Você está na página 1de 6
Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática – A Tema II

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática – A Tema II – Introdução ao Cálculo Diferencial I Funções Racionais e com Radicais Taxa de Variação e Derivada

– A Tema II – Introdução ao Cálculo Diferencial I Funções Racionais e com Radicais Taxa

Tarefa nº 20

1.

Estude a função f(x) =

x , evidenciando as seguintes características: domínio, zeros,

x , evidenciando as seguintes características: domínio, zeros,

 

monotonia, extremos, contradomínio, assímptotas e injectividade.

 

1.1. Qual é a função inversa de f ?

 

1.2. Que relação existe entre o gráfico de f e o das funções; g(x) =

x
x

3 , h(x) = 2 +

x
x

e

 

i(x) =

x + 1
x
+ 1

4 ?

 

1.3. Que tipo de curva é o gráfico de a(x) = 2

x
x

e de b(x) = 2

1.3. Que tipo de curva é o gráfico de a(x) = 2 x e de b(x)

x ?

 

2.

Considere a função c(x) =

2x+
2x+

2+ 1.

2.1.

Qual é o domínio da função? E o contradomínio?

 

2.2.

Em que ponto o gráfico de c intersecta a bissectriz dos quadrantes pares?

 

3.

 

3.1.

Quais são as principais características da função

g(x) =

3
3

x + 1?

3.2.

Qual a função inversa da função g?

 

4.

Resolva o exercício 67 da página 134.

5.

A partir de um cubo foram construídas duas peças P e Q, através de um corte pelo plano ABC em que os pontos B e C são pontos médios das arestas a que pertencem.

5.1. Designe por v o volume, em cm 3 , da peça P. Mostre que a aresta do cubo é dada em função de v, por uma função f definida por

f (v) =

função de v , por uma função f definida por f ( v ) = 4

4v .

B A
B
A

C

5.2. Designe por a a área, em cm 2 ,da face [ABEF] da peça Q. Mostre que a aresta do

cubo é dada em função de a pela função g definida por

a g ( a ) = 2 . 3
a
g
(
a
)
=
2
.
3
F E Q B A P
F
E
Q
B
A
P

C

5.3.

Recorrendo às funções f e g definidas e à calculadora, preencha a seguinte tabela, apresentando os resultados arredondados às centésimas.

Volume da peça P

Aresta do cubo

Área da face [ABEF]

v

a

12

   
   

16

35

   
   

40

5.4. Considere que a aresta do cubo tem 10 cm de comprimento. Recorrendo à calculadora gráfica, representa as funções f e g determina valores de v e de a.

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática – A Tema II

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática – A Tema II – Introdução ao Cálculo Diferencial I Funções Racionais e com Radicais Taxa de Variação e Derivada

– A Tema II – Introdução ao Cálculo Diferencial I Funções Racionais e com Radicais Taxa

Tarefa nº 20 – Proposta de resolução

1. Estudemos a função f(x) =

na tabela seguinte:

1. Estudemos a função f(x) = na tabela seguinte: x , cujo gráfico está na figura

x , cujo gráfico está na figura ao lado e sintetizemos os resultados

domínio

zeros

monotonia

extremos

contradomínio

assímptotas

injectividade

[0, +• [

x = 0

crescente

mínimo – zero não tem máximo

[0, +• [

Não tem

É injectiva

1.1. A função inversa de f obtém-se de

y =

É injectiva 1.1. A função inversa de f obtém-se de y = 2 x € x

2

x x= y , podemos então dizer que

função real de domínio [0, +• [ definida por

f

1

(

x

)

=

x

2

f

1 é uma

1.2. A partir do gráfico de f podemos obter o gráfico da função:

g(x) =

g(x) = x 3 , fazendo uma translação horizontal associada ao vector de coordenadas

x 3 , fazendo uma translação horizontal associada ao vector de coordenadas

(3,0),

h(x) = 2 +

h(x) = 2 + x , fazendo uma translação vertical associada ao vector de coordenadas

x , fazendo uma translação vertical associada ao vector de coordenadas

(0,2),

i(x) =

i(x) = x + 1 4 , fazendo uma translação associada ao vector de coordenadas (-1,-4).

x + 1 4 , fazendo uma translação associada ao vector de coordenadas (-1,-4).

1.3. A curva representativa do gráfico de a(x) = 2 x é um ramo de parábola de eixo horizontal

com todas as ordenadas negativas ou zero e a curva representativa do gráfico de

é o outro ramo da mesma parábola de eixo horizontal com todas asnegativas ou zero e a curva representativa do gráfico de b(x) = 2 ordenadas negativas ou

ramo da mesma parábola de eixo horizontal com todas as b(x) = 2 ordenadas negativas ou

b(x) = 2

ordenadas negativas ou zero.

2. Considere a função c(x) =

2+ 1. + 1.

2.1. O domínio da função é

D

c

=

porque

2x + 2 ≥ 0 + 2 0

2x+ 2
2x+
2

{

x

IR : 2x+

2

}

0 =

[

+•1,

0

+2x +2
+2x +2
 

1

1.

[

e o contradomínio é

]

,1]

2.2. abcissa do ponto em que o gráfico de c intersecta a bissectriz dos quadrantes pares é

A

a

solução

da

equação c(x) = x

2x+ +2
2x+
+2

=1

x

+ 1 = x

+2x
+2x

2 , ora

1+ x =

1 + x = 2x + 2 ⇒ ( 1 + x ) 2 ( 1

2x + 2

(

1+ x

)

2

(

1+ x

)

2

=

(

2x + 2
2x + 2

)

2

1+

=

( 2x + 2 2 2x+ x =
(
2x + 2
2
2x+
x =

)

2

e

2x+ 2

2

x

=1

0

=x

1=

x

1

Verifiquemos se os valores encontrados são soluções da equação inicial.

