Conhecimento, energias renováveis, produtos de alto valor agregado e nichos especiais de mercado, para erradicação da pobreza crônicas em comunidades

remotas.
MICROGERAR 2012
Brasília, 22 a 23 de maio de 2012

PROJETO LUZ DO SOL – 2.700 casas

336 escolas públicas em Alagoas

INTERFACE COM O PRODEEM 220 SISTEMAS DE BOMBEAMENTO D’ÁGUA

CISTERNA DE ARGAMASSA ARMADA CONSTRUIDA

BIODIGESTOR

FOGÕES MAIS EFICIENTES E COM CHAMINÉS

FOGÃO SOLAR PARABÓLICO

O  mundo    como  nós  conhecemos,  incluindo  a   economia  de  mercado,  foi  construído  com  ervas   aromá2cas  e  especiarias    nas  formas  secas  e   moídas  para  sua  conservação.   .  

Na época das grandes navegações os portugueses podiam sentir os aromas da Índia, antes mesmo de avistar seu litoral. As plantas, os frutos e ervas secas, rendiam fortunas inimagináveis que levavam os banqueiros genoveses e florentinos a se associarem aos lusitanos nesses empreendimentos ultramarinos

Quebraram com isto o monopólio Veneziano/Árabe. Os “navios do deserto” (camelos) foram vencidos pela energia eólica das caravelas, atestando a importância dos produtos de alto valor agregado associado as tecnologias alternativas: sol para secagem e vento para o transporte.

O Instituto ECOENGENHO pretende assim, associar tecnologias de baixo impacto com produtos de alto valor agregado para nichos especiais de mercado, criando um circulo virtuosa que aumente a autonomia das comunidades e a sua capacidade de realizar o futuro.........

Comunidade de Sítio Baixas, São José da Tapera - AL

Palha para Artesanato

A cozinha da casa

Cada ano mais filhos

A espera de ......... !!

Projeto Sítio Baixas Pimenta da Tapera

Os problemas do Nordeste do “Fome Zero”, não são diferentes do Nordeste de Padre Cícero, do Juazeiro do Norte; de Antônio Conselheiro, de Canudos na Bahia; de “Meu Rei” em Catimbau, Pernambuco e mais recentemente, de Frei Damião no sertão das Alagoas. Esses mitos tornaram evidente, em suas histórias, a ausência, ao longo dos anos, de políticas públicas efetivas, eficientes e sustentáveis par

•  Dimensões: 1,5m x 8,0m •  Producão média : 250 l / dia •  Custo médio do equipamento: R$ 800,00

Antes

Depois

Hoje, estamos trabalhando com a Aroeira ( Schinus terebinthifolius Raddi) espécie vegetal da nossa Mata Atlântica, onde encontramos uma excelente oportunidade para nos inserirmos na saga das especiarias.......

A escolha foi devido a grande plasticidade ecológica desta planta que ocorre desde o nordeste do Brasil, passando pelo cerrado até o Rio Grande do Sul, de planícies costeiras até e altitudes por volta de 1200 m. É uma planta muito tolerantes a água salobra, crescendo bem em terrenos secos e pobres, atingindo alturas de até 10m.

Pela  vertente  produ;va,  a  aroeira    também  apresenta  uma   versa;lidade  extraordinária,  podendo  ser  u;lizada  como  condimento,   uso  medicinal,  recuperação  de  ambientes  degradados,  forragem  para   caprinos,  apicultura,  cerca  viva,  madeira,  lenha  e  carvão,  dentre   vários  outros  usos.  

Uma semente para a inclusão sócio produtiva sustentável de populações extrativistas do Baixo São Francisco

Campo de atuação: geração de renda e oportunidade de trabalho Local: Baixo São Francisco nos municípios de Piaçabuçú e Penedo em Alagoas e Neópolis e Santana do São Francisco em Sergipe. Objetivo: Criar um modelo demonstrativo de gestão sustentável para cadeia produtiva extrativista do Baixo São Francisco.

•  PRINCIPAIS AÇÕES 1. Mobilizar as comunidades e constituir uma associação dos extrativistas de pimenta-rosa do Baixo São Francisco; 2. Implantar uma unidade demonstrativa de beneficiamento artesanal de pimenta-rosa e outros produtos agrícolas; 3. Capacitar os associados para a colheita, beneficiamento e venda da pimenta-rosa e outros produtos; 4. Implementar Plano de Negócio para as linhas de produção da unidade de beneficiamento

OBRIGADO
José Roberto Fonseca
jrfonseca@ecoengenho.org.br

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful