Você está na página 1de 6

Editorial

Epigénese e Desenvolvimento (2)

Tendo caracterizado, no editorial anterior, o actual pensamento científico no que respeita aos
aspectos filogenéticos e ontogenéticos do desenvolvimento tratarei, agora, como é que a noção
de epigénese pode contribuir para a estruturação de um modelo de desenvolvimento assente
nos conceitos atrás definidos.

1. Noção de epigénese

Muito embora se possa considerar que o nosso organismo, no seu conjunto, participa na
actividade intelectual, um sistema particular e complexo tem um papel privilegiado _ o sistema
nervoso (Damásio, 1994). Este sistema é constituído por uma rede hipercomplexa de
prolongamentos axonais e por conexões entre esses prolongamentos, a qual está na dependência
do património genético. No entanto, para garantir essa hipercomplexa organização seriam
necessários muitos mais genes do que os possuímos e, mesmo assim, não se vê muito bem
como seria possível organizar estruturas tão complexas e numa cadência tão acelerada como
acontece durante o período embrionário (durante os 400.000 minutos que dura a vida intra-
uterina, o feto fabrica em média 250.000 neurónios por minuto e, em algumas fases, este valor
07
pode atingir os 500.000 por minuto). Esta dissonância entre o número de genes existentes e
o número de sinapses por eles controladas, foi resolvida pelos biólogos Changeaux e Danchin
e pelo matemático Courrège utilizando a noção de epigénese.
Segundo esta noção, o programa genético não corresponde à definição rigorosa de sequências
imutáveis, mas antes a realizações variáveis das quais apenas a modalidade média e a dispersão
em torno da média são fixadas por esse programa. Dito de outro modo, o desenvolvimento
deste programa é feito, numa parte essencial, ao acaso.
Deste modo, pode-se afirmar que, segundo esta noção, a estruturação cerebral é uma função
não apenas dos dados genéticos, mas também da aventura vivida pelo indivíduo.
O papel desta aventura, que em outros termos se designa acaso, é hoje reconhecido não só
no plano da ontogénese (quer embrionária, quer ao longo do período de desenvolvimento pós-
embrionário) mas também no plano da filogénese. A extensão desta noção a todo o
desenvolvimento humano é hoje designada como a epigénese dos ciclos de vida e implica considerar
que os determinismos1 têm um papel importante, porque são eles que limitam o campo dos
possíveis, mas continua a ser ao acaso que cabe a última palavra.
Um modelo decorrente destas noções poderá ser formulado do seguinte modo:

O desenvolvimento humano processa-se de uma forma contínua mas não linear, organizando-se
em regularidades separadas por espaços de tempo semelhantes (ciclos), constituindo os momentos
de transição entre ciclos, momentos de grande susceptibilidade e fragilidade do organismo _ crises.
São estas crises que, ao introduzirem perturbação nos sistemas do organismo, o obrigam a
reorganizar-se e a evoluir (leia-se mudar) por diferenciação.

VOLUME IV Nº5 SETEMBRO/OUTUBRO 2002


Editorial

Ou seja, temos um processo que se nutre de determinismo (genético) e de indeterminismo


