as disposições constantes do Plano
Plurianual e da Lei de Diretrizes Orçamentárias, observando-se os princípios estabelecidos pela Lei nº
4.320, de 1964 (art. 2º), pela Constituição Federal (art. 165, § 8º), e ainda pela Lei Complementar nº 101, de
2000 (art. 5º).

O projeto de lei poderá conter autorização ao Executivo para abertura de créditos


suplementares até determinado limite, conforme previsão contida no artigo 7º da Lei nº 4.320, obedecidas as
disposições de seu artigo 43, e, ainda, pela própria Constituição Federal (art. 165, § 8º).

Entretanto, não poderá conter dispositivos estranhos à previsão da receita e fixação da


despesa, tais como instituir tributos, autorizar reformas administrativas, promover aumentos de vencimentos,
criar cargos, promover modificações nas alíquotas tributárias etc.

O projeto de lei deverá conter os seguintes anexos explicativos do orçamento:


1 - campo de atuação e legislação;
2 - despesa do órgão por atividade e projeto segundo os grupos;
3 - despesa da unidade orçamentária por atividade e projeto segundo os grupos;
4 - demonstrativo das despesas por órgão e funções de governo;
5 - orçamentos fiscal, seguridade social e empresas - sumário da despesa por categoria
econômica;
6 - despesa por função, subfunção e programas conforme o vínculo com recursos;
7 - demonstração da despesa por programas;
8 - despesa do município por modalidade de aplicação;
9 - evolução da receita;
10 - evolução da despesa;
11 - legislação da receita;
12 - receita prevista;
13 - receita e despesa segundo as categorias econômicas;
14 - orçamento dos fundos especiais;
15 - orçamento da administração indireta.

9.3 - Especificação dos programas especiais

Programas Especiais de Trabalho são um conjunto de ações, representados por dotação


global, que tem por objetivo a execução de programas que, pela sua complexidade, torna impossível seu
detalhamento em nível de dotações orçamentárias, cabendo ao Executivo estabelecer por estimativa os
custos de sua execução em Regime de Execução Especial, conforme Plano de Aplicação previamente
estabelecido.

10 - Processo legislativo

10.1 - Considerações gerais

Encaminhado o projeto de lei orçamentária anual ao Poder Legislativo, inicia-se a segunda


etapa do processo orçamentário, ou seja de discussão, votação e aprovação da Lei Orçamentária.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 39

Recebido o projeto, a matéria será submetida à Comissão de Finanças e Orçamento ou outra


equivalente do Legislativo local, a qual deverá examiná-lo e sobre ele emitir parecer, atendidas, na
tramitação do projeto de lei orçamentária, as demais disposições do processo legislativo estabelecidas na
Lei Orgânica local, além das disposições contidas no Regimento Interno da Câmara Municipal segundo os
princípios gerais contidos nos artigos 63 a 68 da Constituição Federal.
Embora o Poder Legislativo tenha competência para modificar o projeto de lei original através
de emendas, é importante que se diga que lhe é vedada a apresentação de projeto substitutivo (novo
projeto, em substituição ao apresentado), para a Lei Orçamentária, para o Plano Plurianual e para a Lei de
Diretrizes Orçamentárias.

10.2 - Regras para apreciação do projeto

Tratando-se de matéria específica, a apreciação do projeto de lei sobre o orçamento anual


poderá ser objeto de regulamentação própria pelo Poder Legislativo.
Em sendo assim, poderá ser editada Resolução que regulará, a título excepcional, a apreciação
do projeto de lei orçamentária.

Resolução nº ..... de ... de ............... de 200..


A Câmara Municipal resolve:
Art. 1º A apreciação do projeto de lei orçamentária, para o exercício de 2009, observará, excepcionalmente, as normas
estabelecidas nesta Resolução, além daquelas fixadas no Regimento Interno da Câmara Municipal.
Art. 2º A apresentação de emendas ao projeto de lei orçamentária, observará o disposto no Regimento Interno da
Câmara Municipal , ficando limitada a ... emendas por Vereador.
Art. 3º A discussão e votação das emendas serão feitas diretamente no Plenário da Comissão Mista, composta pelos
membros das Comissões Permanentes de Orçamento e de Justiça e Redação, cuja presidência será exercida por um
de seus membros, com competência para deliberar sobre rejeição ou aprovação de emendas.
Parágrafo único. É vedada a apresentação de emendas que sejam incompatíveis com a Lei de Diretrizes
Orçamentárias e as que aumentam a despesa orçamentária sem indicação dos recursos financeiros para o seu
atendimento.
Art. 4º A Comissão Mista de que trata o artigo anterior, mediante deliberação da maioria absoluta de seus membros,
com vista à agilização dos trabalhos, poderá adotar procedimento simplificado para apreciação do projeto de lei
orçamentária, preservada a discussão e votação em separado de artigos, parágrafos e incisos do projeto.
Art. 5º Caberá ao Presidente da Comissão Mista preparar Parecer sobre o projeto de lei orçamentária, dele devendo
constar, dentre outros, os seguintes demonstrativos:
I - relação das emendas recebidas, com indicação do autor, e parecer da Comissão;
II - indicação de erros e omissões, com a devida comprovação técnica e legal;
III - acréscimos e cancelamentos de valores por Unidade Orçamentária, indicando o projeto, atividade e o
grupo de despesa alterado.
Art. 6º - Caso o Parecer de que trata o artigo 5º não seja encaminhado para deliberação do Plenário da Câmara até 30
de novembro do ano em curso, o projeto de lei orçamentária será encaminhado para discussão e votação sem o
referido parecer.
Parágrafo único. A sessão legislativa não será encerrada enquanto o Projeto de Lei Orçamentária não for
aprovado, conforme estabelece o inciso III, do § 2º, do art. 35 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias,
da Constituição Federal.
Art. 7º - Cabe ao Presidente da Comissão Mista, preparar a redação final do autógrafo do Projeto de Lei Orçamentária,
com as devidas alterações aprovadas pelo Poder Legislativo, que será devolvido ao Poder Executivo para sanção até o
encerramento da sessão legislativa.
Art. 8º - Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
Câmara Municipal de ...................., em ... de ............... de 200..
Presidente
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 40

10.3 - Apresentação de emendas

Emendas são proposições apresentadas como acessórios de outra. São, na verdade,


propostas de modificação de um projeto de lei, de decreto legislativo ou de resolução que se encontre
tramitando pela Câmara Municipal.
De acordo com o § 3º, do artigo 166, da Constituição Federal, as emendas ao projeto de lei do
orçamento anual ou aos projetos que abram créditos adicionais - especiais e suplementares - somente
podem ser aprovadas caso:
- sejam compatíveis com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias;
- indiquem os recursos necessários, admitidos apenas os provenientes de anulação de
despesa, excluídas as que incidam sobre:
a) dotações para pessoal e seus encargos;
b) serviço da dívida.
- sejam relacionadas:
a) com a correção de erros ou omissões; ou
b) com os dispositivos do texto do projeto de lei.
Iniciativa: A faculdade de apresentar emendas cabe a qualquer Vereador ou a qualquer das
Comissões Legislativas da Câmara, conforme dispuser seu Regimento Interno.

Tipos de emendas

As emendas podem desdobrar-se em várias espécies, conforme o seu conteúdo.


Resumidamente, assim se classificam:
 Aditivas: proposições que se acrescentam a outras. Como exemplo, pode-se citar a
emenda que manda acrescentar mais um parágrafo a determinado artigo do projeto.
 Supressivas: proposições que mandam erradicar qualquer parte de outra. Exemplo: a
emenda que manda suprimir um artigo do projeto.
 Substitutivas: proposições apresentadas em substituição a outra quando abrangerem o
projeto no seu conjunto.
 Separativas: proposições que mandam dividir dispositivos do projeto. Exemplo: a emenda
que manda dividir em dois ou mais dispositivos matéria contida num só.
 Unitivas: proposições que mandam reunir num só dispositivo matéria contida em dois ou
mais.
 Distributivas: proposições que mandam redistribuir a matéria do projeto, mudando-a de
lugar: títulos, capítulos, seções, artigos ou parágrafos.

10.4 - Projeto de Lei


Mensagem
O projeto de lei também poderá ser passível de modificação através de mensagem retificativa
encaminhada pelo Prefeito Municipal. Isto somente para aqueles projetos de sua iniciativa, como o da lei
orçamentária anual.
Entretanto, isto somente será possível enquanto não iniciada a votação ou mesmo da emissão
de parecer da Comissão, nos termos em que dispuser a Lei Orgânica Municipal e o Regimento Interno da
Câmara Municipal.

Discussão, votação e aprovação

Após os trâmites legais, conforme dispuser a Lei Orgânica Municipal e o Regimento Interno da
Câmara, a proposta oriunda do Poder Executivo, bem como das emendas aprovadas no âmbito da
Comissão responsável pela emissão de parecer, será objeto de discussão e votação pelo Poder Legislativo,

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 41

cabendo aqui, mais uma vez, frisar-se da impossibilidade de rejeição total do projeto, o que inviabilizaria toda
e qualquer ação da Administração Pública no cumprimento de suas competências constitucionais.

Redação final

Aprovado o projeto de lei, a Câmara Municipal cuidará da redação final do autógrafo e o


encaminhará ao Poder Executivo antes do encerramento da sessão legislativa, visto que a Lei Orçamentária
Anual terá vigência para o exercício financeiro seguinte (1º de janeiro a 31 de dezembro).

Sanção, promulgação e publicação

Como nas demais leis, a aprovação do orçamento dependerá da sanção pelo Poder Executivo.
A sanção representa a concordância do Chefe do Poder Executivo com os termos da lei votada e decretada
pelo Poder Legislativo. Igualmente como nas demais leis, o Poder Executivo poderá, efetivamente, utilizar-se
da prerrogativa do veto ao texto alterado por aquelas emendas que julgar inconstitucionais ou contrárias ao
interesse público.
O veto pode ser conceituado como o ato do Poder Executivo, acompanhado das respectivas
razões, que rejeita no todo ou em parte, o projeto aprovado pelo Poder Legislativo. Porém, este não restaura
matéria suprimida pelo Legislativo. O veto parcial abrangerá texto integral de artigo, parágrafo, inciso e
alínea, não podendo se dar apenas em trechos destes.
Após a sanção, seguem-se a promulgação e a publicação, como atos indispensáveis à própria
validade da lei. A promulgação é a própria divulgação ou a publicação do texto legal, de modo solene. A
publicação, por sua vez, é indispensável para que a lei possa surtir seus efeitos.
10.5 - Roteiro básico - Processo legislativo orçamentário
Procedimento Órgão Legislação
1 - Protocolar o recebimento do projeto de lei, Secretaria Administrativa da Regimento Interno
numerando-o Câmara
2 - Comunicação ao Plenário da Câmara sobre o Primeiro Secretário da Regimento Interno
recebimento da matéria Câmara
3 - Publicação do projeto Secretaria Administrativa Regimento Interno
4 - Encaminhamento à Comissão de Orçamento Presidente Regimento Interno
e Finanças
5 - Apresentação de emendas Vereadores Regimento Interno e CF art. 166 § 3º
6 - Emissão de parecer sobre o projeto e Comissão de Orçamento e Regimento Interno
emendas apresentadas Finanças
7 - Inclusão do projeto na ordem do dia Presidente da Câmara Regimento Interno
8 - Discussão, em 1º e 2º turnos, do projeto com Plenário da Câmara Regimento Interno
as alterações propostas
9 - Redação final do autógrafo Comissão de Constituição, Regimento Interno
Redação e Justiça
10 - Encaminhamento ao Poder Executivo antes Presidente da Câmara CF, ADCT, art. 35, § 2º, III
do encerramento da sessão legislativa
11 - Sanção e promulgação da Lei Orçamentária Prefeito Municipal Lei Orgânica Municipal
Observações:
O Vereador que tiver sua emenda rejeitada pela Comissão de Orçamento e Finanças poderá requerer votação em Plenário, desde que
o requerimento seja assinado por número suficiente de Vereadores, conforme determinar o Regimento Interno.
Com prévia aprovação do Plenário poderá haver votação em separado de artigos, de parágrafos, de incisos ou de alíneas do projeto.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 42

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 43

II - ASPECTOS ORÇAMENTÁRIOS NA EXECUÇÃO

11 - Créditos adicionais

11.1 - Conceituação

O orçamento elaborado em um exercício para ser operacionalizado ou executado no exercício


seguinte, pode apresentar falhas na previsão de receitas ou na fixação de despesas, decorrentes de um
grande número de fatores, dos quais destacam-se:
 falhas nas previsões de órgãos, unidades ou entidades da administração indireta;
 falta de sintonia e entrosamento com a definição das prioridades planejadas pelo poder
central;
 alterações de políticas dos níveis governamentais superiores;
 mudanças na economia do País;
 ocorrência de fatos imprevisíveis que impliquem em alteração das prioridades fixadas
anteriormente;
 indefinição do Executivo quanto a fixação de programas e prioridades para o exercício
seguinte; e,
 falta de capacidade dos responsáveis pelas unidades orçamentárias em fazer as previsões.
O orçamento faz uma previsão de receitas e fixa as despesas. Daí a identificação de receitas e
despesas orçamentárias.
A falta de previsão de determinadas receitas, não implica em nenhum inconveniente durante a
execução no exercício seguinte, considerando-se o disposto no artigo 57 da Lei 4.320/64, onde: "... serão
classificadas como receita orçamentária, sob as rubricas próprias, todas as receitas arrecadadas, inclusive
as provenientes de operações de crédito, ainda que não previstas no Orçamento."

Portanto, as receitas não previstas no orçamento serão inseridas, classificadas, e registradas


como orçamentárias no momento de sua arrecadação.
Porém, em relação à despesa, no orçamento, não se trata de uma simples previsão, mas sim
de uma autorização, de uma fixação, de um crédito; portanto, o que não estiver nele consignado, quer
quanto à discriminação, ou quanto à quantificação, não poderá ser realizado ou executado.
Considerando que o orçamento não poderia ser “inflexível”, já que as necessidades da
comunidade, ou a execução de projetos ou atividades essenciais jamais poderiam ficar à espera de serem
realizados somente no exercício seguinte, a legislação pertinente prevê instrumento adequado para tanto.
Se trata do “mecanismo” denominado crédito adicional.
Estes - os créditos adicionais - podem ser incluídos na Lei Orçamentária durante a sua
execução, sendo utilizados tanto para corrigir falhas na sua elaboração, quanto na mudança de rumos
durante a sua execução.
Contudo, dependem de prévia e expressa autorização legislativa. Essa prévia e expressa
autorização poderá se dar indistintamente e até determinado valor, desde que prevista na Lei Orçamentária
Anual, conforme disposições insertas no artigo 165, § 8º da Constituição Federal, assim como na Lei 4.320,
de 1964. Caso contrário, dependerá de projetos de leis específicos de iniciativa do Poder Executivo,
indicando os valores e as classificações respectivas, assim como os recursos indicados para a sua abertura.
A esse respeito, recomenda-se que os projetos de leis do orçamento encaminhados pelo Poder
Executivo ao Poder Legislativo contenham tal “autorização prévia”. Contudo, limitadas a valores que não
venham desfigurar o próprio orçamento aprovado; adotando-se, como mera sugestão, o valor
correspondente a, no máximo, em até 20% (vinte por cento) do total das despesas, considerando a
estabilidade monetária atualmente reinante em nosso País.
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 44

Da mesma forma, recomenda-se ao Legislativo que, ao apreciar a proposta de orçamento


encaminhada pelo Poder Executivo, este não venha a simplesmente excluir esta possibilidade, engessando
assim, por demais, a atuação daquele Poder na condução das ações governamentais. Acaso a proposta
apresentada contenha valor superior ao correspondente percentual sugerido, bastará que, por emenda
apresentada, referido valor venha a se condicionar dentro daquele limite. Acaso não se autorize qualquer
valor, estará o Poder Legislativo agindo contra o próprio Município, já que, em muitos casos, a comunidade
ficará refém de eventuais disputas políticas, além de que o tempo demandado para tais autorizações poderá
contribuir para que o Município venha a perder ótimas oportunidades de crescimento econômico e social.
A prática revela que, em nível municipal, ao se misturar “questões orçamentárias” com
“adversidades políticas”, quem mais “sai perdendo” neste embate é a própria comunidade local.

Independentemente da sugestão proposta, tem-se que os créditos adicionais são autorizações


de despesas não computadas ou insuficientemente dotadas no orçamento da entidade. Segundo a
legislação pertinente, estes - os créditos adicionais - só passam a constituir efetivas autorizações de
despesas com a edição de decreto do Poder Executivo que defina a sua natureza, estabeleça a sua
destinação e fixe o seu valor. Seja esse decreto editado em função da “prévia autorização” contida na Lei
Orçamentária Anual, ou mesmo decorrente de autorização legislativa específica.

11.2 - Tipos

Os créditos adicionais classificam-se nos seguintes tipos:

 Suplementares: destinados a reforço de dotação orçamentária insuficiente;


 Especiais: destinados a despesas que não tenham sido previstas no orçamento e, portanto,
não haja dotação específica;
 Extraordinários: destinados a atender despesas urgentes e imprevistas em casos de guerra,
convulsão intestina ou calamidade pública.
Esses três tipos de créditos incorporam-se ao orçamento, passando a fazer parte integrante do
mesmo, como se estivessem previstos na lei orçamentária original.

11.3 - Abertura

Embora tenham de ser aprovados por lei, a abertura dos créditos adicionais, na execução
orçamentária, deve ser realizada através de decreto executivo.
Os créditos extraordinários não dependem de lei específica autorizando, mas sua abertura,
deve ser realizada por decreto executivo, após decretado o estado de calamidade pública ou outro de
natureza idêntica, que deles se dará imediato conhecimento ao Poder Legislativo.
Os créditos suplementares e especiais poderão ser abertos somente se houverem recursos
para a realização da despesa a que se refiram, mediante prévia demonstração de fontes de recursos e
exposição justificada de sua necessidade.

11.4 - Recursos para abertura


Conforme disposições da Lei 4.320/64, os únicos recursos disponíveis, para fins de abertura de
créditos suplementares e especiais são:
 o superávit financeiro apurado em balanço patrimonial do exercício anterior;
 os provenientes do excesso de arrecadação;
 os resultantes de anulação parcial ou total de dotações orçamentárias;
 o produto de operações de crédito autorizadas.
Superávit financeiro é a diferença positiva entre o ativo financeiro e o passivo financeiro,
conjugando-se, ainda, os saldos dos créditos adicionais transferidos e as operações de crédito a eles
vinculados.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 45

Excesso de arrecadação é o saldo positivo das diferenças acumuladas, mês a mês, entre a
arrecadação global prevista e a realizada, considerando-se, ainda, a tendência do exercício. Na apuração
dos recursos utilizáveis provenientes de excesso de arrecadação, deduzir-se-á a importância dos créditos
extraordinários abertos no exercício.
O decreto que abrir crédito adicional deve especificar a respectiva compensação em função das
disponibilidades existentes, indicando o código da despesa quando se tratar de cancelamento, total ou
parcial, de dotações.

No caso de compensação de créditos, a anulação deverá ser feita em dotações já consignadas


ao órgão, unidade ou programa a que se destina o crédito, conforme dispuser a Lei Orçamentária.
Os créditos extraordinários estão excetuados da exigência legal quanto à existência de
recursos disponíveis, mas sua abertura deve ser precedida do reconhecimento expresso de uma das
situações que o justifiquem.

11.5 - Outros aspectos legais

A vigência dos créditos adicionais, por se integrarem ao orçamento em execução, fica restrita
ao exercício a que se referir o orçamento, exceção feita aos créditos adicionais especiais abertos no último
quadrimestre do exercício, os quais poderão ser reabertos, por novo decreto e pelos seus saldos, no
orçamento do exercício seguinte.

O ato que abrir o crédito adicional indicará a importância, a espécie do mesmo e a classificação
da despesa, salvo quando se tratar de crédito extraordinário, cujas circunstâncias impeçam a discriminação.
Os créditos especiais não poderão dar início a programas, projetos ou atividades que não
estiverem previstos no Plano Plurianual e na Lei de Diretrizes Orçamentárias.

Portanto, sempre que um crédito adicional der início a programa, projeto ou atividade que não
estiver previsto no Plano Plurianual e na Lei de Diretrizes Orçamentárias, é indispensável que seja, antes,
providenciada a inclusão nestas duas outras leis que compõem o sistema orçamentário. Sem esta alteração,
a despesa que for incluída exclusivamente no orçamento será irregular, podendo ser responsabilizados seus
executores ou ordenadores.

12 - Apuração de Excesso de Arrecadação

Modelo de um exemplo de apuração para abertura de crédito no decorrer do mês de setembro:

DEMONSTRATIVO DO CÁLCULO DO EXCESSO DE ARRECADAÇÃO


I. Arrecadação verificada período imediatamente anterior
à abertura do crédito (janeiro a agosto) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . $ 6.000
II. Arrecadação verificada no exercício anterior referente
ao período subseqüente (setembro a dezembro) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . $ 7.000
III. (-) Receitas de convênios recebidas no período (janeiro a agosto) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . $ 2.000
IV. (+) Atualização monetária da arrecadação do exercício anterior
(setembro a dezembro) - 10% -. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . $ 700
V. Total (I+II-III+IV) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . $ 11.700
VI. Receita estimada para o exercício corrente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . $ 10.000
VII. Provável excesso de arrecadação no exercício (V-VI) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . $ 1.700
VIII. (-) Créditos abertos no exercício por excesso de arrecadação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . $ 500
IX. (-) Créditos abertos no exercício com superávit financeiro (*) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . $ 200
X. Excesso disponível para abertura de créditos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . $ 1.000
(*) A não inclusão irá colaborar para um desequilíbrio orçamentário; contudo, este desequilíbrio poderá ser plenamente
justificado em razão da prévia existência de recursos financeiros.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 46

13 - Modificação das Fontes de Recursos

Decreto nº ......, de .... de ............. de ...........

Dispõe sobre a modificação das fontes de recursos constantes da Lei n° ........, de


.... de ......... de ....... (Lei Orçamentária Anual do exercício de .........).

..............., Prefeito do Município de .................., Estado de .............., no uso de suas atribuições legais, e
tendo em vista as disposições contidas no artigo ....... da Lei n° ........, de .... de ......... de ......., e

Considerando a necessidade de ajustar as fontes de recursos constantes da Lei Orçamentária do exercício


de ........., a fim de possibilitar a execução orçamentária de despesas e de investimentos programados para
este exercício;

Considerando que este ajuste não altera o valor e não prejudica o controle das dotações orçamentárias já
aprovadas pela lei acima referida; e

Considerando o comportamento do ingresso dos recursos financeiros relativos às fontes de recursos ora
modificadas,

D E C R E T A:

Art. 1º Ficam modificadas, na forma a seguir descrita, as fontes de recursos constantes da Lei n° ........, de .... de .........
de ....... (Lei Orçamentária Anual de .....), no que concerne à Unidade Orçamentária XX.XX – .................................., da
Prefeitura Municipal.

Função/Subfunção: XX.XXX – ................................


Programa de Trabalho: XXXX – ..................................
Ação: XXXX – ..................................
Detalhamento: XXXX - ....................................
Classificação Econômica: 3.3.90.30.00 – Material de Consumo

Identificação da Fonte de Recurso Acréscimo Redução


Ficha n° ...... – Fonte 01 – Tesouro 20.000,00
Ficha n° ...... – Fonte 05 – Transferências e Convênios Federais 20.000,00

Art. 2° Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Prefeitura Municipal de ............, ...... de ............ de ............

............................
Prefeito Municipal

Observação: depende de autorização na Lei Orçamentária Anual ou em lei específica; no caso do presente trabalho,
esta autorização se encontra na LOA, art. 6º.

14 - Remanejamento de dotações

Decreto nº ......, de .... de ............. de ...........

Dispõe sobre o remanejamento de recursos orçamentários constantes da Lei n°


........, de .... de ......... de ....... (Lei Orçamentária Anual do exercício de .........).

..............., Prefeito do Município de .................., Estado de .............., no uso de suas atribuições legais, e
tendo em vista as disposições contidas no artigo ....... da Lei n° ........, de .... de ......... de ....... (Lei
Orçamentária Anual do exercício de .........),

D E C R E T A:

Art. 1º Ficam remanejadas, na forma do Anexo a este Decreto, no âmbito do mesmo órgão, unidade orçamentária e
programa de trabalho, as dotações orçamentárias nele previstas.

Art. 2º O remanejamento de que trata este Decreto não implica em abertura de crédito adicional, suplementar, especial,
ou mesmo extraordinário, já que realizado dentro da mesma categoria de programação.

Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 47

Prefeitura Municipal de ............, ...... de ............ de ............

............................
Prefeito Municipal

Anexo
Decreto nº ......, de .... de ............. de ...........

ACRÉSCIMOS

Órgão: 02 - Prefeitura Municipal


Unidade Orçamentária: 02.04 - Coordenadoria de Finanças
Programa de Trabalho: 0003 - Gestão Político-Administrativa

04.122.0003.2006.0000 - Manutenção de Finanças


3.1.90.11.00 - Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 1.000,00

TOTAL DOS ACRÉSCIMOS 1.000,00

REDUÇÕES

Órgão: 02 - Prefeitura Municipal


Unidade Orçamentária: 02.04 - Coordenadoria de Finanças
Programa de Trabalho: 0003 - Gestão Político-Administrativa

04.122.0003.2006.0000 - Manutenção de Finanças


3.3.90.36.00 - Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 1.000,00

TOTAL DAS REDUÇÕES 1.000,00

Observação: depende de autorização na Lei Orçamentária Anual ou em lei específica; no caso do presente trabalho, a
autorização se encontra na LOA, art. 5º, III.

15 - Demonstrativo do Impacto Orçamentário e


Financeiro (TCE-SP)

COMUNICADO SDG Nº 28/2006, de 12/09/2006

O Tribunal de Contas do Estado recomenda aos responsáveis pelos órgãos jurisdicionados, que o
despacho referido no artigo 16, da Lei de Responsabilidade Fiscal contenha as informações que
integram o MODELO abaixo proposto.

Modelo de despacho do Ordenador da Despesa – Atendimento ao art. 16 da Lei de Responsabilidade


Fiscal (1)

Na qualidade de ordenador da despesa, declaro que o presente gasto dispõe de suficiente


dotação e de firme e consistente expectativa de suporte de caixa, conformando-se às orientações do plano
plurianual e da lei de diretrizes orçamentárias, motivo pelo qual, às fls., faço encartar cópia do respectivo
trecho desses instrumentos orçamentários do Município.