Verificação para

x = 1

2( 1+) 2+
2(
1+)
2+

1=

( 1)

+ 0= 1

1

então

x = 1 é solução

Verificação

para

x = 1

2 1+ 2+
2
1+
2+

1=

1

+ 2= 1

1

então

x = 1 é solução

3.

4.

A equação podia ter sido resolvida graficamente. Por observação do gráfico parece-nos ver que as intersecções são os pontos de coordenadas (-1,1) e (1,-1). A calculadora pode induzir-nos em erro se tentarmos calcular as intersecções. Pode só nos mostrar o ponto de coordenadas

(1, 1) , mas se calcularmos o valor de cada uma das funções no ponto de abcissa -1, a

calculadora vai indicar-nos o mesmo valor para as duas, donde podermos concluir que, como na resolução analítica, que a função intersecta a bissectriz dos quadrantes pares em dois pontos de coordenadas (-1,1) e (1,-1).

pares em dois pontos de coordenadas (-1,1) e (1,-1). Resolvamos o exercício 67 da página 134.
pares em dois pontos de coordenadas (-1,1) e (1,-1). Resolvamos o exercício 67 da página 134.
pares em dois pontos de coordenadas (-1,1) e (1,-1). Resolvamos o exercício 67 da página 134.
pares em dois pontos de coordenadas (-1,1) e (1,-1). Resolvamos o exercício 67 da página 134.

Resolvamos o exercício 67 da página 134.

3.1.

x= 10 ⇒ ( 5 x 5 ( 95)= 10€ 10=
x= 10 ⇒
(
5
x
5
(
95)=
10€
10=

) 2

=

2

10

5

=x

100

=x

95 verificação da solução

10 PV Concluímos assim que x = 95 é a solução da equação.

4.1. Estudemos algumas características da função

g(x) =

3
3

x + 1:

Depois de experimentarmos várias janelas de visualização para o gráfico podemos escolher um zoom decimal que nos permite ver as principais características do gráfico,

O domínio é IR

O contradomínio é IR

Tem um zero que é x = 1:

3 x + 1 = 0 €

3 x +1 = 0

x+ 1=

0

x=

É injectiva

x + 1 = 0 € x + 1 = 0 € x = É injectiva

1

É crescente

4.2. A função inversa da função g obtém-se de:

uma função real de domínio IR definida por

3 y = x +1 € x+ 1= 1 g ( x ) 3 =
3
y =
x +1 €
x+ 1=
1
g
(
x
)
3
=
1
+
x

3

y

x=

+1

y

3

e

g

1

é

5. A partir de um cubo foram construídas duas peças P e Q, através de um corte pelo plano

ABC em que os pontos B e C são pontos médios das arestas a que pertencem.

5.1. Designe por v o volume, em cm 3 , da peça P.

Mostre que a aresta do cubo é dada em função

de v, por uma função f definida por f(v) =

A peça P é um prisma triangular recto em que a

base é um triângulo rectângulo cujos catetos

3
3

4v .

medem f e

f

2 . A altura do prisma é f.

Então o volume v será tal que

v

=

f f 2 2
f
f
2
2

f

v

=

f

3

4

B A
B
A

3

f

=

4v

=

f

C

F E Q B A P 3 4v
F
E
Q
B
A
P
3
4v

C

5.2. Designe por a a área, em cm 2 ,da face [ABEF] da peça Q. A face [ABEF] é um trapézio

rectângulo onde a base maior é g a base menor é g

2

e a altura é também g. A aresta do

a cubo é dada em função de a pela função g definida por g(a) =
a
cubo é dada em função de a pela função g definida por g(a)
=
2
3
com a fórmula da área de um trapézio temos:
g
3
g
+
g
3
2
2
2
2
a
=
g
a
=
g
=
a
g
=
g
4 €
a
=
g
€ 4
a
=
g
2
2
4
3
3

porque, de acordo

2

a 3
a
3

5.3. Recorrendo às funções f e g definidas e à calculadora, preencha a seguinte tabela,

apresentando os resultados arredondados às centésimas.

Volume da peça P

Aresta do cubo

Área da face [ABEF]

v

a

12

f(12) 3,63

9,91

24,63

g(16) 4,62

16

35

f(35) 5,19

20,22

97,37

g(40) 7,30

40

5.4. Considere que a aresta do cubo tem 10 cm de comprimento. Recorrendo à calculadora
5.4. Considere que a aresta do cubo tem 10 cm de comprimento. Recorrendo à calculadora
5.4. Considere que a aresta do cubo tem 10 cm de comprimento. Recorrendo à calculadora
5.4. Considere que a aresta do cubo tem 10 cm de comprimento. Recorrendo à calculadora
5.4. Considere que a aresta do cubo tem 10 cm de comprimento. Recorrendo à calculadora

5.4. Considere que a aresta do cubo tem 10 cm de comprimento. Recorrendo à calculadora gráfica, represente as funções f e g e determine os valores de v e de a.

represente as funções f e g e determine os valores de v e de a .
represente as funções f e g e determine os valores de v e de a .
represente as funções f e g e determine os valores de v e de a .
represente as funções f e g e determine os valores de v e de a .