(acaso contextual) que, segundo uma dialéctica antagonista, promovem a integração crescente
dos novos dados do desenvolvimento.
Isto é, temos um plano de desenvolvimento que obedece à noção de epigénese, tal como foi
definida anteriormente. Esta noção implica a existência de uma função de equilibração histórica,
englobada nos processos homeorréticos ou de equilibração, e uma função de equilibração
sincrónica englobada nos processos homeostáticos ou estados de equilíbrio.
Um aspecto importante a considerar neste modelo é a definição de variáveis que permitam
determinar onde ocorrem os ciclos e onde ocorrem as fases de transição. Evidentemente que
existem vários modelos e estudos empíricos que permitirão apontar períodos distintos do
desenvolvimento. No entanto, a coerência com o que atrás foi dito implica considerar o papel
do desenvolvimento cortical na determinação dos ciclos e microciclos do desenvolvimento.
Se bem que os métodos comportamentais continuem a providenciar contribuições
importantíssimas, a utilização de técnicas não invasivas de análise cerebral apresenta-se como
uma ponte crítica entre a fisiologia, a anatomia e o comportamento, possibilitando o estudo
experimental das bases celulares e conexionais do comportamento; a partir daí podem deduzir-
se relações de tipo causal. Este adquirido deve-se, sobretudo, a um aumento na investigação
interdisciplinar do cérebro e do comportamento e a um rápido reconhecimento que a
complexidade da natureza humana pode melhor ser compreendida através da análise das
interfaces entre sistemas a diferentes níveis, incluindo o nível neurofisiológico, comportamental
e sócio-contextual.
Esta nova era da investigação interdisciplinar já deu os seus frutos, tendo promovido uma
mudança radical sobre as concepções acerca da continuidade e da sofisticação do comportamento
humano. Por exemplo, muitos investigadores, apenas há uma ou duas décadas atrás, pensavam
08 que as funções cerebrais de alta-ordem, especialmente as que estão adscritas ao cérebro frontal,
emergiam na 2ª década da vida, de uma forma coincidente com o início das operações formais
de Piaget, ou mais precocemente com o início das operações concretas pelos 6-7 anos de
idade. Através dos estudos referidos é hoje aceite que as primeiras manifestações de funções
cognitivas mediadas pelos lobos frontais estão presentes pelo fim do 1º ano ou no início do
2º ano de vida. Podemos falar, portanto, numa significação ao nível da determinação das co-
ocorrências cérebro-comportamento.
Estes novos dados permitem lançar a hipótese segundo a qual as grandes alterações
desenvolvimentais (os grandes ciclos de vida) envolvem a coordenação dos componentes do
cérebro e do comportamento, em sistemas de controlo de alta-ordem, designados esquemas
dinâmicos, os quais funcionam segundo as leis dos sistemas dinâmicos não lineares . No plano
neurofisiológico, estes esquemas são suportados por redes neuronais de distribuição paralela,
as quais evoluem, ao longo do desenvolvimento, em ciclos regulares que conjugam a competição
entre redes comparáveis e a coordenação enquanto componentes de sistemas complexos
(Edelman, 1988).
Então, o processo de desenvolvimento processa-se em ciclos2, no sentido de que em cada ciclo
se inicia, de novo, o processo de coordenação, tornando-se um componente potencial para
uma nova coordenação numa fase ainda mais complexa. Isto é, cada ciclo constitui um plano
mais evoluído, onde emergem novas qualidades resultantes da integração dos acasos contextuais
nas características internas do sistema em evolução. Estes ciclos gerais são evidentes quer em
termos anatómicos, electrofisiológicos, cognitivos, emocionais e comportamentais gerais.
Tipicamente, os ciclos produzem períodos de rápido crescimento no nível de funcionamento,
alternando com períodos de menor crescimento, de tal modo que a descontinuidade (ou mudança

VOLUME IV Nº5 SETEMBRO/OUTUBRO 2002


Editorial

brusca) no desenvolvimento constitui um índice primário de um ciclo.