Em seguida, estimo o impacto trienal da despesa, nisso também considerando sua eventual e
posterior operação (2):
Valor da despesa no 1º exercício R$ ...........,...
Impacto % sobre o Orçamento do 1º exercício ....... %
Impacto % sobre o Caixa do 1º exercício ........% (3)
Valor da despesa no 2º exercício R$ ...........,...
Impacto % sobre o Orçamento do 2º exercício ....... %
Impacto % sobre o Caixa do 2º exercício ........% (3)
Valor da despesa no 3º exercício R$ ...........,...
Impacto % sobre o Orçamento do 3º exercício ....... %
Impacto % sobre o Caixa do 3º exercício ........% (3)

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 48

Data,
Nome, Cargo e Assinatura do Ordenador da Despesa

Notas Explicativas:
(1) Essa manifestação do Ordenador da despesa será aposta na mesma passagem em que se anotam as cautelas
solicitadas no art. 38 da Lei nº 8.666, de 1993. A termo do Decreto-lei nº 200, de 1967 (art. 80, § 1º), Ordenador da
Despesa é quem autoriza empenhos e ordens de pagamento. No caso da Câmara de Vereadores, o Presidente da
Mesa reproduzirá estudo de impacto (art. 16, I da LRF) realizado pela Prefeitura.
(2) Construir uma escola resulta expansão da atividade governamental (art. 16, LRF). É, sob a técnica orçamentária,
um projeto. Em seguida, os custos de operação e manutenção dessa escola, classificados como atividade, compõe a
sobredita Estimativa, desde que materializados no triênio em consideração.
(3) Regra geral, há diferença entre recursos orçamentários e de Caixa; estes podem superar ou ser menores que
aqueles, dependendo do resultado financeiro do exercício anterior; se superavitário, significa que, no ano considerado,
ter-se-á mais dinheiro do que a receita a ser nela arrecadada; nessa linha de raciocínio, o déficit financeiro restringe a
efetivação de todos os gastos previstos no orçamento. O seguinte exemplo melhor aclara a questão:
Déficit Financeiro de 2005 R$ 1 milhão
(-)Receita orçamentária esperada para 2006 R$ 5 milhões
(=) Disponibilidade de Caixa para as despesas
fixadas no orçamento-programa de 2006 R$ 4 milhões
SDG, 12 de setembro de 2006.
Sérgio Ciquera Rossi
SECRETÁRIO – DIRETOR GERAL

16 - Execução de Programas

16.1 - Planejamento

O Promoex, Programa de Modernização do Controle Externo dos Estados, Distrito Federal e


Municípios Brasileiros, imposto pelo Governo Federal aos trinta e quatro Tribunais de Contas do País a partir
de 2005, tem como objetivo central o fortalecimento institucional e a modernização do sistema de controle
externo dos Estados e Municípios, como instrumento de cidadania e de efetiva, transparente, e regular
gestão dos recursos públicos.

Além de se fortalecerem e se modernizarem, os Tribunais de Contas passam a ter a


incumbência de fiscalizar a gestão dos recursos públicos. Embora ampla e complexa esta nova
incumbência, podemos deduzir que numa primeira etapa, os Tribunais passarão a fiscalizar se os objetivos
fixados no planejamento e contemplados no PPA estão sendo obedecidos na LDO’s e na LOA’s respectivas,
e ainda se estão sendo alcançados em tempo de execução.
Alguns Tribunais de Contas, incluindo o do Estado de São Paulo, já deixam perceber a adoção
de mecanismos de controle neste sentido, ao exigir informações detalhadas sobre os programas
governamentais, quer na formulação das propostas dos Planos Plurianuais, quer nas propostas das Leis de
Diretrizes Orçamentárias e Orçamentárias Anuais, conforme se pode deduzir pelo conteúdo de seus
Manuais Básicos do PPA, da LDO e da LOA, editados em 2005, e com textos revisados em julho de 2009.

No item 2 deste trabalho, foi abordado o assunto de planejamento em nível municipal, onde fica
evidente a necessidade de integração das peças de planejamento - PPA LDO e LOA - e a conveniência de
definições de atribuições de Unidade Central (de decisões); Unidades Gestoras (de consolidação de
programas e até mesmo de decisões, conforme o grau de delegações); e, finalmente, de Unidades
Executoras (de execução dos programas).

16.2 - Informações mínimas

A aplicação prática deste mecanismo de controle de planejamento, tanto no orçamento quanto


na execução orçamentária, pode ser realizada utilizando-se como base o quadro denominado “Consolidação
de Programas”, conforme modelo apresentado adiante, nos anexos ao orçamento. Este demonstrativo é

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 49

exatamente igual àqueles contidos no PPA e na LDO, trazendo, basicamente, a seguinte estrutura de
informações:
 Programa: código e nome;
 Unidade responsável pelo programa: código e nome da unidade orçamentária ou executora;
 Função: código e nome da função de governo (Port. 42)
 Subfunção: código e nome da subfunção (Port. 42);
 Custo total estimado para o programa: valor total estimado para o programa;
 Objetivo: descrição sucinta do objetivo do programa;
 Metas do programa:
 Indicadores: descrição dos indicadores das metas do programa;
 Unidade de medida: unidade de medida utilizada para quantificar o indicador;
 Índice recente: especificar o índice ou quantidade que reflete a situação atual;
 Índice futuro: especificar o índice ou quantidade que reflete a situação final desejada;
 Ações do programa:
 Código da ação: código composto de quatro dígitos (4º nível da classificação funcional),
sendo o primeiro dígito igual a 1 para os projetos, 2 para as atividades e 0
para as operações especiais;
 Nome da ação: especificação do nome da ação referente ao código especificado;
 Finalidade: sintetizar a finalidade da ação descrevendo os benefícios desejados;
 Meta física: especificação da meta a ser atingida com a ação;
 Unidade de medida: unidade utilizada para quantificar a meta;
 Crédito orçamentário: valor fixado no orçamento para a ação;
 Total: valor total de todas as ações que resulta no valor total do programa.
Considerando os Municípios, em 2010, deverão elaborar as três peças que materializam o
planejamento - PPA, LDO e LOA - e, considerando que as atuais normas regulamentares convergem para o
máximo de detalhamento de informações em referidas peças, vale aqui acrescentar alguns aspectos
importantes aos profissionais técnicos municipais responsáveis pela sua elaboração.

Segundo Ari Vainer, Josélia Castro de Albuquerque e Sol Garson, em trabalho intitulado Manual
de Elaboração: o passo a passo da elaboração do PPA para municípios, 2ª edição, mar.2005, amplamente
divulgado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, são apresentados os seguintes conceitos
para os indicadores e metas do programa:
 O indicador deve estar sempre associado ao objetivo, ser concebido de forma a
possibilitar sua utilização como unidade de medida para mensuração de resultados
desejados com a realização do Programa. Expressa, de forma quantitativa, as
conseqüências de suas ações sobre o público-alvo; geralmente, é apresentado com uma
relação ou taxa.
 O índice mais recente deve representar a quantificação da unidade de medida associada
ao indicador. Apontar o valor mais recente do índice e a datas de sua apuração.
 O índice desejado deve ser o resultado da execução do Programa, esperado ao final do
período compreendido pelo PPA. Este resultado será medido com o uso do indicador
escolhido. Cabe observar que nem sempre se tem informações suficientes para a
avaliação. Dois casos podem ocorrer:
 - não há clareza quanto à unidade de medida mais adequada/disponível - colocar a
expressão "em definição" neste campo, permanecendo em branco os campos
referentes à indicação dos índices e data;
 - o indicador e sua unidade de medida estão definidos, porém o índice mais recente não
está apurado - se não se tem o índice mais recente, não se terá, a princípio, o índice
desejado ao final do PPA. Nestes casos, os campos referentes aos índices serão
preenchidos com a expressão "em Apuração".
Com relação às ações, ainda segundo os mesmos autores temos:
 A descrição do produto deve especificar o bem ou serviço que resulta da ação.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 50

 A unidade de medida se constitui na unidade de mensuração do produto.


 A quantidade do ano em curso deve refletir, para as ações em andamento, as quantidades
físicas previstas para o ano.
Portanto, para as ações é suficiente quantificar fisicamente a mesma, com as unidades de
medidas padrões, tais como m (metro), Km (quilômetro), m2 (metro quadrado), m3 (metro cúbico), l (litros), K
(quilos), t (toneladas), unidade definida, etc.

Com relação aos programas, onde os indicadores são mais complexos, caso o município não
disponha de qualquer instrumento ou registro organizado, poderão ser pesquisados alguns indicadores
básicos que permitam avaliar as condições de desenvolvimento econômico, a qualidade de vida da
população, a disponibilidade de serviços públicos de infra-estrutura urbana, entre outros.

Os dados podem ser encontrados em publicações especializadas ou nos sites de instituições


oficiais de pesquisa, principalmente sites oficiais.

Dentre outras, podemos recomendar as seguintes fontes para pesquisas:


 IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (www.ibge.com.br);
 IPEA-Instituto de Pesquisa Economica Aplicada (www.ipea.gov.br)
 Atlas de Desenvolvimento Humano/PNDU (www.pndu.org.br)
 INEP-Instituto Nacional de Pesq. e Estudos Educac. Anísio Teixeira (www.inep.gov.br)
 DATASUS-Departamento de Informática do SUS (www.datasus.gov.br)
 CNM-Confederação Nacional de Municípios (www.cnm.org.br)
 SIMBRASIL Sistema de Informações Sócio-Econômicas dos Municípios Brasileiros
elaborado pela Caixa Econômica e IPEA (www.ipea.gov.br/biblioteca)
Nos estudos, pesquisas e bancos de dados publicados nestes sites é possível encontrar
informações a nível municipal, entre outras, das seguintes naturezas:
 Dados gerais: população, áreas, demografia (urbana, rural e total);
 Dados econômicos: agropecuária (pecuária e extração vegetal), agricultura (lavouras
permanentes e temporárias), outros dados econômicos tais como comércio, economia,
renda (indicadores do nível e composição da renda), desigualdades, pobreza (indicadores
de pobreza), telecomunicações;
 Educação: nota IDEB; número de matrículas, analfabetismo, anos de estudo da população;
coeficiente FUNDEF, coeficiente FUNDEB;
 IDH-Indice de Desenvolvimento Humano: longevidade (IDHM-longevidade), educação
(IDHM-educação), renda (IDHM-renda);
 Infra-Estrutura: domicílios e moradores, abastecimento de água, esgotamento sanitário,
número de banheiros, destino do lixo;
 Meio Ambiente: quadro institucional, condições do meio ambiente, instrumentos de gestão
ambiental;
 Perfil Municipal;
 PIB - Produto Interno Bruto;
 Saúde: atenção básica.

16.3 - Elaboração

A elaboração deste quadro com auxílio do sistema informatizado (SCPI - Sistema de


Contabilidade Pública Integrado) é feita obedecendo-se os seguintes critérios e procedimentos.

Deve ser o último demonstrativo a ser digitado no módulo do orçamento, pois o seu
processamento tem como base o orçamento da despesa e as tabelas de codificação utilizadas na despesa.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 51

Na “sub-opção” consolidação dos programas da opção despesa deve ser acionada a opção
gerar demonstrativo. O sistema irá processar a partir das fichas de despesa digitadas a totalização por
ações e programas e, a seguir, buscará, primeiro nos demonstrativos correspondentes da LDO e depois nos
do PPA, as informações não contidas nas fichas do orçamento.
Após o preenchimento automático pelo sistema das codificações de programas e ações, bem
como dos valores, o usuário deverá, utilizando a opção de digitação, completar, conferir e alterar, se
necessário, as informações relativas a objetivos, metas e indicadores, tanto dos programas como das ações.

16.4 - Acompanhamento da execução

Utilizando este quadro básico de programas, em tempo de execução, à medida que forem
sendo executadas as diversas ações do programa, as unidades gestoras ou executoras responsáveis
deverão proceder ao levantamento de índices ou quantificação das unidades de medida, a fim de comparar
e avaliar se os objetivos do programa estão sendo alcançados. Estes índices ou indicadores, deverão ser
lançados no sistema informatizado, na opção própria para acompanhamento dos programas, o qual
processará os valores despendidos e produzirá novos quadros demonstrativos comparativos entre a
situação prevista, o nível de execução e a situação atual.
Quando um indicador apurado durante a execução de uma ação mostrar evolução diferente da
prevista, a unidade gestora ou executora deverá realizar um estudo mais aprofundado com o objetivo de
apurar quais são as causas ou problemas:

 Indicador utilizado é inadequado para mensuração da ação;


 Fatores externos imprevistos interferiram na execução da ação ou do programa;
 A execução de outras ações ou programas interferiram nos resultados desta;
 A redefinição de prioridades na execução desviou recursos ou paralisou ação ou programa;
Os eventos ou acontecimentos que, além de uma rotina mensal normal de trabalho, exigem a
atualização dessas informações de indicadores são:
 Conclusão do programa ou de uma de suas ações;
 Época de elaboração de nova LDO;
 Época de elaboração de novo orçamento;
 Encerramento do ciclo orçamentário.
No mínimo, no encerramento do ciclo orçamentário, a unidade central (de decisões) ou o
controle interno, deverá consolidar as informações sobre a execução dos programas, efetuar a comparação
com as previsões constantes do PPA e propor os ajustes necessários, tendo em vista os avanços ou atrasos
na execução dos programas e ações constantes nesta peça de planejamento.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 52

III - MODELOS E ANEXOS DO ORÇAMENTO

Com relação aos modelos e anexos apresentados a seguir é necessário observar:


 além dos os modelos apresentados nos itens 12.1 a 12.5, aqueles apresentados nos itens
12.6 se constituem e devem fazer parte do projeto de lei orçamentária a ser encaminhada
ao Legislativo;
 os demais modelos apresentados no item 12.7 se constituem em demonstrativos gerenciais
de controles auxiliares na elaboração e verificação do orçamento e não devem, em
hipótese alguma, fazer parte do projeto de lei orçamentária;
 considerando que a reprodução completa de todos os modelos de demonstrativos resulta
em um volume considerável e desnecessário, foram anexadas apenas as primeiras páginas
dos mais extensos dando uma visão do conteúdo e forma dos mesmos;
 todos os modelos apresentados nos itens 12.1 a 12.7 (quadros 1 a 25) são produzidos pelo
SCPI, versão 08.00, da Fiorilli Soc Civil Ltda.-Software.

1 - Mensagem Orçamentária

Prefeitura Municipal de Modelândia

Mensagem Orçamentária

Senhor Presidente, Senhores Vereadores:

Dentro do prazo estabelecido pela Lei, estamos remetendo a proposta orçamentária para o
exercício de ......, para apreciação e aprovação legislativa.

Esta proposta foi elaborada obedecendo a todas as determinações e exigências legais


aplicáveis à elaboração do orçamento público. Entre as principais leis e regulamentos obedecidos na
elaboração da proposta orçamentária podemos relacionar:
a) os dispositivos da Constituição da República Federativa do Brasil, de 5.10.1988;
b) Lei n° 4.320, de 17.3.1964;
c) Lei Complementar nº 101, de 4.5.2000.
Além dos dispositivos constitucionais, esta proposta orçamentária obedeceu e incluiu os
aspectos exigidos pela legislação local, a saber:
a) Lei Municipal nº ...... - Diretrizes Orçamentárias;
b) Lei Municipal nº ...... - Plano Plurianual;
c) Lei Complementar nº ...... - Lei Orgânica do Município.
Acompanha a proposta orçamentária o Anexo de Metas Fiscais definidas para o exercício de
......, demonstrando assim a sua compatibilidade com os objetivos e metas traçados no Anexo de Metas
Fiscais da Lei de Diretrizes Orçamentárias.

A situação econômico-financeira do Município pode ser considerada equilibrada, ou, sob


controle, ao considerarmos que as exigibilidades (saldo da dívida flutuante e restos a pagar do exercício), a
curto e médio prazo, alcançam valores muito próximos ao das disponibilidades.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 53

Este equilíbrio torna possível não só a preservação do patrimônio do Município, como também
uma maior capitalização, haja vista que no novo orçamento, as despesas com investimentos são superiores
às receitas de capital.

A política econômico-financeira do Município, expressa na proposta orçamentária, é de


melhorar a sua infra-estrutura básica para viabilizar um bom atendimento às necessidades dos munícipes.

Esta infra-estrutura implica investimentos e elevados custos de manutenção que, por sua vez,
ficam condicionados à expectativa de receita. Assim sendo, com recursos escassos, as diretrizes traçadas
priorizam as funções de Educação e Cultura, e, Saúde e Saneamento, além da Administração e
Planejamento.

A receita prevista de R$ ..........,... milhões foi formulada inteiramente dentro de estimativas


realistas, sem supervalorizações, considerando a estabilidade monetária vigente no País. Observadas as
características e peculiaridades locais, o valor orçado está compatível com a receita efetivamente
arrecadada nos últimos doze meses, e com a receita efetivamente arrecadada nos exercícios anteriores,
conforme comprova o quadro da evolução da receita.

Quanto à previsão de receita, a expectativa é composta e com as seguintes justificativas:

A Receita Tributária própria, representada pelos impostos, taxas, e contribuições de melhoria,


representa apenas ....,...% do total estimado, pois se procurou ficar dentro dos limites da capacidade
tributária dos munícipes contribuintes. Desse total, ....,...% refere-se a parte do ressarcimento com a
implantação de obras de pavimentação e serviços complementares.

A Receita Patrimonial, que atinge apenas ....,...% do total estimado, é decorrente, quase na sua
totalidade, da rentabilidade de valores mobiliários (aplicações financeiras) a serem alcançados dentro do
próprio exercício.

A Receita de Serviços que representa apenas ....,...% da estimativa total, reflete ainda a
preocupação em não onerar ainda mais os contribuintes do Município, já que penalizados com alta carga
tributária imposta pela União e pelo Estado.

As Transferências Correntes, com o índice de ....,...% do total da proposta orçamentária, se


constituem na base principal de fontes de receitas do orçamento, refletindo o atual sistema tributário
nacional. Este total é representado por dois valores principais: o FPM (Fundo de Participação dos
Municípios) e o ICMS (Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços). O primeiro, repassado pela
União, representa ....,...% das Transferências Correntes, enquanto que o segundo, repassado pelo Estado,
representa ....,...% desse total. Os restantes ....,...% das transferências correntes se constituem em outros
tributos de menor valor, a cargo da União e do Estado, e repassados ao Município, bem como a expectativa
de auxílios e subvenções para manutenção dos serviços de educação e saúde, além de outros.

Sob o título Outras Receitas Correntes apenas ....,...% do total da receita foi classificado. Essas
receitas se constituem de multas e juros de mora, indenizações, dívida ativa e outras receitas diversas.

As Receitas de Capital, representadas por ....,...% do total estimado, se constituem em


transferências e auxílios de programas a nível Federal e Estadual para investimentos de capital. Este valor
de receita é conservador, se comparado as despesas de capital que atingem ....,...% das despesas. Isto
mostra a preocupação do planejamento ao elaborar o orçamento em alicerçar sua infra-estrutura com a
mínima dependência de ajuda dos governos Estadual e Federal.

Limitados pelo realismo da estimativa da receita, na política econômico-financeira, foi


estabelecida uma escala de prioridades que direciona as despesas por funções na seguinte ordem
decrescente de prioridades:
1) Educação R$ ............,... ....,...%
2) Saúde R$ ............,... ....,...%
3) Administração R$ ............,... ....,...%
4) Assistência Social R$ ............,... ....,...%

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 54

5) Previdência R$ ............,... ....,...%


6) Saneamento R$ ............,... ....,...%
7) Legislativa R$ ............,... ....,...%
8) Trabalho R$ ............,... ....,...%
A função Educação, que recebeu a maior alocação de recursos, tratando-se da primeira na
escala de prioridades, teve a seguinte distribuição nas respectivas subfunções: a) educação infantil, com R$
............,...; b) ensino fundamental, com R$ ............,...; c) educação especial, com R$ ............,...; e d)
educação de jovens e adultos, com R$ ............,....

A função Saúde, a segunda na escala de prioridades, recebeu a seguinte alocação de recursos


(....,...%); tem no seu orçamento de R$ ............,..., assim distribuídos: atenção básica, R$ ............,...;
assistência hospitalar e ambulatorial R$ ............,....

Na função Saneamento, a terceira na escala de prioridades, a alocação de recursos totalizou


R$ ............,..., e se refere, principalmente, à subfunção saneamento básico urbano, com ênfase nos
programas ligados ao abastecimento de água e coleta de esgoto.

Quanto às demais funções, a previsão procurou atender o mínimo necessário para atendimento
aos demais programas de governo.

A fim de garantir o equilíbrio das contas públicas, caso o Município venha a ser condenado ao
pagamento de indenizações trabalhistas em processos judiciais em andamento, ou mesmo a ocorrência de
outros riscos fiscais, foi consignada no orçamento previsão de Reserva de Contingência para este fim, no
valor de R$ ............,....

Na elaboração da proposta orçamentária o Poder Executivo procurou atender, na medida do


possível, as reivindicações apresentadas pela população em audiências públicas realizadas nos dias ... .

Finalmente, ressalte-se ainda que a prioridade principal estampada no orçamento ora


encaminhado, é dotar o Município da infra-estrutura básica para atendimento aos munícipes. Tal fato pode
ser constatado pelo quadro da Análise da Despesa em Porcentagem, no qual se constata que ....,...% da
despesa é destinado a investimentos, enquanto que as despesas com pessoal atingem apenas ....,...% de
seu total, índice este bem menor do que o máximo fixado na legislação respectiva.

Estes os esclarecimentos que, no entendimento das determinações especiais, entendemos por


oportuno prestar aos Excelentíssimos Senhores Edis, na expectativa de que o orçamento em apreciação
venha a corresponder ao desejo de todos.

Modelândia, ... de ............... de ......

Atenciosas Saudações

.................................................................
Prefeito Municipal

Ao Excelentíssimo Sr.

M D Presidente da Câmara Municipal de Modelândia

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 55

2 - Anexo de Metas Fiscais (compatibilidade)

Orçamento Programa - Exercício de 2009


Anexo de Metas Fiscais
Compatibilidade LOA/LDO
(art. 5º, inc. I, da Lei Complementar nº 101/2000)
Discriminação LDO 2009 LOA 2010
Valor - R$ (*) Valor - R$ (*)
I - Receita Fiscal (não financeira)
II - Despesa Fiscal (não financeira)
III - Resultado Primário (I - II)
IV - Resultado Nominal
V - Dívida Liquida
(*) A preços de dezembro (projetado)
Observação: O quadro poderá apresentar valores divergentes, devido a inúmeros fatores, tais como projeções
atualizadas que diferem daquelas adotadas pela LDO etc. Em qualquer caso, havendo divergência de valores, deverá
ser plenamente justificado. O resultado nominal representa a diferença entre os valores apurados em relação à dívida
Líquida.

3 - Previsão/Projeção da Receita

ORÇAMENTO PROGRAMA - EXERCÍCIO DE 2010


PREVISÃO/PROJEÇÃO DA RECEITA
Art. 12, L.C. 101, de 2000
EVOLUÇÃO DA RECEITA
Receita arrecadada nos três últimos exercícios

RECEITA ARRECADADA
CÓDIGO DISCRIMINAÇÃO
2006 2007 2008
1000.00.00 RECEITAS CORRENTES
1100.00.00 Receita Tributária
1200.00.00 Receita de Contribuições
1300.00.00 Receita Patrimonial
1600.00.00 Receita de Serviços
1700.00.00 Transferências Correntes
1900.00.00 Outras Receitas Correntes
2000.00.00 RECEITAS DE CAPITAL
2100.00.00 Operações de Crédito
2200.00.00 Alienação de Bens
2400.00.00 Transferências de Capital
2500.00.00 Outras Receitas de Capital
TOTAL DAS RECEITAS
RECEITA CORRENTE LÍQUIDA

PREVISÃO/PROJEÇÃO DA RECEITA

RECEITA PREVISTA/PROJETADA
CÓDIGO DISCRIMINAÇÃO
2009 2010
1000.00.00 RECEITAS CORRENTES
1100.00.00 Receita Tributária
1200.00.00 Receita de Contribuições
1300.00.00 Receita Patrimonial
1600.00.00 Receita de Serviços
1700.00.00 Transferências Correntes
1900.00.00 Outras Receitas Correntes
2000.00.00 RECEITAS DE CAPITAL

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 56

2100.00.00 Operações de Crédito


2200.00.00 Alienação de Bens
2400.00.00 Transferências de Capital
2500.00.00 Outras Receitas de Capital
9000.00.00 DEDUÇÕES DA RECEITA CORRENTE
TOTAL DAS RECEITAS
RECEITA CORRENTE LÍQUIDA
NOTAS:
1. A determinação dos valores previstos para a receita municipal levaram em conta a evolução da arrecadação nos três
exercícios anteriores ao em curso, assim como observaram as normas técnicas e legais aplicáveis.
2. Para determinação da previsão e da projeção, respectivamente para os exercícios de 2009 e 2010, tomou-se por
base o percentual de __% (por extenso), representado pela variação, nos últimos doze meses, do Índice Nacional de
Preços ao Consumidor, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (INPC-IBGE), que foi de ___% (por extenso),
aliado ao crescimento econômico do País, avaliado em __% (por extenso).
3. Determinadas receitas tiveram, ainda, um acréscimo/decréscimo de previsão/projeção, conforme adiante
mencionado:
3.1 Receita Tributária: incremento adicional de arrecadação, em virtude de revisão do Código Tributário Municipal,
inclusive com elevação de alíquotas para o IPTU e ISS, aliado ao recadastramento dos imóveis urbanos, ocasionando
a expansão da base de cálculo do IPTU;
3.2 Transferências de Capital: decréscimo de arrecadação, em virtude da tendência da redução do número de
convênios firmados com outras esferas de Governo para os próximos exercícios;
3.3 etc. etc. (cada Município deverá indicar as situações peculiares, como por exemplo: início das atividades de grande
indústria, incrementando a arrecadação da Cota-Parte do ICMS; encerramento das atividades de grande indústria,
ocasionando o decréscimo dessa arrecadação; aumento do número de casas construídas, ou mesmo abertura de um
grande loteamento, incrementando a arrecadação do IPTU etc. etc.

4 - Expansão das Despesas e Renúncia de


Receitas

Estimativa da Margem de Expansão da Receita


(art. 5º, da Lei Complementar nº 101, de 2000)

Com relação à demonstração da estimativa e compensação da renúncia de receita e da


margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado, prevista no inciso II do art. 5º, da Lei
Complementar nº 101, de 2000, apesar de não haver uma definição específica desse conceito na Lei
mencionada, verifica-se que seu art. 17, que trata da criação ou aumento das despesas obrigatórias de
caráter continuado, aponta para a solução desse problema.

Esse artigo 17 exige como requisito essencial para a efetivação dessas despesas, a devida
compensação, quer pelo aumento permanente de receita, quer pela redução permanente de despesa,
considerando aumento permanente de receita aquele proveniente da elevação de alíquotas, ampliação da
base de cálculo, majoração ou criação de tributo ou contribuição. Como conceito de base de cálculo
entende-se a grandeza econômica ou numérica sobre a qual se aplica uma alíquota, para obtenção do
montante tributário a ser arrecadado. Dessa forma, o crescimento real da atividade econômica é um dos
fatores determinantes do aumento da base de cálculo da arrecadação tributária.

Estudos realizados atestam que a base de cálculo dos tributos municipais, nos últimos
exercícios, vem crescendo à ordem de ....,...% ao ano. A metodologia utilizada nesses estudos procurou
afastar os efeitos da variação de preços e das alterações na legislação tributária. Dessa forma, buscou
apenas considerar o crescimento do número de contribuintes, assim como a expectativa futura da
arrecadação e crescimento real da economia, chegando à estimativa de R$ ............,... como aumento da
base de cálculo para o exercício de 2009.

Sendo assim, a margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado


corresponderá, em parte, aos tributos arrecadados em função desse aumento da base de cálculo.

Estimativa da Margem de Expansão das Despesas Obrigatórias de Caráter Continuado


(Art. 5º, da Lei Complementar nº 101, de 2000)

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 57

Por outro lado, a estimativa da margem bruta de expansão das despesas obrigatórias de
caráter continuado, foi devidamente considerada na presente proposta orçamentária, conforme quadro
abaixo, devidamente acompanhada da compensação para essa expansão.
(R$ mil)
Discriminação Despesa fixada Margem de expansão Receita Acréscimo
2009 2010
1 Pessoal e encargos 15.000 16.000 1.000
2 Juros e encargos da dívida 500 1.000 500
3 Outras despesas correntes 10.000 11.500 1.500
Totais 25.500 28.500 3.000
1 Aumento real receita tributos 3.000
2 Aumento real receita FPM
3 Aumento real receita ICMS
Totais 3.000 3.000
(*) A compensação da margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado está
devidamente abrigada pela margem de expansão das receitas, levando-se em consideração os índices
estabelecidos pela União e pelo Estado para o crescimento econômico. A margem de expansão das receitas
demonstrada neste quadro é apenas parcial, não correspondendo à margem bruta de expansão.

Demonstrativo da Compensação de Renúncia de Receita


(art. 5º, da Lei Complementar nº 101, de 2000)

Em atendimento ao disposto no artigo 14, inciso I, da Lei Complementar nº 101, de 2000,


demonstramos abaixo que a renúncia de receitas tributárias provenientes de descontos e isenções
estabelecidos em lei, foi considerada na estimativa da receita orçamentária, na forma do artigo 12 da Lei
Complementar nº 101, de 2000, e de que não afeta as metas de resultados fiscais previstos no anexo
próprio da Lei de Diretrizes Orçamentárias.
(R$ mil)
Estimativa da Renúncia de Receita
Especificação do tributo Valor lançamento-$ Valor renúncia - $ Valor orçado - $
1 IPTU 15.000 2.000 13.000
2 Contribuição de melhoria 10.000 3.000 7.000
Total 25.000 5.000 20.000

5 - Projeto de Lei Orçamentária

Com autarquias, fundações e empresas públicas

Prefeitura Municipal de Modelândia

Projeto de Lei nº ....., de ... de ............... de 2009

Estima a receita e fixa a despesa do Município de Modelândia para o


exercício de 2010.
O Prefeito do Município de Modelândia,
Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte lei:
Art. 1º. O orçamento do Município de Modelândia para o exercício de 2010, estima a Receita e fixa a
Despesa em R$ ............,... (....................) sendo:
I - Orçamento Fiscal em R$ ............,... (....................);
II - Orçamento da Seguridade Social em R$ ............,... (....................);
III - Orçamento de Investimento das empresas em R$ ............,... (....................).
Parágrafo único - Incluem-se no total referido neste artigo os recursos próprios da Fundação Municipal
de Ensino, cuja programação consta de quadros específicos que integram esta Lei.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 58

Art. 2º. A receita será arrecadada na forma da legislação vigente e das especificações constantes dos
quadros integrantes desta Lei, observando o seguinte desdobramento:
Sumário Geral da Receita por Fontes (Lei 4.320, art. 2º, § 1º, I)
I - Administração Direta:
Receitas Correntes
Receita Tributária
Receita de Contribuições
Receita Patrimonial
Receita de Serviços
Transferências Correntes
Outras Receitas Correntes
Receita de Capital
Operações de Crédito
Alienação de Bens
Amortização de Empréstimos
Transferência de Capital
Subtotal
II - Receita dos Órgãos da Administração Indireta
Autarquia(s)
Fundação(ões)
Empresa(s) Dependente(s)
Subtotal
(-) III - Dedução da Receita
Fundeb
Subtotal
(-) IV - Receitas Intra-Orçamentárias
Receitas Intra-Orçamentárias Diversas
Subtotal
Receita Total
Art. 3º. A despesa será realizada segundo a discriminação dos quadros integrantes desta Lei, com os
seguintes desdobramentos:
Sumário Geral da Despesa por Funções (Lei 4.320, art. 2º, § 1º, I)
I - Por Funções de Governo
01 - Legislativa R$
04 - Administração R$
08 - Assistência Social R$
09 - Previdência R$
10 - Saúde R$
12 - Educação R$
15 - Urbanismo R$
17 - Saneamento R$
28 - Encargos Especiais R$
99 - Reserva de Contingência (Geral) R$
99 - Reserva Orçamentária (RPPS) R$
(-) Despesas Intra-Orçamentárias R$
Total R$
II - Por Órgão da Administração
01.01 - Corpo Legislativo R$
01.02 - Secretaria da Câmara R$
02.01 - Gabinete do Prefeito R$
02.02 - Assessoria Técnica-Jurídica R$
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 59

02.03 - Coord. de Administração R$


02.04 - Coord. de Finanças R$
02.05 - Coord. de Educação e Cultura R$
02.06 - Coord. de Assistência Social R$
02.07 - Coord. de Saúde R$
02.08 - Coord. de Obras e Serv. Urbanos R$
03.01 - Iprem - Administração Geral R$
04.01 - Administração Geral - Fundação R$
99.99 - Reserva de Contingência (Geral) R$
99.99 - Reserva de Contingência (RPPS) R$
(-) Despesas Intra-Orçamentárias R$
Total R$
Art. 4º. A despesa do Orçamento de Investimento das Empresas é fixada em R$ ............,... (....................),
contando com as seguintes fontes de financiamento:
Recurso do Tesouro Municipal R$
Recurso Próprio R$
Total R$
Art. 5º. Fica o Poder Executivo autorizado a:
I - abrir durante o exercício créditos suplementares até o limite de 20% (vinte por cento) do total da
despesa fixada no artigo 1º, observando-se o disposto no artigo 43 da Lei federal nº 4.320 de 17 de
março de 1964;
II - abrir créditos suplementares até o limite consignado sob a denominação de Reserva de
Contingência em conformidade com o disposto na Lei de Diretrizes Orçamentárias;
III - remanejar recursos, no âmbito de cada unidade orçamentária, entre dotações de um mesmo
programa, e obedecida a distribuição por categoria econômica, com a finalidade de facilitar o
cumprimento da programação aprovada nesta Lei.
Parágrafo único. Não onerarão o limite previsto no inciso I, os créditos destinados a:
1 - suprir insuficiência nas dotações de despesas à conta de recursos vinculados;
2 - suprir insuficiência nas dotações orçamentárias relativas a despesas à conta de receitas
próprias de autarquias, fundações e empresas dependentes.
Art. 6º. As fontes de recursos aprovadas nesta Lei e em seus créditos adicionais poderão ser modificadas
pelos Poderes Legislativo e Executivo, mediante ato próprio, visando ao atendimento das necessidades da
execução dos programas, observando-se, em todo caso, as disponibilidades financeiras de cada fonte
diferenciada de recurso.
Art. 7º. Prevalecerão os valores correntes consignados nos Anexos a esta Lei, no caso de divergências, de
quaisquer espécies, entre estes e os valores dos programas e das ações constantes da Lei de Diretrizes
Orçamentárias para o exercício de 2010, assim como do Plano Plurianual para o período 2010-2013.

Art. 8º. Esta Lei entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2010.

Município de Modelândia, ... de ............... de 2009

Prefeito Municipal

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 60

III - MODELOS E ANEXOS DO ORÇAMENTO

6 - Tabelas Explicativas

(Tabelas que devem integrar a Lei Orçamentária Anual)

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 61

6 - Tabelas Explicativas

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício 2010
TABELA EXPLICATIVA - EVOLUÇÃO DA RECEITA - (Inc. III, Art. 22º)
Código Discriminação Receita Arrecadada Receita Prevista
2006 2007 2008 2009 2010
1000.00.00 RECEITAS CORRENTES
1100.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 3.198.460,00 3.366.800,00 3.544.000,00 3.673.123,00 3.395.832,00
1200.00.00 RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES 875.425,00 921.500,00 970.000,00 970.000,00 1.204.752,00
1300.00.00 RECEITA PATRIMONIAL 330.315,00 347.700,00 366.000,00 366.000,00 626.000,00
1600.00.00 RECEITA DE SERVIÇOS 2.377.185,00 2.502.300,00 2.634.000,00 2.734.000,00 2.160.000,00
1700.00.00 TRANSFERÊNCIAS CORRENTES 11.345.779,00 11.942.925,00 12.571.500,00 12.571.500,00 13.571.500,00
1900.00.00 OUTRAS RECEITAS CORRENTES 425.529,00 447.925,00 471.500,00 471.500,00 581.500,00
Sub Total 18.552.693,00 19.529.150,00 20.557.000,00 20.786.123,00 21.539.584,00

2000.00.00 RECEITAS DE CAPITAL


2200.00.00 ALIENAçãO DE BENS 374.538,00 394.250,00 415.000,00 365.000,00 365.000,00
2400.00.00 TRANSFERêNCIAS DE CAPITAL 595.650,00 627.000,00 660.000,00 660.000,00 90.000,00
Sub Total 970.188,00 1.021.250,00 1.075.000,00 1.025.000,00 455.000,00

7000.00.00 RECEITAS CORRENTES - INTRA-ORCAMENTARIAS


7000.00.00 RECEITAS CORRENTES - INTRA-ORCAMENTARIAS
7200.00.00 Contribuição Patronal Intra-orçamentária 270.750,00 285.000,00 300.000,00 370.000,00 644.500,00
Sub Total 270.750,00 285.000,00 300.000,00 370.000,00 644.500,00

8000.00.00 RECEITAS DE CAPITAL - INTRA-ORCAMENTARIAS

Sub Total 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00

9000.00.00 DEDUÇÕES DA RECEITA CORRENTE


9500.00.00 DEDUÇÕES PARA FORMAÇÃO DO FUNDEB -2.131.000,00
9700.00.00 DEDUÇÕES P/ FORMAÇÃO DO FUNDEB -1.301.405,00 -1.369.900,00 -1.442.000,00 -1.671.123,00
Sub Total -1.301.405,00 -1.369.900,00 -1.442.000,00 -1.671.123,00 -2.131.000,00

TOTAL 18.492.226,00 19.465.500,00 20.490.000,00 20.510.000,00 20.508.084,00

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício 2010
TABELA EXPLICATIVA - EVOLUÇÃO DA DESPESA - (Inc. III, Art. 22º)
Código Discriminação DESPESA
Realizada 2008 Fixada 2009 Prevista 2010
Despesas Correntes
31 Pessoal e Encargos Sociais 3.954.000,00 6.380.700,00
32 Juros e Encargos da Dívida 20.000,00 20.000,00
33 Outras Despesas Correntes 6.127.190,00 8.377.632,00
Sub Total 10.101.190,00 0,00 14.778.332,00

Despesas de Capital
44 Investimentos 8.922.000,00 4.510.000,00
46 Amortização da Dívida 125.000,00 125.000,00
Sub Total 9.047.000,00 0,00 4.635.000,00

Reserva Orçamentária - RPPS


77 Reserva Orçamentária - RPPS 293.000,00 994.752,00
Sub Total 293.000,00 0,00 994.752,00

Reserva de Contingência
99 Reserva de Contigência 1.068.810,00 100.000,00
Sub Total 1.068.810,00 0,00 100.000,00

TOTAL 20.510.000,00 0,00 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 62

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício 2010
TABELA EXPLICATIVA - DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA POR PROGRAMA
Código Discriminação Valor
0000 Encargos Gerais do Municipio 265.000,00
0001 Processo Legislativo 483.000,00
0002 Administração Legislativa 424.000,00
0003 Gestão Político-Administrativa 1.046.200,00
0005 Administração Previdenciária 68.500,00
0006 Desenvolvimento e Manutenção da Rede Escolar 1.520.000,00
0007 Assistência Educacional na Primeira Infância 477.000,00
0008 Alimentação Escolar 190.000,00
0009 Transporte Escolar 1.070.000,00
0010 Educação Básica - Fundeb 1.502.000,00
0011 Ações Médicas Básicas 2.523.000,00
0012 Saúde da Família 439.000,00
0013 Farmácia Básica 300.000,00
0014 Prevenção e Controle de Endemias 555.000,00
0015 Serviços de Utilidade Pública 2.611.000,00
0017 Obras e Equipamentos Urbanos 2.135.000,00
0018 Ações de Assistência Integral 2.408.632,00
0019 Ações do Conselho Tutelar 102.000,00
0020 Benefícios Previdenciários 386.000,00
0021 Desenvolvimento Educacional 908.000,00
9999 Reserva de Contingência 1.094.752,00
TOTAL 20.508.084,00

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício 2010
TABELA EXPLICATIVA - RELAÇÃO DE PROJETOS
Código Discriminação Valor
1001 Reforma e Ampliação de Imóvel - Câmara 50.000,00
1002 Aquisição de Equipamentos Diversos - Câmara 53.000,00
1005 Aquisição de Veículos - Gabinete 67.000,00
1006 Aquisição de Veículos - Administração 30.000,00
1007 Aquisição de Veículos - Saúde 120.000,00
1008 Aquisição de Veículos - Educação 30.000,00
1009 Aquis.de Veiculos Transporte Escolar 200.000,00
1011 Aquisição de Veículos - Assist Social 80.000,00
1016 Construção de Unidades Escolares - EI 100.000,00
1017 Construção de Unidades Escolares - EF 500.000,00
1018 Construção de Unidades Escolares - Fundeb 80.000,00
1019 Reforma e Ampliação de Unidades Escolares - EI 100.000,00
1022 Construção de Unidades de Saúde 390.000,00
1024 Pavimentação e Obras Complementares 435.000,00
1025 Recapeamento Asfáltico 900.000,00
1026 Ampliação da Rede de Água 200.000,00
1027 Ampliação da Rede de Esgoto 600.000,00
1028 Aquisição de Mobiliário Diversos - Finanças 30.000,00
1029 Aquisição de Equip. Diversos - Merenda Escolar 15.000,00
1030 Reforma e Ampliação do Centro de Convivência 60.000,00
1031 Aquisição de Equip Diversos - Assist Social 50.000,00
1032 Aquisição de Mobiliário Diverso - Cons Tutelar 40.000,00
1033 Aquisição de Equip Diversos - Saúde 150.000,00
1034 Aquisição de Veículos - PSF 60.000,00
1035 Aquis de Equip Diversos - Controle Endemias 120.000,00
1036 Aquisição de Equip Diversos - IPREM 20.000,00
1037 Aquis Equip Diversos - Fund Ensino 30.000,00
Total 4.510.000,00
PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 63

Orçamento Programa - Exercício de 2010


TABELA EXPLICATIVA - RELAÇÃO DE ATIVIDADES

Código Discriminação Valor

2001 Manutenção do Corpo Legislativo 483.000,00


2002 Manutenção das Atividades Legislativas 289.000,00
2003 Cerimonial e Recepção de Autoridades 32.000,00
2004 Manutenção do Gabinete do Prefeito 361.200,00
2005 Manutencao da Administração 298.000,00
2006 Manutenção de Finanças 260.000,00
2007 Manutenção da Previdência Social Própria 434.500,00
2008 Manutenção dos Serviços Urbanos 2.611.000,00
2010 Desenvolvimento do Ensino Pré-Escolar 175.000,00
2011 Manutenção do Ensino Fundamental 940.000,00
2012 Manutenção do Transporte Escolar 870.000,00
2013 Distribuição da Merenda Escolar 175.000,00
2014 Treinamento e Qualificação de Servidores 50.000,00
2015 Encargos com Pessoal do Magistério - 60% 1.190.000,00
2016 Outras Despesas Fundeb - 40% 232.000,00
2017 Manutenção de Creches 102.000,00
2018 Manutenção dos Serviços de Assistência Social 1.568.632,00
2019 Ações de Assistência Médica Integral 1.313.000,00
2020 Ações do Programa Farmácia Básica 300.000,00
2021 Ações e Controle de Endemias 435.000,00
2022 Ações e Desenvolvimento do PSF 379.000,00
2023 Transf de Recursos a Entidades de Saúde 550.000,00
2025 Manutenção do Conselho Tutelar 62.000,00
2026 Ações de Combate a Pobreza 650.000,00
2027 Administração Geral 195.000,00
2028 Desenvolvimento Ensino Médio 683.000,00

Total 14.638.332,00

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
TABELA EXPLICATIVA - RELAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS

Código Discriminação Valor

0001 Amortização da Dívida Contratual 125.000,00


0002 Contribuicao ao Pasep 120.000,00
0003 Juros da Dívida Contratada 20.000,00
0999 Reserva de Contingência 1.094.752,00

Total 1.359.752,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 64

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
TABELA EXPLICATIVA - CAMPO DE ATUAÇÃO E LEGISLAÇÃO - (§ único, Art. 22)

ORGÃO 01 CÂMARA MUNICIPAL


UNIDADE 01 CORPO LEGISLATIVO

CAMPO DE ATUAÇÃO LEGISLAÇÃO

Legislar sobre matéria peculiar ao Município e demais atividades Lei Orgânica do Município
expressas na Lei Orgânica do Município Constituição Federal
Fiscalizar os órgãos da administração direta e indireta, mediante Lei Orgânica do Município
controle externo, com o auxílio do Tribunal de Contas Regimento Interno da Câmara
Secretariar os trabalhos legislativos, transformar em autógrafos os Constituição Federal, art. 31
projetos aprovados pela Câmara
Executar a prestação de contas das despesas da Câmara Municipal
Elaborar a proposta parcial das necessidades da Câmara Municipal
e enviar ao Executivo

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
TABELA EXPLICATIVA - CAMPO DE ATUAÇÃO E LEGISLAÇÃO - (§ único, Art. 22)
ORGÃO 02 PREFEITURA MUNICIPAL
UNIDADE 05 COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA

CAMPO DE ATUAÇÃO LEGISLAÇÃO

Gerenciar a aplicação de recursos oriundos da União e do Estado, Lei Federal n° 9394/96,


destinados a manutenção e desenvolvimento do Ensino nos termos Lei Federal n° 9424/96
do art. 70 da Lei Federal n° 9394/96, que estabelece as diretrizes e Emenda Constitucional n° 14
bases da educação nacional. CF, art. 30 inc. VI - Art. 205 e 214
Executar e supervisionar as atividades educacionais pertinentes ao Constituição Estadual art. 240 e 256
município, na faixa etária de 0 a 14 anos.
Dar à criança formação necessária para o desenvolvimento nas diversas
áreas do conhecimento humano.
Fiscalização da obrigatoriedade escolar e incentivar a frequência dos
alunos nas suas faixas etárias.
Promover o transporte escolar. Lei Orgânica do Município
Executar as demais tarefas pertinentes ao setor. Estrutura Administrativa

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 65

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
TABELA EXPLICATIVA - LEGISLAÇÃO DA RECEITA - (Inc. III, § 1º, Art.2º)
Código Discriminação Legislação
1000.00.00.00 RECEITAS CORRENTES
1100.00.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA
1110.00.00.00 IMPOSTOS
1112.00.00.00 Impostos sobre o Patrimônio e a Renda
1112.02.00.00 Imposto s/ a Propriedade Predial e Territorial Urbana CF. Art. 156,I - C.T.M Lei n°..... - Art. .....
1112.04.00.00 Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza
1112.04.31.00 Imposto de Renda Retido nas Fontes s/ os Rendimentos do Trab CF. Art. 158, I
1112.04.34.00 Imposto de Renda Retido nas Fontes s/ Outros Rendimentos CF. Art. 158. I
1112.08.00.00 Imposto s/ Transm. "Inter Vivos" de Bens Imóveis e de Direit CF. Art. 156, I - Lei 07/89, Decreto 45/90
1113.00.00.00 Impostos sobre a Produção e a Circulação
1113.05.00.00 Imposto s/ Serv. de Qualquer Natureza CF. Art. 156, IV - C.T.M. Lei n° ..... - Art. ....
1120.00.00.00 TAXAS
1121.00.00.00 Taxas pelo Exercício do Poder de Polícia
1121.17.00.00 Taxa de Fiscaliz. de Vigilância Sanitária C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1121.25.00.00 Taxa de Licença p/ Funcionam. de Estabelecim. Comerciais, In C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1121.26.00.00 Taxa de Publicidade Comercial C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1121.28.00.00 Taxa de Funcionamento de Estabelecimentos em Horário Espec. C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1121.29.00.00 Taxa de Licença p/ Execução de Obras C.T.M. Lei n° ......, Art ........
1121.32.00.00 Taxa de Aprovação do Projeto de Construção Civil C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1121.99.00.00 Outras Taxas pelo Exercício do Poder de Polícia C.T.M. Lei n° ......, Art. ......
1122.00.00.00 Taxas pela Prestação de Serviços
1122.12.00.00 Emolumentos e Custas Processuais Administrativas C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1122.90.00.00 Taxa de Limpeza Pública C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1122.99.00.00 Outras Taxas pela Prestação de Serviços C.T.M. Lei n° ....... , Art. ...........
1130.00.00.00 CONTRIB DE MELHORIA
1130.04.00.00 Contrib de Melhoria p/ Pavimentação e Obras Complementares C.T.M. Lei n° ........, Art. ..........
1200.00.00.00 RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES
1210.00.00.00 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS
1210.29.00.00 Contrib p/ Regime Próprio de Previdência do Servidor Público
1210.29.07.00 Contrib. de Servidor Ativo Civil CF. Art. 195
1210.29.09.00 Contrib. de Servidor Inativo Civil CF. Art. 195
1210.29.11.00 Contrib. de Pensionista Civil CF. Art. 195
1210.99.00.00 Outras Contrib. Sociais Legislação Própria
1220.00.00.00 CONTRIB ECONÔMICAS
1220.29.00.00 Contrib. p/ o Custeio do Serv. de Iluminação Pública Emenda Const. n° 39
1300.00.00.00 RECEITA PATRIMONIAL
1310.00.00.00 RECEITAS IMOBILIÁRIAS
1311.00.00.00 ALUGUEIS
1311.01.00.00 Aluguéis de Imóveis Urbanos Legislação Específica
1315.00.00.00 Taxa de Ocupação de Imóveis
1315.01.00.00 Taxa de Ocupação de Imóveis Urbanos Legislação Específica
1320.00.00.00 RECEITAS DE VALORES MOBILIÁRIOS
1322.00.00.00 Dividendos Legislação Própria
1325.00.00.00 REMUNERAÇÃO DE DEPOSITOS BANCÁRIOS
1325.01.00.00 REMUNERACAO DE DEPOSITOS DE RECURSOS VINCULADOS
1325.01.02.00 Rec. de Remun. Dep. Bancários Recursos Vinc.- FUNDEB Legislação Própria...
1328.00.00.00 Remuneração dos Investimentos do RPPS
1328.10.00.00 Remuneração dos Investimentos do RPPS em Renda Fixa Legislação Própria
1330.00.00.00 RECEITA DE CONCESSõES E PERMISSÕES
1333.00.00.00 Receita Concessões e Permis Direitos de Uso de Bens Públicos
1333.01.00.00 Receita de Concessão de Direito Real de Uso de Área Pública C.T.M. Lei n° ...., Art. .......
1339.00.00.00 Outras Receitas de Concessões e Permissões Lei n° ....., de .....
1600.00.00.00 RECEITA DE SERVIÇOS
1600.03.00.00 Serviços de Transporte
1600.03.06.00 Receita de Terminais Rodoviários C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1600.16.00.00 Serv. Educacionais Lei n° ....., de .....
1600.41.00.00 Serv. Captação Adução Tratam. Reservação Distrib. Água Lei n° ....., de .....
1600.42.00.00 Serv. Coleta Transp. Tratam. e Destino Final Esgoto Lei n° ....., de .....
1600.45.00.00 Serv. Preparação da Terra em Propried. Particulares C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1600.48.00.00 Serv. de Religamento de Água Lei n° ....., de .....
1600.99.00.00 Outros Serviços Legislação Própria
1700.00.00.00 TRANSFERêNCIAS CORRENTES
1720.00.00.00 TRANSFERêNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS
1721.00.00.00 Transferências da União
1721.01.00.00 Participação na Receita da União
1721.01.02.00 Cota-Parte do Fundo de Participação dos Municípios CF. Art. 159, I, B
1721.01.05.00 Cota-Parte do Imp. S/ a Propriedade Territorial Rural CF. Art. 158, II
1721.22.00.00 Transf p/ Compensação Financ p/ Exploração Recursos Naturais
1721.22.11.00 Cota-parte da Compens. Financ. de Rec. Hídricos Legislação Federal
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 66

1721.22.20.00 Cota-parte da Compens. Financ. de Rec. Minerais - CFEM Legislação Federal


1721.33.00.00 Transf. de Rec. do Sistema Único de Saúde - SUS - Repasses F Legislação Federal
1721.34.00.00 Transf. de Rec. do Fundo Nacional de Assistência Social - FN Legislação Federal
1721.35.00.00 Transf Recursos do Fundo Nac do Desenv da Educação – FNDE
1721.35.01.00 Transf. do Salário-Educação Legislação Federal
1721.35.03.00 Transf. Diretas do FNDE referentes ao Progr. Nacional de Ali Legislação Federal
1721.35.04.00 Transf. Diretas FNDE - PNATE Legislação Federal
1721.35.99.00 Outras Transf. Diretas do FNDE Legislação Federal
1721.36.00.00 Transf. Financ. do ICMS - Desoneração - LC N° 87/96 Legislação Federal
1722.00.00.00 Transferências dos Estados
1722.01.00.00 Participação na Receita dos Estados
1722.01.01.00 Cota-Parte do ICMS CF. Art. 158, IV
1722.01.02.00 Cota-Parte do IPVA CF. Art. 158, III
1722.01.04.00 Cota-Parte do IPI s/ Exportação CF. Art. 159, I, § 3°
1722.99.00.00 Outras Transferências dos Estados
1722.99.01.00 Transf. p/ Progr. de Assistência Social Legislação Própria
1724.00.00.00 Transferências Multigovernamentais
1724.01.00.00 Transf. de Rec. do Fundo de Manut. e Desenv. da Ed. Básica e Emenda Constitucional n° 14 de 12/09/96
1900.00.00.00 OUTRAS RECEITAS CORRENTES
1910.00.00.00 MULTAS E JUROS DE MORA
1911.00.00.00 Multas e Juros de Mora dos Tributos
1911.38.00.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ a Propriedade Predial e Terr C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1911.39.00.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ a Transm. Inter-Vivos de Ben C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1911.40.00.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ Serv. de Qualquer Natureza - C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1911.98.00.00 Mult. e jur. de Mora das Contrib. de Melhoria C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1913.00.00.00 Multa e Juros de Mora da Dívida Ativa dos Tributos
1913.11.00.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ a Propriedade C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1913.12.00.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ a Transm. Inte C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1913.13.00.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ Serv. de Qualq C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1915.00.00.00 Multa e Juros de Mora da Dívida Ativa de Outras Receitas
1915.99.00.00 Outras Multas e Juros de Mora da Dívida Ativa de Outras Rec
1915.99.01.00 Outras Multas e Juros de Mora da Dív. Ativa de O. Rec.- Prin Legislação Própria
1920.00.00.00 INDENIZAçõES E RESTITUIÇÕES
1921.00.00.00 Indenizações
1921.99.00.00 Outras Indenizações Legislação Própria
1922.00.00.00 Restituições
1922.10.00.00 Compensações Financeiras entre o Regime Geral e os RPPS Legislação própria
1922.99.00.00 Outras Restituições Legislação Própria
1930.00.00.00 RECEITA DA DíVIDA ATIVA
1931.00.00.00 Receita da Dívida Ativa Tributária
1931.11.00.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ a Propriedade Predial e Ter C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1931.12.00.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ a Transm. Inter-Vivos de Be C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1931.13.00.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ Serv. de Qualquer Natureza C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1931.98.00.00 Receita da Div. Ativa das Contrib. de Melhoria. C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1931.99.00.00 Receita da Dívida Ativa de Outros Tributos
1931.99.01.00 Receita da Dív. Ativa de Outros Tributos - Principal C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1932.00.00.00 Receita da Dívida Ativa não tributária
1932.99.00.00 Receita da Dívida Ativa Não Tributária de Outras Receitas
1932.99.01.00 Receita da Dív. Ativa Não Tributária de O. Receitas - Princi C.T.M. Lei n° ..... - Art. .....
1990.00.00.00 RECEITAS DIVERSAS
1990.99.00.00 Outras Receitas Legislação Específica
2000.00.00.00 RECEITAS DE CAPITAL
2200.00.00.00 ALIENAçãO DE BENS
2210.00.00.00 ALIENAçãO DE BENS MóVEIS
2219.00.00.00 Alienação de Outros Bens Móveis Legislação Própria
2220.00.00.00 ALIENAçãO DE BENS IMóVEIS
2225.00.00.00 Alienação de Imóveis Urbanos Legislação Própria
2400.00.00.00 TRANSFERêNCIAS DE CAPITAL
2420.00.00.00 TRANSFERêNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS
2421.00.00.00 Transferências da União
2421.01.00.00 Transf. de Rec. do Sistema Único de Saúde - SUS Legislação Federal
2470.00.00.00 TRANSFERêNCIAS DE CONVêNIOS
2471.00.00.00 Transferência de Convênios da União e de suas Entidades
2471.01.00.00 Transf Convênio da União p/ o Sistema Único de Saúde – SUS
2471.01.01.00 Recursos p/ Construção de UBS Legislação Federal
7000.00.00.00 RECEITAS CORRENTES - INTRA-ORCAMENTARIAS
7200.00.00.00 Contribuição Patronal Intra-orçamentária
7210.29.01.00 Contrib. Patronal de Servidor Ativo Civil Portaria STN n° 340, de 26/04/2006
7210.29.03.00 Contrib. Patronal - Inativo Civil Portaria STN n° 340, de 26/04/2006
7210.29.05.00 Contrib. Patronal - Pensionista Civil Portaria STN n° 340, de 26/04/2006
9000.00.00.00 DEDUÇÕES DA RECEITA CORRENTE
9500.00.00.00 DEDUÇÕES PARA FORMAÇÃO DO FUNDEB
9510.00.00.00 DEDUÇÕES - RECEITAS CORRENTES
9510.01.00.00 Deduções - Receitas Correntes - Fundeb Legislação Própria

