Você está na página 1de 14
Prof.Dr. Prof.Dr. Jos Jos é é Luiz Luiz P. P. Melges Melges Departamento Departamento de
Prof.Dr. Prof.Dr. Jos Jos é é Luiz Luiz P. P. Melges Melges Departamento Departamento de
Prof.Dr. Prof.Dr. Jos Jos é é Luiz Luiz P. P. Melges Melges Departamento Departamento de

Prof.Dr.Prof.Dr. JosJoséé LuizLuiz P.P. MelgesMelges DepartamentoDepartamento dede EngenhariaEngenharia CivilCivil FaculdadeFaculdade dede EngenhariaEngenharia dede IlhaIlha SolteSolteiirara -- UNESPUNESP

Civil Civil Faculdade Faculdade de de Engenharia Engenharia de de Ilha Ilha Solte Solte i i

1.1. Introdução:Introdução: CabosCabos

Caso particular de barra. Só admite força normal de TRAÇÃO (N > 0). Nenhuma rigidez à flexão.

Com relação ao alongamento:

lei de Hooke é válida ( σ = E ε ).

Um cabo fixado nas duas extremidades e submetido ao seu peso próprio vai apresentar um formato curvo.

ao seu peso próprio vai apresentar um formato curvo. Esta curva é chamada de catenária (

Esta curva é chamada de catenária ( do latim catena”, que significa corrente ).

Condutores das linhas aéreas de transmissão podem ser considerados suficientemente flexíveis quando os pontos de suspensão (apoios) estiverem razoavelmente afastados entre si.

suficientemente flexíveis quando os pontos de suspensão (apoios) estiverem razoavelmente afastados entre si.

2.2. EquaçãoEquação dada catenáriacatenária

Para um cabo submetido ao seu peso próprio (p), apoiado em suportes de mesma altura e separados entre si por uma distância l (vão), e adotando-se a origem do sistema de eixos x e y no ponto mais baixo da curva, a equação da catenária será dada pela expressão:

a equação da catenária será dada pela expressão: y = To p ⎡ ⎢ cosh ⎜
a equação da catenária será dada pela expressão: y = To p ⎡ ⎢ cosh ⎜

y =

To

p

⎡ ⎢ cosh

(

x

To / p

)

⎟ − 1

 

onde:

To = força normal horizontal que atua no cabo,na origem do sistema de eixos adotado

 

cosh

(

x

To / p

)

pode ser desenvolvido em série:

cosh

x

1

= +

 

x

2

+

x

4

+

x

6

+

+

x

n

(

To / p

)

2

(

To / p

)

2

(

4! To / p

)

4

(

6! To / p

)

6

(

n! To / p

) n

O termo

Nas linhas de transmissão, o valor de (To/p) é muito grande (superior a 1 000), que faz com que a série seja rapidamente convergente. Em geral, emprega-se apenas os dois primeiros termos (SIMPLIFICAÇÃO).

Deste modo, a equação da catenária passa a ser a equação de uma parábola.

y =

To

p

1 +

x

2

2

(

To / p

)

2

1 ⎥ =

2

p x

2 To

Portanto, o valor da máxima flecha (f) será igual a :

Portanto, o valor da máxima flecha (f) será igual a : 2 2 p ( /
2 2 p ( / 2 ) l p l f = y = =
2
2
p ( / 2 )
l
p l
f
=
y
=
=
( x
= l
/ 2 )
2 T
8 T
o
o

3.3. ComprimentoComprimento dodo cabocabo (L)(L)

O comprimento (L) de um cabo é dado pela expressão:

L = 2

To

p

senh

l

p

⎜ ⎝

⎜ ⎝ 2 To

2 To

⎟ ⎟

Efetuando o desenvolvimento em série:

To ⎞ ⎢

p

L = 2

3

5

⎟ ⎠ ⎠ ⎟

⎟ ⎠ ⎠ ⎟

⎟ ⎠ ⎠ ⎟

l

1

l

1

l

1

l

To

p

2

3!

To

p

2 ⎜ ⎜ ⎝

5!

To

p

2 ⎜ ⎜ ⎝

n!

To

p

2 ⎜ ⎜ ⎝

+

+

+

+

n

Esta série também converge rapidamente. Na maioria dos casos, basta considerar os dois primeiros termos (SIMPLIFICAÇÃO ):

L

To ⎞ ⎢

= 2

p

Como

f =

l

To

p

2

p l

2

8 To

+

1

3!

tem-se que:

⎠ ⎠ ⎟

l

To

p

2 ⎜ ⎜ ⎝

3

=

l

L = l +

8 f

2

3 l

+

p

2

l 3

24 To

2

4. 4. Variação Variação da da força força normal normal ao ao longo longo

do do comprimento comprimento do do cabo cabo

Isolando-se um trecho de comprimento s do cabo e aplicando-se as equações de equilíbrio, tem-se que

e aplicando-se as equações de equilíbrio, tem-se que ∑ F y = 0 ∑ F x

F y = 0

F x = 0

T sen α = p s

T cos α = To

Dividindo-se a Eq.(I) pela Eq.(II):

tan α = p s / To
tan α = p s / To

tan α = p s / To

tan α = p s / To
tan α = p s / To
tan α = p s / To

Portanto,

p/

s = 0

α = 0

(valor mínimo)

p/

s = (L/2) → α = arc tan [ p (L/2) / To ]

(valor máximo)

(L/2) → α = arc tan [ p (L/2) / To ] (valor máximo) Portanto, a
(L/2) → α = arc tan [ p (L/2) / To ] (valor máximo) Portanto, a

Portanto, a força normal (T) irá variar ao longo do cabo em função do ângulo α (ver Eq.II):

T = To / cos α

Esta força será mínima no meio do vão (To) e máxima no apoio.

Para casos específicos, quando a flecha for considerada muito pequena em relação ao vão (e conseqüentemente α será pequeno na região do apoio), pode-se considerar a força normal T que atua no cabo como sendo constante e igual a To

5.5. ReaçõesReações nosnos apoiosapoios

5. 5. Reações Reações nos nos apoios apoios Reação horizontal: H = T cos α =

Reação horizontal: H = T cos α = To

Reação vertical:

R = T sen α =

p L / 2

6. 6. Resumo Resumo das das Equações Equações do do cabo cabo

para para vão vão nivelado nivelado

Tração nos apoios:

para :

T = To / cos α

α = arc tan [ p (L/2) / To ]

Flecha:

f =

p

l

2

8 T

o

Comprimento do cabo:

L = l +

8 f

2

3 l

EXERCEXERCÍÍCIOSCIOS