Actualmente estão estudados, pelo menos, 13 níveis de agrupamentos de descontinuidades no
comportamento, entre o nascimento e os 30 anos de idade. As idades para cada um dos níveis
são determinadas pela capacidade da pessoa (criança ou adulto) de começar a controlar
determinado número de esquemas num específico nível, havendo, como é natural, uma grande
variação individual na idade exacta dessa emergência (Fisher, 1994).
Assume-se que cada nível corresponde a um determinado tipo
de reorganização neuronal, reflectido nas descontinuidades do
Níveis desenvolvimento cerebral. As alterações qualitativas no
desenvolvimento podem ser descritas a 3 níveis de detalhe:
Rf1: Reflexos simples (3-4-semanas) 1. A um nível fino, em que os esquemas se desenvolvem através
Rf2: Mapas de reflexos (7-8 semanas) de uma sequência de pequenos passos de micro-desenvolvimento
Rf3: Sistemas de reflexos (10-11 semanas) (alguns destes passos não implicam descontinuidades desenvolvi-
Rf4/S1: Actos sensório-motores simples (15-17 semanas) mentais, mas apenas simples pontos ao longo de uma construção
S2: Mapas sensório-motores (7-8-meses) de esquemas);
S3: Sistemas sensório-motores (11-13 meses) 2. A um nível intermédio, que marca a ocorrência de um novo
S4/Rp1: Representações simples (18-24 meses) nível do desenvolvimento _ ou seja, a capacidade para construir
Rp2: Mapas representacionais (3.5-4.5 anos) um novo tipo de sistema de controle ou esquema;
Rp3: Sistemas representacionais (6-7 anos) 3. E a um nível amplo, os esquemas desenvolvem-se através de
Rp4/A1: Abstracções simples (10-12 anos) um conjunto de 4 modalidades, cada uma envolvendo 4 níveis
A2: Mapas de abstracções (14-16 anos) sucessivos. Estas modalidades marcam a emergência de um novo
A3: Sistemas de abstracções (18-20 anos) tipo de unidade de controlo do comportamento _ reflexos,
A4: Princípios (23-25 anos) actos, representações, abstracções _ os quais podem ser
considerados ciclos de desenvolvimento na complexidade dos
esquemas de comportamento. 09
Para todos os 13 níveis de desenvolvimento, excepto para o último (por falta de investigações
adequadas), as descontinuidades no desenvolvimento cerebral parecem ocorrer em idades
semelhantes às da ocorrência de descontinuidades cognitivas e emocionais. Neste sentido, o
presente modelo considera a existência de 2 processos de desenvolvimento relacionados entre
si:
(i) para cada nível de desenvolvimento existe um ciclo de desenvolvimento da conectividade
neuronal;
(ii) para cada modalidade existe um ciclo de desenvolvimento em termos da localização e da
actividade electrofisiológica cerebral, provavelmente relacionada com as alterações na conectividade
neuronal.
A cada nível, o ciclo de conectividade envolve 3 fases de desenvolvimento das conexões
neuronais: primeiro no hemisfério direito, depois no esquerdo e finalmente em ambos,
paralelamente. Depois o ciclo repete-se. Em geral, a conectividade no hemisfério direito retrai-
se durante o ciclo, movendo-se de ligações distantes para ligações próximas (isto é, da integração
para a diferenciação); no hemisfério esquerdo a conectividade expande-se, movendo-se de
ligações próximas para ligações distantes (da diferenciação para a integração).
Eis o quadro geral deste modelo de desenvolvimento de acordo com as propostas de Thatcher
(1991).Vejamos, agora, em maior detalhe como ocorre esse mesmo desenvolvimento.

2. Os ciclos do desenvolvimento e o desenvolvimento do neocórtice

Os dados fisiológicos do desenvolvimento permitem-nos considerar três grandes ciclos

VOLUME IV Nº5 SETEMBRO/OUTUBRO 2002


Editorial

separados por, pelo menos, duas bifurcações ou transições de fase: uma ocorrendo no
hemisfério esquerdo entre os 5 os 7 anos e uma outra ocorrendo no hemisfério direito entre
os 9 e os 11 anos (Bayer e Altman, 1991; Lopes da Silva, 1991).
Assim:
• O 1º ciclo decorre entre a idade de 1,5 anos até à idade de 5 anos;
• O 2º ciclo ocorre entre os 5 e os 10 anos;
• O 3º ciclo entre os 10 e os 14 anos.
Os pontos de transição cíclica, coincidentes com aquelas idades, foram determinados pelos
processos de desenvolvimento sequencial dos padrões anátomo-fisiológicos. Estes ciclos de
desenvolvimento hemisférico direito-esquerdo repetem-se ao longo de todo o desenvolvimento
da pessoa e representam um processo que diminui, de uma forma iterativa, a distância entre
a estrutura e a função, através de uma morfogénese gradual e refinada da micro-anatomia
cerebral. É possível definir um padrão iterativo e sequencial dos surtos de desenvolvimento.
Por exemplo, verifica-se uma sequência de alongamento ao longo do eixo antero-posterior e
de rotação em torno do eixo latero-mediano entre o 1,5 e os 3 anos; esta sequência é repetida
entre os 5,5 e 6,5 anos e entre os 14,5 e 15,5 anos. Esta repetição de sequências define os
subciclos, os quais, por sua vez, resultam da organização de microciclos e organizam-se em
grandes ciclos (Thatcher, 1994).
Portanto, estes surtos de desenvolvimento organizam-se em 2 grandes eixos: o eixo horizontal,
que determina o desenvolvimento direito-esquerdo e o eixo vertical que determina o
desenvolvimento antero-posterior.

Desenvolvimento direito-esquerdo
A literatura neuropsicológica tem vindo a sugerir que os dois hemisférios têm ritmos diferentes
10 de desenvolvimento, mas os resultados mais recentes evidenciam a existência de pólos anatómicos
e de gradientes diferenciais do desenvolvimento cortical pós-natal, bem como de transições
de fases entre os dois hemisférios (Thatcher, 1992). Para além disso, as diferentes direcções
das mudanças (o hemisfério esquerdo aumentando nas ligações intracorticais e o hemisfério
direito diminuindo) sugere que estes processos reflectem os precursores do funcionamento
hemisférico diferencial nos adultos. No entanto, subsistemas diferenciados, para operarem de
um modo eficiente, requerem coordenação e integração. Ora a sequência desenvolvimental do
hemisfério esquerdo opera-se no sentido da diferenciação a curta distância e de integração a
longa distância, enquanto que no hemisfério direito se processa no sentido contrário. Esta
ordem diferencial pode desempenhar um papel importante na maturação eventual do
processamento de tipo analítico e sequencial específico, do hemisfério esquerdo no adulto e
no processamento de tipo holístico, especial e integrativo, do hemisfério direito no adulto.
Presumivelmente, esta sequência iterativa reflecte uma consolidação do funcionamento holístico
do hemisfério direito para regiões relativamente localizadas dos lobos frontal e temporal
direitos.

Desenvolvimento antero-posterior
Dados empíricos sugerem um dado dominante do desenvolvimento cerebral pós-natal humano:
o desabrochar sequencial e a elaboração de conexões entre e dentro de zonas específicas dos
lobos frontais com as regiões temporais posteriores e centrais . Estes dados sugerem a existência
de um pólo e de um gradiente antero-posterior do desenvolvimento cerebral pós-natal. O pólo
anterior é sugerido por uma aumento sequencial das conexões frontais no hemisfério esquerdo
e uma diminuição dessas conexões no hemisfério direito; o pólo posterior é sugerido pelo