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 67

III - MODELOS E ANEXOS DO ORÇAMENTO

7 - Anexos Conforme Lei 4.320

(Anexos que devem integrar a Lei Orçamentária Anual)

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 68

7 - Anexos Conforme Lei 4.320

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 01
DEMONSTRATIVO DA RECEITA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS - (Inc.II, §1º, Art.2º)
RECEITA R$ R$
RECEITAS CORRENTES
RECEITA TRIBUTáRIA 3.395.832,00
RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES 1.204.752,00
RECEITA PATRIMONIAL 626.000,00
RECEITA DE SERVIÇOS 2.160.000,00
TRANSFERÊNCIAS CORRENTES 13.571.500,00
OUTRAS RECEITAS CORRENTES 581.500,00
Contribuição Patronal Intra-orçamentária 644.500,00
SUB TOTAL 22.184.084,00

TOTAL 22.184.084,00
SUPERAVIT DO ORCAMENTO CORRENTE 7.405.752,00
RECEITAS DE CAPITAL
ALIENAÇÕES DE BENS 365.000,00
TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL 90.000,00
SUB TOTAL 455.000,00
TOTAL 455.000,00

RESUMO
RECEITAS CORRENTES 21.539.584,00
RECEITAS DE CAPITAL 455.000,00
RECEITAS CORRENTES INTRA-ORÇAMENTÁRIAS 644.500,00
RECEITAS DE CAPITAL INTRA-ORÇAMENTÁRIAS
DEDUÇÕES DA RECEITA CORRENTE -2.131.000,00
TOTAL 20.508.084,00

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 01
DEMONSTRATIVO DA DESPESA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS
DESPESA R$ R$
DESPESAS CORRENTES
Pessoal e Encargos Sociais 6.380.700,00
Juros e Encargos da Dívida 20.000,00
Outras Despesas Correntes 8.377.632,00
SUB TOTAL 14.778.332,00
SUPERAVIT DO ORCAMENTO CORRENTE 7.405.752,00
TOTAL 22.184.084,00
DESPESAS DE CAPITAL
Investimentos 4.510.000,00
Amortização da Dívida 125.000,00
SUB TOTAL 4.635.000,00
RESERVA DO RPPS 994.752,00
RESERVA DE CONTINGENCIA 100.000,00
TOTAL 5.729.752,00
RESUMO
Despesas Correntes 14.778.332,00
Despesas de Capital 4.635.000,00
Reserva Orçamentária 994.752,00
Reserva de Contingência 100.000,00
TOTAL 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 69

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Quadro 02
RECEITAS SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS
Código Especificação F.R.-C.A. Desdobramento SubCategoria Categoria
Fonte Econômica
1000.00.00 RECEITAS CORRENTES 21.539.584,00
1100.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 3.395.832,00
1110.00.00 IMPOSTOS 2.440.000,00
1112.00.00 Impostos sobre o Patrimônio e a Renda 1.790.000,00
1112.02.00 Imposto s/ a Propriedade Predial e Territorial Urbana 0.01.00.110.000 1.200.000,00
1112.04.00 Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza 310.000,00
1112.04.31 Imposto de Renda Retido nas Fontes s/ os Rendimentos do Trab 0.01.00.110.000 130.000,00
1112.04.34 Imposto de Renda Retido nas Fontes s/ Outros Rendimentos 0.01.00.110.000 180.000,00
1112.08.00 Imposto s/ Transm. "Inter Vivos" de Bens Imóveis e de Direit 0.01.00.110.000 280.000,00
1113.00.00 Impostos sobre a Produção e a Circulação 650.000,00
1113.05.00 Imposto s/ Serv. de Qualquer Natureza 0.01.00.110.000 650.000,00
1120.00.00 TAXAS 755.832,00
1121.00.00 Taxas pelo Exercício do Poder de Polícia 645.832,00
1121.17.00 Taxa de Fiscaliz. de Vigilância Sanitária 0.01.00.110.000 130.000,00
1121.25.00 Taxa de Licença p/ Funcionam. de Estabelecim. Comerciais, In 0.01.00.110.000 360.000,00
1121.26.00 Taxa de Publicidade Comercial 0.01.00.110.000 20.000,00
1121.28.00 Taxa de Funcionamento de Estabelecimentos em Horário Espec. 0.01.00.110.000 40.000,00
1121.29.00 Taxa de Licença p/ Execução de Obras 0.01.00.110.000 30.000,00
1121.32.00 Taxa de Aprovação do Projeto de Construção Civil 0.01.00.110.000 55.000,00
1121.99.00 Outras Taxas pelo Exercício do Poder de Polícia 0.01.00.110.000 10.832,00
1122.00.00 Taxas pela Prestação de Serviços 110.000,00
1122.12.00 Emolumentos e Custas Processuais Administrativas 0.01.00.110.000 25.000,00
1122.90.00 Taxa de Limpeza Pública 0.01.00.110.000 80.000,00
1122.99.00 Outras Taxas pela Prestação de Serviços 0.01.00.110.000 5.000,00
1130.00.00 CONTRIB DE MELHORIA 200.000,00
1130.04.00 Contrib de Melhoria p/ Pavimentação e Obras Complementares 0.01.00.110.000 200.000,00
1200.00.00 RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES 1.204.752,00
1210.00.00 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS 684.752,00
1210.29.00 Contrib p/ Regime Próprio de Previdência do Servidor Público 634.752,00
1210.29.07 Contrib. de Servidor Ativo Civil 0.04.04.600.000 559.752,00
1210.29.09 Contrib. de Servidor Inativo Civil 0.04.04.600.000 60.000,00
1210.29.11 Contrib. de Pensionista Civil 0.04.04.600.000 15.000,00
1210.99.00 Outras Contrib. Sociais 0.01.00.110.000 50.000,00
1220.00.00 CONTRIB ECONôMICAS 520.000,00
1220.29.00 Contrib. p/ o Custeio do Serv. de Iluminação Pública 0.01.00.110.000 520.000,00
1300.00.00 RECEITA PATRIMONIAL 626.000,00
1310.00.00 RECEITAS IMOBILIÁRIAS 245.000,00
1311.00.00 ALUGUEIS 195.000,00
1311.01.00 Aluguéis de Imóveis Urbanos 0.01.00.110.000 195.000,00
1315.00.00 Taxa de Ocupação de Imóveis 50.000,00
1315.01.00 Taxa de Ocupação de Imóveis Urbanos 0.01.00.110.000 50.000,00
1320.00.00 RECEITAS DE VALORES MOBILIÁRIOS 157.000,00
1322.00.00 Dividendos 5.000,00
1322.00.00 Dividendos 0.01.44.110.000 5.000,00
1325.00.00 REMUNERAÇÃO DE DEPOSITOS BANCÁRIOS 92.000,00
1325.01.00 REMUNERACAO DE DEPOSITOS DE RECURSOS VINCULADOS 72.000,00
1325.01.02 Rec. de Remun. Dep. Bancários Recursos Vinc.- FUNDEB 0.05.41.263.000 42.000,00...
1325.02.00 REMUNERACAO DE DEPOSITOS DE RECURSOS NAO VINCULADOS 20.000,00...
1328.00.00 Remuneração dos Investimentos do RPPS 60.000,00
1328.10.00 Remuneração dos Investimentos do RPPS em Renda Fixa 0.04.40.600.000 60.000,00
1330.00.00 RECEITA DE CONCESSõES E PERMISSõES 224.000,00
1333.00.00 Receita Concessões e Permis Direitos de Uso de Bens Públicos 100.000,00
1333.01.00 Receita de Concessão de Direito Real de Uso de Área Pública 0.01.00.110.000 100.000,00
1339.00.00 Outras Receitas de Concessões e Permissões 124.000,00
1339.00.00 Outras Receitas de Concessões e Permissões 0.01.00.110.000 124.000,00
1600.00.00 RECEITA DE SERVIÇOS 2.160.000,00
1600.03.00 Serviços de Transporte 235.000,00
1600.03.06 Receita de Terminais Rodoviários 0.01.00.110.000 235.000,00
1600.16.00 Serv. Educacionais 0.04.05.230.000 450.000,00
1600.41.00 Serv. Captação Adução Tratam. Reservação Distrib. Água 0.01.00.110.000 680.000,00
1600.42.00 Serv. Coleta Transp. Tratam. e Destino Final Esgoto 0.01.00.110.000 360.000,00
1600.45.00 Serv. Preparação da Terra em Propried. Particulares 0.01.00.110.000 150.000,00
1600.48.00 Serv. de Religamento de Água 0.01.00.110.000 30.000,00
1600.99.00 Outros Serviços 0.01.00.110.000 255.000,00
1700.00.00 TRANSFERêNCIAS CORRENTES 13.571.500,00
1720.00.00 TRANSFERêNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS 13.571.500,00
1721.00.00 Transferências da União 6.246.500,00
1721.01.00 Participação na Receita da União 4.940.000,00
1721.01.02 Cota-Parte do Fundo de Participação dos Municípios 0.01.00.110.000 4.860.000,00
1721.01.05 Cota-Parte do Imp. S/ a Propriedade Territorial Rural 0.01.00.110.000 80.000,00
1721.22.00 Transf p/ Compensação Financ p/ Exploração Recursos Naturais 70.000,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 70

1721.22.11 Cota-parte da Compens. Financ. de Rec. Hídricos 0.01.00.110.000 40.000,00


1721.22.20 Cota-parte da Compens. Financ. de Rec. Minerais - CFEM 0.01.00.110.000 30.000,00
1721.33.00 Transf. de Rec. do Sistema Único de Saúde - SUS - Repasses F 0.05.13.300.099 540.000,00
1721.34.00 Transf. de Rec. do Fundo Nacional de Assistência Social - FN 0.05.14.500.099 60.000,00
1721.35.00 Transf Recursos do Fundo Nac do Desenv da Educação – FNDE 486.500,00
1721.35.01 Transf. do Salário-Educação 0.02.16.220.098 80.000,00
1721.35.03 Transf. Diretas do FNDE referentes ao Progr. Nacional de Ali 0.05.11.210.099 30.000,00
1721.35.04 Transf. Diretas FNDE - PNATE 0.05.11.220.099 200.000,00
1721.35.99 Outras Transf. Diretas do FNDE 0.05.11.220.099 176.500,00
1721.36.00 Transf. Financ. do ICMS - Desoneração - LC N° 87/96 0.01.00.110.000 150.000,00
1722.00.00 Transferências dos Estados 5.865.000,00
1722.01.00 Participação na Receita dos Estados 5.565.000,00
1722.01.01 Cota-Parte do ICMS 0.01.00.110.000 4.560.000,00
1722.01.02 Cota-Parte do IPVA 0.01.00.110.000 960.000,00
1722.01.04 Cota-Parte do IPI s/ Exportação 0.01.00.110.000 45.000,00
1722.99.00 Outras Transferências dos Estados 300.000,00
1722.99.01 Transf. p/ Progr. de Assistência Social 0.02.20.500.098 300.000,00
1724.00.00 Transferências Multigovernamentais 1.460.000,00
1724.01.00 Transf. de Rec. do Fundo de Manut. e Desenv. da Ed. Básica e 0.05.10.260.000 1.460.000,00
1900.00.00 OUTRAS RECEITAS CORRENTES 581.500,00
1910.00.00 MULTAS E JUROS DE MORA 61.000,00
1911.00.00 Multas e Juros de Mora dos Tributos 28.000,00
1911.38.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ a Propriedade Predial e Terr 0.01.00.110.000 13.000,00
1911.39.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ a Transm. Inter-Vivos de Ben 0.01.00.110.000 3.000,00
1911.40.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ Serv. de Qualquer Natureza - 0.01.00.110.000 7.000,00
1911.98.00 Mult. e jur. de Mora das Contrib. de Melhoria 0.01.00.110.000 5.000,00
1913.00.00 Multa e Juros de Mora da Dívida Ativa dos Tributos 31.000,00
1913.11.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ a Propriedade 0.01.00.110.000 18.000,00
1913.12.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ a Transm. Inte 0.01.00.110.000 5.000,00
1913.13.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ Serv. de Qualq 0.01.00.110.000 8.000,00
1915.00.00 Multa e Juros de Mora da Dívida Ativa de Outras Receitas 2.000,00
1915.99.00 Outras Multas e Juros de Mora da Dívida Ativa de Outras Rec 2.000,00
1915.99.01 Outras Multas e Juros de Mora da Dív. Ativa de O. Rec.- Prin 0.01.00.110.000 2.000,00
1920.00.00 INDENIZAçõES E RESTITUIçõES 117.500,00
1921.00.00 Indenizações 5.000,00
1921.99.00 Outras Indenizações 0.01.00.110.000 5.000,00
1922.00.00 Restituições 112.500,00
1922.10.00 Compensações Financeiras entre o Regime Geral e os RPPS 0.04.04.600.000 110.000,00
1922.99.00 Outras Restituições 0.01.00.110.000 2.500,00
1930.00.00 RECEITA DA DíVIDA ATIVA 315.000,00
1931.00.00 Receita da Dívida Ativa Tributária 303.000,00
1931.11.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ a Propriedade Predial e Ter 0.01.00.110.000 110.000,00
1931.12.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ a Transm. Inter-Vivos de Be 0.01.00.110.000 28.000,00
1931.13.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ Serv. de Qualquer Natureza 0.01.00.110.000 68.000,00
1931.98.00 Receita da Div. Ativa das Contrib. de Melhoria. 0.01.00.110.000 40.000,00
1931.99.00 Receita da Dívida Ativa de Outros Tributos 57.000,00
1931.99.01 Receita da Dív. Ativa de Outros Tributos - Principal 0.01.00.110.000 57.000,00
1932.00.00 Receita da Dívida Ativa não tributária 12.000,00
1932.99.00 Receita da Dívida Ativa Não Tributária de Outras Receitas 12.000,00
1932.99.01 Receita da Dív. Ativa Não Tributária de O. Receitas - Princi 0.01.00.110.000 12.000,00
1990.00.00 RECEITAS DIVERSAS 88.000,00
1990.99.00 Outras Receitas 0.01.00.110.000 88.000,00
2000.00.00 RECEITAS DE CAPITAL 455.000,00
2200.00.00 ALIENAçãO DE BENS 365.000,00
2210.00.00 ALIENAçãO DE BENS MóVEIS 255.000,00
2219.00.00 Alienação de Outros Bens Móveis 255.000,00
2219.00.00 Alienação de Outros Bens Móveis 0.01.01.120.000 255.000,00
2220.00.00 ALIENAçãO DE BENS IMóVEIS 110.000,00
2225.00.00 Alienação de Imóveis Urbanos 110.000,00
2225.00.00 Alienação de Imóveis Urbanos 0.01.02.120.000 110.000,00
2400.00.00 TRANSFERêNCIAS DE CAPITAL 90.000,00
2420.00.00 TRANSFERêNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS 40.000,00
2421.00.00 Transferências da União 40.000,00
2421.01.00 Transf. de Rec. do Sistema Único de Saúde - SUS 0.05.13.300.099 40.000,00
2470.00.00 TRANSFERêNCIAS DE CONVêNIOS 50.000,00
2471.00.00 Transferência de Convênios da União e de suas Entidades 50.000,00
2471.01.00 Transf Convênio da União p/ o Sistema Único de Saúde – SUS 50.000,00
2471.01.01 Recursos p/ Construção de UBS 0.05.13.300.099 50.000,00
7000.00.00 RECEITAS CORRENTES - INTRA-ORCAMENTARIAS 644.500,00
7200.00.00 Contribuição Patronal Intra-orçamentária 644.500,00

7210.29.01 Contrib. Patronal de Servidor Ativo Civil 0.04.04.600.000 604.500,00


7210.29.03 Contrib. Patronal - Inativo Civil 0.04.04.600.000 30.000,00
7210.29.05 Contrib. Patronal - Pensionista Civil 0.04.04.600.000 10.000,00
9000.00.00 DEDUÇÕES DA RECEITA CORRENTE -2.131.000,00
9500.00.00 DEDUÇÕES PARA FORMAÇÃO DO FUNDEB -2.131.000,00
9510.00.00 DEDUÇÕES - RECEITAS CORRENTES -2.131.000,00
9510.01.00 Deduções - Receitas Correntes - Fundeb 0.01.00.110.000 -2.131.000,00
TOTAL 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 71

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 02
NATUREZA DA DESPESA - CONSOLIDAÇÃO GERAL
Código Especificação Elemento Modalidade Grupo Categoria
Econômica
3. 0. 00. 00 DESPESAS CORRENTES 14.778.332,00
3. 1. 00. 00 Pessoal e Encargos Sociais 6.380.700,00
3. 1. 90. 00 Aplicações Diretas 5.736.200,00
3. 1. 90. 04 Contratação por Tempo Determinado 345.000,00
3. 1. 90. 11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 4.876.000,00
3. 1. 90. 13 Obrigações Patronais 405.200,00
3. 1. 90. 16 Outras Despesas Variáveis - Pessoal Civil 50.000,00
3. 1. 90. 94 Indenizações e Restituições Trabalhistas 60.000,00
3. 1. 91. 00 Aplic. Direta Decor. Oper. entre Órgãos, Fundos e Entidades 644.500,00
3. 1. 91. 13 Obrigações Patronais 644.500,00
3. 2. 00. 00 Juros e Encargos da Dívida 20.000,00
3. 2. 90. 00 Aplicações Diretas 20.000,00
3. 2. 90. 21 Juros sobre a Dívida por Contrato 20.000,00
3. 3. 00. 00 Outras Despesas Correntes 8.377.632,00
3. 3. 50. 00 Transferências a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos 1.550.000,00
3. 3. 50. 43 Subvenções Sociais 1.550.000,00
3. 3. 90. 00 Aplicações Diretas 6.827.632,00
3. 3. 90. 01 Aposentadoria e Reformas 350.000,00
3. 3. 90. 03 Pensões 35.000,00
3. 3. 90. 09 Salário-Familia 1.000,00
3. 3. 90. 14 Diárias - Civil 45.000,00
3. 3. 90. 30 Material de Consumo 3.039.632,00
3. 3. 90. 32 Material de Distribuição Gratuita 995.000,00
3. 3. 90. 33 Passagens e Despesas com Locomoção 33.000,00
3. 3. 90. 35 Serviços de Consultoria 20.000,00
3. 3. 90. 36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 572.500,00
3. 3. 90. 39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 1.551.500,00
3. 3. 90. 47 Obrigações Tributárias e Contributivas 120.000,00
3. 3. 90. 91 Sentenças Judiciais 60.000,00
3. 3. 90. 92 Despesas de Exercícios Anteriores 5.000,00
4. 0. 00. 00 DESPESAS DE CAPITAL 4.635.000,00
4. 4. 00. 00 Investimentos 4.510.000,00
4. 4. 90. 00 Aplicações Diretas 4.510.000,00
4. 4. 90. 51 Obras e Instalações 3.415.000,00
4. 4. 90. 52 Equipamentos e Material Permanente 1.095.000,00
4. 6. 00. 00 Amortização da Dívida 125.000,00
4. 6. 90. 00 Aplicações Diretas 125.000,00
4. 6. 90. 71 Principal da Dívida Contratual Resgatado 125.000,00
7. 0. 00. 00 RESERVA ORçAMENTáRIA - RPPS 994.752,00
7. 7. 00. 00 Reserva Orçamentária - RPPS 994.752,00
7. 7. 99. 00 A Definir 994.752,00
7. 7. 99. 99 A Classificar 994.752,00
9. 0. 00. 00 RESERVA DE CONTINGêNCIA 100.000,00
9. 9. 00. 00 Reserva de Contingência 100.000,00
9. 9. 99. 00 A Definir 100.000,00
9. 9. 99. 99 A Classificar 100.000,00
TOTAL 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 72

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 02
NATUREZA DA DESPESA POR ÓRGÃO (Inc. IV, § 1º, Art. 2º)
ÓRGÃO 01 CÂMARA MUNICIPAL
Código Especificação Elemento Modalidade Grupo Categoria
Econômica
3. 0. 00. 00 DESPESAS CORRENTES 804.000,00
3. 1. 00. 00 Pessoal e Encargos Sociais 627.000,00
3. 1. 90. 00 Aplicações Diretas 603.000,00
3. 1. 90. 11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 498.000,00
3. 1. 90. 13 Obrigações Patronais 105.000,00
3. 1. 91. 00 Aplic. Direta Decor. Oper. entre Órgãos, Fundos e Entidades 24.000,00
3. 1. 91. 13 Obrigações Patronais 24.000,00
3. 3. 00. 00 Outras Despesas Correntes 177.000,00
3. 3. 90. 00 Aplicações Diretas ... 177.000,00
3. 3. 90. 14 Diárias - Civil 10.000,00
3. 3. 90. 30 Material de Consumo 30.000,00
3. 3. 90. 33 Passagens e Despesas com Locomoção 25.000,00
3. 3. 90. 36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 15.000,00
3. 3. 90. 39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 72.000,00
3. 3. 90. 91 Sentenças Judiciais 20.000,00
3. 3. 90. 92 Despesas de Exercícios Anteriores 5.000,00
4. 0. 00. 00 DESPESAS DE CAPITAL 103.000,00
4. 4. 00. 00 Investimentos 103.000,00
4. 4. 90. 00 Aplicações Diretas 103.000,00
4. 4. 90. 51 Obras e Instalações 50.000,00
4. 4. 90. 52 Equipamentos e Material Permanente 53.000,00
TOTAL 907.000,00

ÓRGÃO 02 PREFEITURA MUNICIPAL


Código Especificação Elemento Modalidade Grupo Categoria
Econômica
3. 0. 00. 00 DESPESAS CORRENTES 12.661.832,00
3. 1. 00. 00 Pessoal e Encargos Sociais 4.960.200,00
3. 1. 90. 00 Aplicações Diretas 4.344.200,00
3. 1. 90. 04 Contratação por Tempo Determinado 345.000,00
3. 1. 90. 11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 3.714.000,00
3. 1. 90. 13 Obrigações Patronais 175.200,00
3. 1. 90. 16 Outras Despesas Variáveis - Pessoal Civil 50.000,00
3. 1. 90. 94 Indenizações e Restituições Trabalhistas 60.000,00
3. 1. 91. 00 Aplic. Direta Decor. Oper. entre Órgãos, Fundos e Entidades 616.000,00
3. 1. 91. 13 Obrigações Patronais 616.000,00
3. 2. 00. 00 Juros e Encargos da Dívida 20.000,00
3. 2. 90. 00 Aplicações Diretas 20.000,00
3. 2. 90. 21 Juros sobre a Dívida por Contrato 20.000,00
3. 3. 00. 00 Outras Despesas Correntes 7.681.632,00
3. 3. 50. 00 Transferências a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos 1.550.000,00
3. 3. 50. 43 Subvenções Sociais 1.550.000,00
3. 3. 90. 00 Aplicações Diretas 6.131.632,00
3. 3. 90. 14 Diárias - Civil 35.000,00
3. 3. 90. 30 Material de Consumo 2.906.632,00
3. 3. 90. 32 Material de Distribuição Gratuita 995.000,00
3. 3. 90. 33 Passagens e Despesas com Locomoção 8.000,00
3. 3. 90. 35 Serviços de Consultoria 20.000,00
3. 3. 90. 36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 547.500,00
3. 3. 90. 39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 1.459.500,00
3. 3. 90. 47 Obrigações Tributárias e Contributivas 120.000,00
3. 3. 90. 91 Sentenças Judiciais 40.000,00
4. 0. 00. 00 DESPESAS DE CAPITAL 4.482.000,00
4. 4. 00. 00 Investimentos 4.357.000,00
4. 4. 90. 00 Aplicações Diretas 4.357.000,00
4. 4. 90. 51 Obras e Instalações 3.365.000,00
4. 4. 90. 52 Equipamentos e Material Permanente 992.000,00
4. 6. 00. 00 Amortização da Dívida 125.000,00
4. 6. 90. 00 Aplicações Diretas 125.000,00
4. 6. 90. 71 Principal da Dívida Contratual Resgatado 125.000,00
TOTAL 17.143.832,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 73

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 02
NATUREZA DA DESPESA POR ÓRGÃO (Inc. IV, § 1º, Art. 2º)

ÓRGÃO 03 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL - IPREM

Código Especificação Elemento Modalidade Grupo Categoria


Econômica
3. 0. 00. 00 DESPESAS CORRENTES 434.500,00
3. 1. 00. 00 Pessoal e Encargos Sociais 28.500,00
3. 1. 90. 00 Aplicações Diretas 24.000,00
3. 1. 90. 11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 24.000,00
3. 1. 91. 00 Aplic. Direta Decor. Oper. entre Órgãos, Fundos e Entidades 4.500,00
3. 1. 91. 13 Obrigações Patronais 4.500,00
3. 3. 00. 00 Outras Despesas Correntes 406.000,00
3. 3. 90. 00 Aplicações Diretas 406.000,00
3. 3. 90. 01 Aposentadoria e Reformas 350.000,00
3. 3. 90. 03 Pensões 35.000,00
3. 3. 90. 09 Salário-Familia 1.000,00
3. 3. 90. 30 Material de Consumo 20.000,00
4. 0. 00. 00 DESPESAS DE CAPITAL 20.000,00
4. 4. 00. 00 Investimentos 20.000,00
4. 4. 90. 00 Aplicações Diretas 20.000,00
4. 4. 90. 52 Equipamentos e Material Permanente 20.000,00
TOTAL 454.500,00

ÓRGÃO 04 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO

Código Especificação Elemento Modalidade Grupo Categoria


Econômica
3. 0. 00. 00 DESPESAS CORRENTES 878.000,00
3. 1. 00. 00 Pessoal e Encargos Sociais 765.000,00
3. 1. 90. 00 Aplicações Diretas 765.000,00
3. 1. 90. 11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 640.000,00
3. 1. 90. 13 Obrigações Patronais 125.000,00
3. 3. 00. 00 Outras Despesas Correntes 113.000,00
3. 3. 90. 00 Aplicações Diretas 113.000,00
3. 3. 90. 30 Material de Consumo 83.000,00
3. 3. 90. 36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 10.000,00
3. 3. 90. 39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 20.000,00
4. 0. 00. 00 DESPESAS DE CAPITAL 30.000,00
4. 4. 00. 00 Investimentos 30.000,00
4. 4. 90. 00 Aplicações Diretas 30.000,00
4. 4. 90. 52 Equipamentos e Material Permanente 30.000,00
TOTAL 908.000,00

ÓRGÃO 99 RESERVA DE CONTINGÊNCIA

Código Especificação Elemento Modalidade Grupo Categoria


Econômica
7. 0. 00. 00 RESERVA ORÇAMENTáRIA - RPPS 994.752,00
7. 7. 00. 00 Reserva Orçamentária - RPPS 994.752,00
7. 7. 99. 00 A Definir 994.752,00
7. 7. 99. 99 A Classificar 994.752,00
9. 0. 00. 00 RESERVA DE CONTINGêNCIA 100.000,00
9. 9. 00. 00 Reserva de Contingência 100.000,00
9. 9. 99. 00 A Definir 100.000,00
9. 9. 99. 99 A Classificar 100.000,00
TOTAL 1.094.752,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 74

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 02
NATUREZA DA DESPESA POR ORGÃO E UNIDADE
ORGÃO 01 CÂMARA MUNICIPAL
UNIDADE 01 CORPO LEGISLATIVO

Código Especificação F.R.-C.A. Elemento Modalidade Grupo


Categoria
Econômica

3. 0. 00. 00 DESPESAS CORRENTES 483.000,00


3. 1. 00. 00 Pessoal e Encargos Sociais 483.000,00
3. 1. 90. 00 Aplicações Diretas 483.000,00
3. 1. 90. 11 Vencimentos e Vantangens Fixas - Pessoal Civil 0.01.00.110.000 378.000,00
3. 1. 90. 13 Obrigações Patronais 0.01.00.110.000 105.000,00

TOTAL 483.000,00

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 02
NATUREZA DA DESPESA POR ORGÃO E UNIDADE
ORGÃO 02 PREFEITURA MUNICIPAL
UNIDADE 01 GABINETE DO PREFEITO
Código Especificação F.R.-C.A. Elemento Modalidade Grupo
Categoria
Econômica

3. 0. 00. 00 DESPESAS CORRENTES 325.200,00


3. 1. 00. 00 Pessoal e Encargos Sociais 157.200,00
3. 1. 90. 00 Aplicações Diretas 157.200,00
3. 1. 90. 04 Contratação por Tempo Determinado 0.01.00.110.000 12.000,00
3. 1. 90. 11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 0.01.00.110.000 120.000,00
3. 1. 90. 13 Obrigações Patronais 0.01.00.110.000 25.200,00
3. 3. 00. 00 Outras Despesas Correntes 168.000,00
3. 3. 90. 00 Aplicações Diretas 168.000,00
3. 3. 90. 14 Diárias - Civil 0.01.00.110.000 10.000,00
3. 3. 90. 30 Material de Consumo 0.01.00.110.000 40.000,00
3. 3. 90. 33 Passagens e Despesas com Locomoção 0.01.00.110.000 8.000,00
3. 3. 90. 35 Serviços de Consultoria 0.01.00.110.000 20.000,00
3. 3. 90. 36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 0.01.00.110.000 20.000,00
3. 3. 90. 39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 0.01.00.110.000 70.000,00
4. 0. 00. 00 DESPESAS DE CAPITAL 67.000,00
4. 4. 00. 00 Investimentos 67.000,00
4. 4. 90. 00 Aplicações Diretas 67.000,00
4. 4. 90. 52 Equipamentos e Material Permanente 0.01.00.110.000 67.000,00

TOTAL 392.200,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 75

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 06
PROGRAMA DE TRABALHO - (Inc. II, § 2º, Art. 2º)
01 CÂMARA MUNICIPAL
01 CORPO LEGISLATIVO

Código Especificação Projetos Atividades Total

01 Legislativa 483.000,00 483.000,00


01 031 Ação Legislativa 483.000,00 483.000,00
01 031 0001 Processo Legislativo 483.000,00 483.000,00
01.031.0001.2001.0000 Manutenção do Corpo Legislativo 483.000,00 483.000,00

TOTAL 0,00 483.000,00 483.000,00

01 CÂMARA MUNICIPAL
01 SECRETARIA DA CÂMARA

Código Especificação Projetos Atividades Total

01 Legislativa 103.000,00 321.000,00 424.000,00


01 031 Ação Legislativa 103.000,00 321.000,00 424.000,00
01 031 0002 Administração Legislativa 103.000,00 321.000,00 424.000,00
01.031.0002.1001.0000 Reforma e Ampliação de Imóvel - Câmara 50.000,00 50.000,00
01.031.0002.1002.0000 Aquisição de Equipamentos Diversos - Câmara 53.000,00 53.000,00
01.031.0002.2002.0000 Manutenção das Atividades Legislativas 289.000,00 289.000,00
01.031.0002.2003.0000 Cerimonial e Recepção de Autoridades 32.000,00 32.000,00

TOTAL 103.000,00 321.000,00 424.000,00

02 PREFEITURA MUNICIPAL
01 GABINETE DO PREFEITO

Código Especificação Projetos Atividades Total

04 Administração 67.000,00 305.200,00 372.200,00


04 122 Administração Geral 67.000,00 305.200,00 372.200,00
04 122 0003 Gestão Político-Administrativa 67.000,00 305.200,00 372.200,00
04.122.0003.1005.0000 Aquisição de Veículos - Gabinete 67.000,00 67.000,00
04.122.0003.2004.0000 Manutenção do Gabinete do Prefeito 305.200,00 305.200,00
04 131 Comunicação Oficial 20.000,00 20.000,00
04 131 0003 Gestão Político-Administrativa 20.000,00 20.000,00
04.131.0003.2004.0000 Manutenção do Gabinete do Prefeito 20.000,00 20.000,00

TOTAL 67.000,00 325.200,00 392.200,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 76

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 06
PROGRAMA DE TRABALHO - (Inc. II, § 2º, Art. 2º)
02 PREFEITURA MUNICIPAL
02 ASSESSORIA TÉCNICA JURÍDICA

Código Especificação Projetos Atividades Total

04 Administração 36.000,00 36.000,00


04 122 Administração Geral 36.000,00 36.000,00
04 122 0003 Gestão Político-Administrativa 36.000,00 36.000,00
04.122.0003.2004.0000 Manutenção do Gabinete do Prefeito 36.000,00 36.000,00

TOTAL 0,00 36.000,00 36.000,00

02 PREFEITURA MUNICIPAL
03 COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO

Código Especificação Projetos Atividades Total

04 Administração 30.000,00 298.000,00 298.000,00


04 122 Administração Geral 30.000,00 298.000,00 298.000,00
04 122 0003 Gestão Político-Administrativa 30.000,00 298.000,00 298.000,00
04.122.0003.1006.0000 Aquisição de Veículos - Administração 30.000,00 30.000,00
04.122.0003.2005.0000 Manutenção da Administração 298.000,00 298.000,00

TOTAL 30.000,00 298.000,00 298.000,00

02 PREFEITURA MUNICIPAL
04 COORDENADORIA DE FINANÇAS

Código Especificação Projetos Atividades Total

04 Administração 30.000,00 260.000,00 290.000,00


04 123 Administração Financeira 30.000,00 260.000,00 290.000,00
04 123 0003 Gestão Político-Administrativa 30.000,00 260.000,00 290.000,00
04.123.0003.1028.0000 Aquisição de Mobiliário Diversos - Finanças 30.000,00 30.000,00
04.123.0003.2006.0000 Manutenção de Finanças 260.000,00 260.000,00
28 Encargos Especiais 145.000,00 145.000,00
28 843 Serviço da Dívida Interna 145.000,00 145.000,00
28 843 0000 Encargos Gerais do Municipio 145.000,00 145.000,00
28.843.0000.0001.0000 Amortização da Dívida Contratual 125.000,00 125.000,00
28.843.0000.0003.0000 Juros da Dívida Contratada 20.000,00 20.000,00
28 846 Outros Encargos Especiais 120.000,00 120.000,00
28 846 0000 Encargos Gerais do Municipio 120.000,00 120.000,00
28.846.0000.0002.0000 Contribuicao ao Pasep 120.000,00 120.000,00

TOTAL 30.000,00 525.000,00 555.000,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 77

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 07
PROGRAMA DE TRABALHO DO GOVERNO
DEMONSTRATIVO DE FUNÇÕES, SUBFUNÇÕES E PROGRAMAS POR PROJETOS E ATIVIDADES
(Inc. II, § 2º, Art. 2º)
Código Especificação Projetos Atividades Total
01 Legislativa 103.000,00 804.000,00 907.000,00
01 031 Ação Legislativa 103.000,00 804.000,00 907.000,00
01 031 0001 Processo Legislativo 0,00 483.000,00 483.000,00
01.031.0001.2001.0000 Manutenção do Corpo Legislativo 0,00 483.000,00 483.000,00
01 031 0002 Administração Legislativa 103.000,00 321.000,00 424.000,00
01.031.0002.1001.0000 Reforma e Ampliação de Imóvel - Câmara 50.000,00 0,00 50.000,00
01.031.0002.1002.0000 Aquisição de Equipamentos Diversos - Câmara 53.000,00 0,00 53.000,00
01.031.0002.2002.0000 Manutenção das Atividades Legislativas 0,00 289.000,00 289.000,00
01.031.0002.2003.0000 Cerimonial e Recepção de Autoridades 0,00 32.000,00 32.000,00
04 Administração 127.000,00 919.200,00 1.046.200,00
04 122 Administração Geral 97.000,00 639.200,00 736.200,00
04 122 0003 Gestão Político-Administrativa 97.000,00 639.200,00 736.200,00
04.122.0003.1005.0000 Aquisição de Veículos - Gabinete 67.000,00 0,00 67.000,00
04.122.0003.1006.0000 Aquisição de Veículos - Administração 30.000,00 0,00 30.000,00
04.122.0003.2004.0000 Manutenção do Gabinete do Prefeito 0,00 341.200,00 341.200,00
04.122.0003.2005.0000 Manutencao da Administração 0,00 298.000,00 298.000,00
04 123 Administração Financeira 30.000,00 260.000,00 290.000,00
04 123 0003 Gestão Político-Administrativa 30.000,00 260.000,00 290.000,00
04.123.0003.1028.0000 Aquisição de Mobiliário Diversos - Finanças 30.000,00 0,00 30.000,00
04.123.0003.2006.0000 Manutenção de Finanças 0,00 260.000,00 260.000,00
04 131 Comunicação Oficial 0,00 20.000,00 20.000,00
04 131 0003 Gestão Político-Administrativa 0,00 20.000,00 20.000,00
04.131.0003.2004.0000 Manutenção do Gabinete do Prefeito 0,00 20.000,00 20.000,00
08 Assistência Social 230.000,00 2.280.632,00 2.510.632,00
08 243 Assistência à Criança e ao Adolescente 40.000,00 62.000,00 102.000,00
08 243 0019 Ações do Conselho Tutelar 40.000,00 62.000,00 102.000,00
08.243.0019.1032.0000 Aquisição de Mobiliário Diverso - Cons Tutelar 40.000,00 0,00 40.000,00
08.243.0019.2025.0000 Manutenção do Conselho Tutelar 0,00 62.000,00 62.000,00
08 244 Assistência Comunitária 190.000,00 2.218.632,00 2.408.632,00
08 244 0018 Ações de Assistência Integral 190.000,00 2.218.632,00 2.408.632,00
08.244.0018.1011.0000 Aquisição de Veículos - Assist Social 80.000,00 0,00 80.000,00
08.244.0018.1030.0000 Reforma e Ampliação do Centro de Convivência 60.000,00 0,00 60.000,00
08.244.0018.1031.0000 Aquisição de Equip Diversos - Assist Social 50.000,00 0,00 50.000,00
08.244.0018.2018.0000 Manutenção dos Serviços de Assistência Social 0,00 1.568.632,00 1.568.632,00
08.244.0018.2026.0000 Açoes de Combate a Pobreza 0,00 650.000,00 650.000,00
08 Assistência Social 230.000,00 2.280.632,00 2.510.632,00
08 244 Assistência Comunitária 190.000,00 2.218.632,00 2.408.632,00
09 Previdência Social 20.000,00 434.500,00 454.500,00
09 122 Administração Geral 20.000,00 48.500,00 68.500,00
09 122 0005 Administração Previdenciária 20.000,00 48.500,00 68.500,00
09.122.0005.1036.0000 Aquisição de Equip Diversos - IPREM 20.000,00 0,00 20.000,00
09.122.0005.2007.0000 Manutenção da Previdência Social Própria 0,00 48.500,00 48.500,00
09 272 Previdência do Regime Estatutário 0,00 386.000,00 386.000,00
09 272 0020 Benefícios Previdenciários 0,00 386.000,00 386.000,00
09.272.0020.2007.0000 Manutenção da Previdência Social Própria 0,00 386.000,00 386.000,00
10 Saúde 840.000,00 2.977.000,00 3.817.000,00
10 301 Atenção Básica 720.000,00 2.242.000,00 2.962.000,00
10 301 0011 Ações Médicas Básicas 660.000,00 1.863.000,00 2.523.000,00
10.301.0011.1007.0000 Aquisição de Veículos - Saúde 120.000,00 0,00 120.000,00
10.301.0011.1022.0000 Construção de Unidades de Saúde 390.000,00 0,00 390.000,00
10.301.0011.1033.0000 Aquisição de Equip Diversos - Saúde 150.000,00 0,00 150.000,00
10.301.0011.2019.0000 Ações de Assistência Médica Integral 0,00 1.313.000,00 1.313.000,00
10.301.0011.2023.0000 Transf de Recursos a Entidades de Saúde 0,00 550.000,00 550.000,00
10 301 0012 Saúde da Família 60.000,00 379.000,00 439.000,00
10.301.0012.1034.0000 Aquisição de Veículos - PSF 60.000,00 0,00 60.000,00
10.301.0012.2022.0000 Ações e Desenvolvimento do PSF 0,00 379.000,00 379.000,00
10 303 Suporte Profilático e Terapêutico 0,00 300.000,00 300.000,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 78

10 303 0013 Farmácia Básica 0,00 300.000,00 300.000,00


10.303.0013.2020.0000 Ações do Programa Farmácia Básica 0,00 300.000,00 300.000,00
10 305 Vigilância Epidemiológica 120.000,00 435.000,00 555.000,00
10 305 0014 Prevenção e Controle de Endemias 120.000,00 435.000,00 555.000,00
10.305.0014.1035.0000 Aquis de Equip Diversos - Controle Endemias 120.000,00 0,00 120.000,00
10.305.0014.2021.0000 Ações e Controle de Endemias 0,00 435.000,00 435.000,00
12 Educação 1.055.000,00 4.612.000,00 5.667.000,00
12 361 Ensino Fundamental 825.000,00 2.837.000,00 3.662.000,00
12 361 0006 Desenvolvimento e Manutenção da Rede Escolar 530.000,00 990.000,00 1.520.000,00
12.361.0006.1008.0000 Aquisição de Veículos - Educação 30.000,00 0,00 30.000,00
12.361.0006.1017.0000 Construção de Unidades Escolares - EF 500.000,00 0,00 500.000,00
12.361.0006.2011.0000 Manutenção do Ensino Fundamental 0,00 940.000,00 940.000,00
12.361.0006.2014.0000 Treinamento e Qualificação de Servidores 0,00 50.000,00 50.000,00
12 361 0008 Alimentação Escolar 15.000,00 120.000,00 135.000,00
12.361.0008.1029.0000 Aquisição de Equip. Diversos - Merenda Escolar 15.000,00 0,00 15.000,00
12.361.0008.2013.0000 Distribuição da Merenda Escolar 0,00 120.000,00 120.000,00
12 361 0009 Transporte Escolar 200.000,00 870.000,00 1.070.000,00
12.361.0009.1009.0000 Aquis.de Veiculos Transporte Escolar 200.000,00 0,00 200.000,00
12.361.0009.2012.0000 Manutenção do Transporte Escolar 0,00 870.000,00 870.000,00
12 361 0010 Educação Básica - Fundeb 80.000,00 857.000,00 937.000,00
12.361.0010.1018.0000 Construção de Unidades Escolares - Fundeb 80.000,00 0,00 80.000,00
12.361.0010.2015.0000 Encargos com Pessoal do Magistério - 60% 0,00 625.000,00 625.000,00
12.361.0010.2016.0000 Outras Despesas Fundeb - 40% 0,00 232.000,00 232.000,00
12 362 Ensino Médio 30.000,00 878.000,00 908.000,00
12 362 0021 Desenvolvimento Educacional 30.000,00 878.000,00 908.000,00
12.362.0021.1037.0000 Aquis Equip Diversos - Fund Ensino 30.000,00 0,00 30.000,00
12.362.0021.2027.0000 Administração Geral 0,00 195.000,00 195.000,00
12.362.0021.2028.0000 Desenvolvimento Ensino Médio 0,00 683.000,00 683.000,00
12 365 Educação Infantil 200.000,00 897.000,00 1.097.000,00
12 365 0007 Assistência Educacional na Primeira Infância 200.000,00 277.000,00 477.000,00
12.365.0007.1016.0000 Construção de Unidades Escolares - EI 100.000,00 0,00 100.000,00
12.365.0007.1019.0000 Reforma e Ampliação de Unidades Escolares - EI 100.000,00 0,00 100.000,00
12.365.0007.2010.0000 Desenvolvimento do Ensino Pré-Escolar 0,00 175.000,00 175.000,00
12.365.0007.2017.0000 Manutenção de Creches 0,00 102.000,00 102.000,00
12 365 0008 Alimentação Escolar 0,00 55.000,00 55.000,00
12.365.0008.2013.0000 Distribuição da Merenda Escolar 0,00 55.000,00 55.000,00
12 365 0010 Educação Básica - Fundeb 0,00 565.000,00 565.000,00
12.365.0010.2015.0000 Encargos com Pessoal do Magistério - 60% 0,00 565.000,00 565.000,00
15 Urbanismo 1.335.000,00 2.611.000,00 3.946.000,00
15 451 Infra-Estrutura Urbana 1.335.000,00 0,00 1.335.000,00
15 451 0017 Obras e Equipamentos Urbanos 1.335.000,00 0,00 1.335.000,00
15.451.0017.1024.0000 Pavimentação e Obras Complementares 435.000,00 0,00 435.000,00
15.451.0017.1025.0000 Recapeamento Asfáltico 900.000,00 0,00 900.000,00
15 452 Serviços Urbanos 0,00 2.611.000,00 2.611.000,00
15 452 0015 Serviços de Utilidade Pública 0,00 2.611.000,00 2.611.000,00
15.452.0015.2008.0000 Manutenção dos Serviços Urbanos 0,00 2.611.000,00 2.611.000,00
17 Saneamento 800.000,00 0,00 800.000,00
17 512 Saneamento Básico Urbano 800.000,00 0,00 800.000,00
17 512 0017 Obras e Equipamentos Urbanos 800.000,00 0,00 800.000,00
17.512.0017.1026.0000 Ampliação da Rede de Água 200.000,00 0,00 200.000,00
17.512.0017.1027.0000 Ampliação da Rede de Esgoto 600.000,00 0,00 600.000,00
28 Encargos Especiais 0,00 265.000,00 265.000,00
28 843 Serviço da Dívida Interna 0,00 145.000,00 145.000,00
28 843 0000 Encargos Gerais do Municipio 0,00 145.000,00 145.000,00
28.843.0000.0001.0000 Amortização da Dívida Contratual 0,00 125.000,00 125.000,00
28.843.0000.0003.0000 Juros da Dívida Contratada 0,00 20.000,00 20.000,00
28 846 Outros Encargos Especiais 0,00 120.000,00 120.000,00
28 846 0000 Encargos Gerais do Municipio 0,00 120.000,00 120.000,00
28.846.0000.0002.0000 Contribuicao ao Pasep 0,00 120.000,00 120.000,00
99 Reserva de Contingência 0,00 1.094.752,00 1.094.752,00
99 999 Reserva de Contingência 0,00 1.094.752,00 1.094.752,00
99 999 9999 Reserva de Contingência 0,00 1.094.752,00 1.094.752,00
99.999.9999.0999.0000 Reserva de Contingência 0,00 1.094.752,00 1.094.752,00
TOTAL 4.510.000,00 15.998.084,00 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 79

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 08
DESPESA POR FUNÇÃO, SUBFUNÇÃO E PROGRAMAS CONFORME O VÍNCULO COM OS RECURSOS
(Inc. II, § 2º, Art. 2º)
Código Especificação Ordinário Vinculado Adm. Indireta Total
01 Legislativa 907.000,00 907.000,00
01 031 Ação Legislativa 907.000,00 907.000,00
01 031 0001 Processo Legislativo 483.000,00 483.000,00
01 031 0002 Administração Legislativa 424.000,00 424.000,00
04 Administração 1.046.200,00 1.046.200,00
04 122 Administração Geral 736.200,00 736.200,00
04 122 0003 Gestão Político-Administrativa 736.200,00 736.200,00
04 123 Administração Financeira 290.000,00 290.000,00
04 123 0003 Gestão Político-Administrativa 290.000,00 290.000,00
04 131 Comunicação Oficial 20.000,00 20.000,00
04 131 0003 Gestão Político-Administrativa 20.000,00 20.000,00
08 Assistência Social 2.150.632,00 360.000,00 2.510.632,00
08 243 Assistência à Criança e ao Adolescente 102.000,00 102.000,00
08 243 0019 Ações do Conselho Tutelar 102.000,00 102.000,00
08 244 Assistência Comunitária 2.048.632,00 360.000,00 2.048.632,00
08 244 0018 Ações de Assistência Integral 2.048.632,00 360.000,00 2.048.632,00
09 Previdência Social 454.500,00 454.500,00
09 122 Administração Geral 68.500,00 68.500,00
09 122 0005 Administração Previdenciária 68.500,00 68.500,00
09 272 Previdência do Regime Estatutário 386.000,00 386.000,00
09 272 0020 Benefícios Previdenciários 386.000,00 386.000,00
10 Saúde 3.187.000,00 630.000,00 3.817.000,00
10 301 Atenção Básica 2.452.000,00 510.000,00 2.962.000,00
10 301 0011 Ações Médicas Básicas 2.013.000,00 510.000,00 2.523.000,00
10 301 0012 Saúde da Família 439.000,00 439.000,00
10 303 Suporte Profilático e Terapêutico 300.000,00 300.000,00
10 303 0013 Farmácia Básica 300.000,00 300.000,00
10 305 Vigilância Epidemiológica 435.000,00 120.000,00 555.000,00
10 305 0014 Prevenção e Controle de Endemias 435.000,00 120.000,00 555.000,00
12 Educação 4.272.500,00 486.500,00 908.000,00 5.667.000,00
12 361 Ensino Fundamental 3.205.500,00 456.500,00 3.662.000,00
12 361 0006 Desenvolvi e Manutenção da Rede Escolar 1.440.000,00 80.000,00 1.520.000,00
12 361 0008 Alimentação Escolar 135.000,00 135.000,00
12 361 0009 Transporte Escolar 693.500.00 376.500,00 1.070.000,00
12 361 0010 Educação Básica - Fundeb 937.000,00 937.000,00
12 362 Ensino Médio 908.000,00 908.000,00
12 362 0021 Desenvolvimento Educacional 908.000,00 908.000,00
12 365 Educação Infantil 1.067.000,00 30.000,00 1.097.000,00
12 365 0007 Assistência Educacional na Primeira Infância 477.000,00 477.000,00
12 365 0008 Alimentação Escolar 25.000,00 30.000,00 55.000,00
12 365 0010 Educação Básica - Fundeb 565.000,00 565.000,00
15 Urbanismo 3.946.000,00 3.946.000,00
15 451 Infra-Estrutura Urbana 1.335.000,00 1.335.000,00
15 451 0017 Obras e Equipamentos Urbanos 1.335.000,00 1.335.000,00
15 452 Serviços Urbanos 2.611.000,00 2.611.000,00
15 452 0015 Serviços de Utilidade Pública 2.611.000,00 2.611.000,00
17 Saneamento 800.000,00 800.000,00
17 512 Saneamento Básico Urbano 800.000,00 800.000,00
17 512 0017 Obras e Equipamentos Urbanos 800.000,00 800.000,00
28 Encargos Especiais 265.000,00 265.000,00
28 843 Serviço da Dívida Interna 145.000,00 145.000,00
28 843 0000 Encargos Gerais do Municipio 145.000,00 145.000,00
28 846 Outros Encargos Especiais 120.000,00 120.000,00
28 846 0000 Encargos Gerais do Municipio 120.000,00 120.000,00
99 Reserva de Contingência 100.000,00 994.752,00 1.094.752,00
99 999 Reserva de Contingência 100.000,00 994.752,00 1.094.752,00
99 999 9999 Reserva de Contingência 100.000,00 994.752,00 1.094.752,00
TOTAL 16.674.332,00 1.476.500,00 2.357.252,00 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 80

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 09
DEMONSTRATIVO DAS DESPESAS POR ORGÃO E FUNÇÕES DO GOVERNO

UNIDADE 01 01 CORPO LEGISLATIVO Valor

Função 01 Legislativa 483.000,00

UNIDADE 01 02 SECRETARIA DA CÂMARA Valor

Função 01 Legislativa 424.000,00

UNIDADE 02 01 GABINETE DO PREFEITO Valor

Função 04 Administração 392.200,00

UNIDADE 02 02 ASSESSORIA TÉCNICA JURÍDICA Valor

Função 04 Administração 36.000,00

UNIDADE 02 03 COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO Valor

Função 04 Administração 328.000,00

UNIDADE 02 04 COORDENADORIA DE FINANÇAS Valor

Função 04 Administração 290.000,00

Função 28 Encargos Especiais 265.000,00

UNIDADE 02 05 COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA Valor

Função 12 Educação 4.759.000,00

UNIDADE 02 06 COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Valor

Função 08 Assistência Social 2.510.632,00

UNIDADE 02 07 COORDENADORIA DE SAÚDE Valor

Função 10 Saúde 3.817.000,00

UNIDADE 02 08 COORDENADORIA DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS Valor

Função 15 Urbanismo 3.946.000,00

Função 17 Saneamento 800.000,00

UNIDADE 03 01 IPREM - ADMINISTRAÇÃO GERAL Valor

Função 09 Previdência Social 454.500,00

UNIDADE 04 01 ADMINISTRAÇÃO GERAL - FUNDAÇÃO Valor

Função 12 Educação 908.000,00

UNIDADE 99 99 RESERVA DE CONTINGÊNCIA Valor


Função 99 Reserva de Contingência 1.094.752,00

TOTAL GERAL 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 81

RESUMO DO TOTAL ORÇADO POR ORGÃO

01 01 CORPO LEGISLATIVO 483.000,00


01 02 SECRETARIA DA CÂMARA 424.000,00
02 01 GABINETE DO PREFEITO 392.200,00
02 02 ASSESSORIA TÉCNICA JURÍDICA 36.000,00
02 03 COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO 328.000,00
02 04 COORDENADORIA DE FINANÇAS 555.000,00
02 05 COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA 4.759.000,00
02 06 COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2.510.632,00
02 07 COORDENADORIA DE SAÚDE 3.817.000,00
02 08 COORDENADORIA DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS 4.746.000,00
03 01 IPREM - ADMINISTRAÇÃO GERAL 454.500,00
04 01 ADMINISTRAÇÃO GERAL - FUNDAÇÃO 908.000,00
99 99 RESERVA DE CONTINGÊNCIA 1.094.752,00