VOLUME IV Nº5 SETEMBRO/OUTUBRO 2002


Editorial

aumento sequencial das conexões das regiões occipitais e parietais esquerdas no sentido
anterior, e a contracção sequencial das conexões hemisféricas direitas para as regiões occipital
e temporal direitas no sentido posterior.
A dinâmica das bifurcações ou transições de fase é semelhante à que é observada nos sistemas
oscilatórios competitivos não lineares, nos quais as forças opostas se edificam imperceptivelmente
até que uma súbita diferenciação ou bifurcação ocorra . As mudanças súbitas ocorridas na
coerência do EEG observadas na transição dos 4 para os 5 anos, dos 5 para os 7, e dos 9 para
os 11 anos exibe características de catástrofe no sentido de René Thom . Este tipo de dinâmica,
em conjunto com os principais eixos do desenvolvimento cortical atrás definidos permite-nos
afirmar que os dados anatómicos cerebrais fundamentais são estabelecidos muito precocemente
no desenvolvimento, e que o processo de construção iterativo pós-natal é usado para afinar
a micro-anatomia com as necessidades de um ambiente em permanente mudança. Ora, esta
concepção coincide perfeitamente com as noções piagetianas de assimilação e acomodação.
Estes processos permitem à criança assimilar os estímulos externos aos esquemas internos e
acomodar esses esquemas de modo a moldar-se aos atributos estruturais do ambiente. Ou
seja, um tipo de dinâmica evolutiva de esquemas moldados pelo aspecto reactivo da internalização
sensório-motora e pela externalização de actos planeados no sentido da formação de esquemas
com níveis de sofisticação cada vez maiores.
Este tipo de dinâmica é, precisamente, a mesma que encontramos ao longo do desenvolvimento
cortical, conforme penso ter demonstrado ao longo da exposição.
Eis, meu caro leitor, uma visão renovada da teoria piagetiana do desenvolvimento à luz dos
achados mais recentes quer da investigação neurocerebral, quer dos modelos assentes nas
teorias actuais do caos e da complexidade.

11
Notas:

1 A noção de determinismo que aqui usarei não se restringe, no domínio humano, ao determinismo biológico,

mas também ao determinismo social, representado pela rede normativa das normas sociais na qual um
indivíduo vive e cresce. Esta rede apresenta, na nossa espécie, uma força de determinação tão poderosa
como a genética, já que a própria evolução da espécie acabou por libertá-la dos condicionalismos da
selecção natural _ através da criação da cultura _ mas essa libertação não deixou espaço para um
desenvolvimento das estruturas biológicas (nomeadamente do sistema nervoso) que acompanhasse o
desenvolvimento da então criada cultura. A tal ponto que actualmente, alguns autores, consideram que a
selecção da nossa espécie é, hoje, de tipo cultural e não natural.
2 A noção de ciclo é uma noção mais complexa do que a noção de estadio. Enquanto que o ciclo significa

um conjunto de acontecimentos que se repetem na mesma ordem e aproximadamente no mesmo intervalo


de tempo, o estadio é um processo discreto ou etapa. O processamento intra-cíclico desenvolve-se em
termos de re-organizações e reintegrações transcíclicas.

Referências

Bayer, S. e Altman, J. (1991). Neocortical development. New York. Raven Press.


Damásio, A. (1994). Descartes’ Error. Emotion, Reason, and the Human Brain. New York: Grosset/Putnam Books.
Edelman, G. (1988). Neural Darwinism.The theory of neural group selection. New York. Basic Books.
Lopes da Silva, F. (1991). Neural mechanisms underlying brain waves: from neural membranes to networks.

VOLUME IV Nº5 SETEMBRO/OUTUBRO 2002


Editorial

Electroencephalography and Clinical Neurophysiology, 79: 81-93.


Thatcher, R. (1991). Maturation of the human frontal lobes: physiological evidence for staging. Developmental
Neuropsychology, 7(3), 397-419.
Thatcher, R. (1992). Cyclic cortical reorganization during early childhood development. Brain and Cognition,
20: 24-50.
Thatcher, R. (1994). Cyclic Cortical Reorganization. Origins of human cognitive development. Em Dawson,
G. e Fisher, K. (Eds.), Human Behavior and the developing brain. New York: Guilford Press.
Fisher, K. (1994). Dynamic Development of Coordination of Components in Brain and Behavior. A framework
for Theory and Research. In G. e. F. Dawson, K. (Ed.), Human Behavior and the Developing Brain . Nova Iorque:
Guilford Press.
Thom, R. (1975). Structural Stability and Morphogenesis. : Benjamin, W.

12

VOLUME IV Nº5 SETEMBRO/OUTUBRO 2002