TOTAL 20.508.084,00

RESUMO DO TOTAL ORÇADO POR FUNÇÃO

01 Legislativa 907.000,00
04 Administração 1.046.200,00
08 Assistência Social 2.510.632,00
09 Previdência Social 454.500,00
10 Saúde 3.817.000,00
12 Educação 5.667.000,00
15 Urbanismo 3.946.000,00
17 Saneamento 800.000,00
28 Encargos Especiais 265.000,00
99 Reserva de Contingência 1.094.752,00

TOTAL 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 82

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 10
ORÇAMENTO DOS FUNDOS ESPECIAIS - (Inc. I, § 2º, Art. 2º)

230 ENSINO MÉDIO

RECEITA

Classif. Discriminação Valor R$

1600.16.00 Serv. Educacionais 450.000,00


Transferencias Financeiras 458.000,00

TOTAL 908.000,00

PLANO DE APLICACAO

Classif. Discriminação Valor R$

12.362.0021.2028.000 Desenvolvimento Ensino Médio 683.000,00


12.362.0021.2027.000 Administração Geral 195.000,00
12.362.0021.1037.000 Aquis Equip Diversos - Fund Ensino 30.000,00

TOTAL 908.000,00

600 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

RECEITA

Classif. Discriminação Valor R$

7210.29.01 Contrib. Patronal de Servidor Ativo Civil 604.500,00


7210.29.05 Contrib. Patronal - Pensionista Civil 10.000,00
7210.29.03 Contrib. Patronal - Inativo Civil 30.000,00
1922.10.00 Compensações Financeiras entre o Regime Geral e os RPPS 110.000,00
1328.10.00 Remuneração dos Investimentos do RPPS em Renda Fixa 60.000,00
1210.29.11 Contrib. de Pensionista Civil 15.000,00
1210.29.09 Contrib. de Servidor Inativo Civil 60.000,00
1210.29.07 Contrib. de Servidor Ativo Civil 559.752,00

TOTAL 1.449.252,00

PLANO DE APLICACAO

Classif. Discriminação Valor R$

09.122.0005.1036.000 Aquisição de Equip Diversos - IPREM 20.000,00


09.122.0005.2007.000 Manutenção da Previdência Social Própria 48.500,00
09.272.0020.2007.000 Benefícios Previdenciários 386.000,00
99.999.9999.0999.000 Reserva de Contingência 994.752,00

TOTAL 1.449.252,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 83

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Anexo 11
SEGURIDADE SOCIAL

Código Especificação Categoria Função

08 Assistência Social 2.510.632,00


3.1.90.04.00 CONTRATACAO POR TEMPO DETERMINADO 35.000,00
3.1.90.11.00 VENCIMENTOS E VANTAGENS FIXAS - PESSOAL CIVIL 220.000,00
3.1.91.13.00 OBRIGAÇÃO PATRONAL 49.000,00
3.3.50.43.00 SUBVENCOES SOCIAIS 1.000.000,00
3.3.90.30.00 MATERIAL DE CONSUMO 218.632,00
3.3.90.32.00 MATERIAL DE DISTRIBUICAO GRATUITA 580.000,00
3.3.90.36.00 OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA FISICA 55.000,00
3.3.90.39.00 OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA JURIDICA 123.000,00
4.4.90.51.00 OBRAS E INSTALACOES 60.000,00
4.4.90.52.00 EQUIPAMENTOS E MATERIAL PERMANENTE 170.000,00

09 Previdência Social 454.500,00


3.1.90.11.01 VENCIMENTOS E SALARIOS 24.000,00
3.1.91.13.00 OBRIGAÇÃO PATRONAL 4.500,00
3.3.90.01.00 APOSENTADORIAS E REFORMAS 350.000,00
3.3.90.03.00 PENSOES 35.000,00
3.3.90.09.00 SALARIO FAMILIA 1.000,00
3.3.90.30.00 MATERIAL DE CONSUMO 20.000,00
4.4.90.52.00 EQUIPAMENTOS E MATERIAL PERMANENTE 20.000,00

10 Saúde 3.817.000,00
3.1.90.04.00 CONTRATACAO POR TEMPO DETERMINADO 143.000,00
3.1.90.11.00 VENCIMENTOS E VANTAGENS FIXAS - PESSOAL CIVIL 1.000.000,00
3.1.90.13.00 OBRIGACOES PATRONAIS 100.000,00
3.1.90.16.00 OUTRAS DESPESAS VARIAVEIS - PESSOAL CIVIL 20.000,00
3.1.90.94.00 INDENIZACOES TRABALHISTAS 50.000,00
3.1.91.13.00 OBRIGAÇÃO PATRONAL 99.000,00
3.3.50.43.00 SUBVENCOES SOCIAIS 550.000,00
3.3.90.14.00 DIARIAS - PESSOAL CIVIL 25.000,00
3.3.90.30.00 MATERIAL DE CONSUMO 420.000,00
3.3.90.32.00 MATERIAL DE DISTRIBUICAO GRATUITA 300.000,00
3.3.90.36.00 OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA FISICA 140.000,00
3.3.90.39.00 OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA JURIDICA 130.000,00
4.4.90.51.00 OBRAS E INSTALACOES 390.000,00
4.4.90.52.00 EQUIPAMENTOS E MATERIAL PERMANENTE 450.000,00

TOTAL 6.782.132,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 84

III - MODELOS E ANEXOS DO ORÇAMENTO

8 - Demonstrativos Auxiliares

(Demonstrativos que não devem integrar a Lei Orçamentária Anual)

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 85

8 - Demonstrativos Auxiliares

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Quadro 16
ANÁLISE DO ENSINO - RECEITA PREVISTA

Cód Receita Discriminação Total Orçado Obrig 25% Fundamental Infantil

RECEITA TRIBUTARIA
1112.02.00.00 Imposto s/ a Propriedade Predial e Territorial Urbana 1.200.000,00 300.000,00 180.000,00 120.000,00
1112.04.31.00 Imposto de Renda Retido nas Fontes s/ os Rendim do Trab 130.000,00 32.500,00 19.500,00 13.000,00
1112.04.34.00 Imposto de Renda Retido nas Fontes s/ Outros Rendimentos 180.000,00 45.000,00 27.000,00 18.000,00
1112.08.00.00 Imposto s/ Transm. "Inter Vivos" de Bens Imóveis e de Direit 280.000,00 70.000,00 42.000,00 28.000,00

1113.05.00.00 Imposto s/ Serv. de Qualquer Natureza 650.000,00 162.500,00 97.500,00 65.000,00


TRANSFERENCIAS DA UNIÃO
1721.01.02.00 Cota-Parte do Fundo de Participação dos Municípios 4.860.000,00 1.215.000,00 729.000,00 486.000,00
1721.01.05.00 Cota-Parte do Imp. S/ a Propriedade Territorial Rural 80.000,00 20.000,00 12.000,00 8.000,00
1721.36.00.00 Transf. Financ. do ICMS - Desoneração - LC N° 87/96 150.000,00 37.500,00 22.500,00 15.000,00
TRANSFERENCIAS DO ESTADO
1722.01.01.00 Cota-Parte do ICMS 4.560.000,00 1.140.000,00 684.000,00 456.000,00
1722.01.02.00 Cota-Parte do IPVA 960.000,00 240.000,00 144.000,00 96.000,00
1722.01.04.00 Cota-Parte do IPI s/ Exportação 45.000,00 11.250,00 6.750,00 4.500,00
MULTAS E JUROS DE MORA DE IMPOSTOS
1911.38.00.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ a Propriedade Predial e Terr 13.000,00 3.250,00 1.950,00 1.300,00
1911.39.00.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ a Transm. Inter-Vivos de Ben 3.000,00 750,00 450,00 300,00
1911.40.00.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ Serv. de Qualquer Natureza - 7.000,00 1.750,00 1.050,00 700,00
1913.11.00.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ a Propriedade 18.000,00 4.500,00 2.700,00 1.800,00
1913.12.00.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ a Transm. Inte 5.000,00 1.250,00 750,00 500,00
1913.13.00.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ Serv. de Qualq 8.000,00 2.000,00 1.200,00 800,00
RECEITA DA DIVIDA ATIVA TRIBUTARIA
1931.11.00.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ a Propriedade Predial e Ter 110.000,00 27.500,00 16.500,00 11.000,00
1931.12.00.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ a Transm. Inter-Vivos de Be 28.000,00 7.000,00 4.200,00 2.800,00
1931.13.00.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ Serv. de Qualquer Natureza 68.000,00 17.000,00 10.200,00 6.800,00
Sub-Total 13.355.000,00 3.338.750,00 2.003.250,00 1.335.500,00
OUTRAS RECEITAS (100%)
1325.01.02.00 Rec. de Remun. Dep. Bancários Recursos Vinc.- FUNDEB 42.000,00 42.000,00
1325.01.05.01 Remun. Dep. Bancários Recur. Vinc.- Ensino Infantil 2.000,00 2.000,00 2.000,00
1325.01.05.02 Remun. Dep. Bancários Recur. Vinc.- Ensino Fundamental 8.000,00 8.000,00 8.000,00
1721.35.01.00 Transf. do Salário-Educação 80.000,00 80.000,00 80.000,00
1721.35.03.00 Transf. Diretas do FNDE referentes ao Progr. Nacional de Ali 30.000,00 30.000,00 30.000,00
1721.35.04.00 Transf. Diretas FNDE - PNATE 200.000,00 200.000,00 200.000,00
1721.35.99.00 Outras Transf. Diretas do FNDE 176.500,00 176.500,00 176.500,00
1724.01.00.00 Transf. de Rec. do Fundo de Manut. e Desenv. da Ed. Básica 1.460.000,00 1.460.000,00
Sub Total 1.998.500,00 1.998.500,00 464.500,00 32.000,00

TOTAL 15.353.500,00 5.337.250,00 2.467.750,00 1.367.500,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 86

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Quadro 16
ANÁLISE DO ENSINO - RETENÇÃO FUNDEB
Cod Receita Discriminação Previsão % Valor
1721.01.02.00 Cota-Parte do Fundo de Participação dos Municípios 4.860.000,00 20,00 972.000,00
1721.01.05.00 Cota-Parte do Imp. S/ a Propriedade Territorial Rural 80.000,00 20,00 16.000,00
1721.36.00.00 Transf. Financ. do ICMS - Desoneração - LC N° 87/96 150.000,00 20,00 30.000,00
1722.01.01.00 Cota-Parte do ICMS 4.560.000,00 20,00 912.000,00
1722.01.02.00 Cota-Parte do IPVA 960.000,00 20,00 192.000,00
1722.01.04.00 Cota-Parte do IPI s/ Exportação 45.000,00 20,00 9.000,00

TOTAL 2.131.000,00

ANÁLISE DO ENSINO - DESPESA FIXADA


Func Progra Discriminação Fixada Fundamental Infantil
12.361.0006.1008.0000 Aquisição de Veículos - Educação 30.000,00 30.000,00
12.361.0006.1017.0000 Construção de Unidades Escolares - EF 500.000,00 500.000,00
12.361.0006.2011.0000 Manutenção do Ensino Fundamental 940.000,00 940.000,00
12.361.0006.2014.0000 Treinamento e Qualificação de Servidores 50.000,00 50.000,00
12.361.0009.1009.0000 Aquis.de Veiculos Transporte Escolar 200.000,00 200.000,00
12.361.0009.2012.0000 Manutenção do Transporte Escolar 870.000,00 870.000,00
12.361.0010.1018.0000 Construção de Unidades Escolares - Fundeb 80.000,00 80.000,00
12.361.0010.2015.0000 Encargos com Pessoal do Magistério - 60% 625.000,00 625.000,00
12.361.0010.2016.0000 Outras Despesas Fundeb - 40% 232.000,00 232.000,00
12.365.0007.1016.0000 Construção de Unidades Escolares - EI 100.000,00 100.000,00
12.365.0007.1019.0000 Reforma e Ampliação de Unidades Escolares - EI 100.000,00 100.000,00
12.365.0007.2010.0000 Desenvolvimento do Ensino Pré-Escolar 175.000,00 175.000,00
12.365.0007.2017.0000 Manutenção de Creches 102.000,00 102.000,00
12.365.0008.2013.0000 Distribuição da Merenda Escolar 55.000,00 55.000,00
12.365.0010.2015.0000 Encargos com Pessoal do Magistério - 60% 565.000,00 565.000,00
9510.00.00 DEDUÇÃO DO FUNDEB 2.131.000,00 2.131.000,00 0,00

TOTAL 6.755.000,00 6.223.000,00 532.000,00

Recursos de Auxilios, Subvenc e Contrib. -1.998.500,00 -1.998.500,00 0,00


Total Liquido 4.756.500,00 4.224.500,00 532.000,00

Percentual Aplicado 35,62 88,82 11,18

ANALISE DO FUNDEB
Cod Receita Discriminação Previsão

1724.01.00.00 Transf. de Rec. do Fundo de Manut. e Desenv. da Ed. Básica e 1.460.000,00

TOTAL 1.460.000,00

Cod Despesa Discriminação Previsão

DESPESA COM MAGISTÉRIO (FM)


12.361.0010.2015.0000 Encargos com Pessoal do Magistério - 60% 625.000,00
12.365.0010.2015.0000 Encargos com Pessoal do Magistério - 60% 565.000,00

TOTAL 1.190.000,00

Percentual Previsto (Mínimo 60%) 81,51

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 87

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Quadro 17
ANÁLISE DA SAÚDE - RECEITA PREVISTA

Aplicações
Cód Receita Discriminação Total Orçado Obrigatórias 15%
RECEITA DE IMPOSTOS
1112.02.00.00 Imposto s/ a Propriedade Predial e Territorial Urbana 1.200.000,00 180.000,00
1112.04.31.00 Imposto de Renda Retido nas Fontes s/ os Rendimentos do Trab 130.000,00 19.500,00
1112.04.34.00 Imposto de Renda Retido nas Fontes s/ Outros Rendimentos 180.000,00 27.000,00
1112.08.00.00 Imposto s/ Transm. "Inter Vivos" de Bens Imóveis e de Direit 280.000,00 42.000,00
1113.05.00.00 Imposto s/ Serv. de Qualquer Natureza 650.000,00 97.500,00
TRANSFERENCIAS DA UNIÃO
1721.01.02.00 Cota-Parte do Fundo de Participação dos Municípios 4.860.000,00 729.000,00
1721.01.05.00 Cota-Parte do Imp. S/ a Propriedade Territorial Rural 80.000,00 12.000,00
1721.36.00.00 Transf. Financ. do ICMS - Desoneração - LC N° 87/96 150.000,00 22.500,00
TRANSFERENCIAS DO ESTADO
1722.01.01.00 Cota-Parte do ICMS 4.560.000,00 684.000,00
1722.01.02.00 Cota-Parte do IPVA 960.000,00 144.000,00
1722.01.04.00 Cota-Parte do IPI s/ Exportação 45.000,00 6.750,00
MULTAS E JUROS DE MORA DE IMPOSTOS
1911.38.00.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ a Propriedade Predial e Terr 13.000,00 1.950,00
1911.39.00.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ a Transm. Inter-Vivos de Ben 3.000,00 450,00
1911.40.00.00 Mult. e jur. de Mora do Imp. s/ Serv. de Qualquer Natureza - 7.000,00 1.050,00
1913.11.00.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ a Propriedade 18.000,00 2.700,00
1913.12.00.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ a Transm. Inte 5.000,00 750,00
1913.13.00.00 Mult. e jur. de Mora da Div. Ativa do Imp. s/ Serv. de Qualq 8.000,00 1.200,00
RECEITA DA DIVIDA ATIVA TRIBUTARIA
1931.11.00.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ a Propriedade Predial e Ter 110.000,00 16.500,00
1931.12.00.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ a Transm. Inter-Vivos de Be 28.000,00 4.200,00
1931.13.00.00 Receita da Div. Ativa do Imp. s/ Serv. de Qualquer Natureza 68.000,00 10.200,00
Sub Total - Aplicações Mínimas Obrigatórias 15% 13.355.000,00 2.003.250,00
OUTRAS RECEITAS (100%)
1325.01.03.00 Rec. de Remun. Dep. Bancários Recursos Vinc.- Fundo de Saúde 15.000,00 15.000,00
1325.01.06.00 Remun. Dep. Bancários Recursos Vinc.- Ações e Serv. Publ. Sa 5.000,00 5.000,00
1721.33.00.00 Transf. de Rec. do Sistema Único de Saúde - SUS - Repasses F 540.000,00 540.000,00
2421.01.00.00 Transf. de Rec. do Sistema Único de Saúde - SUS 40.000,00 40.000,00
2471.01.01.00 Recursos p/ Construção de UBS 50.000,00 50.000,00
Sub Total 650.000,00 650.000,00
TOTAL 14.005.000,00 2.653.250,00

ANÁLISE DA SAÚDE - DESPESA FIXADA

Func. Programática Discriminação Fixado à Aplicadar


10.301.0011.1007.0000 Aquisição de Veículos - Saúde 120.000,00
10.301.0011.1022.0000 Construção de Unidades de Saúde 390.000,00
10.301.0011.1033.0000 Aquisição de Equip Diversos - Saúde 150.000,00
10.301.0011.2019.0000 Ações de Assistência Médica Integral 1.313.000,00
10.301.0011.2023.0000 Transf de Recursos a Entidades de Saúde 550.000,00
10.301.0012.1034.0000 Aquisição de Veículos - PSF 60.000,00
10.301.0012.2022.0000 Ações e Desenvolvimento do PSF 379.000,00
10.303.0013.2020.0000 Ações do Programa Farmácia Básica 300.000,00
10.305.0014.1035.0000 Aquis de Equip Diversos - Controle Endemias 120.000,00
10.305.0014.2021.0000 Ações e Controle de Endemias 435.000,00
Total Despesa Fixada à Aplicar 3.817.000,00
DEDUÇÕES
( - ) Despesa com Inativos e Pensionistas. 0,00
( - ) Recursos de Auxilios, Subvenc e Contrib. 650.000,00
( + ) Total Líquido 3.167.000,00
Percentual Fixado à Aplicar 23,71%

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 88

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Quadro 18
DESPESA POR ELEMENTO ECONÔMICO

Cod. Descrição Elemento Grupo/Mod Categoria

3. 0. 00. 00 Despesas Correntes 14.778.332,00


3. 1. 00. 00 Pessoal e Encargos Sociais 6.380.700,00
3. 1. 90. 00 Aplicações Diretas 5.736.200,00
3. 1. 90. 04 Contratação por Tempo Determinado 345.000,00
3. 1. 90. 11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 4.876.000,00
3. 1. 90. 13 Obrigações Patronais 405.200,00
3. 1. 90. 16 Outras Despesas Variáveis - Pessoal Civil 50.000,00
3. 1. 90. 94 Indenizações e Restituições Trabalhistas 60.000,00
3. 1. 91. 00 Aplic. Direta Decor. Oper. entre Órgãos, Fundos e Entidades 644.500,00
3. 1. 91. 13 Obrigações Patronais 644.500,00
3. 2. 00. 00 Juros e Encargos da Dívida 20.000,00
3. 2. 90. 00 Aplicações Diretas 20.000,00
3. 2. 90. 21 Juros sobre a Dívida por Contrato 20.000,00
3. 3. 00. 00 Outras Despesas Correntes 8.377.632,00
3. 3. 50. 00 Transferências a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos 1.550.000,00
3. 3. 50. 43 Subvenções Sociais 1.550.000,00
3. 3. 90. 00 Aplicações Diretas 6.827.632,00
3. 3. 90. 01 Aposentadoria e Reformas 350.000,00
3. 3. 90. 03 Pensões 35.000,00
3. 3. 90. 09 Salário-Familia 1.000,00
3. 3. 90. 14 Diárias - Civil 45.000,00
3. 3. 90. 30 Material de Consumo 3.039.632,00
3. 3. 90. 32 Material de Distribuição Gratuita 995.000,00
3. 3. 90. 33 Passagens e Despesas com Locomoção 33.000,00
3. 3. 90. 35 Serviços de Consultoria 20.000,00
3. 3. 90. 36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 572.500,00
3. 3. 90. 39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 1.551.500,00
3. 3. 90. 47 Obrigações Tributárias e Contributivas 120.000,00
3. 3. 90. 91 Sentenças Judiciais 60.000,00
3. 3. 90. 92 Despesas de Exercícios Anteriores 5.000,00
4. 0. 00. 00 Despesas de Capital 4.635.000,00
4. 4. 00. 00 Investimentos 4.510.000,00
4. 4. 90. 00 Aplicações Diretas 4.510.000,00
4. 4. 90. 51 Obras e Instalações 3.415.000,00
4. 4. 90. 52 Equipamentos e Material Permanente 1.095.000,00
4. 6. 00. 00 Amortização da Dívida 125.000,00
4. 6. 90. 00 Aplicações Diretas 125.000,00
4. 6. 90. 71 Principal da Dívida Contratual Resgatado 125.000,00
7. 0. 00. 00 Reserva Orçamentária - RPPS 994.752,00
7. 7. 00. 00 Reserva Orçamentária - RPPS 994.752,00
7. 7. 99. 00 A Definir 994.752,00
7. 7. 99. 99 A Classificar 994.752,00
9. 0. 00. 00 Reserva de Contingência
100.000,00
9. 9. 00. 00 Reserva de Contingência 100.000,00
9. 9. 99. 00 A Definir 100.000,00
9. 9. 99. 99 A Classificar 100.000,00

TOTAL 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 89

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Quadro 19
RECEITA/DESPESA POR CÓDIGO DE APLICAÇÃO

Código Descrição RECEITA PREVISTA DESPESA PREVISTA

110 GERAL 15.215.332,00 7.164.200,00


110 000 GERAL 15.215.332,00 7.164.200,00
111 REMUNERAÇÃO DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS 20.000,00 0,00
111 000 REMUNERAÇÃO DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS 20.000,00
120 ALIENAÇÃO DE BENS 365.000,00 0,00
120 000 ALIENAÇÃO DE BENS 365.000,00
210 EDUCAÇÃO INFANTIL 30.000,00 430.000,00
210 000 EDUCAÇÃO INFANTIL 400.000,00
210 099 Transferências da União 30.000,00 30.000,00
211 EDUCAÇÃO INFANTIL-REMUN.APLIC.FINANCEIRA 2.000,00 2.000,00
211 000 EDUCAÇÃO INFANTIL-REMUN.APLIC.FINANCEIRA 2.000,00 2.000,00
220 ENSINO FUNDAMENTAL 456.500,00 2.717.000,00
220 000 ENSINO FUNDAMENTAL 2.260.500,00
220 098 Transferências do Estado 80.000,00 80.000,00
220 099 Transferências da União 376.500,00 376.500,00
221 ENSINO FUNDAMENTAL-REMUN.APLIC.FINANC. 8.000,00 8.000,00
221 000 ENSINO FUNDAMENTAL-REMUN.APLIC.FINANC. 8.000,00 8.000,00
230 ENSINO MÉDIO 450.000,00 908.000,00
230 000 ENSINO MÉDIO 450.000,00 908.000,00
260 EDUCAÇÃO - FUNDEB 1.460.000,00 0,00
260 000 EDUCAÇÃO-FUNDEB 1.460.000,00
261 EDUCAÇÃO - FUNDEB - MAGISTÉRIO 0,00 1.190.000,00
261 000 EDUCAÇÃO-FUNDEB-MAGISTÉRIO 1.190.000,00
262 EDUCAÇÃO - FUNDEB - OUTROS 0,00 270.000,00
262 000 EDUCAÇÃO-FUNDEB-OUTROS 270.000,00
263 EDUCAÇÃO-FUNDEB-REMUN.APLIC.FINANCEIRA 42.000,00 42.000,00
263 000 EDUCAÇÃO-FUNDEB-REMUN.APLIC.FINANCEIRA 42.000,00 42.000,00
300 SAÚDE 630.000,00 630.000,00
300 099 Transferências da União 630.000,00 630.000,00
310 SAÚDE-GERAL 0,00 3.187.000,00
310 000 SAÚDE-GERAL 3.187.000,00
311 SAÚDE-REMUNERAÇÃO APLICAÇÕES FINANCEIRAS 20.000,00 0,00
311 000 SAÚDE-REMUN.APLIC.FINANCEIRA 20.000,00
500 ASSISTÊNCIA SOCIAL 360.000,00 360.000,00
500 098 Transferências do Estado 300.000,00 300.000,00
500 099 Transferências da Uniãp 60.000,00 60.000,00
510 ASSISTÊNCIA SOCIAL-GERAL 0,00 2.150.632,00
510 000 ASSISTÊNCIA SOCIAL-GERAL 2.150.632,00
600 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL 1.449.252,00 1.449.252,00
600 000 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL 1.449.252,00 1.449.252,00
TOTAL 20.508.084,00 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 90

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Quadro 20
RECEITA/DESPESA POR FONTE DE RECURSO

Cod. Descrição RECEITA PREVISTA DESPESA PREVISTA


01 TESOURO 15.630.332,00 15.172.332,00
00 Recursos Ordinarios 15.210.332,00 15.172.332,00
01 Alienação de Bens Móveis 255.000,00
02 Alienação de Bens Imóvies 110.000,00
41 Aplicação Financeira - Educação 10.000,00
42 Aplicação Financeira - Saúde 20.000,00
44 Outras Aplicações Financeiras 25.000,00
02 TRANSFERÊNCIAS E CONVÊNIOS ESTADUAIS-VINCULADOS 380.000,00 380.000,00
16 Transferência Estadual Educação 80.000,00 80.000,00
20 Transferência Estadual - Assistência Social 300.000,00 300.000,00
04 RECURSOS PRÓPRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA 1.899.252,00 2.357.252,00
04 Recursos do Regime Próprio de Previdência Social 1.389.252,00 1.449.252,00
05 Recursos da Administração Indireta 450.000,00 908.000,00
40 Aplicação Financeira - Regime Próprio de Previdência Social 60.000,00
05 TRANSFERÊNCIAS E CONVÊNIOS FEDERAIS-VINCULADOS 2.598.500,00 2.598.500,00
10 Transferência - Fundeb 1.460.000,00 1.460.000,00
11 Transferência Federal FNDE 406.500,00 406.500,00
13 Transferência Federal Sistema Único de Saúde 630.000,00 630.000,00
14 Transferência Federal Fundo Nacional de Assistência Social 60.000,00 60.000,00
41 Aplicação Financeira - Educação 42.000,00 42.000,00
TOTAL 20.508.084,00 20.508.084,00

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Quadro 21
Demonstrativo da Receita por Fonte

CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO ORÇADA


1110.00.00.00 IMPOSTOS 2.440.000,00
1120.00.00.00 TAXAS 755.832,00
1130.00.00.00 CONTRIB DE MELHORIA 200.000,00
1210.00.00.00 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS 684.752,00
1220.00.00.00 CONTRIB ECONôMICAS 520.000,00
1310.00.00.00 RECEITAS IMOBILIÁRIAS 245.000,00
1320.00.00.00 RECEITAS DE VALORES MOBILIÁRIOS 157.000,00
1330.00.00.00 RECEITA DE CONCESSõES E PERMISSõES 224.000,00
1600.00.00.00 RECEITA DE SERVIÇOS 2.160.000,00
1720.00.00.00 TRANSFERêNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS 13.571.500,00
1910.00.00.00 MULTAS E JUROS DE MORA 61.000,00
1920.00.00.00 INDENIZAçõES E RESTITUIçõES 117.500,00
1930.00.00.00 RECEITA DA DíVIDA ATIVA 315.000,00
1990.00.00.00 RECEITAS DIVERSAS 88.000,00
2210.00.00.00 ALIENAçãO DE BENS MóVEIS 255.000,00
2220.00.00.00 ALIENAçãO DE BENS IMóVEIS 110.000,00
2420.00.00.00 TRANSFERêNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS 40.000,00
2470.00.00.00 TRANSFERêNCIAS DE CONVêNIOS 50.000,00
7210.00.00.00 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL INTRA-ORÇAMENTÁRIA 644.500,00
9510.00.00.00 DEDUÇÕES - RECEITAS CORRENTES -2.131.000,00
TOTAL 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 91

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
Consolidação da Despesa por Unidade e Elemento

CODIGO ESPECIFICAÇÃO DOTAÇÃO


010100 CORPO LEGISLATIVO 483.000,00
11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 378.000,00
13 Obrigações Patronais 105.000,00
010200 SECRETARIA DA CÂMARA 424.000,00
11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 120.000,00
13 Obrigações Patronais 24.000,00
14 Diárias - Civil 10.000,00
30 Material de Consumo 30.000,00
33 Passagens e Despesas com Locomoção 25.000,00
36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 15.000,00
39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 72.000,00
51 Obras e Instalações 50.000,00
52 Equipamentos e Material Permanente 53.000,00
91 Sentenças Judiciais 20.000,00
92 Despesas de Exercícios Anteriores 5.000,00
020100 GABINETE DO PREFEITO 392.200,00
04 Contratação por Tempo Determinado 12.000,00
11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 120.000,00
13 Obrigações Patronais 25.200,00
14 Diárias - Civil 10.000,00
30 Material de Consumo 40.000,00
33 Passagens e Despesas com Locomoção 8.000,00
35 Serviços de Consultoria 20.000,00
36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 20.000,00
39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 70.000,00
52 Equipamentos e Material Permanente 67.000,00
020200 ASSESSORIA TÉCNICA JURÍDICA 36.000,00
11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 36.000,00
020300 COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO 328.000,00
11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 165.000,00
13 Obrigações Patronais 17.000,00
30 Material de Consumo 35.000,00
36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 15.000,00
39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 16.000,00
52 Equipamentos e Material Permanente 30.000,00
91 Sentenças Judiciais 40.000,00
94 Indenizações e Restituições Trabalhistas 10.000,00
020400 COORDENADORIA DE FINANÇAS 555.000,00
11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 50.000,00
020400 COORDENADORIA DE FINANÇAS 555.000,00
13 Obrigações Patronais 85.000,00
21 Juros sobre a Dívida por Contrato 20.000,00
30 Material de Consumo 35.000,00
36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 25.000,00
39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 65.000,00
47 Obrigações Tributárias e Contributivas 120.000,00
52 Equipamentos e Material Permanente 30.000,00
71 Principal da Dívida Contratual Resgatado 125.000,00
020500 COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA 4.759.000,00
04 Contratação por Tempo Determinado 154.000,00
11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 1.573.000,00
13 Obrigações Patronais 306.000,00
16 Outras Despesas Variáveis - Pessoal Civil 30.000,00
30 Material de Consumo 758.000,00
32 Material de Distribuição Gratuita 115.000,00
36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 292.500,00
...
999999 RESERVA DE CONTINGÊNCIA 1.094.752,00
99 A Classificar 1.094.752,00
TOTAL 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 92

PREFEITURA MUNICIPAL DE MODELANDIA


RUA DE MODELO N.1000 - CNPJ:01.001.001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
ANÁLISE DA DESPESA EM PORCENTAGEM

Código Especificação Elemento Modalidade Grupo Categoria


Econômica
3. 0. 00. 00 DESPESAS CORRENTES 72,06
3. 1. 00. 00 Pessoal e Encargos Sociais 31,11
3. 1. 90. 00 Aplicações Diretas 27,97
3. 1. 90. 04 Contratação por Tempo Determinado 1,68
3. 1. 90. 11 Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil 23,78
3. 1. 90. 13 Obrigações Patronais 1,98
3. 1. 90. 16 Outras Despesas Variáveis - Pessoal Civil 0,24
3. 1. 90. 94 Indenizações e Restituições Trabalhistas 0,29
3. 1. 91. 00 Aplic. Direta Decor. Oper. entre Órgãos, Fundos e Entidades 3,14
3. 1. 91. 13 Obrigações Patronais 3,14
3. 2. 00. 00 Juros e Encargos da Dívida 0,10
3. 2. 90. 00 Aplicações Diretas 0,10
3. 2. 90. 21 Juros sobre a Dívida por Contrato 0,10
3. 3. 00. 00 Outras Despesas Correntes 40,85
3. 3. 50. 00 Transferências a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos 7,56
3. 3. 50. 43 Subvenções Sociais 7,56
3. 3. 90. 00 Aplicações Diretas 33,29
3. 3. 90. 01 Aposentadoria e Reformas 1,71
3. 3. 90. 03 Pensões 0,17
3. 3. 90. 09 Salário-Familia 0,00
3. 3. 90. 14 Diárias - Civil 0,22
3. 3. 90. 30 Material de Consumo 14,82
3. 3. 90. 32 Material de Distribuição Gratuita 4,85
3. 3. 90. 33 Passagens e Despesas com Locomoção 0,16
3. 3. 90. 35 Serviços de Consultoria 0,10
3. 3. 90. 36 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 2,79
3. 3. 90. 39 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 7,57
3. 3. 90. 47 Obrigações Tributárias e Contributivas 0,59
3. 3. 90. 91 Sentenças Judiciais 0,29
3. 3. 90. 92 Despesas de Exercícios Anteriores 0,02
4. 0. 00. 00 DESPESAS DE CAPITAL 22,60
4. 4. 00. 00 Investimentos 21,99
4. 4. 90. 00 Aplicações Diretas 21,99
4. 4. 90. 51 Obras e Instalações 16,65
4. 4. 90. 52 Equipamentos e Material Permanente 5,34
4. 6. 00. 00 Amortização da Dívida 0,61
4. 6. 90. 00 Aplicações Diretas 0,61
4. 6. 90. 71 Principal da Dívida Contratual Resgatado 0,61
7. 0. 00. 00 RESERVA ORçAMENTáRIA - RPPS 4,85
7. 7. 00. 00 Reserva Orçamentária - RPPS 4,85
7. 7. 99. 00 A Definir 4,85
7. 7. 99. 99 A Classificar 4,85
9. 0. 00. 00 RESERVA DE CONTINGêNCIA 0,49
9. 9. 00. 00 Reserva de Contingência 0,49
9. 9. 99. 00 A Definir 0,49
9. 9. 99. 99 A Classificar 0,49
TOTAL 100,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 93

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
QUADRO AUXILIAR DE DETALHAMENTO DA DESPESA
ORGÃO 01 CÂMARA MUNICIPAL
UNIDADE 02 SECRETARIA DA CÂMÂRA
SUB UNIDADE 00 SECRETARIA DA CAMÂRA
Aplicação Programada Proj/Ativ F.R.-C.A. Categoria Detalhada Total Aplicação
Manutenção do Corpo Legislativo 01.031.0001.2001.0000
VENCIMENTOS E VANTAGENS FIXAS - PESSOAL CIVIL 0.01.00.110.000 3.1.90.11.00 378.000,00
OBRIGACOES PATRONAIS 0.01.00.110.000 3.1.90.13.00 105.000,00
483.000,00

TOTAL 483.000,00

ORGÃO 01 CÂMARA MUNICIPAL


UNIDADE 02 SECRETARIA DA CÂMÂRA
SUB UNIDADE 00 SECRETARIA DA CAMÂRA
Aplicação Programada Proj/Ativ F.R.-C.A. Categoria Detalhada Total Aplicação
Reforma e Ampliação de Imóvel - Câmara 01.031.0002.1001.0000
OBRAS E INSTALACOES 0.01.00.110.000 4.4.90.51.00 50.000,00
50.000,00
Aquisição de Equipamentos Diversos - Câmara 01.031.0002.1002.0000
EQUIPAMENTOS E MATERIAL PERMANENTE 0.01.00.110.000 4.4.90.52.00 53.000,00
53.000,00
Manutenção das Atividades Legislativas 01.031.0002.2002.0000
VENCIMENTOS E VANTAGENS FIXAS - PESSOAL CIVIL 0.01.00.110.000 3.1.90.11.00 120.000,00
OBRIGAÇÃO PATRONAL 0.01.00.110.000 3.1.91.13.00 24.000,00
DIARIAS - PESSOAL CIVIL 0.01.00.110.000 3.3.90.14.00 10.000,00
MATERIAL DE CONSUMO 0.01.00.110.000 3.3.90.30.00 30.000,00
PASSAGENS E DESPESAS COM LOCOMOCAO 0.01.00.110.000 3.3.90.33.00 25.000,00
OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA FISICA 0.01.00.110.000 3.3.90.36.00 5.000,00
OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA JURIDICA 0.01.00.110.000 3.3.90.39.00 50.000,00
SENTENCAS JUDICIAIS 0.01.00.110.000 3.3.90.91.00 20.000,00
DESPESAS DE EXERCICIOS ANTERIORES 0.01.00.110.000 3.3.90.92.00 5.000,00
289.000,00
Cerimonial e Recepção de Autoridades 01.031.0002.2003.0000
OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA FISICA 0.01.00.110.000 3.3.90.36.00 10.000,00
OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA JURIDICA 0.01.00.110.000 3.3.90.39.00 22.000,00
32.000,00

TOTAL 424.000,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 94

PREFEITURA MUNICIPAL DE MODELANDIA


RUA DE MODELO N.1000 - CNPJ:01.001.001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
QUADRO AUXILIAR DE DETALHAMENTO DA DESPESA
ORGÃO 02 PREFEITURA MUNICIPAL
UNIDADE 01 GABINETE DO PREFEITO
SUB UNIDADE 00 GABINETE DO PREFEITO
Aplicação Programada Proj/Ativ F.R.-C.A. Categoria Detalhada Total Aplicação
Aquisição de Veículos - Gabinete 04.122.0003.1005.0000
EQUIPAMENTOS E MATERIAL PERMANENTE 0.01.00.110.000 4.4.90.52.00 67.000,00
67.000,00
Manutenção do Gabinete do Prefeito 04.122.0003.2004.0000
CONTRATACAO POR TEMPO DETERMINADO 0.01.00.110.000 3.1.90.04.00 12.000,00
VENCIMENTOS E VANTAGENS FIXAS - PESSOAL CIVIL 0.01.00.110.000 3.1.90.11.00 120.000,00
OBRIGACOES PATRONAIS 0.01.00.110.000 3.1.90.13.00 25.200,00
DIARIAS - PESSOAL CIVIL 0.01.00.110.000 3.3.90.14.00 10.000,00
MATERIAL DE CONSUMO 0.01.00.110.000 3.3.90.30.00 40.000,00
PASSAGENS E DESPESAS COM LOCOMOCAO 0.01.00.110.000 3.3.90.33.00 8.000,00
SERVICOS DE CONSULTORIA 0.01.00.110.000 3.3.90.35.00 20.000,00
OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA FISICA 0.01.00.110.000 3.3.90.36.00 20.000,00
OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA JURIDICA 0.01.00.110.000 3.3.90.39.00 50.000,00
305.200,00
Manutenção do Gabinete do Prefeito 04.131.0003.2004.0000
OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA JURIDICA 0.01.00.110.000 3.3.90.39.00 20.000,00
20.000,00
TOTAL 392.200,00

ORGÃO 02 PREFEITURA MUNICIPAL


UNIDADE 02 ASSESSORIA TÉCNICA JURÍDICA
SUB UNIDADE 00 ASSESSORIA TÉCNICA JURÍDICA
Aplicação Programada Proj/Ativ F.R.-C.A. Categoria Detalhada Total Aplicação
Manutenção do Gabinete do Prefeito 04.122.0003.2004.0000
VENCIMENTOS E VANTAGENS FIXAS - PESSOAL CIVIL 0.01.00.110.000 3.1.90.11.00 36.000,00
36.000,00

TOTAL 36.000,00

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS PREVISTAS

ENTIDADE PREVISÃO DE REPASSE


A REPASSAR A RECEBER
1 CÂMARA MUNICIPAL 907.000,00
2 PREFEITURA MUNICIPAL DE MODELÂNDIA 1.365.000,00
3 INSTITUTO DE PREVID. MUNICIPAL 0,00
4 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO 458.000,00

Totais R$: 1.365.000,00 1.365.000,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 95

9 - Estimativas da Receita

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Quadro 20
RECEITA CORRENTE LÍQUIDA - LC 101 ART. 2, Inciso IV

Código Especificação Previsão

1000.00.00 RECEITAS CORRENTES


1100.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 3.395.832,00
1200.00.00 RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES 1.204.752,00
1300.00.00 RECEITA PATRIMONIAL 626.000,00
1600.00.00 RECEITA DE SERVIÇOS 2.160.000,00
1700.00.00 TRANSFERêNCIAS CORRENTES 13.571.500,00
1900.00.00 OUTRAS RECEITAS CORRENTES 581.500,00
9500.00.00 DEDUÇÕES PARA FORMAÇÃO DO FUNDEB -2.131.000,00

TOTAL 19.408.584,00

Percentual de Gastos com Pessoal

Legislativo Executivo

Receita Corrente Liquida Despesa com Pessoal Percentual Receita Corrente Líquida Despesa com Pessoal Percentual
18.663.832,00 627.000,00 3,36% 18.663.832,00 5.753.700,00 30,83%

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010 Quadro 21
CONSOLIDAÇÃO DOS PROGRAMAS DE GOVERNO
PROGRAMA DE GOVERNO

PROGRAMA 0011 Ações Médicas Básicas OBJETIVO: Realizar a triagem, resolver os casos habilitados e
CUSTO TOTAL ESTIMADO: R$ 2.523.000,00 encaminhar as ocorrências graves para centros especializados

METAS DO PROGRAMA
INDICADORES UNIDADE DE MEDIDA ÍNDICE RECENTE ÍNDICE FUTURO
População atendida pacientes/mês 2.000 2.100
Coeficiente de Atendimento atendimento/população 0,22 0,23
AÇÕES DO PROGRAMA
ENT UNID ORÇ. FUNC/SUBF PROJ/ATIV UNID. MEDIDA META FÍSICA CRÉD ORÇAM.

2 02 07 00 10 301 1007 Aquisição de Veículos - Saúde UTI Móvel 1 R$ 120.000,00


Finalidade: transporte municipal e regional de pacientes.
2 02 07 00 10 301 2023 Transf Recur a Entidades de Saúde Convênios 3 R$ 550.000,00
Finalidade: Atendimento em outros centros de especialidades
2 02 07 00 10 301 1022 Construção de Unidades de Saúde Unidade 1 R$ 390.000,00
Finalidade: Ampliação da rede física de atendimento à população
2 02 07 00 10 301 1033 Aquisição de Equip Diversos - Saúde diversas QN R$ 150.000,00
Finalidade: Equipar a nova unidade física para atendimento de emergência.
2 02 07 00 10 301 2019 Ações de Assistência Médica Integral Coef Atend. 0,21 R$ 1.313.000,00
Finalidade: melhorar a qualidade e ampliar em 5% o atendimento à população.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 96

10 - Gráficos

10.1 - Despesa

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
DESPESA ORÇADA POR FUNÇÃO

FUNÇÃO DOTAÇÃO

01 Legislativa 907.000,00
04 Administração 1.046.200,00
08 Assistência Social 2.510.632,00
09 Previdência Social 454.500,00
10 Saúde 3.817.000,00
12 Educação 5.667.000,00
15 Urbanismo 3.946.000,00
17 Saneamento 800.000,00
28 Encargos Especiais 265.000,00
99 Reserva de Contingência 1.094.752,00

TOTAL 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 97

10.2 - Receita

PREFEITURA DE MODELÂNDIA
RUA DE MODELO Nº 1.000 - CNPJ: 01001001/0001-13
Orçamento Programa - Exercício de 2010
RECEITA PREVISTA

CÓDIGO PREVISTO

11 RECEITA TRIBUTÁRIA 3.395.832,00


12 RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES 1.204.752,00
13 RECEITA PATRIMONIAL 626.000,00
16 RECEITA DE SERVIÇOS 2.160.000,00
17 TRANSFERÊNCIAS CORRENTES 11.440.500,00
19 OUTRAS RECEITAS CORRENTES 581.500,00
22 ALIENAÇÃO DE BENS 365.000,00
24 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL 90.000,00
72 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL INTRA-ORÇAMENTÁRIA 644.500,00

TOTAL 20.508.084,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 98

IV - LEGISLAÇÃO

1 - Constituição Federal 1988

Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:


I - o plano plurianual;
II - as diretrizes orçamentárias;
III - os orçamentos anuais.
§ 1º ..........................................................................
..................................................................................
§ 5º A lei orçamentária anual compreenderá:
I - o orçamento fiscal referente aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e entidades da
administração direta e indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público;
II - o orçamento de investimento das empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha a
maioria do capital social com direito a voto;
III - o orçamento da seguridade social, abrangendo todas as entidades e órgãos a ela vinculados,
da administração direta ou indireta, bem como os fundos e fundações instituídos e mantidos pelo
Poder Público.
§ 6º O projeto de lei orçamentária será acompanhado de demonstrativo regionalizado do efeito, sobre
as receitas e despesas, decorrente de isenções, anistias, remissões, subsídios e benefícios de natureza
financeira, tributária e creditícia.
§ 7º Os orçamentos previstos no § 5º, I e II, deste artigo, compatibilizados com o plano plurianual, terão
entre suas funções a de reduzir desigualdades inter-regionais, segundo critério populacional.
§ 8º A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da
despesa, não se incluindo na proibição a autorização para abertura de créditos suplementares e
contratação de operações de crédito, ainda que por antecipação de receita, nos termos da lei.
§ 9º Cabe à lei complementar:
I - dispor sobre o exercício financeiro, a vigência, os prazos, a elaboração e a organização do plano
plurianual, da lei de diretrizes orçamentárias e da lei orçamentária anual;
II - estabelecer normas de gestão financeira e patrimonial da administração direta e indireta bem
como condições para a instituição e funcionamento de fundos.
Art. 166. Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, às diretrizes orçamentárias, ao orçamento anual e
aos créditos adicionais serão apreciados pelas duas Casas do Congresso Nacional, na forma do regimento
comum.
§ 1º Caberá a uma Comissão mista permanente de Senadores e Deputados:
I - examinar e emitir parecer sobre os projetos referidos neste artigo e sobre as contas
apresentadas anualmente pelo Presidente da República;
II - examinar e emitir parecer sobre os planos e programas nacionais, regionais e setoriais previstos
nesta Constituição e exercer o acompanhamento e a fiscalização orçamentária, sem prejuízo da
atuação das demais comissões do Congresso Nacional e de suas Casas, criadas de acordo com o
art. 58.
§ 2º As emendas serão apresentadas na Comissão mista, que sobre elas emitirá parecer, e apreciadas,
na forma regimental, pelo Plenário das duas Casas do Congresso Nacional.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 99

§ 3º As emendas ao projeto de lei do orçamento anual ou aos projetos que o modifiquem somente
podem ser aprovadas caso:
I - sejam compatíveis com o plano plurianual e com a lei de diretrizes orçamentárias;
II - indiquem os recursos necessários, admitidos apenas os provenientes de anulação de despesa,
excluídas as que incidam sobre:
a) dotações para pessoal e seus encargos;
b) serviço da dívida;
c) transferências tributárias constitucionais para Estados, Municípios e Distrito Federal; ou
III - sejam relacionadas:
a) com a correção de erros ou omissões; ou
b) com os dispositivos do texto do projeto de lei.
§ 4º As emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias não poderão ser aprovadas quando
incompatíveis com o plano plurianual.
§ 5º O Presidente da República poderá enviar mensagem ao Congresso Nacional para propor
modificação nos projetos a que se refere este artigo enquanto não iniciada a votação, na Comissão
mista, da parte cuja alteração é proposta.
§ 6º Os projetos de lei do plano plurianual, das diretrizes orçamentárias e do orçamento anual serão
enviados pelo Presidente da República ao Congresso Nacional, nos termos da lei complementar a que
se refere o art. 165, § 9º.
§ 7º Aplicam-se aos projetos mencionados neste artigo, no que não contrariar o disposto nesta seção,
as demais normas relativas ao processo legislativo.
§ 8º Os recursos que, em decorrência de veto, emenda ou rejeição do projeto de lei orçamentária anual,
ficarem sem despesas correspondentes poderão ser utilizados, conforme o caso, mediante créditos
especiais ou suplementares, com prévia e específica autorização legislativa.
Art. 167. São vedados:
I - o início de programas ou projetos não incluídos na lei orçamentária anual;
II - a realização de despesas ou a assunção de obrigações diretas que excedam os créditos
orçamentários ou adicionais;
III - a realização de operações de créditos que excedam o montante das despesas de capital,
ressalvadas as autorizadas mediante créditos suplementares ou especiais com finalidade precisa,
aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta;
IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa, ressalvadas a repartição do produto da
arrecadação dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação de recursos para manutenção e
desenvolvimento do ensino, como determinado pelo art. 212, e a prestação de garantias às operações de
crédito por antecipação de receita, previstas no art. 165, § 8º;
IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa, ressalvadas a repartição do produto da
arrecadação dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação de recursos para manutenção e
desenvolvimento do ensino, como determinado pelo art. 212, e a prestação de garantias às operações de
crédito por antecipação de receita, previstas no art. 165, § 8.º, bem assim o disposto no § 4.º deste artigo;
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 3, de 1993)
IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa, ressalvadas a repartição do produto da
arrecadação dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação de recursos para as ações e
serviços públicos de saúde e para manutenção e desenvolvimento do ensino, como determinado,
respectivamente, pelos arts. 198, § 2º, e 212, e a prestação de garantias às operações de crédito por
antecipação de receita, previstas no art. 165, § 8º, bem como o disposto no § 4º deste artigo; (Redação dada
pela Emenda Constitucional n 29, de 2000)
IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa, ressalvadas a repartição do
produto da arrecadação dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação de
recursos para as ações e serviços públicos de saúde, para manutenção e desenvolvimento do
ensino e para realização de atividades da administração tributária, como determinado,

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 100

respectivamente, pelos arts. 198, § 2º, 212 e 37, XXII, e a prestação de garantias às operações de
crédito por antecipação de receita, previstas no art. 165, § 8º, bem como o disposto no § 4º deste
artigo; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)
V - a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia autorização legislativa e sem
indicação dos recursos correspondentes;
VI - a transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de uma categoria de
programação para outra ou de um órgão para outro, sem prévia autorização legislativa;
VII - a concessão ou utilização de créditos ilimitados;
VIII - a utilização, sem autorização legislativa específica, de recursos dos orçamentos fiscal e da
seguridade social para suprir necessidade ou cobrir déficit de empresas, fundações e fundos,
inclusive dos mencionados no art. 165, § 5º;
IX - a instituição de fundos de qualquer natureza, sem prévia autorização legislativa.
X - a transferência voluntária de recursos e a concessão de empréstimos, inclusive por antecipação
de receita, pelos Governos Federal e Estaduais e suas instituições financeiras, para pagamento de
despesas com pessoal ativo, inativo e pensionista, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
XI - a utilização dos recursos provenientes das contribuições sociais de que trata o art. 195, I, a, e
II, para a realização de despesas distintas do pagamento de benefícios do regime geral de
previdência social de que trata o art. 201. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)
§ 1º Nenhum investimento cuja execução ultrapasse um exercício financeiro poderá ser iniciado sem
prévia inclusão no plano plurianual, ou sem lei que autorize a inclusão, sob pena de crime de
responsabilidade.
§ 2º Os créditos especiais e extraordinários terão vigência no exercício financeiro em que forem
autorizados, salvo se o ato de autorização for promulgado nos últimos quatro meses daquele exercício,
caso em que, reabertos nos limites de seus saldos, serão incorporados ao orçamento do exercício
financeiro subseqüente.
§ 3º A abertura de crédito extraordinário somente será admitida para atender a despesas imprevisíveis
e urgentes, como as decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública, observado o
disposto no art. 62.
§ 4º É permitida a vinculação de receitas próprias geradas pelos impostos a que se referem os arts. 155
e 156, e dos recursos de que tratam os arts. 157, 158 e 159, I, a e b, e II, para a prestação de garantia
ou contragarantia à União e para pagamento de débitos para com esta. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 3, de 1993)
Art. 168. Os recursos correspondentes às dotações orçamentárias, compreendidos os créditos suplementares e
especiais, destinados aos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário e do Ministério Público, ser-lhes-ão entregues
até o dia 20 de cada mês, na forma da lei complementar a que se refere o art. 165, § 9º.

Art. 168. Os recursos correspondentes às dotações orçamentárias, compreendidos os créditos


suplementares e especiais, destinados aos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, do Ministério Público
e da Defensoria Pública, ser-lhes-ão entregues até o dia 20 de cada mês, em duodécimos, na forma da lei
complementar a que se refere o art. 165, § 9º. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de:
I - ensino fundamental, obrigatório e gratuito, inclusive para os que a ele não tiveram acesso na idade própria;

I - ensino fundamental, obrigatório e gratuito, assegurada, inclusive, sua oferta gratuita para todos
os que a ele não tiveram acesso na idade própria; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
14, de 1996)
II - progressiva extensão da obrigatoriedade e gratuidade ao ensino médio;
II - progressiva universalização do ensino médio gratuito; (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 14, de 1996)

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 101

III - atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na


rede regular de ensino;
IV - atendimento em creche e pré-escola às crianças de zero a seis anos de idade;
IV - educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças até 5 (cinco) anos de idade; (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)
V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a
capacidade de cada um;
VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do educando;
VII - atendimento ao educando, no ensino fundamental, através de programas suplementares de
material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde.
§ 1º O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito público subjetivo.
§ 2º O não-oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder Público, ou sua oferta irregular, importa
responsabilidade da autoridade competente.
§ 3º Compete ao Poder Público recensear os educandos no ensino fundamental, fazer-lhes a chamada
e zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela freqüência à escola.
Art. 211. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão em regime de colaboração
seus sistemas de ensino.
§ 1º A União organizará e financiará o sistema federal de ensino e o dos Territórios, e prestará assistência técnica
e financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios para o desenvolvimento de seus sistemas de ensino
e o atendimento prioritário à escolaridade obrigatória.

§ 1º A União organizará o sistema federal de ensino e o dos Territórios, financiará as instituições de


ensino públicas federais e exercerá, em matéria educacional, função redistributiva e supletiva, de forma
a garantir equalização de oportunidades educacionais e padrão mínimo de qualidade do ensino
mediante assistência técnica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios; (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 14, de 1996)
§ 2º Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino fundamental e pré-escolar.

§ 2º Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino fundamental e na educação infantil. (Redação


dada pela Emenda Constitucional nº 14, de 1996)
§ 3º Os Estados e o Distrito Federal atuarão prioritariamente no ensino fundamental e médio. (Incluído
pela Emenda Constitucional nº 14, de 1996)
§ 4º Na organização de seus sistemas de ensino, os Estados e os Municípios definirão formas de
colaboração, de modo a assegurar a universalização do ensino obrigatório. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 14, de 1996)
§ 5º A educação básica pública atenderá prioritariamente ao ensino regular. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 53, de 2006)
Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e os
Municípios vinte e cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de impostos, compreendida a
proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino.
§ 1º A parcela da arrecadação de impostos transferida pela União aos Estados, ao Distrito Federal e
aos Municípios, ou pelos Estados aos respectivos Municípios, não é considerada, para efeito do cálculo
previsto neste artigo, receita do governo que a transferir.
§ 2º Para efeito do cumprimento do disposto no "caput" deste artigo, serão considerados os sistemas de
ensino federal, estadual e municipal e os recursos aplicados na forma do art. 213.
§ 3º A distribuição dos recursos públicos assegurará prioridade ao atendimento das necessidades do
ensino obrigatório, nos termos do plano nacional de educação.
§ 4º Os programas suplementares de alimentação e assistência à saúde previstos no art. 208, VII, serão
financiados com recursos provenientes de contribuições sociais e outros recursos orçamentários.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 102

§ 5º O ensino fundamental público terá como fonte adicional de financiamento a contribuição social do
salário-educação, recolhida, na forma da lei, pelas empresas, que dela poderão deduzir a aplicação realizada no
ensino fundamental de seus empregados e dependentes.
§ 5º O ensino fundamental público terá como fonte adicional de financiamento a contribuição social do
salário-educação, recolhida pelas empresas, na forma da lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 14,
de 1996)

§ 5º A educação básica pública terá como fonte adicional de financiamento a contribuição social do
salário-educação, recolhida pelas empresas na forma da lei. (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 53, de 2006)
§ 6º As cotas estaduais e municipais da arrecadação da contribuição social do salário-educação serão
distribuídas proporcionalmente ao número de alunos matriculados na educação básica nas respectivas
redes públicas de ensino. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)

2 - Constituição Federal 1988 - ADCT

Art. 35. O disposto no art. 165, § 7º, será cumprido de forma progressiva, no prazo de até dez anos,
distribuindo-se os recursos entre as regiões macroeconômicas em razão proporcional à população, a partir
da situação verificada no biênio 1986-87.
§ 1º .........................................................................
§ 2º Até a entrada em vigor da lei complementar a que se refere o art. 165, § 9º, I e II, serão
obedecidas as seguintes normas:
I - .......................................................................
III - o projeto de lei orçamentária da União será encaminhado até quatro meses antes do
encerramento do exercício financeiro e devolvido para sanção até o encerramento da sessão
legislativa.
Art. 60 Nos dez primeiros anos da promulgação da Constituição, o Poder Público desenvolverá esforços, com a
mobilização de todos os setores organizados da sociedade e com a aplicação de, pelo menos, cinqüenta por cento dos
recursos a que se refere o art. 212 da Constituição, para eliminar o analfabetismo e universalizar o ensino fundamental.

Parágrafo único. Em igual prazo, as universidades públicas descentralizarão suas atividades, de modo a estender
suas unidades de ensino superior às cidades de maior densidade populacional.

Art. 60. Nos dez primeiros anos da promulgação desta Emenda, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
destinarão não menos de sessenta por cento dos recursos a que se refere o caput do art. 212 da Constituição Federal,
à manutenção e ao desenvolvimento do ensino fundamental, com o objetivo de assegurar a universalização de seu
atendimento e a remuneração condigna do magistério. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 14, de 1996)

§ 1º A distribuição de responsabilidades e recursos entre os Estados e seus Municípios a ser concretizada com
parte dos recursos definidos neste artigo, na forma do disposto no art. 211 da Constituição Federal, é assegurada
mediante a criação, no âmbito de cada Estado e do Distrito Federal, de um Fundo de Manutenção e
Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, de natureza contábil. (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 14, de 1996)
§ 2º O Fundo referido no parágrafo anterior será constituído por, pelo menos, quinze por cento dos recursos a que
se referem os arts. 155, inciso II; 158, inciso IV; e 159, inciso I, alíneas "a" e "b"; e inciso II, da Constituição
Federal, e será distribuído entre cada Estado e seus Municípios, proporcionalmente ao número de alunos nas
respectivas redes de ensino fundamental. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 14, de 1996)
§ 3º A União complementará os recursos dos Fundos a que se refere o § 1º, sempre que, em cada Estado e no
Distrito Federal, seu valor por aluno não alcançar o mínimo definido nacionalmente. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 14, de 1996)
§ 4º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios ajustarão progressivamente, em um prazo de cinco
anos, suas contribuições ao Fundo, de forma a garantir um valor por aluno correspondente a um padrão mínimo
de qualidade de ensino, definido nacionalmente. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 14, de 1996)
§ 5º Uma proporção não inferior a sessenta por cento dos recursos de cada Fundo referido no § 1º será destinada
ao pagamento dos professores do ensino fundamental em efetivo exercício no magistério. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 14, de 1996)

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 103

§ 6º A União aplicará na erradicação do analfabetismo e na manutenção e no desenvolvimento do ensino


fundamental, inclusive na complementação a que se refere o § 3º, nunca menos que o equivalente a trinta por
cento dos recursos a que se refere o caput do art. 212 da Constituição Federal. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 14, de 1996)
§ 7º A lei disporá sobre a organização dos Fundos, a distribuição proporcional de seus recursos, sua fiscalização e
controle, bem como sobre a forma de cálculo do valor mínimo nacional por aluno. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 14, de 1996)

Art. 60. Até o 14º (décimo quarto) ano a partir da promulgação desta Emenda Constitucional, os Estados, o
Distrito Federal e os Municípios destinarão parte dos recursos a que se refere o caput do art. 212 da
Constituição Federal à manutenção e desenvolvimento da educação básica e à remuneração condigna dos
trabalhadores da educação, respeitadas as seguintes disposições: (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 53, de 2006).
I - a distribuição dos recursos e de responsabilidades entre o Distrito Federal, os Estados e seus
Municípios é assegurada mediante a criação, no âmbito de cada Estado e do Distrito Federal, de
um Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos
Profissionais da Educação - FUNDEB, de natureza contábil; (Incluído pela Emenda Constitucional
nº 53, de 2006).
II - os Fundos referidos no inciso I do caput deste artigo serão constituídos por 20% (vinte por
cento) dos recursos a que se referem os incisos I, II e III do art. 155; o inciso II do caput do art. 157;
os incisos II, III e IV do caput do art. 158; e as alíneas a e b do inciso I e o inciso II do caput do art.
159, todos da Constituição Federal, e distribuídos entre cada Estado e seus Municípios,
proporcionalmente ao número de alunos das diversas etapas e modalidades da educação básica
presencial, matriculados nas respectivas redes, nos respectivos âmbitos de atuação prioritária
estabelecidos nos §§ 2º e 3º do art. 211 da Constituição Federal; (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 53, de 2006).
III - observadas as garantias estabelecidas nos incisos I, II, III e IV do caput do art. 208 da
Constituição Federal e as metas de universalização da educação básica estabelecidas no Plano
Nacional de Educação, a lei disporá sobre: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
a) a organização dos Fundos, a distribuição proporcional de seus recursos, as diferenças e as
ponderações quanto ao valor anual por aluno entre etapas e modalidades da educação básica e
tipos de estabelecimento de ensino; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
b) a forma de cálculo do valor anual mínimo por aluno; (Incluído pela Emenda Constitucional nº
53, de 2006).
c) os percentuais máximos de apropriação dos recursos dos Fundos pelas diversas etapas e
modalidades da educação básica, observados os arts. 208 e 214 da Constituição Federal, bem
como as metas do Plano Nacional de Educação; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de
2006).
d) a fiscalização e o controle dos Fundos; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
e) prazo para fixar, em lei específica, piso salarial profissional nacional para os profissionais do
magistério público da educação básica; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
IV - os recursos recebidos à conta dos Fundos instituídos nos termos do inciso I do caput deste
artigo serão aplicados pelos Estados e Municípios exclusivamente nos respectivos âmbitos de
atuação prioritária, conforme estabelecido nos §§ 2º e 3º do art. 211 da Constituição Federal;
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
V - a União complementará os recursos dos Fundos a que se refere o inciso II do caput deste artigo
sempre que, no Distrito Federal e em cada Estado, o valor por aluno não alcançar o mínimo
definido nacionalmente, fixado em observância ao disposto no inciso VII do caput deste artigo,
vedada a utilização dos recursos a que se refere o § 5º do art. 212 da Constituição Federal;
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
VI - até 10% (dez por cento) da complementação da União prevista no inciso V do caput deste
artigo poderá ser distribuída para os Fundos por meio de programas direcionados para a melhoria
da qualidade da educação, na forma da lei a que se refere o inciso III do caput deste artigo;
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 104

VII - a complementação da União de que trata o inciso V do caput deste artigo será de, no mínimo:
(Incluído pela Emenda Constitucional n 53, de 2006).
a) R$ 2.000.000.000,00 (dois bilhões de reais), no primeiro ano de vigência dos Fundos;
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
b) R$ 3.000.000.000,00 (três bilhões de reais), no segundo ano de vigência dos Fundos;
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
c) R$ 4.500.000.000,00 (quatro bilhões e quinhentos milhões de reais), no terceiro ano de
vigência dos Fundos; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
d) 10% (dez por cento) do total dos recursos a que se refere o inciso II do caput deste artigo, a
partir do quarto ano de vigência dos Fundos; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de
2006).
VIII - a vinculação de recursos à manutenção e desenvolvimento do ensino estabelecida no art. 212
da Constituição Federal suportará, no máximo, 30% (trinta por cento) da complementação da
União, considerando-se para os fins deste inciso os valores previstos no inciso VII do caput deste
artigo; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
IX - os valores a que se referem as alíneas a, b, e c do inciso (Incluído pela Emenda Constitucional
nº 53, de 2006).
VII do caput deste artigo serão atualizados, anualmente, a partir da promulgação desta Emenda
Constitucional, de forma a preservar, em caráter permanente, o valor real da complementação da
União; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
X - aplica-se à complementação da União o disposto no art. 160 da Constituição Federal; (Incluído
pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
XI - o não-cumprimento do disposto nos incisos V e VII do caput deste artigo importará crime de
responsabilidade da autoridade competente; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
XII - proporção não inferior a 60% (sessenta por cento) de cada Fundo referido no inciso I do caput
deste artigo será destinada ao pagamento dos profissionais do magistério da educação básica em
efetivo exercício. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
§ 1º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão assegurar, no financiamento da
educação básica, a melhoria da qualidade de ensino, de forma a garantir padrão mínimo definido
nacionalmente. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
§ 2º O valor por aluno do ensino fundamental, no Fundo de cada Estado e do Distrito Federal, não
poderá ser inferior ao praticado no âmbito do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino
Fundamental e de Valorização do Magistério - FUNDEF, no ano anterior à vigência desta Emenda
Constitucional. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
§ 3º O valor anual mínimo por aluno do ensino fundamental, no âmbito do Fundo de Manutenção e
Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, não
poderá ser inferior ao valor mínimo fixado nacionalmente no ano anterior ao da vigência desta Emenda
Constitucional. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
§ 4º Para efeito de distribuição de recursos dos Fundos a que se refere o inciso I do caput deste artigo,
levar-se-á em conta a totalidade das matrículas no ensino fundamental e considerar-se-á para a
educação infantil, para o ensino médio e para a educação de jovens e adultos 1/3 (um terço) das
matrículas no primeiro ano, 2/3 (dois terços) no segundo ano e sua totalidade a partir do terceiro ano.
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
§ 5º A porcentagem dos recursos de constituição dos Fundos, conforme o inciso II do caput deste
artigo, será alcançada gradativamente nos primeiros 3 (três) anos de vigência dos Fundos, da seguinte
forma: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
I - no caso dos impostos e transferências constantes do inciso (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 53, de 2006).
II do caput do art. 155; do inciso IV do caput do art. 158; e das alíneas a e b do inciso I e do inciso II
do caput do art. 159 da Constituição Federal: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 105

a) 16,66% (dezesseis inteiros e sessenta e seis centésimos por cento), no primeiro ano;
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
b) 18,33% (dezoito inteiros e trinta e três centésimos por cento), no segundo ano; (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
c) 20% (vinte por cento), a partir do terceiro ano; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de
2006).
II - no caso dos impostos e transferências constantes dos incisos I e III do caput do art. 155; do
inciso II do caput do art. 157; e dos incisos II e III do caput do art. 158 da Constituição Federal:
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
a) 6,66% (seis inteiros e sessenta e seis centésimos por cento), no primeiro ano; (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
b) 13,33% (treze inteiros e trinta e três centésimos por cento), no segundo ano; (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
c) 20% (vinte por cento), a partir do terceiro ano. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de
2006).
§ 6º (Revogado). (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
§ 7º (Revogado). (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
Art. 77. Até o exercício financeiro de 2004, os recursos mínimos aplicados nas ações e serviços públicos de
saúde serão equivalentes: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)
I - ...............................................................
III - no caso dos Municípios e do Distrito Federal, quinze por cento do produto da arrecadação dos
impostos a que se refere o art. 156 e dos recursos de que tratam os arts. 158 e 159, inciso I, alínea
b e § 3º. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)
.....................................................................

3 - Lei Complementar nº 101 de 04.05.2000

Art. 5º O projeto de lei orçamentária anual, elaborado de forma compatível com o plano plurianual, com a lei
de diretrizes orçamentárias e com as normas desta Lei Complementar:
I - conterá, em anexo, demonstrativo da compatibilidade da programação dos orçamentos com os
objetivos e metas constantes do documento de que trata o § 1º do art. 4º;
II - será acompanhado do documento a que se refere o § 6º do art. 165 da Constituição, bem como
das medidas de compensação a renúncias de receita e ao aumento de despesas obrigatórias de
caráter continuado;
III - conterá reserva de contingência, cuja forma de utilização e montante, definido com base na
receita corrente líquida, serão estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias, destinada ao:
a) (VETADO)
b) atendimento de passivos contingentes e outros riscos e eventos fiscais imprevistos.
§ 1º Todas as despesas relativas à dívida pública, mobiliária ou contratual, e as receitas que as
atenderão, constarão da lei orçamentária anual.
§ 2º O refinanciamento da dívida pública constará separadamente na lei orçamentária e nas de crédito
adicional.
§ 3º A atualização monetária do principal da dívida mobiliária refinanciada não poderá superar a
variação do índice de preços previsto na lei de diretrizes orçamentárias, ou em legislação específica.
§ 4º É vedado consignar na lei orçamentária crédito com finalidade imprecisa ou com dotação ilimitada.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 106

§ 5º A lei orçamentária não consignará dotação para investimento com duração superior a um exercício
financeiro que não esteja previsto no plano plurianual ou em lei que autorize a sua inclusão, conforme
disposto no § 1º do art. 167 da Constituição.
§ 6º Integrarão as despesas da União, e serão incluídas na lei orçamentária, as do Banco Central do
Brasil relativas a pessoal e encargos sociais, custeio administrativo, inclusive os destinados a benefícios
e assistência aos servidores, e a investimentos.
§ 7º (VETADO)
Art. 8º Até trinta dias após a publicação dos orçamentos, nos termos em que dispuser a lei de diretrizes
orçamentárias e observado o disposto na alínea c do inciso I do art. 4º, o Poder Executivo estabelecerá a
programação financeira e o cronograma de execução mensal de desembolso.
Parágrafo único. Os recursos legalmente vinculados a finalidade específica serão utilizados
exclusivamente para atender ao objeto de sua vinculação, ainda que em exercício diverso daquele em
que ocorrer o ingresso.
Art. 9º Se verificado, ao final de um bimestre, que a realização da receita poderá não comportar o
cumprimento das metas de resultado primário ou nominal estabelecidas no Anexo de Metas Fiscais, os
Poderes e o Ministério Público promoverão, por ato próprio e nos montantes necessários, nos trinta dias
subseqüentes, limitação de empenho e movimentação financeira, segundo os critérios fixados pela lei de
diretrizes orçamentárias.
§ 1º No caso de restabelecimento da receita prevista, ainda que parcial, a recomposição das dotações
cujos empenhos foram limitados dar-se-á de forma proporcional às reduções efetivadas.
§ 2º Não serão objeto de limitação as despesas que constituam obrigações constitucionais e legais do
ente, inclusive aquelas destinadas ao pagamento do serviço da dívida, e as ressalvadas pela lei de
diretrizes orçamentárias.
§ 3º No caso de os Poderes Legislativo e Judiciário e o Ministério Público não promoverem a limitação
no prazo estabelecido no caput, é o Poder Executivo autorizado a limitar os valores financeiros segundo
os critérios fixados pela lei de diretrizes orçamentárias.
§ 4º Até o final dos meses de maio, setembro e fevereiro, o Poder Executivo demonstrará e avaliará o
cumprimento das metas fiscais de cada quadrimestre, em audiência pública na comissão referida no §
1º do art. 166 da Constituição ou equivalente nas Casas Legislativas estaduais e municipais.
§ 5º No prazo de noventa dias após o encerramento de cada semestre, o Banco Central do Brasil
apresentará, em reunião conjunta das comissões temáticas pertinentes do Congresso Nacional,
avaliação do cumprimento dos objetivos e metas das políticas monetária, creditícia e cambial,
evidenciando o impacto e o custo fiscal de suas operações e os resultados demonstrados nos balanços.
Art. 12. As previsões de receita observarão as normas técnicas e legais, considerarão os efeitos das
alterações na legislação, da variação do índice de preços, do crescimento econômico ou de qualquer outro
fator relevante e serão acompanhadas de demonstrativo de sua evolução nos últimos três anos, da projeção
para os dois seguintes àquele a que se referirem, e da metodologia de cálculo e premissas utilizadas.
§ 1º Reestimativa de receita por parte do Poder Legislativo só será admitida se comprovado erro ou
omissão de ordem técnica ou legal.
§ 2º O montante previsto para as receitas de operações de crédito não poderá ser superior ao das
despesas de capital constantes do projeto de lei orçamentária.
§ 3º O Poder Executivo de cada ente colocará à disposição dos demais Poderes e do Ministério Público,
no mínimo trinta dias antes do prazo final para encaminhamento de suas propostas orçamentárias, os
estudos e as estimativas das receitas para o exercício subseqüente, inclusive da corrente líquida, e as
respectivas memórias de cálculo.
Art. 13. No prazo previsto no art. 8º, as receitas previstas serão desdobradas, pelo Poder Executivo, em
metas bimestrais de arrecadação, com a especificação, em separado, quando cabível, das medidas de
combate à evasão e à sonegação, da quantidade e valores de ações ajuizadas para cobrança da dívida
ativa, bem como da evolução do montante dos créditos tributários passíveis de cobrança administrativa.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 107

Art. 19. Para os fins do disposto no caput do art. 169 da Constituição, a despesa total com pessoal, em cada
período de apuração e em cada ente da Federação, não poderá exceder os percentuais da receita corrente
líquida, a seguir discriminados:
I - União: 50% (cinqüenta por cento);
II - Estados: 60% (sessenta por cento);
III - Municípios: 60% (sessenta por cento).
§ 1º Na verificação do atendimento dos limites definidos neste artigo, não serão computadas as
despesas:
I - de indenização por demissão de servidores ou empregados;
II - relativas a incentivos à demissão voluntária;
III - derivadas da aplicação do disposto no inciso II do § 6º do art. 57 da Constituição;
IV - decorrentes de decisão judicial e da competência de período anterior ao da apuração a que se
refere o § 2º do art. 18;
V - com pessoal, do Distrito Federal e dos Estados do Amapá e Roraima, custeadas com recursos
transferidos pela União na forma dos incisos XIII e XIV do art. 21 da Constituição e do art. 31 da
Emenda Constitucional nº 19;
VI - com inativos, ainda que por intermédio de fundo específico, custeadas por recursos
provenientes:
a) da arrecadação de contribuições dos segurados;
b) da compensação financeira de que trata o § 9º do art. 201 da Constituição;
c) das demais receitas diretamente arrecadadas por fundo vinculado a tal finalidade, inclusive o
produto da alienação de bens, direitos e ativos, bem como seu superávit financeiro.
§ 2º Observado o disposto no inciso IV do § 1º, as despesas com pessoal decorrentes de sentenças
judiciais serão incluídas no limite do respectivo Poder ou órgão referido no art. 20.
Art. 25. Para efeito desta Lei Complementar, entende-se por transferência voluntária a entrega de recursos
correntes ou de capital a outro ente da Federação, a título de cooperação, auxílio ou assistência financeira,
que não decorra de determinação constitucional, legal ou os destinados ao Sistema Único de Saúde.
§ 1º São exigências para a realização de transferência voluntária, além das estabelecidas na lei de
diretrizes orçamentárias:
I - existência de dotação específica;
II - (VETADO)
III - observância do disposto no inciso X do art. 167 da Constituição;
IV - comprovação, por parte do beneficiário, de:
a) que se acha em dia quanto ao pagamento de tributos, empréstimos e financiamentos
devidos ao ente transferidor, bem como quanto à prestação de contas de recursos
anteriormente dele recebidos;
b) cumprimento dos limites constitucionais relativos à educação e à saúde;
c) observância dos limites das dívidas consolidada e mobiliária, de operações de crédito,
inclusive por antecipação de receita, de inscrição em Restos a Pagar e de despesa total com
pessoal;
d) previsão orçamentária de contrapartida.
§ 2º É vedada a utilização de recursos transferidos em finalidade diversa da pactuada.
§ 3º Para fins da aplicação das sanções de suspensão de transferências voluntárias constantes desta
Lei Complementar, excetuam-se aquelas relativas a ações de educação, saúde e assistência social.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 108

Art. 26. A destinação de recursos para, direta ou indiretamente, cobrir necessidades de pessoas físicas ou
déficits de pessoas jurídicas deverá ser autorizada por lei específica, atender às condições estabelecidas na
lei de diretrizes orçamentárias e estar prevista no orçamento ou em seus créditos adicionais.
§ 1º O disposto no caput aplica-se a toda a administração indireta, inclusive fundações públicas e
empresas estatais, exceto, no exercício de suas atribuições precípuas, as instituições financeiras e o
Banco Central do Brasil.
§ 2º Compreende-se incluída a concessão de empréstimos, financiamentos e refinanciamentos,
inclusive as respectivas prorrogações e a composição de dívidas, a concessão de subvenções e a
participação em constituição ou aumento de capital.
Art. 44. É vedada a aplicação da receita de capital derivada da alienação de bens e direitos que integram o
patrimônio público para o financiamento de despesa corrente, salvo se destinada por lei aos regimes de
previdência social, geral e próprio dos servidores públicos.
Art. 45. Observado o disposto no § 5º do art. 5º, a lei orçamentária e as de créditos adicionais só incluirão
novos projetos após adequadamente atendidos os em andamento e contempladas as despesas de
conservação do patrimônio público, nos termos em que dispuser a lei de diretrizes orçamentárias.
Parágrafo único. O Poder Executivo de cada ente encaminhará ao Legislativo, até a data do envio do
projeto de lei de diretrizes orçamentárias, relatório com as informações necessárias ao cumprimento do
disposto neste artigo, ao qual será dada ampla divulgação.
Art. 48. São instrumentos de transparência da gestão fiscal, aos quais será dada ampla divulgação, inclusive
em meios eletrônicos de acesso público: os planos, orçamentos e leis de diretrizes orçamentárias; as
prestações de contas e o respectivo parecer prévio; o Relatório Resumido da Execução Orçamentária e o
Relatório de Gestão Fiscal; e as versões simplificadas desses documentos.
Parágrafo único. A transparência será assegurada também mediante incentivo à participação popular e
realização de audiências públicas, durante os processos de elaboração e de discussão dos planos, lei
de diretrizes orçamentárias e orçamentos.
Art. 62. Os Municípios só contribuirão para o custeio de despesas de competência de outros entes da
Federação se houver:
I - autorização na lei de diretrizes orçamentárias e na lei orçamentária anual;
II - convênio, acordo, ajuste ou congênere, conforme sua legislação.

4 - Lei nº 4.320, de 17.03.1964

Art. 2º A Lei de Orçamento conterá a discriminação da receita e despesa, de forma a evidenciar a política
econômico-financeira e o programa de trabalho do Governo, obedecidos os princípios de unidade,
universalidade e anualidade
§ 1º Integrarão a Lei de Orçamento:
I - Sumário geral da receita por fontes e da despesa por funções do Governo;
II - Quadro demonstrativo da Receita e Despesa segundo as Categorias Econômicas, na forma do
Anexo 1;
III - Quadro discriminativo da receita por fontes e respectiva legislação;
IV - Quadro das dotações por órgãos do Governo e da Administração.
§ 2° Acompanharão a Lei de Orçamento:
I - Quadros demonstrativos da receita e planos de aplicação dos fundos especiais;
II - Quadros demonstrativos da despesa, na forma dos Anexos 6 a 9; e
III - Quadro demonstrativo do programa anual de trabalho do Governo, em termos de realização de
obras e de prestação de serviços.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 109

Art. 3º A Lei de Orçamento compreenderá todas as receitas, inclusive as de operações de crédito


autorizadas em lei.
Parágrafo único. Não se consideram para os fins deste artigo as operações de crédito por antecipação
de receita, as emissões de papel-moeda e outras entradas compensatórias no ativo e passivo
financeiros.
Art. 4º A Lei de Orçamento compreenderá todas as despesas próprias dos órgãos do Governo e da
Administração centralizada, ou que por intermédio deles se devam realizar, observado o disposto no artigo
2º.

Art. 5º A Lei de Orçamento não consignará dotações globais destinadas a atender indiferentemente a
despesas de pessoal, material, serviços de terceiros, transferências ou quaisquer outras, ressalvado o
disposto no artigo 20 e seu parágrafo único.
Art. 6º Todas as receitas e despesas constarão da Lei de Orçamento pelos seus totais, vedadas quaisquer
deduções.
§ 1º As cotas de receitas que uma entidade pública deva transferir a outra incluir-se-ão, como despesa,
no orçamento de entidade obrigada à transferência e, como receita, no orçamento da que as deva
receber.
§ 2º Para cumprimento do disposto no parágrafo anterior, o cálculo das cotas terá por base os dados
apurados no balanço do exercício anterior àquele em que se elaborar a proposta orçamentária do
Governo obrigado à transferência.
Art. 7º A Lei de Orçamento poderá conter autorização ao Executivo para:
I - Abrir créditos suplementares até determinada importância, obedecidas as disposições do artigo
43; e
II - Realizar em qualquer mês do exercício financeiro operações de crédito por antecipação da
receita, para atender a insuficiências de caixa.
§ 1º Em casos de déficit, a Lei de Orçamento indicará as fontes de recursos que o Poder Executivo fica
autorizado a utilizar para atender à sua cobertura.
§ 2º O produto estimado de operações de crédito e de alienação de bens imóveis somente se incluirá na
receita quando umas e outras forem especificamente autorizadas pelo Poder Legislativo em forma que
juridicamente possibilite ao Poder Executivo realizá-las no exercício.
§ 3º A autorização legislativa a que se refere o parágrafo anterior, no tocante a operações de crédito,
poderá constar da própria Lei de Orçamento.
Art. 16. Fundamentalmente e nos limites das possibilidades financeiras, a concessão de subvenções sociais
visará à prestação de serviços essenciais de assistência social, médica e educacional, sempre que a
suplementação de recursos de origem privada, aplicados a esses objetivos, revelar-se mais econômica.
Parágrafo único. O valor das subvenções, sempre que possível, será calculado com base em unidades
de serviços efetivamente prestados ou postos à disposição dos interessados, obedecidos os padrões
mínimos de eficiência previamente fixados.
Art. 17. Somente à instituição cujas condições de funcionamento forem julgadas satisfatórias pelos órgãos
oficiais de fiscalização serão concedidas subvenções.

5 - Lei nº 10.257 de 10.07.2001


Estatuto da Cidade

Art. 40. O plano diretor, aprovado por lei municipal, é o instrumento básico da política de desenvolvimento e
expansão urbana.
§ 1º O plano diretor é parte integrante do processo de planejamento municipal, devendo o plano
plurianual, as diretrizes orçamentárias e o orçamento anual incorporar as diretrizes e as prioridades nele
contidas.
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 110

6 - Outros Dispositivos Legais

Portaria MOG nº 42, de 14.04.1999


Portaria Interministerial STN/SOF nº 163, de 04.05.2001

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3, de 14.10.2008


Estas portarias, atualizadas até a presente data, constam do Polígrafo “Classificações Orçamentárias”.

Quem não compreende um olhar


tampouco compreenderá uma longa explicação.
Mario Quintana

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 111

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 112

Anotações

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte: Cursos 2009
Assunto: Orçamento 2010
CURSOS
Atualização: Página: 113

Anotações

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal